SlideShare uma empresa Scribd logo
FORUM MUNICIPAL DE BOMBINHAS
 Reflexão Sobre a Competitividade de Destino Turístico

                    23 de março de 2013
SEJAM BEM-VINDOS
OBJETIVOS DO WORKSHOP

• Proporcionar uma reflexão sobre a competitividade
  no setor turístico.
• Relembrar os pontos positivos e gargalos
  do destino.
• Traçar e Priorizar Ações que deverão nortear o
  desenvolvimento turístico do destino.
• Fazer encaminhamentos para dar continuidade aos
  caminhos estratégicos definidos
AGENDA

• Alinhamento estratégico;

• Perfil de Bombinhas - Reflexão;

• Atividade de priorização de ações para o
  desenvolvimento do destino;

• Apresentação e validação dos trabalhos em plenária;

• Encaminhamentos do encontro - Acordo.
ALINHAMENTO ESTRATÉGICO
A DINÂMICA DO MERCADO
O MERCADO TURÍSTICO

               DESTINOS TURÍSTICOS
                                      Demanda
              OPERADORAS / AGÊNCIAS



                  GOVERNANÇA
               TRADE / COMUNIDADE
Oferta
                     TURISTA
                   (segmentos)
O turismo depende da existência e da
 atuação de uma rede de prestadores de
serviços + poder público para atender ao
mercado, aos turistas, que são “pessoas”.

         REDE DE COOPERAÇÃO
O TURISTA ATUAL!
TURISTA DO SÉCULO XXI
O ATENDIMENTO AO NOVO TURISTA
 • Busca envolvimento profundo com a cultura e
   com a natureza dos destinos; seu objetivo é,
   sobretudo, o enriquecimento pessoal. Quer
   participar do processo de escolha/roteiros.
 • Está exposto a uma infinidade de ofertas em nível
   mundial - fortes apelos/ofertas de serviços
 • O desafio, portanto, é OFERECER PRODUTOS
   INOVADORES, ENVOLVENTES E DE QUALIDADE
   para ser PREFERIDO por este turista.
PRODUTO




Formatação da oferta
CONCEITOS BÁSICOS
Atrativos Turísticos
Locais, objetos, equipamentos, fenômenos, eventos ou
manifestações capazes de motivar o deslocamento de pessoas
para conhecê-los. Os atrativos turísticos podem ser naturais;
culturais; eventos programados e realizações técnicas,
científicas e artísticas.
Atrativo Turístico Âncora
É todo atrativo turístico excepcional e de grande
interesse, com significação para o mercado turístico
nacional e internacional, capaz de, por si só, motivar
importantes correntes de visitantes, atuais e potenciais.
CONCEITOS BÁSICOS
Produto Turístico
Atrativo, equipamento e/ou um serviço turístico estruturado
e ofertado por um determinado preço, com horário de
atendimento(disponibilidade e serviços).

Produção Associada ao Turismo
É qualquer produção artesanal, industrial ou agropecuária
que detenha atributos naturais e/ou culturais de uma
determinada localidade ou região, capazes de agregar valor
ao produto turístico. São as riquezas, os valores e os sabores
brasileiros. Diferencial competitivo de um destino.
TENDÊNCIAS EM PRODUTO
            Valorização dos aspectos regionais e culturais
   Exploração da individualidade/espaço para co-criação/agrados
     Oferta de experiências memoráveis, seguras e autênticas
               Hospitalidade/conforto/personalidade
            Consciência socioambiental/sustentabilidade
Disposição do turista a experimentar coisas que em sua vida não faz
                   Gastronomia/vivências exóticas
    Disponibilidade de recursos e falta de tempo/roteiros curtos
    Exploração da espiritualidade, religiosidade e do misticismo
               Saúde e bem-estar (qualidade de vida)
          Luxos acessíveis/“viajando eu me dou o direito”
    Roteirização turística/“Menu de experiências para escolher”
        Destino de moda/“ Quero status/famosos/amigos”
                  Pesquisa realizada com 20 associados da BRAZTOA 2009 (MTur/Sebrae)
OFERTA IDEAL
EXPECTATIVAS DAS OPERADORAS COM O FORNECEDOR
LOCAL DO DESTINO

 • Ter uma maior capacidade de planejamento.
 • Desenvolver uma política comercial mais consciente.
 • Maior conhecimento do mercado.
 • Qualificar o atendimento ao cliente (hotelaria, guias etc.).
 • Treinar estas pessoas para que tenham conhecimento cultural
   que enriqueça a experiência do turista.
 • Domínio de idiomas estrangeiros.
 • Maior flexibilidade na solução de problemas.
 • Agilidade no fornecimento de informações para clientes e
   operadoras.
                Pesquisa realizada com 20 associados da BRAZTOA 2009 (MTur/Sebrae)
TURISMO E INTERNET
Para o turista, as duas ferramentas mais importantes são:boca-a-boca e internet!
         BUSCA DA INFORMAÇÃO                                     ELABORAÇÃO DO ROTEIRO

                 1. Indicação                                     1. Consulta prévia a amigos

   2. Internet (site de hotéis, dos destinos)                     2. Consulta prévia à internet

             3. Programas de TV                                     3. Consulta a operadoras

                   4. Jornais                            4. Montado em conjunto com as operadoras

                   5. Hotéis                                  5. Dicas em hotéis ou restaurantes

Para operadores e agentes, as duas ferramentas mais importantes são: internet e a mídia!
         FORMAS DE DIVULGAÇÃO                                    ELABORAÇÃO DOS ROTEIROS
             1. Site da operadora                                       1. Busca na internet

     2. Links patrocinados (Google, Yahoo)                              2. Consulta a revistas

              3. E-mail-marketing                                     3. Participação em feiras

       4. Anúncios em revistas e jornais                         4. Caderno de turismo de jornais

           5. Participação em feiras                                      5. Visitação local
                                           Pesquisas qualitativas realizadas pelo MTUR E SEBRAE- março de 2009
PERFIL DO DESTINO
            Bombinhas/SC
  14.293 habitantes (IBGE 2010), área 33,767 Km²
PERFIL DO DESTINO                            BOMBINHAS
      SEGMENTOS TURÍSTICOS                 ATRATIVOS PRODUTOS-ÂNCORA
        Turismo de Sol e Praia                  Península com 39 praias:
   (incluindo atividades náuticas)          Bombas e Bombinhas, Sepultura,
                                         Lagoinha, Embrulho e Prainha, Quatro
  Ecoturismo/Turismo de Aventura         Ilhas e Mariscal, Canto Grande e Praia
            (natureza)                                 da Tainha
           Turismo Cultural                      Mergulho: Arvoredo
(incluindo gastronomia, arte e pesca e     "Capital do Mergulho Ecológico"
             aquicultura)
                                             Museu Engenho do Sertão
      PRODUÇÃO ASSOCIADA                    Museu Casa do Homem do Mar
            Gastronomia                       Instituto Kat Schurmann
             Artesanato                      Museu e Aquário Marinho
          Pesca Artesanal                    Museu e Mirante Eco 360º
   Casa de Cultura Piana do Crivo            Pôr-do-sol na Baía de Zimbros
        Roteiro dos Artesãos                 Capela Imaculada Conceição
PRODUTOS
                                 ATIVIDADES
Mergulho - locação de equipamentos - mergulho livre, de superfície e cursos de
                                 formação
Locação de caiaque; aulas de surfe e de stand up paddle; locação de pranchas
     Locação de bicicletas; passeios de bananaboat, para sail e pedalinho
    Caminhadas e trilhas guiadas; city tour, passeios de barco e de buggy
 Roteiro de cicloturismo - integra as dez cidades da região Costa Verde & Mar
                         CALENDÁRIO DE EVENTOS
      Eventos esportivos: corridas, maratonas, travessias, revezamento
        VI Semana Internacional de Gastronomia da Costa Esmeralda
        Observação da Pesca da Tainha / 28ª Festa da Tainha da APAE
                       Festa do Pescador /Maricultor
                             Carnaval, Réveillon
                   Festa Nossa Senhora dos Navegantes.
MERCADO
                             DEMANDA ATUAL

                        Segmentos representativos:
                 Região Sul (RS, PR, SC) – também SP, RJ, MT
        Países: Brasil (76,39%) Argentina (20,83%) Paraguai (2,78%)
               Predominantemente nível de instrução superior
                  Todas as idades – média de 30 a 50 anos
                     Vem buscar: sol e praia e mergulho
     Motivo: Turismo/lazer (95,83%); Visita a familiares/amigos (1,39%);
            negócio (1,39%); lvisita a familiares/amigos (1,39%)

               Sazonalidade: De novembro a março - Carnaval
Tempo de permanência do turista: Média 6 dias/predominantemente 5 a 10 dias
MERCADO
                           MERCADO DE RECEPTIVOS

                   Possui 2 Centros de Atendimento ao Turista
              Possui agências de turismo (5 no site) – 3 receptivos?
                  3 guias de turismo/apenas 1 regulamentado
                       7 empresas de transporte turístico

                                EQUIPAMENTOS

    141 pousadas e hotéis (11.560 leitos); 15 campings e 1 albergue (taxa de
                                ocupação 29%)
96 residenciais, alguns deles, utilizados para aluguel aos turistas nas temporadas

    Restaurantes, pizzarias, lanchonetes e confeitarias -57 estabelecimentos
GESTÃO TURÍSTICA

                       MOBILIZAÇÃO DA GOVERNANÇA

                   Possui COMTUR/governança organizada
 Entidades que possuem relação com o turismo: Associações de Moradores, de
Surfistas, Pescadores, Maricultores, Artesãos, grupos folclóricos, representantes
  de museus, rádios locais, associações de hotéis, bares e restaurantes, AEMB,
           além de algumas representações do setor civil e residenciais.

                        PARCERIAS PÚBLICO E PRIVAD0

                Falta de participação de algumas entidades;
         Falta de conhecimento das ações realizadas pela secretaria
                   e por parte dos membros do COMTUR;
      Desmotivação das classes em função da descontinuidade de ações.
   Embora ainda seja deficiente a integração do trade com a gestão pública,
                  há iniciativas de reversão deste cenário.
CAMINHOS PARA O POSICIONAMENTO
                    CONCEITO/SLOGAN

            VISITE BOMBINHAS. É INACREDITÁVEL.

                ELEMENTOS DE IDENTIDADE

                          Paraíso;
           Sustentabilidade turística e ambiental;
    Preservação para um ambiente mais desenvolvido;
                       Cidade Parque;
Belas praias/muitas opções de ecoturismo/muitos atrativos
             culturais/excelente gastronomia;
     Bombinhas é considerada a Capital do Mergulho;
          Entre as cinco melhores Praias do Brasil
 PRÊMIO O MELHOR 2012/13– REVISTA VIAGEM – LEITOR
COMPETITIVIDADE
COMPETITIVIDADE




      O que é
      competitividade?
COMPETITIVIDADE
BASES DA COMETITIVIDADE


            ESTRATÉGIA




        COMPETITIVIDADE GLOBAL
     ÍNDICES         VISÃO



           COMUNICAÇÃO
BASES DA COMETITIVIDADE


               Definição de quais recursos serão utilizados para atingir
ESTRATÉGIA     um objetivo, antecipar problemas e preparar o destino
               para ser competitiva.




               Entendimento de que a empresa age localmente e
VISÃO GLOBAL   atua globalmente na captação de clientes e no
               desenvolvimento de produtos e serviços inovadores.
BASES DA COMETITIVIDADE


              Processo de intercâmbio de informações e
              relacionamento com os públicos, que facilita o
COMUNICAÇÃO   crescimento da competitividade da empresa e é fator
              determinante na implementação das estratégias.




              São definidos por indicadores que norteiam as
  ÍNDICES     ações e propostas estratégicas do destino.
DIMENSÕES DA COMPETITIVIDADE
INFRAESTRUTURA       TURISMO        POLÍTICAS PÚBLICAS    ECONOMIA       SUSTENTABILIDADE



                    3.Serviços e
1.Infraestrutura                        6.Política        9.Economia        11.Aspectos
                   equipamentos
      geral                              pública             local            sociais
                      turísticos



                    4.Atrativos       7. Cooperação      10.Capacidade      12.Aspectos
   2. Acesso
                     turísticos          regional         empresarial       ambientais



                   5. Marketing e                                           13.Aspectos
                    Promoção do      8. Monitoramento                        culturais
                       Destino



                                                                           Fonte: FGV/MTur/SEBRAE, 2009
REFLEXAO SOBRE A COMPETITIVIDADE DE BOMBINHAS

           FORÇAS E ASPECTOS POSITIVOS DO DESTINO

    Potencial turístico / museus / título de 3ª melhor praia
    Festa da Tainha, do Marisco e Semana da Gastronomia
                     Vontade administrativa
  Mar / belas praias / muitos atrativos culturais / excelentes
   insumos para a gastronomia / muitos atrativos naturais
                   Infraestrutura de mergulho
                              Trilhas
Belezas naturais / áreas verdes / natureza / sossego / qualidade
     dos atrativos naturais / beleza natural (praias, mar);
                Oferta de meios de hospedagem
REFLEXÃO SOBRE A COMPETITIVIDADE DE BOMBINHAS
               FRAQUEZAS/PRINCIPAIS PROBLEMAS

   Superlotação; segurança; estrutura de trilhas existentes no
     município;segundo acesso; vias urbanas; cidade feia.
Saneamento; infraestrutura pública (escola, educação, lixo, ruas);
                       melhorar acesso.
Falta de cuidados com a conservação das praias; falta explorar os
                  atrativos naturais e culturais;
       Falta aproveitar melhor o potencial gastronômico.
              Melhorar serviços nos restaurantes.
 Falta de comprometimento; falta de integração e cooperação;
                       negativismo.
                    Inadimplência tributária;
                        Poluição sonora.
ATIVIDADE
           DIVISÃO EM 5 GRUPOS – UM PARA CADA DIMENSÃO
                          1. Infra-estrutura
                          2. Turismo
                          3. Políticas Públicas
                          4. Economia
                          5. Sustentabilidade

 1.DEFINIR DE 3 A 10 AÇÕES PARA CADA DIMENSÃO DA COMPETITIVIDADE
     O que precisamos fazer , como, quando e responsáveis - recursos.

O QUE QUEREMOS QUE OS TURISTAS PENSEM E FALEM SOBRE BOMBINHAS?
Desenvolver frase, parágrafo, interpretação ou qualquer forma de expressão.

                 TEMPO PARA CRIAÇÃO: 40 MINUTOS
        TEMPO DE APRESETAÇÃO: 06 MINUTOS PARA CADA GRUPO
DIMENSÕES DA COMPETITIVIDADE
INFRAESTRUTURA       TURISMO        POLÍTICAS PÚBLICAS    ECONOMIA       SUSTENTABILIDADE



                    3.Serviços e
1.Infraestrutura                        6.Política        9.Economia        11.Aspectos
                   equipamentos
      geral                              pública             local            sociais
                      turísticos



                    4.Atrativos       7. Cooperação      10.Capacidade      12.Aspectos
   2. Acesso
                     turísticos          regional         empresarial       ambientais



                   5. Marketing e                                           13.Aspectos
                    Promoção do      8. Monitoramento                        culturais
                       Destino



                                                                           Fonte: FGV/MTur/SEBRAE, 2009
O que podemos aprender com
os gansos selvagens...
                   Alexandre Rangel
Quando um ganso bate as asas, voando numa formação em V, cria um
vácuo para a ave seguinte passar, e o bando inteiro tem um desempenho
71% melhor do que se voasse sozinho.
Sempre que um ganso sai da
formação, sente subitamente a
resistência do ar por tentar voar
sozinho e, rapidamente, volta para
a formação, aproveitando o vácuo
da ave imediatamente à frente.
Na formação, os gansos que estão atrás grasnam para encorajar os da
frente a aumentar a velocidade. E quando um ganso líder se cansa, ele
passa para trás e imediatamente outro assume seu lugar, voando para
a posição da ponta.
Se um deles adoece, dois gansos
abandonam a formação e
seguem o companheiro doente,
para ajudá-lo e protegê-lo.

Ficam com ele até que esteja
apto a voar de novo ou venha a
morrer.

Só depois disso eles voltam ao
procedimento normal com
outra formação ou vão atrás de
outro bando.
A lição dos gansos selvagens...
Pessoas que compartilham uma direção comum e senso de comunidade
podem atingir mais facilmente os objetivos.

Para atingir nossos objetivos, é necessário estar junto com aqueles que
se dirigem para onde queremos ir, dando e aceitando ajuda.

É preciso haver um revezamento na liderança e nas tarefas pesadas. As
pessoas, assim como os gansos, dependem umas das outras.

Precisamos assegurar que nosso grasnido seja encorajador para nossa
equipe e que a ajude a melhorar seu desempenho.

É preciso estar ao lado dos parceiros também nos momentos difíceis.
Obrigada a todos!
   marciaprisma@gmail.com
   taniaprisma@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.
Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.
Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.
EcoHospedagem
 
Touch degei última m_exp e sensorial para destinos rurais
Touch degei última m_exp e sensorial para destinos ruraisTouch degei última m_exp e sensorial para destinos rurais
Touch degei última m_exp e sensorial para destinos rurais
Aveiro University - DEGEI/ GOVCOPP
 
Módulo 6
Módulo 6Módulo 6
Módulo 6
Daniela Ramalho
 
Apresentação Salão Rota das Emoções e formas de participação
Apresentação Salão Rota das Emoções e formas de participaçãoApresentação Salão Rota das Emoções e formas de participação
Apresentação Salão Rota das Emoções e formas de participação
Welligton Magalhães
 
Módulo 6
Módulo 6Módulo 6
Módulo 6
francisco
 
Modulo 6 iat
Modulo 6 iatModulo 6 iat
Modulo 6 iat
Tania Morais Morais
 
1835
18351835
1835
Pelo Siro
 
Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Turismo
Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do TurismoPrograma de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Turismo
Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Turismo
Secretaria de Turismo da Bahia
 
Mapeamento No Turismo Acessível
Mapeamento No Turismo AcessívelMapeamento No Turismo Acessível
Mapeamento No Turismo Acessível
Scott Rains
 
Turismo acessivel em_portuga_lei_oportunidades_economicas_informacao
Turismo acessivel em_portuga_lei_oportunidades_economicas_informacaoTurismo acessivel em_portuga_lei_oportunidades_economicas_informacao
Turismo acessivel em_portuga_lei_oportunidades_economicas_informacao
Mario Verissimo
 
Turismo Criativo - Projeto conceitual do Parque Turístico Ambiental da Integr...
Turismo Criativo - Projeto conceitual do Parque Turístico Ambiental da Integr...Turismo Criativo - Projeto conceitual do Parque Turístico Ambiental da Integr...
Turismo Criativo - Projeto conceitual do Parque Turístico Ambiental da Integr...
EscolaDeCriatividade
 
Turismoacessivel bem atender 3
Turismoacessivel bem atender 3Turismoacessivel bem atender 3
Turismoacessivel bem atender 3
abihoestepr
 
Classificação hoteleira procedimentos para obter a classificação
Classificação hoteleira   procedimentos para obter a classificaçãoClassificação hoteleira   procedimentos para obter a classificação
Classificação hoteleira procedimentos para obter a classificação
EcoHospedagem
 
Turismo de base comunitária, mtur.
Turismo de base comunitária, mtur.Turismo de base comunitária, mtur.
Turismo de base comunitária, mtur.
EcoHospedagem
 
Módulo 8
Módulo 8Módulo 8
Módulo 8
Daniela Ramalho
 
Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.
Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.
Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.
EcoHospedagem
 

Mais procurados (16)

Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.
Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.
Ecoturismo, orientações básicas, mtur 2008.
 
Touch degei última m_exp e sensorial para destinos rurais
Touch degei última m_exp e sensorial para destinos ruraisTouch degei última m_exp e sensorial para destinos rurais
Touch degei última m_exp e sensorial para destinos rurais
 
Módulo 6
Módulo 6Módulo 6
Módulo 6
 
Apresentação Salão Rota das Emoções e formas de participação
Apresentação Salão Rota das Emoções e formas de participaçãoApresentação Salão Rota das Emoções e formas de participação
Apresentação Salão Rota das Emoções e formas de participação
 
Módulo 6
Módulo 6Módulo 6
Módulo 6
 
Modulo 6 iat
Modulo 6 iatModulo 6 iat
Modulo 6 iat
 
1835
18351835
1835
 
Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Turismo
Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do TurismoPrograma de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Turismo
Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Turismo
 
Mapeamento No Turismo Acessível
Mapeamento No Turismo AcessívelMapeamento No Turismo Acessível
Mapeamento No Turismo Acessível
 
Turismo acessivel em_portuga_lei_oportunidades_economicas_informacao
Turismo acessivel em_portuga_lei_oportunidades_economicas_informacaoTurismo acessivel em_portuga_lei_oportunidades_economicas_informacao
Turismo acessivel em_portuga_lei_oportunidades_economicas_informacao
 
Turismo Criativo - Projeto conceitual do Parque Turístico Ambiental da Integr...
Turismo Criativo - Projeto conceitual do Parque Turístico Ambiental da Integr...Turismo Criativo - Projeto conceitual do Parque Turístico Ambiental da Integr...
Turismo Criativo - Projeto conceitual do Parque Turístico Ambiental da Integr...
 
Turismoacessivel bem atender 3
Turismoacessivel bem atender 3Turismoacessivel bem atender 3
Turismoacessivel bem atender 3
 
Classificação hoteleira procedimentos para obter a classificação
Classificação hoteleira   procedimentos para obter a classificaçãoClassificação hoteleira   procedimentos para obter a classificação
Classificação hoteleira procedimentos para obter a classificação
 
Turismo de base comunitária, mtur.
Turismo de base comunitária, mtur.Turismo de base comunitária, mtur.
Turismo de base comunitária, mtur.
 
Módulo 8
Módulo 8Módulo 8
Módulo 8
 
Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.
Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.
Turismo e acessibilidade, manual de orientações, mtur 2006.
 

Semelhante a Fórum Bombinhas 21 anos: Apresentação: Reflexão sobre a Competitividade de Destino Turístico

Envolvimento comunidade eventos municipais
Envolvimento comunidade eventos municipaisEnvolvimento comunidade eventos municipais
Envolvimento comunidade eventos municipais
Camila Munari
 
Embratur slideshare
Embratur slideshareEmbratur slideshare
Embratur slideshare
Sergio Luis dos Santos Lima
 
apresentacao_atrativos_reg2019_08out_2019 (1).pdf
apresentacao_atrativos_reg2019_08out_2019 (1).pdfapresentacao_atrativos_reg2019_08out_2019 (1).pdf
apresentacao_atrativos_reg2019_08out_2019 (1).pdf
DaviLuiz40
 
Quem somos - Guia da temporada
Quem somos - Guia da temporadaQuem somos - Guia da temporada
Quem somos - Guia da temporada
Thiago
 
Trilhos do sabor ppt final
Trilhos do sabor ppt finalTrilhos do sabor ppt final
Trilhos do sabor ppt final
Raquel Antunes
 
A&B
A&B A&B
Slide conceitos
Slide conceitosSlide conceitos
Slide conceitos
Karlla Costa
 
Turismo evolução
Turismo evoluçãoTurismo evolução
Turismo evolução
Karlla Costa
 
Produção associada ao turismo praia do forte
Produção associada ao turismo   praia do forteProdução associada ao turismo   praia do forte
Produção associada ao turismo praia do forte
Secretaria de Turismo da Bahia
 
Módulo 6 (IAT)
Módulo 6 (IAT)Módulo 6 (IAT)
Módulo 6 (IAT)
francisco
 
Modulo 6 iat
Modulo 6 iatModulo 6 iat
Modulo 6 iat
Tania Morais Morais
 
Modulo 6
Modulo 6  Modulo 6
Modulo 6 iat
Modulo 6 iatModulo 6 iat
Modulo 6 iat
Tania Morais Morais
 
Modulo 6
Modulo 6 Modulo 6
Modulo 6
Tânia Silva
 
Midia Kit - Trilhas e Aventuras
Midia Kit - Trilhas e AventurasMidia Kit - Trilhas e Aventuras
Midia Kit - Trilhas e Aventuras
Mauricio Oliveira
 
SHOW ME
SHOW MESHOW ME
Folder Show Me
Folder Show MeFolder Show Me
Folder Show Me
alexandregoncalvesric
 
Turismo de aventura especial mtur
Turismo de aventura especial mturTurismo de aventura especial mtur
Turismo de aventura especial mtur
Scott Rains
 
Turismodeaventuraespecial mtur-110722150905-phpapp02
Turismodeaventuraespecial mtur-110722150905-phpapp02Turismodeaventuraespecial mtur-110722150905-phpapp02
Turismodeaventuraespecial mtur-110722150905-phpapp02
João P Barbosa
 
Conduta do guia de turismo
Conduta do guia de turismoConduta do guia de turismo
Conduta do guia de turismo
Direito, Turismo, Mkt, Mídias Digitais
 

Semelhante a Fórum Bombinhas 21 anos: Apresentação: Reflexão sobre a Competitividade de Destino Turístico (20)

Envolvimento comunidade eventos municipais
Envolvimento comunidade eventos municipaisEnvolvimento comunidade eventos municipais
Envolvimento comunidade eventos municipais
 
Embratur slideshare
Embratur slideshareEmbratur slideshare
Embratur slideshare
 
apresentacao_atrativos_reg2019_08out_2019 (1).pdf
apresentacao_atrativos_reg2019_08out_2019 (1).pdfapresentacao_atrativos_reg2019_08out_2019 (1).pdf
apresentacao_atrativos_reg2019_08out_2019 (1).pdf
 
Quem somos - Guia da temporada
Quem somos - Guia da temporadaQuem somos - Guia da temporada
Quem somos - Guia da temporada
 
Trilhos do sabor ppt final
Trilhos do sabor ppt finalTrilhos do sabor ppt final
Trilhos do sabor ppt final
 
A&B
A&B A&B
A&B
 
Slide conceitos
Slide conceitosSlide conceitos
Slide conceitos
 
Turismo evolução
Turismo evoluçãoTurismo evolução
Turismo evolução
 
Produção associada ao turismo praia do forte
Produção associada ao turismo   praia do forteProdução associada ao turismo   praia do forte
Produção associada ao turismo praia do forte
 
Módulo 6 (IAT)
Módulo 6 (IAT)Módulo 6 (IAT)
Módulo 6 (IAT)
 
Modulo 6 iat
Modulo 6 iatModulo 6 iat
Modulo 6 iat
 
Modulo 6
Modulo 6  Modulo 6
Modulo 6
 
Modulo 6 iat
Modulo 6 iatModulo 6 iat
Modulo 6 iat
 
Modulo 6
Modulo 6 Modulo 6
Modulo 6
 
Midia Kit - Trilhas e Aventuras
Midia Kit - Trilhas e AventurasMidia Kit - Trilhas e Aventuras
Midia Kit - Trilhas e Aventuras
 
SHOW ME
SHOW MESHOW ME
SHOW ME
 
Folder Show Me
Folder Show MeFolder Show Me
Folder Show Me
 
Turismo de aventura especial mtur
Turismo de aventura especial mturTurismo de aventura especial mtur
Turismo de aventura especial mtur
 
Turismodeaventuraespecial mtur-110722150905-phpapp02
Turismodeaventuraespecial mtur-110722150905-phpapp02Turismodeaventuraespecial mtur-110722150905-phpapp02
Turismodeaventuraespecial mtur-110722150905-phpapp02
 
Conduta do guia de turismo
Conduta do guia de turismoConduta do guia de turismo
Conduta do guia de turismo
 

Mais de PrefeituraBombinhas

Apresentação O conceito de Cidade, 12 eixos do programa Cidades Sustentáveis
Apresentação O conceito de Cidade, 12 eixos do programa Cidades Sustentáveis Apresentação O conceito de Cidade, 12 eixos do programa Cidades Sustentáveis
Apresentação O conceito de Cidade, 12 eixos do programa Cidades Sustentáveis
PrefeituraBombinhas
 
Plano de Metas, Fórum Bombinhas 21anos: Perspectivas para o futuro
Plano de Metas, Fórum Bombinhas 21anos: Perspectivas para o futuroPlano de Metas, Fórum Bombinhas 21anos: Perspectivas para o futuro
Plano de Metas, Fórum Bombinhas 21anos: Perspectivas para o futuro
PrefeituraBombinhas
 
Palestra milton zuanazzi Forúm Bombinhas 21 anos:Perspectivas para o futuro
Palestra milton zuanazzi Forúm Bombinhas 21 anos:Perspectivas  para o futuroPalestra milton zuanazzi Forúm Bombinhas 21 anos:Perspectivas  para o futuro
Palestra milton zuanazzi Forúm Bombinhas 21 anos:Perspectivas para o futuro
PrefeituraBombinhas
 
Cidades sustentáveis
Cidades sustentáveis  Cidades sustentáveis
Cidades sustentáveis
PrefeituraBombinhas
 
Apresentação Audiência Pública Abastecimento de Agua
Apresentação Audiência Pública Abastecimento de Agua Apresentação Audiência Pública Abastecimento de Agua
Apresentação Audiência Pública Abastecimento de Agua
PrefeituraBombinhas
 
Encaminhamentos da Audiência Pública: Abastecimento da Água.
Encaminhamentos da Audiência Pública: Abastecimento da Água.  Encaminhamentos da Audiência Pública: Abastecimento da Água.
Encaminhamentos da Audiência Pública: Abastecimento da Água.
PrefeituraBombinhas
 

Mais de PrefeituraBombinhas (6)

Apresentação O conceito de Cidade, 12 eixos do programa Cidades Sustentáveis
Apresentação O conceito de Cidade, 12 eixos do programa Cidades Sustentáveis Apresentação O conceito de Cidade, 12 eixos do programa Cidades Sustentáveis
Apresentação O conceito de Cidade, 12 eixos do programa Cidades Sustentáveis
 
Plano de Metas, Fórum Bombinhas 21anos: Perspectivas para o futuro
Plano de Metas, Fórum Bombinhas 21anos: Perspectivas para o futuroPlano de Metas, Fórum Bombinhas 21anos: Perspectivas para o futuro
Plano de Metas, Fórum Bombinhas 21anos: Perspectivas para o futuro
 
Palestra milton zuanazzi Forúm Bombinhas 21 anos:Perspectivas para o futuro
Palestra milton zuanazzi Forúm Bombinhas 21 anos:Perspectivas  para o futuroPalestra milton zuanazzi Forúm Bombinhas 21 anos:Perspectivas  para o futuro
Palestra milton zuanazzi Forúm Bombinhas 21 anos:Perspectivas para o futuro
 
Cidades sustentáveis
Cidades sustentáveis  Cidades sustentáveis
Cidades sustentáveis
 
Apresentação Audiência Pública Abastecimento de Agua
Apresentação Audiência Pública Abastecimento de Agua Apresentação Audiência Pública Abastecimento de Agua
Apresentação Audiência Pública Abastecimento de Agua
 
Encaminhamentos da Audiência Pública: Abastecimento da Água.
Encaminhamentos da Audiência Pública: Abastecimento da Água.  Encaminhamentos da Audiência Pública: Abastecimento da Água.
Encaminhamentos da Audiência Pública: Abastecimento da Água.
 

Fórum Bombinhas 21 anos: Apresentação: Reflexão sobre a Competitividade de Destino Turístico

  • 1. FORUM MUNICIPAL DE BOMBINHAS Reflexão Sobre a Competitividade de Destino Turístico 23 de março de 2013
  • 3. OBJETIVOS DO WORKSHOP • Proporcionar uma reflexão sobre a competitividade no setor turístico. • Relembrar os pontos positivos e gargalos do destino. • Traçar e Priorizar Ações que deverão nortear o desenvolvimento turístico do destino. • Fazer encaminhamentos para dar continuidade aos caminhos estratégicos definidos
  • 4. AGENDA • Alinhamento estratégico; • Perfil de Bombinhas - Reflexão; • Atividade de priorização de ações para o desenvolvimento do destino; • Apresentação e validação dos trabalhos em plenária; • Encaminhamentos do encontro - Acordo.
  • 6. A DINÂMICA DO MERCADO
  • 7. O MERCADO TURÍSTICO DESTINOS TURÍSTICOS Demanda OPERADORAS / AGÊNCIAS GOVERNANÇA TRADE / COMUNIDADE Oferta TURISTA (segmentos)
  • 8. O turismo depende da existência e da atuação de uma rede de prestadores de serviços + poder público para atender ao mercado, aos turistas, que são “pessoas”. REDE DE COOPERAÇÃO
  • 10. TURISTA DO SÉCULO XXI O ATENDIMENTO AO NOVO TURISTA • Busca envolvimento profundo com a cultura e com a natureza dos destinos; seu objetivo é, sobretudo, o enriquecimento pessoal. Quer participar do processo de escolha/roteiros. • Está exposto a uma infinidade de ofertas em nível mundial - fortes apelos/ofertas de serviços • O desafio, portanto, é OFERECER PRODUTOS INOVADORES, ENVOLVENTES E DE QUALIDADE para ser PREFERIDO por este turista.
  • 12. CONCEITOS BÁSICOS Atrativos Turísticos Locais, objetos, equipamentos, fenômenos, eventos ou manifestações capazes de motivar o deslocamento de pessoas para conhecê-los. Os atrativos turísticos podem ser naturais; culturais; eventos programados e realizações técnicas, científicas e artísticas. Atrativo Turístico Âncora É todo atrativo turístico excepcional e de grande interesse, com significação para o mercado turístico nacional e internacional, capaz de, por si só, motivar importantes correntes de visitantes, atuais e potenciais.
  • 13. CONCEITOS BÁSICOS Produto Turístico Atrativo, equipamento e/ou um serviço turístico estruturado e ofertado por um determinado preço, com horário de atendimento(disponibilidade e serviços). Produção Associada ao Turismo É qualquer produção artesanal, industrial ou agropecuária que detenha atributos naturais e/ou culturais de uma determinada localidade ou região, capazes de agregar valor ao produto turístico. São as riquezas, os valores e os sabores brasileiros. Diferencial competitivo de um destino.
  • 14. TENDÊNCIAS EM PRODUTO Valorização dos aspectos regionais e culturais Exploração da individualidade/espaço para co-criação/agrados Oferta de experiências memoráveis, seguras e autênticas Hospitalidade/conforto/personalidade Consciência socioambiental/sustentabilidade Disposição do turista a experimentar coisas que em sua vida não faz Gastronomia/vivências exóticas Disponibilidade de recursos e falta de tempo/roteiros curtos Exploração da espiritualidade, religiosidade e do misticismo Saúde e bem-estar (qualidade de vida) Luxos acessíveis/“viajando eu me dou o direito” Roteirização turística/“Menu de experiências para escolher” Destino de moda/“ Quero status/famosos/amigos” Pesquisa realizada com 20 associados da BRAZTOA 2009 (MTur/Sebrae)
  • 15. OFERTA IDEAL EXPECTATIVAS DAS OPERADORAS COM O FORNECEDOR LOCAL DO DESTINO • Ter uma maior capacidade de planejamento. • Desenvolver uma política comercial mais consciente. • Maior conhecimento do mercado. • Qualificar o atendimento ao cliente (hotelaria, guias etc.). • Treinar estas pessoas para que tenham conhecimento cultural que enriqueça a experiência do turista. • Domínio de idiomas estrangeiros. • Maior flexibilidade na solução de problemas. • Agilidade no fornecimento de informações para clientes e operadoras. Pesquisa realizada com 20 associados da BRAZTOA 2009 (MTur/Sebrae)
  • 16. TURISMO E INTERNET Para o turista, as duas ferramentas mais importantes são:boca-a-boca e internet! BUSCA DA INFORMAÇÃO ELABORAÇÃO DO ROTEIRO 1. Indicação 1. Consulta prévia a amigos 2. Internet (site de hotéis, dos destinos) 2. Consulta prévia à internet 3. Programas de TV 3. Consulta a operadoras 4. Jornais 4. Montado em conjunto com as operadoras 5. Hotéis 5. Dicas em hotéis ou restaurantes Para operadores e agentes, as duas ferramentas mais importantes são: internet e a mídia! FORMAS DE DIVULGAÇÃO ELABORAÇÃO DOS ROTEIROS 1. Site da operadora 1. Busca na internet 2. Links patrocinados (Google, Yahoo) 2. Consulta a revistas 3. E-mail-marketing 3. Participação em feiras 4. Anúncios em revistas e jornais 4. Caderno de turismo de jornais 5. Participação em feiras 5. Visitação local Pesquisas qualitativas realizadas pelo MTUR E SEBRAE- março de 2009
  • 17. PERFIL DO DESTINO Bombinhas/SC 14.293 habitantes (IBGE 2010), área 33,767 Km²
  • 18. PERFIL DO DESTINO BOMBINHAS SEGMENTOS TURÍSTICOS ATRATIVOS PRODUTOS-ÂNCORA Turismo de Sol e Praia Península com 39 praias: (incluindo atividades náuticas) Bombas e Bombinhas, Sepultura, Lagoinha, Embrulho e Prainha, Quatro Ecoturismo/Turismo de Aventura Ilhas e Mariscal, Canto Grande e Praia (natureza) da Tainha Turismo Cultural Mergulho: Arvoredo (incluindo gastronomia, arte e pesca e "Capital do Mergulho Ecológico" aquicultura) Museu Engenho do Sertão PRODUÇÃO ASSOCIADA Museu Casa do Homem do Mar Gastronomia Instituto Kat Schurmann Artesanato Museu e Aquário Marinho Pesca Artesanal Museu e Mirante Eco 360º Casa de Cultura Piana do Crivo Pôr-do-sol na Baía de Zimbros Roteiro dos Artesãos Capela Imaculada Conceição
  • 19. PRODUTOS ATIVIDADES Mergulho - locação de equipamentos - mergulho livre, de superfície e cursos de formação Locação de caiaque; aulas de surfe e de stand up paddle; locação de pranchas Locação de bicicletas; passeios de bananaboat, para sail e pedalinho Caminhadas e trilhas guiadas; city tour, passeios de barco e de buggy Roteiro de cicloturismo - integra as dez cidades da região Costa Verde & Mar CALENDÁRIO DE EVENTOS Eventos esportivos: corridas, maratonas, travessias, revezamento VI Semana Internacional de Gastronomia da Costa Esmeralda Observação da Pesca da Tainha / 28ª Festa da Tainha da APAE Festa do Pescador /Maricultor Carnaval, Réveillon Festa Nossa Senhora dos Navegantes.
  • 20. MERCADO DEMANDA ATUAL Segmentos representativos: Região Sul (RS, PR, SC) – também SP, RJ, MT Países: Brasil (76,39%) Argentina (20,83%) Paraguai (2,78%) Predominantemente nível de instrução superior Todas as idades – média de 30 a 50 anos Vem buscar: sol e praia e mergulho Motivo: Turismo/lazer (95,83%); Visita a familiares/amigos (1,39%); negócio (1,39%); lvisita a familiares/amigos (1,39%) Sazonalidade: De novembro a março - Carnaval Tempo de permanência do turista: Média 6 dias/predominantemente 5 a 10 dias
  • 21. MERCADO MERCADO DE RECEPTIVOS Possui 2 Centros de Atendimento ao Turista Possui agências de turismo (5 no site) – 3 receptivos? 3 guias de turismo/apenas 1 regulamentado 7 empresas de transporte turístico EQUIPAMENTOS 141 pousadas e hotéis (11.560 leitos); 15 campings e 1 albergue (taxa de ocupação 29%) 96 residenciais, alguns deles, utilizados para aluguel aos turistas nas temporadas Restaurantes, pizzarias, lanchonetes e confeitarias -57 estabelecimentos
  • 22. GESTÃO TURÍSTICA MOBILIZAÇÃO DA GOVERNANÇA Possui COMTUR/governança organizada Entidades que possuem relação com o turismo: Associações de Moradores, de Surfistas, Pescadores, Maricultores, Artesãos, grupos folclóricos, representantes de museus, rádios locais, associações de hotéis, bares e restaurantes, AEMB, além de algumas representações do setor civil e residenciais. PARCERIAS PÚBLICO E PRIVAD0 Falta de participação de algumas entidades; Falta de conhecimento das ações realizadas pela secretaria e por parte dos membros do COMTUR; Desmotivação das classes em função da descontinuidade de ações. Embora ainda seja deficiente a integração do trade com a gestão pública, há iniciativas de reversão deste cenário.
  • 23. CAMINHOS PARA O POSICIONAMENTO CONCEITO/SLOGAN VISITE BOMBINHAS. É INACREDITÁVEL. ELEMENTOS DE IDENTIDADE Paraíso; Sustentabilidade turística e ambiental; Preservação para um ambiente mais desenvolvido; Cidade Parque; Belas praias/muitas opções de ecoturismo/muitos atrativos culturais/excelente gastronomia; Bombinhas é considerada a Capital do Mergulho; Entre as cinco melhores Praias do Brasil PRÊMIO O MELHOR 2012/13– REVISTA VIAGEM – LEITOR
  • 25. COMPETITIVIDADE O que é competitividade?
  • 27. BASES DA COMETITIVIDADE ESTRATÉGIA COMPETITIVIDADE GLOBAL ÍNDICES VISÃO COMUNICAÇÃO
  • 28. BASES DA COMETITIVIDADE Definição de quais recursos serão utilizados para atingir ESTRATÉGIA um objetivo, antecipar problemas e preparar o destino para ser competitiva. Entendimento de que a empresa age localmente e VISÃO GLOBAL atua globalmente na captação de clientes e no desenvolvimento de produtos e serviços inovadores.
  • 29. BASES DA COMETITIVIDADE Processo de intercâmbio de informações e relacionamento com os públicos, que facilita o COMUNICAÇÃO crescimento da competitividade da empresa e é fator determinante na implementação das estratégias. São definidos por indicadores que norteiam as ÍNDICES ações e propostas estratégicas do destino.
  • 30. DIMENSÕES DA COMPETITIVIDADE INFRAESTRUTURA TURISMO POLÍTICAS PÚBLICAS ECONOMIA SUSTENTABILIDADE 3.Serviços e 1.Infraestrutura 6.Política 9.Economia 11.Aspectos equipamentos geral pública local sociais turísticos 4.Atrativos 7. Cooperação 10.Capacidade 12.Aspectos 2. Acesso turísticos regional empresarial ambientais 5. Marketing e 13.Aspectos Promoção do 8. Monitoramento culturais Destino Fonte: FGV/MTur/SEBRAE, 2009
  • 31. REFLEXAO SOBRE A COMPETITIVIDADE DE BOMBINHAS FORÇAS E ASPECTOS POSITIVOS DO DESTINO Potencial turístico / museus / título de 3ª melhor praia Festa da Tainha, do Marisco e Semana da Gastronomia Vontade administrativa Mar / belas praias / muitos atrativos culturais / excelentes insumos para a gastronomia / muitos atrativos naturais Infraestrutura de mergulho Trilhas Belezas naturais / áreas verdes / natureza / sossego / qualidade dos atrativos naturais / beleza natural (praias, mar); Oferta de meios de hospedagem
  • 32. REFLEXÃO SOBRE A COMPETITIVIDADE DE BOMBINHAS FRAQUEZAS/PRINCIPAIS PROBLEMAS Superlotação; segurança; estrutura de trilhas existentes no município;segundo acesso; vias urbanas; cidade feia. Saneamento; infraestrutura pública (escola, educação, lixo, ruas); melhorar acesso. Falta de cuidados com a conservação das praias; falta explorar os atrativos naturais e culturais; Falta aproveitar melhor o potencial gastronômico. Melhorar serviços nos restaurantes. Falta de comprometimento; falta de integração e cooperação; negativismo. Inadimplência tributária; Poluição sonora.
  • 33. ATIVIDADE DIVISÃO EM 5 GRUPOS – UM PARA CADA DIMENSÃO 1. Infra-estrutura 2. Turismo 3. Políticas Públicas 4. Economia 5. Sustentabilidade 1.DEFINIR DE 3 A 10 AÇÕES PARA CADA DIMENSÃO DA COMPETITIVIDADE O que precisamos fazer , como, quando e responsáveis - recursos. O QUE QUEREMOS QUE OS TURISTAS PENSEM E FALEM SOBRE BOMBINHAS? Desenvolver frase, parágrafo, interpretação ou qualquer forma de expressão. TEMPO PARA CRIAÇÃO: 40 MINUTOS TEMPO DE APRESETAÇÃO: 06 MINUTOS PARA CADA GRUPO
  • 34. DIMENSÕES DA COMPETITIVIDADE INFRAESTRUTURA TURISMO POLÍTICAS PÚBLICAS ECONOMIA SUSTENTABILIDADE 3.Serviços e 1.Infraestrutura 6.Política 9.Economia 11.Aspectos equipamentos geral pública local sociais turísticos 4.Atrativos 7. Cooperação 10.Capacidade 12.Aspectos 2. Acesso turísticos regional empresarial ambientais 5. Marketing e 13.Aspectos Promoção do 8. Monitoramento culturais Destino Fonte: FGV/MTur/SEBRAE, 2009
  • 35. O que podemos aprender com os gansos selvagens... Alexandre Rangel
  • 36. Quando um ganso bate as asas, voando numa formação em V, cria um vácuo para a ave seguinte passar, e o bando inteiro tem um desempenho 71% melhor do que se voasse sozinho.
  • 37. Sempre que um ganso sai da formação, sente subitamente a resistência do ar por tentar voar sozinho e, rapidamente, volta para a formação, aproveitando o vácuo da ave imediatamente à frente.
  • 38. Na formação, os gansos que estão atrás grasnam para encorajar os da frente a aumentar a velocidade. E quando um ganso líder se cansa, ele passa para trás e imediatamente outro assume seu lugar, voando para a posição da ponta.
  • 39. Se um deles adoece, dois gansos abandonam a formação e seguem o companheiro doente, para ajudá-lo e protegê-lo. Ficam com ele até que esteja apto a voar de novo ou venha a morrer. Só depois disso eles voltam ao procedimento normal com outra formação ou vão atrás de outro bando.
  • 40. A lição dos gansos selvagens...
  • 41. Pessoas que compartilham uma direção comum e senso de comunidade podem atingir mais facilmente os objetivos. Para atingir nossos objetivos, é necessário estar junto com aqueles que se dirigem para onde queremos ir, dando e aceitando ajuda. É preciso haver um revezamento na liderança e nas tarefas pesadas. As pessoas, assim como os gansos, dependem umas das outras. Precisamos assegurar que nosso grasnido seja encorajador para nossa equipe e que a ajude a melhorar seu desempenho. É preciso estar ao lado dos parceiros também nos momentos difíceis.
  • 42. Obrigada a todos! marciaprisma@gmail.com taniaprisma@gmail.com