SlideShare uma empresa Scribd logo
Oportunidades e Inovações Tecnológicas para o
setor de Automação Industrial

Outubro/ 2013

Relatório preparado pela Cysneiros Consultores Associados
para a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado de
Pernambuco.
Pesquisador Responsável
Eletroeletrônica: Eduardo Peixoto
2

Sumário
1

Introdução........................................................................................................................ 5

2

Análise das Tendências de Inovação Tecnológica em Eletroeletrônica ....................... 6
2.1

Análise da Tecnologia de Automação Industrial ................................................................ 7

2.1.1
2.1.2
2.1.3
2.1.4
2.1.5

2.2

Macrotendências de Inovação Tecnológica em Automação Industrial .......................... 15

2.2.1
2.2.2
2.2.3
2.2.4
2.2.5
2.2.6

2.3

Processos .......................................................................................................................................... 9
Dispositivos .................................................................................................................................... 10
Protocolos de comunicação ............................................................................................................ 11
Software ......................................................................................................................................... 12
Redes de comunicação industrial ................................................................................................... 13
Computação em nuvem .................................................................................................................. 15
Comunicação sem fios ................................................................................................................... 16
Segurança ....................................................................................................................................... 17
Sustentabilidade ............................................................................................................................. 18
Integração com os sistemas corporativos ....................................................................................... 18
Gerenciamento de ativos ................................................................................................................ 19

Recomendações às Empresas de Eletroeletrônica de Pernambuco................................. 20

3

Conclusão....................................................................................................................... 21

4

Referências..................................................................................................................... 22
3

Índice de Tabelas
Tabela 1. Comparativo entre rede industrial e corporativa ................................................................................. 14
Tabela 2. Ataques cibernéticos a sistemas de automação industrial .................................................................... 17
4

Índice de Figuras
Figura 1. Esquema de sistema de controle com CLP ............................................................................................ 8
Figura 2. Controlador Lógico Programável ......................................................................................................... 9
Figura 3. Receita dos protocolos de automação industrial ................................................................................. 12
Figura 4. Visão geral de uma rede de automação industrial .............................................................................. 13
Figura 5. Arquitetura atual e futura da rede de automação industrial ............................................................... 16
Figura 6. Integração ERP e MES ......................................................................................................................... 19
5

1 Introdução

Este relatório foi produzido no âmbito no projeto CICTEC - Centro de Inteligência
Competitiva para Parques Tecnológicos, e apresenta as principais tendências de inovação
tecnológica no setor de Eletroeletrônica, apontando oportunidades de inovação para as
empresas Pernambucanas, abordando em detalhe as novas tecnologias de Automação
Industrial, a qual possui um papel importante na economia global e na vida das pessoas, ao
combinar dispositivos com ferramentas organizacionais e matemáticas para criar um sistema
complexo.
Com o crescimento das tecnologias de computação em nuvem, a arquitetura
monolítica da rede de automação industrial se altera para uma arquitetura orientada a serviço,
expandindo as oportunidades de inovação e negócios. No atual contexto de inovações na área
de automação industrial e com a reindustrialização de Pernambuco (Porto de Suape, Refinaria
Abreu e Lima, fábrica da Fiat, polo têxtil do Agreste) diversas oportunidades se apresentam
neste segmento para as empresas do ParqTel e Porto Digital.
6

2

Análise das Tendências de Inovação Tecnológica em Eletroeletrônica

A indústria representava 25% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado de
Pernambuco nos anos 80, mas na década seguinte se iniciou um processo de decadência que
reduziu a participação do setor para 15% do PIB do estado (AgroCIM, 2011). Entretanto nos
últimos anos, começou um processo de reindustrialização em Pernambuco, com a
implantação de diversos projetos estruturadores: complexo industrial portuário de Suape, que
além do próprio porto, comporta a refinaria Abreu e Lima e o estaleiro Atlântico Sul; polo
automotivo de Goiana liderado pela fábrica da Fiat (Carvalho, 2013) (Brito, 2011). Além
desses grandes projetos, o desenvolvimento do polo de confecção do Agreste Pernambucano
no entorno dos municípios de Toritama, Santa Cruz do Capibaribe e Caruaru, que movimenta
R$ 1 bilhão por ano (SEBRAE, 2013). Segundo Jorge Corte Real, presidente da Federação
das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE), a expectativa é o PIB estadual atinja R$
170 bilhões nessa década, e que o setor industrial corresponda a 28% desse montante, com
valor aproximado de R$ 47 bilhões (FIEPE, 2013).
No entorno de cada um dos grandes empreendimentos ao norte e ao sul de Recife,
novas indústrias se instalarão nos próximos gerando demanda para produtos e serviços de
automação industrial, que poderia ser uma expansão dos produtos e serviços de algumas
empresas do ParqTel, mais especificamente TRON e Neiva’s; e uma oportunidade para
empresas do Porto Digital na área de programação de CLP e integração entre as redes de
controle industrial e as corporativas.
Nesta seção, levantamos as tecnologias de automação industrial e apresentamos uma
análise preliminar do uso dessas tecnologias pelas empresas do ParqTel e Porto Digital.
7

2.1 Análise da Tecnologia de Automação Industrial

A automação é o uso de equipamentos, sistemas de controle e tecnologias da
informação para aumentar a produtividade na produção de bens e na entrega de serviços. O
termo automação começou a ser utilizado a partir de 1947 quando a General Motors criou um
departamento de automação. O impacto da tecnologia vai além da manufatura, como
podemos observar na substituição das telefonistas pelas centrais telefônicas, e na substituição
dos caixas bancários pelos caixas eletrônicos ou ATMs (Wikipedia, s.d.). A automação tem
um papel importante na economia global e na vida das pessoas, ao combinar dispositivos com
ferramentas organizacionais e matemáticas para criar um sistema complexo (IEEE).
Até a década de 1940, as fábricas eram operadoras manualmente ou através de
controles pneumáticos. A partir do desenvolvimento da eletrônica analógica nas décadas de
1950 e 1960, e da eletrônica digital a partir das décadas de 1970 e 1980, o grau de automação
na indústria foi ampliado (Gutierrez & Pan, 2008). O sistema de controle industrial é uma
categoria que engloba diversos sistemas de controle utilizados na automação industrial, tais
como: Supervisory Control and Data Acquisition(SCADA), Distributed Control Systems
(DCS) e os mais simples que são os Programmable Logic Controllers (PLC), que será
referenciado doravante nesse documento como Controlador Lógico Programável – CLP. O
divisor de águas na automação industrial foi a invenção do CLP por Dick Morley em 1968
para atender a uma necessidade da General Motors para substituir o sistema de controle
baseado em reles interligados. O dispositivo deveria atender aos seguintes requisitos:
programação simples, mudanças na programação sem necessidade de alteração do
cabeamento interno, baixo custo de manutenção (The PLC Tutor, 2009) (Festo, 2002).
Segundo a IEC, o CLP é definido como:

“Um sistema eletrônico digital projetado para uso em ambiente industrial, que usa
memória interna programável para armazenar um programa com instruções para implementar
funções especificas: logicas, sequenciamento, temporização, aritmética para controlar através
de entradas e saídas digitais e analógicas diversos equipamentos e processos. O controlador e
seus periféricos associados também foram projetados para poderem ser integrados em um
sistema de controle industrial.” (IEC, 2003)
8

Um CLP pode ser visto como um computador robusto e especializado para tarefas de
controle, em tempo real, de acordo com um programa no qual a lógica de controle é
implementada por meio de software. Em intervalos periódicos de tempo (scan time), o
controlador realiza uma varredura das entradas, lendo os sinais provenientes do campo, e os
processa, comparando com valores de referencia predeterminados, e finalmente envia
comandos para as saídas. Pode realizar operações de conversão de sinais analógicos em
digitais e vice-versa e também comunicar-se com a interface humano-maquina, responsável
pela interação do sistema com o operador (Gutierrez & Pan, 2008). A figura abaixo exibe um
diagrama de alto nível de um sistema de controle, destacando o CLP:

Figura 1. Esquema de sistema de controle com CLP 1

1

Adaptado de ( mikroElektronika, 2003)
9

Na figura abaixo, temos um exemplo de CLP fabricado pela Rockwell Automation,
uma das pioneiras do setor:

Figura 2. Controlador Lógico Programável 2

2.1.1 Processos

Os sistemas de automação industrial dependem do processo de manufatura que se
deseja automatizar. Dessa forma, os sistemas de controle de processos podem ser
classificados da seguinte forma (Gutierrez & Pan, 2008):
Discretos – fabricação de produtos ou pecas que podem ser contados como unidades
individuais, como por exemplo: automóveis, brinquedos, eletroeletrônicos, vestuário,
tijolos, pneus, calçados;
Bateladas – fabricação de bens que dependem que determinadas quantidades de
matérias primas sejam combinadas de forma apropriada por um período de tempo,
como por exemplo: colas, alimentos;
Contínuos – fabricação de bens onde determinadas quantidades de matérias primas de
forma apropriada de forma contínua, como por exemplo: siderúrgicas, gás natural,
produtos químicos, plásticos, papel, celulose, cimento, açúcar e álcool.

2

(Rockwell Automation, 2013)
10

2.1.2 Dispositivos

A implementação de um sistema de controle na automação industrial envolve
diferentes dispositivos, tais como (Gutierrez & Pan, 2008):
Sensores – instrumento cuja função é medir o valor de uma variável;
Indicador – instrumento que apresentar o valor medido de uma variável;
Transmissor – dispositivo que converte o sinal oriundo de um sensor em um sinal
compatível com a rede de comunicação. Pode incorporar ou não a função de sensor. É
comum, o termo transmissor ser designado para dispositivos que incorporam três
funções: sensor, transdutor (conversor) e transmissor;
Transdutor – dispositivo que, a partir de um sinal de entrada, produz uma saída de
natureza distinta, por exemplo: convertendo uma variação analógica em um sinal
digital;
Controlador – dispositivo que manipula uma determinada variável de entrada do
sistema de forma a manter a variável de saída no valor de referencia definido. Pode
ser mecânico, pneumático, elétrico ou eletrônico, sendo esse analógico ou digital.
Todos tem as lógicas de controle implementadas na estrutura física, a exceção do
dispositivo digital;
Controlador programável (Programmable Automation Controller - PAC) – é um
controlador compacto que combina as funcionalidades de um computador e um
controlador (CLP).
Registrador – dispositivo que armazena os valores assumidos pela variável
controlada, seja através da impressão de um gráfico, seja pela gravação digital dos
dados;
Atuador – dispositivo que, recebendo o comando do sistema de controle, o controle
em uma ação física no sentido de alterar a variável manipulada. Os atuadores mais
utilizados na indústria são aqueles associados a válvulas de controle e a motores;
Chave – dispositivo que tem por função ligar, desligar ou transferir ligações entre
circuitos, inclusive circuitos de alarme, segurança, sinalização.
11

Adaptador – dispositivo utilizado para comunicação entre redes, como por exemplo:
gateway;
Interface Humano-Máquina (IHM) – dispositivo para visualização de dados do
processo, bem como para alteração de seus parâmetros e de condições de operação
das maquinas;
Comando Numérico Computadorizado (CNC) – dispositivo dedicado ao controle
automático

de

maquinas-ferramenta

–

por

exemplo,

tornos,

fresadoras,

mandrilhadoras e retificadoras. O programa pode ser introduzido na memória do CNC
pelo operador por meio de uma IHM própria ou pode ser carregado de um sistema
CAD (Computer Aided Design) / CAM (Computer Aided Manufacture).

2.1.3 Protocolos de comunicação

Na rede de comunicação corporativa, os protocolos de comunicação estão quase
completamente baseados no padrão Ethernet. Nas redes de comunicação industrial existem
diversos protocolos, todos eles projetados para garantir que a comunicação fosse realizada no
tempo adequado. Alguns desses protocolos são proprietários, o que impedem que dispositivos
de fabricantes diferentes interajam entre si. Os protocolos abertos mais utilizados são
FieldBus (FF) e ProfiBus (Gutierrez & Pan, 2008). Nos últimos anos, o padrão Ethernet
tradicional tem sido utilizado nas aplicações onde o determinismo da latência não era um
requisito, e o padrão Ethernet modificado, o EtherNet/IP tem conquistado espaço nas
aplicações determinísticas (Industrial Automation, 2011). A figura a seguir exibe a receita
dos produtos de rede de automação industrial por tipo de protocolo no ano de 2011:
12

Figura 3. Receita dos protocolos de automação industrial 3

2.1.4 Software

Um sistema de controle de automação industrial envolve diversos software, tais como
(Gutierrez & Pan, 2008):
Software de supervisão – implementa a comunicação entre um computador e a rede
de automação, permitindo a visualização e operação do processa de forma
centralizada, como por exemplo o SCADA (Supervisory Control and Data
Acquisition);
Software de configuração – prove um ambiente para criação de aplicações de controle
baseados na lógica PID, sistemas especialistas para controle de processos e aplicativos
de execução de lógicas fuzzy e neuro fuzzy, e para definição de funções de rede de
protocolos específicos;
Manufacturing Execution System (MES) – controla o fluxo produtivo, incluindo
estoques de matérias primas, produtos em processamento e disponibilidade das
máquinas;
3

(Industrial Automation, 2011)
13

Plant Information Management System (PIMS) – armazena as informações relevantes
de processo, coletando informações dos sistemas de supervisão, sistemas de controle e
sistemas legados;
Enterprise Asset Management (EAM) – gerencia os equipamentos da planta.
Computerized Maintenance Management System (CMMS) – gerencia a manutenção
utilizando os dados transmitidos pela rede de automação e controle para registrar
anomalias no funcionamento dos equipamentos.

2.1.5 Redes de comunicação industrial

Os dispositivos de automação industrial podem ser integrados em uma rede de
comunicação industrial análoga a uma rede corporativa, como exibido na figura abaixo:
Figura 4. Visão geral de uma rede de automação industrial 4

4

( mikroElektronika, 2003)
14

A tabela abaixo exibe um comparativo entre uma rede de comunicação industrial e
uma rede corporativa (Galloway & Hancke, 2012):
Tabela 1. Comparativo entre rede industrial e corporativa

Função primária
Aplicação
Hierarquia

Severidade da falha
Disponibilidade requerida
Round trip
Determinismo
Composição dos dados
Consistência temporal
Ambiente operacional

Industrial
Controle de equipamentos

Corporativa
Processamento e transferência
de dados
de Empresas e residências

Manufatura, distribuição
energia, agua e gás.
Profunda,
funcionalidades
separadas em níveis com
diversos protocolos diferentes.
Alta
Alta
250 µs – 10 ms
Alto
Pequenos pacotes periódicos e
não periódicos
Requerida
Condições
hostis,
frequentemente com alto nível
de poeira, temperatura e
vibração.

Integrada
uniformes

com

protocolos

Baixa
Média
± 50 ms
Baixo
Pacotes não periódicos grandes
Não requerida
Ambientes limpos
15

2.2

Macrotendências de Inovação Tecnológica em Automação Industrial

A área de automação industrial teve início em 1968, mas a área vem evoluindo
constante devido a pressão por reduções de custo. Uma fonte constante de inovação tem sido
os avanços da tecnologia da informação e comunicação (TIC) e eletrônica. A integração
dessas tecnologias na automação industrial possibilita a redução de custos, ganhos de
eficiência a e melhores serviços. A Frost & Sullivan, descreve as tendências na automação
industrial, alguns delas originadas da integração com essas tecnologias (Frost & Sullivan,
2012):
Computação na nuvem;
Comunicação sem fios;
Segurança;
Sustentabilidade;
Integração com os sistemas corporativos;
Gerenciamento de ativos.

2.2.1 Computação em nuvem

As tecnologias de computação em nuvem começam a ser integradas à automação
industrial, alterando a arquitetura monolítica da rede de automação industrial para uma
arquitetura orientada a serviço, como ilustrado na figura a seguir (Industrial Ethenert Book,
2013):
16

Figura 5. Arquitetura atual e futura da rede de automação industrial 5

O uso dessas tecnologias permitirão ganhos de eficiência, mobilidade, produtividade
nos negócios (Scantlebury, 2012) como podemos ver no monitoramento remoto em tempo
real de tanques industriais, utilizando protocolos padrão de mercados, sistema e sensores com
configurações simples, integrado ao correio eletrônico e serviço de mensagem curtas (SMS)
(ThomasNet News, 2013).

2.2.2 Comunicação sem fios

A grande flutuação da qualidade dos canais de transmissão quando comparado com as
soluções cabeadas; as perdas e pacotes com erro devido à reflexão, sccattering e difração das
ondas eletromagnéticas; e as flutuações do tempo de latência foram um desafio para o uso de
tecnologias de comunicação sem fio na automação industrial. Mas o desenvolvimento de
diversos padrões de comunicação sem fio e a adaptação de protocolos de comunicação para
as aplicações industriais reduziram drasticamente os problemas (Paavola & Leiviska, 2010).
As principais vantagens quando comparadas as soluções cabeadas são (Buda, Schuermann, &
Wollert, 2010):
5

(Industrial Ethenert Book, 2013)
17

Flexibilidade na instalação / upgrade da rede;
Menor custo de instalação e manutenção;
Descentralização das funções de automação;
Melhor adequação as normas em ambientes restritos ou perigosos;
Aplicação em equipamentos rotativos ou em movimento;
Integração com rede de sensores.
As redes de sensores sem fio (Wireless Sensor Network / WSN) estão se tornando
cada vez mais comuns nas redes de automação industrial. Indústrias mais maduras, tais como
óleo e gás, água e energia já começaram a migrar das redes cabeadas para rede de sensores
sem fio. As redes de sensores sem fio consistem em uma série de nós conectados por bridges,
roteadores, switches e gateways para monitorar parâmetros físicos, tais como: pressão, nível
de líquidos, velocidade de fluxo, nível do PH, aceleração, movimento, vibração, umidade,
luz, proximidade e posição. As principais aplicações das redes de sensores sem fio são:
sistemas de controle e monitoramento, coleta de dados realtime, robôs móveis e
estacionários, detecção de eventos raros, coleta de dados periódica (Source Tech 411, 2013).

2.2.3 Segurança

A utilização de padrões abertos por um lado diminuiu os custos da automação
industrial e possibilitou integração com os sistemas corporativos, por outro lado aumentou o
risco de ataques cibernéticos como os vistos na última década (Frost & Sullivan, 2013).
Tabela 2. Ataques cibernéticos a sistemas de automação industrial
Data
Março / 2000
Janeiro / 2003
Janeiro / 2008
Dezembro / 2010
Novembro / 2011

Local
Maroochy Shire Sewage (Austrália)
Davis-Besse Power Station of First
Energy (US)
Sistema de trem público (Polônia)
Planta nuclear iraniana (Iran)
Iran

Ataque
Sistema SCADA comprometido
Ataque cibernético
Hackeado remotamente
Ataque Stuxnet 6
Ataques Duku

O secretário de defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta, alertou que os Estados
Unidos poderiam sofrer um ataque cibernético surpresa na infraestrutura do país, estilo Pearl

6

(Kushner, 2013)
18

Harbor, que poderia descarrilhar trens, envenenar suprimentos de água, e derrubar as redes de
energia (Kushner, 2013).

2.2.4 Sustentabilidade

A sustentabilidade é uma tendência que esta afetando diversos setores da economia.
No caso específico da área de automação industrial, as pressões da sociedade por o uso
eficiente de recursos favorecem a implementação de controles automáticos para evitar perdas
de energia, água e insumos.
No caso específico da produção de energia, o mercado brasileiro passa por um
momento único, pois o país está em processo de definição e implantação de padrões para
medição inteligente de energia (smart metering) (SmartGrid News, 2012) e redes inteligentes
(smart grid), que permitirão inclusive que consumidores residenciais produzam energia e
injetem a mesma na rede quando houver excesso de produção.

2.2.5 Integração com os sistemas corporativos

A integração da automação industrial com os sistemas corporativos é realizada através
Manufacturing Execution System (MES), que é o sistema de controle do fluxo de produção,
permitindo que o ERP tenha informações em tempo real, se tornado dessa forma um ERP
realtime (Hayes, 2011). O padrão IEC 62264, que é baseado na norma ISA-95, oferece um
framework para a integração entre o nível 4 e os níveis inferiores.
19

Figura 6. Integração ERP e MES

Os principais benefícios da utilização do MES são (Murray):
Visão integrada da empresa, pois a partir do ERP é possível ter acesso aos dados do
MES;
Tempo de resposta menor para o tratamento dos problemas ocorridos na fábrica;
Integridade dos dados, pois não é mais necessária a entrada manual de dados;
Melhoria estimativa para tempos de entrega dos produtos (Hayes, 2011).
Melhorar a capacidade de auditoria (Enterprise System Partnes);
Aumentar a capacidade de rastreamento dos insumos (Enterprise System Partnes);
Diminuição de uso de papel (Enterprise System Partnes);

2.2.6 Gerenciamento de ativos

O gerenciamento de ativos tem por objetivo aumentar o tempo de funcionamento da
planta através do gerenciamento dos ativos, geralmente identificado por Enterprise Asset
Management (EAM). A falha em um sensor de três mil dólares pode parar a produção de uma
planta, incorrendo em perda de 50 mil dólares por hora, e podendo passar dias inoperante até
que o sensor seja consertado ou um novo sensor seja comprado (Boyes, 2006). A coleta e
análise dos dados dos equipamentos permitem uma manutenção preventiva mais eficiente e
uma atuação mais rápida na correção dos problemas.
20

2.3

Recomendações às Empresas de Eletroeletrônica de Pernambuco

As inovações na área de automação industrial e a reindustrialização de Pernambuco
(Porto de Suape, Refinaria Abreu e Lima, fábrica da Fiat, polo têxtil do Agreste)
proporcionarão diversas oportunidades para as empresas do ParqTel e Porto Digital. Como
parte da conclusão desse trabalho, sugerimos um plano de ação preliminar:
Acompanhamento das feiras do setor, tais como: China IAS 2013 - Industrial
Automation Show 2013, Taipei International Industrial Automation Exihibition 2013.
Promover a integração entre o Porto Digital e ParqTel para buscar oportunidades
integração entre a rede de automação industrial e os sistemas de informação
corporativo;
Aproximação com as universidades de engenharia e SENAI para desenvolvimento de
recursos humanos;
Busca de recursos de inovação para desenvolvimento de serviços e produtos na área
de automação;
Elaboração de modelos de negócios nas atividades da área de automação industrial de
menor complexidade, que são propícias a entrada no segmento, tais como:
desenvolvimento do software dos PLCs, projeto da rede industrial, e a implantação do
sistema de operação;
Incorporação de controles automatizados e programas de software nos painéis de
distribuição de energia atualmente produzidos pela Neiva’s;
Incorporação de controles automatizados e programas de software nos dosímetros
fabricados pela TRON. Não foi possível perceber se os dosímetros já possuem essas
funcionalidades e se essas funcionalidades agregariam valor para os clientes da
TRON;
Um estudo mais demorado e aprofundado para ampliar o entendimento das
oportunidades e suas implicações no planejamento estratégico do ParqTel, Porto
Digital e suas respectivas empresas.
21

3

Conclusão

Neste documento, foram apresentadas tendências de inovação tecnológica no setor de
Eletroeletrônica, apontando a inserção de novas tecnologias para as empresas que atuam com
automação industrial.
Como exemplo, citamos que uma fonte constante de inovação tem sido os avanços da
tecnologia da informação e comunicação (TIC) e eletrônica. A integração dessas tecnologias
na automação industrial possibilita a redução de custos, ganhos de eficiência a e melhores
serviços para as empresas que fazem uso dessa tecnologia. As tecnologias de computação em
nuvem também começam a ser integradas à automação industrial. O uso dessas tecnologias
permitirá as empresas maior mobilidade e produtividade nos negócios
Outro ponto abordado foram as redes de sensores sem fio (Wireless Sensor Network /
WSN) que também estão se tornando cada vez mais comuns nas redes de automação
industrial. Indústrias mais maduras, tais como óleo e gás, água e energia já começaram a
migrar das redes cabeadas para rede de sensores sem fio.
Por fim, o texto também aborda e cita as principais oportunidades de inovação para as
empresas Pernambucanas que atuam com as tecnologias de automação industrial. Além de
sugerir para as empresas locais – em particular as empresas do ParqTel – que explorem o
crescente mercado proporcionado pelo recente ímpeto de reindustrialização no estado de
Pernambuco, Porto de Suape, Refinaria Abreu e Lima, fábrica da Fiat, polo têxtil do Agreste,
entre outros.
22

4

Referências

mikroElektronika. (2003). Introduction to PLC Controllers. Acesso em 15 de Maio de 2013,
disponível em mikroElektronika: http://www.electronicspal.com/plc/
AgroCIM. (04 de Março de 2011). PE: Grandes projetos provocam nova revolução
industrial. Acesso em 29 de Maio de 2013, disponível em AgroCIM - O Agronegócio
em Destaque: http://www.agrocim.com.br/noticia/PE-Grandes-projetos-provocamnova-revolucao-industrial.html
Boyes, W. (14 de Março de 2006). What Asset Management Can Do for You. Acesso em 20
de Maio de 2013, disponível em Control - Promoting Excellence in Process
Automation: http://www.controlglobal.com/articles/2006/048.html
Brito, A. (06 de Março de 2011). Pernambuco vive sua revolucao industrial. Acesso em 23
de

Maio

de

2013,

disponível

em

Folha

de

São

Paulo:

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/884917-pernambuco-vive-sua-revolucaoindustrial.shtml
Buda, A., Schuermann, V., & Wollert, J. F. (01 de Março de 2010). Wireless Technologies in
Factory Automation. Acesso em 29 de Maio de 2013, disponível em Intech:
http://www.intechopen.com/books/factory-automation/wireless-technologies-infactory-automation
Carvalho, D. (28 de Abril de 2013). Fábrica da Fiat já muda a rotina em Goiana, PE.
Acesso em 20 de Maio de 2013, disponível em Folha de São Paulo:
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/04/1269966-fabrica-da-fiat-ja-muda-arotina-em-goiana-pe.shtml
Enterprise System Partnes. (s.d.). Manufacturing Execution System (MES) Overview. Acesso
em

29

de

Maio

de

2013,

disponível

em

MES

Portal:

http://www.mesportal.org/modules/espace/Mes_portal/MES_Overview.pdf
Festo. (Agosto de 2002). Programmable Logic Controllers. Acesso em 17 de Maio de 2013,
disponível

em

Festo:

http://www.festo-

didactic.com/ov3/media/customers/1100/093311_web_leseprobe.pdf
23

FIEPE. (25 de Maio de 2013). Indústria comemora seu dia embalada em perspectivas
positivas.

Acesso

em

2013

de

Maio

de

2013,

disponível

em

FIEPE:

http://www.fiepe.org.br/noticia/2957-industria-comemora-seu-dia-embalada-emperspectivas-positivas.html
Frost & Sullivan. (Maio de 2012). What's Hot in the Industrial Automation and Process
Control

Industry.

Acesso

em

24

de

Maio

de

2013,

disponível

em

http://www.slideshare.net/frostandsullivan/frost-sullivan-whats-hot-in-the-industrialautomation-and-process-control-industry
Frost & Sullivan. (Abril de 2013). Cybersecurity for Industrial Automation & Control .
Acesso

em

29

de

Maio

de

2013,

disponível

em

Schneider

Electric:

http://www2.schneider-electric.com/documents/support/white-papers/white-papercybersecurity-for-industrial-automation-control.pdf
Galloway, B., & Hancke, G. P. (25 de Julho de 2012). Introduction to Industrial Control
Networks. Communications Surveys & Tutorials, IEEE, pp. 860-880.
Gutierrez, R. M., & Pan, S. S. (Setembro de 2008). Complexo Eletronico Automação do
Controle Industrial. BNDES Setorial, pp. 189-232.
Hayes, K. (28 de Setembro de 2011). Real-Time ERP / MES Empowering Manuacturers to
Deliver Quality Products On-Time. Acesso em 20 de Maio de 2013, disponível em
ThomasNet.com: http://www.thomasnet.com/pdf.php?prid=101709
IEC. (2003). IEC 61131 - Programmable controllers. Genebra: IEC.
IEEE. (s.d.). Automation Science and Engineerin. Acesso em 20 de Maio de 2013, disponível
em Automation Science and Engineering - IEEE Transactions: http://www.ieeeras.org/publications/t-ase
Industrial Automation. (28 de Dezembro de 2011). EtherNet/IP Leads the Way in Industrial
Automation Connectivity. Acesso em 24 de Maio de 2013, disponível em Industrial
Automation:

http://blog.vdcresearch.com/industrial_automation/2011/12/ethernetip-

leads-the-way-in-industrial-automation-connectivity.html
Industrial Ethenert Book. (2013). Automation services from the cloud. Acesso em 25 de Maio
de

2013,

disponível

em

Industrial

Ethenert

Book:
24

http://www.iebmedia.com/?id=9254&parentid=74&themeid=255&showdetail=true&
bb=true
Kushner, D. (26 de Fevereiro de 2013). The Real Story of Stuxnet. Acesso em 29 de Maio de
2013, disponível em IEEE Spectrum: http://spectrum.ieee.org/telecom/security/thereal-story-of-stuxnet
Murray, M. (s.d.). Manufacturing Execution System (MES). Acesso em 20 de Maio de 2013,
disponível

em

About.com

Logistics

/

Supply

Chain:

http://logistics.about.com/od/supplychainsoftware/a/Manufacturing-ExecutionSystems-Mes.htm
Paavola, M., & Leiviska, K. (01 de Março de 2010). Wireless Sensor Networks in Industrial
Automation.

Acesso

em

29

de

Maio

de

2013,

disponível

em

Intech:

http://www.intechopen.com/books/factory-automation/wireless-sensor-networks-inindustrial-automation
Rockwell Automation. (2013). SmartGuard 600 Controllers. Acesso em 18 de Maio de 2013,
disponível

em

Rockwell

Automation:

http://ab.rockwellautomation.com/Programmable-Controllers/SmartGuard-600Controllers
Scantlebury, M. (12 de Abril de 2012). Will the Cloud Reign on Industrial Automation ?
Acesso em 25 de Maio de 2013, disponível em Intel Embedded Community:
http://embedded.communities.intel.com/community/en/applications/blog/2012/04/12/
will-the-cloud-reign-on-industrial-automation
SEBRAE. (14 de Maio de 2013). Pesquisa mostra importância de polo de confecções do
agreste pernambucano. Acesso em 25 de Maio de 2013, disponível em Territórios em
rede: http://www.territoriosemrede.com.br/14/05/2013/pesquisa-mostra-importanciade-polo-de-confeccoes-do-agreste-pernambucano/
SmartGrid News. (24 de Janeiro de 2012). CESAR e Abinee dão primeiro passo para smart
grid no Brasil. Acesso em 20 de Maio de 2013, disponível em SmartGrid News:
http://smartgridnews.com.br/blog/2012/01/24/cesar-e-abinee-dao-primeiro-passopara-smart-grid-no-brasil/
25

Source Tech 411. (27 de Fevereiro de 2013). Wireless Sensor Networks For Industrial
Automation. Acesso em 29 de Maio de 2013, disponível em Source Tech 411:
http://sourcetech411.com/2013/02/wireless-sensor-networks-for-industrialautomation/
The PLC Tutor. (11 de Novembro de 2009). History. Acesso em 21 de Maio de 2013,
disponível em The PLC Tutor: http://www.theplctutor.com/history.html
ThomasNet News. (24 de Maio de 2013). Cloud-Based System facilitates remote tank
monitoring. Acesso em 25 de Maio de 2013, disponível em ThomasNet News:
http://news.thomasnet.com/fullstory/Cloud-Based-System-facilitates-remote-tankmonitoring-20008520
Wikipedia. (s.d.). Automation. Acesso em 20 de Maio de 2013, disponível em
Wikipedia: http://en.wikipedia.org/wiki/Industrial_automation

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Oportunidades e inovações tecnológicas para o setor de automação industrial

Clp siemens
Clp siemensClp siemens
Clp siemens
Pablo Souza
 
Ctc m3 v5_t
Ctc m3 v5_tCtc m3 v5_t
Ctc m3 v5_t
confidencial
 
Automação
 Automação Automação
Automação
David Gentil
 
(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa
MarcioRodrigues173060
 
Automação de _Processos _ Industriais By WEG.pdf
Automação de  _Processos _ Industriais  By WEG.pdfAutomação de  _Processos _ Industriais  By WEG.pdf
Automação de _Processos _ Industriais By WEG.pdf
EMERSON EDUARDO RODRIGUES
 
14131394 apostila-clp-completa
14131394 apostila-clp-completa14131394 apostila-clp-completa
14131394 apostila-clp-completa
jpandradejp
 
Apostila WEG CLP Completa
Apostila WEG CLP CompletaApostila WEG CLP Completa
Apostila WEG CLP Completa
Ricardo Akerman
 
Apostila clp completa weg
Apostila clp completa wegApostila clp completa weg
Apostila clp completa weg
Sergio Oliveira Santos
 
(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa
marcosvida
 
Deborah deah sea2014
Deborah deah sea2014Deborah deah sea2014
Deborah deah sea2014
Deborah Deah
 
Apostila rob tica10.09.2009
Apostila rob tica10.09.2009Apostila rob tica10.09.2009
Apostila rob tica10.09.2009
Eduardo Rodrigues
 
Saber eletrônica 464
Saber eletrônica 464Saber eletrônica 464
Saber eletrônica 464
Venicio Pontes
 
Trabalho1_CST Grupo2.pdf
Trabalho1_CST Grupo2.pdfTrabalho1_CST Grupo2.pdf
Trabalho1_CST Grupo2.pdf
RubenAbilioOmalauaia1
 
Apostila automacao de sistemas guy
Apostila automacao de sistemas guyApostila automacao de sistemas guy
Apostila automacao de sistemas guy
Arantes Esteves Esteves
 
AUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdf
AUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdfAUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdf
AUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdf
MussageVirgilioSaide
 
Step7 200 completo
Step7 200 completoStep7 200 completo
Step7 200 completo
Gerson Roberto da Silva
 
Automação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforoAutomação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforo
antonio sena
 
Utilização da tecnologia de coletor de dados em centros de usinagem na indúst...
Utilização da tecnologia de coletor de dados em centros de usinagem na indúst...Utilização da tecnologia de coletor de dados em centros de usinagem na indúst...
Utilização da tecnologia de coletor de dados em centros de usinagem na indúst...
Alexandre Bento
 
Automação ind 1_2014
Automação ind 1_2014Automação ind 1_2014
Automação ind 1_2014
Marcio Oliani
 
Clp basico
Clp basicoClp basico
Clp basico
ADELSON PIMENTEL
 

Semelhante a Oportunidades e inovações tecnológicas para o setor de automação industrial (20)

Clp siemens
Clp siemensClp siemens
Clp siemens
 
Ctc m3 v5_t
Ctc m3 v5_tCtc m3 v5_t
Ctc m3 v5_t
 
Automação
 Automação Automação
Automação
 
(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa
 
Automação de _Processos _ Industriais By WEG.pdf
Automação de  _Processos _ Industriais  By WEG.pdfAutomação de  _Processos _ Industriais  By WEG.pdf
Automação de _Processos _ Industriais By WEG.pdf
 
14131394 apostila-clp-completa
14131394 apostila-clp-completa14131394 apostila-clp-completa
14131394 apostila-clp-completa
 
Apostila WEG CLP Completa
Apostila WEG CLP CompletaApostila WEG CLP Completa
Apostila WEG CLP Completa
 
Apostila clp completa weg
Apostila clp completa wegApostila clp completa weg
Apostila clp completa weg
 
(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa
 
Deborah deah sea2014
Deborah deah sea2014Deborah deah sea2014
Deborah deah sea2014
 
Apostila rob tica10.09.2009
Apostila rob tica10.09.2009Apostila rob tica10.09.2009
Apostila rob tica10.09.2009
 
Saber eletrônica 464
Saber eletrônica 464Saber eletrônica 464
Saber eletrônica 464
 
Trabalho1_CST Grupo2.pdf
Trabalho1_CST Grupo2.pdfTrabalho1_CST Grupo2.pdf
Trabalho1_CST Grupo2.pdf
 
Apostila automacao de sistemas guy
Apostila automacao de sistemas guyApostila automacao de sistemas guy
Apostila automacao de sistemas guy
 
AUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdf
AUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdfAUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdf
AUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdf
 
Step7 200 completo
Step7 200 completoStep7 200 completo
Step7 200 completo
 
Automação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforoAutomação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforo
 
Utilização da tecnologia de coletor de dados em centros de usinagem na indúst...
Utilização da tecnologia de coletor de dados em centros de usinagem na indúst...Utilização da tecnologia de coletor de dados em centros de usinagem na indúst...
Utilização da tecnologia de coletor de dados em centros de usinagem na indúst...
 
Automação ind 1_2014
Automação ind 1_2014Automação ind 1_2014
Automação ind 1_2014
 
Clp basico
Clp basicoClp basico
Clp basico
 

Mais de cictec

4º seminário cictec sobre o parq tel e os rumos da eletrônica de consumo
4º seminário cictec   sobre o parq tel e os rumos da eletrônica de consumo4º seminário cictec   sobre o parq tel e os rumos da eletrônica de consumo
4º seminário cictec sobre o parq tel e os rumos da eletrônica de consumo
cictec
 
Tendências de mercado para tic’s o fenômeno chamado big data
Tendências de mercado para tic’s   o fenômeno chamado big dataTendências de mercado para tic’s   o fenômeno chamado big data
Tendências de mercado para tic’s o fenômeno chamado big data
cictec
 
Tendências de mercado para o setor de tic’s – analitics
Tendências de mercado para o setor de tic’s – analiticsTendências de mercado para o setor de tic’s – analitics
Tendências de mercado para o setor de tic’s – analitics
cictec
 
Tendências de inovações tecnologics em cloud computing
Tendências de inovações tecnologics em cloud computingTendências de inovações tecnologics em cloud computing
Tendências de inovações tecnologics em cloud computing
cictec
 
Tendências de inovações tecnológicas para analítica de negócios
Tendências de inovações tecnológicas para  analítica de negóciosTendências de inovações tecnológicas para  analítica de negócios
Tendências de inovações tecnológicas para analítica de negócios
cictec
 
Tendências de inovações para a tecnologia de big data
Tendências de inovações para a tecnologia de big dataTendências de inovações para a tecnologia de big data
Tendências de inovações para a tecnologia de big data
cictec
 
Principais tendências de mercado para “cloud computing – computação em nuvens”
Principais tendências de mercado para “cloud computing – computação em nuvens”Principais tendências de mercado para “cloud computing – computação em nuvens”
Principais tendências de mercado para “cloud computing – computação em nuvens”
cictec
 
Tendências de inovações tecnológicas para o setor de rede elétrica inteligente
Tendências de inovações tecnológicas para o setor de rede elétrica inteligenteTendências de inovações tecnológicas para o setor de rede elétrica inteligente
Tendências de inovações tecnológicas para o setor de rede elétrica inteligente
cictec
 
Tendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditiva
Tendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditivaTendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditiva
Tendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditiva
cictec
 
O mercado da tecnologia de redes inteligentes
O mercado da tecnologia de redes inteligentesO mercado da tecnologia de redes inteligentes
O mercado da tecnologia de redes inteligentes
cictec
 
Oportunidades e tendencias de mercado para industria de jogos digitais.
Oportunidades e tendencias de mercado para industria de jogos digitais.Oportunidades e tendencias de mercado para industria de jogos digitais.
Oportunidades e tendencias de mercado para industria de jogos digitais.
cictec
 
Tendencias de mercado para o setor de economia criativa
Tendencias de mercado para o setor de economia criativaTendencias de mercado para o setor de economia criativa
Tendencias de mercado para o setor de economia criativa
cictec
 
Tendencias de inovação tecnologica para a economia criativa.2 vdocx
Tendencias de inovação tecnologica para a economia criativa.2 vdocxTendencias de inovação tecnologica para a economia criativa.2 vdocx
Tendencias de inovação tecnologica para a economia criativa.2 vdocx
cictec
 
Panorama do mercado para o setor de música
Panorama do mercado para o setor de músicaPanorama do mercado para o setor de música
Panorama do mercado para o setor de música
cictec
 
Inovações tecnológicas para a industria de jogos digitais
Inovações tecnológicas para a industria de jogos digitaisInovações tecnológicas para a industria de jogos digitais
Inovações tecnológicas para a industria de jogos digitais
cictec
 
Inovação Tecnológica O Mercado da Música Digital
Inovação Tecnológica   O Mercado da Música DigitalInovação Tecnológica   O Mercado da Música Digital
Inovação Tecnológica O Mercado da Música Digital
cictec
 
Texto - 3º cictec - Big Data.docx
Texto -  3º cictec - Big Data.docxTexto -  3º cictec - Big Data.docx
Texto - 3º cictec - Big Data.docx
cictec
 
1º Seminário CICTEC - Um Novo ABC das TICs - José Carlos Cavalcanti 22 05 13
1º Seminário CICTEC - Um Novo ABC das TICs - José Carlos Cavalcanti 22 05 131º Seminário CICTEC - Um Novo ABC das TICs - José Carlos Cavalcanti 22 05 13
1º Seminário CICTEC - Um Novo ABC das TICs - José Carlos Cavalcanti 22 05 13
cictec
 
1º Seminário CICTEC - Lançamento - Cidinha Gouveia 22 05 13
1º Seminário CICTEC - Lançamento - Cidinha Gouveia 22 05 131º Seminário CICTEC - Lançamento - Cidinha Gouveia 22 05 13
1º Seminário CICTEC - Lançamento - Cidinha Gouveia 22 05 13
cictec
 
2º Seminário CICTEC - Surpresas Inevitáveis Gestão da Inovação e Cenários de ...
2º Seminário CICTEC - Surpresas Inevitáveis Gestão da Inovação e Cenários de ...2º Seminário CICTEC - Surpresas Inevitáveis Gestão da Inovação e Cenários de ...
2º Seminário CICTEC - Surpresas Inevitáveis Gestão da Inovação e Cenários de ...
cictec
 

Mais de cictec (20)

4º seminário cictec sobre o parq tel e os rumos da eletrônica de consumo
4º seminário cictec   sobre o parq tel e os rumos da eletrônica de consumo4º seminário cictec   sobre o parq tel e os rumos da eletrônica de consumo
4º seminário cictec sobre o parq tel e os rumos da eletrônica de consumo
 
Tendências de mercado para tic’s o fenômeno chamado big data
Tendências de mercado para tic’s   o fenômeno chamado big dataTendências de mercado para tic’s   o fenômeno chamado big data
Tendências de mercado para tic’s o fenômeno chamado big data
 
Tendências de mercado para o setor de tic’s – analitics
Tendências de mercado para o setor de tic’s – analiticsTendências de mercado para o setor de tic’s – analitics
Tendências de mercado para o setor de tic’s – analitics
 
Tendências de inovações tecnologics em cloud computing
Tendências de inovações tecnologics em cloud computingTendências de inovações tecnologics em cloud computing
Tendências de inovações tecnologics em cloud computing
 
Tendências de inovações tecnológicas para analítica de negócios
Tendências de inovações tecnológicas para  analítica de negóciosTendências de inovações tecnológicas para  analítica de negócios
Tendências de inovações tecnológicas para analítica de negócios
 
Tendências de inovações para a tecnologia de big data
Tendências de inovações para a tecnologia de big dataTendências de inovações para a tecnologia de big data
Tendências de inovações para a tecnologia de big data
 
Principais tendências de mercado para “cloud computing – computação em nuvens”
Principais tendências de mercado para “cloud computing – computação em nuvens”Principais tendências de mercado para “cloud computing – computação em nuvens”
Principais tendências de mercado para “cloud computing – computação em nuvens”
 
Tendências de inovações tecnológicas para o setor de rede elétrica inteligente
Tendências de inovações tecnológicas para o setor de rede elétrica inteligenteTendências de inovações tecnológicas para o setor de rede elétrica inteligente
Tendências de inovações tecnológicas para o setor de rede elétrica inteligente
 
Tendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditiva
Tendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditivaTendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditiva
Tendências de inovações tecnológicas para a manufatura aditiva
 
O mercado da tecnologia de redes inteligentes
O mercado da tecnologia de redes inteligentesO mercado da tecnologia de redes inteligentes
O mercado da tecnologia de redes inteligentes
 
Oportunidades e tendencias de mercado para industria de jogos digitais.
Oportunidades e tendencias de mercado para industria de jogos digitais.Oportunidades e tendencias de mercado para industria de jogos digitais.
Oportunidades e tendencias de mercado para industria de jogos digitais.
 
Tendencias de mercado para o setor de economia criativa
Tendencias de mercado para o setor de economia criativaTendencias de mercado para o setor de economia criativa
Tendencias de mercado para o setor de economia criativa
 
Tendencias de inovação tecnologica para a economia criativa.2 vdocx
Tendencias de inovação tecnologica para a economia criativa.2 vdocxTendencias de inovação tecnologica para a economia criativa.2 vdocx
Tendencias de inovação tecnologica para a economia criativa.2 vdocx
 
Panorama do mercado para o setor de música
Panorama do mercado para o setor de músicaPanorama do mercado para o setor de música
Panorama do mercado para o setor de música
 
Inovações tecnológicas para a industria de jogos digitais
Inovações tecnológicas para a industria de jogos digitaisInovações tecnológicas para a industria de jogos digitais
Inovações tecnológicas para a industria de jogos digitais
 
Inovação Tecnológica O Mercado da Música Digital
Inovação Tecnológica   O Mercado da Música DigitalInovação Tecnológica   O Mercado da Música Digital
Inovação Tecnológica O Mercado da Música Digital
 
Texto - 3º cictec - Big Data.docx
Texto -  3º cictec - Big Data.docxTexto -  3º cictec - Big Data.docx
Texto - 3º cictec - Big Data.docx
 
1º Seminário CICTEC - Um Novo ABC das TICs - José Carlos Cavalcanti 22 05 13
1º Seminário CICTEC - Um Novo ABC das TICs - José Carlos Cavalcanti 22 05 131º Seminário CICTEC - Um Novo ABC das TICs - José Carlos Cavalcanti 22 05 13
1º Seminário CICTEC - Um Novo ABC das TICs - José Carlos Cavalcanti 22 05 13
 
1º Seminário CICTEC - Lançamento - Cidinha Gouveia 22 05 13
1º Seminário CICTEC - Lançamento - Cidinha Gouveia 22 05 131º Seminário CICTEC - Lançamento - Cidinha Gouveia 22 05 13
1º Seminário CICTEC - Lançamento - Cidinha Gouveia 22 05 13
 
2º Seminário CICTEC - Surpresas Inevitáveis Gestão da Inovação e Cenários de ...
2º Seminário CICTEC - Surpresas Inevitáveis Gestão da Inovação e Cenários de ...2º Seminário CICTEC - Surpresas Inevitáveis Gestão da Inovação e Cenários de ...
2º Seminário CICTEC - Surpresas Inevitáveis Gestão da Inovação e Cenários de ...
 

Oportunidades e inovações tecnológicas para o setor de automação industrial

  • 1. Oportunidades e Inovações Tecnológicas para o setor de Automação Industrial Outubro/ 2013 Relatório preparado pela Cysneiros Consultores Associados para a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco. Pesquisador Responsável Eletroeletrônica: Eduardo Peixoto
  • 2. 2 Sumário 1 Introdução........................................................................................................................ 5 2 Análise das Tendências de Inovação Tecnológica em Eletroeletrônica ....................... 6 2.1 Análise da Tecnologia de Automação Industrial ................................................................ 7 2.1.1 2.1.2 2.1.3 2.1.4 2.1.5 2.2 Macrotendências de Inovação Tecnológica em Automação Industrial .......................... 15 2.2.1 2.2.2 2.2.3 2.2.4 2.2.5 2.2.6 2.3 Processos .......................................................................................................................................... 9 Dispositivos .................................................................................................................................... 10 Protocolos de comunicação ............................................................................................................ 11 Software ......................................................................................................................................... 12 Redes de comunicação industrial ................................................................................................... 13 Computação em nuvem .................................................................................................................. 15 Comunicação sem fios ................................................................................................................... 16 Segurança ....................................................................................................................................... 17 Sustentabilidade ............................................................................................................................. 18 Integração com os sistemas corporativos ....................................................................................... 18 Gerenciamento de ativos ................................................................................................................ 19 Recomendações às Empresas de Eletroeletrônica de Pernambuco................................. 20 3 Conclusão....................................................................................................................... 21 4 Referências..................................................................................................................... 22
  • 3. 3 Índice de Tabelas Tabela 1. Comparativo entre rede industrial e corporativa ................................................................................. 14 Tabela 2. Ataques cibernéticos a sistemas de automação industrial .................................................................... 17
  • 4. 4 Índice de Figuras Figura 1. Esquema de sistema de controle com CLP ............................................................................................ 8 Figura 2. Controlador Lógico Programável ......................................................................................................... 9 Figura 3. Receita dos protocolos de automação industrial ................................................................................. 12 Figura 4. Visão geral de uma rede de automação industrial .............................................................................. 13 Figura 5. Arquitetura atual e futura da rede de automação industrial ............................................................... 16 Figura 6. Integração ERP e MES ......................................................................................................................... 19
  • 5. 5 1 Introdução Este relatório foi produzido no âmbito no projeto CICTEC - Centro de Inteligência Competitiva para Parques Tecnológicos, e apresenta as principais tendências de inovação tecnológica no setor de Eletroeletrônica, apontando oportunidades de inovação para as empresas Pernambucanas, abordando em detalhe as novas tecnologias de Automação Industrial, a qual possui um papel importante na economia global e na vida das pessoas, ao combinar dispositivos com ferramentas organizacionais e matemáticas para criar um sistema complexo. Com o crescimento das tecnologias de computação em nuvem, a arquitetura monolítica da rede de automação industrial se altera para uma arquitetura orientada a serviço, expandindo as oportunidades de inovação e negócios. No atual contexto de inovações na área de automação industrial e com a reindustrialização de Pernambuco (Porto de Suape, Refinaria Abreu e Lima, fábrica da Fiat, polo têxtil do Agreste) diversas oportunidades se apresentam neste segmento para as empresas do ParqTel e Porto Digital.
  • 6. 6 2 Análise das Tendências de Inovação Tecnológica em Eletroeletrônica A indústria representava 25% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado de Pernambuco nos anos 80, mas na década seguinte se iniciou um processo de decadência que reduziu a participação do setor para 15% do PIB do estado (AgroCIM, 2011). Entretanto nos últimos anos, começou um processo de reindustrialização em Pernambuco, com a implantação de diversos projetos estruturadores: complexo industrial portuário de Suape, que além do próprio porto, comporta a refinaria Abreu e Lima e o estaleiro Atlântico Sul; polo automotivo de Goiana liderado pela fábrica da Fiat (Carvalho, 2013) (Brito, 2011). Além desses grandes projetos, o desenvolvimento do polo de confecção do Agreste Pernambucano no entorno dos municípios de Toritama, Santa Cruz do Capibaribe e Caruaru, que movimenta R$ 1 bilhão por ano (SEBRAE, 2013). Segundo Jorge Corte Real, presidente da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE), a expectativa é o PIB estadual atinja R$ 170 bilhões nessa década, e que o setor industrial corresponda a 28% desse montante, com valor aproximado de R$ 47 bilhões (FIEPE, 2013). No entorno de cada um dos grandes empreendimentos ao norte e ao sul de Recife, novas indústrias se instalarão nos próximos gerando demanda para produtos e serviços de automação industrial, que poderia ser uma expansão dos produtos e serviços de algumas empresas do ParqTel, mais especificamente TRON e Neiva’s; e uma oportunidade para empresas do Porto Digital na área de programação de CLP e integração entre as redes de controle industrial e as corporativas. Nesta seção, levantamos as tecnologias de automação industrial e apresentamos uma análise preliminar do uso dessas tecnologias pelas empresas do ParqTel e Porto Digital.
  • 7. 7 2.1 Análise da Tecnologia de Automação Industrial A automação é o uso de equipamentos, sistemas de controle e tecnologias da informação para aumentar a produtividade na produção de bens e na entrega de serviços. O termo automação começou a ser utilizado a partir de 1947 quando a General Motors criou um departamento de automação. O impacto da tecnologia vai além da manufatura, como podemos observar na substituição das telefonistas pelas centrais telefônicas, e na substituição dos caixas bancários pelos caixas eletrônicos ou ATMs (Wikipedia, s.d.). A automação tem um papel importante na economia global e na vida das pessoas, ao combinar dispositivos com ferramentas organizacionais e matemáticas para criar um sistema complexo (IEEE). Até a década de 1940, as fábricas eram operadoras manualmente ou através de controles pneumáticos. A partir do desenvolvimento da eletrônica analógica nas décadas de 1950 e 1960, e da eletrônica digital a partir das décadas de 1970 e 1980, o grau de automação na indústria foi ampliado (Gutierrez & Pan, 2008). O sistema de controle industrial é uma categoria que engloba diversos sistemas de controle utilizados na automação industrial, tais como: Supervisory Control and Data Acquisition(SCADA), Distributed Control Systems (DCS) e os mais simples que são os Programmable Logic Controllers (PLC), que será referenciado doravante nesse documento como Controlador Lógico Programável – CLP. O divisor de águas na automação industrial foi a invenção do CLP por Dick Morley em 1968 para atender a uma necessidade da General Motors para substituir o sistema de controle baseado em reles interligados. O dispositivo deveria atender aos seguintes requisitos: programação simples, mudanças na programação sem necessidade de alteração do cabeamento interno, baixo custo de manutenção (The PLC Tutor, 2009) (Festo, 2002). Segundo a IEC, o CLP é definido como: “Um sistema eletrônico digital projetado para uso em ambiente industrial, que usa memória interna programável para armazenar um programa com instruções para implementar funções especificas: logicas, sequenciamento, temporização, aritmética para controlar através de entradas e saídas digitais e analógicas diversos equipamentos e processos. O controlador e seus periféricos associados também foram projetados para poderem ser integrados em um sistema de controle industrial.” (IEC, 2003)
  • 8. 8 Um CLP pode ser visto como um computador robusto e especializado para tarefas de controle, em tempo real, de acordo com um programa no qual a lógica de controle é implementada por meio de software. Em intervalos periódicos de tempo (scan time), o controlador realiza uma varredura das entradas, lendo os sinais provenientes do campo, e os processa, comparando com valores de referencia predeterminados, e finalmente envia comandos para as saídas. Pode realizar operações de conversão de sinais analógicos em digitais e vice-versa e também comunicar-se com a interface humano-maquina, responsável pela interação do sistema com o operador (Gutierrez & Pan, 2008). A figura abaixo exibe um diagrama de alto nível de um sistema de controle, destacando o CLP: Figura 1. Esquema de sistema de controle com CLP 1 1 Adaptado de ( mikroElektronika, 2003)
  • 9. 9 Na figura abaixo, temos um exemplo de CLP fabricado pela Rockwell Automation, uma das pioneiras do setor: Figura 2. Controlador Lógico Programável 2 2.1.1 Processos Os sistemas de automação industrial dependem do processo de manufatura que se deseja automatizar. Dessa forma, os sistemas de controle de processos podem ser classificados da seguinte forma (Gutierrez & Pan, 2008): Discretos – fabricação de produtos ou pecas que podem ser contados como unidades individuais, como por exemplo: automóveis, brinquedos, eletroeletrônicos, vestuário, tijolos, pneus, calçados; Bateladas – fabricação de bens que dependem que determinadas quantidades de matérias primas sejam combinadas de forma apropriada por um período de tempo, como por exemplo: colas, alimentos; Contínuos – fabricação de bens onde determinadas quantidades de matérias primas de forma apropriada de forma contínua, como por exemplo: siderúrgicas, gás natural, produtos químicos, plásticos, papel, celulose, cimento, açúcar e álcool. 2 (Rockwell Automation, 2013)
  • 10. 10 2.1.2 Dispositivos A implementação de um sistema de controle na automação industrial envolve diferentes dispositivos, tais como (Gutierrez & Pan, 2008): Sensores – instrumento cuja função é medir o valor de uma variável; Indicador – instrumento que apresentar o valor medido de uma variável; Transmissor – dispositivo que converte o sinal oriundo de um sensor em um sinal compatível com a rede de comunicação. Pode incorporar ou não a função de sensor. É comum, o termo transmissor ser designado para dispositivos que incorporam três funções: sensor, transdutor (conversor) e transmissor; Transdutor – dispositivo que, a partir de um sinal de entrada, produz uma saída de natureza distinta, por exemplo: convertendo uma variação analógica em um sinal digital; Controlador – dispositivo que manipula uma determinada variável de entrada do sistema de forma a manter a variável de saída no valor de referencia definido. Pode ser mecânico, pneumático, elétrico ou eletrônico, sendo esse analógico ou digital. Todos tem as lógicas de controle implementadas na estrutura física, a exceção do dispositivo digital; Controlador programável (Programmable Automation Controller - PAC) – é um controlador compacto que combina as funcionalidades de um computador e um controlador (CLP). Registrador – dispositivo que armazena os valores assumidos pela variável controlada, seja através da impressão de um gráfico, seja pela gravação digital dos dados; Atuador – dispositivo que, recebendo o comando do sistema de controle, o controle em uma ação física no sentido de alterar a variável manipulada. Os atuadores mais utilizados na indústria são aqueles associados a válvulas de controle e a motores; Chave – dispositivo que tem por função ligar, desligar ou transferir ligações entre circuitos, inclusive circuitos de alarme, segurança, sinalização.
  • 11. 11 Adaptador – dispositivo utilizado para comunicação entre redes, como por exemplo: gateway; Interface Humano-Máquina (IHM) – dispositivo para visualização de dados do processo, bem como para alteração de seus parâmetros e de condições de operação das maquinas; Comando Numérico Computadorizado (CNC) – dispositivo dedicado ao controle automático de maquinas-ferramenta – por exemplo, tornos, fresadoras, mandrilhadoras e retificadoras. O programa pode ser introduzido na memória do CNC pelo operador por meio de uma IHM própria ou pode ser carregado de um sistema CAD (Computer Aided Design) / CAM (Computer Aided Manufacture). 2.1.3 Protocolos de comunicação Na rede de comunicação corporativa, os protocolos de comunicação estão quase completamente baseados no padrão Ethernet. Nas redes de comunicação industrial existem diversos protocolos, todos eles projetados para garantir que a comunicação fosse realizada no tempo adequado. Alguns desses protocolos são proprietários, o que impedem que dispositivos de fabricantes diferentes interajam entre si. Os protocolos abertos mais utilizados são FieldBus (FF) e ProfiBus (Gutierrez & Pan, 2008). Nos últimos anos, o padrão Ethernet tradicional tem sido utilizado nas aplicações onde o determinismo da latência não era um requisito, e o padrão Ethernet modificado, o EtherNet/IP tem conquistado espaço nas aplicações determinísticas (Industrial Automation, 2011). A figura a seguir exibe a receita dos produtos de rede de automação industrial por tipo de protocolo no ano de 2011:
  • 12. 12 Figura 3. Receita dos protocolos de automação industrial 3 2.1.4 Software Um sistema de controle de automação industrial envolve diversos software, tais como (Gutierrez & Pan, 2008): Software de supervisão – implementa a comunicação entre um computador e a rede de automação, permitindo a visualização e operação do processa de forma centralizada, como por exemplo o SCADA (Supervisory Control and Data Acquisition); Software de configuração – prove um ambiente para criação de aplicações de controle baseados na lógica PID, sistemas especialistas para controle de processos e aplicativos de execução de lógicas fuzzy e neuro fuzzy, e para definição de funções de rede de protocolos específicos; Manufacturing Execution System (MES) – controla o fluxo produtivo, incluindo estoques de matérias primas, produtos em processamento e disponibilidade das máquinas; 3 (Industrial Automation, 2011)
  • 13. 13 Plant Information Management System (PIMS) – armazena as informações relevantes de processo, coletando informações dos sistemas de supervisão, sistemas de controle e sistemas legados; Enterprise Asset Management (EAM) – gerencia os equipamentos da planta. Computerized Maintenance Management System (CMMS) – gerencia a manutenção utilizando os dados transmitidos pela rede de automação e controle para registrar anomalias no funcionamento dos equipamentos. 2.1.5 Redes de comunicação industrial Os dispositivos de automação industrial podem ser integrados em uma rede de comunicação industrial análoga a uma rede corporativa, como exibido na figura abaixo: Figura 4. Visão geral de uma rede de automação industrial 4 4 ( mikroElektronika, 2003)
  • 14. 14 A tabela abaixo exibe um comparativo entre uma rede de comunicação industrial e uma rede corporativa (Galloway & Hancke, 2012): Tabela 1. Comparativo entre rede industrial e corporativa Função primária Aplicação Hierarquia Severidade da falha Disponibilidade requerida Round trip Determinismo Composição dos dados Consistência temporal Ambiente operacional Industrial Controle de equipamentos Corporativa Processamento e transferência de dados de Empresas e residências Manufatura, distribuição energia, agua e gás. Profunda, funcionalidades separadas em níveis com diversos protocolos diferentes. Alta Alta 250 µs – 10 ms Alto Pequenos pacotes periódicos e não periódicos Requerida Condições hostis, frequentemente com alto nível de poeira, temperatura e vibração. Integrada uniformes com protocolos Baixa Média ± 50 ms Baixo Pacotes não periódicos grandes Não requerida Ambientes limpos
  • 15. 15 2.2 Macrotendências de Inovação Tecnológica em Automação Industrial A área de automação industrial teve início em 1968, mas a área vem evoluindo constante devido a pressão por reduções de custo. Uma fonte constante de inovação tem sido os avanços da tecnologia da informação e comunicação (TIC) e eletrônica. A integração dessas tecnologias na automação industrial possibilita a redução de custos, ganhos de eficiência a e melhores serviços. A Frost & Sullivan, descreve as tendências na automação industrial, alguns delas originadas da integração com essas tecnologias (Frost & Sullivan, 2012): Computação na nuvem; Comunicação sem fios; Segurança; Sustentabilidade; Integração com os sistemas corporativos; Gerenciamento de ativos. 2.2.1 Computação em nuvem As tecnologias de computação em nuvem começam a ser integradas à automação industrial, alterando a arquitetura monolítica da rede de automação industrial para uma arquitetura orientada a serviço, como ilustrado na figura a seguir (Industrial Ethenert Book, 2013):
  • 16. 16 Figura 5. Arquitetura atual e futura da rede de automação industrial 5 O uso dessas tecnologias permitirão ganhos de eficiência, mobilidade, produtividade nos negócios (Scantlebury, 2012) como podemos ver no monitoramento remoto em tempo real de tanques industriais, utilizando protocolos padrão de mercados, sistema e sensores com configurações simples, integrado ao correio eletrônico e serviço de mensagem curtas (SMS) (ThomasNet News, 2013). 2.2.2 Comunicação sem fios A grande flutuação da qualidade dos canais de transmissão quando comparado com as soluções cabeadas; as perdas e pacotes com erro devido à reflexão, sccattering e difração das ondas eletromagnéticas; e as flutuações do tempo de latência foram um desafio para o uso de tecnologias de comunicação sem fio na automação industrial. Mas o desenvolvimento de diversos padrões de comunicação sem fio e a adaptação de protocolos de comunicação para as aplicações industriais reduziram drasticamente os problemas (Paavola & Leiviska, 2010). As principais vantagens quando comparadas as soluções cabeadas são (Buda, Schuermann, & Wollert, 2010): 5 (Industrial Ethenert Book, 2013)
  • 17. 17 Flexibilidade na instalação / upgrade da rede; Menor custo de instalação e manutenção; Descentralização das funções de automação; Melhor adequação as normas em ambientes restritos ou perigosos; Aplicação em equipamentos rotativos ou em movimento; Integração com rede de sensores. As redes de sensores sem fio (Wireless Sensor Network / WSN) estão se tornando cada vez mais comuns nas redes de automação industrial. Indústrias mais maduras, tais como óleo e gás, água e energia já começaram a migrar das redes cabeadas para rede de sensores sem fio. As redes de sensores sem fio consistem em uma série de nós conectados por bridges, roteadores, switches e gateways para monitorar parâmetros físicos, tais como: pressão, nível de líquidos, velocidade de fluxo, nível do PH, aceleração, movimento, vibração, umidade, luz, proximidade e posição. As principais aplicações das redes de sensores sem fio são: sistemas de controle e monitoramento, coleta de dados realtime, robôs móveis e estacionários, detecção de eventos raros, coleta de dados periódica (Source Tech 411, 2013). 2.2.3 Segurança A utilização de padrões abertos por um lado diminuiu os custos da automação industrial e possibilitou integração com os sistemas corporativos, por outro lado aumentou o risco de ataques cibernéticos como os vistos na última década (Frost & Sullivan, 2013). Tabela 2. Ataques cibernéticos a sistemas de automação industrial Data Março / 2000 Janeiro / 2003 Janeiro / 2008 Dezembro / 2010 Novembro / 2011 Local Maroochy Shire Sewage (Austrália) Davis-Besse Power Station of First Energy (US) Sistema de trem público (Polônia) Planta nuclear iraniana (Iran) Iran Ataque Sistema SCADA comprometido Ataque cibernético Hackeado remotamente Ataque Stuxnet 6 Ataques Duku O secretário de defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta, alertou que os Estados Unidos poderiam sofrer um ataque cibernético surpresa na infraestrutura do país, estilo Pearl 6 (Kushner, 2013)
  • 18. 18 Harbor, que poderia descarrilhar trens, envenenar suprimentos de água, e derrubar as redes de energia (Kushner, 2013). 2.2.4 Sustentabilidade A sustentabilidade é uma tendência que esta afetando diversos setores da economia. No caso específico da área de automação industrial, as pressões da sociedade por o uso eficiente de recursos favorecem a implementação de controles automáticos para evitar perdas de energia, água e insumos. No caso específico da produção de energia, o mercado brasileiro passa por um momento único, pois o país está em processo de definição e implantação de padrões para medição inteligente de energia (smart metering) (SmartGrid News, 2012) e redes inteligentes (smart grid), que permitirão inclusive que consumidores residenciais produzam energia e injetem a mesma na rede quando houver excesso de produção. 2.2.5 Integração com os sistemas corporativos A integração da automação industrial com os sistemas corporativos é realizada através Manufacturing Execution System (MES), que é o sistema de controle do fluxo de produção, permitindo que o ERP tenha informações em tempo real, se tornado dessa forma um ERP realtime (Hayes, 2011). O padrão IEC 62264, que é baseado na norma ISA-95, oferece um framework para a integração entre o nível 4 e os níveis inferiores.
  • 19. 19 Figura 6. Integração ERP e MES Os principais benefícios da utilização do MES são (Murray): Visão integrada da empresa, pois a partir do ERP é possível ter acesso aos dados do MES; Tempo de resposta menor para o tratamento dos problemas ocorridos na fábrica; Integridade dos dados, pois não é mais necessária a entrada manual de dados; Melhoria estimativa para tempos de entrega dos produtos (Hayes, 2011). Melhorar a capacidade de auditoria (Enterprise System Partnes); Aumentar a capacidade de rastreamento dos insumos (Enterprise System Partnes); Diminuição de uso de papel (Enterprise System Partnes); 2.2.6 Gerenciamento de ativos O gerenciamento de ativos tem por objetivo aumentar o tempo de funcionamento da planta através do gerenciamento dos ativos, geralmente identificado por Enterprise Asset Management (EAM). A falha em um sensor de três mil dólares pode parar a produção de uma planta, incorrendo em perda de 50 mil dólares por hora, e podendo passar dias inoperante até que o sensor seja consertado ou um novo sensor seja comprado (Boyes, 2006). A coleta e análise dos dados dos equipamentos permitem uma manutenção preventiva mais eficiente e uma atuação mais rápida na correção dos problemas.
  • 20. 20 2.3 Recomendações às Empresas de Eletroeletrônica de Pernambuco As inovações na área de automação industrial e a reindustrialização de Pernambuco (Porto de Suape, Refinaria Abreu e Lima, fábrica da Fiat, polo têxtil do Agreste) proporcionarão diversas oportunidades para as empresas do ParqTel e Porto Digital. Como parte da conclusão desse trabalho, sugerimos um plano de ação preliminar: Acompanhamento das feiras do setor, tais como: China IAS 2013 - Industrial Automation Show 2013, Taipei International Industrial Automation Exihibition 2013. Promover a integração entre o Porto Digital e ParqTel para buscar oportunidades integração entre a rede de automação industrial e os sistemas de informação corporativo; Aproximação com as universidades de engenharia e SENAI para desenvolvimento de recursos humanos; Busca de recursos de inovação para desenvolvimento de serviços e produtos na área de automação; Elaboração de modelos de negócios nas atividades da área de automação industrial de menor complexidade, que são propícias a entrada no segmento, tais como: desenvolvimento do software dos PLCs, projeto da rede industrial, e a implantação do sistema de operação; Incorporação de controles automatizados e programas de software nos painéis de distribuição de energia atualmente produzidos pela Neiva’s; Incorporação de controles automatizados e programas de software nos dosímetros fabricados pela TRON. Não foi possível perceber se os dosímetros já possuem essas funcionalidades e se essas funcionalidades agregariam valor para os clientes da TRON; Um estudo mais demorado e aprofundado para ampliar o entendimento das oportunidades e suas implicações no planejamento estratégico do ParqTel, Porto Digital e suas respectivas empresas.
  • 21. 21 3 Conclusão Neste documento, foram apresentadas tendências de inovação tecnológica no setor de Eletroeletrônica, apontando a inserção de novas tecnologias para as empresas que atuam com automação industrial. Como exemplo, citamos que uma fonte constante de inovação tem sido os avanços da tecnologia da informação e comunicação (TIC) e eletrônica. A integração dessas tecnologias na automação industrial possibilita a redução de custos, ganhos de eficiência a e melhores serviços para as empresas que fazem uso dessa tecnologia. As tecnologias de computação em nuvem também começam a ser integradas à automação industrial. O uso dessas tecnologias permitirá as empresas maior mobilidade e produtividade nos negócios Outro ponto abordado foram as redes de sensores sem fio (Wireless Sensor Network / WSN) que também estão se tornando cada vez mais comuns nas redes de automação industrial. Indústrias mais maduras, tais como óleo e gás, água e energia já começaram a migrar das redes cabeadas para rede de sensores sem fio. Por fim, o texto também aborda e cita as principais oportunidades de inovação para as empresas Pernambucanas que atuam com as tecnologias de automação industrial. Além de sugerir para as empresas locais – em particular as empresas do ParqTel – que explorem o crescente mercado proporcionado pelo recente ímpeto de reindustrialização no estado de Pernambuco, Porto de Suape, Refinaria Abreu e Lima, fábrica da Fiat, polo têxtil do Agreste, entre outros.
  • 22. 22 4 Referências mikroElektronika. (2003). Introduction to PLC Controllers. Acesso em 15 de Maio de 2013, disponível em mikroElektronika: http://www.electronicspal.com/plc/ AgroCIM. (04 de Março de 2011). PE: Grandes projetos provocam nova revolução industrial. Acesso em 29 de Maio de 2013, disponível em AgroCIM - O Agronegócio em Destaque: http://www.agrocim.com.br/noticia/PE-Grandes-projetos-provocamnova-revolucao-industrial.html Boyes, W. (14 de Março de 2006). What Asset Management Can Do for You. Acesso em 20 de Maio de 2013, disponível em Control - Promoting Excellence in Process Automation: http://www.controlglobal.com/articles/2006/048.html Brito, A. (06 de Março de 2011). Pernambuco vive sua revolucao industrial. Acesso em 23 de Maio de 2013, disponível em Folha de São Paulo: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/884917-pernambuco-vive-sua-revolucaoindustrial.shtml Buda, A., Schuermann, V., & Wollert, J. F. (01 de Março de 2010). Wireless Technologies in Factory Automation. Acesso em 29 de Maio de 2013, disponível em Intech: http://www.intechopen.com/books/factory-automation/wireless-technologies-infactory-automation Carvalho, D. (28 de Abril de 2013). Fábrica da Fiat já muda a rotina em Goiana, PE. Acesso em 20 de Maio de 2013, disponível em Folha de São Paulo: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/04/1269966-fabrica-da-fiat-ja-muda-arotina-em-goiana-pe.shtml Enterprise System Partnes. (s.d.). Manufacturing Execution System (MES) Overview. Acesso em 29 de Maio de 2013, disponível em MES Portal: http://www.mesportal.org/modules/espace/Mes_portal/MES_Overview.pdf Festo. (Agosto de 2002). Programmable Logic Controllers. Acesso em 17 de Maio de 2013, disponível em Festo: http://www.festo- didactic.com/ov3/media/customers/1100/093311_web_leseprobe.pdf
  • 23. 23 FIEPE. (25 de Maio de 2013). Indústria comemora seu dia embalada em perspectivas positivas. Acesso em 2013 de Maio de 2013, disponível em FIEPE: http://www.fiepe.org.br/noticia/2957-industria-comemora-seu-dia-embalada-emperspectivas-positivas.html Frost & Sullivan. (Maio de 2012). What's Hot in the Industrial Automation and Process Control Industry. Acesso em 24 de Maio de 2013, disponível em http://www.slideshare.net/frostandsullivan/frost-sullivan-whats-hot-in-the-industrialautomation-and-process-control-industry Frost & Sullivan. (Abril de 2013). Cybersecurity for Industrial Automation & Control . Acesso em 29 de Maio de 2013, disponível em Schneider Electric: http://www2.schneider-electric.com/documents/support/white-papers/white-papercybersecurity-for-industrial-automation-control.pdf Galloway, B., & Hancke, G. P. (25 de Julho de 2012). Introduction to Industrial Control Networks. Communications Surveys & Tutorials, IEEE, pp. 860-880. Gutierrez, R. M., & Pan, S. S. (Setembro de 2008). Complexo Eletronico Automação do Controle Industrial. BNDES Setorial, pp. 189-232. Hayes, K. (28 de Setembro de 2011). Real-Time ERP / MES Empowering Manuacturers to Deliver Quality Products On-Time. Acesso em 20 de Maio de 2013, disponível em ThomasNet.com: http://www.thomasnet.com/pdf.php?prid=101709 IEC. (2003). IEC 61131 - Programmable controllers. Genebra: IEC. IEEE. (s.d.). Automation Science and Engineerin. Acesso em 20 de Maio de 2013, disponível em Automation Science and Engineering - IEEE Transactions: http://www.ieeeras.org/publications/t-ase Industrial Automation. (28 de Dezembro de 2011). EtherNet/IP Leads the Way in Industrial Automation Connectivity. Acesso em 24 de Maio de 2013, disponível em Industrial Automation: http://blog.vdcresearch.com/industrial_automation/2011/12/ethernetip- leads-the-way-in-industrial-automation-connectivity.html Industrial Ethenert Book. (2013). Automation services from the cloud. Acesso em 25 de Maio de 2013, disponível em Industrial Ethenert Book:
  • 24. 24 http://www.iebmedia.com/?id=9254&parentid=74&themeid=255&showdetail=true& bb=true Kushner, D. (26 de Fevereiro de 2013). The Real Story of Stuxnet. Acesso em 29 de Maio de 2013, disponível em IEEE Spectrum: http://spectrum.ieee.org/telecom/security/thereal-story-of-stuxnet Murray, M. (s.d.). Manufacturing Execution System (MES). Acesso em 20 de Maio de 2013, disponível em About.com Logistics / Supply Chain: http://logistics.about.com/od/supplychainsoftware/a/Manufacturing-ExecutionSystems-Mes.htm Paavola, M., & Leiviska, K. (01 de Março de 2010). Wireless Sensor Networks in Industrial Automation. Acesso em 29 de Maio de 2013, disponível em Intech: http://www.intechopen.com/books/factory-automation/wireless-sensor-networks-inindustrial-automation Rockwell Automation. (2013). SmartGuard 600 Controllers. Acesso em 18 de Maio de 2013, disponível em Rockwell Automation: http://ab.rockwellautomation.com/Programmable-Controllers/SmartGuard-600Controllers Scantlebury, M. (12 de Abril de 2012). Will the Cloud Reign on Industrial Automation ? Acesso em 25 de Maio de 2013, disponível em Intel Embedded Community: http://embedded.communities.intel.com/community/en/applications/blog/2012/04/12/ will-the-cloud-reign-on-industrial-automation SEBRAE. (14 de Maio de 2013). Pesquisa mostra importância de polo de confecções do agreste pernambucano. Acesso em 25 de Maio de 2013, disponível em Territórios em rede: http://www.territoriosemrede.com.br/14/05/2013/pesquisa-mostra-importanciade-polo-de-confeccoes-do-agreste-pernambucano/ SmartGrid News. (24 de Janeiro de 2012). CESAR e Abinee dão primeiro passo para smart grid no Brasil. Acesso em 20 de Maio de 2013, disponível em SmartGrid News: http://smartgridnews.com.br/blog/2012/01/24/cesar-e-abinee-dao-primeiro-passopara-smart-grid-no-brasil/
  • 25. 25 Source Tech 411. (27 de Fevereiro de 2013). Wireless Sensor Networks For Industrial Automation. Acesso em 29 de Maio de 2013, disponível em Source Tech 411: http://sourcetech411.com/2013/02/wireless-sensor-networks-for-industrialautomation/ The PLC Tutor. (11 de Novembro de 2009). History. Acesso em 21 de Maio de 2013, disponível em The PLC Tutor: http://www.theplctutor.com/history.html ThomasNet News. (24 de Maio de 2013). Cloud-Based System facilitates remote tank monitoring. Acesso em 25 de Maio de 2013, disponível em ThomasNet News: http://news.thomasnet.com/fullstory/Cloud-Based-System-facilitates-remote-tankmonitoring-20008520 Wikipedia. (s.d.). Automation. Acesso em 20 de Maio de 2013, disponível em Wikipedia: http://en.wikipedia.org/wiki/Industrial_automation