SlideShare uma empresa Scribd logo
Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Hello World!
                                                             Começando pela
                                     Lógica de Programação



Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Comentários no código
       • São notas que um programador deixa no código para que ele ou outros
         programadores entendam o que está sendo feito ali, ou para documentar
         o que uma determinada função deve fazer
       • Os comentários não interferem na execução do programa, e são
         ignorados pelo compilador/interpretador




Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Operadores
       • Semelhantes aos operadores matemáticos
       • Representam operações entre variáveis e dados
       • Já vimos um operador importante, que é o de atribuição. Ele calcula o
         valor de seu lado direito, e o guarda na variável do lado esquerdo
       • Temos todos os operadores comums matemáticos para lidar com números
         (+, -, * e /)
       • Usamos alguns deles naquela função de calcular a média.




Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Vamos começar a brincar!
       • Abra o Flash
       • No primeiro “frame”, pressione F9 para abrir a aba de
         código
       • Escrever uma função que receba 3 números e calcule a
         média entre eles
       • Use a função trace() para imprimir as seguintes médias
               – 2.5, 4.3, 5.0
               – 1.2, 5.5, 9.9
               – 0.0, 0.0, 0.0

Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Operadores comparativos
       •     Temos também os chamados “operadores comparativos”, que fazem
             comparações entre dois valores
       •     Uma expressão com um operador comparativo vai retornar um valor Boolean
             (verdadeiro ou falso)
       •     Depois, podemos utilizar esse valor para realizar condicionais (executar um trecho
             de código apenas quando o resultado da comparação for verdadeiro ou falso)
       •     Exemplos de operadores comparativos:
               – == (equalidade)
               – > (maior que)
               – < (menor que)




Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Condicionais: o laço “if”
       • O laço if permite a execução de um bloco de código apenas
         quando o resultado da expressão for verdadeiro
       • Pode ser pareado com o “else”, que significa o “senão”: se a
         condição for verdadeira, executa o bloco após o if; senão,
         executa o bloco após o else.




Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Vamos praticar!
       • Escrever uma outra função que recebe 3 notas de
         entrada, calcula a média usando a função que
         escrevemos anteriormente e lhe diga se o
         “aluno” passou ou não (ou seja, a média é maior
         ou igual a 6)
       • Testar essas funções no primeiro frame, usando
         os valores que quiser.
       • Bonus: Faça essa função lhe cumprimentar pelo
         nome antes de dizer se passou ou não.

Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Sh*t just got serious!
     Vamos ver um pouco de
  Orientação a Objetos
Objetos
       • No AS3, todos os valores armazenados dentro de variáveis são
         objetos.
       • Um pedaço de texto, um número, um elemento visual na tela,
         até mesmo uma função: tudo isso são objetos
       • Esses objetos tem um TIPO (String, Number, MovieClip, etc), e
         o comportamento de todos os objetos do mesmo tipo é
         representado por uma CLASSE




Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Classes
       • Uma classe é como se fosse um blueprint de
         um objeto, descrevendo o que esse objeto
         tem e o que ele faz
       • Aplicando o conceito à um jogo: os vários
         monstros na tela são objetos, enquanto o
         código que define o comportamento de um
         monstro é a classe (classe Monstro, por
         exemplo).
Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Classes: atributos e métodos
       • Uma classe possui atributos, que nada mais são
         do que variáveis, e métodos, que nada mais são
         do que funções.
       • Atributos representam as características do
         objeto; para um monstro, seriam coisas como cor,
         posição, pontos de vida, velocidade, etc.
       • Métodos representam ações que esse objeto
         pode fazer; para um monstro, seriam coisas como
         andar, atirar, morrer, etc.

Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Classes e objetos
       • O mais interessante é que, embora os atributos
         sejam definidos na classe para todos os objetos
         do mesmo tipo, CADA objeto tem atributos
         “separados”
       • Ou seja, se eu modificar o valor dos pontos de
         vida de um dos montros, os outros monstros não
         serão afetados
       • Os métodos também só modificam os valores do
         objeto no qual o método está sendo executado

Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Objetos e classes no Flash
•   Vamos transformar um objeto no Flash
    em uma classe
•   Vamos programar o comportamento
    dessa classe
•   Vamos instanciar a classe na timeline,
    executar os métodos e observar o código
•   Você pode ter percebido que, em muitas casos, duas
    classes teriam diversos atributos e métodos iguais.
    Afinal, tanto monstros quando jogadores possuem
                                                            Herança
    posição, pontos de vida e velocidade, não?
•   O conceito de herança permite que uma classe
    “extenda” a outra, copiando seus métodos e atributos
•   No exercício anterior, nossa classe extendeu a classe
    MovieClip, que é interna do Flash, e passou a ter uma
    série de atributos e métodos novos para
    posicionamento e colocação do objeto na tela.


                                                              extends
Let’s game!
Vamos aplicar tudo isso aonde realmente interessa!
             Jogos no Flash
O princípio básico dos jogos eletrônicos
                                                                                       Início
  • Início: define os elementos
    e variáveis do jogo
  • Enquanto o jogo estiver
    rodando, processar um
    “frame” (quadro):                                                                           Simular / processar o
                                                                    Receber input
                                                                                                     gameplay
          – Receber o input
            (entradas) do jogador
          – Processar o gameplay                                                    Exibir o estado
            (regras) do jogo                                                         atual do jogo
          – Renderizar (mostrar na
            tela) o estado atual do
            jogo
                                                                                     Encerrar

Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
No Flash é mais fácil!
       • Com a orientação à objetos, o comportamento
         de cada tipo de entidade no jogo pode ser
         descrita separadamente
       • No Flash, temos eventos que são disparados
         quando o usuário interage com o jogo, e a
         cada “frame” do jogo


Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Eventos
       • Eventos são ações que são disparadas cada vez que algo ocorre.
       • A classe MovieClip, da qual as nossas classes de entidades de jogo
         vão estender, possui uma série de métodos para lidar com
         eventos.
       • Podemos adicionar à um MovieClip um “event listener”.
         Basicamente dizemos ao MovieClip que quando um determinado
         evento acontecer, ele deve executar uma determinada função.
       • Assim, podemos escutar por eventos como KEY_DOWN (tecla
         pressionada), KEY_UP (tecla solta) e ENTER_FRAME (novo frame)
         para aplicar aquele princípio básico que vimos de receber input,
         processar gameplay e renderizar o estado.



Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Eventos: “enterFrame”
 • Esse evento é repetido
   constantemente
   enquanto o objeto
   estiver ativo.
 • É útil para fazer o
   processamento da lógica
   de jogo, como
   movimentação
 • Exercício! Alterar nossa
   classe monster para que
   ela ande para frente a
   cada frame!


Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Colocando elementos na tela: o stage (“palco”)

       • Quando arrastamos um objeto para o stage
         (“palco”), o Flash irá automáticamente chamar o
         construtor do objeto, e disparar um evento chamado
         “addedToStage”
       • Quando criamos esse objeto pelo AS3 na timeline,
         precisamos colocar manualmente o objeto no stage.
         Usamos, para isso, a função “addChild()”, que recebe
         como parâmetro o objeto a ser adicionado

Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Eventos: keyUp / keyDown
       • “keyDown” é chamada no momento que uma tecla é
         pressionada, e “keyUp” quando ela é solta.
       • Quem dispara o evento não é o próprio MovieClip, e sim o
         “stage”, o “palco” do jogo. Esse palco só está disponível para
         ser acessado depois que o MovieClip é colocado na tela,
         então registramos esses eventos apenas após o evento
         “addedToStage” ser disparado
       • Para podemos usar o estado do teclado na função que
         processa o frame, podemos criar alguns atributos que
         receberam o estado das teclas nesse evento, e serão usados
         na função para sabermos se naquele determinado momento
         elas estão pressionadas ou não

Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Eventos: keyUp / keyDown
Exercício final
       • Programar um jogo clássico: Pong!
       • Criar uma (ou duas) classes para os jogadores, que
         controlam as raquetes com o teclado
       • Criar uma classe para a bola
       • A bola se move com uma velocidade constante no eixo X e
         outra no eixo Y
       • Quando a bola bater na raquete do jogador, inverter o
         ângulo em X
       • Quando a bola bater na parede superior, inverter o ângulo
         em Y

Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
Muito obrigado!
aryel.tupinamba@lqdi.net ou aryel@tupinamba.me
                    dfkimera.com
                  a3studios.com.br
           facebook.com/aryel.tupinamba
                twitter.com/DfKimera

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Tutorial animação em flash - BOLA NO BURACO
Tutorial animação em flash - BOLA NO BURACOTutorial animação em flash - BOLA NO BURACO
Tutorial animação em flash - BOLA NO BURACO
George Alberto F. Cavalcante
 
Aprendendo Action Script 2.0
Aprendendo  Action Script 2.0Aprendendo  Action Script 2.0
Aprendendo Action Script 2.0
Alessandro Palmeira
 
Animação na web
Animação na webAnimação na web
Animação na web
Daniela Carvalho
 
Iniciando com action script 3
Iniciando com action script 3Iniciando com action script 3
Iniciando com action script 3
Hermenegildo Marin Júnior
 
Flash Cs3 Pratica Action
Flash Cs3 Pratica ActionFlash Cs3 Pratica Action
Flash Cs3 Pratica Action
lcnmione
 
Aprendendo action script 3.0
Aprendendo action script 3.0Aprendendo action script 3.0
Aprendendo action script 3.0
Diogo FN
 
Desenvolvimento de Rich Internet Application com Flex 4 e Flash Builder 4
Desenvolvimento de Rich Internet Application com Flex 4 e Flash Builder 4Desenvolvimento de Rich Internet Application com Flex 4 e Flash Builder 4
Desenvolvimento de Rich Internet Application com Flex 4 e Flash Builder 4
Igor Musardo
 
Active Sessions [0] - html5 vs Flash
Active Sessions [0] -  html5 vs FlashActive Sessions [0] -  html5 vs Flash
Active Sessions [0] - html5 vs Flash
Active Media
 
Criando aplicações em flash para web
Criando aplicações em flash para webCriando aplicações em flash para web
Criando aplicações em flash para web
João Paulo Radd
 
O Flash no mundo da Animação
O Flash no mundo da AnimaçãoO Flash no mundo da Animação
O Flash no mundo da Animação
Leonardo Pereira
 
Flash Platform + Zend Amf
Flash Platform + Zend AmfFlash Platform + Zend Amf
Flash Platform + Zend Amf
Miguel Pinto
 
Flash & arduino (via Glue API) - (24 Jun 2010)
Flash & arduino (via Glue API) - (24 Jun 2010)Flash & arduino (via Glue API) - (24 Jun 2010)
Flash & arduino (via Glue API) - (24 Jun 2010)
Ricardo Castelhano
 
O FLASH ESTÁ MORTO! PROGRAME EM HTML5
O FLASH ESTÁ MORTO! PROGRAME EM HTML5O FLASH ESTÁ MORTO! PROGRAME EM HTML5
O FLASH ESTÁ MORTO! PROGRAME EM HTML5
Renato Melo
 
Web 2.0, web 3.0 e Plataforma Flash
Web 2.0, web 3.0 e Plataforma FlashWeb 2.0, web 3.0 e Plataforma Flash
Web 2.0, web 3.0 e Plataforma Flash
Ana Laura Gomes
 
Flex 4 para desenvolvedores flash
Flex 4 para desenvolvedores flashFlex 4 para desenvolvedores flash
Flex 4 para desenvolvedores flash
Igor Costa
 
Dinastia do Flash no Brasil
Dinastia do Flash no BrasilDinastia do Flash no Brasil
Dinastia do Flash no Brasil
ppgmkt
 
Interfaces pra materiais didáticos digitais: Um estudo de caso das ferramenta...
Interfaces pra materiais didáticos digitais: Um estudo de caso das ferramenta...Interfaces pra materiais didáticos digitais: Um estudo de caso das ferramenta...
Interfaces pra materiais didáticos digitais: Um estudo de caso das ferramenta...
Coradini Lucas, PMP
 
Fim do Flash - Html5 e Java
Fim do Flash - Html5 e JavaFim do Flash - Html5 e Java
Fim do Flash - Html5 e Java
Renato Melo
 
Html
HtmlHtml
Html
EMSNEWS
 
História do computador
História do computadorHistória do computador

Destaque (20)

Tutorial animação em flash - BOLA NO BURACO
Tutorial animação em flash - BOLA NO BURACOTutorial animação em flash - BOLA NO BURACO
Tutorial animação em flash - BOLA NO BURACO
 
Aprendendo Action Script 2.0
Aprendendo  Action Script 2.0Aprendendo  Action Script 2.0
Aprendendo Action Script 2.0
 
Animação na web
Animação na webAnimação na web
Animação na web
 
Iniciando com action script 3
Iniciando com action script 3Iniciando com action script 3
Iniciando com action script 3
 
Flash Cs3 Pratica Action
Flash Cs3 Pratica ActionFlash Cs3 Pratica Action
Flash Cs3 Pratica Action
 
Aprendendo action script 3.0
Aprendendo action script 3.0Aprendendo action script 3.0
Aprendendo action script 3.0
 
Desenvolvimento de Rich Internet Application com Flex 4 e Flash Builder 4
Desenvolvimento de Rich Internet Application com Flex 4 e Flash Builder 4Desenvolvimento de Rich Internet Application com Flex 4 e Flash Builder 4
Desenvolvimento de Rich Internet Application com Flex 4 e Flash Builder 4
 
Active Sessions [0] - html5 vs Flash
Active Sessions [0] -  html5 vs FlashActive Sessions [0] -  html5 vs Flash
Active Sessions [0] - html5 vs Flash
 
Criando aplicações em flash para web
Criando aplicações em flash para webCriando aplicações em flash para web
Criando aplicações em flash para web
 
O Flash no mundo da Animação
O Flash no mundo da AnimaçãoO Flash no mundo da Animação
O Flash no mundo da Animação
 
Flash Platform + Zend Amf
Flash Platform + Zend AmfFlash Platform + Zend Amf
Flash Platform + Zend Amf
 
Flash & arduino (via Glue API) - (24 Jun 2010)
Flash & arduino (via Glue API) - (24 Jun 2010)Flash & arduino (via Glue API) - (24 Jun 2010)
Flash & arduino (via Glue API) - (24 Jun 2010)
 
O FLASH ESTÁ MORTO! PROGRAME EM HTML5
O FLASH ESTÁ MORTO! PROGRAME EM HTML5O FLASH ESTÁ MORTO! PROGRAME EM HTML5
O FLASH ESTÁ MORTO! PROGRAME EM HTML5
 
Web 2.0, web 3.0 e Plataforma Flash
Web 2.0, web 3.0 e Plataforma FlashWeb 2.0, web 3.0 e Plataforma Flash
Web 2.0, web 3.0 e Plataforma Flash
 
Flex 4 para desenvolvedores flash
Flex 4 para desenvolvedores flashFlex 4 para desenvolvedores flash
Flex 4 para desenvolvedores flash
 
Dinastia do Flash no Brasil
Dinastia do Flash no BrasilDinastia do Flash no Brasil
Dinastia do Flash no Brasil
 
Interfaces pra materiais didáticos digitais: Um estudo de caso das ferramenta...
Interfaces pra materiais didáticos digitais: Um estudo de caso das ferramenta...Interfaces pra materiais didáticos digitais: Um estudo de caso das ferramenta...
Interfaces pra materiais didáticos digitais: Um estudo de caso das ferramenta...
 
Fim do Flash - Html5 e Java
Fim do Flash - Html5 e JavaFim do Flash - Html5 e Java
Fim do Flash - Html5 e Java
 
Html
HtmlHtml
Html
 
História do computador
História do computadorHistória do computador
História do computador
 

Mais de Aryel Tupinambá

PHP Conference 2017 - Processamento avançado de vídeos com FFmpeg e PHP
PHP Conference 2017 - Processamento avançado de vídeos com FFmpeg e PHPPHP Conference 2017 - Processamento avançado de vídeos com FFmpeg e PHP
PHP Conference 2017 - Processamento avançado de vídeos com FFmpeg e PHP
Aryel Tupinambá
 
PHP Conference 2017: Como melhorar seu código com Laravel Collections
PHP Conference 2017: Como melhorar seu código com Laravel CollectionsPHP Conference 2017: Como melhorar seu código com Laravel Collections
PHP Conference 2017: Como melhorar seu código com Laravel Collections
Aryel Tupinambá
 
PHP Conference 2016: Aplicações em tempo real com o Ratchet PHP
PHP Conference 2016: Aplicações em tempo real com o Ratchet PHPPHP Conference 2016: Aplicações em tempo real com o Ratchet PHP
PHP Conference 2016: Aplicações em tempo real com o Ratchet PHP
Aryel Tupinambá
 
Laraconf 2016: Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-cliente)
Laraconf 2016: Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-cliente)Laraconf 2016: Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-cliente)
Laraconf 2016: Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-cliente)
Aryel Tupinambá
 
FrontInVale 2016: Webpack - A evolução do asset pipeline (Lightning Talk)
FrontInVale 2016: Webpack - A evolução do asset pipeline (Lightning Talk)FrontInVale 2016: Webpack - A evolução do asset pipeline (Lightning Talk)
FrontInVale 2016: Webpack - A evolução do asset pipeline (Lightning Talk)
Aryel Tupinambá
 
PHP Conference 2015: Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-c...
PHP Conference 2015:  Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-c...PHP Conference 2015:  Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-c...
PHP Conference 2015: Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-c...
Aryel Tupinambá
 
PHP Conference 2014: Uma string em dez milhões de documentos em menos de um s...
PHP Conference 2014: Uma string em dez milhões de documentos em menos de um s...PHP Conference 2014: Uma string em dez milhões de documentos em menos de um s...
PHP Conference 2014: Uma string em dez milhões de documentos em menos de um s...
Aryel Tupinambá
 

Mais de Aryel Tupinambá (7)

PHP Conference 2017 - Processamento avançado de vídeos com FFmpeg e PHP
PHP Conference 2017 - Processamento avançado de vídeos com FFmpeg e PHPPHP Conference 2017 - Processamento avançado de vídeos com FFmpeg e PHP
PHP Conference 2017 - Processamento avançado de vídeos com FFmpeg e PHP
 
PHP Conference 2017: Como melhorar seu código com Laravel Collections
PHP Conference 2017: Como melhorar seu código com Laravel CollectionsPHP Conference 2017: Como melhorar seu código com Laravel Collections
PHP Conference 2017: Como melhorar seu código com Laravel Collections
 
PHP Conference 2016: Aplicações em tempo real com o Ratchet PHP
PHP Conference 2016: Aplicações em tempo real com o Ratchet PHPPHP Conference 2016: Aplicações em tempo real com o Ratchet PHP
PHP Conference 2016: Aplicações em tempo real com o Ratchet PHP
 
Laraconf 2016: Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-cliente)
Laraconf 2016: Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-cliente)Laraconf 2016: Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-cliente)
Laraconf 2016: Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-cliente)
 
FrontInVale 2016: Webpack - A evolução do asset pipeline (Lightning Talk)
FrontInVale 2016: Webpack - A evolução do asset pipeline (Lightning Talk)FrontInVale 2016: Webpack - A evolução do asset pipeline (Lightning Talk)
FrontInVale 2016: Webpack - A evolução do asset pipeline (Lightning Talk)
 
PHP Conference 2015: Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-c...
PHP Conference 2015:  Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-c...PHP Conference 2015:  Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-c...
PHP Conference 2015: Construindo e mantendo aplicações multi-tenant (multi-c...
 
PHP Conference 2014: Uma string em dez milhões de documentos em menos de um s...
PHP Conference 2014: Uma string em dez milhões de documentos em menos de um s...PHP Conference 2014: Uma string em dez milhões de documentos em menos de um s...
PHP Conference 2014: Uma string em dez milhões de documentos em menos de um s...
 

Último

História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 

Último (6)

História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 

Mini-curso: Desenvolvimento de Games no Adobe Flash

  • 1.
  • 2.
  • 3. Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 4. Hello World! Começando pela Lógica de Programação Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 5. Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 6. Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 7. Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 8. Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 9. Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 10. Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 11. Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 12. Comentários no código • São notas que um programador deixa no código para que ele ou outros programadores entendam o que está sendo feito ali, ou para documentar o que uma determinada função deve fazer • Os comentários não interferem na execução do programa, e são ignorados pelo compilador/interpretador Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 13.
  • 14. Operadores • Semelhantes aos operadores matemáticos • Representam operações entre variáveis e dados • Já vimos um operador importante, que é o de atribuição. Ele calcula o valor de seu lado direito, e o guarda na variável do lado esquerdo • Temos todos os operadores comums matemáticos para lidar com números (+, -, * e /) • Usamos alguns deles naquela função de calcular a média. Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 15. Vamos começar a brincar! • Abra o Flash • No primeiro “frame”, pressione F9 para abrir a aba de código • Escrever uma função que receba 3 números e calcule a média entre eles • Use a função trace() para imprimir as seguintes médias – 2.5, 4.3, 5.0 – 1.2, 5.5, 9.9 – 0.0, 0.0, 0.0 Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 16. Operadores comparativos • Temos também os chamados “operadores comparativos”, que fazem comparações entre dois valores • Uma expressão com um operador comparativo vai retornar um valor Boolean (verdadeiro ou falso) • Depois, podemos utilizar esse valor para realizar condicionais (executar um trecho de código apenas quando o resultado da comparação for verdadeiro ou falso) • Exemplos de operadores comparativos: – == (equalidade) – > (maior que) – < (menor que) Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 17. Condicionais: o laço “if” • O laço if permite a execução de um bloco de código apenas quando o resultado da expressão for verdadeiro • Pode ser pareado com o “else”, que significa o “senão”: se a condição for verdadeira, executa o bloco após o if; senão, executa o bloco após o else. Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 18.
  • 19. Vamos praticar! • Escrever uma outra função que recebe 3 notas de entrada, calcula a média usando a função que escrevemos anteriormente e lhe diga se o “aluno” passou ou não (ou seja, a média é maior ou igual a 6) • Testar essas funções no primeiro frame, usando os valores que quiser. • Bonus: Faça essa função lhe cumprimentar pelo nome antes de dizer se passou ou não. Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 20. Sh*t just got serious! Vamos ver um pouco de Orientação a Objetos
  • 21. Objetos • No AS3, todos os valores armazenados dentro de variáveis são objetos. • Um pedaço de texto, um número, um elemento visual na tela, até mesmo uma função: tudo isso são objetos • Esses objetos tem um TIPO (String, Number, MovieClip, etc), e o comportamento de todos os objetos do mesmo tipo é representado por uma CLASSE Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 22. Classes • Uma classe é como se fosse um blueprint de um objeto, descrevendo o que esse objeto tem e o que ele faz • Aplicando o conceito à um jogo: os vários monstros na tela são objetos, enquanto o código que define o comportamento de um monstro é a classe (classe Monstro, por exemplo). Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 23. Classes: atributos e métodos • Uma classe possui atributos, que nada mais são do que variáveis, e métodos, que nada mais são do que funções. • Atributos representam as características do objeto; para um monstro, seriam coisas como cor, posição, pontos de vida, velocidade, etc. • Métodos representam ações que esse objeto pode fazer; para um monstro, seriam coisas como andar, atirar, morrer, etc. Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 24.
  • 25. Classes e objetos • O mais interessante é que, embora os atributos sejam definidos na classe para todos os objetos do mesmo tipo, CADA objeto tem atributos “separados” • Ou seja, se eu modificar o valor dos pontos de vida de um dos montros, os outros monstros não serão afetados • Os métodos também só modificam os valores do objeto no qual o método está sendo executado Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 26. Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 27. Objetos e classes no Flash • Vamos transformar um objeto no Flash em uma classe • Vamos programar o comportamento dessa classe • Vamos instanciar a classe na timeline, executar os métodos e observar o código
  • 28. Você pode ter percebido que, em muitas casos, duas classes teriam diversos atributos e métodos iguais. Afinal, tanto monstros quando jogadores possuem Herança posição, pontos de vida e velocidade, não? • O conceito de herança permite que uma classe “extenda” a outra, copiando seus métodos e atributos • No exercício anterior, nossa classe extendeu a classe MovieClip, que é interna do Flash, e passou a ter uma série de atributos e métodos novos para posicionamento e colocação do objeto na tela. extends
  • 29. Let’s game! Vamos aplicar tudo isso aonde realmente interessa! Jogos no Flash
  • 30. O princípio básico dos jogos eletrônicos Início • Início: define os elementos e variáveis do jogo • Enquanto o jogo estiver rodando, processar um “frame” (quadro): Simular / processar o Receber input gameplay – Receber o input (entradas) do jogador – Processar o gameplay Exibir o estado (regras) do jogo atual do jogo – Renderizar (mostrar na tela) o estado atual do jogo Encerrar Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 31. No Flash é mais fácil! • Com a orientação à objetos, o comportamento de cada tipo de entidade no jogo pode ser descrita separadamente • No Flash, temos eventos que são disparados quando o usuário interage com o jogo, e a cada “frame” do jogo Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 32. Eventos • Eventos são ações que são disparadas cada vez que algo ocorre. • A classe MovieClip, da qual as nossas classes de entidades de jogo vão estender, possui uma série de métodos para lidar com eventos. • Podemos adicionar à um MovieClip um “event listener”. Basicamente dizemos ao MovieClip que quando um determinado evento acontecer, ele deve executar uma determinada função. • Assim, podemos escutar por eventos como KEY_DOWN (tecla pressionada), KEY_UP (tecla solta) e ENTER_FRAME (novo frame) para aplicar aquele princípio básico que vimos de receber input, processar gameplay e renderizar o estado. Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 33. Eventos: “enterFrame” • Esse evento é repetido constantemente enquanto o objeto estiver ativo. • É útil para fazer o processamento da lógica de jogo, como movimentação • Exercício! Alterar nossa classe monster para que ela ande para frente a cada frame! Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 34. Colocando elementos na tela: o stage (“palco”) • Quando arrastamos um objeto para o stage (“palco”), o Flash irá automáticamente chamar o construtor do objeto, e disparar um evento chamado “addedToStage” • Quando criamos esse objeto pelo AS3 na timeline, precisamos colocar manualmente o objeto no stage. Usamos, para isso, a função “addChild()”, que recebe como parâmetro o objeto a ser adicionado Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 35. Eventos: keyUp / keyDown • “keyDown” é chamada no momento que uma tecla é pressionada, e “keyUp” quando ela é solta. • Quem dispara o evento não é o próprio MovieClip, e sim o “stage”, o “palco” do jogo. Esse palco só está disponível para ser acessado depois que o MovieClip é colocado na tela, então registramos esses eventos apenas após o evento “addedToStage” ser disparado • Para podemos usar o estado do teclado na função que processa o frame, podemos criar alguns atributos que receberam o estado das teclas nesse evento, e serão usados na função para sabermos se naquele determinado momento elas estão pressionadas ou não Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 36. Eventos: keyUp / keyDown
  • 37. Exercício final • Programar um jogo clássico: Pong! • Criar uma (ou duas) classes para os jogadores, que controlam as raquetes com o teclado • Criar uma classe para a bola • A bola se move com uma velocidade constante no eixo X e outra no eixo Y • Quando a bola bater na raquete do jogador, inverter o ângulo em X • Quando a bola bater na parede superior, inverter o ângulo em Y Copyright © Aryel Tupinambá – 2012 – Todos os direitos reservados
  • 38. Muito obrigado! aryel.tupinamba@lqdi.net ou aryel@tupinamba.me dfkimera.com a3studios.com.br facebook.com/aryel.tupinamba twitter.com/DfKimera