SlideShare uma empresa Scribd logo
LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO
Rogério Fernandes da Costa
rogerio@nrsystem.com.br
Algoritmos
Um algoritmo não é a solução do problema, pois,
se assim fosse, cada problema teria um único
algoritmo.
Podemos definir um algoritmo como um caminho
para a solução de um determinado problema.
Exemplos de algoritmos:
instruções de montagem, receitas, manuais de
uso, etc.
Algoritmos
Um algoritmo é uma sequência de instruções finita
e ordenada de forma lógica para a resolução de
uma determinada tarefa ou problema.
Algoritmos não se aprendem:
• Copiando algoritmos
• Estudando algoritmos
Algoritmos só se aprendem:
• Construindo algoritmos
• Testando algoritmos
Algoritmos não computacionais
Um algoritmo não computacional é um algoritmo
cuja sequência de passos, a princípio, não pode
ser executada por um computador.
Exemplo:
1. Tirar o telefone do gancho;
2. Ouvir o sinal de linha;
3. Teclar o número desejado;
5. Se completar a chamada
5.1 Conversar;
5.2 Desligar
6. Senão
6.1 Repetir
Sequencial
Início
Fim
Desvio
Algoritmos não computacionais
Um outro exemplo típico de algoritmo é uma
receita culinária, como no exemplo abaixo:
Algoritmo para fritar um ovo (versão 1.0)
1. Colocar um ovo na frigideira
2. Esperar o ovo ficar frito
3. Remover o ovo da frigideira
Algoritmos não computacionais
Para evitar “ambiguidade”, o algoritmo anterior poderia ser
mais detalhado e completo.
Versão 2.0 do “Algoritmo para fritar um ovo”
1. Retirar um ovo da geladeira
2. Colocar a frigideira no fogo
3. Colocar óleo na frigideira
4. Esperar até o óleo ficar quente
5. Quebrar o ovo separando a casca
6. Colocar o conteúdo do ovo na frigideira
7. Esperar um minuto
8. Retirar o ovo da frigideira
9. Apagar o fogo
Algoritmos
Ao longo dos anos surgiram muitas formas de
representar os algoritmos, algumas utilizando
linguagens semelhantes às linguagens de
programação.
Pseudocódigo
Algoritmos
Formas gráficas também são frequentemente
utilizadas para representar algoritmos.
Fluxograma
Variável
Uma variável pode ser definida como tudo aquilo que está
sujeito a variações, que é incerto, instável ou inconstante.
Ou seja, uma variável trata-se de um conteúdo que não é
fixo ou permanente.
Observação: Embora o “valor” de uma variável possa ser
alterado diversas vezes, o conteúdo deve ser sempre do
mesmo tipo*.
Exemplos:
compra, venda: real
nome: caractere
* No Portugol, os tipos de dados primitivos são: inteiro, real, caractere e lógico.
Portugol - O que é?
Para que o algoritmo possa ser executado por um
computador é importante que as instruções sejam
corretas e sem ambiguidades.
• O português estruturado (Portugol) é uma
simplificação extrema do Português, limitada a
umas poucas palavras e estruturas que têm um
significado muito bem definido.
• A sintaxe do portugol consiste no conjunto de
palavras e regras que definem o formato das
sentenças válidas.
Palavras Reservadas - O que são?
Palavra reservada é toda e qualquer palavra que
foi feita especialmente para o compilador de uma
linguagem específica.
O programador não poderá utilizar uma palavra
reservada para outro fim que não o definido pelo
compilador*
* A não ser que seja ela utilizada como caractere (atribuída como valor de uma
variável, por exemplo).
Lista de Palavras Reservadas
Algoritmos Computacionais
A princípio, precisamos ter em mente que o
computador não executa nada!
Para que ele faça uma determinada tarefa, como
calcular uma folha de pagamento, por exemplo, é
necessário que ele execute um programa.
Um programa nada mais é do que um algoritmo
computacional descrito em uma linguagem de
programação.
Linearização de Expressões
Para a construção de algoritmos que realizam
cálculo matemáticos, todas as expressões
aritméticas devem ser linearizadas (colocadas em
linha).
Operadores Aritméticos
As tabelas seguintes mostram os operadores
aritméticos disponíveis no Português Estruturado.
Exemplo
Crie um algoritmo que:
a) Solicite que o usuário informe o seu nome ;
b) Guarde o nome do usuário na respectiva variável;
c) Exiba a mensagem: seja bem vindo ‘nome-usuário’
Sintaxe do exemplo
algoritmo "Boas Vindas"
// Função : Exibir mensagem de boas vindas ao usuário
// Autor : Prof. Rogério
var
nome: caracter
inicio
// Seção de Comandos
escreval ("Digite o seu nome: ")
leia (nome)
escreva ("Seja bem vindo ", nome)
fimalgoritmo
Operadores Relacionais
Os operadores relacionais realizam a comparação
entre dois operandos ou duas expressões e resultam
em valores lógicos (VERDADEIRO ou FALSO).
Exemplo
2+5>4 resulta VERDADEIRO
3<>3 resulta FALSO
Operadores de Atribuição
Para “colocar” um valor em uma variável dentro de um
algoritmo, utilizamos os operadores de atribuição. Os
operadores de atribuição são representados por uma
seta (<-) apontando para a esquerda ou por dois
ponto sucedidos pelo sinal de igual (:=).
Exemplos
Peso <- 70 // Este comando atribui à variável Peso o valor 70
Media <- (Nota1+ Nota2) / 2 // O resultado do cálculo é atribuído à média
Exercício - Controle de Estoque
Crie um algoritmo que:
a) Solicite que a quantidade de produtos comprados seja
informada;
b) Solicite que a quantidade de produtos vendidos seja
informada;
c) Realize a subtração entre os valores comprados e
vendidos e, em seguida, exiba o resultado (quantidade em
estoque)
Sintaxe do exercício (estoque)
algoritmo "Controle de Estoque"
// Função : Calcular o estoque (comprados - vendidos)
// Autor : Prof. Rogério
var
compra, venda, estoque: inteiro
inicio
escreval ("Digite a quantidade de produtos comprados: ")
leia (compra)
escreval ("Digite a quantidade de produtos vendidos: ")
leia (venda)
estoque <- (compra - venda)
escreva ("A quantidade em estoque é ", estoque)
fimalgoritmo
Revendo alguns Conceitos
• A instrução escreva solicita ao usuário para que insira,
no programa, alguma informação. Por exemplo, “Digite o
seu nome”
• Quando o usuário insere a informação, o algoritmo a
recebe e guarda na variável através da instrução leia
• Para exibir o resultado do processamento utilizamos
novamente a instrução escreva
Comandos de E/S (Entrada/Saída)
Em Portugol, usamos o comando escreva para à exibição de
valores na tela (solicitações ou resultado do processamento).
OBS.: No Visualg existem dois comandos escreva com
finalidades diferentes quando usado consecutivamente.
Escreva () // Mostra o resultado na mesma linha, mas em
colunas diferentes.
Escreval () // Mostra o primeiro resultado na mesma linha
depois em linhas diferentes.
Tipo de dado: Caractere
Os dados literais são formados por um único caractere ou
uma sequência de caracteres, que podem ser letras
(maiúsculas ou minúsculas), números ou símbolos
especiais (como #, $, @, ?, &, entre outros).
Os números, quando representados como caracteres, não
podem ser utilizados para cálculos.
Dados numéricos
No estudo da matemática, você aprendeu que existem
diversos conjuntos numéricos (conjunto dos números
naturais, inteiros, racionais, irracionais e reais).
No estudo dos algoritmos, lidaremos apenas com os
números inteiros e os números reais.
Tipo de dado: Inteiro
Os números inteiros são os números positivos ou
negativos que não possuem parte decimal ou fracionária.
Ex.: 15, -487, 0, 27835, -14937, 100.
Em algoritmos, os números inteiros são utilizados
geralmente para expressar valores, como quantidades ou
idade.
Tipo de dado: Real
Os números reais são os números positivos ou negativos
que englobam números decimais ou fracionários.
Ex.: 15, -487, 1.78, 0.254, 27835, 100, 8.50.
Nas linguagens de programação são chamados de pontos
flutuantes. Valores reais são aplicáveis em algoritmos que
manipulam dados que expressam valores fracionários,
como salário, média, preço, porcentagem, entre outros.
Tipo de dado: Lógico
Os dados lógicos são também chamados de booleanos, por ter
sua origem na álgebra booleana. Os valores que esses tipos de
dados podem assumir são Verdadeiro ou Falso, podendo
representar apenas um desses dois valores.
Um exemplo simples:
algoritmo "logicos"
var
igualdade: logico
inicio
igualdade <- 10 = 12
escreva (igualdade)
fimalgoritmo
Estrutura condicional
Até agora nossos códigos executavam todas as linhas do começo ao
final. Porém, com o comando SE podemos bifurcar o código, ou seja,
escolher um caminho em tempo de execução.
Exemplo: se a nota for menor que 7, aluno reprovado, se não, aluno
aprovado.
A sintaxe do comando SE é a seguinte:
se <expressão booleana> entao
// Códigos para o caso verdadeiro
senao
// Códigos para o caso falso
fimse
Exercício - Média Escolar
Crie um algoritmo que:
a) Solicite que o usuário digite a nota do 1º Bimestre;
b) Solicite que o usuário digite a nota do 2º Bimestre;
c) Calcule a média e;
d) Exiba o valor da média;
e) Se a média for maior ou igual a 7 exiba a mensagem
“Aluno Aprovado”;
f) Se a média for menor que 7 exiba a mensagem “Aluno
Reprovado”.
Sintaxe do exercício (média escolar)
algoritmo "Calcular Média"
// Função : Calcular a média a partir de duas notas
// Autor : Prof. Rogério
var
nota1, nota2, media: real
inicio
escreval ("Digite a nota do 1º bimestre: ")
leia (nota1)
escreval ("Digite a nota do 2º bimestre: ")
leia (nota2)
media <- (nota1 + nota2) / 2
escreva ("A média é ", media)
se media >= 7 entao
escreva (" Aluno Aprovado")
senao
escreva (" Aluno Reprovado")
fimse
fimalgoritmo
Operadores Lógicos
Os operadores lógicos atuam sobre expressões e
também resultam em valores lógicos (VERDADEIRO ou
FALSO).
tabela-verdade
A tabela exibe os resultados das aplicações dos
operadores lógicos, conforme os valores dos
operadores envolvidos.
Exemplo
(2+5>4) e (3<>3) resulta FALSO, pois VERDADEIRO e FALSO resulta FALSO.
Operador de módulo
O operador de módulo é utilizado para identificar o resto de
uma divisão inteira, por exemplo:
Identificar se o número digitado pelo usuário é positivo ou
negativo
se (num) MOD 2 = 0 entao
escreval ("Este número é par")
senao
escreval ("Este número é impar")
Estruturas de repetição
O VisuAlg implementa as três estruturas de repetição mais usadas nas
linguagens de programação:
1. laço: para...ate...faca
2. laço condicional: enquanto...faca
3. repita: ate
Exemplo: Criar um algoritmo que conte de 1 até 10 e exibe os
números em ordem crescente (incremental)
algoritmo “Contar de 1 até 10"
var contador: inteiro
inicio
para contador de 1 ate 10 faca
escreva (contador)
fimpara
fimalgoritmo
Comando de Seleção Múltipla
Em algumas situações, ao chegar em uma
determinada Instrução, o algoritmo deve selecionar
um dentre alguns trechos, tendo como base para esta
escolha um conjunto de valores.
Para lidar com casos deste tipo, foi criado um comando específico para
seleção múltipla
Comando de Seleção Múltipla
Sintaxe:
escolha (<variável>)
caso <valor11>, <valor12>,..., <valorn>
<sequencia de comandos1>
caso <valor21>, <valor22>,..., <valorn>
<sequencia de comandos2>
outrocaso
<sequencia de comandos extra>
fimescolha
Comando de Seleção Múltipla
Exemplo:
algoritmo "Times do Campeonato Brasileiro"
var time: caractere
inicio
escreva ("Entre com o nome de um time de futebol: ")
leia (time)
escolha time
caso "São Paulo", "Palmeiras", "Santos", "Corínthians“
escreval ("É um time paulista.")
caso "Flamengo", "Fluminense", "Vasco", "Botafogo"
escreval ("É um time carioca.")
outrocaso
escreval (“Time de outro estado.")
fimescolha
fimalgoritmo
Estruturas de repetição
No VisuAlg, se o valor inicial de uma sequência for maior que o valor
final, o laço não será executado nenhuma vez.
Como não existe um operador específico para decremento no
Portugol, no exercício anterior, para que o contador conte de 10 até 1
será necessário adotar um “passo - 1”
algoritmo “Contar de 10 até 1"
var contador: inteiro
inicio
para contador de 10 ate 1 passo - 1 faca
escreva (contador)
fimpara
fimalgoritmo
Tipos de dados avançados: vetores
• Um vetor (ou array) agrupa variáveis com o mesmo tipo
de dado;
• Tem um tamanho pré-determinado.
Exemplo:
Tipos de dados avançados: vetores
Para declarar uma variável como vetor precisamos
fornecer as seguintes informações:
• O tipo de dado que será armazenado em cada posição;
• O tamanho do vetor.
Exemplo:
IDADE: VETOR [1..5] DE INTEIRO
Nome do Vetor
Tipo de dado
Os colchetes
determinam que é
um vetor
Tamanho do vetor
Índices de um vetor
Cada elemento ocupa uma posição dentro do vetor,
permitindo a sua diferenciação.
 A posição dos elementos é numerada
1 2 3
Tamanho do Vetor: três posições
Atribuindo valores a um vetor
Como um vetor é indexado, um valor deve sempre ocupar
uma posição (um valor não pode ser atribuído a um vetor).
 O valor é acessado pela [ posição ]
IDADE: VETOR [1..5] DE INTEIRO
idade[2] <- 35
escreva (vetor[2])
35
Tipos de dados avançados: matriz
• Uma matriz é um vetor composto por mais de uma
dimensão. Mesmo tendo mais de uma dimensão, na
matriz, a indexação ocorre da mesma forma que no vetor
Tipos de dados avançados: matriz
• Uma matriz pode ter n dimensões (sempre maior que 1);
• Na prática, normalmente este número não passa de 3
Declaração de matrizes
A declaração de uma matriz é feita de forma semelhante à
do vetor.
Exemplo:
PESSOAS: VETOR [1..2,1..3] DE CARACTERE
A declaração acima corresponde à declaração de uma
matriz de 2 linhas e 3 colunas.
Nome da Matriz Tamanho da
dimensão (2)
Quantidade de
colunas (3)
Tipo de dado
Atribuindo valores a uma matriz
Da mesma forma que no vetor, para atribuir um valor na
matriz é necessário fornecer sua posição
 A posição depende do número de dimensões
Exemplo:
PESSOAS: VETOR [1..2,1..3] DE CARACTERE
PESSOAS[2,3] <- "Rogério"
Leitura de valores de uma matriz
Para extrair o valor de uma matriz, é preciso identificar a
posição onde ele se encontra.
Linguagens de Programação
As linguagens de programação são utilizadas na
construção de programas computacionais. A partir do
momento que conhecemos a lógica de programação,
estamos aptos a dar o próximos passos:
• Aprender alguma linguagem de programação;
• Traduzir os conceitos lógicos para um programa de
verdade.
Linguagens de Programação
O funcionamento de um programa está condicionado ao
seu código fonte, que é escrito em alguma linguagem de
programação.
Linguagens de Programação
Existem inúmeras linguagens de programação:
Java, C, C++, C#, Pascal, Cobol, PHP, JavaScript, CSS,
Python, Objective-C...
Linguagens interpretadas e compiladas
Linguagem interpretada:
O código de máquina é transformado em linguagem de
máquina durante a execução do programa (linha a linha).
Exemplos de linguagens interpretadas: PHP e JavaScript
Linguagem compilada:
O código fonte é transformado em linguagem de máquina
antes de ser executado.
Exemplos de linguagens compiladas: Java, Pascal, C
No caso específico do Java, o código fonte é compilado
para uma linguagem intermediária e depois executado
(máquina virtual).
Paradigmas de programação
A forma de programar varia entre as linguagens de
programação. Entre os diversos paradigmas de
programação, dois são mais comuns:
Estruturado: programas são divididos em procedimentos
e funções. Exemplos: C, PHP
Orientado a objetos: programas onde o foco são os
elementos denominados objetos, que interagem uns com
os outros. Exemplos: Java, PHP
Níveis de abstração das linguagens
Quanto mais próxima da linguagem de máquina, mais
baixo é o nível da linguagem, no caso das linguagens de
alto nível ocorre exatamente o oposto, elas são mais
intuitivas.
Existem três níveis de abstração:
1. Baixo (Exemplo: Assembly)
2. Médio (Exemplo: C, C++)
3. Alto (Exemplo: Java, Pascal)
Outras variações entre linguagens
Cada linguagem de programação tem suas
particularidades (nenhuma linguagem de programação é
igual a outra).
• É importante compreender o que é possível e o que não
é possível fazer com determinada linguagem.
• Embora alguns conceitos seja universais (variáveis,
estruturas de decisão, estruturas de repetição, etc.), a
sintaxe para estas estruturas vai variar de uma linguagem
para outra, implicando na forma de escrever um
algoritmo.
Outras variações entre linguagens
Entre os principais aspectos que podem variar de uma
linguagem para outra destacam-se:
• Tipos primitivos existentes;
• Declaração de identificadores;
• Valores de variáveis atribuídos automaticamente ou não;
• Variáveis com ou sem tipo de dado definido;
• Operadores;
• Estruturas de controle;
• Sensíveis ou não a letras maiúsculas e minúsculas (case
sensitive).
Lista de Exercícios
A seguir, uma lista composta por 14 exercícios é
disponibilizada, a resolução dos exercícios tem
como objetivo exercitar o raciocínio lógico.
Importante, a avaliação do aproveitamento do
curso se dará através da resolução dos exercícios
disponibilizados.
Exercício 1
Crie um algoritmo que:
a) Solicite que o usuário digite a distância percorrida;
b) Solicite que o usuário digite a quantidade de
combustível gasto;
c) Calcule o consumo de combustível e;
d) Exiba a mensagem: O consumo médio de combustível
do seu veículo é: ‘combustível gasto’
Exercício 2
Crie um algoritmo que:
a) Solicite que o usuário digite a nota do 1º Bimestre;
b) Solicite que o usuário digite a nota do 2º Bimestre;
c) Calcule a média e;
d) Exiba o valor da média;
e) Se a média for maior ou igual a 7 exiba a mensagem
“Aluno aprovado”;
f) Se a média for menor que 4 exiba a mensagem “Aluno
reprovado”;
g) Se não for nenhum dos dois casos anteriores, o sistema
deverá exibir a mensagem “Aluno em recuperação”.
Exercício 3
Escreva um algoritmo que:
1. Conte de 2 a 20;
2. Exiba os números em ordem crescente;
3. O incremento no valor deve ser de + 2, ou seja, a
sequência é 2 em 2 (2, 4, 6, ..., 20)
Exercício 4
Escreva um algoritmo que:
1. Leia dois valores inteiro distintos;
2. Informe qual dos dois valores é o maior.
Exercício 5
Escreva um algoritmo que:
1. Receba um número;
2. Diga se este número está dentro de um intervalo entre
100 e 200.
Exercício 6
Escreva um algoritmo que:
1. Receba a idade da pessoa;
2. Considere a idade a partir de 18 anos como maior de
idade;
3. Informe se a pessoa é maior ou menor de idade,
dependendo da idade informada.
Exercício 7
Escreva um algoritmo que:
1. Receba o valor que foi depositado;
2. Exiba o valor com rendimento após um mês;
3. Considere o juro fixo da poupança em 0,70% a. m.
Exercício 8
Escreva um algoritmo que:
1. Receba o número do mês;
2. Mostre o mês correspondente;
3. Se o usuário digitar um número de mês inexistente o
sistema deve exibir “Mês inválido!”.
Exercício 9
Escreva um algoritmo que:
1. Leia o nome de um vendedor;
2. Receba o valor do seu salário fixo;
3. Receba o total de vendas efetuadas por ele no mês;
4. Calcule o salário final que é composto pelo salário fixo
+ 10% de comissão sobre as vendas;
5. Exiba em uma mesma mensagem, o salario final e o
nome do vendedor
Exercício 10
Escreva um algoritmo que:
1. Receba a quantidade de horas trabalhadas;
2. Calcule e exiba o salário de um professor;
3. Se o Professor for Nível 1 R$25,00 por hora/aula;
4. Se o Professor for Nível 2 R$30,00 por hora/aula;
5. Se o Professor for Nível 3 R$38,00 por hora/aula
Exercício 11
Escreva um algoritmo que:
1. Leia o custo de fábrica de um automóvel;
2. Informe o custo ao consumidor;
3. Aplique 45% de impostos sobre o custo de fábrica;
4. Aplique a margem de lucro de do revendedor (20%
sobre o custo de fábrica);
5. Informe o valor final do automóvel.
Exercício 12
Escreva um algoritmo que:
1. Possua um vetor com 4 posições do tipo inteiro;
2. Solicite que um valor seja digitado;
3. Escreva o valor na posição 2 do vetor;
4. Solicite que o segundo valor seja digitado;
5. Escreva o segundo valor na posição 4 do vetor;
6. Realize a soma dos dois valores;
7. Exiba o resultado.
Exercício 13
Escreva um algoritmo que:
1. Possua um vetor com 4 posições do tipo inteiro;
2. Solicite que um valor seja digitado;
3. Escreva o valor na posição 3 do vetor;
4. Verifique se o numero é par ou ímpar;
5. Verifique se o numero é positivo ou negativo
6. Exiba o resultado.
Exercício 14
Escreva um algoritmo que:
1. Possua uma matriz com 3 linhas e 3 colunas do tipo
inteiro;
2. Solicite que um valor seja digitado;
3. Escreva o valor na posição 1,3 da matriz;
4. Solicite que o segundo valor seja digitado;
5. Escreva o segundo valor na posição 2,2 da matriz;
6. Realize a soma dos dois valores;
7. Exiba o resultado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 3 algoritmos
Aula 3   algoritmosAula 3   algoritmos
Aula 3 algoritmos
Patrick_turma10
 
Algoritmo - tipos de dados
Algoritmo - tipos de dadosAlgoritmo - tipos de dados
Algoritmo - tipos de dados
Professor Samuel Ribeiro
 
Lógica e algoritmos
Lógica e algoritmosLógica e algoritmos
Lógica e algoritmos
Jocelma Rios
 
Introdução a Algoritmos: Conceitos Básicos
Introdução a Algoritmos: Conceitos BásicosIntrodução a Algoritmos: Conceitos Básicos
Introdução a Algoritmos: Conceitos Básicos
Elaine Cecília Gatto
 
Aula 01 - Algoritmo e Programação
Aula 01 - Algoritmo e ProgramaçãoAula 01 - Algoritmo e Programação
Aula 01 - Algoritmo e Programação
Aislan Rafael
 
Tipos de memória rom
Tipos de memória romTipos de memória rom
Tipos de memória rom
grupomp10m
 
Material de Apoio de Algoritmo e Lógica de Programação
Material de Apoio de Algoritmo e Lógica de ProgramaçãoMaterial de Apoio de Algoritmo e Lógica de Programação
Material de Apoio de Algoritmo e Lógica de Programação
rodfernandes
 
Lógica de Programação
Lógica de ProgramaçãoLógica de Programação
Lógica de Programação
Claudio Stein Junior
 
Lógica de programação { para iniciantes }
Lógica de programação { para iniciantes }Lógica de programação { para iniciantes }
Lógica de programação { para iniciantes }
Mariana Camargo
 
Lógica de Programação
Lógica de ProgramaçãoLógica de Programação
Lógica de Programação
Adao Chiavelli
 
Aula 1 introdução a algoritmos
Aula 1   introdução a algoritmosAula 1   introdução a algoritmos
Aula 1 introdução a algoritmos
Adilio Tavares
 
Aula Lógica de Programação - cap1
Aula Lógica de Programação - cap1 Aula Lógica de Programação - cap1
Aula Lógica de Programação - cap1
Cloves da Rocha
 
Algoritmos - Pseudocódigo
Algoritmos - PseudocódigoAlgoritmos - Pseudocódigo
Algoritmos - Pseudocódigo
Elaine Cecília Gatto
 
Introdução a computação
Introdução a computaçãoIntrodução a computação
Introdução a computação
Elaine Cecília Gatto
 
Algoritmos: Tipos de Dados
Algoritmos: Tipos de DadosAlgoritmos: Tipos de Dados
Algoritmos: Tipos de Dados
Elaine Cecília Gatto
 
Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos e lp parte3-pseudocódigo
Algoritmos e lp parte3-pseudocódigoAlgoritmos e lp parte3-pseudocódigo
Algoritmos e lp parte3-pseudocódigo
Mauro Pereira
 
Variáveis e portugol
Variáveis e portugolVariáveis e portugol
Variáveis e portugol
Carlos Wagner Costa
 
Programação Estruturada e Orientada a Objetos
Programação Estruturada e Orientada a ObjetosProgramação Estruturada e Orientada a Objetos
Programação Estruturada e Orientada a Objetos
Albert Bitencourte de Lemos
 
Aula 1 aed - lógica de programação
Aula 1   aed - lógica de programaçãoAula 1   aed - lógica de programação
Aula 1 aed - lógica de programação
Elaine Cecília Gatto
 

Mais procurados (20)

Aula 3 algoritmos
Aula 3   algoritmosAula 3   algoritmos
Aula 3 algoritmos
 
Algoritmo - tipos de dados
Algoritmo - tipos de dadosAlgoritmo - tipos de dados
Algoritmo - tipos de dados
 
Lógica e algoritmos
Lógica e algoritmosLógica e algoritmos
Lógica e algoritmos
 
Introdução a Algoritmos: Conceitos Básicos
Introdução a Algoritmos: Conceitos BásicosIntrodução a Algoritmos: Conceitos Básicos
Introdução a Algoritmos: Conceitos Básicos
 
Aula 01 - Algoritmo e Programação
Aula 01 - Algoritmo e ProgramaçãoAula 01 - Algoritmo e Programação
Aula 01 - Algoritmo e Programação
 
Tipos de memória rom
Tipos de memória romTipos de memória rom
Tipos de memória rom
 
Material de Apoio de Algoritmo e Lógica de Programação
Material de Apoio de Algoritmo e Lógica de ProgramaçãoMaterial de Apoio de Algoritmo e Lógica de Programação
Material de Apoio de Algoritmo e Lógica de Programação
 
Lógica de Programação
Lógica de ProgramaçãoLógica de Programação
Lógica de Programação
 
Lógica de programação { para iniciantes }
Lógica de programação { para iniciantes }Lógica de programação { para iniciantes }
Lógica de programação { para iniciantes }
 
Lógica de Programação
Lógica de ProgramaçãoLógica de Programação
Lógica de Programação
 
Aula 1 introdução a algoritmos
Aula 1   introdução a algoritmosAula 1   introdução a algoritmos
Aula 1 introdução a algoritmos
 
Aula Lógica de Programação - cap1
Aula Lógica de Programação - cap1 Aula Lógica de Programação - cap1
Aula Lógica de Programação - cap1
 
Algoritmos - Pseudocódigo
Algoritmos - PseudocódigoAlgoritmos - Pseudocódigo
Algoritmos - Pseudocódigo
 
Introdução a computação
Introdução a computaçãoIntrodução a computação
Introdução a computação
 
Algoritmos: Tipos de Dados
Algoritmos: Tipos de DadosAlgoritmos: Tipos de Dados
Algoritmos: Tipos de Dados
 
Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
 
Algoritmos e lp parte3-pseudocódigo
Algoritmos e lp parte3-pseudocódigoAlgoritmos e lp parte3-pseudocódigo
Algoritmos e lp parte3-pseudocódigo
 
Variáveis e portugol
Variáveis e portugolVariáveis e portugol
Variáveis e portugol
 
Programação Estruturada e Orientada a Objetos
Programação Estruturada e Orientada a ObjetosProgramação Estruturada e Orientada a Objetos
Programação Estruturada e Orientada a Objetos
 
Aula 1 aed - lógica de programação
Aula 1   aed - lógica de programaçãoAula 1   aed - lógica de programação
Aula 1 aed - lógica de programação
 

Destaque

Sistemas de Apoio à Decisão
Sistemas de Apoio à DecisãoSistemas de Apoio à Decisão
Sistemas de Apoio à Decisão
Rogério Fernandes da Costa
 
Caderno de Orientação a Objetos - Secretaria de Educação
Caderno de Orientação a Objetos - Secretaria de EducaçãoCaderno de Orientação a Objetos - Secretaria de Educação
Caderno de Orientação a Objetos - Secretaria de Educação
geysasz
 
Fundamentos de logica de programação
Fundamentos de logica de programaçãoFundamentos de logica de programação
Fundamentos de logica de programação
Rogerio de Moraes
 
Linguagem de programação
Linguagem de programaçãoLinguagem de programação
Linguagem de programação
Leonardo Vieira Hastenreiter
 
Fundamentos do java
Fundamentos do javaFundamentos do java
Fundamentos do java
Nécio de Lima Veras
 
Aula de programacao_final.dizando
Aula de programacao_final.dizandoAula de programacao_final.dizando
Aula de programacao_final.dizando
João Gomes
 
Semana 3: Introdução à linguagem de programação Java
Semana  3: Introdução à linguagem de programação Java Semana  3: Introdução à linguagem de programação Java
Semana 3: Introdução à linguagem de programação Java
Manuel Menezes de Sequeira
 
Introdução a java
Introdução a javaIntrodução a java
Introdução a java
Carlos Cavalcanti
 
Java introdução ao java
Java   introdução ao javaJava   introdução ao java
Java introdução ao java
Armando Daniel
 
SOCIAL RESPONSIBILITY AND SUSTAINABILITY: A STUDY ON THE PROJECT MANAGEMENT A...
SOCIAL RESPONSIBILITY AND SUSTAINABILITY: A STUDY ON THE PROJECT MANAGEMENT A...SOCIAL RESPONSIBILITY AND SUSTAINABILITY: A STUDY ON THE PROJECT MANAGEMENT A...
SOCIAL RESPONSIBILITY AND SUSTAINABILITY: A STUDY ON THE PROJECT MANAGEMENT A...
Rogério Fernandes da Costa
 
Códigos da Aula3
Códigos da Aula3Códigos da Aula3
Códigos da Aula3
softeam
 
Exemplos Aula4
Exemplos Aula4Exemplos Aula4
Exemplos Aula4
softeam
 
Acessardados Aula7
Acessardados Aula7Acessardados Aula7
Acessardados Aula7
softeam
 
Curso programação web em PHP
Curso programação web em PHPCurso programação web em PHP
Curso programação web em PHP
Raphael Cangucu
 
Exemplos Aula2
Exemplos Aula2Exemplos Aula2
Exemplos Aula2
softeam
 
Planode Aula
Planode AulaPlanode Aula
Planode Aula
softeam
 
Aula 1 estruturas de controlo (final)
Aula 1   estruturas de controlo (final)Aula 1   estruturas de controlo (final)
Aula 1 estruturas de controlo (final)
mestradopeci2012
 
Programação em c# (117 horas)
Programação em c# (117 horas)Programação em c# (117 horas)
Programação em c# (117 horas)
Vitor Savicki
 
Aula 12 - Exercícios vetores unidimensionais
Aula 12 - Exercícios vetores unidimensionaisAula 12 - Exercícios vetores unidimensionais
Aula 12 - Exercícios vetores unidimensionais
Pacc UAB
 
Aula 16 - Modularização - parte 3 - exercícios
Aula 16 - Modularização - parte 3 - exercíciosAula 16 - Modularização - parte 3 - exercícios
Aula 16 - Modularização - parte 3 - exercícios
Pacc UAB
 

Destaque (20)

Sistemas de Apoio à Decisão
Sistemas de Apoio à DecisãoSistemas de Apoio à Decisão
Sistemas de Apoio à Decisão
 
Caderno de Orientação a Objetos - Secretaria de Educação
Caderno de Orientação a Objetos - Secretaria de EducaçãoCaderno de Orientação a Objetos - Secretaria de Educação
Caderno de Orientação a Objetos - Secretaria de Educação
 
Fundamentos de logica de programação
Fundamentos de logica de programaçãoFundamentos de logica de programação
Fundamentos de logica de programação
 
Linguagem de programação
Linguagem de programaçãoLinguagem de programação
Linguagem de programação
 
Fundamentos do java
Fundamentos do javaFundamentos do java
Fundamentos do java
 
Aula de programacao_final.dizando
Aula de programacao_final.dizandoAula de programacao_final.dizando
Aula de programacao_final.dizando
 
Semana 3: Introdução à linguagem de programação Java
Semana  3: Introdução à linguagem de programação Java Semana  3: Introdução à linguagem de programação Java
Semana 3: Introdução à linguagem de programação Java
 
Introdução a java
Introdução a javaIntrodução a java
Introdução a java
 
Java introdução ao java
Java   introdução ao javaJava   introdução ao java
Java introdução ao java
 
SOCIAL RESPONSIBILITY AND SUSTAINABILITY: A STUDY ON THE PROJECT MANAGEMENT A...
SOCIAL RESPONSIBILITY AND SUSTAINABILITY: A STUDY ON THE PROJECT MANAGEMENT A...SOCIAL RESPONSIBILITY AND SUSTAINABILITY: A STUDY ON THE PROJECT MANAGEMENT A...
SOCIAL RESPONSIBILITY AND SUSTAINABILITY: A STUDY ON THE PROJECT MANAGEMENT A...
 
Códigos da Aula3
Códigos da Aula3Códigos da Aula3
Códigos da Aula3
 
Exemplos Aula4
Exemplos Aula4Exemplos Aula4
Exemplos Aula4
 
Acessardados Aula7
Acessardados Aula7Acessardados Aula7
Acessardados Aula7
 
Curso programação web em PHP
Curso programação web em PHPCurso programação web em PHP
Curso programação web em PHP
 
Exemplos Aula2
Exemplos Aula2Exemplos Aula2
Exemplos Aula2
 
Planode Aula
Planode AulaPlanode Aula
Planode Aula
 
Aula 1 estruturas de controlo (final)
Aula 1   estruturas de controlo (final)Aula 1   estruturas de controlo (final)
Aula 1 estruturas de controlo (final)
 
Programação em c# (117 horas)
Programação em c# (117 horas)Programação em c# (117 horas)
Programação em c# (117 horas)
 
Aula 12 - Exercícios vetores unidimensionais
Aula 12 - Exercícios vetores unidimensionaisAula 12 - Exercícios vetores unidimensionais
Aula 12 - Exercícios vetores unidimensionais
 
Aula 16 - Modularização - parte 3 - exercícios
Aula 16 - Modularização - parte 3 - exercíciosAula 16 - Modularização - parte 3 - exercícios
Aula 16 - Modularização - parte 3 - exercícios
 

Semelhante a Logica de Programacao

Algoritmos e Lógica de Programação
Algoritmos e Lógica de ProgramaçãoAlgoritmos e Lógica de Programação
Algoritmos e Lógica de Programação
Jose Augusto Cintra
 
CURSO JAVA - AULA 1 - INTRODUÇÃO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO
CURSO JAVA - AULA 1 - INTRODUÇÃO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃOCURSO JAVA - AULA 1 - INTRODUÇÃO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO
CURSO JAVA - AULA 1 - INTRODUÇÃO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO
Microsoft
 
Algoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmos
Algoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmosAlgoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmos
Algoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmos
Rodrigo Kiyoshi Saito
 
Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
jormad
 
Alg aula 03 - construcao algoritmos2 tp1
Alg   aula 03 - construcao algoritmos2 tp1Alg   aula 03 - construcao algoritmos2 tp1
Alg aula 03 - construcao algoritmos2 tp1
Thalles Anderson
 
FC-Logic
FC-LogicFC-Logic
FC-Logic
guest119e7e
 
Algoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascalAlgoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascal
angelicamenegassi
 
Algoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascalAlgoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascal
angelicamenegassi
 
Algoritmo estruturado
Algoritmo estruturadoAlgoritmo estruturado
Algoritmo estruturado
dasko
 
53297189 apostila-algoritmo-e-logica-i
53297189 apostila-algoritmo-e-logica-i53297189 apostila-algoritmo-e-logica-i
53297189 apostila-algoritmo-e-logica-i
Edvan Mateó
 
2.0_Programacao_PRG29002_-_Pseudocódigo.pdf
2.0_Programacao_PRG29002_-_Pseudocódigo.pdf2.0_Programacao_PRG29002_-_Pseudocódigo.pdf
2.0_Programacao_PRG29002_-_Pseudocódigo.pdf
JustinoFontes
 
02 algoritmos
02 algoritmos02 algoritmos
02 algoritmos
Cristovão Duarte
 
mod1-algoritmia
mod1-algoritmiamod1-algoritmia
mod1-algoritmia
diogoa21
 
Prova algoritmos
Prova algoritmosProva algoritmos
Prova algoritmos
pronatecvja
 
Google android p/ Noobs - SUPER 2014 - UPE
Google android p/ Noobs - SUPER 2014 - UPEGoogle android p/ Noobs - SUPER 2014 - UPE
Google android p/ Noobs - SUPER 2014 - UPE
Levi Saturnino
 
Aula02
Aula02Aula02
Lógica de programação
Lógica de programaçãoLógica de programação
Lógica de programação
Evaldo Savio Araujo
 
Apostila de algoritimos
Apostila de algoritimosApostila de algoritimos
Apostila de algoritimos
Cleide Soares
 
Aula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdf
Aula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdfAula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdf
Aula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdf
EizoKato
 
Aula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdf
Aula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdfAula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdf
Aula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdf
EizoKato
 

Semelhante a Logica de Programacao (20)

Algoritmos e Lógica de Programação
Algoritmos e Lógica de ProgramaçãoAlgoritmos e Lógica de Programação
Algoritmos e Lógica de Programação
 
CURSO JAVA - AULA 1 - INTRODUÇÃO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO
CURSO JAVA - AULA 1 - INTRODUÇÃO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃOCURSO JAVA - AULA 1 - INTRODUÇÃO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO
CURSO JAVA - AULA 1 - INTRODUÇÃO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO
 
Algoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmos
Algoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmosAlgoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmos
Algoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmos
 
Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
 
Alg aula 03 - construcao algoritmos2 tp1
Alg   aula 03 - construcao algoritmos2 tp1Alg   aula 03 - construcao algoritmos2 tp1
Alg aula 03 - construcao algoritmos2 tp1
 
FC-Logic
FC-LogicFC-Logic
FC-Logic
 
Algoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascalAlgoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascal
 
Algoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascalAlgoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascal
 
Algoritmo estruturado
Algoritmo estruturadoAlgoritmo estruturado
Algoritmo estruturado
 
53297189 apostila-algoritmo-e-logica-i
53297189 apostila-algoritmo-e-logica-i53297189 apostila-algoritmo-e-logica-i
53297189 apostila-algoritmo-e-logica-i
 
2.0_Programacao_PRG29002_-_Pseudocódigo.pdf
2.0_Programacao_PRG29002_-_Pseudocódigo.pdf2.0_Programacao_PRG29002_-_Pseudocódigo.pdf
2.0_Programacao_PRG29002_-_Pseudocódigo.pdf
 
02 algoritmos
02 algoritmos02 algoritmos
02 algoritmos
 
mod1-algoritmia
mod1-algoritmiamod1-algoritmia
mod1-algoritmia
 
Prova algoritmos
Prova algoritmosProva algoritmos
Prova algoritmos
 
Google android p/ Noobs - SUPER 2014 - UPE
Google android p/ Noobs - SUPER 2014 - UPEGoogle android p/ Noobs - SUPER 2014 - UPE
Google android p/ Noobs - SUPER 2014 - UPE
 
Aula02
Aula02Aula02
Aula02
 
Lógica de programação
Lógica de programaçãoLógica de programação
Lógica de programação
 
Apostila de algoritimos
Apostila de algoritimosApostila de algoritimos
Apostila de algoritimos
 
Aula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdf
Aula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdfAula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdf
Aula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdf
 
Aula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdf
Aula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdfAula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdf
Aula 01 Logica de Programacao - Logica Matematica 1.pdf
 

Mais de Rogério Fernandes da Costa

Gestão de Projetos com Ms project
Gestão de Projetos com Ms projectGestão de Projetos com Ms project
Gestão de Projetos com Ms project
Rogério Fernandes da Costa
 
SIMULAÇÃO DE EMERGÊNCIA
SIMULAÇÃO DE EMERGÊNCIASIMULAÇÃO DE EMERGÊNCIA
SIMULAÇÃO DE EMERGÊNCIA
Rogério Fernandes da Costa
 
Gestão de estoques em operações de logística humanitária
Gestão de estoques em operações de logística humanitáriaGestão de estoques em operações de logística humanitária
Gestão de estoques em operações de logística humanitária
Rogério Fernandes da Costa
 
Engenharia de Usabilidade
Engenharia de UsabilidadeEngenharia de Usabilidade
Engenharia de Usabilidade
Rogério Fernandes da Costa
 
Impacto da Governança de TI
Impacto da Governança de TIImpacto da Governança de TI
Impacto da Governança de TI
Rogério Fernandes da Costa
 
Design de interfaces para internet
Design de interfaces para internetDesign de interfaces para internet
Design de interfaces para internet
Rogério Fernandes da Costa
 
Fundamentos de banco dados
Fundamentos de banco dadosFundamentos de banco dados
Fundamentos de banco dados
Rogério Fernandes da Costa
 

Mais de Rogério Fernandes da Costa (7)

Gestão de Projetos com Ms project
Gestão de Projetos com Ms projectGestão de Projetos com Ms project
Gestão de Projetos com Ms project
 
SIMULAÇÃO DE EMERGÊNCIA
SIMULAÇÃO DE EMERGÊNCIASIMULAÇÃO DE EMERGÊNCIA
SIMULAÇÃO DE EMERGÊNCIA
 
Gestão de estoques em operações de logística humanitária
Gestão de estoques em operações de logística humanitáriaGestão de estoques em operações de logística humanitária
Gestão de estoques em operações de logística humanitária
 
Engenharia de Usabilidade
Engenharia de UsabilidadeEngenharia de Usabilidade
Engenharia de Usabilidade
 
Impacto da Governança de TI
Impacto da Governança de TIImpacto da Governança de TI
Impacto da Governança de TI
 
Design de interfaces para internet
Design de interfaces para internetDesign de interfaces para internet
Design de interfaces para internet
 
Fundamentos de banco dados
Fundamentos de banco dadosFundamentos de banco dados
Fundamentos de banco dados
 

Último

Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 

Último (20)

Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 

Logica de Programacao

  • 1. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Rogério Fernandes da Costa rogerio@nrsystem.com.br
  • 2. Algoritmos Um algoritmo não é a solução do problema, pois, se assim fosse, cada problema teria um único algoritmo. Podemos definir um algoritmo como um caminho para a solução de um determinado problema. Exemplos de algoritmos: instruções de montagem, receitas, manuais de uso, etc.
  • 3. Algoritmos Um algoritmo é uma sequência de instruções finita e ordenada de forma lógica para a resolução de uma determinada tarefa ou problema. Algoritmos não se aprendem: • Copiando algoritmos • Estudando algoritmos Algoritmos só se aprendem: • Construindo algoritmos • Testando algoritmos
  • 4. Algoritmos não computacionais Um algoritmo não computacional é um algoritmo cuja sequência de passos, a princípio, não pode ser executada por um computador. Exemplo: 1. Tirar o telefone do gancho; 2. Ouvir o sinal de linha; 3. Teclar o número desejado; 5. Se completar a chamada 5.1 Conversar; 5.2 Desligar 6. Senão 6.1 Repetir Sequencial Início Fim Desvio
  • 5. Algoritmos não computacionais Um outro exemplo típico de algoritmo é uma receita culinária, como no exemplo abaixo: Algoritmo para fritar um ovo (versão 1.0) 1. Colocar um ovo na frigideira 2. Esperar o ovo ficar frito 3. Remover o ovo da frigideira
  • 6. Algoritmos não computacionais Para evitar “ambiguidade”, o algoritmo anterior poderia ser mais detalhado e completo. Versão 2.0 do “Algoritmo para fritar um ovo” 1. Retirar um ovo da geladeira 2. Colocar a frigideira no fogo 3. Colocar óleo na frigideira 4. Esperar até o óleo ficar quente 5. Quebrar o ovo separando a casca 6. Colocar o conteúdo do ovo na frigideira 7. Esperar um minuto 8. Retirar o ovo da frigideira 9. Apagar o fogo
  • 7. Algoritmos Ao longo dos anos surgiram muitas formas de representar os algoritmos, algumas utilizando linguagens semelhantes às linguagens de programação. Pseudocódigo
  • 8. Algoritmos Formas gráficas também são frequentemente utilizadas para representar algoritmos. Fluxograma
  • 9. Variável Uma variável pode ser definida como tudo aquilo que está sujeito a variações, que é incerto, instável ou inconstante. Ou seja, uma variável trata-se de um conteúdo que não é fixo ou permanente. Observação: Embora o “valor” de uma variável possa ser alterado diversas vezes, o conteúdo deve ser sempre do mesmo tipo*. Exemplos: compra, venda: real nome: caractere * No Portugol, os tipos de dados primitivos são: inteiro, real, caractere e lógico.
  • 10. Portugol - O que é? Para que o algoritmo possa ser executado por um computador é importante que as instruções sejam corretas e sem ambiguidades. • O português estruturado (Portugol) é uma simplificação extrema do Português, limitada a umas poucas palavras e estruturas que têm um significado muito bem definido. • A sintaxe do portugol consiste no conjunto de palavras e regras que definem o formato das sentenças válidas.
  • 11. Palavras Reservadas - O que são? Palavra reservada é toda e qualquer palavra que foi feita especialmente para o compilador de uma linguagem específica. O programador não poderá utilizar uma palavra reservada para outro fim que não o definido pelo compilador* * A não ser que seja ela utilizada como caractere (atribuída como valor de uma variável, por exemplo).
  • 12. Lista de Palavras Reservadas
  • 13. Algoritmos Computacionais A princípio, precisamos ter em mente que o computador não executa nada! Para que ele faça uma determinada tarefa, como calcular uma folha de pagamento, por exemplo, é necessário que ele execute um programa. Um programa nada mais é do que um algoritmo computacional descrito em uma linguagem de programação.
  • 14. Linearização de Expressões Para a construção de algoritmos que realizam cálculo matemáticos, todas as expressões aritméticas devem ser linearizadas (colocadas em linha).
  • 15. Operadores Aritméticos As tabelas seguintes mostram os operadores aritméticos disponíveis no Português Estruturado.
  • 16. Exemplo Crie um algoritmo que: a) Solicite que o usuário informe o seu nome ; b) Guarde o nome do usuário na respectiva variável; c) Exiba a mensagem: seja bem vindo ‘nome-usuário’
  • 17. Sintaxe do exemplo algoritmo "Boas Vindas" // Função : Exibir mensagem de boas vindas ao usuário // Autor : Prof. Rogério var nome: caracter inicio // Seção de Comandos escreval ("Digite o seu nome: ") leia (nome) escreva ("Seja bem vindo ", nome) fimalgoritmo
  • 18. Operadores Relacionais Os operadores relacionais realizam a comparação entre dois operandos ou duas expressões e resultam em valores lógicos (VERDADEIRO ou FALSO). Exemplo 2+5>4 resulta VERDADEIRO 3<>3 resulta FALSO
  • 19. Operadores de Atribuição Para “colocar” um valor em uma variável dentro de um algoritmo, utilizamos os operadores de atribuição. Os operadores de atribuição são representados por uma seta (<-) apontando para a esquerda ou por dois ponto sucedidos pelo sinal de igual (:=). Exemplos Peso <- 70 // Este comando atribui à variável Peso o valor 70 Media <- (Nota1+ Nota2) / 2 // O resultado do cálculo é atribuído à média
  • 20. Exercício - Controle de Estoque Crie um algoritmo que: a) Solicite que a quantidade de produtos comprados seja informada; b) Solicite que a quantidade de produtos vendidos seja informada; c) Realize a subtração entre os valores comprados e vendidos e, em seguida, exiba o resultado (quantidade em estoque)
  • 21. Sintaxe do exercício (estoque) algoritmo "Controle de Estoque" // Função : Calcular o estoque (comprados - vendidos) // Autor : Prof. Rogério var compra, venda, estoque: inteiro inicio escreval ("Digite a quantidade de produtos comprados: ") leia (compra) escreval ("Digite a quantidade de produtos vendidos: ") leia (venda) estoque <- (compra - venda) escreva ("A quantidade em estoque é ", estoque) fimalgoritmo
  • 22. Revendo alguns Conceitos • A instrução escreva solicita ao usuário para que insira, no programa, alguma informação. Por exemplo, “Digite o seu nome” • Quando o usuário insere a informação, o algoritmo a recebe e guarda na variável através da instrução leia • Para exibir o resultado do processamento utilizamos novamente a instrução escreva
  • 23. Comandos de E/S (Entrada/Saída) Em Portugol, usamos o comando escreva para à exibição de valores na tela (solicitações ou resultado do processamento). OBS.: No Visualg existem dois comandos escreva com finalidades diferentes quando usado consecutivamente. Escreva () // Mostra o resultado na mesma linha, mas em colunas diferentes. Escreval () // Mostra o primeiro resultado na mesma linha depois em linhas diferentes.
  • 24. Tipo de dado: Caractere Os dados literais são formados por um único caractere ou uma sequência de caracteres, que podem ser letras (maiúsculas ou minúsculas), números ou símbolos especiais (como #, $, @, ?, &, entre outros). Os números, quando representados como caracteres, não podem ser utilizados para cálculos.
  • 25. Dados numéricos No estudo da matemática, você aprendeu que existem diversos conjuntos numéricos (conjunto dos números naturais, inteiros, racionais, irracionais e reais). No estudo dos algoritmos, lidaremos apenas com os números inteiros e os números reais.
  • 26. Tipo de dado: Inteiro Os números inteiros são os números positivos ou negativos que não possuem parte decimal ou fracionária. Ex.: 15, -487, 0, 27835, -14937, 100. Em algoritmos, os números inteiros são utilizados geralmente para expressar valores, como quantidades ou idade.
  • 27. Tipo de dado: Real Os números reais são os números positivos ou negativos que englobam números decimais ou fracionários. Ex.: 15, -487, 1.78, 0.254, 27835, 100, 8.50. Nas linguagens de programação são chamados de pontos flutuantes. Valores reais são aplicáveis em algoritmos que manipulam dados que expressam valores fracionários, como salário, média, preço, porcentagem, entre outros.
  • 28. Tipo de dado: Lógico Os dados lógicos são também chamados de booleanos, por ter sua origem na álgebra booleana. Os valores que esses tipos de dados podem assumir são Verdadeiro ou Falso, podendo representar apenas um desses dois valores. Um exemplo simples: algoritmo "logicos" var igualdade: logico inicio igualdade <- 10 = 12 escreva (igualdade) fimalgoritmo
  • 29. Estrutura condicional Até agora nossos códigos executavam todas as linhas do começo ao final. Porém, com o comando SE podemos bifurcar o código, ou seja, escolher um caminho em tempo de execução. Exemplo: se a nota for menor que 7, aluno reprovado, se não, aluno aprovado. A sintaxe do comando SE é a seguinte: se <expressão booleana> entao // Códigos para o caso verdadeiro senao // Códigos para o caso falso fimse
  • 30. Exercício - Média Escolar Crie um algoritmo que: a) Solicite que o usuário digite a nota do 1º Bimestre; b) Solicite que o usuário digite a nota do 2º Bimestre; c) Calcule a média e; d) Exiba o valor da média; e) Se a média for maior ou igual a 7 exiba a mensagem “Aluno Aprovado”; f) Se a média for menor que 7 exiba a mensagem “Aluno Reprovado”.
  • 31. Sintaxe do exercício (média escolar) algoritmo "Calcular Média" // Função : Calcular a média a partir de duas notas // Autor : Prof. Rogério var nota1, nota2, media: real inicio escreval ("Digite a nota do 1º bimestre: ") leia (nota1) escreval ("Digite a nota do 2º bimestre: ") leia (nota2) media <- (nota1 + nota2) / 2 escreva ("A média é ", media) se media >= 7 entao escreva (" Aluno Aprovado") senao escreva (" Aluno Reprovado") fimse fimalgoritmo
  • 32. Operadores Lógicos Os operadores lógicos atuam sobre expressões e também resultam em valores lógicos (VERDADEIRO ou FALSO).
  • 33. tabela-verdade A tabela exibe os resultados das aplicações dos operadores lógicos, conforme os valores dos operadores envolvidos. Exemplo (2+5>4) e (3<>3) resulta FALSO, pois VERDADEIRO e FALSO resulta FALSO.
  • 34. Operador de módulo O operador de módulo é utilizado para identificar o resto de uma divisão inteira, por exemplo: Identificar se o número digitado pelo usuário é positivo ou negativo se (num) MOD 2 = 0 entao escreval ("Este número é par") senao escreval ("Este número é impar")
  • 35. Estruturas de repetição O VisuAlg implementa as três estruturas de repetição mais usadas nas linguagens de programação: 1. laço: para...ate...faca 2. laço condicional: enquanto...faca 3. repita: ate Exemplo: Criar um algoritmo que conte de 1 até 10 e exibe os números em ordem crescente (incremental) algoritmo “Contar de 1 até 10" var contador: inteiro inicio para contador de 1 ate 10 faca escreva (contador) fimpara fimalgoritmo
  • 36. Comando de Seleção Múltipla Em algumas situações, ao chegar em uma determinada Instrução, o algoritmo deve selecionar um dentre alguns trechos, tendo como base para esta escolha um conjunto de valores. Para lidar com casos deste tipo, foi criado um comando específico para seleção múltipla
  • 37. Comando de Seleção Múltipla Sintaxe: escolha (<variável>) caso <valor11>, <valor12>,..., <valorn> <sequencia de comandos1> caso <valor21>, <valor22>,..., <valorn> <sequencia de comandos2> outrocaso <sequencia de comandos extra> fimescolha
  • 38. Comando de Seleção Múltipla Exemplo: algoritmo "Times do Campeonato Brasileiro" var time: caractere inicio escreva ("Entre com o nome de um time de futebol: ") leia (time) escolha time caso "São Paulo", "Palmeiras", "Santos", "Corínthians“ escreval ("É um time paulista.") caso "Flamengo", "Fluminense", "Vasco", "Botafogo" escreval ("É um time carioca.") outrocaso escreval (“Time de outro estado.") fimescolha fimalgoritmo
  • 39. Estruturas de repetição No VisuAlg, se o valor inicial de uma sequência for maior que o valor final, o laço não será executado nenhuma vez. Como não existe um operador específico para decremento no Portugol, no exercício anterior, para que o contador conte de 10 até 1 será necessário adotar um “passo - 1” algoritmo “Contar de 10 até 1" var contador: inteiro inicio para contador de 10 ate 1 passo - 1 faca escreva (contador) fimpara fimalgoritmo
  • 40. Tipos de dados avançados: vetores • Um vetor (ou array) agrupa variáveis com o mesmo tipo de dado; • Tem um tamanho pré-determinado. Exemplo:
  • 41. Tipos de dados avançados: vetores Para declarar uma variável como vetor precisamos fornecer as seguintes informações: • O tipo de dado que será armazenado em cada posição; • O tamanho do vetor. Exemplo: IDADE: VETOR [1..5] DE INTEIRO Nome do Vetor Tipo de dado Os colchetes determinam que é um vetor Tamanho do vetor
  • 42. Índices de um vetor Cada elemento ocupa uma posição dentro do vetor, permitindo a sua diferenciação.  A posição dos elementos é numerada 1 2 3 Tamanho do Vetor: três posições
  • 43. Atribuindo valores a um vetor Como um vetor é indexado, um valor deve sempre ocupar uma posição (um valor não pode ser atribuído a um vetor).  O valor é acessado pela [ posição ] IDADE: VETOR [1..5] DE INTEIRO idade[2] <- 35 escreva (vetor[2]) 35
  • 44. Tipos de dados avançados: matriz • Uma matriz é um vetor composto por mais de uma dimensão. Mesmo tendo mais de uma dimensão, na matriz, a indexação ocorre da mesma forma que no vetor
  • 45. Tipos de dados avançados: matriz • Uma matriz pode ter n dimensões (sempre maior que 1); • Na prática, normalmente este número não passa de 3
  • 46. Declaração de matrizes A declaração de uma matriz é feita de forma semelhante à do vetor. Exemplo: PESSOAS: VETOR [1..2,1..3] DE CARACTERE A declaração acima corresponde à declaração de uma matriz de 2 linhas e 3 colunas. Nome da Matriz Tamanho da dimensão (2) Quantidade de colunas (3) Tipo de dado
  • 47. Atribuindo valores a uma matriz Da mesma forma que no vetor, para atribuir um valor na matriz é necessário fornecer sua posição  A posição depende do número de dimensões Exemplo: PESSOAS: VETOR [1..2,1..3] DE CARACTERE PESSOAS[2,3] <- "Rogério"
  • 48. Leitura de valores de uma matriz Para extrair o valor de uma matriz, é preciso identificar a posição onde ele se encontra.
  • 49. Linguagens de Programação As linguagens de programação são utilizadas na construção de programas computacionais. A partir do momento que conhecemos a lógica de programação, estamos aptos a dar o próximos passos: • Aprender alguma linguagem de programação; • Traduzir os conceitos lógicos para um programa de verdade.
  • 50. Linguagens de Programação O funcionamento de um programa está condicionado ao seu código fonte, que é escrito em alguma linguagem de programação.
  • 51. Linguagens de Programação Existem inúmeras linguagens de programação: Java, C, C++, C#, Pascal, Cobol, PHP, JavaScript, CSS, Python, Objective-C...
  • 52. Linguagens interpretadas e compiladas Linguagem interpretada: O código de máquina é transformado em linguagem de máquina durante a execução do programa (linha a linha). Exemplos de linguagens interpretadas: PHP e JavaScript Linguagem compilada: O código fonte é transformado em linguagem de máquina antes de ser executado. Exemplos de linguagens compiladas: Java, Pascal, C No caso específico do Java, o código fonte é compilado para uma linguagem intermediária e depois executado (máquina virtual).
  • 53. Paradigmas de programação A forma de programar varia entre as linguagens de programação. Entre os diversos paradigmas de programação, dois são mais comuns: Estruturado: programas são divididos em procedimentos e funções. Exemplos: C, PHP Orientado a objetos: programas onde o foco são os elementos denominados objetos, que interagem uns com os outros. Exemplos: Java, PHP
  • 54. Níveis de abstração das linguagens Quanto mais próxima da linguagem de máquina, mais baixo é o nível da linguagem, no caso das linguagens de alto nível ocorre exatamente o oposto, elas são mais intuitivas. Existem três níveis de abstração: 1. Baixo (Exemplo: Assembly) 2. Médio (Exemplo: C, C++) 3. Alto (Exemplo: Java, Pascal)
  • 55. Outras variações entre linguagens Cada linguagem de programação tem suas particularidades (nenhuma linguagem de programação é igual a outra). • É importante compreender o que é possível e o que não é possível fazer com determinada linguagem. • Embora alguns conceitos seja universais (variáveis, estruturas de decisão, estruturas de repetição, etc.), a sintaxe para estas estruturas vai variar de uma linguagem para outra, implicando na forma de escrever um algoritmo.
  • 56. Outras variações entre linguagens Entre os principais aspectos que podem variar de uma linguagem para outra destacam-se: • Tipos primitivos existentes; • Declaração de identificadores; • Valores de variáveis atribuídos automaticamente ou não; • Variáveis com ou sem tipo de dado definido; • Operadores; • Estruturas de controle; • Sensíveis ou não a letras maiúsculas e minúsculas (case sensitive).
  • 57. Lista de Exercícios A seguir, uma lista composta por 14 exercícios é disponibilizada, a resolução dos exercícios tem como objetivo exercitar o raciocínio lógico. Importante, a avaliação do aproveitamento do curso se dará através da resolução dos exercícios disponibilizados.
  • 58. Exercício 1 Crie um algoritmo que: a) Solicite que o usuário digite a distância percorrida; b) Solicite que o usuário digite a quantidade de combustível gasto; c) Calcule o consumo de combustível e; d) Exiba a mensagem: O consumo médio de combustível do seu veículo é: ‘combustível gasto’
  • 59. Exercício 2 Crie um algoritmo que: a) Solicite que o usuário digite a nota do 1º Bimestre; b) Solicite que o usuário digite a nota do 2º Bimestre; c) Calcule a média e; d) Exiba o valor da média; e) Se a média for maior ou igual a 7 exiba a mensagem “Aluno aprovado”; f) Se a média for menor que 4 exiba a mensagem “Aluno reprovado”; g) Se não for nenhum dos dois casos anteriores, o sistema deverá exibir a mensagem “Aluno em recuperação”.
  • 60. Exercício 3 Escreva um algoritmo que: 1. Conte de 2 a 20; 2. Exiba os números em ordem crescente; 3. O incremento no valor deve ser de + 2, ou seja, a sequência é 2 em 2 (2, 4, 6, ..., 20)
  • 61. Exercício 4 Escreva um algoritmo que: 1. Leia dois valores inteiro distintos; 2. Informe qual dos dois valores é o maior.
  • 62. Exercício 5 Escreva um algoritmo que: 1. Receba um número; 2. Diga se este número está dentro de um intervalo entre 100 e 200.
  • 63. Exercício 6 Escreva um algoritmo que: 1. Receba a idade da pessoa; 2. Considere a idade a partir de 18 anos como maior de idade; 3. Informe se a pessoa é maior ou menor de idade, dependendo da idade informada.
  • 64. Exercício 7 Escreva um algoritmo que: 1. Receba o valor que foi depositado; 2. Exiba o valor com rendimento após um mês; 3. Considere o juro fixo da poupança em 0,70% a. m.
  • 65. Exercício 8 Escreva um algoritmo que: 1. Receba o número do mês; 2. Mostre o mês correspondente; 3. Se o usuário digitar um número de mês inexistente o sistema deve exibir “Mês inválido!”.
  • 66. Exercício 9 Escreva um algoritmo que: 1. Leia o nome de um vendedor; 2. Receba o valor do seu salário fixo; 3. Receba o total de vendas efetuadas por ele no mês; 4. Calcule o salário final que é composto pelo salário fixo + 10% de comissão sobre as vendas; 5. Exiba em uma mesma mensagem, o salario final e o nome do vendedor
  • 67. Exercício 10 Escreva um algoritmo que: 1. Receba a quantidade de horas trabalhadas; 2. Calcule e exiba o salário de um professor; 3. Se o Professor for Nível 1 R$25,00 por hora/aula; 4. Se o Professor for Nível 2 R$30,00 por hora/aula; 5. Se o Professor for Nível 3 R$38,00 por hora/aula
  • 68. Exercício 11 Escreva um algoritmo que: 1. Leia o custo de fábrica de um automóvel; 2. Informe o custo ao consumidor; 3. Aplique 45% de impostos sobre o custo de fábrica; 4. Aplique a margem de lucro de do revendedor (20% sobre o custo de fábrica); 5. Informe o valor final do automóvel.
  • 69. Exercício 12 Escreva um algoritmo que: 1. Possua um vetor com 4 posições do tipo inteiro; 2. Solicite que um valor seja digitado; 3. Escreva o valor na posição 2 do vetor; 4. Solicite que o segundo valor seja digitado; 5. Escreva o segundo valor na posição 4 do vetor; 6. Realize a soma dos dois valores; 7. Exiba o resultado.
  • 70. Exercício 13 Escreva um algoritmo que: 1. Possua um vetor com 4 posições do tipo inteiro; 2. Solicite que um valor seja digitado; 3. Escreva o valor na posição 3 do vetor; 4. Verifique se o numero é par ou ímpar; 5. Verifique se o numero é positivo ou negativo 6. Exiba o resultado.
  • 71. Exercício 14 Escreva um algoritmo que: 1. Possua uma matriz com 3 linhas e 3 colunas do tipo inteiro; 2. Solicite que um valor seja digitado; 3. Escreva o valor na posição 1,3 da matriz; 4. Solicite que o segundo valor seja digitado; 5. Escreva o segundo valor na posição 2,2 da matriz; 6. Realize a soma dos dois valores; 7. Exiba o resultado.