SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 88
Baixar para ler offline
SICLAIR A. OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Ir
LAUDO TECNICO
(LTCAT)
PARA FINS DE IDENTIFICAÇÃO E
PREVENÇÃO DE RISCOS OCUPACIONAIS
(LTCAT - INSS - IN. 84/2002)
(CRITÉRIOS - PORTARIA MTb 3.214/78)
EMPRESA:
OMIZZOLO & CIA. LTDA.
ENDEREÇO:
Avenida Primeiro de Maio n° 215 — Lages/SC
CNPJ:
84.934.777/0001-13
FONE:
(49) 223-1077
CNAE:
20.10-9
GRAU DE RISCO:
4
ATIVIDADE:
Serraria com desdobre de madeira
DOCUMENTO VERSAO APLICAÇAO REVISAO
LTCAT 2004.01 MARÇO.2004 MAR/t07
Siclair -4 in
ir Wh,
Eng? de
e", 44 e
Csiwzoto
b.i 48-
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB — OMIZZOLO & CIA. LTDA — MARÇO/2004
SICLAIR A' OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Laudo Técnico de Avaliação das Condições do Ambiente de
Trabalho (LTCAT)
Obietivos Gerais
Tem este levantamento objetivo de subsidiar o cumprimento da
portaria 25 SSST de 29 de Dezembro de 1994, que visa a preservação da
saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação,
reconhecimento, avaliação e conseqüente controle da ocorrência de riscos
ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho,
tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos
naturais.
Servirá este trabalho ainda, como indicador para os Programas de
Controle Médico de Saúde Ocupacional-PCMSO (NR-7) e de Prevenção
de Riscos Ambientais—PPFtA (NR-9).
Mesmo não ocorrendo mudanças no layout físico das instalações, este
deverá ser refeito no prazo máximo de cinco anos, e os dados levantados
dentro dele, deverão ser mantidos por um período mínimo de 20 anos.
Quando existir CIPA na empresa de acordo com a NR-5, uma cópia deste
laudo poderá permanecer anexada ao livro de atas daquela comissão.
Obietivos Esoecíficos
Avaliar os postos de trabalho, através da antecipação,
reconhecimento, avaliação e conseqüente proposta de controle, dos riscos
ambientais porventura existentes, no quadro de atividades desenvolvidas
pelos funcionários da empresa OMIZZOLO & CIA. LTDA. Sua completa
implementação fornecerá subsídios para o cumprimento das portarias
SSST n° 24 e 25 de dez/94, que visam à preservação da saúde e da
integridade dos trabalhadores.
Conscientizar os trabalhadores expostos a condições de risco, da
importância da adoção de práticas comportamentais preventiv além da
necessidade de utilização de equipamentos de proteção individu (EPI's).
nolo
&doi
ne de
rança do Ivabalho
E CREAK...0 25.748-8
LICAT-RELATÕRIO DE AVALIAÇA0 AMB — OMIZZOLO CIA LTDA — MARÇO/2 O O 4 2
SICLAIR OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Documentos de Referência
LEI FEDERAL N° 6.514/77 - Portaria 3.214/78
NR-07 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO)
NR-15 - Atividades e Operações Insalubres
NR-16 - Atividades e Operações perigosas
Atribuicaes
Da Empresa
Apoio e custeio de todos os procedimentos decorrentes da adoção de
medidas corretivas sugeridas a partir deste estudo, bem como, o
acompanhamento efetivo de sua implantação.
Dos Facilitadores e Coordenadores
Orientação aos funcionários sobre os procedimentos contidos neste
Compêndio Técnico.
Manutenção de um arquivo atualizado, disponível para fins de
fiscalização legal, das mudanças e melhorias introduzidas no ambiente,
processo produtivo e rotinas de trabalho adotadas pela empresa.
Dos Funcionários
Submeterem-se ao cumprimento das disposições con das neste
relatório técnico. E utilizarem continuamente os Equipamentos Proteção
Individuais recomendados para seus cargos e/ou atividades, d nvolvidas
em condições de risco.
Siclair nolo
Ene de Se a do Trabalhe
C 25.748-B
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB OMIZZOLO CIA LTDA — MARÇO/2004 3
'TO/cedo
ça do Trabalho
T.M8-9
Eng° do
CR
SICLAIR A. OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Metodologia
Campo de Aplicação
Atendendo ao item 9.1.1, da Norma Regulamentadora n° 9 que
estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de
todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como
empregados, do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais-PPRA,
visando a preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através
da antecipação, reconhecimento, avaliação e conseqüente controle dos
riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de
trabalho, levando-se em consideração a proteção do meio ambiente e dos
recursos naturais.
O PPRA é parte integrante do conjunto mais amplo da iniciativa da
empresa no campo da preservação da saúde e da integridade dos
trabalhadores, devendo estar articulado com o disposto nas demais Normas
Regulamentadoras.
Consideram-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos e
biológicos existentes, que possam causar danos a saúde do trabalhador.
Estrutura do Laudo
a) Antecipação e reconhecimento (identificação) dos riscos ambientais
existentes na empresa.
b) Avaliação da exposição dos trabalhadores a estes agentes de risco
(análises qualitativa e quantitativa).
c) Recomendação de medidas de controle e/ou neutralização dos
agentes.
d) Registro dos dados.
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇAO AMB. — OMIZZOLO & CIA. LTDA — MARÇO/2004 4
SICLAIR A' OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - ( 049) 224-2141
Análise Qualitativa
Do tempo de exposição ao risco, esta análise traduz a quantidade de
exposição em determinado período de tempo (horas, minutos e segundos) a
determinado(s) risco(s) operacionais sem proteção adequada. Multiplicando-
se este valor pelo número de vezes que este tipo de exposição repete-se ao
longo da jornada diária de trabalho, obtemos um índice que expressa a
exposição total do trabalhador a determinado(s) agente(s) em análise.
Quando a exposição se processa durante quase que a totalidade da
jornada diária de trabalho, diz-se que esta exposição é de natureza
contínua.
Análise Quantitativa
É a fase que compreende a medição do risco imediatamente após as
considerações qualitativas, guardando atenção especial à essência do risco e
ao tempo de exposição.
Esta etapa só é possível realizar, quando o técnico tem convicção
firmada de que os tempos de exposição, se somados, configurem uma
situação intermitente ou contínua. A eventualidade não ampara a concessão
do adicional pretendido, resguardados os limites de tolerância estipulados
para o risco grave e iminente.
Tanto o instrumental, quanto a técnica adotada e até mesmo o
método de amostragem, devem constar por extenso, de forma clara e
definida no corpo do laudo. Idêntica atenção deve ser empregada na
declaração de valores, especificando-os, inclusive, os tempos horários inicial
e final de cada aferição.
A interpretação e a conseqüente análise dos resultados necessitam
estar de acordo com o prescrito no texto legal, no caso, a Norma
Regulamentadora, caso contrário será nula de pleno direito.
&dal
Ene de do Rabalho
CR AiaC 25.708-8
LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇAO AMB OMIZZOLO 8 CIA. LTDA - MARÇO/2 O O 4 5
SICLAIR A.OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Introd ucão
Para efeito de estudo técnico, consideram-se riscos ambientais os
seguintes agentes:
- Físicos: Consideram-se agentes físicos diversas formas de energia a que
possam estar expostas os trabalhadores, tais como ruído,
vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações
ionizantes e não ionizantes, bem como o infra-som e ultra-som.
- Químicos: Consideram-se agentes químicos as substâncias, compostos
ou produtos que possam penetrar no organismo pela via
respiratória, nas formas de poeiras, fumos, névoas, neblinas,
gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de
exposição, possam ter contato ou serem absorvidas pelo
organismo através da pele ou por ingestão.
- Biológicos: Consideram-se agentes biológicos as bactérias, fungos,
bacilos, parasitas, protozoários, vírus, entre outros.
- Ergonômicos: Consideram-se agentes ergonômicos aquelas situações de
trabalho que possam, ao longo dos anos, provocar
distúrbios no organismo, quer pela natureza da atividade
ou pela repetida exposição ao agente. Por ex.: esforço
físico intenso; posturas de trabalho inadequadas;
repetitividade etc.
(51clatr (nolo
nça do Rabanho
Eng' da 5 ur
CR /JG 25.748-8
ITCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO & CIA. LIDA - MARÇO/2 O O 4 6
SICLAIR A- OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Recomendacães aerais de seauranca, hiaiene e conforto
nos locais de trabalho
Nas instalações e serviços com eletricidade, devem ser observadas no
projeto, execução, operação, manutenção, reforma e ampliação, as Normas
Técnicas oficiais estabelecidas pelos órgãos competentes; e os referidos
serviços somente deverão ser executados por profissionais tecnicamente
capacitados para tal.
Os locais destinados as instalações sanitárias deverão atender às
dimensões mínimas essenciais. Será considerada satisfatória a metragem de
1 (um) metro quadrado, para cada instalação sanitária, que poderá atender
um grupo máximo de 20 operários em atividade.
As instalações sanitárias deverão ser separadas por sexo.
Será exigido no conjunto de instalações sanitárias, um lavatório para
cada 10 trabalhadores envolvidos em atividades insalubres, ou naqueles
trabalhos com exposição a substâncias tóxicas, irritantes, poeiras, etc.
As paredes e pisos das instalações sanitárias deverão ser construídas
em alvenaria revestida com material impermeável e lavável.
Em todos os locais de trabalho deverá ser fornecido aos
trabalhadores, água potável, em condições higiênicas, na proporção de 1
(um) bebedouro para cada grupo de 50 empregados, fornecida por meio de
copos individuais ou bebedouros de jato inclinado.
A água não potável ou contaminada com alguma substância nociva,
para uso nos locais de trabalho, ficará separada e deverá ser identificada
com placas de advertência, evitando seu consumo (acide ) pelos
empregados.
(51clair !nolo
Eng2 de Sog do frabalho
DRE &a./ 48- 8
LTCAT - RELATORIO DE AVALIAÇAO AMB OMIZZOLO CIA LTDA — MARÇO/2004 7
SICLAIR A ' OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Recomendacões preventivas de saúde no trabalho
Por ocasião da admissão de novos funcionários, será obrigatório o
exame médico por conta do empregador.
O referido exame médico deverá ser renovado periodicamente cada
seis meses, naquelas funções ou atividades consideradas insalubres.
Todo estabelecimento deverá dispor de material necessário a
prestação de primeiros socorros, sob responsabilidade de pessoa treinada
para tal fim.
Será de 60 kg (sessenta quilogramas) o peso máximo que o
empregado poderá remover individualmente, ressalvadas as disposições
especiais relativas ao trabalho do menor e da mulher.
Quando o trabalho deva ser executado em pé, os empregados deverão
dispor de assentos para serem utilizados nas pausas que o trabalho
permitir.
Naquelas atividades ou operações em que os trabalhadores ficam
sujeitos a agentes insalubres acima dos limites de tolerância fixados,
mesmo com a utilização de EPI's, devem ser realizados exames médicos
periódicos e demissionais, conforme a metodologia disposta na NR-7
(PCMSO).
&citar IffInolo
Engv de Cego nça do frabalho
CREA/ C ib./ 48-8
LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMB OMIZZOLO & CIA. LTDA — MARÇO/2004
SICLAIR A" OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Recomendacóes para prevencão de acidentes no trabalho
Treinamento de pessoal para uso dos extintores de incêndio e
observar os limites de validade das cargas dos mesmos;
Sinalização horizontal e vertical destes, conforme norma técnica;
Melhoria da iluminação artificial conforme NR-17, naqueles locais onde
o nivel for inferior a 150 lux;
Uso dos equipamentos de proteção individuais recomendados em
todos os setores necessários;
Realização de cursos, treinamentos e campanhas de prevenção de
acidentes nas CIPA e SIPATs;
&Jair affiefolo
Eng. de Se ança (abadio
GR C az).i4B-B
LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMB OMIZZOLO 8, CIA. LTDA — MARÇO/2004 9
SICLAIR A' OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Normas de vestuário e cuidados oessoais
O uniforme básico para o trabalho compõe se de calças compridas e
camisa com colarinho. Este deverá ser utilizado por todos os funcionários,
não sendo permitido que seja alterado ou tenha alguma de suas partes
removida.
Roupas soltas, tais como mangas, gravatas, luvas ou partes rasgadas
não devem ser permitidas quando houver possibilidade de ficarem presas
em partes rotativas de máquinas ou veículos em movimento.
Os calçados devem estar em boas condições de uso, exigindo-se a
utilização de botas de borracha para o trabalho em locais encharcados.
O uniforme comum não deve ser utilizado como única proteção do
corpo, durante o trabalho ou a entrada prolongada nas càmaras de
refrigeração.
Cabelos devem ser cortados de forma que não representem risco em
potencial.
É obrigatório o uso de protetor auricular naqueles locais e funções
indicados através de sinalização visual.
ewolo
Eng' de S rança do trabalho
CRE oC 25.748-8
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇAO AMB — OMIZZOLO CIA LTDA — MARÇO/2004 1 O
Sldatr
EngggieSo
CRER
rffieW10
ança do Trabalho
SC 25.748-8
SICLAIR A. OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Responsabilidades individuais
(Regras básicas de segurança pessoal)
Obedecer todas as normas de segurança aplicáveis ao serviço a ser
executado, incluído a utilização do equipamento de segurança apropriado.
Eliminar ou proteger-se contra condições perigosas conhecidas.
Usar a ferramenta certa para a tarefa - sem improvisações.
Não entrar em áreas onde houver equipamento em operação ou
trabalhar em equipamento motorizado sem a aprovação de seu supervisar.
Não promover nos locais e trabalho - brincadeiras; jogos; disputas e
outros.
Relatar todas as lesões ao seu supervisar logo após sua ocorrência.
Não utilizar os equipamentos de combate a incêndio sem autorização.
Salvo em caso de emergências e incêndio.
LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMB. OMIZZOLO & CIA. LTDA — MARÇO/2 O O 4 11
SICLAIR A- OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 2:
Recomendacões gerais de seouranca
a) Áreas de estacionamento
As áreas de estacionamento ficam locali;
empresa, junto à entrada principal. Os avisos reg
de estacionamento devem ser observados.
responsabilizar por furtos ou roubos de objeto:
veículos.
b) Portão de acesso
A empresa designará os locais para ace
materiais e suprimentos. Os funcionários e os ■
serviço, usarão somente estes portões para entr
empresa tomará medidas para que os motorist
esta orientação geral.
c) Identificação funcional
Os funcionários e prestadores de serv
identificação todo o tempo em que estiverem
deverão ser apresentados sempre que houver
empilhadeiras utilizarão crachá diferenciado, confl
d) Bebidas alcoólicas, drogas e armas de fogo
Não será permitida a entrada nem a perma
que esteja portando bebidas alcoólicas ou tóxicos
influência dos mesmos.
Armas de fogo, bebidas alcoólicas ou riamo
nas dependências da empresa ou nos outros locai
LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMEI OMIZZOLO Cl/
SICLAIR A ' OMIZZOLO
Engenharia 8 Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
e) Limpeza e arrumação dos locais de trabalho
Deverão ser providenciados recipientes para a coleta e separação de
resíduos sólidos, detritos, papéis e outro tipo de lixo.
Latas de lixo normais serão fornecidas pela empresa na proporção de
pelo menos uma para cada 30 funcionários. Os recipientes usados para
resíduos sujos de óleo, líquidos inflamáveis ou produtos químicos tóxicos,
deverão ser metálicos, sinalizados adequadamente e providos de tampa.
Todos os recipientes de lixo serão esvaziados e o lixo removido para
um local apropriado diariamente.
eSlcialr o o
Ene de nbalho
CR z5./ 48-8
LTGAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO 8 CIA. LIDA - MARÇO/2004 13
Eng' de Se
CREAt
lo
o frabalho
5.748-8
SICLAIR OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Normas e Orientacães para Novos Funcionários
Essa orientação enfoca a segurança como uma questão de bom senso
e atitude. Aborda os temas de trabalho em grupo, comunicação e auto-
disciplina. Conscientiza os encarregados, os supervisores e os operários
quanto às suas responsabilidades no que se refere à segurança.
A. RESPONSABILIDADE
Todo supervisor deverá assegurar que os novos funcionários
contratados se encontrem sob sua supervisão e que tenham recebido
orientação introdutória sobre segurança no trabalho, conforme portaria
3.214 do Ministério do Trabalho. Somente após estes procedimentos é que
os mesmos serão liberados o trabalho.
B. ROTEIRO MÍNIMO PARA ORIENTAÇÃO DE NOVOS FUNCIONÁRIOS
Informações sobre limpeza, arrumação dos locais de trabalho e
higiene. Orientação sobre entrada e saída da empresa, vestimentas e
identificação funcional. Uso de Equipamentos de Proteção Individuais.
Conservação dos equipamentos de proteção. Uso de ferramentas manuais.
Proteção e prevenção contra incêndios. Situações de emergência e
disponibilidade de equipamentos de combate a incêndios. Locais perigosos
ou de acesso restrito (caldeira de vapor). Formas de proteção para
funcionários que trabalham em lugares elevados. Uso de escadas,
improvisação de andaimes ou plataformas elevadas com risco de queda.
Caminhos de passagem, trânsito interno e tráfego de máquinas e veículos
motorizados. Primeiros socorros e atuação emergencial. Medidas
disciplinares e Normas de conduta no trabalho.
LTCAT-RELATÕRIO DE AVALIAÇAO AMB — OMIZZOLO CIA. LIDA — MARÇO/2 004 1 4
SICLAIR
A.
OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049)
Desenvolvimento
(Identificação dos riscos ambientais existentes)
1. - Administração (escritório)
1.1 - Descrição sumária dos ambientes
- edificação: alvenaria de tijolos aparente/divisórias interna
- cobertura: forro de madeira/telhas de fibrocimento
- piso: laje de concreto c/revestimento sintético
- iluminação natural: luz do dia/janelas em todos os ambier
- iluminação artificial: luminárias do tipo fluorescente
- ventilação natural: satisfatória
- ventilação artificial: --x--
- conforto térmico: adequado
- equipamentos existentes: mesas e cadeiras estofadas; m
máquinas de datilografia; argui
1.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades
Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas
Os fundonários deste setor efi
da empresa, atividades admin
boletins de produção, memora
materiais diversos, escrituraç
arquivamento de documentos.
Diretor Financeiro
Auxiliar Administrativo
Telefonista
Servente de limpeza
1.3 - Características da atividade predominante
- tipo: muscular dinâmica
- classificação: leve
- gasto calórico médio: 150 Kcal/h
- postura: predominantemente sentado
- pausas: existentes
- turno: diurno (mat./vesp.)
- emprego ferramentas manuais: --x--
- exigência cognitiva: média
1.4 - Mensuração dos agentes de risco existentes
Os funcionários neste setor laboram em atividades de
funcionários internos (setor pessoal). Executam principalme
maior partes da jornada laborai, permanecem no interior
alguns funcionários deste setor também acessam as ar,
acompanhando e supervisionando o processo produtivo.
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMEI - OMIZZOLO & CIA
SICLAIR A OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
1.5 - Avaliação técnica da exposição a riscos
Agente/risco Local/atividade LT/jornada Conclusão
Ruido Escritório
78/80 dB(A)
85 dB(A) trabalho normal
Iluminação Geral 340/450 lux
Recepção 450 lux
Dep. pessoal 337 lux
Sala reuniões 325 lux
Copa 290 luz
150/250 lux trabalho normal
1.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor
Medidas de nrotecão coletiva:
Adequar o mobiliário dos postos de trabalho. Em especial as cadeiras, que deverão ter
regulagem de altura e serem dotadas de apoio para os braços do trabalhador.
Reromendarõeç de erannomia nara a postura trabalhü:
De maneira geral, na concepção dos postos de trabalho não se leva em consideração o
conforto do trabalhador na escolha da postura de trabalho, mas sim as necessidades de
produção. Contudo alguns aspectos mínimos devem ser observados:
A postura mais adequada ao trabalhador é aquela que ele escolhe livremente e que pode
ser variada ao longo do tempo. A concepção dos postos de trabalho ou da tarefa deve
favorecer a variação de postura, prindpalmente a alternância entre a postura sentada e em
pé.
O tempo de manutenção de uma postura deve ser o mais breve possível, pois seus efeitos
nocivos ou não, serão função do tempo durante o qual ela será mantida. Todo esforço de
manutenção postural prolongada, leva a uma tensão muscular estática que pode ser nociva
à saúde. Os efeitos fisiológicos dos esforços estáticos estào ligados à compressão dos vasos
sangüíneos. O sangue deixa de fluir e o músculo não recebe oxigênio. Também os resíduos
metabólicos não são retirados, acumulando-se e provocando dor e fadiga muscular.
Por mais econômica que possa ser em termos de energia muscular, a posição em pé
estática não é usualmente mantida por longos períodos, pois as pessoas tendem a utilizar
alternadamente a perna direita e esquerda como apoio, para provavelmente facilitar a
circulação sangüínea ou reduzir as compressões sobre as articulações. Esta posição
apresenta as seguintes desvantagens:
- tendência à acumulação do sangue nas pernas o que predispõe ao aparecimento
de insuficiência venosa nos membros inferiores, resultando em varizes e sensação de peso
nas pernas;
- sensações dolorosas nas articulações que suportam o peso do corpo;
- a tensão muscular desenvolvida para manter o equilíbrio dificulta a exe ção de
tarefas de precisão;
cSiclaIr tilo
Eng' de gurança do Trabalha
CR iaC 4.748- B
LTGAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO CIA TDA - MARÇO/2 O 04 1 6
SICLAIR A. OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
A escolha da postura em pé justifica-se nas seguintes condições:
- a tarefa exige deslocamentos contínuos como no caso de carteiros e pessoas que
fazem rondas de vigilância;
- a tarefa exige manipulação de cargas com peso igual ou superior a 4,5 kg;
- a tarefa exige alcances amplos freqüentes, para cima, para frente ou para baixo;
- a tarefa exige deslocamentos freqüentes em vários locais de trabalho;
- a tarefa exige a aplicação de forças para baixo, como em empacotamento.
Fora destas situações, deve-se dar preferência ao posto de trabalho sentado.
A postura sentada permite melhor controle dos movimentos, além de reduzir o esforço
postural (estático) e a carga aplicada pelo peso do corpo sobre as articulações.
Porém em determinadas atividades ocupacionais (escritórios, trabalho com computadores,
serviços administrativo, etc.) a tendência é de se permanecer sentado por longos períodos.
Desta maneira os problemas lombares advindos da postura sentada são aumentados, pelo
fato da compressão dos discos intervertebrais ser maior nesta situação. A incidência de
dores lombares é menor quando a posição sentada é alternada com a em pé.
A postura de trabalho sentado, se bem adaptada (utilizar uma cadeira estofada com apoios
para os braços e possibilidade de inclinação do encosto), pode apresentar menor desgaste
que à posição em pé. Trabalhar sentado permite reduzir ainda o esforço necessário para
manter o equilíbrio postural.
As vantagens da posição sentada são:
- baixa solicitação da musculatura dos membros inferiores, reduzindo assim a
sensação de desconforto e cansaço nas pernas;
- Facilitação da circulação sangüínea pelos membros inferiores.
As desvantagens são:
- pequena atividade física geral (tendência ao sedentarismo);
- Compressão da face posterior das coxas contra a borda da cadeira, está tiver
pouco estofamento ou borda frontal reta.
mlezaho
Eng2 de Se IlÇa do Trabalho
CR" 25.748-8
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO 8 CIA. LTDA - MARÇO/2 O O 4 17
lo
o Trabalho
25.748-8
SICLAIR OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
RECOMENDAÇÕES PAFtA ADEQUAÇÃO DA POSIÇÃO DE TRABALHO
Adequar a altura da informação visual. A localização das fontes de informações visuais vai
determinar o posicionamento da cabeça que pode, por sua vez, influenciar a postura do
tronco, levando o trabalhador a adotar posturas inadequadas. Exemplo comurn: colocar
monitores de computador muito baixo ou muito alto.
Adequar o espaço para pernas e pés. A falta de espaço suficiente para movimentação livre
das pernas e pés, induz o trabalhador a adotar posturas inadequadas do tronco.
Regular a altura das rnesas e bancadas de trabalho conforme a estatura do trabalhador. Se
o plano de trabalho é muito alto, o trabalhador deverá elevar os ombros e os braços
durante toda a jornada. Se for muito baixo, ele trabalhará com as costas inclinadas para
frente. Esta condição é válida tanto para trabalho sentado como para o trabalho em pé.
O ponto de referência utilizado para determinar a altura confortável de trabalho é a altura
dos cotovelos em relação a borda da mesa ou bancada de trabalho.
Deve-se estimular e permitir ao trabalhador a alternância de posturas de trabalho, porque
isto permite que os másculos sejam oxigenados e não fiquem fatigados.
Recomenda-se a quem trabalha freqüentemente sentado, levantar-se por alguns minutos
após cada período de 50 minutos de atividade continua.
Recomenda-se a utilização de uma cadeira com encosto alto; suporte para os braços e
regulagem livre de altura do solo (cadeira tipo universitária). Observar, contudo que a
altura da cadeira não seja exagerada. Neste caso, a tendência dos pés ficarem suspensos
do chão, aumenta a compressão na região posterior das coxas, dificultando a circulação
sangüínea, à medida que a pessoa permanece sentada. Conseqüência natural disto é o
agravamento de varizes dos membros inferiores.
Recomenda-se o suporte para os pés. Embora não seja obrigatório, o suporte para os pés
irá reduzir o esforço estático dos membros inferiores, reduzindo a possibilidade de fadiga.
De forma geral: durante o trabalho, relaxar os ombros e apoiar os pés no chão ou sobre
um suporte adequado. Verificar se o ângulo entre o corpo e as pernas é de 900 ou maior
(conforme figura). Iluminar os documentos corretamente com uma luz suplementar se
necessário. Fazer várias pausas curtas durante o trabalho ou a cada hora. Isto inclui
levantar-se e afastar-se de seu posto de trabalho e da frente do monitor por alguns
instantes.
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB OMIZZOLO CIA LTDA — MARÇO/2 00 4 1 8
SICLAIR A ' OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Recomendações especificas para r) trabalho c/terminais de dados (comoutadorl:
Sempre que tecnicamente possível, atender aos seguintes requisitos:
Cadeira ou assento de trabalho, ajustável à estatura do funcionário; assento
plano com borda frontal arredondada e encosto sólido para proteção da
região lombar.
Iluminação artificial uniforme e difusa; nível de iluminamento de no mínimo
150 lux (02 lâmpadas fluorescentes de 40 watts).
Trabalhos que envolvam digitação ou leitura freqüente de dados, deverão
possuir instalado suporte para fixação dos documentos junto ao campo de
visão do operador, de forma a reduzir a necessidade de movimentação
lateral do pescoço e a fadiga visual.
Terminal de vídeo deve dispor de mobilidade suficiente para permitir o
ajuste da tela ao ângulo de visão mais favorável ao operador, ao mesmo
tempo que se procura evitar o reflexo excessivo da iluminação ambiente na
tela do equipamento.
- Teclado destacável do equipamento principal e com mobilidade que permita
seu ajuste de acordo com as características do trabalho a ser desenvolvido.
- Tela, teclado e suporte para fixação dos documentos, devem ser dispostos de
tal forma que permitam que as distâncias olho-tela, olho-teclado e olho-
documento, sejam semelhante.
- Nas atividades que exijam trabalho contínuo de digitação e/ou processamento
de dados, devem ser incluídas pausas para descanso a cada hora de t balho.
cSiciair ~alo
Eoga de Se anila do Trabalho
CRE aC 25.7484
LTCAT-RELATÕRIO DE AVALIAÇÃO AMB. OMIZZOLO B CIA. LTDA - MARÇO/2 O 04 19
SICLAIR A- OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Medidas de Ornaniza :o do Trabalhe:
Nos serviços gerais de limpeza, coleta e retirada de lixo das instalações e dos sanitários:
A realização diária de limpeza (faxina) nas instalações e principalmente nos banheiros de
uso coletivo, pode incidir em contato com agentes de risco de origem biológica.
No ambiente de sanitários de uso coletivo, a concentração de agentes biológicos presente
no lixo e nas dejeções humanas é muito maior do que em outras instalações. A freqüência
de usuários e sua diversidade podem sujeitar o obreiro à contaminaçâo.
A faxina e higienização das instalações, por outro lado, podem sujeitar o obreiro ao contato
com agentes químicos potencialmente tóxicos. Os produtos de limpeza normalmente
utilizados nestes serviços são constituídos de álcalis cáusticos e de substâncias irritantes
(hi poclorito).
As atividades de limpeza, higienização, coleta, manuseia e remoção de dejetos, requerem
obrigatoriamente a utilização dos seguintes EPI's:
- Calçado impermeável (preferencialmente botas)
- Avental impermeável (tipo e/açougue ou similar)
- Luvas de pvc ou látex
- Máscara serni facial descartável (contra odores)
Medidas Prntecão Individual (Equipamentos de Proteção Individual)
Recomenda-se a utilização de equipamentos de proteção individuais, somente quando do
acesso aos setores de produção da empresa (fábrica). Neste caso, utilizar protetores
auditivos adequados à neutralização do ruído excessivo.
Para os funcionários que acessarem locais com ruídos acima de 85 decibéis, deverá ser
obrigatório o uso de protetores auditivos. Poderão ser utilizados plugues de inserção
moldáveis (silicone) ou protetores rígidos do tipo concha abafadora.
Todos os funcionários da empresa deverão ser informados a respeito dos riscos associados
á exposição a ruídos elevados. A finalidade e as limitações dos aparelhos de proteção
auditiva. E sobre a obrigatoriedade de uso desta proteção nas áreas que apre ntam alto
nível de ruido, mesmo para o caso de curto tempo de exposição.
&dali. inalo
Eng. de S do Trabaillo
ER 25.748-8
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇAO AMB. - OMIZZOLO & CIA LTDA - MARÇO/2004 20
SICLAIR
A.
OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
2. - Pavilhões de Produção Industrial (fábrica)
2.1 - Almoxarifado de materiais
2.1.1 - Descrição sumária do ambiente
- edificação: alvenaria de tijolos
- cobertura: laje de concreto
- piso: cimento alisado sem revestimento
- iluminação natural: duas janelas pequenas
- iluminação artificial: luminárias do tipo fluorescente
- ventilação natural: satisfatória
- ventilação artificial: --x--
- conforto térmico: adequado
- equipamentos: estoque de materiais diversos; lixas p/madeira; produtos químicos
p/tratamento de água da caldeira; óleo diesel (160 litros); produto
químico fungicida p/madeira.
2.1.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas
Cargos/funçoes existentes Atividades desenvolvidas
Almoxarife O funcionário deste setor executa a armazenagem e
movimentação de materiais e insuetos utilizados nas
demais áreas da fábrica.
2.1.3 - Características da atividade predominante
- tipo: muscular dinâmica
- classificação: leve
- gasto calórico médio: 150 Kcal/h
- postura: predominantemente em pé
- pausas: existentes
- turno: diurno (mat./vesp.)
- emprego ferramentas manuais:
- exigência cognitiva: baixa
CSIdair iced0
Eng° de o Trabalho
CR 25.748-8
LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇA0 AMB - OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2 O O 4 21
O <
rra
U"
ra C
—
til CO
> r--
<C ---.
to
r.
Ag
en
tes
de
risco
o-
C
o
o_
O
O o
11/ C ti
13 O
(13 E o
E o
rw to to —
o.rawoar
cn '"
.0
13 O.
cn -o o
c o r-
• À- -o
u_
to
(t)
O ra
13
111 -C C
O ro
IN C .0 1-
CL ar o u
LU c J_ CD
I- -I-, O /1
E -o
L.
o (o u3
to ra
C na c
à U
`rt
na'
O o
O
/./
O
o r.
.c
is o
/a/
CO Ll•
6- V/
1— o
O 0.
X
ça
O or
ai .6"
c to
O u
N
_N o
cn i
wo
• v) o
O os ta
• ca
L-
▪ .c
(D
= e
e
C.)
C NI
CO LU Ni o
• opejpeXOWIV
Areas
de
tra
ba
lho
Almoxar
i
fa
do
de
mater
ia
is
n3
'O
ra
C ?o-
-o
co
o
Lr,
Ag
en
te/risco
O
Ira
c
E
Pro
du
tos
q
u
ím
icos
O
1.1
V/
%ta
O
0.
X
C
10
o
r.>
.to
in
ti
ri
-0
CO
O
to
2
ta
E
-o
o
to
o
E
O
Ira
7
17/
C
O O
C
O
ca
_O
113
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
p
erig
oso
Pro
du
tos
In
flam
áve
is
2
O te
09
.o
t. otte
z
E 3i
.
— 0 ce
o ici
O
O 60 IsI
V
.-
C
cr
o u
a r
tn i •
2 0 co
3 .0 2
a E a
2 Co 0
a C
<
tn /.),
O 13
to <
O c
O 13
ao .111 <
to à
✓
O C >
<
z '2
a ot w
'2 o o
g tu o
o a ri
_c 2 o
o 'E is 1—
rt: = , a
z ri (-5 _i
r 1 -C W
1-# r-4 6-) Cr
IL
..
Ui
C
a /3
F
J
o
xt3
E
ta
c
a
o
u.;
c
-o 0
2 E
Itt
rei
N
C 113
tu E
• r-
03
n3 I o
J2 O
E In
W O
O.
Ca
• -
O o
t
à
cu n3
E :9
;
o -
c •ro o
• cc t-
u r
E N
00 O
X
o ar
al C ed
C <
ar O
n3a O
/41 cle
o
O
SICLAIR A ' OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do trabalho - (049) 224-2141
2.1.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor
Medidas de orotecão coletiva:
Remover o estoque de produto inflamável da área interna do almoxarifado. Acondicionar
este produto em local apropriado (céu aberto) e sinalizado.
Recomenda-se a demarcação física (placa de sinalização) da área de risco existente no
depósito de inflamáveis líquidos (item 16.8 da NR-16).
Medidas de Oroanização do Trabalho:
Realizar treinamentos de conscientização sobre os riscos existentes no manuseio e
levantamento incorreto de materiais pesados e sobre a obrigatoriedade de uso dos EPIs
recomendados.
Em razão das características de insalubridade e periculosidade, associadas à atividade de
manipulação de líquidos inflamáveis e combustíveis (óleos/solventes), recomenda-se que
a empresa adote medidas preventivas e restritivas em relação a esta atividade.
Recomenda-se que os empregados da empresa mantenham-se a uma distância
adequada (superior a 10m), do local onde é realizado o armazenamento destes produtos.
Medidas de PrnterkrkirS/Sali (Equipamentos de Proteção Individual)
Utilizar os seguintes equipamentos de proteção, conforme a atividade executada:
Luvas de pvc nos serviços de movimentação de embalagens de produtos químicos.
Avental, botas e luvas de pvc ou resistente a óleos p/serviços que envolvam manipulação
de produtos químicos, líquidos inflamáveis, combustíveis ou lubrificantes.
Calçado de segurança nas demais atividades.
Protetor auditivo - preferencialmente do tipo concha abafadora (mais higiênico e
durável); quando nas áreas de produção da fábrica.
Medidas para Manutenrão do Programa:
Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando
danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de
EPI, para cada funcionário.
Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos E , pelos
encarregados da Empresa.
SfrIalr itE010
E»99
de Se an a do Trabalho
CR 25.748-8
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB — OMIZZOLO & CIA. LTDA — MARÇO/2 00 4 23
SICLAIR A. OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
2.2 - Montagens de painéis de madeira
2.2.1 - Descrição sumária do ambiente
- edificação: alvenaria de tijolos aparentes
- cobertura: telhas de barro e telhas translúcidas
- piso: cimento alisado sem revestimento
- iluminação natural: duas portas de acesso grandes; seis janelas médias
- iluminação artificial: vinte luminárias do tipo luz mista
- ventilação natural: satisfatória
- ventilação artificial: --x--
- conforto térmico: adequado
- equipamentos: diversas máquinas para beneficiamento de madeira.
2.2.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas
Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas
Encarregado de produção Os funcionários deste setor executam tarefas manuais
Operador de máquinas de movimentação, classificação e empilhamento de
Ajudante de produção (servente) madeira serrada. Operam serras, destopadeiras,
plaina e outras máquinas p/madeira. Executam a
limpeza das áreas de trabalho, bem como zelam pela
conservação das máquinas e equipamentos do setor.
t■
2.2.3 - Características da atividade predominante
- tipo: muscular dinâmica
- classificação: leve a moderada
- gasto calórico médio: 150 a 220 Kcal/h
- postura: predominantemente em pé
- pausas: existentes
- turno: diurno (mat./vesp.)
- emprego ferramentas manuais: --x--
- exigência cognitiva: baixa
&ciai nolo
Eng. do do 7rabalho
CREA7aC 25.748-8
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AME. OMIZZOLO & DIA LTDA — MARÇO/2004 24
O
-J
O
—
ã
O
te
C7)
"c/
3—
1:(
CO
"c(
O
CO
.0
O
"O
C
(/)
03
_C
O
C
2.
2.
4
-
Avaliação
t
écn
ica
da
exp
os
ição
a
r
iscos
ITCAT-
RELAT
ÓRIO
DE
AVALIAÇ
ÃO
AMEI.
-
OMIZZOLO
CIA.
LTDA
-
MARÇ
O/
2004
EPIs
recomen
da
dos
Un
iforme
tra
ba
lho
Protetor
au
dit
ivo
Ca
lçado
seg
urança
Un
i
forme
tra
ba
lho
Protetor
au
ditivo
M
áscara
con
tra
p
ó
Ca
lça
do
seg
uranç
a
Uniforme
tr
a
ba
lho
Prote
tor
au
ditivo
Ca
lç
a
do
seg
urança
M
áscara
con
tra
p
ó
oe5
s
gemf
90/
92
dB(
A)
580
lux
93/95
dB(
A)
548
lu
x
Ava
liação
q
u
a
lita
tiva
96/
98
dB(
A)
584
lux
Ava
liação
q
u
a
lita
t
iva
Ag
en
tes
de
risco
Ru
ído
og5
eu
iwn
ii
oe5
e
u
g.un
ii
Poe
ira
(serrag
em)
op
me
Ilum
inação
Poe
ira
(serrag
em)
Eq
u
ipamentos
Desg
ra
deação
de
ma
de
ira
Fresas
p/ma
de
ira
(
tup
ia/g
a
lop
a)
Serras
destop
a
de
iras
Áreas
de
tra
ba
lho
un
.:(T,
c
'rTn
a
tu
-o
E
a)
cn
o
4-,
c
o
Z
epmcied
o
O
N
O
•TC
C7)
C•I
O
o
_C
ca
_o
o
o.
o
c
CO
oa
ca
.c
or
c
w
c
LT
CAT-
RELA
TORIO
DE
AVALIAÇ
ÃO
AME.
-
OMIZZOL
O
8
CIA.
LTDA
-
M
ARÇ
O/2004
EPIS
recom
en
da
dos
1
o .0 3
_c o o- c
r
o > co o
m 6 c cs,
,
.0 0o.
113 u cn
a)
E t" (13 o
O 1.-. is
o
co o
I 4-1 VI (-II
—
C O WO
‘.. o
D a. Z u
o -o 3,
.0 o a c
Ta .> o o
1
5
co E c o,
,
4,00.
cu (o u v)
E 16 E o
.,... ,,, -0
o co
II- 4-• Lo U•
.E ,2 vi, 70
nau
o 3-0
-c 0 c
cTu > o
E "o o,
.1..1 ovo
a)
to in
E ã 0,...„-.0
o CD Ia
4- lá C..b
E E 73 -o
no
o-
o G.
c
u
E.
,,,,,
z
.-...,
Ava
liação
94/
96
d
B(
A)
520
lu
x
Ava
liaç
ão
q
ua
lita
t
iva
96/
98
d
B(
A)
518
lu
x
Ava
liação
q
ua
lita
t
iva
91/93
d
B(
A)
530
lu
x
Ava
liação
q
ua
lita
t
iva
Ag
en
tes
de
risco
op
in
a
oe5
eu
pun
u
Poe
ira
(serrag
em)
op
in
a
oe5
eu
pun
g
Poe
ira
(serrag
em)
Ru
ído
op5
einwn
ii
Poeira
(serragem)
Eq
u
ipamen
tos
o
(O
0.
r
"0
o
c
'ri
E
to
4-
O
1-
.4.-.
M
r
Cr
ra
c
.ri)
E
Lixa
de
ira
Maclinea
Áre
as
de
tra
ba
lho
vi
:6
c
._
c
c_
a)
o
E
cu
cn
o
.4..
c
o
IED
01
23!-11ni
•■1"
O)
•ZI"
O
.0
CO
12
O
"O
O a3
ri C
O III
L_
N
121)
—
2 w
O cid
- co
(,)
(7) LU
°
to
O
ta
o
O
et
E
o
110
10
f•I
C4
_e0
C tl
t 12
2 e
cio?
O
w-cm
g o
• =
o
-5;
• a -Do
eir
e.5
cn
E
cn
o
o
a
"O
to
á_
a
o
.2
o
tu
c
'tu
.2
-J
o
E
c
o
o
o
■
C'
ICS
O
O
(N
O-
u
00
O
O
O
ai
2
O
O
O
-J
E".
Ag
ente/r
isco
I
LT/iorna
da
tra
ba
lho
insa
lu
bre
*
tra
ba
lho
no
rma
l
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
insa
lu
bre
*
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
insa
lu
bre
*
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
insa
lu
bre
*
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
norma
l
(v)e
P
se
250
lux
'O'
N
(
v)
e
p
ss
250
lux
'O'
N
(v)ep
se
250
lux
'O'
N
I
Lixa
deira
mac
hnea
Ru
ído
85
dB(
A)
I
lum
inação
250
lux
Poe
ira
(po
de
ma
de
ira)
I
N.
D.
Obs.
:
*Elidi
do
com
a
il
tildar
ãO
rnli
tinna
dne
FDTc
opmu
Ilum
inação
!
Poe
ira
(serrag
em)
I
Ru
ído
i
Ilum
inação
i
Poe
ira
(serrag
em)
I
op
inu
i
Ilum
inaç
ão
Poe
ira
(serrag
em)
I
Loca
l/a
tiv
ida
de
-
.
uesg
raaeaçao
de
ma
de
ira
erras
destop
aae
iras
e
tresas
p/ma
de
ira
.
.
ylalnas
P/
ma
deira
SICLAIR A OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do trabalho - (049) 224-2141
2.2.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor
Medidas de proteção coletiva;
Estudar a substituição dos quadros para distribuição de energia elétrica - atualmente de
madeira, por caixas metálicas (prevenção de incêndio).
Efetuar limpeza e sinalizar os quadros para distribuição de energia elétrica. Pintura nas
cores azul/amarela - sinalização: perigo - energia elétrica.
Medidas de Organização do Trahalho:
Efetuar limpeza periódica e remover o acúmulo de serragem do piso.
Medidas de Proterão Individual (Equipamentos de Proteção Individual):
Protetor auditivo - preferencialmente do tipo concha abafadora (mais higiênico e
durável).
Calçado de segurança.
Máscara respiratória do tipo semi fartai descartável contra poeiras incômodas (para
aquelas funções exercidas junto às serras, lixadeira e plainas).
Óculos de proteção contra impacto de partículas sólidas (para aquelas funções exercidas
junto às serras, lixadeira e plainas).
Medidas nara Manutenção do Programa:
Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando
danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de
EPI, para cada funcionário.
Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPIs, pelos
encarregados da Empresa.
(Sidair nok
Enfia do Se do Trabalhe
CREA/88 25.748-8
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2 O 04 28
SICLAIR A OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
2.3 - Coladeiras
2.3.1 - Descrição sumária do ambiente
- edificação: alvenaria de tijolos aparentes
- cobertura: telhas de fibrocimento e telhas translácidas
- piso: cimento alisado sem revestimento
- iluminação natural: uma porta de acesso grande; nove janelas médias
- iluminação artificial: dezesseis luminárias fiuoresc.; seis lâmpadas tipo luz mista
- ventilação natural: satisfatória
- ventilação artificial: --x--
- conforto térmico: adequado
- equipamentos: diversas máquinas para beneficiamento de madeira.
2.3.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas
Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas
Chefe de seção Os funcionários deste setor executam tarefas manuais
Operador de máquinas de movimentação, classificação e empilhamento de
Ajudante de produção (servente) madeira serrada. Operam serras, destopadeiras,
plaina e outras máquinas p/madeira. Executam a
limpeza das áreas de trabalho, bem como zelam pela
conservação das máquinas e equipamentos do setor.
2.3.3 - Características da atividade predominante
- tipo: muscular dinâmica
- classificação: leve a moderada
- gasto caloria) médio: 150 a 220 Kcal/h
- postura: predominantemente em pé
- pausas: existentes
- turno: diurno (mat./vesp )
- emprego ferramentas manuais: --x--
- exigência cognitiva: baixa
m/fooLo
Ene de Se ança do Trabalho
GREA ai: 25.748-8
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMEI - OMIZZOLO CIA LTDA - MARÇO/2004 29
o
nr
O to
▪ o
N
o T.
N
N o
-0 to
I—
▪
o
o o.
X
O r
i.% Irg
—I c te
O y
N = E
N o) 1-1
—
2 cn o
O Cd ta
6 . 63 .9
ce o
_c ct
<
J o) e
r6
fn W ri
o
o
o
o
rc
O
o6
O
O
N
N
o
O
o
c>
c
UJ
O
c
11.1
1:C
Ecl-
N
C>
o
o
-O
o
"O
o
C
oe
Cs,
w
N
O
O
CC
'et
O
ca
O
o
N
o
O
o
o
2
w
<
CL
o
-
o
N
o
•
:2:C
-
0
O
—1
O
O
•:t
cn
M-
O
O
O
CD
ca
Eng
en
har
ia
c2
-85
LT
CAT-
REL
A
T
OR
IO
D
E
A
V
ALI
AÇ
ÃO
A
M
B.
-
OMI
ZZ
OL
O
&
CIA.
LTDA
-
MARÇ
O/2
000
Uniform
e
tra
ba
lho
Pro
tetor
au
di
tivo
M
áscara
con
t
ra
p
ó
Ca
lçado
seg
u
rança
Un
i
form
e
tra
ba
lho
Pro
tetor
au
di
t
ivo
Máscara
con
tra
p
ó
Ca
lçado
seg
u
rança
_1
Unifo
rm
e
tra
ba
lho
94/
95
dB(
A)
Prote
tor
au
di
tivo
Ca
lça
do
seg
u
rança
1
1
xn
i
luon
PJP:KP
IAI
94/
96
d
B(
A)
4
18
lu
x
Av
a
liaç
ão
q
u
a
li
ta
t
iva
Ag
en
tes
de
ris
co
oppn:i
Ilum
in
ação
ç
Poe
ira
(serrag
e
m)
Pu
ído
I
lum
inação
Poe
ira
(ser
rag
em)
op
mu
og5
eu
nu
n
g
Poe
ira
(se
rrag
e
m
)
Eq
u
ip
ame
ntos
Serra
destop
a
de
ira
p
neu
m
át
ica
I
i
Se
rra
destop
a
de
ira
p
neu
m
ática
Il
Serra
destop
a
de
ira
p
neu
m
átic
a
III
Áreas
de
tra
ba
l
ho
u,
w
3
u
_
u
o co(Jc;?d
o
O
o o
o o
E
ar
O
iro
C
C
a/
L O U-
W
E o
o
r0
O E
E 3 o
ço
c
_
r0
Ti 2
o
2,
i
2,
3 < o.
c QJ
W rdi —1
03
O 0
o E
10 .2 o
(.>
o o' o
u o
rc
>
'o a
0 -/
N
9c1'
(Ni
C•J
O
O
-O
(11
O
o O.
O
10
—1 C
O ‘13
11
N E
N '42
2 co O
O
o
Cl n
a
-J
ri
ti) c
Lu ri
o
o
ao
o
o
-o
o
a-
o
o
o
o.
O o
-.4 -c
n co
o '-
o <
1.1 IL. LU
.0
Ln t"
<
._
O
‘43 LU
C
11/
EI
>,..
ro
o
E
o
Ira
u,
a,
tal
a
o
-o
-a
a}
-o
no
o c
o ._
2 5 a,
,._
a u ao
'O 10
O
1- bl.
M
O
CI. Ti VI
uo
o > a,
o.
,....
o ° o.
ao E ---
0, ,_ ri, a,
no a, > a,
3 a .n, c
c
a E t
mi
o
E
— .—
o u o
o 0.., ta
-o
E ro I, no
u- -0 -o
n's 5 o z
cu u ,-
, o "g
o CD U
10 O CU
1- CO LCD CL
" E
-o o o
til W3
j•n > (1) I.
1-1 M O 10
a. .. no
LU o (./,
0
1-.
>
MI
4-'
111 .
C
9-
O = E o
7 C, o. Z
173
E
4./
kE,
2
c
E
c
>
o
0.1
-c,
ro
E
ra
o
(1.1
-a
ro
ro
em -o
• 2
ra
Cl
oor CL
O O
C
o
o o
.c -a
- eu
as
- o
o o
O 0,
° E
_1 c
o co
N
•
cn
— a)
2 a, -o
O od O
ni
te <1
•
"O
-c
O
• zra
(-) 0') ra
ti ui
J,im
ite
n
iexnes
icão
*
Ace
ta
to
de
p
o
liv
in
ila
'1E
E
Hidróx
ido
de
&n
ôn
io
o
o
o
Su
lfa
to
de
am
ôn
ia
O
O
á-
L.
O
c'D
E
E
o
=9
"
E
2 g
(T, o
o tt..
-
o
0,
5
-
1,
0
mg/m
3
••
.r2
O
o
C
C1
C
O
C
'E To
u
c c
<c o
ai O
E '5
11-
o a
cu
fo
ru
.z
-5 E
E :=
° "O
ln O
'E no
o
o. re
• C
CL 03
RI Cl
▪
/
C
013
L-
11.1 "O
O 0.1
CU É
Zi
O
"8
ir
o
-J
O
O
O
n
'
O
o
"CE
et
o
o
E
o
o
o
-o
E
o
C
"r<
O
11:1
E
cc
SICLAIR A. OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do trabalho - (049) 224-2141
2.3.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor
Medidas de nroterão corcovai
Estudar a substituição dos quadros para distribuição de energia elétrica - atualmente de
madeira, por caixas metálicas (prevenção de incêndio).
Efetuar limpeza e sinalizar os quadros para distribuição de energia elétrica Pintura nas
cores azul/amarela - sinalização: perigo - energia elétrica.
Medidas de Organização do Trabalho:
Efetuar limpeza periódica e remover o acúmulo de serragem do piso.
Medidas de Prol-lata1 (Equipamentos de Proteção Individual):
Protetor auditivo - preferencialmente do tipo concha abafadora (mais higiênico e
durável).
Calçado de segurança.
Máscara respiratória do tipo semi facial descartável contra poeiras incômodas (para
aquelas funções exercidas junto às serras, lixadeira e plainas).
Óculos de proteção contra impacto de partículas sólidas (para aquelas funções exercidas
junto às serras, lixadeira e plainas).
No manuseio e aplicação de cola (máquina coladeira) usar luvas de pvc, avental e
calçado impermeáveis; óculos de proteção tipo amplavisão e máscara respiratória
descartável.
Medidas para Manutencão do Programa:
Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando
danificados), registrando estas trocas em urna ficha individual de controle de entrega de
EPI, para cada funcionário.
Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPIs, pelos
encarregados da Empresa.
&cher iewOÃO
Ene de Se an a do Trabalhe
CRE SC 25,748-8
LiCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2004 35
SICLAIR A. OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
2.4 - Caixaria
2.4.1 - Descrição sumária do ambiente
- edificação: alvenaria de tijolos aparentes/parte barracão semi aberto
- cobertura: telhas de fibrocimento e telhas translúcidas
- piso: cimento alisado sem revestimento/parte em chão batido
- iluminação natural: uma porta de acesso grande/seis janelas/parte semi aberta
- iluminação artificial: luminárias fluorescentes/lâmpadas tipo luz mista
- ventilação natural: favorecida/parte da estrutura semi aberta
- ventilação artificial: --x--
- conforto térmico: variável (estrutura semi aberta)
- equipamentos: diversas máquinas para beneficiamento de madeira.
2.4.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas
Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas
Chefe de seção Os funcionários deste setor executam tarefas manuais
Operador de máquinas de movimentação, classificação e empilhamento de
Ajudante de produção (servente) madeira serrada. Operam serras, destopadeiras,
plaina e outras máquinas p/madeira. Executam a
limpeza das áreas de trabalho, bem como zelam pela
conservação das máquinas e equipamentos do setor.
(‘
2.4.3 - Características da atividade predominante
- tipo: muscular dinâmica
- classificação: leve a moderada
- gasto calórico médio: 150 a 220 Kcal/h
- postura. predominantemente em pé
- pausas: existentes
- turno. diurno (mat./vesp.)
- emprego ferramentas manuais: --x--
- exigência cognitiva: baixa
Sidalr weolo
Ene de do frabalho
CREA/aC 5./48-8
LTCAT-RELATÕRIO DE AVALIAÇÃO AMEI — OMIZZOLO & CIA. LTDA — MARÇO/2004 36
O 2
O Tu
W -11
W 9
1— CO
o e
"0
amsç
in
tc:ljej
-"na
a
Vaiti
4—
ut
.--. o
to
o t
_o
_.. to
co O
_o no
m
" ;
I— o
o o.
-o a,
to to
O w.
c
O u
c
N en
CU 4,
2 (f) o
O o d 1.3h
1-
03
< c e
J o
()
— C
ai ri
r-
ce,
o
o
'6-
c>
O
O
t‘t
o
2
O
o
o
CO
oC>
O
o
o
o
O
C/C
b•
CT)
•
2
o
c>
o
o
rc
I-
<
CC
CNI
O
o)
o
o
-o
e, CO
•••
J c
o 2
N
N cr)
2 U)
O
co
et
-4. c
—I a>
0.3
—
to LIJ
cu
c
o
c
E
Poeira
(serrag
em
)
O
■1•0
c
E
Poeira
(serrag
em)
O
Poeira
(serrag
em)
o
mo
c
E
Poe
ira
(serrag
em)
Eq
uip
amentos
Serra
circu
lar
destop
adeira
E
O
c
'rT)
E.
-
Plaina
Dam
broz
Serra
fita
desdobre
Áreas
de
tra
ba
lho
o
.o
E
ro
✓ o
• x
X W
ra
O
17
• 17
F. C
"" E
o
z_
o oco
o Is 10- É
0
1 uo 2 2
a) c
ro c cr)
.uscoo
rA U
E Ir5 12 tu. e
m. to co -o
O u
a; o
715
D O- -J U
O o o o
-c o Is o É
▪ .? o c) to
_o ri=“) 41:,
i_
113 n3 C 01
a O cv
ra U
E l0f1-3.E0
"k1 tig 3 lg
'E .2 76
o o. _1 Z
o o -o o
c-c '5 a
cj.
.- b
rc 32
m e
...)onow
rn U
W
E O' r2 o
o -o
ovwun]
Lb
O >
C 1- .113
D a_ U
O 2. u,
-C o 45 0. c
ro.komm
-O u
L° ro
E sr5
•
2 "2 o
„„o
2 2 o u u,
ro
;
c = co
41ã
1
2
F co
o X
• r-
u
•
rc
1 inu
up
o
tal
ra
ru
0:1
"O
cn
1.0
cn
o
L.n
u-)
O O
■113 .>
—
>
< çr
r
no
on
cn
o
Lr)
o o
.>
L.>
=
> °
< o-
94/96
dB(
A)
o
Lr)
O IM
719 .>
t>
CO •D
> M
< Cr
=
mC
ro
-o
co
to
cn
o
o o
ao .>
un
ru to
rTa =
> °
• cr
o
o
te
O
O
2
O
cr7
xc
O
O
CD
'14"
O
CU
.0
F—
o
O c°
c>
—
I c
O ro
N
• W
O co
O ca
• ta
r),
`
'"m—C
—I
ci
EC) PDPC194
o
o
N
o
:=7
CN/
"zr
o
o
_C
IT5
J2
o
CO
C
CO
7
C4)
co
a>
rn
c
o
.4*
ai
a
E
E
o
E
o.
o
o
.c
.0
o
c
o
cu
m
-
t■
o
rO
L
N4
oz
LTCAT-
REL
AT
ÓRIO
DE
AVALIAÇ
ÃO
AMB.
-
OMIZ
ZOLO
&
CIA.
LTDA
-
MA
RÇ
O/2004
EPIs
recome
n
da
dos
Un
i
forme
tra
ba
lho
Luvas
rasp
a
couro
Ca
lça
do
seg
urança
Un
i
forme
tra
ba
lho
Protetor
a
u
dit
ivo
*
Luvas
rasp
a
couro
Ca
lç
a
do
seg
uranç
a
Un
iforme
tra
ba
lho
Prote
tor
a
u
ditivo
Luvas
rasp
a
couro
M
áscara
c
on
tra
p
ó
Ca
lça
do
seg
uranç
a
seg
uranç
a
oe5
e
lieny
81/
8
3
dB(
A)
xn
i
O
@
Observar
q
uan
do
da
a
bertura
das
estu
fas,
a
ox
ig
enação
p
rév
ia
do
loca
l
80/
8
1
dB(
A)
75
0
lux
93/
9
5
dB(
A)
xn
i
OSL
Ava
liação
q
ua
lita
tiva
94/9
6
dB(
A)
75
0
lux
Ag
en
te
s
de
risco
oe
5e
u
¡w
m
t
Estu
fas
(
in
terno
)
Temp
era
tu
ra
-
80
°C
Um
i
da
de
-
75/
95
Wo
opirnd
o
e5
e
u
itun
ii
i
Ru
ído
I
lum
inação
Poe
ira
(serrag
em)
opin
a
Ilum
inaç
ão
Eq
u
ip
ame
n
tos
Estu
fas
p/secag
e
m
ma
de
ira
Gra
deação
de
m
a
de
ira
Serra
c
ircu
lar
de
s
top
a
de
ira
Emp
i
lha
de
ira
Ma
rcop
lan
Áreas
de
tra
ba
lho
o
nu
,....
o
e
o
o.
x
Lu —
--... o
n3 :,-,
c (.7,
cu O
x a
o -o
u —
ieaoi
espq?j
O
ira
7
c
o
rT,
E
o
c
o
_c
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
norma
l
tra
ba
lho
norma
l
o
Lin
<C
co
10
110
C
O
1—
-J
o
o
-o
tra
ba
lho
insa
lu
bre
*
tra
ba
lho
insa
lu
bre
*
o
N
X
o
Lr/
rrt
o
o
o
Lr)
o
o
a
▪
)
0
1-
o
o
O
1:
"cN
N s O
.
E -1
3
o
o
to .0
_
1.-1 0 2
w
eL E o
0
o
u, o
c
o 2 ã
c tu cr
... a o
c
o i ra
o.
CU
O 4, <
iro = _
is ai _1
P3 L> <
Z O <
o -0 IQ
alO O
Iro
E 1-» o
o 23 _
o , ce
o E.7, o
ip ,., 1—
E; r° a
UJ U w
* tr
IL
<
o C.)
O F
_i
O
co
ro
c
E
rv
O
dN
to
c
E
Poe
ira
(serrag
em)
'
o
NO
c
E
Poe
ira
(serrag
em)
1
o
c
E
II)
o
o.
E
-ar
o
o
_c
.o
o
-o
O c°
—Ic
O rci
N
N o
2 u)
O ca
*/C 1.
1:e
rC
-J cu
C) c2
C7;
-0
O
o
-J
ro
o
o
to
Zir
ro
L-
0.1
CO
'CT.)
-0
ro
E
o.
to
cn
Pla
inas
p/ma
de
ira
Estu
fas
p/secag
em
de
ma
de
ira
SICLAIR OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do trabalho - (049) 224-2141
2.4.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor
c
M_Uidas_gg_p_rot
Melhorar a iluminação no corredor entre as estufas. Instalar luminárias.
Instalar telas metálicas de proteção, nas polias de acionamento dos ventiladores das
estufas de secagem.
Na caixaria, efetuar limpeza e sinalizar os quadros para distribuição de energia elêtrica.
Pintura nas cores azul/amarela - sinalização: perigo - energia elétrica.
Medidas de Oroanixarão do Trabalho:
Não se aplica.
Medidas de Proteção Individual: (Equipamentos de Proteção Individual)
Calçado de segurança, avental e luvas de raspa de couro para as atividades no interior
das estufas.
Calçado de segurança e luvas de raspa de couro nas atividades de gradeação de
madeira.
Protetor auditivo - preferencialmente do tipo concha abafadora (mais higiénico e
durável).
Calçado de segurança.
Máscara respiratória do tipo semi facial descartável contra poeiras incomodas (para
aquelas funções exercidas junto às serras e plainas).
Óculos de proteção contra impacto de partículas sólidas (para aquelas funções exercidas
junto às serras e plainas).
Medirias oara Manutencão dn Programa •
Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sernpre que necessário (quando
danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de
EPI, para cada funcionário.
Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPIs pelos
encarregados da Empresa.
miceoi0
Ene de Se a do Tçabalhe
CRE AG 25.748-8
LTGAT-RELATÓRIO OE AVALIAÇAO A515 OMIZZOLO GIA LTDA - MARÇO/2 O 0 4 42
SICLAIR A OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
2.5 - Serrarias I e II
2.5.1 - Descrição sumária do ambiente
- edificação: estruturas semi abertas; construções inteiramente em madeira
- cobertura: chapas de alumínio (serraria II); telhas de barro (serraria I)
- piso: cimento alisado sem revestimento
- iluminação natural: estruturas semi abertas; quatro janelas médias
- iluminação artificial: luminárias do tipo fluorescente
- ventilação natural: favorecida (estruturas semi abertas)
- ventilação --x--
- conforto térmico: variável (estruturas semi abertas)
- equipamentos: serras para desdobre de toras de madeira.
2.5.2 - Cargos existentes e perri técnico das atividades desenvolvidas
Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas
Chefe da serrada Os funcionários deste setor executam tarefas manuais
Operador de máquinas de movimentação, classificação e desdobre de toras
Ajudante de produção (servente) de madeira. Executam o empilhamento
madeira serrada e operam serras de fita,
e serras destopadeiras p/madeira. Executam
limpeza das áreas de trabalho, bem como
conservação das máquinas e equipamen
de tábuas de
sen-a circular
ainda, a
zelam pela
Isdo setor.
2.5.3 - Características da atividade predominante
- tipo: muscular dinâmica
- classificação: leve a moderada
- gasto calórico médio: 150 a 220 Kcal/h
- postura: predominantemente em pé
- pausas: existentes
- tumo: diurno (mat./vesP.)
- emprego ferramentas manuais:
- exigência cognitiva: baixa
Siclair
Eng. de Se
CRE SC
O nOla
do Trabalho
25.748-8
LICAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇAO AMB OMIZZOLO CIA LIDA — MARÇO/2004 43
r
N
0>
O
te
co o
tle
MI 1T
•••
1- o
o O.
„
o 2, .2
—I c
o ta v
N c
N
—
or
2
ã 0 o
o ces
Ta
IX o 4.
— _c st
<
- cu
c ui
N
O
cr
O
O
o
C•1
o
o
C
O
c>
-J
o
o
2
O
ce
o
O
O
O
.1
"
•:1"
C•I
nt
O
O
-C
_O
O
"O
C
a)
co
ra
c
C
1°7
rnã
we
O
O
O-
u.
2
O
O
O
à
O
O
O
CC
O
u,
O
ti
o
to 'o
É - 4 C
o- w
ujEwen
ti
i_
ro
OEIE“(12°
O 'O a
-C o a c
(73 > ra to
n a I- '-
in .- -4-' O
... D e cn
a, e 8 al
VI
s- .i, M 1:'
2 4. j
a, vm u,
^3
E e ..,,, 7,
o. z u
Un
iform
e
tra
ba
l
ho
Prote
tor
au
dit
iv
o
M
áscara
con
tra
p
ó
Ca
lç
a
do
seg
u
ra
nç
a
Ava
l
iação
95/
9
7
dB(
A)
3
26
lux
Ava
l
iação
q
ua
li
ta
tiva
98/
1
0
1
dB(
A)
3
1
5
lu
x
Ava
l
iaç
ão
q
ua
li
ta
t
iva
Ag
ente
s
de
risco
Ru
ído
,
Ilum
in
ação
P
oeira
(serrag
e
m
)
_
opjrqj
Ilum
in
ação
Poe
ira
(s
erragem
)
Ilum
in
ação
,
Eq
u
ipamen
tos
Serra
s
destop
a
de
iras
Serra
fita
de
des
do
bre
,
,,,
.0
TO
.0
MI
b
a)
o .-.
tn rt)
ro D
O) 10
I" k
l:
`CC oi
Ul
_
3
o 23pcipj
-.I
X
7
O
X
7
o
‘D Ap
licaç
ão
manua
l
0.
0
.5
o
O
O
O
104/
106
dB(
A)
gen
tes
de
risco
o
cG
O
■rci
o
C
E
Eq
u
ipamen
tos
Pica
dor
de
aparas
Áreas
de
tra
ba
lho
o
O
_1
o
o
3,
.c e
o
n
0 -Lm
CD
ai tg
E
L. „d
o` m
o
O ai M
L1... ó u•
. E Tu
D
-
05
O
is, u
.óa:5 Iro
0
O MI
.e ai o ,
7„E> co cr u a)
n s_ .,...
.- (13 a.,
M$ fli:auf101: 0
1_CL
> M 1- o i
a
E 2 el- ;12 c c
1_ cu a, cv -o
E 7
0 o "o 1- E -o
1-....-, , ro o in
c o) u
-1
umo
4.. 1./ É0 M
0 •r 4
C > 1., = O U
o
o
o
o
2
C.)
O
o
N
2
o
2
O
o
o
c
w
CL
()
O)
O
O
CO
.0
o
L-
O Cri
C>
-I c
O
N
N
— a)
E (/)
O ed
co
to
ct e
-J a)
(„) O)
(7) LI
C
o 2
-8
Fr
il
..g.;
.,„:a-
ts
.
"d
t5-5.
O
.14s3
c
E
Poe
ira
(serrag
em)
< <
co CCI
O < "O a
In, X O ni O W Cr
X
U. CO 7 O al (13 >
0 U, 'O 0
'3'
CO -0 — .-t -----
t; ni ...., o — :32 ra 'o
CO On CI
> CO 1-1 O -173 ri:, 00
< C3
1.0 01 ,
, to ti) > cn
a E.
0, - e
tn
o
-o o a
m -c o c
to "o > ,0
c
o. o .a 'trt
tu E ,_
aa
o
u "'
E É Isd,
O 01
4+ l>
E 2 Ta
o_ u
O .0 a
_C o a c
> r0
-O L- t-
o -6 c 0,
3
r o c,
CO U
E 'à 2 o
ra
o a) u
0 u.
g 0.
2 'r
i° 3
O (0 .0
-C 0 g a
r0 .> CO tu
.0 4-,
01 -o c
o o
01 U
E à o 2
4, ,,,
ovou
c
u z
O IV
iro .>
to 2
Lr)
O 7:1
> W
< g
E 13
Ag
entes
de
risco
o
c
E
o
O
?CO
CO
c
E
O
O
-C
—
CO
.0
O
"O
O Ca
-) c
O '13
N
N cn
ã w
O nd
to
f0
CÉ
ei
_1 a,
o
(7) 0
-1 23PriVd
Eq
u
ip
amen
tos
Esta
le
iro
de
toras
Q./
el3
aro
E
3
ro
O
O
2
O
O
O
c0
2
O
O
O
O
o
o
N
o
X
-J
(7)
C•I
o)
cD
o
_o
o
o
o
o)
c
c
LT
CAT-
RE
LAT
ORI
O
D
E
A
VALIAÇ
ÃO
AM
B.
-
OM
IZZ
OLO
8
CIA.
LT
OA
-
M
ARÇ
O/2
004
EPIs
reco
men
da
dos
-
-
---•
Un
iform
e
tra
ba
l
ho
Pro
te
tor
au
ditivo
M
áscara
co
n
tra
p
ó
Ca
lçado
seg
ura
nç
a
Un
i
forme
tra
ba
l
ho
Pro
te
tor
au
ditivo
Máscara
co
n
tra
p
ó
Ca
lça
do
seg
ura
nça
94/
9
6
d
B(
A)
Ava
liação
q
ua
lita
tiva
9
8/
1
00
dB(
A)
I__
—
585
lux
Ava
liação
q
ua
lita
tiva
Ag
entes
de
risco
opjn
u
opeu
hun
g
Poeira
(se
rrag
em)
Ruído
085
su
mn
if
Po
eira
(se
rrag
em)
Eq
u
ip
amen
tos
Serras
des
top
a
de
iras
Serra
c
ircu
lar
de
ap
ro
ve
itamen
to
Áre
as
de
tra
ba
lho
p--
-4
o
t
-
o
,o
u-,
iesoi
e--
eoPq?d
o
o
c s
o cr, o 2
u I €2
X ln co
o nr
O ■-• a
r.";
03 (4_
-,
c
2 E
o
a
a) (0
c
E go
O) G
01 <
'C -O
o ?,
",0
1-
TJ
o (12 cr;
a t-
ai o 15
-O o -O
m
•
1/2
- 6
- a) cn
L. o V
-
o E u
t_ c s,
a-
a° -o° .0
. C o
) o O o. o
i .0 '2 -o N
--
- E 'a o
o (c to O
• O ti O
: To c C CC
! o a, na <
' iO ti -°
i C -O iti 1
' r.) a., II2, <
C a C O
03 F
, 1- o o _1
a) ,L.1 tm
L6 E k,"
•
<
: 4.) .5 a
_
o O
-o , c
.-
L1 o cd
..
..4 .c, aà
E ,n2 E o
_I
L' o E o
, r., =
O
N
RI c O N
'o g, u _
,2 e n; 2
c o > o
u o "g i
c 13 •.• ,
to .0 ia ai
...- a n
i, c o- a
2 2 O
a 4- 110
o
i I G h<
o w .
30 01
G G
i- TO <
03
= ai na
> ri
cn M <
m fM i >
o O rO <
-o "CY •-i
ia
o o O
30 mo X O
u, u• a)
a3 i'D c O
0 o <
_
c ■r. W
o o
o o -I ,--
t° 115 1Y <
3 0 z -1
N
CD
o
to
o
-o
O
-.I c
O 2
N
N co
—
2 u)
O ca
CZ 1-
ct
<X c
-J
O 01
- c
O
O
IM
o
12.
e
o
10:1
.<3
ro
SICLAIR A. OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
2.5.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor
Medidas dep rotgção coletiva .
Isolar o painel de disjuntores elétricos do posto de trabalho do operador da serra fita.
Restringir o acesso de funcionários a este painel elétrico - periculosidade.
Efetuar limpeza e sinalizar os quadros para distribuição de energia elétrica. Pintura nas
cores azul/amarela - sinalização: perigo - energia elétrica.
Medidas de ()ionizarão do Trabalho -
Efetuar limpeza periódica e remover o acúmulo de serragem do piso.
Estimular o rodízio de funcionários no serviço de banho químico p/madeira; como forma
de reduzir o tempo total de exposição dos trabalhadores aos vapores tóxicos.
Medidas de Pia (Equipamentos de Proteção Individual);
Protetor auditivo - preferencialmente do tipo concha abafadora (mais higiênico e
durável).
Calçado de segurança.
Máscara respiratória do tipo semi fadai descartável contra poeiras incomodas (para
aquelas funções exercidas junto às serras de fita, circular e destopadeiras).
óculos de proteção contra impacto de partículas sólidas (para aquelas funções exerddas
Junto às serras).
Na atividade de banho químico p/madeira utilizar: máscara respiratória com cartucho
químico (vapores orgânicosfagrotóxicos); avental impermeável; luvas de pvc
(impermeável); óculos de proteção tipo amplavisão; botas de borracha.
Medidas nara ManutenrAn do Pronrama:
Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando
danificados), registrando estas trocas em urna ficha individual de controle de entrega de
EPI, para cada funcionário.
Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos E , pelos
encarregados da Empresa.
(Sio roin010
Eoe de nça do Trabalho
CREA,,,k) 25.748-B
ITCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2 O O 4 50
SICLAIR A OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
3. - Oficina de Manutenção Mecânica
3.1 — Descrição sumária do ambiente
- edificação: alvenaria; aprox. 40 m2
- cobertura: cobertura por telhas de barro e forro de madeira rebaixado
- piso: cimento alisado sem revestimento
- iluminação natural: duas janelas externas
- iluminação artificial: duas luminárias fluorescentes
- ventilação natural: favorável
- ventilação --x--
- conforto térmico: adequado
- equipamentos utilizados: esmeril, furadeira, bomba o/lubrificação, equipamentos para
solda, ferramentas em geral, peças mecânicas de reposição.
3.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas
Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas
Mecanico O funcionário envolvido nesta atividade efetua serviços
gerais de manutenção mecânica e lubrificação de máquinas
e veículos. Executa ainda serviços de solda elétrica e
oxiacetileno.
3.3 - Características da atividade predominante
- dpo: muscular dinâmica
- classificação: moderada
- gasto calórico médio: 220 Kcal/h
- postura• predominantemente em pé
- pausas: existentes
- turno: diurno (mat./vesp )
- emprego ferramentas manuais: chaves, ferramentas de mecânica, alavancas
- exigência cognitiva: baixa
3.4 - Mensuração dos agentes de risco existentes
- ruído: Geral (áreas de produção) 91/102 d8(A)
Oficina/bancada de trabalho 83/84 dB(A)
Oficina/esmeril 89/91 de(A)
Rampa lavação/bomba de água 86/88 dB(A)
- iluminamento: Geral/bancada - 310/330 lux
- umidade: --x--
- poeiras: --x--
- produtos quírnicos: limpeza de peças com solventes (hidrocarbonetos) e detergentes
quimicos
- gases e vapores: fumos metálicos nos serviços de solda
- radiações não ionizantes: serviços de solda elétrica
- vibrações: --x--
- outros' riscos de addentes nas atividades de mecânica Siclair indo
FAO de Se ça da trabalha
CREA 4C 25.748-8
ITCAT-RELATORIO DE AVALIAÇAO AMEI. - OMIZZOLO CIA. LTDA - MARÇO/2004 51
SICLAIR A OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
3.5 - Avaliação técnica da exposição a riscos
Agente/risco Local/atividade LTflornada Conclusão
Ruído 1'2 Mecânica 85 dB(A) trabalho insalubre*
Óleos e graxas
derivados de
hidrocarbonetos
Mecânica/limp. de peças Não definido
(qualitativo)
trabalho insalubre*
Fumos metálicos
oriundos de
serviços de solda
Solda elétrica/oxiacetileno 10/23 mg/m3 trabalho insalubre*
Obs.: * Elidido com a utilização continua dos EPIs equeridos p/função (item 3.6).
3.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor
piesuRstr
pjgu.
Remover o estoque de produtos inflamáveis e/ou combustíveis existentes na oficina.
Preferencialmente armazená-los em um local externo e com boa ventilação exaustora
(diluição vapores inflamáveis). Sinalizar externamente o depósito e restringir o acesso de
funcionários ao local (periculosidade).
rsedidasdpsig
r anizarâo do Trabalho:
Sempre que possível realizar os serviços de soldagem em locais abertos, onde a
dissipação dos gases tóxicos pode ser facilitada.
Medidas de Proteção Individual (Equipamentos de Proteção Individual)
Equipamentos de uso obrigatório nas atividades de mecânica industrial:
- macacão ou vestimenta com mangas compridas.
- protetor auricular do tipo concha abafadora, quando realizando trabalhos em locais
ruidosos (áreas de produção).
- luvas impermeáveis ou creme de proteção tipo óleo resistente, nos serviços de
lubrificação, limpeza de peças ou que envolvam contato com solventes, óleos ou
graxas.
- óculos de proteção contra impacto de partículas, nos serviços com ferramentas manuais
(esmeril, lixadeira, furadeira, etc...).
- calçado impermeável.
Equipamentos de uso obrigatório nas atividades de soldador:
- macacão ou vestimenta com mangas compridas.
- protetor auricular do tipo plug de inserção, quando realizando trabalhos em locais
ruidosos (áreas de produção).
- protetor facial (máscara de solda) com visor-filtro p/radiações ultravioleta.
- máscara respiratória descartável p/fumos metálicos (usar sob o protetor fada 
/ceda
6
Ete
iCiader do Trabalho
CRE IaC 253L8-8
- calçado impermeável.
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AM6 OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2004 52
SICLAIR A' OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Medidas para Manutenção do Proarama:
Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando
danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de
EPI, para cada funcionário.
Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPIs pelos
encarregados da empresa,
(.51clalr O Miolo
NO de S do Trabalho
CRE 25.748-8
LTCAT-RELAIÕRIO DE AVALIAÇÃO AMB — ONDZZOLO CIA LEDA — MARÇO/2004 53
SICLAIR A OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
SOLDA ELÉTRICA (ARCO VOLTAICA)
Nos processos de soldagem (solda elétrica e oxiacetileno), diversos gases e vapores se
desprendem, sendo que sua origem é devida a uma fonte de calor intensa e
conseqüentemente a volatilização quando os metais são fundidas.
Durante a soldagem, poderá haver o desprendimento de gases tais como:
- Ozônio (03)
- Monóxido de carbono (CO)
- Dióxido de carbono (CO7)
- Dióxido de nitrogênio (NO2)
- Gases nitrosos (NO + NO2)
Também pode ocorrer desprendimento de fumos metálicos, os quais consistem
basicamente do material a ser soldado e do tipo de eletrodo empregado. Normalmente
tem em sua composição:
- Óxidos ferrosos (Fe203)
- Manganès (Mn)
- Cobre (Cu)
- Chumbo (Pb), entre outros.
Aspectos toxicologices dos agentes químicos liberados nas operações de soldagem:
Dióxido de Nitrogênio (N07)
O limite de tolerância é de 4 ppm sendo igual ao valor teto estabelecido. Havendo risco
grave e eminente quando ultrapassado esse valor. O NO7, quando inalado, tende a reagir
com a água existente nas vias respiratórias para formar ácido nítrico. Como o dióxido de
nitrogênio tem baixa solubilidade, ele causa leve irritação das membranas mucosas das
vias respiratórias superiores, concentrando sua ação principalmente sobre os pulmões.
Por não causar grande irritação no nariz e na garganta não possibilita que os
trabalhadores se a percebam da concentração prejudicial.
Os efeitos principais da exposição severa ao NO7 s'ão, leve irritação na garganta e
brânquias e edema pulmonar, que pode ser fatal.
Como efeito secundário pode causar dilatação arterial com conseqüente queda de pressão
sanguinária e dor de cabeça.
Exposição repetidas a baixas concentrações, podem originar uma intoxicação crônica com
sintomas de tosse, dor de cabeça, perda de apetite, corrosão nos dentes e perda da força
muscular.
Poucos minutos de exposição a concentrações de 200 a 700 ppm causam ave dano
pulmonar, podendo ser fatal após 5 a 8 horas de exposição.
&dai oweede
Ene de nça Trabalha
CREA/4C 25.748-8
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO CIA LTDA - MARÇO/2 O 04 5 4
SICLAIR A. OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Monóx0o de Carbono (CO)
O limite de tolerância é de 39 ppm e o valor máximo e de 59 ppm, havendo quando
ultrapassando o limite de máximo risco grave e iminente.
Este gás é absorvido através dos pulmões, entrando na corrente sangüínea da mesma
maneira que o oxigênio. O monóxido de carbono tem grande afinidade pela hemoglobina,
aproximadamente 300 vezes maior que o oxigênio, o que leva a formação de
carboxihemoglobina, podendo resultar em asfixia química.
A intoxicação aguda por monóxido de carbono manifesta-se por um mal estar geral, com
vertigens e cefaléia. As vezes observa-se um estado de embriagues, com náuseas e
vômitos, em outros casos há transtornos psíquicos com confusão mental Posteriormente
aparece um torpor progressivo, com diminuição de força muscular, que pode levar ao
coma devendo-se tratar com urgência para prevenir o colapso.
O diagnóstico da intoxicação crônica é mais dificil. É caracterizado pelo surgimento de
cefaléia, vertigens, astenia, associados a transtornos digestivos (náuseas e vômitos).
Dióxido de Carhono (CO3)
Também chamado gás carbônico.
O limite de tolerância é de 3.900 ppm e o valor máximo de 4.290 ppm, havendo risco
grave e iminente quando ultrapassado o valor máximo.
Concentrações de 10% (100.000 ppm) podem causar perda de consciência e morte por
deficiência de oxigênio. A concentração de 5% pode produzir respiração ofegante e dor de
cabeça.
Exposição continua a 1,5% (15.000 ppm) de gás carbônico pode causar mudanças em
alguns processos fisiológicos.
Os sinais e sintomas de intoxicação por gás carbônico são aqueles que procedem a
asfixia, Isto é, dor de cabeça, vertigens, respiração ofegante, fraqueza muscular,
sonolência e zumbido nos ouvidos.
Ozônio (03)
O limite de tolerância é de 0,08 ppm e o valor máximo 0,24 ppm, havendo risco grave e
iminente quando ultrapassado o valor máximo.
A ação do ozônio é variável segundo a concentração do gás, a duração de exposição e o
grau de atividade física durante a exposição.
Porém os gases de ozônio são particularmente irritantes para o sistema re ratório e
para as mucosas oculares.
ól ONseolo
hl? de ça do Trabalho
CR '25.748-B
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AM8 OMIZZOLO & DIA. LTDA — MARÇO/2 O 04 55
SICLAIR A OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
SOLDA OXIACEttLENO
Embora n'ão produza altas concentrações de fumos metálicos como o processo a arco
elétrico, o processo oxiacetilênico também libera fumos, conseqüentes da condensação de
vapores da fusão, que, associados aos gases de combustão (CO e CO2) e a fosfina, além
de outros gases que são comumente encontrados como impurezas no acetileno, podem
causar lesões e irritações ao aparelho respiratório do soldador e de seu auxiliares,
principalmente quando se trabalha no interior de ambientes confinados, sem ventilação
exaustora adequada ejou proteção respiratória eficaz (máscara respiratória).
Além de se proceder a exames de reconhecimento do local (vendlação natural), deve-se
avaliar a concentração dos contaminantes atmosférico e compaá-los com os limites de
tolerância estabelecidos para cada substância tóxica.
Para cada caso específico, com base no procedimento adma delineado, podem ser
empregadas técnicas de ventilação diluidora ou exaustora, associadas a utilização de
máscaras providas de filtros químicos, se estas se fizerem necessárias como equipamento
complementar ou de utilização provisória.
Na regulagem da chama, quando se deseja variar a quantidade relativa entre o oxigênio
e o acetileno, necessária a manutenção da chama, a manipulação incorreta das válvulas
do maçarico pode originar certo perigo Dessa forma, se uma ou ambas as válvulas forem
abertas repentinamente, uma série de riscos será criada em razão da possibilidade de
ocorrer o retrocesso de chama, ou até mesmo, de explosão, como conseqüência de um
ambiente inundado com a mistura acetileno-oxigênio.
Deve-se manipular as válvulas do maçarico cuidadosamente, devagar, uma de cada vez,
observando sempre o comportamento da chama corresponde e o efeito desejado C.om a
correta regulagem da chama, é possível obter grande quantidade de calor, alcançando-se
dessa forma a temperatura máxima que o sistema pode fornecer. Isto, porém apesar de
desejável, pode aumentar de maneira significativa o risco de queimaduras ao menor
contato acidental com a mesma. Portanto além do treinamento prévio do soldador, todo o
cuidado e atenção no trabalho a ser executado é requerida.
Recomendações de Proteção ri/os Serviços de Soldagem
Ernpresas que utilizam com freqüência equipamentos para soldagem de metais, devern
procurar atender os seguintes requisitos:
- Sempre que possível realizar os serviços de soldagem ern locais a céu aberto, onde a
dissipação dos gases é facilitada.
- Obter uma adequada ventilação geral exaustora nos locais de soldagem internos,
através da abertura de portas e janelas eventualmente existentes nestes locais ou ainda
com a instalação de dispositivos movimentadores de ar (exaustores) e coletores (coifas,
chaminés, etc...).
- Fornecer aos funcionários envolvidos no processo (soldador e ajudantes), másca as de
solda com lentes cor verde (contra radiação) e máscaras respiratórias semi-facia corn
carvão ativado (contra gases e fumos tóxicos), além dos demais EPIs requeridos ( vas e
avental de raspa, botina de segurança, etc..).
(Sidalr Offileeolo
Ene de Seg ça Trabalha
CREA ,ae 25.748-8
11-CAI-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB O IZZOLO CIA LTDA - MARÇO/2004 56
&ciar
bei de Sag
CRER
)iffbzw)io
do rrabaillo
25,748-8
SICLAIR A ' OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
4.- Caldeira de vapor
4.1 - Descrição sumária do ambiente
- edificação: estrutura pré-moldada em concreto; alvenaria de tijolos
- cobertura: telhas de fibrocimento e telhas translUddas
- piso: cimento s/revestimento
- iluminação natural: luz do dia/aberturas na estrutura
- iluminação artificial: quatro luminárias do tipo incandescentes (luz mista)
- ventilação natural: satisfatória
- ventilação artificial: --x--
- conforto térmico: variável em função da temp. ambiente; ambiente com carga térmica
significativa (calor radiante)
- equipamentos: caldeira de vapor tipo fiamotubular, reservatório de água (3.000 litros),
exaustor de tiragem de fumaça/particulado, tubulação de vapor
Características construtivas da caldeira:
Tipo Combustível Prod. vapor Pressão operação Pressão teste
Flamotubular
(Beneck - 1994)
lenha 5 ton/hora (a) 10 kgf/cm2
(b) 6,1 kgf/cm2
15 kgf/cm2
Obs.: (a) - Pressão máxima admitida para operação normal.
(b) - Pressão de operação ve ificada no momento da inspeção.
4.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas
Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas
Operador de caldeira de O funcionário que trabalha neste local opera caldeira de
vapor 1 geração de vapor, através de painel de comando,
controlando a alimentação de água, geração e distribuição
de vapor para as estufas de secagem, Controla o
funcionamento da caldeira, ligando e desligando motores e
bombas; regulando e anotando pressões e temperaturas.
Realiza o abastecimento manual da fornalha com lenha,
visando manter estáveis a temperatura e o nível de
formação de vapor. Realiza periodicamente a limpeza da
caldeira, grades e grelhas da fornalha, bem como a retirada
da fuligem e cinzas acumulados em seu interior.
Obs 1- Trabalho em turno de 6 horas/diárias.
2- O controle e dosagem de produtos químicos, necessários ao tratamento água
consumida na caldeira é realizado diariamente pelo encarregado do almoxarifad com o
acompanhamento do operador da caldeira.
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO 8 CIA. LTDA.- MARÇOI20 O 4 57
SICLAIR A' OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
4.3 - Características da atividade predominante
- tipo: muscular dinâmica
- classificação: moderada
- gasto calérico médio: 220 Kcal/h
- postura: alternada em pé/sentado
- pausas: existentes
- turno: rotativo de 6 horas/diárias (mat./vesp./noturno)
- emprego ferramentas manuais: --x--
- exigência cognitiva: baixa
- Obs.: abertura das válvulas de segurança para teste - 1 vez/semana
4.4 - Mensuração dos agentes de risco existentes
- ruído: ver quadro a seguir
- iluminamento: ver quadro a seguir
- umidade: --x-
- poeiras: particulado em suspensão (fuligem da queima de madeira)
- produtos químicos: álcalis cáusticos (tratamento de água da caldeira); gases oriundos
da queima de madeira (CO/CO2)
- radiações não ionizantes: infravermelho (abertura da formalha)
- vibrações: --x--
- outros. queimaduras com vapor e/ou água quente; carga térmica na retirada de
fuligem (porão da caldeira)
Local/Área
de trabalho
Atividade Agentes de risco Avaliação EPIs
recomendados
Ca
lde
ira
de
vap
or
Con
trole
e
op
e
raç
ão
da
ca
lde
ira
Ruído
- caldeira/fornalha
- painel operação
76/78 dB(A)
74/76 dB(A)
1
I
Conforme
item
4.
6
Iluminação
- caldeira/fornalha
- painel de operação
245/285 lux
268 lux
Temperatura
- em frente à fornalha
- lateral/painel operação
IBUTG = 28,2
IBUTG -= 26,4
Fuligem/particulado Menor que
20 mg/m2
(processo
gravimétrico de
deposição natural)
Szeolo
Ene de S do Trabalho
GREA1aG 25.748-8
LTCAT-RELATÓRIO GE AVALIAÇÃO AMB — OMIZZOLO & CIA LTGA — MARÇOI2 G O 4 58
SICLAIR OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
4.5 - Avaliação técnica da exposição a riscos
l Local/atividade Agente/risco LT/jornada Condusão
Ca
lde
ira
de
vap
or
i
Operação
da caldeira
Ruido 85 dB(A) trabalho normal
Iluminação 250 lux trabalho normal
Temperatura 25,0° IBUTG trabalho insalubre
Rad. não ionizante N.D. trabalho insalubre*
Fuligem/particulado 15 mg/m ** trabalho insalubre*
Gases/vapores (CO2) 7o20 moiro)
(Co) 43 mg/m1
trabalho insalubre*
Tratamento
de água
Álcalis cáusticos Conforme
listagem anexa
trabalho insalubre*
Nota : * Insalubridade elidida com a utilização contínua dos EPI's recomendados no Item 4.6
(exceto aquele negritado).
LT - conforme parâmetros da NR-15, Portaria 3.214/78 (** fuligem/particulado -
conforme LT/OSHA/86).
N.D. - Limite de tolerância não definido - avaliação qualitativa
Radiação não ionizantes - inflavermelho (abertura fornalha).
4.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor
nea
Instalar sistema de iluminação de emergência nas dependências da casa de caldeira.
Recomenda-se estudar a viabilidade de instalação de um exaustor eólico sobre o teto da
casa de caldeiras, a fim de remover a concentração de particulado (fuligem) e gases
(CO; CO2).
Orientar os funcionários do setor sobre a forma correta de movimentação manual de
cargas e levantamento de peso, principalmente referente às atividades de limpeza da
fornalha (remoção de fuligem).
Instalar placa de sinalização de alerta (perigo - descarga de vapor superaguecld na
saída das canalizações de descarga de vapor da caldeira (descarga das válvul de
segurança).
Medidas de Organizarão do Trabalho:
Não se aplica.
mnolo
Enga de Se urança do Trabalho
CREA/aC 25.748-8
LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMB OMIZZOLO CIA LTDA - MARÇO/2004 59
SICLAIR A' OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
Medidas de Pr teçãoIndividual (Equipamentos de Proteção Individual)
Avental e luvas de raspa de couro.
Óculos de proteção com lentes verde escuro (contra radiação infravermelho na abertura
da fornalha).
Calçado impermeável.
Máscara semi facial descartável revestida com carvão ativado, para os trabalhos de
remoção de cinzas e limpeza do poria da caldeira.
Máscara semi facial descartável revestida com carvão ativado, para os trabalhos que
envolvam a manipulação dos produtos voláteis utilizados no tratamento de água das
caldeiras.
Óculos de proteção tipo amplavisão, luvas de pvc/hexanol ou raspa de couro em todos os
trabalhos que envolvam produtos químicos (tratamento d'água).
Uniforme de trabalho
Protetor auditivo - próximo ao exaustor de fumaça (tiragem).
Medidas nara Manutencão do Programa:
Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando
danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de
EPI, para cada funcionário.
Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPIgI pelos
encarregados da empresa.
<Slciair Indo
Ene de Se n a do frabalho
CREA C 25.748-8
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB — OMIZZOLO & CIA. LIDA — MARÇO/2 004 60
o
>
-o
tn
ro
o.)
u
r°
ro
s_
-o
c
(1)
E
4.J
O
c
Lr)
o
-o
.—
7
8
E
o-
u)
o
7
O
L.
Cl.
1:2I
O
cu
O
"E"'
O
É
C
O
>
.
IIIII<o
E c
u°
c 3
c
P3
C
O
a,
i-
o
c
o
o
o
I.9
11111112r3
O C
0. fp
r e VE
u• o
Po
O -0
C c
5 -o
2. Th
i .cl)
n o.
ui o
U O)
O Cr/
E ',15
,.. R,
ui,
_i
CO O
e
la
ll
O -0
3 C)
F- ,
O E
-C
(..1:
1 d .
É. a
::
Lo
a
a)
O
t-
a)
"O
CI)
-o
4_,
o
fo
E
0.)
cù
o
ta V)
O O
C -0
• CI) o.
E u, ---
o a
CD 19
• u L- 2)
,
c cu u in c
m O O CD
R■ -o E
.grE oo
cu o CCP VI
> LIN ,
M O CO 45
, ta, 3 •
C..0
M 0 — E
> E 1..
7 C O. r 0.
O CO
O) .L1 04- 0
'O C
E ai
u, , ,o w
, _o 5 (-7- E
o = a- o ro
..-, u o o 5
O .0 , In w
"O ri L-
0 ij z cig a
a w t -0 o
> o o -o
cl tu --. c
-ro u 1.. rt,
-o u
o. .,i,
o s_ CO 0 à-
1113 CU 7.-- L. .a_,
-5MUP[13
7 o 2
a _
-o
C
I
.5
uf e cr
4..
1.
V) Lu
in
>.
a Clii5
E
.0)
I
ro
t o?
-g
O-
u
2
-
-
O
O2-O•c2cO(.1.
O
I-
<
- J
Ce
1.-
nr
CY)
O
O
co
.0
a_
O
"O
O (15
, 1 C
O CD
L-
M =
N
o
a (/)
O ce
ci o
Ce
FT) 111
=
álclair Inato
Ene/ de Se inça do i emalha
CREA C 25.748-8
SICLAIR A.OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
5. - Estufas de secagem de madeira e depósitos
5.1 - Descrição sumária dos ambientes
- edificações: estrutura pré-moldado de concreto semi aberta
- cobertura: chapas de alumínio
- piso: chão batido (depósito); cimento alisado (estufas)
- iluminação natural: luz do dia/aberturas acesso ao barracão/estrutura semi aberta
- iluminação artificial: luminárias do tipo incandescentes (luz mista)
- ventilação natural: favorecida (estrutura semi aberta)
- ventilação artificial: --x--
- conforto térmico: variável (estrutura semi aberta)
- equipamentos: três estufas a vapor; vagonetes p/madeira
5.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas
Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas .
Chefe do setor Os funcionários que trabalham neste setor efetuam a
Ajudante de produção colocação e retirada de tábuas de madeira no interior das
(Servente) estufas de secagem, com o auxílio de máquinas
empilhadeiras e de vagonetes instalados sobre trilhos. O
encarregado pelo setor controla o funcionamento das
estufas de secagem, ligando e desligando motores e ven-
tiladores; regulando e registrando as temperaturas
atingidas.
5.3 - Características da atividade predominante
- tipo: muscular dinâmica
- classificação: moderada
- gasto calórico médio: 220 Kcal/h
- postura: predominantemente em pé
- pausas: existentes
- turno: diurno (mat./vesp.)
- emprego ferramentas manuais --
- exigência cognitiva: baixa
5.4 - Mensuração dos agentes de risco existentes
- ruído: estufas/depósitos - inferior a 80 dB(A)
- iluminamento: corredor entre estufas - 140/212 lux
depósito madeira - 223/434 lux
- umidade: parte Interna das estufas - atmosfera saturada (ambiente controlado)
- poeiras: --x--
- produtos químicos:
- radiações não ionizantes: --x--
- vibrações: --x--
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB. — OMIZZOLO & CIA. LIDA — MARÇO/2004 6 2
SICLAIR A.OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
5.5 - Avaliação técnica da exposição a riscos
Agente/risco Local/atividade LT/jornada Conclusão
Ruído Estufas 85 dB(A) trabalho normal
Depósitos 85 dB(A) trabalho normal
Duminamento Estufas 50 lux trabalho normal
Depósitos 150 lux trabalho normal
Temperatura
Umidade
Estufas (interno)
Temperatura - 80°C
Umidade - 75(95 %
Não há trabalho no local
Observar quando da abertura das
estufas, a oxigenação prévia do local
5.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor
Medidas de nroterão coletiva •
Melhorar a Iluminação natural no corredor entre as estufar. Substituir algumas telhas de
fibrocimento, por telhas translúcidas.
Sinalizar a área com placas de advertência (ATENÇÃO - TRÂNSITO DE EMPILHADEIRA).
Medidas de Organizarão do Trabalho:
Não se aplica.
Medidas de Proteção Individual (Equipamentos de Proteção Individual)
Calçado de segurança, avental e luvas de raspa de couro para as atividades no interior
das estufas.
Calçado de segurança, capacete e luvas de raspa de couro nas demais atividades.
Medidas oara Manutenção do Programa:
Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando
danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de
EPI, para cada funcionário.
Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPIs, pelos
encarregados da empresa.
(Sklalr inalo
Ene
de
Se a a do Trabalho
CRE C 25.748-8
ISÇCAT-RELATC)R10 DE AVALIAÇÃO AMB. — OMIZZOLO 4 CIA. LTDA — MARÇO/2004 63
SICLAIR A' OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalhe - (049) 224-2141
6. — Pátio de madeiras
6.1 - Descrição sumária do ambiente
- edificações: trabalho a céu aberto
- cobertura: trabalho a céu aberto
- piso: chão batido
- iluminação natural: luz do dia/trabalho a céu aberto
- iluminação artificial: --x--
- ventilação natural: trabalho a céu aberto
- ventilação artificial: --x--
- conforto térmico: variável em razão das condições climáticas reinantes
6.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas
Caroos/funcões existentes Atividades desenvolvidas
Operador de empilhadeira Os funcionários empregados nos setores de produção
Ajudante de produção executam atividades braçais relacionadas com a
(Servente) movimentação de madeira serrada, classificação,
gradeação e arrnazenamento nos barracões para depósito
e também ao longo do pátio interno da empresa. Auxiliam
ainda na colocação e retirada de madeira do interior das
estufas de secagem.
6.3 - Características da atividade predominante
- tipo: muscular dinâmica
- classificação: moderada
- gasto calOrico médio: 220 Kcal/h
- postura: predominantemente em pé
- pausas: existentes
- turno: diurno OnatIvesp )
- exigência cognitiva: baixa
(Watt noio
Eng2 de Se o Trabalho
ORE G 25.748-8
LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMB OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2004 64
o
o
N
N
2
o
Á
VJ
•ol"
o
o
-c
—
CO
-O
CO
o
CO
C
CO
oe
CO
t.-
Co
-C
C
O)
C
6.4
-
Me
nsuraç
ão
do
s
ag
en
tes
de
risco
ex
is
tentes
LTC
AT-
RE
LAT
ÓR
I
O
DE
AV
ALI
AÇ
ÃO
A
MB.
-
OM
IZZOL
O
a
CI
A.
L
TDA
-
MA
RÇ
O/
2
004
EPI5
recomeni
Un
i
fo
rme
trE
Protetor
a
uc
Luvas
de
ra!
COB
U)
Ca
lça
do
s
eg
Cap
acete/CI
pa
l
ha
(
ins
ole
Un
i
fo
rme
tn
Protetor
auc
Ca
lçado
s
eg
o
wse
n
e
A
v
75/
78
dB(A)
>
1.
0
00
lux
(
tra
b.
a
céu
a
be
rto
)
Ava
liação
q
ua
li
ta
tiva
95/
96
dB(
A)
93/
94
dB(
A)
94/
9
5
dB(
A)
(V)
9
11
96/1,
6
Ag
en
tes
de
risco
opin
a
o
e5
eLawn
q
Poe
ira
(
te
rra
)
1
Ru
ído
-
e
mp.
Max
io
n
n
°
1
-
e
rnp.
Max
io
n
n°
2
-
e
mp.
Max
io
n
n
°
3
opin
a
Eq
u
ip
am
en
tos
Movim
en
tação
de
ma
de
ira/g
ra
deação
Operação
de
emp
ilha
de
ira
s
Op
eração
do
tra
tor
flo
re
sta
l
Va
ltra
/Munck
Áreas
de
tra
ba
l
ho
Pátio/dep
ós
i
tos
Pátio/
dep
ós
itos
/es
t
ufas
lea
o-1
saPaPew ap 0 P?cl
.
ol
‘43
-€4-g 6c
u
E
o
c
O
C
Cl
O
ro
o
ta
.0
z
.1"
o
o
O IJ
.0
4E'
CO O
.0
CO O O
6. HZ ro
.21
O o
'O O.
k
O 0.
°
—.I C 10
O CO
1
•
-■
u
N .2
CD
ã 2
O co o
U.
„. .117
Lr.
"gi >
c c
w) I
C 111
C.7) UJ
CO
cel
ir
O
1.5
O
O
O
co
O
h<
>
o
o
o
cr
12-
SICLAIR OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
6.6 - Medidas de Controle Recomendadas para estes setores
M cSg_t_ec
l ro
Disponibilizar protetores auditivos do tipo plug de inserção descartável. Destina-se a
proteção contra o ruido excessivo, daqueles trabalhadores que eventualmente venham a
trabalhar próximos da área de operação das empilhadeiras.
Em relação às máquinas empilhadeiras em uso na empresa verificar a viabilidade de
instalação de doto segurança, espelhos retrovisores e buzina. Certificar-se que somente
o operador habilitado tenha permissão para operá-la. Qualquer outro funcionário (mesmo
que em caráter temporário) somente poderá operar o equipamento, após submeter-se ao
processo regular de habilitação.
fiaassig_SLroani7arão do Trabalho.
Conforme a Norma Regulamentadora n° 11:
Os operadores de equipamentos de transporte motorizado deverão ser habilitados e só
poderão dirigir se durante o horário de trabalho portarem um cartão de identificação,
com o nome e fotografia, em lugar visível (crachá). No verso deverá constar por escrito a
autorização da empresa para operar o equipamento (empilhadeira).
O cartão terá a validade de 1 (um) ano e para sua revalidação, o empregado deverá
passar por exame de saúde completo (inclusive de acuidade visual).
Medidas de Proterão Individual: (Equipamentos de Proteção Individual)
Equipamentos de uso geral no pátio: uniforme, luvas de raspa de couro, capacete de
segurança ou chapéu de palha e calçado de segurança.
Operador de empilhadeira - protetor auditivo - uso obrigatório em serviço.
Operador de trator floresta Munck - protetor auditivo - uso obrigatório em serviço.
Medidas para Manutenção do Programa:
Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando
danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de
EPI, para cada funcionário.
Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos E , pelos
encarregados da ernpresa.
61clair >4 Oerlecoio
EAge de Se o Trabalho
CREA 25.748-8
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇAO AMB OMIZZOLO & CIA LTDA — MARÇO/2004 67
SICLAIR OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
7. - Afiação de serras p/madeira
7.1 - Descrição sumária do ambiente
- edificação: alvenaria de tijolos aparente
- cobertura: telhas de fibrocimento e telhas translúcidas
- piso: tábuas de madeira
- iluminação natural: luz do dia/quatro janelas externas
- iluminação artificial: luminárias do tipo fluorescente
- ventilação natural: adequada
- ventilação artificial: --x--
- conforto térmico: adequado
- equipamentos existentes: forja, torno afiador, esmeril, rebolo
7.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas
Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas
Afiador de serras
Ajudante de afiação
Os funcionários empregados nesta atividade executam a
afiação e recuperação das serras p/madeira utilizadas nos
diversos setores da empresa. Auxiliam também na
colocação, retirada e ajuste das serras nas máquinas para
corte de madeira.
7.3 - Características da atividade predominante
- tipo: muscular dinâmica
- classificação: leve a moderada
- gasto calórico médio: 150 a 220 Kcal/h
- postura. predominantemente em pé
- pausas: existentes
- turno: diurno (mat./vesp.)
- exigência cognitiva: baixa
(51Cligh wheetrIO
heti() ano do Trabalho
CREA C 25,748-8
LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2 004 68
O
O
2
O
(7)
•rt
O
-C
—cc3
L.
o
-o
c.>
c
03
-C
C
O
C
ad
O
O
2
c
173
03
O
103
03
7
C
E
nt
re.
o •
f•
L-03
N:
j5
ce
40
47
o
o
re
o
o
O
cr3
.
ct
O
(),
O
-
Cr
O
Cr
....
B
Ill O
O O c), 203
.0 o "O c ln
43 > i' O O .22
_O -
.0 o 1- o
03 :i5 V) I-
4.4
1- z s_
ro wo o.
o to o
a) co -o
5 E 16-0 o
u c_ .1.k -0 V)
42 si ra
w e a _o
o
` 3 ° "
n eL o uc
01111
84/
86
dB(A)
xm
Ava
liação
q
ua
lita
t
iva
]
85/87
dB(
A)
438
lux
Ag
entes
de
risco
rorno
lam
ina
dor
(a
fiação)
r
Áreas
de
tra
ba
l
ho
reo
cri
o
o
o
C>
o
o
O
O
N
oO
et
O
o
o
O
o
2
o
o
_o
o
O o,
c
o
N
N
—
2
O 0,5
co
— .c
et e
-J
—
c0
o
ra
o
na
o
o
o.
o
ra
C
u
o
o.
to
SICLAIR A. OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
7.6 - Medidas de Controle Recomendadas para estes setores
Medidas de proteção coletiva:
Revisar as máquinas e instalar grades metálicas de proteção nas correias e polias de
transmissão de força.
Medidas de Organização do Trabalho:
Não se aplica
Medidas de Proter'ão Individual: (Equipamentos de Proteção Individual)
Uniforme de trabalho.
Luvas de raspa de couro.
Calçado de segurança.
Protetor auditivo - uso obrigatório nos serviços com máquinas.
Óculos de proteção contra impacto de partículas sólidas (esmeril).
IvagarAM t rfl
Substituir regularmente os EPIS recomendados ou sempre que necessário (quando
danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de
EPI, para cada funcionário.
Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPIs, pelos
encarregados da empresa.
Owiecolo
Efte de S Trabalha
CR 48-8
ITCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇA0 AMB - OMIZZOLO & CIA. LTOA - MARÇO/2004 71
SICLAIR A OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
8. - Depósitos e expedição de madeiras
8.1 - Descrição sumária do ambiente
- edificações: estruturas pré-moldadas do tipo semi aberta
- cobertura: telhas de zinco
- piso: chão batido
- iluminação natural: luz do dia/estrutura semi aberta
- iluminação artificial: --x--
- ventilação natural: favorecida (semi aberto)
- ventilação artificial: --x--
- conforto térmico: variável em razão das condições climáticas reinantes
8.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas
Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas
Operador de empilhadeira
Ajudante de produção
(Servente)
Os funcionários empregados nos setores de produção
executam atividades braçais relacionadas com a
movimentação e armazenamento de madeira nos
barracões para depósito.
8.3 - Características da atividade predominante
- tipo: muscular dinâmica
- classificação: moderada
- gasto calórico médio: 220 Kcal/h
- postura: predominantemente em pé
- pausas: existentes
- turno: diurno (mat./vesp.)
- exigência cognitiva: baixa
t5lCia min010
Eng de S Ufana frabalho
CR /SC 25.74B-8
LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMB. - OMIZZ0L0 8, CIA. LTDA - MARÇO/2004 72
o j,
Z o 1:3 c
TO .>
_o Z o. L-
m ‘i5 -
n c"-o
4-,
•
I- CU
O tn Lc`
E O 'a ti c
u
4-•
O O 1.0
4- C 1-
>
C à_ 7 o 'u (U
CL-1Ul.)U0
o
co
-o
c
a- o,
LU E
o
X O
7
O .0
o
E
A o
O n3
>
I.> O
MI CD
—
>
< j
75/
78
dB(
A)
Ag
entes
de
risc
O
ICZ
113
c
E
ri)
O
Eq
u
ipamen
tos
(I) O
O C
'19
U
m E
-1-•
= C
afr
E t.
.; -0
o co
z c'-o- E
Areas
de
tra
ba
lho
sai/apeai
ap sol/soda°
To
o
-Á
xl•
O)
O
O
-O
O
10
O C>
-.I c
O cri
N
N
o
co
o ca
X ca
'==
cu
c
(7)
8.
4
-
Mens
uração
do
s
ag
en
tes
de
risco
existentes
r-
LTC
AT-
R
EL
AT
OR
IO
DE
AVAL
IAÇ
ÃO
AM
B.
OMI
ZZ
OLO
&
C
IA.
LTDA
-
MARÇ
O/2004
SICLAIR A ' OMIZZOLO
Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141
8.6 - Medidas de Controle Recomendadas para estes setores
Medidas de oroterão coletiva:
Disponibilizar protetores auditivos do tipo plug de inserção descartável. Destina-se a
proteção contra o ruído excessivo, daqueles trabalhadores que eventualmente venham a
trabalhar próximos da área de operação das empilhadeiras.
Medidas de Oroanizacão do Trabalho:
Não se aplica.
Medidas de Proteção Individual: (Equipamentos de Proteção Individual)
Equipamentos de uso geral: uniforme, luvas de raspa de couro, capacete de segurança e
calçado de segurança.
Quando trabalhando próximo das máquinas empilhadeiras - protetor auditivo - uso
obrigatório em serviço.
Medidas nara Manutenrão do Programai
Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando
danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de
EPI, para cada funcionário.
Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPI pelos
encarregados da empresa
Siclier nolo
Ene de a do Trabalho
CRE be 25.748-B
LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2004 74
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a LAUDO TECNICO - Serraria-desdobre madeira.PDF

Saúde e segurança norte engenharia
Saúde e segurança norte engenhariaSaúde e segurança norte engenharia
Saúde e segurança norte engenharia
Paulo H Bueno
 
Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]
Nestor Neto
 
Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]
Nestor Neto
 
Nr 10 comentada
Nr 10 comentadaNr 10 comentada
Nr 10 comentada
stoc3214
 
Trabalho normas regulamentadoras
Trabalho normas regulamentadorasTrabalho normas regulamentadoras
Trabalho normas regulamentadoras
Francine Bonfante
 

Semelhante a LAUDO TECNICO - Serraria-desdobre madeira.PDF (18)

Saúde e segurança norte engenharia
Saúde e segurança norte engenhariaSaúde e segurança norte engenharia
Saúde e segurança norte engenharia
 
Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]
 
Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]
 
Apostila de pcmat
Apostila de pcmatApostila de pcmat
Apostila de pcmat
 
Apostila de pcmat
Apostila de pcmatApostila de pcmat
Apostila de pcmat
 
Curriculum vitae Engº Elias 05-08-2017
Curriculum vitae   Engº  Elias 05-08-2017Curriculum vitae   Engº  Elias 05-08-2017
Curriculum vitae Engº Elias 05-08-2017
 
Treinamentos
TreinamentosTreinamentos
Treinamentos
 
Nr 10 comentada
Nr 10 comentadaNr 10 comentada
Nr 10 comentada
 
Nr 10 comentada
Nr 10 comentadaNr 10 comentada
Nr 10 comentada
 
NR - 10 Comentada
NR - 10 ComentadaNR - 10 Comentada
NR - 10 Comentada
 
Apresentação NR12 MB CONSULTORIA.pptx
Apresentação NR12 MB CONSULTORIA.pptxApresentação NR12 MB CONSULTORIA.pptx
Apresentação NR12 MB CONSULTORIA.pptx
 
Trabalho normas regulamentadoras
Trabalho normas regulamentadorasTrabalho normas regulamentadoras
Trabalho normas regulamentadoras
 
Saúde e Segurança do Trabalho
Saúde e Segurança do TrabalhoSaúde e Segurança do Trabalho
Saúde e Segurança do Trabalho
 
NR09 -Antônio Guilherme - Mecatrônica.pdf
NR09 -Antônio Guilherme - Mecatrônica.pdfNR09 -Antônio Guilherme - Mecatrônica.pdf
NR09 -Antônio Guilherme - Mecatrônica.pdf
 
NR 10 Comentada
NR 10 ComentadaNR 10 Comentada
NR 10 Comentada
 
Nr 10
Nr 10Nr 10
Nr 10
 
NR10
NR10NR10
NR10
 
492 prontuario nr10
492 prontuario nr10492 prontuario nr10
492 prontuario nr10
 

Último

SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
avaseg
 

Último (8)

treinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticatreinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plástica
 
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfNormas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
 
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiroapostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
 
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfPlanejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
 

LAUDO TECNICO - Serraria-desdobre madeira.PDF

  • 1. SICLAIR A. OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Ir LAUDO TECNICO (LTCAT) PARA FINS DE IDENTIFICAÇÃO E PREVENÇÃO DE RISCOS OCUPACIONAIS (LTCAT - INSS - IN. 84/2002) (CRITÉRIOS - PORTARIA MTb 3.214/78) EMPRESA: OMIZZOLO & CIA. LTDA. ENDEREÇO: Avenida Primeiro de Maio n° 215 — Lages/SC CNPJ: 84.934.777/0001-13 FONE: (49) 223-1077 CNAE: 20.10-9 GRAU DE RISCO: 4 ATIVIDADE: Serraria com desdobre de madeira DOCUMENTO VERSAO APLICAÇAO REVISAO LTCAT 2004.01 MARÇO.2004 MAR/t07 Siclair -4 in ir Wh, Eng? de e", 44 e Csiwzoto b.i 48- LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB — OMIZZOLO & CIA. LTDA — MARÇO/2004
  • 2. SICLAIR A' OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Laudo Técnico de Avaliação das Condições do Ambiente de Trabalho (LTCAT) Obietivos Gerais Tem este levantamento objetivo de subsidiar o cumprimento da portaria 25 SSST de 29 de Dezembro de 1994, que visa a preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e conseqüente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. Servirá este trabalho ainda, como indicador para os Programas de Controle Médico de Saúde Ocupacional-PCMSO (NR-7) e de Prevenção de Riscos Ambientais—PPFtA (NR-9). Mesmo não ocorrendo mudanças no layout físico das instalações, este deverá ser refeito no prazo máximo de cinco anos, e os dados levantados dentro dele, deverão ser mantidos por um período mínimo de 20 anos. Quando existir CIPA na empresa de acordo com a NR-5, uma cópia deste laudo poderá permanecer anexada ao livro de atas daquela comissão. Obietivos Esoecíficos Avaliar os postos de trabalho, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e conseqüente proposta de controle, dos riscos ambientais porventura existentes, no quadro de atividades desenvolvidas pelos funcionários da empresa OMIZZOLO & CIA. LTDA. Sua completa implementação fornecerá subsídios para o cumprimento das portarias SSST n° 24 e 25 de dez/94, que visam à preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores. Conscientizar os trabalhadores expostos a condições de risco, da importância da adoção de práticas comportamentais preventiv além da necessidade de utilização de equipamentos de proteção individu (EPI's). nolo &doi ne de rança do Ivabalho E CREAK...0 25.748-8 LICAT-RELATÕRIO DE AVALIAÇA0 AMB — OMIZZOLO CIA LTDA — MARÇO/2 O O 4 2
  • 3. SICLAIR OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Documentos de Referência LEI FEDERAL N° 6.514/77 - Portaria 3.214/78 NR-07 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) NR-15 - Atividades e Operações Insalubres NR-16 - Atividades e Operações perigosas Atribuicaes Da Empresa Apoio e custeio de todos os procedimentos decorrentes da adoção de medidas corretivas sugeridas a partir deste estudo, bem como, o acompanhamento efetivo de sua implantação. Dos Facilitadores e Coordenadores Orientação aos funcionários sobre os procedimentos contidos neste Compêndio Técnico. Manutenção de um arquivo atualizado, disponível para fins de fiscalização legal, das mudanças e melhorias introduzidas no ambiente, processo produtivo e rotinas de trabalho adotadas pela empresa. Dos Funcionários Submeterem-se ao cumprimento das disposições con das neste relatório técnico. E utilizarem continuamente os Equipamentos Proteção Individuais recomendados para seus cargos e/ou atividades, d nvolvidas em condições de risco. Siclair nolo Ene de Se a do Trabalhe C 25.748-B LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB OMIZZOLO CIA LTDA — MARÇO/2004 3
  • 4. 'TO/cedo ça do Trabalho T.M8-9 Eng° do CR SICLAIR A. OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Metodologia Campo de Aplicação Atendendo ao item 9.1.1, da Norma Regulamentadora n° 9 que estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais-PPRA, visando a preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e conseqüente controle dos riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, levando-se em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. O PPRA é parte integrante do conjunto mais amplo da iniciativa da empresa no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, devendo estar articulado com o disposto nas demais Normas Regulamentadoras. Consideram-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos existentes, que possam causar danos a saúde do trabalhador. Estrutura do Laudo a) Antecipação e reconhecimento (identificação) dos riscos ambientais existentes na empresa. b) Avaliação da exposição dos trabalhadores a estes agentes de risco (análises qualitativa e quantitativa). c) Recomendação de medidas de controle e/ou neutralização dos agentes. d) Registro dos dados. LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇAO AMB. — OMIZZOLO & CIA. LTDA — MARÇO/2004 4
  • 5. SICLAIR A' OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - ( 049) 224-2141 Análise Qualitativa Do tempo de exposição ao risco, esta análise traduz a quantidade de exposição em determinado período de tempo (horas, minutos e segundos) a determinado(s) risco(s) operacionais sem proteção adequada. Multiplicando- se este valor pelo número de vezes que este tipo de exposição repete-se ao longo da jornada diária de trabalho, obtemos um índice que expressa a exposição total do trabalhador a determinado(s) agente(s) em análise. Quando a exposição se processa durante quase que a totalidade da jornada diária de trabalho, diz-se que esta exposição é de natureza contínua. Análise Quantitativa É a fase que compreende a medição do risco imediatamente após as considerações qualitativas, guardando atenção especial à essência do risco e ao tempo de exposição. Esta etapa só é possível realizar, quando o técnico tem convicção firmada de que os tempos de exposição, se somados, configurem uma situação intermitente ou contínua. A eventualidade não ampara a concessão do adicional pretendido, resguardados os limites de tolerância estipulados para o risco grave e iminente. Tanto o instrumental, quanto a técnica adotada e até mesmo o método de amostragem, devem constar por extenso, de forma clara e definida no corpo do laudo. Idêntica atenção deve ser empregada na declaração de valores, especificando-os, inclusive, os tempos horários inicial e final de cada aferição. A interpretação e a conseqüente análise dos resultados necessitam estar de acordo com o prescrito no texto legal, no caso, a Norma Regulamentadora, caso contrário será nula de pleno direito. &dal Ene de do Rabalho CR AiaC 25.708-8 LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇAO AMB OMIZZOLO 8 CIA. LTDA - MARÇO/2 O O 4 5
  • 6. SICLAIR A.OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Introd ucão Para efeito de estudo técnico, consideram-se riscos ambientais os seguintes agentes: - Físicos: Consideram-se agentes físicos diversas formas de energia a que possam estar expostas os trabalhadores, tais como ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes e não ionizantes, bem como o infra-som e ultra-som. - Químicos: Consideram-se agentes químicos as substâncias, compostos ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória, nas formas de poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de exposição, possam ter contato ou serem absorvidas pelo organismo através da pele ou por ingestão. - Biológicos: Consideram-se agentes biológicos as bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus, entre outros. - Ergonômicos: Consideram-se agentes ergonômicos aquelas situações de trabalho que possam, ao longo dos anos, provocar distúrbios no organismo, quer pela natureza da atividade ou pela repetida exposição ao agente. Por ex.: esforço físico intenso; posturas de trabalho inadequadas; repetitividade etc. (51clatr (nolo nça do Rabanho Eng' da 5 ur CR /JG 25.748-8 ITCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO & CIA. LIDA - MARÇO/2 O O 4 6
  • 7. SICLAIR A- OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Recomendacães aerais de seauranca, hiaiene e conforto nos locais de trabalho Nas instalações e serviços com eletricidade, devem ser observadas no projeto, execução, operação, manutenção, reforma e ampliação, as Normas Técnicas oficiais estabelecidas pelos órgãos competentes; e os referidos serviços somente deverão ser executados por profissionais tecnicamente capacitados para tal. Os locais destinados as instalações sanitárias deverão atender às dimensões mínimas essenciais. Será considerada satisfatória a metragem de 1 (um) metro quadrado, para cada instalação sanitária, que poderá atender um grupo máximo de 20 operários em atividade. As instalações sanitárias deverão ser separadas por sexo. Será exigido no conjunto de instalações sanitárias, um lavatório para cada 10 trabalhadores envolvidos em atividades insalubres, ou naqueles trabalhos com exposição a substâncias tóxicas, irritantes, poeiras, etc. As paredes e pisos das instalações sanitárias deverão ser construídas em alvenaria revestida com material impermeável e lavável. Em todos os locais de trabalho deverá ser fornecido aos trabalhadores, água potável, em condições higiênicas, na proporção de 1 (um) bebedouro para cada grupo de 50 empregados, fornecida por meio de copos individuais ou bebedouros de jato inclinado. A água não potável ou contaminada com alguma substância nociva, para uso nos locais de trabalho, ficará separada e deverá ser identificada com placas de advertência, evitando seu consumo (acide ) pelos empregados. (51clair !nolo Eng2 de Sog do frabalho DRE &a./ 48- 8 LTCAT - RELATORIO DE AVALIAÇAO AMB OMIZZOLO CIA LTDA — MARÇO/2004 7
  • 8. SICLAIR A ' OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Recomendacões preventivas de saúde no trabalho Por ocasião da admissão de novos funcionários, será obrigatório o exame médico por conta do empregador. O referido exame médico deverá ser renovado periodicamente cada seis meses, naquelas funções ou atividades consideradas insalubres. Todo estabelecimento deverá dispor de material necessário a prestação de primeiros socorros, sob responsabilidade de pessoa treinada para tal fim. Será de 60 kg (sessenta quilogramas) o peso máximo que o empregado poderá remover individualmente, ressalvadas as disposições especiais relativas ao trabalho do menor e da mulher. Quando o trabalho deva ser executado em pé, os empregados deverão dispor de assentos para serem utilizados nas pausas que o trabalho permitir. Naquelas atividades ou operações em que os trabalhadores ficam sujeitos a agentes insalubres acima dos limites de tolerância fixados, mesmo com a utilização de EPI's, devem ser realizados exames médicos periódicos e demissionais, conforme a metodologia disposta na NR-7 (PCMSO). &citar IffInolo Engv de Cego nça do frabalho CREA/ C ib./ 48-8 LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMB OMIZZOLO & CIA. LTDA — MARÇO/2004
  • 9. SICLAIR A" OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Recomendacóes para prevencão de acidentes no trabalho Treinamento de pessoal para uso dos extintores de incêndio e observar os limites de validade das cargas dos mesmos; Sinalização horizontal e vertical destes, conforme norma técnica; Melhoria da iluminação artificial conforme NR-17, naqueles locais onde o nivel for inferior a 150 lux; Uso dos equipamentos de proteção individuais recomendados em todos os setores necessários; Realização de cursos, treinamentos e campanhas de prevenção de acidentes nas CIPA e SIPATs; &Jair affiefolo Eng. de Se ança (abadio GR C az).i4B-B LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMB OMIZZOLO 8, CIA. LTDA — MARÇO/2004 9
  • 10. SICLAIR A' OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Normas de vestuário e cuidados oessoais O uniforme básico para o trabalho compõe se de calças compridas e camisa com colarinho. Este deverá ser utilizado por todos os funcionários, não sendo permitido que seja alterado ou tenha alguma de suas partes removida. Roupas soltas, tais como mangas, gravatas, luvas ou partes rasgadas não devem ser permitidas quando houver possibilidade de ficarem presas em partes rotativas de máquinas ou veículos em movimento. Os calçados devem estar em boas condições de uso, exigindo-se a utilização de botas de borracha para o trabalho em locais encharcados. O uniforme comum não deve ser utilizado como única proteção do corpo, durante o trabalho ou a entrada prolongada nas càmaras de refrigeração. Cabelos devem ser cortados de forma que não representem risco em potencial. É obrigatório o uso de protetor auricular naqueles locais e funções indicados através de sinalização visual. ewolo Eng' de S rança do trabalho CRE oC 25.748-8 LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇAO AMB — OMIZZOLO CIA LTDA — MARÇO/2004 1 O
  • 11. Sldatr EngggieSo CRER rffieW10 ança do Trabalho SC 25.748-8 SICLAIR A. OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Responsabilidades individuais (Regras básicas de segurança pessoal) Obedecer todas as normas de segurança aplicáveis ao serviço a ser executado, incluído a utilização do equipamento de segurança apropriado. Eliminar ou proteger-se contra condições perigosas conhecidas. Usar a ferramenta certa para a tarefa - sem improvisações. Não entrar em áreas onde houver equipamento em operação ou trabalhar em equipamento motorizado sem a aprovação de seu supervisar. Não promover nos locais e trabalho - brincadeiras; jogos; disputas e outros. Relatar todas as lesões ao seu supervisar logo após sua ocorrência. Não utilizar os equipamentos de combate a incêndio sem autorização. Salvo em caso de emergências e incêndio. LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMB. OMIZZOLO & CIA. LTDA — MARÇO/2 O O 4 11
  • 12. SICLAIR A- OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 2: Recomendacões gerais de seouranca a) Áreas de estacionamento As áreas de estacionamento ficam locali; empresa, junto à entrada principal. Os avisos reg de estacionamento devem ser observados. responsabilizar por furtos ou roubos de objeto: veículos. b) Portão de acesso A empresa designará os locais para ace materiais e suprimentos. Os funcionários e os ■ serviço, usarão somente estes portões para entr empresa tomará medidas para que os motorist esta orientação geral. c) Identificação funcional Os funcionários e prestadores de serv identificação todo o tempo em que estiverem deverão ser apresentados sempre que houver empilhadeiras utilizarão crachá diferenciado, confl d) Bebidas alcoólicas, drogas e armas de fogo Não será permitida a entrada nem a perma que esteja portando bebidas alcoólicas ou tóxicos influência dos mesmos. Armas de fogo, bebidas alcoólicas ou riamo nas dependências da empresa ou nos outros locai LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMEI OMIZZOLO Cl/
  • 13. SICLAIR A ' OMIZZOLO Engenharia 8 Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 e) Limpeza e arrumação dos locais de trabalho Deverão ser providenciados recipientes para a coleta e separação de resíduos sólidos, detritos, papéis e outro tipo de lixo. Latas de lixo normais serão fornecidas pela empresa na proporção de pelo menos uma para cada 30 funcionários. Os recipientes usados para resíduos sujos de óleo, líquidos inflamáveis ou produtos químicos tóxicos, deverão ser metálicos, sinalizados adequadamente e providos de tampa. Todos os recipientes de lixo serão esvaziados e o lixo removido para um local apropriado diariamente. eSlcialr o o Ene de nbalho CR z5./ 48-8 LTGAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO 8 CIA. LIDA - MARÇO/2004 13
  • 14. Eng' de Se CREAt lo o frabalho 5.748-8 SICLAIR OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Normas e Orientacães para Novos Funcionários Essa orientação enfoca a segurança como uma questão de bom senso e atitude. Aborda os temas de trabalho em grupo, comunicação e auto- disciplina. Conscientiza os encarregados, os supervisores e os operários quanto às suas responsabilidades no que se refere à segurança. A. RESPONSABILIDADE Todo supervisor deverá assegurar que os novos funcionários contratados se encontrem sob sua supervisão e que tenham recebido orientação introdutória sobre segurança no trabalho, conforme portaria 3.214 do Ministério do Trabalho. Somente após estes procedimentos é que os mesmos serão liberados o trabalho. B. ROTEIRO MÍNIMO PARA ORIENTAÇÃO DE NOVOS FUNCIONÁRIOS Informações sobre limpeza, arrumação dos locais de trabalho e higiene. Orientação sobre entrada e saída da empresa, vestimentas e identificação funcional. Uso de Equipamentos de Proteção Individuais. Conservação dos equipamentos de proteção. Uso de ferramentas manuais. Proteção e prevenção contra incêndios. Situações de emergência e disponibilidade de equipamentos de combate a incêndios. Locais perigosos ou de acesso restrito (caldeira de vapor). Formas de proteção para funcionários que trabalham em lugares elevados. Uso de escadas, improvisação de andaimes ou plataformas elevadas com risco de queda. Caminhos de passagem, trânsito interno e tráfego de máquinas e veículos motorizados. Primeiros socorros e atuação emergencial. Medidas disciplinares e Normas de conduta no trabalho. LTCAT-RELATÕRIO DE AVALIAÇAO AMB — OMIZZOLO CIA. LIDA — MARÇO/2 004 1 4
  • 15. SICLAIR A. OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) Desenvolvimento (Identificação dos riscos ambientais existentes) 1. - Administração (escritório) 1.1 - Descrição sumária dos ambientes - edificação: alvenaria de tijolos aparente/divisórias interna - cobertura: forro de madeira/telhas de fibrocimento - piso: laje de concreto c/revestimento sintético - iluminação natural: luz do dia/janelas em todos os ambier - iluminação artificial: luminárias do tipo fluorescente - ventilação natural: satisfatória - ventilação artificial: --x-- - conforto térmico: adequado - equipamentos existentes: mesas e cadeiras estofadas; m máquinas de datilografia; argui 1.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas Os fundonários deste setor efi da empresa, atividades admin boletins de produção, memora materiais diversos, escrituraç arquivamento de documentos. Diretor Financeiro Auxiliar Administrativo Telefonista Servente de limpeza 1.3 - Características da atividade predominante - tipo: muscular dinâmica - classificação: leve - gasto calórico médio: 150 Kcal/h - postura: predominantemente sentado - pausas: existentes - turno: diurno (mat./vesp.) - emprego ferramentas manuais: --x-- - exigência cognitiva: média 1.4 - Mensuração dos agentes de risco existentes Os funcionários neste setor laboram em atividades de funcionários internos (setor pessoal). Executam principalme maior partes da jornada laborai, permanecem no interior alguns funcionários deste setor também acessam as ar, acompanhando e supervisionando o processo produtivo. LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMEI - OMIZZOLO & CIA
  • 16. SICLAIR A OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 1.5 - Avaliação técnica da exposição a riscos Agente/risco Local/atividade LT/jornada Conclusão Ruido Escritório 78/80 dB(A) 85 dB(A) trabalho normal Iluminação Geral 340/450 lux Recepção 450 lux Dep. pessoal 337 lux Sala reuniões 325 lux Copa 290 luz 150/250 lux trabalho normal 1.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor Medidas de nrotecão coletiva: Adequar o mobiliário dos postos de trabalho. Em especial as cadeiras, que deverão ter regulagem de altura e serem dotadas de apoio para os braços do trabalhador. Reromendarõeç de erannomia nara a postura trabalhü: De maneira geral, na concepção dos postos de trabalho não se leva em consideração o conforto do trabalhador na escolha da postura de trabalho, mas sim as necessidades de produção. Contudo alguns aspectos mínimos devem ser observados: A postura mais adequada ao trabalhador é aquela que ele escolhe livremente e que pode ser variada ao longo do tempo. A concepção dos postos de trabalho ou da tarefa deve favorecer a variação de postura, prindpalmente a alternância entre a postura sentada e em pé. O tempo de manutenção de uma postura deve ser o mais breve possível, pois seus efeitos nocivos ou não, serão função do tempo durante o qual ela será mantida. Todo esforço de manutenção postural prolongada, leva a uma tensão muscular estática que pode ser nociva à saúde. Os efeitos fisiológicos dos esforços estáticos estào ligados à compressão dos vasos sangüíneos. O sangue deixa de fluir e o músculo não recebe oxigênio. Também os resíduos metabólicos não são retirados, acumulando-se e provocando dor e fadiga muscular. Por mais econômica que possa ser em termos de energia muscular, a posição em pé estática não é usualmente mantida por longos períodos, pois as pessoas tendem a utilizar alternadamente a perna direita e esquerda como apoio, para provavelmente facilitar a circulação sangüínea ou reduzir as compressões sobre as articulações. Esta posição apresenta as seguintes desvantagens: - tendência à acumulação do sangue nas pernas o que predispõe ao aparecimento de insuficiência venosa nos membros inferiores, resultando em varizes e sensação de peso nas pernas; - sensações dolorosas nas articulações que suportam o peso do corpo; - a tensão muscular desenvolvida para manter o equilíbrio dificulta a exe ção de tarefas de precisão; cSiclaIr tilo Eng' de gurança do Trabalha CR iaC 4.748- B LTGAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO CIA TDA - MARÇO/2 O 04 1 6
  • 17. SICLAIR A. OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 A escolha da postura em pé justifica-se nas seguintes condições: - a tarefa exige deslocamentos contínuos como no caso de carteiros e pessoas que fazem rondas de vigilância; - a tarefa exige manipulação de cargas com peso igual ou superior a 4,5 kg; - a tarefa exige alcances amplos freqüentes, para cima, para frente ou para baixo; - a tarefa exige deslocamentos freqüentes em vários locais de trabalho; - a tarefa exige a aplicação de forças para baixo, como em empacotamento. Fora destas situações, deve-se dar preferência ao posto de trabalho sentado. A postura sentada permite melhor controle dos movimentos, além de reduzir o esforço postural (estático) e a carga aplicada pelo peso do corpo sobre as articulações. Porém em determinadas atividades ocupacionais (escritórios, trabalho com computadores, serviços administrativo, etc.) a tendência é de se permanecer sentado por longos períodos. Desta maneira os problemas lombares advindos da postura sentada são aumentados, pelo fato da compressão dos discos intervertebrais ser maior nesta situação. A incidência de dores lombares é menor quando a posição sentada é alternada com a em pé. A postura de trabalho sentado, se bem adaptada (utilizar uma cadeira estofada com apoios para os braços e possibilidade de inclinação do encosto), pode apresentar menor desgaste que à posição em pé. Trabalhar sentado permite reduzir ainda o esforço necessário para manter o equilíbrio postural. As vantagens da posição sentada são: - baixa solicitação da musculatura dos membros inferiores, reduzindo assim a sensação de desconforto e cansaço nas pernas; - Facilitação da circulação sangüínea pelos membros inferiores. As desvantagens são: - pequena atividade física geral (tendência ao sedentarismo); - Compressão da face posterior das coxas contra a borda da cadeira, está tiver pouco estofamento ou borda frontal reta. mlezaho Eng2 de Se IlÇa do Trabalho CR" 25.748-8 LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO 8 CIA. LTDA - MARÇO/2 O O 4 17
  • 18. lo o Trabalho 25.748-8 SICLAIR OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 RECOMENDAÇÕES PAFtA ADEQUAÇÃO DA POSIÇÃO DE TRABALHO Adequar a altura da informação visual. A localização das fontes de informações visuais vai determinar o posicionamento da cabeça que pode, por sua vez, influenciar a postura do tronco, levando o trabalhador a adotar posturas inadequadas. Exemplo comurn: colocar monitores de computador muito baixo ou muito alto. Adequar o espaço para pernas e pés. A falta de espaço suficiente para movimentação livre das pernas e pés, induz o trabalhador a adotar posturas inadequadas do tronco. Regular a altura das rnesas e bancadas de trabalho conforme a estatura do trabalhador. Se o plano de trabalho é muito alto, o trabalhador deverá elevar os ombros e os braços durante toda a jornada. Se for muito baixo, ele trabalhará com as costas inclinadas para frente. Esta condição é válida tanto para trabalho sentado como para o trabalho em pé. O ponto de referência utilizado para determinar a altura confortável de trabalho é a altura dos cotovelos em relação a borda da mesa ou bancada de trabalho. Deve-se estimular e permitir ao trabalhador a alternância de posturas de trabalho, porque isto permite que os másculos sejam oxigenados e não fiquem fatigados. Recomenda-se a quem trabalha freqüentemente sentado, levantar-se por alguns minutos após cada período de 50 minutos de atividade continua. Recomenda-se a utilização de uma cadeira com encosto alto; suporte para os braços e regulagem livre de altura do solo (cadeira tipo universitária). Observar, contudo que a altura da cadeira não seja exagerada. Neste caso, a tendência dos pés ficarem suspensos do chão, aumenta a compressão na região posterior das coxas, dificultando a circulação sangüínea, à medida que a pessoa permanece sentada. Conseqüência natural disto é o agravamento de varizes dos membros inferiores. Recomenda-se o suporte para os pés. Embora não seja obrigatório, o suporte para os pés irá reduzir o esforço estático dos membros inferiores, reduzindo a possibilidade de fadiga. De forma geral: durante o trabalho, relaxar os ombros e apoiar os pés no chão ou sobre um suporte adequado. Verificar se o ângulo entre o corpo e as pernas é de 900 ou maior (conforme figura). Iluminar os documentos corretamente com uma luz suplementar se necessário. Fazer várias pausas curtas durante o trabalho ou a cada hora. Isto inclui levantar-se e afastar-se de seu posto de trabalho e da frente do monitor por alguns instantes. LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB OMIZZOLO CIA LTDA — MARÇO/2 00 4 1 8
  • 19. SICLAIR A ' OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Recomendações especificas para r) trabalho c/terminais de dados (comoutadorl: Sempre que tecnicamente possível, atender aos seguintes requisitos: Cadeira ou assento de trabalho, ajustável à estatura do funcionário; assento plano com borda frontal arredondada e encosto sólido para proteção da região lombar. Iluminação artificial uniforme e difusa; nível de iluminamento de no mínimo 150 lux (02 lâmpadas fluorescentes de 40 watts). Trabalhos que envolvam digitação ou leitura freqüente de dados, deverão possuir instalado suporte para fixação dos documentos junto ao campo de visão do operador, de forma a reduzir a necessidade de movimentação lateral do pescoço e a fadiga visual. Terminal de vídeo deve dispor de mobilidade suficiente para permitir o ajuste da tela ao ângulo de visão mais favorável ao operador, ao mesmo tempo que se procura evitar o reflexo excessivo da iluminação ambiente na tela do equipamento. - Teclado destacável do equipamento principal e com mobilidade que permita seu ajuste de acordo com as características do trabalho a ser desenvolvido. - Tela, teclado e suporte para fixação dos documentos, devem ser dispostos de tal forma que permitam que as distâncias olho-tela, olho-teclado e olho- documento, sejam semelhante. - Nas atividades que exijam trabalho contínuo de digitação e/ou processamento de dados, devem ser incluídas pausas para descanso a cada hora de t balho. cSiciair ~alo Eoga de Se anila do Trabalho CRE aC 25.7484 LTCAT-RELATÕRIO DE AVALIAÇÃO AMB. OMIZZOLO B CIA. LTDA - MARÇO/2 O 04 19
  • 20. SICLAIR A- OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Medidas de Ornaniza :o do Trabalhe: Nos serviços gerais de limpeza, coleta e retirada de lixo das instalações e dos sanitários: A realização diária de limpeza (faxina) nas instalações e principalmente nos banheiros de uso coletivo, pode incidir em contato com agentes de risco de origem biológica. No ambiente de sanitários de uso coletivo, a concentração de agentes biológicos presente no lixo e nas dejeções humanas é muito maior do que em outras instalações. A freqüência de usuários e sua diversidade podem sujeitar o obreiro à contaminaçâo. A faxina e higienização das instalações, por outro lado, podem sujeitar o obreiro ao contato com agentes químicos potencialmente tóxicos. Os produtos de limpeza normalmente utilizados nestes serviços são constituídos de álcalis cáusticos e de substâncias irritantes (hi poclorito). As atividades de limpeza, higienização, coleta, manuseia e remoção de dejetos, requerem obrigatoriamente a utilização dos seguintes EPI's: - Calçado impermeável (preferencialmente botas) - Avental impermeável (tipo e/açougue ou similar) - Luvas de pvc ou látex - Máscara serni facial descartável (contra odores) Medidas Prntecão Individual (Equipamentos de Proteção Individual) Recomenda-se a utilização de equipamentos de proteção individuais, somente quando do acesso aos setores de produção da empresa (fábrica). Neste caso, utilizar protetores auditivos adequados à neutralização do ruído excessivo. Para os funcionários que acessarem locais com ruídos acima de 85 decibéis, deverá ser obrigatório o uso de protetores auditivos. Poderão ser utilizados plugues de inserção moldáveis (silicone) ou protetores rígidos do tipo concha abafadora. Todos os funcionários da empresa deverão ser informados a respeito dos riscos associados á exposição a ruídos elevados. A finalidade e as limitações dos aparelhos de proteção auditiva. E sobre a obrigatoriedade de uso desta proteção nas áreas que apre ntam alto nível de ruido, mesmo para o caso de curto tempo de exposição. &dali. inalo Eng. de S do Trabaillo ER 25.748-8 LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇAO AMB. - OMIZZOLO & CIA LTDA - MARÇO/2004 20
  • 21. SICLAIR A. OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 2. - Pavilhões de Produção Industrial (fábrica) 2.1 - Almoxarifado de materiais 2.1.1 - Descrição sumária do ambiente - edificação: alvenaria de tijolos - cobertura: laje de concreto - piso: cimento alisado sem revestimento - iluminação natural: duas janelas pequenas - iluminação artificial: luminárias do tipo fluorescente - ventilação natural: satisfatória - ventilação artificial: --x-- - conforto térmico: adequado - equipamentos: estoque de materiais diversos; lixas p/madeira; produtos químicos p/tratamento de água da caldeira; óleo diesel (160 litros); produto químico fungicida p/madeira. 2.1.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas Cargos/funçoes existentes Atividades desenvolvidas Almoxarife O funcionário deste setor executa a armazenagem e movimentação de materiais e insuetos utilizados nas demais áreas da fábrica. 2.1.3 - Características da atividade predominante - tipo: muscular dinâmica - classificação: leve - gasto calórico médio: 150 Kcal/h - postura: predominantemente em pé - pausas: existentes - turno: diurno (mat./vesp.) - emprego ferramentas manuais: - exigência cognitiva: baixa CSIdair iced0 Eng° de o Trabalho CR 25.748-8 LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇA0 AMB - OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2 O O 4 21
  • 22. O < rra U" ra C — til CO > r-- <C ---. to r. Ag en tes de risco o- C o o_ O O o 11/ C ti 13 O (13 E o E o rw to to — o.rawoar cn '" .0 13 O. cn -o o c o r- • À- -o u_ to (t) O ra 13 111 -C C O ro IN C .0 1- CL ar o u LU c J_ CD I- -I-, O /1 E -o L. o (o u3 to ra C na c à U `rt na' O o O /./ O o r. .c is o /a/ CO Ll• 6- V/ 1— o O 0. X ça O or ai .6" c to O u N _N o cn i wo • v) o O os ta • ca L- ▪ .c (D = e e C.) C NI CO LU Ni o • opejpeXOWIV Areas de tra ba lho Almoxar i fa do de mater ia is n3 'O ra C ?o- -o co o Lr, Ag en te/risco O Ira c E Pro du tos q u ím icos O 1.1 V/ %ta O 0. X C 10 o r.> .to in ti ri -0 CO O to 2 ta E -o o to o E O Ira 7 17/ C O O C O ca _O 113 tra ba lho norma l tra ba lho norma l tra ba lho p erig oso Pro du tos In flam áve is 2 O te 09 .o t. otte z E 3i . — 0 ce o ici O O 60 IsI V .- C cr o u a r tn i • 2 0 co 3 .0 2 a E a 2 Co 0 a C < tn /.), O 13 to < O c O 13 ao .111 < to à ✓ O C > < z '2 a ot w '2 o o g tu o o a ri _c 2 o o 'E is 1— rt: = , a z ri (-5 _i r 1 -C W 1-# r-4 6-) Cr IL .. Ui C a /3 F J o xt3 E ta c a o u.; c -o 0 2 E Itt rei N C 113 tu E • r- 03 n3 I o J2 O E In W O O. Ca • - O o t à cu n3 E :9 ; o - c •ro o • cc t- u r E N 00 O X o ar al C ed C < ar O n3a O /41 cle o O
  • 23. SICLAIR A ' OMIZZOLO Engenharia & Segurança do trabalho - (049) 224-2141 2.1.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor Medidas de orotecão coletiva: Remover o estoque de produto inflamável da área interna do almoxarifado. Acondicionar este produto em local apropriado (céu aberto) e sinalizado. Recomenda-se a demarcação física (placa de sinalização) da área de risco existente no depósito de inflamáveis líquidos (item 16.8 da NR-16). Medidas de Oroanização do Trabalho: Realizar treinamentos de conscientização sobre os riscos existentes no manuseio e levantamento incorreto de materiais pesados e sobre a obrigatoriedade de uso dos EPIs recomendados. Em razão das características de insalubridade e periculosidade, associadas à atividade de manipulação de líquidos inflamáveis e combustíveis (óleos/solventes), recomenda-se que a empresa adote medidas preventivas e restritivas em relação a esta atividade. Recomenda-se que os empregados da empresa mantenham-se a uma distância adequada (superior a 10m), do local onde é realizado o armazenamento destes produtos. Medidas de PrnterkrkirS/Sali (Equipamentos de Proteção Individual) Utilizar os seguintes equipamentos de proteção, conforme a atividade executada: Luvas de pvc nos serviços de movimentação de embalagens de produtos químicos. Avental, botas e luvas de pvc ou resistente a óleos p/serviços que envolvam manipulação de produtos químicos, líquidos inflamáveis, combustíveis ou lubrificantes. Calçado de segurança nas demais atividades. Protetor auditivo - preferencialmente do tipo concha abafadora (mais higiênico e durável); quando nas áreas de produção da fábrica. Medidas para Manutenrão do Programa: Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de EPI, para cada funcionário. Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos E , pelos encarregados da Empresa. SfrIalr itE010 E»99 de Se an a do Trabalho CR 25.748-8 LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB — OMIZZOLO & CIA. LTDA — MARÇO/2 00 4 23
  • 24. SICLAIR A. OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 2.2 - Montagens de painéis de madeira 2.2.1 - Descrição sumária do ambiente - edificação: alvenaria de tijolos aparentes - cobertura: telhas de barro e telhas translúcidas - piso: cimento alisado sem revestimento - iluminação natural: duas portas de acesso grandes; seis janelas médias - iluminação artificial: vinte luminárias do tipo luz mista - ventilação natural: satisfatória - ventilação artificial: --x-- - conforto térmico: adequado - equipamentos: diversas máquinas para beneficiamento de madeira. 2.2.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas Encarregado de produção Os funcionários deste setor executam tarefas manuais Operador de máquinas de movimentação, classificação e empilhamento de Ajudante de produção (servente) madeira serrada. Operam serras, destopadeiras, plaina e outras máquinas p/madeira. Executam a limpeza das áreas de trabalho, bem como zelam pela conservação das máquinas e equipamentos do setor. t■ 2.2.3 - Características da atividade predominante - tipo: muscular dinâmica - classificação: leve a moderada - gasto calórico médio: 150 a 220 Kcal/h - postura: predominantemente em pé - pausas: existentes - turno: diurno (mat./vesp.) - emprego ferramentas manuais: --x-- - exigência cognitiva: baixa &ciai nolo Eng. do do 7rabalho CREA7aC 25.748-8 LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AME. OMIZZOLO & DIA LTDA — MARÇO/2004 24
  • 25. O -J O — ã O te C7) "c/ 3— 1:( CO "c( O CO .0 O "O C (/) 03 _C O C 2. 2. 4 - Avaliação t écn ica da exp os ição a r iscos ITCAT- RELAT ÓRIO DE AVALIAÇ ÃO AMEI. - OMIZZOLO CIA. LTDA - MARÇ O/ 2004 EPIs recomen da dos Un iforme tra ba lho Protetor au dit ivo Ca lçado seg urança Un i forme tra ba lho Protetor au ditivo M áscara con tra p ó Ca lça do seg uranç a Uniforme tr a ba lho Prote tor au ditivo Ca lç a do seg urança M áscara con tra p ó oe5 s gemf 90/ 92 dB( A) 580 lux 93/95 dB( A) 548 lu x Ava liação q u a lita tiva 96/ 98 dB( A) 584 lux Ava liação q u a lita t iva Ag en tes de risco Ru ído og5 eu iwn ii oe5 e u g.un ii Poe ira (serrag em) op me Ilum inação Poe ira (serrag em) Eq u ipamentos Desg ra deação de ma de ira Fresas p/ma de ira ( tup ia/g a lop a) Serras destop a de iras Áreas de tra ba lho un .:(T, c 'rTn a tu -o E a) cn o 4-, c o Z epmcied
  • 26. o O N O •TC C7) C•I O o _C ca _o o o. o c CO oa ca .c or c w c LT CAT- RELA TORIO DE AVALIAÇ ÃO AME. - OMIZZOL O 8 CIA. LTDA - M ARÇ O/2004 EPIS recom en da dos 1 o .0 3 _c o o- c r o > co o m 6 c cs, , .0 0o. 113 u cn a) E t" (13 o O 1.-. is o co o I 4-1 VI (-II — C O WO ‘.. o D a. Z u o -o 3, .0 o a c Ta .> o o 1 5 co E c o, , 4,00. cu (o u v) E 16 E o .,... ,,, -0 o co II- 4-• Lo U• .E ,2 vi, 70 nau o 3-0 -c 0 c cTu > o E "o o, .1..1 ovo a) to in E ã 0,...„-.0 o CD Ia 4- lá C..b E E 73 -o no o- o G. c u E. ,,,,, z .-..., Ava liação 94/ 96 d B( A) 520 lu x Ava liaç ão q ua lita t iva 96/ 98 d B( A) 518 lu x Ava liação q ua lita t iva 91/93 d B( A) 530 lu x Ava liação q ua lita t iva Ag en tes de risco op in a oe5 eu pun u Poe ira (serrag em) op in a oe5 eu pun g Poe ira (serrag em) Ru ído op5 einwn ii Poeira (serragem) Eq u ipamen tos o (O 0. r "0 o c 'ri E to 4- O 1- .4.-. M r Cr ra c .ri) E Lixa de ira Maclinea Áre as de tra ba lho vi :6 c ._ c c_ a) o E cu cn o .4.. c o IED 01 23!-11ni
  • 27. •■1" O) •ZI" O .0 CO 12 O "O O a3 ri C O III L_ N 121) — 2 w O cid - co (,) (7) LU ° to O ta o O et E o 110 10 f•I C4 _e0 C tl t 12 2 e cio? O w-cm g o • = o -5; • a -Do eir e.5 cn E cn o o a "O to á_ a o .2 o tu c 'tu .2 -J o E c o o o ■ C' ICS O O (N O- u 00 O O O ai 2 O O O -J E". Ag ente/r isco I LT/iorna da tra ba lho insa lu bre * tra ba lho no rma l tra ba lho norma l tra ba lho insa lu bre * tra ba lho norma l tra ba lho norma l tra ba lho insa lu bre * tra ba lho norma l tra ba lho norma l tra ba lho insa lu bre * tra ba lho norma l tra ba lho norma l (v)e P se 250 lux 'O' N ( v) e p ss 250 lux 'O' N (v)ep se 250 lux 'O' N I Lixa deira mac hnea Ru ído 85 dB( A) I lum inação 250 lux Poe ira (po de ma de ira) I N. D. Obs. : *Elidi do com a il tildar ãO rnli tinna dne FDTc opmu Ilum inação ! Poe ira (serrag em) I Ru ído i Ilum inação i Poe ira (serrag em) I op inu i Ilum inaç ão Poe ira (serrag em) I Loca l/a tiv ida de - . uesg raaeaçao de ma de ira erras destop aae iras e tresas p/ma de ira . . ylalnas P/ ma deira
  • 28. SICLAIR A OMIZZOLO Engenharia & Segurança do trabalho - (049) 224-2141 2.2.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor Medidas de proteção coletiva; Estudar a substituição dos quadros para distribuição de energia elétrica - atualmente de madeira, por caixas metálicas (prevenção de incêndio). Efetuar limpeza e sinalizar os quadros para distribuição de energia elétrica. Pintura nas cores azul/amarela - sinalização: perigo - energia elétrica. Medidas de Organização do Trahalho: Efetuar limpeza periódica e remover o acúmulo de serragem do piso. Medidas de Proterão Individual (Equipamentos de Proteção Individual): Protetor auditivo - preferencialmente do tipo concha abafadora (mais higiênico e durável). Calçado de segurança. Máscara respiratória do tipo semi fartai descartável contra poeiras incômodas (para aquelas funções exercidas junto às serras, lixadeira e plainas). Óculos de proteção contra impacto de partículas sólidas (para aquelas funções exercidas junto às serras, lixadeira e plainas). Medidas nara Manutenção do Programa: Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de EPI, para cada funcionário. Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPIs, pelos encarregados da Empresa. (Sidair nok Enfia do Se do Trabalhe CREA/88 25.748-8 LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2 O 04 28
  • 29. SICLAIR A OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 2.3 - Coladeiras 2.3.1 - Descrição sumária do ambiente - edificação: alvenaria de tijolos aparentes - cobertura: telhas de fibrocimento e telhas translácidas - piso: cimento alisado sem revestimento - iluminação natural: uma porta de acesso grande; nove janelas médias - iluminação artificial: dezesseis luminárias fiuoresc.; seis lâmpadas tipo luz mista - ventilação natural: satisfatória - ventilação artificial: --x-- - conforto térmico: adequado - equipamentos: diversas máquinas para beneficiamento de madeira. 2.3.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas Chefe de seção Os funcionários deste setor executam tarefas manuais Operador de máquinas de movimentação, classificação e empilhamento de Ajudante de produção (servente) madeira serrada. Operam serras, destopadeiras, plaina e outras máquinas p/madeira. Executam a limpeza das áreas de trabalho, bem como zelam pela conservação das máquinas e equipamentos do setor. 2.3.3 - Características da atividade predominante - tipo: muscular dinâmica - classificação: leve a moderada - gasto caloria) médio: 150 a 220 Kcal/h - postura: predominantemente em pé - pausas: existentes - turno: diurno (mat./vesp ) - emprego ferramentas manuais: --x-- - exigência cognitiva: baixa m/fooLo Ene de Se ança do Trabalho GREA ai: 25.748-8 LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMEI - OMIZZOLO CIA LTDA - MARÇO/2004 29
  • 30. o nr O to ▪ o N o T. N N o -0 to I— ▪ o o o. X O r i.% Irg —I c te O y N = E N o) 1-1 — 2 cn o O Cd ta 6 . 63 .9 ce o _c ct < J o) e r6 fn W ri o o o o rc O o6 O O N N o O o c> c UJ O c 11.1 1:C
  • 32. O —1 O O •:t cn M- O O O CD ca Eng en har ia c2 -85 LT CAT- REL A T OR IO D E A V ALI AÇ ÃO A M B. - OMI ZZ OL O & CIA. LTDA - MARÇ O/2 000 Uniform e tra ba lho Pro tetor au di tivo M áscara con t ra p ó Ca lçado seg u rança Un i form e tra ba lho Pro tetor au di t ivo Máscara con tra p ó Ca lçado seg u rança _1 Unifo rm e tra ba lho 94/ 95 dB( A) Prote tor au di tivo Ca lça do seg u rança 1 1 xn i luon PJP:KP IAI 94/ 96 d B( A) 4 18 lu x Av a liaç ão q u a li ta t iva Ag en tes de ris co oppn:i Ilum in ação ç Poe ira (serrag e m) Pu ído I lum inação Poe ira (ser rag em) op mu og5 eu nu n g Poe ira (se rrag e m ) Eq u ip ame ntos Serra destop a de ira p neu m át ica I i Se rra destop a de ira p neu m ática Il Serra destop a de ira p neu m átic a III Áreas de tra ba l ho u, w 3 u _ u o co(Jc;?d
  • 33. o O o o o o E ar O iro C C a/ L O U- W E o o r0 O E E 3 o ço c _ r0 Ti 2 o 2, i 2, 3 < o. c QJ W rdi —1 03 O 0 o E 10 .2 o (.> o o' o u o rc > 'o a 0 -/ N 9c1' (Ni C•J O O -O (11 O o O. O 10 —1 C O ‘13 11 N E N '42 2 co O O o Cl n a -J ri ti) c Lu ri
  • 34. o o ao o o -o o a- o o o o. O o -.4 -c n co o '- o < 1.1 IL. LU .0 Ln t" < ._ O ‘43 LU C 11/ EI >,.. ro o E o Ira u, a, tal a o -o -a a} -o no o c o ._ 2 5 a, ,._ a u ao 'O 10 O 1- bl. M O CI. Ti VI uo o > a, o. ,.... o ° o. ao E --- 0, ,_ ri, a, no a, > a, 3 a .n, c c a E t mi o E — .— o u o o 0.., ta -o E ro I, no u- -0 -o n's 5 o z cu u ,- , o "g o CD U 10 O CU 1- CO LCD CL " E -o o o til W3 j•n > (1) I. 1-1 M O 10 a. .. no LU o (./, 0 1-. > MI 4-' 111 . C 9- O = E o 7 C, o. Z 173 E 4./ kE, 2 c E c > o 0.1 -c, ro E ra o (1.1 -a ro ro em -o • 2 ra Cl oor CL O O C o o o .c -a - eu as - o o o O 0, ° E _1 c o co N • cn — a) 2 a, -o O od O ni te <1 • "O -c O • zra (-) 0') ra ti ui J,im ite n iexnes icão * Ace ta to de p o liv in ila '1E E Hidróx ido de &n ôn io o o o Su lfa to de am ôn ia O O á- L. O c'D E E o =9 " E 2 g (T, o o tt.. - o 0, 5 - 1, 0 mg/m 3 •• .r2 O o C C1 C O C 'E To u c c <c o ai O E '5 11- o a cu fo ru .z -5 E E := ° "O ln O 'E no o o. re • C CL 03 RI Cl ▪ / C 013 L- 11.1 "O O 0.1 CU É Zi O "8 ir o -J O O O n ' O o "CE et o o E o o o -o E o C "r< O 11:1 E cc
  • 35. SICLAIR A. OMIZZOLO Engenharia & Segurança do trabalho - (049) 224-2141 2.3.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor Medidas de nroterão corcovai Estudar a substituição dos quadros para distribuição de energia elétrica - atualmente de madeira, por caixas metálicas (prevenção de incêndio). Efetuar limpeza e sinalizar os quadros para distribuição de energia elétrica Pintura nas cores azul/amarela - sinalização: perigo - energia elétrica. Medidas de Organização do Trabalho: Efetuar limpeza periódica e remover o acúmulo de serragem do piso. Medidas de Prol-lata1 (Equipamentos de Proteção Individual): Protetor auditivo - preferencialmente do tipo concha abafadora (mais higiênico e durável). Calçado de segurança. Máscara respiratória do tipo semi facial descartável contra poeiras incômodas (para aquelas funções exercidas junto às serras, lixadeira e plainas). Óculos de proteção contra impacto de partículas sólidas (para aquelas funções exercidas junto às serras, lixadeira e plainas). No manuseio e aplicação de cola (máquina coladeira) usar luvas de pvc, avental e calçado impermeáveis; óculos de proteção tipo amplavisão e máscara respiratória descartável. Medidas para Manutencão do Programa: Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando danificados), registrando estas trocas em urna ficha individual de controle de entrega de EPI, para cada funcionário. Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPIs, pelos encarregados da Empresa. &cher iewOÃO Ene de Se an a do Trabalhe CRE SC 25,748-8 LiCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2004 35
  • 36. SICLAIR A. OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 2.4 - Caixaria 2.4.1 - Descrição sumária do ambiente - edificação: alvenaria de tijolos aparentes/parte barracão semi aberto - cobertura: telhas de fibrocimento e telhas translúcidas - piso: cimento alisado sem revestimento/parte em chão batido - iluminação natural: uma porta de acesso grande/seis janelas/parte semi aberta - iluminação artificial: luminárias fluorescentes/lâmpadas tipo luz mista - ventilação natural: favorecida/parte da estrutura semi aberta - ventilação artificial: --x-- - conforto térmico: variável (estrutura semi aberta) - equipamentos: diversas máquinas para beneficiamento de madeira. 2.4.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas Chefe de seção Os funcionários deste setor executam tarefas manuais Operador de máquinas de movimentação, classificação e empilhamento de Ajudante de produção (servente) madeira serrada. Operam serras, destopadeiras, plaina e outras máquinas p/madeira. Executam a limpeza das áreas de trabalho, bem como zelam pela conservação das máquinas e equipamentos do setor. (‘ 2.4.3 - Características da atividade predominante - tipo: muscular dinâmica - classificação: leve a moderada - gasto calórico médio: 150 a 220 Kcal/h - postura. predominantemente em pé - pausas: existentes - turno. diurno (mat./vesp.) - emprego ferramentas manuais: --x-- - exigência cognitiva: baixa Sidalr weolo Ene de do frabalho CREA/aC 5./48-8 LTCAT-RELATÕRIO DE AVALIAÇÃO AMEI — OMIZZOLO & CIA. LTDA — MARÇO/2004 36
  • 37. O 2 O Tu W -11 W 9 1— CO o e "0 amsç in tc:ljej -"na a Vaiti 4— ut .--. o to o t _o _.. to co O _o no m " ; I— o o o. -o a, to to O w. c O u c N en CU 4, 2 (f) o O o d 1.3h 1- 03 < c e J o () — C ai ri r- ce, o o '6- c> O O t‘t o 2 O o o
  • 39. cu c o c E Poeira (serrag em ) O ■1•0 c E Poeira (serrag em) O Poeira (serrag em) o mo c E Poe ira (serrag em) Eq uip amentos Serra circu lar destop adeira E O c 'rT) E. - Plaina Dam broz Serra fita desdobre Áreas de tra ba lho o .o E ro ✓ o • x X W ra O 17 • 17 F. C "" E o z_ o oco o Is 10- É 0 1 uo 2 2 a) c ro c cr) .uscoo rA U E Ir5 12 tu. e m. to co -o O u a; o 715 D O- -J U O o o o -c o Is o É ▪ .? o c) to _o ri=“) 41:, i_ 113 n3 C 01 a O cv ra U E l0f1-3.E0 "k1 tig 3 lg 'E .2 76 o o. _1 Z o o -o o c-c '5 a cj. .- b rc 32 m e ...)onow rn U W E O' r2 o o -o ovwun] Lb O > C 1- .113 D a_ U O 2. u, -C o 45 0. c ro.komm -O u L° ro E sr5 • 2 "2 o „„o 2 2 o u u, ro ; c = co 41ã 1 2 F co o X • r- u • rc 1 inu up o tal ra ru 0:1 "O cn 1.0 cn o L.n u-) O O ■113 .> — > < çr r no on cn o Lr) o o .> L.> = > ° < o- 94/96 dB( A) o Lr) O IM 719 .> t> CO •D > M < Cr = mC ro -o co to cn o o o ao .> un ru to rTa = > ° • cr o o te O O 2 O cr7 xc O O CD '14" O CU .0 F— o O c° c> — I c O ro N • W O co O ca • ta r), ` '"m—C —I ci EC) PDPC194
  • 40. o o N o :=7 CN/ "zr o o _C IT5 J2 o CO C CO 7 C4) co a> rn c o .4* ai a E E o E o. o o .c .0 o c o cu m - t■ o rO L N4 oz LTCAT- REL AT ÓRIO DE AVALIAÇ ÃO AMB. - OMIZ ZOLO & CIA. LTDA - MA RÇ O/2004 EPIs recome n da dos Un i forme tra ba lho Luvas rasp a couro Ca lça do seg urança Un i forme tra ba lho Protetor a u dit ivo * Luvas rasp a couro Ca lç a do seg uranç a Un iforme tra ba lho Prote tor a u ditivo Luvas rasp a couro M áscara c on tra p ó Ca lça do seg uranç a seg uranç a oe5 e lieny 81/ 8 3 dB( A) xn i O @ Observar q uan do da a bertura das estu fas, a ox ig enação p rév ia do loca l 80/ 8 1 dB( A) 75 0 lux 93/ 9 5 dB( A) xn i OSL Ava liação q ua lita tiva 94/9 6 dB( A) 75 0 lux Ag en te s de risco oe 5e u ¡w m t Estu fas ( in terno ) Temp era tu ra - 80 °C Um i da de - 75/ 95 Wo opirnd o e5 e u itun ii i Ru ído I lum inação Poe ira (serrag em) opin a Ilum inaç ão Eq u ip ame n tos Estu fas p/secag e m ma de ira Gra deação de m a de ira Serra c ircu lar de s top a de ira Emp i lha de ira Ma rcop lan Áreas de tra ba lho o nu ,.... o e o o. x Lu — --... o n3 :,-, c (.7, cu O x a o -o u — ieaoi espq?j
  • 41. O ira 7 c o rT, E o c o _c tra ba lho norma l tra ba lho norma l tra ba lho norma l tra ba lho norma l tra ba lho norma l tra ba lho norma l tra ba lho norma l tra ba lho norma l o Lin <C co 10 110 C O 1— -J o o -o tra ba lho insa lu bre * tra ba lho insa lu bre * o N X o Lr/ rrt o o o Lr) o o a ▪ ) 0 1- o o O 1: "cN N s O . E -1 3 o o to .0 _ 1.-1 0 2 w eL E o 0 o u, o c o 2 ã c tu cr ... a o c o i ra o. CU O 4, < iro = _ is ai _1 P3 L> < Z O < o -0 IQ alO O Iro E 1-» o o 23 _ o , ce o E.7, o ip ,., 1— E; r° a UJ U w * tr IL < o C.) O F _i O co ro c E rv O dN to c E Poe ira (serrag em) ' o NO c E Poe ira (serrag em) 1 o c E II) o o. E -ar o o _c .o o -o O c° —Ic O rci N N o 2 u) O ca */C 1. 1:e rC -J cu C) c2 C7; -0 O o -J ro o o to Zir ro L- 0.1 CO 'CT.) -0 ro E o. to cn Pla inas p/ma de ira Estu fas p/secag em de ma de ira
  • 42. SICLAIR OMIZZOLO Engenharia & Segurança do trabalho - (049) 224-2141 2.4.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor c M_Uidas_gg_p_rot Melhorar a iluminação no corredor entre as estufas. Instalar luminárias. Instalar telas metálicas de proteção, nas polias de acionamento dos ventiladores das estufas de secagem. Na caixaria, efetuar limpeza e sinalizar os quadros para distribuição de energia elêtrica. Pintura nas cores azul/amarela - sinalização: perigo - energia elétrica. Medidas de Oroanixarão do Trabalho: Não se aplica. Medidas de Proteção Individual: (Equipamentos de Proteção Individual) Calçado de segurança, avental e luvas de raspa de couro para as atividades no interior das estufas. Calçado de segurança e luvas de raspa de couro nas atividades de gradeação de madeira. Protetor auditivo - preferencialmente do tipo concha abafadora (mais higiénico e durável). Calçado de segurança. Máscara respiratória do tipo semi facial descartável contra poeiras incomodas (para aquelas funções exercidas junto às serras e plainas). Óculos de proteção contra impacto de partículas sólidas (para aquelas funções exercidas junto às serras e plainas). Medirias oara Manutencão dn Programa • Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sernpre que necessário (quando danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de EPI, para cada funcionário. Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPIs pelos encarregados da Empresa. miceoi0 Ene de Se a do Tçabalhe CRE AG 25.748-8 LTGAT-RELATÓRIO OE AVALIAÇAO A515 OMIZZOLO GIA LTDA - MARÇO/2 O 0 4 42
  • 43. SICLAIR A OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 2.5 - Serrarias I e II 2.5.1 - Descrição sumária do ambiente - edificação: estruturas semi abertas; construções inteiramente em madeira - cobertura: chapas de alumínio (serraria II); telhas de barro (serraria I) - piso: cimento alisado sem revestimento - iluminação natural: estruturas semi abertas; quatro janelas médias - iluminação artificial: luminárias do tipo fluorescente - ventilação natural: favorecida (estruturas semi abertas) - ventilação --x-- - conforto térmico: variável (estruturas semi abertas) - equipamentos: serras para desdobre de toras de madeira. 2.5.2 - Cargos existentes e perri técnico das atividades desenvolvidas Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas Chefe da serrada Os funcionários deste setor executam tarefas manuais Operador de máquinas de movimentação, classificação e desdobre de toras Ajudante de produção (servente) de madeira. Executam o empilhamento madeira serrada e operam serras de fita, e serras destopadeiras p/madeira. Executam limpeza das áreas de trabalho, bem como conservação das máquinas e equipamen de tábuas de sen-a circular ainda, a zelam pela Isdo setor. 2.5.3 - Características da atividade predominante - tipo: muscular dinâmica - classificação: leve a moderada - gasto calórico médio: 150 a 220 Kcal/h - postura: predominantemente em pé - pausas: existentes - tumo: diurno (mat./vesP.) - emprego ferramentas manuais: - exigência cognitiva: baixa Siclair Eng. de Se CRE SC O nOla do Trabalho 25.748-8 LICAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇAO AMB OMIZZOLO CIA LIDA — MARÇO/2004 43
  • 44. r N 0> O te co o tle MI 1T ••• 1- o o O. „ o 2, .2 —I c o ta v N c N — or 2 ã 0 o o ces Ta IX o 4. — _c st < - cu c ui N O cr O O o C•1 o o C O c> -J o o 2 O ce o
  • 45. O O O .1 " •:1" C•I nt O O -C _O O "O C a) co ra c C 1°7 rnã we O O O- u. 2 O O O à O O O CC O u, O ti o to 'o É - 4 C o- w ujEwen ti i_ ro OEIE“(12° O 'O a -C o a c (73 > ra to n a I- '- in .- -4-' O ... D e cn a, e 8 al VI s- .i, M 1:' 2 4. j a, vm u, ^3 E e ..,,, 7, o. z u Un iform e tra ba l ho Prote tor au dit iv o M áscara con tra p ó Ca lç a do seg u ra nç a Ava l iação 95/ 9 7 dB( A) 3 26 lux Ava l iação q ua li ta tiva 98/ 1 0 1 dB( A) 3 1 5 lu x Ava l iaç ão q ua li ta t iva Ag ente s de risco Ru ído , Ilum in ação P oeira (serrag e m ) _ opjrqj Ilum in ação Poe ira (s erragem ) Ilum in ação , Eq u ipamen tos Serra s destop a de iras Serra fita de des do bre , ,,, .0 TO .0 MI b a) o .-. tn rt) ro D O) 10 I" k l: `CC oi Ul _ 3 o 23pcipj -.I
  • 46. X 7 O X 7 o ‘D Ap licaç ão manua l 0. 0 .5 o O O O 104/ 106 dB( A) gen tes de risco o cG O ■rci o C E Eq u ipamen tos Pica dor de aparas Áreas de tra ba lho o O _1 o o 3, .c e o n 0 -Lm CD ai tg E L. „d o` m o O ai M L1... ó u• . E Tu D - 05 O is, u .óa:5 Iro 0 O MI .e ai o , 7„E> co cr u a) n s_ .,... .- (13 a., M$ fli:auf101: 0 1_CL > M 1- o i a E 2 el- ;12 c c 1_ cu a, cv -o E 7 0 o "o 1- E -o 1-....-, , ro o in c o) u -1 umo 4.. 1./ É0 M 0 •r 4 C > 1., = O U o o o o 2 C.) O o N 2 o 2 O o o c w CL () O) O O CO .0 o L- O Cri C> -I c O N N — a) E (/) O ed co to ct e -J a) („) O) (7) LI C
  • 47. o 2 -8 Fr il ..g.; .,„:a- ts . "d t5-5. O .14s3 c E Poe ira (serrag em) < < co CCI O < "O a In, X O ni O W Cr X U. CO 7 O al (13 > 0 U, 'O 0 '3' CO -0 — .-t ----- t; ni ...., o — :32 ra 'o CO On CI > CO 1-1 O -173 ri:, 00 < C3 1.0 01 , , to ti) > cn a E. 0, - e tn o -o o a m -c o c to "o > ,0 c o. o .a 'trt tu E ,_ aa o u "' E É Isd, O 01 4+ l> E 2 Ta o_ u O .0 a _C o a c > r0 -O L- t- o -6 c 0, 3 r o c, CO U E 'à 2 o ra o a) u 0 u. g 0. 2 'r i° 3 O (0 .0 -C 0 g a r0 .> CO tu .0 4-, 01 -o c o o 01 U E à o 2 4, ,,, ovou c u z O IV iro .> to 2 Lr) O 7:1 > W < g E 13 Ag entes de risco o c E o O ?CO CO c E O O -C — CO .0 O "O O Ca -) c O '13 N N cn ã w O nd to f0 CÉ ei _1 a, o (7) 0 -1 23PriVd Eq u ip amen tos Esta le iro de toras Q./ el3 aro E 3 ro O O 2 O O O c0 2 O O O O
  • 49. o o c s o cr, o 2 u I €2 X ln co o nr O ■-• a r."; 03 (4_ -, c 2 E o a a) (0 c E go O) G 01 < 'C -O o ?, ",0 1- TJ o (12 cr; a t- ai o 15 -O o -O m • 1/2 - 6 - a) cn L. o V - o E u t_ c s, a- a° -o° .0 . C o ) o O o. o i .0 '2 -o N -- - E 'a o o (c to O • O ti O : To c C CC ! o a, na < ' iO ti -° i C -O iti 1 ' r.) a., II2, < C a C O 03 F , 1- o o _1 a) ,L.1 tm L6 E k," • < : 4.) .5 a _ o O -o , c .- L1 o cd .. ..4 .c, aà E ,n2 E o _I L' o E o , r., = O N RI c O N 'o g, u _ ,2 e n; 2 c o > o u o "g i c 13 •.• , to .0 ia ai ...- a n i, c o- a 2 2 O a 4- 110 o i I G h< o w . 30 01 G G i- TO < 03 = ai na > ri cn M < m fM i > o O rO < -o "CY •-i ia o o O 30 mo X O u, u• a) a3 i'D c O 0 o < _ c ■r. W o o o o -I ,-- t° 115 1Y < 3 0 z -1 N CD o to o -o O -.I c O 2 N N co — 2 u) O ca CZ 1- ct <X c -J O 01 - c O O IM o 12. e o 10:1 .<3 ro
  • 50. SICLAIR A. OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 2.5.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor Medidas dep rotgção coletiva . Isolar o painel de disjuntores elétricos do posto de trabalho do operador da serra fita. Restringir o acesso de funcionários a este painel elétrico - periculosidade. Efetuar limpeza e sinalizar os quadros para distribuição de energia elétrica. Pintura nas cores azul/amarela - sinalização: perigo - energia elétrica. Medidas de ()ionizarão do Trabalho - Efetuar limpeza periódica e remover o acúmulo de serragem do piso. Estimular o rodízio de funcionários no serviço de banho químico p/madeira; como forma de reduzir o tempo total de exposição dos trabalhadores aos vapores tóxicos. Medidas de Pia (Equipamentos de Proteção Individual); Protetor auditivo - preferencialmente do tipo concha abafadora (mais higiênico e durável). Calçado de segurança. Máscara respiratória do tipo semi fadai descartável contra poeiras incomodas (para aquelas funções exercidas junto às serras de fita, circular e destopadeiras). óculos de proteção contra impacto de partículas sólidas (para aquelas funções exerddas Junto às serras). Na atividade de banho químico p/madeira utilizar: máscara respiratória com cartucho químico (vapores orgânicosfagrotóxicos); avental impermeável; luvas de pvc (impermeável); óculos de proteção tipo amplavisão; botas de borracha. Medidas nara ManutenrAn do Pronrama: Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando danificados), registrando estas trocas em urna ficha individual de controle de entrega de EPI, para cada funcionário. Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos E , pelos encarregados da Empresa. (Sio roin010 Eoe de nça do Trabalho CREA,,,k) 25.748-B ITCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2 O O 4 50
  • 51. SICLAIR A OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 3. - Oficina de Manutenção Mecânica 3.1 — Descrição sumária do ambiente - edificação: alvenaria; aprox. 40 m2 - cobertura: cobertura por telhas de barro e forro de madeira rebaixado - piso: cimento alisado sem revestimento - iluminação natural: duas janelas externas - iluminação artificial: duas luminárias fluorescentes - ventilação natural: favorável - ventilação --x-- - conforto térmico: adequado - equipamentos utilizados: esmeril, furadeira, bomba o/lubrificação, equipamentos para solda, ferramentas em geral, peças mecânicas de reposição. 3.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas Mecanico O funcionário envolvido nesta atividade efetua serviços gerais de manutenção mecânica e lubrificação de máquinas e veículos. Executa ainda serviços de solda elétrica e oxiacetileno. 3.3 - Características da atividade predominante - dpo: muscular dinâmica - classificação: moderada - gasto calórico médio: 220 Kcal/h - postura• predominantemente em pé - pausas: existentes - turno: diurno (mat./vesp ) - emprego ferramentas manuais: chaves, ferramentas de mecânica, alavancas - exigência cognitiva: baixa 3.4 - Mensuração dos agentes de risco existentes - ruído: Geral (áreas de produção) 91/102 d8(A) Oficina/bancada de trabalho 83/84 dB(A) Oficina/esmeril 89/91 de(A) Rampa lavação/bomba de água 86/88 dB(A) - iluminamento: Geral/bancada - 310/330 lux - umidade: --x-- - poeiras: --x-- - produtos quírnicos: limpeza de peças com solventes (hidrocarbonetos) e detergentes quimicos - gases e vapores: fumos metálicos nos serviços de solda - radiações não ionizantes: serviços de solda elétrica - vibrações: --x-- - outros' riscos de addentes nas atividades de mecânica Siclair indo FAO de Se ça da trabalha CREA 4C 25.748-8 ITCAT-RELATORIO DE AVALIAÇAO AMEI. - OMIZZOLO CIA. LTDA - MARÇO/2004 51
  • 52. SICLAIR A OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 3.5 - Avaliação técnica da exposição a riscos Agente/risco Local/atividade LTflornada Conclusão Ruído 1'2 Mecânica 85 dB(A) trabalho insalubre* Óleos e graxas derivados de hidrocarbonetos Mecânica/limp. de peças Não definido (qualitativo) trabalho insalubre* Fumos metálicos oriundos de serviços de solda Solda elétrica/oxiacetileno 10/23 mg/m3 trabalho insalubre* Obs.: * Elidido com a utilização continua dos EPIs equeridos p/função (item 3.6). 3.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor piesuRstr pjgu. Remover o estoque de produtos inflamáveis e/ou combustíveis existentes na oficina. Preferencialmente armazená-los em um local externo e com boa ventilação exaustora (diluição vapores inflamáveis). Sinalizar externamente o depósito e restringir o acesso de funcionários ao local (periculosidade). rsedidasdpsig r anizarâo do Trabalho: Sempre que possível realizar os serviços de soldagem em locais abertos, onde a dissipação dos gases tóxicos pode ser facilitada. Medidas de Proteção Individual (Equipamentos de Proteção Individual) Equipamentos de uso obrigatório nas atividades de mecânica industrial: - macacão ou vestimenta com mangas compridas. - protetor auricular do tipo concha abafadora, quando realizando trabalhos em locais ruidosos (áreas de produção). - luvas impermeáveis ou creme de proteção tipo óleo resistente, nos serviços de lubrificação, limpeza de peças ou que envolvam contato com solventes, óleos ou graxas. - óculos de proteção contra impacto de partículas, nos serviços com ferramentas manuais (esmeril, lixadeira, furadeira, etc...). - calçado impermeável. Equipamentos de uso obrigatório nas atividades de soldador: - macacão ou vestimenta com mangas compridas. - protetor auricular do tipo plug de inserção, quando realizando trabalhos em locais ruidosos (áreas de produção). - protetor facial (máscara de solda) com visor-filtro p/radiações ultravioleta. - máscara respiratória descartável p/fumos metálicos (usar sob o protetor fada /ceda 6 Ete iCiader do Trabalho CRE IaC 253L8-8 - calçado impermeável. LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AM6 OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2004 52
  • 53. SICLAIR A' OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Medidas para Manutenção do Proarama: Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de EPI, para cada funcionário. Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPIs pelos encarregados da empresa, (.51clalr O Miolo NO de S do Trabalho CRE 25.748-8 LTCAT-RELAIÕRIO DE AVALIAÇÃO AMB — ONDZZOLO CIA LEDA — MARÇO/2004 53
  • 54. SICLAIR A OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 SOLDA ELÉTRICA (ARCO VOLTAICA) Nos processos de soldagem (solda elétrica e oxiacetileno), diversos gases e vapores se desprendem, sendo que sua origem é devida a uma fonte de calor intensa e conseqüentemente a volatilização quando os metais são fundidas. Durante a soldagem, poderá haver o desprendimento de gases tais como: - Ozônio (03) - Monóxido de carbono (CO) - Dióxido de carbono (CO7) - Dióxido de nitrogênio (NO2) - Gases nitrosos (NO + NO2) Também pode ocorrer desprendimento de fumos metálicos, os quais consistem basicamente do material a ser soldado e do tipo de eletrodo empregado. Normalmente tem em sua composição: - Óxidos ferrosos (Fe203) - Manganès (Mn) - Cobre (Cu) - Chumbo (Pb), entre outros. Aspectos toxicologices dos agentes químicos liberados nas operações de soldagem: Dióxido de Nitrogênio (N07) O limite de tolerância é de 4 ppm sendo igual ao valor teto estabelecido. Havendo risco grave e eminente quando ultrapassado esse valor. O NO7, quando inalado, tende a reagir com a água existente nas vias respiratórias para formar ácido nítrico. Como o dióxido de nitrogênio tem baixa solubilidade, ele causa leve irritação das membranas mucosas das vias respiratórias superiores, concentrando sua ação principalmente sobre os pulmões. Por não causar grande irritação no nariz e na garganta não possibilita que os trabalhadores se a percebam da concentração prejudicial. Os efeitos principais da exposição severa ao NO7 s'ão, leve irritação na garganta e brânquias e edema pulmonar, que pode ser fatal. Como efeito secundário pode causar dilatação arterial com conseqüente queda de pressão sanguinária e dor de cabeça. Exposição repetidas a baixas concentrações, podem originar uma intoxicação crônica com sintomas de tosse, dor de cabeça, perda de apetite, corrosão nos dentes e perda da força muscular. Poucos minutos de exposição a concentrações de 200 a 700 ppm causam ave dano pulmonar, podendo ser fatal após 5 a 8 horas de exposição. &dai oweede Ene de nça Trabalha CREA/4C 25.748-8 LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO CIA LTDA - MARÇO/2 O 04 5 4
  • 55. SICLAIR A. OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Monóx0o de Carbono (CO) O limite de tolerância é de 39 ppm e o valor máximo e de 59 ppm, havendo quando ultrapassando o limite de máximo risco grave e iminente. Este gás é absorvido através dos pulmões, entrando na corrente sangüínea da mesma maneira que o oxigênio. O monóxido de carbono tem grande afinidade pela hemoglobina, aproximadamente 300 vezes maior que o oxigênio, o que leva a formação de carboxihemoglobina, podendo resultar em asfixia química. A intoxicação aguda por monóxido de carbono manifesta-se por um mal estar geral, com vertigens e cefaléia. As vezes observa-se um estado de embriagues, com náuseas e vômitos, em outros casos há transtornos psíquicos com confusão mental Posteriormente aparece um torpor progressivo, com diminuição de força muscular, que pode levar ao coma devendo-se tratar com urgência para prevenir o colapso. O diagnóstico da intoxicação crônica é mais dificil. É caracterizado pelo surgimento de cefaléia, vertigens, astenia, associados a transtornos digestivos (náuseas e vômitos). Dióxido de Carhono (CO3) Também chamado gás carbônico. O limite de tolerância é de 3.900 ppm e o valor máximo de 4.290 ppm, havendo risco grave e iminente quando ultrapassado o valor máximo. Concentrações de 10% (100.000 ppm) podem causar perda de consciência e morte por deficiência de oxigênio. A concentração de 5% pode produzir respiração ofegante e dor de cabeça. Exposição continua a 1,5% (15.000 ppm) de gás carbônico pode causar mudanças em alguns processos fisiológicos. Os sinais e sintomas de intoxicação por gás carbônico são aqueles que procedem a asfixia, Isto é, dor de cabeça, vertigens, respiração ofegante, fraqueza muscular, sonolência e zumbido nos ouvidos. Ozônio (03) O limite de tolerância é de 0,08 ppm e o valor máximo 0,24 ppm, havendo risco grave e iminente quando ultrapassado o valor máximo. A ação do ozônio é variável segundo a concentração do gás, a duração de exposição e o grau de atividade física durante a exposição. Porém os gases de ozônio são particularmente irritantes para o sistema re ratório e para as mucosas oculares. ól ONseolo hl? de ça do Trabalho CR '25.748-B LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AM8 OMIZZOLO & DIA. LTDA — MARÇO/2 O 04 55
  • 56. SICLAIR A OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 SOLDA OXIACEttLENO Embora n'ão produza altas concentrações de fumos metálicos como o processo a arco elétrico, o processo oxiacetilênico também libera fumos, conseqüentes da condensação de vapores da fusão, que, associados aos gases de combustão (CO e CO2) e a fosfina, além de outros gases que são comumente encontrados como impurezas no acetileno, podem causar lesões e irritações ao aparelho respiratório do soldador e de seu auxiliares, principalmente quando se trabalha no interior de ambientes confinados, sem ventilação exaustora adequada ejou proteção respiratória eficaz (máscara respiratória). Além de se proceder a exames de reconhecimento do local (vendlação natural), deve-se avaliar a concentração dos contaminantes atmosférico e compaá-los com os limites de tolerância estabelecidos para cada substância tóxica. Para cada caso específico, com base no procedimento adma delineado, podem ser empregadas técnicas de ventilação diluidora ou exaustora, associadas a utilização de máscaras providas de filtros químicos, se estas se fizerem necessárias como equipamento complementar ou de utilização provisória. Na regulagem da chama, quando se deseja variar a quantidade relativa entre o oxigênio e o acetileno, necessária a manutenção da chama, a manipulação incorreta das válvulas do maçarico pode originar certo perigo Dessa forma, se uma ou ambas as válvulas forem abertas repentinamente, uma série de riscos será criada em razão da possibilidade de ocorrer o retrocesso de chama, ou até mesmo, de explosão, como conseqüência de um ambiente inundado com a mistura acetileno-oxigênio. Deve-se manipular as válvulas do maçarico cuidadosamente, devagar, uma de cada vez, observando sempre o comportamento da chama corresponde e o efeito desejado C.om a correta regulagem da chama, é possível obter grande quantidade de calor, alcançando-se dessa forma a temperatura máxima que o sistema pode fornecer. Isto, porém apesar de desejável, pode aumentar de maneira significativa o risco de queimaduras ao menor contato acidental com a mesma. Portanto além do treinamento prévio do soldador, todo o cuidado e atenção no trabalho a ser executado é requerida. Recomendações de Proteção ri/os Serviços de Soldagem Ernpresas que utilizam com freqüência equipamentos para soldagem de metais, devern procurar atender os seguintes requisitos: - Sempre que possível realizar os serviços de soldagem ern locais a céu aberto, onde a dissipação dos gases é facilitada. - Obter uma adequada ventilação geral exaustora nos locais de soldagem internos, através da abertura de portas e janelas eventualmente existentes nestes locais ou ainda com a instalação de dispositivos movimentadores de ar (exaustores) e coletores (coifas, chaminés, etc...). - Fornecer aos funcionários envolvidos no processo (soldador e ajudantes), másca as de solda com lentes cor verde (contra radiação) e máscaras respiratórias semi-facia corn carvão ativado (contra gases e fumos tóxicos), além dos demais EPIs requeridos ( vas e avental de raspa, botina de segurança, etc..). (Sidalr Offileeolo Ene de Seg ça Trabalha CREA ,ae 25.748-8 11-CAI-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB O IZZOLO CIA LTDA - MARÇO/2004 56
  • 57. &ciar bei de Sag CRER )iffbzw)io do rrabaillo 25,748-8 SICLAIR A ' OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 4.- Caldeira de vapor 4.1 - Descrição sumária do ambiente - edificação: estrutura pré-moldada em concreto; alvenaria de tijolos - cobertura: telhas de fibrocimento e telhas translUddas - piso: cimento s/revestimento - iluminação natural: luz do dia/aberturas na estrutura - iluminação artificial: quatro luminárias do tipo incandescentes (luz mista) - ventilação natural: satisfatória - ventilação artificial: --x-- - conforto térmico: variável em função da temp. ambiente; ambiente com carga térmica significativa (calor radiante) - equipamentos: caldeira de vapor tipo fiamotubular, reservatório de água (3.000 litros), exaustor de tiragem de fumaça/particulado, tubulação de vapor Características construtivas da caldeira: Tipo Combustível Prod. vapor Pressão operação Pressão teste Flamotubular (Beneck - 1994) lenha 5 ton/hora (a) 10 kgf/cm2 (b) 6,1 kgf/cm2 15 kgf/cm2 Obs.: (a) - Pressão máxima admitida para operação normal. (b) - Pressão de operação ve ificada no momento da inspeção. 4.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas Operador de caldeira de O funcionário que trabalha neste local opera caldeira de vapor 1 geração de vapor, através de painel de comando, controlando a alimentação de água, geração e distribuição de vapor para as estufas de secagem, Controla o funcionamento da caldeira, ligando e desligando motores e bombas; regulando e anotando pressões e temperaturas. Realiza o abastecimento manual da fornalha com lenha, visando manter estáveis a temperatura e o nível de formação de vapor. Realiza periodicamente a limpeza da caldeira, grades e grelhas da fornalha, bem como a retirada da fuligem e cinzas acumulados em seu interior. Obs 1- Trabalho em turno de 6 horas/diárias. 2- O controle e dosagem de produtos químicos, necessários ao tratamento água consumida na caldeira é realizado diariamente pelo encarregado do almoxarifad com o acompanhamento do operador da caldeira. LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO 8 CIA. LTDA.- MARÇOI20 O 4 57
  • 58. SICLAIR A' OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 4.3 - Características da atividade predominante - tipo: muscular dinâmica - classificação: moderada - gasto calérico médio: 220 Kcal/h - postura: alternada em pé/sentado - pausas: existentes - turno: rotativo de 6 horas/diárias (mat./vesp./noturno) - emprego ferramentas manuais: --x-- - exigência cognitiva: baixa - Obs.: abertura das válvulas de segurança para teste - 1 vez/semana 4.4 - Mensuração dos agentes de risco existentes - ruído: ver quadro a seguir - iluminamento: ver quadro a seguir - umidade: --x- - poeiras: particulado em suspensão (fuligem da queima de madeira) - produtos químicos: álcalis cáusticos (tratamento de água da caldeira); gases oriundos da queima de madeira (CO/CO2) - radiações não ionizantes: infravermelho (abertura da formalha) - vibrações: --x-- - outros. queimaduras com vapor e/ou água quente; carga térmica na retirada de fuligem (porão da caldeira) Local/Área de trabalho Atividade Agentes de risco Avaliação EPIs recomendados Ca lde ira de vap or Con trole e op e raç ão da ca lde ira Ruído - caldeira/fornalha - painel operação 76/78 dB(A) 74/76 dB(A) 1 I Conforme item 4. 6 Iluminação - caldeira/fornalha - painel de operação 245/285 lux 268 lux Temperatura - em frente à fornalha - lateral/painel operação IBUTG = 28,2 IBUTG -= 26,4 Fuligem/particulado Menor que 20 mg/m2 (processo gravimétrico de deposição natural) Szeolo Ene de S do Trabalho GREA1aG 25.748-8 LTCAT-RELATÓRIO GE AVALIAÇÃO AMB — OMIZZOLO & CIA LTGA — MARÇOI2 G O 4 58
  • 59. SICLAIR OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 4.5 - Avaliação técnica da exposição a riscos l Local/atividade Agente/risco LT/jornada Condusão Ca lde ira de vap or i Operação da caldeira Ruido 85 dB(A) trabalho normal Iluminação 250 lux trabalho normal Temperatura 25,0° IBUTG trabalho insalubre Rad. não ionizante N.D. trabalho insalubre* Fuligem/particulado 15 mg/m ** trabalho insalubre* Gases/vapores (CO2) 7o20 moiro) (Co) 43 mg/m1 trabalho insalubre* Tratamento de água Álcalis cáusticos Conforme listagem anexa trabalho insalubre* Nota : * Insalubridade elidida com a utilização contínua dos EPI's recomendados no Item 4.6 (exceto aquele negritado). LT - conforme parâmetros da NR-15, Portaria 3.214/78 (** fuligem/particulado - conforme LT/OSHA/86). N.D. - Limite de tolerância não definido - avaliação qualitativa Radiação não ionizantes - inflavermelho (abertura fornalha). 4.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor nea Instalar sistema de iluminação de emergência nas dependências da casa de caldeira. Recomenda-se estudar a viabilidade de instalação de um exaustor eólico sobre o teto da casa de caldeiras, a fim de remover a concentração de particulado (fuligem) e gases (CO; CO2). Orientar os funcionários do setor sobre a forma correta de movimentação manual de cargas e levantamento de peso, principalmente referente às atividades de limpeza da fornalha (remoção de fuligem). Instalar placa de sinalização de alerta (perigo - descarga de vapor superaguecld na saída das canalizações de descarga de vapor da caldeira (descarga das válvul de segurança). Medidas de Organizarão do Trabalho: Não se aplica. mnolo Enga de Se urança do Trabalho CREA/aC 25.748-8 LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMB OMIZZOLO CIA LTDA - MARÇO/2004 59
  • 60. SICLAIR A' OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 Medidas de Pr teçãoIndividual (Equipamentos de Proteção Individual) Avental e luvas de raspa de couro. Óculos de proteção com lentes verde escuro (contra radiação infravermelho na abertura da fornalha). Calçado impermeável. Máscara semi facial descartável revestida com carvão ativado, para os trabalhos de remoção de cinzas e limpeza do poria da caldeira. Máscara semi facial descartável revestida com carvão ativado, para os trabalhos que envolvam a manipulação dos produtos voláteis utilizados no tratamento de água das caldeiras. Óculos de proteção tipo amplavisão, luvas de pvc/hexanol ou raspa de couro em todos os trabalhos que envolvam produtos químicos (tratamento d'água). Uniforme de trabalho Protetor auditivo - próximo ao exaustor de fumaça (tiragem). Medidas nara Manutencão do Programa: Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de EPI, para cada funcionário. Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPIgI pelos encarregados da empresa. <Slciair Indo Ene de Se n a do frabalho CREA C 25.748-8 LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB — OMIZZOLO & CIA. LIDA — MARÇO/2 004 60
  • 61. o > -o tn ro o.) u r° ro s_ -o c (1) E 4.J O c Lr) o -o .— 7 8 E o- u) o 7 O L. Cl. 1:2I O cu O "E"' O É C O > . IIIII<o E c u° c 3 c P3 C O a, i- o c o o o I.9 11111112r3 O C 0. fp r e VE u• o Po O -0 C c 5 -o 2. Th i .cl) n o. ui o U O) O Cr/ E ',15 ,.. R, ui, _i CO O e la ll O -0 3 C) F- , O E -C (..1: 1 d . É. a :: Lo a a) O t- a) "O CI) -o 4_, o fo E 0.) cù o ta V) O O C -0 • CI) o. E u, --- o a CD 19 • u L- 2) , c cu u in c m O O CD R■ -o E .grE oo cu o CCP VI > LIN , M O CO 45 , ta, 3 • C..0 M 0 — E > E 1.. 7 C O. r 0. O CO O) .L1 04- 0 'O C E ai u, , ,o w , _o 5 (-7- E o = a- o ro ..-, u o o 5 O .0 , In w "O ri L- 0 ij z cig a a w t -0 o > o o -o cl tu --. c -ro u 1.. rt, -o u o. .,i, o s_ CO 0 à- 1113 CU 7.-- L. .a_, -5MUP[13 7 o 2 a _ -o C I .5 uf e cr 4.. 1. V) Lu in >. a Clii5 E .0) I ro t o? -g O- u 2 - - O O2-O•c2cO(.1. O I- < - J Ce 1.- nr CY) O O co .0 a_ O "O O (15 , 1 C O CD L- M = N o a (/) O ce ci o Ce FT) 111 =
  • 62. álclair Inato Ene/ de Se inça do i emalha CREA C 25.748-8 SICLAIR A.OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 5. - Estufas de secagem de madeira e depósitos 5.1 - Descrição sumária dos ambientes - edificações: estrutura pré-moldado de concreto semi aberta - cobertura: chapas de alumínio - piso: chão batido (depósito); cimento alisado (estufas) - iluminação natural: luz do dia/aberturas acesso ao barracão/estrutura semi aberta - iluminação artificial: luminárias do tipo incandescentes (luz mista) - ventilação natural: favorecida (estrutura semi aberta) - ventilação artificial: --x-- - conforto térmico: variável (estrutura semi aberta) - equipamentos: três estufas a vapor; vagonetes p/madeira 5.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas . Chefe do setor Os funcionários que trabalham neste setor efetuam a Ajudante de produção colocação e retirada de tábuas de madeira no interior das (Servente) estufas de secagem, com o auxílio de máquinas empilhadeiras e de vagonetes instalados sobre trilhos. O encarregado pelo setor controla o funcionamento das estufas de secagem, ligando e desligando motores e ven- tiladores; regulando e registrando as temperaturas atingidas. 5.3 - Características da atividade predominante - tipo: muscular dinâmica - classificação: moderada - gasto calórico médio: 220 Kcal/h - postura: predominantemente em pé - pausas: existentes - turno: diurno (mat./vesp.) - emprego ferramentas manuais -- - exigência cognitiva: baixa 5.4 - Mensuração dos agentes de risco existentes - ruído: estufas/depósitos - inferior a 80 dB(A) - iluminamento: corredor entre estufas - 140/212 lux depósito madeira - 223/434 lux - umidade: parte Interna das estufas - atmosfera saturada (ambiente controlado) - poeiras: --x-- - produtos químicos: - radiações não ionizantes: --x-- - vibrações: --x-- LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB. — OMIZZOLO & CIA. LIDA — MARÇO/2004 6 2
  • 63. SICLAIR A.OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 5.5 - Avaliação técnica da exposição a riscos Agente/risco Local/atividade LT/jornada Conclusão Ruído Estufas 85 dB(A) trabalho normal Depósitos 85 dB(A) trabalho normal Duminamento Estufas 50 lux trabalho normal Depósitos 150 lux trabalho normal Temperatura Umidade Estufas (interno) Temperatura - 80°C Umidade - 75(95 % Não há trabalho no local Observar quando da abertura das estufas, a oxigenação prévia do local 5.6 - Medidas de Controle Recomendadas para este setor Medidas de nroterão coletiva • Melhorar a Iluminação natural no corredor entre as estufar. Substituir algumas telhas de fibrocimento, por telhas translúcidas. Sinalizar a área com placas de advertência (ATENÇÃO - TRÂNSITO DE EMPILHADEIRA). Medidas de Organizarão do Trabalho: Não se aplica. Medidas de Proteção Individual (Equipamentos de Proteção Individual) Calçado de segurança, avental e luvas de raspa de couro para as atividades no interior das estufas. Calçado de segurança, capacete e luvas de raspa de couro nas demais atividades. Medidas oara Manutenção do Programa: Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de EPI, para cada funcionário. Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPIs, pelos encarregados da empresa. (Sklalr inalo Ene de Se a a do Trabalho CRE C 25.748-8 ISÇCAT-RELATC)R10 DE AVALIAÇÃO AMB. — OMIZZOLO 4 CIA. LTDA — MARÇO/2004 63
  • 64. SICLAIR A' OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalhe - (049) 224-2141 6. — Pátio de madeiras 6.1 - Descrição sumária do ambiente - edificações: trabalho a céu aberto - cobertura: trabalho a céu aberto - piso: chão batido - iluminação natural: luz do dia/trabalho a céu aberto - iluminação artificial: --x-- - ventilação natural: trabalho a céu aberto - ventilação artificial: --x-- - conforto térmico: variável em razão das condições climáticas reinantes 6.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas Caroos/funcões existentes Atividades desenvolvidas Operador de empilhadeira Os funcionários empregados nos setores de produção Ajudante de produção executam atividades braçais relacionadas com a (Servente) movimentação de madeira serrada, classificação, gradeação e arrnazenamento nos barracões para depósito e também ao longo do pátio interno da empresa. Auxiliam ainda na colocação e retirada de madeira do interior das estufas de secagem. 6.3 - Características da atividade predominante - tipo: muscular dinâmica - classificação: moderada - gasto calOrico médio: 220 Kcal/h - postura: predominantemente em pé - pausas: existentes - turno: diurno OnatIvesp ) - exigência cognitiva: baixa (Watt noio Eng2 de Se o Trabalho ORE G 25.748-8 LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMB OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2004 64
  • 65. o o N N 2 o Á VJ •ol" o o -c — CO -O CO o CO C CO oe CO t.- Co -C C O) C 6.4 - Me nsuraç ão do s ag en tes de risco ex is tentes LTC AT- RE LAT ÓR I O DE AV ALI AÇ ÃO A MB. - OM IZZOL O a CI A. L TDA - MA RÇ O/ 2 004 EPI5 recomeni Un i fo rme trE Protetor a uc Luvas de ra! COB U) Ca lça do s eg Cap acete/CI pa l ha ( ins ole Un i fo rme tn Protetor auc Ca lçado s eg o wse n e A v 75/ 78 dB(A) > 1. 0 00 lux ( tra b. a céu a be rto ) Ava liação q ua li ta tiva 95/ 96 dB( A) 93/ 94 dB( A) 94/ 9 5 dB( A) (V) 9 11 96/1, 6 Ag en tes de risco opin a o e5 eLawn q Poe ira ( te rra ) 1 Ru ído - e mp. Max io n n ° 1 - e rnp. Max io n n° 2 - e mp. Max io n n ° 3 opin a Eq u ip am en tos Movim en tação de ma de ira/g ra deação Operação de emp ilha de ira s Op eração do tra tor flo re sta l Va ltra /Munck Áreas de tra ba l ho Pátio/dep ós i tos Pátio/ dep ós itos /es t ufas lea o-1 saPaPew ap 0 P?cl
  • 66. . ol ‘43 -€4-g 6c u E o c O C Cl O ro o ta .0 z .1" o o O IJ .0 4E' CO O .0 CO O O 6. HZ ro .21 O o 'O O. k O 0. ° —.I C 10 O CO 1 • -■ u N .2 CD ã 2 O co o U. „. .117 Lr. "gi > c c w) I C 111 C.7) UJ CO cel ir O 1.5 O O O co O h< > o o o cr 12-
  • 67. SICLAIR OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 6.6 - Medidas de Controle Recomendadas para estes setores M cSg_t_ec l ro Disponibilizar protetores auditivos do tipo plug de inserção descartável. Destina-se a proteção contra o ruido excessivo, daqueles trabalhadores que eventualmente venham a trabalhar próximos da área de operação das empilhadeiras. Em relação às máquinas empilhadeiras em uso na empresa verificar a viabilidade de instalação de doto segurança, espelhos retrovisores e buzina. Certificar-se que somente o operador habilitado tenha permissão para operá-la. Qualquer outro funcionário (mesmo que em caráter temporário) somente poderá operar o equipamento, após submeter-se ao processo regular de habilitação. fiaassig_SLroani7arão do Trabalho. Conforme a Norma Regulamentadora n° 11: Os operadores de equipamentos de transporte motorizado deverão ser habilitados e só poderão dirigir se durante o horário de trabalho portarem um cartão de identificação, com o nome e fotografia, em lugar visível (crachá). No verso deverá constar por escrito a autorização da empresa para operar o equipamento (empilhadeira). O cartão terá a validade de 1 (um) ano e para sua revalidação, o empregado deverá passar por exame de saúde completo (inclusive de acuidade visual). Medidas de Proterão Individual: (Equipamentos de Proteção Individual) Equipamentos de uso geral no pátio: uniforme, luvas de raspa de couro, capacete de segurança ou chapéu de palha e calçado de segurança. Operador de empilhadeira - protetor auditivo - uso obrigatório em serviço. Operador de trator floresta Munck - protetor auditivo - uso obrigatório em serviço. Medidas para Manutenção do Programa: Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de EPI, para cada funcionário. Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos E , pelos encarregados da ernpresa. 61clair >4 Oerlecoio EAge de Se o Trabalho CREA 25.748-8 LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇAO AMB OMIZZOLO & CIA LTDA — MARÇO/2004 67
  • 68. SICLAIR OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 7. - Afiação de serras p/madeira 7.1 - Descrição sumária do ambiente - edificação: alvenaria de tijolos aparente - cobertura: telhas de fibrocimento e telhas translúcidas - piso: tábuas de madeira - iluminação natural: luz do dia/quatro janelas externas - iluminação artificial: luminárias do tipo fluorescente - ventilação natural: adequada - ventilação artificial: --x-- - conforto térmico: adequado - equipamentos existentes: forja, torno afiador, esmeril, rebolo 7.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas Afiador de serras Ajudante de afiação Os funcionários empregados nesta atividade executam a afiação e recuperação das serras p/madeira utilizadas nos diversos setores da empresa. Auxiliam também na colocação, retirada e ajuste das serras nas máquinas para corte de madeira. 7.3 - Características da atividade predominante - tipo: muscular dinâmica - classificação: leve a moderada - gasto calórico médio: 150 a 220 Kcal/h - postura. predominantemente em pé - pausas: existentes - turno: diurno (mat./vesp.) - exigência cognitiva: baixa (51Cligh wheetrIO heti() ano do Trabalho CREA C 25,748-8 LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2 004 68
  • 69. O O 2 O (7) •rt O -C —cc3 L. o -o c.> c 03 -C C O C ad O O 2 c 173 03 O 103 03 7 C E nt re. o • f• L-03 N: j5 ce 40 47 o o re o o O cr3 . ct O (), O - Cr O Cr .... B Ill O O O c), 203 .0 o "O c ln 43 > i' O O .22 _O - .0 o 1- o 03 :i5 V) I- 4.4 1- z s_ ro wo o. o to o a) co -o 5 E 16-0 o u c_ .1.k -0 V) 42 si ra w e a _o o ` 3 ° " n eL o uc 01111 84/ 86 dB(A) xm Ava liação q ua lita t iva ] 85/87 dB( A) 438 lux Ag entes de risco rorno lam ina dor (a fiação) r Áreas de tra ba l ho reo cri
  • 70. o o o C> o o O O N oO et O o o O o 2 o o _o o O o, c o N N — 2 O 0,5 co — .c et e -J — c0 o ra o na o o o. o ra C u o o. to
  • 71. SICLAIR A. OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 7.6 - Medidas de Controle Recomendadas para estes setores Medidas de proteção coletiva: Revisar as máquinas e instalar grades metálicas de proteção nas correias e polias de transmissão de força. Medidas de Organização do Trabalho: Não se aplica Medidas de Proter'ão Individual: (Equipamentos de Proteção Individual) Uniforme de trabalho. Luvas de raspa de couro. Calçado de segurança. Protetor auditivo - uso obrigatório nos serviços com máquinas. Óculos de proteção contra impacto de partículas sólidas (esmeril). IvagarAM t rfl Substituir regularmente os EPIS recomendados ou sempre que necessário (quando danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de EPI, para cada funcionário. Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPIs, pelos encarregados da empresa. Owiecolo Efte de S Trabalha CR 48-8 ITCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇA0 AMB - OMIZZOLO & CIA. LTOA - MARÇO/2004 71
  • 72. SICLAIR A OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 8. - Depósitos e expedição de madeiras 8.1 - Descrição sumária do ambiente - edificações: estruturas pré-moldadas do tipo semi aberta - cobertura: telhas de zinco - piso: chão batido - iluminação natural: luz do dia/estrutura semi aberta - iluminação artificial: --x-- - ventilação natural: favorecida (semi aberto) - ventilação artificial: --x-- - conforto térmico: variável em razão das condições climáticas reinantes 8.2 - Cargos existentes e perfil técnico das atividades desenvolvidas Cargos/funções existentes Atividades desenvolvidas Operador de empilhadeira Ajudante de produção (Servente) Os funcionários empregados nos setores de produção executam atividades braçais relacionadas com a movimentação e armazenamento de madeira nos barracões para depósito. 8.3 - Características da atividade predominante - tipo: muscular dinâmica - classificação: moderada - gasto calórico médio: 220 Kcal/h - postura: predominantemente em pé - pausas: existentes - turno: diurno (mat./vesp.) - exigência cognitiva: baixa t5lCia min010 Eng de S Ufana frabalho CR /SC 25.74B-8 LTCAT-RELATORIO DE AVALIAÇÃO AMB. - OMIZZ0L0 8, CIA. LTDA - MARÇO/2004 72
  • 73. o j, Z o 1:3 c TO .> _o Z o. L- m ‘i5 - n c"-o 4-, • I- CU O tn Lc` E O 'a ti c u 4-• O O 1.0 4- C 1- > C à_ 7 o 'u (U CL-1Ul.)U0 o co -o c a- o, LU E o X O 7 O .0 o E A o O n3 > I.> O MI CD — > < j 75/ 78 dB( A) Ag entes de risc O ICZ 113 c E ri) O Eq u ipamen tos (I) O O C '19 U m E -1-• = C afr E t. .; -0 o co z c'-o- E Areas de tra ba lho sai/apeai ap sol/soda° To o -Á xl• O) O O -O O 10 O C> -.I c O cri N N o co o ca X ca '== cu c (7) 8. 4 - Mens uração do s ag en tes de risco existentes r- LTC AT- R EL AT OR IO DE AVAL IAÇ ÃO AM B. OMI ZZ OLO & C IA. LTDA - MARÇ O/2004
  • 74. SICLAIR A ' OMIZZOLO Engenharia & Segurança do Trabalho - (049) 224-2141 8.6 - Medidas de Controle Recomendadas para estes setores Medidas de oroterão coletiva: Disponibilizar protetores auditivos do tipo plug de inserção descartável. Destina-se a proteção contra o ruído excessivo, daqueles trabalhadores que eventualmente venham a trabalhar próximos da área de operação das empilhadeiras. Medidas de Oroanizacão do Trabalho: Não se aplica. Medidas de Proteção Individual: (Equipamentos de Proteção Individual) Equipamentos de uso geral: uniforme, luvas de raspa de couro, capacete de segurança e calçado de segurança. Quando trabalhando próximo das máquinas empilhadeiras - protetor auditivo - uso obrigatório em serviço. Medidas nara Manutenrão do Programai Substituir regularmente os EPIs recomendados ou sempre que necessário (quando danificados), registrando estas trocas em uma ficha individual de controle de entrega de EPI, para cada funcionário. Acompanhamento e orientação dos funcionários quanto ao uso correto dos EPI pelos encarregados da empresa Siclier nolo Ene de a do Trabalho CRE be 25.748-B LTCAT-RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMB - OMIZZOLO & CIA. LTDA - MARÇO/2004 74