SlideShare uma empresa Scribd logo
Profa Esp. Kelly Ariane Buás Bráz
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE INFORMÁTICA. ORGANIZAÇÃO,
ARQUITETURA E COMPONENTES FUNCIONAIS (HARDWARE E
SOFTWARE) DE COMPUTADORES.
Governador Nunes Freire – Ma
2017
Profa Esp. Kelly Bráz
O computador não é um cérebro eletrônico . Ele só faz
exatamente o que lhe foi ensinado.
Os equipamentos que compõem um computador básico são:
o GABINETE, que também é chamado de TORRE, o
MONITOR, o MOUSE, a PLACA-MÃE, o PROCESSADOR,
AS MEMÓRIAS, a PLACA DE VÍDEO, o TECLADO o
WINCHESTER, que chamaremos de HD, e o DISSIPADOR
DE CALOR ou COOLER.
 O computador a GROSSO modo, não passa
de uma calculadora super-crescida que
trabalha, na verdade, com números e nada
mais.
Profa Esp. Kelly Bráz
SERVE PARA PROCESSAR UMA CERTA
QUANTIDADE DE INFORMACÕES E DAR O
RESULTADO DESTE PROCESSAMENTO DE UMA
FORMA PRÉ-DEFINIDA.
 QUEM FAZTUDO ISSO ?
Profa Esp. Kelly Bráz
PROCESSADOR
 O papel do PROCESSADOR é somente um:
pegar dados, processá-los conforme
programação anterior e descobrir o
resultado.
Profa Esp. Kelly Bráz
 A velocidade do processamento vai depender
de sua potência.
Profa Esp. Kelly Bráz
HOJE, NO MERCADO,
TEMOS DIVERSOS
MODELOS E MARCAS DE
PROCESSADORES.
 AMD FX
 Phenom e Phenom II
 Athlon 64
 Sempron
 Turion 64
 Opteron
 Core i7
 Core i5
 Core i3
 Core 2 Duo
 Core Duo
 Atom
 Pentium 4
 Pentium D e Pentium EE
 Pentium M
 Celeron
 Xeon
Profa Esp. Kelly Bráz
Profa Esp. Kelly Bráz
 DADOS: são um conjunto de valores ou
ocorrências em um estado bruto com o qual
são obtidas informações com o objetivo de
adquirir benefícios.
Profa Esp. Kelly Bráz
 ESTRUTURADOS: são dados formatados,
organizados em tabelas - linhas e colunas - e
são facilmente processados, geralmente é
utilizado um sistema gerenciador de banco
de dados para armazenar esse tipo de dado,
um exemplo são os dados gerados por
aplicações empresariais.
Profa Esp. Kelly Bráz
Profa Esp. Kelly Bráz
 não possuem uma formatação específica e
são mais difíceis de serem processados. Por
exemplo, mensagens de email, imagens,
documentos de texto, mensagens em redes
sociais
Profa Esp. Kelly Bráz
 Em informática dados brutos (raw data)
designam os dados/valores recolhidos e
estocados tal qual foram adquiridos, sem
terem sofrido o menor tratamento.
 Apresentam-se como um conjunto de
números, caracteres, imagens ou outros
dispositivos de saídas para converter
quantidades físicas em símbolos, num
sentido muito extenso.
Profa Esp. Kelly Bráz
 Corresponde à fusão do Hardware (parte
tangível) com o Software(parte intangível).
Profa Esp. Kelly Bráz
 Conjunto de dispositivos elétricoseletrônicos
que englobam a CPU, a memória e os
dispositivos de entrada  saída de um sistema de
computadores.
 Composto de objetos TANGÍVEIS circuitos
integrados, placas de circuito impresso, cabos,
fontes de alimentação, memórias, impressoras,
monitores, teclados, etc.
Profa Esp. Kelly Bráz
 Programas, instruções e tarefas executadas.
 Tudo que é INTANGÍVEL no computador.
Profa Esp. Kelly Bráz
 Ao entrar com dados no computador, ocorre
a ENTRADA DE DADOS. O hardware, por
meio de seus componentes (memória,
processador), irá processar estes dados , e
dar um retorno para o usuário através
das SAÍDAS DE INFORMAÇÕES. A partir
destas informações, o usuário adquire
o Conhecimento.
Profa Esp. Kelly Bráz
Profa Esp. Kelly Bráz
DADOS
PROCESSAMENTO
INFORMAÇÕES (RESULTADO)
 é um termo referente a um
processamento de dados que ocorre através
de um lote de tarefas enfileiradas, de modo
que o sistema operacional só processa a
próxima tarefa após o término completo da
tarefa anterior.
Profa Esp. Kelly Bráz
 Processamento em lote significa que é um
processamento seqüencial, ele só passa para
a próxima etapa depois de terminar a etapa
atual.
 O arquivo ".bat" do windows são scripts em
lotes.
 A diferença de processamento BATCH e
ON-LINE é a relação entre o
processamento e o registro.
Profa Esp. Kelly Bráz
 No processamento on-line, os registros são
feitos logo após os respectivos
processamentos.
Profa Esp. Kelly Bráz
 COMPUTADOR é uma máquina capaz de
variados tipos de tratamento automático de
informações ou processamento de dados.
 Um computador pode possuir inúmeros
atributos, dentre eles armazenamento de
dados, processamento de dados, cálculo em
grande escala, desenho industrial, tratamento
de imagens gráficas, realidade
virtual, entretenimento e cultura.
Profa Esp. Kelly Bráz
 Em geral, entende-se por
computador um sistema físico
que realiza algum tipo de
computação
Profa Esp. Kelly Bráz
 Código de MORSE - é uma bom exemplo, já
que define representações para as letras do
alfabeto a partir da combinação de dois
símbolos :
 O PONTO (representa um som curto)
 O TRAÇO (que representa um som longo)
Profa Esp. Kelly Bráz
Profa Esp. Kelly Bráz
Profa Esp. Kelly Bráz
Profa Esp. Kelly Bráz
Profa Esp. Kelly Bráz
 É uma sistema de escrita para deficientes visuais
onde cada caractere (letra ou algarismo) é
representado por um pequeno retângulo com
seis pontos, calcados ou não com um estilete,
definindo pequenos sulcos no papel.
1 2
43
5 6
Profa Esp. Kelly Bráz
 John Napier (1550-
1617), escocês inventor
dos logaritmos, também
inventou os ossos de
Napier, que eram tabelas
de multiplicação
gravadas em bastão, o
que evitava a
memorização da
tabuada.
Profa Esp. Kelly Bráz
Pascaline, máquina calculadora
feita por Blaise Pascal.
A origem da idéia de programar uma
máquina vem da necessidade de
que
as máquinas de tecer produzissem
padrões de cores diferentes.
Assim, no século XVIII foi criada uma
forma de representar os padrões em
cartões de papel perfurado, que
eram tratados manualmente.
Em 1801, Joseph Marie
Jacquard (1752-1834) inventa
um tear mecânico, com uma leitora
automática de cartões.
Profa Esp. Kelly Bráz
Réplica (parte) do Calculador
Diferencial criado por Charles
Babbage.
 Existem diferentes tipos de
computadores ...
 SUPERCOMPUTADORES: é um
computador com poder de computação
de alto especializada na realização de
operações específicas. E 'usado
principalmente na ciência.
 Tem aplicação em áreas de pesquisa que
grande quantidade de processamento se
faz necessária, como pesquisas militares,
científica, química e medicina.
Profa Esp. Kelly Bráz
Tipos de ComputadorOS COMPUTADORES SÃO CLASSIFICADOS DE ACORDO
COM SUA FINALIDADE E PORTE, E ESTÃO DIVIDIDOS NAS
SEGUINTES CATEGORIAS BÁSICAS:
PALMTOP: Como o nome diz, o palmtop
cabe na palma da mão. É o computador de
bolso
NOTEBOOK OU LAPTOP. É o
computador portátil. Os dois nomes
costumam ser usados sem distinção,
pois em geral têm os mesmos
recursos. O que os difere, portanto, é
o tamanho. Ambos são portáteis,
mas o laptop é um pouco maior em
relação ao notebook.
TABLETS: Um tablet PC ou simplesmente tablet é um
dispositivo pessoal em formato de prancheta que pode ser
usado para acesso à Internet, organização pessoal,
visualização de fotos, vídeos, leitura de livros, jornais e revistas
e para entretenimento com jogos 3D. Apresenta uma tela
touchscreen e tem como o dispositivo de entrada principal a
ponta dos dedos ou uma caneta, em vez de um teclado ou
mouse.
Exemplos: Ipad, Galaxy.
Profa Esp. Kelly Bráz
DESKTOP: ou computador de mesa. Para uso pessoal ou
trabalho. A maioria dos computadores do mundo é do tipo
desktop.
ESTAÇÃO DE TRABALHO, OU WORKSTATION:. São
computadores de mesa que são utilizados em redes de
computadores, em empresas, escolas etc.
SERVIDOR DE REDE: computadores que trabalham em redes
prestando serviços aos usuários. Ex: servidor de impressão,
servidor de dados, servidor web, servidor proxy.
MAINFRAME: Computador de grande porte para trabalho
pesado em grandes instituições, como bancos e órgãos de
governo.
Profa Esp. Kelly Bráz
Profa Esp. Kelly Bráz
São os computadores com maior capacidade de processamento existentes.
 Existem poucos no mundo e são destinados a tarefas que exigem
volumes enormes de processamento, como pesquisas científicas e previsão
do tempo.
 Um SISTEMA COMPUTACIONAL é formado
por um conjunto de dispositivos eletrônicos
(hardware) capazes de receber e processar
informações de acordo com um programa
(software), para atender às necessidades dos
usuários (peopleware) de computador.
Profa Esp. Kelly Bráz
•HARDWARE
É a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes
eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de
barramentos.
•SOFTWARE
Em contraposição ao hardware, o software é a parte lógica, ou seja, o
conjunto de instruções (programas de computador) e dados (textos,
planilhas, músicas, fotos etc) que é processado pelos circuitos
eletrônicos do hardware. Toda interação dos usuários de computadores
modernos é realizada através do software, que é a camada, colocada
sobre o hardware, que transforma o computador em algo amigável para o
ser humano
Profa Esp. Kelly Bráz
 São pessoas que trabalham direta ou indiretamente usando
computadores. Entretanto, você precisa entender a diferença
entre usuário e profissional de Informática.
 O USUÁRIO é aquele que usa o computador como uma
ferramenta para ser mais produtivo no trabalho, nos estudos, ou
no seu dia a dia. Todos devem se preocupar em ser usuários
competentes.
 O PROFISSIONAL DE INFORMÁTICA, além de ser um
usuário competente, tem conhecimentos a mais, que lhe
permitem dar manutenção em computadores, administrar redes,
desenvolver programas, criar sites de Internet etc.
Profa Esp. Kelly Bráz
GABINETE: é a parte mais importante do
computador, podemos dizer que o gabinete é o
computador propriamente dito. Dentro dele, há
vários componentes que fazem o processamento da
informação. Mas atenção, não chame o gabinete de
cpu, pois são coisas diferentes (algumas pessoas,
inclusive técnicos costumam chamar o gabinete de
cpu porque esta – a cpu – está dentro do gabinete).
MONITOR: é a tela que nos mostra as respostas que
o computador nos dá. É um periférico de saída (pois
a informação sai do computador para o usuário).
TECLADO: conjunto de teclas que permite que
operemos o computador através de comandos
digitados. É um periférico de entrada.
MOUSE: através dele, controlamos uma setinha
(popularmente conhecida como ponteiro do mouse)
que aponta para os itens na nossa tela. Também é
um periférico de entrada.
Profa Esp. Kelly Bráz
Hardware – parte física do computador
Dentro do gabinete são encontrados os componentes que formam o computador propriamente dito, como as
memórias, o processador e o disco rígido, todos eles estão direta ou indiretamente ligados à placa mãe.
Profa Esp. Kelly Bráz
Uma placa-mãe permite que todas as partes de seu computador recebam energia e comuniquem-se
entre si. As placas-mãe evoluíram bastante nos últimos vinte anos.
As primeiras placas tinham poucos componentes funcionais.
A placa-mãe do primeiro IBM PC tinha somente um processador e slots. Os usuários conectavam
componentes como controladoras de discos rígidos e memória nos slots. Hoje, as placas-mãe ostentam
uma variedade de itens embutidos nela que afetam diretamente a capacidade e potencial de
atualizações do computador. Nestes slides, veremos os componentes gerais de uma placa-mãe.
Profa Esp. Kelly Bráz
São placas onde grande parte
dos dispositivos como placas de
rede, vídeo, modem e som já
vem integrados na sua própria
estrutura sem a necessidade de
adquirir uma interface separada.
Baixo desempenho e baixo
custo: depende do processador,
compartilha memória
INTERFACES INTEGRADAS(ON-BOARD)
PLACA MÃE ON BOARD - IMAGEM 02
Profa Esp. Kelly Bráz
PLACA MÃE OFF BOARD - IMAGEM 01
Profa Esp. Kelly Bráz
PLACA MÃE OFF BOARD - IMAGEM 002
Profa Esp. Kelly Bráz
Profa Esp. Kelly Bráz
Vídeo Normal
CARACTERÍSTICA: Tem sua própria memória
não compartilha memória com o computador
Vídeo ON-BOARD
Compartilha memória com o computador, prejudicando assim o desempenho do processador,
não é recomendada para aplicações que requer alto desempenho gráfico.
 MICROPROCESSADOR: é o chip mais importante do
computador, cabendo a ele o processamento de todas as
informações que passam pelo computador. Ele reconhece
quando alguma tecla foi pressionada, quando o mouse foi
movido, quando um som está sendo executado e tudo mais...
Devido a sua importância, consideramos o processador como
o “cérebro do computador” e vamos estudá-lo com mais
detalhamento.
Profa Esp. Kelly Bráz
Principais componentes da placa mãe
Os processadores (ou CPUs, de Central Processing Unit) são chips
responsáveis pela execução de cálculos, decisões lógicas e instruções que
resultam em todas as tarefas que um computador pode fazer e, por esse motivo,
são também referenciados como “cérebros” dessas máquinas. Embora haja
poucos fabricantes (essencialmente, Intel, AMD e VIA), o mercado conta com
uma grande variedade de processadores. Apesar disso e das diferenças
existentes entre cada modelo, todos compartilham de alguns conceitos e
características
A ULA é o dispositivo que faz as operações elementares (adição, subtração etc.), operações lógicas (AND,
OR, NOT), e operações de comparação (por exemplo, comparar dois bytes e dizer se são iguais). É nesta
unidade que o "trabalho real" é feito.
A UNIDADE DE CONTROLE armazena a posição de memória que contém a instrução corrente que o
computador está executando, informando à ULA qual operação a executar, buscando a informação (da
memória) que a ULA precisa para executá-la e transferindo o resultado de volta para o local apropriado da
memória. Feito isto, a unidade de controle vai para a próxima instrução (tipicamente localizada na próxima
posição da memória (endereço de memória), a menos que a instrução seja uma instrução de desvio
informando o computador que a próxima instrução está em outra posição).
O Processamento é onde os dados de entrada serão tratados para gerar um determinado resultado. Por
exemplo, o computador executa o arquivo. Outros exemplos: o cálculo salarial, uma complexa expressão
matemática, ou até mesmo uma simples movimentação de dados ou comparação entre eles.
Profa Esp. Kelly Bráz
Profa Esp. Kelly Bráz
 A parte responsável pelo processamento em um computador é a Unidade
Central de Processamento(UCP), usualmente denominada de
CPU(Central Processing Unit) o termo em inglês. Essa unidade é o
processador que é o responsável pelo controle e o processamento do
computador, fazendo uma analogia podemos classifica-ló como o cérebro
do computador.
 É o circuito eletrônico que processa as informações dentro do computador,
é o componente básico de qualquer computador, apesar dos diferentes
modelos que temos atualmente.
 A velocidade do processador é medida em MegaHertz(Mhz) ou
GigaHertz(Ghz) variando de acordo com o modelo.
 Clock – A Freqüência
 Os circuitos eletrônicos utilizam um cristal para controlar o fluxo de sinais
responsáveis pelo seu Funcionamento. A freqüência de um processador é
a medida, em ciclos por segundo (Hz);
 Obs.: 1Hz = 1 Ciclo por segundo.
 A CPU é formada pela Unidade de Controle(UC) e pela Unidade Lógica
e Aritmética(ULA).
BARRAMENTOS
são conjuntos de sinais digitais com os quais o processador comunica-se com o seu
exterior. Em resumo eles são vias, linhas, estradas de comunicação entre os vários
dispositivos do computador.
DIVISÕES DOS BARRAMENTO
Barramentos de Dados: por onde trafegam as instruções dos dados;
Barramento de Endereços: por onde passam as informações de endereços de memória
fornecidos pela CPU.
Barramento de Controle: por onde passam os sinais que indicam operações de escrita
ou leitura na memória.
BARRAMENTOS INTERNOS
Os barramentos Internos são aqueles que ligam a CPU (processador) aos componentes
que ficam dentro do gabinete. Existem vários tipos de barramentos para ligar os
equipamentos internos, iremos visualizar alguns deles.
Profa Esp. Kelly Bráz
BARRAMENTO IDE (Integrated Drive Eletronics)
É utilizado para conectar (HD, Drives de CD, Gravadores de CD, Drives de DVD, Gravadores
de DVD) à placa-mãe do computador.
Em cada barramento IDE permite a conexão de apenas dois desses equipamentos. Podemos
classificá-las em IDE Primária e IDE Secundária ou dependendo da placa-mãe a identificação
poderá ser (IDE1 e IDE2) ou (IDE0 e IDE1), o total de equipamentos de armazenamento interno
podem então ser quatro.
Com relação a sua velocidade de transferência de dados podendo chegar hoje até os
133 MB/s.
Serial Ata(SATA)
Serial ATA ou simplesmente SATA é o padrão de discos rígidos criado para
substituir os discos ATA, também conhecidos como IDE. A taxa de transferência
máxima teórica de um disco Serial ATA é de 150 MB/s ou 300 MB/s, contra os
133 MB/s de um disco rígido IDE.
Profa Esp. Kelly Bráz
Barramento ISA (Industry Standard Architecture)
O barramento ISA é utilizado para placas de expansão, como
modems, placas de som, placas de vídeo, o ISA caiu em desuso pelo
desenvolvimento de barramentos bem mais rápidos que ele.
Trabalha com uma largura de banda 16 bits (transfere 2 bytes por vez) e
tem uma freqüência de 8MHz, o que permite uma taxa de transferência de
16MB/s (Megabytes por segundo).
O barramento ISA não possui a característica de Plug and Play.
Barramento PCI (Peripheral Component Interconnect)
Substituto do barramento ISA nas novas placas-mãe. O barramento PCI
trabalha com uma freqüência 33Mhz e largura de banda de 32 bits. A
taxa total de transferência entre um equipamento ligado ao barramento
PCI e o processador é de cerca de 133 MB/s. O barramento PCI é Plug
and Play.
Profa Esp. Kelly Bráz
Barramento AGP
Este barramento é exclusivo para placas
de vídeo. Sua taxa de transferência é
muito superior à do barramento PCI que
era o utilizado anteriormente.
O barramento AGP opera com uma
freqüência de 66MHz (o dobro do PCI) e
uma largura de 32 bits, que permite
transferências da ordem de 266MB/s.
O AGP também evoluiu para AGP 2X
(533MB/s), AGP 4X (1066MB/s –
equivalente a 1GB/s) e finalmente, em
algumas placas mãe para AGP 8x
(2133MB/s ou 2,1GB/s).
Profa Esp. Kelly Bráz
BARRAMENTOS EXTERNOS ::::::::: Os barramentos externos são os que interligam a CPU aos
equipamentos que encontram-se fora do gabinete (como teclado, mouse, impressora, etc.).
Podemos ver os barramentos externos nos pequenos encaixes para os conectores dos equipamentos na
parte traseira do gabinete, e que são conhecidos como portas.
Barramento PS/2 (Porta PS/2)
É o barramento atualmente usado para conectar mouse e teclado. Há duas
portas na parte traseira do gabinete, uma para o mouse e a outra para o teclado.
Porta Serial
A porta serial é um barramento usado por uma série de equipamentos que
transferem relativamente pouca informação, como mouses, modems, câmeras
(webcam), etc.
Num computador pessoal, os conectores mais comuns para o barramento serial
são DB-9 (que usa nove pinos, é o menor na figura acima) e DB-15 (que usa 15
pinos).
O barramento serial transmite apenas 1 bit. Ou seja, os bits são transmitidos em
fila, um a um, daí o nome do barramento ser SERIAL (em série).
A velocidade de comunicação de um barramento serial pode chegar a 115 Kbps e
equivalem a 14,4KB/s.
Porta Paralela
A porta paralela era usada para conectar equipamentos que exigiam um
mais intenso tráfego de dados, como impressoras, scanners, unidades
de armazenamento externas (como o Zip Drive, por exemplo), etc. É
mais rápida que a porta serial, pois ela envia 8 bits por vez.
É um barramento relativamente antigo, que como o serial, está sendo
cada vez menos utilizado em computadores atuais. A porta paralela usa
conector DB-25.
Profa Esp. Kelly Bráz
PORTA PARALELA
Profa Esp. Kelly Bráz
 Universal Serial Bus (USB) é um tipo
de conexão Plug and Play que permite
a conexão de periféricos sem a
necessidade de desligar o computador.
 Barramento, que está substituindo as
antigas portas seriais e paralelas para
conectar equipamentos externos.
 Uma característica muito interessante
sobre o barramento USB é que, em
uma única porta podem ser conectados
127 equipamentos diferentes em fileira,
ou seja, um ligado ao outro.
 Número máximo de conexões: 127
 Velocidade: 1,5 ou 12 Mbps
 Comprimento máximo: cinco metros
Barramento USB(Universal Serial Bus)
É uma interface serial para computadores pessoais e aparelhos digitais de áudio e
vídeo que oferece comunicações de alta velocidade e serviços de dados em tempo
real.
O FireWire (também conhecido como i.Link, IEEE 1394 ou High Performance Serial
Bus/HPSB) consegue ser até 30 vezes mais veloz que o padrão USB, sua taxa de
transferência chega aos 400Mbps(50MB/s).
É um barramento usado por vários tipos de equipamentos, entre eles drives
removíveis, câmeras digitais, televisão digital, impressoras, scanners, dispositivos de
som, etc.
É possível conectar ao mesmo tempo, até 63 aparelhos em um único barramento.
Profa Esp. Kelly Bráz
FIREWIRE
Profa Esp. Kelly Bráz
Barramento PCMCIA (PC CARD)
Desenvolvido para ser utilizados em notebooks e handhelds pelo que
quase todos os equipamentos vêm neste formato de cartão, como
modems, placas de som, placas de rede.
A diferença dos computadores de mesa nos quais podemos acoplar
placas de expansão, os portáteis, por seu tamanho reduzido, utiliza o
PC CARD (um cartão) para poder fazer expansões.
Barramento PCMCIA (PC CARD)
Podemos conceituar memória como dispositivos responsáveis pelo
armazenamento das informações (dados).
A memória pode ser classificada como:
 Memória Principal
 Memória Secundária
 Memória Auxiliar
Profa Esp. Kelly Bráz
CLASSIFICAÇÃO DAS MEMÓRIAS
A memória principal ou primária, está dividida em dois circuitos
integrados, de uma forma mais simples, da seguinte forma:
ROM – (Read Only Memory) Memória apenas de leitura => É uma
memória não volátil (permanente) que contém pequenos
programas gravados de fábrica contendo informações sobre o
computador que não podem ser alterados pelo usuário. Estes
programas são lidos durante a inicialização do computador
(Boot), está memória também é conhecida como BIOS),
Profa Esp. Kelly Bráz
OBS.: Memória Cache =>
É uma extensão da memória RAM ou do processador,
de acordo com o fabricante do computador, interposta
entre o processador e a memoria RAM, com a finalidade
de armazenar registros das informações que já foram
executadas após a ultima inicialização do computador
tornando o acesso a estas informações mais rápido.
Profa Esp. Kelly Bráz
RAM – (Randon Access Memory) Memória de acesso randômico => É a memória
temporária utilizada pelo computador, que tem como principal função
armazenar os dados resultantes de uma operação (processamento).
Esta memória é volátil e de leitura e gravação. Não podemos esquecer que
a memória RAM é temporária, ao desligar o computador todo seu
conteúdo será apagado.
RAM
Profa Esp. Kelly Bráz
 A memória ROM (Read-Only Memory) é uma memória que só pode ser lida e os dados não são perdidos
com o desligamento do computador. Enquanto a memória RAM aceita gravação, regravação e perda de
dados, a ROM é utilizada para que o processador execute um software, chamado de firmware.
Basicamente, existem três rotinas nessa memória, que são acessados toda vez que ligamos o
computador:
• BIOS;
• POST;
• SETUP.
• Existe uma variação da ROM chamada memória preferencialmente de leitura que permite a re-gravação
de dados. São as chamadas EPROM (Erasable Programmable Read Only Memory) ou EEPROM
(Electrically Erasable Programmable Read-Only Memory).
A Memória secundária ou Memória de Massa é usada para gravar grande quantidade de dados, que
não são perdidos com o desligamento do computador, por um período longo de tempo. Exemplos de
memória de Massa:
 CD;
 DVD;
 Disco rígido;
 Disquete;
 Pen drive.
Normalmente a memória secundária não é acessada diretamente pela CPU, mas sim por meio dos
dispositivos de Entrada e Saída. Isso faz com que o acesso a essa memória seja muito mais lento do
que o acesso à memória primária.
Profa Esp. Kelly Bráz
Disquete de 3 ½”
Superfície magnética de armazenamento de dados possui capacidade
nominal de 1,44MB e capacidade real de 1,38MB quando utilizado no
Windows por causa da FAT.
MEMÓRIA SECUNDÁRIA
Armazenamento óptico dos dados, com capacidades entre 650 e 700 MB.
A unidade leitora do CD é chamada de Drive de CD, e a sua velocidade de leitura esta medida como
múltiplo de uma velocidade X padrão. Onde X = 150KB/s. Hoje em dia, há drives com 50x, 55x, 60x, etc.
Existem também os gravadores de CD, equipamentos que são normalmente citados com suas três
velocidades, como em CDRW 24x10x40x (a maior sempre é de leitura, e a menor sempre é de
regravação, a que sobrar é a de gravação).
Tipos de CD:
CD-ROM: Não pode ser alterado pelo usuário, apenas lido. Os dados deste CD são gravados pelo
fabricante;
CD-R: Podem ser gravados várias vezes pelo usuário, apenas não pode ter seu conteúdo apagado.
CD-RW: Pode ser gravado e apagado várias vezes pelo usuário.
Profa Esp. Kelly Bráz
CD – Compact Disk
Armazenamento óptico dos dados com capacidade
normalmente entre 4,7GB DVD de camada simples e 8,5
para o DVD de camada dupla, possui as mesmas
dimensões do CD.
O DVD constitui uma nova tecnologia de armazenamento
óptico que apesar de possuir as mesmas dimensões do CD
como foi descrito anteriormente, tem uma capacidade de
armazenamento maior.
Profa Esp. Kelly Bráz
 A Memória Cache é uma memória elétrica (como a
RAM) que armazena dados mais rápido que a RAM. Na
verdade, a memória Cache é um tipo de RAM.
 Sua função é armazenar os dados mais recentemente
requisitados da memória RAM principal. Quando a CPU
requisita um dado à RAM, ele é copiado para a Cache
para que, se for requisitado novamente, não seja
necessário buscar na RAM outra vez.
 Normalmente a memória é nitidamente separada da
ULA em uma arquitetura de computador. Porém, os
microprocessadores atuais possuem memória cache
incorporada, o que aumenta em muito sua velocidade.
Profa Esp. Kelly Bráz
CACHE
Cache L1 (Interna): localizada dentro do
processador.
Cache L2 (Externa ou Interna): antigamente
era externa localizado na placa-mãe, hoje os
processadores possuem a L2 interna.
Cache L3 (Interna): para processadores que
não são normalmente encontrados em
nossos computadores e sim para
computadores com maior poder de
processamento.
Profa Esp. Kelly Bráz
É uma região de memória temporária utilizada para
escrita e leitura de dados. Os dados podem ser
originados de dispositivos (ou processos) externos
ou internos ao sistema. Os buffers podem ser
implementados em software ou hardware.
Normalmente, os buffers são utilizados quando
existe uma diferença entre a taxa em que os dados
são recebidos e a taxa em que eles podem ser
processados, ou no caso em que essas taxas são
variáveis.
Profa Esp. Kelly Bráz
Profa Esp. Kelly Bráz
Didaticamente, podemos definir os componentes físicos do computador como divididos em
duas categorias:
a cpu (unidade central de processamento) e os periféricos.
Muitos usuários erroneamente chamam o gabinete de cpu, mas o correto é dizer que a cpu
está dentro do gabinete, mais precisamente, dentro do processador. A cpu é uma unidade
de controle central de todos os processos do computador, e está localizada dentro do
microprocessador. Tudo o mais que não for cpu, é considerado periférico (“o que está na
periferia”, ao redor, ajudando a cpu a funcionar).
CPU E PERIFÉRICOS
• PERIFÉRICOS DE ENTRADA: são aqueles que fazem a
informação entrar na cpu, ou seja, tem “mão única” do usuário
para a cpu. São eles: teclado, mouse, câmera, microfone, scanner,
etc.
• PERIFÉRICOS DE SAÍDA: são os dispositivos que permitem que a
informação saia da cpu para o usuário.
 Exemplos: monitor, impressora, caixas de som, plotter, data
show (projetor), entre outros.
• PERIFÉRICOS MISTOS (ENTRADA E SAÍDA): são periféricos de
“mão dupla”, ora a informação entra na cpu, ora ela sai. Podemos
citar: disquete, disco rígido, modem, placa de rede, e as memórias
(ram e cache). Nestes dispositivos, a cpu tem o direito de ler
(entrada) e gravar (saída).
Profa Esp. Kelly Bráz
HD – Disco Rígido
Armazenamento magnético dos dados, atualmente chega a centenas de GB de
capacidade de armazenamento.Nele são guardados os nossos programas e
dados.Ele também pode ser chamado de HD ouWinchester.
Profa Esp. Kelly Bráz
Cartões de Memória
Utilizam memória Flash (FEPROM) e possuem diversas capacidades como por
exemplo: 32MB, 64MB, 128MB, 256MB e até 512MB. Existem vários formatos
diferentes de cartões.
Memórias Flash USB
Armazenamento que utiliza memória Flash (FEPROM), possui diversas
capacidades: 256MB, 512MB, 1GB, 2GB e até 8GB. Também identificado como
Pendrive.
 MODEM: é um periférico que permite a conexão com outro
computador através de uma rede dial-up (conexão telefônica) para,
por exemplo, permitir o acesso à internet.
 PLACA DE REDE: permite que o computador se conecte a uma rede
local (lan) através de cabos específicos, chamados cabos de rede.
 PLACA DE SOM: permite que o computador emita som estéreo
pelas caixinhas de som.
 PLACA DE VÍDEO: realiza a comunicação entre processador e
monitor, sem esse periférico, o computador não conseguiria
desenhar na tela do monitor, ou seja, não seria possível trabalhar.
Profa Esp. Kelly Bráz
PARA EXPLICAR MAIS PRECISAMENTE
SOBRE ALGUNS PERIFÉRICOS
Profa Esp. Kelly Bráz
 Atualmente, os micros vendidos nas maiorias das lojas
do país apresentam todos os periféricos básicos já inseridos
na placa mãe, são os chamados micros “on board”, ou seja:
placa de som, placa de rede, placa de vídeo, fax/modem vêm
todos já dentro da placa mãe. Esses micros são fáceis de
instalar e mais baratos, mas a qualidade dos produtos
colocados nas placas mãe deve ser bem escolhida pelos que
fabricam e comercializam os produtos. Além do mais, essas
placas normalmente vêm de fábrica com poucos slots
(lacunas para encaixar outras placas), o que limita muito as
possibilidades de upgrade (melhoria no computador, como
aumento de recursos, velocidade, etc...).
Modem - é a placa de modem, que permite a
comunicação de dados através de uma linha
telefônica convencional. O terceiro micro
apresenta uma placa isdn, que é um dispositivo
que permite a comunicação através de uma linha
telefônica digital (cujo sistema é chamado de
isdn).
Profa Esp. Kelly Bráz
MODEM
Placa de vídeo é o nome dado ao equipamento que
recebe os dados do processador e os “desenha” no
monitor. Dois dos computadores citados acima usam
uma placa de vídeo com 8mb de capacidade de memória
(chamada memória de vídeo). O computador do meio
usa uma placa de vídeo aceleradora (ideal para
programas e jogos que usam recursos de 3d) com 32mb
de memória de vídeo.
Profa Esp. Kelly Bráz
é um equipamento usado para conectar
computadores em uma rede local ou LAN,
também pode ter a denominação de adaptador
de rede ou NIC(Network Interface Card).
Profa Esp. Kelly Bráz
Na memória do computador, um bit é a menor parte de uma
informação possível de ser armazenada. Isto porque o
computador só entende e armazena dados em linguagem
binária.
O bit é representado por dois dígitos: 0 (zero) e 1 (um). Quando
o valor do bit é zero, ele está desligado (sem energia elétrica);
Quando o bit é um, ele está ligado (com energia). Como o bit só
pode representar dois estados foi necessário agrupar um
conjunto de 8 (oito) bits para representar uma letra, um carater
qualquer. A esse conjunto de bits dá-se o nome de byte, que por
sua vez representa um caracter.
Profa Esp. Kelly Bráz
ARMAZENAMENTO DE DADOS
Byte
1 Byte = 8 bits (23 bits)
Kilobyte (Kb)
1 024 Bytes (210)
Megabyte (Mb)
1 024 KB
1 048 576 Bytes (220)
Gigabyte (Gb)
1 024 MB
1 048 576 KB
1 073 741 824 Bytes (230)
Terabyte (Tb)
1 024 GB
1 048 576 MB
1 073 741 824 KB
1 099 511 627 776 (240) Bytes
Profa Esp. Kelly Bráz
Expressam-se as quantidades em prefixo
binário (e não no Sistema Internacional de
Unidades), que é uma forma de
quantificação utilizada em Informática
onde se torna mais útil utilizar potências de
dois do que potências de dez.
Bit (simplificação para dígito binário,
"BInary digiT" em inglês) é a menor
unidade de informação usada na
Computação.
Observe a escala ao lado:
ARMAZENAMENTO DE DADOS
IMPRESSORA MATRICIAL: é uma impressora que utiliza
uma matriz (conjunto) de agulhas que pressionam uma fita
de tinta contra o papel. Essa é a única impressora atual que
imprime por contato (tocando no papel), portanto ela
permite a impressão de várias vias carbonadas (papel
carbono).
Profa Esp. Kelly Bráz
TIPOS DE IMPRESSORAS
IMPRESSORA JATO DE TINTA: é uma impressora
que imprime utilizando-se de cartuchos cheios de
tinta que “cospem” tinta no papel. Não há contato
físico da cabeça de impressão com o papel.
Profa Esp. Kelly Bráz
IMPRESSORA LASER: utiliza um canhão que dispara um
feixe de laser num rolo imerso em pó que serve de tinta
(este pó chama-se toner). A parte impressa no rolo se
“prende” ao papel, por meio de processos químicos.
Neste tipo de impressão também não há contato da
cabeça de impressão com o papel.
Profa Esp. Kelly Bráz
 PLOTTER OU PLOTADORA:
nome dado às impressoras de
grande porte (que são usadas
para imprimir plantas baixas de
apartamentos e casas em
engenharia e arquitetura). Essas
impressoras têm uma área
lateral muito grande, o que
permite a impressão de páginas
muito largas, ideais para as
plantas nas quais são impressas.
Atualmente já existem plotters
que imprimem como as
impressoras jato de tinta.
Profa Esp. Kelly Bráz
No momento em que ligamos o computador, um chip chamado bios (sistema
básico de entrada e saída) acorda. A função dele é apenas ligar o resto do
computador, fazer um diagnóstico dos componentes existentes, e por fim,
chamar o so (Sistema Operacional) para o trabalho.
O bios é um tipo de memória rom (memória somente para leitura). Isso
significa que todo o conteúdo do bios já foi, na fábrica, gravado neste chip e
não pode ser mais alterado. Uma memória do tipo rom só pode ser lida,
utilizada, mas seu conteúdo não pode ser alterado pelos usuários. Um
programa gravado em uma memória rom é chamado de firmware.
Logo que o sistema operacional é “requisitado” pela bios, ela deixa de
funcionar (volta a dormir) e ele é carregado de onde estava gravado para a
memória ram. O so não foge à regra do mundo da informática, ele só pode ser
gravado em alguma unidade de disco, na forma de arquivos. Só para se ter
uma idéia, o sistema Windows ocupa cerca de 120 mb de informação.
Profa Esp. Kelly Bráz
PROCESSO DE INICIALIZAÇÃO DO COMPUTADOR
(BOOT)
1. Nosso computador é um equipamento físico completo, cheio de partes
interligadas que formam um conjunto harmônico e funcional e, por isso, não
necessita de mais nada, certo?
ERRADO! A “máquina” em si está completa, mas não tem “alma”, está funcionando
como um corpo morto, que não possui conteúdo vivo para fazer ele funcionar.
De que adianta ter um corpo se não sentimos, pensamos, lembramos,
imaginamos, calculamos? Da mesma forma como nesta analogia espiritualista,
o nosso computador funciona.
Todas as partes físicas do computador são chamadas de hardware, mas que não
funcionam se não estiverem associados a um software (toda a parte lógica, gravada
nos discos, que faz o computador funcionar).
Software é todo e qualquer conjunto de instruções (ordens) que o computador
executa. Seja um programa para fazer cálculos de engenharia, até um simples
calendário que apresenta as datas na tela do computador.
Profa Esp. Kelly Bráz
SOFTWARE – A “ALMA” DA INFORMÁTICA
 E-mail para contato: keullysbraz@yahoo.com.br
Profa Esp. Kelly Bráz

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Informática Aplicada - Redes
Informática Aplicada - RedesInformática Aplicada - Redes
Informática Aplicada - Redes
Ricardo de Moraes
 
Apostila de Apoio para Disciplina - Informática Aplicada a Administração
Apostila de Apoio para Disciplina - Informática Aplicada a AdministraçãoApostila de Apoio para Disciplina - Informática Aplicada a Administração
Apostila de Apoio para Disciplina - Informática Aplicada a Administração
João Filho
 
Banco de Dados
Banco de DadosBanco de Dados
Banco de Dados
SENAI
 
Apostila introduaao_a_internet_e_inclusao_digital_witer_calc_1346740626
Apostila  introduaao_a_internet_e_inclusao_digital_witer_calc_1346740626Apostila  introduaao_a_internet_e_inclusao_digital_witer_calc_1346740626
Apostila introduaao_a_internet_e_inclusao_digital_witer_calc_1346740626
Sandra Dória
 
Organização de arquivos
Organização de arquivosOrganização de arquivos
Organização de arquivos
Fabiano Cabral
 
Aula Noções de Informatica
Aula Noções de InformaticaAula Noções de Informatica
Aula Noções de Informatica
Coens Cursos e Concursos
 
02 nocoes de_informatica
02 nocoes de_informatica02 nocoes de_informatica
02 nocoes de_informatica
Jaimar Santos
 
Informática aplicada a gestão - Material 1
Informática aplicada a gestão   - Material 1Informática aplicada a gestão   - Material 1
Informática aplicada a gestão - Material 1
João Filho
 
Aula 02 - Software
Aula 02 - SoftwareAula 02 - Software
Aula 02 - Software
Olival Paulino
 
Aula01- Informática Básica
Aula01- Informática BásicaAula01- Informática Básica
Aula01- Informática Básica
Jorge Ávila Miranda
 
Informática aplicada
Informática aplicadaInformática aplicada
Informática aplicada
Liliam Scandelari
 
Curso básico de informática aprendinfor - parte 1 da aula 1
Curso básico de informática   aprendinfor - parte 1 da aula 1Curso básico de informática   aprendinfor - parte 1 da aula 1
Curso básico de informática aprendinfor - parte 1 da aula 1
Bruno Raínni
 
Apostila informática básica e introdução à internet
Apostila informática básica e introdução à internetApostila informática básica e introdução à internet
Apostila informática básica e introdução à internet
Budu Serra
 
Apostila Informática
Apostila InformáticaApostila Informática
Apostila Informática
Flavia Casella
 

Mais procurados (14)

Informática Aplicada - Redes
Informática Aplicada - RedesInformática Aplicada - Redes
Informática Aplicada - Redes
 
Apostila de Apoio para Disciplina - Informática Aplicada a Administração
Apostila de Apoio para Disciplina - Informática Aplicada a AdministraçãoApostila de Apoio para Disciplina - Informática Aplicada a Administração
Apostila de Apoio para Disciplina - Informática Aplicada a Administração
 
Banco de Dados
Banco de DadosBanco de Dados
Banco de Dados
 
Apostila introduaao_a_internet_e_inclusao_digital_witer_calc_1346740626
Apostila  introduaao_a_internet_e_inclusao_digital_witer_calc_1346740626Apostila  introduaao_a_internet_e_inclusao_digital_witer_calc_1346740626
Apostila introduaao_a_internet_e_inclusao_digital_witer_calc_1346740626
 
Organização de arquivos
Organização de arquivosOrganização de arquivos
Organização de arquivos
 
Aula Noções de Informatica
Aula Noções de InformaticaAula Noções de Informatica
Aula Noções de Informatica
 
02 nocoes de_informatica
02 nocoes de_informatica02 nocoes de_informatica
02 nocoes de_informatica
 
Informática aplicada a gestão - Material 1
Informática aplicada a gestão   - Material 1Informática aplicada a gestão   - Material 1
Informática aplicada a gestão - Material 1
 
Aula 02 - Software
Aula 02 - SoftwareAula 02 - Software
Aula 02 - Software
 
Aula01- Informática Básica
Aula01- Informática BásicaAula01- Informática Básica
Aula01- Informática Básica
 
Informática aplicada
Informática aplicadaInformática aplicada
Informática aplicada
 
Curso básico de informática aprendinfor - parte 1 da aula 1
Curso básico de informática   aprendinfor - parte 1 da aula 1Curso básico de informática   aprendinfor - parte 1 da aula 1
Curso básico de informática aprendinfor - parte 1 da aula 1
 
Apostila informática básica e introdução à internet
Apostila informática básica e introdução à internetApostila informática básica e introdução à internet
Apostila informática básica e introdução à internet
 
Apostila Informática
Apostila InformáticaApostila Informática
Apostila Informática
 

Semelhante a INFORMÁTICA - AULA 03\\25.10

Introdução a Informatica Basica
Introdução a Informatica BasicaIntrodução a Informatica Basica
Introdução a Informatica Basica
Pedro Kangombe
 
Tipos de computador hardwares - softwares
Tipos de computador   hardwares - softwaresTipos de computador   hardwares - softwares
Tipos de computador hardwares - softwares
jlv08
 
Informática básica
Informática básicaInformática básica
Informática básica
Thalles Anderson
 
Informatica aplicada
Informatica aplicadaInformatica aplicada
Informatica aplicada
Cycyro Soares
 
Infomática básica para concursos hardware e software
Infomática básica para concursos   hardware e softwareInfomática básica para concursos   hardware e software
Infomática básica para concursos hardware e software
comopassaremconcurso.com.br
 
Aula 01 aplicativos informatizados para modelagem (tarde e noite)
Aula 01   aplicativos  informatizados para modelagem (tarde e noite)Aula 01   aplicativos  informatizados para modelagem (tarde e noite)
Aula 01 aplicativos informatizados para modelagem (tarde e noite)
Elisângela X. P. dos Santos
 
30440951 informatica
30440951 informatica30440951 informatica
30440951 informatica
Helio Oliveira Oliveira
 
Informática básica Pró-Funcionário
Informática básica Pró-FuncionárioInformática básica Pró-Funcionário
Informática básica Pró-Funcionário
Eder Liborio
 
As TIC na sociedade contemporânea
As TIC na sociedade contemporâneaAs TIC na sociedade contemporânea
As TIC na sociedade contemporânea
JooLuisLatour
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
SOL RIBEIRO
 
aula01_computador_Info_Cont.pdf
aula01_computador_Info_Cont.pdfaula01_computador_Info_Cont.pdf
aula01_computador_Info_Cont.pdf
Antonio Lobato
 
Operadores booleanos
Operadores booleanosOperadores booleanos
Operadores booleanos
Helena13dias
 
Operadores Booleanos
Operadores BooleanosOperadores Booleanos
Operadores Booleanos
guest517cb4
 
Aula 02 introdução a computação - hardware e software
Aula 02  introdução a computação - hardware e softwareAula 02  introdução a computação - hardware e software
Aula 02 introdução a computação - hardware e software
Everton Rodrigues
 
Informática + Linux
Informática + LinuxInformática + Linux
Informática + Linux
leandrotelesrocha5
 
Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)
Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)
Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)
Editora Juspodivm
 
Noções de hardware
Noções de hardwareNoções de hardware
Noções de hardware
Janice Ferreira Ferreira
 
Inclusão Digital - Conceitos básicos de informática
Inclusão Digital - Conceitos básicos de informáticaInclusão Digital - Conceitos básicos de informática
Inclusão Digital - Conceitos básicos de informática
Marcos Paulo Maia dos Santos
 
informatica-retificada-alba.pdf
informatica-retificada-alba.pdfinformatica-retificada-alba.pdf
informatica-retificada-alba.pdf
LeandroTelesRocha2
 
Aula01 senac
Aula01 senacAula01 senac

Semelhante a INFORMÁTICA - AULA 03\\25.10 (20)

Introdução a Informatica Basica
Introdução a Informatica BasicaIntrodução a Informatica Basica
Introdução a Informatica Basica
 
Tipos de computador hardwares - softwares
Tipos de computador   hardwares - softwaresTipos de computador   hardwares - softwares
Tipos de computador hardwares - softwares
 
Informática básica
Informática básicaInformática básica
Informática básica
 
Informatica aplicada
Informatica aplicadaInformatica aplicada
Informatica aplicada
 
Infomática básica para concursos hardware e software
Infomática básica para concursos   hardware e softwareInfomática básica para concursos   hardware e software
Infomática básica para concursos hardware e software
 
Aula 01 aplicativos informatizados para modelagem (tarde e noite)
Aula 01   aplicativos  informatizados para modelagem (tarde e noite)Aula 01   aplicativos  informatizados para modelagem (tarde e noite)
Aula 01 aplicativos informatizados para modelagem (tarde e noite)
 
30440951 informatica
30440951 informatica30440951 informatica
30440951 informatica
 
Informática básica Pró-Funcionário
Informática básica Pró-FuncionárioInformática básica Pró-Funcionário
Informática básica Pró-Funcionário
 
As TIC na sociedade contemporânea
As TIC na sociedade contemporâneaAs TIC na sociedade contemporânea
As TIC na sociedade contemporânea
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
aula01_computador_Info_Cont.pdf
aula01_computador_Info_Cont.pdfaula01_computador_Info_Cont.pdf
aula01_computador_Info_Cont.pdf
 
Operadores booleanos
Operadores booleanosOperadores booleanos
Operadores booleanos
 
Operadores Booleanos
Operadores BooleanosOperadores Booleanos
Operadores Booleanos
 
Aula 02 introdução a computação - hardware e software
Aula 02  introdução a computação - hardware e softwareAula 02  introdução a computação - hardware e software
Aula 02 introdução a computação - hardware e software
 
Informática + Linux
Informática + LinuxInformática + Linux
Informática + Linux
 
Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)
Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)
Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)
 
Noções de hardware
Noções de hardwareNoções de hardware
Noções de hardware
 
Inclusão Digital - Conceitos básicos de informática
Inclusão Digital - Conceitos básicos de informáticaInclusão Digital - Conceitos básicos de informática
Inclusão Digital - Conceitos básicos de informática
 
informatica-retificada-alba.pdf
informatica-retificada-alba.pdfinformatica-retificada-alba.pdf
informatica-retificada-alba.pdf
 
Aula01 senac
Aula01 senacAula01 senac
Aula01 senac
 

Último

Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão
 
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negóciosExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 

Último (6)

Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
 
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negóciosExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 

INFORMÁTICA - AULA 03\\25.10

  • 1. Profa Esp. Kelly Ariane Buás Bráz CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE INFORMÁTICA. ORGANIZAÇÃO, ARQUITETURA E COMPONENTES FUNCIONAIS (HARDWARE E SOFTWARE) DE COMPUTADORES. Governador Nunes Freire – Ma 2017
  • 2. Profa Esp. Kelly Bráz O computador não é um cérebro eletrônico . Ele só faz exatamente o que lhe foi ensinado. Os equipamentos que compõem um computador básico são: o GABINETE, que também é chamado de TORRE, o MONITOR, o MOUSE, a PLACA-MÃE, o PROCESSADOR, AS MEMÓRIAS, a PLACA DE VÍDEO, o TECLADO o WINCHESTER, que chamaremos de HD, e o DISSIPADOR DE CALOR ou COOLER.
  • 3.  O computador a GROSSO modo, não passa de uma calculadora super-crescida que trabalha, na verdade, com números e nada mais. Profa Esp. Kelly Bráz SERVE PARA PROCESSAR UMA CERTA QUANTIDADE DE INFORMACÕES E DAR O RESULTADO DESTE PROCESSAMENTO DE UMA FORMA PRÉ-DEFINIDA.
  • 4.  QUEM FAZTUDO ISSO ? Profa Esp. Kelly Bráz PROCESSADOR
  • 5.  O papel do PROCESSADOR é somente um: pegar dados, processá-los conforme programação anterior e descobrir o resultado. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 6.  A velocidade do processamento vai depender de sua potência. Profa Esp. Kelly Bráz HOJE, NO MERCADO, TEMOS DIVERSOS MODELOS E MARCAS DE PROCESSADORES.
  • 7.  AMD FX  Phenom e Phenom II  Athlon 64  Sempron  Turion 64  Opteron  Core i7  Core i5  Core i3  Core 2 Duo  Core Duo  Atom  Pentium 4  Pentium D e Pentium EE  Pentium M  Celeron  Xeon Profa Esp. Kelly Bráz
  • 9.  DADOS: são um conjunto de valores ou ocorrências em um estado bruto com o qual são obtidas informações com o objetivo de adquirir benefícios. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 10.  ESTRUTURADOS: são dados formatados, organizados em tabelas - linhas e colunas - e são facilmente processados, geralmente é utilizado um sistema gerenciador de banco de dados para armazenar esse tipo de dado, um exemplo são os dados gerados por aplicações empresariais. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 12.  não possuem uma formatação específica e são mais difíceis de serem processados. Por exemplo, mensagens de email, imagens, documentos de texto, mensagens em redes sociais Profa Esp. Kelly Bráz
  • 13.  Em informática dados brutos (raw data) designam os dados/valores recolhidos e estocados tal qual foram adquiridos, sem terem sofrido o menor tratamento.  Apresentam-se como um conjunto de números, caracteres, imagens ou outros dispositivos de saídas para converter quantidades físicas em símbolos, num sentido muito extenso. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 14.  Corresponde à fusão do Hardware (parte tangível) com o Software(parte intangível). Profa Esp. Kelly Bráz
  • 15.  Conjunto de dispositivos elétricoseletrônicos que englobam a CPU, a memória e os dispositivos de entrada saída de um sistema de computadores.  Composto de objetos TANGÍVEIS circuitos integrados, placas de circuito impresso, cabos, fontes de alimentação, memórias, impressoras, monitores, teclados, etc. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 16.  Programas, instruções e tarefas executadas.  Tudo que é INTANGÍVEL no computador. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 17.  Ao entrar com dados no computador, ocorre a ENTRADA DE DADOS. O hardware, por meio de seus componentes (memória, processador), irá processar estes dados , e dar um retorno para o usuário através das SAÍDAS DE INFORMAÇÕES. A partir destas informações, o usuário adquire o Conhecimento. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 18. Profa Esp. Kelly Bráz DADOS PROCESSAMENTO INFORMAÇÕES (RESULTADO)
  • 19.  é um termo referente a um processamento de dados que ocorre através de um lote de tarefas enfileiradas, de modo que o sistema operacional só processa a próxima tarefa após o término completo da tarefa anterior. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 20.  Processamento em lote significa que é um processamento seqüencial, ele só passa para a próxima etapa depois de terminar a etapa atual.  O arquivo ".bat" do windows são scripts em lotes.  A diferença de processamento BATCH e ON-LINE é a relação entre o processamento e o registro. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 21.  No processamento on-line, os registros são feitos logo após os respectivos processamentos. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 22.  COMPUTADOR é uma máquina capaz de variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados.  Um computador pode possuir inúmeros atributos, dentre eles armazenamento de dados, processamento de dados, cálculo em grande escala, desenho industrial, tratamento de imagens gráficas, realidade virtual, entretenimento e cultura. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 23.  Em geral, entende-se por computador um sistema físico que realiza algum tipo de computação Profa Esp. Kelly Bráz
  • 24.  Código de MORSE - é uma bom exemplo, já que define representações para as letras do alfabeto a partir da combinação de dois símbolos :  O PONTO (representa um som curto)  O TRAÇO (que representa um som longo) Profa Esp. Kelly Bráz
  • 29.  É uma sistema de escrita para deficientes visuais onde cada caractere (letra ou algarismo) é representado por um pequeno retângulo com seis pontos, calcados ou não com um estilete, definindo pequenos sulcos no papel. 1 2 43 5 6
  • 31.  John Napier (1550- 1617), escocês inventor dos logaritmos, também inventou os ossos de Napier, que eram tabelas de multiplicação gravadas em bastão, o que evitava a memorização da tabuada. Profa Esp. Kelly Bráz Pascaline, máquina calculadora feita por Blaise Pascal.
  • 32. A origem da idéia de programar uma máquina vem da necessidade de que as máquinas de tecer produzissem padrões de cores diferentes. Assim, no século XVIII foi criada uma forma de representar os padrões em cartões de papel perfurado, que eram tratados manualmente. Em 1801, Joseph Marie Jacquard (1752-1834) inventa um tear mecânico, com uma leitora automática de cartões. Profa Esp. Kelly Bráz Réplica (parte) do Calculador Diferencial criado por Charles Babbage.
  • 33.  Existem diferentes tipos de computadores ...  SUPERCOMPUTADORES: é um computador com poder de computação de alto especializada na realização de operações específicas. E 'usado principalmente na ciência.  Tem aplicação em áreas de pesquisa que grande quantidade de processamento se faz necessária, como pesquisas militares, científica, química e medicina. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 34. Tipos de ComputadorOS COMPUTADORES SÃO CLASSIFICADOS DE ACORDO COM SUA FINALIDADE E PORTE, E ESTÃO DIVIDIDOS NAS SEGUINTES CATEGORIAS BÁSICAS: PALMTOP: Como o nome diz, o palmtop cabe na palma da mão. É o computador de bolso NOTEBOOK OU LAPTOP. É o computador portátil. Os dois nomes costumam ser usados sem distinção, pois em geral têm os mesmos recursos. O que os difere, portanto, é o tamanho. Ambos são portáteis, mas o laptop é um pouco maior em relação ao notebook. TABLETS: Um tablet PC ou simplesmente tablet é um dispositivo pessoal em formato de prancheta que pode ser usado para acesso à Internet, organização pessoal, visualização de fotos, vídeos, leitura de livros, jornais e revistas e para entretenimento com jogos 3D. Apresenta uma tela touchscreen e tem como o dispositivo de entrada principal a ponta dos dedos ou uma caneta, em vez de um teclado ou mouse. Exemplos: Ipad, Galaxy. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 35. DESKTOP: ou computador de mesa. Para uso pessoal ou trabalho. A maioria dos computadores do mundo é do tipo desktop. ESTAÇÃO DE TRABALHO, OU WORKSTATION:. São computadores de mesa que são utilizados em redes de computadores, em empresas, escolas etc. SERVIDOR DE REDE: computadores que trabalham em redes prestando serviços aos usuários. Ex: servidor de impressão, servidor de dados, servidor web, servidor proxy. MAINFRAME: Computador de grande porte para trabalho pesado em grandes instituições, como bancos e órgãos de governo. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 36. Profa Esp. Kelly Bráz São os computadores com maior capacidade de processamento existentes.  Existem poucos no mundo e são destinados a tarefas que exigem volumes enormes de processamento, como pesquisas científicas e previsão do tempo.
  • 37.  Um SISTEMA COMPUTACIONAL é formado por um conjunto de dispositivos eletrônicos (hardware) capazes de receber e processar informações de acordo com um programa (software), para atender às necessidades dos usuários (peopleware) de computador. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 38. •HARDWARE É a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. •SOFTWARE Em contraposição ao hardware, o software é a parte lógica, ou seja, o conjunto de instruções (programas de computador) e dados (textos, planilhas, músicas, fotos etc) que é processado pelos circuitos eletrônicos do hardware. Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada através do software, que é a camada, colocada sobre o hardware, que transforma o computador em algo amigável para o ser humano Profa Esp. Kelly Bráz
  • 39.  São pessoas que trabalham direta ou indiretamente usando computadores. Entretanto, você precisa entender a diferença entre usuário e profissional de Informática.  O USUÁRIO é aquele que usa o computador como uma ferramenta para ser mais produtivo no trabalho, nos estudos, ou no seu dia a dia. Todos devem se preocupar em ser usuários competentes.  O PROFISSIONAL DE INFORMÁTICA, além de ser um usuário competente, tem conhecimentos a mais, que lhe permitem dar manutenção em computadores, administrar redes, desenvolver programas, criar sites de Internet etc. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 40. GABINETE: é a parte mais importante do computador, podemos dizer que o gabinete é o computador propriamente dito. Dentro dele, há vários componentes que fazem o processamento da informação. Mas atenção, não chame o gabinete de cpu, pois são coisas diferentes (algumas pessoas, inclusive técnicos costumam chamar o gabinete de cpu porque esta – a cpu – está dentro do gabinete). MONITOR: é a tela que nos mostra as respostas que o computador nos dá. É um periférico de saída (pois a informação sai do computador para o usuário). TECLADO: conjunto de teclas que permite que operemos o computador através de comandos digitados. É um periférico de entrada. MOUSE: através dele, controlamos uma setinha (popularmente conhecida como ponteiro do mouse) que aponta para os itens na nossa tela. Também é um periférico de entrada. Profa Esp. Kelly Bráz Hardware – parte física do computador
  • 41. Dentro do gabinete são encontrados os componentes que formam o computador propriamente dito, como as memórias, o processador e o disco rígido, todos eles estão direta ou indiretamente ligados à placa mãe. Profa Esp. Kelly Bráz Uma placa-mãe permite que todas as partes de seu computador recebam energia e comuniquem-se entre si. As placas-mãe evoluíram bastante nos últimos vinte anos. As primeiras placas tinham poucos componentes funcionais. A placa-mãe do primeiro IBM PC tinha somente um processador e slots. Os usuários conectavam componentes como controladoras de discos rígidos e memória nos slots. Hoje, as placas-mãe ostentam uma variedade de itens embutidos nela que afetam diretamente a capacidade e potencial de atualizações do computador. Nestes slides, veremos os componentes gerais de uma placa-mãe.
  • 42. Profa Esp. Kelly Bráz São placas onde grande parte dos dispositivos como placas de rede, vídeo, modem e som já vem integrados na sua própria estrutura sem a necessidade de adquirir uma interface separada. Baixo desempenho e baixo custo: depende do processador, compartilha memória INTERFACES INTEGRADAS(ON-BOARD)
  • 43. PLACA MÃE ON BOARD - IMAGEM 02 Profa Esp. Kelly Bráz
  • 44. PLACA MÃE OFF BOARD - IMAGEM 01 Profa Esp. Kelly Bráz
  • 45. PLACA MÃE OFF BOARD - IMAGEM 002 Profa Esp. Kelly Bráz
  • 46. Profa Esp. Kelly Bráz Vídeo Normal CARACTERÍSTICA: Tem sua própria memória não compartilha memória com o computador Vídeo ON-BOARD Compartilha memória com o computador, prejudicando assim o desempenho do processador, não é recomendada para aplicações que requer alto desempenho gráfico.
  • 47.  MICROPROCESSADOR: é o chip mais importante do computador, cabendo a ele o processamento de todas as informações que passam pelo computador. Ele reconhece quando alguma tecla foi pressionada, quando o mouse foi movido, quando um som está sendo executado e tudo mais... Devido a sua importância, consideramos o processador como o “cérebro do computador” e vamos estudá-lo com mais detalhamento. Profa Esp. Kelly Bráz Principais componentes da placa mãe Os processadores (ou CPUs, de Central Processing Unit) são chips responsáveis pela execução de cálculos, decisões lógicas e instruções que resultam em todas as tarefas que um computador pode fazer e, por esse motivo, são também referenciados como “cérebros” dessas máquinas. Embora haja poucos fabricantes (essencialmente, Intel, AMD e VIA), o mercado conta com uma grande variedade de processadores. Apesar disso e das diferenças existentes entre cada modelo, todos compartilham de alguns conceitos e características
  • 48. A ULA é o dispositivo que faz as operações elementares (adição, subtração etc.), operações lógicas (AND, OR, NOT), e operações de comparação (por exemplo, comparar dois bytes e dizer se são iguais). É nesta unidade que o "trabalho real" é feito. A UNIDADE DE CONTROLE armazena a posição de memória que contém a instrução corrente que o computador está executando, informando à ULA qual operação a executar, buscando a informação (da memória) que a ULA precisa para executá-la e transferindo o resultado de volta para o local apropriado da memória. Feito isto, a unidade de controle vai para a próxima instrução (tipicamente localizada na próxima posição da memória (endereço de memória), a menos que a instrução seja uma instrução de desvio informando o computador que a próxima instrução está em outra posição). O Processamento é onde os dados de entrada serão tratados para gerar um determinado resultado. Por exemplo, o computador executa o arquivo. Outros exemplos: o cálculo salarial, uma complexa expressão matemática, ou até mesmo uma simples movimentação de dados ou comparação entre eles. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 49. Profa Esp. Kelly Bráz  A parte responsável pelo processamento em um computador é a Unidade Central de Processamento(UCP), usualmente denominada de CPU(Central Processing Unit) o termo em inglês. Essa unidade é o processador que é o responsável pelo controle e o processamento do computador, fazendo uma analogia podemos classifica-ló como o cérebro do computador.  É o circuito eletrônico que processa as informações dentro do computador, é o componente básico de qualquer computador, apesar dos diferentes modelos que temos atualmente.  A velocidade do processador é medida em MegaHertz(Mhz) ou GigaHertz(Ghz) variando de acordo com o modelo.  Clock – A Freqüência  Os circuitos eletrônicos utilizam um cristal para controlar o fluxo de sinais responsáveis pelo seu Funcionamento. A freqüência de um processador é a medida, em ciclos por segundo (Hz);  Obs.: 1Hz = 1 Ciclo por segundo.  A CPU é formada pela Unidade de Controle(UC) e pela Unidade Lógica e Aritmética(ULA).
  • 50. BARRAMENTOS são conjuntos de sinais digitais com os quais o processador comunica-se com o seu exterior. Em resumo eles são vias, linhas, estradas de comunicação entre os vários dispositivos do computador. DIVISÕES DOS BARRAMENTO Barramentos de Dados: por onde trafegam as instruções dos dados; Barramento de Endereços: por onde passam as informações de endereços de memória fornecidos pela CPU. Barramento de Controle: por onde passam os sinais que indicam operações de escrita ou leitura na memória. BARRAMENTOS INTERNOS Os barramentos Internos são aqueles que ligam a CPU (processador) aos componentes que ficam dentro do gabinete. Existem vários tipos de barramentos para ligar os equipamentos internos, iremos visualizar alguns deles.
  • 51. Profa Esp. Kelly Bráz BARRAMENTO IDE (Integrated Drive Eletronics) É utilizado para conectar (HD, Drives de CD, Gravadores de CD, Drives de DVD, Gravadores de DVD) à placa-mãe do computador. Em cada barramento IDE permite a conexão de apenas dois desses equipamentos. Podemos classificá-las em IDE Primária e IDE Secundária ou dependendo da placa-mãe a identificação poderá ser (IDE1 e IDE2) ou (IDE0 e IDE1), o total de equipamentos de armazenamento interno podem então ser quatro. Com relação a sua velocidade de transferência de dados podendo chegar hoje até os 133 MB/s.
  • 52. Serial Ata(SATA) Serial ATA ou simplesmente SATA é o padrão de discos rígidos criado para substituir os discos ATA, também conhecidos como IDE. A taxa de transferência máxima teórica de um disco Serial ATA é de 150 MB/s ou 300 MB/s, contra os 133 MB/s de um disco rígido IDE. Profa Esp. Kelly Bráz Barramento ISA (Industry Standard Architecture) O barramento ISA é utilizado para placas de expansão, como modems, placas de som, placas de vídeo, o ISA caiu em desuso pelo desenvolvimento de barramentos bem mais rápidos que ele. Trabalha com uma largura de banda 16 bits (transfere 2 bytes por vez) e tem uma freqüência de 8MHz, o que permite uma taxa de transferência de 16MB/s (Megabytes por segundo). O barramento ISA não possui a característica de Plug and Play. Barramento PCI (Peripheral Component Interconnect) Substituto do barramento ISA nas novas placas-mãe. O barramento PCI trabalha com uma freqüência 33Mhz e largura de banda de 32 bits. A taxa total de transferência entre um equipamento ligado ao barramento PCI e o processador é de cerca de 133 MB/s. O barramento PCI é Plug and Play.
  • 53. Profa Esp. Kelly Bráz Barramento AGP Este barramento é exclusivo para placas de vídeo. Sua taxa de transferência é muito superior à do barramento PCI que era o utilizado anteriormente. O barramento AGP opera com uma freqüência de 66MHz (o dobro do PCI) e uma largura de 32 bits, que permite transferências da ordem de 266MB/s. O AGP também evoluiu para AGP 2X (533MB/s), AGP 4X (1066MB/s – equivalente a 1GB/s) e finalmente, em algumas placas mãe para AGP 8x (2133MB/s ou 2,1GB/s).
  • 54. Profa Esp. Kelly Bráz BARRAMENTOS EXTERNOS ::::::::: Os barramentos externos são os que interligam a CPU aos equipamentos que encontram-se fora do gabinete (como teclado, mouse, impressora, etc.). Podemos ver os barramentos externos nos pequenos encaixes para os conectores dos equipamentos na parte traseira do gabinete, e que são conhecidos como portas. Barramento PS/2 (Porta PS/2) É o barramento atualmente usado para conectar mouse e teclado. Há duas portas na parte traseira do gabinete, uma para o mouse e a outra para o teclado. Porta Serial A porta serial é um barramento usado por uma série de equipamentos que transferem relativamente pouca informação, como mouses, modems, câmeras (webcam), etc. Num computador pessoal, os conectores mais comuns para o barramento serial são DB-9 (que usa nove pinos, é o menor na figura acima) e DB-15 (que usa 15 pinos). O barramento serial transmite apenas 1 bit. Ou seja, os bits são transmitidos em fila, um a um, daí o nome do barramento ser SERIAL (em série). A velocidade de comunicação de um barramento serial pode chegar a 115 Kbps e equivalem a 14,4KB/s.
  • 55. Porta Paralela A porta paralela era usada para conectar equipamentos que exigiam um mais intenso tráfego de dados, como impressoras, scanners, unidades de armazenamento externas (como o Zip Drive, por exemplo), etc. É mais rápida que a porta serial, pois ela envia 8 bits por vez. É um barramento relativamente antigo, que como o serial, está sendo cada vez menos utilizado em computadores atuais. A porta paralela usa conector DB-25. Profa Esp. Kelly Bráz PORTA PARALELA
  • 56. Profa Esp. Kelly Bráz  Universal Serial Bus (USB) é um tipo de conexão Plug and Play que permite a conexão de periféricos sem a necessidade de desligar o computador.  Barramento, que está substituindo as antigas portas seriais e paralelas para conectar equipamentos externos.  Uma característica muito interessante sobre o barramento USB é que, em uma única porta podem ser conectados 127 equipamentos diferentes em fileira, ou seja, um ligado ao outro.  Número máximo de conexões: 127  Velocidade: 1,5 ou 12 Mbps  Comprimento máximo: cinco metros Barramento USB(Universal Serial Bus)
  • 57. É uma interface serial para computadores pessoais e aparelhos digitais de áudio e vídeo que oferece comunicações de alta velocidade e serviços de dados em tempo real. O FireWire (também conhecido como i.Link, IEEE 1394 ou High Performance Serial Bus/HPSB) consegue ser até 30 vezes mais veloz que o padrão USB, sua taxa de transferência chega aos 400Mbps(50MB/s). É um barramento usado por vários tipos de equipamentos, entre eles drives removíveis, câmeras digitais, televisão digital, impressoras, scanners, dispositivos de som, etc. É possível conectar ao mesmo tempo, até 63 aparelhos em um único barramento. Profa Esp. Kelly Bráz FIREWIRE
  • 58. Profa Esp. Kelly Bráz Barramento PCMCIA (PC CARD) Desenvolvido para ser utilizados em notebooks e handhelds pelo que quase todos os equipamentos vêm neste formato de cartão, como modems, placas de som, placas de rede. A diferença dos computadores de mesa nos quais podemos acoplar placas de expansão, os portáteis, por seu tamanho reduzido, utiliza o PC CARD (um cartão) para poder fazer expansões. Barramento PCMCIA (PC CARD)
  • 59. Podemos conceituar memória como dispositivos responsáveis pelo armazenamento das informações (dados). A memória pode ser classificada como:  Memória Principal  Memória Secundária  Memória Auxiliar Profa Esp. Kelly Bráz CLASSIFICAÇÃO DAS MEMÓRIAS
  • 60. A memória principal ou primária, está dividida em dois circuitos integrados, de uma forma mais simples, da seguinte forma: ROM – (Read Only Memory) Memória apenas de leitura => É uma memória não volátil (permanente) que contém pequenos programas gravados de fábrica contendo informações sobre o computador que não podem ser alterados pelo usuário. Estes programas são lidos durante a inicialização do computador (Boot), está memória também é conhecida como BIOS), Profa Esp. Kelly Bráz OBS.: Memória Cache => É uma extensão da memória RAM ou do processador, de acordo com o fabricante do computador, interposta entre o processador e a memoria RAM, com a finalidade de armazenar registros das informações que já foram executadas após a ultima inicialização do computador tornando o acesso a estas informações mais rápido.
  • 61. Profa Esp. Kelly Bráz RAM – (Randon Access Memory) Memória de acesso randômico => É a memória temporária utilizada pelo computador, que tem como principal função armazenar os dados resultantes de uma operação (processamento). Esta memória é volátil e de leitura e gravação. Não podemos esquecer que a memória RAM é temporária, ao desligar o computador todo seu conteúdo será apagado. RAM
  • 62. Profa Esp. Kelly Bráz  A memória ROM (Read-Only Memory) é uma memória que só pode ser lida e os dados não são perdidos com o desligamento do computador. Enquanto a memória RAM aceita gravação, regravação e perda de dados, a ROM é utilizada para que o processador execute um software, chamado de firmware. Basicamente, existem três rotinas nessa memória, que são acessados toda vez que ligamos o computador: • BIOS; • POST; • SETUP. • Existe uma variação da ROM chamada memória preferencialmente de leitura que permite a re-gravação de dados. São as chamadas EPROM (Erasable Programmable Read Only Memory) ou EEPROM (Electrically Erasable Programmable Read-Only Memory).
  • 63. A Memória secundária ou Memória de Massa é usada para gravar grande quantidade de dados, que não são perdidos com o desligamento do computador, por um período longo de tempo. Exemplos de memória de Massa:  CD;  DVD;  Disco rígido;  Disquete;  Pen drive. Normalmente a memória secundária não é acessada diretamente pela CPU, mas sim por meio dos dispositivos de Entrada e Saída. Isso faz com que o acesso a essa memória seja muito mais lento do que o acesso à memória primária. Profa Esp. Kelly Bráz Disquete de 3 ½” Superfície magnética de armazenamento de dados possui capacidade nominal de 1,44MB e capacidade real de 1,38MB quando utilizado no Windows por causa da FAT. MEMÓRIA SECUNDÁRIA
  • 64. Armazenamento óptico dos dados, com capacidades entre 650 e 700 MB. A unidade leitora do CD é chamada de Drive de CD, e a sua velocidade de leitura esta medida como múltiplo de uma velocidade X padrão. Onde X = 150KB/s. Hoje em dia, há drives com 50x, 55x, 60x, etc. Existem também os gravadores de CD, equipamentos que são normalmente citados com suas três velocidades, como em CDRW 24x10x40x (a maior sempre é de leitura, e a menor sempre é de regravação, a que sobrar é a de gravação). Tipos de CD: CD-ROM: Não pode ser alterado pelo usuário, apenas lido. Os dados deste CD são gravados pelo fabricante; CD-R: Podem ser gravados várias vezes pelo usuário, apenas não pode ter seu conteúdo apagado. CD-RW: Pode ser gravado e apagado várias vezes pelo usuário. Profa Esp. Kelly Bráz CD – Compact Disk
  • 65. Armazenamento óptico dos dados com capacidade normalmente entre 4,7GB DVD de camada simples e 8,5 para o DVD de camada dupla, possui as mesmas dimensões do CD. O DVD constitui uma nova tecnologia de armazenamento óptico que apesar de possuir as mesmas dimensões do CD como foi descrito anteriormente, tem uma capacidade de armazenamento maior. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 66.  A Memória Cache é uma memória elétrica (como a RAM) que armazena dados mais rápido que a RAM. Na verdade, a memória Cache é um tipo de RAM.  Sua função é armazenar os dados mais recentemente requisitados da memória RAM principal. Quando a CPU requisita um dado à RAM, ele é copiado para a Cache para que, se for requisitado novamente, não seja necessário buscar na RAM outra vez.  Normalmente a memória é nitidamente separada da ULA em uma arquitetura de computador. Porém, os microprocessadores atuais possuem memória cache incorporada, o que aumenta em muito sua velocidade. Profa Esp. Kelly Bráz CACHE
  • 67. Cache L1 (Interna): localizada dentro do processador. Cache L2 (Externa ou Interna): antigamente era externa localizado na placa-mãe, hoje os processadores possuem a L2 interna. Cache L3 (Interna): para processadores que não são normalmente encontrados em nossos computadores e sim para computadores com maior poder de processamento. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 68. É uma região de memória temporária utilizada para escrita e leitura de dados. Os dados podem ser originados de dispositivos (ou processos) externos ou internos ao sistema. Os buffers podem ser implementados em software ou hardware. Normalmente, os buffers são utilizados quando existe uma diferença entre a taxa em que os dados são recebidos e a taxa em que eles podem ser processados, ou no caso em que essas taxas são variáveis. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 69. Profa Esp. Kelly Bráz Didaticamente, podemos definir os componentes físicos do computador como divididos em duas categorias: a cpu (unidade central de processamento) e os periféricos. Muitos usuários erroneamente chamam o gabinete de cpu, mas o correto é dizer que a cpu está dentro do gabinete, mais precisamente, dentro do processador. A cpu é uma unidade de controle central de todos os processos do computador, e está localizada dentro do microprocessador. Tudo o mais que não for cpu, é considerado periférico (“o que está na periferia”, ao redor, ajudando a cpu a funcionar). CPU E PERIFÉRICOS
  • 70. • PERIFÉRICOS DE ENTRADA: são aqueles que fazem a informação entrar na cpu, ou seja, tem “mão única” do usuário para a cpu. São eles: teclado, mouse, câmera, microfone, scanner, etc. • PERIFÉRICOS DE SAÍDA: são os dispositivos que permitem que a informação saia da cpu para o usuário.  Exemplos: monitor, impressora, caixas de som, plotter, data show (projetor), entre outros. • PERIFÉRICOS MISTOS (ENTRADA E SAÍDA): são periféricos de “mão dupla”, ora a informação entra na cpu, ora ela sai. Podemos citar: disquete, disco rígido, modem, placa de rede, e as memórias (ram e cache). Nestes dispositivos, a cpu tem o direito de ler (entrada) e gravar (saída). Profa Esp. Kelly Bráz
  • 71. HD – Disco Rígido Armazenamento magnético dos dados, atualmente chega a centenas de GB de capacidade de armazenamento.Nele são guardados os nossos programas e dados.Ele também pode ser chamado de HD ouWinchester. Profa Esp. Kelly Bráz Cartões de Memória Utilizam memória Flash (FEPROM) e possuem diversas capacidades como por exemplo: 32MB, 64MB, 128MB, 256MB e até 512MB. Existem vários formatos diferentes de cartões. Memórias Flash USB Armazenamento que utiliza memória Flash (FEPROM), possui diversas capacidades: 256MB, 512MB, 1GB, 2GB e até 8GB. Também identificado como Pendrive.
  • 72.  MODEM: é um periférico que permite a conexão com outro computador através de uma rede dial-up (conexão telefônica) para, por exemplo, permitir o acesso à internet.  PLACA DE REDE: permite que o computador se conecte a uma rede local (lan) através de cabos específicos, chamados cabos de rede.  PLACA DE SOM: permite que o computador emita som estéreo pelas caixinhas de som.  PLACA DE VÍDEO: realiza a comunicação entre processador e monitor, sem esse periférico, o computador não conseguiria desenhar na tela do monitor, ou seja, não seria possível trabalhar. Profa Esp. Kelly Bráz PARA EXPLICAR MAIS PRECISAMENTE SOBRE ALGUNS PERIFÉRICOS
  • 73. Profa Esp. Kelly Bráz  Atualmente, os micros vendidos nas maiorias das lojas do país apresentam todos os periféricos básicos já inseridos na placa mãe, são os chamados micros “on board”, ou seja: placa de som, placa de rede, placa de vídeo, fax/modem vêm todos já dentro da placa mãe. Esses micros são fáceis de instalar e mais baratos, mas a qualidade dos produtos colocados nas placas mãe deve ser bem escolhida pelos que fabricam e comercializam os produtos. Além do mais, essas placas normalmente vêm de fábrica com poucos slots (lacunas para encaixar outras placas), o que limita muito as possibilidades de upgrade (melhoria no computador, como aumento de recursos, velocidade, etc...).
  • 74. Modem - é a placa de modem, que permite a comunicação de dados através de uma linha telefônica convencional. O terceiro micro apresenta uma placa isdn, que é um dispositivo que permite a comunicação através de uma linha telefônica digital (cujo sistema é chamado de isdn). Profa Esp. Kelly Bráz MODEM
  • 75. Placa de vídeo é o nome dado ao equipamento que recebe os dados do processador e os “desenha” no monitor. Dois dos computadores citados acima usam uma placa de vídeo com 8mb de capacidade de memória (chamada memória de vídeo). O computador do meio usa uma placa de vídeo aceleradora (ideal para programas e jogos que usam recursos de 3d) com 32mb de memória de vídeo. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 76. é um equipamento usado para conectar computadores em uma rede local ou LAN, também pode ter a denominação de adaptador de rede ou NIC(Network Interface Card). Profa Esp. Kelly Bráz
  • 77. Na memória do computador, um bit é a menor parte de uma informação possível de ser armazenada. Isto porque o computador só entende e armazena dados em linguagem binária. O bit é representado por dois dígitos: 0 (zero) e 1 (um). Quando o valor do bit é zero, ele está desligado (sem energia elétrica); Quando o bit é um, ele está ligado (com energia). Como o bit só pode representar dois estados foi necessário agrupar um conjunto de 8 (oito) bits para representar uma letra, um carater qualquer. A esse conjunto de bits dá-se o nome de byte, que por sua vez representa um caracter. Profa Esp. Kelly Bráz ARMAZENAMENTO DE DADOS
  • 78. Byte 1 Byte = 8 bits (23 bits) Kilobyte (Kb) 1 024 Bytes (210) Megabyte (Mb) 1 024 KB 1 048 576 Bytes (220) Gigabyte (Gb) 1 024 MB 1 048 576 KB 1 073 741 824 Bytes (230) Terabyte (Tb) 1 024 GB 1 048 576 MB 1 073 741 824 KB 1 099 511 627 776 (240) Bytes Profa Esp. Kelly Bráz Expressam-se as quantidades em prefixo binário (e não no Sistema Internacional de Unidades), que é uma forma de quantificação utilizada em Informática onde se torna mais útil utilizar potências de dois do que potências de dez. Bit (simplificação para dígito binário, "BInary digiT" em inglês) é a menor unidade de informação usada na Computação. Observe a escala ao lado: ARMAZENAMENTO DE DADOS
  • 79. IMPRESSORA MATRICIAL: é uma impressora que utiliza uma matriz (conjunto) de agulhas que pressionam uma fita de tinta contra o papel. Essa é a única impressora atual que imprime por contato (tocando no papel), portanto ela permite a impressão de várias vias carbonadas (papel carbono). Profa Esp. Kelly Bráz TIPOS DE IMPRESSORAS
  • 80. IMPRESSORA JATO DE TINTA: é uma impressora que imprime utilizando-se de cartuchos cheios de tinta que “cospem” tinta no papel. Não há contato físico da cabeça de impressão com o papel. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 81. IMPRESSORA LASER: utiliza um canhão que dispara um feixe de laser num rolo imerso em pó que serve de tinta (este pó chama-se toner). A parte impressa no rolo se “prende” ao papel, por meio de processos químicos. Neste tipo de impressão também não há contato da cabeça de impressão com o papel. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 82.  PLOTTER OU PLOTADORA: nome dado às impressoras de grande porte (que são usadas para imprimir plantas baixas de apartamentos e casas em engenharia e arquitetura). Essas impressoras têm uma área lateral muito grande, o que permite a impressão de páginas muito largas, ideais para as plantas nas quais são impressas. Atualmente já existem plotters que imprimem como as impressoras jato de tinta. Profa Esp. Kelly Bráz
  • 83. No momento em que ligamos o computador, um chip chamado bios (sistema básico de entrada e saída) acorda. A função dele é apenas ligar o resto do computador, fazer um diagnóstico dos componentes existentes, e por fim, chamar o so (Sistema Operacional) para o trabalho. O bios é um tipo de memória rom (memória somente para leitura). Isso significa que todo o conteúdo do bios já foi, na fábrica, gravado neste chip e não pode ser mais alterado. Uma memória do tipo rom só pode ser lida, utilizada, mas seu conteúdo não pode ser alterado pelos usuários. Um programa gravado em uma memória rom é chamado de firmware. Logo que o sistema operacional é “requisitado” pela bios, ela deixa de funcionar (volta a dormir) e ele é carregado de onde estava gravado para a memória ram. O so não foge à regra do mundo da informática, ele só pode ser gravado em alguma unidade de disco, na forma de arquivos. Só para se ter uma idéia, o sistema Windows ocupa cerca de 120 mb de informação. Profa Esp. Kelly Bráz PROCESSO DE INICIALIZAÇÃO DO COMPUTADOR (BOOT)
  • 84. 1. Nosso computador é um equipamento físico completo, cheio de partes interligadas que formam um conjunto harmônico e funcional e, por isso, não necessita de mais nada, certo? ERRADO! A “máquina” em si está completa, mas não tem “alma”, está funcionando como um corpo morto, que não possui conteúdo vivo para fazer ele funcionar. De que adianta ter um corpo se não sentimos, pensamos, lembramos, imaginamos, calculamos? Da mesma forma como nesta analogia espiritualista, o nosso computador funciona. Todas as partes físicas do computador são chamadas de hardware, mas que não funcionam se não estiverem associados a um software (toda a parte lógica, gravada nos discos, que faz o computador funcionar). Software é todo e qualquer conjunto de instruções (ordens) que o computador executa. Seja um programa para fazer cálculos de engenharia, até um simples calendário que apresenta as datas na tela do computador. Profa Esp. Kelly Bráz SOFTWARE – A “ALMA” DA INFORMÁTICA
  • 85.  E-mail para contato: keullysbraz@yahoo.com.br Profa Esp. Kelly Bráz