SlideShare uma empresa Scribd logo
 Série de Idolatria Instantânea
Contribuição de Glenn Pease em 22 de março de 2021
Escritura: Daniel 3: 1-8
Resumo: Este incidente na Babilônia nos mostra
que os cristãos têm justificativa para se envolver
na política, mas também para resistir a um
governo que obriga a obediência ao que é
contrário à vontade de Deus.
Alfred North Whitehead disse: "A nota chave da idolatria é
contentamento com os deuses predominantes. "Nabucodonosor, como vimos
na conclusão do capítulo 2, havia se convencido de que Jeová estava
o Deus dos deuses. Mesmo depois disso, no entanto, ele não se sentiu
compelido
para abandonar seus deuses menores. Como muitos orientais hoje, ele
acrescentou
o verdadeiro Deus à sua coleção e continuou em sua fidelidade ao seu antigo
Deuses. Aqui no capítulo 3, nós o vemos estabelecendo um ídolo de ouro para
ser
adorado.
Os comentaristas discordam sobre como interpretar essa idolatria. Dr.
Gill diz que foi por causa de seu orgulho. No sonho e interpretação de
capítulo 2 ele era a cabeça de ouro, mas ele faria melhor do que
isso e ser toda a imagem de ouro. A imagem representa a si mesmo,
e é sua tentativa de superar o sonho e tornar-se superior.
Quer ele tenha sentido ou não que esta imagem representava a si mesmo, não
sabe, mas sabemos que ele estava falando muito sério sobre ser
adorado, pois ele ameaça a morte imediata a todos os que se curvarem
para isso. seja qual for o motivo, ele está determinado a fazer com que todos
venerem sua
imagem dourada. Significou muito para ele.
Joseph Seiss tem uma visão oposta da questão. Ele diz o
o rei está de parabéns aqui por este nobre ato de reverência. Ele
diz que Nabucodonosor está construindo esta imagem como um memorial do
sonho que Deus lhe deu para nunca esquecer. O propósito então é
glorificar o Deus do céu e não diminuí-lo. Isto é
maravilhoso poder ver um motivo tão nobre, mas a evidência é
oposta a esta visão otimista. Se fosse verdade que ele estava honrando
Jeová, por que todo o capítulo seria sobre a oposição de
Homens de Deus para a coisa toda? No versículo 18 eles dizem que não vão
servir seus deuses ou adorar a imagem de ouro. Está voando na cara de
os fatos para supor que Nabucodonosor está fazendo qualquer coisa aqui,
exceto
exigindo adoração idólatra. Ajuda saber que o capítulo 3
não vem imediatamente após o capítulo 2 no tempo. Nabucodonosor não é
ser retratado levantando-se no dia seguinte e ordenando a imagem para
ser configurado.
Desde o capítulo 2, Nabucodonosor foi a Jerusalém e
destruiu a cidade, e isso foi 19 anos depois. Possivelmente ele agora não é
mais impressionado com o Deus dos judeus cuja cidade ele tem
destruído. Ele está se sentindo muito supremo e diz aos 3
Amigos judeus no versículo 15, "E quem é o Deus que vai te livrar
fora de minhas mãos? "Se o Deus dos Judeus não pudesse livrá-los em
sua cidade sagrada, ele certamente não será uma ameaça na Babilônia é o que
ele
estava pensando. Nabucodonosor perdeu a impressão que teve quando
o sonho foi interpretado. Ele se acomodou em seu contentamento
com os deuses da Babilônia. Ele estava no mesmo estado de espírito do rei
Roberto da Sicília. Ele ouviu as palavras das Escrituras sendo cantadas por
algum padre. Eles estavam dizendo: "Ele derrotou os poderosos de
seus assentos, e os exaltou de baixo grau. "Sua resposta desdenhosa
de orgulho era-
É bom que tais palavras sediciosas sejam cantadas
Somente por padres na língua latina,
Pois aos sacerdotes e ao povo seja conhecido,
Não há poder que possa me empurrar do meu trono.
Foi com esse espírito que Nabucodonosor ergueu seus 30 metros de altura
imagem dourada e esperava que todos se curvassem. Mesmo que não
representá-lo, seu ego estava diretamente envolvido. Temos uma ideia dele
atitude da famosa Inscrição da Casa da Índia em que ele nos diz
como ele renovou dois grandes templos e construiu muitos outros. De Um
de seus palácios, ele diz: "Aquela casa, para admiração que eu fiz, para o
vendo as hostes dos homens, enchi-o de magnificência.
Glória inspiradora e medo do esplendor de minha soberania
envolva-o ao redor; o homem mau e injusto não vem
dentro dele. "Ele chegou muito perto de brincar de Deus com seu grande poder.
O versículo 2 diz que ele chamou todos os oficiais para o
dedicação de sua imagem. Um tirano sempre tem uma boa multidão em seu
formalidades. É uma questão de sobrevivência comparecer a tal função.
Daniel não está presente nesta cerimônia e provavelmente estava em uma
viagem de
alguns negócios importantes do governo. Seus três amigos, que eram
funcionários menores, não tiveram tanta sorte, e foram forçados a um
Confronto. Eles sobreviveram todos esses anos como servos em um pagão
governo, mas agora eles enfrentaram um teste de lealdade entre Deus e
seu governo. Nenhum homem livre poderia tolerar as demandas de
Nabucodonosor. Ele negou a liberdade religiosa e exigiu adoração
de seu ídolo ou então. Isso não seria problema para a maioria dos funcionários,
pois eles podiam adorar outro deus sem negar seu próprio deus.
Não houve inconsistência para eles. Era só uma questão de
cortesia comum por ter honrado os deuses da área em que estava.
Foi uma história diferente para os judeus, no entanto, para seu Deus
proíba o reconhecimento de todos os falsos deuses dos homens. Idolatria era
um
pecado grave de deslealdade e, portanto, eles estavam realmente em um beco
sem saída. Eles eram
funcionários do governo realizando serviços úteis no governo para
anos. Eles não tiveram que comprometer sua lealdade em servir
pessoas pagãs desta forma, mas agora sua lealdade está sendo desafiada.
Eles se curvarão a um falso deus para manter seu cargo e permanecer vivos?
Eles vão comprometer sua fé para manter a boa vida que tiveram,
ou eles vão arriscar tudo sendo leais ao seu Senhor? O fato de que eles
durou tanto tempo mostra que um crente pode ser um bom político em um
sociedade incrédula. Mais cedo ou mais tarde, no entanto, eles foram
executados em
conflito de interesses e ser forçado a escolher entre a lealdade ao
estado, ou a Deus. Em um governo como o da Babilônia, o perigo
era ainda maior, pois não havia separação entre igreja e estado.
Na América, nenhum funcionário do governo poderia ser obrigado por decreto
para se curvar a qualquer ídolo. Se tal acontecesse, os cristãos
teria que desafiar o governo em lealdade a Deus. Este incidente
na Babilônia nos mostra que os cristãos são justificados em se envolver
na política, mas também na resistência a um governo que obriga à obediência
ao que é contrário à vontade de Deus. Isso significa que os grupos que
não tem nada a ver com o governo, e aqueles que dizem que meu país
certo ou errado são ambos sem suporte bíblico. O bíblico
posição é fazer tudo o que for possível que seja consistente com a vontade de
Deus,
e resistir a tudo o que é contrário à Sua revelação.
Nos versos 4 e 5, o arauto explicou o que era esperado no
som dos instrumentos. Os tempos não mudaram muito. Aqui
é o típico encontro de dignitários sendo instruídos sobre o que
fazer quando a banda começar o programa. A música desempenha um papel
importante em
todos os assuntos dos homens. Isso é verdade em todos os países e
religiões. O
Os babilônios tinham uma natureza muito musical. Monumentos foram
encontrado com músicos tocando instrumentos. Aqui está uma lista
impressionante
dos instrumentos que usaram. A música une as pessoas por trás de um comum
causa. Cada nação tem sua música patriótica para unir seu povo. O
O papel da música no nacionalismo é essencial. A marcha de
O cristianismo também acompanhou os grandes hinos da cruz.
Muitos acham que a unidade política era o objetivo que Nabucodonosor tinha
em mente aqui.
O versículo 6 diz que aqueles que não caem no início
da música seria dada uma cremação gratuita às custas do governo.
Era arco ou queima sem espera. Queimar era o método típico
da pena capital na Babilônia. Em Jer. 29:22 lemos: "O Senhor
fazer de você como Zedequias e Acabe, a quem o rei da Babilônia
assado no fogo. "Nabucodonosor teve pouca compaixão, e
quando ele disse que você vai assar, você pode contar com assar. Verso 7
mostra que os funcionários estavam bem cientes disso, pois assim que o
a música começou, todos eles caíram imediatamente. Aqui estava a idolatria
instantânea.
Toque a música e em um momento eles serão todos idólatras.
Este esquema de idolatria instantânea não funcionou com todos, para os 3
Amigos judeus não estavam interessados nisso, ou mesmo em uma versão
mais lenta de
isto.
O versículo 8 mostra que alguns dos caldeus ficaram felizes por
recusou-se a se curvar, pois desprezava esses estrangeiros chegando como
meros
cativos e ascendendo a posições de poder político. Aqui estava o deles
chance de se livrar deles, e então eles os carregaram maliciosamente
antes do rei. Agora, o livro de Daniel afirma claramente que
Nabucodonosor está no poder pela vontade de Deus, e toda a sua glória é
o dom de Deus. Ele é o homem de Deus no lugar designado por Deus.
No entanto, se esse poder for usado injustamente, deve ser desafiado. Isto é
melhor ser culpado de traição ao seu rei do que ser um traidor de seu
Deus. Nenhum poder na terra tem o direito de comandar um homem
consciência sobre sua lealdade final.
A separação entre igreja e estado é a própria essência de nossa
sucesso como uma nação livre. Nenhuma nação pode permanecer livre por
muito tempo onde o
o estado tem o poder de determinar a lealdade final de um homem. Deus
nunca
pretendia que o estado exercesse esse poder. O homem deve ser livre para
determinar quem será seu Deus. Seria errado até mesmo para um
Ditador cristão para forçar as pessoas a adorarem o Deus verdadeiro. Onde
a liberdade é permitida, o Evangelho irá competir com todos os outros valores
para
a lealdade do homem. O que é surpreendente é que muitos cristãos acreditam
Jesus fará exatamente o que é condenado em todos os outros.
Eles acreditam que Ele estabelecerá um reino onde os homens serão
compelidos
pela força para ser leal a ele. Não vejo base bíblica para isso. Quando
todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Jesus é o Senhor
será devido a uma convicção inescapável, pois quando Cristo vier novamente
em
grande poder e glória ninguém será capaz de duvidar de Sua divindade.
Não haverá ninguém no inferno, incluindo o próprio diabo que irá
duvidar do senhorio de Cristo, mas ninguém será forçado a amá-lo ou
seja leal a ele. Eles estarão livres para amaldiçoá-Lo por toda a eternidade. Se
a força foi justificada Jesus seria obrigado a forçar todos a se arrependerem e
ser salvo. O que é mau em Nabucodonosor em sua demanda por instantâneo
a idolatria não deve ser atribuída ao Rei dos Reis, pois este
faz o poder certo, e se só o poder determina o certo, então este
a exigência de idolatria instantânea seria certa, mas claramente não é. Em
nosso próximo estudo, consideraremos as consequências de três judeus não
juntando-se a esta idolatria instantânea.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LIÇÃO 6 - A queda do império babilônico
LIÇÃO 6 - A queda do império babilônicoLIÇÃO 6 - A queda do império babilônico
LIÇÃO 6 - A queda do império babilônico
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 8 - NAAMÃ É CURADO DA LEPRA
LIÇÃO 8 - NAAMÃ É CURADO DA LEPRA LIÇÃO 8 - NAAMÃ É CURADO DA LEPRA
LIÇÃO 8 - NAAMÃ É CURADO DA LEPRA
Marcus Wagner
 
Daniel 10
Daniel 10Daniel 10
Daniel 10
Hezir Henrique
 
Livro de Daniel - Cap. 10
Livro de Daniel - Cap. 10Livro de Daniel - Cap. 10
Livro de Daniel - Cap. 10
Daniel M Junior
 
Sabedoria estatura graca -pdf
Sabedoria estatura graca -pdfSabedoria estatura graca -pdf
Sabedoria estatura graca -pdf
Vilma Longuini
 
Integridade em tempos de crise
Integridade em tempos de criseIntegridade em tempos de crise
Integridade em tempos de crise
Moisés Sampaio
 
13 habacuque
13   habacuque13   habacuque
13 habacuque
PIB Penha
 
LIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHO
LIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHOLIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHO
LIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHO
Natalino das Neves Neves
 
Lição 07 PAGAREI O MAL COM O BEM
Lição 07 PAGAREI O MAL COM O BEMLição 07 PAGAREI O MAL COM O BEM
Lição 07 PAGAREI O MAL COM O BEM
Marcus Wagner
 
O novo futuro do cristianismo
O novo futuro do cristianismoO novo futuro do cristianismo
O novo futuro do cristianismo
Hideumi Sekiguchi
 
Panorama do AT - Ageu
Panorama do AT - AgeuPanorama do AT - Ageu
Panorama do AT - Ageu
Respirando Deus
 
Resumo 1º trimestre 2013.
Resumo 1º trimestre  2013.Resumo 1º trimestre  2013.
Resumo 1º trimestre 2013.
Antonio Fernandes
 
Panorama do AT - Daniel
Panorama do AT - DanielPanorama do AT - Daniel
Panorama do AT - Daniel
Respirando Deus
 
[L09 - 2SEM2016] - LIÇÃO Nº. 09 – 28 DE AGOSTO
[L09 - 2SEM2016] - LIÇÃO Nº. 09 – 28 DE AGOSTO [L09 - 2SEM2016] - LIÇÃO Nº. 09 – 28 DE AGOSTO
[L09 - 2SEM2016] - LIÇÃO Nº. 09 – 28 DE AGOSTO
CARLOS LINUS FERREIRA
 
Livro de Daniel cap 10
Livro de Daniel cap 10Livro de Daniel cap 10
Livro de Daniel cap 10
Francisco Sousa
 
Comentário: 4° Domingo do Advento - Ano B
Comentário: 4° Domingo do Advento - Ano BComentário: 4° Domingo do Advento - Ano B
Comentário: 4° Domingo do Advento - Ano B
José Lima
 
Profeta Menor Ageu
Profeta Menor AgeuProfeta Menor Ageu
Profeta Menor Ageu
Célia Regina Carvalho
 

Mais procurados (17)

LIÇÃO 6 - A queda do império babilônico
LIÇÃO 6 - A queda do império babilônicoLIÇÃO 6 - A queda do império babilônico
LIÇÃO 6 - A queda do império babilônico
 
LIÇÃO 8 - NAAMÃ É CURADO DA LEPRA
LIÇÃO 8 - NAAMÃ É CURADO DA LEPRA LIÇÃO 8 - NAAMÃ É CURADO DA LEPRA
LIÇÃO 8 - NAAMÃ É CURADO DA LEPRA
 
Daniel 10
Daniel 10Daniel 10
Daniel 10
 
Livro de Daniel - Cap. 10
Livro de Daniel - Cap. 10Livro de Daniel - Cap. 10
Livro de Daniel - Cap. 10
 
Sabedoria estatura graca -pdf
Sabedoria estatura graca -pdfSabedoria estatura graca -pdf
Sabedoria estatura graca -pdf
 
Integridade em tempos de crise
Integridade em tempos de criseIntegridade em tempos de crise
Integridade em tempos de crise
 
13 habacuque
13   habacuque13   habacuque
13 habacuque
 
LIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHO
LIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHOLIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHO
LIÇÃO 11 - O HOMEM VESTIDO DE LINHO
 
Lição 07 PAGAREI O MAL COM O BEM
Lição 07 PAGAREI O MAL COM O BEMLição 07 PAGAREI O MAL COM O BEM
Lição 07 PAGAREI O MAL COM O BEM
 
O novo futuro do cristianismo
O novo futuro do cristianismoO novo futuro do cristianismo
O novo futuro do cristianismo
 
Panorama do AT - Ageu
Panorama do AT - AgeuPanorama do AT - Ageu
Panorama do AT - Ageu
 
Resumo 1º trimestre 2013.
Resumo 1º trimestre  2013.Resumo 1º trimestre  2013.
Resumo 1º trimestre 2013.
 
Panorama do AT - Daniel
Panorama do AT - DanielPanorama do AT - Daniel
Panorama do AT - Daniel
 
[L09 - 2SEM2016] - LIÇÃO Nº. 09 – 28 DE AGOSTO
[L09 - 2SEM2016] - LIÇÃO Nº. 09 – 28 DE AGOSTO [L09 - 2SEM2016] - LIÇÃO Nº. 09 – 28 DE AGOSTO
[L09 - 2SEM2016] - LIÇÃO Nº. 09 – 28 DE AGOSTO
 
Livro de Daniel cap 10
Livro de Daniel cap 10Livro de Daniel cap 10
Livro de Daniel cap 10
 
Comentário: 4° Domingo do Advento - Ano B
Comentário: 4° Domingo do Advento - Ano BComentário: 4° Domingo do Advento - Ano B
Comentário: 4° Domingo do Advento - Ano B
 
Profeta Menor Ageu
Profeta Menor AgeuProfeta Menor Ageu
Profeta Menor Ageu
 

Semelhante a Estudo babilonia

Livro de Daniel - Cap. 04 parte 01
Livro de Daniel - Cap. 04   parte 01Livro de Daniel - Cap. 04   parte 01
Livro de Daniel - Cap. 04 parte 01
Daniel M Junior
 
Livro de Daniel.
Livro de Daniel.Livro de Daniel.
Livro de Daniel.
Karla Maria
 
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO
Natalino das Neves Neves
 
Livro de Daniel
Livro de Daniel Livro de Daniel
Livro de Daniel
Karla Maria
 
Livro de Daniel introdução e parte 01
Livro de Daniel   introdução e parte 01Livro de Daniel   introdução e parte 01
Livro de Daniel introdução e parte 01
Daniel M Junior
 
Daniel 5 escolhas
Daniel 5   escolhasDaniel 5   escolhas
Daniel 5 escolhas
Diego Fortunatto
 
Capítulo 1 de daniel
Capítulo 1 de danielCapítulo 1 de daniel
Capítulo 1 de daniel
Diego Fortunatto
 
LIÇÃO 04 – A PROVIDÊNCIA DIVINA NA FIDELIDADE HUMANA
LIÇÃO 04 – A PROVIDÊNCIA DIVINA NA FIDELIDADE HUMANALIÇÃO 04 – A PROVIDÊNCIA DIVINA NA FIDELIDADE HUMANA
LIÇÃO 04 – A PROVIDÊNCIA DIVINA NA FIDELIDADE HUMANA
Lourinaldo Serafim
 
Profecia de Daniel 3
Profecia de Daniel 3Profecia de Daniel 3
Profecia de Daniel 3
Criataobr
 
Livro de Daniel.
Livro de Daniel.Livro de Daniel.
Livro de Daniel.
Karla Maria
 
Desvendando daniel
Desvendando danielDesvendando daniel
Desvendando daniel
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Daniel 3 – no meio do fogo
Daniel 3 – no meio do fogoDaniel 3 – no meio do fogo
Daniel 3 – no meio do fogo
Diego Fortunatto
 
1° lição Daniel nosso "contemporâneo"
1° lição   Daniel nosso "contemporâneo"1° lição   Daniel nosso "contemporâneo"
1° lição Daniel nosso "contemporâneo"
Luis Carlos Oliveira
 
07 a fornalha de fogo ardente
07 a fornalha de fogo ardente07 a fornalha de fogo ardente
07 a fornalha de fogo ardente
Diego Fortunatto
 
Livro de Daniel - Cap. 02 parte 01
Livro de Daniel - Cap. 02   parte 01Livro de Daniel - Cap. 02   parte 01
Livro de Daniel - Cap. 02 parte 01
Daniel M Junior
 
Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014
Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014
Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014
Pr. Andre Luiz
 
LIÇÃO 02 – A FIRMEZA DO CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL DE DANIEL
LIÇÃO 02 – A FIRMEZA DO CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL DE DANIELLIÇÃO 02 – A FIRMEZA DO CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL DE DANIEL
LIÇÃO 02 – A FIRMEZA DO CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL DE DANIEL
Lourinaldo Serafim
 
Lição 7 - O Evangelho no mundo acadêmico e político
Lição 7 - O Evangelho no mundo acadêmico e políticoLição 7 - O Evangelho no mundo acadêmico e político
Lição 7 - O Evangelho no mundo acadêmico e político
Ailton da Silva
 
Lição 2 os perigos do desvio espiritual
Lição 2   os perigos do desvio espiritualLição 2   os perigos do desvio espiritual
Lição 2 os perigos do desvio espiritual
prvladimir
 
Lbj lição 11 a igreja e a política
Lbj lição 11    a igreja e a políticaLbj lição 11    a igreja e a política
Lbj lição 11 a igreja e a política
boasnovassena
 

Semelhante a Estudo babilonia (20)

Livro de Daniel - Cap. 04 parte 01
Livro de Daniel - Cap. 04   parte 01Livro de Daniel - Cap. 04   parte 01
Livro de Daniel - Cap. 04 parte 01
 
Livro de Daniel.
Livro de Daniel.Livro de Daniel.
Livro de Daniel.
 
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO
 
Livro de Daniel
Livro de Daniel Livro de Daniel
Livro de Daniel
 
Livro de Daniel introdução e parte 01
Livro de Daniel   introdução e parte 01Livro de Daniel   introdução e parte 01
Livro de Daniel introdução e parte 01
 
Daniel 5 escolhas
Daniel 5   escolhasDaniel 5   escolhas
Daniel 5 escolhas
 
Capítulo 1 de daniel
Capítulo 1 de danielCapítulo 1 de daniel
Capítulo 1 de daniel
 
LIÇÃO 04 – A PROVIDÊNCIA DIVINA NA FIDELIDADE HUMANA
LIÇÃO 04 – A PROVIDÊNCIA DIVINA NA FIDELIDADE HUMANALIÇÃO 04 – A PROVIDÊNCIA DIVINA NA FIDELIDADE HUMANA
LIÇÃO 04 – A PROVIDÊNCIA DIVINA NA FIDELIDADE HUMANA
 
Profecia de Daniel 3
Profecia de Daniel 3Profecia de Daniel 3
Profecia de Daniel 3
 
Livro de Daniel.
Livro de Daniel.Livro de Daniel.
Livro de Daniel.
 
Desvendando daniel
Desvendando danielDesvendando daniel
Desvendando daniel
 
Daniel 3 – no meio do fogo
Daniel 3 – no meio do fogoDaniel 3 – no meio do fogo
Daniel 3 – no meio do fogo
 
1° lição Daniel nosso "contemporâneo"
1° lição   Daniel nosso "contemporâneo"1° lição   Daniel nosso "contemporâneo"
1° lição Daniel nosso "contemporâneo"
 
07 a fornalha de fogo ardente
07 a fornalha de fogo ardente07 a fornalha de fogo ardente
07 a fornalha de fogo ardente
 
Livro de Daniel - Cap. 02 parte 01
Livro de Daniel - Cap. 02   parte 01Livro de Daniel - Cap. 02   parte 01
Livro de Daniel - Cap. 02 parte 01
 
Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014
Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014
Lição 4 - A providência divina na fidelidade humana - 4°Tri.2014
 
LIÇÃO 02 – A FIRMEZA DO CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL DE DANIEL
LIÇÃO 02 – A FIRMEZA DO CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL DE DANIELLIÇÃO 02 – A FIRMEZA DO CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL DE DANIEL
LIÇÃO 02 – A FIRMEZA DO CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL DE DANIEL
 
Lição 7 - O Evangelho no mundo acadêmico e político
Lição 7 - O Evangelho no mundo acadêmico e políticoLição 7 - O Evangelho no mundo acadêmico e político
Lição 7 - O Evangelho no mundo acadêmico e político
 
Lição 2 os perigos do desvio espiritual
Lição 2   os perigos do desvio espiritualLição 2   os perigos do desvio espiritual
Lição 2 os perigos do desvio espiritual
 
Lbj lição 11 a igreja e a política
Lbj lição 11    a igreja e a políticaLbj lição 11    a igreja e a política
Lbj lição 11 a igreja e a política
 

Mais de Hélcias Alves

Natal 2018
Natal 2018Natal 2018
Natal 2018
Hélcias Alves
 
Boletim 04010 2020
Boletim 04010 2020Boletim 04010 2020
Boletim 04010 2020
Hélcias Alves
 
Boletim 04082019
Boletim 04082019Boletim 04082019
Boletim 04082019
Hélcias Alves
 
culto de ações e graça
culto de ações e graçaculto de ações e graça
culto de ações e graça
Hélcias Alves
 
Boletim 05032017
Boletim 05032017Boletim 05032017
Boletim 05032017
Hélcias Alves
 
Tertuliano apologia
Tertuliano   apologiaTertuliano   apologia
Tertuliano apologia
Hélcias Alves
 

Mais de Hélcias Alves (6)

Natal 2018
Natal 2018Natal 2018
Natal 2018
 
Boletim 04010 2020
Boletim 04010 2020Boletim 04010 2020
Boletim 04010 2020
 
Boletim 04082019
Boletim 04082019Boletim 04082019
Boletim 04082019
 
culto de ações e graça
culto de ações e graçaculto de ações e graça
culto de ações e graça
 
Boletim 05032017
Boletim 05032017Boletim 05032017
Boletim 05032017
 
Tertuliano apologia
Tertuliano   apologiaTertuliano   apologia
Tertuliano apologia
 

Último

Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
GuilhermeCerqueira17
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
LEILANEGOUVEIA1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
PIB Penha
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
Sammis Reachers
 

Último (14)

Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
 

Estudo babilonia

  • 1.  Série de Idolatria Instantânea Contribuição de Glenn Pease em 22 de março de 2021 Escritura: Daniel 3: 1-8 Resumo: Este incidente na Babilônia nos mostra que os cristãos têm justificativa para se envolver na política, mas também para resistir a um governo que obriga a obediência ao que é contrário à vontade de Deus. Alfred North Whitehead disse: "A nota chave da idolatria é contentamento com os deuses predominantes. "Nabucodonosor, como vimos na conclusão do capítulo 2, havia se convencido de que Jeová estava o Deus dos deuses. Mesmo depois disso, no entanto, ele não se sentiu compelido para abandonar seus deuses menores. Como muitos orientais hoje, ele acrescentou o verdadeiro Deus à sua coleção e continuou em sua fidelidade ao seu antigo Deuses. Aqui no capítulo 3, nós o vemos estabelecendo um ídolo de ouro para ser adorado. Os comentaristas discordam sobre como interpretar essa idolatria. Dr. Gill diz que foi por causa de seu orgulho. No sonho e interpretação de capítulo 2 ele era a cabeça de ouro, mas ele faria melhor do que isso e ser toda a imagem de ouro. A imagem representa a si mesmo, e é sua tentativa de superar o sonho e tornar-se superior. Quer ele tenha sentido ou não que esta imagem representava a si mesmo, não sabe, mas sabemos que ele estava falando muito sério sobre ser adorado, pois ele ameaça a morte imediata a todos os que se curvarem para isso. seja qual for o motivo, ele está determinado a fazer com que todos venerem sua
  • 2. imagem dourada. Significou muito para ele. Joseph Seiss tem uma visão oposta da questão. Ele diz o o rei está de parabéns aqui por este nobre ato de reverência. Ele diz que Nabucodonosor está construindo esta imagem como um memorial do sonho que Deus lhe deu para nunca esquecer. O propósito então é glorificar o Deus do céu e não diminuí-lo. Isto é maravilhoso poder ver um motivo tão nobre, mas a evidência é oposta a esta visão otimista. Se fosse verdade que ele estava honrando Jeová, por que todo o capítulo seria sobre a oposição de Homens de Deus para a coisa toda? No versículo 18 eles dizem que não vão servir seus deuses ou adorar a imagem de ouro. Está voando na cara de os fatos para supor que Nabucodonosor está fazendo qualquer coisa aqui, exceto exigindo adoração idólatra. Ajuda saber que o capítulo 3 não vem imediatamente após o capítulo 2 no tempo. Nabucodonosor não é ser retratado levantando-se no dia seguinte e ordenando a imagem para ser configurado. Desde o capítulo 2, Nabucodonosor foi a Jerusalém e destruiu a cidade, e isso foi 19 anos depois. Possivelmente ele agora não é mais impressionado com o Deus dos judeus cuja cidade ele tem destruído. Ele está se sentindo muito supremo e diz aos 3 Amigos judeus no versículo 15, "E quem é o Deus que vai te livrar fora de minhas mãos? "Se o Deus dos Judeus não pudesse livrá-los em sua cidade sagrada, ele certamente não será uma ameaça na Babilônia é o que ele estava pensando. Nabucodonosor perdeu a impressão que teve quando o sonho foi interpretado. Ele se acomodou em seu contentamento
  • 3. com os deuses da Babilônia. Ele estava no mesmo estado de espírito do rei Roberto da Sicília. Ele ouviu as palavras das Escrituras sendo cantadas por algum padre. Eles estavam dizendo: "Ele derrotou os poderosos de seus assentos, e os exaltou de baixo grau. "Sua resposta desdenhosa de orgulho era- É bom que tais palavras sediciosas sejam cantadas Somente por padres na língua latina, Pois aos sacerdotes e ao povo seja conhecido, Não há poder que possa me empurrar do meu trono. Foi com esse espírito que Nabucodonosor ergueu seus 30 metros de altura imagem dourada e esperava que todos se curvassem. Mesmo que não representá-lo, seu ego estava diretamente envolvido. Temos uma ideia dele atitude da famosa Inscrição da Casa da Índia em que ele nos diz como ele renovou dois grandes templos e construiu muitos outros. De Um de seus palácios, ele diz: "Aquela casa, para admiração que eu fiz, para o vendo as hostes dos homens, enchi-o de magnificência. Glória inspiradora e medo do esplendor de minha soberania envolva-o ao redor; o homem mau e injusto não vem dentro dele. "Ele chegou muito perto de brincar de Deus com seu grande poder. O versículo 2 diz que ele chamou todos os oficiais para o dedicação de sua imagem. Um tirano sempre tem uma boa multidão em seu formalidades. É uma questão de sobrevivência comparecer a tal função. Daniel não está presente nesta cerimônia e provavelmente estava em uma viagem de alguns negócios importantes do governo. Seus três amigos, que eram funcionários menores, não tiveram tanta sorte, e foram forçados a um Confronto. Eles sobreviveram todos esses anos como servos em um pagão
  • 4. governo, mas agora eles enfrentaram um teste de lealdade entre Deus e seu governo. Nenhum homem livre poderia tolerar as demandas de Nabucodonosor. Ele negou a liberdade religiosa e exigiu adoração de seu ídolo ou então. Isso não seria problema para a maioria dos funcionários, pois eles podiam adorar outro deus sem negar seu próprio deus. Não houve inconsistência para eles. Era só uma questão de cortesia comum por ter honrado os deuses da área em que estava. Foi uma história diferente para os judeus, no entanto, para seu Deus proíba o reconhecimento de todos os falsos deuses dos homens. Idolatria era um pecado grave de deslealdade e, portanto, eles estavam realmente em um beco sem saída. Eles eram funcionários do governo realizando serviços úteis no governo para anos. Eles não tiveram que comprometer sua lealdade em servir pessoas pagãs desta forma, mas agora sua lealdade está sendo desafiada. Eles se curvarão a um falso deus para manter seu cargo e permanecer vivos? Eles vão comprometer sua fé para manter a boa vida que tiveram, ou eles vão arriscar tudo sendo leais ao seu Senhor? O fato de que eles durou tanto tempo mostra que um crente pode ser um bom político em um sociedade incrédula. Mais cedo ou mais tarde, no entanto, eles foram executados em conflito de interesses e ser forçado a escolher entre a lealdade ao estado, ou a Deus. Em um governo como o da Babilônia, o perigo era ainda maior, pois não havia separação entre igreja e estado. Na América, nenhum funcionário do governo poderia ser obrigado por decreto para se curvar a qualquer ídolo. Se tal acontecesse, os cristãos teria que desafiar o governo em lealdade a Deus. Este incidente na Babilônia nos mostra que os cristãos são justificados em se envolver
  • 5. na política, mas também na resistência a um governo que obriga à obediência ao que é contrário à vontade de Deus. Isso significa que os grupos que não tem nada a ver com o governo, e aqueles que dizem que meu país certo ou errado são ambos sem suporte bíblico. O bíblico posição é fazer tudo o que for possível que seja consistente com a vontade de Deus, e resistir a tudo o que é contrário à Sua revelação. Nos versos 4 e 5, o arauto explicou o que era esperado no som dos instrumentos. Os tempos não mudaram muito. Aqui é o típico encontro de dignitários sendo instruídos sobre o que fazer quando a banda começar o programa. A música desempenha um papel importante em todos os assuntos dos homens. Isso é verdade em todos os países e religiões. O Os babilônios tinham uma natureza muito musical. Monumentos foram encontrado com músicos tocando instrumentos. Aqui está uma lista impressionante dos instrumentos que usaram. A música une as pessoas por trás de um comum causa. Cada nação tem sua música patriótica para unir seu povo. O O papel da música no nacionalismo é essencial. A marcha de O cristianismo também acompanhou os grandes hinos da cruz. Muitos acham que a unidade política era o objetivo que Nabucodonosor tinha em mente aqui. O versículo 6 diz que aqueles que não caem no início da música seria dada uma cremação gratuita às custas do governo. Era arco ou queima sem espera. Queimar era o método típico da pena capital na Babilônia. Em Jer. 29:22 lemos: "O Senhor fazer de você como Zedequias e Acabe, a quem o rei da Babilônia
  • 6. assado no fogo. "Nabucodonosor teve pouca compaixão, e quando ele disse que você vai assar, você pode contar com assar. Verso 7 mostra que os funcionários estavam bem cientes disso, pois assim que o a música começou, todos eles caíram imediatamente. Aqui estava a idolatria instantânea. Toque a música e em um momento eles serão todos idólatras. Este esquema de idolatria instantânea não funcionou com todos, para os 3 Amigos judeus não estavam interessados nisso, ou mesmo em uma versão mais lenta de isto. O versículo 8 mostra que alguns dos caldeus ficaram felizes por recusou-se a se curvar, pois desprezava esses estrangeiros chegando como meros cativos e ascendendo a posições de poder político. Aqui estava o deles chance de se livrar deles, e então eles os carregaram maliciosamente antes do rei. Agora, o livro de Daniel afirma claramente que Nabucodonosor está no poder pela vontade de Deus, e toda a sua glória é o dom de Deus. Ele é o homem de Deus no lugar designado por Deus. No entanto, se esse poder for usado injustamente, deve ser desafiado. Isto é melhor ser culpado de traição ao seu rei do que ser um traidor de seu Deus. Nenhum poder na terra tem o direito de comandar um homem consciência sobre sua lealdade final. A separação entre igreja e estado é a própria essência de nossa sucesso como uma nação livre. Nenhuma nação pode permanecer livre por muito tempo onde o o estado tem o poder de determinar a lealdade final de um homem. Deus nunca pretendia que o estado exercesse esse poder. O homem deve ser livre para determinar quem será seu Deus. Seria errado até mesmo para um
  • 7. Ditador cristão para forçar as pessoas a adorarem o Deus verdadeiro. Onde a liberdade é permitida, o Evangelho irá competir com todos os outros valores para a lealdade do homem. O que é surpreendente é que muitos cristãos acreditam Jesus fará exatamente o que é condenado em todos os outros. Eles acreditam que Ele estabelecerá um reino onde os homens serão compelidos pela força para ser leal a ele. Não vejo base bíblica para isso. Quando todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Jesus é o Senhor será devido a uma convicção inescapável, pois quando Cristo vier novamente em grande poder e glória ninguém será capaz de duvidar de Sua divindade. Não haverá ninguém no inferno, incluindo o próprio diabo que irá duvidar do senhorio de Cristo, mas ninguém será forçado a amá-lo ou seja leal a ele. Eles estarão livres para amaldiçoá-Lo por toda a eternidade. Se a força foi justificada Jesus seria obrigado a forçar todos a se arrependerem e ser salvo. O que é mau em Nabucodonosor em sua demanda por instantâneo a idolatria não deve ser atribuída ao Rei dos Reis, pois este faz o poder certo, e se só o poder determina o certo, então este a exigência de idolatria instantânea seria certa, mas claramente não é. Em nosso próximo estudo, consideraremos as consequências de três judeus não juntando-se a esta idolatria instantânea.