SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA
DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO - CAMPUS XIV
        LICENCIATURA EM HISTÓRIA




          Kécia Dayana da Silva Carneiro




 Devoção e festa no sertão baiano:
    Juazeirinho, 1930 – 2008.




             Conceição do Coité, Ba.
                      2010
Kécia Dayana da Silva Carneiro




Devoção e festa no sertão baiano:
   Juazeirinho, 1930 – 2008.




                  Monografia apresentada ao Curso de
                  Licenciatura em História do Departamento
                  de Educação do Campus XIV da
                  Universidade do Estado da Bahia (UNEB),
                  para obtenção do grau de Graduação em
                  Licenciatura em História, sob orientação da
                  Profa. Suzana Severs.




           Conceição do Coité, Ba.
                    2010
Agradecimentos




       Durante a realização deste trabalho recebi o apoio de algumas pessoas. Por isso
gostaria de destacar alguns nomes que foram muito importantes no decorrer destes meses de
pesquisa.
       À minha orientadora, Profa Dra. Suzana Severs, por ter me estimulado em todos os
momentos, acreditando em meu potencial. Por sua paciência, carinho e dedicação; contribuído
com seus ensinamentos para a elaboração e realização desta pesquisa.
       Aos meus pais, Valmirete e Gilsoney Carneiro, que estiveram me apoiando sempre,
torcendo por minhas vitórias, acreditando em meus sonhos e dando suporte para a realização
deste trabalho.
       À minha irmã, Kécia Dayane Carneiro, por sua companhia e dedicação de sempre,
encorajando-me em todos os momentos; compartilhando todas as descobertas.
       Ao meu esposo, Ederlan Oliveira, por ter entendido a importância deste trabalho,
sempre me apoiando e, de forma paciente, compreendendo a minha ausência em muitos
momentos.
       Aos meus colegas, Ana Lúcia Correia, Alaudja Lima, Fabiane Pinto, Maiara Gordiano,
Sinara Carneiro e Cristian Barreto pela amizade e pelo incentivo em todos os momentos.
Obrigada pelas sábias sugestões.
       A todos os juazeirenses que contribuíram para a realização deste trabalho, fornecendo
fontes e informações imprescindíveis.
       Não poderia deixar de citar o Padre Charles e os funcionários da Paróquia Nossa
Senhora da Conceição do Coité que disponibilizaram documentações importantes para a
concretização desta pesquisa.
[...] essa dinamicidade da festa religiosa permite entender não só
elementos internos, mas sobremodo situações de ordem contextual,
social e local, enriquecendo o trabalho do pesquisador; que,
fatalmente mergulhará num universo cultural marcado pelo
hibridismo das informações, pela multiplicidade das representações
e pela complexibilidade de certas apreensões do divino ou sagrado
nas ações cotidianas e peculiares das festas brasileiras [...]
(SANTOS, Claudefranklin)
Resumo




Os festejos religiosos são objetos de estudo que possibilitam o entendimento de diferentes
aspectos de uma sociedade. A partir da análise da devoção a um santo padroeiro, é possível
conhecer a história, a cultura e a religiosidade de um determinado grupo social. Apresentamos
nesta monografia a festa da padroeira de Juazeirinho, que tem início em meados de 1930 com
a construção da capela e com a devoção dos moradores da localidade a dois santos padroeiros,
Santa Terezinha, a qual tinha uma imagem no altar, e à Sagrada Família, para a qual teria sido
doado o terreno para a construção da capela. Este conflito envolvia as famílias mais influentes
da localidade, que tinham diferentes devoções numa busca de demarcação de poder. Situação
que se prolongou durante os festejos à Santa Terezinha até a segunda metade da década de
1970, quando, mediante o risco do fechamento da capela, é encontrada a Certidão de Doação
do terreno aos santos Jesus, Maria e José tornando-se, até os dias atuais, padroeiros da
localidade. Para elucidar tais questões, este trabalho inicia-se com a elaboração de uma
revisão bibliográfica fazendo uma discussão sobre aspectos teóricos e metodológicos
necessários para o desenvolvimento da pesquisa. Apresenta aspectos relacionados à história
da origem de Juazeirinho, explicando algumas práticas que fazem parte da sua cultura e
religiosidade, como as rezas que acontecem no âmbito público e privado durante praticamente
todos os meses do ano em devoção aos santos católicos. Por último, analisa a devoção durante
a festa da padroeira como um elemento do patrimônio cultural imaterial, destacando as
diferentes atuações dos devotos, seus conflitos e significados, assim como as etapas de
estruturação do evento religioso, que é interpretado neste trabalho como um espaço diverso,
formado por símbolos sagrados e profanos em um ambiente de devoção e festa.




Palavras-Chave: Juazeirinho, história, festa, religiosidade.
Sumário


Introdução ..................................................................................................                            07

Fontes e Metodologias................................................................................ 11

1. História e religiosidade: comentário bibliográfico............................... 19
1.1 O desenvolvimento das festas religiosas no Brasil .................................................... 19
1.2 A festa religiosa como objeto da historiografia.........................................................                             23
1.3 A festa como um espaço de relação entre o sagrado e o profano ............................                                           26
1.4 A religiosidade como patrimônio cultural imaterial .................................................                                 29


2. O Distrito de Juazeirinho....................................................................... 32
2.1 Origem .....................................................................................................................         32
2.2 Manifestações religiosas ...........................................................................................                 34
2.3 Festas populares                  ................................................................................................   37


3. “Uma capela, duas padroeiras”............................................................. 41
3.1 A edificação da capela                      ......................................................................................   41
3.2 O conflito familiar                  .............................................................................................   43
3.3A primeira padroeira...................................................................................................               45


4. Festa da Sagrada Família....................................................................... 49
4.1 Organização da festa. ................................................................................................               49
4.2 Participação dos devotos ..........................................................................................                  50
4.3 As práticas religiosas durante a novena ....................................................................                         53
4.4 festa: sociabilidade e cotidiano ................................................................................                    55
4.5 A hierarquia religiosa e social durante as atividades festivas ...................................                                   57


As transformações na festa da padroeira.................................................. 60

Referências .................................................................................................                            62
Lista de Fontes utilizadas.......................................................................... 65
7



                                              Introdução



        Desde a Antiguidade as festas eram realizadas para marcar o início ou o término de
celebrações importantes, sendo sempre de caráter religioso, em adoração às divindades
sobrenaturais, marcadas por procissões e promessas. Quando o Cristianismo é
institucionalizado, estas práticas ganham assimilação, os rituais considerados pagãos são
incorporados à teologia cristã, assim como suas divindades são substituídas pelos santos
católicos.7
        Neste sentido, as festas e as tradições religiosas ganharam outras formas de realização,
com o estabelecimento de datas específicas para sua comemoração. A Igreja passou a
determinar os dias de festa, distribuídos em dois grupos, separando as celebrações entre festas
que têm datas geralmente fixas, como o Natal e Reis, e as festas dos santos, com destaque as
destinadas à devoção à Virgem Maria.8.
        No Brasil, o Catolicismo tradicional é marcado por seu caráter devocional e festivo,
com símbolos e eventos em devoção aos santos padroeiros. Percebemos grande participação
dos fiéis anualmente em romarias e procissões como uma característica que compõe o cenário
das festas religiosas do calendário católico, através de diferentes expressões da cultura e da
religiosidade no país:


                           Santuários e imagens religiosas atraem multidões no Brasil [...] cerca de 15
                           milhões de pessoas se deslocam por motivos religiosos todos os anos no
                           país. As festas religiosas surgem como uma das nossas mais importantes
                           expressões culturais, estabelecendo um calendário que demarca os tempos e
                           organiza grande parte da nossa vida social[...]9



        Existem muitos lugares santificados e, inúmeras são as manifestações religiosas que,
por meio de festas, novenas, procissões, encenações, missas e romarias, transformam-se em
verdadeiros espetáculos de devoção. As diversas festas tradicionais constituem-se como




7
  FUNARI, Pedro Paulo; PELEGRINI, Sandra C. A. O que é Patrimônio Cultural Imaterial. São Paulo:
Brasiliense, 2008.
8
  MEGALE, Nilza Botelho. Folclore brasileiro. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.
9
  STEIL, Carlos Alberto. Catolicismo e Cultura. IN: VICTOR, Vicente Valla. (org.). Religião e cultura popular.
Rio de Janeiro: DP&A, 2001. p.11.
8



elementos presentes no cotidiano, aos quais não se restringem apenas as populações locais,
mas compõem o cenário religioso e cultural do Brasil 10.
        E, mesmo diante dos avanços científicos e tecnológicos verificados no último século,
as festas religiosas ainda representam grande influência na vida cotidiana, principalmente no
interior do país, em que as tradições e a devoção aos santos católicos são realizadas de forma
mais intensa, através de expressões diferenciadas da religiosidade. “Em pleno século XXI, o
ser humano continua procurando a alternativa da fé para resolver seus problemas, expressar
seus sentimentos e ativar a memória coletiva.”11
        Em Juazeirinho, Distrito localizado á 12 Km da Cidade de Conceição do Coité,
percebemos que desde a sua fundação a população preserva, através de práticas diferenciadas,
várias manifestações que marcam sua cultura e religiosidade como tradições importantes de
seu patrimônio imaterial, em que os diferentes sujeitos que são identificados na festa, como os
organizadores, participantes e observadores, ganham espaços peculiares e contribuem para a
constituição de uma identidade festiva, em um universo de múltiplos sentimentos, de vários
significados.
        Neste sentido, identificamos a tradicional festa da Padroeira, realizada desde meados
de 1930 como uma manifestação religiosa relevante para ser analisada neste trabalho,
podendo ser estudados diferentes aspectos de sua história e cultura. Entendendo que os
elementos religiosos influenciam de forma significativa o cotidiano desta localidade, o estudo
da religiosidade “ permitirá vislumbrar também o entendimento acerca da formação do
sentimento de pertencimento, ao passo que questões como singularidades e alteridade tornam
a compreensão de manifestações e representações coletivas mais claras no campo da pesquisa
histórica” 12.
        Esta pesquisa tem como propósito estudar o patrimônio imaterial religioso conservado
pela população juazeirense, entendendo como as manifestações religiosas festivas são
desenvolvidas nos âmbitos público e privado, analisando de forma mais detalhada as Festas
da Padroeira de Santa Terezinha (1930-1970) e da Sagrada Família (1971-2008), destacando
de que forma a população juazeirense delas participavam, suas crenças, tradições e conflitos.
        Pretendemos demonstrar que o estudo das manifestações religiosas permite também o
conhecimento de alguns aspectos da história local, como por exemplo, o crescimento da
10
  JUKEVICS, Vera Irene. Festas religiosas: a materialidade da fé. Disponível em: <www.jornalismo.com. br. >.
Acesso em: 15 de Julho de 2008.
11
   PASSOS, Mauro. O catolicismo popular. IN: A festa na vida: significado e imagens. Petrópolis: Vozes,
2002.p.165.
12
   SANTOS, Monteiro Claudefranklin. A festa como objeto de estudo de pesquisa histórica no campo da
religiosidade. Disponível em : www.scielo.br/scielo. Acesso em: 06 de Maio de 2009.p.03.
9



localidade a partir da construção da capela, assim como a movimentação e alteração do
cotidiano durante os dias das festas. Entendendo também as diferentes relações sociais
existentes, porque o estudo das práticas religiosas possibilita desvendar aspectos relacionados
à estrutura social e às hierarquias existentes, assim como os conflitos implícitos durante as
festividades.
       Objetivamos também evidenciar como, ao longo das décadas, a população juazeirense
realizou as festas da padroeira, suas rupturas e continuidades, entendendo como as mudanças
na sociedade influenciaram em sua religiosidade. Porque tais atividades têm grande
significado e importância sociocultural, “a análise de uma cultura se dá também a partir da
análise de sua religiosidade [...]. Focalizar a religiosidade é desvendar sua história, reconstruir
aspectos essenciais de sua existência, de seu universo simbólico, de sua cultura”13.
       Para tanto, este trabalho está estruturado em quatro capítulos. No primeiro, intitulado
História e religiosidade: comentário bibliográfico, apresentamos uma discussão teórica sobre
história e religiosidade, destacando como as práticas religiosas foram desenvolvidas durante
os séculos no Brasil, como também em Juazeirinho elas se apresentam, evidenciando os
conflitos e os diferentes elementos sagrados e profanos que compõem o universo festivo
religioso. Fazemos uma abordagem da festa como objeto de estudo da historiografia,
evidenciando as várias possibilidades de pesquisa, entendendo-a como parte do patrimônio
cultural imaterial.
       No segundo capítulo, em O Distrito de Juazeirinho, analisamos alguns aspectos da
história da origem de Juazeirinho, seus primeiros moradores e o processo de estruturação da
localidade, evidenciando também as diferentes expressões da religiosidade através da análise
de algumas manifestações religiosas que são realizadas no âmbito público e privado pelos
juazeirenses. Realizamos a descrição de algumas festas populares em que o universo religioso
encontra-se fortemente imbricado como parte da cultura e religiosidade local, podendo ser
destacadas, através destas práticas, suas principais crenças e tradições.
       No terceiro capítulo, apresentamos um momento marcante na história de Juazeirinho,
relacionado aos santos padroeiros da localidade, Santa Terezinha e a Sagrada Família, por isso
ele tem como título “Uma capela, duas padroeiras”, porque apresentamos como foi o
processo de edificação da capela, dentro de um contexto conflituoso, envolvendo os devotos
das famílias mais influentes na época, que objetivavam a permanência de padroeiros
diferentes. Evidenciamos também o posicionamento dos moradores da localidade diante da

13
  FRANCO, Suely Campos. As manifestações religiosas desenvolvidas em São João Del Rei oriundas do
período colonial. Disponível em: <www.ces.vc.pt/lab>. Acesso em: 30 de Julho de 2008.p.01.
10



representação de cada santo padroeiro durante as festividades em devoção à Santa Terezinha,
assim como o desfecho de todo esse conflito que durou cerca de quarenta anos (1930-1970).
       No último capítulo, intitulado Festa da Sagrada Família, descrevemos todas as etapas
da novena em devoção à Sagrada Família como padroeira de Juazeirinho, evidenciando a
atuação dos moradores para a realização da festa, bem como as diferentes práticas realizadas.
Fazemos uma análise do universo festivo religioso da padroeira como um momento de
sociabilidade, em que a vida cotidiana é alterada, destacando também que o estudo da festa da
Sagrada Família, possibilita o entendimento da atuação dos diferentes participantes, assim
como as hierarquias sociais são estabelecidas durante a realização dos festejos.
11



                                    Fontes e Metodologias



        Como afirma Kátia Mattoso, “O trabalho do historiador é limitado pelas fontes de
informação a que tem acesso”14. Neste sentido, foram os estudos das fontes disponíveis, ou
melhor, o cruzamento dessas fontes, que acabaram ampliando o recorte temporal e os
objetivos pensados inicialmente para este trabalho, os quais se limitavam apenas ao estudo da
Festa da Padroeira Sagrada Família durante o período de 1990 a 2000.
        O desenvolvimento da pesquisa foi pensado de forma semelhante ao que as
professoras Dra. Maria Leônia Chaves de Resende e Suely Franco15 fizeram em trabalho
sobre as festividades anuais de cunho religioso, oriundas do período colonial em São João Del
Rei, Minas Gerais. A partir da identificação de todas as festas realizadas em devoção aos
santos padroeiros durante o período estudado, Resende e Franco realizaram uma pesquisa
utilizando diferentes fontes para analisar aspectos como sua origem, a estrutura das festas,
seus participantes e práticas realizadas.
        O contato com as diferentes fontes e também com o aprofundamento do estudo da
historiografia relacionada a festas religiosas fez surgir novos questionamentos que
impulsionaram a pesquisa em outros caminhos e também a busca de novas fontes e
informações, que se tornaram essenciais para entender o objeto de estudo. Neste sentido, a
análise sobre a História de Juazeirinho e também sobre a Festa da Padroeira de Santa
Terezinha foram novas problemáticas, que surgiram mediante o contato com as fontes, nas
quais verificamos a necessidade de buscar, de questionar e investigar alguns aspectos que
estavam relacionados à Festa da Sagrada Família.
        Embora não fossem o recorte, não poderiam ser apenas citados, pois necessitaria de
um estudo um pouco mais ampliado, e o contato com a documentação conduziu a novas
descobertas que até então eram desconhecidas, como também a desconstrução de algumas
informações, até então, perpetuadas como verdade. Entre essas fontes, o trabalho
memorialista de Marielza Carneiro D’ Vilanova16, pois as informações encontradas



14
   MATTOSO, Katia M. de Queirós. Bahia Século XIX: Uma Província no Império. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 1992.p.28.
15
   RESENDE, Maria Leônia Chaves de; FRANCO, Suely. Nas Vertentes da Estrada Real: cartografia
etnográfica das práticas devocionais e festas remanescentes de Minas Gerais setecentista. Disponível em:
<www.festasnaestradareal.ufsj.edu.br/equipe_de_trabalho_.phpr>. Acesso em: 08 de Agosto de 2008.
16
   D’VILANOVA, Marielza Carneiro. Juazeirinho: Terra de Gente Valorosa. Conceição do Coité: Nossa
Gráfica. 2007.
12



impulsionaram a busca de informações que elucidassem as lacunas e até mesmo legitimassem
algumas afirmações relacionadas à origem da capela, assim como a mudança dos padroeiros.
          Para realizar a pesquisa sobre as manifestações religiosas em Juazeirinho, foram
utilizados como fontes os depoimentos orais, registros fotográficos, videográficos e musicais,
como também as documentações existentes na Paróquia Nossa Senhora da Conceição do
Coité e a análise de documentos impressos – jornais e folders relacionados às festividades
religiosas.
          Neste sentido, foram analisadas o Livro de Tombo da Paróquia Nossa Senhora da
Conceição do Coité (1855 á 2009), a Certidão de doação das terras da capela Sagrada Família
(1932), uma carta particular enviada por José Fernandes Carneiro17 (1981), um Inventario
pós-morte (1872) das terras da fazenda Joazeiro, e duas escrituras de compra e venda das
terras do Arraial Joazeiro, de Rachel Carneiro de Souza (1934) e Juvelino Antonio Carneiro
(1938).
          As fontes utilizadas, que estão sob a guarda do Arquivo da Paróquia Nossa Senhora da
Conceição do Coité, foram os Jornais O Mensageiro, o Livro de Tombo e a Certidão de
doação das terras da capela Sagrada Família. Encontra-se no Centro de Memória Documental
de Conceição do Coité – UNEB o Inventário pós-morte. E, sob propriedade particular, os
folders da festa Sagrada Família (Mário Leandro Silva da Hora, Joaquim Carneiro de Oliveira
Neto e Maria Madalena Carneiro) e a carta enviada por José Fernandes Carneiro para
Joaquim Carneiro de Oliveira Neto, todos juazeirenses.




Fontes escritas:


          Impressas:


          Inicialmente foi realizada a análise da obra da Professora Marielza Carneiro
D’Vilanova, Juazeirinho: Terra de Gente valorosa18, que é dividida em subtítulos
apresentandos de forma sucinta, informações sobre a História da localidade, contemplando
diferentes aspectos da sociedade. A autora aborda aspectos a partir de 1930 até o ano de 2007,



17
 Conhecido como Zuza, morador de Juazeirinho, doador do terreno onde foi construído da capela.
18
   D’VILANOVA, Marielza Carneiro. Juazeirinho: Terra de Gente Valorosa. Conceição do Coité: Nossa
Gráfica. 2007.
13



quando é produzido o livro. Relata sobre acontecimentos importantes e esferas diversas, como
política, economia, cultura e religião.
       É uma fonte importante, na qual explica como a população era organizada e, nos
capítulos referentes à “Origem de Juazeirinho” e ao “Aspecto Religioso”, como é denominado
no livro, apresenta algumas informações referentes à Festa da Sagrada Família e de Santa
Terezinha. Foi a análise deste capítulo da obra que impulsionou a investigação de forma mais
sistematizada de algumas informações e dados apresentados pela a autora, visto que tal
material apenas apresenta como fonte para os fatos narrados poucas fotografias, e o contato
que tivemos com fontes orais e escritas tem elucidado algumas contradições em relação ao
que tal obra apresenta. O cruzamento das diferentes fontes trouxe dados e aspectos não
abordados na pesquisa de D’Vilanova.
       A necessidade de uma análise crítica do documento e o cruzamento de várias fontes,
elucidado por Eni de Samara Mesquita19, foi fundamental para a realização desta pesquisa,
pois não foi limitada apenas à visão da história apresentada pela memorialista, mas buscamos
novas informações que elucidassem os questionamentos surgidos, entendendo que cada
documento, oral ou escrito, tem sua intencionalidade e, portanto, deve ser estudado
criticamente, não o interpretando como verdade absoluta.
       Contudo, apesar das lacunas referentes a alguns acontecimentos importantes,
entendemos o trabalho de D’ Vilanova como uma obra memorialista de grande relevância
para a História da localidade, por ter sido, dentro de suas limitações, uma pioneira que aborda
as histórias que são contadas até os dias atuais.
       Ressaltamos também matérias do jornal O Mensageiro20, editado pelos funcionários da
Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Coité desde 1997. É uma fonte muito interessante
para o estudo de diferentes aspectos, não somente o religioso, mas também por abordar temas
diversificados, como saúde, cultura, política, além de diferentes traços do cotidiano da cidade.
       Para esta pesquisa, O Mensageiro foi de grande importância, pois destinou grande
espaço para a descrição das festas religiosas. Dessa forma, identificamos como as festas da
Padroeira Sagrada Família foram realizadas durante o período de 1997 a 2008, assim como a
descrição de festividades através das notas que eram publicadas.
       Merece atenção a maneira como as festas dos padroeiros, de forma geral, são
apresentadas em todos os exemplares dos jornais analisados: como um ambiente de animação


19
   SAMARA, Eni de Mesquita; SILVEIRA, Ismênia S. História & Documento e metodologia de pesquisa. Belo
Horizonte: Autêntica, 2007.
20
   Arquivo pertencente à Paróquia de Nossa Senhora de Conceição do Coité.
14



e descontração. Uma matéria do jornal, intitulada “Deus é Festa”21, demonstra a visão da
Igreja em prol das festividades dos santos católicos como uma forma de aproximar os fiéis a
este momento de religiosidade popular.
           Foram estudadas três colunas no jornal, denominadas Calendário Paroquial,
Aconteceu virou notícia, Comunidade em Festa. Em o Calendário Paroquial, são
apresentadas as datas e os encontros, missas e festas em cada igreja. Neste espaço, foi
possível perceber a intensa participação dos juazeirenses nas atividades relacionadas à
Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Coité.
           Em Aconteceu virou notícia, foi possível ser identificados os acontecimentos, como
encontro de jovens, shows sacros, dramatizações e rezas em adoração aos santos católicos; na
coluna Comunidade em Festa, encontramos diversas reportagens referentes à Festa da
Padroeira Sagrada Família, seus temas, comunidades convidadas, procissões, realização de
sacramentos, período de duração, participação dos párocos e a realização de atividades
culturais, como a atuação dos fiéis na Festa e seus homenageados.
           A construção da festa religiosa como espaço de sociabilidade e animação pode ser
verificada também durante a análise dos folders relacionados à festa da Padroeira Sagrada
Família, nos quais fica explícita a busca de membros da igreja em tornar o momento festivo
um laço de comemoração e animação. Encontramos sob a guarda dos juazeirenses Mário
Leandro Silva da Hora, Joaquim Carneiro de Oliveira Neto e Maria Madalena Carneiro22, os
folders com a programação das atividades realizadas durante dez anos, de 1998 a 2008.
           Nessa fonte, foi possível identificar as datas e horários em que foram realizadas as
festas, assim como as programações, as comunidades convidadas, os palestrantes de cada
noite, como também todas as pessoas que foram homenageadas. Além disso, foi possível
verificar as mudanças e as continuidades na própria estrutura da festa, as atividades que eram
realizadas após os términos das orações, como apresentações artísticas e culturais. Em alguns
desses folders, os párocos também deixavam suas impressões da festa da padroeira e dos
devotos de Juazeirinho, o que contribuiu para perceber como esses representantes
interpretavam o espaço festivo.
           Tivemos ainda o contato com cânticos e hinos que compõem o caderno de músicas da
Festa da Padroeira, merecendo destaque para o Hino à Sagrada Família e o Hino do Juá,




21
     Jornal O Mensageiro, Nº 83, Ano 10, Novembro de 2004.
22
     Moradores que atuam na organização da Festa da Padroeira Sagrada Família.
15



produzidos pelo grupo local Nova Luz23. Nessa fonte, ficcou evidente a interpretação dos
juazeirenses de acontecimentos relacionados à história local, assim como a importância que a
festa representa para os fiéis, na medida em que as músicas apresentam a crença e a
religiosidade dos moradores, entendendo como único modelo de família a apresentada pela
Igreja Católica.


       Manuscritas:


       Outra fonte utilizada foi o Livro de Tombo da Paróquia Nossa Senhora da Conceição
do Coité, o qual apresenta informações sobre atividades realizadas na própria paróquia e em
suas capelas. É um documento que trata de relatos escritos pelos diferentes padres durante um
período de 154 anos. Apresenta também datas e acontecimentos referentes ao próprio
desenvolvimento da cidade de Conceição do Coité e seus territórios, porque durante a leitura
identificamos diferentes aspectos relacionados à política, à economia, à cultura, às mudanças
eclesiásticas, às relações de poder e à atuação dos diferentes párocos, como também os bens
pertencentes à Igreja.
       Em relação a esta pesquisa, o referido Livro de Tombo foi uma fonte imprescindível,
fornecendo o relato de algumas festividades realizadas na igreja e em suas capelas, como a
devoção aos padroeiros, através de novenas, missas, procissões e eventos religiosos, de modo
geral. Sobre Juazeirinho, encontramos informações sobre as festas da padroeira de Santa
Terezinha e da Sagrada Família. E, mediante estudo mais minucioso, comparamos dados e
datas, período de atuação de párocos, assim como os acontecimentos em Juazeirinho.
       Essas informações contribuíram para elucidar alguns questionamentos em relação às
informações oferecidas por D’ Vilanova, como a atuação de alguns padres em Juazeirinho e
algumas datas citadas por ela, na medida em que, através de comparações, foram encontradas
algumas contradições.
       Existem muitas lacunas relacionadas a algumas décadas, já que nem todos os párocos
descreveram de forma linear suas atividades, desta forma, em relação ao início do século XX,
existem poucas páginas que relatam as festas religiosas, assim como os conflitos que foram
encontrados em outras fontes relacionadas ao Padroeiro de Juazeirinho, a doação e criação da
capela e a mudança do Padroeiro na década de 1970, são ocultadas no Livro de Tombo.



23
  Grupo Musical formado por moradores de Juazeirinho responsáveis pelos cânticos durante a Festa da
Padroeira Sagrada Família.
16



           Sobre a troca dos padroeiros, tivemos como suporte duas documentações: uma
certidão de doação das terras para a construção da capela datada em 1932,24emitida a pedido
de José Fernandes Carneiro e Juvelino Antonio Carneiro, que se encontra na Paróquia Nossa
Senhora da Conceição do Coité, e uma carta particular, datada no ano de 1981, de José
Fernandes Carneiro a Joaquim Carneiro de Oliveira Neto em que relata todo o processo
envolvendo a construção da capela e o período em que a localidade teve dois santos
padroeiros.
           Na certidão de doação das terras, o escrivão Evódio Ducas Resedá declarou que os
senhores acima citados doaram aos santos José, Maria e a Jesus a terra onde foi construída a
capela. Nesse documento, encontra-se a data em que a Sagrada Família tornou-se oficialmente
padroeira de Juazeirinho, ou seja, 1970.
           Na carta escrita por José Fernandes Carneiro a Joaquim Carneiro de Oliveira Neto, seu
autor narrou como conseguiu construir a capela, seus esforços e a participação dos moradores,
assim como a data em que faz a doação das terras para a Padroeira Sagrada Família, isto é, em
1932. Nesta missiva ficou evidente o conflito sobre os santos padroeiros em Juazeirinho e,
conseqüentemente, a resolução do problema de uma capela com duas padroeiras (Sagrada
Família e Santa Terezinha).
           É valido explicar que durante a pesquisa surgiu a necessidade de estudar a história da
origem da localidade, a fim de investigar a relação entre ela e o início da devoção aos santos
católicos. Devido à inexistência de algum trabalho que tratasse do assunto, tivemos o contato
com algumas documentações e fontes manuscritas ainda inéditas, para contextualizar a festa
da padroeira, como também para elucidar alguns questionamentos que surgiram durante o
trabalho, como por exemplo, a relação entre a construção da capela e os primeiros moradores
de Juazeirinho.
           Em relação ao surgimento de Juazeirinho, tivemos contato com um inventário pós-
morte do final do século XIX25, de Josepha Satyra do Amor Divino, no qual o seu marido,
Victorio Aurelino Carneiro, declara todos os bens da falecida, entre eles as terras da Fazenda
Joazeiro. Neste documento, foram analisados alguns aspectos referentes à origem da
localidade, como as dimensões do território, os moradores, dentre eles um escravo e as
atividades produtivas que eram desenvolvidas, além do preço por que a fazenda estava sendo
inventariada.



24
     Certidão sob a guarda da Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Coité.
25
     Inventário encontrado no Centro Documental, UNEB – Campus XIV.
17



       Destacamos também como documentação referente aos primeiros moradores de
Juazeirinho, no início do século XX, duas escrituras de compra e venda das terras do arraial
Joazeiro, pertencentes à Rachel Carneiro de Souza, compradas em 1934 e vendidas a Juvelino
Antonio Carneiro, em 193826. Nas quais foi possível identificar o período em que os lotes
foram vendidos, bem como seus respectivos valores e compradores. Com o cruzamento de
outras fontes, verificamos as primeiras famílias proprietárias das terras da fazenda Joazeiro.




Fontes orais


       Neste trabalho, tiveram grande destaque também as informações guardadas na
memória dos juazeirenses, através das entrevistas com alguns devotos que participaram da
Festa da Padroeira. Foi possível, através da análise desses depoimentos, perceber as diferentes
interpretações, as rupturas e continuidades, conseguindo também informações que nos
documentos escritos não são retratadas, assim como detalhes e impressões guardadas na
memória.
       O trabalho com a História oral envolveu os participantes das festas da padroeira de
Santa Terezinha e Sagrada Família, teve como base as instruções de Verena Albertini27,
quando orienta para que as transcrições sejam realizadas respeitando todas as expressões e os
aspectos da fala dos entrevistados, sem que seja feita qualquer alteração. Ela apresenta os
relatos da memória como importante espaço para estudo, que precisa ser realizado com uma
metodologia específica, sendo desenvolvido em etapas.
       As entrevistas tiveram como ponto inicial a escolha de dez pessoas, entre
organizadores e participantes, baseadas em roteiros que contemplassem alguns temas centrais.
Com a realização das primeiras entrevistas, os roteiros foram modificados, variando de acordo
a cada entrevistado, sendo ampliados em alguns aspectos. É importante ressaltar que no
decorrer da pesquisa foram retirados alguns nomes e também acrescentamos outros, na
medida em que surgia a necessidade de novas informações, por isso a realização e a
transcrição das entrevistas foram acontecendo de forma gradual. De forma geral, o tempo de
duração era trinta minutos.



26
 Ambas sob guarda dos herdeiros de Joaquim Moraes Carneiro, morador de Juazeirinho ( falecido).
27
  ALBERTINI, Verena. Fontes Orais. IN: PINSKY, Carla Bassanezi ( org.).Fontes Históricas. São Paulo:
Contexto, 2005.
18



        A última etapa das entrevistas foi a transcrição e a análise das informações, esta foi
realizada de forma a contemplar todos os aspectos da fala dos entrevistados. As citações
encontradas neste trabalho seguem originalmente a forma como foi gravada.




Dificuldades encontradas


        Para o estudo dos documentos manuscritos, foram necessárias muitas horas para ler e
fotografar, visto que não era permitido fazer a cópia, soma-se a isto a dificuldade para ler,
devido a algumas palavras quase indecifráveis e também a má condição de algumas partes, o
que acabou dificultando uma leitura mais detalhada.
        Por outro lado, em relação às fontes impressas, a dificuldade esteve relacionada à falta
de um arquivo organizado, pois foi preciso muito tempo para poder organizar os documentos
e depois selecioná-los. Em relação ao Jornal o Mensageiro, encontramos amontoados de
exemplares referentes ao período de 12 anos, que formavam uma média de 150 jornais, entre
eles exemplares repetidos, os quais tivemos que catalogar e posteriormente destacar os que
faziam referência a Juazeirinho, no total somaram 35 jornais que foram utilizados na
realização do trabalho. Em relação à história oral, encontramos alguns problemas, pois foi
preciso muito tempo para as transcrições das entrevistas realizadas.
        Entendendo as fontes como objetos constituídos por várias linguagens que a partir da
escolha do historiador podem contribuir para entender aspectos do passado de uma sociedade,
contribuindo para decifrar códigos dentro de cada temporalidade através de várias
interpretações e instrumentos metodológicos28. Este trabalho foi desenvolvido baseado na
interdisciplinaridade, através do estudo de fontes escritas, manuscritas, impressas e orais.
        As conclusões alcançadas foram construídas através da análise e do cruzamento das
informações encontradas nesses documentos, como uma forma de contemplar o tema
proposto e elucidar a problemática diante das limitações encontradas, como ausência de
arquivos catalogados, tempo para realização da transcrição das entrevistas e ausência de
algumas documentações. Fatos que impediram uma análise mais aprofundada de alguns
aspectos.




28
  CHUVA, Márcia. A História como instrumento na identificação dos bens Culturais. MOTTA, Lia. (org.). Rio
de Janeiro: IPHAN, 1998.
19



                                      1. História e religiosidade



        1.1 As práticas religiosas no Brasil




        As tradições religiosas européias moldaram a religiosidade brasileira desde o período
colonial, através das festas em adoração aos santos católicos no âmbito público e privado.
Com as imagens dos santos, trazidas pelo colonizador português, vieram também às crenças e
mitos que deram origem ao catolicismo tradicional popular brasileiro.29
         Estas práticas se configuravam como espetáculos públicos, de ostentação de riqueza e
poder, mas eram utilizadas também como meio de controlar e tentar homogeneizar os hábitos
de toda a população colonial. Legitimando o poder do branco cristão, na medida em que,
através da repressão e da violência, objetivavam acabar com as influências consideradas
pagãs e profanas dos índios e africanos.
        No período colonial, as festas religiosas representavam para a Igreja Católica e para o
Estado português meios de manipulação e controle de poderes, sendo as atividades religiosas
direcionadas pelo calendário real ou litúrgico. Desta forma, apesar das festas religiosas
coloniais se constituírem como ambientes de trocas culturais, “as procissões, novenas,
adorações e superstições marcavam também a crença e religiosidade colonial como elementos
doutrinários, que eram utilizados como instrumentos de propagação dos interesses dos
colonizadores”30.
        Assim, a religiosidade no Brasil direcionou as atividades cotidianas de grande parte da
população, neste período existiam pelo menos três momentos em que os colonizadores
católicos, através de um gesto simbólico e ao som dos sinos das igrejas, paravam para realizar
orações. “Desde o despertar o cristão se via rodeado de lembranças do Reino dos Céus, na
parede contigua a cama, havia sempre algum símbolo visível da fé cristã”31.
        As práticas religiosas caracterizavam-se também pelas atividades públicas e privadas;
destaca-se neste sentido o papel da capela e dos eclesiásticos, algo que fora herdado da cultura
religiosa portuguesa. Luis Mott explica que as manifestações de fé e adoração aos santos

29
   STEIL, Carlos Alberto. Catolicismo e Cultura. IN: VICTOR, Vicente Valla. (org.). Religião e cultura popular.
Rio de Janeiro: DP&A, 2001.
30
   DEL PRIORI, Mary. Festas e utopias no Brasil colonial. São Paulo: Brasiliense. 2000.p.51.
31
   MOTT, Luiz. Cotidiano e vivência religiosa: entre a capela e o calundu. IN: NOVAIS, Fernando A; SOUZA,
Laura de Mello e. ( orgs.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.p. 164.
20



padroeiros eram elementos constantes na vida do cristão, na medida em que “dentro da casa,
uma série de imagens, quadros e amuletos sinalizavam a presença do sagrado no espaço
privado do lar”32.
        A Colônia apresentava características diversas, devido ao processo de colonização,
culturas e crenças diversas aparecem imbricadas. Em um contexto onde as irmandades
católicas também tiveram um papel importante, sendo os primeiros organizadores do
catolicismo no país, o qual foi marcado pelas manifestações externas. “Como as alegres
missas [...] Estas parecem ter preconizado momentos de igual euforia religiosa [...] As
procissões festivas Também ilustravam o lado alegre da religiosidade na colônia, assim como
elementos sagrados e profanos”33.
        Dessa forma, a religião no Brasil desenvolveu-se de forma bastante peculiar, como
resultado da junção de diferentes crenças, símbolos e significados. Até o século XIX, a
religiosidade popular, era marcada com a presença de elementos sagrados e profanos em
diferentes cenários das manifestações religiosas africanas e européias, por meio das festas e
procissões religiosas, compondo o catolicismo lúdico e barroco no Brasil:


                           [...] o Catolicismo no Brasil se caracterizava por elaboradas manifestações
                           externas de fé: missas celebradas por dezenas de padres, acompanhadas por
                           corais e orquestras [...] As festas religiosas de adoração aos santos como um
                           dos principais veículos do catolicismo popular, onde atividades e
                           sentimentos de adoração se misturavam com festa e sexualidade, sendo
                                                                                                 34
                           elementos explícitos principalmente no imaginário religioso baiano.



        Contudo, a partir da segunda metade do século XIX, o catolicismo tradicional popular
característico por seu caráter devocional e festivo é estruturalmente reformulado. Os
dirigentes leigos das irmandades são substituídos por padres e congregações religiosas dentro
de um contexto modernizador e reformador da religiosidade popular, através de uma
intervenção clerical, controlada pela igreja oficial, com o objetivo de purificar o catolicismo,
atuando no controle dos santuários e das festividades. Contudo ocorreu durante essa mudança
reformadora uma divisão interna entre essas duas correntes no catolicismo:




32
   MOTT, Luiz.Cotidiano e vivência religiosa: entre a capela e o calundu. IN: NOVAIS, Fernando A; SOUZA,
Laura de Mello e. ( orgs.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.p. 164.
33
   SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil
colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.p.100.
34
   REIS, João José,. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo:
Companhia das Letras, 1991.p.49.
21



                           Essa intervenção clerical no curso do catolicismo no Brasil vai demarcar
                           uma divisão entre o catolicismo popular tradicional e o catolicismo
                           esclarecido clerical dentro do sistema católico como um todo. Evidencia-se,
                           neste período, dois subsistemas no catolicismo que vão disputar espaços de
                           poder e influência na sociedade brasileira: um popular, de corte devocional,
                           centrado no culto aos santos, e outro moderno, centrado nos sacramentos e
                           na mediação do clero35


        Essa reforma se estendia em vários aspectos, como a regeneração dos clérigos
mudando seus comportamentos através de uma formação religiosa mais eficaz, ou seja, em
sua formação intelectual. Como também objetivavam moldar a religiosidade e os costumes
dos fieis, existia a preocupação de inibir a presença de elementos considerados não-sagrados
durante as festas religiosas católicas; essa precaução configurava-se através de proibições por
vias legais ou pela repressão através da violência das autoridades locais. Pois a participação
popular era considerada fora do padrão a ser seguido, buscava-se ignorar os elementos e as
crenças36.
        Essa reação estava relacionada ao fato de as manifestações religiosas serem, até então,
marcadas pela presença do profano, considerado pelo clero reformador como atividades que
desviavam do caráter religioso. Para tanto realizaram várias modificações nos rituais
religiosos, buscando por alterar as antigas devoções e as festas religiosas em homenagem aos
santos padroeiros populares, como relata Maria Aparecida Gaeta:


                            No final do século XIX, entretanto, as devoções que possuíam uma larga
                           expressão popular, como a de São Benedito e a do Divino Espírito Santo, a
                           de Nossa Senhora do Rosário, a de Santa Ifigênia, a de Santo Elesbão e a dos
                           Reis Magos começaram a ser desqualificadas[...] Discretamente as imagens
                           eram retiradas dos altares centrais e alojadas em capelinhas[...]Sem
                           combater diretamente as devoções populares, os padres romanizadores
                           limitavam-se a não participar delas e a condenar os excessos cometidos
                           durante as suas festas.37


        Atuavam, portanto, para evitar os abusos nas festas em devoção aos santos populares,
que envolviam mascarados, bebidas, comidas, danças e folia. Com o apoio de outras
autoridades, o clero reformador estabeleceu vários termos no código de postura dos


35
   STEIL, Carlos Alberto. Catolicismo e Cultura. IN: VICTOR, Vicente Valla. (org.). Religião e cultura popular.
Rio de Janeiro: DP&A, 2001.p.16.
36
   COUTO, Edilece Souza. Festejar os santos em Salvador: Tentativas de reformas e civilização dos costumes
(1850-1930). IN: BELLINI, Ligia. Formas de Crer: ensaios de história religiosa no mundo luso-afro-brasileiro,
século XIV-XXI. Salvador: Edufba, 2006.
37
   GAETA, Maria Aparecida Junqueira Veiga. A cultura clerical e a folia popular. São Paulo: AUPUH,
1997.p.192.
22



municípios brasileiros com normas que deveriam ser seguidas durante as festas religiosas. “ O
clero brasileiro buscou o reforço e a ajuda das congregações européias. Capuchinhos italianos,
lazaristas franceses e jesuítas chegavam ao Brasil com a missão de reformar o catolicismo.”38
        É preciso explicar que no cenário festivo permaneceu a intervenção e a participação
dos membros da Igreja católica na conservação de algumas festas religiosas, para perpetuar os
valores cristãos e sociais defendido pela Igreja. As manifestações são espaços de demarcação
de poder e status, em que o clero e os políticos desfrutam de posições privilegiadas e
diferenciadas do restante da população no desenvolver das procissões. A presença do clero
atua como um meio de reprimir a presença de elementos profanos, servindo para padronizar
os costumes e as crenças, controlando as manifestações de fé e religiosidade.
        Contudo, embora essa reforma romanizadora, a religiosidade brasileira permaneceu
tendo como característica a devoção aos santos católicos. As procissões religiosas, por
exemplo, são realizadas com o intuito de adoração de caráter penitencial e festivo e
configuram-se como elementos essenciais na constituição do catolicismo brasileiro.
        Na Bahia, embora existam também muitas festividades relacionadas a outras religiões,
têm grande destaque as realizadas em devoção aos santos católicos em todos os meses do ano,
como uma forma de exteriorização do culto religioso e da manifestação da fé. Os cristãos
realizam preces e promessas a Deus, e aos santos de devoção com festas e romarias. As
celebrações associadas à devoção aos santos padroeiros são os principais ritos realizados no
Estado, com missas, procissões, festas e grande participação popular. Em um contexto de
diversificadas práticas e crenças.
        Em Juazeirinho, os moradores realizam festas religiosas que acontecem no âmbito
público e privado. Através de um levantamento realizado, identificamos o Reisado, as Rezas
nas residências em devoção aos Santos Católicos, o Mês Mariano, a Paixão de Cristo, os
festejos Juninos, a Celebração do Natal e a Festa da Padroeira. Ou seja, durante praticamente
todos os meses do ano, festas, rezas, procissões e novenas são elementos que marcam o
cotidiano da população juazeirense, através de manifestações que estão divididas em
atividades realizadas na igreja, local da Sagrada Família, onde toda a comunidade participa, e
as realizadas em residências, em que os proprietários prepararam suas casas como uma
demonstração de fé e dedicação.



38
  COUTO, Edilece Souza. Entre a Cruz e o Confete: A carnavalização das festas religiosas e a reforma católica
em Salvador (1850-1930). IN: Projeto História: revista do Programa de Pós-Graduados em História da
Universidade Católica de São Paulo.São Paulo: EDUC,2004.p.47.
23



        Através do estudo dos eventos festivos religiosos realizados em Juazeirinho,
percebemos que estes são formados por momentos diferenciados que se estabelecem em um
conjunto de ações que começam na organização das atividades, na realização das práticas
como também nos ambientes após as celebrações.
        Merece destaque na localidade a participação popular com as diversas crenças, através
de orações específicas em cada data festejada. Desta forma, a religiosidade constitui-se como
um elemento da cultura, onde as diferentes práticas marcam a identidade individual e
coletiva.39




1.2     A festa religiosa como objeto da historiografia




        A configuração da História das religiões e religiosidades verifica-se no final século
XIX e início do XX, quando pesquisadores começaram a inventariar os costumes e as práticas
de caracteres religiosos de grupos considerados primitivos, para os quais os elementos
religiosos eram um fator importantíssimo em sua organização. As primeiras pesquisas eram
baseadas em ideias positivistas e evolucionistas40. Contudo, através da contribuição da
Sociologia neste campo de pesquisa, essa visão foi, aos poucos, alterada.
        No Brasil, as produções historiográficas começaram a ser realizadas após a criação do
Instituto Histórico Geográfico, em 1838, mas estes trabalhos, conforme explica Eni Mesquita
Samara, apenas no século XX percebe-se uma mudança nas áreas de pesquisa, através de
trabalhos que estavam baseados em diferentes linhas temáticas:


                          Ao longo da década de 1970, a difusão de cursos de pós-graduação em
                          História, associada às transformações político-sociais ocorridas em nosso
                          País, coincidiu com o esgotamento de métodos e interpretação histórica,
                          sustentada em sínteses globais da realidade brasileira. Entre os
                          pesquisadores, observam-se também, neste período, profundas mudanças em
                          suas diretrizes de trabalho com ênfase nas questões da contemporaneidade e
                          das minorias, dando voz e lugar aos personagens antes sem História. Em




39
   OLIVEIRA, Waldir Freitas. Santos e festas de Santos na Bahia. Salvador: Secretaria de Cultura e Turismo,
Conselho Estadual de Cultura, 2005.
40
   HERMANN, Jacqueline. História das religiões e religiosidade. IN: CARDOSO, Ciro Flamarion;VAINFAS,
R. (org.). Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Elsevier,1997.p.329-352.
24



                         decorrência, abriram-se novos campos de investigação histórica, com linhas
                         de pesquisa específicas, muitas delas com circunscrição regional [...]41



       Até meados da década de 1970, as festas religiosas eram trabalhadas como folclore,
depois deste período, começaram a ser encaradas como objetos de estudo dos historiadores,
como um espaço de pesquisa, sendo interpretadas como novos objetos para conhecer
coletividades, identificar os comportamentos, tensões e representações simbólicas e culturais.
Edilece Couto afirma que a festa enquadra-se no campo da História Cultural e o estudo da
religiosidade popular brasileira, assim como seus símbolos e crenças, permite a compreensão
da Cultura Popular:


                         Por meio das festividades é possível perceber os comportamentos, as
                         representações e visões de mundo de um determinado povo. Tanto quanto
                         um momento de prazer, as festas guardam costumes, tradições e
                         especificidades culturais. Muito do que conhecemos atualmente sobre
                         culturas negras e indígenas foi revelado pelos estudos dos seus festejos e
                         rituais42.



       Em 1960, a História Cultural traz como foco o estudo da cultura popular, colocando os
problemas “em que as pessoas comuns são deixadas de fora”43. Nessas décadas, os trabalhos
acadêmicos são atraídos por temas relacionados à cultura popular. A partir da união com a
Antropologia, a História Cultural surge com novas abordagens e práticas plurais, ressaltando
os estudos relacionados à micro-história e dando destaque às especificidades das culturas
locais. Essa década pode ser entendida nos meios historiográficos como uma reação aos
privilégios dados às grandes narrativas históricas.
       Dentro do estudo das festas, destacamos precisamente a influência da comunicação
oral, dos costumes e das tradições orais em pesquisas, abrindo espaço para o estudo das
sensibilidades e da cultura, em um contexto em que e a história econômica e social divide
lugar com a História Cultural e a Micro-História.
       As pesquisas relacionadas a esse objeto emergiram dos estudos da História Cultural
como um local privilegiado para se pensar o exercício da religiosidade popular e sua relação
com os diferentes segmentos sociais. Sendo, portanto, importantes para estudo das práticas

41
   SAMARA, Eni de Mesquita; SILVEIRA, Ismênia S. História & Documento e metodologia de pesquisa. Belo
Horizonte: Autêntica, 2007. P. 43.
42
   COUTO, Edilece Souza. A puxada do mastro: transformações históricas na festa de São Sebastião em
Olivença, Ilhéus. Editora da Universidade Livre do mar e da mata, 2001.p.203.
43
   BURKE, Peter. O que é História Cultural? .Rio de Janeiro. Jorge Zahar Ed. 2005.
25



coletivas e individuais, através das diferentes atividades desenvolvidas durante as celebrações.
“Ao se tornarem objetos dos historiadores, desnudou-se a questão acerca da dinâmica e do
movimento das festas, colocando-as no centro a sua própria historicidade, avaliada através de
diferentes variáveis”44.
          A cultura e a religiosidade têm sido encaradas como campos complexos de discussão
histórica, pois percebemos que a historiografia vem dando especial atenção ao campo das
religiosidades. No campo da religiosidade, vêm ocorrendo mudanças referentes ao recorte de
estudo; se antes estava mais voltado aos aspectos institucionais, agora se volta para as
vivências concretas das práticas religiosas, como as procissões e as orações.
          Essa mudança de enfoque é marcada pelos estudos de temáticas antes negligenciadas,
fato que permitiu o estudo dos homens e atitudes comuns, neste contexto, a religiosidade
passa a se enquadrar no campo da pesquisa historiográfica, como explica Claudefranklin
Santos:


                           É preciso ver a festa como um objeto de estudo dentro da discussão da
                           cultura popular. Para tanto, o contexto pela História Cultural permitiu
                           compreendê-la dentro de uma dinâmica de sociabilidades, as quais
                           fomentam identidades de variados agrupamentos humanos e sociais.45



          As pesquisas nos campos das práticas religiosas e costumes surgem na busca por
novos objetos a partir do estudo do cotidiano, utilizando novas fontes e métodos, através de
diferentes perspectivas. As festas religiosas tornam-se um campo de estudo que demonstra
uma gama de temas e questões que começam a ser investigadas com o intuito de serem
analisadas as diferentes formas de religiosidade·
          Em Juazeirinho, as práticas religiosas festivas em devoção aos santos padroeiros
podem ser entendidas como um fenômeno de sociabilidades, pois, através da análise das
atividades que compõem as novenas, percebemos que as festividades não só alteram o ritmo
da vida da localidade, como também promovem a relação entre as pessoas com idades,
gêneros e regiões diferentes, através de diferentes significados e práticas, configurando-se
como momentos religiosos de expressão cultural e popular.



44
   Abreu, Martha.O Império do Divino: festas religiosas e cultura popular no Rio de Janeiro 1830 / 1900. Nova
Fronteira, 1999.p. 38.
45
   SANTOS, Monteiro Claudefranklin. A festa como objeto de estudo de pesquisa histórica no campo da
religiosidade. Disponível em : www.scielo.br/scielo. Acesso em: 06 de Maio de 2009.p. 04.
26



        Durante as festas em devoção à Santa Terezinha e à Sagrada Família, as relações não
se restringiam somente ao âmbito da igreja, como também ao grande número de pessoas que
ficam aos arredores, em meio a conversas informais, alternando a atenção entre as atividades
religiosas realizadas e as informações adquiridas dentro das rodas de conversas paralelas.
Essas atividades autônomas verificadas no contexto religioso festivo podem ser entendidas
como um elemento que compõe o próprio catolicismo, que se constitui em “ um intricado
sistema de práticas, significados, rituais e personagens que transitam por este universo
religioso e que ultrapassam as fronteiras institucionais da Igreja”46.




1.3 A festa como um espaço de relação entre o sagrado e o profano




        Entre uma das principais características das festas religiosas podemos destacar a
relação entre o sagrado e o profano. Como afirma o sociólogo Emile Durkheim “o fenômeno
religioso é constituído por crenças e ritos, caracterizados como sagrados e profanos[...] ”47.
Para tal, a presença destes dois elementos são importantes para a manutenção da hierarquia
religiosa durante a realização das cerimônias e dos rituais públicos.
        Neste sentido, a dicotomia existente entre o sagrado e o profano é estabelecida pelas
autoridades religiosas para designar as estruturas consideradas superiores ou inferiores, com o
objetivo de moralizar o ser religioso, como afirma Pierri Bourdieu,:

                           A oposição entre os detentores do monopólio da gestão do sagrado e os
                           leigos, objetivamente definidos como profanos, no duplo sentido de
                           ignorantes da religião e de estranhos ao sagrado e ao corpo de
                           administradores do sagrado, constitui a base do princípio da oposição entre o
                           sagrado e o profano... logo é licito indagar se rompeu com este sentido
                           primeiro e primitivo, a fim de distinguir formações sociais dotadas de
                           aparelhos religiosos desigualmente desenvolvidos e de sistemas de
                           representações religiosas desigualmente moralizados e sistematizados[...]48.




46
   STEIL, Carlos Alberto. Catolicismo e Cultura. IN: VICTOR, Vicente Valla. (org.). Religião e cultura popular.
Rio de Janeiro: DP&A, 2001.p.10.
47
   DURKHEIM, Emile. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. São Paulo:
Paulinas, 1989.p. 547.
48
   BOURDIEU, Pierre. Gênese e Estrutura do Campo Religioso. IN: A economia das trocas simbólicas.São
Paulo: Perspectiva,1999.p. 27-78.
27



        Não existe uma única classificação que diferencie estes dois elementos – o sagrado e o
profano –, encontramos várias formas de interpretação, variando de acordo a cada religião e
cultura. Tais aspectos nem sempre estão separados, pois o “uma tal existência profana jamais
se encontra em um estado puro[...] não consegue abolir completamente o comportamento
religioso” 49.
        Percebemos uma relação, ou seja, uma junção entre folia e religião desde as tradições
cristãs da Idade Média. Naquela época, era comum a permissão de espetáculos populares ditos
pagãos nas celebrações católicas, dentro de um variado espaço de representações religiosas
nas quais seus símbolos e elementos festivos e religiosos são formados por elementos
sagrados e profanos.
        Durante os festejos religiosos, existe a ligação dos diversos elementos: as músicas, os
folguedos e a comida, que são utilizadas para homenagear os santos padroeiros. “a imbricação
do sagrado e do profano está presente nas celebrações religiosas, nas festas públicas
organizadas pelas autoridades civis. ”50
        Apesar da atuação da igreja em estabelecer separado os elementos considerados por
tais como sagrado e profano, a folia é um elemento presente em varias celebrações em
devoção aos santos católicos, são momentos em que orações, folguedos e comidas compõem a
festividade como partes integrantes onde não se distinguem da euforia e da devoção.
        As principais festas no Brasil têm relação com algum fenômeno religioso, seu início
ou término é quase sempre relacionado a um marco sagrado, através de uma polaridade de
rituais, que variam entre os atos solenes e as manifestações populares51. Portanto fica evidente
que, embora a busca por parte das autoridades em separar tudo que não esteja dentro dos
padrões religiosos historicamente construídos, a relação entre o sagrado e o profano não deve
ser encarada de forma dicotômica, pois a religiosidade em sua essência é formada por
diferentes elementos e práticas individuais e coletivas.
        Além disso, a conceituação entre o que seja classificado por manifestações sagradas
ou profanas apresenta-se de formas diferenciadas, dependendo da cultura e do momento
histórico de cada sociedade. Entendemos as festas religiosas como espaços de sociabilidade e
de trocas culturais, pois elas não se configuram como homogêneas nem imóveis, mas em
ambientes em que os diferentes sentimentos, vivências e interpretações no fenômeno festivo
religioso permitem a relação de diferentes elementos por que as práticas consideradas

49
   ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 1992.p. 27.
50
   COUTO, Edilece Souza. A puxada do mastro: transformações históricas na festa de São Sebastião em
Olivença, Ilhéus. Editora da Universidade Livre do mar e da mata, 2001. p. 176.
51
   SERRA, Ordep. Rumores de Festa: o Sagrado e o Profano na Bahia. Salvador: Edufba,2000.
28



profanas se configuram através de manifestações diversas, compondo também o cenário
festivo religioso.
           Dentro destes vários componentes, destacamos as barracas que são encontradas aos
redores da igreja durante as festividades. Estas assumem um espaço de atividades comerciais
através da venda de comidas e bebidas e são apreciadas pelos participantes que desfrutam dos
diferentes ambientes festivos. “Em um contexto onde vários aspectos compõem o cenário com
elementos considerados sagrados e profanos, relacionando duas categorias que estão
imbricadas, onde a existência de um depende do outro variando                         de cada cultura e
temporalidade”52.
       Em Juazeirinho, durante os anos de 1993 e 2005, as atividades relacionadas à Festa da
Padroeira eram realizadas durante o dia, com os ensaios das coreografias e dramatizações até
o horário do culto, quando tudo acontecia. Mas as atividades estendiam-se após o termino das
celebrações, com a barraca de comidas típicas, e, nos últimos dias, com os bingos e os leilões,
assim como a apresentação de capoeira e do bumba-meu-boi. A Barraca era realizada com o
material doado pelos moradores, em que uma comissão dividia por noite a rua responsável.
       O leilão já era realizado desde a festa de Santa Terezinha (1930), através de doações
diversas, que variavam desde comida, doce e bebida. Percebemos que na noite do leilão a
praça ficava mais cheia de gente que ia para se divertir com os valores que eram oferecidos.
Estas atividades estavam voltadas também para o patrocínio da festa.
       Essas atividades são elementos que compõem a festa da padroeira em Juazeirinho. Como
são apresentadas nos folders da festa durante as novenas realizadas nos anos de 2003, 2006 e
2007, as atrações culturais já faziam parte da programação com destaque. No ano de 2008, na
penúltima noite da festa, verificamos a presença da capoeira antes de começar a celebração,
como forma de animar a festa, mas é importante ressaltar que estas atrações, durante os dias
da festa, foram proibidas e não são mais realizadas com frequência, como explica Luis
Durval:
                             Entre outras atividades religiosas também que inseria na festa, né, sem
                             dúvida a participação, né no louvor. No final nós tínhamos as apresentações
                             culturais que eram realizadas depois do culto, e que também enriquecia o
                             nosso novenário, mas por motivos superior, seguindo algumas orientações de
                             não misturar a festa mundana com a festa religiosa, nós a não ser que fosse
                             todas as apresentações voltadas a músicas católicas ou músicas religiosas,
                             não músicas mundanas como era antigamente feita, e por causa dessas e
                             outras nós nos reunirmos, porque ninguém decide nada sozinho, mas em
                             conjunto com a comunidade se fosse fazer uma vez colocasse no final da
                             noite da juventude, justamente um chamado a essa juventude para participar

52
     SERRA, Ordep. Rumores de Festa: o Sagrado e o Profano na Bahia. Salvador: Edufba,2000.p.70.
29



                           de forma no louvou, tudo isso agente conseguia que esses jovens participasse
                           de forma direta e participativa de nossas noites.53


        Durante a Festa da Padroeira, os padres da Paróquia Nossa Senhora da Conceição
atuavam através das orientações litúrgicas relacionadas às procissões e orações de cada noite.
Além disso, o pároco responsabiliza-se pelos sacramentos, ou seja, pela realização dos
casamentos coletivos, os batizados e a Celebração Eucarística. Como já foi elucidado, desde a
década de 1860 percebe-se o processo de romanização do catolicismo brasileiro, além de
cuidar da formação dos futuros padres, a Igreja Católica desejava modificar a religiosidade
dos leigos.54
        Embora os membros da Igreja católica atuem em separar os elementos sagrados e os
profanos, como forma de controlar e influenciar a devoção dos santos por meio de atividades
que perpetuassem a influência das normas religiosas na sociedade, em Juazeirinho,
percebemos que juntamente com a devoção aos santos católicos, elementos como músicas,
peças teatrais, danças e a comida, configuram-se como um momento importante, como uma
relação entre os ritos religiosos.
        Para os devotos juazeirenses, essas atividades deixam a festa mais animada, neste
sentido não encontramos durante as entrevistas uma aversão entre os entrevistados em relação
à presença das atividades consideradas profanas ou a inovações. Pois os elementos existentes
ultrapassam o universo imposto inicialmente pela Igreja Católica, já que as orações oficiais
católicas rezadas são relacionadas com a música, e as danças locais voltadas à realidade da
localidade.




       1.4      A religiosidade como patrimônio cultural imaterial



        Para Melo Morais Filho, as festas religiosas da Igreja católica configuram-se como um
fator de movimentação e organização social, os eventos religiosos litúrgicos e populares
representam a conservação das tradições nacionais. Ressalta também a importância das


53
   Entrevista de Luiz Durval Oliveira Carneiro, radialista da Juá FM e participa da organização da Festa da
Sagrada Família. Concedida em 08 de Agosto de 2009.
54
   COUTO, Edilece Souza. Festejar os santos em Salvador: Tentativas de reformas e civilização dos costumes (
1850-1930). IN: BELLINI, Ligia. Formas de Crer: ensaios de história religiosa no mundo luso-afro-brasileiro,
século XIV-XXI. Salvador: Edufba, 2006.
30



atividades religiosas para o sertanejo, apresentando-as como elementos formadores de sua
identidade, porque os costumes, as crenças e superstições no imaginário religioso são
elementos importantes no cotidiano da vida religiosa.“Na intimidade do povo, na convivência
direta com essa gente é que se conserva seus usos adequados, que melhor se estuda a nossa
índole, o nosso caráter nacional[...] Em um país em que acha-se ridículas as tradições e
desfaz-se delas ”55.
        O estudo da religiosidade permite a análise de diferentes aspectos da história de uma
sociedade, porque esta é representada através de elementos diferenciados. Desta forma, a
memória e a identidade coletiva e individual não são expressas apenas através do patrimônio
material. As manifestações, as práticas e as festas religiosas também são elementos
importantes no processo de construção da identidade, pois evidenciam as peculiaridades e as
semelhanças de grupos e de indivíduos. Os bens imateriais são patrimônios históricos, e sua
análise possibilita a construção de uma História plural, evidenciando a atuação de diferentes
sujeitos, saindo da visão geral e homogênea56.
        No Brasil, diversas cerimônias religiosas continuam sendo realizadas e simbolizando,
além dos sentimentos religiosos, as crenças individuais e coletivas. A religiosidade é um fator
na construção da identidade e cultura local, pois as festas religiosas populares são oriundas de
um conjunto de elementos de diferentes culturas, católicas e africanas, profanas e sagradas.
Percebemos um sincretismo religioso, a devoção aos santos padroeiros caracterizando-a pela
diversidade de manifestações religiosas e expressões de fé57.
        Essas práticas fazem parte do patrimônio cultural imaterial, como um espaço aberto
para o estudo da História. A festa religiosa ocupa um espaço social de destaque e o aparato de
sua realização é retrato vivo de representações culturais, entendemos as manifestações
religiosas como práticas populares em constante movimento, sendo, portanto, necessária sua
valorização e preservação:


                           è necessário buscar as formas de preservação e manifestação dessas
                          práticas. Considerando-se que o entendimento da cultura é o entendimento
                          de sua dinâmica, a cultura popular está permeada por múltiplos atores,
                          lastreada de continuidades/ descontinuidades, contraposta por historicidades
                          diversas. Sua compreensão não se restringe ao acervo de coisas, objetos,
                          produtos ou realidade. Ela é um processo vivenciado no seio da sociedade,



55
   MORAIS FILHO, Melo. Festas e tradições populares no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia. 1979. p. 03-19.
56
   ORIÁ, Ricardo. Memória e Ensino de História. IN: BITTENCOURT, Circe (org.). O saber histórico na sala
de aula. 10 ed. São Paulo: Contexto, 2005.
57
   MEGALE, Nilza Botelho. Folclore brasileiro. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.
31



                           por um conjunto de práticas dispersas. Comporta uma riqueza de maneiras
                           de fazer, atualizar e expressar – recriadas e reinventadas em suas formas.58



        As festas no Brasil compõem o cenário cultural, e as manifestações religiosas
populares representam um papel importante, na medida em que contribuem para a construção
da indenidade coletiva, possibilitando várias interpretações do sagrado.59




58
   PASSOS, Mauro. O catolicismo popular. In: A festa na vida: significado e imagens. Petrópolis: Vozes,
2002.p. 168.
59
   JUKEVICS, Vera Irene. Festas religiosas: a materialidade da fé. Disponível em: < www. Jornalismo.com. br.
>. Acesso em: 15 de Julho de 2008.
32




                                2 O Distrito de Juazeirinho



       2.1 Origem



       A história de Juazeirinho está relacionada ao surgimento de uma fazenda cujo nome é
Joazeiro. Em um inventario60 pós-morte, datado em 1872, encontramos a descrição da fazenda
Joazeiro61, que tinha como proprietária Josepha Satyra do Amor Divino e Victorio Aurelino
Carneiro. Neste documento, o marido declara todos os bens pertencentes à falecida, em 06 de
dezembro de 1871, entre eles, as terras da fazenda Joazeiro.
       O estudo do documento deixa evidente que se constituía como uma pequena
propriedade, com poucos animais e um escravo. Diante da descrição dos bens existentes, entre
eles bens de uma casa de farinha, leva-nos a acreditar que a família era sustentada pela
produção de gêneros relacionados à mandioca. Neste período, a fazenda era habitada por seis
pessoas da mesma família, Josepha Satyra do Amor Divino (esposa) e Victorio Aurelino
Carneiro (esposo), além de seus quatro filhos, que tinham a idade entre dois a nove anos, e
também a presença de um escravo cujo nome era Antônio.
       Os próximos documentos encontrados que fazem referência a Joazeiro datam no inicio
do século XX. A análise de duas escrituras de compra e venda das terras da Vila Joazeiro
demonstra que desde o final do século XIX essas estiveram sob o domínio das famílias
Moraes e Carneiro; até 1922 pertenciam a José Moraes Silva, depois compradas por Juvelino
Antonio Carneiro e em 1938 pertenciam a Joaquim Carneiro de Moraes. Estes dados deixam
explícito que desde a sua origem tais famílias tiveram maior controle sobre as terras da
localidade.
       Existe uma lacuna entre a data deste inventario (1872) e as escrituras (1922). Neste
trabalho não encontramos documento algum sobre a localidade durante estes cinquenta anos.
Inclusive, o único trabalho que trata sobre o tema, ou seja, a obra da memorialista Marielza
              62
D’Vilanova         apresenta informações a partir do século XX. Assim, através desta pesquisa,
estes documentos saem do anonimato, mas ainda faltam fontes para ser reveladas.

60
   Inventário encontrado no Centro Documental, UNEB – Campus XIV.
61
   O imóvel estava sendo inventariado pela quantia de 50 mil réis.
62
    D’VILANOVA, Marielza Carneiro. Juazeirinho: Terra de Gente Valorosa. Conceição do Coité: Nossa
Gráfica. 2007.
33



           Em 1933, com a construção da capela, a fazenda começou a ganhar mais famílias, é
importante ressaltar que, neste período, Joazeiro já recebia muitos visitantes por causa das
rezas que eram realizadas nas residências dos moradores. Desde então, começou a ganhar
destaque por meio de suas manifestações culturais e religiosas, que em sua maioria ainda são
realizadas, como relataremos adiante. Foi consultada também em uma escritura datada de
1934 a descrição da venda das terras da “Casa Nova”, local onde, segundo os juazeirenses,
tinha um sótão que era utilizado como escola durante a semana e salão de baile aos sábados.
           Na memória da população local, a origem de Juazeirinho está associada à construção
da Capela Sagrada Família, o que fica evidente no trecho do Hino feito pelos juazeirenses em
homenagem a seus fundadores:




                             Comunidade de uma linda História, surgiu de um povo hospitaleiro, que
                             abrigava a sombra de uma árvore, cujo nome era Juazeiro... Dos caminheiros
                             alguém parou, embaixo á sombra do Juá se abrigou. Fez moradia por lá
                             ficou, fincou seus pés como o juá enraizou..Juazeirinho agora vem celebrar,
                             a tua história é digna de louvor. Juazeirinho com o teu povo a prosperar, tu
                             és o fruto que o Senhor aqui plantou... Era um fazendeiro religioso, que para
                             louvar a Deus chamava o povo, vinha gente de todo o lugar, perto da sombra
                             começaram a se abrigar...Povo reunido, num só louvor, comunidade e
                             povoado então formou. Morador forte lutador, como os frutos do Juá que
                             prosperou...Somos povo amigo e hospedeiro, celebramos com a própria vida,
                             temos como Santo Padroeiro. Nossa Sagrada Família... Exemplo vivo de
                             amor e fé, com Jesus Cristo, Maria e São José. Santo esposo, santa mulher e
                             o filho amado família de Nazaré63. [grifo nosso]



           Observando a letra do hino, podemos entender que a questão religiosa está relacionada
ao surgimento da fazenda, dando destaque para a atuação do senhor José Fernandes (Zuza)
com a construção da capela, contudo os documentos encontrados revelam que a existência de
pessoas na localidade antecede a década de 1930.
           A Vila Joazeiro começa a ser formada a partir da atuação destes fazendeiros, na
medida em que as famílias principiaram, em meados da década de 1920, a vender os lotes de
terras de suas propriedades para familiares e moradores de fazendas vizinhas. Percebemos que
a influência das famílias Moraes e Carneiro, de certa forma, foi mantida até os dias atuais,
tendo destaque na história local em diferentes áreas na política, educação, economia e
religião.


63
     Hino do Juá, autoria do Grupo Musical Nova Luz.
34



        2.2 Manifestações religiosas




                          A oração, a penitencia, a promessa, a vela acesa ajudam a abrir os
                         caminhos. Essas expressões devem ser tidas, comunicadas e guardadas na
                         memória. [...] fazer o sinal da cruz, tirar o chapéu ao passar diante de uma
                         Igreja, referenciar uma imagem. Nesse universo estão também os ramos, a
                         água benta, a vela da procissão do santo padroeiro64



        Em Juazeirinho, são diversas as expressões do sagrado e da fé, a religiosidade é
marcada por forte influência do catolicismo tradicional, embora haja a atuação dos padres em
estabelecer limites para a realização das atividades na localidade. Percebemos que são
realizadas muitas manifestações religiosas nas residências em devoção aos santos católicos,
além disso, as celebrações na igreja também são marcadas pelo caráter devocional.
        A análise dos jornais O Mensageiro demonstra que as atividades religiosas realizadas
na localidade contemplavam quase todos os meses do ano, no calendário paroquial, o núcleo
de Juazeirinho aparece com destaque mediante a quantidade de missas, procissões, retiros
religiosos, confissões, celebrações, e shows sacros, “as confissões perduraram todo o dia, bem
como as visitas às escolas e principalmente aos doentes, tudo findou com a celebração da
vida”65.
        Merece destaque entre os juazeirenses a devoção à Maria, diante do levantamento
realizado, ficou evidente que grandes rezas, sejam na igreja ou nas residências, fazem
referência a Nossa Senhora. Dentro de suas diversas representações, a santa é homenageada
durante as festividades como também no dia a dia, através de orações e novenas, e na
utilização de símbolos, como terços e imagens em quadros, camisas e altares. Essa devoção
pode ser entendida como elemento da religiosidade popular, conforme afirma Mauro Passos:


                         A religiosidade popular não é um mero acervo histórico-cultural, mas sim
                         expressão de vida. É um reflexo da ação das pessoas. Está circunscrita no
                         cotidiano, na repartição, nas permanências e singularidades. A presença de
                         Maria e a invocação ao seu nome demonstram seu amparo e proteção nas
                         horas de perigo, nas horas de perigo nas doenças e nas dificuldades. O uso
                         do rosário no pescoço é uma forma de buscar proteção. Há toda uma




64
   PASSOS, Mauro. O catolicismo popular. IN: A festa na vida: significado e imagens. Petrópolis: Vozes,
2002.p. 179.
65
   Livro de Tombo da Paróquia Nossa Senhora de Conceição do Coité.
35



                          linguagem simbólica expressa nas orações [...] Na verdade, em todas essas
                          expressões populares há um jogo de construção e reconstrução.66



        De acordo com as informações descritas pelos Párocos no Livro de Tombo da
Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Coité, a vida cotidiana na localidade entre a década
de 1930 até 1950 era muito agitada, com frequentes rezas e eventos religiosos, como
festividades, procissões e celebrações. Destacamos as missões67 realizadas, com as
comunhões e confissões das famílias católicas, chegando a um único período de pregação o
número de 470 confissões na capela do Joazeiro68. De acordo com as informações do jornal O
Mensageiro as rezas em homenagem a Nossa Senhora de Fátima, por exemplo, são realizadas
desde 1958:

                           Nada de abolição da escravatura, nada de falsa liberdade. A data treze de
                          maio para nós Católicos lembra Nossa Senhora de Fátima. Em Juazeirinho,
                          há 50 anos atrás, um missionário trouxe diretamente de Lisboa, Portugal,
                          uma Imagem de Nossa Senhora de Fátima. Desde esta data 13 de maio de
                          1958 que ficou incrementada a Devoção a Nossa Senhora com este título.
                          Quase todos os anos celebramos a Eucaristia nesta data em Juazeirinho. Este
                          ano a motivação foi maior e os preparativos também por causa das Bodas de
                          Ouro. Parabéns a Comunidade de Juazeirinho.69


        A temporada de 23 de fevereiro a 02 de março do ano de 1958 foi de grande atuação
dos moradores para a realização das missões na capela. Foi inclusive o período em que a
localidade ganhou, para compor o altar da capela, a imagem de Nossa Senhora de Fátima, que
foi recebida por um caloroso espetáculo da fé católica, com aclamações piedosas, foguetes e
sinos, formando um cortejo com grande entusiasmo popular, com um santuário formado á
frente da capela.70
        Atualmente a festividade em devoção a tal santa é realizada durante os trinta dias do
mês de maio, todas as noites a partir das 19:00 são cantados os hinos em homenagem a
Nossa Senhora. Após os trinta dias a reza é encerrada sempre com uma dramatização da
aparição da santa para os pastoris. È importante evidenciar que a análise deste evento
religioso possibilita a identificação das famílias que recebem destaque durante os festejos, por


66
    PASSOS, Mauro. O catolicismo popular. IN: A festa na vida: significado e imagens. Petrópolis: Vozes,
2002.p. 176.
67
   Celebrações religiosas.
68
   Livro de Tombo da Paróquia Nossa Senhora de Conceição do Coité.
69
   Jornal O Mensageiro, Nº 114 , Ano 14 , Junho de 2008.
70
   Livro de Tombo da Paróquia Nossa Senhora de Conceição do Coité.
36



que cada noite da festa é consagrada a uma pessoa, onde esta fica responsável pelos fogos de
artifício para abrilhantar a reza.
           Contudo as mesmas pessoas permanecem por muito tempo sendo homenageadas e,
mesmo após o falecimento, a noite da reza é transmitida para um familiar, além disso, de
acordo com alguns juazeirenses, fica, por vontade dos organizadores, a noite para quem tem
mais proximidade ou condição de patrocinar os fogos. Muitas vezes, as noites são destinadas
a pessoas que já não fazem parte das festividades. Então, essa distribuição realizada acaba por
se constituir também como legitimação do poder que a igreja tem de perpetuar ou excluir os
fiéis dos lugares de destaque.
           Em paralelo a estes eventos realizados na igreja, a religiosidade local também é
caracterizada pelas rezas no âmbito privado em devoção aos santos padroeiros, práticas
religiosas que moldam o cotidiano de algumas famílias. Grande parte dos devotos possui
altares em seus quartos, com quadros e imagens dos santos católicos, percebemos que estes
oratórios são espaços caracterizados por velas e flores, onde realizam suas orações diárias.
           Neste sentido, podemos destacar a reza em devoção a Nossa Senhora das Candeias,
realizada na residência do senhor Joaquim Morais Carneiro, desde 1956, no dia 02 de
fevereiro71. Os festejos e os preparativos para a realização da reza são iniciados às seis horas
da manhã, durante todo o dia, como uma forma de demonstração à devoção a Nossa Senhora,
no intervalo de três horas fogos e orações são oferecidos à santa .
           A reza é iniciada às 19:30, horário em que os familiares já se encontram no interior da
residência a esperar a chegada dos convidados e, como uma procissão, aos poucos chegam os
devotos, que se dividem entre as pessoas mais velhas que se posicionam à frente do altar que
se encontra no núcleo da sala principal, com as imagens de Nossa Senhora das Candeias e do
Menino Jesus ao lado, rodeadas de flores e velas.
           As vozes de um grupo de quinze mulheres começam os cânticos e orações, que são
acompanhados por grande parte dos presentes, formados por 150 pessoas. Entre elas
familiares, juazeirenses e visitantes, com uma faixa etária diversificada. Esta participação
popular nas manifestações religiosas pode ser entendida como uma permanência da nossa
crença e tradição, elementos que ainda compõem o cenário religioso do Brasil.
           A reza é dividida em quatro momentos semelhantes ao ritual realizado na Igreja
Católica, marcados pelos cânticos, hinos e orações que louvam, agradecem e pedem a
proteção a Nossa Senhora das Candeias. Durante o período de quarenta minutos, as atenções


71
     Informações fornecidas por Djalma Lopes Carneiro, filha de Joaquim Moraes Carneiro.
37



são voltadas à parte central da sala principal, onde o altar enfeita a imagem da Santa protetora.
Percebemos que neste momento as orações são realizadas em grupo, contudo, ao término dos
cânticos, os fieis demonstram separadamente a sua crença e, de joelhos em frente à imagem
de Nossa Senhora das Candeias, realizam suas orações particulares, que também compõem o
ritual da reza.
           Em Juazeirinho, a religiosidade popular é caracterizada pela devoção, pela prática de
orações específicas para cada santo protetor e para cada situação, com crendices e símbolos.
Durante o período da quaresma, não é raro encontrar famílias que conservam hábitos de seus
antepassados, seguem as orientações e crenças, alterando, durante estes dias, alguns hábitos
diários. As mulheres não pintam as unhas com cores fortes, como vermelho ou preto, não se
permite durante a sexta-feira santa que se utilizem martelos e pedras para serviços domésticos
por fazer referência aos castigos que Jesus sofreu na cruz.
           Destacamos também o tratamento que é dado às folhas que são levadas para a missa
de ramos, elas são conservadas como amuletos. Essas expressões presentes na religiosidade
da população juazeirense devem ser entendidas como parte de um simbolismo religioso que
caracteriza a localidade em seu cotidiano com atividades devocionais e que, portanto, devem
ser valorizadas.




           2.3 Festas populares




           Juazeirinho possui também um calendário com manifestações culturais que
apresentam uma junção entre o sagrado e o profano, na medida em que são realizadas, tendo
com um marco um acontecimento religioso e são desenvolvidas anualmente e apreciadas por
muitas pessoas da região e de outras cidades.
           Neste sentido, a Pascuelinha merece destaque por ser uma festa que é realizada desde a
década de 1930 sempre em um final de semana após a Páscoa. As festividades são iniciadas
com o desfile dos mascarados72, no início da tarde, saem às ruas os grupos infantis e, ao cair
da tarde, os grupos dos “grandes”, como são chamados pelos moradores da localidade os
mascarados adultos, os quais aterrorizam os participantes com brincadeiras para arrecardar


72
     Pessoas caracterizadas com máscaras de monstros.
38



dinheiro. Participam das brincadeiras as crianças, os jovens, os adultos e os idosos e, embora
entre os mascarados prevaleçam os homens, verificamos também nos últimos anos a presença
feminina entre os mascarados.
            Em paralelo a isto, realiza-se a Cavalgada, ou seja, um desfile de cavalos pelas ruas
da localidade com os vaqueiros da região, moradores e visitantes. Além da algazarra que é
formada pelos mascarados, durante a noite, o tradicional samba da localidade entra em cena
animando ainda mais a festa com a presença do bumba-meu-boi73.
           É interessante ressaltar que em tal festividade há o espaço reservado para a celebração
religiosa na igreja, neste momento, apesar da tentativa de os organizadores estabelecerem um
distanciamento entre as orações que são realizadas no interior da igreja, grande parte dos
participantes ativos, ou seja, quem se caracterizou de mascarado, já se encontra envolvida
pela animação e pela embriaguez. Este é um ponto intrigante em que a Pascuelinha assume
significados diferenciados dentro do espaço festivo.
           Para finalizar a festa da Pascuelinha, aproximadamente às vinte e duas horas realiza-se
o tão esperado momento da leitura do testamento do Judas, que é produzido pelos juazeirenses
há aproximadamente setenta anos, envolvendo o nome de personalidades locais e de regiões
vizinhas. Logo após, é realizada a queima de um boneco representando Judas.
           Contudo é necessário explicar que nos últimos anos o número de mascarados tem
diminuído significativamente, assim como a leitura dos testamentos, a duração tem sido cada
vez mais reduzida. Segundo os organizadores da festa, essa manifestação cultural está
acabando por falta de apoio e incentivo de algumas autoridades e também dos moradores do
local.
           Outra atividade tradicional que é realizada em Juazeirinho e que se estabelece entre o
universo religioso e o profano são os festejos Juninos. Estes acontecem no âmbito público
durante as festas que atraem visitantes com as músicas, quadrilhas, fogos, comidas e bebidas
típicas da região. Como também no âmbito privado, onde a devoção dos santos católicos é
conservada, através da realização das rezas e da queima de fogueiras, que se configura em
momentos em que as famílias se reúnem também para beber e comer.
           Verificamos também a realização dos batizados, que acontece através de um ritual em
que as pessoas já batizadas oficialmente na Igreja Católica, diante da impossibilidade de
receber novamente o sacramento, fazem o batizado na fogueira, como é chamado pelos mais




73
     Caracterização da imagem de um boi que é vestida pelos moradores de Juazeirinho durante os dias de Festa.
39



velhos na localidade. Entre os juazeirenses, é significativo o número de católicos que possuem
padrinhos de fogueira.
        O fogo é entendido pelos moradores mais velhos e por seus descendentes como um
ritual para atrair sorte, o batismo é realizado diante do fogo no momento em que os padrinhos,
pais e afilhados recitam alguns versos por três vezes em devoção a São João, pulando a
fogueira:


                          São João dormiu... São João acordou
                          Juro pelo dia de hoje...
                          Que Maria é minha afilhada
                          São João dormiu... São João acordou
                          Boa noite meu compadre ...
                          Que São João mandou
                          São João dormiu...São João acordou
                          Benção meu padrinho...Que São João Mandou.74


        Em Juazeirinho, variados são os santos festejados no período junino através das rezas
que atraem muitas pessoas. Têm destaque os santos, como Santo Antonio, São Pedro e São
José. É importante evidenciar que, diferente do que acontece no dia 24 de junho com os
festejos para São João, quando, na maioria das residências, queimam-se as fogueiras, em
relação aos santos acima citados, apenas os aniversariantes cujo nome é igual ao do santo
festejam a data.
        Dessa forma, são conhecidas em toda a localidade as rezas e as fogueiras nas
residências por sua animação marcada pelas comidas típicas e por bebidas, como o licor. Por
outro lado, diferente das outras festividades religiosas, a devoção aos santos juninos não é
celebrada na igreja, as atividades restringem-se apenas às residências dos devotos, os quais
possuem seus próprios altares para realizarem as orações e pedidos aos santos padroeiros.
        As rezas em devoção a tais santos envolvem as orações feitas no interior das
residências e também a derrubada das fogueiras, que atraem muitas pessoas. Logo pela manhã
saem os devotos em busca da maior e mais resistente árvore para ser queimada durante a noite
da reza, essa atividade é uma das etapas da festividade.
        De volta à residência, são amarrados nos galhos da árvore com grande euforia gêneros
diversos como alimentos, bebidas, fogos, brinquedos, cigarros e, em algumas fogueiras,
quantias em dinheiro. Os devotos e os participantes da reza esperam até o momento em que a
fogueira é queimada para pegar os gêneros que estão nos galhos.

74
  Oração fornecida em 03 de Julho de 2009, por Regina da Silva Moraes, 53 anos, moradora de Juazeirinho que
realiza anualmente fogueiras juninas em sua residência.
40



       Fica evidente também que as distinções sociais e as demarcações de poder local
também estão implícitas durante estas festividades religiosas. Os moradores mais ricos tinham
suas rezas conhecidas em toda a região, justamente por causa da grande quantidade de
gêneros que era carregada à fogueira e os fogos que abrilhantavam a noite.
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano
Devoção e festa no sertão baiano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em famíliaLivrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
torrasko
 
Documento 79 CNBB
Documento 79 CNBBDocumento 79 CNBB
Documento 79 CNBB
Núccia Ortega
 
Livrinho batismo
Livrinho batismoLivrinho batismo
Livrinho batismo
torrasko
 
MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões
MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões  MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões
MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões
Sammis Reachers
 
Orientações necessárias
Orientações necessáriasOrientações necessárias
Orientações necessárias
Núccia Ortega
 
Deveres e Bencãos do Sacerdócio parte B
Deveres e Bencãos do Sacerdócio parte BDeveres e Bencãos do Sacerdócio parte B
Deveres e Bencãos do Sacerdócio parte B
ferrazrx
 
A natureza sacramental da música litúrgica
A natureza sacramental da música litúrgicaA natureza sacramental da música litúrgica
A natureza sacramental da música litúrgica
Núccia Ortega
 
Liturgia ii
Liturgia iiLiturgia ii
Liturgia ii
Alvaro Nortok
 
ECOVIDA Setembro-outubro
ECOVIDA Setembro-outubroECOVIDA Setembro-outubro
ECOVIDA Setembro-outubro
Lada vitorino
 
Boletim bimba 20-11-2016 - dia da sociedade metodista de homens
Boletim bimba  20-11-2016 - dia da sociedade metodista de homensBoletim bimba  20-11-2016 - dia da sociedade metodista de homens
Boletim bimba 20-11-2016 - dia da sociedade metodista de homens
joao212531
 
Contact agosto colorido
Contact agosto coloridoContact agosto colorido
Contact agosto colorido
Leutherio
 
Jornal Novos horizontes - Janeiro 2014
Jornal Novos horizontes - Janeiro 2014Jornal Novos horizontes - Janeiro 2014
Jornal Novos horizontes - Janeiro 2014
Pascom Paroquia Nssc
 
Boletim bimba 15 06-2014
Boletim bimba 15 06-2014Boletim bimba 15 06-2014
Boletim bimba 15 06-2014
Debora Teixeira
 
Ajcirillo,+art23 2011 (1)
Ajcirillo,+art23 2011 (1)Ajcirillo,+art23 2011 (1)
Ajcirillo,+art23 2011 (1)
Maria Antónia
 
Bíblia de Estudo John Macarthur-completa
Bíblia de Estudo John Macarthur-completaBíblia de Estudo John Macarthur-completa
Bíblia de Estudo John Macarthur-completa
Rosangela Borkoski
 

Mais procurados (15)

Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em famíliaLivrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
 
Documento 79 CNBB
Documento 79 CNBBDocumento 79 CNBB
Documento 79 CNBB
 
Livrinho batismo
Livrinho batismoLivrinho batismo
Livrinho batismo
 
MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões
MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões  MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões
MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões
 
Orientações necessárias
Orientações necessáriasOrientações necessárias
Orientações necessárias
 
Deveres e Bencãos do Sacerdócio parte B
Deveres e Bencãos do Sacerdócio parte BDeveres e Bencãos do Sacerdócio parte B
Deveres e Bencãos do Sacerdócio parte B
 
A natureza sacramental da música litúrgica
A natureza sacramental da música litúrgicaA natureza sacramental da música litúrgica
A natureza sacramental da música litúrgica
 
Liturgia ii
Liturgia iiLiturgia ii
Liturgia ii
 
ECOVIDA Setembro-outubro
ECOVIDA Setembro-outubroECOVIDA Setembro-outubro
ECOVIDA Setembro-outubro
 
Boletim bimba 20-11-2016 - dia da sociedade metodista de homens
Boletim bimba  20-11-2016 - dia da sociedade metodista de homensBoletim bimba  20-11-2016 - dia da sociedade metodista de homens
Boletim bimba 20-11-2016 - dia da sociedade metodista de homens
 
Contact agosto colorido
Contact agosto coloridoContact agosto colorido
Contact agosto colorido
 
Jornal Novos horizontes - Janeiro 2014
Jornal Novos horizontes - Janeiro 2014Jornal Novos horizontes - Janeiro 2014
Jornal Novos horizontes - Janeiro 2014
 
Boletim bimba 15 06-2014
Boletim bimba 15 06-2014Boletim bimba 15 06-2014
Boletim bimba 15 06-2014
 
Ajcirillo,+art23 2011 (1)
Ajcirillo,+art23 2011 (1)Ajcirillo,+art23 2011 (1)
Ajcirillo,+art23 2011 (1)
 
Bíblia de Estudo John Macarthur-completa
Bíblia de Estudo John Macarthur-completaBíblia de Estudo John Macarthur-completa
Bíblia de Estudo John Macarthur-completa
 

Semelhante a Devoção e festa no sertão baiano

A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luzA festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
UNEB
 
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luzA festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
UNEB
 
Monografia Ivonice Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Ivonice Pedagogia Itiúba 2012Monografia Ivonice Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Ivonice Pedagogia Itiúba 2012
Biblioteca Campus VII
 
Batistas Eslavos em Curitiba
Batistas Eslavos em CuritibaBatistas Eslavos em Curitiba
Batistas Eslavos em Curitiba
Francisco A Salerno Neto
 
Festas juninas em bandiaçu dos anos de 1990 a 2011
Festas juninas em bandiaçu dos anos de 1990 a 2011Festas juninas em bandiaçu dos anos de 1990 a 2011
Festas juninas em bandiaçu dos anos de 1990 a 2011
UNEB
 
Livros, histórias, lembranças
Livros, histórias, lembrançasLivros, histórias, lembranças
Livros, histórias, lembranças
Ana Campana
 
Vocês todos são irmãos!
Vocês todos são irmãos!Vocês todos são irmãos!
Vocês todos são irmãos!
Vanildo Zugno
 
Tese_Muriel Pinto
Tese_Muriel PintoTese_Muriel Pinto
Tese_Muriel Pinto
Muriel Pinto
 
educar-para-a-cultura-e-os-bens-culturais (1).pdf
educar-para-a-cultura-e-os-bens-culturais (1).pdfeducar-para-a-cultura-e-os-bens-culturais (1).pdf
educar-para-a-cultura-e-os-bens-culturais (1).pdf
Oswaldo Cruz
 
Livro er 19_3_2015
Livro er 19_3_2015Livro er 19_3_2015
Livro er 19_3_2015
AntoniaVieiradeSouza
 
26dejunho oexpresso
26dejunho oexpresso26dejunho oexpresso
26dejunho oexpresso
Jornal O EXPRESSO
 
COMO FALAR DE DEUS HOJE?
COMO FALAR DE DEUS HOJE?COMO FALAR DE DEUS HOJE?
COMO FALAR DE DEUS HOJE?
domeduardo
 
BOLETIM FERMENTO OUTUBRO 2012
BOLETIM FERMENTO OUTUBRO 2012BOLETIM FERMENTO OUTUBRO 2012
BOLETIM FERMENTO OUTUBRO 2012
cnisbrasil
 
Monografia do Seminário_Ensino religioso
Monografia do Seminário_Ensino religiosoMonografia do Seminário_Ensino religioso
Monografia do Seminário_Ensino religioso
DafianaCarlos
 
Ofício da Novena de Natal 2010
Ofício da Novena de Natal 2010Ofício da Novena de Natal 2010
Ofício da Novena de Natal 2010
Bernadetecebs .
 
O Candomblé e o Tempo - Reginaldo Prandi
O Candomblé e o Tempo - Reginaldo PrandiO Candomblé e o Tempo - Reginaldo Prandi
O Candomblé e o Tempo - Reginaldo Prandi
ENJT | Encontro Nacional da Juventude de Terreiro
 
Folha Dominical - 17.03.19 Nº 758
Folha Dominical - 17.03.19 Nº 758Folha Dominical - 17.03.19 Nº 758
Folha Dominical - 17.03.19 Nº 758
Comunidades Vivas
 
Santos2011 (1)
Santos2011 (1)Santos2011 (1)
Santos2011 (1)
José Júnior Oliveira
 
4° Ano fundamental- Ensino Religioso.pdf
4° Ano  fundamental- Ensino Religioso.pdf4° Ano  fundamental- Ensino Religioso.pdf
4° Ano fundamental- Ensino Religioso.pdf
DoralicePereira2
 
Festa do Divino de Mogi das Cruzes: Da Devoção a Opulência
Festa do Divino de Mogi das Cruzes: Da Devoção a Opulência Festa do Divino de Mogi das Cruzes: Da Devoção a Opulência
Festa do Divino de Mogi das Cruzes: Da Devoção a Opulência
Glauco Ricciele
 

Semelhante a Devoção e festa no sertão baiano (20)

A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luzA festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
 
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luzA festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
 
Monografia Ivonice Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Ivonice Pedagogia Itiúba 2012Monografia Ivonice Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Ivonice Pedagogia Itiúba 2012
 
Batistas Eslavos em Curitiba
Batistas Eslavos em CuritibaBatistas Eslavos em Curitiba
Batistas Eslavos em Curitiba
 
Festas juninas em bandiaçu dos anos de 1990 a 2011
Festas juninas em bandiaçu dos anos de 1990 a 2011Festas juninas em bandiaçu dos anos de 1990 a 2011
Festas juninas em bandiaçu dos anos de 1990 a 2011
 
Livros, histórias, lembranças
Livros, histórias, lembrançasLivros, histórias, lembranças
Livros, histórias, lembranças
 
Vocês todos são irmãos!
Vocês todos são irmãos!Vocês todos são irmãos!
Vocês todos são irmãos!
 
Tese_Muriel Pinto
Tese_Muriel PintoTese_Muriel Pinto
Tese_Muriel Pinto
 
educar-para-a-cultura-e-os-bens-culturais (1).pdf
educar-para-a-cultura-e-os-bens-culturais (1).pdfeducar-para-a-cultura-e-os-bens-culturais (1).pdf
educar-para-a-cultura-e-os-bens-culturais (1).pdf
 
Livro er 19_3_2015
Livro er 19_3_2015Livro er 19_3_2015
Livro er 19_3_2015
 
26dejunho oexpresso
26dejunho oexpresso26dejunho oexpresso
26dejunho oexpresso
 
COMO FALAR DE DEUS HOJE?
COMO FALAR DE DEUS HOJE?COMO FALAR DE DEUS HOJE?
COMO FALAR DE DEUS HOJE?
 
BOLETIM FERMENTO OUTUBRO 2012
BOLETIM FERMENTO OUTUBRO 2012BOLETIM FERMENTO OUTUBRO 2012
BOLETIM FERMENTO OUTUBRO 2012
 
Monografia do Seminário_Ensino religioso
Monografia do Seminário_Ensino religiosoMonografia do Seminário_Ensino religioso
Monografia do Seminário_Ensino religioso
 
Ofício da Novena de Natal 2010
Ofício da Novena de Natal 2010Ofício da Novena de Natal 2010
Ofício da Novena de Natal 2010
 
O Candomblé e o Tempo - Reginaldo Prandi
O Candomblé e o Tempo - Reginaldo PrandiO Candomblé e o Tempo - Reginaldo Prandi
O Candomblé e o Tempo - Reginaldo Prandi
 
Folha Dominical - 17.03.19 Nº 758
Folha Dominical - 17.03.19 Nº 758Folha Dominical - 17.03.19 Nº 758
Folha Dominical - 17.03.19 Nº 758
 
Santos2011 (1)
Santos2011 (1)Santos2011 (1)
Santos2011 (1)
 
4° Ano fundamental- Ensino Religioso.pdf
4° Ano  fundamental- Ensino Religioso.pdf4° Ano  fundamental- Ensino Religioso.pdf
4° Ano fundamental- Ensino Religioso.pdf
 
Festa do Divino de Mogi das Cruzes: Da Devoção a Opulência
Festa do Divino de Mogi das Cruzes: Da Devoção a Opulência Festa do Divino de Mogi das Cruzes: Da Devoção a Opulência
Festa do Divino de Mogi das Cruzes: Da Devoção a Opulência
 

Mais de UNEB

TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de OliveiraTCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
UNEB
 
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo GiovaneTCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
UNEB
 
TCC de Jussara Borges Alves
TCC de Jussara Borges AlvesTCC de Jussara Borges Alves
TCC de Jussara Borges Alves
UNEB
 
TCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
TCC de Edisvânio do Nascimento PereiraTCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
TCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
UNEB
 
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís AselmoTCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
UNEB
 
Memorial de Camila Oliveira Santos
Memorial de Camila Oliveira SantosMemorial de Camila Oliveira Santos
Memorial de Camila Oliveira Santos
UNEB
 
TCC de Camila Oliveira Santos
TCC de Camila Oliveira SantosTCC de Camila Oliveira Santos
TCC de Camila Oliveira Santos
UNEB
 
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da SilvaTCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
UNEB
 
Monografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
Monografia de Laisa Dioly da Silva FerreiraMonografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
Monografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
UNEB
 
Monografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
Monografia de Débora Araújo da Silva FerrazMonografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
Monografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
UNEB
 
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de OliveiraMonografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
UNEB
 
Monografia de Josiélia Oliveira Pereira
Monografia de Josiélia Oliveira PereiraMonografia de Josiélia Oliveira Pereira
Monografia de Josiélia Oliveira Pereira
UNEB
 
Monografia de Leila de Lima Oliveira
Monografia de Leila de Lima OliveiraMonografia de Leila de Lima Oliveira
Monografia de Leila de Lima Oliveira
UNEB
 
Monografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
Monografia de Kelly Tainan Santos OliveiraMonografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
Monografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
UNEB
 
Monografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana MirandaMonografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana Miranda
UNEB
 
Monografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
Monografia de Deiseluce de Oliveira RamosMonografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
Monografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
UNEB
 
Monografia de Bonifácio Carvalho Santos
Monografia de Bonifácio Carvalho SantosMonografia de Bonifácio Carvalho Santos
Monografia de Bonifácio Carvalho Santos
UNEB
 
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVAMONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
UNEB
 
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
UNEB
 
1984 - literatura e Modernidde
1984 - literatura e Modernidde1984 - literatura e Modernidde
1984 - literatura e Modernidde
UNEB
 

Mais de UNEB (20)

TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de OliveiraTCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
 
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo GiovaneTCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
 
TCC de Jussara Borges Alves
TCC de Jussara Borges AlvesTCC de Jussara Borges Alves
TCC de Jussara Borges Alves
 
TCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
TCC de Edisvânio do Nascimento PereiraTCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
TCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
 
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís AselmoTCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
 
Memorial de Camila Oliveira Santos
Memorial de Camila Oliveira SantosMemorial de Camila Oliveira Santos
Memorial de Camila Oliveira Santos
 
TCC de Camila Oliveira Santos
TCC de Camila Oliveira SantosTCC de Camila Oliveira Santos
TCC de Camila Oliveira Santos
 
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da SilvaTCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
 
Monografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
Monografia de Laisa Dioly da Silva FerreiraMonografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
Monografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
 
Monografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
Monografia de Débora Araújo da Silva FerrazMonografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
Monografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
 
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de OliveiraMonografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
 
Monografia de Josiélia Oliveira Pereira
Monografia de Josiélia Oliveira PereiraMonografia de Josiélia Oliveira Pereira
Monografia de Josiélia Oliveira Pereira
 
Monografia de Leila de Lima Oliveira
Monografia de Leila de Lima OliveiraMonografia de Leila de Lima Oliveira
Monografia de Leila de Lima Oliveira
 
Monografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
Monografia de Kelly Tainan Santos OliveiraMonografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
Monografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
 
Monografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana MirandaMonografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana Miranda
 
Monografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
Monografia de Deiseluce de Oliveira RamosMonografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
Monografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
 
Monografia de Bonifácio Carvalho Santos
Monografia de Bonifácio Carvalho SantosMonografia de Bonifácio Carvalho Santos
Monografia de Bonifácio Carvalho Santos
 
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVAMONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
 
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
 
1984 - literatura e Modernidde
1984 - literatura e Modernidde1984 - literatura e Modernidde
1984 - literatura e Modernidde
 

Devoção e festa no sertão baiano

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO - CAMPUS XIV LICENCIATURA EM HISTÓRIA Kécia Dayana da Silva Carneiro Devoção e festa no sertão baiano: Juazeirinho, 1930 – 2008. Conceição do Coité, Ba. 2010
  • 2. Kécia Dayana da Silva Carneiro Devoção e festa no sertão baiano: Juazeirinho, 1930 – 2008. Monografia apresentada ao Curso de Licenciatura em História do Departamento de Educação do Campus XIV da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), para obtenção do grau de Graduação em Licenciatura em História, sob orientação da Profa. Suzana Severs. Conceição do Coité, Ba. 2010
  • 3. Agradecimentos Durante a realização deste trabalho recebi o apoio de algumas pessoas. Por isso gostaria de destacar alguns nomes que foram muito importantes no decorrer destes meses de pesquisa. À minha orientadora, Profa Dra. Suzana Severs, por ter me estimulado em todos os momentos, acreditando em meu potencial. Por sua paciência, carinho e dedicação; contribuído com seus ensinamentos para a elaboração e realização desta pesquisa. Aos meus pais, Valmirete e Gilsoney Carneiro, que estiveram me apoiando sempre, torcendo por minhas vitórias, acreditando em meus sonhos e dando suporte para a realização deste trabalho. À minha irmã, Kécia Dayane Carneiro, por sua companhia e dedicação de sempre, encorajando-me em todos os momentos; compartilhando todas as descobertas. Ao meu esposo, Ederlan Oliveira, por ter entendido a importância deste trabalho, sempre me apoiando e, de forma paciente, compreendendo a minha ausência em muitos momentos. Aos meus colegas, Ana Lúcia Correia, Alaudja Lima, Fabiane Pinto, Maiara Gordiano, Sinara Carneiro e Cristian Barreto pela amizade e pelo incentivo em todos os momentos. Obrigada pelas sábias sugestões. A todos os juazeirenses que contribuíram para a realização deste trabalho, fornecendo fontes e informações imprescindíveis. Não poderia deixar de citar o Padre Charles e os funcionários da Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Coité que disponibilizaram documentações importantes para a concretização desta pesquisa.
  • 4. [...] essa dinamicidade da festa religiosa permite entender não só elementos internos, mas sobremodo situações de ordem contextual, social e local, enriquecendo o trabalho do pesquisador; que, fatalmente mergulhará num universo cultural marcado pelo hibridismo das informações, pela multiplicidade das representações e pela complexibilidade de certas apreensões do divino ou sagrado nas ações cotidianas e peculiares das festas brasileiras [...] (SANTOS, Claudefranklin)
  • 5. Resumo Os festejos religiosos são objetos de estudo que possibilitam o entendimento de diferentes aspectos de uma sociedade. A partir da análise da devoção a um santo padroeiro, é possível conhecer a história, a cultura e a religiosidade de um determinado grupo social. Apresentamos nesta monografia a festa da padroeira de Juazeirinho, que tem início em meados de 1930 com a construção da capela e com a devoção dos moradores da localidade a dois santos padroeiros, Santa Terezinha, a qual tinha uma imagem no altar, e à Sagrada Família, para a qual teria sido doado o terreno para a construção da capela. Este conflito envolvia as famílias mais influentes da localidade, que tinham diferentes devoções numa busca de demarcação de poder. Situação que se prolongou durante os festejos à Santa Terezinha até a segunda metade da década de 1970, quando, mediante o risco do fechamento da capela, é encontrada a Certidão de Doação do terreno aos santos Jesus, Maria e José tornando-se, até os dias atuais, padroeiros da localidade. Para elucidar tais questões, este trabalho inicia-se com a elaboração de uma revisão bibliográfica fazendo uma discussão sobre aspectos teóricos e metodológicos necessários para o desenvolvimento da pesquisa. Apresenta aspectos relacionados à história da origem de Juazeirinho, explicando algumas práticas que fazem parte da sua cultura e religiosidade, como as rezas que acontecem no âmbito público e privado durante praticamente todos os meses do ano em devoção aos santos católicos. Por último, analisa a devoção durante a festa da padroeira como um elemento do patrimônio cultural imaterial, destacando as diferentes atuações dos devotos, seus conflitos e significados, assim como as etapas de estruturação do evento religioso, que é interpretado neste trabalho como um espaço diverso, formado por símbolos sagrados e profanos em um ambiente de devoção e festa. Palavras-Chave: Juazeirinho, história, festa, religiosidade.
  • 6. Sumário Introdução .................................................................................................. 07 Fontes e Metodologias................................................................................ 11 1. História e religiosidade: comentário bibliográfico............................... 19 1.1 O desenvolvimento das festas religiosas no Brasil .................................................... 19 1.2 A festa religiosa como objeto da historiografia......................................................... 23 1.3 A festa como um espaço de relação entre o sagrado e o profano ............................ 26 1.4 A religiosidade como patrimônio cultural imaterial ................................................. 29 2. O Distrito de Juazeirinho....................................................................... 32 2.1 Origem ..................................................................................................................... 32 2.2 Manifestações religiosas ........................................................................................... 34 2.3 Festas populares ................................................................................................ 37 3. “Uma capela, duas padroeiras”............................................................. 41 3.1 A edificação da capela ...................................................................................... 41 3.2 O conflito familiar ............................................................................................. 43 3.3A primeira padroeira................................................................................................... 45 4. Festa da Sagrada Família....................................................................... 49 4.1 Organização da festa. ................................................................................................ 49 4.2 Participação dos devotos .......................................................................................... 50 4.3 As práticas religiosas durante a novena .................................................................... 53 4.4 festa: sociabilidade e cotidiano ................................................................................ 55 4.5 A hierarquia religiosa e social durante as atividades festivas ................................... 57 As transformações na festa da padroeira.................................................. 60 Referências ................................................................................................. 62 Lista de Fontes utilizadas.......................................................................... 65
  • 7. 7 Introdução Desde a Antiguidade as festas eram realizadas para marcar o início ou o término de celebrações importantes, sendo sempre de caráter religioso, em adoração às divindades sobrenaturais, marcadas por procissões e promessas. Quando o Cristianismo é institucionalizado, estas práticas ganham assimilação, os rituais considerados pagãos são incorporados à teologia cristã, assim como suas divindades são substituídas pelos santos católicos.7 Neste sentido, as festas e as tradições religiosas ganharam outras formas de realização, com o estabelecimento de datas específicas para sua comemoração. A Igreja passou a determinar os dias de festa, distribuídos em dois grupos, separando as celebrações entre festas que têm datas geralmente fixas, como o Natal e Reis, e as festas dos santos, com destaque as destinadas à devoção à Virgem Maria.8. No Brasil, o Catolicismo tradicional é marcado por seu caráter devocional e festivo, com símbolos e eventos em devoção aos santos padroeiros. Percebemos grande participação dos fiéis anualmente em romarias e procissões como uma característica que compõe o cenário das festas religiosas do calendário católico, através de diferentes expressões da cultura e da religiosidade no país: Santuários e imagens religiosas atraem multidões no Brasil [...] cerca de 15 milhões de pessoas se deslocam por motivos religiosos todos os anos no país. As festas religiosas surgem como uma das nossas mais importantes expressões culturais, estabelecendo um calendário que demarca os tempos e organiza grande parte da nossa vida social[...]9 Existem muitos lugares santificados e, inúmeras são as manifestações religiosas que, por meio de festas, novenas, procissões, encenações, missas e romarias, transformam-se em verdadeiros espetáculos de devoção. As diversas festas tradicionais constituem-se como 7 FUNARI, Pedro Paulo; PELEGRINI, Sandra C. A. O que é Patrimônio Cultural Imaterial. São Paulo: Brasiliense, 2008. 8 MEGALE, Nilza Botelho. Folclore brasileiro. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. 9 STEIL, Carlos Alberto. Catolicismo e Cultura. IN: VICTOR, Vicente Valla. (org.). Religião e cultura popular. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. p.11.
  • 8. 8 elementos presentes no cotidiano, aos quais não se restringem apenas as populações locais, mas compõem o cenário religioso e cultural do Brasil 10. E, mesmo diante dos avanços científicos e tecnológicos verificados no último século, as festas religiosas ainda representam grande influência na vida cotidiana, principalmente no interior do país, em que as tradições e a devoção aos santos católicos são realizadas de forma mais intensa, através de expressões diferenciadas da religiosidade. “Em pleno século XXI, o ser humano continua procurando a alternativa da fé para resolver seus problemas, expressar seus sentimentos e ativar a memória coletiva.”11 Em Juazeirinho, Distrito localizado á 12 Km da Cidade de Conceição do Coité, percebemos que desde a sua fundação a população preserva, através de práticas diferenciadas, várias manifestações que marcam sua cultura e religiosidade como tradições importantes de seu patrimônio imaterial, em que os diferentes sujeitos que são identificados na festa, como os organizadores, participantes e observadores, ganham espaços peculiares e contribuem para a constituição de uma identidade festiva, em um universo de múltiplos sentimentos, de vários significados. Neste sentido, identificamos a tradicional festa da Padroeira, realizada desde meados de 1930 como uma manifestação religiosa relevante para ser analisada neste trabalho, podendo ser estudados diferentes aspectos de sua história e cultura. Entendendo que os elementos religiosos influenciam de forma significativa o cotidiano desta localidade, o estudo da religiosidade “ permitirá vislumbrar também o entendimento acerca da formação do sentimento de pertencimento, ao passo que questões como singularidades e alteridade tornam a compreensão de manifestações e representações coletivas mais claras no campo da pesquisa histórica” 12. Esta pesquisa tem como propósito estudar o patrimônio imaterial religioso conservado pela população juazeirense, entendendo como as manifestações religiosas festivas são desenvolvidas nos âmbitos público e privado, analisando de forma mais detalhada as Festas da Padroeira de Santa Terezinha (1930-1970) e da Sagrada Família (1971-2008), destacando de que forma a população juazeirense delas participavam, suas crenças, tradições e conflitos. Pretendemos demonstrar que o estudo das manifestações religiosas permite também o conhecimento de alguns aspectos da história local, como por exemplo, o crescimento da 10 JUKEVICS, Vera Irene. Festas religiosas: a materialidade da fé. Disponível em: <www.jornalismo.com. br. >. Acesso em: 15 de Julho de 2008. 11 PASSOS, Mauro. O catolicismo popular. IN: A festa na vida: significado e imagens. Petrópolis: Vozes, 2002.p.165. 12 SANTOS, Monteiro Claudefranklin. A festa como objeto de estudo de pesquisa histórica no campo da religiosidade. Disponível em : www.scielo.br/scielo. Acesso em: 06 de Maio de 2009.p.03.
  • 9. 9 localidade a partir da construção da capela, assim como a movimentação e alteração do cotidiano durante os dias das festas. Entendendo também as diferentes relações sociais existentes, porque o estudo das práticas religiosas possibilita desvendar aspectos relacionados à estrutura social e às hierarquias existentes, assim como os conflitos implícitos durante as festividades. Objetivamos também evidenciar como, ao longo das décadas, a população juazeirense realizou as festas da padroeira, suas rupturas e continuidades, entendendo como as mudanças na sociedade influenciaram em sua religiosidade. Porque tais atividades têm grande significado e importância sociocultural, “a análise de uma cultura se dá também a partir da análise de sua religiosidade [...]. Focalizar a religiosidade é desvendar sua história, reconstruir aspectos essenciais de sua existência, de seu universo simbólico, de sua cultura”13. Para tanto, este trabalho está estruturado em quatro capítulos. No primeiro, intitulado História e religiosidade: comentário bibliográfico, apresentamos uma discussão teórica sobre história e religiosidade, destacando como as práticas religiosas foram desenvolvidas durante os séculos no Brasil, como também em Juazeirinho elas se apresentam, evidenciando os conflitos e os diferentes elementos sagrados e profanos que compõem o universo festivo religioso. Fazemos uma abordagem da festa como objeto de estudo da historiografia, evidenciando as várias possibilidades de pesquisa, entendendo-a como parte do patrimônio cultural imaterial. No segundo capítulo, em O Distrito de Juazeirinho, analisamos alguns aspectos da história da origem de Juazeirinho, seus primeiros moradores e o processo de estruturação da localidade, evidenciando também as diferentes expressões da religiosidade através da análise de algumas manifestações religiosas que são realizadas no âmbito público e privado pelos juazeirenses. Realizamos a descrição de algumas festas populares em que o universo religioso encontra-se fortemente imbricado como parte da cultura e religiosidade local, podendo ser destacadas, através destas práticas, suas principais crenças e tradições. No terceiro capítulo, apresentamos um momento marcante na história de Juazeirinho, relacionado aos santos padroeiros da localidade, Santa Terezinha e a Sagrada Família, por isso ele tem como título “Uma capela, duas padroeiras”, porque apresentamos como foi o processo de edificação da capela, dentro de um contexto conflituoso, envolvendo os devotos das famílias mais influentes na época, que objetivavam a permanência de padroeiros diferentes. Evidenciamos também o posicionamento dos moradores da localidade diante da 13 FRANCO, Suely Campos. As manifestações religiosas desenvolvidas em São João Del Rei oriundas do período colonial. Disponível em: <www.ces.vc.pt/lab>. Acesso em: 30 de Julho de 2008.p.01.
  • 10. 10 representação de cada santo padroeiro durante as festividades em devoção à Santa Terezinha, assim como o desfecho de todo esse conflito que durou cerca de quarenta anos (1930-1970). No último capítulo, intitulado Festa da Sagrada Família, descrevemos todas as etapas da novena em devoção à Sagrada Família como padroeira de Juazeirinho, evidenciando a atuação dos moradores para a realização da festa, bem como as diferentes práticas realizadas. Fazemos uma análise do universo festivo religioso da padroeira como um momento de sociabilidade, em que a vida cotidiana é alterada, destacando também que o estudo da festa da Sagrada Família, possibilita o entendimento da atuação dos diferentes participantes, assim como as hierarquias sociais são estabelecidas durante a realização dos festejos.
  • 11. 11 Fontes e Metodologias Como afirma Kátia Mattoso, “O trabalho do historiador é limitado pelas fontes de informação a que tem acesso”14. Neste sentido, foram os estudos das fontes disponíveis, ou melhor, o cruzamento dessas fontes, que acabaram ampliando o recorte temporal e os objetivos pensados inicialmente para este trabalho, os quais se limitavam apenas ao estudo da Festa da Padroeira Sagrada Família durante o período de 1990 a 2000. O desenvolvimento da pesquisa foi pensado de forma semelhante ao que as professoras Dra. Maria Leônia Chaves de Resende e Suely Franco15 fizeram em trabalho sobre as festividades anuais de cunho religioso, oriundas do período colonial em São João Del Rei, Minas Gerais. A partir da identificação de todas as festas realizadas em devoção aos santos padroeiros durante o período estudado, Resende e Franco realizaram uma pesquisa utilizando diferentes fontes para analisar aspectos como sua origem, a estrutura das festas, seus participantes e práticas realizadas. O contato com as diferentes fontes e também com o aprofundamento do estudo da historiografia relacionada a festas religiosas fez surgir novos questionamentos que impulsionaram a pesquisa em outros caminhos e também a busca de novas fontes e informações, que se tornaram essenciais para entender o objeto de estudo. Neste sentido, a análise sobre a História de Juazeirinho e também sobre a Festa da Padroeira de Santa Terezinha foram novas problemáticas, que surgiram mediante o contato com as fontes, nas quais verificamos a necessidade de buscar, de questionar e investigar alguns aspectos que estavam relacionados à Festa da Sagrada Família. Embora não fossem o recorte, não poderiam ser apenas citados, pois necessitaria de um estudo um pouco mais ampliado, e o contato com a documentação conduziu a novas descobertas que até então eram desconhecidas, como também a desconstrução de algumas informações, até então, perpetuadas como verdade. Entre essas fontes, o trabalho memorialista de Marielza Carneiro D’ Vilanova16, pois as informações encontradas 14 MATTOSO, Katia M. de Queirós. Bahia Século XIX: Uma Província no Império. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.p.28. 15 RESENDE, Maria Leônia Chaves de; FRANCO, Suely. Nas Vertentes da Estrada Real: cartografia etnográfica das práticas devocionais e festas remanescentes de Minas Gerais setecentista. Disponível em: <www.festasnaestradareal.ufsj.edu.br/equipe_de_trabalho_.phpr>. Acesso em: 08 de Agosto de 2008. 16 D’VILANOVA, Marielza Carneiro. Juazeirinho: Terra de Gente Valorosa. Conceição do Coité: Nossa Gráfica. 2007.
  • 12. 12 impulsionaram a busca de informações que elucidassem as lacunas e até mesmo legitimassem algumas afirmações relacionadas à origem da capela, assim como a mudança dos padroeiros. Para realizar a pesquisa sobre as manifestações religiosas em Juazeirinho, foram utilizados como fontes os depoimentos orais, registros fotográficos, videográficos e musicais, como também as documentações existentes na Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Coité e a análise de documentos impressos – jornais e folders relacionados às festividades religiosas. Neste sentido, foram analisadas o Livro de Tombo da Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Coité (1855 á 2009), a Certidão de doação das terras da capela Sagrada Família (1932), uma carta particular enviada por José Fernandes Carneiro17 (1981), um Inventario pós-morte (1872) das terras da fazenda Joazeiro, e duas escrituras de compra e venda das terras do Arraial Joazeiro, de Rachel Carneiro de Souza (1934) e Juvelino Antonio Carneiro (1938). As fontes utilizadas, que estão sob a guarda do Arquivo da Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Coité, foram os Jornais O Mensageiro, o Livro de Tombo e a Certidão de doação das terras da capela Sagrada Família. Encontra-se no Centro de Memória Documental de Conceição do Coité – UNEB o Inventário pós-morte. E, sob propriedade particular, os folders da festa Sagrada Família (Mário Leandro Silva da Hora, Joaquim Carneiro de Oliveira Neto e Maria Madalena Carneiro) e a carta enviada por José Fernandes Carneiro para Joaquim Carneiro de Oliveira Neto, todos juazeirenses. Fontes escritas: Impressas: Inicialmente foi realizada a análise da obra da Professora Marielza Carneiro D’Vilanova, Juazeirinho: Terra de Gente valorosa18, que é dividida em subtítulos apresentandos de forma sucinta, informações sobre a História da localidade, contemplando diferentes aspectos da sociedade. A autora aborda aspectos a partir de 1930 até o ano de 2007, 17 Conhecido como Zuza, morador de Juazeirinho, doador do terreno onde foi construído da capela. 18 D’VILANOVA, Marielza Carneiro. Juazeirinho: Terra de Gente Valorosa. Conceição do Coité: Nossa Gráfica. 2007.
  • 13. 13 quando é produzido o livro. Relata sobre acontecimentos importantes e esferas diversas, como política, economia, cultura e religião. É uma fonte importante, na qual explica como a população era organizada e, nos capítulos referentes à “Origem de Juazeirinho” e ao “Aspecto Religioso”, como é denominado no livro, apresenta algumas informações referentes à Festa da Sagrada Família e de Santa Terezinha. Foi a análise deste capítulo da obra que impulsionou a investigação de forma mais sistematizada de algumas informações e dados apresentados pela a autora, visto que tal material apenas apresenta como fonte para os fatos narrados poucas fotografias, e o contato que tivemos com fontes orais e escritas tem elucidado algumas contradições em relação ao que tal obra apresenta. O cruzamento das diferentes fontes trouxe dados e aspectos não abordados na pesquisa de D’Vilanova. A necessidade de uma análise crítica do documento e o cruzamento de várias fontes, elucidado por Eni de Samara Mesquita19, foi fundamental para a realização desta pesquisa, pois não foi limitada apenas à visão da história apresentada pela memorialista, mas buscamos novas informações que elucidassem os questionamentos surgidos, entendendo que cada documento, oral ou escrito, tem sua intencionalidade e, portanto, deve ser estudado criticamente, não o interpretando como verdade absoluta. Contudo, apesar das lacunas referentes a alguns acontecimentos importantes, entendemos o trabalho de D’ Vilanova como uma obra memorialista de grande relevância para a História da localidade, por ter sido, dentro de suas limitações, uma pioneira que aborda as histórias que são contadas até os dias atuais. Ressaltamos também matérias do jornal O Mensageiro20, editado pelos funcionários da Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Coité desde 1997. É uma fonte muito interessante para o estudo de diferentes aspectos, não somente o religioso, mas também por abordar temas diversificados, como saúde, cultura, política, além de diferentes traços do cotidiano da cidade. Para esta pesquisa, O Mensageiro foi de grande importância, pois destinou grande espaço para a descrição das festas religiosas. Dessa forma, identificamos como as festas da Padroeira Sagrada Família foram realizadas durante o período de 1997 a 2008, assim como a descrição de festividades através das notas que eram publicadas. Merece atenção a maneira como as festas dos padroeiros, de forma geral, são apresentadas em todos os exemplares dos jornais analisados: como um ambiente de animação 19 SAMARA, Eni de Mesquita; SILVEIRA, Ismênia S. História & Documento e metodologia de pesquisa. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. 20 Arquivo pertencente à Paróquia de Nossa Senhora de Conceição do Coité.
  • 14. 14 e descontração. Uma matéria do jornal, intitulada “Deus é Festa”21, demonstra a visão da Igreja em prol das festividades dos santos católicos como uma forma de aproximar os fiéis a este momento de religiosidade popular. Foram estudadas três colunas no jornal, denominadas Calendário Paroquial, Aconteceu virou notícia, Comunidade em Festa. Em o Calendário Paroquial, são apresentadas as datas e os encontros, missas e festas em cada igreja. Neste espaço, foi possível perceber a intensa participação dos juazeirenses nas atividades relacionadas à Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Coité. Em Aconteceu virou notícia, foi possível ser identificados os acontecimentos, como encontro de jovens, shows sacros, dramatizações e rezas em adoração aos santos católicos; na coluna Comunidade em Festa, encontramos diversas reportagens referentes à Festa da Padroeira Sagrada Família, seus temas, comunidades convidadas, procissões, realização de sacramentos, período de duração, participação dos párocos e a realização de atividades culturais, como a atuação dos fiéis na Festa e seus homenageados. A construção da festa religiosa como espaço de sociabilidade e animação pode ser verificada também durante a análise dos folders relacionados à festa da Padroeira Sagrada Família, nos quais fica explícita a busca de membros da igreja em tornar o momento festivo um laço de comemoração e animação. Encontramos sob a guarda dos juazeirenses Mário Leandro Silva da Hora, Joaquim Carneiro de Oliveira Neto e Maria Madalena Carneiro22, os folders com a programação das atividades realizadas durante dez anos, de 1998 a 2008. Nessa fonte, foi possível identificar as datas e horários em que foram realizadas as festas, assim como as programações, as comunidades convidadas, os palestrantes de cada noite, como também todas as pessoas que foram homenageadas. Além disso, foi possível verificar as mudanças e as continuidades na própria estrutura da festa, as atividades que eram realizadas após os términos das orações, como apresentações artísticas e culturais. Em alguns desses folders, os párocos também deixavam suas impressões da festa da padroeira e dos devotos de Juazeirinho, o que contribuiu para perceber como esses representantes interpretavam o espaço festivo. Tivemos ainda o contato com cânticos e hinos que compõem o caderno de músicas da Festa da Padroeira, merecendo destaque para o Hino à Sagrada Família e o Hino do Juá, 21 Jornal O Mensageiro, Nº 83, Ano 10, Novembro de 2004. 22 Moradores que atuam na organização da Festa da Padroeira Sagrada Família.
  • 15. 15 produzidos pelo grupo local Nova Luz23. Nessa fonte, ficcou evidente a interpretação dos juazeirenses de acontecimentos relacionados à história local, assim como a importância que a festa representa para os fiéis, na medida em que as músicas apresentam a crença e a religiosidade dos moradores, entendendo como único modelo de família a apresentada pela Igreja Católica. Manuscritas: Outra fonte utilizada foi o Livro de Tombo da Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Coité, o qual apresenta informações sobre atividades realizadas na própria paróquia e em suas capelas. É um documento que trata de relatos escritos pelos diferentes padres durante um período de 154 anos. Apresenta também datas e acontecimentos referentes ao próprio desenvolvimento da cidade de Conceição do Coité e seus territórios, porque durante a leitura identificamos diferentes aspectos relacionados à política, à economia, à cultura, às mudanças eclesiásticas, às relações de poder e à atuação dos diferentes párocos, como também os bens pertencentes à Igreja. Em relação a esta pesquisa, o referido Livro de Tombo foi uma fonte imprescindível, fornecendo o relato de algumas festividades realizadas na igreja e em suas capelas, como a devoção aos padroeiros, através de novenas, missas, procissões e eventos religiosos, de modo geral. Sobre Juazeirinho, encontramos informações sobre as festas da padroeira de Santa Terezinha e da Sagrada Família. E, mediante estudo mais minucioso, comparamos dados e datas, período de atuação de párocos, assim como os acontecimentos em Juazeirinho. Essas informações contribuíram para elucidar alguns questionamentos em relação às informações oferecidas por D’ Vilanova, como a atuação de alguns padres em Juazeirinho e algumas datas citadas por ela, na medida em que, através de comparações, foram encontradas algumas contradições. Existem muitas lacunas relacionadas a algumas décadas, já que nem todos os párocos descreveram de forma linear suas atividades, desta forma, em relação ao início do século XX, existem poucas páginas que relatam as festas religiosas, assim como os conflitos que foram encontrados em outras fontes relacionadas ao Padroeiro de Juazeirinho, a doação e criação da capela e a mudança do Padroeiro na década de 1970, são ocultadas no Livro de Tombo. 23 Grupo Musical formado por moradores de Juazeirinho responsáveis pelos cânticos durante a Festa da Padroeira Sagrada Família.
  • 16. 16 Sobre a troca dos padroeiros, tivemos como suporte duas documentações: uma certidão de doação das terras para a construção da capela datada em 1932,24emitida a pedido de José Fernandes Carneiro e Juvelino Antonio Carneiro, que se encontra na Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Coité, e uma carta particular, datada no ano de 1981, de José Fernandes Carneiro a Joaquim Carneiro de Oliveira Neto em que relata todo o processo envolvendo a construção da capela e o período em que a localidade teve dois santos padroeiros. Na certidão de doação das terras, o escrivão Evódio Ducas Resedá declarou que os senhores acima citados doaram aos santos José, Maria e a Jesus a terra onde foi construída a capela. Nesse documento, encontra-se a data em que a Sagrada Família tornou-se oficialmente padroeira de Juazeirinho, ou seja, 1970. Na carta escrita por José Fernandes Carneiro a Joaquim Carneiro de Oliveira Neto, seu autor narrou como conseguiu construir a capela, seus esforços e a participação dos moradores, assim como a data em que faz a doação das terras para a Padroeira Sagrada Família, isto é, em 1932. Nesta missiva ficou evidente o conflito sobre os santos padroeiros em Juazeirinho e, conseqüentemente, a resolução do problema de uma capela com duas padroeiras (Sagrada Família e Santa Terezinha). É valido explicar que durante a pesquisa surgiu a necessidade de estudar a história da origem da localidade, a fim de investigar a relação entre ela e o início da devoção aos santos católicos. Devido à inexistência de algum trabalho que tratasse do assunto, tivemos o contato com algumas documentações e fontes manuscritas ainda inéditas, para contextualizar a festa da padroeira, como também para elucidar alguns questionamentos que surgiram durante o trabalho, como por exemplo, a relação entre a construção da capela e os primeiros moradores de Juazeirinho. Em relação ao surgimento de Juazeirinho, tivemos contato com um inventário pós- morte do final do século XIX25, de Josepha Satyra do Amor Divino, no qual o seu marido, Victorio Aurelino Carneiro, declara todos os bens da falecida, entre eles as terras da Fazenda Joazeiro. Neste documento, foram analisados alguns aspectos referentes à origem da localidade, como as dimensões do território, os moradores, dentre eles um escravo e as atividades produtivas que eram desenvolvidas, além do preço por que a fazenda estava sendo inventariada. 24 Certidão sob a guarda da Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Coité. 25 Inventário encontrado no Centro Documental, UNEB – Campus XIV.
  • 17. 17 Destacamos também como documentação referente aos primeiros moradores de Juazeirinho, no início do século XX, duas escrituras de compra e venda das terras do arraial Joazeiro, pertencentes à Rachel Carneiro de Souza, compradas em 1934 e vendidas a Juvelino Antonio Carneiro, em 193826. Nas quais foi possível identificar o período em que os lotes foram vendidos, bem como seus respectivos valores e compradores. Com o cruzamento de outras fontes, verificamos as primeiras famílias proprietárias das terras da fazenda Joazeiro. Fontes orais Neste trabalho, tiveram grande destaque também as informações guardadas na memória dos juazeirenses, através das entrevistas com alguns devotos que participaram da Festa da Padroeira. Foi possível, através da análise desses depoimentos, perceber as diferentes interpretações, as rupturas e continuidades, conseguindo também informações que nos documentos escritos não são retratadas, assim como detalhes e impressões guardadas na memória. O trabalho com a História oral envolveu os participantes das festas da padroeira de Santa Terezinha e Sagrada Família, teve como base as instruções de Verena Albertini27, quando orienta para que as transcrições sejam realizadas respeitando todas as expressões e os aspectos da fala dos entrevistados, sem que seja feita qualquer alteração. Ela apresenta os relatos da memória como importante espaço para estudo, que precisa ser realizado com uma metodologia específica, sendo desenvolvido em etapas. As entrevistas tiveram como ponto inicial a escolha de dez pessoas, entre organizadores e participantes, baseadas em roteiros que contemplassem alguns temas centrais. Com a realização das primeiras entrevistas, os roteiros foram modificados, variando de acordo a cada entrevistado, sendo ampliados em alguns aspectos. É importante ressaltar que no decorrer da pesquisa foram retirados alguns nomes e também acrescentamos outros, na medida em que surgia a necessidade de novas informações, por isso a realização e a transcrição das entrevistas foram acontecendo de forma gradual. De forma geral, o tempo de duração era trinta minutos. 26 Ambas sob guarda dos herdeiros de Joaquim Moraes Carneiro, morador de Juazeirinho ( falecido). 27 ALBERTINI, Verena. Fontes Orais. IN: PINSKY, Carla Bassanezi ( org.).Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2005.
  • 18. 18 A última etapa das entrevistas foi a transcrição e a análise das informações, esta foi realizada de forma a contemplar todos os aspectos da fala dos entrevistados. As citações encontradas neste trabalho seguem originalmente a forma como foi gravada. Dificuldades encontradas Para o estudo dos documentos manuscritos, foram necessárias muitas horas para ler e fotografar, visto que não era permitido fazer a cópia, soma-se a isto a dificuldade para ler, devido a algumas palavras quase indecifráveis e também a má condição de algumas partes, o que acabou dificultando uma leitura mais detalhada. Por outro lado, em relação às fontes impressas, a dificuldade esteve relacionada à falta de um arquivo organizado, pois foi preciso muito tempo para poder organizar os documentos e depois selecioná-los. Em relação ao Jornal o Mensageiro, encontramos amontoados de exemplares referentes ao período de 12 anos, que formavam uma média de 150 jornais, entre eles exemplares repetidos, os quais tivemos que catalogar e posteriormente destacar os que faziam referência a Juazeirinho, no total somaram 35 jornais que foram utilizados na realização do trabalho. Em relação à história oral, encontramos alguns problemas, pois foi preciso muito tempo para as transcrições das entrevistas realizadas. Entendendo as fontes como objetos constituídos por várias linguagens que a partir da escolha do historiador podem contribuir para entender aspectos do passado de uma sociedade, contribuindo para decifrar códigos dentro de cada temporalidade através de várias interpretações e instrumentos metodológicos28. Este trabalho foi desenvolvido baseado na interdisciplinaridade, através do estudo de fontes escritas, manuscritas, impressas e orais. As conclusões alcançadas foram construídas através da análise e do cruzamento das informações encontradas nesses documentos, como uma forma de contemplar o tema proposto e elucidar a problemática diante das limitações encontradas, como ausência de arquivos catalogados, tempo para realização da transcrição das entrevistas e ausência de algumas documentações. Fatos que impediram uma análise mais aprofundada de alguns aspectos. 28 CHUVA, Márcia. A História como instrumento na identificação dos bens Culturais. MOTTA, Lia. (org.). Rio de Janeiro: IPHAN, 1998.
  • 19. 19 1. História e religiosidade 1.1 As práticas religiosas no Brasil As tradições religiosas européias moldaram a religiosidade brasileira desde o período colonial, através das festas em adoração aos santos católicos no âmbito público e privado. Com as imagens dos santos, trazidas pelo colonizador português, vieram também às crenças e mitos que deram origem ao catolicismo tradicional popular brasileiro.29 Estas práticas se configuravam como espetáculos públicos, de ostentação de riqueza e poder, mas eram utilizadas também como meio de controlar e tentar homogeneizar os hábitos de toda a população colonial. Legitimando o poder do branco cristão, na medida em que, através da repressão e da violência, objetivavam acabar com as influências consideradas pagãs e profanas dos índios e africanos. No período colonial, as festas religiosas representavam para a Igreja Católica e para o Estado português meios de manipulação e controle de poderes, sendo as atividades religiosas direcionadas pelo calendário real ou litúrgico. Desta forma, apesar das festas religiosas coloniais se constituírem como ambientes de trocas culturais, “as procissões, novenas, adorações e superstições marcavam também a crença e religiosidade colonial como elementos doutrinários, que eram utilizados como instrumentos de propagação dos interesses dos colonizadores”30. Assim, a religiosidade no Brasil direcionou as atividades cotidianas de grande parte da população, neste período existiam pelo menos três momentos em que os colonizadores católicos, através de um gesto simbólico e ao som dos sinos das igrejas, paravam para realizar orações. “Desde o despertar o cristão se via rodeado de lembranças do Reino dos Céus, na parede contigua a cama, havia sempre algum símbolo visível da fé cristã”31. As práticas religiosas caracterizavam-se também pelas atividades públicas e privadas; destaca-se neste sentido o papel da capela e dos eclesiásticos, algo que fora herdado da cultura religiosa portuguesa. Luis Mott explica que as manifestações de fé e adoração aos santos 29 STEIL, Carlos Alberto. Catolicismo e Cultura. IN: VICTOR, Vicente Valla. (org.). Religião e cultura popular. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. 30 DEL PRIORI, Mary. Festas e utopias no Brasil colonial. São Paulo: Brasiliense. 2000.p.51. 31 MOTT, Luiz. Cotidiano e vivência religiosa: entre a capela e o calundu. IN: NOVAIS, Fernando A; SOUZA, Laura de Mello e. ( orgs.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.p. 164.
  • 20. 20 padroeiros eram elementos constantes na vida do cristão, na medida em que “dentro da casa, uma série de imagens, quadros e amuletos sinalizavam a presença do sagrado no espaço privado do lar”32. A Colônia apresentava características diversas, devido ao processo de colonização, culturas e crenças diversas aparecem imbricadas. Em um contexto onde as irmandades católicas também tiveram um papel importante, sendo os primeiros organizadores do catolicismo no país, o qual foi marcado pelas manifestações externas. “Como as alegres missas [...] Estas parecem ter preconizado momentos de igual euforia religiosa [...] As procissões festivas Também ilustravam o lado alegre da religiosidade na colônia, assim como elementos sagrados e profanos”33. Dessa forma, a religião no Brasil desenvolveu-se de forma bastante peculiar, como resultado da junção de diferentes crenças, símbolos e significados. Até o século XIX, a religiosidade popular, era marcada com a presença de elementos sagrados e profanos em diferentes cenários das manifestações religiosas africanas e européias, por meio das festas e procissões religiosas, compondo o catolicismo lúdico e barroco no Brasil: [...] o Catolicismo no Brasil se caracterizava por elaboradas manifestações externas de fé: missas celebradas por dezenas de padres, acompanhadas por corais e orquestras [...] As festas religiosas de adoração aos santos como um dos principais veículos do catolicismo popular, onde atividades e sentimentos de adoração se misturavam com festa e sexualidade, sendo 34 elementos explícitos principalmente no imaginário religioso baiano. Contudo, a partir da segunda metade do século XIX, o catolicismo tradicional popular característico por seu caráter devocional e festivo é estruturalmente reformulado. Os dirigentes leigos das irmandades são substituídos por padres e congregações religiosas dentro de um contexto modernizador e reformador da religiosidade popular, através de uma intervenção clerical, controlada pela igreja oficial, com o objetivo de purificar o catolicismo, atuando no controle dos santuários e das festividades. Contudo ocorreu durante essa mudança reformadora uma divisão interna entre essas duas correntes no catolicismo: 32 MOTT, Luiz.Cotidiano e vivência religiosa: entre a capela e o calundu. IN: NOVAIS, Fernando A; SOUZA, Laura de Mello e. ( orgs.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.p. 164. 33 SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.p.100. 34 REIS, João José,. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.p.49.
  • 21. 21 Essa intervenção clerical no curso do catolicismo no Brasil vai demarcar uma divisão entre o catolicismo popular tradicional e o catolicismo esclarecido clerical dentro do sistema católico como um todo. Evidencia-se, neste período, dois subsistemas no catolicismo que vão disputar espaços de poder e influência na sociedade brasileira: um popular, de corte devocional, centrado no culto aos santos, e outro moderno, centrado nos sacramentos e na mediação do clero35 Essa reforma se estendia em vários aspectos, como a regeneração dos clérigos mudando seus comportamentos através de uma formação religiosa mais eficaz, ou seja, em sua formação intelectual. Como também objetivavam moldar a religiosidade e os costumes dos fieis, existia a preocupação de inibir a presença de elementos considerados não-sagrados durante as festas religiosas católicas; essa precaução configurava-se através de proibições por vias legais ou pela repressão através da violência das autoridades locais. Pois a participação popular era considerada fora do padrão a ser seguido, buscava-se ignorar os elementos e as crenças36. Essa reação estava relacionada ao fato de as manifestações religiosas serem, até então, marcadas pela presença do profano, considerado pelo clero reformador como atividades que desviavam do caráter religioso. Para tanto realizaram várias modificações nos rituais religiosos, buscando por alterar as antigas devoções e as festas religiosas em homenagem aos santos padroeiros populares, como relata Maria Aparecida Gaeta: No final do século XIX, entretanto, as devoções que possuíam uma larga expressão popular, como a de São Benedito e a do Divino Espírito Santo, a de Nossa Senhora do Rosário, a de Santa Ifigênia, a de Santo Elesbão e a dos Reis Magos começaram a ser desqualificadas[...] Discretamente as imagens eram retiradas dos altares centrais e alojadas em capelinhas[...]Sem combater diretamente as devoções populares, os padres romanizadores limitavam-se a não participar delas e a condenar os excessos cometidos durante as suas festas.37 Atuavam, portanto, para evitar os abusos nas festas em devoção aos santos populares, que envolviam mascarados, bebidas, comidas, danças e folia. Com o apoio de outras autoridades, o clero reformador estabeleceu vários termos no código de postura dos 35 STEIL, Carlos Alberto. Catolicismo e Cultura. IN: VICTOR, Vicente Valla. (org.). Religião e cultura popular. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.p.16. 36 COUTO, Edilece Souza. Festejar os santos em Salvador: Tentativas de reformas e civilização dos costumes (1850-1930). IN: BELLINI, Ligia. Formas de Crer: ensaios de história religiosa no mundo luso-afro-brasileiro, século XIV-XXI. Salvador: Edufba, 2006. 37 GAETA, Maria Aparecida Junqueira Veiga. A cultura clerical e a folia popular. São Paulo: AUPUH, 1997.p.192.
  • 22. 22 municípios brasileiros com normas que deveriam ser seguidas durante as festas religiosas. “ O clero brasileiro buscou o reforço e a ajuda das congregações européias. Capuchinhos italianos, lazaristas franceses e jesuítas chegavam ao Brasil com a missão de reformar o catolicismo.”38 É preciso explicar que no cenário festivo permaneceu a intervenção e a participação dos membros da Igreja católica na conservação de algumas festas religiosas, para perpetuar os valores cristãos e sociais defendido pela Igreja. As manifestações são espaços de demarcação de poder e status, em que o clero e os políticos desfrutam de posições privilegiadas e diferenciadas do restante da população no desenvolver das procissões. A presença do clero atua como um meio de reprimir a presença de elementos profanos, servindo para padronizar os costumes e as crenças, controlando as manifestações de fé e religiosidade. Contudo, embora essa reforma romanizadora, a religiosidade brasileira permaneceu tendo como característica a devoção aos santos católicos. As procissões religiosas, por exemplo, são realizadas com o intuito de adoração de caráter penitencial e festivo e configuram-se como elementos essenciais na constituição do catolicismo brasileiro. Na Bahia, embora existam também muitas festividades relacionadas a outras religiões, têm grande destaque as realizadas em devoção aos santos católicos em todos os meses do ano, como uma forma de exteriorização do culto religioso e da manifestação da fé. Os cristãos realizam preces e promessas a Deus, e aos santos de devoção com festas e romarias. As celebrações associadas à devoção aos santos padroeiros são os principais ritos realizados no Estado, com missas, procissões, festas e grande participação popular. Em um contexto de diversificadas práticas e crenças. Em Juazeirinho, os moradores realizam festas religiosas que acontecem no âmbito público e privado. Através de um levantamento realizado, identificamos o Reisado, as Rezas nas residências em devoção aos Santos Católicos, o Mês Mariano, a Paixão de Cristo, os festejos Juninos, a Celebração do Natal e a Festa da Padroeira. Ou seja, durante praticamente todos os meses do ano, festas, rezas, procissões e novenas são elementos que marcam o cotidiano da população juazeirense, através de manifestações que estão divididas em atividades realizadas na igreja, local da Sagrada Família, onde toda a comunidade participa, e as realizadas em residências, em que os proprietários prepararam suas casas como uma demonstração de fé e dedicação. 38 COUTO, Edilece Souza. Entre a Cruz e o Confete: A carnavalização das festas religiosas e a reforma católica em Salvador (1850-1930). IN: Projeto História: revista do Programa de Pós-Graduados em História da Universidade Católica de São Paulo.São Paulo: EDUC,2004.p.47.
  • 23. 23 Através do estudo dos eventos festivos religiosos realizados em Juazeirinho, percebemos que estes são formados por momentos diferenciados que se estabelecem em um conjunto de ações que começam na organização das atividades, na realização das práticas como também nos ambientes após as celebrações. Merece destaque na localidade a participação popular com as diversas crenças, através de orações específicas em cada data festejada. Desta forma, a religiosidade constitui-se como um elemento da cultura, onde as diferentes práticas marcam a identidade individual e coletiva.39 1.2 A festa religiosa como objeto da historiografia A configuração da História das religiões e religiosidades verifica-se no final século XIX e início do XX, quando pesquisadores começaram a inventariar os costumes e as práticas de caracteres religiosos de grupos considerados primitivos, para os quais os elementos religiosos eram um fator importantíssimo em sua organização. As primeiras pesquisas eram baseadas em ideias positivistas e evolucionistas40. Contudo, através da contribuição da Sociologia neste campo de pesquisa, essa visão foi, aos poucos, alterada. No Brasil, as produções historiográficas começaram a ser realizadas após a criação do Instituto Histórico Geográfico, em 1838, mas estes trabalhos, conforme explica Eni Mesquita Samara, apenas no século XX percebe-se uma mudança nas áreas de pesquisa, através de trabalhos que estavam baseados em diferentes linhas temáticas: Ao longo da década de 1970, a difusão de cursos de pós-graduação em História, associada às transformações político-sociais ocorridas em nosso País, coincidiu com o esgotamento de métodos e interpretação histórica, sustentada em sínteses globais da realidade brasileira. Entre os pesquisadores, observam-se também, neste período, profundas mudanças em suas diretrizes de trabalho com ênfase nas questões da contemporaneidade e das minorias, dando voz e lugar aos personagens antes sem História. Em 39 OLIVEIRA, Waldir Freitas. Santos e festas de Santos na Bahia. Salvador: Secretaria de Cultura e Turismo, Conselho Estadual de Cultura, 2005. 40 HERMANN, Jacqueline. História das religiões e religiosidade. IN: CARDOSO, Ciro Flamarion;VAINFAS, R. (org.). Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Elsevier,1997.p.329-352.
  • 24. 24 decorrência, abriram-se novos campos de investigação histórica, com linhas de pesquisa específicas, muitas delas com circunscrição regional [...]41 Até meados da década de 1970, as festas religiosas eram trabalhadas como folclore, depois deste período, começaram a ser encaradas como objetos de estudo dos historiadores, como um espaço de pesquisa, sendo interpretadas como novos objetos para conhecer coletividades, identificar os comportamentos, tensões e representações simbólicas e culturais. Edilece Couto afirma que a festa enquadra-se no campo da História Cultural e o estudo da religiosidade popular brasileira, assim como seus símbolos e crenças, permite a compreensão da Cultura Popular: Por meio das festividades é possível perceber os comportamentos, as representações e visões de mundo de um determinado povo. Tanto quanto um momento de prazer, as festas guardam costumes, tradições e especificidades culturais. Muito do que conhecemos atualmente sobre culturas negras e indígenas foi revelado pelos estudos dos seus festejos e rituais42. Em 1960, a História Cultural traz como foco o estudo da cultura popular, colocando os problemas “em que as pessoas comuns são deixadas de fora”43. Nessas décadas, os trabalhos acadêmicos são atraídos por temas relacionados à cultura popular. A partir da união com a Antropologia, a História Cultural surge com novas abordagens e práticas plurais, ressaltando os estudos relacionados à micro-história e dando destaque às especificidades das culturas locais. Essa década pode ser entendida nos meios historiográficos como uma reação aos privilégios dados às grandes narrativas históricas. Dentro do estudo das festas, destacamos precisamente a influência da comunicação oral, dos costumes e das tradições orais em pesquisas, abrindo espaço para o estudo das sensibilidades e da cultura, em um contexto em que e a história econômica e social divide lugar com a História Cultural e a Micro-História. As pesquisas relacionadas a esse objeto emergiram dos estudos da História Cultural como um local privilegiado para se pensar o exercício da religiosidade popular e sua relação com os diferentes segmentos sociais. Sendo, portanto, importantes para estudo das práticas 41 SAMARA, Eni de Mesquita; SILVEIRA, Ismênia S. História & Documento e metodologia de pesquisa. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. P. 43. 42 COUTO, Edilece Souza. A puxada do mastro: transformações históricas na festa de São Sebastião em Olivença, Ilhéus. Editora da Universidade Livre do mar e da mata, 2001.p.203. 43 BURKE, Peter. O que é História Cultural? .Rio de Janeiro. Jorge Zahar Ed. 2005.
  • 25. 25 coletivas e individuais, através das diferentes atividades desenvolvidas durante as celebrações. “Ao se tornarem objetos dos historiadores, desnudou-se a questão acerca da dinâmica e do movimento das festas, colocando-as no centro a sua própria historicidade, avaliada através de diferentes variáveis”44. A cultura e a religiosidade têm sido encaradas como campos complexos de discussão histórica, pois percebemos que a historiografia vem dando especial atenção ao campo das religiosidades. No campo da religiosidade, vêm ocorrendo mudanças referentes ao recorte de estudo; se antes estava mais voltado aos aspectos institucionais, agora se volta para as vivências concretas das práticas religiosas, como as procissões e as orações. Essa mudança de enfoque é marcada pelos estudos de temáticas antes negligenciadas, fato que permitiu o estudo dos homens e atitudes comuns, neste contexto, a religiosidade passa a se enquadrar no campo da pesquisa historiográfica, como explica Claudefranklin Santos: É preciso ver a festa como um objeto de estudo dentro da discussão da cultura popular. Para tanto, o contexto pela História Cultural permitiu compreendê-la dentro de uma dinâmica de sociabilidades, as quais fomentam identidades de variados agrupamentos humanos e sociais.45 As pesquisas nos campos das práticas religiosas e costumes surgem na busca por novos objetos a partir do estudo do cotidiano, utilizando novas fontes e métodos, através de diferentes perspectivas. As festas religiosas tornam-se um campo de estudo que demonstra uma gama de temas e questões que começam a ser investigadas com o intuito de serem analisadas as diferentes formas de religiosidade· Em Juazeirinho, as práticas religiosas festivas em devoção aos santos padroeiros podem ser entendidas como um fenômeno de sociabilidades, pois, através da análise das atividades que compõem as novenas, percebemos que as festividades não só alteram o ritmo da vida da localidade, como também promovem a relação entre as pessoas com idades, gêneros e regiões diferentes, através de diferentes significados e práticas, configurando-se como momentos religiosos de expressão cultural e popular. 44 Abreu, Martha.O Império do Divino: festas religiosas e cultura popular no Rio de Janeiro 1830 / 1900. Nova Fronteira, 1999.p. 38. 45 SANTOS, Monteiro Claudefranklin. A festa como objeto de estudo de pesquisa histórica no campo da religiosidade. Disponível em : www.scielo.br/scielo. Acesso em: 06 de Maio de 2009.p. 04.
  • 26. 26 Durante as festas em devoção à Santa Terezinha e à Sagrada Família, as relações não se restringiam somente ao âmbito da igreja, como também ao grande número de pessoas que ficam aos arredores, em meio a conversas informais, alternando a atenção entre as atividades religiosas realizadas e as informações adquiridas dentro das rodas de conversas paralelas. Essas atividades autônomas verificadas no contexto religioso festivo podem ser entendidas como um elemento que compõe o próprio catolicismo, que se constitui em “ um intricado sistema de práticas, significados, rituais e personagens que transitam por este universo religioso e que ultrapassam as fronteiras institucionais da Igreja”46. 1.3 A festa como um espaço de relação entre o sagrado e o profano Entre uma das principais características das festas religiosas podemos destacar a relação entre o sagrado e o profano. Como afirma o sociólogo Emile Durkheim “o fenômeno religioso é constituído por crenças e ritos, caracterizados como sagrados e profanos[...] ”47. Para tal, a presença destes dois elementos são importantes para a manutenção da hierarquia religiosa durante a realização das cerimônias e dos rituais públicos. Neste sentido, a dicotomia existente entre o sagrado e o profano é estabelecida pelas autoridades religiosas para designar as estruturas consideradas superiores ou inferiores, com o objetivo de moralizar o ser religioso, como afirma Pierri Bourdieu,: A oposição entre os detentores do monopólio da gestão do sagrado e os leigos, objetivamente definidos como profanos, no duplo sentido de ignorantes da religião e de estranhos ao sagrado e ao corpo de administradores do sagrado, constitui a base do princípio da oposição entre o sagrado e o profano... logo é licito indagar se rompeu com este sentido primeiro e primitivo, a fim de distinguir formações sociais dotadas de aparelhos religiosos desigualmente desenvolvidos e de sistemas de representações religiosas desigualmente moralizados e sistematizados[...]48. 46 STEIL, Carlos Alberto. Catolicismo e Cultura. IN: VICTOR, Vicente Valla. (org.). Religião e cultura popular. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.p.10. 47 DURKHEIM, Emile. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. São Paulo: Paulinas, 1989.p. 547. 48 BOURDIEU, Pierre. Gênese e Estrutura do Campo Religioso. IN: A economia das trocas simbólicas.São Paulo: Perspectiva,1999.p. 27-78.
  • 27. 27 Não existe uma única classificação que diferencie estes dois elementos – o sagrado e o profano –, encontramos várias formas de interpretação, variando de acordo a cada religião e cultura. Tais aspectos nem sempre estão separados, pois o “uma tal existência profana jamais se encontra em um estado puro[...] não consegue abolir completamente o comportamento religioso” 49. Percebemos uma relação, ou seja, uma junção entre folia e religião desde as tradições cristãs da Idade Média. Naquela época, era comum a permissão de espetáculos populares ditos pagãos nas celebrações católicas, dentro de um variado espaço de representações religiosas nas quais seus símbolos e elementos festivos e religiosos são formados por elementos sagrados e profanos. Durante os festejos religiosos, existe a ligação dos diversos elementos: as músicas, os folguedos e a comida, que são utilizadas para homenagear os santos padroeiros. “a imbricação do sagrado e do profano está presente nas celebrações religiosas, nas festas públicas organizadas pelas autoridades civis. ”50 Apesar da atuação da igreja em estabelecer separado os elementos considerados por tais como sagrado e profano, a folia é um elemento presente em varias celebrações em devoção aos santos católicos, são momentos em que orações, folguedos e comidas compõem a festividade como partes integrantes onde não se distinguem da euforia e da devoção. As principais festas no Brasil têm relação com algum fenômeno religioso, seu início ou término é quase sempre relacionado a um marco sagrado, através de uma polaridade de rituais, que variam entre os atos solenes e as manifestações populares51. Portanto fica evidente que, embora a busca por parte das autoridades em separar tudo que não esteja dentro dos padrões religiosos historicamente construídos, a relação entre o sagrado e o profano não deve ser encarada de forma dicotômica, pois a religiosidade em sua essência é formada por diferentes elementos e práticas individuais e coletivas. Além disso, a conceituação entre o que seja classificado por manifestações sagradas ou profanas apresenta-se de formas diferenciadas, dependendo da cultura e do momento histórico de cada sociedade. Entendemos as festas religiosas como espaços de sociabilidade e de trocas culturais, pois elas não se configuram como homogêneas nem imóveis, mas em ambientes em que os diferentes sentimentos, vivências e interpretações no fenômeno festivo religioso permitem a relação de diferentes elementos por que as práticas consideradas 49 ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 1992.p. 27. 50 COUTO, Edilece Souza. A puxada do mastro: transformações históricas na festa de São Sebastião em Olivença, Ilhéus. Editora da Universidade Livre do mar e da mata, 2001. p. 176. 51 SERRA, Ordep. Rumores de Festa: o Sagrado e o Profano na Bahia. Salvador: Edufba,2000.
  • 28. 28 profanas se configuram através de manifestações diversas, compondo também o cenário festivo religioso. Dentro destes vários componentes, destacamos as barracas que são encontradas aos redores da igreja durante as festividades. Estas assumem um espaço de atividades comerciais através da venda de comidas e bebidas e são apreciadas pelos participantes que desfrutam dos diferentes ambientes festivos. “Em um contexto onde vários aspectos compõem o cenário com elementos considerados sagrados e profanos, relacionando duas categorias que estão imbricadas, onde a existência de um depende do outro variando de cada cultura e temporalidade”52. Em Juazeirinho, durante os anos de 1993 e 2005, as atividades relacionadas à Festa da Padroeira eram realizadas durante o dia, com os ensaios das coreografias e dramatizações até o horário do culto, quando tudo acontecia. Mas as atividades estendiam-se após o termino das celebrações, com a barraca de comidas típicas, e, nos últimos dias, com os bingos e os leilões, assim como a apresentação de capoeira e do bumba-meu-boi. A Barraca era realizada com o material doado pelos moradores, em que uma comissão dividia por noite a rua responsável. O leilão já era realizado desde a festa de Santa Terezinha (1930), através de doações diversas, que variavam desde comida, doce e bebida. Percebemos que na noite do leilão a praça ficava mais cheia de gente que ia para se divertir com os valores que eram oferecidos. Estas atividades estavam voltadas também para o patrocínio da festa. Essas atividades são elementos que compõem a festa da padroeira em Juazeirinho. Como são apresentadas nos folders da festa durante as novenas realizadas nos anos de 2003, 2006 e 2007, as atrações culturais já faziam parte da programação com destaque. No ano de 2008, na penúltima noite da festa, verificamos a presença da capoeira antes de começar a celebração, como forma de animar a festa, mas é importante ressaltar que estas atrações, durante os dias da festa, foram proibidas e não são mais realizadas com frequência, como explica Luis Durval: Entre outras atividades religiosas também que inseria na festa, né, sem dúvida a participação, né no louvor. No final nós tínhamos as apresentações culturais que eram realizadas depois do culto, e que também enriquecia o nosso novenário, mas por motivos superior, seguindo algumas orientações de não misturar a festa mundana com a festa religiosa, nós a não ser que fosse todas as apresentações voltadas a músicas católicas ou músicas religiosas, não músicas mundanas como era antigamente feita, e por causa dessas e outras nós nos reunirmos, porque ninguém decide nada sozinho, mas em conjunto com a comunidade se fosse fazer uma vez colocasse no final da noite da juventude, justamente um chamado a essa juventude para participar 52 SERRA, Ordep. Rumores de Festa: o Sagrado e o Profano na Bahia. Salvador: Edufba,2000.p.70.
  • 29. 29 de forma no louvou, tudo isso agente conseguia que esses jovens participasse de forma direta e participativa de nossas noites.53 Durante a Festa da Padroeira, os padres da Paróquia Nossa Senhora da Conceição atuavam através das orientações litúrgicas relacionadas às procissões e orações de cada noite. Além disso, o pároco responsabiliza-se pelos sacramentos, ou seja, pela realização dos casamentos coletivos, os batizados e a Celebração Eucarística. Como já foi elucidado, desde a década de 1860 percebe-se o processo de romanização do catolicismo brasileiro, além de cuidar da formação dos futuros padres, a Igreja Católica desejava modificar a religiosidade dos leigos.54 Embora os membros da Igreja católica atuem em separar os elementos sagrados e os profanos, como forma de controlar e influenciar a devoção dos santos por meio de atividades que perpetuassem a influência das normas religiosas na sociedade, em Juazeirinho, percebemos que juntamente com a devoção aos santos católicos, elementos como músicas, peças teatrais, danças e a comida, configuram-se como um momento importante, como uma relação entre os ritos religiosos. Para os devotos juazeirenses, essas atividades deixam a festa mais animada, neste sentido não encontramos durante as entrevistas uma aversão entre os entrevistados em relação à presença das atividades consideradas profanas ou a inovações. Pois os elementos existentes ultrapassam o universo imposto inicialmente pela Igreja Católica, já que as orações oficiais católicas rezadas são relacionadas com a música, e as danças locais voltadas à realidade da localidade. 1.4 A religiosidade como patrimônio cultural imaterial Para Melo Morais Filho, as festas religiosas da Igreja católica configuram-se como um fator de movimentação e organização social, os eventos religiosos litúrgicos e populares representam a conservação das tradições nacionais. Ressalta também a importância das 53 Entrevista de Luiz Durval Oliveira Carneiro, radialista da Juá FM e participa da organização da Festa da Sagrada Família. Concedida em 08 de Agosto de 2009. 54 COUTO, Edilece Souza. Festejar os santos em Salvador: Tentativas de reformas e civilização dos costumes ( 1850-1930). IN: BELLINI, Ligia. Formas de Crer: ensaios de história religiosa no mundo luso-afro-brasileiro, século XIV-XXI. Salvador: Edufba, 2006.
  • 30. 30 atividades religiosas para o sertanejo, apresentando-as como elementos formadores de sua identidade, porque os costumes, as crenças e superstições no imaginário religioso são elementos importantes no cotidiano da vida religiosa.“Na intimidade do povo, na convivência direta com essa gente é que se conserva seus usos adequados, que melhor se estuda a nossa índole, o nosso caráter nacional[...] Em um país em que acha-se ridículas as tradições e desfaz-se delas ”55. O estudo da religiosidade permite a análise de diferentes aspectos da história de uma sociedade, porque esta é representada através de elementos diferenciados. Desta forma, a memória e a identidade coletiva e individual não são expressas apenas através do patrimônio material. As manifestações, as práticas e as festas religiosas também são elementos importantes no processo de construção da identidade, pois evidenciam as peculiaridades e as semelhanças de grupos e de indivíduos. Os bens imateriais são patrimônios históricos, e sua análise possibilita a construção de uma História plural, evidenciando a atuação de diferentes sujeitos, saindo da visão geral e homogênea56. No Brasil, diversas cerimônias religiosas continuam sendo realizadas e simbolizando, além dos sentimentos religiosos, as crenças individuais e coletivas. A religiosidade é um fator na construção da identidade e cultura local, pois as festas religiosas populares são oriundas de um conjunto de elementos de diferentes culturas, católicas e africanas, profanas e sagradas. Percebemos um sincretismo religioso, a devoção aos santos padroeiros caracterizando-a pela diversidade de manifestações religiosas e expressões de fé57. Essas práticas fazem parte do patrimônio cultural imaterial, como um espaço aberto para o estudo da História. A festa religiosa ocupa um espaço social de destaque e o aparato de sua realização é retrato vivo de representações culturais, entendemos as manifestações religiosas como práticas populares em constante movimento, sendo, portanto, necessária sua valorização e preservação: è necessário buscar as formas de preservação e manifestação dessas práticas. Considerando-se que o entendimento da cultura é o entendimento de sua dinâmica, a cultura popular está permeada por múltiplos atores, lastreada de continuidades/ descontinuidades, contraposta por historicidades diversas. Sua compreensão não se restringe ao acervo de coisas, objetos, produtos ou realidade. Ela é um processo vivenciado no seio da sociedade, 55 MORAIS FILHO, Melo. Festas e tradições populares no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia. 1979. p. 03-19. 56 ORIÁ, Ricardo. Memória e Ensino de História. IN: BITTENCOURT, Circe (org.). O saber histórico na sala de aula. 10 ed. São Paulo: Contexto, 2005. 57 MEGALE, Nilza Botelho. Folclore brasileiro. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.
  • 31. 31 por um conjunto de práticas dispersas. Comporta uma riqueza de maneiras de fazer, atualizar e expressar – recriadas e reinventadas em suas formas.58 As festas no Brasil compõem o cenário cultural, e as manifestações religiosas populares representam um papel importante, na medida em que contribuem para a construção da indenidade coletiva, possibilitando várias interpretações do sagrado.59 58 PASSOS, Mauro. O catolicismo popular. In: A festa na vida: significado e imagens. Petrópolis: Vozes, 2002.p. 168. 59 JUKEVICS, Vera Irene. Festas religiosas: a materialidade da fé. Disponível em: < www. Jornalismo.com. br. >. Acesso em: 15 de Julho de 2008.
  • 32. 32 2 O Distrito de Juazeirinho 2.1 Origem A história de Juazeirinho está relacionada ao surgimento de uma fazenda cujo nome é Joazeiro. Em um inventario60 pós-morte, datado em 1872, encontramos a descrição da fazenda Joazeiro61, que tinha como proprietária Josepha Satyra do Amor Divino e Victorio Aurelino Carneiro. Neste documento, o marido declara todos os bens pertencentes à falecida, em 06 de dezembro de 1871, entre eles, as terras da fazenda Joazeiro. O estudo do documento deixa evidente que se constituía como uma pequena propriedade, com poucos animais e um escravo. Diante da descrição dos bens existentes, entre eles bens de uma casa de farinha, leva-nos a acreditar que a família era sustentada pela produção de gêneros relacionados à mandioca. Neste período, a fazenda era habitada por seis pessoas da mesma família, Josepha Satyra do Amor Divino (esposa) e Victorio Aurelino Carneiro (esposo), além de seus quatro filhos, que tinham a idade entre dois a nove anos, e também a presença de um escravo cujo nome era Antônio. Os próximos documentos encontrados que fazem referência a Joazeiro datam no inicio do século XX. A análise de duas escrituras de compra e venda das terras da Vila Joazeiro demonstra que desde o final do século XIX essas estiveram sob o domínio das famílias Moraes e Carneiro; até 1922 pertenciam a José Moraes Silva, depois compradas por Juvelino Antonio Carneiro e em 1938 pertenciam a Joaquim Carneiro de Moraes. Estes dados deixam explícito que desde a sua origem tais famílias tiveram maior controle sobre as terras da localidade. Existe uma lacuna entre a data deste inventario (1872) e as escrituras (1922). Neste trabalho não encontramos documento algum sobre a localidade durante estes cinquenta anos. Inclusive, o único trabalho que trata sobre o tema, ou seja, a obra da memorialista Marielza 62 D’Vilanova apresenta informações a partir do século XX. Assim, através desta pesquisa, estes documentos saem do anonimato, mas ainda faltam fontes para ser reveladas. 60 Inventário encontrado no Centro Documental, UNEB – Campus XIV. 61 O imóvel estava sendo inventariado pela quantia de 50 mil réis. 62 D’VILANOVA, Marielza Carneiro. Juazeirinho: Terra de Gente Valorosa. Conceição do Coité: Nossa Gráfica. 2007.
  • 33. 33 Em 1933, com a construção da capela, a fazenda começou a ganhar mais famílias, é importante ressaltar que, neste período, Joazeiro já recebia muitos visitantes por causa das rezas que eram realizadas nas residências dos moradores. Desde então, começou a ganhar destaque por meio de suas manifestações culturais e religiosas, que em sua maioria ainda são realizadas, como relataremos adiante. Foi consultada também em uma escritura datada de 1934 a descrição da venda das terras da “Casa Nova”, local onde, segundo os juazeirenses, tinha um sótão que era utilizado como escola durante a semana e salão de baile aos sábados. Na memória da população local, a origem de Juazeirinho está associada à construção da Capela Sagrada Família, o que fica evidente no trecho do Hino feito pelos juazeirenses em homenagem a seus fundadores: Comunidade de uma linda História, surgiu de um povo hospitaleiro, que abrigava a sombra de uma árvore, cujo nome era Juazeiro... Dos caminheiros alguém parou, embaixo á sombra do Juá se abrigou. Fez moradia por lá ficou, fincou seus pés como o juá enraizou..Juazeirinho agora vem celebrar, a tua história é digna de louvor. Juazeirinho com o teu povo a prosperar, tu és o fruto que o Senhor aqui plantou... Era um fazendeiro religioso, que para louvar a Deus chamava o povo, vinha gente de todo o lugar, perto da sombra começaram a se abrigar...Povo reunido, num só louvor, comunidade e povoado então formou. Morador forte lutador, como os frutos do Juá que prosperou...Somos povo amigo e hospedeiro, celebramos com a própria vida, temos como Santo Padroeiro. Nossa Sagrada Família... Exemplo vivo de amor e fé, com Jesus Cristo, Maria e São José. Santo esposo, santa mulher e o filho amado família de Nazaré63. [grifo nosso] Observando a letra do hino, podemos entender que a questão religiosa está relacionada ao surgimento da fazenda, dando destaque para a atuação do senhor José Fernandes (Zuza) com a construção da capela, contudo os documentos encontrados revelam que a existência de pessoas na localidade antecede a década de 1930. A Vila Joazeiro começa a ser formada a partir da atuação destes fazendeiros, na medida em que as famílias principiaram, em meados da década de 1920, a vender os lotes de terras de suas propriedades para familiares e moradores de fazendas vizinhas. Percebemos que a influência das famílias Moraes e Carneiro, de certa forma, foi mantida até os dias atuais, tendo destaque na história local em diferentes áreas na política, educação, economia e religião. 63 Hino do Juá, autoria do Grupo Musical Nova Luz.
  • 34. 34 2.2 Manifestações religiosas A oração, a penitencia, a promessa, a vela acesa ajudam a abrir os caminhos. Essas expressões devem ser tidas, comunicadas e guardadas na memória. [...] fazer o sinal da cruz, tirar o chapéu ao passar diante de uma Igreja, referenciar uma imagem. Nesse universo estão também os ramos, a água benta, a vela da procissão do santo padroeiro64 Em Juazeirinho, são diversas as expressões do sagrado e da fé, a religiosidade é marcada por forte influência do catolicismo tradicional, embora haja a atuação dos padres em estabelecer limites para a realização das atividades na localidade. Percebemos que são realizadas muitas manifestações religiosas nas residências em devoção aos santos católicos, além disso, as celebrações na igreja também são marcadas pelo caráter devocional. A análise dos jornais O Mensageiro demonstra que as atividades religiosas realizadas na localidade contemplavam quase todos os meses do ano, no calendário paroquial, o núcleo de Juazeirinho aparece com destaque mediante a quantidade de missas, procissões, retiros religiosos, confissões, celebrações, e shows sacros, “as confissões perduraram todo o dia, bem como as visitas às escolas e principalmente aos doentes, tudo findou com a celebração da vida”65. Merece destaque entre os juazeirenses a devoção à Maria, diante do levantamento realizado, ficou evidente que grandes rezas, sejam na igreja ou nas residências, fazem referência a Nossa Senhora. Dentro de suas diversas representações, a santa é homenageada durante as festividades como também no dia a dia, através de orações e novenas, e na utilização de símbolos, como terços e imagens em quadros, camisas e altares. Essa devoção pode ser entendida como elemento da religiosidade popular, conforme afirma Mauro Passos: A religiosidade popular não é um mero acervo histórico-cultural, mas sim expressão de vida. É um reflexo da ação das pessoas. Está circunscrita no cotidiano, na repartição, nas permanências e singularidades. A presença de Maria e a invocação ao seu nome demonstram seu amparo e proteção nas horas de perigo, nas horas de perigo nas doenças e nas dificuldades. O uso do rosário no pescoço é uma forma de buscar proteção. Há toda uma 64 PASSOS, Mauro. O catolicismo popular. IN: A festa na vida: significado e imagens. Petrópolis: Vozes, 2002.p. 179. 65 Livro de Tombo da Paróquia Nossa Senhora de Conceição do Coité.
  • 35. 35 linguagem simbólica expressa nas orações [...] Na verdade, em todas essas expressões populares há um jogo de construção e reconstrução.66 De acordo com as informações descritas pelos Párocos no Livro de Tombo da Paróquia Nossa Senhora da Conceição do Coité, a vida cotidiana na localidade entre a década de 1930 até 1950 era muito agitada, com frequentes rezas e eventos religiosos, como festividades, procissões e celebrações. Destacamos as missões67 realizadas, com as comunhões e confissões das famílias católicas, chegando a um único período de pregação o número de 470 confissões na capela do Joazeiro68. De acordo com as informações do jornal O Mensageiro as rezas em homenagem a Nossa Senhora de Fátima, por exemplo, são realizadas desde 1958: Nada de abolição da escravatura, nada de falsa liberdade. A data treze de maio para nós Católicos lembra Nossa Senhora de Fátima. Em Juazeirinho, há 50 anos atrás, um missionário trouxe diretamente de Lisboa, Portugal, uma Imagem de Nossa Senhora de Fátima. Desde esta data 13 de maio de 1958 que ficou incrementada a Devoção a Nossa Senhora com este título. Quase todos os anos celebramos a Eucaristia nesta data em Juazeirinho. Este ano a motivação foi maior e os preparativos também por causa das Bodas de Ouro. Parabéns a Comunidade de Juazeirinho.69 A temporada de 23 de fevereiro a 02 de março do ano de 1958 foi de grande atuação dos moradores para a realização das missões na capela. Foi inclusive o período em que a localidade ganhou, para compor o altar da capela, a imagem de Nossa Senhora de Fátima, que foi recebida por um caloroso espetáculo da fé católica, com aclamações piedosas, foguetes e sinos, formando um cortejo com grande entusiasmo popular, com um santuário formado á frente da capela.70 Atualmente a festividade em devoção a tal santa é realizada durante os trinta dias do mês de maio, todas as noites a partir das 19:00 são cantados os hinos em homenagem a Nossa Senhora. Após os trinta dias a reza é encerrada sempre com uma dramatização da aparição da santa para os pastoris. È importante evidenciar que a análise deste evento religioso possibilita a identificação das famílias que recebem destaque durante os festejos, por 66 PASSOS, Mauro. O catolicismo popular. IN: A festa na vida: significado e imagens. Petrópolis: Vozes, 2002.p. 176. 67 Celebrações religiosas. 68 Livro de Tombo da Paróquia Nossa Senhora de Conceição do Coité. 69 Jornal O Mensageiro, Nº 114 , Ano 14 , Junho de 2008. 70 Livro de Tombo da Paróquia Nossa Senhora de Conceição do Coité.
  • 36. 36 que cada noite da festa é consagrada a uma pessoa, onde esta fica responsável pelos fogos de artifício para abrilhantar a reza. Contudo as mesmas pessoas permanecem por muito tempo sendo homenageadas e, mesmo após o falecimento, a noite da reza é transmitida para um familiar, além disso, de acordo com alguns juazeirenses, fica, por vontade dos organizadores, a noite para quem tem mais proximidade ou condição de patrocinar os fogos. Muitas vezes, as noites são destinadas a pessoas que já não fazem parte das festividades. Então, essa distribuição realizada acaba por se constituir também como legitimação do poder que a igreja tem de perpetuar ou excluir os fiéis dos lugares de destaque. Em paralelo a estes eventos realizados na igreja, a religiosidade local também é caracterizada pelas rezas no âmbito privado em devoção aos santos padroeiros, práticas religiosas que moldam o cotidiano de algumas famílias. Grande parte dos devotos possui altares em seus quartos, com quadros e imagens dos santos católicos, percebemos que estes oratórios são espaços caracterizados por velas e flores, onde realizam suas orações diárias. Neste sentido, podemos destacar a reza em devoção a Nossa Senhora das Candeias, realizada na residência do senhor Joaquim Morais Carneiro, desde 1956, no dia 02 de fevereiro71. Os festejos e os preparativos para a realização da reza são iniciados às seis horas da manhã, durante todo o dia, como uma forma de demonstração à devoção a Nossa Senhora, no intervalo de três horas fogos e orações são oferecidos à santa . A reza é iniciada às 19:30, horário em que os familiares já se encontram no interior da residência a esperar a chegada dos convidados e, como uma procissão, aos poucos chegam os devotos, que se dividem entre as pessoas mais velhas que se posicionam à frente do altar que se encontra no núcleo da sala principal, com as imagens de Nossa Senhora das Candeias e do Menino Jesus ao lado, rodeadas de flores e velas. As vozes de um grupo de quinze mulheres começam os cânticos e orações, que são acompanhados por grande parte dos presentes, formados por 150 pessoas. Entre elas familiares, juazeirenses e visitantes, com uma faixa etária diversificada. Esta participação popular nas manifestações religiosas pode ser entendida como uma permanência da nossa crença e tradição, elementos que ainda compõem o cenário religioso do Brasil. A reza é dividida em quatro momentos semelhantes ao ritual realizado na Igreja Católica, marcados pelos cânticos, hinos e orações que louvam, agradecem e pedem a proteção a Nossa Senhora das Candeias. Durante o período de quarenta minutos, as atenções 71 Informações fornecidas por Djalma Lopes Carneiro, filha de Joaquim Moraes Carneiro.
  • 37. 37 são voltadas à parte central da sala principal, onde o altar enfeita a imagem da Santa protetora. Percebemos que neste momento as orações são realizadas em grupo, contudo, ao término dos cânticos, os fieis demonstram separadamente a sua crença e, de joelhos em frente à imagem de Nossa Senhora das Candeias, realizam suas orações particulares, que também compõem o ritual da reza. Em Juazeirinho, a religiosidade popular é caracterizada pela devoção, pela prática de orações específicas para cada santo protetor e para cada situação, com crendices e símbolos. Durante o período da quaresma, não é raro encontrar famílias que conservam hábitos de seus antepassados, seguem as orientações e crenças, alterando, durante estes dias, alguns hábitos diários. As mulheres não pintam as unhas com cores fortes, como vermelho ou preto, não se permite durante a sexta-feira santa que se utilizem martelos e pedras para serviços domésticos por fazer referência aos castigos que Jesus sofreu na cruz. Destacamos também o tratamento que é dado às folhas que são levadas para a missa de ramos, elas são conservadas como amuletos. Essas expressões presentes na religiosidade da população juazeirense devem ser entendidas como parte de um simbolismo religioso que caracteriza a localidade em seu cotidiano com atividades devocionais e que, portanto, devem ser valorizadas. 2.3 Festas populares Juazeirinho possui também um calendário com manifestações culturais que apresentam uma junção entre o sagrado e o profano, na medida em que são realizadas, tendo com um marco um acontecimento religioso e são desenvolvidas anualmente e apreciadas por muitas pessoas da região e de outras cidades. Neste sentido, a Pascuelinha merece destaque por ser uma festa que é realizada desde a década de 1930 sempre em um final de semana após a Páscoa. As festividades são iniciadas com o desfile dos mascarados72, no início da tarde, saem às ruas os grupos infantis e, ao cair da tarde, os grupos dos “grandes”, como são chamados pelos moradores da localidade os mascarados adultos, os quais aterrorizam os participantes com brincadeiras para arrecardar 72 Pessoas caracterizadas com máscaras de monstros.
  • 38. 38 dinheiro. Participam das brincadeiras as crianças, os jovens, os adultos e os idosos e, embora entre os mascarados prevaleçam os homens, verificamos também nos últimos anos a presença feminina entre os mascarados. Em paralelo a isto, realiza-se a Cavalgada, ou seja, um desfile de cavalos pelas ruas da localidade com os vaqueiros da região, moradores e visitantes. Além da algazarra que é formada pelos mascarados, durante a noite, o tradicional samba da localidade entra em cena animando ainda mais a festa com a presença do bumba-meu-boi73. É interessante ressaltar que em tal festividade há o espaço reservado para a celebração religiosa na igreja, neste momento, apesar da tentativa de os organizadores estabelecerem um distanciamento entre as orações que são realizadas no interior da igreja, grande parte dos participantes ativos, ou seja, quem se caracterizou de mascarado, já se encontra envolvida pela animação e pela embriaguez. Este é um ponto intrigante em que a Pascuelinha assume significados diferenciados dentro do espaço festivo. Para finalizar a festa da Pascuelinha, aproximadamente às vinte e duas horas realiza-se o tão esperado momento da leitura do testamento do Judas, que é produzido pelos juazeirenses há aproximadamente setenta anos, envolvendo o nome de personalidades locais e de regiões vizinhas. Logo após, é realizada a queima de um boneco representando Judas. Contudo é necessário explicar que nos últimos anos o número de mascarados tem diminuído significativamente, assim como a leitura dos testamentos, a duração tem sido cada vez mais reduzida. Segundo os organizadores da festa, essa manifestação cultural está acabando por falta de apoio e incentivo de algumas autoridades e também dos moradores do local. Outra atividade tradicional que é realizada em Juazeirinho e que se estabelece entre o universo religioso e o profano são os festejos Juninos. Estes acontecem no âmbito público durante as festas que atraem visitantes com as músicas, quadrilhas, fogos, comidas e bebidas típicas da região. Como também no âmbito privado, onde a devoção dos santos católicos é conservada, através da realização das rezas e da queima de fogueiras, que se configura em momentos em que as famílias se reúnem também para beber e comer. Verificamos também a realização dos batizados, que acontece através de um ritual em que as pessoas já batizadas oficialmente na Igreja Católica, diante da impossibilidade de receber novamente o sacramento, fazem o batizado na fogueira, como é chamado pelos mais 73 Caracterização da imagem de um boi que é vestida pelos moradores de Juazeirinho durante os dias de Festa.
  • 39. 39 velhos na localidade. Entre os juazeirenses, é significativo o número de católicos que possuem padrinhos de fogueira. O fogo é entendido pelos moradores mais velhos e por seus descendentes como um ritual para atrair sorte, o batismo é realizado diante do fogo no momento em que os padrinhos, pais e afilhados recitam alguns versos por três vezes em devoção a São João, pulando a fogueira: São João dormiu... São João acordou Juro pelo dia de hoje... Que Maria é minha afilhada São João dormiu... São João acordou Boa noite meu compadre ... Que São João mandou São João dormiu...São João acordou Benção meu padrinho...Que São João Mandou.74 Em Juazeirinho, variados são os santos festejados no período junino através das rezas que atraem muitas pessoas. Têm destaque os santos, como Santo Antonio, São Pedro e São José. É importante evidenciar que, diferente do que acontece no dia 24 de junho com os festejos para São João, quando, na maioria das residências, queimam-se as fogueiras, em relação aos santos acima citados, apenas os aniversariantes cujo nome é igual ao do santo festejam a data. Dessa forma, são conhecidas em toda a localidade as rezas e as fogueiras nas residências por sua animação marcada pelas comidas típicas e por bebidas, como o licor. Por outro lado, diferente das outras festividades religiosas, a devoção aos santos juninos não é celebrada na igreja, as atividades restringem-se apenas às residências dos devotos, os quais possuem seus próprios altares para realizarem as orações e pedidos aos santos padroeiros. As rezas em devoção a tais santos envolvem as orações feitas no interior das residências e também a derrubada das fogueiras, que atraem muitas pessoas. Logo pela manhã saem os devotos em busca da maior e mais resistente árvore para ser queimada durante a noite da reza, essa atividade é uma das etapas da festividade. De volta à residência, são amarrados nos galhos da árvore com grande euforia gêneros diversos como alimentos, bebidas, fogos, brinquedos, cigarros e, em algumas fogueiras, quantias em dinheiro. Os devotos e os participantes da reza esperam até o momento em que a fogueira é queimada para pegar os gêneros que estão nos galhos. 74 Oração fornecida em 03 de Julho de 2009, por Regina da Silva Moraes, 53 anos, moradora de Juazeirinho que realiza anualmente fogueiras juninas em sua residência.
  • 40. 40 Fica evidente também que as distinções sociais e as demarcações de poder local também estão implícitas durante estas festividades religiosas. Os moradores mais ricos tinham suas rezas conhecidas em toda a região, justamente por causa da grande quantidade de gêneros que era carregada à fogueira e os fogos que abrilhantavam a noite.