SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
A LEITURA DE IMAGEM COMO AUXILIAR NO DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DE PARALISADOS CEREBRAIS
Pesquisa  realizada na E.E.Raio de Sol/APAE-Lages.Participaram os alunos, professores, pais e a comunidade.
OBJETIVO GERAL Investigar as formas de contribuição da utilização da leitura de imagens como forma de expressão e para o aumento do desempenho cognitivo de pessoas com paralisia cerebral e deficiência intelectual.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS Mediar o conhecimento em artes visuais por meio da leitura de imagens, contextualizando o fazer artístico; Desenvolver a percepção dos elementos visuais, por meio da obra dos artistas: BISPO DO ROSÁRIO, EDWARD MUNCH E VERA MELIN; Utilizar imagens de obras de arte para auxiliar o processo de expressão dos paralisados cerebrais; Auxiliar no processo de cognição dos paralisados cerebrais por meio do uso da leitura de imagens; Buscar apoio com profissionais de outras manifestações astísticas.
JUSTIFICATIVA O ensino das artes poderá se constituir como um recurso muito interessante no processo educacional de pessoas com paralisia cerebral, tanto em serviços da educação especial como no ensino comum. Por intermédio das produções artísticas e na execução de trabalhos os alunos estabelecem relaçõesmentre a emoção e a razão, desencadeando um outro sentir e um outro pensar sobre a arte, considerando que a mesma é um elemento constitutivo do conhecimento do indivíduo e faz parte da construção desse ser enquanto linguagem (Puccetti, 2002).
JUSTIFICATIVA O ensino das artes poderá ser entendido numa perspectiva multidisciplinar, assim as práticas educativas poderão ser ressignificadas, o que poderá beneficiar não somente aos alunos com deficiência intelectual, mas todos todos os alunos, justificando, desta forma, a elaboração desta pesquisa.
Leitura  de imagens/ Museu Leitura das imagens s/intervenção Leitura das imagens c/ intervenção (outdoor, arquiteturas locais, monumentos, natureza...)  Conceitos da linguagem Visual (linhas...) Leitura de pessoas... Leitura do grupo... Contextualização  Fazer artístico Peça teatro  Realização de soltar o Grito. METODOLOGIA
Ler e aprender a ler é uma negociação entre o conhecido, que está na nossa cabeça, e o desconhecido, que está no papel;  entre o que está atrás e o que está diante dos olhos.
Obra a Mãe A expressão facial de cada aluno, revela a sensibilidade diante da Obra.
Visita ao Museu Malinverni
A. Bispo do Rosário Manto de Apresentação
Arthur Bispo do Rosário perambulou numa delicada região entre a realidade e o delírio, a vida e a arte.” “O que dizer de um homem internado num hospício do subúrbio carioca durante quase cinqüenta anos, tido como louco, que um dia seria celebrado como artista em exposições internacionais.
O Grito – Edward Munch
SÍNTESE DA OBRA O Grito (no original Skrik) é uma pintura do norueguês Edvard Munch, datada de 1893. A obra representa uma figura andrógina num momento de profunda angústia e desespero existencial. O pano de fundo é a doca de Oslofjord (em Oslo) ao pôr-do-Sol. O Grito é considerado como uma das obras mais importantes do movimento expressionista e adquiriu um estatuto de ícone cultural, a par da Mona Lisa de Leonardo da Vinci.
Vida à Natureza Morta – Vera Melin
CONSIDERAÇÕES  As direções que esta pesquisa apontou, enquanto questões sugeridas foram múltiplas. Direções que remetem tanto a pontos teóricos, que devem ser aprofundados, quanto a indagações sobre a contribuição que o ensino das artes pode adar a todos os indivíduos que dele usufruem. A problemática á relação organismo-corpo falado merece estudo mais aprofundado. As consequências  das afirmações de que “há ‘fala’ na escuta e na escrita” desses alunos, pedem maior exploração teórica. O assinalamento dos pontos debatidos nesta pesquisa representou crescimento na aprendizagem dos alunos nela envolvidos e no conhecimento dos professores que nela atuaram.
REFERÊNCIAS AVENS, Roberts. Imaginação é Realidade. Petrópolis: Vozes, 1993.   BARBOSA, Ana Mae. Arte-educação no Brasil. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, 1995.   BELLO, L. Arte e seu ensino, uma questão ou várias questões? In: BARBOSA, A. M. (org). Inquietações e mudanças no ensino da arte. São Paulo: Cortez, 2002, p. 35-48.   BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 2002.    DEELY, John. Semiótica Básica. Trad. Júlio CM Pinto. São Paulo: editora Ática, 1990.   DONDIS, Donis A. A Sintaxe da Linguagem Visual. Tradução Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2000.   FERREIRA, Maria Elisa Caputo e GUIMARÃES, Marly. Educação Inclusiva. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.    FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, 1996.    FUSARI, Maria F. R.; FERRAZ, Maria H. C. T. Arte na educação escolar. São Paulo: Cortez, 1992.       
REFERÊNCIAS LEITÃO, A. Paralisia Cerebral. Rio de Janeiro: Atheneu, 1985. LORENZINI, V. P. O paradigma da normalidade e a construção social da deficiência. In: Seminário de Arte na Educação: UNIPLAC – UNIVILLE – FURB. Lages, SC: Editora UNIPLAC, 2004. MANGUEL, Alberto. Lendo Imagens.Tradução de Rubens Figueiredo, Rosana Eichenberg, Cláudia Strauch. São Paulo, Cia das Letras, 2003.   MANTOAN, M.T.E. Compreendendo a deficiência mental: Novos caminhos educacionais. São Paulo: Scipione, 1988.    _______. Educação escolar de deficientes mentais: Problemas para a pesquisa e o desenvolvimento. Caderno CEDES, Campinas, n. 46, p.93-107, set. 1998.   PAÁL, G. Em busca de Vênus. Trad. José Oscar de Almeida Marques. As armadilhas da dependência. Revista Mente & Cérebro. Ano XIII, n 145, fev. 2005. p. 87-92.  
REFERÊNCIAS ,[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Destaque

GESTION DEL CONOCIMIENTO
GESTION DEL CONOCIMIENTOGESTION DEL CONOCIMIENTO
GESTION DEL CONOCIMIENTO
guestfb90a7
 
La netiqueta
La netiqueta La netiqueta
La netiqueta
Yesica-7g
 
Tigasukukata
TigasukukataTigasukukata
Tigasukukata
rizalrash
 
033愛吃零食的美美isbn978 986-587-225-0
033愛吃零食的美美isbn978 986-587-225-0033愛吃零食的美美isbn978 986-587-225-0
033愛吃零食的美美isbn978 986-587-225-0
anniet_1214
 
A alimentación das plantas
A alimentación das plantasA alimentación das plantas
A alimentación das plantas
condepallares
 
Eaton-Instruction-Leaflet
Eaton-Instruction-LeafletEaton-Instruction-Leaflet
Eaton-Instruction-Leaflet
Joe Galuska
 

Destaque (20)

GESTION DEL CONOCIMIENTO
GESTION DEL CONOCIMIENTOGESTION DEL CONOCIMIENTO
GESTION DEL CONOCIMIENTO
 
35
3535
35
 
Test 333
Test 333Test 333
Test 333
 
Krono taldea
Krono taldeaKrono taldea
Krono taldea
 
Nataly
NatalyNataly
Nataly
 
Vida oculta de l'Olga
Vida oculta de l'OlgaVida oculta de l'Olga
Vida oculta de l'Olga
 
Aquarios
AquariosAquarios
Aquarios
 
Texto
TextoTexto
Texto
 
La netiqueta
La netiqueta La netiqueta
La netiqueta
 
Tigasukukata
TigasukukataTigasukukata
Tigasukukata
 
Tehnička škola GSP
Tehnička škola GSP Tehnička škola GSP
Tehnička škola GSP
 
09
0909
09
 
033愛吃零食的美美isbn978 986-587-225-0
033愛吃零食的美美isbn978 986-587-225-0033愛吃零食的美美isbn978 986-587-225-0
033愛吃零食的美美isbn978 986-587-225-0
 
Para mi amiga Ana
Para mi amiga AnaPara mi amiga Ana
Para mi amiga Ana
 
A alimentación das plantas
A alimentación das plantasA alimentación das plantas
A alimentación das plantas
 
Apresentação Final
Apresentação FinalApresentação Final
Apresentação Final
 
SPDY:下一代超文本传输协议
SPDY:下一代超文本传输协议SPDY:下一代超文本传输协议
SPDY:下一代超文本传输协议
 
Mídias Sociais Fabiano Simm
Mídias Sociais   Fabiano SimmMídias Sociais   Fabiano Simm
Mídias Sociais Fabiano Simm
 
Fotos slideshare
Fotos slideshareFotos slideshare
Fotos slideshare
 
Eaton-Instruction-Leaflet
Eaton-Instruction-LeafletEaton-Instruction-Leaflet
Eaton-Instruction-Leaflet
 

Semelhante a Congresso de Blumenau

Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educaçãoArte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
piaprograma
 
Ensino de arte outubro 2013
Ensino de arte   outubro 2013Ensino de arte   outubro 2013
Ensino de arte outubro 2013
Fabiola Oliveira
 
Artecom_bebês arte ideia berçário apres
Artecom_bebês  arte ideia berçário apresArtecom_bebês  arte ideia berçário apres
Artecom_bebês arte ideia berçário apres
MaureenOliveira
 
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
JORGE ISSAO ZENSQUE
 
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
Eduardo Lopes
 
Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02
Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02
Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02
Fundação Casa
 
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvasConteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Flávia Maria
 
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvasOtm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
elannialins
 
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suaresArte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Plácido Suares
 

Semelhante a Congresso de Blumenau (20)

Pedagogia 03
Pedagogia 03Pedagogia 03
Pedagogia 03
 
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educaçãoArte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
Arte e metáforas contemporaneas para pensar infância e educação
 
Ensino de arte outubro 2013
Ensino de arte   outubro 2013Ensino de arte   outubro 2013
Ensino de arte outubro 2013
 
Artecom_bebês arte ideia berçário apres
Artecom_bebês  arte ideia berçário apresArtecom_bebês  arte ideia berçário apres
Artecom_bebês arte ideia berçário apres
 
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
 
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
 
5.12.2013 Oficina Letramento visual: Matrizes de linguagem e seus suportes p...
5.12.2013 Oficina Letramento visual:  Matrizes de linguagem e seus suportes p...5.12.2013 Oficina Letramento visual:  Matrizes de linguagem e seus suportes p...
5.12.2013 Oficina Letramento visual: Matrizes de linguagem e seus suportes p...
 
Projeto por entre as linhas da poesia as linhas do desenho
Projeto   por entre as linhas da poesia as linhas do desenhoProjeto   por entre as linhas da poesia as linhas do desenho
Projeto por entre as linhas da poesia as linhas do desenho
 
O ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantilO ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantil
 
Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02
Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02
Ensinodearte outubro2013-131004091610-phpapp02
 
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvasConteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
 
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvasOtm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
 
Vol3 arte
Vol3 arteVol3 arte
Vol3 arte
 
Eja arte
Eja arteEja arte
Eja arte
 
Artes na EJA
Artes na EJAArtes na EJA
Artes na EJA
 
Colcha de Retalhos
Colcha de RetalhosColcha de Retalhos
Colcha de Retalhos
 
Técnicas em artes visuais
Técnicas em artes visuaisTécnicas em artes visuais
Técnicas em artes visuais
 
Linguagem visual-i
Linguagem visual-iLinguagem visual-i
Linguagem visual-i
 
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suaresArte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
 
Resenha do-livro
Resenha do-livroResenha do-livro
Resenha do-livro
 

Congresso de Blumenau

  • 1. A LEITURA DE IMAGEM COMO AUXILIAR NO DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DE PARALISADOS CEREBRAIS
  • 2. Pesquisa realizada na E.E.Raio de Sol/APAE-Lages.Participaram os alunos, professores, pais e a comunidade.
  • 3. OBJETIVO GERAL Investigar as formas de contribuição da utilização da leitura de imagens como forma de expressão e para o aumento do desempenho cognitivo de pessoas com paralisia cerebral e deficiência intelectual.
  • 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Mediar o conhecimento em artes visuais por meio da leitura de imagens, contextualizando o fazer artístico; Desenvolver a percepção dos elementos visuais, por meio da obra dos artistas: BISPO DO ROSÁRIO, EDWARD MUNCH E VERA MELIN; Utilizar imagens de obras de arte para auxiliar o processo de expressão dos paralisados cerebrais; Auxiliar no processo de cognição dos paralisados cerebrais por meio do uso da leitura de imagens; Buscar apoio com profissionais de outras manifestações astísticas.
  • 5. JUSTIFICATIVA O ensino das artes poderá se constituir como um recurso muito interessante no processo educacional de pessoas com paralisia cerebral, tanto em serviços da educação especial como no ensino comum. Por intermédio das produções artísticas e na execução de trabalhos os alunos estabelecem relaçõesmentre a emoção e a razão, desencadeando um outro sentir e um outro pensar sobre a arte, considerando que a mesma é um elemento constitutivo do conhecimento do indivíduo e faz parte da construção desse ser enquanto linguagem (Puccetti, 2002).
  • 6. JUSTIFICATIVA O ensino das artes poderá ser entendido numa perspectiva multidisciplinar, assim as práticas educativas poderão ser ressignificadas, o que poderá beneficiar não somente aos alunos com deficiência intelectual, mas todos todos os alunos, justificando, desta forma, a elaboração desta pesquisa.
  • 7. Leitura de imagens/ Museu Leitura das imagens s/intervenção Leitura das imagens c/ intervenção (outdoor, arquiteturas locais, monumentos, natureza...) Conceitos da linguagem Visual (linhas...) Leitura de pessoas... Leitura do grupo... Contextualização Fazer artístico Peça teatro Realização de soltar o Grito. METODOLOGIA
  • 8. Ler e aprender a ler é uma negociação entre o conhecido, que está na nossa cabeça, e o desconhecido, que está no papel; entre o que está atrás e o que está diante dos olhos.
  • 9.
  • 10. Obra a Mãe A expressão facial de cada aluno, revela a sensibilidade diante da Obra.
  • 11. Visita ao Museu Malinverni
  • 12. A. Bispo do Rosário Manto de Apresentação
  • 13. Arthur Bispo do Rosário perambulou numa delicada região entre a realidade e o delírio, a vida e a arte.” “O que dizer de um homem internado num hospício do subúrbio carioca durante quase cinqüenta anos, tido como louco, que um dia seria celebrado como artista em exposições internacionais.
  • 14. O Grito – Edward Munch
  • 15. SÍNTESE DA OBRA O Grito (no original Skrik) é uma pintura do norueguês Edvard Munch, datada de 1893. A obra representa uma figura andrógina num momento de profunda angústia e desespero existencial. O pano de fundo é a doca de Oslofjord (em Oslo) ao pôr-do-Sol. O Grito é considerado como uma das obras mais importantes do movimento expressionista e adquiriu um estatuto de ícone cultural, a par da Mona Lisa de Leonardo da Vinci.
  • 16. Vida à Natureza Morta – Vera Melin
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22. CONSIDERAÇÕES As direções que esta pesquisa apontou, enquanto questões sugeridas foram múltiplas. Direções que remetem tanto a pontos teóricos, que devem ser aprofundados, quanto a indagações sobre a contribuição que o ensino das artes pode adar a todos os indivíduos que dele usufruem. A problemática á relação organismo-corpo falado merece estudo mais aprofundado. As consequências das afirmações de que “há ‘fala’ na escuta e na escrita” desses alunos, pedem maior exploração teórica. O assinalamento dos pontos debatidos nesta pesquisa representou crescimento na aprendizagem dos alunos nela envolvidos e no conhecimento dos professores que nela atuaram.
  • 23. REFERÊNCIAS AVENS, Roberts. Imaginação é Realidade. Petrópolis: Vozes, 1993.   BARBOSA, Ana Mae. Arte-educação no Brasil. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, 1995.   BELLO, L. Arte e seu ensino, uma questão ou várias questões? In: BARBOSA, A. M. (org). Inquietações e mudanças no ensino da arte. São Paulo: Cortez, 2002, p. 35-48.   BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 2002.    DEELY, John. Semiótica Básica. Trad. Júlio CM Pinto. São Paulo: editora Ática, 1990.   DONDIS, Donis A. A Sintaxe da Linguagem Visual. Tradução Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2000.   FERREIRA, Maria Elisa Caputo e GUIMARÃES, Marly. Educação Inclusiva. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.    FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, 1996.   FUSARI, Maria F. R.; FERRAZ, Maria H. C. T. Arte na educação escolar. São Paulo: Cortez, 1992.       
  • 24. REFERÊNCIAS LEITÃO, A. Paralisia Cerebral. Rio de Janeiro: Atheneu, 1985. LORENZINI, V. P. O paradigma da normalidade e a construção social da deficiência. In: Seminário de Arte na Educação: UNIPLAC – UNIVILLE – FURB. Lages, SC: Editora UNIPLAC, 2004. MANGUEL, Alberto. Lendo Imagens.Tradução de Rubens Figueiredo, Rosana Eichenberg, Cláudia Strauch. São Paulo, Cia das Letras, 2003.   MANTOAN, M.T.E. Compreendendo a deficiência mental: Novos caminhos educacionais. São Paulo: Scipione, 1988.   _______. Educação escolar de deficientes mentais: Problemas para a pesquisa e o desenvolvimento. Caderno CEDES, Campinas, n. 46, p.93-107, set. 1998.   PAÁL, G. Em busca de Vênus. Trad. José Oscar de Almeida Marques. As armadilhas da dependência. Revista Mente & Cérebro. Ano XIII, n 145, fev. 2005. p. 87-92.  
  • 25.
  • 26. SANTA CATARINA, Secretaria de Estado da Educação e do Desporto. Proposta Curricular de Santa Catarina: Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio: Temas Multidisciplinares. Florianópolis: COGEN, 1998.
  • 27.