SlideShare uma empresa Scribd logo
Trabalho realizado por:
Francisco nº 6
Ricardo nº 18
Tiago nº 19
Wagner nº 20
• Já há quatro milénios as pessoas usavam a energia eólica para fazer mover os barcos à
vela no Egipto. As velas capturavam a energia no vento para empurrar um barco ao
longo da água. Os primeiros moinhos de vento, usados para moer grãos, surgiram entre
2 mil a.C., na antiga Babilónia, e 200 a.C. na antiga Pérsia, dependendo de para quem se
pergunta. Estes primeiros dispositivos consistiam em uma ou mais vigas de madeira
montadas verticalmente, e em cuja base havia uma pedra de rebolo fixada ao eixo
rotativo que girava com o vento. O conceito de se usar a energia do vento para moer
grãos se espalhou rapidamente ao longo do Oriente Médio e foi largamente utilizado
antes que o primeiro moinho de vento aparecesse na Europa. No início do século XI d.C.,
os cruzados europeus levaram o conceito para casa e surgiu o moinho de vento do tipo
holandês com o qual estamos familiarizados.
• O desenvolvimento da tecnologia da energia eólica moderna e suas aplicações estavam
bem encaminhados por volta de 1930, quando estimados 600 mil moinhos de vento
abasteciam áreas rurais com electricidade e serviços de bombeamento de água. Assim
que a distribuição de electricidade em larga escala se espalhou para as fazendas e
cidades do interior, o uso de energia eólica nos Estados Unidos começou a decrescer,
mas reviveu depois da escassez de petróleo no início dos anos 70. Nos últimos 30 anos,
a pesquisa e o desenvolvimento variaram com o interesse e incentivos fiscais do governo
federal. Em meados dos anos 80, as turbinas eólicas tinham uma capacidade nominal
máxima de 150 kW. Em 2006, as turbinas em escala de geração pública comercial têm
potência nominal comumente acima de 1 MW e estão disponíveis em capacidades de
até 4 MW.
• Em 2005 a capacidade mundial de geração de
energia eléctrica através da energia eólica era de
aproximadamente 59 gigawatts, - o suficiente
para abastecer as necessidades básicas de um
país como o Brasil - embora isso represente
menos de 1% do uso mundial de energia.
• Em alguns países, a energia eléctrico gerada a partir
do vento representa significativa parcela da
demanda. Na Dinamarca esta representa 23% da
produção, 6% na Alemanha e cerca de 8% em
Portugal (dados de Setembro de 2007) e na Espanha.
Globalmente, a geração através de energia eólica
mais que quadruplicou entre 1999 e 2005.
• A energia gerada por uma turbina depende do diâmetro das suas
pás e da velocidade do vento. Por esta razão, as turbinas são
montadas sobre torres de até 100 metros de altura para maximizar a
exposição ao vento e localizam-se em picos e linhas costeiras
expostos. As primeiras turbinas modernas de alta eficiência e
produzidas em massa apareceram na Dinamarca no início dos anos
80. Os engenheiros têm conseguido melhorias substanciais na
quantidade de energia produzida e na fiabilidade, mas o design das
turbinas usadas actualmente é muito semelhante aos primeiros
modelos.
• As turbinas eólicas são instaladas numa zona de ventos fortes e regulares (é
importante que os ventos não sofram turbulências nem estejam sujeitos a fenómenos
climáticos como tufões). A energia cinética do vento faz rodar as pás aerodinâmicas
das turbinas eólicas. Este movimento de rotação faz rodar um gerador eléctrico
através de um conjunto de engrenagens. É então produzida a electricidade, que passa
por um transformador de modo a regularizar a sua tensão eléctrica e é de seguida
lançada para a rede eléctrica através de linhas de alta tensão.
• O corpo formado por pás, engrenagens e gerador pode rodar de forma a ficar de
frente para o vento, o que lhe permite funcionar com o máximo de eficiência possível.
Sabia que:
• Em cada hora de consumo eléctrico, cinco minutos são de produção eólica;
• Em Portugal, o primeiro parque eólico foi criado em 1988 em Santa Maria (Açores),
• Energia eólica excedente vai ser utilizada em carros eléctricos. As baterias dos carros
eléctricos vão servir para armazenar a energia eólica excedente na Dinamarca,
acabando com o desperdício. Em 2020, a Dinamarca espera produzir mais da metade
de sua energia através dos ventos;
• Um barco à vela usa a energia dos ventos para se deslocar na água. Esta é uma
forma de produzir força através do vento;
• • Durante muitos anos, os agricultores serviram-se da energia eólica para bombear água dos furos usando
moinhos de vento;
• Cada turbina produz entre 50 a 300 kW de energia eléctrica. Com 1000 watts podemos acender 10
lâmpadas de 100 watts; assim, 300 kilowatts acendem 3000 lâmpadas de 100 watts cada;
• A maior turbina construída até agora localiza-se num parque eólico marinho da Alemanha;
• Cerca de 30% da electricidade produzida a partir do vento é criada na Califórnia. A Dinamarca e
Alemanha também são grandes exploradoras da energia eólica;
• O recurso energético disponível em Portugal estima-se entre os 2.000 MW e os 3.500 MW, para
rentabilidades na ordem das 2.500 horas brutas anuais e 2.000 horas brutas anuais.
• É inesgotável;
• Não emite gases poluentes nem gera resíduos;
• Diminui a emissão de gases de efeito de estufa .
• Reduz a elevada dependência energética do exterior,
nomeadamente a dependência em combustíveis fósseis;
• Poupança devido à menor aquisição de direitos de emissão de
CO2 por cumprir o protocolo de Quioto e directivas
comunitárias e menores penalizações por não tradicionais.
• A intermitência, ou seja, nem sempre o vento sopra quando a electricidade é
necessária, tornando difícil a integração da sua produção no programa de
exploração;
• Pode ser ultrapassado com as pilhas de combustível (H2) ou com a técnica
da bombagem hidroeléctrica.
• Provoca um impacto visual considerável, principalmente para os moradores
em redor, a instalação dos parques eólicos gera uma grande modificação da
paisagem;
• Impacto sobre as aves do local: principalmente pelo choque destas nas pás,
efeitos desconhecidos sobre a modificação de seus comportamentos
habituais de migração;
• https://www.youtube.com/watch?v=lzVuTIeZdm0

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Energia eólica
Energia eólicaEnergia eólica
Energia Eólica
Energia EólicaEnergia Eólica
Energia Eólica
Jailson Lima
 
2002 g5 energia eólica
2002 g5 energia eólica2002 g5 energia eólica
2002 g5 energia eólica
cristbarb
 
Energia eólica
Energia eólicaEnergia eólica
Energia eólica
inesfigueira
 
2001 g6 energia eólica
2001 g6 energia eólica2001 g6 energia eólica
2001 g6 energia eólica
cristbarb
 
Energia Eólica
Energia Eólica Energia Eólica
Energia Eólica
Denise Vilardo
 
Apresentação 06 08-2013
Apresentação 06 08-2013Apresentação 06 08-2013
Apresentação 06 08-2013
Luiz Paulo Oliveira
 
Energia eolica
Energia  eolicaEnergia  eolica
Energia eolica
Maria Coutinho
 
Energia nuclear, solar e eólica
Energia nuclear, solar e eólicaEnergia nuclear, solar e eólica
Energia nuclear, solar e eólica
Geovana Barbosa
 
Energia Eólica
Energia EólicaEnergia Eólica
Energia Eólica
Darlleson Oliveira
 
Energia Eólica - Jacque,Gisele,Nicolli e Maryanne - 7ºano
Energia Eólica - Jacque,Gisele,Nicolli e Maryanne - 7ºanoEnergia Eólica - Jacque,Gisele,Nicolli e Maryanne - 7ºano
Energia Eólica - Jacque,Gisele,Nicolli e Maryanne - 7ºano
VOLUNTÁRIA CAUSA SOCIAL
 
Energia eólica
Energia eólicaEnergia eólica
Energia eólica
JadiVentin
 
G7 energia eólica
G7   energia eólicaG7   energia eólica
G7 energia eólica
cristbarb
 
Energia Eólica
Energia EólicaEnergia Eólica
Energia Eólica
Samuel1100
 
Energia eólica 3ºc
Energia eólica 3ºcEnergia eólica 3ºc
Energia eólica 3ºc
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Energia Eólica Residencial
Energia Eólica ResidencialEnergia Eólica Residencial
Energia Eólica Residencial
Frederico José S. Gomes
 
Energia eolica
Energia eolicaEnergia eolica
Energia eolica
Ana Beatriz Gonçalves
 
Energia eólica e solar
Energia eólica e solar Energia eólica e solar
Energia eólica e solar
acfprofessor
 
Energia eólica perguntas frequentes pucrs
Energia eólica perguntas frequentes pucrsEnergia eólica perguntas frequentes pucrs
Energia eólica perguntas frequentes pucrs
fpv_transilvania
 
História Da Energia Eólica
História Da Energia EólicaHistória Da Energia Eólica
História Da Energia Eólica
Instituto Monitor
 

Mais procurados (20)

Energia eólica
Energia eólicaEnergia eólica
Energia eólica
 
Energia Eólica
Energia EólicaEnergia Eólica
Energia Eólica
 
2002 g5 energia eólica
2002 g5 energia eólica2002 g5 energia eólica
2002 g5 energia eólica
 
Energia eólica
Energia eólicaEnergia eólica
Energia eólica
 
2001 g6 energia eólica
2001 g6 energia eólica2001 g6 energia eólica
2001 g6 energia eólica
 
Energia Eólica
Energia Eólica Energia Eólica
Energia Eólica
 
Apresentação 06 08-2013
Apresentação 06 08-2013Apresentação 06 08-2013
Apresentação 06 08-2013
 
Energia eolica
Energia  eolicaEnergia  eolica
Energia eolica
 
Energia nuclear, solar e eólica
Energia nuclear, solar e eólicaEnergia nuclear, solar e eólica
Energia nuclear, solar e eólica
 
Energia Eólica
Energia EólicaEnergia Eólica
Energia Eólica
 
Energia Eólica - Jacque,Gisele,Nicolli e Maryanne - 7ºano
Energia Eólica - Jacque,Gisele,Nicolli e Maryanne - 7ºanoEnergia Eólica - Jacque,Gisele,Nicolli e Maryanne - 7ºano
Energia Eólica - Jacque,Gisele,Nicolli e Maryanne - 7ºano
 
Energia eólica
Energia eólicaEnergia eólica
Energia eólica
 
G7 energia eólica
G7   energia eólicaG7   energia eólica
G7 energia eólica
 
Energia Eólica
Energia EólicaEnergia Eólica
Energia Eólica
 
Energia eólica 3ºc
Energia eólica 3ºcEnergia eólica 3ºc
Energia eólica 3ºc
 
Energia Eólica Residencial
Energia Eólica ResidencialEnergia Eólica Residencial
Energia Eólica Residencial
 
Energia eolica
Energia eolicaEnergia eolica
Energia eolica
 
Energia eólica e solar
Energia eólica e solar Energia eólica e solar
Energia eólica e solar
 
Energia eólica perguntas frequentes pucrs
Energia eólica perguntas frequentes pucrsEnergia eólica perguntas frequentes pucrs
Energia eólica perguntas frequentes pucrs
 
História Da Energia Eólica
História Da Energia EólicaHistória Da Energia Eólica
História Da Energia Eólica
 

Semelhante a Central eólica

Energia eólica
Energia eólicaEnergia eólica
Energia eólica
inesfigueira
 
seminário sobre energia eólica, energia renovável
seminário sobre energia eólica, energia renovávelseminário sobre energia eólica, energia renovável
seminário sobre energia eólica, energia renovável
LiihBraz
 
Energia Eolica
Energia EolicaEnergia Eolica
Energia Eolica
educacao f
 
Energia eólica-3ºc ,,
Energia eólica-3ºc ,,Energia eólica-3ºc ,,
Energia eólica-3ºc ,,
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Energia eolica
Energia  eolicaEnergia  eolica
Energia eolica
Maria Coutinho
 
Energia eolica
Energia  eolicaEnergia  eolica
Energia eolica
Maria Coutinho
 
Fontes renováveis
Fontes renováveisFontes renováveis
Fontes renováveis
Anacleto Damiani
 
Fontes renováveis
Fontes renováveisFontes renováveis
Fontes renováveis
Anacleto Damiani
 
Plano de atividadae.docx
Plano de atividadae.docxPlano de atividadae.docx
Plano de atividadae.docx
Agnaldovideos
 
G8 trabalho de física
G8   trabalho de físicaG8   trabalho de física
G8 trabalho de física
cristbarb
 
Geradores 2
Geradores 2Geradores 2
Geradores 2
Luciano Costa
 
Energia e meio ambiente- 3ª aula
Energia e meio ambiente- 3ª aulaEnergia e meio ambiente- 3ª aula
Energia e meio ambiente- 3ª aula
humanascurso
 
EnergiasRenovaveis_Eolica01_Introducao.pdf
EnergiasRenovaveis_Eolica01_Introducao.pdfEnergiasRenovaveis_Eolica01_Introducao.pdf
EnergiasRenovaveis_Eolica01_Introducao.pdf
VinciusSilvaBorges
 
A rede energética em portugal
A rede energética em portugalA rede energética em portugal
A rede energética em portugal
Filipe Leal
 
Energia eolica
Energia  eolicaEnergia  eolica
Energia eolica
Maria Coutinho
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
sr jr
 
2009 09 11_13_53_8844
2009 09 11_13_53_88442009 09 11_13_53_8844
2009 09 11_13_53_8844
jvcdias
 
ApresentaçãO
ApresentaçãOApresentaçãO
ApresentaçãO
catarina_iph
 
Apresentação geração eólica de eletricidade
Apresentação geração eólica de eletricidadeApresentação geração eólica de eletricidade
Apresentação geração eólica de eletricidade
Tiago Araujo
 
Energia eólica
Energia eólicaEnergia eólica
Energia eólica
Anderson Rockenbach
 

Semelhante a Central eólica (20)

Energia eólica
Energia eólicaEnergia eólica
Energia eólica
 
seminário sobre energia eólica, energia renovável
seminário sobre energia eólica, energia renovávelseminário sobre energia eólica, energia renovável
seminário sobre energia eólica, energia renovável
 
Energia Eolica
Energia EolicaEnergia Eolica
Energia Eolica
 
Energia eólica-3ºc ,,
Energia eólica-3ºc ,,Energia eólica-3ºc ,,
Energia eólica-3ºc ,,
 
Energia eolica
Energia  eolicaEnergia  eolica
Energia eolica
 
Energia eolica
Energia  eolicaEnergia  eolica
Energia eolica
 
Fontes renováveis
Fontes renováveisFontes renováveis
Fontes renováveis
 
Fontes renováveis
Fontes renováveisFontes renováveis
Fontes renováveis
 
Plano de atividadae.docx
Plano de atividadae.docxPlano de atividadae.docx
Plano de atividadae.docx
 
G8 trabalho de física
G8   trabalho de físicaG8   trabalho de física
G8 trabalho de física
 
Geradores 2
Geradores 2Geradores 2
Geradores 2
 
Energia e meio ambiente- 3ª aula
Energia e meio ambiente- 3ª aulaEnergia e meio ambiente- 3ª aula
Energia e meio ambiente- 3ª aula
 
EnergiasRenovaveis_Eolica01_Introducao.pdf
EnergiasRenovaveis_Eolica01_Introducao.pdfEnergiasRenovaveis_Eolica01_Introducao.pdf
EnergiasRenovaveis_Eolica01_Introducao.pdf
 
A rede energética em portugal
A rede energética em portugalA rede energética em portugal
A rede energética em portugal
 
Energia eolica
Energia  eolicaEnergia  eolica
Energia eolica
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
2009 09 11_13_53_8844
2009 09 11_13_53_88442009 09 11_13_53_8844
2009 09 11_13_53_8844
 
ApresentaçãO
ApresentaçãOApresentaçãO
ApresentaçãO
 
Apresentação geração eólica de eletricidade
Apresentação geração eólica de eletricidadeApresentação geração eólica de eletricidade
Apresentação geração eólica de eletricidade
 
Energia eólica
Energia eólicaEnergia eólica
Energia eólica
 

Mais de Tiago Garcia

Juno
JunoJuno
Evolução dos processadores
Evolução dos processadoresEvolução dos processadores
Evolução dos processadores
Tiago Garcia
 
Sermão de padre antónio vieira aos peixes
Sermão de padre antónio vieira aos peixesSermão de padre antónio vieira aos peixes
Sermão de padre antónio vieira aos peixes
Tiago Garcia
 
Linux
LinuxLinux
Trabalho tema processos de controlo do esforço
Trabalho tema processos de controlo do esforçoTrabalho tema processos de controlo do esforço
Trabalho tema processos de controlo do esforço
Tiago Garcia
 
Hub switch repetidores
Hub switch repetidoresHub switch repetidores
Hub switch repetidores
Tiago Garcia
 

Mais de Tiago Garcia (6)

Juno
JunoJuno
Juno
 
Evolução dos processadores
Evolução dos processadoresEvolução dos processadores
Evolução dos processadores
 
Sermão de padre antónio vieira aos peixes
Sermão de padre antónio vieira aos peixesSermão de padre antónio vieira aos peixes
Sermão de padre antónio vieira aos peixes
 
Linux
LinuxLinux
Linux
 
Trabalho tema processos de controlo do esforço
Trabalho tema processos de controlo do esforçoTrabalho tema processos de controlo do esforço
Trabalho tema processos de controlo do esforço
 
Hub switch repetidores
Hub switch repetidoresHub switch repetidores
Hub switch repetidores
 

Último

Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 

Último (20)

Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 

Central eólica

  • 1. Trabalho realizado por: Francisco nº 6 Ricardo nº 18 Tiago nº 19 Wagner nº 20
  • 2. • Já há quatro milénios as pessoas usavam a energia eólica para fazer mover os barcos à vela no Egipto. As velas capturavam a energia no vento para empurrar um barco ao longo da água. Os primeiros moinhos de vento, usados para moer grãos, surgiram entre 2 mil a.C., na antiga Babilónia, e 200 a.C. na antiga Pérsia, dependendo de para quem se pergunta. Estes primeiros dispositivos consistiam em uma ou mais vigas de madeira montadas verticalmente, e em cuja base havia uma pedra de rebolo fixada ao eixo rotativo que girava com o vento. O conceito de se usar a energia do vento para moer grãos se espalhou rapidamente ao longo do Oriente Médio e foi largamente utilizado antes que o primeiro moinho de vento aparecesse na Europa. No início do século XI d.C., os cruzados europeus levaram o conceito para casa e surgiu o moinho de vento do tipo holandês com o qual estamos familiarizados.
  • 3. • O desenvolvimento da tecnologia da energia eólica moderna e suas aplicações estavam bem encaminhados por volta de 1930, quando estimados 600 mil moinhos de vento abasteciam áreas rurais com electricidade e serviços de bombeamento de água. Assim que a distribuição de electricidade em larga escala se espalhou para as fazendas e cidades do interior, o uso de energia eólica nos Estados Unidos começou a decrescer, mas reviveu depois da escassez de petróleo no início dos anos 70. Nos últimos 30 anos, a pesquisa e o desenvolvimento variaram com o interesse e incentivos fiscais do governo federal. Em meados dos anos 80, as turbinas eólicas tinham uma capacidade nominal máxima de 150 kW. Em 2006, as turbinas em escala de geração pública comercial têm potência nominal comumente acima de 1 MW e estão disponíveis em capacidades de até 4 MW.
  • 4. • Em 2005 a capacidade mundial de geração de energia eléctrica através da energia eólica era de aproximadamente 59 gigawatts, - o suficiente para abastecer as necessidades básicas de um país como o Brasil - embora isso represente menos de 1% do uso mundial de energia.
  • 5.
  • 6. • Em alguns países, a energia eléctrico gerada a partir do vento representa significativa parcela da demanda. Na Dinamarca esta representa 23% da produção, 6% na Alemanha e cerca de 8% em Portugal (dados de Setembro de 2007) e na Espanha. Globalmente, a geração através de energia eólica mais que quadruplicou entre 1999 e 2005.
  • 7. • A energia gerada por uma turbina depende do diâmetro das suas pás e da velocidade do vento. Por esta razão, as turbinas são montadas sobre torres de até 100 metros de altura para maximizar a exposição ao vento e localizam-se em picos e linhas costeiras expostos. As primeiras turbinas modernas de alta eficiência e produzidas em massa apareceram na Dinamarca no início dos anos 80. Os engenheiros têm conseguido melhorias substanciais na quantidade de energia produzida e na fiabilidade, mas o design das turbinas usadas actualmente é muito semelhante aos primeiros modelos.
  • 8.
  • 9. • As turbinas eólicas são instaladas numa zona de ventos fortes e regulares (é importante que os ventos não sofram turbulências nem estejam sujeitos a fenómenos climáticos como tufões). A energia cinética do vento faz rodar as pás aerodinâmicas das turbinas eólicas. Este movimento de rotação faz rodar um gerador eléctrico através de um conjunto de engrenagens. É então produzida a electricidade, que passa por um transformador de modo a regularizar a sua tensão eléctrica e é de seguida lançada para a rede eléctrica através de linhas de alta tensão. • O corpo formado por pás, engrenagens e gerador pode rodar de forma a ficar de frente para o vento, o que lhe permite funcionar com o máximo de eficiência possível.
  • 10. Sabia que: • Em cada hora de consumo eléctrico, cinco minutos são de produção eólica; • Em Portugal, o primeiro parque eólico foi criado em 1988 em Santa Maria (Açores), • Energia eólica excedente vai ser utilizada em carros eléctricos. As baterias dos carros eléctricos vão servir para armazenar a energia eólica excedente na Dinamarca, acabando com o desperdício. Em 2020, a Dinamarca espera produzir mais da metade de sua energia através dos ventos; • Um barco à vela usa a energia dos ventos para se deslocar na água. Esta é uma forma de produzir força através do vento;
  • 11. • • Durante muitos anos, os agricultores serviram-se da energia eólica para bombear água dos furos usando moinhos de vento; • Cada turbina produz entre 50 a 300 kW de energia eléctrica. Com 1000 watts podemos acender 10 lâmpadas de 100 watts; assim, 300 kilowatts acendem 3000 lâmpadas de 100 watts cada; • A maior turbina construída até agora localiza-se num parque eólico marinho da Alemanha; • Cerca de 30% da electricidade produzida a partir do vento é criada na Califórnia. A Dinamarca e Alemanha também são grandes exploradoras da energia eólica; • O recurso energético disponível em Portugal estima-se entre os 2.000 MW e os 3.500 MW, para rentabilidades na ordem das 2.500 horas brutas anuais e 2.000 horas brutas anuais.
  • 12. • É inesgotável; • Não emite gases poluentes nem gera resíduos; • Diminui a emissão de gases de efeito de estufa . • Reduz a elevada dependência energética do exterior, nomeadamente a dependência em combustíveis fósseis; • Poupança devido à menor aquisição de direitos de emissão de CO2 por cumprir o protocolo de Quioto e directivas comunitárias e menores penalizações por não tradicionais.
  • 13. • A intermitência, ou seja, nem sempre o vento sopra quando a electricidade é necessária, tornando difícil a integração da sua produção no programa de exploração; • Pode ser ultrapassado com as pilhas de combustível (H2) ou com a técnica da bombagem hidroeléctrica. • Provoca um impacto visual considerável, principalmente para os moradores em redor, a instalação dos parques eólicos gera uma grande modificação da paisagem; • Impacto sobre as aves do local: principalmente pelo choque destas nas pás, efeitos desconhecidos sobre a modificação de seus comportamentos habituais de migração;