SlideShare uma empresa Scribd logo
COOPERATIVISMO
Prof. Fábio Massena
https://professormassena.wordpress.com/
Departamento de Ciências Agrárias e Ambientais – DCAA
Área de Conhecimento de Ciência do Desenvolvimento Agrário
Colegiado de Agronomia
http://image.slidesharecdn.com/aula3coop-141103191040-conversion-gate02/95/aula-3-cooperativismo-prova-dia-05112014-9-638.jpg?cb=1415041985
ASSOCIATIVISMO
O Associativismo é uma forma de organização que
tem como finalidade conseguir benefícios comuns
para seus associados por meio de ações coletivas.
Pode ser formada por um grupo de duas ou mais
pessoas que se organizam para defender seus
interesses comuns, sem fins lucrativos e com
personalidade jurídica (Instituto Ecológica, 2007).
O associativismo é fruto da luta pela sobrevivência e pela
melhoria das condições de vida nas comunidades, todo o
patrimônio de uma associação é constituído pelos
associados ou membros, logo, as associações não possuem
fins lucrativos.
Nas comunidades a participação, a solidariedade, a
cooperação em torno de objetivos comuns, são
fundamentais para assegurar melhores condições de vida.
Essa prática, mais do que uma forma de organização, é
uma construção e uma conquista social.
ASSOCIATIVISMO
PRINCÍPIOS
DO
ASSOCIATIVISMO
1
Princípio da Adesão Voluntária e Livre
As associações são organizações
voluntárias, abertas a todas as pessoas
dispostas a aceitar as responsabilidades de
sócio, sem discriminação social, racial,
política, religiosa e de gênero.
2
Princípio da Gestão Democrática pelos Sócios
As associações são organizações democráticas,
controladas por seus sócios, que participam
ativamente no estabelecimento de suas
políticas e na tomada de decisões, sendo os
gestores eleitos pela maioria para atender a
necessidade de todos.
3
Princípio da Participação Econômica dos Sócios
Os sócios contribuem de forma justa e
controlam democraticamente as suas
associações através de deliberação em
assembléia geral.
4
Princípio da Autonomia de Independência
As associações podem entrar em acordo
operacional com outras entidades, inclusive
governamentais, ou recebendo capital de
origem externa, devem fazê-lo de forma a
preservar seu controle democrático pelos sócios
e manter sua autonomia.
5
Princípio da Educação, Formação e Informação
As associações devem proporcionar educação e
formação. Os dirigentes eleitos devem
contribuir efetivamente para o desenvolvimento
da comunidade. Eles deverão informar o público
em geral, particularmente os jovens e os líderes
formadores de opinião, sobre a natureza e os
benefícios da cooperação.
6
Princípio da Interação
As associações atendem a seus sócios mais
efetivamente e fortalecem o movimento
associativista trabalhando juntas, através de
estruturas locais, nacionais, regionais e
internacionais.
7
Interesse pela Comunidade
As associações trabalham pelo desenvolvimento
sustentável de suas comunidades, municípios,
regiões, estados e país através de políticas
aprovadas por seus membros.
Além das associações, as cooperativas também são forma de
associativismo, porém:
• As cooperativas são organizações de pelo menos vinte
pessoas físicas unidas pela cooperação e ajuda mútua;
• Gestão democrática e participativa;
• Com objetivos econômicos e sociais comuns;
• Os aspectos legais e doutrinários são diferentes de outras
sociedades.
COOPERATIVISMO
É uma forma de se organizar por meio da união de
pessoas, com objetivo de unir forças para atingir
desenvolvimento financeiro, econômico e social (Instituto
Ecológica, 2007).
O principal objetivo de uma cooperativa é comercializar a
produção dos seus membros, permitindo que seus
cooperados gerem renda e possa reinvestir parte desses
benefícios para o bem comum do grupo. Assim, todos os
membros das cooperativas são também donos delas, uma
vez que cada cooperando contribui com uma quantia em
dinheiro para formar o capital social da mesma.
COOPERATIVISMO NO MEIO RURAL
Nasce das necessidades dos agricultores em unir-
se em prol de um objetivo em comum.
Para conseguirem introduzir seus alimentos no
mercado consumidor os agricultores se juntam e
formam as cooperativas.
Unidos os agricultores conseguem ganhar nome e
fixar uma marca fazendo com que barreiras sejam
quebradas e consigam uma representatividade
maior perante o mercado consumidor.
COOPERATIVISMO NO MEIO RURAL
Os benefícios conquistados, tanto na questão
material como tratores, sementes, colheitadeira
entre outros, como também na questão do crédito,
fortalece a ideia que juntos os cooperados podem
colocar-se como uma classe que possui um lugar
representativo em meio aos grandes produtores
rurais.
Assim, a cooperativa é um meio de tornar o
trabalho do pequeno agricultor reconhecido e fazer
com que o mesmo tenha um espaço no mercado
consumidor.
CARACTERÍSTICAS DO COOPERATIVISMO
• Organização de pelo menos vinte pessoas físicas unidas
pela cooperação e ajuda mútua;
• Gestão democrática e participativa, com objetivos
econômicos e sociais comuns;
• Aspectos legais e doutrinários são distintos de outras
sociedades;
• Fundamenta-se a economia solidária;
• Pode ser dirigida e controlada pelos próprios
cooperados.
PRINCÍPIOS
DO
COOPERATIVISMO
1
Adesão voluntária e livre
São organizações voluntárias, abertas à
participação de todos que estiverem dispostos
em disponibilizar seus serviços e assumir
responsabilidades como membros. A pessoa
deve conhecer e respeitar os acordos definidos
no Estatuto da Cooperativa.
2
Gestão democrática
As cooperativas são organizações democráticas e
controladas pelos seus membros, que participam
ativamente na criação das políticas internas, como
também na tomada de decisões. Os cooperados
elegem seus representantes e se reúnem em
assembléias para discutirem e votarem os objetivos e
metas do trabalho em conjunto.
sustentável desta.
3
Participação econômica
Todos os membros participam da formação do
capital social da cooperativa. Assim, todos
também têm direito aos rendimentos da mesma
quando estes forem colocados em partilha.
4
Autonomia e independência
São organizações autônomas, controladas pelos
próprios membros. Podendo firmar acordos
com outras organizações ou recorrer ao capital
externo, devendo assegurar nesses acordos os
controle democrático pelos seus membros e
manter a autonomia da cooperativa.
5
Educação, formação e informação
A cooperativa promove a educação e formação
dos seus membros, dos representantes eleitos e
dos trabalhadores, de forma que estes possam
contribuir, eficazmente, para o desenvolvimento
de suas cooperativas. Além, de levar também a
informação para o público em geral, em
especial os jovens.
6
Intercooperação
Fortalecimento do intercâmbio de informações,
produtos e serviços entre as cooperativas
viabilizando o setor da atividade
socioeconômica.
7
Compromisso com a comunidade
As cooperativas devem firmar um compromisso
com a comunidade no sentido de trabalharem
para o desenvolvimento sustentável desta.
VALORES DO COOPERATIVISMO
OBJETIVOS DE UMA COOPERATIVA
1. Constituir uma sociedade justa e livre, através de uma
organização social e econômica da comunidade em bases
democráticas;
2. Atender as necessidades reais dos cooperados, ou seja, prestar
serviços a seus associados;
3. Obter um desempenho econômico eficiente, através da produção
de bens e serviços com qualidade e da confiabilidade transmitida
a seus próprios associados e clientes.
BENEFÍCIOS
• Pode ser dirigida e controlada pelos próprios
cooperados.
• Menor custo operacional em relação aos bancos.
• Crédito imediato e adequado às condições dos
cooperados.
• Atendimento personalizado.
• Facilidade em abrir contas.
• Possibilidades de os associados se beneficiarem da
distribuição de sobras ou excedentes.
Associação Cooperativa
Objetivos Sociais amplos e menos definidos.
Promove a melhoria técnica, profissional e
cultural dos Associados.
Sociais, econômicos e culturais. Desenvolve
atividades produtivas, integrando pessoas em
busca de uma vida mais justa.
Patrimônio Não possui capital social. O patrimônio é
integralmente da associação. Quando um
associado se afasta não recebe a sua
parte. Em caso de dissolução, todo o
patrimônio deve ser destinado a outra
associação semelhante.
Possui capital social. Cada associado é dono
de parte do patrimônio. Quando ele se afasta
da cooperativa, recebe as suas quotas-partes
corrigidas. Em caso de dissolução da
cooperativa, parte do capital pode retornar
para cada associado.
Remuneração
dos diretores
Os diretores não podem ser remunerados.
Na prática, os diretores têm suas
despesas, decorrentes do cargo, pagas
pela associação, como despesas gerais.
Os diretores podem ser remunerados com
retirada pró-labore, desde que conste no
estatuto aprovado em assembleia geral.
As retiradas são controladas pelo conselho
fiscal da cooperativa.
Destino das
sobras
Não podem ser distribuídas aos
associados. Caso ocorram, devem ser
inteiramente aplicadas nos objetivos da
associação. Em geral, são usadas para
festas ou compra de algum bem para a
associação.
Podem ser distribuídas aos associados,
na proporção de suas operações com a
cooperativa. Isso após o desconto de todos
os fundos e destinações obrigatórias,
conforme o estatuto. Em geral, as sobras são
incorporadas ao capital da cooperativa.
Fonte: Abrantes, 2004
DIFERENÇAS ENTRE ASSOCIATIVISMO E COOPERATIVISMO
aula-22.pptx
aula-22.pptx
REFERÊNCIAS
IDESAM, Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas. Cartilha
de Associativismo e Cooperativismo. Disponível em
http://www.idesam.org.br/noticias/informa/2010/pdf/CARTILHA_ASSOCIATIVISMO.pdf.
Acessado em 24/09/12.
INSTITUTO ECOLÓGICA. Cartilha de Associativismo e Cooperativismo, 2007.
http://www.ecologica.org.br/index.php. Acessado em 24/09/12.
MAPA, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em
http://www.agricultura.gov.br/cooperativismo-associativismo/associativismo-rural
Acessado em 26/09/12.
PAIS, Produção Agroecológica Integrada e Sustentável. Cartilha do Agricultor Familiar,
Associativismo e cooperativismo solidário. Fundação Banco do Brasil. Disponível em
www.fbb.org.br/portal/pages/publico/pais/cartilha1.pdf. Acessado em 24/09/12.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a aula-22.pptx

Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Ariel Pascke
 
Tratado De Sintonia
Tratado De  SintoniaTratado De  Sintonia
Tratado De Sintonia
Ariel Pascke
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Vai Totó
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Vai Totó
 
Autogestão
Autogestão   Autogestão
Autogestão
SamillaSantosdeDeus
 
Cooperativismo e associativismo - Conceitos
Cooperativismo e associativismo - ConceitosCooperativismo e associativismo - Conceitos
Cooperativismo e associativismo - Conceitos
andersonwebler1
 
Curso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismoCurso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismo
corevisa
 
Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011
Vai Totó
 
Cooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdfCooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdf
Adm.Geisiane Soares
 
153 -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
153  -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212153  -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
153 -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
Edvaldo Magalhães Magalhães
 
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITOCOOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
INSTITUTO VOZ POPULAR
 
ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5
Karlla Costa
 
A Importâcia das Cooperativas Agrícolas no Combate a Fome e Pobreza
A Importâcia das Cooperativas Agrícolas no Combate a Fome e PobrezaA Importâcia das Cooperativas Agrícolas no Combate a Fome e Pobreza
A Importâcia das Cooperativas Agrícolas no Combate a Fome e Pobreza
Development Workshop Angola
 
Tipologia Cooperativista
Tipologia CooperativistaTipologia Cooperativista
Tipologia Cooperativista
ejaes
 
Como criar e administrar associações de produtores rurais
Como criar e administrar associações de produtores ruraisComo criar e administrar associações de produtores rurais
Como criar e administrar associações de produtores rurais
Lenildo Araujo
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
Karlla Costa
 
ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4
Karlla Costa
 
Cooperativismo-contemporaneo 9 aNO.pptx
Cooperativismo-contemporaneo  9 aNO.pptxCooperativismo-contemporaneo  9 aNO.pptx
Cooperativismo-contemporaneo 9 aNO.pptx
AndersonOlinda1
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
Jazon Pereira
 
Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Matheus Yuri
 

Semelhante a aula-22.pptx (20)

Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
 
Tratado De Sintonia
Tratado De  SintoniaTratado De  Sintonia
Tratado De Sintonia
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
 
Autogestão
Autogestão   Autogestão
Autogestão
 
Cooperativismo e associativismo - Conceitos
Cooperativismo e associativismo - ConceitosCooperativismo e associativismo - Conceitos
Cooperativismo e associativismo - Conceitos
 
Curso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismoCurso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismo
 
Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011
 
Cooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdfCooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdf
 
153 -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
153  -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212153  -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
153 -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
 
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITOCOOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
 
ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5
 
A Importâcia das Cooperativas Agrícolas no Combate a Fome e Pobreza
A Importâcia das Cooperativas Agrícolas no Combate a Fome e PobrezaA Importâcia das Cooperativas Agrícolas no Combate a Fome e Pobreza
A Importâcia das Cooperativas Agrícolas no Combate a Fome e Pobreza
 
Tipologia Cooperativista
Tipologia CooperativistaTipologia Cooperativista
Tipologia Cooperativista
 
Como criar e administrar associações de produtores rurais
Como criar e administrar associações de produtores ruraisComo criar e administrar associações de produtores rurais
Como criar e administrar associações de produtores rurais
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
 
ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4
 
Cooperativismo-contemporaneo 9 aNO.pptx
Cooperativismo-contemporaneo  9 aNO.pptxCooperativismo-contemporaneo  9 aNO.pptx
Cooperativismo-contemporaneo 9 aNO.pptx
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
 

Último

PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 

aula-22.pptx

  • 1. COOPERATIVISMO Prof. Fábio Massena https://professormassena.wordpress.com/ Departamento de Ciências Agrárias e Ambientais – DCAA Área de Conhecimento de Ciência do Desenvolvimento Agrário Colegiado de Agronomia
  • 3. ASSOCIATIVISMO O Associativismo é uma forma de organização que tem como finalidade conseguir benefícios comuns para seus associados por meio de ações coletivas. Pode ser formada por um grupo de duas ou mais pessoas que se organizam para defender seus interesses comuns, sem fins lucrativos e com personalidade jurídica (Instituto Ecológica, 2007).
  • 4. O associativismo é fruto da luta pela sobrevivência e pela melhoria das condições de vida nas comunidades, todo o patrimônio de uma associação é constituído pelos associados ou membros, logo, as associações não possuem fins lucrativos. Nas comunidades a participação, a solidariedade, a cooperação em torno de objetivos comuns, são fundamentais para assegurar melhores condições de vida. Essa prática, mais do que uma forma de organização, é uma construção e uma conquista social. ASSOCIATIVISMO
  • 6. 1 Princípio da Adesão Voluntária e Livre As associações são organizações voluntárias, abertas a todas as pessoas dispostas a aceitar as responsabilidades de sócio, sem discriminação social, racial, política, religiosa e de gênero.
  • 7. 2 Princípio da Gestão Democrática pelos Sócios As associações são organizações democráticas, controladas por seus sócios, que participam ativamente no estabelecimento de suas políticas e na tomada de decisões, sendo os gestores eleitos pela maioria para atender a necessidade de todos.
  • 8. 3 Princípio da Participação Econômica dos Sócios Os sócios contribuem de forma justa e controlam democraticamente as suas associações através de deliberação em assembléia geral.
  • 9. 4 Princípio da Autonomia de Independência As associações podem entrar em acordo operacional com outras entidades, inclusive governamentais, ou recebendo capital de origem externa, devem fazê-lo de forma a preservar seu controle democrático pelos sócios e manter sua autonomia.
  • 10. 5 Princípio da Educação, Formação e Informação As associações devem proporcionar educação e formação. Os dirigentes eleitos devem contribuir efetivamente para o desenvolvimento da comunidade. Eles deverão informar o público em geral, particularmente os jovens e os líderes formadores de opinião, sobre a natureza e os benefícios da cooperação.
  • 11. 6 Princípio da Interação As associações atendem a seus sócios mais efetivamente e fortalecem o movimento associativista trabalhando juntas, através de estruturas locais, nacionais, regionais e internacionais.
  • 12. 7 Interesse pela Comunidade As associações trabalham pelo desenvolvimento sustentável de suas comunidades, municípios, regiões, estados e país através de políticas aprovadas por seus membros.
  • 13. Além das associações, as cooperativas também são forma de associativismo, porém: • As cooperativas são organizações de pelo menos vinte pessoas físicas unidas pela cooperação e ajuda mútua; • Gestão democrática e participativa; • Com objetivos econômicos e sociais comuns; • Os aspectos legais e doutrinários são diferentes de outras sociedades.
  • 14. COOPERATIVISMO É uma forma de se organizar por meio da união de pessoas, com objetivo de unir forças para atingir desenvolvimento financeiro, econômico e social (Instituto Ecológica, 2007). O principal objetivo de uma cooperativa é comercializar a produção dos seus membros, permitindo que seus cooperados gerem renda e possa reinvestir parte desses benefícios para o bem comum do grupo. Assim, todos os membros das cooperativas são também donos delas, uma vez que cada cooperando contribui com uma quantia em dinheiro para formar o capital social da mesma.
  • 15. COOPERATIVISMO NO MEIO RURAL Nasce das necessidades dos agricultores em unir- se em prol de um objetivo em comum. Para conseguirem introduzir seus alimentos no mercado consumidor os agricultores se juntam e formam as cooperativas. Unidos os agricultores conseguem ganhar nome e fixar uma marca fazendo com que barreiras sejam quebradas e consigam uma representatividade maior perante o mercado consumidor.
  • 16. COOPERATIVISMO NO MEIO RURAL Os benefícios conquistados, tanto na questão material como tratores, sementes, colheitadeira entre outros, como também na questão do crédito, fortalece a ideia que juntos os cooperados podem colocar-se como uma classe que possui um lugar representativo em meio aos grandes produtores rurais. Assim, a cooperativa é um meio de tornar o trabalho do pequeno agricultor reconhecido e fazer com que o mesmo tenha um espaço no mercado consumidor.
  • 17. CARACTERÍSTICAS DO COOPERATIVISMO • Organização de pelo menos vinte pessoas físicas unidas pela cooperação e ajuda mútua; • Gestão democrática e participativa, com objetivos econômicos e sociais comuns; • Aspectos legais e doutrinários são distintos de outras sociedades; • Fundamenta-se a economia solidária; • Pode ser dirigida e controlada pelos próprios cooperados.
  • 19. 1 Adesão voluntária e livre São organizações voluntárias, abertas à participação de todos que estiverem dispostos em disponibilizar seus serviços e assumir responsabilidades como membros. A pessoa deve conhecer e respeitar os acordos definidos no Estatuto da Cooperativa.
  • 20. 2 Gestão democrática As cooperativas são organizações democráticas e controladas pelos seus membros, que participam ativamente na criação das políticas internas, como também na tomada de decisões. Os cooperados elegem seus representantes e se reúnem em assembléias para discutirem e votarem os objetivos e metas do trabalho em conjunto. sustentável desta.
  • 21. 3 Participação econômica Todos os membros participam da formação do capital social da cooperativa. Assim, todos também têm direito aos rendimentos da mesma quando estes forem colocados em partilha.
  • 22. 4 Autonomia e independência São organizações autônomas, controladas pelos próprios membros. Podendo firmar acordos com outras organizações ou recorrer ao capital externo, devendo assegurar nesses acordos os controle democrático pelos seus membros e manter a autonomia da cooperativa.
  • 23. 5 Educação, formação e informação A cooperativa promove a educação e formação dos seus membros, dos representantes eleitos e dos trabalhadores, de forma que estes possam contribuir, eficazmente, para o desenvolvimento de suas cooperativas. Além, de levar também a informação para o público em geral, em especial os jovens.
  • 24. 6 Intercooperação Fortalecimento do intercâmbio de informações, produtos e serviços entre as cooperativas viabilizando o setor da atividade socioeconômica.
  • 25. 7 Compromisso com a comunidade As cooperativas devem firmar um compromisso com a comunidade no sentido de trabalharem para o desenvolvimento sustentável desta.
  • 27. OBJETIVOS DE UMA COOPERATIVA 1. Constituir uma sociedade justa e livre, através de uma organização social e econômica da comunidade em bases democráticas; 2. Atender as necessidades reais dos cooperados, ou seja, prestar serviços a seus associados; 3. Obter um desempenho econômico eficiente, através da produção de bens e serviços com qualidade e da confiabilidade transmitida a seus próprios associados e clientes.
  • 28. BENEFÍCIOS • Pode ser dirigida e controlada pelos próprios cooperados. • Menor custo operacional em relação aos bancos. • Crédito imediato e adequado às condições dos cooperados. • Atendimento personalizado. • Facilidade em abrir contas. • Possibilidades de os associados se beneficiarem da distribuição de sobras ou excedentes.
  • 29. Associação Cooperativa Objetivos Sociais amplos e menos definidos. Promove a melhoria técnica, profissional e cultural dos Associados. Sociais, econômicos e culturais. Desenvolve atividades produtivas, integrando pessoas em busca de uma vida mais justa. Patrimônio Não possui capital social. O patrimônio é integralmente da associação. Quando um associado se afasta não recebe a sua parte. Em caso de dissolução, todo o patrimônio deve ser destinado a outra associação semelhante. Possui capital social. Cada associado é dono de parte do patrimônio. Quando ele se afasta da cooperativa, recebe as suas quotas-partes corrigidas. Em caso de dissolução da cooperativa, parte do capital pode retornar para cada associado. Remuneração dos diretores Os diretores não podem ser remunerados. Na prática, os diretores têm suas despesas, decorrentes do cargo, pagas pela associação, como despesas gerais. Os diretores podem ser remunerados com retirada pró-labore, desde que conste no estatuto aprovado em assembleia geral. As retiradas são controladas pelo conselho fiscal da cooperativa. Destino das sobras Não podem ser distribuídas aos associados. Caso ocorram, devem ser inteiramente aplicadas nos objetivos da associação. Em geral, são usadas para festas ou compra de algum bem para a associação. Podem ser distribuídas aos associados, na proporção de suas operações com a cooperativa. Isso após o desconto de todos os fundos e destinações obrigatórias, conforme o estatuto. Em geral, as sobras são incorporadas ao capital da cooperativa. Fonte: Abrantes, 2004 DIFERENÇAS ENTRE ASSOCIATIVISMO E COOPERATIVISMO
  • 32. REFERÊNCIAS IDESAM, Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas. Cartilha de Associativismo e Cooperativismo. Disponível em http://www.idesam.org.br/noticias/informa/2010/pdf/CARTILHA_ASSOCIATIVISMO.pdf. Acessado em 24/09/12. INSTITUTO ECOLÓGICA. Cartilha de Associativismo e Cooperativismo, 2007. http://www.ecologica.org.br/index.php. Acessado em 24/09/12. MAPA, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em http://www.agricultura.gov.br/cooperativismo-associativismo/associativismo-rural Acessado em 26/09/12. PAIS, Produção Agroecológica Integrada e Sustentável. Cartilha do Agricultor Familiar, Associativismo e cooperativismo solidário. Fundação Banco do Brasil. Disponível em www.fbb.org.br/portal/pages/publico/pais/cartilha1.pdf. Acessado em 24/09/12.