SlideShare uma empresa Scribd logo
AQUECIMENTO SOLAR DE
ÁGUA, com apoio a gás
Ademar Angst
Confortec Tecnologia e Soluções
Soluções para: Instalações Individuais
e Coletivas
Nossa reflexão:
nosso futuro comum
Sustentabilidade / Economia de Energia
Buscar soluções sustentáveis para aquecimento
de água e geração de energia elétrica e assim
reduzir os impactos ambientais.
Este é o nosso desafio!
"Atender as necessidades da geração atual sem
comprometer os recursos naturais para as
gerações futuras“ Brundtland 1987
Foto:IraMargarido
Sustentabilidade:
social, ambiental e econômica
Configurações de aquecimento
Vamos falar sobre aquecimento solar de água,
especificamente sobre sistemas coletivos com
apoio complementar, por aquecedor de
passagem.
A tecnologia disponível, permite uma ampla
aplicabilidade deste conceito, por meio de
sistemas, configurações, projetados para cada
necessidade.
Configuração 1
1 Sistema de aquecimento solar associado a
aquecedor de passagem individual:
Pontos de
Consumo
Figura 1 – Esquema sistema solar com aquecedores de passagem a gás natural
Fonte: Apostila de Treinamento – Eng° Jorge Chaguri
Configuração 1
• Neste tipo de configuração, necessita haver um
sistema de aquecimento solar coletivo, com
dimensionamento adequado para atender a
demanda requerida.
• Um aquecedor de passagem, instalando em cada
unidade habitacional, com dispositivos que façam
a leitura da temperatura da água de entrada,
acionem o equipamento apenas para
complementar a temperatura requerida.
Configuração 2
Aquecimento Solar associado a um sistema de acumulação individual:
consumo
consumo
consumo
consumo
continuação
sistema baixo
Legenda:
AQ – aquecedor a gás natural M
– medidor de consumo
B – bomba de recirculação R
– redutora de pressão
Figura 2 – Sistema com acumulador por unidade habitacional
Configuração 2
• Nesta configuração não há necessidade de instalar um
reservatório coletivo para o sistema. Aqui as placas solares
efetuam o aquecimento de um circuito fechado de recirculação,
que efetua o aquecimento de água em pequenos tanques
instalados em cada unidade habitacional, por meio de um
trocador de calor. Assim, ao invés de existir um único
reservatório maior, haverá diversos pequenos reservatórios
individuais dentro do conjunto habitacional.
• O aquecimento complementar deverá ser feito por meio de um
aquecedor de passagem, acionado por uma válvula misturadora
instalada entre o reservatório e o aquecedor, que conduzirá a
água pelo aquecedor, quando a temperatura estiver fora da
faixa selecionada.
Configuração 3
Aquecimento solar associado a sistema conjugado coletivo, com apoio a gás
Figura 3 – Esquema sistema solar com sistema conjugado coletivo Fonte:
Apostila de Treinamento – Eng° Jorge Chaguri
Aquecedor
(gás natural)
Pontos de
consumo
Configuração 3
Nesta configuração, haverá um conjunto de
equipamentos que fará o pré-aquecimento de um
volume de água significativo interligado com as placas de
absorção. O complemento de aquecimento será realizado
por um aquecedor de passagem, interligado a um tanque
em circuito fechado, dimensionado de acordo com a
demanda do conjunto habitacional, no qual haverá água
disponível pranta para consumo.
Conheça nossas soluções
Aquecimen
to Solar
Energia
Solar
Aquecedor
de Passagem
Aquecimento
de Piscina
Somos especialistas em água quente
Desenvolvido por Ademar Angst
Crea 107508
Para gerar
soluções
sustentáveis sob
medida para
cada
necessidade!
Melhores
tecnologias
Busca
continua
Nossos desafios
www.confortec.com.br
Bibliografia
• Manual de Instalações Sistema de aquecimento
Solar & Gás Natural, julho 2009 Comgás
• Apostila de treinamento técnico Aquecedores de
passagem a gás, Komeco2014
• Apostila treinamento técnico Aquecedor Solar
Komeco 2015
• www.confortec.com.br
• https://www.youtube.com/watch?v=hwPBnwJXN
lE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Energia do dia a dia
Energia do dia a diaEnergia do dia a dia
Energia do dia a dia
Enio Silva De Lima
 
Energia: transformação e conservação
Energia: transformação e conservaçãoEnergia: transformação e conservação
Energia: transformação e conservação
Carlos Priante
 
Aquecedor Solar Orbis
Aquecedor Solar OrbisAquecedor Solar Orbis
Aquecedor Solar Orbis
Loja Cumulus
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
João Lopes
 
Energia no Presente e no Futuro
Energia no Presente e no FuturoEnergia no Presente e no Futuro
Energia no Presente e no Futuro
Elisabete Trentin
 
Aula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energiaAula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energia
João Paulo Luna
 
Aquecedor solar
Aquecedor solarAquecedor solar
Aquecedor solar
Greicy Moeckel
 
Trabalho de ciências Victor Habakuk
Trabalho de ciências Victor HabakukTrabalho de ciências Victor Habakuk
Trabalho de ciências Victor Habakuk
Bruna Evelin
 
energias
energiasenergias
energias
helenabenfica
 
Consumo de energia elétrica em uma casa
Consumo de energia elétrica em uma casaConsumo de energia elétrica em uma casa
Consumo de energia elétrica em uma casa
Ricardo Germano
 
Apresentação Aquecimento Solar para Banho
Apresentação Aquecimento Solar para BanhoApresentação Aquecimento Solar para Banho
Apresentação Aquecimento Solar para Banho
Pool Shop Piscinas Ltda
 
Energia Solar Powerpoint
Energia Solar PowerpointEnergia Solar Powerpoint
Energia Solar Powerpointkravmagense
 
Transformacoes transferencias energia
Transformacoes transferencias energiaTransformacoes transferencias energia
Transformacoes transferencias energia
nanasimao
 
Pmd II final FIP-MOC 2010
Pmd II final FIP-MOC 2010Pmd II final FIP-MOC 2010
Pmd II final FIP-MOC 2010
Josué Ferreira
 
Carlos faria cidades-solares-a_experiencia_nacional_e_de_sp
Carlos faria cidades-solares-a_experiencia_nacional_e_de_spCarlos faria cidades-solares-a_experiencia_nacional_e_de_sp
Carlos faria cidades-solares-a_experiencia_nacional_e_de_sp
Agassis Rodrigues
 
Energia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamentoEnergia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamento
Renato Villela
 
Trabalho de física
Trabalho de físicaTrabalho de física
Trabalho de física
Jamille Nunez
 
Energia solar, o que é e como pode ser aproveitada.
Energia solar, o que é e como pode ser aproveitada.Energia solar, o que é e como pode ser aproveitada.
Energia solar, o que é e como pode ser aproveitada.
Ana Karen Batista
 
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série CTrabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
luisfernandobevilacqua
 
G2 energia térmica
G2   energia térmicaG2   energia térmica
G2 energia térmica
cristbarb
 

Mais procurados (20)

Energia do dia a dia
Energia do dia a diaEnergia do dia a dia
Energia do dia a dia
 
Energia: transformação e conservação
Energia: transformação e conservaçãoEnergia: transformação e conservação
Energia: transformação e conservação
 
Aquecedor Solar Orbis
Aquecedor Solar OrbisAquecedor Solar Orbis
Aquecedor Solar Orbis
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
Energia no Presente e no Futuro
Energia no Presente e no FuturoEnergia no Presente e no Futuro
Energia no Presente e no Futuro
 
Aula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energiaAula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energia
 
Aquecedor solar
Aquecedor solarAquecedor solar
Aquecedor solar
 
Trabalho de ciências Victor Habakuk
Trabalho de ciências Victor HabakukTrabalho de ciências Victor Habakuk
Trabalho de ciências Victor Habakuk
 
energias
energiasenergias
energias
 
Consumo de energia elétrica em uma casa
Consumo de energia elétrica em uma casaConsumo de energia elétrica em uma casa
Consumo de energia elétrica em uma casa
 
Apresentação Aquecimento Solar para Banho
Apresentação Aquecimento Solar para BanhoApresentação Aquecimento Solar para Banho
Apresentação Aquecimento Solar para Banho
 
Energia Solar Powerpoint
Energia Solar PowerpointEnergia Solar Powerpoint
Energia Solar Powerpoint
 
Transformacoes transferencias energia
Transformacoes transferencias energiaTransformacoes transferencias energia
Transformacoes transferencias energia
 
Pmd II final FIP-MOC 2010
Pmd II final FIP-MOC 2010Pmd II final FIP-MOC 2010
Pmd II final FIP-MOC 2010
 
Carlos faria cidades-solares-a_experiencia_nacional_e_de_sp
Carlos faria cidades-solares-a_experiencia_nacional_e_de_spCarlos faria cidades-solares-a_experiencia_nacional_e_de_sp
Carlos faria cidades-solares-a_experiencia_nacional_e_de_sp
 
Energia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamentoEnergia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamento
 
Trabalho de física
Trabalho de físicaTrabalho de física
Trabalho de física
 
Energia solar, o que é e como pode ser aproveitada.
Energia solar, o que é e como pode ser aproveitada.Energia solar, o que é e como pode ser aproveitada.
Energia solar, o que é e como pode ser aproveitada.
 
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série CTrabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
Trabalho sobre tipos de energia - Gustavo 7ª série C
 
G2 energia térmica
G2   energia térmicaG2   energia térmica
G2 energia térmica
 

Destaque

Entenda de vez a crise no brasil (+ 3 dicas para SUPERAR)
Entenda de vez a crise no brasil (+ 3 dicas para SUPERAR)Entenda de vez a crise no brasil (+ 3 dicas para SUPERAR)
Entenda de vez a crise no brasil (+ 3 dicas para SUPERAR)
Joemille Leal
 
La Economía como una Ciencia
La Economía como una CienciaLa Economía como una Ciencia
La Economía como una Ciencia
ULACEX2014
 
Capitalismo Político e Econômico
Capitalismo Político e Econômico Capitalismo Político e Econômico
Capitalismo Político e Econômico
Guilherme Lopes
 
Mary Kay Slide Show
Mary Kay Slide ShowMary Kay Slide Show
Mary Kay Slide Show
Tlfleming
 
Linking The Organizational Vision To The Individual By Creating A Strategic L...
Linking The Organizational Vision To The Individual By Creating A Strategic L...Linking The Organizational Vision To The Individual By Creating A Strategic L...
Linking The Organizational Vision To The Individual By Creating A Strategic L...
Claudia Rubino
 
Probabilidade e Estatística - Aula 01
Probabilidade e Estatística - Aula 01Probabilidade e Estatística - Aula 01
Probabilidade e Estatística - Aula 01
Augusto Junior
 
Mary kay ppt
Mary kay pptMary kay ppt
Mary kay ppt
Alex Yzaguirre
 
A crise de 1929 prof nélia-2016
A crise de 1929 prof nélia-2016A crise de 1929 prof nélia-2016
A crise de 1929 prof nélia-2016
Nelia Salles Nantes
 
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZALIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
Lourinaldo Serafim
 
Amcham cubo
Amcham cuboAmcham cubo
WOW
WOWWOW
10 Passos SETA Hinode
10 Passos SETA Hinode10 Passos SETA Hinode
10 Passos SETA Hinode
George Pereira
 
8 simples passos para inovar de forma revolucionaria
8 simples passos para inovar de forma revolucionaria8 simples passos para inovar de forma revolucionaria
8 simples passos para inovar de forma revolucionaria
Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação
 
Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!
Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!
Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!
Ademar Angst
 
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZALIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 
Mmm 2009
Mmm  2009Mmm  2009
Mmm 2009
Susana Vazquez
 
Devry acct 553 midterm exam
Devry acct 553 midterm examDevry acct 553 midterm exam
Devry acct 553 midterm exam
thomasrebello13
 
ANIMALES D'ASTURIES
ANIMALES D'ASTURIESANIMALES D'ASTURIES
ANIMALES D'ASTURIES
fomen2
 
QSAR Studies of the Inhibitory Activity of a Series of Substituted Indole and...
QSAR Studies of the Inhibitory Activity of a Series of Substituted Indole and...QSAR Studies of the Inhibitory Activity of a Series of Substituted Indole and...
QSAR Studies of the Inhibitory Activity of a Series of Substituted Indole and...
inventionjournals
 
Rain, Rain And Triumphant Rain
Rain, Rain And Triumphant RainRain, Rain And Triumphant Rain
Rain, Rain And Triumphant Rain
Nikhil Parekh
 

Destaque (20)

Entenda de vez a crise no brasil (+ 3 dicas para SUPERAR)
Entenda de vez a crise no brasil (+ 3 dicas para SUPERAR)Entenda de vez a crise no brasil (+ 3 dicas para SUPERAR)
Entenda de vez a crise no brasil (+ 3 dicas para SUPERAR)
 
La Economía como una Ciencia
La Economía como una CienciaLa Economía como una Ciencia
La Economía como una Ciencia
 
Capitalismo Político e Econômico
Capitalismo Político e Econômico Capitalismo Político e Econômico
Capitalismo Político e Econômico
 
Mary Kay Slide Show
Mary Kay Slide ShowMary Kay Slide Show
Mary Kay Slide Show
 
Linking The Organizational Vision To The Individual By Creating A Strategic L...
Linking The Organizational Vision To The Individual By Creating A Strategic L...Linking The Organizational Vision To The Individual By Creating A Strategic L...
Linking The Organizational Vision To The Individual By Creating A Strategic L...
 
Probabilidade e Estatística - Aula 01
Probabilidade e Estatística - Aula 01Probabilidade e Estatística - Aula 01
Probabilidade e Estatística - Aula 01
 
Mary kay ppt
Mary kay pptMary kay ppt
Mary kay ppt
 
A crise de 1929 prof nélia-2016
A crise de 1929 prof nélia-2016A crise de 1929 prof nélia-2016
A crise de 1929 prof nélia-2016
 
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZALIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
 
Amcham cubo
Amcham cuboAmcham cubo
Amcham cubo
 
WOW
WOWWOW
WOW
 
10 Passos SETA Hinode
10 Passos SETA Hinode10 Passos SETA Hinode
10 Passos SETA Hinode
 
8 simples passos para inovar de forma revolucionaria
8 simples passos para inovar de forma revolucionaria8 simples passos para inovar de forma revolucionaria
8 simples passos para inovar de forma revolucionaria
 
Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!
Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!
Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!
 
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZALIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
 
Mmm 2009
Mmm  2009Mmm  2009
Mmm 2009
 
Devry acct 553 midterm exam
Devry acct 553 midterm examDevry acct 553 midterm exam
Devry acct 553 midterm exam
 
ANIMALES D'ASTURIES
ANIMALES D'ASTURIESANIMALES D'ASTURIES
ANIMALES D'ASTURIES
 
QSAR Studies of the Inhibitory Activity of a Series of Substituted Indole and...
QSAR Studies of the Inhibitory Activity of a Series of Substituted Indole and...QSAR Studies of the Inhibitory Activity of a Series of Substituted Indole and...
QSAR Studies of the Inhibitory Activity of a Series of Substituted Indole and...
 
Rain, Rain And Triumphant Rain
Rain, Rain And Triumphant RainRain, Rain And Triumphant Rain
Rain, Rain And Triumphant Rain
 

Semelhante a Aquecimento solar, soluções para pequenos e médios projetos, individuais e coletivos

Orçamentação de projeto de inst. de sistema solar térmico
Orçamentação de projeto de inst. de sistema solar térmicoOrçamentação de projeto de inst. de sistema solar térmico
Orçamentação de projeto de inst. de sistema solar térmico
Carlos Duarte Castanheira
 
Apostila cogeracao
Apostila cogeracaoApostila cogeracao
Apostila cogeracao
Wagner Branco
 
Eng low-slutlig-ed-pt
Eng low-slutlig-ed-ptEng low-slutlig-ed-pt
Eng low-slutlig-ed-pt
sdcintra
 
Aquecedor Solar de Baixo Custo
Aquecedor Solar de Baixo CustoAquecedor Solar de Baixo Custo
Aquecedor Solar de Baixo Custo
Fabio Brandespim
 
Energia solar 01
Energia solar 01Energia solar 01
Energia solar 01
Lucelio Santos
 
02 energia solar_01_pr
02 energia solar_01_pr02 energia solar_01_pr
C:\Users\Professor\De 2010\Jc Cnpq\A Energia Do Futuro
C:\Users\Professor\De 2010\Jc Cnpq\A Energia Do FuturoC:\Users\Professor\De 2010\Jc Cnpq\A Energia Do Futuro
C:\Users\Professor\De 2010\Jc Cnpq\A Energia Do Futuro
guest393071
 
A Energia Do Futuro
A  Energia Do  FuturoA  Energia Do  Futuro
A Energia Do Futuro
EE MG
 
Aquecedor solar de Água
Aquecedor solar de ÁguaAquecedor solar de Água
Aquecedor solar de Água
Fabio Brandespim
 
ApresentaçãO Spgaia Maio 2012
ApresentaçãO Spgaia   Maio 2012ApresentaçãO Spgaia   Maio 2012
ApresentaçãO Spgaia Maio 2012
Antonio Maia
 
Relatório rendimento
Relatório rendimentoRelatório rendimento
Relatório rendimento
Tanya GAndrade
 
Actividade Experimental Colector
Actividade Experimental ColectorActividade Experimental Colector
Actividade Experimental Colector
fercarbar
 
Vento - 10º C
Vento - 10º CVento - 10º C
Vento - 10º C
Física Química A
 
Apresentação da SPGAIA
Apresentação da SPGAIAApresentação da SPGAIA
Apresentação da SPGAIA
Antonio Maia
 
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais TermoelectricasC:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
formandoeisnt
 
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais TermoelectricasC:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
formandoeisnt
 
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais TermoelectricasC:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
formandoeisnt
 
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais TermoelectricasC:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
formandoeisnt
 
Análise e execução de modelos de aquecedores de água sustentáveis de baixo custo
Análise e execução de modelos de aquecedores de água sustentáveis de baixo custoAnálise e execução de modelos de aquecedores de água sustentáveis de baixo custo
Análise e execução de modelos de aquecedores de água sustentáveis de baixo custo
Valmir Ferreira
 
Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2
Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2
Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2
Sérgio Luis Domingues
 

Semelhante a Aquecimento solar, soluções para pequenos e médios projetos, individuais e coletivos (20)

Orçamentação de projeto de inst. de sistema solar térmico
Orçamentação de projeto de inst. de sistema solar térmicoOrçamentação de projeto de inst. de sistema solar térmico
Orçamentação de projeto de inst. de sistema solar térmico
 
Apostila cogeracao
Apostila cogeracaoApostila cogeracao
Apostila cogeracao
 
Eng low-slutlig-ed-pt
Eng low-slutlig-ed-ptEng low-slutlig-ed-pt
Eng low-slutlig-ed-pt
 
Aquecedor Solar de Baixo Custo
Aquecedor Solar de Baixo CustoAquecedor Solar de Baixo Custo
Aquecedor Solar de Baixo Custo
 
Energia solar 01
Energia solar 01Energia solar 01
Energia solar 01
 
02 energia solar_01_pr
02 energia solar_01_pr02 energia solar_01_pr
02 energia solar_01_pr
 
C:\Users\Professor\De 2010\Jc Cnpq\A Energia Do Futuro
C:\Users\Professor\De 2010\Jc Cnpq\A Energia Do FuturoC:\Users\Professor\De 2010\Jc Cnpq\A Energia Do Futuro
C:\Users\Professor\De 2010\Jc Cnpq\A Energia Do Futuro
 
A Energia Do Futuro
A  Energia Do  FuturoA  Energia Do  Futuro
A Energia Do Futuro
 
Aquecedor solar de Água
Aquecedor solar de ÁguaAquecedor solar de Água
Aquecedor solar de Água
 
ApresentaçãO Spgaia Maio 2012
ApresentaçãO Spgaia   Maio 2012ApresentaçãO Spgaia   Maio 2012
ApresentaçãO Spgaia Maio 2012
 
Relatório rendimento
Relatório rendimentoRelatório rendimento
Relatório rendimento
 
Actividade Experimental Colector
Actividade Experimental ColectorActividade Experimental Colector
Actividade Experimental Colector
 
Vento - 10º C
Vento - 10º CVento - 10º C
Vento - 10º C
 
Apresentação da SPGAIA
Apresentação da SPGAIAApresentação da SPGAIA
Apresentação da SPGAIA
 
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais TermoelectricasC:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
 
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais TermoelectricasC:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
 
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais TermoelectricasC:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
 
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais TermoelectricasC:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
C:\Fakepath\Centrais Termoelectricas
 
Análise e execução de modelos de aquecedores de água sustentáveis de baixo custo
Análise e execução de modelos de aquecedores de água sustentáveis de baixo custoAnálise e execução de modelos de aquecedores de água sustentáveis de baixo custo
Análise e execução de modelos de aquecedores de água sustentáveis de baixo custo
 
Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2
Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2
Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2
 

Último

SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
RafaelDantas32562
 

Último (13)

SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
 

Aquecimento solar, soluções para pequenos e médios projetos, individuais e coletivos

  • 1. AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA, com apoio a gás Ademar Angst Confortec Tecnologia e Soluções Soluções para: Instalações Individuais e Coletivas
  • 3. Sustentabilidade / Economia de Energia Buscar soluções sustentáveis para aquecimento de água e geração de energia elétrica e assim reduzir os impactos ambientais. Este é o nosso desafio!
  • 4. "Atender as necessidades da geração atual sem comprometer os recursos naturais para as gerações futuras“ Brundtland 1987 Foto:IraMargarido Sustentabilidade: social, ambiental e econômica
  • 5. Configurações de aquecimento Vamos falar sobre aquecimento solar de água, especificamente sobre sistemas coletivos com apoio complementar, por aquecedor de passagem. A tecnologia disponível, permite uma ampla aplicabilidade deste conceito, por meio de sistemas, configurações, projetados para cada necessidade.
  • 6. Configuração 1 1 Sistema de aquecimento solar associado a aquecedor de passagem individual: Pontos de Consumo Figura 1 – Esquema sistema solar com aquecedores de passagem a gás natural Fonte: Apostila de Treinamento – Eng° Jorge Chaguri
  • 7. Configuração 1 • Neste tipo de configuração, necessita haver um sistema de aquecimento solar coletivo, com dimensionamento adequado para atender a demanda requerida. • Um aquecedor de passagem, instalando em cada unidade habitacional, com dispositivos que façam a leitura da temperatura da água de entrada, acionem o equipamento apenas para complementar a temperatura requerida.
  • 8. Configuração 2 Aquecimento Solar associado a um sistema de acumulação individual: consumo consumo consumo consumo continuação sistema baixo Legenda: AQ – aquecedor a gás natural M – medidor de consumo B – bomba de recirculação R – redutora de pressão Figura 2 – Sistema com acumulador por unidade habitacional
  • 9. Configuração 2 • Nesta configuração não há necessidade de instalar um reservatório coletivo para o sistema. Aqui as placas solares efetuam o aquecimento de um circuito fechado de recirculação, que efetua o aquecimento de água em pequenos tanques instalados em cada unidade habitacional, por meio de um trocador de calor. Assim, ao invés de existir um único reservatório maior, haverá diversos pequenos reservatórios individuais dentro do conjunto habitacional. • O aquecimento complementar deverá ser feito por meio de um aquecedor de passagem, acionado por uma válvula misturadora instalada entre o reservatório e o aquecedor, que conduzirá a água pelo aquecedor, quando a temperatura estiver fora da faixa selecionada.
  • 10. Configuração 3 Aquecimento solar associado a sistema conjugado coletivo, com apoio a gás Figura 3 – Esquema sistema solar com sistema conjugado coletivo Fonte: Apostila de Treinamento – Eng° Jorge Chaguri Aquecedor (gás natural) Pontos de consumo
  • 11. Configuração 3 Nesta configuração, haverá um conjunto de equipamentos que fará o pré-aquecimento de um volume de água significativo interligado com as placas de absorção. O complemento de aquecimento será realizado por um aquecedor de passagem, interligado a um tanque em circuito fechado, dimensionado de acordo com a demanda do conjunto habitacional, no qual haverá água disponível pranta para consumo.
  • 12. Conheça nossas soluções Aquecimen to Solar Energia Solar Aquecedor de Passagem Aquecimento de Piscina Somos especialistas em água quente
  • 13. Desenvolvido por Ademar Angst Crea 107508 Para gerar soluções sustentáveis sob medida para cada necessidade! Melhores tecnologias Busca continua Nossos desafios www.confortec.com.br
  • 14. Bibliografia • Manual de Instalações Sistema de aquecimento Solar & Gás Natural, julho 2009 Comgás • Apostila de treinamento técnico Aquecedores de passagem a gás, Komeco2014 • Apostila treinamento técnico Aquecedor Solar Komeco 2015 • www.confortec.com.br • https://www.youtube.com/watch?v=hwPBnwJXN lE