SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
Engenhariade
Produção
PROJETO
MULTIDISCIPLINAR II
Aquecedor Solar
Tutor: Ramon Alves de Oliveira
•Gestão Ambiental
•Cálculo II
•Física I
•Desenho Técnico
•Introdução à Ciência da
Computação (ICC)
Engenhariade
Produção
TEMA:
A energia renovável aplicada na redução da energia
convencional a (Elétrica).
Engenhariade
Produção
Introdução
• O município de Montes Claros está situado ao norte do
Estado de Minas Gerais, o clima é do tipo tropical
semi-árido, quente e seco, com períodos de chuvas
concentradas entre os meses de outubro a março,
estando assim, a maior parte do ano sobre forte
incidência solar. Por esse motivo, percebe-se um
favorecimento da implementação e utilização dos
benefícios da energia renovável através do aquecedor
solar no local, sendo desenvolvido para famílias de
baixa renda e, com intuito de redução no consumo de
energia elétrica.
Engenhariade
Produção
• A conversão direta da energia solar em energia
elétrica ocorre pelos efeitos da radiação (calor e
luz) sobre determinados materiais,
particularmente os semicondutores.
• No caso do aquecedor solar é conhecido como
termoelétrico e é a radiação solar que atinge
uma superfície escura e é transformada em calor
que aquecerá certa quantidade de água.
Engenhariade
Produção
Em tempos de sustentabilidade, investir em
energia solar é lei. Desde julho de 2008 é
obrigatório na cidade de São Paulo o uso de
aquecedores solares em residências com
quatro ou mais banheiros, no sistema de
aquecimento de piscinas e em
estabelecimentos que fazem uso intensivo de
água quente, tais como academias, hotéis,
clínicas, entre outros, conforme determina o
artigo 3 da lei municipal 14.459/07.
A volta dos sistemas de
aquecimento solar
Engenhariade
Produção
A lei também define que residências novas
com até três dormitórios tenham pelo menos a
infraestrutura instalada para futuramente
receber o sistema de aquecimento, isto é:
tubulação em cobre ou em outro material
adequado à água quente, tal como o CPVC.
Outras cidades como Ribeirão Pires (SP),
Jundiaí e Campo Grande (SP) criaram leis de
incentivo ao uso de aquecedor solar.
Engenhariade
Produção
PROBLEMAS:
• Qual é o custo do equipamento?
• Qual é o ganho do equipamento X luz?
• Quais são as condições climáticas da região?
• Qual é o tempo médio dos banhos?
Engenhariade
Produção
• É um equipamento utilizado para o Aquecimento
da água pelo calor do sol e seu armazenamento
para uso posterior. É composto por coletores
solares (placas), onde ocorre o Aquecimento da
água através dos raios solares e um reservatório
térmico (boiler), onde é armazenada a Água
Quente para ser utilizada posteriormente, tendo
em vista que a maior utilização é no período
noturno, quando não temos mais sol.
O que é um Aquecedor Solar?
Engenhariade
Produção
Qual temperatura a água pode atingir
com um sistema de Aquecimento
Solar?
• A temperatura obtida na água com o uso de um
Aquecedor Solar dependerá de fatores diversos
como: região, tecnologia empregada, tipo de
aplicação, época do ano, condições
climatológicas e características relacionadas às
condições de instalação.
Engenhariade
Produção
OBJETIVO GERAL:
Conhecer e Analisar os benefícios da energia
renovável através do Aquecedor Solar.
Engenhariade
Produção
Objetivo Específicos
Gestão Ambiental
• Conhecer os tipos de energia.
• Conhecer as características do local de estudo .
• Conhecer a eficácia da implementação da
energia solar.
Engenhariade
Produção
Objetivo Específicos
Cálculo II
Estabelecer uma relação entre o consumo
de energia e o valor pago.
Engenhariade
Produção
Objetivo Específicos
Física I
Melhorar o consumo de energia elétrica nas casas
através do aquecedor solar.
Engenhariade
Produção
Objetivo Específicos
Desenho Técnico
Representar o projeto arquitetônico no local onde
será instalado o projeto do aquecedor solar.
Engenhariade
Produção
Objetivo Específicos
Introdução a Ciência da
Computação (ICC)
• Elaborar uma planilha eletrônica, para calcular os
dados coletados.
• Fazer a montagem dos gráficos dos mesmos
• Desenvolver um sistema de divulgação do projeto,
com a criação de um blog.
Engenhariade
Produção
JUSTIFICATIVA
• Justifica-se por este projeto a viabilidade de implementação do
aquecedor solar através da energia renovável com o propósito de
redução de custo, consumo de energia convencional (elétrica) e
preservação dos recursos naturais.
• Analisando as demais fontes de energia existente, podemos
notar que grande parte não é renovável e além do mais degrada
o meio ambiente, fazendo-se necessário uma mudança de hábito
o mais rápido possível quanto ao consumo consciente de
energia.
Engenhariade
Produção
Metodologia
Fabricação e Montagem do Aquecedor Solar – ASBC
Detalhe do corte no tubo
Montagem do Forro PVC
no tubo
Engenhariade
Produção
Teste de Estanqueidade
(vazamentos).
Pintura do Forro PVC
Engenhariade
Produção
Coletor Montado
Coletor Instalado
Engenhariade
Produção
Coletor instalado no telhado
Reservatório instalado
dentro do telhado
Engenhariade
Produção
Detalhe da Bóia
e do Pescador
Medição da Temperatura no
Reservatório
Engenhariade
Produção
Temperatura às 16:00 Horas
(no Reservatório)
Temperatura às 20:00 Horas.
(no Chuveiro)
Engenhariade
Produção
Montagem da tubulação
no Chuveiro
Registro de água quente
Engenhariade
Produção
Entrada água
quente e fria no Chuveiro
Engenhariade
Produção
Metodologia
Para avaliação do sistema, foram registrados dados duas vezes ao dia (8:00 h e
15:00 h), horários de maior incidência solar, durante o mês de Setembro,
relativo à temperatura da água no reservatório. Foram utilizados dois
instrumentos de medição.
Engenhariade
Produção
O termômetro de contato digital.
Engenhariade
Produção
Radiômetro portátil (Raytec)
Engenhariade
Produção
A diferença máxima de temperatura da água no reservatório foi usada para
calcular a quantidade de energia gerada pelo sistema por meio da formula de
calorimetria
Q = m x c x ∆t
A energia produzida pelo sistema em Kcal foi dividida pelo fator de
conversão (860) para quantificá-la em kWh
(1 kWh equivale a 860Kcal)
Engenhariade
Produção
Para o cálculo do consumo de um chuveiro elétrico na posição inverno de
5.500 Watts ou 5,5 KW, foi utilizada a equação para Cálculo de Consumo de
Energia equipamentos elétricos, conforme orientação da Companhia
Energética de Minas Gerais (CEMIG).
Equação para Cálculo de Consumo de Energia:
E = P x T x Np x Nd
1000
Engenhariade
Produção
Desenho do Aquecedor Solar
ASBC
Engenhariade
Produção
Funcionamento Básico do
Aquecedor Solar
• Ver vídeo
Engenhariade
Produção
Análise dos Dados
• Cálculo da quantidade de água consumida.
• Os primeiros dados dizem respeito ao cálculo da
quantidade de água consumida por banho no chuveiro,
buscou-se levantar a vazão do chuveiro e o tempo de
banho dos moradores. A análise dos dados obtidos na
pesquisa permitiu ver de forma clara os reais dados.
• Percebe-se que a média de tempo de banho foi
introduzida na pesquisa para melhor coleta dos dados
sendo assim a quantidade necessária para um banho
será de 40 litros, sendo 2 banhos por dia, cada morador
então gastará 80 litros por dia.
Engenhariade
Produção
• O sistema gera certa quantidade de energia, sendo
necessária a utilização de uma formula de calorimetria
para extrair esses dados. A energia produzida pelo sistema
em Kcal foi dividida pelo fator conversão (860) para
quantificá-la em kWh ( 1kWh equivale a 860 Kcal ).
• Observamos que a temperatura do aquecedor tem sido
satisfatória alcançando a média de 25,4° na parte da
manhã e na parte da tarde chegando à incrível média de
42,36°.
Engenhariade
Produção
• Já que o sistema tem a incrível capacidade de
esquentar a água em altas temperaturas faz com
que o aquecedor seja viável para implementação
nas residências de classe baixa.
Engenhariade
Produção
A QUANTIDADE DE ENERGIA GERADA
PELO SISTEMA
• A diferença máxima de temperatura da água no reservatório foi usada
para calcular a quantidade de energia gerada pelo sistema por meio da
formula de calorimetria
• Q = m x c x ∆t, segundo luz; Álvares.
• Onde:
• Q = Energia produzida em cal.
• m = massa da água em g.
• c = Calor específico cal/g.°C. (para a água esse valor é 1,0 cal/g.°C.)
• ∆t = Variação da temperatura (°C).
• Q=250000g x 1 x 16,96
• Q=4240000 / 1000
• Q=4240 Kcal
Engenhariade
Produção
• A energia produzida pelo sistema em Kcal foi dividida pelo
fator de conversão (860) para quantificá-la em kWh (1 kWh
equivale a 860Kcal).
• E=Q / 860
• E=4240 / 860
• E=4,93 KW.
• Este valor obtido é o correspondente a energia gerada pelo
aquecedor para aquecer a caixa d’água.
Engenhariade
Produção
• Para o cálculo do consumo de um chuveiro elétrico na
posição inverno de 5.500 Watts ou 5,5 KW, foi utilizada a
equação para Cálculo de Consumo de Energia equipamentos
elétricos, conforme orientação da Companhia Energética de
Minas Gerais (CEMIG).
• Fizemos uma análise da quantidade de tempo de banhos de
cada usuário da família, antes da instalação do aquecedor
solar, ao qual descrevemos uma tabela no período de
02/08/2010 a 31/08/2010, para calcularmos a energia
produzida pelo chuveiro elétrico e depois comparar a
quantidade de energia produzida pelo aquecedor solar.
CÁLCULO DO CONSUMO DO
CHUVEIRO
Engenhariade
Produção
Equação para Cálculo de
Consumo de Energia
• E = P x T x Np x Nd
1000
• Onde:
• E = Energia necessária em kWh por mês.
• P = Potência do Chuveiro
• T = Tempo do banho em horas
• Np = Número de pessoas usuárias.
• Nd = Número de dias do mês.
• E= 5500 x 0.16 x 4 x 30
• E= 105600 / 1000
• E= 105,6 Kwh
Engenhariade
Produção
• Este é o consumo de energia gasta pelo
chuveiro elétrico por mês, antes da instalação
do aquecedor. Para se obter o valor pago pela
utilização apenas do chuveiro elétrico na conta,
basta multiplicar 105,6 pelo valor que é cobrado
por cada kWh. Portanto:
• 105,6 x 0,57827139 = R$61,06
Engenhariade
Produção
CÁLCULO DO CONSUMO MÉDIO
ANUAL DO AQUECEDOR
• Para se calcular o consumo médio anual, basta fazer a média
do consumo (kWh). O cálculo se dá da seguinte maneira:
• Cada mês há um consumo (kWh), então subtrai-se de cada um
o valor 32 Kwh, que corresponde à diferença entre a
quantidade de energia das contas no mês de setembro e
outubro.
• 104+96+101+105+94+94+97+89+76+67+91+85/ 12 =
1099/12 = 91,5
Engenhariade
Produção
Custo do Aquecedor Solar
O Aquecedor Solar de Baixo Custo ficou pelo
valor de
R$ 265,40
Engenhariade
Produção
Comparações do nosso Aquecedor
com o valor de outros
Aquecedores encontrados no
comércio de Montes Claros
Engenhariade
Produção
1º Orçamento, Piscina & Lazer
Preço à vista
R$ 3.500,00 ou em
4 X de
R$ 875,00
Engenhariade
Produção
2º Orçamento, Alcsol
Engenhariade
Produção
Comparando
Nosso Aquecedor R$ 265,40
Piscina & Lazer R$ 3.500,00 em 4x R$ 875,00
Alcsol, Aquecedor de 200 L R$ 2.050,00
400 L R$ 3.150,00
Engenhariade
Produção
CONCLUSÃO
Com esse projeto, analisamos a viabilidade econômica para a
substituição do chuveiro elétrico, sendo desenvolvido com intuito de
demonstrar a eficiência do aquecedor solar de baixo custo e também
contribuir na conscientização e atenção das pessoas para os
problemas do meio ambiente.
Tínhamos como finalidade a economia de energia elétrica e
beneficiar o meio ambiente com a utilização de energia solar, sendo
que, o sol é uma fonte de energia limpa, inesgotável, renovável, não
polui o meio ambiente e é gratuita.
O aquecedor solar foi construído com materiais de baixo custo,
utilizando placas de PVC, e apresentou desempenho satisfatório.
Temos que nos conscientizar da importância de preservarmos as
condições ambientais do nosso planeta, visto que, corremos um
grande risco da falta de energia.
Devemos divulgar os benefícios do aquecedor solar, e, com isso,
garantir a preservação do nosso planeta, através de métodos tão
simples e baratos.
Engenhariade
Produção
Engenhariade
Produção
REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS
REFERÊNCIAS:
LUZ, ANTÔNIO MÁXIMO RIBEIRO DA; ÁLVARES, BEATRIZ ALVARENGA. Curso de Física, 6°. Ed. São Paulo:
2005 2 v.
CIDADES SOLARES, Seminário de Cidades Solares. Disponível em: htpp://www.cidadessolares.org.br. Acessado
em 19/09/2010.
SOCIEDADE DO SOL, Manual de montagem do Aquecedor Solar Baixo Custo. Disponível em
htpp://www.sociedadedosol.org.br. Acessado em 20/05/2010.
BELOSOL, Aquecedor Solar Belosol. Disponível em htpp://www.belosol.com.br. Acessado em 28/08/2010.
TRANSEN AQUECEDOR SOLAR, SENAI, Manual de aquecimento Solar.
ICON TECNOLOGIA E SERVIÇOS, Termografia, princípios, aplicações e qualidade. VERATTI, ATTÍLIO BRUNO.
RODRIGUES, DÉLCIO; MATAJS, ROBERTO. Um banho de sol para o Brasil: O que os Aquecedores Solares
podem fazer pelo meio ambiente e sociedade, São Lourenço da Serra, Vitae Civillis, 2004.
LORENZETTI. Manual, instalação e dados técnicos chuveiros elétricos. Disponível em
htpp://www.lorenzetti.com.br. Acessado em 02/10/2010.
CEMIG. Simulador de Consumo de energia de aparelhos eletrodomésticos. Disponível em
http:www.cemig.com.br. Acessado em 23/08/2010.
Engenhariade
Produção
Engenhariade
Produção
ANEXOS
CUSTO DO AQUECEDOR SOLAR
DENOMINAÇÃO QUANTIDADE UNIDADE VALOR UNIT. R$ VALOR TOTAL R$
Forro PVC espessura 10 mm 8 Metro R$ 2,80 R$ 22,40
Caixa D'água 250 Litros 1 Peça R$ 90,00 R$ 90,00
Tubo PVC Ф 32 mm * 6 Metro R$ 3,00 R$ 18,00
Tubo PVC Ф 1/2" * 6 Metro R$ 1,50 R$ 9,00
União PVC Ф 32 mm 2 Peça R$ 6,00 R$ 12,00
Joelho 90° PVC Ф 32 mm 4 Peça R$ 1,50 R$ 6,00
Flange Ф 32 mm 2 Peça R$ 8,00 R$ 16,00
Flange Ф 1/2" 2 Peça R$ 6,00 R$ 32,00
Bóia Ф 1/2" 1 Peça R$ 4,50 R$ 4,50
Tampão Ф 32 mm 2 Peça R$ 2,00 R$ 4,00
Tinta Preta Fosca 900 ml 1 Lata R$ 18,00 R$ 18,00
Cola PVC 1 Tubo R$ 4,50 R$ 4,50
Cola Araldite 24 Horas 1 Caixa R$ 18,00 R$ 18,00
Eletroduto flexível Ф 3/4" 1 Metro R$ 2,00 R$ 2,00
Registro de esfera Ф 32 mm 1 Peça R$ 6,00 R$ 6,00
Fita Terflon 1 Caixa R$ 3,00 R$ 3,00
Total R$ 265,40
Observação:
* Dependendo da distância entre Coletor, Resevatório e Chuveiro a quantidade desses tubos pode
mudar para mais ou para menos.
Engenhariade
Produção
Engenhariade
Produção
COLETA DE DADOS
TEMPERATURA DA ÁGUA °C ENERGIA
DATA MANHÃ TARDE ∆ T ( °C ) Kcal KWh
04/09/2010 23 38 15 3750 4,36
05/09/2010 22 46 24 6000 6,97
06/09/2010 21 32 11 2750 3,19
07/09/2010 25 37 12 3000 3,48
08/09/2010 22 39 17 6500 7,55
09/09/2010 26 52 26 6500 7,55
10/09/2010 25 52 27 6750 7,84
11/09/2010 28 44 16 4000 4,65
12/09/2010 26 37,7 11,7 2925 3,4
13/09/2010 29 44 15 3750 4,36
14/09/2010 30 46 16 4000 4,65
15/09/2010 28 46,3 18,3 4575 5,31
16/09/2010 25 48 23 5750 6,68
17/09/2010 26 46 20 5000 5,81
18/09/2010 27 42 15 3750 4,36
19/09/2010 28 44 16 4000 4,65
20/09/2010 22 38 16 4000 4,65
21/09/2010 21 37,7 16,7 4175 4,85
22/09/2010 25 46 21 5250 6,1
23/09/2010 27 48 21 5250 6,1
24/09/2010 29 42,3 13,3 3325 3,86
25/09/2010 24 37,6 13,6 3400 3,95
26/09/2010 30 42 12 3000 3,48
27/09/2010 20 38,2 18,2 4550 5,29
28/09/2010 20 36 16 4000 4,65
29/09/2010 22 41 19 4750 5,52
30/09/2010 30 42 12 3000 3,48
01/10/2010 26 39 13 3250 3,77
02/10/2010 27 43 16 4000 4,65
03/10/2010 28 46 18 4500 5,23
MÉDIAS 25,4 42,36 16,96 4315 5,01
Quantidade de Calor: Kcal (kilo calorias)
Q = m.c.∆t
1 ml = 1g
1,00 cal/g .°C
Energia em KWh: (Kilo Watt hora)
E = Q / 860
1 KWh = 860 Kcal
Exemplo:
Calcular a quantidade de calor e a Energia do Aquecedor solar produzida no dia 07/09/2010 :
Q = m.c.∆t
Q = 250000g x 1 x 12
Q = 3.000 Kcal
E = Q / 860
E = 3000 / 860
E = 3,48 KWh
m = massa em gramas
c = Calor específico da água
∆t = Variação da Temperatura em graus Celsius (°C)
Nota: Caixa d'água 250 Litros =250000 ml = 250000 g = 250 Kg
Anexos
Engenhariade
Produção
Engenhariade
Produção
http://epfip-moc2010.blogspot.com
Visitem o nosso BLOG...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eficiência energética - Os novos caminhos da construção
Eficiência energética - Os novos caminhos da construçãoEficiência energética - Os novos caminhos da construção
Eficiência energética - Os novos caminhos da construçãoPedro Hijo
 
Aquecimento solar, soluções para pequenos e médios projetos, individuais e co...
Aquecimento solar, soluções para pequenos e médios projetos, individuais e co...Aquecimento solar, soluções para pequenos e médios projetos, individuais e co...
Aquecimento solar, soluções para pequenos e médios projetos, individuais e co...Ademar Angst
 
17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d
17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d
17.ago ouro i 14.30_412_cemig-ditgfiles
 
Comparativo entre energéticos
Comparativo entre energéticosComparativo entre energéticos
Comparativo entre energéticosSupergasbras
 
Utilização de Caldeiras de Recuperação em Sistemas de Cogeração
Utilização de Caldeiras de Recuperação em Sistemas de CogeraçãoUtilização de Caldeiras de Recuperação em Sistemas de Cogeração
Utilização de Caldeiras de Recuperação em Sistemas de CogeraçãoSulgás
 
Sistema solar térmico
Sistema solar térmicoSistema solar térmico
Sistema solar térmicoNuno Ratão
 
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçada
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçadaComponentes do circuito solar térmico em circulação forçada
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçadaCarlos Duarte Castanheira
 
m2cE 01_apresentação 11dezembro2013
m2cE 01_apresentação 11dezembro2013m2cE 01_apresentação 11dezembro2013
m2cE 01_apresentação 11dezembro2013claudiaasousa
 
17.ago ouro i 16.00_424_aeselpa
17.ago ouro i 16.00_424_aeselpa17.ago ouro i 16.00_424_aeselpa
17.ago ouro i 16.00_424_aeselpaitgfiles
 
ApresentaçãO De Eficiencia Energetica
ApresentaçãO De Eficiencia EnergeticaApresentaçãO De Eficiencia Energetica
ApresentaçãO De Eficiencia Energeticarubinho13
 
Artigo 9 reaproveitamento de calor residual em planta de produção de biocom...
Artigo 9   reaproveitamento de calor residual em planta de produção de biocom...Artigo 9   reaproveitamento de calor residual em planta de produção de biocom...
Artigo 9 reaproveitamento de calor residual em planta de produção de biocom...André Bellin Mariano
 
Diferença entre desempenho térmico e desempenho energético de uma fracção aut...
Diferença entre desempenho térmico e desempenho energético de uma fracção aut...Diferença entre desempenho térmico e desempenho energético de uma fracção aut...
Diferença entre desempenho térmico e desempenho energético de uma fracção aut...Pequicho , Filomeno
 
Publicação GIE II | Gestão Integrada de Energia
Publicação GIE II | Gestão Integrada de EnergiaPublicação GIE II | Gestão Integrada de Energia
Publicação GIE II | Gestão Integrada de EnergiaAREAL
 

Mais procurados (20)

Eficiência energética - Os novos caminhos da construção
Eficiência energética - Os novos caminhos da construçãoEficiência energética - Os novos caminhos da construção
Eficiência energética - Os novos caminhos da construção
 
Aquecimento solar, soluções para pequenos e médios projetos, individuais e co...
Aquecimento solar, soluções para pequenos e médios projetos, individuais e co...Aquecimento solar, soluções para pequenos e médios projetos, individuais e co...
Aquecimento solar, soluções para pequenos e médios projetos, individuais e co...
 
17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d
17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d
17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d
 
Comparativo entre energéticos
Comparativo entre energéticosComparativo entre energéticos
Comparativo entre energéticos
 
Utilização de Caldeiras de Recuperação em Sistemas de Cogeração
Utilização de Caldeiras de Recuperação em Sistemas de CogeraçãoUtilização de Caldeiras de Recuperação em Sistemas de Cogeração
Utilização de Caldeiras de Recuperação em Sistemas de Cogeração
 
Sistema solar térmico
Sistema solar térmicoSistema solar térmico
Sistema solar térmico
 
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçada
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçadaComponentes do circuito solar térmico em circulação forçada
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçada
 
Instala o resid
Instala  o residInstala  o resid
Instala o resid
 
Tiago Teixeira - VULCANO
Tiago Teixeira - VULCANOTiago Teixeira - VULCANO
Tiago Teixeira - VULCANO
 
06 André Cruz - Vulcano
06 André Cruz - Vulcano06 André Cruz - Vulcano
06 André Cruz - Vulcano
 
Projeto de sistema solar térmico
Projeto de sistema solar térmicoProjeto de sistema solar térmico
Projeto de sistema solar térmico
 
SPGaia
SPGaiaSPGaia
SPGaia
 
m2cE 01_apresentação 11dezembro2013
m2cE 01_apresentação 11dezembro2013m2cE 01_apresentação 11dezembro2013
m2cE 01_apresentação 11dezembro2013
 
17.ago ouro i 16.00_424_aeselpa
17.ago ouro i 16.00_424_aeselpa17.ago ouro i 16.00_424_aeselpa
17.ago ouro i 16.00_424_aeselpa
 
ApresentaçãO De Eficiencia Energetica
ApresentaçãO De Eficiencia EnergeticaApresentaçãO De Eficiencia Energetica
ApresentaçãO De Eficiencia Energetica
 
Artigo 9 reaproveitamento de calor residual em planta de produção de biocom...
Artigo 9   reaproveitamento de calor residual em planta de produção de biocom...Artigo 9   reaproveitamento de calor residual em planta de produção de biocom...
Artigo 9 reaproveitamento de calor residual em planta de produção de biocom...
 
Diferença entre desempenho térmico e desempenho energético de uma fracção aut...
Diferença entre desempenho térmico e desempenho energético de uma fracção aut...Diferença entre desempenho térmico e desempenho energético de uma fracção aut...
Diferença entre desempenho térmico e desempenho energético de uma fracção aut...
 
Aquecedor solar
Aquecedor solarAquecedor solar
Aquecedor solar
 
Carlos Soares - ENERONE
Carlos Soares - ENERONECarlos Soares - ENERONE
Carlos Soares - ENERONE
 
Publicação GIE II | Gestão Integrada de Energia
Publicação GIE II | Gestão Integrada de EnergiaPublicação GIE II | Gestão Integrada de Energia
Publicação GIE II | Gestão Integrada de Energia
 

Semelhante a Pmd II final FIP-MOC 2010

Caso Estudo - O Consumo de Energia na Restauração
Caso Estudo - O Consumo de Energia na RestauraçãoCaso Estudo - O Consumo de Energia na Restauração
Caso Estudo - O Consumo de Energia na RestauraçãoRui Loureiro
 
Aquecedor Wq Jim 02
Aquecedor Wq Jim 02Aquecedor Wq Jim 02
Aquecedor Wq Jim 02Jim Naturesa
 
Green Campus - Apresentação Instituto Superior Técnico
Green Campus - Apresentação Instituto Superior TécnicoGreen Campus - Apresentação Instituto Superior Técnico
Green Campus - Apresentação Instituto Superior TécnicoGreen Campus
 
ESTADIO SUSTENTÁVEL: PROJETO MINAS SOLAR NO MINEIRÃO
ESTADIO SUSTENTÁVEL: PROJETO MINAS SOLAR NO MINEIRÃOESTADIO SUSTENTÁVEL: PROJETO MINAS SOLAR NO MINEIRÃO
ESTADIO SUSTENTÁVEL: PROJETO MINAS SOLAR NO MINEIRÃOufmg
 
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracao
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracaoAshra 90 1 cop aquecimento e refrigeracao
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracaoSydney Ipiranga
 
Turbinas a vapor - A Geração de Energia por Vapor
Turbinas a vapor - A Geração de Energia por VaporTurbinas a vapor - A Geração de Energia por Vapor
Turbinas a vapor - A Geração de Energia por VaporEdilson Gomes de Lima
 
Aquecedor Solar de Baixo Custo
Aquecedor Solar de Baixo CustoAquecedor Solar de Baixo Custo
Aquecedor Solar de Baixo CustoFabio Brandespim
 

Semelhante a Pmd II final FIP-MOC 2010 (10)

Capítulo 1 aula 1
Capítulo 1   aula 1Capítulo 1   aula 1
Capítulo 1 aula 1
 
3a
3a3a
3a
 
Caso Estudo - O Consumo de Energia na Restauração
Caso Estudo - O Consumo de Energia na RestauraçãoCaso Estudo - O Consumo de Energia na Restauração
Caso Estudo - O Consumo de Energia na Restauração
 
Aquecedor Wq Jim 02
Aquecedor Wq Jim 02Aquecedor Wq Jim 02
Aquecedor Wq Jim 02
 
Green Campus - Apresentação Instituto Superior Técnico
Green Campus - Apresentação Instituto Superior TécnicoGreen Campus - Apresentação Instituto Superior Técnico
Green Campus - Apresentação Instituto Superior Técnico
 
ESTADIO SUSTENTÁVEL: PROJETO MINAS SOLAR NO MINEIRÃO
ESTADIO SUSTENTÁVEL: PROJETO MINAS SOLAR NO MINEIRÃOESTADIO SUSTENTÁVEL: PROJETO MINAS SOLAR NO MINEIRÃO
ESTADIO SUSTENTÁVEL: PROJETO MINAS SOLAR NO MINEIRÃO
 
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracao
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracaoAshra 90 1 cop aquecimento e refrigeracao
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracao
 
Aquecedor solar de Água
Aquecedor solar de ÁguaAquecedor solar de Água
Aquecedor solar de Água
 
Turbinas a vapor - A Geração de Energia por Vapor
Turbinas a vapor - A Geração de Energia por VaporTurbinas a vapor - A Geração de Energia por Vapor
Turbinas a vapor - A Geração de Energia por Vapor
 
Aquecedor Solar de Baixo Custo
Aquecedor Solar de Baixo CustoAquecedor Solar de Baixo Custo
Aquecedor Solar de Baixo Custo
 

Último

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 

Último (20)

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 

Pmd II final FIP-MOC 2010

  • 1. Engenhariade Produção PROJETO MULTIDISCIPLINAR II Aquecedor Solar Tutor: Ramon Alves de Oliveira •Gestão Ambiental •Cálculo II •Física I •Desenho Técnico •Introdução à Ciência da Computação (ICC)
  • 2. Engenhariade Produção TEMA: A energia renovável aplicada na redução da energia convencional a (Elétrica).
  • 3. Engenhariade Produção Introdução • O município de Montes Claros está situado ao norte do Estado de Minas Gerais, o clima é do tipo tropical semi-árido, quente e seco, com períodos de chuvas concentradas entre os meses de outubro a março, estando assim, a maior parte do ano sobre forte incidência solar. Por esse motivo, percebe-se um favorecimento da implementação e utilização dos benefícios da energia renovável através do aquecedor solar no local, sendo desenvolvido para famílias de baixa renda e, com intuito de redução no consumo de energia elétrica.
  • 4. Engenhariade Produção • A conversão direta da energia solar em energia elétrica ocorre pelos efeitos da radiação (calor e luz) sobre determinados materiais, particularmente os semicondutores. • No caso do aquecedor solar é conhecido como termoelétrico e é a radiação solar que atinge uma superfície escura e é transformada em calor que aquecerá certa quantidade de água.
  • 5. Engenhariade Produção Em tempos de sustentabilidade, investir em energia solar é lei. Desde julho de 2008 é obrigatório na cidade de São Paulo o uso de aquecedores solares em residências com quatro ou mais banheiros, no sistema de aquecimento de piscinas e em estabelecimentos que fazem uso intensivo de água quente, tais como academias, hotéis, clínicas, entre outros, conforme determina o artigo 3 da lei municipal 14.459/07. A volta dos sistemas de aquecimento solar
  • 6. Engenhariade Produção A lei também define que residências novas com até três dormitórios tenham pelo menos a infraestrutura instalada para futuramente receber o sistema de aquecimento, isto é: tubulação em cobre ou em outro material adequado à água quente, tal como o CPVC. Outras cidades como Ribeirão Pires (SP), Jundiaí e Campo Grande (SP) criaram leis de incentivo ao uso de aquecedor solar.
  • 7. Engenhariade Produção PROBLEMAS: • Qual é o custo do equipamento? • Qual é o ganho do equipamento X luz? • Quais são as condições climáticas da região? • Qual é o tempo médio dos banhos?
  • 8. Engenhariade Produção • É um equipamento utilizado para o Aquecimento da água pelo calor do sol e seu armazenamento para uso posterior. É composto por coletores solares (placas), onde ocorre o Aquecimento da água através dos raios solares e um reservatório térmico (boiler), onde é armazenada a Água Quente para ser utilizada posteriormente, tendo em vista que a maior utilização é no período noturno, quando não temos mais sol. O que é um Aquecedor Solar?
  • 9. Engenhariade Produção Qual temperatura a água pode atingir com um sistema de Aquecimento Solar? • A temperatura obtida na água com o uso de um Aquecedor Solar dependerá de fatores diversos como: região, tecnologia empregada, tipo de aplicação, época do ano, condições climatológicas e características relacionadas às condições de instalação.
  • 10. Engenhariade Produção OBJETIVO GERAL: Conhecer e Analisar os benefícios da energia renovável através do Aquecedor Solar.
  • 11. Engenhariade Produção Objetivo Específicos Gestão Ambiental • Conhecer os tipos de energia. • Conhecer as características do local de estudo . • Conhecer a eficácia da implementação da energia solar.
  • 12. Engenhariade Produção Objetivo Específicos Cálculo II Estabelecer uma relação entre o consumo de energia e o valor pago.
  • 13. Engenhariade Produção Objetivo Específicos Física I Melhorar o consumo de energia elétrica nas casas através do aquecedor solar.
  • 14. Engenhariade Produção Objetivo Específicos Desenho Técnico Representar o projeto arquitetônico no local onde será instalado o projeto do aquecedor solar.
  • 15. Engenhariade Produção Objetivo Específicos Introdução a Ciência da Computação (ICC) • Elaborar uma planilha eletrônica, para calcular os dados coletados. • Fazer a montagem dos gráficos dos mesmos • Desenvolver um sistema de divulgação do projeto, com a criação de um blog.
  • 16. Engenhariade Produção JUSTIFICATIVA • Justifica-se por este projeto a viabilidade de implementação do aquecedor solar através da energia renovável com o propósito de redução de custo, consumo de energia convencional (elétrica) e preservação dos recursos naturais. • Analisando as demais fontes de energia existente, podemos notar que grande parte não é renovável e além do mais degrada o meio ambiente, fazendo-se necessário uma mudança de hábito o mais rápido possível quanto ao consumo consciente de energia.
  • 17. Engenhariade Produção Metodologia Fabricação e Montagem do Aquecedor Solar – ASBC Detalhe do corte no tubo Montagem do Forro PVC no tubo
  • 20. Engenhariade Produção Coletor instalado no telhado Reservatório instalado dentro do telhado
  • 21. Engenhariade Produção Detalhe da Bóia e do Pescador Medição da Temperatura no Reservatório
  • 22. Engenhariade Produção Temperatura às 16:00 Horas (no Reservatório) Temperatura às 20:00 Horas. (no Chuveiro)
  • 23. Engenhariade Produção Montagem da tubulação no Chuveiro Registro de água quente
  • 25. Engenhariade Produção Metodologia Para avaliação do sistema, foram registrados dados duas vezes ao dia (8:00 h e 15:00 h), horários de maior incidência solar, durante o mês de Setembro, relativo à temperatura da água no reservatório. Foram utilizados dois instrumentos de medição.
  • 28. Engenhariade Produção A diferença máxima de temperatura da água no reservatório foi usada para calcular a quantidade de energia gerada pelo sistema por meio da formula de calorimetria Q = m x c x ∆t A energia produzida pelo sistema em Kcal foi dividida pelo fator de conversão (860) para quantificá-la em kWh (1 kWh equivale a 860Kcal)
  • 29. Engenhariade Produção Para o cálculo do consumo de um chuveiro elétrico na posição inverno de 5.500 Watts ou 5,5 KW, foi utilizada a equação para Cálculo de Consumo de Energia equipamentos elétricos, conforme orientação da Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG). Equação para Cálculo de Consumo de Energia: E = P x T x Np x Nd 1000
  • 32. Engenhariade Produção Análise dos Dados • Cálculo da quantidade de água consumida. • Os primeiros dados dizem respeito ao cálculo da quantidade de água consumida por banho no chuveiro, buscou-se levantar a vazão do chuveiro e o tempo de banho dos moradores. A análise dos dados obtidos na pesquisa permitiu ver de forma clara os reais dados. • Percebe-se que a média de tempo de banho foi introduzida na pesquisa para melhor coleta dos dados sendo assim a quantidade necessária para um banho será de 40 litros, sendo 2 banhos por dia, cada morador então gastará 80 litros por dia.
  • 33. Engenhariade Produção • O sistema gera certa quantidade de energia, sendo necessária a utilização de uma formula de calorimetria para extrair esses dados. A energia produzida pelo sistema em Kcal foi dividida pelo fator conversão (860) para quantificá-la em kWh ( 1kWh equivale a 860 Kcal ). • Observamos que a temperatura do aquecedor tem sido satisfatória alcançando a média de 25,4° na parte da manhã e na parte da tarde chegando à incrível média de 42,36°.
  • 34. Engenhariade Produção • Já que o sistema tem a incrível capacidade de esquentar a água em altas temperaturas faz com que o aquecedor seja viável para implementação nas residências de classe baixa.
  • 35. Engenhariade Produção A QUANTIDADE DE ENERGIA GERADA PELO SISTEMA • A diferença máxima de temperatura da água no reservatório foi usada para calcular a quantidade de energia gerada pelo sistema por meio da formula de calorimetria • Q = m x c x ∆t, segundo luz; Álvares. • Onde: • Q = Energia produzida em cal. • m = massa da água em g. • c = Calor específico cal/g.°C. (para a água esse valor é 1,0 cal/g.°C.) • ∆t = Variação da temperatura (°C). • Q=250000g x 1 x 16,96 • Q=4240000 / 1000 • Q=4240 Kcal
  • 36. Engenhariade Produção • A energia produzida pelo sistema em Kcal foi dividida pelo fator de conversão (860) para quantificá-la em kWh (1 kWh equivale a 860Kcal). • E=Q / 860 • E=4240 / 860 • E=4,93 KW. • Este valor obtido é o correspondente a energia gerada pelo aquecedor para aquecer a caixa d’água.
  • 37. Engenhariade Produção • Para o cálculo do consumo de um chuveiro elétrico na posição inverno de 5.500 Watts ou 5,5 KW, foi utilizada a equação para Cálculo de Consumo de Energia equipamentos elétricos, conforme orientação da Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG). • Fizemos uma análise da quantidade de tempo de banhos de cada usuário da família, antes da instalação do aquecedor solar, ao qual descrevemos uma tabela no período de 02/08/2010 a 31/08/2010, para calcularmos a energia produzida pelo chuveiro elétrico e depois comparar a quantidade de energia produzida pelo aquecedor solar. CÁLCULO DO CONSUMO DO CHUVEIRO
  • 38. Engenhariade Produção Equação para Cálculo de Consumo de Energia • E = P x T x Np x Nd 1000 • Onde: • E = Energia necessária em kWh por mês. • P = Potência do Chuveiro • T = Tempo do banho em horas • Np = Número de pessoas usuárias. • Nd = Número de dias do mês. • E= 5500 x 0.16 x 4 x 30 • E= 105600 / 1000 • E= 105,6 Kwh
  • 39. Engenhariade Produção • Este é o consumo de energia gasta pelo chuveiro elétrico por mês, antes da instalação do aquecedor. Para se obter o valor pago pela utilização apenas do chuveiro elétrico na conta, basta multiplicar 105,6 pelo valor que é cobrado por cada kWh. Portanto: • 105,6 x 0,57827139 = R$61,06
  • 40. Engenhariade Produção CÁLCULO DO CONSUMO MÉDIO ANUAL DO AQUECEDOR • Para se calcular o consumo médio anual, basta fazer a média do consumo (kWh). O cálculo se dá da seguinte maneira: • Cada mês há um consumo (kWh), então subtrai-se de cada um o valor 32 Kwh, que corresponde à diferença entre a quantidade de energia das contas no mês de setembro e outubro. • 104+96+101+105+94+94+97+89+76+67+91+85/ 12 = 1099/12 = 91,5
  • 41. Engenhariade Produção Custo do Aquecedor Solar O Aquecedor Solar de Baixo Custo ficou pelo valor de R$ 265,40
  • 42. Engenhariade Produção Comparações do nosso Aquecedor com o valor de outros Aquecedores encontrados no comércio de Montes Claros
  • 43. Engenhariade Produção 1º Orçamento, Piscina & Lazer Preço à vista R$ 3.500,00 ou em 4 X de R$ 875,00
  • 45. Engenhariade Produção Comparando Nosso Aquecedor R$ 265,40 Piscina & Lazer R$ 3.500,00 em 4x R$ 875,00 Alcsol, Aquecedor de 200 L R$ 2.050,00 400 L R$ 3.150,00
  • 46. Engenhariade Produção CONCLUSÃO Com esse projeto, analisamos a viabilidade econômica para a substituição do chuveiro elétrico, sendo desenvolvido com intuito de demonstrar a eficiência do aquecedor solar de baixo custo e também contribuir na conscientização e atenção das pessoas para os problemas do meio ambiente. Tínhamos como finalidade a economia de energia elétrica e beneficiar o meio ambiente com a utilização de energia solar, sendo que, o sol é uma fonte de energia limpa, inesgotável, renovável, não polui o meio ambiente e é gratuita. O aquecedor solar foi construído com materiais de baixo custo, utilizando placas de PVC, e apresentou desempenho satisfatório. Temos que nos conscientizar da importância de preservarmos as condições ambientais do nosso planeta, visto que, corremos um grande risco da falta de energia. Devemos divulgar os benefícios do aquecedor solar, e, com isso, garantir a preservação do nosso planeta, através de métodos tão simples e baratos.
  • 47. Engenhariade Produção Engenhariade Produção REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS REFERÊNCIAS: LUZ, ANTÔNIO MÁXIMO RIBEIRO DA; ÁLVARES, BEATRIZ ALVARENGA. Curso de Física, 6°. Ed. São Paulo: 2005 2 v. CIDADES SOLARES, Seminário de Cidades Solares. Disponível em: htpp://www.cidadessolares.org.br. Acessado em 19/09/2010. SOCIEDADE DO SOL, Manual de montagem do Aquecedor Solar Baixo Custo. Disponível em htpp://www.sociedadedosol.org.br. Acessado em 20/05/2010. BELOSOL, Aquecedor Solar Belosol. Disponível em htpp://www.belosol.com.br. Acessado em 28/08/2010. TRANSEN AQUECEDOR SOLAR, SENAI, Manual de aquecimento Solar. ICON TECNOLOGIA E SERVIÇOS, Termografia, princípios, aplicações e qualidade. VERATTI, ATTÍLIO BRUNO. RODRIGUES, DÉLCIO; MATAJS, ROBERTO. Um banho de sol para o Brasil: O que os Aquecedores Solares podem fazer pelo meio ambiente e sociedade, São Lourenço da Serra, Vitae Civillis, 2004. LORENZETTI. Manual, instalação e dados técnicos chuveiros elétricos. Disponível em htpp://www.lorenzetti.com.br. Acessado em 02/10/2010. CEMIG. Simulador de Consumo de energia de aparelhos eletrodomésticos. Disponível em http:www.cemig.com.br. Acessado em 23/08/2010.
  • 48. Engenhariade Produção Engenhariade Produção ANEXOS CUSTO DO AQUECEDOR SOLAR DENOMINAÇÃO QUANTIDADE UNIDADE VALOR UNIT. R$ VALOR TOTAL R$ Forro PVC espessura 10 mm 8 Metro R$ 2,80 R$ 22,40 Caixa D'água 250 Litros 1 Peça R$ 90,00 R$ 90,00 Tubo PVC Ф 32 mm * 6 Metro R$ 3,00 R$ 18,00 Tubo PVC Ф 1/2" * 6 Metro R$ 1,50 R$ 9,00 União PVC Ф 32 mm 2 Peça R$ 6,00 R$ 12,00 Joelho 90° PVC Ф 32 mm 4 Peça R$ 1,50 R$ 6,00 Flange Ф 32 mm 2 Peça R$ 8,00 R$ 16,00 Flange Ф 1/2" 2 Peça R$ 6,00 R$ 32,00 Bóia Ф 1/2" 1 Peça R$ 4,50 R$ 4,50 Tampão Ф 32 mm 2 Peça R$ 2,00 R$ 4,00 Tinta Preta Fosca 900 ml 1 Lata R$ 18,00 R$ 18,00 Cola PVC 1 Tubo R$ 4,50 R$ 4,50 Cola Araldite 24 Horas 1 Caixa R$ 18,00 R$ 18,00 Eletroduto flexível Ф 3/4" 1 Metro R$ 2,00 R$ 2,00 Registro de esfera Ф 32 mm 1 Peça R$ 6,00 R$ 6,00 Fita Terflon 1 Caixa R$ 3,00 R$ 3,00 Total R$ 265,40 Observação: * Dependendo da distância entre Coletor, Resevatório e Chuveiro a quantidade desses tubos pode mudar para mais ou para menos.
  • 49. Engenhariade Produção Engenhariade Produção COLETA DE DADOS TEMPERATURA DA ÁGUA °C ENERGIA DATA MANHÃ TARDE ∆ T ( °C ) Kcal KWh 04/09/2010 23 38 15 3750 4,36 05/09/2010 22 46 24 6000 6,97 06/09/2010 21 32 11 2750 3,19 07/09/2010 25 37 12 3000 3,48 08/09/2010 22 39 17 6500 7,55 09/09/2010 26 52 26 6500 7,55 10/09/2010 25 52 27 6750 7,84 11/09/2010 28 44 16 4000 4,65 12/09/2010 26 37,7 11,7 2925 3,4 13/09/2010 29 44 15 3750 4,36 14/09/2010 30 46 16 4000 4,65 15/09/2010 28 46,3 18,3 4575 5,31 16/09/2010 25 48 23 5750 6,68 17/09/2010 26 46 20 5000 5,81 18/09/2010 27 42 15 3750 4,36 19/09/2010 28 44 16 4000 4,65 20/09/2010 22 38 16 4000 4,65 21/09/2010 21 37,7 16,7 4175 4,85 22/09/2010 25 46 21 5250 6,1 23/09/2010 27 48 21 5250 6,1 24/09/2010 29 42,3 13,3 3325 3,86 25/09/2010 24 37,6 13,6 3400 3,95 26/09/2010 30 42 12 3000 3,48 27/09/2010 20 38,2 18,2 4550 5,29 28/09/2010 20 36 16 4000 4,65 29/09/2010 22 41 19 4750 5,52 30/09/2010 30 42 12 3000 3,48 01/10/2010 26 39 13 3250 3,77 02/10/2010 27 43 16 4000 4,65 03/10/2010 28 46 18 4500 5,23 MÉDIAS 25,4 42,36 16,96 4315 5,01 Quantidade de Calor: Kcal (kilo calorias) Q = m.c.∆t 1 ml = 1g 1,00 cal/g .°C Energia em KWh: (Kilo Watt hora) E = Q / 860 1 KWh = 860 Kcal Exemplo: Calcular a quantidade de calor e a Energia do Aquecedor solar produzida no dia 07/09/2010 : Q = m.c.∆t Q = 250000g x 1 x 12 Q = 3.000 Kcal E = Q / 860 E = 3000 / 860 E = 3,48 KWh m = massa em gramas c = Calor específico da água ∆t = Variação da Temperatura em graus Celsius (°C) Nota: Caixa d'água 250 Litros =250000 ml = 250000 g = 250 Kg Anexos