SlideShare uma empresa Scribd logo
Aplicação a3 p
• 1º - Comissão Gestora
• 2º - Diagnóstico
• 3º - Plano de Gestão Socioambiental
• 4º - Sensibilização e Capacitação
• 5º - Avaliação e Monitoramento
Comissão Gestora
Para a adoção da A3P nas instituições, a formação da Comissão Gestora é um passo
importante, pois se constituiu de uma comissão com representantes de todos os setores, com
o compromisso de serem os agentes de socialização e sensibilização para a adoção de práticas
de responsabilidade socioambiental nos órgãos em todos os setores. Sugere-se que a Comissão
tenha de 5 a 10 pessoas para facilitar a comunicação institucional e um entendimento mais
amplo.
A Comissão da A3P deve ser institucionalizada por meio de instrumento legal pertinente e ter
um representante titular e suplente de cada setor.
A Comissão tem o papel de fazer a gestão compartilhada e ficará encarregada de: a)
sensibilizar os gestores sobre a importância da implantação do programa; b) realizar o
diagnóstico da instituição; c) realizar o planejamento das ações; d) apoiar a implantação das
ações; e) promover o monitoramento das ações.
Para as instituições que possuem representações em outro Estados da Federação, ou ainda
municípios, sugere-se a constituição de subcomissões para a implementar a A3P. Essas
subcomissões devem ser formadas por servidores locais.
É fundamental para a efetiva implantação da Agenda que sejam criados mecanismos de
comunicação interna e troca de informações entre Comissão e Subcomissões.
Diagnóstico
Depois de formada a Comissão, a próxima etapa é realizar um levantamento/inventário da situação socioambiental da
instituição. O diagnóstico é fundamental para se ter uma boa eficiência na implantação da A3P.
O diagnóstico deve conter informações sobre aspectos dos cinco eixos da A3P, desde o consumo de bens naturais e
política interna de gestão de resíduos até a avaliação dos programas de qualidade de vida e práticas de sensibilização
dos servidores.
Por meio do diagnóstico é possível identificar pontos críticos relacionados, por exemplo, ao desperdício e
oportunidades de aperfeiçoamento da gestão.
O diagnóstico deve ser realizado pelos membros que compõem a Comissão Gestora e discutido de forma participativa
com servidores da instituição (gestores, servidores e terceirizados).
Do diagnóstico devem constar
1) levantamento do consumo de recurso naturais;
2) levantamento dos principais bens adquiridos e serviços contratados pela instituição;
3) levantamento de obras realizados;
4) levantamento sobre as práticas de desfazimento adotadas pela instituição;
5) levantamento de práticas ambientais já adotadas, principalmente com relação ao descarte de resíduos;
6) levantamento de necessidades de capacitação, entre outros que a Comissão definir.
Sugere-se ainda que a partir dos levantamentos realizados seja calculada a linha-base para ser utilizada como
referencial para a implantação de medidas socioambientais, principalmente, aquelas relacionadas à redução de gastos
institucionais.
Também é aconselhável fazer uma pesquisa de opinião com os funcionários para identificar os hábitos dos mesmos e
assim direcionar melhor as campanhas de sensibilização.
Plano de Gestão Socioambiental
O Plano de Gestão Socioambiental deve estabelecer os objetivos, os projetos, atividades ou ações que
serão implementadas, as metas a serem alcançadas, as responsabilidades instituicionais – do órgão e
dos servidores – e as medidas de monitoramento. Também devem ser identificados os recursos
disponíveis para a implantação das ações.
Recomenda-se que além do objetivo geral, o Plano contenha objetivos específicos. Cada projeto ou
atividade deve conter metas quantitativas e/ou qualitativas para facilitar o processo da melhoria
contínua da gestão. Também devem ser identificadas as responsabilidades de cada unidade da
instituição e os servidores envolvidos. O ideal é que as metas sejam estabelecidas a partir de uma
linha-base calculada no processo de diagnóstico institucional.
Após definição dos objetivos, metas e respectivo plano de ação, segue-se para etapa de implantação e
operacionalização das atividades, para as quais administração deverá disponibilizar recursos físicos
e/ou financeiros adequados.
É importante que a fase de implementação seja acompanhada de campanhas de conscientização e
sensibilização de todos os servidores para a importância da implantação da A3P.
http://www.mma.gov.br/images/arquivo/80063/Modelo%20do%20Plano%20de%20Ge
stao%20Socioambiental.pdf
Sensibilização e Capacitação
A Comissão pode desenvolver campanhas, cursos e publicação de material educativo específicos para
os servidores. Deve-se prever também uma estratégia de comunicação para os servidores envolvidos
na limpeza.
A capacitação contribuiu para desenvolvimento de competências institucionais e individuais nas
questões relativas à gestão socioambiental. Ao mesmo tempo fornece aos servidores oportunidades
para aperfeiçoar habilidade e atitudes para um melhor desempenho das suas atribuições.
A Comissão Gestora da A3P deve direcionar as ações de sensibilização e capacitação de modo a
satisfazer as necessidades primordiais da instituição com o intuito de incentivar a adoção, pelos
servidores, de uma postura socioambientalmente correta.
Esse processo deve ser permanente e contínuo, pois a mudança de hábitos depende do
desenvolvimento de cada indivíduo.
Avaliação e monitoramento
A Comissão deverá realizar avaliações e monitoramentos periódicos com o intuito de
prover informações quanto à eficiência e eficácia do projeto. É importante que na
avaliação sejam identificadas as falhas e os pontos de melhorias alcançados. Durante o
processo de avaliação deve-se considerar a possibilidade de replanejar as atividades que
não estão alcançando os resultados esperados.
Recomenda-se que a avaliação e o monitoramento sejam realizados por meio de um
conjunto de indicadores de sustentabilidade que permitam mensurar os avanços
alcançados pelas instituições. A definição da linha base visa auxiliar nesse processo.
Os indicadores de sustentabilidade devem funcionar como ferramentas de análise e
acompanhamento dos processos atuando na base para a formulação de projetos e ações e
para o acompanhamento da execução do Plano de Gestão Socioambiental. O principal
objetivo desses indicadores é permitir que os gestores aprimorem o conhecimento sobre a
realidade da instituição, por meio de informações que permitam comparar a qualidade da
gestão socioambiental. Usando indicadores de uso de recursos naturais, por exemplo, é
possível avaliar o desperdício e também determinar a eficiência no uso.
Referência
 www.mma.gov.br/A3P

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aplicação a3 p

Apresentação diagnóstico stratec
Apresentação diagnóstico   stratecApresentação diagnóstico   stratec
Apresentação diagnóstico stratec
Priscila Nogueira
 
Gestão da qualidade 3
Gestão da qualidade 3Gestão da qualidade 3
Gestão da qualidade 3
INTEC CURSOS PROFISSIONALIZANTES
 
Gestão Ambiental: As ações voltadas para o meio ambiente em uma Indústria de ...
Gestão Ambiental: As ações voltadas para o meio ambiente em uma Indústria de ...Gestão Ambiental: As ações voltadas para o meio ambiente em uma Indústria de ...
Gestão Ambiental: As ações voltadas para o meio ambiente em uma Indústria de ...
Gustavo Quitto
 
Oficina_Avaliacao_de_Politicas_Publicasm
Oficina_Avaliacao_de_Politicas_PublicasmOficina_Avaliacao_de_Politicas_Publicasm
Oficina_Avaliacao_de_Politicas_Publicasm
MemoriarUnibra
 
Oficina_Avaliacao_de_Politicas_Publicas_e_Impacto_Regulatorio_R02.pptx
Oficina_Avaliacao_de_Politicas_Publicas_e_Impacto_Regulatorio_R02.pptxOficina_Avaliacao_de_Politicas_Publicas_e_Impacto_Regulatorio_R02.pptx
Oficina_Avaliacao_de_Politicas_Publicas_e_Impacto_Regulatorio_R02.pptx
JoaoSmeira
 
Manual tcc 2014_2
Manual tcc 2014_2Manual tcc 2014_2
Manual tcc 2014_2
Katia Gomide
 
Slides controle de qualidade
Slides controle de qualidadeSlides controle de qualidade
Slides controle de qualidade
Ingrid Iasmyn Amin
 
Projeto 22 Doc
Projeto 22 DocProjeto 22 Doc
Projeto 22 Doc
Inova Gestão
 
Roteiro iso9001 22_240311
Roteiro iso9001 22_240311Roteiro iso9001 22_240311
Roteiro iso9001 22_240311
rbuzutto
 
Roteiro iso9001 22_240311
Roteiro iso9001 22_240311Roteiro iso9001 22_240311
Roteiro iso9001 22_240311
rbuzutto
 
Artigo porque planejar-aero18
Artigo porque planejar-aero18Artigo porque planejar-aero18
Artigo porque planejar-aero18
Ednaldo Euclides Naldinho
 
Sistemática de Monitoramento e Avaliação em Programas e Projetos Governamentais
Sistemática de Monitoramento e Avaliação em Programas e Projetos GovernamentaisSistemática de Monitoramento e Avaliação em Programas e Projetos Governamentais
Sistemática de Monitoramento e Avaliação em Programas e Projetos Governamentais
Rosane Domingues
 
Apresentacao_CAF
Apresentacao_CAFApresentacao_CAF
sistema de pontuação clássico
sistema de pontuação clássicosistema de pontuação clássico
sistema de pontuação clássico
sistema de pontuação clássicosistema de pontuação clássico
Apresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptx
Apresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptxApresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptx
Apresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptx
BelzemiroSantiabo
 
Implementação de um programa vazamento zero
Implementação de um programa vazamento zeroImplementação de um programa vazamento zero
Implementação de um programa vazamento zero
Edinhoguerra
 
Implementando gestão nas organizações - Diagnóstico de gestão
Implementando gestão nas organizações - Diagnóstico de gestãoImplementando gestão nas organizações - Diagnóstico de gestão
Implementando gestão nas organizações - Diagnóstico de gestão
Stratec Informática
 
Gestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptx
Gestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptxGestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptx
Gestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptx
JlioDobicz
 
Planos de-melhoria
Planos de-melhoriaPlanos de-melhoria
Planos de-melhoria
Maisa Paraguassu
 

Semelhante a Aplicação a3 p (20)

Apresentação diagnóstico stratec
Apresentação diagnóstico   stratecApresentação diagnóstico   stratec
Apresentação diagnóstico stratec
 
Gestão da qualidade 3
Gestão da qualidade 3Gestão da qualidade 3
Gestão da qualidade 3
 
Gestão Ambiental: As ações voltadas para o meio ambiente em uma Indústria de ...
Gestão Ambiental: As ações voltadas para o meio ambiente em uma Indústria de ...Gestão Ambiental: As ações voltadas para o meio ambiente em uma Indústria de ...
Gestão Ambiental: As ações voltadas para o meio ambiente em uma Indústria de ...
 
Oficina_Avaliacao_de_Politicas_Publicasm
Oficina_Avaliacao_de_Politicas_PublicasmOficina_Avaliacao_de_Politicas_Publicasm
Oficina_Avaliacao_de_Politicas_Publicasm
 
Oficina_Avaliacao_de_Politicas_Publicas_e_Impacto_Regulatorio_R02.pptx
Oficina_Avaliacao_de_Politicas_Publicas_e_Impacto_Regulatorio_R02.pptxOficina_Avaliacao_de_Politicas_Publicas_e_Impacto_Regulatorio_R02.pptx
Oficina_Avaliacao_de_Politicas_Publicas_e_Impacto_Regulatorio_R02.pptx
 
Manual tcc 2014_2
Manual tcc 2014_2Manual tcc 2014_2
Manual tcc 2014_2
 
Slides controle de qualidade
Slides controle de qualidadeSlides controle de qualidade
Slides controle de qualidade
 
Projeto 22 Doc
Projeto 22 DocProjeto 22 Doc
Projeto 22 Doc
 
Roteiro iso9001 22_240311
Roteiro iso9001 22_240311Roteiro iso9001 22_240311
Roteiro iso9001 22_240311
 
Roteiro iso9001 22_240311
Roteiro iso9001 22_240311Roteiro iso9001 22_240311
Roteiro iso9001 22_240311
 
Artigo porque planejar-aero18
Artigo porque planejar-aero18Artigo porque planejar-aero18
Artigo porque planejar-aero18
 
Sistemática de Monitoramento e Avaliação em Programas e Projetos Governamentais
Sistemática de Monitoramento e Avaliação em Programas e Projetos GovernamentaisSistemática de Monitoramento e Avaliação em Programas e Projetos Governamentais
Sistemática de Monitoramento e Avaliação em Programas e Projetos Governamentais
 
Apresentacao_CAF
Apresentacao_CAFApresentacao_CAF
Apresentacao_CAF
 
sistema de pontuação clássico
sistema de pontuação clássicosistema de pontuação clássico
sistema de pontuação clássico
 
sistema de pontuação clássico
sistema de pontuação clássicosistema de pontuação clássico
sistema de pontuação clássico
 
Apresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptx
Apresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptxApresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptx
Apresentacao Roteiro Avaliacao Maturidade.pptx
 
Implementação de um programa vazamento zero
Implementação de um programa vazamento zeroImplementação de um programa vazamento zero
Implementação de um programa vazamento zero
 
Implementando gestão nas organizações - Diagnóstico de gestão
Implementando gestão nas organizações - Diagnóstico de gestãoImplementando gestão nas organizações - Diagnóstico de gestão
Implementando gestão nas organizações - Diagnóstico de gestão
 
Gestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptx
Gestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptxGestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptx
Gestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptx
 
Planos de-melhoria
Planos de-melhoriaPlanos de-melhoria
Planos de-melhoria
 

Aplicação a3 p

  • 2. • 1º - Comissão Gestora • 2º - Diagnóstico • 3º - Plano de Gestão Socioambiental • 4º - Sensibilização e Capacitação • 5º - Avaliação e Monitoramento
  • 3. Comissão Gestora Para a adoção da A3P nas instituições, a formação da Comissão Gestora é um passo importante, pois se constituiu de uma comissão com representantes de todos os setores, com o compromisso de serem os agentes de socialização e sensibilização para a adoção de práticas de responsabilidade socioambiental nos órgãos em todos os setores. Sugere-se que a Comissão tenha de 5 a 10 pessoas para facilitar a comunicação institucional e um entendimento mais amplo. A Comissão da A3P deve ser institucionalizada por meio de instrumento legal pertinente e ter um representante titular e suplente de cada setor. A Comissão tem o papel de fazer a gestão compartilhada e ficará encarregada de: a) sensibilizar os gestores sobre a importância da implantação do programa; b) realizar o diagnóstico da instituição; c) realizar o planejamento das ações; d) apoiar a implantação das ações; e) promover o monitoramento das ações. Para as instituições que possuem representações em outro Estados da Federação, ou ainda municípios, sugere-se a constituição de subcomissões para a implementar a A3P. Essas subcomissões devem ser formadas por servidores locais. É fundamental para a efetiva implantação da Agenda que sejam criados mecanismos de comunicação interna e troca de informações entre Comissão e Subcomissões.
  • 4. Diagnóstico Depois de formada a Comissão, a próxima etapa é realizar um levantamento/inventário da situação socioambiental da instituição. O diagnóstico é fundamental para se ter uma boa eficiência na implantação da A3P. O diagnóstico deve conter informações sobre aspectos dos cinco eixos da A3P, desde o consumo de bens naturais e política interna de gestão de resíduos até a avaliação dos programas de qualidade de vida e práticas de sensibilização dos servidores. Por meio do diagnóstico é possível identificar pontos críticos relacionados, por exemplo, ao desperdício e oportunidades de aperfeiçoamento da gestão. O diagnóstico deve ser realizado pelos membros que compõem a Comissão Gestora e discutido de forma participativa com servidores da instituição (gestores, servidores e terceirizados). Do diagnóstico devem constar 1) levantamento do consumo de recurso naturais; 2) levantamento dos principais bens adquiridos e serviços contratados pela instituição; 3) levantamento de obras realizados; 4) levantamento sobre as práticas de desfazimento adotadas pela instituição; 5) levantamento de práticas ambientais já adotadas, principalmente com relação ao descarte de resíduos; 6) levantamento de necessidades de capacitação, entre outros que a Comissão definir. Sugere-se ainda que a partir dos levantamentos realizados seja calculada a linha-base para ser utilizada como referencial para a implantação de medidas socioambientais, principalmente, aquelas relacionadas à redução de gastos institucionais. Também é aconselhável fazer uma pesquisa de opinião com os funcionários para identificar os hábitos dos mesmos e assim direcionar melhor as campanhas de sensibilização.
  • 5. Plano de Gestão Socioambiental O Plano de Gestão Socioambiental deve estabelecer os objetivos, os projetos, atividades ou ações que serão implementadas, as metas a serem alcançadas, as responsabilidades instituicionais – do órgão e dos servidores – e as medidas de monitoramento. Também devem ser identificados os recursos disponíveis para a implantação das ações. Recomenda-se que além do objetivo geral, o Plano contenha objetivos específicos. Cada projeto ou atividade deve conter metas quantitativas e/ou qualitativas para facilitar o processo da melhoria contínua da gestão. Também devem ser identificadas as responsabilidades de cada unidade da instituição e os servidores envolvidos. O ideal é que as metas sejam estabelecidas a partir de uma linha-base calculada no processo de diagnóstico institucional. Após definição dos objetivos, metas e respectivo plano de ação, segue-se para etapa de implantação e operacionalização das atividades, para as quais administração deverá disponibilizar recursos físicos e/ou financeiros adequados. É importante que a fase de implementação seja acompanhada de campanhas de conscientização e sensibilização de todos os servidores para a importância da implantação da A3P. http://www.mma.gov.br/images/arquivo/80063/Modelo%20do%20Plano%20de%20Ge stao%20Socioambiental.pdf
  • 6. Sensibilização e Capacitação A Comissão pode desenvolver campanhas, cursos e publicação de material educativo específicos para os servidores. Deve-se prever também uma estratégia de comunicação para os servidores envolvidos na limpeza. A capacitação contribuiu para desenvolvimento de competências institucionais e individuais nas questões relativas à gestão socioambiental. Ao mesmo tempo fornece aos servidores oportunidades para aperfeiçoar habilidade e atitudes para um melhor desempenho das suas atribuições. A Comissão Gestora da A3P deve direcionar as ações de sensibilização e capacitação de modo a satisfazer as necessidades primordiais da instituição com o intuito de incentivar a adoção, pelos servidores, de uma postura socioambientalmente correta. Esse processo deve ser permanente e contínuo, pois a mudança de hábitos depende do desenvolvimento de cada indivíduo.
  • 7. Avaliação e monitoramento A Comissão deverá realizar avaliações e monitoramentos periódicos com o intuito de prover informações quanto à eficiência e eficácia do projeto. É importante que na avaliação sejam identificadas as falhas e os pontos de melhorias alcançados. Durante o processo de avaliação deve-se considerar a possibilidade de replanejar as atividades que não estão alcançando os resultados esperados. Recomenda-se que a avaliação e o monitoramento sejam realizados por meio de um conjunto de indicadores de sustentabilidade que permitam mensurar os avanços alcançados pelas instituições. A definição da linha base visa auxiliar nesse processo. Os indicadores de sustentabilidade devem funcionar como ferramentas de análise e acompanhamento dos processos atuando na base para a formulação de projetos e ações e para o acompanhamento da execução do Plano de Gestão Socioambiental. O principal objetivo desses indicadores é permitir que os gestores aprimorem o conhecimento sobre a realidade da instituição, por meio de informações que permitam comparar a qualidade da gestão socioambiental. Usando indicadores de uso de recursos naturais, por exemplo, é possível avaliar o desperdício e também determinar a eficiência no uso.