Young lions 2017 vivian jenckel

182 visualizações

Publicada em

Case Young Lions - Vivian Jenckel
Promessas Não Cumpridas - Samsung

Publicada em: Mídias sociais
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Young lions 2017 vivian jenckel

  1. 1. 1 2017 PROMESSAS NÃO CUMPRIDAS
  2. 2. 2 Sumário: Este é um case sobre uma campanha contada através de uma história que trazia uma grande verdade. Eu escolhi esse case porque ele tem a ver com aquilo que acredito ser um dos mais importantes papeis de um planejador hoje: a sensibilidade. Sensibilidade para entender com quem estamos falando e o que as pessoas querem e precisam ouvir de uma marca. Para mim, é um case que vai muito além de vendas, de números e principalmente, que não teve uma grande verba de investimento. Mas é algo construído com verdade e com contexto. Algo que para mim, é essencial hoje: um planejador precisa compreender com quem, para quem e em qual momento da vida das pessoas a marca vai comunicar. E isso, sem dúvidas, foi possível responder aqui. O que fiz pessoal e diretamente no case: Esse foi um dos primeiros projetos na agência em que eu me envolvi e ajudei a liderar do começo ao fim. Realizei todas as pesquisas de consumidor, comportamento e sobre o contexto social das pessoas através de ferramentas disponíveis na agência. Tudo isso para entender com quem e como falaríamos na campanha. Logo depois comecei a imersão no universo da marca, concorrentes e marcas referências para a campanha. Por fim, cheguei nas sugestões de caminhos estratégicos para então entregar para criação desdobrar.
  3. 3. 3 CASEPROMESSAS NÃO CUMPRIDAS
  4. 4. 4 Um novo momento da Samsung no digital: Nos últimos anos, o que eu mais ouvi nas agências é que uma marca precisa contar boas histórias nas redes sociais. Sem uma boa história não existe engajamento e nem um bom conteúdo, aí não há como competir em uma rede de amigos e memes. Uma estratégia de redes sociais não é uma tarefa fácil, ainda com uma marca como a Samsung, anunciante do ano em Cannes e uma das marcas mais inovadoras do mundo. Este é um case sobre uma história que conversou com o que as pessoas estavam vivendo. Eu o escolhi porque ele tem a ver com aquilo que acredito ser um dos mais importantes papeis de um planejador hoje: a sensibilidade. Sensibilidade para entender com quem estamos falando e o que as pessoas querem e precisam ouvir de uma marca. Algo que vai muito além das vendas e números, mas que se aproxima e conversa com pessoas. Ele foi construído em um cenário de crise e incertezas, tanto para Samsung quanto para os brasileiros. Era um dos meus primeiros grandes Jobs para marca na agência e dessa forma eu precisaria buscar soluções inteligentes para propor algo excelente que cumprisse o objetivo do job.
  5. 5. 5 O papel das redes sociais para uma marca: Recebi o desafio de criar uma campanha digital de final de ano para Samsung e uma das grandes questões desse case era entender o papel das redes sociais para uma marca, ainda mais como a Samsung. A Samsung é uma marca reconhecida, mas problemática e o que ela mais precisava naquele momento era se aproximar mais das pessoas participando das conversas que aconteciam nos canais digitais com maior relevância. E eu só conseguiria propor algo interessante depois de entender esse papel. As pessoas estão nas redes sociais por causa de pessoas. São plataformas de trocas sociais, ideal para gerar conexões emocionais e racionais entre pessoas e marcas. E a raiz disso tudo está nas histórias. Uma marca deve contar histórias e não fatos e isso é uma construção a longo prazo. É como na vida: você não vai conhecer a minha história em um dia, mas quanto mais tempo convivermos, mais vai saber sobre mim. Com uma marca, é a mesma coisa: conto algo sobre a minha marca hoje, amanhã eu conto mais e assim eu vou construindo a história. Além disso, tinha mais uma coisa para lembrar: histórias ancoradas em pessoas são o conteúdo mais poderoso para uma marca. O case de Humans of New York é um exemplo disso:
  6. 6. 6
  7. 7. 7 Uma campanha de final de ano, mas que poderia ir muito além disso: O trabalho começou em Novembro/2016 e esse era um período delicado para a imagem da Samsung. Ela estava enfrentando problemas com as explosões do Galaxy Note 7 e apesar de não terem acontecido no Brasil, afetaram negativamente a imagem da marca aqui também. Era o momento da Samsung fazer uma campanha com tom positivo e otimista. O meu trabalho era criar a estratégia de uma campanha digital para o final do ano, que falasse de marca e não de produto, e que trouxesse esse tom positivo e emocional. Em contrapartida, nenhum concorrente, e nem mesmo a Samsung, haviam feito uma campanha de final de ano com esse apelo emocional. Era aí que estava a grande oportunidade para o cliente e para o meu trabalho.
  8. 8. 8
  9. 9. 9 Havia outro desafio: dezembro é o mês que as pessoas menos acessam as redes sociais. Reuni essas informações com a minha visão sobre as redes sociais e comecei o trabalho.
  10. 10. 10 O universo da Samsung e das pessoas: O 1º passo era me aprofundar no universo da Samsung e das pessoas para encontrar algo que fosse verdadeiro e fizesse sentido. A Samsung vivia um período de crise na imagem e tudo que fosse feito deveria receber mais cuidado. Além disso, O Natal é o principal período do ano para o varejo eletrônico, segundo a Ebit. É uma data com forte apelo emocional, de mensagens positivas e quando grandes marcas fazem campanhas que emocionam e garantem seu espaço. Tudo isso aumentava ainda mais a expectativa da Samsung com a campanha. Entendi que se as pessoas passam menos tempo nas redes sociais em Dezembro, o conteúdo das marcas precisa ser muito mais relevante. Fui olhar marcas que mais engajaram as pessoas em Dezembro e encontrei algo em comum: todas traziam o clima de dezembro para os conteúdos. TOP BRAZIL FACEBOOK POST IN DECEMBER 2015 (*SOCIALBAKERS): A Samsung, além de trazer esse clima de final de ano na mensagem, precisava ser relevante.
  11. 11. 11 Eu não tinha tempo hábil para fazer uma grande pesquisa e falar com as pessoas, mas o digital me dava ferramentas que me ajudariam muito nisso. Usei o NetvizzGephi, que agrupa pessoas por sexo e faixa estária e mostra o que elas publicaram no Twitter: Encontrei 3 grandes temas que eram mais comuns em dezembro: Notei que em todas as idades, o volume dos conteúdos sobre Promessas de Fim de Ano era maior e vi que é sobre isso que as pessoas mais gostam de falar nesse período.
  12. 12. 12 Eu tinha o insight que estava embasado em um comportamento verdadeiro das pessoas, e era exatamente essa verdade que eu queria: A campanha iria contar sobre o verdadeiro sentimento das pessoas no final do ano.
  13. 13. 13 Caminho estratégico: Eu precisava desenvolver um caminho estratégico para levar para criação. Se a campanha falaria sobre um comportamento comum das pessoas, eu também precisava entender o contexto da Samsung e dos Brasileiros e ver se tudo me daria uma estratégia consistente. A Samsung trabalhou durante 2016 com o conceito de Desafie Barreiras. Eu tinha a opção de continuar com esse conceito ou propor um novo, então tentei entender o quanto ele ainda poderia fazer sentido. Começaram as minhas buscas pelos grandes assuntos de 2016: de BuzzFeed às principais buscas feitas no Google, Trending Topics do Twitter, matérias em portais de notícias e tudo que pudesse me munir de informações sobre o que os brasileiros viveram ao longo do ano e como a Samsung se encaixaria nisso. Vi que os brasileiros viveram muitos fatos negativos que diminuíram a autoestima dele ao longo de 2016: Foi aí que o “Desafie Barreiras” fez ainda mais sentido para mim: ele conversava perfeitamente com o momento que nós estávamos vivendo: um momento de incertezas, medos e desafios. Desafiar Barreiras era mais que uma assinatura de marca, era uma verdade que continuava viva naquele momento e que dialogava com as pessoas.
  14. 14. 14 E isso continuaria fazendo sentido em 2017, afinal, continuaríamos desafiando barreiras todos os dias durante próximo ano. Então, a história que eu queria contar era que a Samsung estaria junto das pessoas ao longo do ano para ajuda-las a enfrentar os desafios diários e a construírem sua própria jornada. O que entreguei a criação: No momento do briefing para criação, apresentei a resposta para 6 grandes perguntas: 1. O que a Samsung comunicou em 2016? - Benefícios de Produto 2. O que o Brasileiro viveu em 2016? - Um momento de tensão e pessimismo 3. O que as marcas estavam comunicando nessa época do ano? - Atributos emocionais 4. Quais eram as barreiras que a Samsung enfrentava? - Crise na imagem da marca (Galaxy Note 7) 5. Qual era o insight contextualizado nas pessoas? - Resoluções para o próximo ano 6. Qual era a oportunidade diante disso? - Falar sobre as promessas para 2017 E conclui tudo isso com o caminho estratégico que direcionaria a criação: Samsung. Com você a cada passo da sua vida.
  15. 15. 15 Como a criação respondeu ao briefing: A criação buscou pessoas reais que fizeram alguma promessa de ano novo no início de 2016 e fez com que essas promessas fossem cumpridas no último mês do ano. A campanha foi desdobrada em uma websérie nos formatos de vídeo, posts, canvas e carrossel (formatos do Facebook) Teaser: https://www.youtube.com/watch?v=6-DM5nSrMew Vídeo Lançamento: https://www.youtube.com/watch?v=j4vdh1RP3P8
  16. 16. 16 Episódio 1: https://www.youtube.com/watch?v=bEQgK5RmHIU&t=8s Episódio 2: https://www.youtube.com/watch?v=NvPMscXIAhk&t=29s
  17. 17. 17 Episódio 3: https://www.youtube.com/watch?v=ZVsY6JopW_s
  18. 18. 18 Posts Facebook:
  19. 19. 19
  20. 20. 20 Resultados: O case teve como premissa testar o mês de Dezembro, que sempre apresentou a menor taxa de engajamento na fanpage, por isso o engajamento orgânico era a métrica a ser analisada. Dezembro/2016 superou as expectativas. Em relação a Dezembro/2015 o engajamento orgânico aumentou 63% e Dezembro foi o 5º melhor mês de 2016. Com o sucesso desse trabalho, a Samsung apostou em uma nova estratégia de redes sociais e mudou seu modo de conversar com o consumidor no digital: hoje a abordagem dos conteúdos é emocional, usa a estratégia de storytelling e storyselling e conectada à contextos sociais. Publicações: 14 Views: 1.08MM - 44% assistiam o vídeo inteiro Reach: 1.66MM Menções: Dos 27.603 comentários que a FanPage recebeu, 1.351 comentários foram diretamente ligados a campanha que obteve quase a mesma quantidade de comentários que a Campanha de Olimpíadas (1.550 comentários) durante o mês de Agosto.
  21. 21. 21 Obrigada, time! Planejamento: Dante, Gustavo e Leandro Atendimento: Mariana, Andrea, Georgia e Plínio Criação: Pedro, Vinicius, Henrique e Ivan Clientes Samsung: Loredana, Alessandra, Monique e Jean
  22. 22. 22 Por que quero ir a Cannes: Desde que entrei na propaganda eu tive uma pulga atrás da orelha e me perguntava: “será que é só isso mesmo que devemos fazer? Será que não podemos ir mais?”. Cannes naquela época ainda (na minha visão) era um festival de propaganda, que premiava filmes, peças e até algumas coisas digitais, mas que não parecia mostrar verdadeiras inovações, mas um lugar onde publicitários se retroalimentavam de publicidade. Admito, sempre fui muito cética em relação ao que sabia que acontecia lá, achava mais vaidade do que qualquer coisa. Porém, assim como tudo nesse nosso mercado, parece que Cannes entendeu se não se reinventasse poderia morrer. As novas categorias como Innovation, Data, Effectiveness, Media e Titanium parecem muito mais prêmios sobre negócio, sobre inovação e sobre estratégia. As palestras, idem, hoje não é só aquele diretor de criação ou aquele CMO de uma marca descolada, mas sim artistas, teóricos, psicólogos e economistas, são tópicos enriqueceres e inspiradores. E é por conta disto que hoje meu olho brilha para o festival. Acho que o festival de Cannes de hoje é uma grande oportunidade para que eu consiga de perto ver essa transformação que o festival, junto da nossa profissão, e conseguir me posicionar neste cenário que hoje me mostra que um planejador, ou qualquer outra pessoa dentro de uma agência, pode ter um papel muito mais profundo na transformação do negócio dos nossos clientes.

×