Mito e Comunidade (parte 2 de 2) «                                                                                        ...
Mito e Comunidade (parte 2 de 2) «                                                                                        ...
Mito e Comunidade (parte 2 de 2) «                                               Page 3 of 5



  Submit Comment


    •  ...
Mito e Comunidade (parte 2 de 2) «                                               Page 4 of 5



         ◦   Dragoscópio
 ...
Mito e Comunidade (parte 2 de 2) «                                               Page 5 of 5



           ◦   Mankind Qua...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Texto7 P7

275 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
275
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Texto7 P7

  1. 1. Mito e Comunidade (parte 2 de 2) « Page 1 of 5 O FOGO DA VONTADE • Home • Contacto Mito e Comunidade (parte 2 de 2) 2009 Junho 12 by Rodrigo Esta ligação íntima entre Mito fundador, sociedade, sistema de valores, norma social, permite-nos falar da sociedade como de um organismo, de falar de sociedade orgânica. De resto, o termo sociedade é impróprio, como o demonstra o facto de sermos obrigados a adjectivá-lo. Falarei então, doravante, de comunidade, para significar sociedade orgânica, e ademais, oporei comunidade a sociedade, a toda a linha, um pouco da maneira como opomos um conceito-limite a outro. Esta oposição entre comunidade e sociedade não é nova, foi estabelecida por sociólogos alemães e notoriamente por Ferdinand Tönnies. A intuição destes sociólogos era justa, mas sempre conduziu a conclusões erradas ou a teorias assaz confusas, porque a definição de comunidade em relação a sociedade nunca foi dada senão de maneira implícita. Um Mito é sempre nostalgia das origens, como afirma Mircea Eliade, mas também é sempre visão cosmológica do futuro, anuncia um fim do mundo, que também pode ser por vezes começo de uma repetição do mundo e, num caso que conhecemos bem, regeneração do mundo. O Mito, também o dizemos, não tem tempo. Não o tem porque ele é o tempo, o tempo da história. Assim, a comunidade que ele organiza é um organismo histórico que ocupa a todo o momento as três dimensões do tempo histórico. Uma comunidade é um organismo vivente, que está à vez no passado, no presente e no futuro. Uma comunidade tem uma consciência comunitária, que é, ao mesmo tempo, memória, acção e projecto. Uma tal comunidade, chamamo-la povo. Quando um povo já não tem a memória das suas origens e, como diz Richard Wagner, quando deixa de ser movida por uma paixão e um sofrimento comum, deixa de ser povo: torna-se massa. E a comunidade torna-se sociedade. Afirmei que comunidade e sociedade são conceitos-limite. Há sempre um pouco de massa nos melhores povos e há sempre uma réstia de povo na massa mais vil e mais rebaixada. Não há dúvida, e de resto enchem-nos com isso os ouvidos, de que vivemos na época das massas, de que vivemos em sociedades massificadas. O indivíduo, não importa qual, é divinizado em nome da igualdade. Todo o individuo social tem o mesmo valor, a personalidade nunca é tomada em consideração – e com causa, pois já não há sistema referencial de valor social. Numa comunidade, pelo contrário, o valor humano, que é sempre personalidade social, é medido pelo seu grau de adequação aos exemplos ideais propostos pelo Mito, e que cada membro da comunidade traz em si como uma espécie de superego. Quando o mito se esteriliza, quando esses arquétipos ideais não são mais sentidos como tal, deixa de haver laço comunitário, de modo que, no limite, todo o indivíduo é considerado como ideal em si, pelo simples facto de ser um indivíduo. O que resta para manter unido aquilo que se tornou uma sociedade, é o laço sempre precário e contingente criado pela aliança dos interesses egoístas de grupos de indivíduos, de classes, de partidos, de capelas, de seitas. A verdadeira dimensão humana, que é dimensão histórica, está perdida; a sociedade de massa já não se preocupa, verdadeiramente, nem com o passado nem com o futuro, apenas vive no presente e para o presente. Assim, ela já não faz política, apenas faz economia, e economia da pior espécie, condicionando todos os reflexos sociais. Sintomaticamente, a preocupação do futuro, os horizontes do século XXI, não são invocados senão para justificar e avalizar o insucesso económico do presente. Perceberam bem, estamos em vias de falar das nossas sociedades ocidentais. Estas sociedades, no seio das quais nascemos e vivemos, saíram da grande ecúmena cristã, que havia sido formada e conformada pelo Mito judaico-cristão. Este Mito morreu há muito tempo, com o seu Deus. Mesmo a religião, tal como é veiculada pelo que resta das Igrejas, é ideologizada, tornou-se ideologia que se opõe a outras ideologias brotadas da mesma fonte mítica, entretanto exaurida. Ali, onde o Mito havia organizado, harmonizado, unido, e assim dado um significado e um conteúdo espiritual, isto é, humano, à vida dos homens, as ideologias opõem, desunem, desagregam. A ideologia rejeita o Mito como sendo irracional e pretende, ela, ser racional, ser racionalmente fundada. No fundo, de maneira implícita ou explícita, toda a ideologia pretende ser ciência e ciência do homem também. E lançada sobre a sua busca de racionalismo, toda a ideologia acaba por se transformar em anti-ideologia. Com efeito, uma vez que uma ideologia é sempre http://ofogodavontade.wordpress.com/2009/06/12/mito-e-comunidade-parte-2-de-2/ 15/6/2009
  2. 2. Mito e Comunidade (parte 2 de 2) « Page 2 of 5 acompanhada por uma ideologia contrária, esta constatação leva à procura de uma síntese, numa espécie de neutralidade ideológica aparente, sustentada pela convicção absurda de que em último caso tudo, mesmo o homem, é quantificável, que tudo pode ser calculado, que a vida de uma sociedade reduz-se a um problema de gestão administrativa. As sociedades ocidentais, por exemplo, têm a ilusão de reencontrar a harmonia perdida, a fusão íntima dos contrários, graças às virtudes da tolerância: mas tornam-se assim esquizofrénicas e tornam esquizofrénicos os indivíduos mais sensíveis ao clima social. O indivíduo ocidental acaba sempre por ter uma má consciência, sobretudo ao nível do poder, porque é atormentado por duas exigências opostas, que não saberia satisfazer conjuntamente, que dizemos ser, para simplificar: a exigência de liberdade individual e a exigência de justiça social. A cisão que está no seio das sociedades está também sempre no coração dos indivíduos e isso leva por vezes a consequências cómicas, como no caso dos liberais avançados que queriam também ser ao mesmo tempo socialistas e no dos comunistas e socialistas que queriam também ser liberais. E note-se que se desconsideramos o Mito, rejeitado como sendo irracional, instintivamente pretendemos recuperar os seus benefícios sociais, propondo Anti-Mitos, com um ideal correspondente que seria o do anti-herói, ideal tão bem representado ao nível da consumação quotidiana de pseudo-valores sociais, pelo artista desleixado, cabeludo e se possível um pouco sujo. As sociedades comunistas, também elas saídas do Mito judaico-cristão, tentaram uma outra solução. Escolheram a intolerância, em benefício de uma só ideologia, convocada a tomar a lugar do Mito. Mas porque a ideologia não é um Mito, e portanto não pode ser operante na alma dos indivíduos, estes nunca se conformam à norma ideológica. A consequência bem conhecida é que a sociedade comunista é uma sociedade restritiva. Para ser exacto: há na sociedade comunista, a todos os níveis, uma obrigação de restrição, de forma que o depurador acaba sempre, ele próprio, depurado, enquanto na sociedade liberal-democrática chegamos a uma obrigação de tolerância, da qual mesmo os delinquentes acabam por beneficiar. Além do mais, também as sociedades comunistas, apesar de certas aparências “anti-económicas”, apenas vivem no presente. A demonstração é-nos oferecida, de maneira periódica mas marcante, pela condenação de todo o “presente encerrado”, assumindo o aspecto de uma celebração ritual. O presente é sempre divinizado – de Lenine a Estaline, até Mao – para ser infalivelmente condenado e desprezado a partir do momento em que cede lugar a outro presente. Assim, tudo somado, podemos dizer que a equação social da sociedade comunista tem como resultado o mesmo valor da equação democrático-liberal. Microscopicamente, ao nível dos indivíduos, a sociedade liberal é mais atraente, daí os fenómenos de dissidência no seio dos regimes comunistas, as fugas, e por reacção o muro de Berlim. Mas note- se também que ao nível macroscópico, da massa enquanto tal, a fuga produz-se sobretudo em sentido inverso e que portanto, no pós-guerra, as sociedades socialistas multiplicaram-se. O que fazer então? O que esperar? Permitam-me regressar uma vez mais a Nietzsche. Nietzsche foi dos primeiros a dizer-nos que a civilização ocidental tinha entrado em agonia, uma agonia de duração imprevisível, e que iria morrer. As nações europeias estão condenadas ou a sair da história à maneira dos Bororos, tão caros ao senhor Levy-Strauss, ou a morrerem historicamente e verem dissolvida a sua substância biológica em nações e povos que estão para vir. No fundo, todos na Europa estão mais ou menos conscientes e é por causa disso que há, desde há algum tempo, um discurso sobre a Europa. Mas essa Europa é concebida como um prolongamento das actuais realidades sociais, como o último meio para salvar o que está em agonia, o que está condenado à morte, ou seja, a civilização judaico-cristã. Mas se uma Europa vir a luz do dia num futuro mais ou menos distante, ela não terá sentido, historicamente, se não for tal como Friedrich Nietzsche a auspiciava, conduzida e organizada por um Mito novo, fundamentalmente estranho a tudo o que existe hoje. Acreditamos que este novo Mito já existe, que já apareceu. Disso há sinais e sinais por detrás dos sinais. Nos seus inícios um Mito é sempre extremamente frágil, a sua vida depende sempre de alguns punhados de homens que já o falam. Num estudo sobre aquilo que chamo a música europeia, de Johann Sebastian Bach a Richard Wagner, tentei mostrar como este Novo Mito e a nova consciência histórica que o transporta nasceram, e mostrar também por que via este Novo Mito se dirigiu ao nosso presente. Se ele vive ainda, não pode sobreviver senão em virtude da total fidelidade ao seu jovem passado daqueles que o transportam. É certo, ele ainda não disse tudo, talvez não tenha feito mais que balbuciar. O mito, quando vivente, está sempre em vias de se expressar. from → Filosofia e Doutrina No comments yet Leave a Reply Name : Email : Website: Comment: Note: You can use basic XHTML in your comments. Your email address will never be published. Subscrever o feed deste comentário por RSS Notify me of follow-up comments via email. http://ofogodavontade.wordpress.com/2009/06/12/mito-e-comunidade-parte-2-de-2/ 15/6/2009
  3. 3. Mito e Comunidade (parte 2 de 2) « Page 3 of 5 Submit Comment • Comentários Recentes Rodrigo no O rebanho ocidental YHWH no O rebanho ocidental Rodrigo no Os libertadores Rodrigo no A escolha do Trágico YHWH no Não à Europa maçónica! • Categorias ◦ Agitprop (3) ◦ Arte (5) ◦ Ética e Estética (15) ◦ Cinema (2) ◦ Citações (6) ◦ Direito (1) ◦ Economia (11) ◦ Editorial (15) ◦ Entrevistas (7) ◦ Estado (1) ◦ Estratégia (6) ◦ Filosofia e Doutrina (37) ◦ Geopolítica (7) ◦ História (17) ◦ Humor (2) ◦ Imigração (12) ◦ Internacional (8) ◦ Ligações (5) ◦ Livros (6) ◦ Maçonaria (2) ◦ Manipulação (10) ◦ masculino/feminino (7) ◦ Modernidade (3) ◦ Mundialização (6) ◦ Nacional (4) ◦ Nova Direita (5) ◦ Personalidades (2) ◦ Revolução Conservadora (4) ◦ Sistema (13) ◦ Tradição e Espiritualidade (9) • Anterior ◦ Batalha Final • Blogs ◦ A Voz Portalegrense ◦ Admirável Mundo Novo ◦ Alma Pátria ◦ Archaion ◦ Askesis ◦ Au Milieu des Ruines ◦ Cegos, Mudos e Surdos ◦ Cidade do Sossego ◦ Citadino ◦ Club Acacia http://ofogodavontade.wordpress.com/2009/06/12/mito-e-comunidade-parte-2-de-2/ 15/6/2009
  4. 4. Mito e Comunidade (parte 2 de 2) « Page 4 of 5 ◦ Dragoscópio ◦ Euro-Synergies ◦ Euro-Ultramarino ◦ Gladius ◦ Inconformista ◦ InfoKrisis ◦ Legião Invicta ◦ Legião Vertical ◦ Manlius ◦ Minoria Ruidosa ◦ Mneme ◦ Nonas ◦ Nova Frente ◦ O Reaccionário ◦ ONG ◦ Pena e Espada ◦ Perspectivas ◦ Política XIX ◦ Prometheus ◦ Reconquista ◦ Reverentia ◦ Revisionismo em Linha ◦ Theatrum Belli ◦ Urgrund ◦ Vouloir ◦ Zentropa • Fóruns ◦ Fórum Nacional ◦ Lealdade Sacra ◦ Viva Mafarka • Notícias ◦ Altermedia ◦ NoReporter ◦ Novopress ◦ Rinascita • Partido ◦ PNR • Sítios ◦ AAARGH ◦ Adriano Romualdi ◦ AmRen ◦ Boletim Evoliano ◦ Causa Identitária ◦ Causa Nacional ◦ Centro Estudos Euroasiáticos ◦ Centro Studi La Runa ◦ Cultrura.net ◦ Edições Falcata ◦ Edições Réquila ◦ Edizioni di Ar ◦ EuroCombate ◦ Europe Maxima ◦ Gabriele Adinolfi ◦ GRECE ◦ Il Fondo ◦ Junge Freiheit Archiv ◦ L’Esprit Européen ◦ L’Uomo Libero ◦ Librad ◦ Libreria Europa http://ofogodavontade.wordpress.com/2009/06/12/mito-e-comunidade-parte-2-de-2/ 15/6/2009
  5. 5. Mito e Comunidade (parte 2 de 2) « Page 5 of 5 ◦ Mankind Quarterly ◦ Metapedia ◦ Nova Direita ◦ Occidental Quarterly ◦ Polémia ◦ Rádio Bandiera Nera ◦ Rodrigo Emílio ◦ Terra e Povo – Galiza ◦ Terra e Povo – Portugal ◦ Terre et Peuple ◦ Thule Italia ◦ Tierra y Pueblo ◦ VHO ◦ Via Natura ◦ VoxNR ◦ Zur Zeit • Tradição e Espiritualidade ◦ Celtiberia ◦ Georges Dumézil ◦ Racines et Traditions • z ◦ • Arquivos ◦ Junho 2009 ◦ Maio 2009 ◦ Abril 2009 ◦ Março 2009 ◦ Fevereiro 2009 ◦ Janeiro 2009 ◦ Maio 2008 ◦ Abril 2008 ◦ Março 2008 ◦ Fevereiro 2008 ◦ Janeiro 2008 ◦ Dezembro 2007 ◦ Novembro 2007 ◦ Outubro 2007 ◦ Agosto 2007 ◦ Julho 2007 ◦ Junho 2007 ◦ Maio 2007 ◦ Abril 2007 ◦ Março 2007 ◦ Fevereiro 2007 ◦ Janeiro 2007 ◦ Dezembro 2006 Blog em WordPress.com. Theme: Vigilance by Jestro http://ofogodavontade.wordpress.com/2009/06/12/mito-e-comunidade-parte-2-de-2/ 15/6/2009

×