Lançamentos Editora Draco

256 visualizações

Publicada em

Lançamentos da Editora Draco

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
256
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
50
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lançamentos Editora Draco

  1. 1. Ele é um carrasco, um a punição do universo pela arrogância hum ana. Ele é um k a iju. Você pode sen ti-lo se aproxim an do. A cada passada, u m terrem oto. A cada som bra lan çada, pân ico e terror. Seu u rro estilh aça vidraças e m en tes. Seu s golpes n ão deixarão pedra sobre pedra. Será a cidade devastada por su a passagem m ais u m a vez? Das m ais an tigas eras até o fu tu ro in certo, esses terríveis colossos assolam a Hu m an idade, n ós qu e para eles n ão som os m ais qu e in setos, parasitas a serem devorados ou esm agados. Depois de su a ch egada, sobreviver se torn ará a n ossa ú n ica razão de existir. Monstros Gigantes – Kaiju é u m a an tologia sobre esses arau tos da destru ição em m assa on de 18 criatu ras trazem su as versões de com o tu do acaba — ou o qu e fazer para qu e tu do con tin u e. Organ izada e com participação dos terríveis Lu iz Felipe Vasqu es e Dan iel Ru ssell Ribas, su rpreen da -se com textos catastróficos dos au tores Dan iel Folador Rossi, Davi M. Gon zales, Sid Castro, Pedro Afon so, Ch eile Silva, Barbara Soares, Dan ilo Du arte, Edgard Refin etti, Adrian o An drade, Lean dro Fon seca, Gilson Lu is da Cu n h a, Vitor Takayan agi de Oliveira, Bru n o Magn o Alves e Gabriel Gu im arães. En fren te a avassaladora presen ça ou viven cie a an gú stia de pessoas m arcadas pela vin da desses in ven cíveis n êm eses. E se h ou ver o dia segu in te à su a m arch a apocalíptica, o m u n do com certeza n ão será m ais o m esm o. Monstros Gigantes – Kaiju, org. Luiz Felipe Vasques e Daniel Russell Ribas
  2. 2. O livro daria u m a bela com édia rom ân tica n o cin em a. A h istória é m odern a e verossím il em todos os seu s aspectos. Tem h u m or com situ ações h ilárias e cada capítu lo é in stigan te. — Ana Dantas, blog Má In flu ên cia de Sofia O desapego às vezes vem com um novo am or Raqu el faz o m aior su cesso n a in tern et. Seu blog Su per Desapegada m otiva m u lh eres a se valorizarem e prega a au toestim a sem a presen ça con stan te e essen cial de u m com pan h eiro. Mas fora da web Raqu el n ão é tão descolada assim e carrega h á m u ito tem po u m am or platôn ico por Alan , seu m elh or am igo de in fân cia. Em seu an iversário de trin ta an os, Raqu el descobre qu e ele está n oivo de Bian ca, a irm ã caçu la de Eric, seu rival n os tem pos de escola. Para con segu ir acabar com o casam en to e con qu istar de vez seu gran de am or, a blogu eira precisa se aliar ao sarcástico Eric. Porém logo ela com eça a perceber qu e essa parceria pode ren der m u ito m ais do qu e im agin ava . Su per Desapegada é u m divertido rom an ce de J aqu elin e de Marco. En tre m om en tos in esqu ecíveis e ou tros h ilários qu e seria m elh or esqu ecer, essa é a h ora de Raqu el apren der qu e, para praticar o tão estim ado “desapego”, é preciso abrir seu coração para n ovas experiên cias … e qu em sabe para u m n ovo am or. Super Desapegada, Jaqueline de Marco
  3. 3. Para am ar e ser livre. Sem lim ites. Boy ’s Love ou y aoi são apen as form as de descrever o fen ôm en o qu e su rgiu n o J apão e con qu istou o m u n do. Histórias ch eias de sen sibilidade e afeto, protagon izadas por rapazes em relações h om oafetivas, u m a m an eira de ver a vida qu e abre as portas da fan tasia e se aprofu n da n o qu estion am en to sobre o qu e é certo ou errado. Viaje para o m u n do dos m ortos ou descu bra lin dos seres qu e só poderiam sair dos tom os da m itologia. Nessas págin as o terror e a tern u ra serão apen as prelim in ares para o qu e n ão pode m ais esperar. Em Boy ’s Love – Sem preconceitos, sem lim ites , a paixão fala m ais alto e é a tôn ica n esses en con tros. Lem on é u m term o qu e virou sin ôn im o de ficção ch eia de cen as pican tes e sem restrições para o prazer. E n essa edição, é tam bém o n osso tem pero para experim en tarm os sem pu dores o qu e as palavras podem expressar. Organ izada e ilu strada por Tan ko Ch an , qu e tam bém participa com u m con to, essa an tologia traz deliciosas h istórias por Dan a Gu edes, Clau dia Du gim , Nu n o Alm eida, Márcia Sou za, Priscilla Matsu m oto, Karen Alvares, Vikram Raj e Blan xe. Qu an do as prim eiras peças de rou pa caírem n o ch ão, beijos e carícias gu iarão a existên cia dos am an tes. Não h averão m ais barreiras para esse am or. Isso já ficou para trás. Boy’s Love – Sem preconceitos, sem lim ites, org. Tanko Chan
  4. 4. Poderá o am or florescer enquanto enfrentam o rancor daqueles que já se foram ? Nu n ca é fácil recom eçar. Especialm en te para garotos tím idos e solitários com o Naoki Fu jim oto. Ao m u dar -se para a tran qu ila e bela cidade de Ku sh iyam a, n o in terior do J apão, o rapaz depara-se com u m con tu rbado com eço de an o letivo n a n ova escola. O bully ing, porém , está lon ge de ser o pior qu e poderia acon tecer. Qu an do con h ece Taku m a e seu s am igos, parece qu e h á u m a ch an ce de ter u m a boa con vivên cia n essa n ova fase de su a vida. Até qu e eles o desafiam a u m teste de coragem . Naoki é forçado a participar do Kokku ri-san , u m jogo m acabro para con versar com os m ortos. Mas essa brin cadeira desperta u m a tragédia real, qu e m an ch ou para sem pre as paredes da escola, e passa a persegu i-los para além de seu s lim ites. Boy ’s Love – Flor de Am eixeira é u m a sen sível h istória de am or de Dan a Gu edes com desen h os de Nyao (Ku loh ). En tre m istério e m edo, os laços de Naoki e de Taku m a se estreitam e seu s sen tim en tos desabroch am com o a lin da u m e, a flor de am eixeira, qu e colore as ru as. Un a-se a eles n essa paixão qu e pode ser assu stadora com o os espíritos am argu rados, ou acon ch egan te com o o sol qu e brilh a n a fria prim avera japon esa. Boys Love – Flor de Ameixeira, Dana Guedes e Nyao (Kuloh)
  5. 5. Lute com honra. Em guarda. Com ece o duelo! Os sam urais são a tradição, a bu sca pela perfeição e o cam in h o da h on ra. Os ninjas são a astú cia, don os dos segredos e m istérios das som bras. Em m u n dos orien tais verdadeiros e im agin ários, os seu s em bates sem pre serão len dários. Cada u m de u m lado, a batalh a vai com eçar. Desde o passado lon gín qu o ch eio de seres m ísticos até u m fu tu ro terrível dom in ado pela tecn ocracia e su as organ izações im placáveis, esses gu erreiros podem estar em lados opostos ou u n idos em m issões in u sitadas. Coloridas com o belas gravu ras em seda ou brilh an tes telas de gam es, ágeis com o os m an gás de lu ta ou h arm on iosas com o u m a m ú sica de koto, a m agia e as artes m arciais são o tem a dessas h istórias ban h adas pela lu z do sol n ascen te. Sam urais x Ninjas é a coletân ea da Editora Draco qu e reveren cia a tradição japon esa. Desde a h istória m ilen ar à cu ltu ra pop qu e dom in ou o m u n do, elegem os esses poderosos sím bolos para ilu strar essa paixão. Organ izada pelos gaijins com espírito n ipôn ico Edu ardo Kasse e Erick San tos Cardoso, os au tores Mickael Men egh eti, Ágath a Yu kari, Cristian o Kon n o, Alexan dre Heredia, Cín tia Lopes, Aya Im aeda, J essica Borges, An a Lú cia Merege, Roberta Grassi, Bru n o Magn o Alves, Felipe Alves, An dré S. Silva, Sam u el Cardeal, Carol Peace Medeiros, L. E. Peret e J . M. Beraldo aten deram ao ch am ado para percorrer o cam in h o dos gu erreiros. É ch egada a h ora, as cerejeiras derram am as su as pétalas sobre u m cam po ilu m in ado pelo ru bro pôr do sol. Saqu e a su a lâm in a e prepare-se para a vitória! Samurais x Ninjas, org. Eduardo Kasse e Erick Santos Cardoso
  6. 6. Você deixaria tudo para trás se soubesse que vislum braria o futuro? Este é o relato da prim eira m issão tripu lada a ou tro sistem a estelar. Com an dada por Sylvia Ch an g, a n ave Pion eira con du zirá seis pessoas brilh an tes a efetu ar o prim eiro con tato com os pavon ian os, alien ígen as residen tes n o sistem a Delta Pavon is. O plan o é perm an ecer por lá u m a década para estu dar su as du as biosferas plan etárias e depois partir para avaliar de perto Molton , u m a sin gu laridade gravitacion al a três an os-lu z do Sol. Só qu e os pavon ian os arm aram u m a su rpresa trem en da para os visitan tes h u m an os, qu e além de todos os percalços n ão im agin am qu e esse é apen as o com eço de u m a viagem sem volta através do tem po e do espaço. Estran h os n o Paraíso é u m rom an ce de Gerson Lodi-Ribeiro (de A Guardiã da Mem ória, A Ética da Traição, Xochiquetzal: um a princesa asteca entre os incas e Aventuras do Vam piro de Palm ares ), u m dos m aiores escritores brasileiros de ficção especu lativa da atu alidade. A n arrativa com eça com o ficção cien tífica e term in a com o h istória altern ativa, com u m pon to de divergên cia in u sitado. Um a lin h a h istórica in stigan te, qu e se reform u la de m an eira origin al, u m a m istu ra de gên eros realizada com m aestria. Abra m ão de tu do o qu e viven ciou , de tu do o qu e en ten dia e aven tu re-se sem m edo ru m o ao con h ecim en to. Estranhos no Paraíso, Gerson Lodi-Ribeiro
  7. 7. Aventura, investigação e terror encontram a ficção científica. E se o m u n do tivesse sido criado h á apen as 15 m in u tos? Livros proibidos e u m a m áqu in a do tem po revelam o segredo ch ocan te da origem do h om em . Detetive viaja a estação espacial em órbita de Vên u s para in vestigar m orte m isteriosa. Soldados en fren tam u m a aterrorizan te revolta da própria força fu n dam en tal do u n iverso. Essas são pequ en as am ostras desta reu n ião de cen ários e tem as qu e têm em com u m o com prom isso com a boa literatu ra de en treten im en to. Tem pos de Fúria: contos de ficção científica é m ais u m a coletân ea de Carlos Orsi, au tor de Guerra Justa (2010), As Dez Torres de Sangue (2012) eCam po Total e outros contos de ficção científica (2013). Ao explorar sem m edo tan to con ceitos vigen tes com o teorias já u ltrapassadas em su as h istórias, o trabalh o de Orsi u n e aven tu ra e terror, sem pre ten do a ciên cia com o pan o de fu n do. Saiba por qu e su a escrita en volven te e qu estion adora já é referên cia n a literatu ra especu lativa brasileira. Tempos de fúria: contos de ficção científica, Carlos Orsi
  8. 8. Qual é o preço pelo segredo da criação da vida? Con h eça Hieron de Zen ária, sábio erran te qu e vaga pelo con tin en te m ítico de Darach . Ao oferecer seu s serviços com o en gen h eiro para as tropas qu e sitiam u m a cidade con den ada por h eresia, acaba tran sform ado em espião. Ao lado do m ercen ário Maabal, Hieron m ergu lh a sem qu erer n a teologia por trás da gu erra. Com u m m isto de cu riosidade e cin ism o, descobre-se u m a sim ples peça n a dispu ta m ais profu n da qu e en volve o segredo da criação da vida. Flores do J ardim de Balau r, n ovela do au tor de ficção fan tástica Carlos Orsi (Guerra Justa (2010), As Dez Torres de Sangue (2012) e Cam po Total e outros contos de ficção científica (2013)), apresen ta os perigos e as am bições ocu ltas pela fé cega. A sabedoria de Hieron será su ficien te para salvá-lo de m aqu in ações qu e en volvem os próprios deu ses? Flores do Jardim de Balaur, Carlos Orsi
  9. 9. Essa jornada m ágica só ela pode trilhar An n a sem pre foi feliz en tre os elfos da Floresta dos Teixos, m as, ao com pletar doze an os, com eça a se dar con ta de qu e é m u ito diferen te de todos. Nem su a avó, u m a caçadora experien te, e n em o xam ã da tribo têm respostas para su as dú vidas. Qu an do u m a m isteriosa coru ja rou ba su a bolsa de talism ãs, a m en in a se aven tu ra em u m a jorn ada n o coração da floresta, atravessan do os territórios dos espíritos-gu ardiões da tribo. E é através das arm adilh as e perigos da Trilh a Secreta qu e tu do o qu e apren deu até h oje será posto à prova. An n a e a Trilh a Secreta, escrito por An a Lú cia Merege e ilu strado por Ericksam a, é o prim eiro livro a m ostrar u m ou tro lado do fan tástico u n iverso de Ath elgard. Agora pelo olh ar dos m ais joven s, visite a m agia e a im agin ação qu e en can taram os leitores de O Castelo das Águias , A Ilha dos Os sos e O Tesouro dos Mares Gelados . Mas cu idado para n ão se perder. Siga o seu coração e n os diga o qu e h á n o fin al dessa trilh a. Anna e a Trilha Secreta, Ana Lúcia Merege
  10. 10. tQuando às m ulheres não cabia decidir, Sue e Rabiosa tom aram as rédeas de suas vidas Em u m m u n do dom in ado pela violên cia de foras da lei com próteses m ecân icas, n en h u m h om em era páreo para eles. Até qu e du as m u lh eres m ovidas a vin gan ça e a vapor resolvem desafiar esses ban didos m etade h om en s, m etade m áqu in as. Com o saqu ear u m locom otiva blin dada con siderada in destru tível? O qu e u m dos m aiores in ven tores do país tem a ver com isso? Tu do isso é parte do plan o diabólico para o m aior rou bo de trem da h istória, orqu estrado por Lady Delillah ! Mas em seu cam in h o estão Su e e Rabiosa, m u lh eres qu e têm em com u m destin os trágicos pela m ão da crim in osa. Para elas, m ais difícil do qu e evitar este assalto é provar qu e du as dam as podem ser as protagon istas de su a própria h istória n o am bien te h ostil do velh o oeste. Steam punk Ladies : Vingança a Vapor é u m a aven tu ra em qu adrin h os ch eia de in ven ções e visu al qu e h om en ageiam o gên ero steam punk , com roteiro de Zé Wellin gton , desen h os de Di Am orim e Wilton San tos, cores de Ellis Carlos e letras e grafism os de Deyvison Man es. Ao decidir n ão cu m prir seu papel esperado pela sociedade, essas garotas se torn arão len das do faroeste. Steampunk Ladies – Vingança a Vapor, Zé Wellington e Di Amorim
  11. 11. Quando se está perdido dentro de si m esm o, com o encontrar a saída? Max é apen as u m m atador profission al em vias de se aposen tar. Mas ao recu sar o qu e deveria ser seu ú ltim o trabalh o, acaba se tran sform an do em alvo. Fu gin do de seu s persegu idores, refu gia-se n u m a casa aparen tem en te aban don ada, on de se depara com acon tecim en tos m isteriosos e estran h os fen ôm en os. Portas qu e levam a côm odos qu e levam a n ovas portas e côm odos qu e n ão parecem in terligados. Talvez a casa seja u m a en cru zilh ada en tre diferen tes plan os de realidade. Ou talvez tu do n ão passe de u m a alu cin ação e Max ten h a sim plesm en te en lou qu ecido. Mas alu cin ações n ão an dam arm adas e ele precisa lu tar por su a própria vida en qu an to ten ta desven dar o m istério da casa. En cru zilh ada é u m rom an ce de su spen se de Lú cio Man fredi, au tor roteirista da TV Globo. Em u m a m istu ra de ficção cien tífica e h orror, de m ecân ica qu ân tica com u m ban da, a tram a se desen rola en tre reflexões filosóficas e a bu sca da iden tidade. Qu an do devem os percorrer o labirin to de n ossas próprias m en tes, só resta o tem or de ficarm os presos para sem pre fora da realidade. Encruzilhada, Lúcio Manfredi
  12. 12. Um Im perador reina absoluto há séculos, m as toda dinastia chega ao seu fim . Con h eça o Im pério de Diam an te: u m rein o etern o qu e con qu istou e su prim iu várias cu ltu ras de Myam be, o con tin en te origin al da Hu m an idade. Protegido por u m exército com poderes in críveis, o Im perador govern a com sabedoria e h á qu em diga qu e possa con ceder talen tos sobren atu rais a qu em desejar. Mas agora su a decadên cia parece in evitável. Vin te an os após a ú ltim a con qu ista, n in gu ém sabe do Im perador. O govern o len tam en te aban don a as provín cias m ais distan tes à m ercê de u m a seca avassaladora . O povo im plora por socorro, m as n ão h á aju da. Em m eio à crise, qu atro in divídu os com objetivos diferen tes acabam en volvidos n a tram a qu e pode revelar os segredos deste h om em tão poderoso. Neste m u n do fan tástico baseado n as cu ltu ras african as, o au tor J . M. Beraldo explora a con stru ção da História e da cren ça religiosa através da trajetória desse qu arteto. Forçados a depen der u n s dos ou tros para alcan çar seu s propósitos, qu al será o papel desse in u sitado gru po n a h istória do Im pério de Diam an te? Império de Diamante, J. M. Beraldo
  13. 13. Se o am or pode parecer um a piada, que ao m enos seja bem contada. Agora a h istória de J éssica com plicou de vez! Com o se já n ão bastasse ser u m a caçadora de vam piros in com peten te – m as qu e se veste m u ito bem –, o m estre do Con selh o de caçadores se m ete en tre ela e o seu n am orado, o vam piro Zack. E ele n ão é o ú n ico: Eric, o bebedor de san gu e qu e ela devia ter caçado an tes resolve dar as caras. E o pior é qu e ele n ão é bem u m vam piro, m as algu m a coisa sobren atu ral qu e n ão qu er se revelar. Qu an do J essi com ete u m crim e para poder aju dar seu qu erido Zack, en volve m ais u m m on te de gen te n a h istória e ain da corre o risco de revelar su a iden tidade de caça-vam piros e m orrer de vergon h a. Ou passar por doida varrida. A Caçadora – Sus surro das Som bras é o segu n do rom an ce da trilogia A Caçadora, de Vivian n e Fair, au tora qu e con qu istou fãs pelas su as divertidas com édias rom ân ticas ch eias de referên cias à cu ltu ra pop. A Caçadora – Sussurro das Sombras, Vivianne Fair
  14. 14. Quando o Am or e a Morte estão separados por um sim ples beijo Meu n om e é Kat, n ão sei se já n os falam os. Bom , pareço u m a jovem u n iversitária n orm al, exceto por u m detalh e: ten h o o poder de m atar com u m sim ples toqu e. No passado, isso fez com qu e eu ten tasse m e m an ter isolada de todos, m as tam bém atraiu pessoas qu e desejavam con trolar esse dom – e aí as coisas ficaram perigosas para o m eu lado. Mu ito perigosas. Eu m eio qu e in iciei u m a guerra. Só sei qu e agora estou n ão apen as en volvida, m as jogada bem n o m eio de tu do, parte de algo qu e ain da n em en ten do, n ão sei em qu em con fiar ou qu al é o m eu papel. Sei tam bém qu e h á pessoas qu e se im portam com igo e qu erem m e aju dar a su perar m eu s problem as. Mais ain da, m e aju dar a acabar com u m plan o qu e pode levar a h u m an idade a m ergu lh ar n o caos. E en tre eles está aqu ele qu e m e faz ter m edo de poder m atar algu ém com u m toqu e. Ou u m beijo… Um Beijo de Morte é u m rom an ce fan tástico de Lu iza Salazar, a con clu são da elogiada aven tu ra pelas som bras in iciada em Um Toque de Morte. Kat precisa tom ar o con trole, en ten der esses segredos do passado e apren der a dom in ar seu s poderes de u m a vez por todas, an tes qu e seja tarde dem ais. Um Beijo de Morte, Luiza Salazar
  15. 15. Sexy. Em otiva. Hum ana. Essa é a história da boneca Alice. Fran k é u m h om em sem esperan ça n en h u m a. Um pu n k com u m passado in san o qu e, n u m a m an h ã de ressaca, acorda com u m a bon eca lh e desejan do bom dia. Ele sabe bem qu em é essa bon eca e com o ela se ch am a. Alice é u m a ball jointed doll criada por Fran k em seu projeto m ais am bicioso: recu perar as m em órias e os sen tim en tos por u m a lou qu in h a de m esm o n om e. Mas ao ten tar pu xar a lin h a da lem bran ça do em bolado n ovelo qu e é o passado, Fran k acaba pu xan do a lin h a da tragédia. Acom pan h ado por seu s an tigos com pan h eiros de h ospício: a goth ic lolita Tay, o estu dan te de direito Sh in e a sociopata Em i, ele se en volve em u m plan o de vin gan ça con tra o h ospital qu e os m assacrou a alm a e levou Alice à m orte. Ball Jointed Alice – Um a história de am or e m orte é u m sen sível rom an ce de Priscilla Matsu m oto. Flu tu an do en tre a m elan colia e o erotism o, esse é u m relato cru de u m a ju ven tu de cín ica qu e parece perdida, m as qu e sabe dem ais sobre a n atu reza do m u n do para n ão desistir dele. Ball Jointed Alice – Uma história de amor e morte, Priscilla Matsumoto
  16. 16. Contos gratuitos nas m elhores lojas oline

×