Ana Margarida

8.665 visualizações

Publicada em

0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.665
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ana Margarida

  1. 1. Ficha de Leitura Aluna: Ana Margarida Cardoso Ano/Turma: 12ºA Aventuras de João Sem MedoEditora: Moraes Editores Ano de 1º edição: 1963Ano de 12º edição: 1981 Ano de publicação: [s.d.]Local de edição: Lisboa Período de Leitura: 19/Março – 20/Março
  2. 2. “Bem. Eu, José Gomes Ferreira, nascido na Rua das Musas da cidade do Porto, licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, poeta, ex- cônsul, ex-figurante de cinema, etc., etc.” É assim que o autor se descreve quando João Sem Medo, naquelaaltura João Quase Com Medo lhe pede para o salvar do gigante doMonóculo. José Gomes Ferreira nasceu a 9 de Junho de 1990, tendo-semudado para a capital com quatro anos. Licenciou-se em Direito em1924 e trabalhou como Cônsul na Noruega. Regressou a Portugal em1930 onde se dedicou ao jornalismo. Morreu em Lisboa no dia 8 deFevereiro de 1985. Algumas das suas obras incluem poesia, como Líriosdo Monte, ficção, como As Aventuras de João Sem Medo, crónicas,contos, memórias e diários e ensaios e estudos. O Livro Numa vila chamada Chora-Que-Logo-Bebes vivia um rapaz, denome João que era conhecido por todos como João Sem Medo. Havia umMuro próximo da vila que a separava da floresta, temida por todos. JoãoSem Medo decide, farto de tantas choradeiras da sua pequena terra, irexplorar o que se passa nessa tal floresta, deixando a mãe em pânico,pensando que não o iria ver mais. Trepa o Muro e assim se inicia a suaaventura. O seu primeiro encontro é com uma fada (na verdade o seuassistente, uma vez que a fada era idosa e não conseguia andar) que lhediz que há duas formas de seguir pela floresta, pelo caminho asfaltadoou o caminho dos pedregulhos. João Sem Medo opta pelo caminhoasfaltado, que conduzia à Felicidade, mas é lá que encontra umacriatura sem cabeça, que lhe diz que, se quer seguir por aquelecaminho, tem que ser sujeite a uma operação: tem que lhe cortar acabeça. Recusando-se a ficar sem cabeça, João Sem Medo volta para tráse segue o caminho da Infelicidade, onde as pedras lhe mordem. O seu segundo encontro foi com uma árvore, por quem foiperseguido e torturado. Depois da tortura a que tinha sido submetidoviu um pomar e, como não comia há alguns dias, aventurou-se a passaro rio, para chegar às laranjas que estavam do outro lado, mas o lago eraelástico e, só depois de muito esforço é que conseguiu chegar àmargem. Mas tanto esforço foi em vão, uma vez que as laranjasdesapareciam no ar cada vez que ele tentava alcançá-las.
  3. 3. Provocando o Mago-Mor, o chefe da floresta, agradece-lhe por lheter proporcionado o melhor momento da sua vida e recusa-se a serinfeliz, pelo que, como castigo, é transformado em árvore. Passou muito tempo como árvore e, numa Primavera, uma meninafoi prender duas cordas nos seus ramos e fez um baloiço. Durante oresto dessa estação e no Verão, a menina foi andar de baloiço nosbraços de João Sem Medo mas depois deixou de aparecer. O seu pai, umdia, foi visitar a árvore e fez-lhe uma proposta que o Mago-Mor lhe tinhafeito: se João Sem Medo aceitar trocar de lugar com a menina, ela ficarábem, uma vez que se encontra doente, e ficará árvore para sempre. Emtroca, João Sem Medo tem que ir para a Colina de Cristal, para o casteloda Morte. Quando lá chega, a Morte não está e, João Sem Medoutilizando a sua perspicácia, monta o cavalo da Morte e foge, ajudandoos aldeões a ceifar o trigo, com a foice desta. Quando todos pensam que a Morte os ajudou a ceifar o trigo, ocavalo, enfurecido, sacode João Sem Medo, que é socorridoimediatamente pelos aldeões, onde conhece um Gramofone Com Asas,que lhe pede para visitar a sua cidade com ele. Lá, na terra dosGramofones, todos dizem o mesmo, de forma automática e sem pensar,o que não agrada a João Sem Medo. Depois da sua visita à terra dos Gramofones, é deixado no meiodo deserto, onde lhe é oferecida uma varinha de condão, que iráconcretizar todos os seus desejos com uma contrapartida: sempre queum desejo se realizar, vai ficar sem uma parte do corpo. Emboradissesse que não o faria, acaba por ceder à tentação e começa a pedirdesejos com a varinha até que fica reduzido a uma parte do seu corpo, acabeça. De forma a ajudar uma mulher, com sede, acaba por setransformar em fonte. É transformado novamente em humano por uma fada, a fada dossonhos, que lhe irá realizar todos os sonhos que ele quiser, mas nuncapor mais de cinco minutos. Depois de pedir coisas bastante fúteis, comoser rei, acaba por mandar a fada embora, por achar que cinco minutosde sonho não compensam a realidade. Foi então acordar na cidade da Confusão, uma cidade em quetodas as coisas aconteciam ao contrário: os homens choravam quandoestavam felizes e riam à gargalhada sempre que estavam tristes,andavam com as mãos no chão e com os pés no ar. Não se conseguindohabituar à confusão que era aquela cidade, entrou num comboio comasas e abandonou a cidade. Depois de muito andar, encontrou um Príncipe com orelhas deburro que se gabava da sua beleza extrema e de que toda a gente oachava belo. Tinha mandado fazer vinte estátuas suas para distribuirpelo seu reino, mas dez delas estavam horrendas e recusou-se aacreditar que os escultores vissem aquilo quando olhavam para ele. Deum diálogo confuso para João Sem Medo, uma vez que o Príncipe oacusa de ter orelhas de burro, quando é o próprio Príncipe que as tinha,o aventureiro deita-se e fala com a Lua, pedindo-lhe uma princesa. A Luaresponde-lhe que a única princesa disponível é a princesa nº46734, umaprincesa que foi raptada por dragões e precisa de ser resgatada por João
  4. 4. Sem Medo. Junta-se a Rocinante (o cavalo de Dom Quixote) e vão àprocura da princesa, mas apenas encontram o seu retrato preso naágua. Abandonando o cavalo, mergulha num poço, chamado por trêshomens, incompetentes, que lhe pedem ajuda para não serem odiadose, como bom samaritano que é, João Sem Medo ajuda-os, dando-lhesaquilo que precisam para que a sociedade não os critique. Depois dos três incompetentes triunfantes, conhece JoãoMedroso, um rapaz muito parecido com ele, não fosse o facto de termedo de tudo. Passam algum tempo juntos e João Sem Medo, não gostado facto do seu homónimo ser tão medroso. É depois de conhecer o outro João que ambos são raptados porum gigante que, depois de transformar João Medroso numa rã, o fazdesaparecer no ar, enquanto João Sem Medo respira esse mesmo ar,começando a tornar-se um João Medroso. Não querendo ser igual a este,pede auxílio ao escritor, pedindo-lhe que o salve e José Gomes Ferreiraajuda a sua personagem, criando dois botões que impede a abertura daporta e obrigam o gigante a respirar o mesmo ar, tornando-se Medroso. Numa breve passagem pelo museu das fábulas, João Sem Medoencontra-se com uma formiga, um boi e uma rã, e uma raposa e umcorvo, todos personagens de fábulas. Abandonando o museu, encontra uma menina de pés ocos a quempede comida, mas esta não sabe o que é comida, uma vez que sealimenta do chão e toda ela é feita de comida. Não resistindo à fome,João Sem Medo morde-lhe a bochecha, que sabe a maça e um dedo, quesabe a pêra. Embora mutilada, a menina ainda lhe diz onde é o canteirodas flores que esconde o Muro. Dando fim à sua aventura, João Sem Medo tem ainda que passarum último desafio: pode partir, mas tem que ficar. A única forma defazer isto é olhar para um espelho, de onde sairia um outro João SemMedo. O guarda do Muro baralha-os, de forma a ninguém, nem elesmesmos saberem quem é o verdadeiro João Sem Medo e, desta forma,um deles continua a aventura na floresta e o outro volta para casa, paraos braços da mãe. Quando um dos Joões Sem Medo chega a Chora-Que-Logo-Bebes,tenta revolucionar a sua terra, dizendo-lhes que não precisam de estar alamentar-se a toda a hora, mas ninguém lhe dá ouvidos. Quando cresce,e como não consegue mudar a mentalidade do povo, abre uma fábricade lenços e fica rico.Relação Título-Livro O nome do livro é o nome da personagem principal da história.
  5. 5. Citações„…só as aparências são susceptíveis de mudança e nunca o que existe demais profundo nos seres.‟„A maioria das pessoas já nem pensa! (…) Fala.‟„…como me irrita esta pretensão de quererem ensinar aos homens o quesó os homens entendem: a vida, o sofrimento, o sacrifício…‟„…dotado da mais nobre virtude de que um ser vivente se podeorgulhar: a coragem. A verdadeira coragem. A força do coração.‟„Os homens diziam tantos disparates que, certo dia, os bichos, para nãose confundirem com vocês, votaram a greve geral, a greve do silêncioque ainda dura hoje dura…‟Reacção pessoal ao livro Numa primeira análise, tive a sensação de estar a ler um livro decontos infantis, onde há fadas, príncipes e princesas, reis e rainhas,magos e bruxas. Numa análise mais pormenorizada apercebi-me quecada capítulo nos transmite uma mensagem que devemos reter, como‘O Condão do Sacrifício’, onde João Sem Medo cede à tentação de tertudo, mesmo que para isso tenha que perder o corpo, mas acaba pordeixar de existir para ajudar alguém, ou ‘O Príncipe das Orelhas deBurro’ onde nos é dito que a beleza é relativa, que nenhum de nós olhapara uma outra pessoa e vê o mesmo.

×