MAGIA E RELIGIÃO
Daniele Alves dos Santos
Hana Izumi Watanabe
Raquel Perazzi de Castro
Rodrigo Ferreira do Nascimento
IX. O feiticeiro e sua magia
• Crença do feiticeiro + crença do doente +
confiança da opinião coletiva = espécie de
campo de gravitação do sistema
• Li...
• Quesalid – Zuñi
• Complexo xamânico = dois pólos
experiência
do xamã
consenso
coletivo
relação entre indivíduo e
o grupo...
• Vídeo (exemplo)
• "Quesalid não se tornou um grande xamã
porque curava seus doentes, curava seus
doentes porque se torna...
ABAB--REAREAÇÇÃO?????ÃO?????
Pensamento
normal
Pensamento
patológico
sentido das coisas,
exigível, sofre uma
deficiência no significado
interpretações ...
• Explicação da cura
• Relação doente-feiticeiro
• Diferença entre psicanálise e xamanismo
• “O valor do sistema não está ...
X. A eficácia simbólica
• Holmer & Wassen 1947
• Seu tema é um encantamento dos xamãs
da tribo cuna, indígenas que vivem no
território da Repúblic...
• Foi coletado de Guillermo Haya, um índio cuna
e velho informante de sua tribo
• Haya enviou um texto deste encantamento
...
• Início do canto
• Descrições
• Preparativos
• Imagens sagradas: os nuchu
• Couple de nuchu. Provenance de l’île Ubigandup, Kuna Yala. Panama, 1999.
• Carved Figure or Nuchu (Kuna), late 19th-early 20th century. Wood, pigment, 16 1/2 x 3 1/4 x 2
7/8 in. (41.9 x 8.3 x 7.3...
• Nuchu são pegos pela cabeça para serem
levados até a morada de Muu
• Muu é a causadora do parto difícil
• Torneio do xam...
• Derrota de Muu
• Purba da paciente é descoberto e
libertado
• O parto se realiza
• Cuidados tomados para que Muu não
esc...
• Muigala, ou seja, “o caminho de Muu”, e a
morada de Muu não são, no pensamento
indígena, um itinerário e uma morada
míti...
Purba
Niga
Pode ser traduzido como
“duplo” ou “alma”.
Possuído por humanos,
animais, plantas, pedras e
cadáveres, e pode s...
• Cada parte do corpo possui seu purba
próprio
• Niga parece de fato ser, no plano
espiritual, equivalente à noção de
orga...
• Forças do útero desviaram as demais
“almas” de diferentes partes do corpo
• Muu não é uma força fundamentalmente
má
• Cu...
A paciente jaz em sua rede, diante de vocês;
seu tecido branco está estirado, seu tecido branco
se move levemente.
O corpo...
“Caminho de Muu” corresponde a
vagina da paciente.
“Morada de Muu”, ao útero.
• Destaque entre as curas xamânicas
geralmente descritas
• É preciso definir como uma cura
psicológica combate um male
fis...
• Repetição nas preliminares:
A paciente diz à parteira: “Na verdade,
estou vestindo a roupa quente da
doença”;
A parteira...
• Os gestos também são bastante repetidos:
A parteira dá uma volta dentro da casa;
a parteira procura contas;
a parteira d...
• A paciente está menos consciente da
realidade e mais sensível
• O xamã tenta levá-la a reviver de modo
muito preciso e i...
• Esse mito deve percorrer o corpo interno
da paciente, carregando vivacidade e
caráter de expressão vivida. O xamã se
enc...
• Imagens da mulher deitada em sua rede
ou na posição obstétrica indígena
• Chamados nominais aos espíritos
• Os nuchu san...
• A penetração da vagina é proposta em
termos míticos, mas concretos e
conhecidos
• “Muu” é até mesmo citada como útero
du...
Os chapéus dos nelegan brilham, os chapéus dos
nelegan se tornam
alvos;
os nelegan ficam chatos e baixos (?), como
pontas,...
Os nelegan se põem a caminho, os nelegan seguem em
fila o longo
caminho de Muu, até a Montanha Baixa;
os n., etc., até a M...
• Dores são personificadas por animais
ferozes e monstros fantásticos do mundo
uterino
• Fibras, cordas, fios tesos e suce...
• Reforços: os Donos-dos-animais-
furadores-de-madeira
• Torneio dos chapéus mágicos
• Começo da descida, o parto
• Novos ...
• O xamã vai a montanha com pessoas da
aldeia para colher plantas medicinais
• O xamã que imita o pênis, penetrando na
“ab...
• Construção de um conjunto sistemático
• Tornar pensável uma situação dada
inicialmente em termos afetivos, e
aceitáveis,...
Tanto em xamanismo, quanto em
psicanálise:
• Propõe-se trazer à consciência conflitos e
resistências que até então haviam ...
• A cura xamânica parece ser de fato um
exato equivalente da cura psicanalítica,
mas com uma inversão de todos os
termos
•...
• Desoille
• Sechehaye
• Cura da psicanálise x cura xamânica
• Aparente sugestão de Freud: a descrição
em termos psicológi...
• Única diferença que sobreviveria a tal
descoberta
• Provável oposição de psicanalistas
• O valor terapêutico da cura dec...
• Conjunto de estruturas: inconsciente
• A última diferença entre xamanismo e
psicanálise é eliminada
• Subconsciente x In...
XI. A estrutura dos mitos
Cena do filme Hércules, disney. 1997.
Introdução:
“Os universos mitológicos estão fadados a
serem pulverizados assim que se formam,
para que, novos universos na...
O reflexo na estrutura social
Qual o objetivo dos mitos?
• Exemplo (vídeo)
A derivação dos sentimentos mais
recalcados.
• Tudo pode acontecer em um mito...
A estrutura do mito
O mito como linguagem:
“ O mito é uma linguagem de nível elevado,
pois se descola do fundamento linguístico,
no qual inici...
Mito
FalaLíngua
Estrutural
Tempo
Reversível
Tempo
Irreversível
Estatístico
O mito na história
• Seu valor sempre permanece
• Período Homérico: Ilíada e a Odisseia
O período homérico da civilização ...
C’est fini
Cena do filme Hercules. Disney, 1997.
XII- Estrutura e Dialética
• Mito e rito se complementam
Mito = ORIGEM
Ritual = REFLEXO DO MITO
Exemplo: vídeo
Oferenda para Iemanjá
Lévy Strauss
• Qual era sua intenção?
- Propõe a desconstrução do pensamento
automático de que um mito
consequentemente ge...
O mito Pawnee
“ Grandes olhos negros, luzidios como a noite, mãos finas, traços finos, a criança tocava corpos
que se anim...
Construção por oposição:
1- Xamã iniciado X Xamã não iniciado
2- Criança X Ancião
3- Confusão dos sexos X Distinção dos se...
Pawnee Star Hausband Hako
Feiticeiro (pai) Comprador (pai) Aliança entre grupos
Mulher do feiticeiro
(mãe)
Mulher do compr...
Hako
Dialética
• Dialética é um debate onde há ideias
diferente, onde um posicionamento é
defendido e contradito logo depois. P...
Conclusão:
Conclui-se que, tanto em mitologia quanto
em linguística procura-se a mesma
questão; Sentido.
Magia e-religião-levi-strauss
Magia e-religião-levi-strauss
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Magia e-religião-levi-strauss

216 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
216
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Magia e-religião-levi-strauss

  1. 1. MAGIA E RELIGIÃO
  2. 2. Daniele Alves dos Santos Hana Izumi Watanabe Raquel Perazzi de Castro Rodrigo Ferreira do Nascimento
  3. 3. IX. O feiticeiro e sua magia
  4. 4. • Crença do feiticeiro + crença do doente + confiança da opinião coletiva = espécie de campo de gravitação do sistema • Ligação do sistema nervoso simpático com a simulação • Veracidade da simulação • Exemplo (vídeo)
  5. 5. • Quesalid – Zuñi • Complexo xamânico = dois pólos experiência do xamã consenso coletivo relação entre indivíduo e o grupo, gerando um espetáculo 5 verbos do conhecimento
  6. 6. • Vídeo (exemplo) • "Quesalid não se tornou um grande xamã porque curava seus doentes, curava seus doentes porque se tornara um grande xamã“ • Ab-reação
  7. 7. ABAB--REAREAÇÇÃO?????ÃO?????
  8. 8. Pensamento normal Pensamento patológico sentido das coisas, exigível, sofre uma deficiência no significado interpretações e aplicação, disponível, excedente de significante
  9. 9. • Explicação da cura • Relação doente-feiticeiro • Diferença entre psicanálise e xamanismo • “O valor do sistema não está mais baseado em curas reais[…], mas sim no sentimento de segurança infundido no grupo pelo mito fundador da cura[…], seu universo se verá reconstituído."
  10. 10. X. A eficácia simbólica
  11. 11. • Holmer & Wassen 1947 • Seu tema é um encantamento dos xamãs da tribo cuna, indígenas que vivem no território da República Panamá.
  12. 12. • Foi coletado de Guillermo Haya, um índio cuna e velho informante de sua tribo • Haya enviou um texto deste encantamento escrito na língua original, junto com uma tradução em espanhol, para o dr. Wassen, por ser ele sucessor de Erland Nordenskiöld. Holmer se encarregou da revisão
  13. 13. • Início do canto • Descrições • Preparativos • Imagens sagradas: os nuchu
  14. 14. • Couple de nuchu. Provenance de l’île Ubigandup, Kuna Yala. Panama, 1999.
  15. 15. • Carved Figure or Nuchu (Kuna), late 19th-early 20th century. Wood, pigment, 16 1/2 x 3 1/4 x 2 7/8 in. (41.9 x 8.3 x 7.3 cm). Brooklyn Museum, Gift of Mr. and Mrs. Cedric H. Marks, 70.154.1.
  16. 16. • Nuchu são pegos pela cabeça para serem levados até a morada de Muu • Muu é a causadora do parto difícil • Torneio do xamã e com seus espíritos protetores e Muu com suas filhas (as muugan), com a ajuda de chapéus mágicos cujo peso elas não conseguem suportar
  17. 17. • Derrota de Muu • Purba da paciente é descoberto e libertado • O parto se realiza • Cuidados tomados para que Muu não escape atrás de seus visitantes • Muu não é uma inimiga • Relações tornam-se amigáveis
  18. 18. • Muigala, ou seja, “o caminho de Muu”, e a morada de Muu não são, no pensamento indígena, um itinerário e uma morada míticos, mas representam literalmente a vagina e o útero da mulher grávida
  19. 19. Purba Niga Pode ser traduzido como “duplo” ou “alma”. Possuído por humanos, animais, plantas, pedras e cadáveres, e pode ser tirado do seu possuidor. Pode ser traduzido como “força vital”. Possuído somente por humanos e animais, e não pode ser tirado do seu possuidor. Nas crianças, o niga só se desenvolve com a idade.
  20. 20. • Cada parte do corpo possui seu purba próprio • Niga parece de fato ser, no plano espiritual, equivalente à noção de organismo • “Força vital”: cooperação harmoniosa de todos os purba
  21. 21. • Forças do útero desviaram as demais “almas” de diferentes partes do corpo • Muu não é uma força fundamentalmente má • Cuidados para impedir que ela escape
  22. 22. A paciente jaz em sua rede, diante de vocês; seu tecido branco está estirado, seu tecido branco se move levemente. O corpo fraco da paciente está estirado; quando eles iluminam o caminho de Muu, este jorra, como que sangue; o jorro escoa debaixo da rede, como sangue, bem vermelho; o tecido branco interno desce até o fundo da terra; no meio do tecido branco da mulher, desce um ser humano(pp. 84-90).
  23. 23. “Caminho de Muu” corresponde a vagina da paciente. “Morada de Muu”, ao útero.
  24. 24. • Destaque entre as curas xamânicas geralmente descritas • É preciso definir como uma cura psicológica combate um male fisiológico • Contribuição a esse impasse
  25. 25. • Repetição nas preliminares: A paciente diz à parteira: “Na verdade, estou vestindo a roupa quente da doença”; A parteira responde à paciente: “Você, na verdade, está vestindo a roupa quente da doença, assim escutei-a eu também” (pp. 1-2).
  26. 26. • Os gestos também são bastante repetidos: A parteira dá uma volta dentro da casa; a parteira procura contas; a parteira dá uma volta; a parteira coloca um pé diante do outro; a parteira toca o solo com o pé; a parteira coloca o outro pé adiante; a parteira abre a porta de sua casa; a porta de sua casa estala; a parteira sai...(pp. 7-14).
  27. 27. • A paciente está menos consciente da realidade e mais sensível • O xamã tenta levá-la a reviver de modo muito preciso e intenso uma situação inicial e a perceber mentalmente seus mínimos detalhes • A partir dessa situação que as mudanças no corpo e órgãos internos da paciente devem ocorrer
  28. 28. • Esse mito deve percorrer o corpo interno da paciente, carregando vivacidade e caráter de expressão vivida. O xamã se encarregará de usá-lo a favor do estado patológico da paciente, por meio de técnica apropriada A realidade mais banal torna-se mito
  29. 29. • Imagens da mulher deitada em sua rede ou na posição obstétrica indígena • Chamados nominais aos espíritos • Os nuchu sangram abundantemente • Dores da paciente assumem proporções cósmicas. • Espírito e seus equipamentos mágicos são detalhadamente descritos
  30. 30. • A penetração da vagina é proposta em termos míticos, mas concretos e conhecidos • “Muu” é até mesmo citada como útero duas vezes, e não como força espiritual
  31. 31. Os chapéus dos nelegan brilham, os chapéus dos nelegan se tornam alvos; os nelegan ficam chatos e baixos (?), como pontas, bem retos; os nelegan começam a ser ameaçadores (?), os nelegan começam a ser muito ameaçadores (?); para o bem do nigapurbalele da paciente(p. 230- 33).
  32. 32. Os nelegan se põem a caminho, os nelegan seguem em fila o longo caminho de Muu, até a Montanha Baixa; os n., etc., até a Montanha Curta; os n., etc., até a Montanha Longa; os n., etc., até Yala Pokuna Yala (não traduzido); os n., etc., até Yala Akkwatallekun Yala (id.); os n., etc., até Yala Ilamisuikun Yala (id.); os n., etc., até o centro da Montanha Plana; os neleganse põem a caminho, os neleganseguem em fila o longo caminho de Muu(pp. 241-48).
  33. 33. • Dores são personificadas por animais ferozes e monstros fantásticos do mundo uterino • Fibras, cordas, fios tesos e sucessivas cortinas, das mais variadas formas e cores • Paredes mucosas do útero
  34. 34. • Reforços: os Donos-dos-animais- furadores-de-madeira • Torneio dos chapéus mágicos • Começo da descida, o parto • Novos reforços: Donos-dos-animais- cavadores
  35. 35. • O xamã vai a montanha com pessoas da aldeia para colher plantas medicinais • O xamã que imita o pênis, penetrando na “abertura de muu” • Povo arqueiro • Fim do canto
  36. 36. • Construção de um conjunto sistemático • Tornar pensável uma situação dada inicialmente em termos afetivos, e aceitáveis, pelo espírito, dores que o corpo se recusa a tolerar • O fato da mitologia do xamã não corresponder a uma realidade objetiva não tem importância
  37. 37. Tanto em xamanismo, quanto em psicanálise: • Propõe-se trazer à consciência conflitos e resistências que até então haviam permanecido inconscientes • Conhecimento torna possível uma experiência específica, na qual os conflitos se realizam numa ordem e num plano que permitem seu livre desenrolar e conduzem ao seu desenlace • Ambas buscam provocar uma experiência, e conseguem fazê-lo reconstituindo um mito que o paciente deve viver, ou reviver
  38. 38. • A cura xamânica parece ser de fato um exato equivalente da cura psicanalítica, mas com uma inversão de todos os termos • Xamanismo: mito social • Psicanálise: mito individual
  39. 39. • Desoille • Sechehaye • Cura da psicanálise x cura xamânica • Aparente sugestão de Freud: a descrição em termos psicológicos da estrutura das psicoses e neuroses deva um dia desaparecer
  40. 40. • Única diferença que sobreviveria a tal descoberta • Provável oposição de psicanalistas • O valor terapêutico da cura decorre do caráter real das situações rememoradas? • De onde resulta o poder traumatizante de situações
  41. 41. • Conjunto de estruturas: inconsciente • A última diferença entre xamanismo e psicanálise é eliminada • Subconsciente x Inconsciente • Vocabulário x Estrutura
  42. 42. XI. A estrutura dos mitos Cena do filme Hércules, disney. 1997.
  43. 43. Introdução: “Os universos mitológicos estão fadados a serem pulverizados assim que se formam, para que, novos universos nasçam de seus destroços. “ • Cada sociedade expressa em seus mitos sentimentos (vídeo) • A mitologia é um reflexo da estrutura social
  44. 44. O reflexo na estrutura social
  45. 45. Qual o objetivo dos mitos? • Exemplo (vídeo) A derivação dos sentimentos mais recalcados. • Tudo pode acontecer em um mito “O crescimento do mito é continuo, ao contrário da sua estrutura, que é descontinua”
  46. 46. A estrutura do mito
  47. 47. O mito como linguagem: “ O mito é uma linguagem de nível elevado, pois se descola do fundamento linguístico, no qual inicialmente rodou” • O mito é uma linguagem superior, mais complexa. • O mito é um sistema temporal que combina língua e fala, sempre se referindo ao passado.
  48. 48. Mito FalaLíngua Estrutural Tempo Reversível Tempo Irreversível Estatístico
  49. 49. O mito na história • Seu valor sempre permanece • Período Homérico: Ilíada e a Odisseia O período homérico da civilização grega, entre os séculos XII a.C. e VIII a.C., foi assim denominado pela falta de fontes históricas de seus estudos além dos poemas Ilíada eOdisseia, escritos pelo poeta grego Homero. Os dois poemas, escritos provavelmente no século VI a.C., narram o último ano da Guerra de Troia e o retorno de Odisseu (conhecido também como Ulisses) para seu reino após a guerra. Os poemas foram escritos por Homero a partir de histórias orais transmitidas durante séculos pelos povos que habitavam a Hélade (como era conhecida a Grécia). • Um mito continua sendo um mito, enquanto for percebido como tal.
  50. 50. C’est fini Cena do filme Hercules. Disney, 1997.
  51. 51. XII- Estrutura e Dialética • Mito e rito se complementam Mito = ORIGEM Ritual = REFLEXO DO MITO Exemplo: vídeo
  52. 52. Oferenda para Iemanjá
  53. 53. Lévy Strauss • Qual era sua intenção? - Propõe a desconstrução do pensamento automático de que um mito consequentemente gera um ritual, ou vice e versa. • Exemplo ‘menino grávido’
  54. 54. O mito Pawnee “ Grandes olhos negros, luzidios como a noite, mãos finas, traços finos, a criança tocava corpos que se animavam. no fundo da pele a mágica se misturava com as incertezas de seu impossível. talvez não soubesse como, mas curava. e de todas as certezas talvez nenhuma lhe fosse válida. certo dia, velho feiticeiro desceu a montanha, com suas barbas longas e grandes olhos vermelhos, vinha com ele sua esposa, mulher com cabelos trançados como serpentes. os dois eram como animais noturnos, se esgueirando entre mil segredos e mil armadilhas."diga-me como fazes tuas curas e te ensinarei todos os meus segredos", disse o velho bruxo. a pequena criança não queria saber, o medo do velho era grande como o medo que tinha de maus sonhos e pesadelos.o velho nada conseguiu junto ao menino, manda sua mulher trazer seu velho cachimbo. nele misturou folhas secretas e palavras de ordem. dia seguinte o casal presenteia a criança com o cachimbo. mil feitiços acometeram o menino. enfeitiçado se descobre grávido. vergonha. vergonha. vergonha. a criança deixa a aldeia para encontrar a morte junto as feras da floresta. porém, os malvados animais choram com a degraça do garoto e resolvem ajudá-lo. curam seu feitiço, extraem da ampla barriga sustentada pelo corpo magro do garoto o feto, e contam-lhe seus segredos mágicos. o rapaz aos poucos se recupera. vingança. vingança.vingança. a criança volta a aldeia, pede sangue. sua alma de besta-fera exige. com seus novos poderes mágicos mata o velho bruxo. a fera dentro de si se acalma. bom curandeiro ele se torna. algumas estrelas ainda contam sua história.”
  55. 55. Construção por oposição: 1- Xamã iniciado X Xamã não iniciado 2- Criança X Ancião 3- Confusão dos sexos X Distinção dos sexos 4- Fertilidade X Esterilidade 5- Informação X Abstenção 6- Magia vegetal X Magia Animal 7- Magia por introdução X Magia por extração
  56. 56. Pawnee Star Hausband Hako Feiticeiro (pai) Comprador (pai) Aliança entre grupos Mulher do feiticeiro (mãe) Mulher do comprado (mãe) Permutam entre si em busca dos personagens Jovem feiticeiro (filho) Comprado (filho) Criança
  57. 57. Hako
  58. 58. Dialética • Dialética é um debate onde há ideias diferente, onde um posicionamento é defendido e contradito logo depois. Para os gregos, dialética era separar fatos, dividir as ideias para poder debatê-las com mais clareza.
  59. 59. Conclusão: Conclui-se que, tanto em mitologia quanto em linguística procura-se a mesma questão; Sentido.

×