Solidariedade
A solidariedade é a adesão circunstancial à  causa ou à empresa de outros. Por norma, este termo emprega-se para denominar...
Acho fácil poder contar            .   o que penso mesmo da vida, tendo aprendido somente a amar. Talvez não me basta apen...
Consideremos estas idéias: “Onde há  sofrimento e posso fazer algo para aliviá-lo, tomo a iniciativa. Onde não posso fazer...
Vejamos um exemplo. No meio da calçada, um    homem cai em violentas convulsões. Os transeuntes se concentram, dando instr...
O anterior é compreensível, mas que querdizer: “…Onde não posso fazer nada, sigo meu  caminho alegremente”? Não quer dizer...
Há pessoas que, com uma mal entendidasolidariedade, negativizam quem quer ajudar e     prejudicam a elas mesmas. Essas são...
Izabella Rodrigues Lana               Série:6ano AColégio Municipal Professor Imídeo Giuseppe                   Nérici
Sem título 1 izaaaa
Sem título 1 izaaaa
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sem título 1 izaaaa

83 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
83
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
28
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sem título 1 izaaaa

  1. 1. Solidariedade
  2. 2. A solidariedade é a adesão circunstancial à causa ou à empresa de outros. Por norma, este termo emprega-se para denominar uma ação generosa ou bem-intencionada. De qualquer forma, a sua raiz etimológica faz referência a um comportamento , ou seja, que se unem os destinos de duas ou mais pessoas. Portanto, ser solidário não é sóprestar ajuda, uma vez que também implica um compromisso com aquele a quem se se oferece a sua solidariedade.
  3. 3. Acho fácil poder contar . o que penso mesmo da vida, tendo aprendido somente a amar. Talvez não me basta apenas viver, tenho também que compartilhar.Dou o que tenho, não espero sobrar,porque amo a vida e a humanidade,e mesmo na morte sentirei saudade.
  4. 4. Consideremos estas idéias: “Onde há sofrimento e posso fazer algo para aliviá-lo, tomo a iniciativa. Onde não posso fazer nada, sigo meu caminho alegremente”.Semelhantes idéias parecem práticas, mas nos deixam o sabor de falta de solidariedade. Como seguir em frente alegremente deixandopara trás o sofrimento, desentendendo-nos do pesar alheio?
  5. 5. Vejamos um exemplo. No meio da calçada, um homem cai em violentas convulsões. Os transeuntes se concentram, dando instruçõescontraditórias e criando ao redor do doente um cerco asfixiante. Muitos se preocupam, mas não são efetivos. Talvez quem chameurgentemente ao médico, ou aquele outro que põe a raia aos curiosos para evitar o aglomeramento, sejam os mais ajuizados. Eu posso ser um dos que tomam a iniciativa, ou talvez um terceiro que consegue algo positivo e prático em tal situação.
  6. 6. O anterior é compreensível, mas que querdizer: “…Onde não posso fazer nada, sigo meu caminho alegremente”? Não quer dizer que estou muito contente por isso que sucedeu. Quer dizer que minha direção não deve serentorpecida pelo inevitável; quer dizer que não devo somar problemas aos problemas; quer dizer que devo positivizar o futuro, já que ooposto não é bom para outros nem para mim.
  7. 7. Há pessoas que, com uma mal entendidasolidariedade, negativizam quem quer ajudar e prejudicam a elas mesmas. Essas sãodiminuições da solidariedade, porque a energia perdida nesse comportamento deveria haver- se aplicado em outra direção, em outras pessoas, em outras situações nas quaisefetivamente tivesse obtido resultados práticos. Quando falamos de resultados práticos, não nos referimos somente ao brutalmentematerial, porque até um sorriso ou uma palavra de encorajamento podem ser úteis se existe uma possibilidade de que ajudem.
  8. 8. Izabella Rodrigues Lana Série:6ano AColégio Municipal Professor Imídeo Giuseppe Nérici

×