ADRIANA SALES ZARDINI (Mestranda CEFET-MG) ANTÔNIO CONRADO  DOS  SANTOS  NETO  (Professor CEFET-MG) MARY  ROSE DE ASSIS VA...
Engenharia da Linguagem A Engenharia da Linguagem é um conjunto de conhecimentos desenvolvidos principalmente na área das ...
Diferenciações   : <ul><li>Lingüística Computacional - LC </li></ul><ul><li>Processamento da Linguagem Natural   - PLN </l...
<ul><li>da  lingüística </li></ul><ul><li>das  ciências da computação   </li></ul>Engenharia da Linguagem A Engenharia da ...
Definição <ul><li>“ significa a aplicação de princípios científicos para o projeto, construção e manutenção de ferramentas...
Características <ul><li>Tem como objetivo o estudo, planejamento  e construção de sistemas para o processamento da comunic...
Vias de Investigação <ul><li>A via tecnológica </li></ul><ul><li>A via formal </li></ul>Engenharia da Linguagem Mestrado e...
Instrumentos Essenciais <ul><li>os computadores </li></ul><ul><li>a linguagem de programação </li></ul><ul><li>a gramática...
Engenharia da Semiótica <ul><li>A Engenharia da Semiótica é uma abordagem na qual os sistemas computacionais são vistos co...
O que é Semiótica? A  Semiótica  estuda os  processos  de  signo  comunicação  e significação.  Engenharia da Semiótica So...
<ul><li>“ Um signo é qualquer coisa que está no lugar de uma outra coisa para alguém sob determinados aspectos ou capacida...
 
Aquilo que funciona como signo para quem o percebe. Aquilo que é referido pelo signo. O efeito do signo naquele (ou naquil...
Engenharia da Semiótica <ul><li>Signo é união do sentido e da imagem acústica.  [Ferdinand de Saussure, 1995]  </li></ul>C...
Engenharia da Semiótica <ul><li>Um signo lingüístico constitui-se de&quot;(...) entidade constituída pela combinação de um...
<ul><li>  Na comunicação entre  designer  e usuário, o meio é o computador e o código pode ser, por exemplo, uma linguagem...
<ul><li>A Engenharia da Semiótica prioriza a expressão do projetista sobre a interpretação do usuário, mudando o foco do  ...
Conclusão  Mestrado em Educação Tecnológica
<ul><li>Arnemann , Jorge Rodolfo, Costa Sávio Manuel Rufino da & Wagner, Tiago. Métricas para Pessoas Operacionais e Desen...
<ul><li>Cunningham, Hamish.  A Definition and Short History of Language Engineering . Journal of Natural Language Engineer...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Linguagem E Semiotica Brasilia Logocefet

2.592 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.592
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
33
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
64
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Linguagem E Semiotica Brasilia Logocefet

  1. 1. ADRIANA SALES ZARDINI (Mestranda CEFET-MG) ANTÔNIO CONRADO DOS SANTOS NETO (Professor CEFET-MG) MARY ROSE DE ASSIS VASCONCELOS (Mestranda CEFET-MG) Engenharia da Linguagem & Engenharia da Semiótica Mestrado em Educação Tecnológica
  2. 2. Engenharia da Linguagem A Engenharia da Linguagem é um conjunto de conhecimentos desenvolvidos principalmente na área das Ciências da Computação, da Inteligência Artificial e da Lingüística. De modo geral, a Engenharia da Linguagem se compara à Engenharia de Software, à Engenharia de Programação. Mestrado em Educação Tecnológica
  3. 3. Diferenciações : <ul><li>Lingüística Computacional - LC </li></ul><ul><li>Processamento da Linguagem Natural - PLN </li></ul><ul><li>Engenharia da Linguagem - EL </li></ul>Engenharia da Linguagem Mestrado em Educação Tecnológica
  4. 4. <ul><li>da lingüística </li></ul><ul><li>das ciências da computação </li></ul>Engenharia da Linguagem A Engenharia da Linguagem é distinta: Mestrado em Educação Tecnológica
  5. 5. Definição <ul><li>“ significa a aplicação de princípios científicos para o projeto, construção e manutenção de ferramentas para ajudar a lidar com a informação que tem sido expressa em línguas naturais ” UMIST. </li></ul><ul><li>“ qualquer coisa que envolva aplicação da ciência da língua à solução de tarefas práticas é Engenharia da Linguagem” . UMIST. </li></ul><ul><li>“ uma disciplina ou ato de engenharia de software que executa tarefas envolvendo processamento de língua humana.” Cunningham (1999). </li></ul>Engenharia da Linguagem Mestrado em Educação Tecnológica
  6. 6. Características <ul><li>Tem como objetivo o estudo, planejamento e construção de sistemas para o processamento da comunicação e da significação. </li></ul><ul><li>Serve para tornar o computador acessível a número maior de usuários (fala e compreensão da nossa língua). </li></ul>Engenharia da Linguagem Mestrado em Educação Tecnológica
  7. 7. Vias de Investigação <ul><li>A via tecnológica </li></ul><ul><li>A via formal </li></ul>Engenharia da Linguagem Mestrado em Educação Tecnológica
  8. 8. Instrumentos Essenciais <ul><li>os computadores </li></ul><ul><li>a linguagem de programação </li></ul><ul><li>a gramática </li></ul>Engenharia da Linguagem Mestrado em Educação Tecnológica
  9. 9. Engenharia da Semiótica <ul><li>A Engenharia da Semiótica é uma abordagem na qual os sistemas computacionais são vistos como artefatos de metacomunicação, através do qual o designer envia uma mensagem para o usuário, cujo conteúdo é a funcionalidade (o que o usuário pode fazer) e a interatividade (como o usuário pode interagir) . </li></ul><ul><li>[Souza, 1993] </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
  10. 10. O que é Semiótica? A Semiótica estuda os processos de signo comunicação e significação. Engenharia da Semiótica Software Peopleware Hardware Mestrado em Educação Tecnológica
  11. 11. <ul><li>“ Um signo é qualquer coisa que está no lugar de uma outra coisa para alguém sob determinados aspectos ou capacidades”. </li></ul><ul><li>ou ainda, </li></ul><ul><li>... “é algo que, sob certo aspecto ou de algum modo, representa alguma coisa para alguém”. (Peirce, 1972). </li></ul>Signo Engenharia da Semiótica Mestrado em Educação Tecnológica
  12. 13. Aquilo que funciona como signo para quem o percebe. Aquilo que é referido pelo signo. O efeito do signo naquele (ou naquilo, podendo-se aí incluir os seres ou dispositivos comunicativos inumanos como os computadores) que o interpreta.
  13. 14. Engenharia da Semiótica <ul><li>Signo é união do sentido e da imagem acústica. [Ferdinand de Saussure, 1995] </li></ul>Conceito _____________________ Imagem acústica Mestrado em Educação Tecnológica
  14. 15. Engenharia da Semiótica <ul><li>Um signo lingüístico constitui-se de&quot;(...) entidade constituída pela combinação de um conceito, denominado significado e uma imagem acústica, denominada significante. A imagem acústica de um signo lingüístico não é a palavra falada (ou seja, o som material), mas a impressão psíquica deste som (...)“.  </li></ul><ul><li>[Aurélio Buarque de Holanda ,2001] </li></ul>Mestrado em Educação Tecnológica
  15. 16. <ul><li> Na comunicação entre designer e usuário, o meio é o computador e o código pode ser, por exemplo, uma linguagem de comandos ou, no caso de interfaces gráficas, o padrão WIMP2. </li></ul><ul><li>O objetivo desta comunicação é o designer transmitir ao usuário o modelo de usabilidade de uma aplicação, ou seja, como o usuário pode com ela interagir para fazer um uso eficiente, produtivo e criativo dela (Leite, 1998). </li></ul>Engenharia da Semiótica Mestrado em Educação Tecnológica
  16. 17. <ul><li>A Engenharia da Semiótica prioriza a expressão do projetista sobre a interpretação do usuário, mudando o foco do design de interfaces do seu aprendizado para o seu ensino. Com um projetista capaz de expressar com mais clareza as suas motivações, intenções e decisões, aumentam as chances de o usuário entender o que ele “quis dizer” e fazer melhor uso da aplicação. </li></ul>Engenharia da Semiótica Mestrado em Educação Tecnológica
  17. 18. Conclusão Mestrado em Educação Tecnológica
  18. 19. <ul><li>Arnemann , Jorge Rodolfo, Costa Sávio Manuel Rufino da & Wagner, Tiago. Métricas para Pessoas Operacionais e Desenvolvedoras de Software e Hardware - Santa Rosa – RS - 2004. </li></ul><ul><li>Coscarelli, Carla. Ribeiro, Ana Elisa. (Org.) Letramento Digital: aspectos e possibilidades pedagógicas. Autêntica, 2005. </li></ul><ul><li>Peirce, Charles S. Semiótica . S.P., Perspectiva, 1987. </li></ul><ul><li>Prates, Raquel Oliveira. A Engenharia Semiótica de Linguagens de Interfaces Multi-Usuário, Tese de Doutorado, Departamento de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, R.J., Outubro de 1998, disponível em http://www.puc-rio.br , acessado em 10/06/06. </li></ul>Referências Bibliográficas Mestrado em Educação Tecnológica
  19. 20. <ul><li>Cunningham, Hamish. A Definition and Short History of Language Engineering . Journal of Natural Language Engineering, pages 1--16, vol 5, 1999. http://www.dcs.shef.ac.uk/~hamish/LeIntro.html . </li></ul><ul><li>UMIST – University of Manchester Institute for Technology. http://www.intstudy.com/articles/umist.htm </li></ul><ul><li>Coelho, Helder . Interacção Coloquial com o computador – 1º CPI - Primeiro Congresso Português de Informática, Universidade do Minho, 1980. http://piano.dsi.uminho.pt/museu/CPI80/comun10.pdf </li></ul><ul><li>Leite, J.C.; de Souza, C.S. (1999) Uma Linguagem de Especificação para a Engenharia Semiótica de Interfaces de Usuário IHC'99 Proceedings. Campinas, SP, Brazil. October, 1999, disponível em http://www.serg.inf.puc-rio.br </li></ul>Referências Bibliográficas

×