GONE
By Deborah Bladon
Parte Três
Capítulo Um
— Lilly. Por favor, Lilly, olhe para mim.
É a voz de Clive. Eu estou agachada em uma bola, meus braços em volt...
Há gritos abafados jogados à Clive da plateia cheia de repórteres e blogueiros de
tecnologia. Eu não posso fazer nada com ...
— Lilly. — como se na sugestão, ouço a profunda voz de Alec bem atrás de
nós. Outro braço envolve a minha cintura e só pos...
— Você tinha essa foto no seu computador do escritório? — Lance está de pé ao
meu lado agora. — Alguém poderia ter acessad...
Capítulo Dois
— Lilly. — é Clive. Ele está ajoelhado na minha frente agora, com as mãos
segurando meu rosto. — Você está b...
As palavras picam profundamente e sinto falta de ar. Afasto-me, querendo
olha-lo diretamente nos olhos quando eu respondo....
a minha imagem seminua, isso não é uma boa ideia. Podemos estar juntos agora, mas
não posso prever o futuro. Aprendi essa ...
pairando na sala como um elefante de vestido brilhantemente. Eu sei que Alec e Lance
estão pensando a mesma coisa.
— Eu go...
Capítulo Três
— Você precisa ir para casa descansar, Lilly. Pegue o fim de semana para si e se
você ainda precisar de mais...
Lance chega para agarrar a borda do tablet. — Eu posso fazer uma extensa
verificação de antecedentes dela, se quiser.
— Eu...
— Minha assistente me disse que você disse que era urgente quando você
chegou.
Eu respiro fundo. — Eu estou em apuros, Gar...
Eu não posso conter um pequeno sorriso. — Eu estou tentando comer menos
açúcar.
— Você não bateu em alguém no metrô, não é...
Capítulo Quatro
— Eu vou precisar ver essa foto, Lilly. — Garrett diz assim que ele me ajuda a
voltar para a cadeira na fr...
— Não, eu enviei pelo correio. Ele me pediu para enviar-lhe uma foto Polaroid.
— eu deixo cair as minhas mãos no meu colo....
Suas sobrancelhas sobem. — Eu sei que não é fácil falar sobre isso. Verei Nate
amanhã. Isso é mais importante.
Eu sou grat...
Eu posso pular a parte sobre o trabalho na Corteck por um minuto porque não é
relevante. — Eu estou trabalhando para Hughe...
Capítulo Cinco
Volto para o seu escritório depois de passar os últimos cinco minutos no
banheiro espirrando água fria no m...
— Clive Parker foi ao bistrô? — ele exala audivelmente. — Você o conhece
desde então?
— Eu o conheci no bistrô. — eu rolo ...
Qualquer semelhança em tentar parecer ser um adulto maduro, que tem o
controle completo de sua vida voou pela janela. — Eu...
Capítulo Seis
— Você não pode fazer isso comigo. — Clive me puxa para seu peito no
momento em que saio do táxi em frente a...
Eu preciso. Eu não vejo como vou ser capaz de acabar com essa conversa sem
olhar para ele. Eu casualmente derivo meus olho...
Ele olha por mim em direção ao corredor suavemente iluminado do meu
prédio. — Eu acredito que ele falou, sim.
— O que ela ...
Capítulo Sete
Meu plano inicial, quando estava tomando sorvete e assistindo a um filme à
meia-noite, era enterrar o meu te...
— Você ouviu, Lilly? — Ben está quase saltando de sua cadeira. — Nós vamos
ter um bebê.
Minha mão salta para minha boca. E...
— Espere. — Hunter dá um passo completo de volta, assim como a mão voa
para o queixo. — Eu conheço você.
Ele não me conhec...
— Isso é tão aleatório. — ela joga a cabeça para trás no riso alegre. — Eu não
posso acreditar que você está namorando Cli...
Capítulo Oito
Eu procurei meu nome on-line três vezes desde que cheguei em casa após o
restaurante e a única referência ao...
— O café é muito barulhento. — ele bate seu sapato no chão. — Eu gostaria de
levá-la de volta para o meu apartamento.
A su...
As palavras têm mais significado do que a entrega que ele proporciona. Ele está
muito calmo e controlado. Eu quero que ele...
reais. Eu quero acreditar que a adoração que sinto em seu beijo é sincera. Eu quero
isso. Eu não quero perdê-lo.
— Eu sou ...
Capítulo Nove
— Quem? — levanto-me tão rápido que meus pés se chocam na ponta da
mesa. — Quem tem uma cópia?
— Merda, Lill...
Lembro-me dele dizendo algo para Parker naquela noite sobre uma mulher. Eu
não tinha percebido qualquer detalhe da sua con...
— Você falou com ela sobre a foto? — eu pergunto porque não quero saber
todos os detalhes sobre o que aconteceu entre os d...
— Eu não posso ter certeza se foi ela ou Parker. — seus ombros caem para
frente. — Eu tenho alguém em Dubai verificando o ...
Capítulo Dez
— Eu não tinha visto essa foto de Parker antes. — o segurança da Corteck
inclina-se sobre a sua pequena mesa....
— Pobrezinha. — ele toca o topo da minha mão. — Você sabe que o Sr. Parker
não está hoje, não é? Ele não trabalha aos domi...
Eu levaria no máximo dez segundos para encontrá-lo, mas ficarei ali sorrindo
para ele, sabendo que eu terei exatamente o q...
Capítulo Onze
— Lilly? — a voz de Parker soa exatamente como me lembrava. — A Lilly do
café?
Considerando que estava usand...
— Meu melhor amigo está noivo da sua ex.
— Minha ex?
Faço uma nota mental para deixar essa história de fora quando reencon...
***
— A Sra. Mitchell está hoje? — pergunto para a mulher de meia-idade que
está arrumando uma pintura na parede da galeri...
Errado. O melhor investimento que posso fazer em mim mesma é descobrir
onde está essa mulher para que eu possa confrontá-l...
Capítulo Doze
— Eu preciso ver Rowan Bell. — eu dedilho os dedos sobre o aço do balcão da
recepção. — É urgente.
— Sra. Be...
Eu só tive que esperar na alcova pelo elevador por dez minutos para Bruce ir
passear longe de sua mesa. Eu sei que, com ba...
Não foi Clive. Talvez tenha duvidado dele no início, mas depois de Parker dizer
o nome dessa mulher e eu procurar por info...
Capítulo Treze
— Você não tem nenhuma prova. — ela acena sua mão bem cuidada no meu
rosto. — Você está apenas chateada que...
— Ele não é nem mesmo atraente. — ela joga as palavras de volta tão rápido
que a minha cabeça quase gira.
— Esse é um argu...
— Ela está mentindo. — diz ela muito calmamente. — A vaca velha está
mentindo.
— Você está mentindo. — eu rebato. Quando L...
— Você pode me perdoar por isso. — ela dá um tapinha no lado de sua
bochecha. — Nós estávamos nos divertindo tanto antes d...
Capítulo Catorze
— Então, você tirou uma foto da fotografia de Lilly quando fui pegar suas coisas
no quarto?
Eles estão se...
— Você deu a Cheryl a imagem para se vingar de mim, por isso? — ele se afasta
um pouco, o braço voando sobre o encosto do ...
Ela gira os pés dela em um movimento rápido e elegante. — Ela está bem. Ela é
jovem. Ela pode conseguir um emprego de volt...
Capítulo Quinze
O rosto de Clive se contorce na vulgaridade de suas palavras. — Isso é uma
coisa repugnante a se dizer.
— ...
— Alec saltou para a cama de uma menina da sua idade quando ele estava me
fodendo. — ela afirma um fato aleatório de volta...
Na minha busca para encontrar todos os detalhes que pudesse sobre Allison
Mitchell, tinha sido bombardeada com informações...
Capítulo Dezesseis
— Há uma questão pairando ainda aqui. — ele se inclina para frente para
escovar os lábios cheios e suav...
Sigo sem qualquer resistência. Finalmente sinto como se pudesse respirar pela
primeira vez em dias. Meus pensamentos não s...
— Eu queria te ver. — ele confessa com ternura. — Eu estava desesperado para
vê-la. Depois que você saiu do meu apartament...
— Eu estou. — eu concordo. — Estou muito preocupada com isso.
— Eu sabia que se lhe dissesse sobre Allison haveria uma boa...
— Eu sei que sim. — sua boca desliza em um sorriso malicioso. — Eu sei com
certeza, mas a mulher é pura maldade. Ela teria...
Eu me inclino em seu peito, sabendo que cada palavra que ele fala é a verdade
absoluta.
Capítulo Dezessete
— Nós não podemos fazer isso em seu escritório. — eu empurro em vão contra
seu peito. — Eu não acho que...
— Sente-se, Lilly. — sua mão mergulha a minha umidade e ele aperta meu
clitóris com um toque rápido de seu dedo indicador....
— Lilly, Cristo, eu amo isso.
Eu gozo quando ouço suas palavras. Grito seu nome repetidas vezes enquanto
caio no orgasmo. ...
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Gone #3   deborah bladon
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gone #3 deborah bladon

265 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
265
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gone #3 deborah bladon

  1. 1. GONE By Deborah Bladon Parte Três
  2. 2. Capítulo Um — Lilly. Por favor, Lilly, olhe para mim. É a voz de Clive. Eu estou agachada em uma bola, meus braços em volta das minhas pernas. Pressiono meus lábios com tanta força em meus joelhos que não posso falar. Eu não vou falar. Eu não sei o que poderia dizer a ele. Ele é o único que tinha uma foto minha no bolso. Ele a pegou e destruiu. Essas são as únicas palavras que posso ouvir reverberando através da minha mente. — Alguém precisa tirar aquela porra de imagem. – Clive grita para o caos. Há vozes em todos os lugares. Vejo pés lutando por mim. Eu posso sentir as mãos sobre meus ombros tentando me puxar para cima, mas estou congelada. Não posso me mover. Tudo o que tenho trabalhado tão duro desapareceu por causa dessa imagem. — Tire-a daqui agora, Alec. — Clive ferve. — O que diabos está acontecendo? — a voz de Alec está atada com raiva. Quem fez isso? — Lilly. — Lance, assistente de Alec, está agachado na minha frente. — Eu preciso que você venha comigo agora. Eu posso levá-la para uma sala silenciosa. Deixe-me ajudá-la a levantar-se. Eu puxo o meu olhar até o seu rosto de menino. Ele não é muito mais velho do que eu. O primeiro momento que o vi semanas atrás, pensava em como ele se parecia com uma versão mais velha do meu irmão, Reave. Reave tinha apenas dez anos quando ele morreu. Eu gostaria que ele estivesse aqui. Eu gostaria que eles estivessem todos ainda aqui. Eu manchei suas memórias para sempre agora. — Todo mundo fica nesta sala. — Clive grita por cima de todo o barulho. — Sentem-se nessa porra. Todos vocês, sentem-se.
  3. 3. Há gritos abafados jogados à Clive da plateia cheia de repórteres e blogueiros de tecnologia. Eu não posso fazer nada com clareza. Eu sinto a mão do Lance sobre a minha e me agarro a ela. Eu preciso da sua força para ajudar a trazer-me para os meus pés. — Se qualquer um de vocês, imprimir ou enviar a imagem da Senhorita Randall, eu, pessoalmente, vou fazer com que sua bunda seja arrastada para um litígio caro. — a sala fica quieta enquanto Clive continua. — Eu possuo os direitos autorais desta foto. Se alguém já colocou em sites de mídia social, agora é a hora de eliminá-lo. Se não o fizer, prometo que vou caçá-lo. — Lilly. — Lance puxa minha mão mais forte, tentando em vão me puxar para os meus pés. — Precisamos ir. Você não pode ficar aqui. — Tudo bem. — concordo com suavidade. — Eu vou. Sinto-me leve enquanto ele deixa cair a minha mão antes de deslizar em volta da minha cintura. Estendo a mão para seus ombros para me equilibrar. Duvido que meus pés vão me apoiar, por isso estou grata por ele estar me carregando. Eu não volto a olhar para o público. Eu posso ouvir meu nome sendo jogado para fora, mas qualquer coisa além disso é ininteligível e perdido sob os baixos zumbidos das pessoas em pé no palco. Eu sei que eles estão pensando a mesma coisa. O abandono imprudente da minha postura na foto e o fato de que eu tinha um largo sorriso no rosto enquanto segurava aberto meu uniforme de garçonete para revelar meus seios nus, fazem todos tirarem conclusões imediatas. Todos eles pensam que sou uma piada. Ninguém no mundo da tecnologia vai me levar a sério depois disso. — Nós vamos por este corredor. — Lance faz um gesto com o queixo em direção a um corredor longo e estreito que leva de volta para a sala que eu estava com Clive, não mais de 30 minutos atrás. Eu deixo-o me levar todo o tempo tentando manter minha cabeça para baixo. Eu posso sentir os olhares aquecidos de meus colegas de trabalho da Hughes Enterprises quando passo por eles. Eu deixei Alec mal visto. Ele me deu uma oportunidade incrível e eu não só desperdicei como eu prejudiquei a reputação da sua empresa.
  4. 4. — Lilly. — como se na sugestão, ouço a profunda voz de Alec bem atrás de nós. Outro braço envolve a minha cintura e só posso supor que é seu. — Você está bem? Concordo com a cabeça, sabendo que não posso formar uma resposta concreta. Eu não estou bem. Eu não posso envolver meu cérebro em torno do que acabou de acontecer no palco. — Traga um pouco de água para ela. — Alec grita para Lance no canto e entra na mesma sala que eu estava com Clive antes de pisar no palco para a minha apresentação. — Lilly sente-se. Eu sinto que ele me abaixa para uma cadeira macia. Eu empurro minha mão de volta para firmar meu corpo não querendo balançar para frente. Estou esgotada e fraca. Pigarreio suavemente. — Onde está Clive? Alec se agacha na minha frente, empurrando uma garrafa aberta de água gelada em minha mão. — Beba isso, Lilly. Tome uma bebida. Faço o que ele me diz, mesmo que não possa dizer se estou com sede ou não. Eu não posso dizer nada. — Como isso aconteceu? — Nós não temos ideia. — os olhos de Alec voam sobre o meu rosto. — De onde veio essa foto? Ele merece uma resposta. É a sua empresa e minha foto arruinou a coisa toda para ele. Para não mencionar o dano duradouro que vai fazer para o seu negócio. Eu estou trabalhando aqui há um mês e minhas ações já estão prejudicando o bom nome da sua empresa para sempre. — Tirei essa foto. Mas eu não a coloquei na apresentação de slides. Eu não faria isso. — Merda, Lilly. — Alec empurra a garrafa de água de volta para os meus lábios, me incentivando a tomar outro gole. — Você praticamente desmaiou lá fora. Eu sei que você não tem nada a ver com isso. Eu estou grata que não haja dúvidas em sua mente sobre eu tentar deliberadamente sabotar seu evento. — Eu sinto muito.
  5. 5. — Você tinha essa foto no seu computador do escritório? — Lance está de pé ao meu lado agora. — Alguém poderia ter acessado dele? Eu olho para ele e vejo sua verdadeira preocupação. Nós não passamos muito tempo nos falando desde que comecei a trabalhar ao lado dele, mas ele não tem sido nada além de gentil e acolhedor comigo. Sempre que tinha uma pergunta, ele corria para encontrar a resposta para mim. — Eu a tirei com uma câmera Polaroid, há alguns meses. Clive a tinha. Alec esfrega a mão sobre a testa. — O que quer dizer com Clive a tinha? Eu não estou prestes a lançar-me no conto sórdido de como conheci Parker quando estava usando o aplicativo de namoro desenvolvido pela Corteck. Os detalhes que se relacionam de como exatamente a foto acabou na posse de Clive, não vão mudar o resultado final. Ele é a última pessoa que teve essa imagem. — Clive me disse que ele destruiu essa foto semanas atrás. Essa foi à última vez que ouvi falar disso. Os olhos de Alec vão do meu rosto para onde Lance está atrás de nós. Eu sei o que ele está pensando. Por um breve momento quando me virei e vi a primeira imagem pensei a mesma coisa. Corteck e Hughes são empresas concorrentes diretas. Ambos estão lutando para entrar no mercado de aplicativo, que é muito competitivo. Sabotar um evento para a imprensa teria um impacto duradouro. Eu sei que Clive é implacável, mas depois de todos os momentos de ternura que nós compartilhamos as palavras que ele sussurrou em meu ouvido, eu não posso acreditar que ele faria algo tão maldoso comigo. — Vá buscar Clive. — Alec fala apontando para a porta fechada. — Traga-o aqui agora, Lance.
  6. 6. Capítulo Dois — Lilly. — é Clive. Ele está ajoelhado na minha frente agora, com as mãos segurando meu rosto. — Você está bem? Você está tão pálida. Você precisa de um médico? Eu preciso. Queria que Ben estivesse aqui. Eu tenho pensado em enviar uma mensagem de texto a ele e pedir-lhe para vir. Agora, ele é a única pessoa em quem posso confiar. — Eu estou bem. Eu não preciso de um médico. — Nós precisamos conversar Clive. — diz Alec. A raiva no seu tom de voz é clara e palpável. Assim que Lance saiu para encontrar Clive, Alec começou a andar pelo chão na minha frente. — Agora não. — os olhos de Clive não saem do meu rosto. — Quem diabos estava operando esse slide show? — Lilly me disse que você tinha essa foto. — vejo o dedo de Alec apontando no ar em minha visão periférica. — Foi você, Clive. O aperto de Clive no meu rosto aumenta. Ele vira seu olhar em direção a Alec. Eu posso ver a tensão em seu maxilar quando ele abre a boca para falar. — Foda- se. Isso tudo é sua culpa. Você precisa encontrar o idiota que colocou essa imagem lá. — Como é que alguém saberia dessa foto? — eu sussurro as palavras para fora sem saber se elas estão altas o suficiente para Clive ouvir. — Você tinha a foto. Sua cabeça se volta para mim lentamente. — Eu não sei. Eu juro que destruí a porra da foto. Eu não posso arrancar qualquer coisa dele, sua expressão está estoica. Eu posso ver a preocupação em seus olhos, mas ele esta coberto pela raiva. Eu vejo como ele engoliu duro, o suor crescendo no lábio superior. De repente, ele empurra para frente até que seus lábios estão pairando junto ao meu ouvido. — Eu preciso que você pense bem e me fale se você mostrou essa foto para mais alguém que não seja meu irmão.
  7. 7. As palavras picam profundamente e sinto falta de ar. Afasto-me, querendo olha-lo diretamente nos olhos quando eu respondo. — Parker foi o único. Ele foi o único para quem eu mandei. — Você tem certeza? — suas sobrancelhas se levantam. Quero sair do seu alcance, mas não há espaço para me mover. Eu estou presa nesta cadeira e sei que ele está questionando um fato que tenho com muita clareza. Ele sabe que não mostrei essa imagem para qualquer outra pessoa. — Eu tenho certeza. — cuspi as palavras claramente, uma por uma. Ele descansa sua testa contra a minha. — Eu tenho que fazer algumas ligações. Você fique aqui mesmo. Concordo com a cabeça, embora sei que assim que puder sentir qualquer sensação em minhas pernas novamente, vou tentar encontrar uma saída pelos fundos para que possa fugir para fora do prédio. Eu não posso pensar com todos se movendo sobre mim e Clive questionando se eu dei a outro estranho uma espiada sob o meu uniforme de barista. — É Clive. — ele pressiona no telefone. — Estou lhe enviando uma foto. Eu preciso dos direitos autorais para ontem. Tenha seu rabo em Washington e faça acontecer agora. Minhas mãos se fecham em punho e me levanto. Eu não posso deixar que isso aconteça. É a minha imagem. Eu a tirei. — Não, espere. Clive puxa o telefone do seu ouvido. — Lilly, eu estou fazendo isso para protegê-la. — É a minha imagem. — eu brevemente olho para Alec e Lance desejando sair da sala e dessa conversa. É muito pessoal. Isso tudo se tornou demasiadamente pessoal. — Eu possuo os direitos sobre ela. Eu já tenho. Eu sei que eu tenho. Um pequeno sorriso puxa a borda dos seus lábios. — Você tem, mas eu estou dando um passo extra, caso precisemos para tomar qualquer atitude. Minha cabeça ainda está se recuperando, mas estou bem o suficiente para saber que estou de pé, enquanto um homem como Clive Parker assume a propriedade sobre
  8. 8. a minha imagem seminua, isso não é uma boa ideia. Podemos estar juntos agora, mas não posso prever o futuro. Aprendi essa lição valiosa com meu próprio passado. Eu tenho que possuir essa foto, e se isso significa investir cada dólar que tenho para fazer isso acontecer, eu irei. — Eu vou lidar com isso sozinha. — Eu tenho meu advogado no telefone agora. — ele aponta em direção ao seu smartphone. — Vou levá-la para registrar como titular dos direitos autorais. Essa é uma dívida que não quero ter pairando sobre minha cabeça. — Eu tenho um advogado. Eu vou perguntar a ele. Vejo a dúvida em sua expressão antes mesmo que ele fale. — Meu advogado tem experiência em questões como esta. Eu acho que você deveria me deixar lidar com isso. Eu deixei-o sair do bistrô naquela noite com a minha foto. Eu deveria tê-la pego quando ele deslizou por cima do balcão para mim. Eu não posso cometer outro erro que terá impacto sobre o meu futuro. Eu preciso assumir o controle desse momento. — Não. Eu vou cuidar disso. Eu vejo quando seu olhar atira de volta para onde Alec e Lance, estão de pé. Eu sei que estou colocando-o em uma posição difícil. Ele controla todos os aspectos de sua vida e das vidas das pessoas ao seu redor e estou deliberadamente empurrando contra isso. — Nós vamos para minha casa e vamos conversar mais sobre isso, Lilly. — Eu não posso agora. — eu digo em voz baixa. — Eu preciso falar com Alec. — Alec? — ele suspira. — Por que você precisa falar com ele? Eu puxo o brinco de argola prata pendurada em minha orelha. Ele não está facilitando as coisas para mim. — Eu trabalho para ele. Eu preciso... Quer dizer, quero falar com Alec sobre o meu futuro. Suas mãos pulam no meu pescoço, seus dedos alisam toda a minha carne. Eu mexo quando sinto escovar contra a minha cicatriz. — Você não precisa fazer isso hoje. Você pode voltar e trabalhar para mim. Eram as palavras que não queria ouvir. A noção de que Clive arranjou para que a imagem fosse exibida para me machucar ou força-me de volta para Corteck está
  9. 9. pairando na sala como um elefante de vestido brilhantemente. Eu sei que Alec e Lance estão pensando a mesma coisa. — Eu gostaria de falar com Lil. — Alec diz atrás de mim. — Nós precisamos conversar. — Mais tarde, Alec. — Clive diz enquanto escova os lábios sobre minha testa. — Dê-lhe algum tempo. Ela passou por bastante hoje. — Ela quer conversar comigo, Clive. — ele empurra o ponto e eu sou grata por ele fazer isso. Concordo com a cabeça lentamente. Eu preciso saber onde estou na Hughes Enterprises. Se a minha bunda vai ser atirada para a rua, preciso considerar qual será o meu próximo passo. Correr de volta para a empresa de Clive não vai acontecer, especialmente depois do que aconteceu hoje. — Eu vou descobrir quem diabos colocou essa imagem na apresentação de slides. — ele sussurra do lado do meu rosto. — Envie Lance para me encontrar quando você estiver pronta para ir para casa. Eu não respondo. Eu não posso. Acabei de olhar para o rosto do homem que pensei que era a minha graça salvadora. Agora, tudo o que vejo é alguém que não tenho certeza se posso confiar.
  10. 10. Capítulo Três — Você precisa ir para casa descansar, Lilly. Pegue o fim de semana para si e se você ainda precisar de mais tempo, é seu e remunerado. — Eu posso sair, Alec. Ele descansa as mãos nos meus ombros. — Você não vai sair. — Você pode me demitir. Você tem todos os motivos para isso. — Eu seria um idiota por demiti-la. — ele ri baixinho. — Merdas acontecem. Nós vamos ajudá-la a passar por isso. As palavras boiam em meu espírito o suficiente para que eu sinta parte do peso que estava carregando na última hora sendo tirado dos meus ombros. — Eu ainda não sei como isso aconteceu. — Você montou a apresentação de slides ou alguém a ajudou? — Lance pergunta de onde está sentado em uma cadeira ao lado da porta. Ele viu Clive sair e em seguida, fechou a porta com um baque sem cerimônia, no momento em que ele saiu da sala. É óbvio que Lance acredita que Clive está envolvido no que aconteceu hoje. — Eu montei tudo. — eu cruzo meus braços sobre o peito. — Salvei em um pendrive que dei a Cheryl da comunicação. Ela estava lidando com todo o material de mídia. — Cheryl? — Alec olha por mim para Lance. — Quem é ela? — Cheryl trabalha aqui há oito meses. — Lance rola sobre o tablet na mão. — Eu tenho seu arquivo pessoal aqui se você quiser dar uma olhada. Alec faz um gesto com a mão direita. — Dê-me. Eu fico em silêncio, enquanto o vejo fazer a varredura da tela. — Ela é uma avó. Por que ela iria colocar essa foto?
  11. 11. Lance chega para agarrar a borda do tablet. — Eu posso fazer uma extensa verificação de antecedentes dela, se quiser. — Eu quero que você vá encontrá-la agora. — Eu vou fazer isso. — diz Lance animadamente. — Eu deveria ter alguém para me apoiar? — Apoiá-lo? — Alec arma uma sobrancelha escura com a questão. — O que diabos isso significa? — E se ela não cooperar comigo? — Lance cospe as palavras rapidamente. — Quer dizer... e se ela perceber que estamos desconfiados dela? — Cristo, Lance. — Alec aponta diretamente para a porta. — Se você não consegue lidar com uma avó de sessenta anos de idade, você está demitido. Eu sinto uma onda de risos com as palavras. Eu puxo a minha mão para os meus lábios para tentar conter a vontade de rir. Alec olha para mim enquanto ambos ouvimos a porta se fechar atrás de Lance. — Este não é o fim do mundo, Lilly. Nós vamos cuidar de quem fez isso com você. Você pode contar com isso. *** — Você recebeu uma oferta sobre a casa? — Garrett Ryan, o advogado que tem me ajudado nos últimos anos pergunta. — Não. — suavizo minhas mãos sobre o jeans que estou usando. Após Lance ter me levado para casa, eu tinha me trocado rapidamente e pulado em um táxi com a esperança de que Garrett seria capaz de me encaixar em um horário antes de sair para o fim de semana. Ele é um dos melhores advogados de inventário em toda Manhattan e conseguir vê-lo normalmente leva semanas.
  12. 12. — Minha assistente me disse que você disse que era urgente quando você chegou. Eu respiro fundo. — Eu estou em apuros, Garrett. — Que tipo de apuros? — ele olha para o meu rosto, seus olhos bloqueiam no meu. — O que aconteceu? Desde que Garrett se tornou meu conselheiro legal quando fiz dezoito anos, a nossa correspondência tem sido limitada principalmente por e-mail ou um telefonema ocasional sobre os bens da minha avó, a casa dos meus pais e do seguro de vida da minha mãe. Eu nunca tinha tocado no dinheiro. Eu não consigo me forçar a fazer qualquer coisa com ele sabendo que é o resultado da raiva irrestrita do meu pai. — Você foi presa? Eu sorrio, sabendo que é provável que uma das primeiras perguntas que ele faz, quando um cliente aparece sem aviso prévio em pânico no escritório do seu advogado. Estou tentado imaginar por qual o motivo ele acha que eu estaria presa, mas estou aqui por uma razão, uma única razão. — Não, não é nada disso. — Diga-me o que é Lilly. — ele sorri para mim. — O primeiro passo é o mais difícil. É preciso confessar se irei ajudá-la com qualquer coisa. Eu olho em suas feições. Eu sempre achei que ele era muito bonito. Senti uma conexão emocional descabida com ele depois que minha avó morreu e ele tirou um tempo da sua vida para me ajudar a arrumar suas coisas. Foi um gesto amável que eu absorvi como mais do que isso. Ele colocou claramente me explicando o quanto ele se importava com a mulher que ele estava namorando na época. Ele me deixou para baixo, sem esforço e com facilidade, mesmo que nunca tenha revelado que eu era louca por ele. — Eu posso começar a adivinhar se você quiser? — ele senta-se ereto. — Você tem um monte de multas de trânsito não pagas? — Eu não tenho carro, Garrett. — Você roubou uma barra de chocolate da bodega perto do seu apartamento?
  13. 13. Eu não posso conter um pequeno sorriso. — Eu estou tentando comer menos açúcar. — Você não bateu em alguém no metrô, não é? — seu olhar desliza sobre meu rosto. — Nós não vamos ter um caso a menos que ele tenha te apalpado. — Eu quero bater em alguém. — murmuro sob a minha respiração. — Quem? — ele inclina a cabeça erguida. — Será que alguém fez alguma coisa para você? Eu tenho que dizer a ele. Entrei no táxi com toda a intenção de ser madura e profissional sobre o assunto. É apenas uma foto. Eu preciso apenas cuspir as palavras para que ele possa me dizer qual deveria ser o meu próximo passo. — Eu... há uma foto minha... eu estou nua e... Estou tão assustada que o toque súbito de meu smartphone o faz cair da minha mão no chão acarpetado de seu escritório. Eu me abaixo, mexendo nele, o tempo todo consciente de que só confessei a existência de uma foto minha nua. — Você precisa atender? — ele está de pé agora, espiando por cima de sua mesa para onde estou com minhas mãos e joelhos no chão. Apertei o botão mudo depois de ver o nome de Clive piscar através da tela. Eu olho para o rosto de Garrett. — Não. Eu preciso de você para me ajudar. Eu já arruinei a minha vida.
  14. 14. Capítulo Quatro — Eu vou precisar ver essa foto, Lilly. — Garrett diz assim que ele me ajuda a voltar para a cadeira na frente de sua mesa. — Por quê? — eu ponho o meu telefone na minha bolsa. — Eu lhe disse que eu estava nua. Você não acredita em mim? — Eu acredito em você. Eu só preciso saber com o que estamos lidando. — ele senta-se na cadeira ao meu lado. — Conte-me sobre a foto. Alguém a colocou on-line? — Eu não tenho certeza. — eu respondo com sinceridade. — Você não tem certeza? — ele limpa a garganta. — Eu sou o seu advogado. Você não precisa ter vergonha. Eu posso ajudar, mas só se tiver uma compreensão clara do que está acontecendo. Eu estou dizendo a mim que ele está certo. Minha mente sabe disso, mas o nó que se formou no fundo do meu estômago não está concordando com isso. — Eu vou começar do início. — É um bom começo. — ele dá um tapinha sobre o meu joelho. Eu me inclino para trás na cadeira esperançosa de que a pouca distância física que eu criei entre nós vá me ajudar a me sentir menos exposta. — Eu conheci um cara chamado Parker quando estava testando um aplicativo de namoro. Isso foi há alguns meses. — Você enviou-lhe uma foto no aplicativo? Estendo a mão para o meu pescoço, meus dedos procuram em vão pelo colar que minha mãe me deu no meu aniversário de quatorze anos. — O aplicativo não funcionou, então começamos a conversar por e-mail. — Você mandou a foto por e-mail, então? — seu tom é paciente e suave, mesmo que seja quase seis horas e seu dia deveria ter acabado agora.
  15. 15. — Não, eu enviei pelo correio. Ele me pediu para enviar-lhe uma foto Polaroid. — eu deixo cair as minhas mãos no meu colo. — Eu fiz isso. Eu mandei algumas outras coisas com a imagem. — Que outras coisas? — ele se inclina para trás na cadeira, cruzando as pernas. — Você enviou mais de uma foto? — Apenas uma. — meu dedo indicador apontando no ar. — Enviei uma carta e a calcinha que eu estava usando na foto. — Então você não estava completamente nua na fotografia? Minha mão salta para o meu peito. — Meus seios... eles aparecem na foto. Embora eu esteja usando calcinha. — Você enviou a foto para esse cara Parker. — ele tamborila os dedos contra sua coxa. — O que ele fez com a foto? — Nada. — eu digo. — Na verdade, ele deu-me o endereço do seu irmão para que eu enviasse a foto e as outras coisas para lá. — Qual é o nome do irmão dele? — Clive Parker. — eu digo sem hesitação. — Clive Parker é o único que tinha a minha foto. *** — Desculpe por isso, Lilly. — ele coloca o seu smartphone na sua mesa. — Era para eu encontrar o meu amigo, Nathan, para uma bebida. Ele está na cidade, veio de Boston. — Podemos fazer isso outra hora. — eu minto. Eu quero fazer isso agora. Eu já confessei tanto que estou preocupada que se concordar em me reunir na segunda- feira eu vou recuar em um casulo e me esconder para sempre.
  16. 16. Suas sobrancelhas sobem. — Eu sei que não é fácil falar sobre isso. Verei Nate amanhã. Isso é mais importante. Eu sou grata por ele entender a urgência que estou sentindo. Eu ouvi os estrondos abafados do meu telefone tocando de dentro de minha bolsa fechada. Eu sei, sem dúvida, que é Clive. Eu tenho que entender minhas opções legais antes de falar com ele novamente. Eu devo isso a mim. — Eu realmente aprecio você tirar esse tempo para mim. — Você disse que Clive Parker tinha a foto? — suas sobrancelhas sobem. — Você não quer dizer o Clive Parker que é o dono da empresa de tecnologia, não é? Eu olho para as minhas unhas. Eu já vim até aqui e sem deixar de fora todos os detalhes relevantes, isso não vai mudar o que aconteceu. — Sim, eu quero dizer que é ele. — Você mandou uma foto Polaroid dos seus seios expostos para Clive Parker? — Sim. — eu respondo, cansada. — Eu não sabia que era o endereço dele. Eu estava enviando para Parker que é meio irmão de Clive Parker. Ele traça um caminho sobre sua sobrancelha esquerda com os dedos. Eu posso dizer que ele está tentando absorver tudo o que estou lhe dizendo. — Então, Clive Parker tem essa foto? Eu esfrego minha mão sobre a minha nuca. — Ele tinha. Ele me disse que a destruiu, mas não sei se ele tem. — Ele é um grande homem de negócios. — diz ele secamente. — Existe uma razão para você não acreditar nele? Não deveria haver. Eu não deveria ter que questionar qualquer coisa que Clive me disse depois do que nós compartilhamos, mas não posso negar que vi com meus próprios olhos. — Eu tive que fazer uma apresentação no trabalho hoje... — Onde você está trabalhando agora? — ele pergunta, parecendo genuinamente interessado. — Quando você me enviou sobre a venda da casa dos seus pais, você mencionou que conseguiu um emprego, mas você não disse onde.
  17. 17. Eu posso pular a parte sobre o trabalho na Corteck por um minuto porque não é relevante. — Eu estou trabalhando para Hughes Enterprises. — Impressionante. — ele chuta o pé para fora para tocar minha perna suavemente. — Você deixa outras crianças da sua idade com vergonha. Eu sorrio, por sugestão de que sou uma criança. Eu procurei on-line por todos os boatos que poderia baixar sobre Garrett antes de pegar o trem de Boston para Nova York para encontrá-lo pela primeira vez. Ele é mais jovem do que Clive e o fato de que ele me vê como uma criança faz-me instantaneamente consciente de que Clive pode me achar ingênua e facilmente enganada. — Eu tenho trabalhado muito duro para chegar ao lugar que estou. — O que aconteceu no trabalho hoje? — ele pressiona. — Eu estava fazendo uma apresentação em um evento de mídia. Eu tive que introduzir dois novos aplicativos. Um foi desenvolvido na Hughes e o... — minha voz falha quando percebo que estou divagando. — Nada disso importa. — Tudo importa. — diz ele pacientemente. — Aconteceu alguma coisa com a foto no trabalho? Eu engulo o crescente nó na minha garganta. — Havia uma apresentação de slides. — Lilly? — ele bate na minha perna com a mão. — Diga-me. Eu puxo toda a coragem que eu posso encontrar para a próxima respiração. — Eu estava falando e então eu virei e a minha foto... era a imagem que estava na tela.
  18. 18. Capítulo Cinco Volto para o seu escritório depois de passar os últimos cinco minutos no banheiro espirrando água fria no meu rosto. Dizer a Garrett sobre a foto não foi fácil, mas foi necessário. Eu sinto uma pequena sensação de alívio em saber que estou fazendo o que preciso fazer para proteger a minha reputação. — Eu vou falar com Alec Hughes. — Garrett faz uma pausa enquanto ele olha para o seu smartphone. — Você acha que ele estaria disponível para falar comigo hoje à noite? — Acho que sim. — eu digo. — O que aconteceu foi no evento da empresa dele. — Você está bem para chegar em casa sozinha? — ele faz um gesto em direção à porta de seu escritório. — Eu estou. — estou surpresa que a minha voz soe tão calma quanto a dele. Eu estive temendo este momento desde antes de sair do meu apartamento. Eu sei que Clive estará esperando por mim lá. — Posso ter o endereço de e-mail de Parker antes de você sair? — ele não traz o seu olhar para cima da tela de seu telefone. — Ou você tem o número dele? — Parker está em Dubai. — eu inclino minha cabeça para o lado. — Clive o enviou há algumas semanas, em um projeto de trabalho. — Você teve um relacionamento pessoal com Parker? — ele olha diretamente para mim. — Quer dizer, nunca houve nada entre vocês dois além da foto e e-mail? — Não. — eu balanço minha cabeça violentamente de um lado para o outro. — Eu só vi Parker pessoalmente uma vez. E foi no bistrô. — Ele veio ver você no trabalho? Eu tinha um pé para fora da porta, e agora estou sendo puxada de volta para o poço dos meus erros. — Ele estava lá. Clive chamou-o lá.
  19. 19. — Clive Parker foi ao bistrô? — ele exala audivelmente. — Você o conhece desde então? — Eu o conheci no bistrô. — eu rolo meus ombros para tentar conseguir mais ar em meus pulmões. Sinto-me sem fôlego. — Você o vê desde então? — sua voz é rouca. — Você o vê desde que você se mudou para Nova York? — Sim. — eu sussurro. — Eu o vi aqui. — Eu estou sentindo que falta alguma coisa. — ele cruza os braços sobre o peito. — Preencha os espaços em branco. Eu quero, mas revelando meu relacionamento íntimo com Clive não é algo que pensei que teria que fazer. Eu não tenho vergonha disso. A dor persistente no fundo da minha mente, que está me dizendo que Clive me manipulou todo esse tempo, não vai parar. Ela só está se tornando mais e mais forte enquanto tento ignorá-la. — Os espaços em branco? — Lilly. — ele diz meu nome lentamente. — Eu sou um advogado. Eu posso dizer quando as pessoas estão omitindo. Eu vou ajudá-la, mas você precisa ser honesta. Eu posso perguntar a você ou a Alec Hughes. Merda. Ele está cem por cento certo. Alec irá dizer-lhe que eu estou namorando Clive. — Eu tenho dormido com Clive Parker. — meus olhos pleiteiam os dele. Eu não quero que ele fique boquiaberto ou me lance uma palestra sobre como Clive é muito velho para mim e que eu deveria estar namorando alguém da minha idade. Vejo seu maxilar mexer um pouco, mas nada além do que já está mascarado por trás de sua experiência como advogado. — É sério ou é mais uma coisa casual? Estou pensando em perguntar se esta linha particular de questionamento é relevante para a minha foto nua ou não, mas eu opto pela resposta honesta. — Eu não sei. — Você não sabe?
  20. 20. Qualquer semelhança em tentar parecer ser um adulto maduro, que tem o controle completo de sua vida voou pela janela. — Eu pensei que era sério, mas eu não tenho certeza depois do que aconteceu hoje. Ele passa a mão pelo queixo. — Você disse anteriormente que Clive foi a última pessoa a ter a sua foto, correto? — Sim. — eu projeto meu queixo para frente. — Ele me disse que tinha destruído. — Mas você a viu hoje? — Todos que estavam lá viram. — murmuro sob a minha respiração. Seus olhos descansam no meu rosto. — Esta não é a minha área de especialização, Lilly. Eu acho que nós precisamos enviar um aviso de direitos autorais. Tenho certeza de que você já possui. Eu vou consultar um colega sobre seus direitos legais em relação à imagem, mas... — Obrigada. — eu interrompo sabendo que o que ele estava prestes a dizer não é algo que tenho certeza que posso fazer. — Fique longe dele, por enquanto. — ele descansa a mão no meu cotovelo. — Até que tenhamos uma melhor compreensão do que aconteceu e de quem está por trás disso, recomendo fortemente que você se afaste de Clive Parker.
  21. 21. Capítulo Seis — Você não pode fazer isso comigo. — Clive me puxa para seu peito no momento em que saio do táxi em frente ao meu prédio. — Onde você estava? Por que você não respondeu seu telefone? São as perguntas esperadas que um homem faz a uma mulher que gosta quando ela desaparece após um evento traumático. Eu deveria encontrar conforto nelas e na forma como ele está me segurando, mas não posso. Tudo o que posso ver é ele de volta no bistrô, empurrando a minha foto no seu bolso. — Eu fui ver o meu advogado. — Qual o nome dele? — ele pergunta em meu cabelo. — Eu gostaria de falar com ele. — Você estava esperando há muito tempo? — eu não estou perguntando por que estou preocupada sobre como ele perdeu seu tempo em pé na rua, em frente ao meu prédio. Eu não quero que ele fale com Garrett. Preciso ganhar perspectiva e encontrar meu próprio caminho para sair deste pesadelo e não posso fazer isso se ele estiver influenciando a única pessoa que está cuidando dos meus interesses jurídicos. Eu não tenho qualquer dúvida de que se contar para Clive que meu advogado se chama Garrett Ryan ele vai chamá-lo imediatamente e dizer-lhe que não vamos precisar mais dos seus serviços. Sua cabeça mergulha para baixo para seu relógio de pulso. — Eu estive aqui por mais de uma hora. — Foi um dia muito difícil. — eu olho para a calçada. — Eu acho que vou para minha casa dormir. — Não. — seu braço desliza das minhas costas para a minha cintura. — Eu vou com você e vamos conversar. Eu corro minhas duas mãos sobre a minha testa. — Eu não me sinto bem para conversar agora, Clive. — Lilly. — ele se afasta. — Olhe para mim.
  22. 22. Eu preciso. Eu não vejo como vou ser capaz de acabar com essa conversa sem olhar para ele. Eu casualmente derivo meus olhos sobre seu rosto antes de estabelecê- los em um local apenas após sua orelha direita. — Eu gostaria que fossemos para o meu apartamento. — eu vacilo quando sinto sua mão forte pegar meu queixo. — Olhe-me nos olhos. Eu coloco os dedos da minha mão esquerda sobre meus lábios, tentando reunir forças para enfrentá-lo diretamente. Preciso disso para proteger toda a dúvida que estou sentindo. Se eu não fizer isso, esta noite nunca vai acabar. — O que é? Na penumbra que os postes derrubam sobre nós, ele estuda o meu rosto. — Você parece exausta. Eu sinto meu lábio inferior tremer, então corro minha língua sobre ele, na esperança de acalmá-lo. — Eu não consigo pensar direito neste momento. O sono vai ajudar. — Eu posso ficar com você. — ele inclina o queixo em direção a porta da frente do meu prédio. — Ou nós podemos ir para o meu apartamento assim você ficaria mais confortável lá. Ele quer me puxar de volta para o conforto de sua cama. Ele vai beijar-me, tocar-me e afastar todas as dúvidas remanescentes. — Eu acho que vou ficar aqui esta noite. — Eu não acho que seja uma boa ideia. — ele pressiona enquanto ele começa a me dirigir para a porta da frente. — Eu vou ficar até você cair no sono. Meu caminho de fuga está diminuindo. Eu tenho que fazer alguma coisa, se quiser o espaço e a paz que preciso para pensar sobre hoje. — Você descobriu quem colocou a imagem na apresentação de slides? Seus pés param no lugar, assim que sua mão cai na parte inferior das minhas costas. — Ainda não. — Alec ia falar com a mulher que dei o pendrive com os meus slides. — eu olho para cima e para o rosto dele. — Você sabe se ele falou com ela?
  23. 23. Ele olha por mim em direção ao corredor suavemente iluminado do meu prédio. — Eu acredito que ele falou, sim. — O que ela disse? — eu pergunto, não só porque quero saber se Cheryl tem qualquer conhecimento do que aconteceu, mas porque quero medir as reações de Clive. — Ela estava tão perplexa quanto o resto de nós. Eu mantenho meus olhos voltados para ele, mesmo que ele não olhe para mim. — Como é possível? — Você está cansada, Lilly. — ele se inclina para frente para roçar seus lábios contra minha testa. — Eu acho que o sono é provavelmente a melhor coisa para você. Eu vou te ligar amanhã. Eu fecho meus olhos, assim que ele se vira e vai embora.
  24. 24. Capítulo Sete Meu plano inicial, quando estava tomando sorvete e assistindo a um filme à meia-noite, era enterrar o meu telefone na parte inferior das minhas roupas, ignorar a campainha do meu apartamento e passar todo o fim de semana embrulhada em meus próprios pensamentos. Isso durou até as dez desta manhã, quando Ben me ligou três vezes seguidas. Eu ignorei as duas primeiras chamadas, mas quando vi o seu número piscar em toda a tela pela terceira vez em cinco minutos, o pânico se instalou. Eu respondi imediatamente. Agora, três horas depois, estou sentada em uma mesa no Axel NY olhando para ele e Kayla. Eles não podem parar de sorrir e o fato de que me sinto como uma merda e provavelmente parece que qualquer um deles nota, é um inferno. — O que está acontecendo? — pergunto timidamente. — Nós não apenas a chamamos aqui para almoçar. — Ben diz em voz alta. — Quero dizer que amamos passar o tempo com você, Lilly, mas temos algo a lhe dizer. Tem que ser uma boa notícia. A julgar pela forma como ele continua beijando o rosto dela, eu apostaria qualquer dinheiro que eles não estão se separando. Eles estão envolvidos nisso, deve ser a data do casamento ou... — Nós vamos ter um bebê. — Kayla deixa escapar. — Ben e eu estamos esperando um bebê. Meus olhos vão do rosto de Ben de volta ao seu. Eu quero chorar, não por que não estou feliz por eles dois. Eu estou. Eu sei que Ben vai ser um pai incrível e seu filho nunca vai querer nada além dele. Eu quero chorar, porque isso é o que acontece quando duas pessoas que se amam começam uma família. Esta é a alegria que está em seus rostos. A última vez que nos sentamos em uma mesa e foi dito que um bebê estava a caminho foi muito diferente do que isso. Minha mãe estava derramando lágrimas de tristeza com o fato de que ela estava grávida de meu irmão mais novo, River. Ele só viveu até os cinco anos de idade.
  25. 25. — Você ouviu, Lilly? — Ben está quase saltando de sua cadeira. — Nós vamos ter um bebê. Minha mão salta para minha boca. Eu empurro contra os meus lábios para segurar um soluço. — Estou tão feliz por vocês dois. — eu sussurro entre os meus dedos. — Eu vou chamar o garçom para trazer mais um pouco de champanhe para Ben e sua amiga. — a voz profunda a direita invade nossa conversa. — Você quer um pouco de suco ou água com gás, Kayla? Eu posso ver se temos algum champanhe sem álcool. — Obrigada, Hunter. — Kayla chega a tocar na parte superior de sua mão. — Suco seria ótimo. Hunter. Eu sei quem ele é. Ele é o homem que está cuidando do sobrinho de Clive, Cory. — Eu sinto muito, Hunter. — Kayla ri baixinho. — Esta é nossa amiga, Lilly. Ele estende a mão para mim e eu a agarro sem hesitação. Esta é a única pessoa, além de Parker, que é parte da família de Clive. Encaro-o, tendo a bondade de seu sorriso enquanto ele olha para mim. — É um prazer, Lilly. — Como você conheceu Ben? — Pergunto sem pensar. A julgar pelo fato de que Ben já me convidou para Axel NY duas vezes, eu estou supondo que ele vem regularmente. — Eu sou amiga da esposa de Hunter. — Kayla explica. — Nós somos amigas desde a faculdade. O mundo é muito pequeno e aleatório mesmo. — Isso é incrível. Eu já ouvi coisas boas sobre Sadie. Todos os três pares de olhos se viram para mim. Eu disse isso sem pensar e agora vou ter que explicar não só como sei o nome de Sadie, mas também, quem me contou sobre ela.
  26. 26. — Espere. — Hunter dá um passo completo de volta, assim como a mão voa para o queixo. — Eu conheço você. Ele não me conhece. Eu nunca vi esse homem. Ele está pensando em alguma outra ruiva que conhece sua esposa. Eu nem mesmo tecnicamente a conheço. Eu só a conheço por causa das minhas missões de averiguação de Clive Parker on-line e alguns pequenos detalhes que ele ofereceu sobre ela. — Nós nunca nos conhecemos. — Você está namorando Clive. — um pequeno sorriso puxa no canto da sua boca. — Você é a Lilly. — Você está namorando Clive Parker? — a mão de Kayla cai para a mesa com um maçante, baque vazio. — Por que você não me disse que estava namorando Clive Parker? Por que não posso voltar no tempo para o momento em que Hunter caminha para a nossa mesa, por isso posso passar por debaixo dela? — É realmente novo e não discutimos se... — Eu namorei o irmão dele, Parker. — O quê? — eu cuspo a palavra com mais desgosto do que eu pretendo. — Você namorou Parker? — Você já o conheceu? — ela inclina ambos os cotovelos sobre a mesa. — Eu não o vejo há meses. Eu fico olhando para Ben. Ele está ouvindo atentamente a Kayla, com um largo sorriso no rosto. Eu, por outro lado, sinto como se estivesse a ponto de gritar. Como é que, mesmo que remotamente, é possível que noiva do meu único amigo namorou o irmão do meu namorado? — Lilly? — ela bate os dedos sobre a minha mão. — Você conheceu Parker? — Uma vez. — eu olho para o rosto de Hunter. Ele parece tão interessado nesta conversa como Kayla está. — Ele veio ao bistrô onde eu estava trabalhando em uma noite, então foi um olá rápido. É isso.
  27. 27. — Isso é tão aleatório. — ela joga a cabeça para trás no riso alegre. — Eu não posso acreditar que você está namorando Clive. Eu não posso acreditar que Hunter sabe que eu estou namorando Clive. Eu vim para este almoço esperando que algumas horas com Ben e Kayla ajudariam a levantar o meu espírito e tirar a minha mente do que aconteceu ontem. Agora, eu fui forçada a revelar que estou namorando um homem que não tenho certeza se quero sequer ver novamente. — Não diga a ele, mas anos atrás eu me inscrevi para receber alertas de notícias quando o nome de Clive aparecesse. — o corpo de Hunter sacode com uma risada profunda. — Eu não o verifico o tempo todo, mas na semana passada, eu cliquei em um link e lá estava seu rosto. Ele disse na semana passada, o que exclui ontem à noite. Ele demonstra afeição e não está me julgando, estou supondo que ele não sabe que os meus seios eram as estrelas do show de tecnologia que Hughes Enterprises mostrou ontem. — Meu rosto apareceu? — Era uma imagem de você e Clive em um restaurante. — ele puxa o rosto em uma careta zombeteira. — Embora não fosse um dos meus restaurantes. — Eu não fazia ideia. — eu não tiro os olhos dele. — Vou ter que procurar. — Eu vou encontrá-la agora. — ele pega seu smartphone do bolso de suas calças pretas. — Eu vou procurar o seu nome. — Não. — eu praticamente grito a palavra. — Eu prefiro brindar ao novo bebê de Ben e Kayla. — Certo. — Hunter estala os dedos. — Eu vou pegar o champanhe e o suco e nós vamos comemorar. Eu dou um suspiro. Eu não tenho nenhuma dúvida de que se Hunter Reynolds tivesse procurado o meu nome, que receberia uma nova versão minha que nunca quero que ele veja.
  28. 28. Capítulo Oito Eu procurei meu nome on-line três vezes desde que cheguei em casa após o restaurante e a única referência ao que aconteceu ontem foi uma breve menção no final dos comentários de um blogueiro sobre o aplicativo de compras. A imagem não aparece em nada, mas tem sido apenas um dia e algoritmos do mecanismo de busca pode precisar de algum tempo para se recuperar. Vou aproveitar a calmaria antes da tempestade e me preparar para o que o meu futuro incerto reserva. Eu preciso focar em mostrar que Alec tomou a decisão certa em manter-me na Hughes Enterprises, preciso descobrir de Garrett, o que posso fazer para proteger os meus direitos e tenho que descobrir quem armou para mim. Eu ouço uma fraca batida na minha porta, assim como o som de passos pesados pararem. Qualquer um que entra no corredor que não vive aqui deveria interfonar para o apartamento que deseja visitar, mas é uma ideia inútil. A trava da porta interna do lobby está aberta para praticamente qualquer pessoa entrar e sair livremente. Eu tenho sentido vontade de falar com o síndico, mas com o meu escândalo de seios nus, limpei minha mente de qualquer outro pensamento. Abro a porta, embora eu saiba quem está em pé do outro lado dela. Ele me mandou mensagem duas vezes hoje. Eu disse a ele que estava em uma reunião com amigos no almoço e, em seguida, tive que recuperar o atraso em um trabalho, mas o homem não pode ler nas entre linhas de um toque sutil ou se recusa a alinhar-se com as necessidades da pessoa, mas com o seu próprio momento. Eu lhe disse que iríamos conversar na segunda-feira. É sábado à tarde e eu preciso encará-lo. — Você quer entrar ou devemos ir para o café para conversar? — eu caminho em direção a minha sala de estar ainda vazia. — Eu gostaria de ficar sozinho com você. — ele se inclina contra a porta. — Nós precisamos conversar Lilly. — Nós precisamos. — concordo. — Não há lugar aqui para falar confortavelmente.
  29. 29. — O café é muito barulhento. — ele bate seu sapato no chão. — Eu gostaria de levá-la de volta para o meu apartamento. A sugestão de que vai acontecer algo mais do que uma conversa, está ali no ar entre nós. Ele me quer e mesmo que eu não pudesse ver a evidência em seus olhos, eu sei pelo tom de sua voz. Ele chega para tocar minha mão. — Nós podemos apenas conversar, se quiser. Mesmo quando estou tentando bloquear todas as emoções que estou sentindo, ele ainda pode ler minha mente. — Eu só quero conversar. — Então é exatamente isso o que vamos fazer. Hesito por apenas um breve momento. Eu quero me livrar do manto da dúvida que está pesando em mim. Quero respirar de novo e não posso fazer isso até que ele me diga como a minha foto acabou naquela tela. — Eu vou pegar minha bolsa e as chaves. *** — Você estava tremendo no táxi a caminho daqui. — ele envolve o braço em volta dos meus ombros. — Por que você não se senta? Vou fazer um chá. É um gesto muito gentil para o momento. Eu estou tremendo, porque sou um amontoado de nervosismo. Ele passou toda a viagem falando em seu telefone com seu assistente, Bruce. Não, Clive não para de trabalhar, nem mesmo nos fins de semana e, a julgar pelo único lado da conversa que eu estava a par, ele vai ficar preso em seu escritório, em reuniões com os associados da Europa. — Eu não quero nada. — eu me afasto dele e avanço para uma poltrona. — Eu gostaria de falar sobre ontem. Ele esfrega a mão sobre a frente de seu pescoço antes de concordar. — Eu sei que você está arrasada com o que aconteceu, Lilly.
  30. 30. As palavras têm mais significado do que a entrega que ele proporciona. Ele está muito calmo e controlado. Eu quero que ele esteja o mais rasgado sobre o que aconteceu comigo, como estou, mas aprendi ao longo dos anos a estar no controle e possuir nossas emoções. Não podemos olhar para os outros com compaixão ou simpatia. Eu estou olhando para ele agora e tudo que vejo é um homem com uma resposta ensaiada para qualquer pergunta que estou a ponto de fazer. — Você foi à última pessoa a ter essa foto, Clive. — facilitando com brincadeiras e conversas não vai me ajudar a encontrar a verdade sobre o que aconteceu. Eu quero respostas. Eu preciso delas e agora que estou em seu apartamento, não estou pensando em sair daqui enquanto não as tiver. Ele caminha em direção a onde estou sentada e por um breve momento me pergunto se ele vai cair de joelhos e me beijar. Minha vontade é forte, mas quando ele está tão perto de mim, a necessidade está logo ali, virando a esquina e quase ultrapassando minha força de vontade para resistir a ele. Ele se senta na borda da mesa perto de mim. Eu dobro as pernas para cima, não querendo que ele me toque. O movimento não passa despercebido. Ele olha para o meu jeans brevemente antes de puxa o olhar escurecido para o meu rosto. — Pergunte-me, Lilly. Basta perguntar. Eu olho para as mãos. Elas estão atadas juntas em uma confusão torcida. Ele está estalando os dedos e serpenteando os dedos de sua mão esquerda com a direita. Sua ansiedade é tão evidente quanto a minha. Eu vejo isso agora. — Perguntar o quê? — eu não empurro de volta querendo ser colocada no local. — Você sabe o quê. — ele se inclina para trás para descansar um lado contra o vidro da mesa. — Basta perguntar. Uma vez que lançar a pergunta, toda a dinâmica do nosso relacionamento vai mudar. Eu vou ser o acusador e se ele não tiver nada a ver com a imagem sendo exibida, eu vou ter que viver com o remorso de duvidar da sua palavra. Eu arranho a parte de trás da minha cabeça, tentando descobrir uma saída. Eu quero que as coisas que ele me disse enquanto estávamos na sala de estar da casa dos meus pais sejam
  31. 31. reais. Eu quero acreditar que a adoração que sinto em seu beijo é sincera. Eu quero isso. Eu não quero perdê-lo. — Eu sou louco por você, Lilly. — ele engole tão difícil que posso ouvi-lo. — Estou tão louco por você, porra. Lanço meu olhar para baixo para que possa focar meus pensamentos. Passo a mão ao longo do braço da cadeira. — Eu sei que você se importa comigo. — É muito mais do que isso. — a sua voz grossa e macia é desarmante. — Eu amo estar perto de você. Eu nunca sorri antes de te conhecer. Eu nunca quis sorrir. As palavras são bonitas e atenciosas e eu teria caído há dois dias. Agora, sei que a verdade está enterrada em algum lugar dentro dele. Se ele não tem nada a ver com a imagem que foi transmitida para toda a sala ver, ele teria dito isso. Ele teria acabado de sair e me diria. — Você e Parker são as duas únicas pessoas que viram essa imagem. — aponto o dedo para ele. — Eu quero saber como isso aconteceu. Eu quero que você me diga, Clive. Sua cabeça cai para suas mãos. — Alguém viu a foto. Eu acredito que alguém tem uma cópia e a culpa é minha.
  32. 32. Capítulo Nove — Quem? — levanto-me tão rápido que meus pés se chocam na ponta da mesa. — Quem tem uma cópia? — Merda, Lilly. — ele pega meu pé. — Você bateu na mesa. Deixe-me dar uma olhada. A dor que está correndo através de mim do meu dedo do pé quase arrancado só é acalmada por minha incessante necessidade de saber para quem ele mostrou a foto. — Você mostrou a foto para alguém? Quem? — Eu não quis mostrar a ela por escolha própria. — ele diz as palavras tão rapidamente que elas se fundem em outra. — Ela? — eu cuspo a palavra para ele. — Que mulher viu isso? Eu não tenho certeza por que isso é tão surpreendente vindo dele. Eu realmente não conheço tão bem Clive Parker, eu me baseei na suposição de que ele só estava saindo comigo, nas suas palavras e na maneira carinhosa que ele me dá prazer na cama. Eu não tenho ideia se ele está compartilhando detalhes dos nossos encontros com outra mulher ou não. Eu não me preocupei em perguntar, porque eu estava muito ocupada gozando debaixo da sua língua. Eu sou uma idiota às vezes. Eu posso ter me graduado com honras na MIT, mas eu não sou a mulher mais brilhante quando se trata de homens. O fato de que eu mandei uma foto nua minha para um homem estranho é prova suficiente disso. — Foi na minha primeira noite em Boston. — diz ele em voz baixa. — Na noite em que fui para o bistrô. Concordo com a cabeça. Eu nunca vou esquecer aquela noite por um milhão de razões diferentes. — Eu lembro. — Eu estava lá para ver Cory no fim de semana. — ele para, toma um fôlego. — Eu estava saindo com uma mulher na época, então a levei comigo.
  33. 33. Lembro-me dele dizendo algo para Parker naquela noite sobre uma mulher. Eu não tinha percebido qualquer detalhe da sua conversa em minha mente. Naquela época, eu pensei que a pior parte do meu pesadelo de ter uma foto nua, era ter enviado para o irmão de Parker por engano. — Ela é a única que tem uma cópia? — Acho que sim. — ele se inclina para frente, puxando o meu pé em seu colo. — Estou preocupado que você tenha quebrado o dedo do pé. Você bateu muito forte. Eu não posso dizer se é uma manobra para desviar a nossa conversa ou não. Eu não vou perder tempo tentando descobrir isso. Eu retiro a sua mão suavemente. — Está tudo bem. Por favor, me diga mais sobre essa mulher. — Eu estava no telefone quando entramos no apartamento e ela entrou no escritório para ligar o computador para que ela pudesse imprimir um documento que foi enviado para seu e-mail. — Você estava com raiva de Parker por deixar o envelope em sua mesa. Ele havia repreendido Parker na minha frente por isso. Eu não consigo me lembrar das palavras exatas, segundo ele, a versão condensada foi que Clive não ia transar porque seu encontro viu o envelope com a minha foto e a carta. — Ela viu e jogou tudo em mim. — ele balança a cabeça. — Nós não estávamos tão sérios. Era principalmente amiga de foda... Eu estremeço com as palavras. A evidência de suas muitas amantes está on-line, com as várias fotos dele em eventos e jantares com mulheres diferentes. Nós não falamos sobre isso em qualquer momento, porque não quero saber os detalhes. Eu não sou uma pessoa ciumenta, mas a ideia de Clive na cama com qualquer outra pessoa me faz sentir crua. — Sinto muito. — ele descansa a mão no braço da cadeira que eu estou sentada. — Não foi nada parecido com o que temos. Eu não tenho certeza do que temos, então não sou o melhor indicador para medir isso. — Você não precisa se desculpar. Eu tinha amantes antes de te conhecer. Ela fecha os olhos com força. — Eu não quero saber sobre isso.
  34. 34. — Você falou com ela sobre a foto? — eu pergunto porque não quero saber todos os detalhes sobre o que aconteceu entre os dois naquela noite ou qualquer outra noite. — Liguei para ela hoje. — ele esfrega a mão sobre o pelo macio cobrindo seu queixo. — Nós vamos nos encontrar para falar sobre isso. Chame-me de tola, mas planejando uma reunião com alguém com minha foto nua parece excessivo. — Por que você não só perguntou a ela sobre isso por telefone, Clive? — Eu fiz. Ele não fala mais, embora espere com expectativa nos meus olhos. — O que ela disse? — Ela quer me ver. — ele deliberadamente evita olhar para mim. — Eu posso ler sua expressão melhor pessoalmente. Eu posso conseguir a verdade. Eu fico olhando para o seu perfil enquanto ele examina as grandes janelas com vista para o horizonte de Manhattan. — Eu me sinto como se estivesse pendurada por um fio. Seus olhos se voltam para mim. — Eu sei, Lilly. — Você não sabe. — eu empurro contra o braço da cadeira, tentando levantar. — Você simplesmente não sabe. — Eu estou tentando o meu melhor para chegar ao fim disso para você. — ele também levanta. Sua mão estendida em minha direção. — Eu sei como lidar com isso. Por mais que queira rir com suas palavras, eu não posso. — Diga-me o nome dela, Clive. — Deixe-me falar com ela primeiro, Lilly. — Eu quero saber o nome dela.
  35. 35. — Eu não posso ter certeza se foi ela ou Parker. — seus ombros caem para frente. — Eu tenho alguém em Dubai verificando o telefone de Parker para ver se ele guardou a sua foto. — Parker não tem motivos para me machucar. — eu digo as palavras como se quisesse explicar. Eu não era nada além de um breve caso de Internet para Parker. Ele não me enviou mais qualquer e-mail desde aquela noite, então não tenho ideia se ele faria qualquer coisa para prejudicar a minha carreira ou não. Não há qualquer razão lógica para ele ir ao meu trabalho e sabotar a minha apresentação. — Eu ainda acho que vale a pena verificar o seu telefone. Eu finalmente estou de pé, de repente sentindo uma sensação renovada de energia. — Por que você não quer me dizer o nome dela? — Eu disse a você. — ele começa antes de pegar minha mão. — Eu tenho que ter certeza primeiro. Se for ela, eu vou cuidar dela. Eu puxo minha mão da sua. — Você está escolhendo ela a mim. Suas sobrancelhas levantam. — Isso é ridículo. Eu tento passar por ele, mas o caminho entre a mesa e a cadeira é muito estreito para nós dois. — Eu tenho o direito de saber o nome dela. — Assim que eu falar com ela, vou te ligar. É inútil. Eu posso ficar aqui, na frente dele e exigir uma resposta, mas é muito óbvio que ele não vai me dizer. Ele me prometeu que ia me proteger e a primeira vez que ele tem a oportunidade de fazê-lo, ele escolhe deixar-me batendo em um vendaval emocional. Eu me afasto quando ele se move para me dar adeus. Pego minha bolsa, caminho em direção à porta e deixo-o com o nome da sua amante secreta para trás.
  36. 36. Capítulo Dez — Eu não tinha visto essa foto de Parker antes. — o segurança da Corteck inclina-se sobre a sua pequena mesa. — É uma boa. Não é. É a imagem que Parker me enviou quando começamos a nos comunicar. Correção. É a primeira imagem de seu rosto que Parker me enviou. Ele pensou que a forma adequada era me enviar uma foto do seu pau pela primeira vez. Boas maneiras são galopantes naquela família. — Eu gosto disso. — tento parecer como se estivesse desmaiando enquanto enfio meu tablet de volta na minha bolsa. — Eu acho que ele parece quente nela. Um homem idoso gargalha tão forte que sua cabeça cai para trás. — Vocês, crianças e suas frases engraçadas. Ouviu isso? Esse é o som de que consegui exatamente o que eu quero. Eu flertei com ele quando entrei no lobby há cinco minutos. Então disse a ele que era louca por Parker e agora que recuei com a prova, o homem é massinha em minhas mãos. — Você sabia que o Sr. Parker o enviou para Dubai? — eu empurro meu lábio inferior para dar ênfase. — Sinto tanto a falta da minha pequena abóbora. Eca. Eu vou precisar de um banho depois dessa conversa. — Eu aposto que ele sente muito mais sua falta. — seus olhos viajam até meu decote. Colocar um sutiã que retirei do fundo da minha gaveta tinha sido a parte fácil. Tentar me acostumar com os aros sob o meu peito que estão praticamente esfaqueamento nas laterais é outra coisa. Eu respiro fundo, lembrando-me porque eu estou aqui, em primeiro lugar. — Eu chorei a noite passada por quê... — eu choramingo baixinho enquanto me inclino sobre a mesa. — Eu perdi o meu telefone ontem à noite, então não posso ligar para Parker porque não memorizei seu novo número.
  37. 37. — Pobrezinha. — ele toca o topo da minha mão. — Você sabe que o Sr. Parker não está hoje, não é? Ele não trabalha aos domingos. Eu sei, eu ouvi a conversa de Clive no táxi ontem, que ele estaria fora nas próximas duas horas. Essa é a única razão pela qual estou fazendo isso, agora, no início da madrugada. — Eu não acho que eu possa esperar até amanhã para ter o número de Parker. Você pode chamar o Sr. Parker e pedir o seu número? Seus lábios puxam para trás em estado de choque. Você pensaria que eu tinha pedido ao homem uniformizado o seu número do seguro social. — Sr. Parker não gosta de ser incomodado, a menos que seja uma emergência. Eu estava contando com isso. — Eu entendo. — Se você voltar amanhã, a recepcionista que está sentada ali pode ajudá-la. Ele aponta para a mesa principal no lobby. Se ele está se referindo a mulher que fica normalmente durante a semana, ela não está disposta a ajudar ninguém. — Posso apenas esperar aqui? — eu pergunto, embora saiba o quão ridículo isso parece. Não vale a pena perder o sono por causa de Parker e com certeza não vale a pena perder um dia inteiro também. — Eu não posso pensar ou dormir, se eu não puder falar com o meu precioso Parker. Seus olhos fixam no meu. Eu tenho que mantê-lo firme, se quero que ele compre o que estou vendendo. Eu esfrego a ponta do meu nariz enquanto consigo tirar um pequeno soluço de dentro. — Eu não deveria fazer isso. — seus olhos deslizam até as câmeras de segurança que pontilham o teto. — Eu acho que posso pegar o número de Parker no meu computador se ele estiver trabalhando para a empresa em Dubai. Eu sei que ele pode. Essa é toda a razão, pela qual me arrastei para fora da cama para fazer toda essa produção. — Você está falando sério? Você faria isso por mim? — Não há nada como o novo amor. — ele bate em algumas teclas em seu computador com o dedo indicador. — Isso vai levar alguns minutos, mas vou encontrar.
  38. 38. Eu levaria no máximo dez segundos para encontrá-lo, mas ficarei ali sorrindo para ele, sabendo que eu terei exatamente o que vim pegar aqui.
  39. 39. Capítulo Onze — Lilly? — a voz de Parker soa exatamente como me lembrava. — A Lilly do café? Considerando que estava usando meu uniforme do bistrô quando tirei a minha infame foto nua, tenho que me acostumar a ser conhecida simplesmente como ‘Lilly do café’. Sinto uma pequena quantidade de conforto no fato de Parker não saber meu sobrenome. — Sim, essa Lilly. — digo no meu smartphone. Aguardo com ansiedade para ver se ele vai perguntar como tenho o número dele. Eu tenho uma desculpa esfarrapada pronta dizendo que pedi na loja de peças automotivas que ele trabalhou em Boston. Não estou mesmo certa de que alguém se importaria o suficiente com ele para perguntar. Eu estou supondo que o fato de que me incomodei em chamá-lo, irá pegá-lo tão desprevenido que ele vai pular sobre essa questão. — Ei. — ouço uma ponta de emoção em sua voz. — O que está acontecendo com você? Eu dou um suspiro de alívio. Você não tem ideia Parker. Sério. Nenhuma ideia. — Não muito. — eu minto. — Como estão as coisas em Dubai? Eu posso ouvir os sons suaves de vozes ao fundo. É noite lá, então ele tem que estar na cidade. — Está tudo bem. Eu não conheço um monte de pessoas aqui. — Ei, eu tenho história de como o mundo é pequeno para você. — eu já debati usando isso como um meio para ganhar a confiança de Parker, mas se quiser saber quem é a mulher misteriosa que Clive está protegendo, preciso usar todos os recursos disponíveis que eu tenho. — Sério? — eu posso ouvir a hesitação em sua voz, mesmo que ele esteja a meio mundo de distância. — O que você quer dizer?
  40. 40. — Meu melhor amigo está noivo da sua ex. — Minha ex? Faço uma nota mental para deixar essa história de fora quando reencontrar Kayla. — Kayla. — Kay? — Eu a conheci há algumas semanas. — eu falo. — Eu só descobri no outro dia que você é seu ex. — Isso é loucura. — ele ri baixinho. — Você conhece mesmo a Kayla? — É louco, não é? — tento controlar a ansiedade na minha voz. — É todos os seis graus de separação. — Como ela está? — ele pergunta, sem qualquer hesitação. — Você disse que ela vai se casar? — Ela está bem. — não dou quaisquer detalhes sobre sua gravidez, porque isso não lhe diz respeito. Eu já estou ultrapassando um limite, dizendo-lhe que ela vai se casar. — Será que ela vai se casar com o médico? Estou um pouco surpresa que ele saiba sobre Ben. Eu nunca ouvi Ben mencionar o ex-namorado de Kayla, o que não é um choque. Ben está tão envolvido em seu amor por ela que duvido que ele pense sobre o seu passado, ou em tudo mais. — Esse é o cara. Eles estão felizes em se casar. — Estou feliz por ela. — eu posso ouvir o sorriso em seu tom de voz. — Você pode dizer isso a ela por mim. Eu posso, mas eu não vou. Aos olhos de qualquer outra pessoa, não tenho uma razão lógica para ligar para Parker. Eu não deveria estar falando com ele, mas ele pode responder a uma pergunta que Clive não pode. Eu vou levar Parker direto pelo caminho em direção a dizer-me o nome da mulher que estava com Clive em Boston.
  41. 41. *** — A Sra. Mitchell está hoje? — pergunto para a mulher de meia-idade que está arrumando uma pintura na parede da galeria. Ela se vira rapidamente e me pergunta. — Quem é você? Eu não queria dar munição à ex-amante de Clive. Realmente esperava ficar em um banco do parque do outro lado da rua por uma hora esperando para encontrá-la antes que ela chegasse ao trabalho. Eu finalmente desisti depois de chamar Alec e dize- lhe que estaria aceitando a sua oferta de um dia extra de folga. Agora são dez horas da manhã de segunda-feira e ensaiei bastante por um dia o que diria para a mulher que estava com Clive naquela noite. — Eu perguntei o seu nome. — ela suspira pesadamente. — Você tem um horário? Recorro ao meu truque de confiança de apenas responder a última pergunta, quando perguntado mais de uma. — Eu não sabia que precisava de um. Eu sou nova na cidade. Seu rosto suaviza um pouco. — Você está interessada nas aulas? Considerando que a única obra-prima que criei foi uma pintura de um cavalo, eu provavelmente devo considerar tomar umas aulas de arte, mas minha agenda está cheia agora tentando salvar minha reputação. — Eu estou muito interessada nas aulas. — Venha comigo. — ela aponta para uma mesa no canto do espaço da impressionante galeria. — Oferecemos aulas em grupo e particulares, é claro. É claro que sim. — Eu acho que eu deveria começar com aulas em grupo. — A Sra. Mitchell sempre sugere aulas particulares se o seu orçamento permitir. — ela sussurra as palavras, apesar de estarmos apenas as duas na sala. — Se você está esperando vender seu trabalho um dia, é realmente o melhor investimento que você pode fazer em si mesma.
  42. 42. Errado. O melhor investimento que posso fazer em mim mesma é descobrir onde está essa mulher para que eu possa confrontá-la e acabar logo com isso. — Talvez devesse falar com ela sobre isso primeiro? — eu jogo como uma pergunta. — Ela vai estar aqui em breve? Ela olha ao redor da sala, com os olhos examinando o espaço como se esperasse encontrar alguém à espreita em um canto ouvindo nós duas. — Ela deveria estar aqui há uma hora, mas ela está encontrando alguém. Considerando a forma como as suas sobrancelhas estão dançando ao redor, estou supondo que a Sra. Mitchell não está tendo uma reunião com o Sr. Mitchell. — Entendi. — eu pisco para ela. — Ela é linda. Eu aposto que muitos dos alunos que se matriculam em suas aulas são homens. Ela ri quando dá um tapinha no meu braço. — Eles são, mas ela é muito exigente sobre para quem ela dá aulas particulares. Essa mulher é um mestre de insinuações escondida. — E onde ela está agora? Ela está dando uma aula particular para alguém? Ela se inclina tão perto de mim que temo que seus lábios vão tocar nos meus quando ela fala. — O homem que ela está se encontrando agora é lindo. Ele é alto. Ele tem uma barba sexy e seus olhos são a sombra mais intensa de azul que você já viu.
  43. 43. Capítulo Doze — Eu preciso ver Rowan Bell. — eu dedilho os dedos sobre o aço do balcão da recepção. — É urgente. — Sra. Bell está em uma entrevista com alguém agora. — ela literalmente cospe as palavras por todo o seu monitor de computador. — Provavelmente para a posição que você tinha antes de sair. Você provavelmente vai ficar nessa função para sempre. É por isso que você é uma vadia. Eu quero dizer isso, mas preciso chegar até o trigésimo sétimo andar sem Clive ser alertado, assim tornarei a abordagem mais sutil. — Você pode chamar Dan da evolução? Eu tenho uma surpresa para ele. — Dan? — ela repete o seu nome. — Você quer que eu chame Dan? Sério não é tão complicado. — Sim, eu gostaria que você ligasse para Dan e pedisse-lhe para vir aqui embaixo me ver. — Você não pode simplesmente subir para vê-lo? Não pode ser assim tão fácil de passar pela segurança, até sensacionalistas como Corteck é famosa. A maior ameaça para a sua segurança não é um ataque aleatório por um hacker, é essa mulher aqui. — Eu posso ir encontrá-lo? — Você trabalhava aqui. — ela aponta em direção aos elevadores. — Você sabe o caminho. Concordo com a cabeça. Eu sei o caminho. Eu sei o caminho que preciso tomar para finalmente confrontar a mulher que está tentando arruinar a minha vida. ***
  44. 44. Eu só tive que esperar na alcova pelo elevador por dez minutos para Bruce ir passear longe de sua mesa. Eu sei que, com base no que vi quando eu trabalhei nos sistemas de segurança com a Jordan, que Bruce bloqueia as portas de vidro duplas que levam para o escritório de Clive, se ele tiver que sair de sua mesa. Neste momento, não há nenhum Bruce e nenhum bloqueio. Corteck aparentemente está na vanguarda da incompetência e o Sr. Parker está preocupado demais para perceber isso. Estou do lado de fora das portas fechadas do escritório de Clive. A julgar pelo que vi desde que cheguei aqui, há uma chance muito boa que vou ser capaz de andar direto para sua sala. Estou começando a duvidar se as fechaduras das portas estejam trancadas. Empurro o ouvido na porta. Eu posso ouvir algumas vozes abafadas. Eu sei que ela está lá. Tudo o que preciso fazer é abrir a porta e perguntar o que diabos está acontecendo. Eu me afasto e passo a mão pelo meu cabelo. Eu estou usando um vestido simples listrado verde e azul. Minha intenção era passar pela galeria e depois ir trabalhar na Hughes, com poucos minutos de atraso. Agora, todo o meu dia foi sugado e destinado a perseguir a ex-amante de Clive em torno de Manhattan. Fico olhando para a maçaneta da porta de aço polido. É isso. Eu chego para ela, empurro para baixo e entro. Ambos se viram para olhar para mim no mesmo momento. Embora eu não possa tirar meus olhos dela. Ela é alta, loira e incrivelmente bonita. — Lilly? — as mãos de Clive saltam dos bolsos da calça. — O que você está fazendo aqui? Eu preciso falar. Em todos os cenários imaginários que correram pela minha mente, estou congelada com a ansiedade. Eu planejei este momento com a precisão de uma perita. Eu vim aqui para confrontá-la, porque depois de falar com Parker, não há absolutamente nenhuma dúvida em minha mente, que esta mulher está por trás do que aconteceu no evento da Hughes. Sabia sem um pingo de dúvidas, quando Parker me pediu para enviar-lhe outra imagem, porque ele nunca teve a chance de salvar uma cópia da Polaroid que eu tinha lhe enviado.
  45. 45. Não foi Clive. Talvez tenha duvidado dele no início, mas depois de Parker dizer o nome dessa mulher e eu procurar por informações suas, sua ligação com ambos Clive e Alec era clara. Ela está querendo vingança e eu sou apenas um instrumento para ela. — Lilly. — Clive repete meu nome enquanto ele me puxa para seu peito. — Você está bem? Você precisa de algo? Concordo com a cabeça enquanto me afasto do seu abraço. — Eu preciso falar com Allison.
  46. 46. Capítulo Treze — Você não tem nenhuma prova. — ela acena sua mão bem cuidada no meu rosto. — Você está apenas chateada que o mundo inteiro viu seus seios pequenos. Eles não são tão pequenos. Quer dizer, eles não são grandes, mas eles são, pelo menos, um punhado. — Uau. Você não é a definição de classe? — eu lanço de volta, porque o respeito aos mais velhos deixa de existir quando eles compartilham sua foto nua em uma conferência de tecnologia. — Que motivo eu teria para mostrar essa imagem a alguém? É uma boa pergunta e agora, Allison Mitchell, escultora e benfeitora de caridade, pensa que ela tem as cartas na mão. Quando fiz uma busca por seu nome ontem à noite, cada resultado foi uma bela imagem dela em um vestido caro ou uma referência de caráter brilhante de um magnata dos negócios ou celebridade. Não há dúvida de que a mulher faz coisas incríveis para as instituições de caridade de Manhattan. Se você considerar todas as fotos dela pendurada nos braços dos homens ricos, únicos e atraentes desta cidade, você vai achar que ela tem a vida que a maioria das mulheres pode sonhar. O problema é que ela tem um marido e dois filhos. — Você estava envolvida com Alec, não estava? — O quê? — Clive finalmente entra na nossa conversa. Ele tomou o assento atrás de sua mesa depois que disse a Allison que sabia que ela era a pessoa que tinha sabotado a minha apresentação. — Ela dormiu com Alec. — dou uma pausa para me corrigir. — Ela realmente estava apaixonada por Alec. — Alec Hughes? — ela cospe seu nome com desdém tão amarga quanto ela pode conjurar. — Você acha que eu ia dormir com ele? — Eu sei que você fez.
  47. 47. — Ele não é nem mesmo atraente. — ela joga as palavras de volta tão rápido que a minha cabeça quase gira. — Esse é um argumento fraco. — eu me inclino para trás no meu calcanhar. — Alec é lindo. Ouço Clive limpar a garganta, mas suas inseguranças precisam ter um assento traseiro. Eu vou pressionar Allison em admitir o que ela fez. — Eu não dormi com Alec. — ela pisa no chão acarpetado como uma criança petulante que não pode ter o último pedaço de doce. — Alec e eu trabalhamos em um projeto juntos. — Chame do que diabos você quiser, senhora. — eu rolo meus olhos. — Alec me disse. Ele me disse que ele terminou com você quando você voltou para o seu marido para uma segunda tentativa. — Vocês já tinham se separado antes? — mais uma vez, Clive escolhe o momento mais inoportuno para gritar. Aparentemente, ele e Allison não tinham tempo para conversar quando eles estavam fodendo. — Você foi o seu terceiro caso de separação. — eu ergo três dedos para destacar o ponto. — Ela na verdade, ainda está, tecnicamente, separada. — Você sabe que eu te amo, Clive. — ela se vira para ele enquanto ela sussurra as palavras. — Qualquer outro homem não significou nada para mim. Olho para Clive. Seu olhar é rebatido para mim. — Como foi que você descobriu tudo isso? Eu ignoro a questão, porque não é uma discussão que quero ter na frente de sua ex-amante. Eu volto para ela, mesmo que seus olhos estejam colados nele. — Por que você colocou minha imagem na apresentação de slides? — Eu lhe disse que eu não tenho nada a ver com isso. — Mostrei a Cheryl uma foto sua. — eu quase grito as palavras em seu rosto. — Ela disse que foi você.
  48. 48. — Ela está mentindo. — diz ela muito calmamente. — A vaca velha está mentindo. — Você está mentindo. — eu rebato. Quando Lance me ligou ontem à noite para me perguntar como eu estava, perguntei o nome completo de Cheryl. Ele disse para mim, sem qualquer hesitação. Não era comum o suficiente para ser distinguível de Manhattan. Depois de encontrar o seu endereço on-line, peguei o metrô para seu apartamento. Bati na porta e lhe mostrei uma foto de Allison no meu telefone e ela confessou a coisa toda. Eu gostaria de acreditar que era porque parecia tão ameaçadora em minha camisa de grandes dimensões e jeans. Isso não foi o que a empurrou sobre o limite em uma confissão. Foi o fato de que Alec tinha explicado o meu passado para ela e a sua parte maternal não podia suportar a culpa. Ela não só admitiu tudo, como também largou o emprego. — Você não tem qualquer prova. — ela puxa cada uma das palavras de seus dentes. — É a minha palavra contra a sua. — Você deu àquela mulher alguns milhares de dólares com a promessa de uma semana de férias em sua propriedade no Havaí, em troca de colocar minha foto na apresentação de slides. Ela recua fisicamente com as palavras. — Eu não posso acreditar que ela lhe disse tudo isso. — Eu não posso acreditar que você me usou para ferir os homens que foderam você. Sua mão voa no ar, mas sou rápida para pegar seu pulso. Clive levantou rapidamente e deu a volta em sua mesa antes de qualquer uma de nós termos tempo para reagir. Allison puxa o braço livre do meu aperto e se joga em seus braços. — Clive. — ela sussurra em seu peito. — Eu estava tão chateada por você ter me deixado por isso. Eu não estava pensando direito. — O que diabos você estava tentando fazer? — ele está segurando-a firme pelos ombros, balançando-a gentilmente com cada palavra. — Você sabe o que você fez?
  49. 49. — Você pode me perdoar por isso. — ela dá um tapinha no lado de sua bochecha. — Nós estávamos nos divertindo tanto antes dela chegar. — Por que você tirou uma cópia da foto, em primeiro lugar? — dou um passo em direção a ambos. — Por que você faria isso? Ela não responde. Ela só aumenta o volume nos soluços exagerados enquanto ela se apega a ele. — Allison. — sua voz é calma. É tão calmo. — Diga-me o que aconteceu. — Você vai me perdoar pelo que eu fiz? Sua cabeça se move para cima e para baixo por alguns instantes. O movimento é tão leve e o minuto que é quase indistinguível. — Você voltou com Parker depois de ir vê-la naquela noite. — sua cabeça se volta para mim brevemente antes dela instalar seu olhar de volta para ele. — Eu ouvi você dizendo a ele para deixá-la sozinha. Você disse que ele não era bom o suficiente para Lilly. Eu escuto atentamente. Este é um ponto de vista do que aconteceu naquela noite. — Quando ele saiu, você me disse que reservaria um voo para mim de volta a Manhattan. — as palavras escapam rapidamente. — Eu não queria voltar, lembra? — Eu me lembro, sim. — seus olhos estão focados completamente no seu rosto. — Eu fui retocar a maquiagem e quando voltei você estava olhando para a foto. — diz ela com a voz rouca. — Você estava apenas olhando o corpo dela na foto.
  50. 50. Capítulo Catorze — Então, você tirou uma foto da fotografia de Lilly quando fui pegar suas coisas no quarto? Eles estão sentados juntos no sofá agora. Não mais do que alguns centímetros separando os dois. Eu nem tenho certeza, se neste momento qualquer um deles se lembra de que estou na sala. — Eu só queria ter uma cópia. — ela diz baixinho. — Por que você deu a Cheryl? — ele se inclina para frente até que seus olhos pegam os dela. — Diga-me por que você fez isso, Allie. Eu estremeço quando o ouço chamá-la assim. Ele fala com familiaridade e carinho. Ele nunca me chamou de nada, apenas Lilly e esse conhecimento me machuca. — Antes de irmos para Boston você terminou as coisas, nós concordamos em conversar algumas semanas mais tarde sobre a arrecadação de fundos de caridade para o abrigo de emergência. — ela toca seu joelho e ele a afasta. — Essa foi à mesma noite que você me viu no meu escritório com Lilly? — Eu liguei para você quando você estava andando em seu escritório, mas você não me ouviu. — lágrimas caem pelo seu rosto. — Você correu para a janela onde ela estava. Meu estômago está em nós com tanta força que quase me faz dobrar de dor. Ela estava lá, no fundo, nos observando enquanto Clive me fez ter um orgasmo com os dedos. Ela tinha visto a coisa toda. Eu pensei que ela tinha caminhado até a porta depois que o nosso encontro íntimo havia terminado. — Eu vi o que aconteceu. — sua voz é quase um lamento estridente agora. — Eu vi você tocá-la e ouvi quando ela... Eu sou grata que ela não disse as palavras em voz alta. Ela não precisa.
  51. 51. — Você deu a Cheryl a imagem para se vingar de mim, por isso? — ele se afasta um pouco, o braço voando sobre o encosto do sofá para ganhar distância dela. — Eu queria que ela voltasse para Boston. — seus dedos giram no ar em minha direção. — Eu queria que você voltasse para mim. — Por que você fez isso no evento do Alec? — eu salto de onde estou parada do outro lado da sala. Clive fecha o rosto em uma carranca na minha direção. Eu não posso ler qualquer coisa que ele está sentindo. — Eu quero saber por que você apenas não liberou a imagem para a imprensa e deixou por isso mesmo. — minha voz assume um tom duro. — Por que fez isso bem antes de eu anunciar o meu aplicativo? Ela olha para o rosto de Clive antes de seus olhos caírem em seu colo. Ela leva um momento para suavizar as mãos sobre a saia do vestido vermelho que ela está usando. — Eu sabia que iria humilhá-la ver a sua foto no telão. Ela está certa. Teria sido impossível não sentir mal, como se nunca tivesse como me recuperar a partir daquele momento. — Você disse a Cheryl quando deveria aparecer? Quer dizer, você sabia que viria logo antes de eu anunciar o meu próprio aplicativo? Ela balança a cabeça bruscamente, sua mão saltando para a coxa de Clive. — Quando Cheryl me mostrou os outros slides no pendrive que você deu a ela, eu sabia que você estava lançando um aplicativo de doação de órgãos para impressionar Clive por causa do que aconteceu com sua irmã. Que ela descanse em paz. Clive empurra-se a seus pés. — Você não sabe de nada, Allison. Você seriamente não sabe o que diabos você está falando. — Eu sei. — ela estende a mão esperando por ele para agarrá-la, mas ele apenas olha para ela. — Você poderia ter arruinado sua carreira inteira. — as mãos de Clive estão fechadas em punhos ao lado de seu corpo. — Você vê o estrago que você fez?
  52. 52. Ela gira os pés dela em um movimento rápido e elegante. — Ela está bem. Ela é jovem. Ela pode conseguir um emprego de volta em Boston. Dou um passo rápido em direção a ambos. — Eu tenho um trabalho aqui. Eu ainda estou trabalhando para Alec. — Alec nunca foi muito inteligente. — ela sussurra as palavras para mim. — Ele vai dar uma chance, até que possa ter a sua boceta.
  53. 53. Capítulo Quinze O rosto de Clive se contorce na vulgaridade de suas palavras. — Isso é uma coisa repugnante a se dizer. — É verdade. — ela retruca levianamente. — Alec deu-lhe esse trabalho porque ele quer transar com ela. É a mesma razão que você deu a ela um emprego. Ele vai em direção a ela, agarrando seus ombros com as duas mãos. — Cale a boca, Allison. Você precisa calar a boca. — Você não é estúpido o suficiente para acreditar que Alec não quer ter um gostinho dela, não é? — Não fale assim sobre ela. — ele balança-a delicadamente. — Você não sabe o que está falando. — Eu estava lá. — ela aponta com o dedo indicador na camisa branca que está cobrindo o peito duro e forte. — Eu estava no evento de mídia. Alec estava praticamente babando sobre a foto dela. Se ele não transou com ela ainda, ele vai. Estou tentada a marchar para cima e puxar seus cabelos com tanta força que seu pescoço giraria. No entanto não me movo. Eu não posso. Ela perdeu todo o controle e cada coisa que sai de seus lábios vermelhos escuros, só vai empurrá-la mais fundo no buraco que ela está cavando para si mesma. — Alec vai se casar. — Clive ressalta. — Ele não contratou Lilly para que ele pudesse transar com ela. — Você não é tão inteligente como você pensa que é. — ela acaricia o queixo barbudo dele. — Você não pode colocar uma coisa jovem assim na frente de um homem como Alec e esperar que ele permaneça fiel. — Alec não me vê assim. — eu finalmente interrompo. — Você está errada sobre ele.
  54. 54. — Alec saltou para a cama de uma menina da sua idade quando ele estava me fodendo. — ela afirma um fato aleatório de volta para mim com orgulho. — Eu o peguei deleitando-se na sua boceta em sua mesa do escritório. Eu vi com meus próprios olhos. Esses são detalhes que eu não precisava saber. Eu estava sentada bem na frente daquela mesa. Eu espero que não a tenha tocado. — Você colocou toda a minha carreira em risco. — eu sinto uma necessidade desesperada de mudar de assunto. — Você precisa ser responsabilizada por isso. Sua cabeça rola para trás numa gargalhada. — Você honestamente acha que alguém em sã consciência acreditaria que eu faria qualquer coisa para prejudicá-la? Olho para ela maravilhada em como ela está alheia ao que ela fez com a minha vida. — Eu acredito que eles acreditariam sim. Eu tenho a prova de que você fez isso. — Você tem a palavra de uma mulher que nunca realizou qualquer coisa em sua vida. — ela faz uma pausa antes de continuar. — Minha palavra supera a palavra de Cheryl em qualquer dia da semana. Eu não posso discutir esse ponto porque é verdade. Allison está no conselho de praticamente todos os principais eventos de caridade da cidade. Ela é voluntária em seu tempo livre para ajudar as pessoas em todo o Estado e metade das receitas da venda de sua galeria de arte vai diretamente para um fundo que proporciona bolsas de estudo para adolescentes de risco. A mulher é uma santa aos olhos da imprensa. — Se a foto da Lilly aparecer em qualquer lugar on-line vou dizer a Luther. — a voz de Clive é profunda e calma. — Eu vou dizer a ele que você fez essa merda e eu vou dar-lhe munição suficiente para que seu contrato de custódia compartilhada mude dramaticamente. — Você está me ameaçando com meus filhos? — Você raramente os vê, Allison. — ele aponta o dedo perto de seu rosto. — Isso é sua escolha. Se você não limpar essa bagunça que você fez, não vou ter escolha a não ser ir para o seu marido e dizer-lhe tudo.
  55. 55. Na minha busca para encontrar todos os detalhes que pudesse sobre Allison Mitchell, tinha sido bombardeada com informações sobre o marido. Ele era mais velho, muito realizado e muito dedicado a ela. Seu rosto brilhava enquanto ele olhava para ela em cada fotografia dos dois que vi. Luther Mitchell é claramente um homem apaixonado por uma mulher que ele não pode domar. — Eu vou fazer com que a foto de Lilly desapareça. — ela corre seus longos dedos através de seu cabelo. — Se alguém a imprimir, eu vou lidar com isso.
  56. 56. Capítulo Dezesseis — Há uma questão pairando ainda aqui. — ele se inclina para frente para escovar os lábios cheios e suaves sobre os meus. — Pergunte-me, Lilly. Eu sinto de imediato o Bourbon. Ele bebeu meio copo depois que ele mandou Allison embora. Eu assisti em silêncio enquanto ela tentava abraçá-lo, mas ele segurou-a com as mãos em seus ombros, dizendo-lhe que Bruce lidaria com quaisquer reuniões relacionadas a instituições de caridade no futuro. Ele essencialmente a cortou de tudo, e tudo o que ela podia fazer era ficar lá e aceitar. — Você dormiu com ela depois que deixei seu escritório naquela noite? Sua sobrancelha esquerda ergue-se. — Você quer dizer a noite que eu te toquei? A noite que você gozou na minha mão? Concordo com a cabeça. Lembro-me da maneira ocasional que eles se sentaram juntos no sofá quando eu estava saindo. O fato de que ela deixou cair à mão sobre sua coxa parecia flertar na época. Agora, com o conhecimento adicional de seu passado, parece que foi um prelúdio para algo mais. — Eu não estive com outra mulher desde que te vi em Boston no bistrô. — Ela ainda queria você quando chegou ao seu escritório naquela noite. — eu solto o ar em um esforço exagerado para me acalmar. — Eu vi como ela tocou em você. — Ela queria mais. — ele balança a cabeça em concordância enquanto ele entrelaça minha mão na sua. — Eu não queria ter nada com ela. Eu acredito nele. Não duvido de nada que ele está me dizendo. — Eu estava pensando. — Sente-se comigo por um minuto. — ele aponta para o sofá. — Eu quero dizer uma coisa.
  57. 57. Sigo sem qualquer resistência. Finalmente sinto como se pudesse respirar pela primeira vez em dias. Meus pensamentos não são mais a bagunça confusa que estavam. Eu sei, sem qualquer dúvida, que as palavras que ele disse para mim no passado foram fundamentadas na verdade. Sento-me no sofá, cruzando as pernas com cuidado. — O que você quer me dizer? — Estou muito impressionado com o que você fez Lilly. — ele descansa a mão no meu joelho. — Eu não sei como explicar isso, mas vou tentar. Eu fico olhando para seu rosto enquanto minha mão vaga para o meu peito. Eu sigo meus dedos sobre a pele do meu pescoço. Eu fico olhando para a sua boca esperando que ele fale e querendo desesperadamente que ele me beije de novo. Ele puxa a minha mão de volta para sua, descansando-a em sua coxa. — Você costumava usar um colar, não é? Eu fecho meus olhos por alguns instantes. — Como você sabe disso? — Você estende a mão para ele o tempo todo. — seu tom é caloroso. — Eu também vi uma foto em seu escritório na Hughes esta manhã. É uma foto sua com a sua mãe. Depois que Alec me deu o meu próprio escritório, eu tinha colocado algumas coisas lá para torná-lo mais pessoal. Era um canto corporativo que, essencialmente, pertencia a mim e eu queria ser lembrada todos os dias quando chegasse ao trabalho. A foto com minha mãe tinha sido tirada no meu décimo quarto aniversário. Ela estava radiante ao meu lado e eu usava com orgulho a corrente com o pingente que ela tinha feito apenas para mim. No caos da noite em que minha família foi tirada de mim, o colar tinha sido puxado do meu pescoço quando os paramédicos estavam a tentando controlar a hemorragia. Eu procurei freneticamente por isso quando fui liberada do hospital, mas estava longe de ser encontrado. — Você foi ao meu escritório hoje? — eu pergunto, virando a cabeça para olhar para ele.
  58. 58. — Eu queria te ver. — ele confessa com ternura. — Eu estava desesperado para vê-la. Depois que você saiu do meu apartamento no sábado, eu estava sentindo uma dor no peito por não estar perto de você. Ele me ligou algumas vezes ontem, mas ignorei todas as chamadas. Parte era por causa da minha imersão na tentativa de identificar quem transmitiu a minha imagem, mas a maior parte, e mais honesta, era algo completamente diferente. Eu estava chateada com ele. Ele não queria me dizer o nome dela quando exigi. — Por que você não me disse que era Allison? — eu torço meu corpo de modo que estou de frente para ele. — Você a estava protegendo. É mais acusatório do que quero que seja. As palavras podem soar amargas, mas a emoção por trás delas se baseia em outra coisa. Eu não tenho ciúmes de Allison. Ela fodeu Clive e no grande retrato de seu mundo, ela é apenas uma mulher que se arrastou em sua cama e em sua vida por um tempo. Estou magoada que quando minha vida estava girando fora do meu controle, Clive não confiou em mim com o nome da pessoa que ele suspeitava e que causou essa turbulência. Ele efetivamente escolheu-a acima de mim e qualquer argumento que ele jogue no meu caminho não pode justificar o que ele fez. — Eu estava protegendo seus filhos. — ele me corrige e silencia as minhas perguntas, tudo em uma frase curta. — Allison é uma mãe horrível. Seus filhos merecem melhor. — Eu posso ver o seu ponto, Clive. — eu empurro meus ombros para trás. — Mas você realmente acha que eu ia correr para o seu apartamento e falar com ela na frente de seus filhos? — Não. — ele mergulha com o queixo para mim. — Eu te conheço melhor do que isso. Você nunca iria comprometer uma criança por qualquer motivo. Ele está certo. Não é algo que eu faria para os filhos de Allison ou qualquer outra. — Por que, então? Tudo o que tinha que fazer era me dizer o nome dela. Eu não acho que você sabe o quanto isso teria me ajudado. — Eu sei. Eu também sei que você está preocupada com a forma como o fiasco da sua imagem vai impactar os negócios de Alec.
  59. 59. — Eu estou. — eu concordo. — Estou muito preocupada com isso. — Eu sabia que se lhe dissesse sobre Allison haveria uma boa chance de que você falaria com Alec sobre isso. — ele corre os dedos por cima do meu joelho nu. — Alec não tem autocontrole. Eu tinha algumas preocupações de que alguém da sua empresa decidiria que a melhor abordagem seria chamar Allison em público. — Em público? — Alec não tem vergonha. Ele é imprudente. — ele aponta com o queixo em direção ao seu smartphone sobre a mesa perto de nós. — Ele enviou um e-mail em massa uma vez, quando ele pegou um de seus empregados roubando dinheiro do caixa. Ele demitiu o cara e fez sua da vida um inferno. Eu não posso dizer que estou surpresa com isso. Alec é ousado e impetuoso, e a julgar pelo sucesso de seu negócio, a sua abordagem não falhou ainda. — Você é muito forte, Lilly. — ele ri um pouco. — É verdade, mas é um eufemismo. Eu sou tocada pelo elogio, mas não quero que isso atrapalhe a conversa. — Você deveria ter me dito sobre ela. Poderíamos ter conversado sobre se eu precisava dizer Alec ou não. — Parte da razão pela qual eu sou louco por você é a sua vulnerabilidade. — ele toca seu peito. — Você sente tudo tão profundamente. Você passou por tanta coisa e não se deixou abater. Você não é como eu nesse sentido. Eu não posso argumentar sobre isso. Clive pode mudar de amoroso e cuidadoso comigo a empresário brutal com os outros a sua volta. Ele é cruel e calculista. Essas não são qualidades que eu aspiro. Eu nunca quero ser como ele nesses aspectos. — Eu não preciso ser como você neste caso. — Você está certa sobre isso. — ele pisca para mim. — Se eu tivesse lhe dado o nome de Allison, você teria confrontado ela sozinha, sem mim ou Alec lá. — Você está certo. — eu concordo com um aceno rápido da minha cabeça. — Eu teria ligado para dizer algumas besteiras.
  60. 60. — Eu sei que sim. — sua boca desliza em um sorriso malicioso. — Eu sei com certeza, mas a mulher é pura maldade. Ela teria dito coisas para você. Ela teria a atacado e a machucado. Eu não queria isso. Eu não poderia tolerar a ideia de que ela fizesse isso. Eu deveria estar pelo menos ligeiramente ofendida pelo fato de que ele não me vê forte o suficiente para ficar cara a cara com Allison. Isso não é o que eu sinto. Eu me sinto valorizada e adorada. Ele estava tentando me proteger. — Eu posso me proteger, Clive. — Você não tem que me convencer disso. — ele passa a mão pelo queixo. — Lembre-me de nunca mais mexer com você no futuro. — Por favor, não tome minhas escolhas assim de novo. — eu cruzo meus braços sobre o peito. — Eu tinha o direito de lidar com isso sozinha. É a minha foto e eu sou a única que definiu tudo quando mandei para Parker. Ele desliza seu corpo mais perto do meu. — Eu sinto muito. Eu não vejo isso tudo dessa forma. Eu pensei que estava protegendo você. Eu não queria machucá-la mais do que você já tinha sido. — Diga-me que você consegue, que posso lidar com essas coisas por conta própria. — as palavras podem soar malcriadas e impetuosas, mas elas são baseadas em algo mais do que isso. — Eu preciso cuidar de mim. É exatamente como eu sou. Ele coça o dedo ao lado de seu nariz. — Eu nunca duvidei nem por um minuto, Lilly. Eu quero que você saiba que a compreendo. Eu não tento controlar a situação por causa de minhas próprias necessidades. Eu só não quero que você se machuque. Argumentando contra sua necessidade de cuidar de mim parece tolo. É o que eu desejava desde que entendi que nem todos os relacionamentos entre um homem e uma mulher foram construídos sobre uma base de raiva, violência e animosidade. — Eu vou me machucar às vezes. — Não, se depender de mim. — ele me puxa para mais perto. — Eu vou destruir qualquer um que tentar machucá-la.
  61. 61. Eu me inclino em seu peito, sabendo que cada palavra que ele fala é a verdade absoluta.
  62. 62. Capítulo Dezessete — Nós não podemos fazer isso em seu escritório. — eu empurro em vão contra seu peito. — Eu não acho que nós deveríamos fazer isso aqui. — Eu tranquei a porta, Lilly. — ele empurra o meu vestido dos meus ombros. — Ninguém vai nos interromper. — Podemos esperar e fazê-lo esta noite. — eu endireito meus braços para que o vestido possa cair no chão ao lado de onde ele já jogou minha calcinha. — Nós vamos fazer isso de novo hoje à noite. — seus lábios traçam um caminho por trás sobre o meu ombro. — Esta noite você vai colocar essa sua bela boca ao redor do meu pau até eu gozar em todo o seu rosto. Meu sexo aperta na promessa do sabor dele novamente. — Eu posso fazer isso agora. — Não. — sua mão serpenteia em torno de mim, pousando sobre o fecho frontal do sutiã de renda preto que estou usando. — Agora, eu vou lamber sua boceta deixando-a bem molhada. — Oh, Deus. — eu digo enquanto olho para baixo para vê-lo abrindo o fecho. — Seus seios são tão bonitos. — ele traz as duas mãos para eles, amassando a carne macia, antes de puxar suavemente os mamilos. — Eles são tão sensíveis. Eles são. Apenas o toque de seus dedos sobre os botões inchados estão me deixando excitada. Eu sei que o momento que sentir sua língua no meu núcleo, meu corpo vai balançar em um orgasmo intenso. — Eu quero que você me foda. — Você pode sentir meu pau, não pode? — sua voz é profunda e rica. — Você pode sentir o quanto está duro? Suspiro quando ouço o som inconfundível de seu zíper sendo puxado para baixo. Eu gemo alto quando ele me empurra para frente para que ele possa deslizar a cabeça inchada exuberante sobre a minha boceta. — Por favor, apenas faça.
  63. 63. — Sente-se, Lilly. — sua mão mergulha a minha umidade e ele aperta meu clitóris com um toque rápido de seu dedo indicador. — Eu quero lamber esse aqui primeiro. Eu praticamente caio de meus calcanhares quando sou levada em direção ao sofá. Eu giro ao redor, abrindo minhas pernas como um convite enquanto ele se abaixa de joelhos. Seu grande e ereto pau vai para cima e para baixo através de suas calças abertas. Eu posso ver a veia que serpenteia pela lateral. Eu quero correr minha língua sobre ele. Quero colocá-lo em minha boca e provar a sua libertação. — Isto é o meu. — ele preguiçosamente passa sua língua sobre minhas dobras e eu recuo. — Isso tudo é só para mim. — Sim. — eu sussurro enquanto torço meus dedos em seus cabelos. — É tudo seu. — Diga-me o quanto você quer. — ele lambe todo o comprimento do meu sexo, parando para pressionar sua língua em mim. — Diga-me agora. — Eu quero tanto. — as palavras escapam com um gemido. Eu puxo mais forte seus cabelos, tentando desesperadamente orientar a sua boca para mim. — Apenas faça. — Você tem um gosto tão bom. — ele abaixa a boca novamente, usando a língua para circundar o centro inchado do meu prazer. Eu arqueio minhas costas e empurro meus quadris para fora do sofá para sentir mais. — Você é tão gananciosa. — ele lambe o dedo indicador antes de deslizá-lo em meu canal. — Eu posso sentir o quanto você quer gozar. Meus quadris balançam contra sua mão. — Eu preciso gozar. Seus olhos fixam os meus por um breve segundo antes dele puxa meu clitóris entre os lábios. Ele chupa forte. Eu rebolo sob ele, tudo desaparece, exceto a minha necessidade desesperada de encontrar a minha libertação. Eu chamo o seu nome, não me importando se alguém pode ouvir. Eu não posso conter nada disso. Ele suga com mais força, o dedo deslizando para dentro e para fora com perita precisão. Eu moo em seu rosto, puxando seu cabelo, empurrando contra ele.
  64. 64. — Lilly, Cristo, eu amo isso. Eu gozo quando ouço suas palavras. Grito seu nome repetidas vezes enquanto caio no orgasmo. Eu me apego ao seu cabelo, a minha mão corre pelo seu rosto para o seu queixo úmido. Eu quero que ele pare. Preciso dele dentro de mim. — Por favor, foda-me, por favor. — as palavras pingam com todo o prazer devasso que eu sinto. Ele está de pé em um instante, dando a volta em sua mesa para abrir uma gaveta. Eu assisto cada movimento, memorizado pela fluidez de seu corpo. Seus olhos nunca deixam os meus enquanto ele lança o resto de suas roupas e coloca uma camisinha seu pau grosso. Ele puxa minhas pernas para o ar, posicionando-se acima de mim. — Você é tão apertada. Você me leva tão profundo. Eu me estico, querendo agarrá-lo de qualquer maneira que puder. Ele sente a minha necessidade e se inclina para frente. — Eu preciso de você, Lilly. Você não sabe o quanto preciso de você. Concordo com a cabeça. Minha voz está perdida. Eu quero dar a ele tudo. Quero expressar o que sinto. — Por favor, Clive. Por favor. Ele empurra seus lábios nos meus, sua língua correndo em minha boca enquanto seu pau desliza em mim lentamente, dolorosamente e totalmente. Enterro meu grito em sua respiração. Eu me agarro com força a ele enquanto ele balança os quadris em mim. — Eu amo foder você. Eu amo isso. Eu gemo alto quando ele aumenta o ritmo. Seu pau bate mais forte dentro de mim com cada impulso. — É tão bom. — eu grito. — Lilly. — meu nome cai de seus lábios em um sussurro aquecido. — Cristo, Lilly. Eu fecho meus olhos quando ele empurra sua mão debaixo da minha bunda para curvar meu corpo contra o dele. O atrito só me estimula mais. Movimento meus quadris para cima e com o dele com cada mergulho aquecido.

×