Tonico & Tinoco – 50 anos de música sertaneja                         1Tristeza do jecaAngelino de OliveiraNestes versos t...
Tonico & Tinoco – 50 anos de música sertaneja                                    2Deixando a triste lembrança adeus para n...
Tonico & Tinoco – 50 anos de música sertaneja                           3Trovador no fim de tarde dedilhando a violaPassar...
Tonico & Tinoco – 50 anos de música sertaneja                            4CanoeiroZé Carreiro / AlocinDomingo de tardezinh...
Tonico & Tinoco – 50 anos de música sertaneja                            5Eu subi toda ladeira sem carência de transporteE...
Tonico & Tinoco – 50 anos de música sertaneja                           6Canta moçadaTonico / Nhô Fio / Nonô BasílioFim de...
Tonico & Tinoco – 50 anos de música sertaneja                        7Cada toada representa uma saudadeEu nasci naquela se...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Moda de viola tonico tinoco 50 anos sertaneja

3.200 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.200
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
47
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Moda de viola tonico tinoco 50 anos sertaneja

  1. 1. Tonico & Tinoco – 50 anos de música sertaneja 1Tristeza do jecaAngelino de OliveiraNestes versos tão singelos, minha bela meu amorPra você quero contar o meu sofrer e a minha dorEu sou como sabiá, quando canta é só tristezaDesde o galho onde ele taNesta viola eu canto e gemo de verdadeCada toada representa uma saudadeEu nasci naquela serra num ranchinho à beira chãoTudo cheio de buraco aonde a lua faz clarãoQuando chega a madrugada lá no mato a passaradaPrincipia um barulhãoNesta viola eu canto e gemo de verdadeCada toada representa uma saudadeO choro que vai caindo devagar vai se sumindoComo as águas vão pro marChintãozinho e chororóSerrinha / Athos CamposEu não troco meu ranchinho amarradinho de cipóPor uma casa na cidade, nem que seja bangalôEu moro lá no deserto, sem vizinho vivo sóSó me alegra quando pia lá praqueles cafundóÉ o nhambu chitão e o chororó, é o nhambu chitão e o chororóQuando rompe a madrugada canta o galho carijóPia triste a coruja na cumeeira do paiolQuando vai entardecendo pia triste o jaóSó me alegra quando pia lá praqueles cafundóÉ o nhambu chitão e o chororó, é o nhambu chitão e o chororóEu não dou com a terra roxa com a seca larga-póNa baixada do areião eu sinto prazer maiorA rolinha quando anda no areião faz caracolSó me alegra quando pia lá praqueles cafundóÉ o nhambu chitão e o chororó, é o nhambu chitão e o chororóEu faço minha caçada bem antes de saí o solEspingarda, cartucheira, patrona de tiracoloTenho buzina e cachorro pra fazer “forrobodó”Só me alegra quando pia lá praqueles cafundóÉ o nhambu chitão e o chororó, é o nhambu chitão e o chororóQuando eu sei de uma notícia que outro canta melhormeu coração dá um balanço, fica meio “banzaró”Suspiro sai do meu peito que nem bala “jovelóSó me alegra quando pia lá praqueles cafundóÉ o nhambu chitão e o chororó, é o nhambu chitão e o chororóMoreninha lindaTinoco / Priminho / ManinhoMeu coração tá pisado, como a flor que murcha e caiPisado pelo desprezo do amor quando desfaz www.ponteiocaipira.com.br - João Vilarim®
  2. 2. Tonico & Tinoco – 50 anos de música sertaneja 2Deixando a triste lembrança adeus para nunca maisMoreninha linda do meu bem quererÉ triste a saudade longe de vocêO amor nasce sozinho não é preciso plantarA paixão nasce no peito falsidade no olharVocê nasceu para outro eu nasci pra te amarMoreninha linda do meu bem quererÉ triste a saudade longe de vocêEu tenho meu canarinho que canta quando me vêEu canto por ter tristeza, canário por padecerDa saudade da floresta eu saudade de vocêMoreninha linda do meu bem quererÉ triste a saudade longe de vocêChico MulatoJoão Pacífico / Raul TorresNa volta daquela estrada bem em frente da encruzilhada todo ano a gente viaLá no meio do terreiro a imagem do padroeiro São João da FreguesiaDo lado tinha fogueira em redor a noite intera tinha caboclo violeiroE uma tal de Terezinha cabocla bem bonitinha sambava nesse terreiroEra noite de São João tava tudo no sertão, tava o Romão cantadorQuando foi de madrugada saiu com Tereza pra estrada talvez confessar seu amorChico Mulato era o festeiro caboclo bom violeiro sentiu frio seu coraçãoTirou da cinta o punhal e foi os dois se encontrar, era o rival seu irmãoE hoje na volta da estrada em frente da encruzilhada ficou tão triste o sertãoPor causa da Terezinha essa tal de caboclinha nunca mais teve São JoãoTapera na beira da estrada que vive assim descobertaPor dentro não tem mais nada por isso ficou desertaMorava Chico Mulato o maior dos cantadoresMas quando Chico foi embora na vila ninguém sambouMorava Chico Mulato o maior dos cantadoresA causa dessa tristeza sabida em todo lugarFoi a cabocla Tereza com outro ela foi morarO Chico acabrunhado largou então de cantarVivia triste calado querendo só se matarO Chico acabrunhado largou então de cantarEmagrecendo coitado foi indo até se acabarChorando tanta saudade de quem não quis mais voltarE todo mundo chorava a morte do cantadorNão tem batuque nem samba sertão inteiro chorouE todo mundo chorava a morte do cantadorCidade grandePeléAbre a porteira que eu quero entrarCidade grande me faz chorarAbre a porteira que eu quero entrarAqui não tenho o que eu tenho láAqui não tenho o que eu tenho lá www.ponteiocaipira.com.br - João Vilarim®
  3. 3. Tonico & Tinoco – 50 anos de música sertaneja 3Trovador no fim de tarde dedilhando a violaPassarinho gorjeando anunciando o luarFogão de lenha pra mãezinha cozinharFogão de lenha pra mãezinha cozinharDe manhãzinha quando o galo cantaA gente levanta e começa trabalharTira leite da vaquinha vendo o sol raiarVai cuidar da roça pra poder vingarVai cuidar da roça pra poder vingarOlha a boiada na beira da estradaOlha a vaquejada eu quero voltarCidade grande me fez chorarAqui não tenho o que eu tenho láAqui não tenho o que eu tenho láCana verdeTonico / TinocoAbre a porta ou a janelaVenha ver quem é que eu souSou aquele desprezadoQue você me desprezouEu já fiz um juramentoDe nunca mais ter amorPra viver penar chorandoPor todo lugar que eu vouQuem canta seu mal espantaChorando será piorO amor que vai e voltaA volta sempre é melhorChora viola e sanfonaChora triste o violãoTu que é madeira choraQue dirá meu coraçãoFesta na roçaTinoco / NadirFesta na roça é a festa no arraialTodos cantam, dançam e pulam vamos todos chacoalharFesta na roça é alegria o ano inteiro é todo diaFesta na roça é a festa no arraialTodos cantam, dançam e pulam vamos todos chacoalharFesta na roça que bom que é, é no catira e arrasta péFesta na roça é a festa no arraialTodos cantam, dançam e pulam vamos todos chacoalharFesta na roça é o sanfoneiro que vai dançando lá no terreiroFesta na roça é a festa no arraialTodos cantam, dançam e pulam vamos todos chacoalhar www.ponteiocaipira.com.br - João Vilarim®
  4. 4. Tonico & Tinoco – 50 anos de música sertaneja 4CanoeiroZé Carreiro / AlocinDomingo de tardezinha eu estava meio à toaConvidei meu companheiros pra ir pescar na lagoaLevamos rede de lanço, ai, ai,... fomos pescar de canoaEu levei meus preparos pra dá uma pescada boaSaímos cortando água na minha velha canoaA graça avistei de longe, ai, ai, ... chega perto ela voaFui descendo o rio a baixo, remando minha canoaEu entrei numa vazante, fui sair noutra lagoaÉ o remanso do Rio Pardo, ai, ai... aonde o pintado amoaPra pegar peixe dos bons, dá trabalho e a gente soaEu jogo timbó na água com isso o peixe atordoaJogo a rede e dou um grito, ai, ai,... o dourado amontoaO rio estava enchendo muito tava cobrindo a taboaAcompanhei a maré e encostei minha canoaCada remada que eu dava ,ai, ai,...dava um balanço na proaBesta ruanaAdo Benatti / TonicoTinha uma besta ruana pus o nome de princesaOutra igual não existia cem léguas na redondezaEu no lombo da ruana já fiz mais de mil proezasMinha besta marchadeira era mesmo uma belezaEu tratava da ruana com toda a delicadezaSe estourava uma boiada eu juntava na certezaAtravessava o rio pardo sem medo da correntezaEssa besta marchadeira ligeira por naturezaUm dia chegou a desgraça no atalho da represaCaí numa pirambeira a ruana ficou presaA besta quis levantar, mas lhe faltou a firmezaE quebrou as duas pernas e acabou minha princesaPassei a mão na garrucha, apontei com bem firmezaA ruana relinchou como em jeito da defesaVi as lágrimas correr, aí do olho da princesaMatei ela com dois tiros depois chorei de tristezaAbri uma sepultura enterrei minha riquezaFiz uma cruz de pau dalho deixei quatro vela acesaNa cruz eu fiz um letreiro escrevi com bem clarezaMatei pra não ver sofrer a minha saudosa princesaAparecida do NorteTonico / Anacleto Rosa JúniorJá cumpri minha promessa na Aparecida do NorteE graças a Nossa Senhora não lastimo mais a sorteFalo com fé não lastimo mais a sorteJá cumpri minha promessa na Aparecida do Norte www.ponteiocaipira.com.br - João Vilarim®
  5. 5. Tonico & Tinoco – 50 anos de música sertaneja 5Eu subi toda ladeira sem carência de transporteE beijei o pé da santa da Aparecida do NorteFalo com fé na Aparecida do NorteEu subi toda ladeira sem carência de transporteNão tenho melancolia tenho saúde sou forteTenho fé em Nossa Senhora da Aparecida do NorteFalo com fé na Aparecida do NorteNão tenho melancolia tenho saúde sou fortePadroeira do Brasil Aparecida do NorteEu também sou brasileiro sou um caboclo de suporteFalo com fé sou um caboclo de suportePadroeira do Brasil Aparecida do NorteTodo meado do ano enquanto não chega a morteVou fazer minha visita na Aparecida do NorteFalo com fé na Aparecida do NorteTodo meado do ano enquanto não chega a mortePé de ipêTonicoEu bem sei que adivinhavaQuando às vezes eu te chamavaDe mulher sem coraçãoMinha voz assim queixosaVocê é a mais formosaDas caboclas do sertãoMinha voz assim queixosaVocê é a mais formosaDas caboclas do sertãoCerta vez tive o desejoDe provar um mel beijoDa boquinha de vocêLá no trio da baixadaPertinho da encruzilhadaDebaixo de um pé de ipêLá no trio da baixadaPertinho da encruzilhadaDebaixo de um pé de ipêMas o destino é traiçoeiroQue deixou na solidãoFoi-se embora pra cidadeMe deixou triste saudadeNeste pobre coraçãoFoi-se embora pra cidadeMe deixou triste saudadeNeste pobre coraçãoQuando eu passo a encruzilhadaAinda avisto o pé de ipêAinda canta um passarinhoMe faz lembrar sozinhoAquele dia com vocêAinda canta um passarinhoMe faz lembrar sozinhoAquele dia com você www.ponteiocaipira.com.br - João Vilarim®
  6. 6. Tonico & Tinoco – 50 anos de música sertaneja 6Canta moçadaTonico / Nhô Fio / Nonô BasílioFim de baile, fim da noite é começo de sofrerNo peito fica a saudade de quem teve um bem quererCanta, canta moçada que é de madrugadaCanta, canta moçada que é de madrugadaO galo ta cantando não demora amanhecerMeu cavalo ta arriado querendo eu levo vocêCanta, canta moçada que é de madrugadaCanta, canta moçada que é de madrugadaO suspiro são dobrado as morena soluçandoMeu amor eu já vou embora o baile ta se acabandoCanta, canta moçada que é de madrugadaCanta, canta moçada que é de madrugadaA lembrança desse baile é uma saudade malvadaFoi bem triste a despedida, adeus minha namoradaCanta, canta moçada que é de madrugadaCanta, canta moçada que é de madrugadaNa beira da tuiaTonico / NadirNa beira da tuia oi que baile bomNa beira da tuia eu ganhei teu coraçãoNa beira da tuia oi que baile bomNa beira da tuia eu ganhei teu coraçãoBaile na beira da tuia é a festa do sertãoMorena dos olhos verde que prendeu meu coraçãoNa beira da tuia oi que baile bomNa beira da tuia eu ganhei teu coraçãoNa beira da tuia oi que baile bomNa beira da tuia eu ganhei teu coraçãoBaile na beira da tuia é o baile no terreiroAlegria da fazenda e o viva pro fazendeiroNa beira da tuia oi que baile bomNa beira da tuia eu ganhei teu coraçãoNa beira da tuia oi que baile bomNa beira da tuia eu ganhei teu coraçãoO baile de fim de ano é o baile da aleluiaConheci Maria Rosa no arrasta pé da tuiaTristeza do jecaAngelino de OliveiraNestes versos tão singelos, minha bela meu amorPra você quero contar o meu sofrer e a minha dorEu sou como sabiá, quando canta é só tristezaDesde o galho onde ele taNesta viola eu canto e gemo de verdade www.ponteiocaipira.com.br - João Vilarim®
  7. 7. Tonico & Tinoco – 50 anos de música sertaneja 7Cada toada representa uma saudadeEu nasci naquela serra num ranchinho à beira chãoTudo cheio de buraco aonde a lua faz clarãoQuando chega a madrugada lá no mato a passaradaPrincipia um barulhãoNesta viola eu canto e gemo de verdadeCada toada representa uma saudadeO choro que vai caindo devagar vai se sumindoComo as águas vão pro mar www.ponteiocaipira.com.br - João Vilarim®

×