O slideshow foi denunciado.
CARLOS ALBERTO LOPES MACIEL “ BETÃO “
Formado em Educação Física;
Fazendo pós graduação em fisiologia do exercício e
pre...
PARATRIATLO
O PERCURSO DA PROVA.
O percurso é composto por 750 metros de natação, 20
quilômetros de ciclismo e outros 5 quilômetros de...
HISTÓRIA
Desde o início
da realização do
primeiro Mundial,
em 6 de Agosto
de 1989 em
Avignon
(França), o
esporte ganha
pra...
Desde 1995, há
campeonatos
mundiais todos os
anos, e o número
de competidores
no mundo
aumenta em ritmo
acelerado.
Uma das novidades no programa
dos Jogos Paralímpicos de 2016, o
Paratriatlo vem experimentando o
mesmo sucesso que o espor...
A CLASSIFICAÇÃO NO PARATRIATLON
 Participam do esporte pessoas com diversos tipos de
deficiência, desde cadeirantes, ampu...
A NOVA CLASSIFICAÇÃO.
 PT1 – Cadeirantes
Inclui atletas com comprometimentos que impedem a
capacidade de conduzir de form...
 PT2
Inclui atletas com comprometimentos como:
deficiência nos membros, hipertonia, ataxia
e/ou atetose, carência de forç...
 PT3
Inclui atletas com comprometimentos como:
deficiência nos membros, hipertonia, ataxia
e/ou atetose, carência de forç...
 PT4
Inclui atletas com comprometimentos como:
deficiência nos membros, hipertonia, ataxia
e/ou atetose, carência de forç...

PT5 – Deficiência visual total ou parcial (Dividida nas
subcategorias B1, B2, e B3)
Inclui os atletas totalmente cegos, ...
As regras
O BRASIL NO PARATRIATLON.
No Brasil o número de paratriatletas está
crescendo a cada dia. E embora eles
tenham algumas nec...
 Minha energia é o desafio,
minha motivação é o impossível,
e é por isso que eu preciso
ser, à força e andar sem medo,ina...
FONTE
 http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/paratri
athlon/paratriathlon.php

 http://www.rio2016.com/os-
jogos/pa...
Paratriatlon
Paratriatlon
Paratriatlon
Paratriatlon
Paratriatlon
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Paratriatlon

572 visualizações

Publicada em

Paratriatlon: história,regras e classificação

Publicada em: Esportes
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Paratriatlon

  1. 1. CARLOS ALBERTO LOPES MACIEL “ BETÃO “ Formado em Educação Física; Fazendo pós graduação em fisiologia do exercício e prescrição de treinamento; Professor da escolinha do Náutico Atlético Clube;  Campeão Cearense de natação desde 2006 na classe SB8;  Campeão Brasileiro de natação desde 2008 na classe SB8;  Bi - campeão no open da Argentina de 2010 – 2011 classe SB8;  Campeão do parapanamericano em Guadalajara México;  Único Cearense a ser convocado para as paraolimpíadas de Londres 2012;  Único cearense a ser convocado para seleção natação paraolímpica. 2013 o melhor triatleta no mundial de Londres na classe tri
  2. 2. PARATRIATLO
  3. 3. O PERCURSO DA PROVA. O percurso é composto por 750 metros de natação, 20 quilômetros de ciclismo e outros 5 quilômetros de corrida, distância conhecida como Sprint Triatlo. Assim como no Triatlo tradicional ou Standard, o tempo gasto na transição entre nado, ciclismo e corrida é computado no tempo total de prova, e vence o atleta que realizá-la no menor tempo.
  4. 4. HISTÓRIA Desde o início da realização do primeiro Mundial, em 6 de Agosto de 1989 em Avignon (França), o esporte ganha praticantes em todo o mundo.
  5. 5. Desde 1995, há campeonatos mundiais todos os anos, e o número de competidores no mundo aumenta em ritmo acelerado.
  6. 6. Uma das novidades no programa dos Jogos Paralímpicos de 2016, o Paratriatlo vem experimentando o mesmo sucesso que o esporte convencional, estreante no programa olímpico no ano 2000, em Sydney. Em 11 de dezembro de 2010, o IPC anunciou que o Paratriathlon foi oficialmente aceito nos Jogos Paraolímpicos e fará a sua estréia no Rio de Janeiro em 2016. Há 17 anos a CBTri já tem paratriatletas de elite representando nosso país em competições internacionais e em Campeonatos Mundiais.
  7. 7. A CLASSIFICAÇÃO NO PARATRIATLON  Participam do esporte pessoas com diversos tipos de deficiência, desde cadeirantes, amputados e Les Autres até atletas com deficiência visual. Eles são classificados de acordo com suas potencialidades e podem utilizar equipamentos adaptados para o auxílio em sua locomoção – por exemplo, competidores com paraplegia, ou cadeirantes, podem usar uma bicicleta manual chamada de handcycle, impulsionando os pedais com as mãos, para a etapa de ciclismo, e realizar a corrida em uma cadeira de rodas.
  8. 8. A NOVA CLASSIFICAÇÃO.  PT1 – Cadeirantes Inclui atletas com comprometimentos que impedem a capacidade de conduzir de forma segura uma bicicleta convencional e de correr. Esses comprometimentos, entre outros, podem ser: carência de força muscular, deficiência nos membros, hipertonia, ataxia ou atetose. Os atletas devem usar um handcycle (bicicleta de mão) na etapa de ciclismo e uma cadeira de rodas de corrida na etapa de corrida. Para se enquadrar nessa categoria, os atletas devem ter uma pontuação de até 640,0 pontos na avaliação de classificação.
  9. 9.  PT2 Inclui atletas com comprometimentos como: deficiência nos membros, hipertonia, ataxia e/ou atetose, carência de força muscular e amplitude de movimentos diminuída, entre outros. Nas etapas de ciclismo e corrida, atletas amputados podem utilizar próteses ou outros dispositivos de apoio aprovados. Para se enquadrar nessa categoria, os atletas devem ter uma pontuação de até 454,9 pontos na avaliação de classificação.
  10. 10.  PT3 Inclui atletas com comprometimentos como: deficiência nos membros, hipertonia, ataxia e/ou atetose, carência de força muscular e amplitude de movimentos diminuída, entre outros. Nas etapas de ciclismo e corrida, atletas amputados podem utilizar próteses ou outros dispositivos de apoio aprovados. A diferença em relação à categoria PT2 é que, na PT3, se enquadram os atletas que obtiverem uma pontuação entre 455,0 e 494,9 pontos na avalaliação de classificação.
  11. 11.  PT4 Inclui atletas com comprometimentos como: deficiência nos membros, hipertonia, ataxia e/ou atetose, carência de força muscular e amplitude de movimentos diminuída, entre outros. Nas etapas de ciclismo e corrida, atletas amputados podem utilizar próteses ou outros dispositivos de apoio aprovados. A diferença em relação às categorias PT2 e PT3 é que, na PT4, se enquadram os atletas que obtiverem uma pontuação entre 495,0 e 557,0 pontos na avaliação de classificação.
  12. 12.  PT5 – Deficiência visual total ou parcial (Dividida nas subcategorias B1, B2, e B3) Inclui os atletas totalmente cegos, desde os que não têm nenhuma percepção de luz até os que têm percepção da luz, mas que são incapazes de reconhecer o formato de uma mão a qualquer distância (B1), além de atletas com deficiências visuais, cuja acuidade visual seja menor que 6/60 de visão ou cujo campo visual seja inferior a 20 graus na condição de melhor visão corretiva (B2-B3). Um guia de mesma nacionalidade e sexo é obrigatório durante toda a prova.
  13. 13. As regras
  14. 14. O BRASIL NO PARATRIATLON. No Brasil o número de paratriatletas está crescendo a cada dia. E embora eles tenham algumas necessidades adicionais em conjunto com as diferentes regras em suas competições, eles estão sempre em busca de igualdade de participação em todos os nossos eventos.
  15. 15.  Minha energia é o desafio, minha motivação é o impossível, e é por isso que eu preciso ser, à força e andar sem medo,inabalável.  Augusto Branco
  16. 16. FONTE  http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/paratri athlon/paratriathlon.php   http://www.rio2016.com/os- jogos/paralimpicos/esportes/paratriatlo   http://www.triathlon.org/about/downloads/catego ry/rules   http://www.cbtri.org.br/paratriathlon.asp

×