120808 18-wbeef-certif-guilherme-abud

149 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
149
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

120808 18-wbeef-certif-guilherme-abud

  1. 1. Como operacionalizar naprática a rastreabilidadeno confinamento.
  2. 2. •  Definição de Rastreabilidade: Capacidade de identificar a origem de um produto e de reconstituir seu percurso desde a produção até a distribuição Fonte: Dicionário Michaelis
  3. 3. Histórico•  Exigência para exportação para o Chile, Albânia e União Européia.•  Processo intensificado após surtos de Encefalopatia Espongiforme Bovina (BSE).•  Lista “Trace”.
  4. 4. •  Rastreabilidade na CMA –  Rastreabilidade do Ingrediente –  Rastreabilidade dos Animais
  5. 5. •  Rastreabilidade dos Ingredientes –  Fornecedores selecionados; –  Coleta de amostras do caminhão transportador; –  Testes de granulometria e matéria seca; –  Estocagem de amostras por lote; –  Controle e destino da dieta.
  6. 6. •  Rastreabilidade Animal: – Inspeção dos lotes a serem embarcados; – Aparte dos animais; – Preenchimento do formulário de originação; – Embarque ao confinamento;
  7. 7. •  Recepção: – Conferência do peso médio dos lotes na portaria através da balança rodoviária; – Desembarque em currais apropriados e checagem do número de animais; – Descanso e reidratação dos animais em remangas.
  8. 8. •  Processamento de entrada: – Utilização de software na gestão de rastreabilidade; – Aplicação do brinco com numeração SISBOV; – Aplicação do brinco de identificação do lote; – Chip para facilitação do manejo;
  9. 9. •  Processamento de entrada: – Desvermifugação; – Vacinas de eleição; – Pesagem individual dos animais, aparte e cadastramento no banco de dados local e na BND; – Alocação nos currais de engorda;
  10. 10. •  Ronda Sanitária: – Inspeção diária nos currais de engorda; – Se necessário, medicamentos terapêuticos são aplicados e comunicado ao sistema de gestão; – Destino dos animais em tratamento ao piquete enfermaria.
  11. 11. •  Avaliação e controle de mortalidade – Necrópsia em 100% dos animais que vieram a óbito; – Ficha de óbito do animal com fotos e laudo conclusivo; – Comunicado de morte para baixa na BND.
  12. 12. •  Processamento de Saída: – Checagem da identificação dos animais; – Pesagem individual; – Confirmação da liberação do animal para abate na BND e carência de medicamentos;
  13. 13. •  Conclusão: Nosso sistema de rastreabilidade não visa apenas atender as normas do MAPA mas, o rígido controle de resíduos em nosso produto final: a carne, garantindo qualidade e segurança alimentar.
  14. 14. ObrigadoAndré Luiz Perrone dos Reis DiretorGuilherme de Carvalho Abud Responsável Técnico

×