Regulamento centro nacional formacao

107 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
107
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Regulamento centro nacional formacao

  1. 1. FEDERAÇÃO DE FUTEBOL DA GUINÉ-BISSAU *Fundada a 10 de Setembro de 1974* (Membro da CAF – FIFA – UFOA) PROPOSTA Elaborado nos termos do Artigo ______No _____dos Estatutos da FFGB Aprovado em Reunião do Congresso da FFGB, a______/200___ REGULAMENTO CENTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE FUTEBOLISTAS
  2. 2. 2 CAPÍTULO – I (NOMENCLATURA) 1. GENERALIDADES 1.1.O Centro Nacional de Formação de Futebolistas, adiante designado por CNFF constitui-se como um serviço Desconcentrado da FFGB que se submete hierarquicamente à Direcção Técnica Nacional (DTN); 1.2. O CNFF é um serviço Técnico Nacional para a Definição de estratégias e Coordenação das Escolas Nacionais de Formação de Atletas para a prática de Futebol; 1.3.O CNFF é sustentado por uma Direcção suportada por uma parte técnica e outra administrativa que assegura o seu pleno funcionamento; 1.4.A nomeação de todo o pessoal dirigente e de apoio são da responsabilidade da FFGB, consultado a sua DTN; 1.5.Para a consecução dos objectivos pelo que foi instituído o CNFF, ele tem a cumprir: 1.5.1. Desenvolver programas para a detecção de talentos, de forma dirigida, criteriosa e coerente; 1.5.2. Criar um processo de avaliação de aptidão de atletas para o alto rendimento; 1.5.3. Apoiar no aperfeiçoamento dos Atletas de alta competição, em locais adequados a este nível de participação; 1.5.4. Preparar equipas de alto nível, na sequência lógica do referido no ponto anterior; 1.5.5. Apoiar as acções de Formação de Técnicos, Árbitros e outros Agentes, garantia indispensável da qualidade de todo o trabalho a desenvolver; 1.5.6. Propor realização de Quadros competitivos de alto nível, eventual corolário de todas as acções anteriores. CAPÍTULO – II (ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E TÉCNICA) 1. DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA 1.1. O CNFF é dirigido por um Director Técnico nomeado pelo Presidente da FFGB sob proposta da DTN e ouvidos os membro do Comité Executivo, que assume a coordenação das questões administrativas e técnicas, através do secretariado administrativo e técnico; 1.2. Para coadjuvar o Director, assumindo a coordenação técnica do funcionamento do Centro é nomeado pelo Presidente da FFGB sob proposta da DTN e ouvidos os membros do Comité Executivo o Coordenador; 1.3. O CNFF funcionará em dois períodos de trabalho: 1.3.1. De Manhã: 1.3.2. De Tarde: REGULAMENTO CENTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE FUTEBOLISTAS DA FFGB
  3. 3. 3 2. ORGANIZAÇÃO TÉCNICA 2.1. A parte técnica é suportada por uma Coordenação Técnica assumida por um coordenador com uma equipa técnica constituída por Monitores responsáveis pela formação de vinte (20) Alunos (atletas) cada; 3. Os alunos representam os Clubes, essencialmente os da cidade de Bissau, podendo os do interior do país serem também abrangidos; 4. Para cumprir com o papel que lhe é consignado tem como função: 4.1. Elaborar e Calendarizar o Plano de actividade conjuntamente com a DTN/FFGB os trabalhos a serem realizados durante cada época, desportiva; 4.2. Definir as regras e requisitos para captação de talentos; 4.3. Criar Selecções nos diferentes escalões etárias de formação nomeadamente (Infantis, Iniciados e Juvenis); 4.4. Divulgar e promoção dos valores formados nas diferentes categorias referido no ponto anterior; 4.5. Desenvolver o potencial futebolístico nas diferentes camadas em formação; 4.6. Conceber o perfil de atletas para as Selecções Nacional das Escalões de formação; 4.7. Definir os parâmetros de captação de talentos; 4.8. Definir o perfil de jogo para as características dos atletas da Guiné-Bissau; 4.9. Trabalhar em prol da continuidade e seguimento das Selecções Nacionais de Júnior enquanto a evolução por faixa etária dos valores seleccionados com vistas a criar um retorno em termo de sequência dos valores em causa, encaminhando-os para a equipa - A Nacional; 4.10. Renovar ciclicamente as Selecções Nacional em todos os Escalões de formação e de projecção; 4.11. Fixar os objectivos e metas a ser atingido para cada uma das Selecções; e 4.12. Definir em conjunto com a DTN/FFGB um plano global que contemple quatro (4) anos de trabalhos a ser submetido a mais alto nível com vistas a sua aprovação e execução uma vez fixado os objectivos e metas a tingir. 3. ATRIBUIÇÕES 3.1. Ao Director e Coordenador Técnico Naciona1 do Centro de Formação de Futebolistas Compete: 3.1.1. Definir em conjunto com a Federação de Futebol através da sua Direcção Técnica Nacional os objectivos do Centro; 3.1.2. Elaborar planeamento de actividades desportivo anual a desenvolver no Centro;
  4. 4. 4 3.1.3. Verificar mensalmente as actividades desenvolvidas pelos técnicos do Centro e das Escolas; 3.1.4. Verificar semanalmente o cumprimento dos planos elaborados para o Centro de Formação; 3.1.5. Reunir anua1mente com os Técnicos Nacionais e Regionais, a quando do encontro Nacional anual das Escolas de Futebol; 3.1.6. Promover Acordos colóquios palestras e cursos de reciclagem para os técnicos de Centro e as Escolas de Futebol; 3.1.7. Reunir mensalmente com todas as estruturas de Centro de Formação; 3.1.8. Acompanhar de forma pontual o trabalho que se desenvolve nas Escolas de Futebol; e 3.1.9. Avaliar as capacidades e nível dos técnicos das Escolas de Futebol e Centro de Formação 3.2. O Coordenador Técnico é considerado um dos estafes técnicos da Direcção do Centro e serão eles como elo de ligação entre os responsáveis máximos das restantes estruturas administrativas e tem como funções: 3.2.1. Participar na elaboração de planos das actividades do Centro e as Escolas de Futebol; 3.2.2. Controlar a hora do início e do fim de treino de cada professor (Técnico/Monitor) com a sua Classe/equipa; 3.2.3. Apresentar relatório nas reuniões Técnicas; 3.2.4. Velar pelo cumprimento do programa e apresentar o relatório mensal das actividades nas reuniões de coordenação técnica; 3.2.5. Despachar sempre com o Director Técnico do Centro; 3.2.6. Aconselhar os professores das Escolas de Futebol caso for necessário; e 3.2.7. Propor a convocação das sessões extraordinárias de reunião se for necessário. 3.3. Monitores 3.3.1. Selecção e admissão de Monitores para o CNFF deve passar um processo por concurso; 3.3.2. Os Monitores serão assumidos financeiramente pela FFGB e destacados nos Clubes; 3.3.3. 3.4. Alunos 3.4.1. Selecção e admissão dos talentos serão realizados a partir de um processo a definir pela DTN/CNFF; 3.4.2. As faixas etárias dos talentos são as seguintes: 3.4.2.1. Infantis:
  5. 5. 5 3.4.2.2. Iniciados: 3.4.2.3. Juvenis: 3.4.3. A Direcção do Centro produzirá uma nota pedido dispensa das aulas de educação física para todos os inscritos nas escolas 3.5. CAPÍTULO – III (ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA) 1. COMPETÊNCIA 1.1.Sendo um serviço desconcentrado da FFGB tem a sua total dependência financeira à esta Instituição e que se assume pelos Serviços da Direcção de Administração Financeira e Patrimonial; 1.2.Todos os encargos financeiros inerentes ao funcionamento deste órgão são assumidos directamente pela FFGB. 2. ENCARGOS FINANCEIROS 2.1.Constituem encargos de organização e funcionamento do CNFF: 2.1.1. Pagamento dos funcionários afectos; 2.1.2. Funcionamento e Manutenção do Centro; 2.1.3. Aquisição e disponibilização de material de escritório e desportivo; 2.1.4. Organização de competições das Escolas; e 2.1.5. Outras despesas que possam surgir no âmbito da formação;

×