SlideShare uma empresa Scribd logo

Apostila de eletricidade

1 de 13
Baixar para ler offline
ELETRICIDADE
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
LISTA DE MATERIAL
PRINCIPIOS BÁSICOS
A LIGAÇÃO À TERRA
INSTALAÇÃO INTERIOR INSTALAÇÃO INTERIOR
OS CORTA-CIRCUITOS
A CABELAGEM
A CABELAGEM
LIGAÇÃO DOS CONDUTORES
CORTAR E DESCARNAR OS FIOS
AS TOMADAS
OS INTERRUPTORES
A INSTALAÇÃO DE UMA LÂMPADA
A CASA DE BANHO
CONSELHOS PARA SEGURANÇA




LISTA DE MATERIAIS - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS




            MULTÍMETRO : Aparelho digital ou não, para medir a tensão, a corrente e a resistência.




           BUSCA-POLOS: Pequena chave de fendas que permite detectar a presença de tensão (por exemplo
numa tomada elétrica).




            BICHA DE ELETRICISTA: Permite o enfiamento de cabos por dentro dos tubos de PVC.




             SERROTE DE METAL: Instrumento ideal para serrar metal e também plástico. Uma mini serra de
metais permite cortar os tubos de PVC.




               ALICATE DESCARNADOR: É utilizado para retirar o revestimento isolante de um cabo elétrico sem
danificar os fios condutores.
ALICATE DE PONTAS LONGAS: Escolha um modelo de punhos isolados, que Ihe permita dobrar a
ponta dos fios de alimentação.




         X-ATO: Graças às suas lâminas descartáveis dispõe em permanência de uma ferramenta cortante
afiada.
BERBEQUIM / APARAFUSADORA: Se precisar de cortar a corrente, muna-se de um modelo sem fio.




             REBARBADORA: A máquina mais rápida para fazer rasgos numa parede. Proteja-se com roupa e
óculos de proteção.




            MARTELO E ESCOPRO: Eles ser-lhe-ão necessários para abrir buracos nas paredes.



PRINCÍPIOS BÁSICOS.
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.




                    INTENSIDADE DA CORRENTE: A intensidade é a quantidade de eletricidade que pode
atravessar um determinado condutor. Para a mesma tensão um condutor deixa passar tanta eletricidade quanto
maior for o seu diâmetro. A intensidade da corrente exprime-se em ampéres (A) ou em miliampéres (mA).




                    TENSÃO: A tensão pode ser comparada à pressão da água. A uma pressão elevada é possível
no mesmo lapso de tempo, transportar uma maior quantidade de água. Uma tensão elevada permite pois circular
mais eletricidade. A tensão exprime-se em volts (V).




                   RESISTÊNCIA: Para transportar a eletricidade, utilizam-se materiais de fraca resistência (o
cobre por exemplo). A resistência de um condutor depende do seu comprimento, diâmetro e da natureza do
material que o compõe. Ela exprime-se em ohms (símbolo W).




                 POTÊNCIA: A eletricidade é transformada em calor, em luz ou em movimento. Portanto nem
todas as lâmpadas iluminam da mesma maneira nem todos os motores têm a mesma potência. Os aparelhos
elétricos estão todos munidos de uma placa indicativa da sua potência (unidade de medida : o Watt (W) ou o
Kilowatt (kW).

CONSUMO: O consumo depende da potência. Basta-lhe multiplicar a potência (em Watt ou Kilowatt) pelo tempo
real de funcionamento. A unidade de consumo é o Kilowatt/hora (kWh) ou por outras palavras um consumo de um
kilowatt significa mil watts durante um período de uma hora. Um pequeno aquecedor de 1500 W que funcione uma
hora sem interrupção consome 1500 Watts/hora ou seja 1,5 Kilowatt/hora (kWh). Um candeeiro de 17 w tem de
funcionar durante 59 horas para consumir 1 kWh. O consumo é registado pelo contador elétrico.

A LIGAÇÃO À TERRA - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.




                   CONSTRUÇÃO OU EXTENSÃO: A ligação à terra (eletrodo de terra) desvia a corrente quando
uma pessoa estiver em contacto com um aparelho defeituoso. É por isso obrigatório prever nas fundações das
paredes exteriores (profundidade : 60 cm min) uma vareta de terra (em cobre) com o mínimo de 35 mm² de secção.




                    BARRA DE CORTE: As extremidades da vareta de cobre fixam-se a um borne de ligação. A
resistência de um condutor de terra não pode exceder os 100 ohms; senão deverá utilizar piquets galvanizados
enterrados na terra. Uma barra de corte (obrigatória) permite medir a resistência da terra.




                  RENOVAÇÃO: Neste caso é suficiente a introdução no solo de piquets de terra galvanizados.
Obterá assim uma resistência de dispersão no máximo 100 ohms. A ligação do Piquet e da barra de corte faz-se
com a ajuda de um condutor isolado (amarelo-verde) no mínimo de 16 mm².




                            LIGAÇÃO EQUIPOTENCIAL: Mesmo uma ligação à terra correta não impede a
corrente de atravessar elementos condutores estranhos à instalação elétrica : peças metálicas da estrutura de
construção, chassis de alumínio, vigas de aço, .... é por isso que recorremos a uma ligação equipotencial. Ela liga
entre eles e à terra todas as partes condutoras acessíveis da construção e todas as canalizações de gás, água e
aquecimento. Além disso existem ligações equipotenciais suplementares, entre outras à casa de banho (ver rubrica
deste assunto).

INSTALAÇÃO INTERIOR - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.




                            CONJUNTO DE CONTAGEM: A rede elétrica entra em casa por um cabo de
alimentação que chega ao conjunto de contagem. Aqui encontra-se o disjuntor principal. O interruptor principal
permite cortar a tensão de toda a instalação. O acesso ao conjunto é reservado á empresa de distribuição de
energia (EDP).




                    QUADRO ELÉTRICO: Este quadro é o ponto principal de onde partem todos os circuitos
elétricos e onde se reúnem os diferentes disjuntores. Toda a transformação ou extensão desta parte da instalação
deve ser efetuada por um eletricista profissional. Existem também quadros pré-cabelados.




                     GRUPOS: A rede elétrica de sua casa divide-se em diversos circuitos, em caso de avaria, a
tensão só será cortada numa parte da casa. As avarias são freqüentemente provocadas por uma sobrecarga da rede
ou um curto-circuito. Dá-se uma sobrecarga quando a necessidade de corrente é muito elevada. Dá-se um curto-
circuito sempre que, entre dois pontos de potencial diferente a resistência seja nula (e como tal a corrente
ilimitada). Marque a que grupo pertencem as tomadas, a iluminação, etc. Basta-lhe para isso cortar a alimentação
de cada circuito por sua vez.




                   ILUMINAÇÃO: A quantidade de corrente que pode atravessar o condutor depende do seu
diâmetro. Para iluminação condutores de 1,5 mm² de secção são suficientes. Preveja ao menos um ponto de
iluminação por cada divisão. No caso da cozinha preveja uma iluminação suplementar por cima da bancada.




                    AS TOMADAS DE CORRENTE: Preveja tomadas de corrente em cada divisão da casa, afim de
poder utilizar à vontade os seus aparelhos domésticos. Limite o seu número a oito por circuito. Para as tomadas
utilize um condutor de 2,5 mm² de secção. Não instale tomadas e iluminação no mesmo circuito.




                     APARELHOS DE GRANDE POTÊNCIA: Frigorífico e arca frigorífica são alimentados por
circuitos separados (2,5 mm² de secção) e em tomadas separadas, assim em caso de avaria de um terá sempre o
outro a funcionar. Utilize cabos de 4 mm² para a máquina de lavar e de 6 mm² para o fogão elétrico.
OS CORTA-CIRCUITOS.

CÁLCULOS: A tensão necessária para alimentar os seus aparelhos domésticas é de 220V. Se ela não pode variar, a
potência pedida ao circuito pode ir de 60 watts, no caso de uma lâmpada, a mais de 2 kilowatts para uma máquina
de lavar.




                     ELEMENTOS DE CALIBRAGEM: O calibre atribuído à proteção de cada circuito deve ser
respeitado, para evitar todo e qualquer risco de sobrecarga sem entrar em ação o corta-circuito. Este último pode
ser controlado por um elemento de calibragem. Pode trata-se também de um disjuntor modular a montar na calha.




                     OS FUSÍVEIS: Desde que a intensidade máxima admitida por um determinado fusível seja
atingida (ela é também assinalada por cores diferentes), este funde-se e deve então ser substituído. É preferível
substituir os antigos fusíveis de 6, 10 e 15 A por novos de 6,10 e 16 ª.




                    DISJUNTOR AUTOMÁTICO: Neste tipo de disjuntor encontra-se uma patilha ou um botão que
dispara em caso de sobrecarga ou curto-circuito. Para restabelecer a corrente basta repor a patilha na posição
inicial. Repare primeiro a causa da avaria, ou desligue o aparelho defeituoso.
DISJUNTOR DIFERENCIAL: Este tipo de disjuntor monta-se com o conjunto de contagem. Ele
corta a alimentação logo que seja detectada uma corrente superior a 300 mA no circuito de ligação à terra. É
igualmente prudente a colocação de disjuntores diferenciais de 30 mA para as divisões como a casa de banho.

A CABELAGEM – A FIAÇÃO – OS FIOS.

AS CORES: A segurança é uma prioridade absoluta no domínio da eletricidade. É por isso que um código de cores
standard é aplicado em todo o lado. Este foi modificado em 1970, é preferível conhecer as duas versões (veja
abaixo).Logo que instale um circuito elétrico, respeite sempre estes códigos. Para a iluminação, corte o fio da fase
ao nível do interruptor e deixe correr o neutro sem interrupção até à lâmpada. Se inverter a cabelagem a lâmpada
estará sempre sob tensão!




                  A FASE E O NEUTRO: Dois fios são necessários à circulação da corrente : a fase (ida) e o neutro
(volta). Uma diferença de potencial existe dois fios. Sempre que eles são postos em contacto (circuito aberto por
ação de um interruptor), a corrente elétrica circula.




                   A TOMADA DE TERRA: É uma segurança indispensável : em caso de contacto acidental de uma
pessoa com a corrente elétrica, esta será desviada, através da tomada de terra, até ao borne de terra. Os aparelhos
situados numa divisão húmida ou que utilizem água devem estar ligados à terra.




                    A FASE: O fio da fase pode ser castanho ou preto. Ele é castanho no caso do condutor rígido de
instalação fixa, mas freqüentemente preto nos cabos flexíveis de ligação de uma lâmpada ao interruptor.
Anúncio

Recomendados

Construção de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoConstrução de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoMoisés Gomes de Lima
 
Instalações elétricas prática - SENAI
Instalações elétricas   prática - SENAIInstalações elétricas   prática - SENAI
Instalações elétricas prática - SENAILeonardo Chaves
 
Quadro EléCtrico
Quadro EléCtricoQuadro EléCtrico
Quadro EléCtricoefa10d
 
Dimensionamento de instalação elétrica pela demanda de consumo
Dimensionamento de instalação elétrica pela demanda de consumoDimensionamento de instalação elétrica pela demanda de consumo
Dimensionamento de instalação elétrica pela demanda de consumoBruno Borges
 
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTERedes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTEAdão manuel Gonga
 
3.1 Overhead Line Insulators,Underground Cables (1).pptx
3.1 Overhead Line Insulators,Underground Cables (1).pptx3.1 Overhead Line Insulators,Underground Cables (1).pptx
3.1 Overhead Line Insulators,Underground Cables (1).pptxBalaMurugan992669
 
U4 implementacion INSTALACIONES ELECTRICAS DOMICILIARIAS.
U4 implementacion INSTALACIONES ELECTRICAS DOMICILIARIAS.U4 implementacion INSTALACIONES ELECTRICAS DOMICILIARIAS.
U4 implementacion INSTALACIONES ELECTRICAS DOMICILIARIAS.Jhon Edison Quintero Santa
 
Projeto instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
Projeto  instalações predial sapres projeto instalacoes. pdfProjeto  instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
Projeto instalações predial sapres projeto instalacoes. pdfMa Dos Anjos Pacheco
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4 circuitos magnéticos
Aula 4 circuitos magnéticosAula 4 circuitos magnéticos
Aula 4 circuitos magnéticosRuy Lazaro
 
Guia eletricista-residencial completo
Guia eletricista-residencial completoGuia eletricista-residencial completo
Guia eletricista-residencial completoVenicio Pontes
 
Eng04482 aula 09_divisao_instalacao
Eng04482 aula 09_divisao_instalacaoEng04482 aula 09_divisao_instalacao
Eng04482 aula 09_divisao_instalacaoLeandro Santos
 
Curso eletricista básico iniciante abril 2011
Curso eletricista básico iniciante   abril 2011Curso eletricista básico iniciante   abril 2011
Curso eletricista básico iniciante abril 2011Marcio Roberto Patelli
 
Prumadas elétricas
Prumadas elétricasPrumadas elétricas
Prumadas elétricasCassioballa
 
U3 normatividad INSTALACIONES ELECTRICAS DOMICILIARIAS.
U3 normatividad INSTALACIONES ELECTRICAS DOMICILIARIAS.U3 normatividad INSTALACIONES ELECTRICAS DOMICILIARIAS.
U3 normatividad INSTALACIONES ELECTRICAS DOMICILIARIAS.Jhon Edison Quintero Santa
 
Per unit systems in power systems
Per unit systems in power systemsPer unit systems in power systems
Per unit systems in power systemsanoopeluvathingal
 
Projeto de instalação elétrica residencial
Projeto de instalação elétrica residencialProjeto de instalação elétrica residencial
Projeto de instalação elétrica residencialLuiz Avelar
 
Sistema elétrico de Potência.pptx
Sistema elétrico de Potência.pptxSistema elétrico de Potência.pptx
Sistema elétrico de Potência.pptxLeandroRiosLeo1
 
Basic power distribution system007
Basic power distribution system007Basic power distribution system007
Basic power distribution system007Vaishnavee Patel
 
Calculo de tierras para líneas por medio de varillas
Calculo de tierras para líneas por medio de varillas Calculo de tierras para líneas por medio de varillas
Calculo de tierras para líneas por medio de varillas Marco Antonio Recinos Ramos
 
2-eletricidade-bsica.ppt
2-eletricidade-bsica.ppt2-eletricidade-bsica.ppt
2-eletricidade-bsica.pptWilliam Jesus
 
Apostila de comandos elétricos (senai sp)
Apostila de comandos elétricos (senai   sp)Apostila de comandos elétricos (senai   sp)
Apostila de comandos elétricos (senai sp)Antonio Carlos
 
Manual do-eletricista-residencial
Manual do-eletricista-residencialManual do-eletricista-residencial
Manual do-eletricista-residencialallan
 

Mais procurados (20)

Aula 4 circuitos magnéticos
Aula 4 circuitos magnéticosAula 4 circuitos magnéticos
Aula 4 circuitos magnéticos
 
Guia eletricista-residencial completo
Guia eletricista-residencial completoGuia eletricista-residencial completo
Guia eletricista-residencial completo
 
Aula 1(1)
Aula 1(1)Aula 1(1)
Aula 1(1)
 
Eng04482 aula 09_divisao_instalacao
Eng04482 aula 09_divisao_instalacaoEng04482 aula 09_divisao_instalacao
Eng04482 aula 09_divisao_instalacao
 
Curso eletricista básico iniciante abril 2011
Curso eletricista básico iniciante   abril 2011Curso eletricista básico iniciante   abril 2011
Curso eletricista básico iniciante abril 2011
 
Prumadas elétricas
Prumadas elétricasPrumadas elétricas
Prumadas elétricas
 
220 66 kv nrs sub report
220 66 kv nrs sub report220 66 kv nrs sub report
220 66 kv nrs sub report
 
Contatores e relés
Contatores e relésContatores e relés
Contatores e relés
 
U3 normatividad INSTALACIONES ELECTRICAS DOMICILIARIAS.
U3 normatividad INSTALACIONES ELECTRICAS DOMICILIARIAS.U3 normatividad INSTALACIONES ELECTRICAS DOMICILIARIAS.
U3 normatividad INSTALACIONES ELECTRICAS DOMICILIARIAS.
 
Guia do eletricista
Guia do eletricistaGuia do eletricista
Guia do eletricista
 
Per unit systems in power systems
Per unit systems in power systemsPer unit systems in power systems
Per unit systems in power systems
 
Projeto de instalação elétrica residencial
Projeto de instalação elétrica residencialProjeto de instalação elétrica residencial
Projeto de instalação elétrica residencial
 
Sistema elétrico de Potência.pptx
Sistema elétrico de Potência.pptxSistema elétrico de Potência.pptx
Sistema elétrico de Potência.pptx
 
Basic power distribution system007
Basic power distribution system007Basic power distribution system007
Basic power distribution system007
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 
132kv G.S.S. Jalore
132kv G.S.S. Jalore132kv G.S.S. Jalore
132kv G.S.S. Jalore
 
Calculo de tierras para líneas por medio de varillas
Calculo de tierras para líneas por medio de varillas Calculo de tierras para líneas por medio de varillas
Calculo de tierras para líneas por medio de varillas
 
2-eletricidade-bsica.ppt
2-eletricidade-bsica.ppt2-eletricidade-bsica.ppt
2-eletricidade-bsica.ppt
 
Apostila de comandos elétricos (senai sp)
Apostila de comandos elétricos (senai   sp)Apostila de comandos elétricos (senai   sp)
Apostila de comandos elétricos (senai sp)
 
Manual do-eletricista-residencial
Manual do-eletricista-residencialManual do-eletricista-residencial
Manual do-eletricista-residencial
 

Destaque

Manual de Instalações elétricas
Manual de Instalações elétricas Manual de Instalações elétricas
Manual de Instalações elétricas victorlss
 
E cap 5- divisão da instalação em circuitos
E cap 5- divisão da instalação em circuitosE cap 5- divisão da instalação em circuitos
E cap 5- divisão da instalação em circuitosAndré Felipe
 
Guiadoeletricista 121225161521-phpapp01
Guiadoeletricista 121225161521-phpapp01Guiadoeletricista 121225161521-phpapp01
Guiadoeletricista 121225161521-phpapp01mjmcreatore
 
Manual de instala__es_el_tricas_2_1
Manual de instala__es_el_tricas_2_1Manual de instala__es_el_tricas_2_1
Manual de instala__es_el_tricas_2_1Ueslei Santos
 
Geração de Energia, Eficiência Energética e Lâmpadas Elétricas
Geração de Energia, Eficiência Energética e Lâmpadas ElétricasGeração de Energia, Eficiência Energética e Lâmpadas Elétricas
Geração de Energia, Eficiência Energética e Lâmpadas ElétricasRoger Sacramento
 
Npt 004 11-simbolos-graficos_para_projetos_de_seguranca_contra_incendio_e_panico
Npt 004 11-simbolos-graficos_para_projetos_de_seguranca_contra_incendio_e_panicoNpt 004 11-simbolos-graficos_para_projetos_de_seguranca_contra_incendio_e_panico
Npt 004 11-simbolos-graficos_para_projetos_de_seguranca_contra_incendio_e_panicoSergio Moreira
 
Manual nr10
Manual nr10Manual nr10
Manual nr10dusaqua
 
Apostila eletricidade basica petrobras
Apostila eletricidade basica petrobrasApostila eletricidade basica petrobras
Apostila eletricidade basica petrobrasSilvio Barros
 
Relatório Potência, Resistência, Resistividade
Relatório Potência, Resistência, ResistividadeRelatório Potência, Resistência, Resistividade
Relatório Potência, Resistência, ResistividadeVictor Said
 
Apostila cemig instalacoes_residenciais
Apostila cemig instalacoes_residenciaisApostila cemig instalacoes_residenciais
Apostila cemig instalacoes_residenciaisWellington Andrade
 
Eletrotecnica natal- mossoro
Eletrotecnica  natal- mossoroEletrotecnica  natal- mossoro
Eletrotecnica natal- mossorojovemdance
 
Circuitos Elétricos - Corrente Contínua E Corrente Alternada - Marco Markus
Circuitos Elétricos - Corrente Contínua E Corrente Alternada - Marco MarkusCircuitos Elétricos - Corrente Contínua E Corrente Alternada - Marco Markus
Circuitos Elétricos - Corrente Contínua E Corrente Alternada - Marco MarkusDouglas Rodrigues
 
1 instalações
 1 instalações 1 instalações
1 instalaçõesdediboy
 
Apostila cemig instalacoes_residenciais
Apostila cemig instalacoes_residenciaisApostila cemig instalacoes_residenciais
Apostila cemig instalacoes_residenciaisRogério Cardoso
 
Apresentação institucional 2011.1
Apresentação institucional 2011.1Apresentação institucional 2011.1
Apresentação institucional 2011.1crireitoria
 
Eletricistainstaladorpredial 121103175549-phpapp01-131229183128-phpapp02
Eletricistainstaladorpredial 121103175549-phpapp01-131229183128-phpapp02Eletricistainstaladorpredial 121103175549-phpapp01-131229183128-phpapp02
Eletricistainstaladorpredial 121103175549-phpapp01-131229183128-phpapp02Marcos Roberto
 

Destaque (20)

Manual instalacao
Manual instalacaoManual instalacao
Manual instalacao
 
08 quadro de distribuição
08  quadro de distribuição08  quadro de distribuição
08 quadro de distribuição
 
Manual de Instalações elétricas
Manual de Instalações elétricas Manual de Instalações elétricas
Manual de Instalações elétricas
 
E cap 5- divisão da instalação em circuitos
E cap 5- divisão da instalação em circuitosE cap 5- divisão da instalação em circuitos
E cap 5- divisão da instalação em circuitos
 
Guiadoeletricista 121225161521-phpapp01
Guiadoeletricista 121225161521-phpapp01Guiadoeletricista 121225161521-phpapp01
Guiadoeletricista 121225161521-phpapp01
 
Calculo diferencial e integral frank ayres
Calculo diferencial e integral   frank ayresCalculo diferencial e integral   frank ayres
Calculo diferencial e integral frank ayres
 
Manual de instala__es_el_tricas_2_1
Manual de instala__es_el_tricas_2_1Manual de instala__es_el_tricas_2_1
Manual de instala__es_el_tricas_2_1
 
Geração de Energia, Eficiência Energética e Lâmpadas Elétricas
Geração de Energia, Eficiência Energética e Lâmpadas ElétricasGeração de Energia, Eficiência Energética e Lâmpadas Elétricas
Geração de Energia, Eficiência Energética e Lâmpadas Elétricas
 
Npt 004 11-simbolos-graficos_para_projetos_de_seguranca_contra_incendio_e_panico
Npt 004 11-simbolos-graficos_para_projetos_de_seguranca_contra_incendio_e_panicoNpt 004 11-simbolos-graficos_para_projetos_de_seguranca_contra_incendio_e_panico
Npt 004 11-simbolos-graficos_para_projetos_de_seguranca_contra_incendio_e_panico
 
Manual nr10
Manual nr10Manual nr10
Manual nr10
 
Apostila eletricidade basica petrobras
Apostila eletricidade basica petrobrasApostila eletricidade basica petrobras
Apostila eletricidade basica petrobras
 
Relatório Potência, Resistência, Resistividade
Relatório Potência, Resistência, ResistividadeRelatório Potência, Resistência, Resistividade
Relatório Potência, Resistência, Resistividade
 
Apostila cemig instalacoes_residenciais
Apostila cemig instalacoes_residenciaisApostila cemig instalacoes_residenciais
Apostila cemig instalacoes_residenciais
 
Eletrotecnica natal- mossoro
Eletrotecnica  natal- mossoroEletrotecnica  natal- mossoro
Eletrotecnica natal- mossoro
 
Circuitos Elétricos - Corrente Contínua E Corrente Alternada - Marco Markus
Circuitos Elétricos - Corrente Contínua E Corrente Alternada - Marco MarkusCircuitos Elétricos - Corrente Contínua E Corrente Alternada - Marco Markus
Circuitos Elétricos - Corrente Contínua E Corrente Alternada - Marco Markus
 
1 instalações
 1 instalações 1 instalações
1 instalações
 
Apostila cemig instalacoes_residenciais
Apostila cemig instalacoes_residenciaisApostila cemig instalacoes_residenciais
Apostila cemig instalacoes_residenciais
 
Apresentação institucional 2011.1
Apresentação institucional 2011.1Apresentação institucional 2011.1
Apresentação institucional 2011.1
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Eletricistainstaladorpredial 121103175549-phpapp01-131229183128-phpapp02
Eletricistainstaladorpredial 121103175549-phpapp01-131229183128-phpapp02Eletricistainstaladorpredial 121103175549-phpapp01-131229183128-phpapp02
Eletricistainstaladorpredial 121103175549-phpapp01-131229183128-phpapp02
 

Semelhante a Apostila de eletricidade

O que é interruptor
O que é interruptorO que é interruptor
O que é interruptorGaston Viti
 
5 apostila de eletricista predial
5 apostila de eletricista predial5 apostila de eletricista predial
5 apostila de eletricista predialRicardo Akerman
 
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01Carlos Reutymann
 
Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...
Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...
Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...EVEC Engenharia e Comercio
 
Fique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétricaFique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétricaAnderson Silva
 
Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...
Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...
Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...EVEC Engenharia e Comercio
 
Como orçar transformadores e autotransformadores para aplicações diversas de ...
Como orçar transformadores e autotransformadores para aplicações diversas de ...Como orçar transformadores e autotransformadores para aplicações diversas de ...
Como orçar transformadores e autotransformadores para aplicações diversas de ...EVEC Engenharia e Comercio
 
Manutenção Aula 22 cuidados na instalacao eletrica
Manutenção Aula 22   cuidados na instalacao eletricaManutenção Aula 22   cuidados na instalacao eletrica
Manutenção Aula 22 cuidados na instalacao eletricaMarcos Basilio
 
Aula 01 noçoes de eletricidade
Aula 01   noçoes de eletricidadeAula 01   noçoes de eletricidade
Aula 01 noçoes de eletricidadeviktordwarf
 
Aula 01 noçoes de eletricidade
Aula 01   noçoes de eletricidadeAula 01   noçoes de eletricidade
Aula 01 noçoes de eletricidadeviktordwarf
 
Dicas de Eletricidade
Dicas de EletricidadeDicas de Eletricidade
Dicas de EletricidadeEmerson Brito
 
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoEletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoCarlos Melo
 
Eletricidade básica(residencial)
Eletricidade básica(residencial)Eletricidade básica(residencial)
Eletricidade básica(residencial)Rafael Flores
 
INSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 2.pdf
INSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 2.pdfINSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 2.pdf
INSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 2.pdfCristianoNardesPause1
 

Semelhante a Apostila de eletricidade (20)

O que é interruptor
O que é interruptorO que é interruptor
O que é interruptor
 
5 apostila de eletricista predial
5 apostila de eletricista predial5 apostila de eletricista predial
5 apostila de eletricista predial
 
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
 
Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...
Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...
Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...
 
Instalação Elétrica e Hidráulica
Instalação Elétrica e HidráulicaInstalação Elétrica e Hidráulica
Instalação Elétrica e Hidráulica
 
Fique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétricaFique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétrica
 
Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...
Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...
Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...
 
Como orçar transformadores e autotransformadores para aplicações diversas de ...
Como orçar transformadores e autotransformadores para aplicações diversas de ...Como orçar transformadores e autotransformadores para aplicações diversas de ...
Como orçar transformadores e autotransformadores para aplicações diversas de ...
 
Geradores de altas tensões
Geradores de altas tensõesGeradores de altas tensões
Geradores de altas tensões
 
Manutenção Aula 22 cuidados na instalacao eletrica
Manutenção Aula 22   cuidados na instalacao eletricaManutenção Aula 22   cuidados na instalacao eletrica
Manutenção Aula 22 cuidados na instalacao eletrica
 
Aula 01 noçoes de eletricidade
Aula 01   noçoes de eletricidadeAula 01   noçoes de eletricidade
Aula 01 noçoes de eletricidade
 
Aula 01 noçoes de eletricidade
Aula 01   noçoes de eletricidadeAula 01   noçoes de eletricidade
Aula 01 noçoes de eletricidade
 
Dicas de Eletricidade
Dicas de EletricidadeDicas de Eletricidade
Dicas de Eletricidade
 
Manual de Instalação Elétrica
Manual de Instalação ElétricaManual de Instalação Elétrica
Manual de Instalação Elétrica
 
Prysmian 2014 2
Prysmian 2014 2Prysmian 2014 2
Prysmian 2014 2
 
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoEletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
 
Aterramento elétrico
Aterramento elétricoAterramento elétrico
Aterramento elétrico
 
Eletricidade básica(residencial)
Eletricidade básica(residencial)Eletricidade básica(residencial)
Eletricidade básica(residencial)
 
Manual pirelli_Parte_2.pdf
Manual pirelli_Parte_2.pdfManual pirelli_Parte_2.pdf
Manual pirelli_Parte_2.pdf
 
INSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 2.pdf
INSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 2.pdfINSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 2.pdf
INSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 2.pdf
 

Apostila de eletricidade

  • 1. ELETRICIDADE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS LISTA DE MATERIAL PRINCIPIOS BÁSICOS A LIGAÇÃO À TERRA INSTALAÇÃO INTERIOR INSTALAÇÃO INTERIOR OS CORTA-CIRCUITOS A CABELAGEM A CABELAGEM LIGAÇÃO DOS CONDUTORES CORTAR E DESCARNAR OS FIOS AS TOMADAS OS INTERRUPTORES A INSTALAÇÃO DE UMA LÂMPADA A CASA DE BANHO CONSELHOS PARA SEGURANÇA LISTA DE MATERIAIS - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MULTÍMETRO : Aparelho digital ou não, para medir a tensão, a corrente e a resistência. BUSCA-POLOS: Pequena chave de fendas que permite detectar a presença de tensão (por exemplo numa tomada elétrica). BICHA DE ELETRICISTA: Permite o enfiamento de cabos por dentro dos tubos de PVC. SERROTE DE METAL: Instrumento ideal para serrar metal e também plástico. Uma mini serra de metais permite cortar os tubos de PVC. ALICATE DESCARNADOR: É utilizado para retirar o revestimento isolante de um cabo elétrico sem danificar os fios condutores.
  • 2. ALICATE DE PONTAS LONGAS: Escolha um modelo de punhos isolados, que Ihe permita dobrar a ponta dos fios de alimentação. X-ATO: Graças às suas lâminas descartáveis dispõe em permanência de uma ferramenta cortante afiada. BERBEQUIM / APARAFUSADORA: Se precisar de cortar a corrente, muna-se de um modelo sem fio. REBARBADORA: A máquina mais rápida para fazer rasgos numa parede. Proteja-se com roupa e óculos de proteção. MARTELO E ESCOPRO: Eles ser-lhe-ão necessários para abrir buracos nas paredes. PRINCÍPIOS BÁSICOS. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. INTENSIDADE DA CORRENTE: A intensidade é a quantidade de eletricidade que pode atravessar um determinado condutor. Para a mesma tensão um condutor deixa passar tanta eletricidade quanto maior for o seu diâmetro. A intensidade da corrente exprime-se em ampéres (A) ou em miliampéres (mA). TENSÃO: A tensão pode ser comparada à pressão da água. A uma pressão elevada é possível no mesmo lapso de tempo, transportar uma maior quantidade de água. Uma tensão elevada permite pois circular mais eletricidade. A tensão exprime-se em volts (V). RESISTÊNCIA: Para transportar a eletricidade, utilizam-se materiais de fraca resistência (o cobre por exemplo). A resistência de um condutor depende do seu comprimento, diâmetro e da natureza do material que o compõe. Ela exprime-se em ohms (símbolo W). POTÊNCIA: A eletricidade é transformada em calor, em luz ou em movimento. Portanto nem todas as lâmpadas iluminam da mesma maneira nem todos os motores têm a mesma potência. Os aparelhos
  • 3. elétricos estão todos munidos de uma placa indicativa da sua potência (unidade de medida : o Watt (W) ou o Kilowatt (kW). CONSUMO: O consumo depende da potência. Basta-lhe multiplicar a potência (em Watt ou Kilowatt) pelo tempo real de funcionamento. A unidade de consumo é o Kilowatt/hora (kWh) ou por outras palavras um consumo de um kilowatt significa mil watts durante um período de uma hora. Um pequeno aquecedor de 1500 W que funcione uma hora sem interrupção consome 1500 Watts/hora ou seja 1,5 Kilowatt/hora (kWh). Um candeeiro de 17 w tem de funcionar durante 59 horas para consumir 1 kWh. O consumo é registado pelo contador elétrico. A LIGAÇÃO À TERRA - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. CONSTRUÇÃO OU EXTENSÃO: A ligação à terra (eletrodo de terra) desvia a corrente quando uma pessoa estiver em contacto com um aparelho defeituoso. É por isso obrigatório prever nas fundações das paredes exteriores (profundidade : 60 cm min) uma vareta de terra (em cobre) com o mínimo de 35 mm² de secção. BARRA DE CORTE: As extremidades da vareta de cobre fixam-se a um borne de ligação. A resistência de um condutor de terra não pode exceder os 100 ohms; senão deverá utilizar piquets galvanizados enterrados na terra. Uma barra de corte (obrigatória) permite medir a resistência da terra. RENOVAÇÃO: Neste caso é suficiente a introdução no solo de piquets de terra galvanizados. Obterá assim uma resistência de dispersão no máximo 100 ohms. A ligação do Piquet e da barra de corte faz-se com a ajuda de um condutor isolado (amarelo-verde) no mínimo de 16 mm². LIGAÇÃO EQUIPOTENCIAL: Mesmo uma ligação à terra correta não impede a corrente de atravessar elementos condutores estranhos à instalação elétrica : peças metálicas da estrutura de construção, chassis de alumínio, vigas de aço, .... é por isso que recorremos a uma ligação equipotencial. Ela liga entre eles e à terra todas as partes condutoras acessíveis da construção e todas as canalizações de gás, água e aquecimento. Além disso existem ligações equipotenciais suplementares, entre outras à casa de banho (ver rubrica deste assunto). INSTALAÇÃO INTERIOR - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. CONJUNTO DE CONTAGEM: A rede elétrica entra em casa por um cabo de alimentação que chega ao conjunto de contagem. Aqui encontra-se o disjuntor principal. O interruptor principal
  • 4. permite cortar a tensão de toda a instalação. O acesso ao conjunto é reservado á empresa de distribuição de energia (EDP). QUADRO ELÉTRICO: Este quadro é o ponto principal de onde partem todos os circuitos elétricos e onde se reúnem os diferentes disjuntores. Toda a transformação ou extensão desta parte da instalação deve ser efetuada por um eletricista profissional. Existem também quadros pré-cabelados. GRUPOS: A rede elétrica de sua casa divide-se em diversos circuitos, em caso de avaria, a tensão só será cortada numa parte da casa. As avarias são freqüentemente provocadas por uma sobrecarga da rede ou um curto-circuito. Dá-se uma sobrecarga quando a necessidade de corrente é muito elevada. Dá-se um curto- circuito sempre que, entre dois pontos de potencial diferente a resistência seja nula (e como tal a corrente ilimitada). Marque a que grupo pertencem as tomadas, a iluminação, etc. Basta-lhe para isso cortar a alimentação de cada circuito por sua vez. ILUMINAÇÃO: A quantidade de corrente que pode atravessar o condutor depende do seu diâmetro. Para iluminação condutores de 1,5 mm² de secção são suficientes. Preveja ao menos um ponto de iluminação por cada divisão. No caso da cozinha preveja uma iluminação suplementar por cima da bancada. AS TOMADAS DE CORRENTE: Preveja tomadas de corrente em cada divisão da casa, afim de poder utilizar à vontade os seus aparelhos domésticos. Limite o seu número a oito por circuito. Para as tomadas utilize um condutor de 2,5 mm² de secção. Não instale tomadas e iluminação no mesmo circuito. APARELHOS DE GRANDE POTÊNCIA: Frigorífico e arca frigorífica são alimentados por circuitos separados (2,5 mm² de secção) e em tomadas separadas, assim em caso de avaria de um terá sempre o outro a funcionar. Utilize cabos de 4 mm² para a máquina de lavar e de 6 mm² para o fogão elétrico.
  • 5. OS CORTA-CIRCUITOS. CÁLCULOS: A tensão necessária para alimentar os seus aparelhos domésticas é de 220V. Se ela não pode variar, a potência pedida ao circuito pode ir de 60 watts, no caso de uma lâmpada, a mais de 2 kilowatts para uma máquina de lavar. ELEMENTOS DE CALIBRAGEM: O calibre atribuído à proteção de cada circuito deve ser respeitado, para evitar todo e qualquer risco de sobrecarga sem entrar em ação o corta-circuito. Este último pode ser controlado por um elemento de calibragem. Pode trata-se também de um disjuntor modular a montar na calha. OS FUSÍVEIS: Desde que a intensidade máxima admitida por um determinado fusível seja atingida (ela é também assinalada por cores diferentes), este funde-se e deve então ser substituído. É preferível substituir os antigos fusíveis de 6, 10 e 15 A por novos de 6,10 e 16 ª. DISJUNTOR AUTOMÁTICO: Neste tipo de disjuntor encontra-se uma patilha ou um botão que dispara em caso de sobrecarga ou curto-circuito. Para restabelecer a corrente basta repor a patilha na posição inicial. Repare primeiro a causa da avaria, ou desligue o aparelho defeituoso.
  • 6. DISJUNTOR DIFERENCIAL: Este tipo de disjuntor monta-se com o conjunto de contagem. Ele corta a alimentação logo que seja detectada uma corrente superior a 300 mA no circuito de ligação à terra. É igualmente prudente a colocação de disjuntores diferenciais de 30 mA para as divisões como a casa de banho. A CABELAGEM – A FIAÇÃO – OS FIOS. AS CORES: A segurança é uma prioridade absoluta no domínio da eletricidade. É por isso que um código de cores standard é aplicado em todo o lado. Este foi modificado em 1970, é preferível conhecer as duas versões (veja abaixo).Logo que instale um circuito elétrico, respeite sempre estes códigos. Para a iluminação, corte o fio da fase ao nível do interruptor e deixe correr o neutro sem interrupção até à lâmpada. Se inverter a cabelagem a lâmpada estará sempre sob tensão! A FASE E O NEUTRO: Dois fios são necessários à circulação da corrente : a fase (ida) e o neutro (volta). Uma diferença de potencial existe dois fios. Sempre que eles são postos em contacto (circuito aberto por ação de um interruptor), a corrente elétrica circula. A TOMADA DE TERRA: É uma segurança indispensável : em caso de contacto acidental de uma pessoa com a corrente elétrica, esta será desviada, através da tomada de terra, até ao borne de terra. Os aparelhos situados numa divisão húmida ou que utilizem água devem estar ligados à terra. A FASE: O fio da fase pode ser castanho ou preto. Ele é castanho no caso do condutor rígido de instalação fixa, mas freqüentemente preto nos cabos flexíveis de ligação de uma lâmpada ao interruptor.
  • 7. AS BAINHAS ou CONDUTORES: Os condutores que ligam o conjunto de contagem aos pontos de alimentação do circuito devem estar protegidos. É por isso que eles passam através das paredes, dentro de tubos de PVC ou de bainhas de plástico caneladas flexíveis. Eles são geralmente agrupados por cinco (ou seja, 3 de 2,5 mm² e 2 de 1,5 mm²).
  • 8. AS CURVAS: Pode curvar os tubos com a ajuda de uma mola própria para o efeito, mas é muito mais fácil utilizar curvas especiais, nas extremidades das quais introduzirá os troços de tubo. Para colocar os cabos dentro das bainhas compridas, faça-o com uma bicha de eletricista. A BICHA DE ELETRICISTA ou PASSA FIO: Os fios condutores (rígidos) são descarnados 10 cm e depois fixados à extremidade da bicha de eletricista. Os outros fios (descarnados 4 cm) são fixos ao primeiro. Trabalhe a dois, um empurra enquanto o outro puxa. Preveja sempre um ligeiro excedente de fio +/- 10 cm (de reserva). AS DERIVAÇÕES ou CAIXAS DE CONEXÃO: Realize as derivações com a ajuda de caixas de derivação (exteriores ou encastráveis; estanques para as divisões húmidas). Elas são providas de entradas concêntricas de diferentes diâmetros. Faça a abertura conveniente à bainha de PVC. A caixa alojará os bornes de ligação. LIGAÇÃO DOS CONDUTORES. MÉTODO A SEGUIR: Por razões estéticas, as bainhas e as caixas de derivação são geralmente escondidas nas paredes, pavimentos, ou tetos, em rasgos abertos com escopro e martelo ou com a rebarbadora. Estes últimos serão depois enchidos com cimento (certifique-se não deixar entrar cimento para os tubos). TRAJETO DOS TUBOS: Uma vez dissimulados nas paredes os tubos são imperceptíveis por baixo da pintura ou do papel de parede. Furar é portanto perigoso. É por isso que é recomendado seguir um trajeto particular para a colocação dos tubos (veja o desenho), de fazer um esquema ou tirar uma fotografia. TUBOS EXTERIORES: Os tubos colocados por fora da parede devem ser fixos com o auxílio de braçadeiras distanciadas de 30 cm entre si se o tubo for horizontal e de 45 cm se for vertical. Se utilizar uma curva coloque uma braçadeira no máximo a 10 cm de cada uma das suas extremidades (idem para as caixas, tomadas, interruptores).
  • 9. OS CABOS FLEXÍVEIS: Além dos condutores rígidos colocados dentro de um tubo existem também cabos flexíveis que agrupam vários condutores dentro de um isolamento plástico flexível : WB, VTLB, VTMB,...Estes cabos podem estar colocados dentro ou fora de uma parede, e são ideais para colocações externas. (Veja trajeto dos tubos). AS CALHAS TÉCNICAS: Existem ainda calhas plásticas especiais, chamadas calhas técnicas, prontas a receber os cabos e nas quais é muito fácil colocar tomadas ou interruptores. Estas calhas são apenas coladas ou aparafusadas à parede. Elas oferecem uma solução rápida e estética. CORTAR E DESCARNAR OS FIOS. O X-ATO ou ESTILETE: Deve primeiro cortar longitudinalmente a bainha flexível que envolve os condutores ou no caso de um condutor desigual de dois fios paralelos, separar os dois fios. Utilize para isto um x-ato de eletricista ou uma faca de alcatifa. O ALICATE DE DESCARNAR: A ponta de um alicate descarnador está munida de uma abertura em "V" muito cortante e que retira o isolamento protegendo o interior do condutor. Um parafuso de regulação permite ajustar a abertura ao diâmetro do fio. O alicate corta e retira assim o isolamento sem danificar o condutor. DESCARNAR OS FIOS: Uma vez cortado o pedaço de isolamento ele pode deslizar ao longo do fio de cobre. Não descarnar mais de 1 cm, o que não apresenta nenhuma dificuldade se utilizar um descarnador automático : eles são de fato pré-regulados a este comprimento. OS FIOS: Torça firmemente os filamentos de cobre, para que eles formem um cabo bem compacto que facilmente introduzirá no borne. Pode igualmente ser necessário encurva-los com a ajuda de um alicate de pontas longas, para facilitar a introdução nos contactos.
  • 10. ISOLAMENTO: Um condutor cuja bainha plástica esteja danificada representa um perigo. Deve substituí-lo. Isto pode dar-se com condutores rígidos entubados assim como com cabos flexíveis. Neste último caso repare a bainha isolante com fita isoladora especial. AS TOMADAS. TOMADAS EXTERIORES / ENCASTRÁVEIS: Os circuitos elétricos, por intermédio das caixas de derivação e dos interruptores alimentam as tomadas. Estas podem ser exteriores e fixadas à parede, ou encastráveis. Neste caso deve primeiro efetuar os rasgos na parede. A LIGAÇÃO: Ligue o fio de terra, amarelo e verde, ao borne de terra assinalado pelo símbolo habitual (três traços horizontais e um vertical). O fio da fase é ligado ao borne marcado com um "P", o neutro ao borne restante. FIXAÇÃO: Nos lados direito e esquerdo da armação metálica da tomada encontram-se duas fixações destinadas a mantê-la no local dentro da caixa. Se necessário, desaperte um pouco estas fixações, reponha no local o miolo e reaperte. Reponha a seguir o espelho. SEGURANÇA DE CRIANÇAS: As crianças brincam com as tomadas elétricas. Escolha modelos equipados com dispositivos de segurança para crianças, em que os buracos são obstruídos por uma placa pivotante que você deve rodar meia volta para ter acesso aos contactos, ou modelos equipados com um obturador especial chamado eclipse. AS DERIVAÇÕES: Nas novas construções utilizam-se caixas de derivação. Num edifício antigo é por vezes difícil encontrar uma caixa, o mais simples é derivar a alimentação de uma tomada existente, se o circuito não comportar mais de oito tomadas e se o cabo tiver uma secção de 2,5 mm² no mínimo.
  • 11. OS INTERRUPTORES. O INTERRUPTOR UNIPOLAR: Ele dispõe de dois bornes entre os quais é estabelecido ou não contacto. O fio da fase é ligado ao borne marcado com um P ou uma patilha vermelha o outro borne é ligado à lâmpada por fio preto prolongando a fase. O neutro segue inteiro até à lâmpada. O INTERRUPTOR BIPOLAR: No caso do interruptor bipolar, tanto a fase como o neutro são interrompidos. As posições respectivas dos fios azuis e castanhos não importam. Os bornes são em número de 4, sendo 2 marcados com um P. Certifique-se de que o condutor negro prolonga a fase. O INTERRUPTOR DUPLO: É um interruptor de dois comandos que pode acender duas lâmpadas independentes. A fase é ligada ao borne P de um comando, por sua vez ligado ao borne vizinho. Os prolongamentos desta fase comum chegam às lâmpadas, assim como os dois fios derivados do neutro. O VAIVÉM: Este sistema permite acender indiferentemente uma lâmpada a partir de dois interruptores, munido de 4 bornes. Os bornes similares presentes nos dois interruptores devem estar ligados entre eles. A INSTALAÇÃO DE UMA LÂMPADA. UM LUSTRE: Para suspender uma lâmpada no teto, terá necessidade de uma bainha de suspensão (pequena placa em plástico com 3 furos). Passar o fio da lâmpada através da capa e depois através de dois furos da barra. A LIGAÇÃO: Ligue os fios que saem do teto aos da lâmpada, com um dado de junção. As ligações ficarão assim isoladas. Os fios devem ser apertados no dado com parafusos. Para concluir, faça deslizar a capa sobre a ligação.
  • 12. APLIQUES E PLAFONIERS: Uma vez que os fios saiam da parede ou do teto, apliques e plafoniers estão prontos a ser colocados. Aperte os fios nos contactos situados no casquilho. AS LÂMPADAS FLUORESCENTES: Puxe os fios de alimentação através da abertura prevista no teto. Aperte ao teto a placa de fixação. Ligue os fios como deve ser no dado de junção da lâmpada : castanho na fase, azul no neutro, verde/amarelo na terra. Coloque a lâmpada e a tampa. AS TENSÕES USUAIS: A tensão fornecida pela rede dentro de casa é de 220 V, mas o uso de tensões baixa (12 V) impõe-se, por medida de segurança, para (entre outros) a campainha de entrada, o trinco da porta da escada, o telefone de porteiro ou a iluminação de halogéneo. CONSELHOS DE SEGURANÇA. CORTAR A CORRENTE: Mesmo se está habituado a efetuar os seus próprios trabalhos de eletricidade, não negligencie nunca cortar a corrente antes de tudo, ao menos o circuito sobre o qual vai trabalhar. Não hesite em desligar o disjuntor principal se for necessário (ao lado do contador). FERRAMENTAS MANUAIS / ELÉTRICAS: Os perigos da eletricidade estão naturalmente ligados à condução. Por isso deve limitar os riscos utilizando ferramentas isoladas. Não utilize em caso algum ferramentas metálicas não isoladas ! Não utilize outras ferramentas elétricas que não dotadas de duplo isolamento. O CORTA-CIRCUITOS DE FUSÍVEL: Se um fusível fundir não tente nunca repará-lo com um fio de cobre ou outro condutor, deite-o fora e substitua-o imperativamente por outro fusível do mesmo valor.
  • 13. AS UNIÕES RÁPIDAS: Para ligar dois fios nunca recorra às uniões rápidas, utilize um dado de junção : eliminará assim os riscos de falta de isolamento, falsos contactos ou acidente.