SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
DICAS
Instalações
elétricas
residenciais
8ª Edição
CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE
INSTALAÇÃO DE CABOS FLEXÍVEIS
TABELA DE CONVERSÃO AWG PARA mm2
Só para lembrar, você já sabe que os condutores elétricos no
Brasil seguem série milimétrica conforme a NBR NM 280, sendo
que no passado utilizava-se o padrão AWG. Para sua orientação
segue abaixo uma tabela prática como referência.
Os comprimentos máximos indicados foram calculados considerando circuitos
trifásicos com carga concentrada na extremidade, corrente igual a capacidade de
condução respectiva, com fator de potência 0,8, e quedas de tensão máximas de
2% para as seções de 1,5 a 6mm2
, inclusive, e de 4% para as demais seções.
Lembre-se: consulte sempre um profissional habilitado.
A multiplicação da tensão pela corrente
é a potência elétrica. E uma potência
elétrica sendo utilizada durante um
certo tempo é a energia elétrica.
Eletrodoméstico Potência (watts)
lâmpada incandescente 60 -100
chuveiro elétrico 5.000 - 6.500
televisor 60 - 300
geladeira 400 - 800
torneira elétrica 4.000 - 6.000
microondas 800 - 1.500
máquina de lavar roupas 600 - 2.000
CANALETA
NO SOLO
ELETRODUTO
ENTERRADO
ESPAÇO DE
CONSTRUÇÃO
A tensão é medida em volts, a corrente em ampères, a potência
em watts e a energia em quilowatt-hora.
Assim, um chuveiro de 4400 W, ligado em 220 volts, é percorrido
por uma corrente elétrica de 4400 / 220 = 20 ampères.
Esse chuveiro, ligado durante 1/2 hora por dia, 30 dias, consome
uma energia de:
4,4 quilowatts x 0,5 hora x 30 dias = 66 quilowatt-hora.
Se, por exemplo, o quilowatt-hora custar R$ 0,20, então o chuveiro
exemplificado representará um custo mensal de R$ 13,20.
Veja a potência de alguns aparelhos eletrodomésticos:
Nos condutores existem partículas
invisíveis chamadas de elétrons
livres que, assim como os planetas
ao redor do sol, giram ao redor do
núcleo dos átomos.
Quando uma força, chamada de
tensão elétrica, impulsiona esses
elétrons todos na mesma direção,
forma-se uma corrente elétrica.
DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS
CABOS ELÉTRICOS
• Reduz tempo de instalação quando comparado aos rígidos;
• Facilidade de manuseio, instalação e manutenção;
• Facilidade de retirar cabos das caixas e bobinas;
• Reduz possibilidade de defeitos superficiais
nas passagens por eletrodutos;
• Facilidade de manuseio nas
mudanças de layout;
• Segurança para instalação em
determinadas alturas
(profissional trabalha em
escadas ou andaimes).
Como escolher o cabo certo para algumas aplicações:
iluminação 110 1.500 1,5 15
tomadas 110 2.000 2,5 20
tomadas 220 4.000 2,5 20
chuveiros e torneiras elétricas 220 6.000 6 35
ar condicionado 220 3.600 4 25
Tipo de circuito
Tensão
(volts)
Potência máxima
(watts)
Seção do fio
(mm2
)
Disjuntor
máximo (A)
Os cabos elétricos são da maior
importância para o bom funcionamento e a
segurança das instalações residenciais.
O tipo de cabo mais comum é aquele
constituido por um condutor
com vários filamentos de cobre e um
revestimento plástico (PVC).
A pureza do cobre é fundamental para
evitar aquecimentos exagerados dos
condutores e também para facilitar a
realização de emendas, dobras e
ligações a interruptores, tomadas,
disjuntores, etc.
O PVC de recobrimento deve ser de
ótima qualidade e apropriado para
isolar condutores elétricos.
Isso garante que não haja
curtos-circuitos e incêndios nas
instalações.
Além de tudo isso, os fios e cabos
devem ser antichama, o que garante
que eles não propagam incêndios,
evitando que pequenos incidentes se
transformem em grandes tragédias.
É fundamental que os fios e cabos
sejam fabricados rigorosamente dentro
das normas técnicas vigentes,
garantindo a segurança da instalação.
Todas essas características, você pode encontrar na família de
fios e cabos da Prysmian.
DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS
CABOS ELÉTRICOS
Os cabos elétricos são da maior
importância para o bom funcionamento e a
segurança das instalações residenciais.
O tipo de cabo mais comum é aquele
constituido por um condutor
com vários filamentos de cobre e um
revestimento plástico (PVC).
A pureza do cobre é fundamental para
evitar aquecimentos exagerados dos
condutores e também para facilitar a
realização de emendas, dobras e
ligações a interruptores, tomadas,
disjuntores, etc.
O PVC de recobrimento deve ser de
ótima qualidade e apropriado para
isolar condutores elétricos.
Isso garante que não haja
curtos-circuitos e incêndios nas
instalações.
Além de tudo isso, os fios e cabos
devem ser antichama, o que garante
que eles não propagam incêndios,
evitando que pequenos incidentes se
transformem em grandes tragédias.
É fundamental que os fios e cabos
sejam fabricados rigorosamente dentro
das normas técnicas vigentes,
garantindo a segurança da instalação.
Todas essas características, você pode encontrar na família de
fios e cabos da Prysmian.
Nos últimos anos, a quantidade de aparelhos elétricos
residenciais e suas respectivas potências cresceu
significativamente.
E a Prysmian mais uma vez sai na frente com Superastic, os fios
e cabos de energia que superam todas as especificações.
Enquanto os cabos existentes no mercado operam a uma
temperatura máxima de 70ºC, os novos cabos Superastic suportam
temperaturas de até 85ºC.
Nas sobrecargas eventuais, os cabos Superastic suportam o
dobro do tempo dos cabos convencionais, reduzindo o risco de
curtos-circuitos, potenciais geradores de incêndio.
Enfim, Superastic Prysmian é a resposta aos novos tempos.
E a certeza de que a sua família estará protegida.
• Reduz tempo de instalação quando comparado aos rígidos;
• Facilidade de manuseio, instalação e manutenção;
• Facilidade de retirar cabos das caixas e bobinas;
• Reduz possibilidade de defeitos superficiais
nas passagens por eletrodutos;
• Facilidade de manuseio nas
mudanças de layout;
• Segurança para instalação em
determinadas alturas
(profissional trabalha em
escadas ou andaimes).
Como escolher o cabo certo para algumas aplicações:
CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE
INSTALAÇÃO DE CABOS FLEXÍVEIS
TABELA DE CONVERSÃO AWG PARA mm2
Só para lembrar, você já sabe que os condutores elétricos no
Brasil seguem série milimétrica conforme a NBR NM 280, sendo
que no passado utilizava-se o padrão AWG. Para sua orientação
segue abaixo uma tabela prática como referência.
Os comprimentos máximos indicados foram calculados considerando circuitos
trifásicos com carga concentrada na extremidade, corrente igual a capacidade de
condução respectiva, com fator de potência 0,8, e quedas de tensão máximas de
2% para as seções de 1,5 a 6mm2
, inclusive, e de 4% para as demais seções.
Lembre-se: consulte sempre um profissional habilitado.
A multiplicação da tensão pela corrente
é a potência elétrica. E uma potência
elétrica sendo utilizada durante um
certo tempo é a energia elétrica.
TIPOS DE
LINHAS
ELÉTRICAS
C A B O S R E C O M E N D A D O S
CABOSINTENAXFLEX
CABOSINTENAX
CABOEPROTENAX
GSETTE
Veja por que
os cabos Superastic Flex excedem:
CABOSUPERASTICFLEX
CABOSUPERASTIC
FIOSUPERASTIC
CABOAFUMEX750V
CABOAFUMEX
0,6/1kV
✔ ✔ ✔ ✔
✔ ✔ ✔ ✔
✔ ✔ ✔
• São 20% mais resistentes à temperatura.
• Suportam temperaturas de até 85ºC.
• Suportam o dobro do tempo em sobrecargas eventuais.
• Reduzem o risco de curtos-circuitos, potenciais geradores
de incêndio.
E também:
• São superflexíveis, classe 5, facilitando a instalação.
• Possuem dupla camada de isolação o que garante maior
segurança.
• São antichama, não propagam incêndio.
EB-98 ABNT
Bitola
(AWG/
MCM)
Capaci-
dade de
Condução
de
Corrente
(A)
14 15
12 20
10 30
8 40
6 55
4 70
2 95
1 110
1/0 125
2/0 145
3/0 165
4/0 195
250 215
300 240
350 260
400 280
500 320
600 355
700 385
750 400
800 410
NBR NM 247-3
Seção
Nominal
(mm2
)
Capaci-
dade de
Condução
de
Corrente
(A)
Comprimento Máximo
do Circuito em Função da
Queda de Tensão (m)
Eletroduto
Não Magnético
127V 220V 127V 220V
Eletroduto
Magnético
1,5 15,5 8 14 7 12
2,5 21 10 17 9 15
4 28 12 20 10 17
6 36 13 23 12 21
10 50 32 56 29 50
16 68 37 64 33 57
25 89 47 81 38 66
35 111 47 81 41 71
50 134 50 86 44 76
70 171 54 94 46 80
95 207 57 99 49 85
120 239 59 102 51 88
150 275 60 103 50 86
185 314 60 104 51 88
240 369 60 104 47 82
300 420 58 100 45 78
TIPOS DE
LINHAS
ELÉTRICAS
C A B O S R E C O M E N D A D O S
CABOSINTENAXFLEX
CABOSINTENAX
CABOEPROTENAX
GSETTE
Veja por que
os cabos Superastic Flex excedem:
CABOSUPERASTICFLEX
CABOSUPERASTIC
FIOSUPERASTIC
CABOAFUMEX750V
CABOAFUMEX
0,6/1kV
✔ ✔ ✔ ✔
✔ ✔ ✔ ✔
✔ ✔ ✔NÃO
PERMITIDO
ELETRODUTO
APARENTE
ELETRODUTO
EM ALVENARIA
ELETROCALHA
BANDEJA
LEITO
✔ ✔ ✔
✔ ✔ ✔
✔ ✔ ✔
✔ ✔ ✔
✔ ✔ ✔NÃO
PERMITIDO
NÃO
PERMITIDO
NÃO
PERMITIDO
NÃO
PERMITIDO
NÃO
PERMITIDO
SUPORTE
DIRETAMENTE
ENTERRADO
CANALETA
NO SOLO
ELETRODUTO
ENTERRADO
ESPAÇO DE
CONSTRUÇÃO
A tensão é medida em volts, a corrente em ampères, a potência
em watts e a energia em quilowatt-hora.
Assim, um chuveiro de 4400 W, ligado em 220 volts, é percorrido
por uma corrente elétrica de 4400 / 220 = 20 ampères.
Esse chuveiro, ligado durante 1/2 hora por dia, 30 dias, consome
uma energia de:
4,4 quilowatts x 0,5 hora x 30 dias = 66 quilowatt-hora.
Se, por exemplo, o quilowatt-hora custar R$ 0,20, então o chuveiro
exemplificado representará um custo mensal de R$ 13,20.
Veja a potência de alguns aparelhos eletrodomésticos:
CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE
INSTALAÇÃO DE CABOS FLEXÍVEIS
TABELA DE CONVERSÃO AWG PARA mm2
Só para lembrar, você já sabe que os condutores elétricos no
Brasil seguem série milimétrica conforme a NBR NM 280, sendo
que no passado utilizava-se o padrão AWG. Para sua orientação
segue abaixo uma tabela prática como referência.
Os comprimentos máximos indicados foram calculados considerando circuitos
trifásicos com carga concentrada na extremidade, corrente igual a capacidade de
condução respectiva, com fator de potência 0,8, e quedas de tensão máximas de
2% para as seções de 1,5 a 6mm2
, inclusive, e de 4% para as demais seções.
Lembre-se: consulte sempre um profissional habilitado.
A multiplicação da tensão pela corrente
é a potência elétrica. E uma potência
elétrica sendo utilizada durante um
certo tempo é a energia elétrica.
• São 20% mais resistentes à temperatura.
• Suportam temperaturas de até 85ºC.
• Suportam o dobro do tempo em sobrecargas eventuais.
• Reduzem o risco de curtos-circuitos, potenciais geradores
de incêndio.
E também:
• São superflexíveis, classe 5, facilitando a instalação.
• Possuem dupla camada de isolação o que garante maior
segurança.
• São antichama, não propagam incêndio.
EB-98 ABNT
Bitola
(AWG/
MCM)
Capaci-
dade de
Condução
de
Corrente
(A)
14 15
12 20
10 30
8 40
6 55
4 70
2 95
1 110
1/0 125
2/0 145
3/0 165
4/0 195
250 215
300 240
350 260
400 280
500 320
600 355
700 385
750 400
800 410
NBR NM 247-3
Seção
Nominal
(mm2
)
Capaci-
dade de
Condução
de
Corrente
(A)
Comprimento Máximo
do Circuito em Função da
Queda de Tensão (m)
Eletroduto
Não Magnético
127V 220V 127V 220V
Eletroduto
Magnético
1,5 15,5 8 14 7 12
2,5 21 10 17 9 15
4 28 12 20 10 17
6 36 13 23 12 21
10 50 32 56 29 50
16 68 37 64 33 57
25 89 47 81 38 66
35 111 47 81 41 71
50 134 50 86 44 76
70 171 54 94 46 80
95 207 57 99 49 85
120 239 59 102 51 88
150 275 60 103 50 86
185 314 60 104 51 88
240 369 60 104 47 82
300 420 58 100 45 78
(antiga NBR 6148)
Barramento
de proteção
Exemplos de circuitos terminais protegidos por disjuntores DR:
O QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO
A parte central da instalação elétrica é o quadro de distribuição,
de onde partem todos os circuitos internos da residência.
Um quadro típico contém um disjuntor geral e diversos disjuntores
relativos aos circuitos de iluminação, tomadas e
equipamentos específicos
(chuveiro, ar condicionado,
microondas, etc).
O quadro de distribuição
deve estar sempre
desobstruído, não deve
conter partes combustíveis
(como madeira), deve
possuir uma tampa interna
(para evitar riscos de
choques) e nunca deve ser
lavado ou molhado.
Proteção Fase
Neutro
Disjuntor diferencial
residual tetrapolar
Barramento de neutro
Barramento de interligação das fases
Barramento de proteção
Disjuntores dos circuitos
terminais bifásicos
Disjuntores dos circuitos
terminais monofásicos
OS CIRCUITOS INTERNOS
A partir do quadro de distribuição, saem os cabos que vão
fazer as ligações das lâmpadas e interruptores, tomadas e
equipamentos elétricos em geral. Vejamos como fazer essas
ligações.
Circuito de iluminação
Neutro
Fase
Neutro
Fase
Retorno
Disjuntor monopolar
Disjuntor diferencial
residual bipolar
Barramento
de neutro
Retorno
Proteção
Circuito de tomadas de uso geral Circuito de tomadas de uso geral
Neutro
Fase
Neutro
Fase
Proteção
Disjuntor diferencial
residual bipolar
Barramento
de proteção
Proteção
Barramento
de proteção
Barramento
de proteção
Circuito de tomadas de uso
específico (127 V)
Circuito de tomadas de uso
específico (220 V)
NeutroFase
FaseFase
Disjuntor DR
Proteção
Barramento
de proteção ProteçãoBarramento
de proteção
Exemplos de circuitos terminais protegidos por disjuntores DR:
O QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO
A parte central da instalação elétrica é o quadro de distribuição,
de onde partem todos os circuitos internos da residência.
Um quadro típico contém um disjuntor geral e diversos disjuntores
relativos aos circuitos de iluminação, tomadas e
equipamentos específicos
(chuveiro, ar condicionado,
microondas, etc).
O quadro de distribuição
deve estar sempre
desobstruído, não deve
conter partes combustíveis
(como madeira), deve
possuir uma tampa interna
(para evitar riscos de
choques) e nunca deve ser
lavado ou molhado.
Circuito de iluminação externa
A INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESIDENCIAL CABO TERRA
Recebemos em nossos lares a energia da concessionária através
dos cabos chamados de fase e neutro.
Entre fases, há uma tensão de 220 volts e entre cada fase e
neutro, há 110 volts.
Neutro Fase
Rede pública de baixa tensão
Ramal de ligação
Quadro de
distribuição
Circuitos terminais
Medidor
Circuito de distribuição
Aterramento
A INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESIDENCIAL CABO TERRA
Para se reduzir a possibilidade de choques nas instalações
elétricas, deve ser instalado um eficiente sistema de aterramento,
cujo principal componente é o cabo terra. Para tanto, é cravada
no solo uma haste de aterramento, próxima ao relógio de luz.
Desta, sai um condutor de aterramento até o quadro de
distribuição. E, a partir desse quadro, saem os cabos terra para o
interior da instalação.
A cor do cabo terra deve ser amarela-verde e a sua seção é a
mesma do que as dos cabos fase e neutro.
Caixa de
medição
Terminal de
aterramento
principal
Condutor de
aterramento
Barra de
terra
Quadro de
distribuição
Cabo terra
Medidor
Prysmian Energia Cabos e Sistemas do Brasil S.A.
Av. Alexandre de Gusmão, 145 - CEP 09110-900 - Santo André - SP
Tel.: (11) 4998-4155 - Fax: (11) 4998-4166
e-mail: webcabos@prysmian.com • internet: www.prysmian.com.br
VICTORY-1660-09/2006
1660 DICAS IER 630x200 a 12.09.2007 09:54 Page 1

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresDimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresAnderson Silva
 
Catalogo acessórios para rolamentos
Catalogo acessórios para rolamentosCatalogo acessórios para rolamentos
Catalogo acessórios para rolamentosAnderson Monari
 
Dicas instalações elétricas prediais - residenciais
Dicas   instalações elétricas prediais - residenciaisDicas   instalações elétricas prediais - residenciais
Dicas instalações elétricas prediais - residenciaisFermi Xalegre
 
Belmetal catalogo tecnico telhas
Belmetal catalogo tecnico telhasBelmetal catalogo tecnico telhas
Belmetal catalogo tecnico telhasAilton Soares
 
Calculo De Corrientes De Cortocircuito
Calculo De Corrientes De CortocircuitoCalculo De Corrientes De Cortocircuito
Calculo De Corrientes De CortocircuitoF Blanco
 
Dimensionamento de condutores elétricos em bt
Dimensionamento de condutores elétricos em btDimensionamento de condutores elétricos em bt
Dimensionamento de condutores elétricos em btGerson Roberto da Silva
 
Instalações elétricas industriais_slides_parte_i
Instalações elétricas industriais_slides_parte_iInstalações elétricas industriais_slides_parte_i
Instalações elétricas industriais_slides_parte_iJeziel Rodrigues
 
Instalações elétricas prática - SENAI
Instalações elétricas   prática - SENAIInstalações elétricas   prática - SENAI
Instalações elétricas prática - SENAILeonardo Chaves
 
Amp500 w diagram
Amp500 w diagramAmp500 w diagram
Amp500 w diagramninguna
 
1 produtos cg_2011
1 produtos cg_20111 produtos cg_2011
1 produtos cg_2011julio-civil
 
zener_mono_500w.pdf
zener_mono_500w.pdfzener_mono_500w.pdf
zener_mono_500w.pdfJooAntnio88
 
Condutores e cabos_elétricos2007
Condutores e cabos_elétricos2007Condutores e cabos_elétricos2007
Condutores e cabos_elétricos2007Pedro Martinez
 
Tablas nch 42003
Tablas nch 42003Tablas nch 42003
Tablas nch 42003TT220FF
 
Catalogo eternit fibrocimento
Catalogo eternit fibrocimentoCatalogo eternit fibrocimento
Catalogo eternit fibrocimentoGabriel Stach
 

Mais procurados (20)

Dimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresDimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutores
 
Catalogo acessórios para rolamentos
Catalogo acessórios para rolamentosCatalogo acessórios para rolamentos
Catalogo acessórios para rolamentos
 
Dicas instalações elétricas prediais - residenciais
Dicas   instalações elétricas prediais - residenciaisDicas   instalações elétricas prediais - residenciais
Dicas instalações elétricas prediais - residenciais
 
Belmetal catalogo tecnico telhas
Belmetal catalogo tecnico telhasBelmetal catalogo tecnico telhas
Belmetal catalogo tecnico telhas
 
Preamplificador
PreamplificadorPreamplificador
Preamplificador
 
Amplificador estereo 250 watts
Amplificador estereo 250 wattsAmplificador estereo 250 watts
Amplificador estereo 250 watts
 
Calculo De Corrientes De Cortocircuito
Calculo De Corrientes De CortocircuitoCalculo De Corrientes De Cortocircuito
Calculo De Corrientes De Cortocircuito
 
Circuitos com Diodos
Circuitos com DiodosCircuitos com Diodos
Circuitos com Diodos
 
Dimensionamento bt
Dimensionamento btDimensionamento bt
Dimensionamento bt
 
Dimensionamento de condutores elétricos em bt
Dimensionamento de condutores elétricos em btDimensionamento de condutores elétricos em bt
Dimensionamento de condutores elétricos em bt
 
Instalações elétricas industriais_slides_parte_i
Instalações elétricas industriais_slides_parte_iInstalações elétricas industriais_slides_parte_i
Instalações elétricas industriais_slides_parte_i
 
Amplificador 1200w
Amplificador 1200wAmplificador 1200w
Amplificador 1200w
 
Instalações elétricas prática - SENAI
Instalações elétricas   prática - SENAIInstalações elétricas   prática - SENAI
Instalações elétricas prática - SENAI
 
Amp500 w diagram
Amp500 w diagramAmp500 w diagram
Amp500 w diagram
 
1 produtos cg_2011
1 produtos cg_20111 produtos cg_2011
1 produtos cg_2011
 
zener_mono_500w.pdf
zener_mono_500w.pdfzener_mono_500w.pdf
zener_mono_500w.pdf
 
Condutores e cabos_elétricos2007
Condutores e cabos_elétricos2007Condutores e cabos_elétricos2007
Condutores e cabos_elétricos2007
 
Guia do eletricista
Guia do eletricistaGuia do eletricista
Guia do eletricista
 
Tablas nch 42003
Tablas nch 42003Tablas nch 42003
Tablas nch 42003
 
Catalogo eternit fibrocimento
Catalogo eternit fibrocimentoCatalogo eternit fibrocimento
Catalogo eternit fibrocimento
 

Destaque

Equipamentos elétricos e telecomunicações 2 resistência elétrica
Equipamentos elétricos e telecomunicações   2 resistência elétricaEquipamentos elétricos e telecomunicações   2 resistência elétrica
Equipamentos elétricos e telecomunicações 2 resistência elétricaprofelder
 
Seminário 5º B - Circuitos elétricos
Seminário 5º B - Circuitos elétricosSeminário 5º B - Circuitos elétricos
Seminário 5º B - Circuitos elétricosEscola Santi
 
Circuito - Nicole, Cury, Roberta, Sophia
Circuito - Nicole, Cury, Roberta, SophiaCircuito - Nicole, Cury, Roberta, Sophia
Circuito - Nicole, Cury, Roberta, SophiaEscola Santi
 
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2ragrellos
 
Prumadas elétricas
Prumadas elétricasPrumadas elétricas
Prumadas elétricasCassioballa
 
Pirelli
PirelliPirelli
Pirelliedgjp
 
Eletricidade - Eletricista Instalador Residencial, Predial e Industrial
Eletricidade  - Eletricista Instalador Residencial, Predial e IndustrialEletricidade  - Eletricista Instalador Residencial, Predial e Industrial
Eletricidade - Eletricista Instalador Residencial, Predial e Industrialibratep
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricos  Circuitos elétricos
Circuitos elétricos marcelokalu
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricosfisicaatual
 

Destaque (14)

Tabela de fios
Tabela de fiosTabela de fios
Tabela de fios
 
Equipamentos elétricos e telecomunicações 2 resistência elétrica
Equipamentos elétricos e telecomunicações   2 resistência elétricaEquipamentos elétricos e telecomunicações   2 resistência elétrica
Equipamentos elétricos e telecomunicações 2 resistência elétrica
 
Seminário 5º B - Circuitos elétricos
Seminário 5º B - Circuitos elétricosSeminário 5º B - Circuitos elétricos
Seminário 5º B - Circuitos elétricos
 
Vivi 2
Vivi 2Vivi 2
Vivi 2
 
Circuito - Nicole, Cury, Roberta, Sophia
Circuito - Nicole, Cury, Roberta, SophiaCircuito - Nicole, Cury, Roberta, Sophia
Circuito - Nicole, Cury, Roberta, Sophia
 
Fisica experimental 2
Fisica experimental  2Fisica experimental  2
Fisica experimental 2
 
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
 
Prumadas elétricas
Prumadas elétricasPrumadas elétricas
Prumadas elétricas
 
Pirelli
PirelliPirelli
Pirelli
 
Seguranca Eletricidade - Apresentação
Seguranca Eletricidade - ApresentaçãoSeguranca Eletricidade - Apresentação
Seguranca Eletricidade - Apresentação
 
6 circuitos-eletricos
6 circuitos-eletricos6 circuitos-eletricos
6 circuitos-eletricos
 
Eletricidade - Eletricista Instalador Residencial, Predial e Industrial
Eletricidade  - Eletricista Instalador Residencial, Predial e IndustrialEletricidade  - Eletricista Instalador Residencial, Predial e Industrial
Eletricidade - Eletricista Instalador Residencial, Predial e Industrial
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricos  Circuitos elétricos
Circuitos elétricos
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
 

Semelhante a Instalações elétricas residenciais guias

Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01Carlos Reutymann
 
Aula 01 e 02 - Sistemas Elétricos - Introdução.pptx
Aula 01 e 02 - Sistemas Elétricos - Introdução.pptxAula 01 e 02 - Sistemas Elétricos - Introdução.pptx
Aula 01 e 02 - Sistemas Elétricos - Introdução.pptxRafaelFranco466245
 
Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...
Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...
Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...EVEC Engenharia e Comercio
 
Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...
Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...
Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...EVEC Engenharia e Comercio
 
Apostila de eletricidade
Apostila de eletricidadeApostila de eletricidade
Apostila de eletricidadeAjaquilante
 
Transformadores de comando e isolamento pptx
Transformadores de comando e isolamento pptxTransformadores de comando e isolamento pptx
Transformadores de comando e isolamento pptxNarah Rank
 
Catalogo Mini disjuntores 2013-14-low.pdf
Catalogo Mini disjuntores 2013-14-low.pdfCatalogo Mini disjuntores 2013-14-low.pdf
Catalogo Mini disjuntores 2013-14-low.pdfWilliamAlbertassi1
 
Fique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétricaFique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétricaAnderson Silva
 
Edmv reg clientes_rev0
Edmv reg clientes_rev0Edmv reg clientes_rev0
Edmv reg clientes_rev0confidencial
 
Manual conservando escolas
Manual conservando escolas Manual conservando escolas
Manual conservando escolas Isa Guerreiro
 
Mt 05_disjuntores
 Mt 05_disjuntores Mt 05_disjuntores
Mt 05_disjuntoresCelio Filho
 
pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...
pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...
pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...Tomaz13
 
BajaTensionPortugués.pdf
BajaTensionPortugués.pdfBajaTensionPortugués.pdf
BajaTensionPortugués.pdfMrioCouto1
 

Semelhante a Instalações elétricas residenciais guias (20)

Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
 
Tabelaeletricista v2
Tabelaeletricista v2Tabelaeletricista v2
Tabelaeletricista v2
 
Aula 01 e 02 - Sistemas Elétricos - Introdução.pptx
Aula 01 e 02 - Sistemas Elétricos - Introdução.pptxAula 01 e 02 - Sistemas Elétricos - Introdução.pptx
Aula 01 e 02 - Sistemas Elétricos - Introdução.pptx
 
Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...
Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...
Transformador para o padrão rural de energia (redutor de tensão de 254V para ...
 
Fus Veis
Fus VeisFus Veis
Fus Veis
 
Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...
Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...
Transformadores para equipamentos importados do Japão (redutores de 220V, 127...
 
Disjuntores Siemens
Disjuntores SiemensDisjuntores Siemens
Disjuntores Siemens
 
Apostila de eletricidade
Apostila de eletricidadeApostila de eletricidade
Apostila de eletricidade
 
Transformadores de comando e isolamento pptx
Transformadores de comando e isolamento pptxTransformadores de comando e isolamento pptx
Transformadores de comando e isolamento pptx
 
Catalogo Mini disjuntores 2013-14-low.pdf
Catalogo Mini disjuntores 2013-14-low.pdfCatalogo Mini disjuntores 2013-14-low.pdf
Catalogo Mini disjuntores 2013-14-low.pdf
 
Fique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétricaFique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétrica
 
Edmv reg clientes_rev0
Edmv reg clientes_rev0Edmv reg clientes_rev0
Edmv reg clientes_rev0
 
Trabalho transformadores
Trabalho transformadoresTrabalho transformadores
Trabalho transformadores
 
Ctc m5 v3_t
Ctc m5 v3_tCtc m5 v3_t
Ctc m5 v3_t
 
Manual conservando escolas
Manual conservando escolas Manual conservando escolas
Manual conservando escolas
 
Mt 05_disjuntores
 Mt 05_disjuntores Mt 05_disjuntores
Mt 05_disjuntores
 
pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...
pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...
pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...
 
Aula_Comandos_Eletricos_Industriais.pdf
Aula_Comandos_Eletricos_Industriais.pdfAula_Comandos_Eletricos_Industriais.pdf
Aula_Comandos_Eletricos_Industriais.pdf
 
Ged 2856
Ged 2856Ged 2856
Ged 2856
 
BajaTensionPortugués.pdf
BajaTensionPortugués.pdfBajaTensionPortugués.pdf
BajaTensionPortugués.pdf
 

Mais de Marcio Oliani

Lig bt 12° edição – 2014
Lig bt 12° edição – 2014Lig bt 12° edição – 2014
Lig bt 12° edição – 2014Marcio Oliani
 
Projeto bancos capacitores
Projeto bancos capacitoresProjeto bancos capacitores
Projeto bancos capacitoresMarcio Oliani
 
Padrões brasileiros da_eletricidade
Padrões brasileiros da_eletricidadePadrões brasileiros da_eletricidade
Padrões brasileiros da_eletricidadeMarcio Oliani
 
Fórmulas técnicas relacionadas_à_eletricidade
Fórmulas técnicas relacionadas_à_eletricidadeFórmulas técnicas relacionadas_à_eletricidade
Fórmulas técnicas relacionadas_à_eletricidadeMarcio Oliani
 
Energia elétrica no_brasil
Energia elétrica no_brasilEnergia elétrica no_brasil
Energia elétrica no_brasilMarcio Oliani
 
Distorção harmônica em_redes_elétricas
Distorção harmônica em_redes_elétricasDistorção harmônica em_redes_elétricas
Distorção harmônica em_redes_elétricasMarcio Oliani
 
Cores de tubulações_industriais
Cores de tubulações_industriaisCores de tubulações_industriais
Cores de tubulações_industriaisMarcio Oliani
 
Condução de corrente_em_barras_de_cobre
Condução de corrente_em_barras_de_cobreCondução de corrente_em_barras_de_cobre
Condução de corrente_em_barras_de_cobreMarcio Oliani
 
Circuitos elétricos industriais_2014
Circuitos elétricos industriais_2014Circuitos elétricos industriais_2014
Circuitos elétricos industriais_2014Marcio Oliani
 
Catálogo de tabelas_técnicas
Catálogo de tabelas_técnicasCatálogo de tabelas_técnicas
Catálogo de tabelas_técnicasMarcio Oliani
 
Automação ind 6_2014
Automação ind 6_2014Automação ind 6_2014
Automação ind 6_2014Marcio Oliani
 
Automação ind 5_2014
Automação ind 5_2014Automação ind 5_2014
Automação ind 5_2014Marcio Oliani
 
Automação ind 4_2014
Automação ind 4_2014Automação ind 4_2014
Automação ind 4_2014Marcio Oliani
 
Automação ind 3_2014
Automação ind 3_2014Automação ind 3_2014
Automação ind 3_2014Marcio Oliani
 
Automação ind 2_2014
Automação ind 2_2014Automação ind 2_2014
Automação ind 2_2014Marcio Oliani
 
Apostila processos eletroeletronicos_2014
Apostila processos eletroeletronicos_2014Apostila processos eletroeletronicos_2014
Apostila processos eletroeletronicos_2014Marcio Oliani
 
Automação ind 1_2014
Automação ind 1_2014Automação ind 1_2014
Automação ind 1_2014Marcio Oliani
 

Mais de Marcio Oliani (19)

Lig bt 12° edição – 2014
Lig bt 12° edição – 2014Lig bt 12° edição – 2014
Lig bt 12° edição – 2014
 
Projeto bancos capacitores
Projeto bancos capacitoresProjeto bancos capacitores
Projeto bancos capacitores
 
Padrões brasileiros da_eletricidade
Padrões brasileiros da_eletricidadePadrões brasileiros da_eletricidade
Padrões brasileiros da_eletricidade
 
Lâmpadas b9 as
Lâmpadas b9 asLâmpadas b9 as
Lâmpadas b9 as
 
Fórmulas técnicas relacionadas_à_eletricidade
Fórmulas técnicas relacionadas_à_eletricidadeFórmulas técnicas relacionadas_à_eletricidade
Fórmulas técnicas relacionadas_à_eletricidade
 
Energia elétrica no_brasil
Energia elétrica no_brasilEnergia elétrica no_brasil
Energia elétrica no_brasil
 
Distorção harmônica em_redes_elétricas
Distorção harmônica em_redes_elétricasDistorção harmônica em_redes_elétricas
Distorção harmônica em_redes_elétricas
 
Cores de tubulações_industriais
Cores de tubulações_industriaisCores de tubulações_industriais
Cores de tubulações_industriais
 
Condução de corrente_em_barras_de_cobre
Condução de corrente_em_barras_de_cobreCondução de corrente_em_barras_de_cobre
Condução de corrente_em_barras_de_cobre
 
Circuitos elétricos industriais_2014
Circuitos elétricos industriais_2014Circuitos elétricos industriais_2014
Circuitos elétricos industriais_2014
 
Catálogo de tabelas_técnicas
Catálogo de tabelas_técnicasCatálogo de tabelas_técnicas
Catálogo de tabelas_técnicas
 
Caixas plásticas
Caixas plásticasCaixas plásticas
Caixas plásticas
 
Automação ind 6_2014
Automação ind 6_2014Automação ind 6_2014
Automação ind 6_2014
 
Automação ind 5_2014
Automação ind 5_2014Automação ind 5_2014
Automação ind 5_2014
 
Automação ind 4_2014
Automação ind 4_2014Automação ind 4_2014
Automação ind 4_2014
 
Automação ind 3_2014
Automação ind 3_2014Automação ind 3_2014
Automação ind 3_2014
 
Automação ind 2_2014
Automação ind 2_2014Automação ind 2_2014
Automação ind 2_2014
 
Apostila processos eletroeletronicos_2014
Apostila processos eletroeletronicos_2014Apostila processos eletroeletronicos_2014
Apostila processos eletroeletronicos_2014
 
Automação ind 1_2014
Automação ind 1_2014Automação ind 1_2014
Automação ind 1_2014
 

Instalações elétricas residenciais guias

  • 2. CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE INSTALAÇÃO DE CABOS FLEXÍVEIS TABELA DE CONVERSÃO AWG PARA mm2 Só para lembrar, você já sabe que os condutores elétricos no Brasil seguem série milimétrica conforme a NBR NM 280, sendo que no passado utilizava-se o padrão AWG. Para sua orientação segue abaixo uma tabela prática como referência. Os comprimentos máximos indicados foram calculados considerando circuitos trifásicos com carga concentrada na extremidade, corrente igual a capacidade de condução respectiva, com fator de potência 0,8, e quedas de tensão máximas de 2% para as seções de 1,5 a 6mm2 , inclusive, e de 4% para as demais seções. Lembre-se: consulte sempre um profissional habilitado. A multiplicação da tensão pela corrente é a potência elétrica. E uma potência elétrica sendo utilizada durante um certo tempo é a energia elétrica. Eletrodoméstico Potência (watts) lâmpada incandescente 60 -100 chuveiro elétrico 5.000 - 6.500 televisor 60 - 300 geladeira 400 - 800 torneira elétrica 4.000 - 6.000 microondas 800 - 1.500 máquina de lavar roupas 600 - 2.000 CANALETA NO SOLO ELETRODUTO ENTERRADO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO A tensão é medida em volts, a corrente em ampères, a potência em watts e a energia em quilowatt-hora. Assim, um chuveiro de 4400 W, ligado em 220 volts, é percorrido por uma corrente elétrica de 4400 / 220 = 20 ampères. Esse chuveiro, ligado durante 1/2 hora por dia, 30 dias, consome uma energia de: 4,4 quilowatts x 0,5 hora x 30 dias = 66 quilowatt-hora. Se, por exemplo, o quilowatt-hora custar R$ 0,20, então o chuveiro exemplificado representará um custo mensal de R$ 13,20. Veja a potência de alguns aparelhos eletrodomésticos: Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor do núcleo dos átomos. Quando uma força, chamada de tensão elétrica, impulsiona esses elétrons todos na mesma direção, forma-se uma corrente elétrica. DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS CABOS ELÉTRICOS
  • 3. • Reduz tempo de instalação quando comparado aos rígidos; • Facilidade de manuseio, instalação e manutenção; • Facilidade de retirar cabos das caixas e bobinas; • Reduz possibilidade de defeitos superficiais nas passagens por eletrodutos; • Facilidade de manuseio nas mudanças de layout; • Segurança para instalação em determinadas alturas (profissional trabalha em escadas ou andaimes). Como escolher o cabo certo para algumas aplicações: iluminação 110 1.500 1,5 15 tomadas 110 2.000 2,5 20 tomadas 220 4.000 2,5 20 chuveiros e torneiras elétricas 220 6.000 6 35 ar condicionado 220 3.600 4 25 Tipo de circuito Tensão (volts) Potência máxima (watts) Seção do fio (mm2 ) Disjuntor máximo (A) Os cabos elétricos são da maior importância para o bom funcionamento e a segurança das instalações residenciais. O tipo de cabo mais comum é aquele constituido por um condutor com vários filamentos de cobre e um revestimento plástico (PVC). A pureza do cobre é fundamental para evitar aquecimentos exagerados dos condutores e também para facilitar a realização de emendas, dobras e ligações a interruptores, tomadas, disjuntores, etc. O PVC de recobrimento deve ser de ótima qualidade e apropriado para isolar condutores elétricos. Isso garante que não haja curtos-circuitos e incêndios nas instalações. Além de tudo isso, os fios e cabos devem ser antichama, o que garante que eles não propagam incêndios, evitando que pequenos incidentes se transformem em grandes tragédias. É fundamental que os fios e cabos sejam fabricados rigorosamente dentro das normas técnicas vigentes, garantindo a segurança da instalação. Todas essas características, você pode encontrar na família de fios e cabos da Prysmian. DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS CABOS ELÉTRICOS
  • 4. Os cabos elétricos são da maior importância para o bom funcionamento e a segurança das instalações residenciais. O tipo de cabo mais comum é aquele constituido por um condutor com vários filamentos de cobre e um revestimento plástico (PVC). A pureza do cobre é fundamental para evitar aquecimentos exagerados dos condutores e também para facilitar a realização de emendas, dobras e ligações a interruptores, tomadas, disjuntores, etc. O PVC de recobrimento deve ser de ótima qualidade e apropriado para isolar condutores elétricos. Isso garante que não haja curtos-circuitos e incêndios nas instalações. Além de tudo isso, os fios e cabos devem ser antichama, o que garante que eles não propagam incêndios, evitando que pequenos incidentes se transformem em grandes tragédias. É fundamental que os fios e cabos sejam fabricados rigorosamente dentro das normas técnicas vigentes, garantindo a segurança da instalação. Todas essas características, você pode encontrar na família de fios e cabos da Prysmian. Nos últimos anos, a quantidade de aparelhos elétricos residenciais e suas respectivas potências cresceu significativamente. E a Prysmian mais uma vez sai na frente com Superastic, os fios e cabos de energia que superam todas as especificações. Enquanto os cabos existentes no mercado operam a uma temperatura máxima de 70ºC, os novos cabos Superastic suportam temperaturas de até 85ºC. Nas sobrecargas eventuais, os cabos Superastic suportam o dobro do tempo dos cabos convencionais, reduzindo o risco de curtos-circuitos, potenciais geradores de incêndio. Enfim, Superastic Prysmian é a resposta aos novos tempos. E a certeza de que a sua família estará protegida.
  • 5. • Reduz tempo de instalação quando comparado aos rígidos; • Facilidade de manuseio, instalação e manutenção; • Facilidade de retirar cabos das caixas e bobinas; • Reduz possibilidade de defeitos superficiais nas passagens por eletrodutos; • Facilidade de manuseio nas mudanças de layout; • Segurança para instalação em determinadas alturas (profissional trabalha em escadas ou andaimes). Como escolher o cabo certo para algumas aplicações: CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE INSTALAÇÃO DE CABOS FLEXÍVEIS TABELA DE CONVERSÃO AWG PARA mm2 Só para lembrar, você já sabe que os condutores elétricos no Brasil seguem série milimétrica conforme a NBR NM 280, sendo que no passado utilizava-se o padrão AWG. Para sua orientação segue abaixo uma tabela prática como referência. Os comprimentos máximos indicados foram calculados considerando circuitos trifásicos com carga concentrada na extremidade, corrente igual a capacidade de condução respectiva, com fator de potência 0,8, e quedas de tensão máximas de 2% para as seções de 1,5 a 6mm2 , inclusive, e de 4% para as demais seções. Lembre-se: consulte sempre um profissional habilitado. A multiplicação da tensão pela corrente é a potência elétrica. E uma potência elétrica sendo utilizada durante um certo tempo é a energia elétrica. TIPOS DE LINHAS ELÉTRICAS C A B O S R E C O M E N D A D O S CABOSINTENAXFLEX CABOSINTENAX CABOEPROTENAX GSETTE Veja por que os cabos Superastic Flex excedem: CABOSUPERASTICFLEX CABOSUPERASTIC FIOSUPERASTIC CABOAFUMEX750V CABOAFUMEX 0,6/1kV ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ • São 20% mais resistentes à temperatura. • Suportam temperaturas de até 85ºC. • Suportam o dobro do tempo em sobrecargas eventuais. • Reduzem o risco de curtos-circuitos, potenciais geradores de incêndio. E também: • São superflexíveis, classe 5, facilitando a instalação. • Possuem dupla camada de isolação o que garante maior segurança. • São antichama, não propagam incêndio. EB-98 ABNT Bitola (AWG/ MCM) Capaci- dade de Condução de Corrente (A) 14 15 12 20 10 30 8 40 6 55 4 70 2 95 1 110 1/0 125 2/0 145 3/0 165 4/0 195 250 215 300 240 350 260 400 280 500 320 600 355 700 385 750 400 800 410 NBR NM 247-3 Seção Nominal (mm2 ) Capaci- dade de Condução de Corrente (A) Comprimento Máximo do Circuito em Função da Queda de Tensão (m) Eletroduto Não Magnético 127V 220V 127V 220V Eletroduto Magnético 1,5 15,5 8 14 7 12 2,5 21 10 17 9 15 4 28 12 20 10 17 6 36 13 23 12 21 10 50 32 56 29 50 16 68 37 64 33 57 25 89 47 81 38 66 35 111 47 81 41 71 50 134 50 86 44 76 70 171 54 94 46 80 95 207 57 99 49 85 120 239 59 102 51 88 150 275 60 103 50 86 185 314 60 104 51 88 240 369 60 104 47 82 300 420 58 100 45 78
  • 6. TIPOS DE LINHAS ELÉTRICAS C A B O S R E C O M E N D A D O S CABOSINTENAXFLEX CABOSINTENAX CABOEPROTENAX GSETTE Veja por que os cabos Superastic Flex excedem: CABOSUPERASTICFLEX CABOSUPERASTIC FIOSUPERASTIC CABOAFUMEX750V CABOAFUMEX 0,6/1kV ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔NÃO PERMITIDO ELETRODUTO APARENTE ELETRODUTO EM ALVENARIA ELETROCALHA BANDEJA LEITO ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔ ✔NÃO PERMITIDO NÃO PERMITIDO NÃO PERMITIDO NÃO PERMITIDO NÃO PERMITIDO SUPORTE DIRETAMENTE ENTERRADO CANALETA NO SOLO ELETRODUTO ENTERRADO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO A tensão é medida em volts, a corrente em ampères, a potência em watts e a energia em quilowatt-hora. Assim, um chuveiro de 4400 W, ligado em 220 volts, é percorrido por uma corrente elétrica de 4400 / 220 = 20 ampères. Esse chuveiro, ligado durante 1/2 hora por dia, 30 dias, consome uma energia de: 4,4 quilowatts x 0,5 hora x 30 dias = 66 quilowatt-hora. Se, por exemplo, o quilowatt-hora custar R$ 0,20, então o chuveiro exemplificado representará um custo mensal de R$ 13,20. Veja a potência de alguns aparelhos eletrodomésticos:
  • 7. CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE INSTALAÇÃO DE CABOS FLEXÍVEIS TABELA DE CONVERSÃO AWG PARA mm2 Só para lembrar, você já sabe que os condutores elétricos no Brasil seguem série milimétrica conforme a NBR NM 280, sendo que no passado utilizava-se o padrão AWG. Para sua orientação segue abaixo uma tabela prática como referência. Os comprimentos máximos indicados foram calculados considerando circuitos trifásicos com carga concentrada na extremidade, corrente igual a capacidade de condução respectiva, com fator de potência 0,8, e quedas de tensão máximas de 2% para as seções de 1,5 a 6mm2 , inclusive, e de 4% para as demais seções. Lembre-se: consulte sempre um profissional habilitado. A multiplicação da tensão pela corrente é a potência elétrica. E uma potência elétrica sendo utilizada durante um certo tempo é a energia elétrica. • São 20% mais resistentes à temperatura. • Suportam temperaturas de até 85ºC. • Suportam o dobro do tempo em sobrecargas eventuais. • Reduzem o risco de curtos-circuitos, potenciais geradores de incêndio. E também: • São superflexíveis, classe 5, facilitando a instalação. • Possuem dupla camada de isolação o que garante maior segurança. • São antichama, não propagam incêndio. EB-98 ABNT Bitola (AWG/ MCM) Capaci- dade de Condução de Corrente (A) 14 15 12 20 10 30 8 40 6 55 4 70 2 95 1 110 1/0 125 2/0 145 3/0 165 4/0 195 250 215 300 240 350 260 400 280 500 320 600 355 700 385 750 400 800 410 NBR NM 247-3 Seção Nominal (mm2 ) Capaci- dade de Condução de Corrente (A) Comprimento Máximo do Circuito em Função da Queda de Tensão (m) Eletroduto Não Magnético 127V 220V 127V 220V Eletroduto Magnético 1,5 15,5 8 14 7 12 2,5 21 10 17 9 15 4 28 12 20 10 17 6 36 13 23 12 21 10 50 32 56 29 50 16 68 37 64 33 57 25 89 47 81 38 66 35 111 47 81 41 71 50 134 50 86 44 76 70 171 54 94 46 80 95 207 57 99 49 85 120 239 59 102 51 88 150 275 60 103 50 86 185 314 60 104 51 88 240 369 60 104 47 82 300 420 58 100 45 78 (antiga NBR 6148)
  • 8. Barramento de proteção Exemplos de circuitos terminais protegidos por disjuntores DR: O QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO A parte central da instalação elétrica é o quadro de distribuição, de onde partem todos os circuitos internos da residência. Um quadro típico contém um disjuntor geral e diversos disjuntores relativos aos circuitos de iluminação, tomadas e equipamentos específicos (chuveiro, ar condicionado, microondas, etc). O quadro de distribuição deve estar sempre desobstruído, não deve conter partes combustíveis (como madeira), deve possuir uma tampa interna (para evitar riscos de choques) e nunca deve ser lavado ou molhado. Proteção Fase Neutro Disjuntor diferencial residual tetrapolar Barramento de neutro Barramento de interligação das fases Barramento de proteção Disjuntores dos circuitos terminais bifásicos Disjuntores dos circuitos terminais monofásicos
  • 9. OS CIRCUITOS INTERNOS A partir do quadro de distribuição, saem os cabos que vão fazer as ligações das lâmpadas e interruptores, tomadas e equipamentos elétricos em geral. Vejamos como fazer essas ligações. Circuito de iluminação Neutro Fase Neutro Fase Retorno Disjuntor monopolar Disjuntor diferencial residual bipolar Barramento de neutro Retorno Proteção Circuito de tomadas de uso geral Circuito de tomadas de uso geral Neutro Fase Neutro Fase Proteção Disjuntor diferencial residual bipolar Barramento de proteção Proteção Barramento de proteção Barramento de proteção Circuito de tomadas de uso específico (127 V) Circuito de tomadas de uso específico (220 V) NeutroFase FaseFase Disjuntor DR Proteção Barramento de proteção ProteçãoBarramento de proteção Exemplos de circuitos terminais protegidos por disjuntores DR: O QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO A parte central da instalação elétrica é o quadro de distribuição, de onde partem todos os circuitos internos da residência. Um quadro típico contém um disjuntor geral e diversos disjuntores relativos aos circuitos de iluminação, tomadas e equipamentos específicos (chuveiro, ar condicionado, microondas, etc). O quadro de distribuição deve estar sempre desobstruído, não deve conter partes combustíveis (como madeira), deve possuir uma tampa interna (para evitar riscos de choques) e nunca deve ser lavado ou molhado. Circuito de iluminação externa
  • 10. A INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESIDENCIAL CABO TERRA Recebemos em nossos lares a energia da concessionária através dos cabos chamados de fase e neutro. Entre fases, há uma tensão de 220 volts e entre cada fase e neutro, há 110 volts. Neutro Fase Rede pública de baixa tensão Ramal de ligação Quadro de distribuição Circuitos terminais Medidor Circuito de distribuição Aterramento
  • 11. A INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESIDENCIAL CABO TERRA Para se reduzir a possibilidade de choques nas instalações elétricas, deve ser instalado um eficiente sistema de aterramento, cujo principal componente é o cabo terra. Para tanto, é cravada no solo uma haste de aterramento, próxima ao relógio de luz. Desta, sai um condutor de aterramento até o quadro de distribuição. E, a partir desse quadro, saem os cabos terra para o interior da instalação. A cor do cabo terra deve ser amarela-verde e a sua seção é a mesma do que as dos cabos fase e neutro. Caixa de medição Terminal de aterramento principal Condutor de aterramento Barra de terra Quadro de distribuição Cabo terra Medidor
  • 12. Prysmian Energia Cabos e Sistemas do Brasil S.A. Av. Alexandre de Gusmão, 145 - CEP 09110-900 - Santo André - SP Tel.: (11) 4998-4155 - Fax: (11) 4998-4166 e-mail: webcabos@prysmian.com • internet: www.prysmian.com.br VICTORY-1660-09/2006 1660 DICAS IER 630x200 a 12.09.2007 09:54 Page 1