Adoção charles haddon spurgeon

354 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
354
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Adoção charles haddon spurgeon

  1. 1. Adoção Charles Haddon Spurgeon Facebook.com/oEstandarteDeCristo “E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade.” – Efésios 1:5 —
  2. 2. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 2 Algumas Citações deste Sermão “Se a coisa em si é certa, deve ser correto que Deus pretendia fazer a coisa. Se você não encontra nenhuma falha nos fatos, como você os vê na Providência, você não tem nenhuma base para reclamar dos decretos, como os encontra na Predestinação – pois os decretos e os fatos são apenas homólogos, um do outro!” “Você tem alguma razão para encontrar falha em Deus, de que Ele se agradou em salvar você e me salvar? Então, por que você encontraria falha porque a Escritura diz que Ele pré-determinou que nos salvaria? Eu não posso ver, se o fato em si é agradável, por que o decreto deve ser censurável! Não vejo qualquer razão para que você encontre falha na predestinação de Deus, se você não encontra falha com o que realmente acontece como o efeito disso.” “Deixe um homem apenas concordar em reconhecer um ato da Providência, e eu preciso saber como ele pode, a não ser que ele corra aos próprios dentes da Providência, encontrar qualquer falha na predestinação ou intenção que Deus fez em relação a esta Providência.” “Você me culpará por pregar, nesta manhã? Suponho que você responda: Não. Então você pode me culpar por que eu formei uma resolução ontem à noite que eu pregaria? Você vai me culpar por pregar sobre este assunto específico? Faça, por favor, então, e encontre-me culpado pela intenção de fazê-lo; mas se você disser que estou perfeitamente certo na escolha de um tal assunto, como você pode dizer que eu não estava perfeitamente correto na intenção de pregar sobre isso? Certamente você não pode encontrar falha na predestinação de Deus, se você não encontra falha nos efeitos que surgem imediatamente a partir dela! Agora, somos ensinados na Escritura, eu afirmo novamente, que todas as coisas que Deus escolhe fazer no momento, foram certamente destinadas por Ele para serem realizadas desde a eternidade, e Ele predestinou que essas coisas deveriam ser feitas.” “Se eu fui chamado, eu acredito que Deus planejou antes de todos os mundos que eu deveria ser chamado; se em Sua misericórdia Ele me regenerou, creio que desde toda a eternidade Ele pretendia me regenerar! E se em Sua bondade Ele deve finalmente me aperfeiçoar e me levar para o Céu, eu creio que sempre foi Sua intenção fazê-lo.” “Se você não consegue encontrar o defeito em algo, em si, que Deus faz, em nome da razão, do bom senso e das Escrituras, como se atreve a encontrar falha na intenção de Deus em fazê-lo?” “A Eleição é uma daquelas coisas que foi realizada absolutamente na eternidade; todos os que foram eleitos, foram eleitos, tanto na eternidade como eles são no momento. Mas você pode dizer: Será que a mesma afirmação se aplica à adoção ou justificação? Meu antecessor eminente e agora glorificado, Dr. Gill, estudando diligentemente essas Doutrinas, disse que a adoção foi o ato de Deus na eternidade, e que, como todos os Crentes foram eleitos na eternidade, assim, sem dúvida, foram adotados na eternidade. Ele foi mais longe do que isso para incluir a Doutrina da
  3. 3. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 3 Justificação, e ele disse que na medida em que Jesus Cristo foi antes de todos os mundos justificado por Seu Pai, e aceito por Ele como nosso Representante, desta forma, todos os eleitos devem ter sido justificados em Cristo antes de todos os mundos!” “A adoção é aquele ato de Deus pelo qual os homens, que eram por natureza filhos da ira, como os outros, e eram da família perdida e arruinada de Adão, são, a partir nenhuma razão em si, mas inteiramente por pura Graça de Deus, transportados da família má e obscurecida de Satanás, e trazidos, verdadeira e praticamente para a família de Deus. Eles tomam o Seu nome, compartilham os privilégios de sortes, e eles são, para todos os efeitos, a descendência real e filhos de Deus! “Este é um ato de pura Graça. Nenhum homem pode jamais ter o direito, em si mesmo, de tornar- se adotado. Se eu tivesse, então eu deveria receber a herança do meu próprio direito, mas na medida em que não tenho qualquer direito de ser um filho de Deus, e não posso, por nenhuma possibilidade afirmar tão elevado privilégio em e de mim mesmo, a adoção é o puro efeito gratuito da Graça Divina, e desta somente. Eu poderia supor que a justificação pode ser pelas obras sob a Antiga Aliança, mas eu não poderia supor que a adoção estivesse sob a Antiga Aliança em absoluto! Eu poderia imaginar um homem guardando a Lei de Deus perfeitamente, e sendo justificado por ela, se Adão não tivesse caído. Mas, mesmo sobre tal suposição, o próprio Adão não teria direito à adoção – ele ainda teria sido apenas um servo, e não um filho. Acima de toda contradição e controvérsia este grande e glorioso ato pelo qual Deus nos faz de Sua família e nos une a Jesus Cristo como nosso Cabeça da Aliança, para que sejamos Seus filhos – é um ato de pura graça!” “Nós bem podemos imaginar que, quando Deus considerou a nossa origem vil, Ele poderia ter dito dentro de si mesmo: “Como eu posso colocá-los entre os filhos?” Com que gratidão nós devemos nos lembrar que embora fôssemos de baixíssima origem, a Graça nos colocou no número da família do Salvador! Vamos dar todas as graças à Livre Graça que desconsiderou o buraco do abismo em que nos revolvíamos, e que passou pela pedreira de onde fomos talhados, e nos coloca entre o povo escolhido do Deus vivo! Se um rei adotasse alguém em sua família, este provavelmente seria o filho de um dos seus lordes – em todo o caso, alguma criança de parentesco respeitável; ele não tomaria o filho de um criminoso comum, ou alguma criança cigana, para adotá-la em sua família. Mas Deus, neste caso, tomou mesmo os piores para serem Seus filhos! Os filhos de Deus, todos confessam que são as últimas pessoas que jamais sonharam que Ele teria escolhido. Eles dizem de si mesmos: „O que havia em nós que poderia merecer a estima, Ou dar deleite ao Criador? 'Isto foi mesmo assim, Pai, nós sempre devemos cantar, porque bem pareceu aos Teus olhos‟.” “Mais uma vez, pensemos não apenas sobre nossa linhagem original, mas em nosso caráter pessoal. Aquele que conhece a si mesmo nunca vai pensar que ele tinha muito a recomendá-lo a Deus. Nos outros casos de adoção, geralmente há alguma recomendação. Um homem, quando ele adota uma criança, às vezes é movido a isso por sua extraordinária beleza, ou em outras ocasiões por seus modos inteligentes e disposição atrativa. Mas, Amados, quando Deus passou
  4. 4. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 4 pelo campo em que estávamos deitados, Ele não viu lágrimas em nossos olhos até que Ele mesmo as colocasse ali! Ele não viu nenhuma contrição em nós até que Ele nos concedeu o arrependimento; não havia beleza em nós que poderia induzi-Lo a nos adotar – pelo contrário éramos tudo o que era repulsivo! E se Ele tivesse dito, quando Ele passou, “Vós sois amaldiçoados, estejam perdidos para sempre”, não teria sido nada, senão o que poderíamos esperar de um Deus que havia sido por tanto tempo provocado e cuja majestade havia sido tão terrivelmente insultada! Mas não, embora Ele encontrasse uma criança rebelde, uma criança imunda, terrível, feia, Ele conduziu-na para o Seu peito e disse: “Embora você seja sombria, você é formosa aos Meus olhos, através de Meu Filho Jesus. Embora você seja indigno, ainda assim Eu o cubro com o Seu manto, e nas vestes de Seu Irmão, eu te aceito”. E, tomando-nos, todos profanos e imundos, exatamente como nós éramos, Ele nos tomou para sermos Seus – Seus filhos – Seus para sempre!” “Você já pensou em que grande honra que é ser chamado de filho de Deus? Suponha que um juiz da terra deva ter diante de si algum traidor que estava prestes a ser condenado à morte. Suponha que a justiça e a lei exigiam que o desgraçado derramasse o seu sangue por algum terrível castigo. Mas suponha que fosse possível para o juiz dar um passo de seu trono e dizer: “Rebelde, você é culpado, mas eu descobri uma maneira pela qual eu posso perdoar suas rebeliões – homem, você está perdoado”. Há uma onda de alegria sobre suas bochechas. “Homem, você é feito rico; veja, há riqueza!” Outro sorriso ocorre sobre o rosto. “Homem, você é feito tão forte que você deve ser capaz de resistir a todos os seus inimigos!” Ele se alegra novamente. “Homem”, diz o juiz por último, “você é feito um príncipe! Está adotado na família real, e você deve um dia usar uma coroa! Agora você é tanto filho de Deus como você é o filho de seu próprio pai”. Você pode imaginar a miserável criatura desmaiando de alegria com tal pensamento, que aquele cujo pescoço estava de prontidão para o enforcamento, deve ter sua cabeça agora pronta para uma coroa – que aquele esperava ser vestido em trajes de criminoso e levado para morte, seja agora exaltado e vestido com vestes de honra! Então, Cristão, pense no que você merecia – vestes de vergonha e infâmia – mas você deve ter aquela de Glória. Você está na família de Deus agora? Bem disse o poeta: „Ainda não apareceu, quão grande nós devemos ser feitos‟.” “Ainda assim, eu acho que há alguém aqui que diz: “Eu creio, senhor, que os homens são adotados porque Deus prevê que eles serão santos, justos e fiéis, e, portanto, sem dúvida, Deus os adotou na previsão disso”. Essa é uma objeção que muitas vezes eu tenho que responder. Suponham, meus Amigos, que vocês e eu devemos fazer uma viagem pelo país um dia, e devemos nos encontrar com uma pessoa e devemos dizer-lhe: “Senhor, você pode me dizer por que as velas do moinho de vento giram ali?” Ele, claro, responderia: “é o vento”. Mas, suponham que vocês devem perguntar-lhe: “O que faz o vento?”, E ele respondesse: “as velas do moinho de vento”, vocês não pensariam exatamente que ele era um tolo? Em primeiro lugar, ele disse que o vento causou a rotação das velas e então, depois, ele diz que as velas fazem o vento – que um efeito pode ser o pai daquilo que é a sua própria causa! Agora, a qualquer homem que vocês perguntassem dirá que a fé é o dom de Deus – que as boas obras são feitura de Deus. Bem, então, qual é a causa das boas obras em um Cristão? “Ora, a Graça”, dizem eles! Então, como é que as boas obras são a causa da Graça? Por tudo o que é racional, onde estão as suas
  5. 5. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 5 cabeças? É mui tola suposição para qualquer homem replicar, sem fazer vocês rirem, e isto eu não opto por fazer. E, portanto, eu deixo isso.” “Digo mais uma vez, Amados, se os frutos sobre um cristão são causados pela raiz, como pode a fruta, em qualquer grau, ser a causa da raiz? Se as boas obras de qualquer homem lhe são dadas por Graça, como elas podem, por qualquer pretexto que seja, serem alegadas como a razão pela qual Deus lhe dá a Graça? O fato é que somos por natureza completamente perdidos e arruinados, e não há um santo no Céu, que não teria sido condenado – e que não merecia ser condenado na desgraça comum dos pecadores! A razão pela qual Deus fez uma distinção é um segredo dEle mesmo; Ele tinha o direito de fazer essa distinção se Ele quisesse, e Ele o fez. Ele escolheu alguns para a vida eterna, para o louvor da Sua gloriosa Graça; Ele deixou os outros serem punido por seus pecados, para o louvor da Sua gloriosa Justiça e tanto em um, como no outro, Ele agiu com toda a razão, pois Ele tem o direito de fazer o que quer com Suas próprias criaturas! Vendo que todos eles mereciam ser punidos, Ele tem o direito de puni a todos! Assim também, como Ele reconciliou a Justiça com a Misericórdia ou os uniu com o Julgamento, Ele tem o direito de perdoar e indultar alguns, e deixar os outros permanecerem não-regenerados, não perdoados e não salvos – obstinadamente a seguir o erro de seus caminhos, a rejeitarem a Cristo, desprezarem o Seu Evangelho, e arruinarem as suas próprias almas. Aquele que não concorda com isso, não concorda com as Escrituras! Eu não tenho que provar isso – eu só tenho que pregá-lo! Aquele que contende com isso, discute com Deus – deixem-no lutar sua querela ele mesmo!” “Mas agora, como a Confissão o tem, uma das grandes bênçãos que Deus nos dá é que temos o Seu nome sobre nós. Ele nos dará um novo nome, como é a promessa no Livro do Apocalipse. Devemos ser chamados pelo nome de Deus. Ah, lembrem-se, Irmãos e Irmãs, nós somos homens e mulheres, mas, agora, nós somos homens e mulheres de Deus! Já não somos mais meros mortais; somos tão em nós mesmos – mas pela Divina Graça nós somos escolhidos imortais – filhos de Deus, filhas de Deus, tomados para Ele mesmo! Lembre-se, Cristão, você carrega o nome de Deus sobre você!” “Observem uma outra coisa. Nós temos o espírito de filhos, bem como o nome de filhos. Agora, se um homem adota uma outra criança em sua família, ele não pode dar-lhe sua própria natureza, como seu próprio filho teria. E se aquela criança que ele adota tivesse sido um tolo, ele ainda pode permanecer assim – ele não pode torná-lo um filho digno dele. Mas nosso Pai celestial, quando Ele vem a realizar a adoção, nos dá não somente o nome de filhos, mas a natureza de filhos, também! Ele nos dá uma natureza como a de Seu Filho amado, Jesus Cristo.” “Tivemos, uma vez, por natureza, como nosso pai, Adão, depois que ele pecou. Deus lança isso fora e nos concede uma natureza semelhante a Ele mesmo, por assim dizer, “à imagem de Deus”. Ele supera a velha natureza, e Ele coloca em nós a natureza de filhos. “E, porque sois filhos, Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai” [Gálatas 4:6] E Ele nos dá a natureza e o caráter de filhos, para que sejamos, tanto pela Graça, participantes do espírito de filhos de Deus quanto se tivéssemos sido Seus filhos legitimamente nascidos, e não
  6. 6. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 6 tivéssemos sido adotados em Sua família! Irmãos e Irmãs, a adoção nos assegura a regeneração; e regene-ração nos assegura a natureza de filhos, pelo que não somos feitos apenas filhos, mas nós somos feitos participantes da Graça de Deus – de modo que somos, em nós mesmos, feitos por Deus, pela nossa nova natureza, como filhos vivificados, efetiva e realmente semelhantes a Ele mesmo!” “Quando chegamos ao Trono de Deus, uma coisa que devemos sempre pleitear é a nossa adoção. O anjo que mantém o Propiciatório pode nos parar no caminho, dizendo: “Qual é a sua pretensão de vir aqui? Você vem como um sujeito, ou um servo? Se você o faz, não tem o direito de vir; mas se você vem como um filho, venha e seja bem-vindo”. Você pode dizer que é um filho em suas orações, Cristão? Então, nunca tenha medo de orar! Desde que você conheça sua filiação, terá a certeza de obter tudo que você precisa, para que você possa dizer: “Pai, eu não peço como um servo. Se eu fosse um servo eu esperaria Seus salários, e sabendo que como um servo eu fui rebelde, eu poderia esperar os salários da ira eterna. Mas eu sou Seu filho. Embora como um servo eu tenha muitas vezes violado as regras, e podia esperar a Tua vara, ainda, ó Pai, embora eu seja pecador, em e de mim mesmo, eu sou Seu filho por adoção e Graça. Não me lance fora; não me retire de Seu joelho; Eu sou o Seu próprio filho; Rogo isto! O Espírito testifica com o meu espírito, que eu sou nascido de Deus. Pai, Tu negarás que sou Seu filho?” O quê? Quando você implorar por causa de seu Irmão mais velho, por meio de quem você é filho de Deus, sendo feito um herdeiro com Cristo em todas as coisas, Ele afastará Seu filho? Não, Amados, Ele não vai! Ele voltará nova-mente; Ele ouvirá a nossa oração; Ele terá misericórdia de nós. Se nós somos Seus filhos, podemos ter acesso à Graça na qual estamos firmes, e acesso com confiança ao Trono da Graça celestial!” “Outra bênção é que Deus tem piedade de nós. Pensem nisso, filhos, em todos os seus sofrimentos e tristezas. “Como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor se compadece daqueles que o temem”. Você repousa doente? O Senhor permanece ao lado de sua cama, com piedade de você. Você é tentado por Satanás? Cristo está olhando para baixo sobre você, sentindo em Seu coração os seus suspiros e seus gemidos. Você veio aqui esta manhã com o coração pesado, um espírito desolado? Lembre-se, o amoroso coração de Deus simpatiza com você! Em Sua medida, Cristo sente novamente o que cada membro suporta; Ele se compadece de você, e esta piedade de Deus é um dos estímulos que fluem para o seu coração por sua adoção.” “No próximo lugar, Ele protege você. Assim como a galinha protege os seus pintinhos debaixo das suas penas, das aves de rapina que procuram a sua morte, assim o Senhor faz os Seus próprios braços amorosos cercarem Seus filhos. Nenhum pai permitirá que o seu filho morra sem fazer alguma tentativa de resistir ao adversário que o mataria. Deus nunca permitirá que Seus filhos pereçam, pois Sua Onipotência é capaz de guardá-los. Se, uma vez o braço eterno pode ser paralisado; se, uma vez a mão eterna pode se tornar menos do que Todo-poderosa, então você pode morrer; mas enquanto seu Pai vive, o escudo de seu Pai deve ser o seu preservador, e Seu braço forte será sua proteção eficaz.”
  7. 7. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 7 “Há também uma coisa que, talvez, vocês às vezes se esquecem de que são certos de ter no decorrer a disciplina, se vocês são filhos de Deus, e isso é a vara de Deus. Esse é outro fruto da adoção. A menos que tenhamos a vara, podemos tremer, temendo que não sejamos filhos de Deus. Deus não é um pai tolo – se Ele adota uma criança, Ele a adota, de forma que Ele possa ser um pai amável e sábio. E embora Ele não aflija voluntariamente, nem entristeça os filhos dos homens por nada – todavia, quando Seus açoites são sentidos, Seus açoites são menores do que os nossos crimes e mais leves do que a nossa culpa, mas ao mesmo tempo Ele nunca poupa a vara. Ele sabe que arruinaria Seus filhos se Ele o fizesse, e, portanto, Ele a usa sem mão mui poupadora, e faz com que eles clamem e gemam, enquanto eles pensam que Ele tornou-se seu inimigo.” “Quando o Crente é adotado na família do Senhor, há muitos relacionamentos que são quebrados – a relação com o velho Adão, e com a Lei cessa imediatamente. Mas, então, ele está sob uma nova Lei, a Lei da Graça – sob novas regras e sob um novo Pacto. E agora eu imploro para adverti-los sobre os deveres, filhos de Deus! Porque vocês são filhos de Deus, tornou-se, então, o vosso dever obedecer a Deus. Um espírito servil não tem nada a ver com você; você é um filho. E na medida em que você é um filho, você é obrigado a obedecer ao mais sútil desejo de seu pai – ao mínimo sinal de Sua vontade.” “Tenho procurado, ao falar para os santos, nesta manhã, por assim dizer que todo pecador possa aprender pelo menos este fato – a salvação é de Deus somente – e que ele pode ser trazido para este estado de espírito – sentir que se ele é salvo – Deus deve salvá-lo, ou então ele não pode ser salvo absolutamente! Se algum de vocês reconhece esta Verdade, então em nome de Deus eu agora te ordeno a acreditar em Jesus, pois, tão certo como alguma vez você possa sentir que Deus tem o direito de salvar ou destruir você, a Graça deve ter feito você sentir isso, e, portanto, agora você tem o direito de vir e crer em Jesus!”
  8. 8. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 8 Adoção (Sermão Nº 360) Um Sermão pregado na noite de domingo, 10 de fevereiro de 1861. Pelo Rev. C. H. Spurgeon, no Exeter Hall, Strand. “E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade.” (Efésios 1:5) É ao mesmo tempo uma Doutrina da Escritura e do senso comum, que tudo o que Deus faz no tempo, Ele predestinou fazer na eternidade. Alguns homens encontram falha na Predestinação Divina e desafiam a Justiça dos decretos eternos. Agora, se eles se lembram de que a predestinação é o talão [de cheque] da história, como um projeto de arquitetura – cuja realização nós lemos nos fatos que acontecem – eles podem, talvez, obter uma ligeira pista para a irracionalidade de sua hostilidade. Eu nunca ouvi alguém entre os mestres atrevida e deliberadamente encontrar falhas nos procedimentos de Deus, ainda assim, eu ouvi alguns que ousariam mesmo pôr em questão a Justiça de Seus conselhos. Se a coisa em si é certa, deve ser correto que Deus pretendia fazer a coisa. Se você não encontra nenhuma falha nos fatos, como você os vê na Providência, você não tem nenhuma base para reclamar dos decretos, como os encontra na Predestinação – pois os decretos e os fatos são apenas homólogos, um do outro! Você tem alguma razão para encontrar falha em Deus, de que Ele se agradou em salvar você e me salvar? Então, por que você encontraria falha porque a Escritura diz que Ele pré- determinou que nos salvaria? Eu não posso ver, se o fato em si é agradável, por que o decreto deve ser censurável! Não vejo qualquer razão para que você encontre falha na predestinação de Deus, se você não encontra falha com o que realmente acontece como o efeito disso. Deixe um homem apenas concordar em reconhecer um ato da Providência, e eu preciso saber como ele pode, a não ser que ele corra aos próprios dentes da Providência, encontrar qualquer falha na predestinação ou intenção que Deus fez em relação a esta Providência. Você me culpará por pregar, nesta manhã? Suponho que você responda: Não. Então você pode me culpar por que eu formei uma resolução ontem à noite que eu pregaria? Você vai me culpar por pregar sobre este assunto específico? Faça, por favor, então, e encontre-me culpado pela intenção de fazê-lo; mas se você disser que estou perfeitamente certo na escolha de um tal assunto, como você pode dizer que eu não estava perfeitamente correto na intenção de pregar sobre isso? Certamente você não pode encontrar falha na predestinação de Deus, se você não encontra falha nos efeitos que surgem imediatamente a partir dela! Agora, somos ensinados na Escritura, eu afirmo novamente, que todas as coisas que Deus escolhe fazer no momento, foram certamente destinadas por Ele para serem realizadas desde a eternidade, e Ele
  9. 9. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 9 predestinou que essas coisas deveriam ser feitas. Se eu fui chamado, eu acredito que Deus planejou antes de todos os mundos que eu deveria ser chamado; se em Sua misericórdia Ele me regenerou, creio que desde toda a eternidade Ele pretendia me regenerar! E se em Sua bondade Ele deve finalmente me aperfeiçoar e me levar para o Céu, eu creio que sempre foi Sua intenção fazê-lo. Se você não consegue encontrar o defeito em algo, em si, que Deus faz, em nome da razão, do bom senso e das Escrituras, como se atreve a encontrar falha na intenção de Deus em fazê-lo? Mas há um ou dois atos de Deus que, embora sejam certamente tão decretados quanto as demais coisas, ainda assim eles têm uma relação muito especial com a Predestinação de Deus, que é mais difícil dizer se eles foram realizados na eternidade ou se foram feitos em tempo. A Eleição é uma daquelas coisas que foi realizada absolutamente na eternidade; todos os que foram eleitos, foram eleitos, tanto na eternidade como eles são no momento. Mas você pode dizer: Será que a mesma afirmação se aplica à adoção ou justificação? Meu antecessor eminente e agora glorificado, Dr. Gill, estudando diligentemente essas Dou-trinas, disse que a adoção foi o ato de Deus na eternidade, e que, como todos os Crentes foram eleitos na eternidade, assim, sem dúvida, foram adotados na eternidade. Ele foi mais longe do que isso para incluir a Doutrina da Justificação, e ele disse que na medida em que Jesus Cristo foi antes de todos os mundos justificado por Seu Pai, e aceito por Ele como nosso Representante, desta forma, todos os eleitos devem ter sido justificados em Cristo antes de todos os mundos! Agora eu acredito que há uma grande dose de verdade no que ele disse, embora houvesse um clamor considerável levantado contra ele no momento em que primeiro proferiu isso. No entanto, sendo este um ponto elevado e misterioso, desejamos que você aceite a Doutrina de que todos aqueles que são salvos, por fim, foram eleitos na eternidade, quando os meios, bem como a finalidade, foram determinados. No que diz respeito à adoção, creio que fomos predestinados para isso na eternidade, mas penso que existem alguns pontos em relação à adoção que não me permitem considerar que o ato de adoção tenha sido concluído na eternidade. Por exemplo, o positivo transporte da minha alma de um estado natural para um estado de Graça é uma parte da adoção, ou pelo menos é um efeito dela, e assim conclui um efeito que realmente parece ser uma parte da adoção, em si mesma – eu acredito que esta foi concebida, e na verdade que ela foi praticamente realizada na Aliança Eterna de Deus. Eu penso que ela foi, então, na verdade, conduzida para transcorrer em toda a sua plenitude. Assim, no que diz respeito à justificação, devo afirmar que, no momento em que Jesus Cristo pagou minhas dívidas, as minhas dívidas foram canceladas – na hora em que Ele operou para mim uma justiça perfeita, esta foi imputada a mim, e, portanto, eu posso, como um Crente, dizer que eu era completo em Cristo antes de eu nascer – aceito em
  10. 10. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 10 Jesus, assim como Levi foi abençoado nos lombos de Abraão por Melquisedeque. Mas sei igualmente que a justificação é descrita nas Escrituras como ocorrendo sobre mim no momento em que eu creio. “Tendo sido, pois, justificados pela fé”, é dito a mim: “temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo” [Romanos 5:1]. Eu penso, portanto, que a adoção e justificação, embora tenham uma mui grande Aliança com a eternidade, e foram praticamente realizadas, então, ainda assim, ambos têm uma relação tão próxima a nós no momento, e tal influência sobre a nossa própria posição pessoal e caráter, que elas têm também uma parte integrante de si efetivamente realizadas e executadas no tempo, no coração de cada Crente. Posso estar errado nesta exposição. Isso requer muito mais tempo de estudo do assunto do que eu tenho sido ainda capaz de dar a ele, considerando que meus anos ainda não são muitos. Vou, sem dúvida, aos poucos, chegar ao conhecimento mais completo de tais pontos elevados e misteriosos da Doutrina do Evangelho. Mas, não obstante, enquanto eu encontro a maioria do parecer dos teólogos considerando que as obras da justificação e adoção são esperadas em nossas vidas, eu vejo, por outro lado, a Escritura mais me conduzindo a crer que as duas foram realizadas na eternidade. E penso eu que a visão mais razoável do caso é que, enquanto elas foram praticamente feitas na eternidade, ainda assim, ambas, adoção e justificação são, na verdade, ocorridas em nossas próprias pessoas, consciências e experiências, no tempo – de modo que tanto a Confissão de Westminster e a ideia do Dr. Gill podem ser provadas ser bíblicas. Podemos manter ambas, sem qualquer prejuízo, de uma para a outra. Bem, agora, Amados, deixando, então, a predestinação, vamos chegar a uma tão plena consideração, quanto a hora nos permita, sobre a Doutrina de “filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade”. Primeiro, então, a adoção – a Graça de Deus demonstrada nela. Em segundo lugar, a adoção – os privilégios que ela proporciona. Em terceiro lugar, a adoção – os deveres que necessariamente são colocados sobre cada filho adotado. I. Em primeiro lugar, ADOÇÃO – A GRAÇA DISSO. A adoção é aquele ato de Deus pelo qual os homens, que eram por natureza filhos da ira, como os outros, e eram da família perdida e arruinada de Adão, são, a partir nenhuma razão em si, mas inteiramente por pura Graça de Deus, transportados da família má e obscurecida de Satanás, e trazidos, verdadeira e praticamente para a família de Deus. Eles tomam o Seu nome, compartilham os privilégios de sortes, e eles são, para todos os efeitos, a descendência real e filhos de Deus!
  11. 11. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 11 Este é um ato de pura Graça. Nenhum homem pode jamais ter o direito, em si mesmo, de tornar-se adotado. Se eu tivesse, então eu deveria receber a herança do meu próprio direito, mas na medida em que não tenho qualquer direito de ser um filho de Deus, e não posso, por nenhuma possibilidade afirmar tão elevado privilégio em e de mim mesmo, a adoção é o puro efeito gratuito da Graça Divina, e desta somente. Eu poderia supor que a justificação pode ser pelas obras sob a Antiga Aliança, mas eu não poderia supor que a adoção estivesse sob a Antiga Aliança em absoluto! Eu poderia imaginar um homem guardando a Lei de Deus perfeitamente, e sendo justificado por ela, se Adão não tivesse caído. Mas, mesmo sobre tal suposição, o próprio Adão não teria direito à adoção – ele ainda teria sido apenas um servo, e não um filho. Acima de toda contradição e controvérsia este grande e glorioso ato pelo qual Deus nos faz de Sua família e nos une a Jesus Cristo como nosso Cabeça da Aliança, para que sejamos Seus filhos – é um ato de pura graça! Teria sido um ato de Graça Soberana se Deus tivesse adotado alguém da melhor das famílias, mas, neste caso, Ele adotou alguém que era um filho e um rebelde! Somos, por natureza, os filhos de alguém que foi condenado por alta traição; todos nós somos os herdeiros, e nascemos no mundo como os herdeiros naturais de alguém que pecou contra o seu Criador, que foi um rebelde contra o seu Senhor. Ainda assim, observem isto – não obstante a malignidade de nosso parentesco, nascidos de um ladrão, que roubou o fruto do Jardim de seu Mestre – nascidos de um traidor orgulhoso, que se atreveu a se rebelar contra o seu Deus – não obstante tudo isso – Deus nos colocou na família! Nós bem podemos imaginar que, quando Deus considerou a nossa origem vil, Ele poderia ter dito dentro de si mesmo: “Como eu posso colocá-los entre os filhos?” Com que gratidão nós devemos nos lembrar que embora fôssemos de baixíssima origem, a Graça nos colocou no número da família do Salvador! Vamos dar todas as graças à Livre Graça que desconsiderou o buraco do abismo em que nos revolvíamos, e que passou pela pedreira de onde fomos talhados, e nos coloca entre o povo escolhido do Deus vivo! Se um rei adotasse alguém em sua família, este provavelmente seria o filho de um dos seus lordes – em todo o caso, alguma criança de parentesco respeitável; ele não tomaria o filho de um criminoso comum, ou alguma criança cigana, para adotá-la em sua família. Mas Deus, neste caso, tomou mesmo os piores para serem Seus filhos! Os filhos de Deus, todos confessam que são as últimas pessoas que jamais sonharam que Ele teria escolhido. Eles dizem de si mesmos – “O que havia em nós que poderia merecer a estima, Ou dar deleite ao Criador? 'Isto foi mesmo assim, Pai, nós sempre devemos cantar, “Porque bem pareceu aos Teus olhos.”
  12. 12. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 12 Mais uma vez, pensemos não apenas sobre nossa linhagem original, mas em nosso caráter pessoal. Aquele que conhece a si mesmo nunca vai pensar que ele tinha muito a reco-mendá-lo a Deus. Nos outros casos de adoção, geralmente há alguma recomendação. Um homem, quando ele adota uma criança, às vezes é movido a isso por sua extraordinária beleza, ou em outras ocasiões por seus modos inteligentes e disposição atrativa. Mas, Amados, quando Deus passou pelo campo em que estávamos deitados, Ele não viu lágrimas em nossos olhos até que Ele mesmo as colocasse ali! Ele não viu nenhuma contrição em nós até que Ele nos concedeu o arrependimento; não havia beleza em nós que poderia induzi-Lo a nos adotar – pelo contrário éramos tudo o que era repulsivo! E se Ele tivesse dito, quando Ele passou, “Vós sois amaldiçoados, estejam perdidos para sempre”, não teria sido nada, senão o que poderíamos esperar de um Deus que havia sido por tanto tempo provocado e cuja majestade havia sido tão terrivelmente insultada! Mas não, embora Ele encontrasse uma criança rebelde, uma criança imunda, terrível, feia, Ele conduziu-na para o Seu peito e disse: “Embora você seja sombria, você é formosa aos Meus olhos, através de Meu Filho Jesus. Embora você seja indigno, ainda assim Eu o cubro com o Seu manto, e nas vestes de Seu Irmão, eu te aceito”. E, tomando-nos, todos profanos e imundos, exatamente como nós éramos, Ele nos tomou para sermos Seus – Seus filhos – Seus para sempre! Eu estava passando recentemente pelo assento de um nobre, e alguém no vagão observou que ele não tinha filhos e que ele daria qualquer valor no mundo se ele pudesse encontrar alguém que renunciaria a toda reivindicação de qualquer filho que ele pudesse ter. O filho nunca mais falaria com seus pais, nem seria reconhecido, e este senhor iria adotá-lo como seu filho e deixar para ele todas as suas propriedades. Mas ele havia encontrado grande dificuldade em conseguir que quaisquer pais renegassem seu relacionamento e desistis-sem totalmente de seu filho. Se isso era correto ou não, eu não posso dizer, mas certamente este não foi o caso com Deus. Seu Unigênito e Amado Filho era o bastante para Ele! E se Ele precisasse de uma família, eram os anjos e Sua própria Onipotência adequados o suficiente para ter criado uma raça de seres muito superiores a nós! Ele não permaneceu em necessidade alguma de qualquer um de Seus queridos. Isto foi, então, um ato de pura, simples, livre Graça – e nada mais – porque Ele terá misericórdia de quem tiver miseri-córdia, e porque Ele tem prazer em mostrar o caráter maravilhoso de Sua condescendência. Você já pensou em que grande honra que é ser chamado de filho de Deus? Suponha que um juiz da terra deva ter diante de si algum traidor que estava prestes a ser condenado à morte. Suponha que a justiça e a lei exigiam que o desgraçado derramasse o seu sangue por algum terrível castigo. Mas suponha que fosse possível para o juiz dar um passo de seu trono e dizer: “Rebelde, você é culpado, mas eu descobri uma maneira pela qual eu posso perdoar suas rebeliões – homem, você está perdoado”. Há uma onda de alegria sobre suas bochechas. “Homem, você é feito
  13. 13. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 13 rico; veja, há riqueza!” Outro sorriso ocorre sobre o rosto. “Homem, você é feito tão forte que você deve ser capaz de resistir a todos os seus inimigos!” Ele se alegra novamente. “Homem”, diz o juiz por último, “você é feito um príncipe! Está adotado na família real, e você deve um dia usar uma coroa! Agora você é tanto filho de Deus como você é o filho de seu próprio pai”. Você pode imaginar a miserável criatura desmaiando de alegria com tal pensamento, que aquele cujo pescoço estava de prontidão para o enforcamento, deve ter sua cabeça agora pronta para uma coroa – que aquele esperava ser vestido em trajes de criminoso e levado para morte, seja agora exaltado e vestido com vestes de honra! Então, Cristão, pense no que você merecia – vestes de vergonha e infâmia – mas você deve ter aquela de Glória. Você está na família de Deus agora? Bem disse o poeta – “Ainda não apareceu, Quão grande nós devemos ser feitos”. Nós ainda não conhecemos a grandeza da adoção. Sim, eu acredito que, mesmo na eternidade vamos escassamente ser capazes de medir a profundidade infinita do amor de Deus nesta única bênção de “adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade”. Ainda assim, eu acho que há alguém aqui que diz: “Eu creio, senhor, que os homens são adotados porque Deus prevê que eles serão santos, justos e fiéis, e, portanto, sem dúvida, Deus os adotou na previsão disso”. Essa é uma objeção que muitas vezes eu tenho que responder. Suponham, meus Amigos, que vocês e eu devemos fazer uma viagem pelo país um dia, e devemos nos encontrar com uma pessoa e devemos dizer-lhe: “Senhor, você pode me dizer por que as velas do moinho de vento giram ali?” Ele, claro, responderia: “é o vento”. Mas, suponham que vocês devem perguntar-lhe: “O que faz o vento?”, E ele respondesse: “as velas do moinho de vento”, vocês não pensariam exatamente que ele era um tolo? Em primeiro lugar, ele disse que o vento causou a rotação das velas e então, depois, ele diz que as velas fazem o vento – que um efeito pode ser o pai daquilo que é a sua própria causa! Agora, a qualquer homem que vocês perguntassem dirá que a fé é o dom de Deus – que as boas obras são feitura de Deus. Bem, então, qual é a causa das boas obras em um Cristão? “Ora, a Graça”, dizem eles! Então, como é que as boas obras são a causa da Graça? Por tudo o que é racional, onde estão as suas cabeças? É mui tola suposição para qualquer homem replicar, sem fazer vocês rirem, e isto eu não opto por fazer. E, portanto, eu deixo isso. Digo mais uma vez, Amados, se os frutos sobre um cristão são causados pela raiz, como pode a fruta, em qualquer grau, ser a causa da raiz? Se as boas obras de qualquer homem lhe são dadas por Graça, como elas podem, por qualquer pretexto que seja, serem alegadas como a razão pela qual Deus lhe dá a Graça? O fato é que somos por natureza completamente
  14. 14. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 14 perdidos e arruinados, e não há um santo no Céu, que não teria sido condenado – e que não merecia ser condenado na desgraça comum dos pecadores! A razão pela qual Deus fez uma distinção é um segredo dEle mesmo; Ele tinha o direito de fazer essa distinção se Ele quisesse, e Ele o fez. Ele escolheu alguns para a vida eterna, para o louvor da Sua gloriosa Graça; Ele deixou os outros serem punido por seus pecados, para o louvor da Sua gloriosa Justiça e tanto em um, como no outro, Ele agiu com toda a razão, pois Ele tem o direito de fazer o que quer com Suas próprias criaturas! Vendo que todos eles mereciam ser punidos, Ele tem o direito de puni a todos! Assim também, como Ele reconciliou a Justiça com a Misericórdia ou os uniu com o Julgamento, Ele tem o direito de perdoar e indultar alguns, e deixar os outros permanecerem não-regenerados, não perdoados e não salvos – obstinadamente a seguir o erro de seus caminhos, a rejeitarem a Cristo, desprezarem o Seu Evangelho, e arruinarem as suas próprias almas. Aquele que não concorda com isso, não concorda com as Escrituras! Eu não tenho que provar isso – eu só tenho que pregá-lo! Aquele que contende com isso, discute com Deus – deixem-no lutar sua querela ele mesmo! II. A segunda coisa é: OS PRIVILÉGIOS QUE VÊM ATÉ NÓS ATRAVÉS DA ADOÇÃO. Para a conveniência dos meus jovens – membros da Igreja – eu, apenas por um momento, lhes darei uma lista dos privilégios da adoção, como eles podem ser encontrados em nossa antiga Confissão de Fé. Eu sei que muitos de vocês têm esse livro, e eu tenho certeza que a maioria de vocês estudarão em casa hoje à tarde se tiverem oportunidade, olhando para todas as passagens. É o décimo segundo Artigo, sobre a adoção, onde lemos – “Todos os que são justificados, Deus garante, por causa de Seu único Filho, Jesus Cristo, fazê-los participantes da Graça da adoção, pelo qual são contados no número e desfrutam das liberdades e privilégios dos filhos de Deus, têm Seu nome colocado sobre eles, recebem o espírito de adoção, têm acesso ao trono da Graça com ousadia, são habilitados a clamar “Aba, Pai”, são apiedados, protegidos, providos e castigados por Ele como um Pai, ainda assim, nunca lançados fora, mas selados para o dia da redenção e herdam as promessas, como herdeiros da salvação eterna”. Vou começar, então, com os privilégios da adoção. Há um privilégio não mencionado na Confissão que deveria estar lá. É este – quando um homem é adotado em uma família, e adentra, assim, sob o regime de seu novo pai, ele não tem nada a ver com a antiga família que deixou para trás, e ele é liberado da sujeição àqueles a quem ele deixou. E assim, no momento em que eu sou retirado da família de Satanás, o príncipe deste mundo não tem nada a ver comigo como o meu pai e ele não é mais meu pai! Eu não sou um filho de Satanás! Eu não sou um filho da ira! No momento em que eu sou retirado da
  15. 15. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 15 família legal, não tenho nada a ver com Hagar. Se Hagar vem interferir-se comigo, eu digo a ela: “Sara é minha mãe, meu pai é Abraão e Hagar, tu és minha serva, e eu não sou seu. Você é uma escrava e eu não serei seu escravo, pois você é minha”. Quando a Lei vem a um Cristão com todas as suas ameaças terríveis, horríveis denúncias, o Cristão diz: “Lei! Por que você me ameaça? Não tenho nada a ver com você. Eu sigo você como minha regra, mas eu não vou deixar você ser minha governante; Eu a tomo para ser o meu padrão e molde, porque eu não posso encontrar um melhor código de moralidade, e de vida, mas eu não estou sob você como minha maldição condenatória. Sente-se em sua cadeira de juiz, ó Lei, e comde-ne-me; Eu sorrio para você, pois você não é meu juiz, eu não estou sob sua jurisdição! Você não tem o direito de me condenar”. Se, como os antigos teólogos dizem, o rei da Espanha fosse condenar um habitante da Escócia, o que ele diria? Ele dizia: “Muito bem, condenar-me, se quiser, mas eu não estou sob sua jurisdição”. Assim, quando a Lei conde-na um santo, o santo diz: “Se o meu Pai me condena, e me castiga, eu me curvo a Ele com submissão filial, por que eu O tenho ofendido, mas, ó Lei, não estou mais sob você; Eu sou livre de você; Eu não ouvirei a sua sentença, nem me preocuparei com seus trovões! Tudo o que você pode fazer contra mim, vá e faça-o a Cristo! Ou melhor, você o fez. Se você exige punição pelo meu pecado, olhe, ali está o meu Substituto; você não deve procurá-lo em minhas mãos. Você me acusa de culpa. É verdade, eu sou culpado, mas é igualmente verdade que a minha culpa é colocada sobre a cabeça do Bode Expiatório! Eu digo a você, eu não sou da sua família; não devo ser castigado por você; eu não terei um castigo legal, uma punição legal; eu estou, agora, sob a dispensação do Evangelho, não estou sob você. Eu sou um filho de Deus, não o seu servo. Temos um mandamento de obedecer ao Pai que agora temos; mas, quanto à família com a qual estávamos vinculados, não temos mais nada a ver com ela”. Isso não é pouco privilégio – ó que pudéssemos compreender e apreciar isso corretamente, e caminhar na liberdade com a qual Cristo nos libertou! Mas agora, como a Confissão o tem, uma das grandes bênçãos que Deus nos dá é que temos o Seu nome sobre nós. Ele nos dará um novo nome, como é a promessa no Livro do Apocalipse. Devemos ser chamados pelo nome de Deus. Ah, lembrem-se, Irmãos e Irmãs, nós somos homens e mulheres, mas, agora, nós somos homens e mulheres de Deus! Já não somos mais meros mortais; somos tão em nós mesmos – mas pela Divina Graça nós somos escolhidos imortais – filhos de Deus, filhas de Deus, tomados para Ele mesmo! Lembre-se, Cristão, você carrega o nome de Deus sobre você! Observem uma outra coisa. Nós temos o espírito de filhos, bem como o nome de filhos. Agora, se um homem adota uma outra criança em sua família, ele não pode dar-lhe sua própria natureza, como seu próprio filho teria. E se aquela criança que ele adota tivesse sido um tolo, ele ainda pode permanecer assim – ele não pode torná-lo um filho digno
  16. 16. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 16 dele. Mas nosso Pai celestial, quando Ele vem a realizar a adoção, nos dá não somente o nome de filhos, mas a natureza de filhos, também! Ele nos dá uma natureza como a de Seu Filho amado, Jesus Cristo. Tivemos, uma vez, por natureza, como nosso pai, Adão, depois que ele pecou. Deus lança isso fora e nos concede uma natureza semelhante a Ele mesmo, por assim dizer, “à imagem de Deus”. Ele supera a velha natureza, e Ele coloca em nós a natureza de filhos. “E, porque sois filhos, Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai” [Gálatas 4:6] E Ele nos dá a natureza e o caráter de filhos, para que sejamos, tanto pela Graça, participantes do espírito de filhos de Deus quanto se tivéssemos sido Seus filhos legitimamente nascidos, e não tivéssemos sido adotados em Sua família! Irmãos e Irmãs, a adoção nos assegura a regeneração; e regeneração nos assegura a natureza de filhos, pelo que não somos feitos apenas filhos, mas nós somos feitos participantes da Graça de Deus – de modo que somos, em nós mesmos, feitos por Deus, pela nossa nova natureza, como filhos vivificados, efetiva e realmente semelhantes a Ele mesmo! A próxima bênção é que sendo adotados, nós temos acesso ao Trono. Quando chegamos ao Trono de Deus, uma coisa que devemos sempre pleitear é a nossa adoção. O anjo que mantém o Propiciatório pode nos parar no caminho, dizendo: “Qual é a sua pretensão de vir aqui? Você vem como um sujeito, ou um servo? Se você o faz, não tem o direito de vir; mas se você vem como um filho, venha e seja bem-vindo”. Você pode dizer que é um filho em suas orações, Cristão? Então, nunca tenha medo de orar! Desde que você conheça sua filiação, terá a certeza de obter tudo que você precisa, para que você possa dizer: “Pai, eu não peço como um servo. Se eu fosse um servo eu esperaria Seus salários, e sabendo que como um servo eu fui rebelde, eu poderia esperar os salários da ira eterna. Mas eu sou Seu filho. Embora como um servo eu tenha muitas vezes violado as regras, e podia esperar a Tua vara, ainda, ó Pai, embora eu seja pecador, em e de mim mesmo, eu sou Seu filho por adoção e Graça. Não me lance fora; não me retire de Seu joelho; Eu sou o Seu próprio filho; Rogo isto! O Espírito testifica com o meu espírito, que eu sou nascido de Deus. Pai, Tu negarás que sou Seu filho?” O quê? Quando você implorar por causa de seu Irmão mais velho, por meio de quem você é filho de Deus, sendo feito um herdeiro com Cristo em todas as coisas, Ele afastará Seu filho? Não, Amados, Ele não vai! Ele voltará novamente; Ele ouvirá a nossa oração; Ele terá misericórdia de nós. Se nós somos Seus filhos, podemos ter acesso à Graça na qual estamos firmes, e acesso com confiança ao Trono da Graça celestial! Outra bênção é que Deus tem piedade de nós. Pensem nisso, filhos, em todos os seus sofrimentos e tristezas. “Como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor se compadece daqueles que o temem”. Você repousa doente? O Senhor permanece ao lado de sua cama, com piedade de você. Você é tentado por Satanás? Cristo está olhando
  17. 17. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 17 para baixo sobre você, sentindo em Seu coração os seus suspiros e seus gemidos. Você veio aqui esta manhã com o coração pesado, um espírito desolado? Lembre-se, o amoroso coração de Deus simpatiza com você! Em Sua medida, Cristo sente novamente o que cada membro suporta; Ele se compadece de você, e esta piedade de Deus é um dos estímulos que fluem para o seu coração por sua adoção. No próximo lugar, Ele protege você. Assim como a galinha protege os seus pintinhos debaixo das suas penas, das aves de rapina que procuram a sua morte, assim o Senhor faz os Seus próprios braços amorosos cercarem Seus filhos. Nenhum pai permitirá que o seu filho morra sem fazer alguma tentativa de resistir ao adversário que o mataria. Deus nunca permitirá que Seus filhos pereçam, pois Sua Onipotência é capaz de guardá-los. Se, uma vez o braço eterno pode ser paralisado; se, uma vez a mão eterna pode se tornar menos do que Todo-poderosa, então você pode morrer; mas enquanto seu Pai vive, o escudo de seu Pai deve ser o seu preservador, e Seu braço forte será sua proteção eficaz. Mais uma vez, existe a provisão, bem como proteção. Todo pai cuidará de, ao máximo de sua capacidade, prover para seus filhos. Assim fará Deus. Se vocês são adotados, tendo sido predestinados para isso, mui certamente Ele proverá para você – “Toda a Graça necessária, Deus concederá, E coroa esta Graça de glória, também; Ele nos dá todas as coisas e não retém Nenhum bem real de almas retas”. Misericórdias temporais, misericórdias espirituais, você deve ter, e tudo porque você é filho de Deus, Seu filho redimido, feito assim pelo sangue de Jesus Cristo. E então, você terá, igualmente, educação. Deus educará todos os Seus filhos até que Ele os torne perfeitos em Cristo Jesus. Ele ensinará a você, Doutrina após Doutrina. Ele o conduzirá em todas as Suas verdades, até que, finalmente, aperfeiçoado em toda a sabedoria celestial, você será feito capaz de se unir aos seus companheiros plebeus no grande Céu acima. Há também uma coisa que, talvez, vocês às vezes se esquecem de que são certos de ter no decorrer a disciplina, se vocês são filhos de Deus, e isso é a vara de Deus. Esse é outro fruto da adoção. A menos que tenhamos a vara, podemos tremer, temendo que não sejamos filhos de Deus. Deus não é um pai tolo – se Ele adota uma criança, Ele a adota, de forma que Ele possa ser um pai amável e sábio. E embora Ele não aflija
  18. 18. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 18 voluntariamente, nem entristeça os filhos dos homens por nada – todavia, quando Seus açoites são sentidos, Seus açoites são menores do que os nossos crimes e mais leves do que a nossa culpa, mas ao mesmo tempo Ele nunca poupa a vara. Ele sabe que arruinaria Seus filhos se Ele o fizesse, e, portanto, Ele a usa sem mão mui poupadora, e faz com que eles clamem e gemam, enquanto eles pensam que Ele tornou-se seu inimigo. Mas, como a Confissão belamente o apresenta, exatamente de acordo com a Escritura: “Embora castigados por Deus como por um pai, mas nunca lançados fora, mas selados para o dia da redenção, eles herdam as promessas, como herdeiros da salvação”. É uma grande Doutrina da Escritura que Deus não pode, assim como não irá, abandonar Seus filhos! Muitas vezes maravilho-me de como qualquer pessoa pode ver alguma consistência na fraseologia da Escritura quando eles falam sobre o povo de Deus sendo filhos de Deus um dia, e filhos de Satanás, no dia seguinte. Agora, eu me surpreenderia, não um pouco, se eu entrasse em uma sala de aula, e ouvisse o professor afirmar que meus filhos pudessem ser meus filhos hoje e seus filhos no próximo. Eu deveria olhar para ele e dizer: “Eu não vejo isso. Se eles são realmente meus, eles são meus. Se eles não são meus, não são meus, mas eu não vejo como eles podem ser meus, hoje e seus amanhã”. O fato é que aqueles que pregam assim acreditam na salvação pelas obras – embora eles o mascarem e o cobrem com qualificações ilusórias, tanto quanto eles possam. Há tanta necessidade de um Lutero sair contra eles como houve para ele sair contra os Romanistas! Ah, Amados, é bom saber que a nossa posição não é de outro caráter, mas se nós somos filhos de Deus nada pode nos desfilhar – embora sejamos castigados e afligidos como filhos, jamais sere-mos punidos sendo expulsos da família, e deixando de ser Seus filhos. Deus sabe como guardar Seus próprios filhos do pecado; Ele nunca vai dar-lhes liberdade para fazer o que quiserem. Ele lhes dirá: “Eu não te matarei – este era um ato que Eu não poderia fazer – mas esta te ferirá; e você deve ser levado a gemer e chorar debaixo da vara” – assim, você odiará o pecado, e você unir-se-á a Ele e andará em santidade até o fim. Esta não é uma doutrina licenciosa porque existe a vara. Se não houvesse a vara de castigo, então seria uma coisa ousada dizer que os filhos de Deus ficarão impunes! Eles ficarão, na medida em que a penalidade legal é referida. Nenhum juiz deve condená-los; mas, enquanto o castigo paterno é referido, de modo nenhum escaparão. “De todas as famílias da terra só a vós vos tenho conhecido”, diz o Senhor, “portanto eu vos punirei por todas as vossas iniquidades” [Amós 3:2]. Por último, tão certo como somos filhos de Deus por adoção, devemos herdar a promessa que pertence a isso. E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo: se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados” [Romanos 8:17].
  19. 19. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 19 III. E agora, o ponto final – HÁ ALGUNS DEVERES QUE ESTAM VINCULADOS À ADOÇÃO. Quando o Crente é adotado na família do Senhor, há muitos relacionamentos que são quebrados – a relação com o velho Adão, e com a Lei cessa imediatamente. Mas, então, ele está sob uma nova Lei, a Lei da Graça – sob novas regras e sob um novo Pacto. E agora eu imploro para adverti-los sobre os deveres, filhos de Deus! Porque vocês são filhos de Deus, tornou-se, então, o vosso dever obedecer a Deus. Um espírito servil não tem nada a ver com você; você é um filho. E na medida em que você é um filho, você é obrigado a obedecer ao mais sútil desejo de seu pai – ao mínimo sinal de Sua vontade. O que Ele diz para você? Será que Ele manda cumprir tal-e-tal ordenança? É para seu perigo, se você o negligenciar! Então você está desobedecendo a seu Pai, que lhe diz para fazer isso! Ele vos ordena buscar a imagem de Jesus? Busquem-na. Ele lhes diz: “Sede perfeitos, como vosso Pai que está no Céu é perfeito”? Então, não porque a lei assim o diz, mas porque seu pai o diz, sejam-no! Procurem ser perfeitos no amor e na santidade. Ele lhes diz para amar uns aos outros? Amem um ao outro! Não porque a Lei diz: “Amarás o teu Deus”, mas porque Cristo diz: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos. E este é o manda-mento que vos dou: que vos ameis uns aos outros”. Vocês são ordenados a distribuir aos pobres, e ministrar aos santos nas suas necessidades? Façam-no, não porque acham que são obrigados a fazê-lo pela lei, mas façam-no, porque Cristo assim o diz – porque Ele é o seu Irmão mais Velho – Ele é o Mestre da casa, e vocês pensam de si mesmos mais docemente obrigados a obedecer. Diz-se: “Ame a Deus com todo o teu coração”? Olhem para a ordenança e digam: “Ah, mandamento, procurarei cumpri-lo. Cristo já o cumpriu – Eu não tenho nenhuma necessidade, portanto, de cumpri-lo para a minha salvação, mas me esforçarei para fazê- lo, porque ele é meu pai, agora, e ele tem uma nova reivindicação sobre mim”. Ele diz: “Lembra-te do Sabath, para o santificar”? Lembrarei do que Jesus disse: “O Sabath foi feito para o homem e não o homem para o Sabath”, e, portanto, eu não serei escravo do Sabath. Mas, na medida em que meu Pai descansou no sétimo dia, assim serei também eu em todas as minhas obras, e eu não terei obras de legalidade que contaminem Seu repouso; Farei o maior número de atos de misericórdia, sempre que puder; procurarei me esforçar para servi-Lo com honra filial. Porque meu Pai descansou, assim eu o farei na obra consumada de Cristo. E assim, com cada um dos Dez Mandamentos. Tomem-nos da Lei; coloquem-nos no Evangelho, e então os obedeçam. Não os obedeçam simplesmente como sendo a Lei gravada em tábuas de pedra – os obedeçam como o Evangelho escrito em tábuas de carne do coração – “pois não estais debaixo da Lei, mas debaixo da Graça”.
  20. 20. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 20 Há um outro dever, Crente. É este – se Deus é o vosso Pai, e você é Seu filho, você é obri-gado a confiar Nele. Ó, se Ele fosse apenas o vosso Mestre, e você sempre tão miserável servo, você seria obrigado a confiar Nele! Mas quando você sabe que Ele é o seu Pai, você alguma vez duvidará Dele? Eu posso duvidar de qualquer homem neste mundo, mas eu não duvido de meu pai. Se ele diz uma coisa, se ele promete uma coisa – eu sei que se estiver em seu poder, ele o fará. E se ele declara um fato para mim, eu não posso duvidar de sua palavra. E, no entanto, ó filho de Deus, quantas vezes você desconfia de seu Pai celestial? Não o faça mais! Seja Ele verdadeiro; seja todo homem um mentiroso – continue a não duvidar de seu Pai. O quê? Ele poderia dizer uma mentira? Ele o enganaria? Não, o seu Pai, quando Ele fala, significa que Ele diz. Você não pode confiar em Seu amor? O quê? Ele o deixará afundar, enquanto Ele é capaz de mantê-lo à tona? Ele deixará você morrer de fome enquanto Seus celeiros estão cheios? Ele deixará você morrer de sede enquanto Suas prensas estouram com vinho novo? Há gado sobre Suas mil colinas, e Ele deixará faltar uma refeição a você? É a terra do Senhor e toda a sua plenitude, e Ele deixará você ir embora vazio e pobre, e miserável? Ó, certamente que não! É Dele toda a Graça, e Ele a esconderá de você? Não, Ele nos diz hoje: “Filho, tu estás sempre coMigo, e tudo o que Eu tenho é seu. Tome o que quiser, é tudo seu. Mas confie no seu Pai – “Deixe a Sua Soberana vontade, Escolher e ordenar. Com maravilha plena, então, você obterá, Quão sábia, quão forte é a Sua mão.” Agora, vão embora, herdeiros do céu, com os pés leves, e com alegria em seus rostos, dizendo que sabem que são Seus filhos, e que Ele vos ama e não vos rejeita! Acreditem que para o Seu seio Ele agora vos pressiona – que o Seu coração está cheio de amor por vocês! Creiam que Ele proverá para vocês, os protegerá, sustentará, e que Ele, finalmente, os conduzirá a uma herança feliz quando vocês tiverem aperfeiçoado os anos de vossa peregrinação e forem maduros para a felicidade! “E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade”. Eu não preciso nesta manhã atrasar vocês por mais tempo na abordagem pessoal dirigida aos não convertidos. O bem-estar deles, eu sempre busco. Tenho procurado, ao falar para os santos, nesta manhã, por assim dizer que todo pecador possa aprender pelo menos este fato – a salvação é de Deus somente – e que ele pode ser trazido para este estado de espírito – sentir que se ele é salvo – Deus deve salvá-lo, ou então ele não pode ser salvo absolutamente! Se algum de vocês reconhece esta Verdade, então em nome de Deus eu agora te ordeno a acreditar em Jesus, pois, tão certo como alguma vez você
  21. 21. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 21 possa sentir que Deus tem o direito de salvar ou destruir você, a Graça deve ter feito você sentir isso, e, portanto, agora você tem o direito de vir e crer em Jesus! Se você sabe disto, sabe tudo o que fará você se sentir vazio e, portanto, tem o suficiente para fazer você lançar toda a sua esperança sobre esta plenitude que está em Jesus Cristo. O Senhor te abençoe e te salve! Amém. [Adaptado de The C. H. Spurgeon Collection, Version 1.0, Ages Software. Veja todos os 63 volumes de sermões CH Spurgeon em Inglês Moderno, e mais de 525 traduções em espanhol, acesse: www.spurgeongems.org ORAMOS PARA QUE O ESPÍRITO SANTO APLIQUE O QUE DELE HÁ NESTE SERMÃO, AO SEU CORAÇÃO E AO NOSSO, POR CRISTO PARA A GLÓRIA DE CRISTO. ORE PARA QUE O ESPÍRITO SANTO USE ESTE SERMÃO PARA TRAZER MUITOS AO CONHECIMENTO SALVADOR DE JESUS CRISTO, PELA GRAÇA DE DEUS. AMÉM. Sola Scriptura! Sola Gratia! Sola Fide! Solus Christus! Soli Deo Gloria
  22. 22. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 22 Fonte: SpurgeonGems.org │ Título Original: “Adoption” As citações bíblicas desta tradução foram retiradas da versão ACF (Almeida Corrigida Fiel) Tradução e Capa por Camila Rebeca Almeida │ Revisão William Teixeira *** Acesse nossa conta no Dropbox e baixe mais e-books semelhantes a este: https://www.dropbox.com/sh/g48fveexrhmyg2c/0cwaFii0ef Leia este e outros e-books online acessando nossa conta no ISSUU: http://issuu.com/oEstandarteDeCristo Você tem permissão de livre uso deste e-book e o nosso incentivo a distribuí-lo, desde que não altere o seu conteúdo e/ou mensagem de maneira a comprometer a fidedignidade e propósito do texto original, também pedimos que cite o site OEstandarteDeCristo.com como fonte. Jamais faça uso comercial deste e-book. Se o leitor quiser usar este sermão ou um trecho dele em seu site, blog ou outro semelhante, eis um modelo que poderá ser usado como citação da referência: Título – Autor Corpo do texto Fonte: SpurgeonGems.org Tradução: OEstandarteDeCristo.com (Em caso de escolher um trecho a ser usado indique ao final que o referido trecho é parte deste sermão, e indique as referências (fonte e tradução) do sermão conforme o modelo acima). Este é somente um modelo sugerido, você pode usar o modelo que quiser contanto que cite as informações (título do texto, autor, fonte e tradução) de forma clara e fidedigna. Para solicitar este e-book em formato Word envie-nos um e-mail, solicitando-o: oestandartedecristo@outlook.com
  23. 23. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 23 Uma Biografia de Charles Haddon Spurgeon Charles Haddon Spurgeon (1834 – 1892) Charles Haddon Spurgeon (19 de junho de 1834 – 31 de janeiro de 1892) foi um pregador Batista Reformado, nascido em Kelvedon, Essex na Inglaterra. Converteu-se ao cristianismo em 6 de janeiro de 1850, aos quinze anos de idade. Sobre a sua conversão, afirma-se de 1848 a 1850, Charles Spurgeon teve um período de muitas dúvidas e amarguras. Esteve sob grande convicção de pecado. Ficou convicto que não era um cristão de fato, mesmo sendo criado em todo o ambiente religioso de sua família e região, e sobre forte influência puritana e não-conformista. Tal era seu amor por Cristo que, apesar de ainda estar com apenas quinze anos de idade, não pôde ficar esperando para depois fazer alguma coisa por Ele, mas teve que procurar os meios pelo qual pudesse servi-lo, e servi-lo imediatamente. Aos dezesseis, pregou seu primeiro sermão; no ano seguinte tornou-se pastor de uma igreja batista em Waterbeach, Condado de Cambridgeshire (Inglaterra). Em 1854, Spurgeon, então com vinte anos, foi chamado para ser pastor na capela de New Park Street, Londres, que mais tarde viria a chamar-se Tabernáculo Metropolitano.
  24. 24. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 24 Desde o início do ministério, seu talento para a exposição dos textos bíblicos foi considerado extraordinário. E sua excelência na pregação nas Escrituras Bíblicas lhe deram o título de O Príncipe dos Pregadores e O Último dos Puritanos. Com o passar do tempo, Charles Haddon Spurgeon tornou-se célebre, e recebia convites para pregar em outras cidades da Inglaterra, bem como em outros países. Ele pregava não só em reuniões ao ar livre, mas também nos maiores edifícios de 8 a 12 vezes por semana. Casou-se em 20 de setembro de 1856 com Susannah Thompson e teve dois filhos, os gêmeos não-idênticos Thomas e Charles. Fazíamos cultos domésticos sempre; quer hospedados em um rancho nas serras, quer em um suntuoso quarto de hotel na cidade. E a bendita presença do Espírito Santo, que muitos crentes dizem ser impossível alcançar, era para nós a atmosfera natural. Vivíamos e respirávamos nEle, relatou, certa vez, Susannah. Thomas Spurgeon chegou a pastorear o Tabernáculo Metropolitano 2 anos após a morte de seu pai. Os sermões pregados por Spurgeon domingo de manhã, eram publicados na quinta-feira seguinte, (e revisados pelo próprio Spurgeon) e os sermões pregados domingo à noite e quinta- feira à noite eram reservados para futura publicação: isso e mais alguns sermões escritos por Spurgeon quando doente formaram um tal acervo que garantiu a publicação semanal até o ano da morte de Spurgeon, (até essa data, 2241 publicados) e dos outros até 1917, totalizando 3.653 sermões publicados divididos em 63 volumes (maior que a Enciclopédia Britânica e até hoje considerada a maior quantidade de textos escritos por um único cristão em toda a história da cristianismo). Muitos sermões de Spurgeon eram enviados via telegrafo aos Estados Unidos e republicados lá: depois de 1865, muitos deles foram censurados, pelo fato de Spurgeon ser totalmente contra a escravidão dos negros africanos. Também escreveu e editou 135 livros durante 27 anos (1857- 1892) e editou uma revista mensal denominada A Espada e a Espátula. Seus vários comentários bíblicos ainda são muito lidos. (O seu “Tesouro de Davi”, uma compilação de comentários sobre os Salmos, levou mais de 20 anos para sua conclusão). Spurgeon enfrentou muita oposição no fim de seu ministério; pelos idos de 1887-1888, ele foi envolvido na que se chamou “A controvérsia do declínio”, quando Spurgeon criticou duramente muitos membros da União das Igrejas Batistas da Inglaterra (do qual ele era afiliado) que estavam afrouxando a sua pregação diante do liberalismo teológico e da Alta crítica ( movimento que invocava a ideia de ser uma acurada investigação da historicidade da Bíblia, mas que na prática negava a Infalibidade e a Inerrância da Palavra de Deus). Até o último dia de pastorado, Spurgeon batizou 14.692 pessoas. Nesse meio tempo, Spurgeon teve sua saúde grandemente debilitada. Desenvolveu, por volta dos 25 nos, Gota e Reumatismo, e grandes ataques de depressão, principalmente depois de 1857, quando um culto realizado em Surrey Garden foi organizado para cerca de 10.000, e devido a um tumulto provocado por um falso alarme de incêndio, levou a morte de 6 pessoas.
  25. 25. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 25 Quanto mais a idade avançava, mais essas enfermidades o debilitavam. Pelo que registrado em suas Biografias, ele teve uma melhora da Gota, mas mesmo dessa forma, nunca esteve em pleno vigor novamente. Sua mulher também tinha graves problemas de saúde, e isso agravava mais ainda a situação. Por diversas vezes, Charles teve que se ausentar de seu púlpito por recomendação médica. Chegou a passar um período de férias em 1864 (quando viajou até a Itália), e depois, muitas vezes, sempre no fim do ano, se hospedava em Menton, Sul da França, pelo clima mais quente que na Inglaterra, e também por recomendação médica. Depois de 1887, foram cada vez mais constantes essas viagens, chegando a passar meses em retiro. Nessa época, foi diagnosticado com doença de Bright, uma doença degenerativa e crônica, sem cura. Muitos sermões seus eram lidos, e outros escritos e enviados ao Tabernáculo para leitura, para suprir a falta do pastor. Em 1891, sua condição se agravou mais, forçando Spurgeon a convidar o pastor presbiteriano Arthur Pierson dos Estados Unidos para assumir temporariamente a função principal no Tabernáculo; e Spurgeon ficou em Menton até 31 de janeiro de 1892, quando, depois de alguns dias de melhora de seu estado, houve uma grande deterioração de sua saúde, levando ao óbito nessa data, aos 57 anos. O corpo de Spurgeon foi trasladado da França para Inglaterra. Na ocasião de seu funeral – 11 de fevereiro de 1892 – muitos cortejos e cultos foram organizados em Londres, e seis mil pessoas leram diante de seu caixão o texto de sua conversão. Spurgeon está sepultado no cemitério de Norwood, com uma placa que diz: “Aqui jaz o corpo de CHARLES HADDON SPURGEON, esperando o aparecimento do seu Senhor e Salvador JESUS CRISTO”. ______________________ Esta biografia é baseada nas seguintes fontes: ♦ Site ProjetoSpurgeon.com.br ♦ DALLIMORE, A. Arnald. Spurgeon – Uma Nova Biografia. Editora PES.
  26. 26. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 26 Quem Somos O Estandarte de Cristo é um projeto cujo objetivo é proclamar a Palavra de Deus e o Santo Evangelho de Cristo Jesus, para a glória do Deus da Escritura Sagrada, através de traduções inéditas de textos de autores bíblicos fiéis, para o português. A nossa proposta é publicar e divulgar traduções de escritos de autores como os Puritanos e também de autores posteriores àqueles como John Gill, Robert Murray McCheyne, Charles Haddon Spurgeon e Arthur Walkington Pink. Nossas traduções estão concentradas nos escritos dos Puritanos e destes últimos quatro autores. O Estandarte é formado por pecadores salvos unicamente pela Graça do Santo e Soberano, Único e Verdadeiro Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, segundo o testemunho das Escrituras. Buscamos estudar e viver as Escrituras Sagradas em todas as áreas de suas vidas, holisticamente; para que assim, e só assim, possamos glorificar nosso Deus e nos deleitar- mos nEle desde agora e para sempre. Indicações de Sites onde você poderá encontrar materiais edificantes e/ou baixar outros e-books bíblicos gratuitamente Trovian.blogspot.com.br – Estudos e Mensagens Cristãs JosemarBessa.com – Puro Conteúdo Reformado FirelandMissions.com MinisterioFiel.com.br ProjetoSpurgoen.com.br Monergismo.com VoltemosAoEvangelho.com Indicações de E-books de publicações próprias. Baixe estes e outros gratuitamente no site. 10 Sermões – Robert Murray M’Cheyne Cristo, Totalmente Desejável – John Flavel Eleição & Vocação – Robert Murray M’Cheyne A Gloriosa Predestinação – C. H. Spurgeon Justificação, Propiciação e Declaração – C. H. Spurgeon A Livre Graça – C. H. Spurgeon A Paixão de Cristo – Thomas Adams Quem São Os Eleitos? – C. H. Spurgeon Reforma – C. H. Spurgeon Salvação Pertence Ao Senhor – C. H. Spurgeon O Sangue – C. H. Spurgeon Semper Idem – Thomas Adams Tratado sobre a Oração, Um – John Bunyan Sabe traduzir do Inglês? Quer juntar-se a nós nesta Obra? Envie-nos um e-mail: oestandartedecristo@outlook.com Livros que Recomendamos: A Prática da Piedade, por Lewis Bayly – Editora PES Graça Abundante ao Principal dos Pecadores, por John Bunyan – Editora Fiel Um Guia Seguro Para o Céu, por Joseph Alleine – Editora PES O Peregrino, por John Bunyan – Editora Fiel O Livro dos Mártires, por John Foxe – Editora Mundo Cristão Os Atributos de Deus, por A. W. Pink – Editora PES Por Quem Cristo Morreu? Por John Owen (baixe gratuitamente no site FirelandMissions.com) Viste as páginas que administramos no Facebook Facebook.com/oEstandarteDeCristo Facebook.com/ESJesusCristo Facebook.com/EvangelhoDaSalvacao Facebook.com/NaoConformistasPuritanos Facebook.com/oEstandarteDeCristo Facebook.com/ArthurWalkingtonPink Facebook.com/CharlesHadodnSpurgeon.org Facebook.com/PaulDavidWasher Facebook.com/RobertMurrayMCheyne Facebook.com/ThomasWatson.org Páginas Parceiras: Facebook.com/SomentePelaGraca Facebook.com/AMensagemCristocentrica
  27. 27. facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 27 2 Coríntios 4 1 Por isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos; 2 Antes, rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus; e assim nos recomendamos à consciência de todo o homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade. 3 Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto. 4 Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus. 5 Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus. 6 Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo. 7 Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós. 8 Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. 9 Persegui- dos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; 10 Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos; 11 E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal. 12 De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida. 13 E temos portanto o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos. 14 Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também por Jesus, e nos apresentará convosco. 15 Porque tudo isto é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar a ação de graças para glória de Deus. 16 Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia. 17 Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; 18 Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.

×