Inovação e Tendências em Mídias Digitais - 18/11/15

166 visualizações

Publicada em

Aula da disciplina Inovação e Tendências em Mídias Digitais, do curso de Gestão da Comunicação em Mídias Digitais, do Senac Lapa Scipião, em 18 de novembro de 2015.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
166
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Inovação e Tendências em Mídias Digitais - 18/11/15

  1. 1. Inovação e tendências em mídias digitais 18 de novembro de 2015
  2. 2. Nas residências brasileiras Renato Cruz – Senac2 Fontes: IBGE e Inova.jor 38.5% 42.4% 48.9% 75.7% 89.8% 97.2% 37.2% 42.1% 48.5% 72.1% 91.1% 97.1% Telefone fixo PC com internet PC Rádio Celular TV 2014 2013
  3. 3. Acesso à internet Renato Cruz – Senac3 Fontes: IBGE, Teleco e Inova.jor 34.8% 41.6% 44.1% 46.5% 49.2% 49.4% 54.4% 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
  4. 4. O mercado da TV paga (em milhões de assinantes) Renato Cruz – Senac4 Fonte: Telebrasil e Teleco / Até setembro de 2015 0.3 0.4 1.0 1.8 2.5 2.6 2.8 3.4 3.6 3.6 3.6 3.9 4.2 4.6 5.3 6.3 7.5 9.8 12.7 16.2 18.0 19.519.4 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015
  5. 5. Participação de mercado Renato Cruz – Senac5 52.0% 28.4% 9.4% 6.0% 4.2% Embratel/Net Sky Vivo/GVT Oi Outros Fonte: Teleco
  6. 6. Divisão por tecnologia Renato Cruz – Senac6 59% 40% 1% Satélite Cabo Fibra Fonte: Teleco
  7. 7. A legislação do setor Renato Cruz – Senac7  1962 – Código Brasileiro de Telecomunicações – Lei N.º 4.117  1995 – Lei do Cabo – N.º 8.977  1996 – Lei Mínima – N.º 9.295  1997 – Lei Geral de Telecomunicações – N.º 9.472  2011 – Lei de TV Paga – N.º 12.485
  8. 8. Definições da lei - I Renato Cruz – Senac8 Espaço Qualificado Espaço total do canal de programação, excluindo-se conteúdos religiosos ou políticos, manifestações e eventos esportivos, concursos, publicidade, televendas, infomerciais, jogos eletrônicos, propaganda política obrigatória, conteúdo audiovisual veiculado em horário eleitoral gratuito, conteúdos jornalísticos e programas de auditório ancorados por apresentador Canal de Espaço Qualificado Canal de programação que, no horário nobre, veicule majoritariamente conteúdos audiovisuais que constituam espaço qualificado
  9. 9. Definições da lei - II Renato Cruz – Senac9 Canal Brasileiro de Espaço Qualificado Canal de espaço qualificado que cumpra os seguintes requisitos, cumulativamente:  ser programado por programadora brasileira;  veicular majoritariamente, no horário nobre, conteúdos audiovisuais brasileiros que constituam espaço qualificado, sendo metade desses conteúdos produzidos por produtora brasileira independente;  não ser objeto de acordo de exclusividade que impeça sua programadora de comercializar, para qualquer empacotadora interessada, os direitos de sua exibição ou veiculação;.
  10. 10. As cotas de conteúdo nacional Renato Cruz – Senac10  Nos canais de espaço qualificado, no mínimo 3h30 semanais dos conteúdos veiculados no horário nobre deverão ser brasileiros e integrar espaço qualificado, e metade deverá ser produzida por produtora brasileira independente.  Em todos os pacotes ofertados ao assinante, a cada 3 canais de espaço qualificado existentes no pacote, ao menos 1 deverá ser canal brasileiro de espaço qualificado.  Nos pacotes em que houver canal de programação gerado por programadora brasileira que possua majoritariamente conteúdos jornalísticos no horário nobre, deverá ser ofertado pelo menos um canal adicional de programação com as mesmas características no mesmo pacote ou na modalidade avulsa de programação.
  11. 11. Não valem para cumprimento de cotas Renato Cruz – Senac11  Canais de distribuição obrigatória, ainda que veiculados em localidade distinta daquela em que é distribuído o pacote;  Canais que retransmitirem canais de geradoras detentoras de outorga de radiodifusão de sons e imagens em qualquer localidade;  Canais operados sob a responsabilidade do poder público;  Canais cuja grade de programação não tenha passado por qualquer modificação para se adaptar ao público brasileiro;  Canais dedicados precipuamente à veiculação de conteúdos de cunho erótico;  Canais ofertados na modalidade avulsa de programação;  Canais ofertados em modalidade avulsa de conteúdo programado.
  12. 12. As regras da Ancine Renato Cruz – Senac12 Horário Nobre  Nos canais para crianças e adolescentes: as 7 horas diárias, das 11h às 14h e das 17h às 21h;  Nos demais canais, 6 horas diárias, das 18h às 24h. Espaço qualificado  Obras audiovisuais seriadas ou não seriadas dos tipos ficção, documentário, animação, reality show, videomusical e de variedades.
  13. 13. Canais ‘superbrasileiros’ Renato Cruz – Senac13  Dos canais brasileiros, ao menos dois devem veicular no mínimo 12 horas diárias de produção independente, sendo três no horário nobre, e que pelo menos um desses canais não pode ser programado por empresa coligada, controlada ou controladora de concessionária de TV.  CineBrasilTV, da distribuidora Conceito A, de Tereza Trautmann; Prime Box Brazil (e sua versão HD), da Box Brazil, de Cícero Aragon; e Curta! O Canal Independente, da distribuidora carioca Synapse, de Julio Worcman.  Está de acordo no que diz respeito à programação, mas pertence à Globosat: Canal Brasil.
  14. 14. Zero-TV Renato Cruz – Senac14 Fonte: Nielsen 2.010.000 de residências em 2007 5.010.000 de residências em 2013  Menos de 5% das residências americanas  75% dessas casas têm pelo menos um televisor
  15. 15. Onde eles consomem vídeo? Renato Cruz – Senac15  67% usam outros equipamentos • 37% via computador • 8% via smartphones • 6% via tablets  48% assinam serviços pagos de vídeo  44% têm menos de 35 anos  Somente 18% pensam em assinar TV paga
  16. 16. TV conectada no mundo Renato Cruz – Senac16 Ano Vendas Participação 2011 52 milhões 21% 2012 66 milhões 25% 2015 141 milhões 55% 2016 173 milhões 66% Fonte: IHS Screen Digest, Feb. 2013
  17. 17. O início da radiodifusão Renato Cruz – Senac17  A primeira emissora comercial de rádio foi a KDKA, de Pittsburgh, nos Estados Unidos, criada em 1920  No Brasil, a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, primeira emissora do País, é criada pelo médico Edgard Roquette- Pinto (1884-1954), em abril de 1923
  18. 18. A era do rádio Renato Cruz – Senac18  Radio Days é uma comédia dirigida por Woody Allen, lançada em 1987.  Mostra como o rádio ocupava uma posição central na vida das pessoas, mais tarde ocupada pela televisão.
  19. 19. Os marcianos de Orson Welles Renato Cruz – Senac19  O futuro cineasta Orson Welles aterrorizou os ouvintes do programa Mercury Theatre on the Air, na CBS, em 30/10/1938, com uma adaptação de A Guerra dos Mundos, de H.G. Wells.  Os primeiros dois terços do programa de 60 minutos foram estruturados como um noticiário. Muitos acreditaram que a invasão de marcianos era real.
  20. 20. A evolução do rádio Renato Cruz – Senac20  No Brasil, o rádio é o único meio de comunicação que continua analógico.  As vantanges do rádio digital são: • a qualidade do áudio (AM com qualidade de FM e FM com qualidade de CD); • a multiprogramação (até três programas digitais e um analógico simultâneos num só canal); • a possibilidade de se transmitir texto e até imagens, como pequenas animações.
  21. 21. As opções do rádio digital Renato Cruz – Senac21  Os testes com os sistemas de rádio digital começaram em 2005 no Brasil.  As tecnologias analisadas foram o HD Radio, da americana Ibiquity, e o europeu Digital Radio Mondiale (DRM).  O HD Radio é uma tecnologia Iboc (In-Band On- Channel), em que o sinal analógico e o digital são transmitidos no mesmo canal.  Várias emissoras compraram transmissores em 2007.
  22. 22. Os obstáculos ao rádio digital Renato Cruz – Senac22  Os resultados foram insatisfatórios, com problemas como o atraso na transmissão do sinal. www.youtube.com/watch?v=HZkGAOoQ3G8  Em testes feitos pelo Mackenzie com o HD Radio, o atraso chegou a 14 segundos.  A Ibiquity diz que o atraso é de “somente 8 segundos”, recomendando que o sinal analógico também seja atrasado.  O DRM foi criado para transmissões em AM.
  23. 23. Disponibilidade de aparelhos Renato Cruz – Senac23 Sparc HD Radio SHD-P360 Preço: US$ 60
  24. 24. Migração do AM para o FM Renato Cruz – Senac24  O decreto presidencial n.º 8.139 (7/11/13) autorizou a migração de emissoras do AM para o FM.  Existem 1.772 emissoras AM em operação no Brasil. Desse total, 1.386 pediram a migração.  Os canais 5 e 6, atualmente ocupados pela TV analógica, foram realocados para o FM.  A faixa FM, que hoje está em 87,9 MHz a 107,9 MHz, será estendida a 76 MHz a 107,9 MHz.  A migração das primeiras 200 rádios deve começar no próximo mês.
  25. 25. O rádio via satélite Renato Cruz – Senac25  A tecnologia vencedora de rádio digital, nos EUA, é o serviço pago via satélite SiriusXM.  São mais de 175 canais, com mais de 27,7 milhões de assinantes.  Mensalidades a partir de US$ 9,99.  Segredo do sucesso: acordos com montadoras de automóveis.  Os rádios vêm instalados nos carros e a mensalidade é cobrada com o leasing do veículo.

×