UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
            ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES

DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES PÚBLICAS, PROPAGANDA E TURI...
Jackon Pollock (1912 – 1956) é considerado por muitos estudiosos o

principal artista do movimento chamado expressionismo ...
genialidade de Pollock, um artista que conseguiu enxergar além dos

padrões tradicionais de pintura e fazer obras relativa...
Bibliografia:




Pollock – Crítica. Christian Petermann.
http://dvdteca.folha.com.br/filmes/pollock/critica.html> Acesso ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Jackon Pollock

3.740 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.740
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jackon Pollock

  1. 1. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES PÚBLICAS, PROPAGANDA E TURISMO ESTÉTICA EM PUBLICIDADE Prof. Emerson Súmula do filme: Pollock (2000) Jean Michel Gallo Soldatelli Número USP - 6441052 SÃO PAULO, JUNHO/2008
  2. 2. Jackon Pollock (1912 – 1956) é considerado por muitos estudiosos o principal artista do movimento chamado expressionismo abstrato. Estudou pintura no Art Students´ League, em Nova York, e no ínicio foi muito influenciado pelos pintores de mural mexicanos como Orozco e em certos aspectos pelo surrealismo. É nesse momento de influência e despertar para o público que o filme tem seu início, quando Pollock é “descoberto” pela sua futura esposa, Lee Krasner. Foram apenas algumas gotas de tinta caídas no chão enquanto pintava um quadro que mudaram sensivelmente a forma de Pollock e de muitos outras pessoas verem a arte, começou a pintar e forma completamente abstrata, sem utilizar pincéis e cavaletes. Deixava as telas no chão ou na parede e com o auxílio de paus ou facas jogava a tinta na tela manipulando as linhas e a intensidade de seus traços. Essa técnica conhecida posteriormente como dripping (gotejamento) levou Pollock e suas pinturas a um patamar nunca alcançado antes por um artista americano. Respingando a tinta na tela ele criava efeitos impressionantes, possuía uma harmonia entre os traços e um domínio sobre os pontos que caracterizam sua arte como o ápice da action painting. Muito se fala da necessidade que o governo americano via em divulgar uma arte típica, visto que existe uma prevalência dos artistas europeus e principalmente pela influência positiva que essa divulgação causaria em tempos da Guerra Fria, portanto muitos criticam a arte de Pollock como se fosse uma arte supervalorizada. Mesmo considerando-se um apoio do governo na divulgação da sua arte, não se pode descartar a
  3. 3. genialidade de Pollock, um artista que conseguiu enxergar além dos padrões tradicionais de pintura e fazer obras relativamente simples porém que possuem uma enorme gama de expressões que dificilmente são mostradas com tanta facilidade. O filme é brilhante ao mostrar Pollock de um jeito cru, apesar de Ed Harris interpretar o artista e dirigir o filme ele os faz de forma limpa, apesar de declarar várias vezes Pollock como um de seus ídolos ele não o idolatra no filme. Outro ponto positivo do filme é a brilhante mostra da vanguarda nova- iorquina da década de quarenta, com todas as intrigas e disputas entre artistas e apreciadores, através da aparição de personagens marcantes como a colecionadora Peggy Guggenheim e da trilha sonora que utiliza as fascinantes músicas de artistas como Billie Holliday. As muitas fraquezas de Pollock são muito bem apresentadas pelo filme, seus problemas com bebida, com sua(s) mulher (es), além de sua morte prematura em um acidente de carro mostrada de forma sólida e chocante. Porém a maior qualidade do filme é usar a câmera como um observador do fascinante processo criativo de Pollock, a dinâmica de imagens utilizada é a perfeita materialização da contínua atividade criativa do artista.
  4. 4. Bibliografia: Pollock – Crítica. Christian Petermann. http://dvdteca.folha.com.br/filmes/pollock/critica.html> Acesso em 18/06/08. A crítica de arte norte-americana, a action painting e o expressionismo abstrato: Jackson Pollock de 1947 a 1951. Marina Pinheiro de Campos. <http://www.prp.unicamp.br/pibic/congressos/xiiicongresso/paineis/016899.p df> Acesso em 18/06/08. O'Doherty, Brian. American masters : the voice and the myth in modern art : Hopper, Davis, Pollock, De Kooning, Rothko, Rauschenberg, Wyeth, Cornell / Brian O'Doherty. New York : Dutton, 1982.

×