Apresentação Davos do Brasil

2.517 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
6 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Quero Expor TECNOLOGIAS: Material de emprego militar terrestre Aeroespacial Naval Comunicações e Informação Material de aplicabilidade em segurança pública e defesa civil FABRICANTES: Aeronaves (aviões e helicópteros) Armamento aéreo (bombas convencionais, guiadas e mísseis) Armamento não letal Armamento naval (canhões, torpedos e mísseis) Embarcações de patrulha Fardamentos e equipamentos de proteção individual e de apoio ao soldado Foguetes não guiados superfície-superfície e ar-superfície Meios individuais de controle de distúrbios civis Motores, partes e peças (terrestres, aéreos e navais) Munições de pequeno, médio e grosso calibres Navios de pequeno, médio e grande portes Sensores e sistemas de integração Simuladores de aviação (de missão e pilotagem e controle da aviônica embarcada) Simuladores navais Sistemas automatizados para emprego de armamento em veículos Sistemas de aeronaves não tripuladas (VANTs) Sistemas de alimentação coletiva Sistemas de apoio a missões de resgate Sistemas de apoio logístico Sistemas de apoio-solo Sistemas de armamentos de apoio ao combate (artilharia de campanha) Sistemas de armamentos individuais e coletivos Sistemas de comunicação tática e estratégica Sistemas de defesa antiaérea (canhões, mísseis e radares) Sistemas de determinação de alvos e diretores de tiro Sistemas de evacuação aeromédica em aeronaves parapúblicas Sistemas de mísseis superfície-superfície e superfície-ar Sistemas de monitoramento e vigilância (terrestre, aérea e marítima) Sistemas de proteção NBQ Sistemas de treinamento e simulação (individual e coletivo) Sistemas de treinamento simulado para policiais Sistemas designadores de alvos e de navegação para aeronaves Sistemas hospitalares de emergência Sistemas integrados de Comando e Controle (C2 a C4I) para defesa e segurança Sistemas para imageamento Sistemas robotizados de vigilância, antibomba e limpeza de campos minados Veículos blindados de combate sobre rodas e lagartas Veículos de controle de distúrbios civis Veículos e equipamentos de combate a incêndios Veículos leves e pesados sobre rodas Veículos otimizados para uso policial (carros e motocicletas) Veículos robotizados navais de emprego em superfície e submersos PROVEDORES DE SERVIÇOS: Desenvolvimento de softwares Engenharia Manutenção Simulação e treinamento Por que participar da LAAD Defence & Security? - 10ª edição da maior e mais importante feira de Defesa e Segurança da América Latina - Defesa e Segurança em todas as frentes: Marinha, Exército, Força Aérea, Segurança Pública e Corporativa - Presença de visitantes qualificados: autoridades das três Forças Armadas, Forças Policiais, Forças Especiais, executivos da indústria de defesa e segurança e agências governamentais - Programa de Delegações Oficiais: autoridades de defesa e segurança do Brasil, da América Latina e outros países convidados para participar do evento - Exposição da cadeia produtiva: expressiva participação da cadeia produtiva industrial – âmbito nacional e internacional – de todos os elos da defesa e segurança - Eventos paralelos: reuniões ordinárias de importantes instituições de Segurança Pública, IV Seminário de Defesa, IV Seminário de Segurança e VII Simpósio Internacional de Logística Militar Lista de expositores 2015 Download do cont
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • construtora Camargo Corrêa vai devolver R$ 700 milhões para três empresas púbicas que foram prejudicadas pelos crimes de cartel e corrupção em função da empreiteira. Este pode ser considerado o maior acordo do gênero na história do País. A soma será utilizada para ressarcir os prejuízos na Petrobras, Eletronuclear e Eletrobras. As informações são da Folha de S. Paulo. O acordo do leniência, uma vertente da delação premiada para empresas, foi assinado junto aos procuradores que atuam na força-tarefa da Operação Lava Jato. O procurador Carlos Fernando de Lima e o advogado da Camargo Corrêa, Celso Vilardi, nortearam as negociações. O pacto foi consolidado após três ex-executivos da construtora firmarem acordos de delação premiada e confessarem que houve pagamento de propina e atuação do cartel em obras como a refinaria Abreu e Lima, da Petrobras, a usina nuclear Angra 3 e a hidrelétrica de Belo Monte. Só no caso da Petrobras os valores de suborno alcançaram R$ 110 milhões, de acordo com a delação do ex-presidente da empresa, Dalton Avancini. Já na obra de Belo Monte, o suborno chegou a R$ 20 milhões. Na construção da usina nuclear Angra 3, houve uma formação de cartel e promessa de pagamentos de propina, mas estes acabaram não se concretizando e não foram repassados pela Camargo Corrêa. O juiz responsável pelos processos da Operação Lava Jato em primeira instância, Sergio Moro, já condenou três executivos da empreiteira. Dois deles, Dalton Avancini e Eduardo Leite, firmaram acordos de delação premiada, confessaram os crimes e vão cumprir prisão domiciliar. Já João Auler, ex-presidente do conselho de administração da empresa, não fez o acordo e foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão. O ressarcimento dos R$ 700 milhões garantirá imunidade a outros executivos da Camargo Corrêa que poderiam ser acusados futuramente de prática de cartel, corrupção, improbidade administrativa, entre outros crimes.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • www.uv30.com.br 
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.517
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
147
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
6
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação Davos do Brasil

  1. 2. © DAVOS do Brasil, 2009 2 Origem do Produto: UV30 <ul><li>Ano 2003 ... </li></ul><ul><li>... da observação do processo de limpeza das superfícies das aeronaves, </li></ul><ul><li>composto pelas seguintes etapas: </li></ul><ul><ul><li>molhar </li></ul></ul><ul><ul><li>ensaboar </li></ul></ul><ul><ul><li>esfregar </li></ul></ul><ul><ul><li>enxaguar </li></ul></ul><ul><ul><li>secar </li></ul></ul><ul><ul><li>encerar </li></ul></ul><ul><li>... da observação do elevadíssimo consumo de água potável. </li></ul><ul><li>... da informação da contaminação do solo por descarga de água servida </li></ul><ul><li>carregada por elementos químicos. </li></ul>
  2. 3. © DAVOS do Brasil, 2009 3 O Estado de São Paulo 23/04/2009
  3. 4. Origem do Produto: UV30 Os Primeiros Passos <ul><li>2003 os empreendedores decidiram somar suas competências em busca de uma resposta às inquietudes resultantes do problema observado. </li></ul><ul><ul><li>Químico: Professor da Universidade de Guarulhos, pesquisador com experiência em busca de soluções voltadas à proteção do meio ambiente. </li></ul></ul><ul><ul><li>Prático: mais de 15 anos de experiência no tratamento de superfícies automotivas – com ênfase em carros antigos </li></ul></ul><ul><ul><li>Administrador: Mestrado pelo PUCSP, especializado em desenvolvimento de novos negócios. </li></ul></ul><ul><li>Como todo desenvolvimento, os primeiros resultados foram desanimadores. Muitos carros foram severamente danificados até que, no início de 2004 nasce o princípio ativo básico do UV30. </li></ul>4
  4. 5. <ul><li>A definição para leigos desse princípio básico é a descoberta da fórmula e do processo capaz de “ misturar água e óleo”. </li></ul><ul><li>No segunda metade de 2004 foram feitos os primeiros testes em superfícies de aeronaves já sucateadas. </li></ul><ul><li>Os resultados ainda demandaram alguns ajustes no produto, que foi estabilizado e pronto para entrada em beta teste no início de 2005. </li></ul><ul><li>O UV.30 nunca mais foi modificado, e tem sido consistentemente aplicado ao longo dos anos 2005, 2006, 2007, 2008 e atualmente em diversas aeronaves, como King Air, Caravan, Hawker 800, Agusta, Eurocopter B4, B3, Carajás, T27 entre muitas outras. </li></ul>Origem do Produto: UV30 Os Primeiros Passos 5
  5. 6. Formação da Empresa: DAVOS do Brasil <ul><li>Em 2009 foi contratadas a empresa BY Propriedade Intelectual,dirigida pelo Engenheiro David Lucena, empresa e profissional de reconhecida competência, na área de patentes. </li></ul><ul><li>Foram cumpridas todas as pesquisas, estudos e documentação necessárias a obtenção do protocolo de pedido de patente junto ao INPI Insttuto Nacional de Proteçao Industrial. </li></ul><ul><li>A seguir imagem do protocolo junto ao INPI do Depósito de Patente Requerida. </li></ul>6
  6. 7. 7 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA
  7. 8. <ul><li>Em Dezembro de 2008 o projeto do UV30, considerado uma inovação tecnológica foi submetido à Incubadora Guarulhos, entidade composta pelas seguintes instituições: </li></ul><ul><ul><li>AGENDE: Agencia de Desenvolvimento de Guarulhos </li></ul></ul><ul><ul><li>SEBRAE: Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas </li></ul></ul><ul><ul><li>CIESP: Centro das Indústrias do Estado de São Paulo </li></ul></ul><ul><ul><li>ACE: Associação Comercial Estado </li></ul></ul><ul><ul><li>ASEC: Associação de Empresas de Cumbica </li></ul></ul><ul><ul><li>Prefeitura de Guarulhos </li></ul></ul><ul><li>Em maio de 2009 o projeto para fabricação do UV30 foi aprovado e aceito pela Incubadora Guarulhos. </li></ul><ul><li>Em julho desde ano a DAVOS do Brasil iniciará a produção do UV-30 em escala industrial. </li></ul>Formação da Empresa: DAVOS do Brasil 8
  8. 9. Superfície SEM UV30 Superfície COM UV30 A superfície lisa polida diminui a resistência do ar durante a decolagem. Durante o vôo a grande velocidade da aeronave facilita a fixação de poeira, aumentado o consumo de combustível e dificultando a sua dirigibilidade. O UV-30 dificulta a fixação das partículas de poeira, sobre a fuselagem. 9 VETOR DE PROTEÇÃO COM UV30
  9. 10. Produtos Oferecidos: 10
  10. 11. SUPERFÍCIE NOVA: As superfícies assim que saem da fábrica têm em média uma espessura de 0,16 mm , quando começam a receber os ataques à camada final: poluição, raios infravermelhos e ultravioleta, panos e escovas de lava rápidos, detergentes, chuva ácida entre outros = pequenas irregularidades = , comprometendo a reflexão da luz = menor brilho. 11 0,02 mm 0,040 mm 0,16 mm SUPERFÍCIE ACABADA SUPERFICIE SEM ACABAMENTO Primeira camada: 13% da espessura do material aplicado sobre a superficie. É o “primmer” responsável pela adesão da tinta . 0,100 mm Segunda camada: Representa 25% da espessura do material aplicado sobre a superfície. É a tinta responsável pela cor . CAMADA FINAL: 63% do material aplicado sobre a superfície É responsável pela aparência brilhante, pela proteção contra a corrosão, pela proteção à tinta, e pela redução da força de arrasto. SUPERFÍCIE
  11. 12. DESGASTE DA CAMADA FINAL Camada final = desgastada, impregnada com material particulado, com crescente porosidade, ameaçando a integridade da Segunda Camada com danos irreversívies. 12 0,02 mm 0,040 mm 0,16 mm SUPERFICIE SEM ACABAMENTO Primeira camada: 13% da espessura do material aplicado sobre a superficie. É o “primmer” responsável pela adesão da tinta. 0,100 mm Segunda camada : 25% da espessura do material aplicado sobre a superfície. É a tinta responsável pela cor. CAMADA FINAL DESGASTADA POLUIÇÃO SERENO CHUVA ÁCIDA INSETOS POEIRA MARESIA MARCAS DE FLORES RAIOS ULTRA VIOLETA LAVAGENS SUPERFÍCIE MATERIAL PARTICULADO IMPREGNADO SUPERFÍCIE IRREGULAR
  12. 13. UV30 REVITALIZAÇÃO RETIRA AS PARTICULAS IMPREGNADAS 13 0,02 mm 0,040 mm 0,16 mm SUPERFICIE SEM ACABAMENTO Primeira camada: 13% da espessura do material aplicado sobre a superficie. É o “primmer” responsável pela adesão da tinta. 0,100 mm Segunda camada: 25% da espessura do material aplicado sobre a superfície. É a tinta responsável pela cor. SUPERF ÍCIE MATERIAL PARTICULADO IMPREGNADO SUPERFÍCIE IRREGULAR
  13. 14. UV30 REVITALIZAÇÃO CORRIGE AS FALHAS DEIXADAS PELAS PARTÍCULAS RETIRADAS 14 0,02 mm 0,040 mm 0,16 mm SUPERFICIE SEM ACABAMENTO Primeira camada: 13% da espessura do material aplicado sobre a superficie. É o “primmer” responsável pela adesão da tinta. 0,100 mm Segunda camada : 25% da espessura do material aplicado sobre a superfície. É a tinta responsável pela cor. CAMADA FINAL CORRIGIDA POLUIÇÃO SERENO CHUVA ÁCIDA INSETOS INSETOS MARESIA MARCAS DE FLORES RAIOS ULTRA VIOLETA LAVAGENS SUPERFÍCIE
  14. 15. UV30 REVITALIZAÇÃO APLICA UMA RESISTENTE PELÍCULA DE PROTEÇÃO QUE EVITA O DESGASTE DA CAMADA FINAL. 15 0,02 mm 0,040 mm 0,16 mm SUPERFICIE SEM ACABAMENTO Primeira camada: 13% da espessura do material aplicado sobre a superficie. É o “primmer” responsável pela adesão da tinta. 0,100 mm Segunda camada : 25% da espessura do material aplicado sobre a superfície. É a tinta responsável pela cor. CAMADA FINAL RENOVADA POLUIÇÃO SERENO CHUVA ÁCIDA INSETOS INSETOS MARESIA MARCAS DE FLORES RAIOS ULTRA VIOLETA LAVAGENS SUPERFÍCIE
  15. 16. UV30 MANUTENÇÃO APLICA UMA RESISTENTE PELÍCULA DE PROTEÇÃO QUE EVITA O DESGASTE DA CAMADA FINAL. 16 0,02 mm 0,040 mm 0,16 mm SUPERFICIE SEM ACABAMENTO Primeira camada: 13% da espessura do material aplicado sobre a superficie. É o “primmer” responsável pela adesão da tinta. 0,100 mm Segunda camada : 25% da espessura do material aplicado sobre a superfície. É a tinta responsável pela cor. POLUIÇÃO SERENO CHUVA ÁCIDA INSETOS INSETOS MARESIA MARCAS DE FLORES RAIOS ULTRA VIOLETA LAVAGENS SUPERFÍCIE
  16. 17. TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE: UV30 REVITALIZA PROTEGE MANTÉM 17 POLUIÇÃO SERENO CHUVA ÁCIDA INSETOS INSETOS MARESIA MARCAS DE FLORES LAVAGENS 0,02 mm 0,040 mm 0,16 mm SUPERFÍCIE ACABADA SUPERFICIE SEM ACABAMENTO Primeira camada: 13% da espessura do material aplicado sobre a superficie. É o “primmer” responsável pela adesão da tinta. 0,100 mm Segunda camada : 25% da espessura do material aplicado sobre a superfície. É a tinta responsável pela cor. CAMADA FINAL: 63% do material aplicado sobre a superfície É responsável pela aparência brilhante, pela proteção contra a corrosão, pela proteção à tinta, e pela redução da força de arrasto. SUPERFÍCIE UV30 MANUTENÇÃO UV30 REVITALIZAÇÃO
  17. 18. Indicação do impacto positivo de marketing voltado ao uso racional da água 18
  18. 19. Resultados Obtidos Durante o Processo de Formação da DAVOS do Brasil <ul><li>No Mercado Aeronáutico </li></ul>19
  19. 20. Jornal CIESP Setembro 2009 20
  20. 21. Diário de Guarulhos Agosto 2009 21
  21. 22. Jormal Brasil Econômico Novembro 2009 22
  22. 23. Revista automotiva Guarulhos Setembro 2009 23
  23. 24. 24
  24. 25. 25
  25. 26. 26
  26. 27. 27
  27. 28. 28
  28. 29. Comprovação EMPÍRICA da redução do tempo de vôo <ul><li>From: [email_address] Subject: Teste de película protetora UV- 30 Date: Mon, 7 Jul 2008 17:54:29 +0000 Nossos pilotos da táxi aéreo América Sul,ficaram satisfeitos e surpresos com o resultado obtido no vôo Campo de Marte ao Acre, melhorando o desempenho que o produto UV 30 ofereceu. Piloto Marco Antonio filho verificou que o avanço da aeronave PP VRF atingiu sua velocidade de cruzeiro sem maiores esforços, ganhando autonomia de trinta e quatro minutos num percurso de quatro horas e meia. Estamos surpresos por saber que o produto nacional seja de tanta qualidade para serviços em prol  da sociedade. Janayna Pompêo (diretora de Recursos Internacional) Sede própria Bélgica, Alemanha e USA. </li></ul>29
  29. 30. Resultados Obtidos Durante o Processo de Formação da DAVOS do Brasil No Mercado Automotivo 30
  30. 31. 31
  31. 32. DEMONSTRAÇÃO DA APLICAÇÃO DO PRODUTO 32
  32. 33. As informações aqui contidas são verídicas, as cartas mencionadas estão arquivadas em nosso escritório podendo ser consultadas a qualquer momento. <ul><li>Os direitos de imagens estão reservados </li></ul>33

×