1 / 159
Romance à Maneira de DeusRomance à Maneira de DeusEric e Leslie LudyTítulo Original: Romance Gods WayTradução: Ariane Nish...
Para Leslie,minha Princesa da Pureza.Obrigado por revelar-me de forma tãosuave o que significa amar a sua vidaEricPara Eri...
Eric e Leslie Ludy são escritores, palestrantes e músicos que têm viajadomuito para compartilhar a mensagem do Romance à M...
Matt O Neil, 15Ontário, Canadá"Posso ver a unção de Deus sobre Eric e Leslie por meiode seu exemplo, seus livros e suas pa...
S u m á r i o(clique para ir ao capítulo)PrefácioIntrodução: O Que Pode Estar Acontecendo no CéuCapítulo 1: Aquela Palavra...
AG R AD E C I M E N T O SUm agradecimento especial aRichard Runklespor tornar este projeto possível.A Mark Ludy, pela sua ...
PREFÁCIOConheci Eric e Leslie durante a primeira viagem deles àAustrália, em 1996. enquanto os entrevistava para umprogram...
Esse material tem sido várias vezes apresentado em todosos Estados Unidos e na Austrália. O ensino tem sido testado eaprov...
INTRODUÇÃO: O QUE PODE ESTAR ACONTECENDO NOCÉU- Eric -Todo o Céu estava em agitação! A hoste angelical estavana "ponta das...
O pipoqueiro chegou assim que começavam a abrir ascortinas. Todos os ansiosos serafins se acomodavam nosassentos. Enquanto...
Novamente a cena da noite chuvosa com o rapazsegurando o buquê de rosas apareceu na tela, dessa vez,entretanto, a porta es...
Enquanto dizia essas palavras, ele olhava fixamente nosolhos dela. A música de fundo crescia com intensidade egrande comoç...
- Sim, meus amigos, disse Miguel, é verdade! Nossoglorioso Criador está escrevendo o enredo para milhares depessoas que te...
CAPÍTULO 1: AQUELA PALAVRA!- Eric –Eu me lembro do dia fatal em que minha mãe proferiuaquela palavra pela primeira vez. Aq...
Enquanto dizia aquilo, minha voz falhou como umataquara rachada. Foi como se um enorme ovo tivesse sidoquebrado bem em min...
de banana (uma linda lembrança dos meus tempos de criança)e nos dirigimos para a rua para um... estacionamento! Meu paisab...
Se eu pudesse, nunca mais pensaria naquela palavra, oua ouviria, ou a pronunciaria novamente. Mas acontece que umcrime imp...
Aquela palavra é a única responsável por nos confundir acabeça com todas essas palavras engraçadas.Eu me lembro de olhar p...
Durante os últimos doze anos. eu não me importava se o meucabelo estava arrepiado, se a minha camiseta estavaamarrotada ou...
diferentes tipos de tonalidades de maquiagem e de que énecessário certificar-se de que o tom combine com a cor dapele. Que...
prodígio e estudei detalhadamente como eles posicionavam oslábios, como movimentavam as cabeças e, até mesmo, ondecolocava...
CAPÍTULO 2: NA PUBERDADE E SEM SAÍDA- Eric –Talvez muitos dos que estão lendo este livro tenham seidentificado com alguma ...
pensei seriamente que explodiria e que haveria um monte depedacinhos de Eric Ludy espalhados por todas as paredes.Eu tinha...
Deus e a nossa sexualidade são como óleo e água - não semisturam. Por quê? Porque Deus é enfadonho e qualquer coisaassocia...
(respectivamente) durante esse período para que, com o passardos anos, possamos dar frutos de uma fase adulta madura.♥ ♥ ♥...
Isso será muito mais do que uma jornada para descobriruma maneira melhor de abordar o romance. Esperamos queseja um encont...
CAPÍTULO 3: APRENDENDO A MANEIRA DO MUNDO: AMANEIRA MAIS DIFÍCIL- Leslie -Nunca vou me esquecer da primeira vez que o vi. ...
Meu dia de sorte chegou quando a Sra Johnson nos colo-cou juntos para fazermos aula de laboratório. Johnny mostrou-se tão ...
Então, quando Johnny me convidou para sair. eu haviafinalmente, aterrissado nesse mundo e estava adorando cadaminuto dessa...
Ele me dizia apaixonadamente todos os dias. Tenho deadmitir que, no começo, achava muito estranho aceitar o"amor" de um ca...
valorizada. Mas, ao passar do ginásio para o colegial, comecei anotar que aquele era o momento da minha vida para entrarco...
Depois que o meu relacionamento com Johnny terminou,fiquei tão desesperada por uma "atenção masculina" quecomecei a ter um...
bem a ele? Sempre pensei que estivesse fazendo o melhor quepodia ao evitar o sexo antes do casamento. Quero dizer, issoera...
Bem, tenho duas opções para você. A primeira é um copodescartável. Ele possui muitas vantagens, incluindo o fato deque não...
copo desse tipo nem alguém tentando jogá-lo no lixo. Então,sim. esse seria um lugar bem mais seguro para o seudiamante.Ess...
- Na minha aula vocês podem fazer qualquer coisa!Aquelas foram as primeiras palavras que saíram de sua boca.Entreolhamo-no...
Parece bem simples, não é? Infelizmente, eu não tinhaidéia de como as coisas realmente são - isso até Deus começara me des...
- Olha, Deus, acho que o Senhor não está entendendomuito bem o problema pelo qual estou passando. Então, deixe-me explicar...
Encantado bata a sua porta se ele nem ao menos sabe quevocê existe? Você está sendo uma boba mesmo.Legal! Obrigada pelo en...
Bom, depois da minha oração "Senhor, estou pronta", ascoisas mudaram. Jesus Cristo tornou-se real para mim! Eucomecei a pe...
= = = = = = = = =Foge, outrossim, das paixões da mocidade.Segue a justiça, a fé, o amor e a paz comtodos com os que, de co...
Senhor, estou prontaLeslie LudyEu já falara muitas vezes atrás,Mas, Senhor, desejo que desta vez ...Eu saiba com o meu cor...
CAPÍTULO 4: CASA DE CARTÕES OU CASTELO?- Eric -Aos treze anos eu era um garoto de cara empipocada e,todas as vezes que eu ...
sentimento de tédio durante as férias, fui levado a criar umPlano B -levantando um edifício.Com as mãos de um cirurgião, e...
Lágrimas sentimentais escorreram dos meus olhos,enquanto eu me afastava para refletir naquela mensagemcruel. Eu nunca mais...
O que efeito para durarnão deve ser rapidamente edificado!Meu cérebro em puberdade estava enfrentando sériasdificuldades d...
madeira e de entulho e uma horrível dor de cabeça (apenasimagine uma casa caindo em cima de você!).Agora, antes que você t...
- Mas quem seria ignorante o suficiente para construirum relacionamento dessa forma? Bom, eu mesmo já construíalguns relac...
Não era necessário apenas um bomplanejamento, mas muita disposição por partedo construtor. Era necessário também que ocons...
Até o final deste livro estaremos falando sobre comoconstruir um castelo de sonhos. Ao descobrir o primeiro e maisimportan...
= = = = = = = = ="Todo aquele, pois, que ouve estas minhaspalavras e as pratica, será comparado a umhomem prudente que edi...
O Seu Castelo de SonhosNo ponto em que estamos, talvez você esteja decidido acomeçar a construir um castelo, em vez de uma...
CAPÍTULO 5: PÃO NO TERREIRO?- Leslie -Quando eu tinha seis anos, um de meus passatemposfavoritos era escutar discos de his...
disseram a mesma coisa. Todos estavam muito ocupados paraajudar a colher trigo. Então, a Pequena Galinha Ruiva teve decolh...
♥ ♥ ♥Grande historinha, não é? Eu também achava. Agora, eusei que você deve estar sentado aí refletindo: O que é que aLesl...
dia do nosso casamento. Elas olham para o futuro e desejamexperimentar em suas vidas esse mesmo tipo de beleza eromance. M...
nativos selvagens. Quando chegaram à ilha, perceberam queestavam perdendo a batalha. O inimigo era muito mais forte doque ...
que ela escreveu. Talvez você esteja pronto para fazer dessacanção uma oração.59 / 159
Eu renuncio a minha vontadeLaura HartTodos os dias sou desafiada com a escolha de fazer ascoisasA Tua maneira ou a minha;M...
Renuncio a minha vontade; entrego a Ti a minha vida.Quando as coisas ficam mais difíceis, a minha alma seenfraqueceMeu cor...
CAPÍTULO 6: A FOSSA DO SUPER BOWL- Eric –Looody! Looody! Eles gritavam, enquanto eu entrava norefeitório, naquela trágica ...
Foi bem aí que Deus conseguiu quebrar a barreira de somdos meus ouvidos. Ele sabia que eu era um garotinhomagoado, desapon...
Dessa vez, Ele estava batendo em uma porta do meu coraçãoque dava em uma sala chamada "Orgulho Ludy". Era naquelasala onde...
- Deus. esta é a minha área! Reagi passionalmente.Relacionamento é algo muito importante para que eusimplesmente passe par...
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Romance à maneira de deus   eric e leslie ludy
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Romance à maneira de deus eric e leslie ludy

5.375 visualizações

Publicada em

0 comentários
20 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.375
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
171
Comentários
0
Gostaram
20
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Romance à maneira de deus eric e leslie ludy

  1. 1. 1 / 159
  2. 2. Romance à Maneira de DeusRomance à Maneira de DeusEric e Leslie LudyTítulo Original: Romance Gods WayTradução: Ariane NishimuraBless Gráfica e Editora, 1ª ed., 1999ISBN 85-87244-11-6Digitalizado por guerreirahttp://semeadoresdapalavra.top-forum.net/portal.htmOBS.: Mantida a formatação de fontes, tanto quantopossível.Ilustrações não adicionadas, por serem meramentedecorativas, e não terem ficado com boa qualidade nadigitalização.Nossos e-books são distribuídosgratuitamente, com a única finalidade deoferecer leitura edificante a todos aqueles quenão tem condições econômicas para comprar.Se você é financeiramente privilegiado, entãoutilize nosso acervo apenas para avaliação, e,se gostar, abençoe autores, editoras elivrarias, adquirindo os livros.Semeadores da Palavra e-books evangélicos2 / 159
  3. 3. Para Leslie,minha Princesa da Pureza.Obrigado por revelar-me de forma tãosuave o que significa amar a sua vidaEricPara Eric,meu Príncipe de Armadura Brilhante.Obrigada por construir paramim um castelo de sonhos.Leslie* * *Eu é que sei que pensamentostenho a vosso respeito,diz o Senhor;pensamentos de paz,e não de mal, para vos dar o fim que desejais.Jeremias 29:11* * *O s Au t o r e s3 / 159
  4. 4. Eric e Leslie Ludy são escritores, palestrantes e músicos que têm viajadomuito para compartilhar a mensagem do Romance à Maneira de Deus comjovens e adultos. O ministério desse casal inclui vários seminários econferências não só nos Estados Unidos como também em outros países. Odesejo de Eric e Leslie é inspirar, desafiar e equipar a sua geração para viverde acordo com o padrão de Cristo.O que os leitores estãodizendo..."A mensagem do Romance à Maneira de Deus causou emminha vida um impacto maior do que as palavras possamexpressar. Agora sei que Deus tem escolhido a dedo umcompanheiro para mim e que posso confiar essa área da minhavida a Sua perfeita fidelidade."Kristen Baldwin, 15Lufkin,TK"Por meio da mensagem do Romance à Maneira de Deus,aprendi a colocar Deus em primeiro lugar em todas as áreas daminha vida, especialmente nos relacionamentos com o sexooposto. Eu agradeço a Deus pelo testemunho de Eric e Leslie eeu sei que este livro tocará a sua vida como tocou a minha."Jeremy Fernando, 19Victoria, Austrália"Essa mensagem é o que a nossa geração precisa paracombater os caminhos do mundo. Por meio do Romance àManeira de Deus, encontrei a segurança em saber que existeuma maneira melhor de construir relacionamentos... à Maneirade Deus."4 / 159
  5. 5. Matt O Neil, 15Ontário, Canadá"Posso ver a unção de Deus sobre Eric e Leslie por meiode seu exemplo, seus livros e suas palavras. O desejo deles éque as pessoas busquem a vontade de Deus em cada área desuas vidas.Suas histórias são reais e inspirativas."Heather Morehouse, 17Kalamazoo, MI5 / 159
  6. 6. S u m á r i o(clique para ir ao capítulo)PrefácioIntrodução: O Que Pode Estar Acontecendo no CéuCapítulo 1: Aquela Palavra!Capítulo 2: Na Puberdade e Sem SaídaCapítulo 3: Aprendendo a Maneira do Mundo: a Maneira Mais DifícilCapítulo 4: Casa de Cartões ou Castelo?Capítulo 5: Pão no Terreiro?Capítulo 6: A fossa do Super BowlCapítulo 7: Deus é um Velhote?Capítulo 8: Sem Garota Numa Sexta-Feira à Noite?Capítulo 9: A Visão do TúnelCapítulo 10: Amor: Passageiro ou Eterno?Capítulo 11: A Chave Secreta do RomanceCapítulo 12: Mais do que FloresCapítulo 13: Os Cavaleiros de Armadura Brilhante RealmenteExistem?Capítulo 14: Luz, Câmera, Ação!6 / 159
  7. 7. AG R AD E C I M E N T O SUm agradecimento especial aRichard Runklespor tornar este projeto possível.A Mark Ludy, pela sua criatividade hilariante.E a Marlene Bagnullpor trabalhar paciente e diligentementeno reforço desta mensagem.Acima de tudo,agradecemos ao verdadeiro Autorpor tudo o que possa ser digno nestas páginas.A Ele seja a glória!7 / 159
  8. 8. PREFÁCIOConheci Eric e Leslie durante a primeira viagem deles àAustrália, em 1996. enquanto os entrevistava para umprograma de televisão. Fiquei rapidamente entusiasmado coma mensagem e o ministério desse casal. Sinto-me emocionadoao recomendar com grande alegria o novo livro de Eric e Lesliea qualquer pessoa que esteja buscando sabedoria divina naárea de relacionamentos, pois creio que a mensagem contidano Romance à Maneira de Deus indica uma mudança dedireção para os jovens de hoje.O livro que você está prestes a ler o encantará e oinspirará! Eric e Leslie enriquecem estas páginas com talento epersonalidade, com lances de jornadas pessoais e com umavisão clara de como semear sementes vivas nos corações.Romance à Maneira de Deus é uma mensagem deesperança. Para muitos jovens, famílias e líderes, a "esperança"tem sido enterrada nas cinzas de sonhos queimados. Porém,Eric e Leslie têm provado em suas vidas que não apenas existeuma maneira melhor de construir relacionamentos, mas queessa maneira já foi vivida com sucesso.Isso não é um apelo sentimental às pessoasemocionalmente vulneráveis. Estas páginas foram gravadascom a experiência pessoal, visão de oração, obediência à fé euma profunda busca da realidade. O resultado é um livro plenode uma sabedoria que nos ensina a repensar, a reconquistar ea vivificar a visão para um futuro santo e glorioso. O humor, oscasos, as ilustrações e a realidade do dia-a-dia trazem averdade a nossa compreensão.Eric e Leslie são cem por cento sinceros, absolutamentereais, genuínos na preocupação com a vida, sensíveis ao amordo Senhor e ricos em seus próprios relacionamentos aoexplorar o tesouro do caminho excelente de Deus.8 / 159
  9. 9. Esse material tem sido várias vezes apresentado em todosos Estados Unidos e na Austrália. O ensino tem sido testado eaprovado por jovens de diferentes formações. Não tenhoconhecimento de outras pessoas que tenham compartilhadotodas essas verdades de forma tão poderosa. Um casalexcepcional desenvolvendo um trabalho excepcional! E o desejode seus corações é que essa mensagem o atraia, o liberte e odirija a sua própria jornada para que você também tenha umamensagem para as nações.Não permita mais que o doloroso padrão do mundocontinue arruinando a sua vida. Sua mensagem singulartransformará a sua vida e semeará sementes de grandesatisfação e doce felicidade. Leia com o coração aberto. Leiacom confiança e esteja pronto para aplicar a verdade com umcompromisso real de fé. Leia e seja transformado!Chris FieldMelbourne, Victoria, AustráliaChris Field é um pastor australiano e uma personalidade da televisão. Eleapresenta dois programas semanais de TV, na cidade de Melbourne, Victoria- um programa de estudo bíblico. "Living Word" ("Palavra Viva") e um pro-grama de entrevista. "Melbourne Alive" ("Melbourne ao Vivo"). Chris temcinco filhos e uma filha e ministra, principalmente, sobre família, casamento,integridade pessoal e aplicação da Palavra.9 / 159
  10. 10. INTRODUÇÃO: O QUE PODE ESTAR ACONTECENDO NOCÉU- Eric -Todo o Céu estava em agitação! A hoste angelical estavana "ponta das asas" desde domingo à noite, esperando...observando... imaginando. Todos os olhos celestiais estavamfixos no entusiasmado Pai assentado em Seu trono, adornadoem todo o seu esplendor. Uma miríade de serafins iluminadosfitavam o Seu terno rosto, imaginando o momento em que Seuslábios finalmente profeririam as palavras tão esperadas.As horas passavam, e a expectativa crescia. Foi somentena segunda-feira, às sete e meia, que Ele. finalmente, chamouo arcanjo para o seu lado. Parecia que Ele estava rindo,enquanto sussurrava alguma coisa no ouvido de Miguel. O céualvoroçava-se de curiosidade.Com um sorriso exultante, o mensageiro do Reiposicionou-se perante a hoste celestial. Um audível"ssshhhhhh" ressoou entre a curiosa multidão. Cada serafim equerubim estava quieto, esperando... observando...imaginando.O radiante arcanjo comprimiu o lábio, tentando reprimir econtrolar a sua própria ansiedade. Depois de uma pausa, quepareceu durar um milênio, Miguel começou a falar com alegriaradiante e risos incontroláveis:- Meus amigos, sua voz ecoou pelos céus, o Pai diz que ÉCHEGADA A HORA!Trepidação de asas, sons de harpas, pés de anjosdançando sobre as ruas de ouro. É chegada a hora! Finalmentea hora chegou!!! E todo o Céu estava exuberante!10 / 159
  11. 11. O pipoqueiro chegou assim que começavam a abrir ascortinas. Todos os ansiosos serafins se acomodavam nosassentos. Enquanto o filme começava, o Pai, todo exultante,inclinou-Se e cutucou Miguel, dizendo:- Fui eu mesmo quem uniu esses dois. Miguel, rindodaquela afirmação tão conhecida, deu uns tapinhas amigáveisnas costas do seu Herói, o Grande Diretor dos EstúdiosUniversais.Então, todos vêem um rapaz surgindo naquela telagigante, totalmente despercebido ao fato de que bilhões deolhos estavam a observá-lo. Era uma sexta-feira chuvosa deabril. Ele permanecia à porta, do lado de fora. esperando...observando... imaginando. Em uma das mãos ele segurava umbuquê de rosas e na outra uma caixinha branca.Os acontecimentos a seguir deixariam todo o Céu naspontas dos pés. Cada ser angelical imaginava como ele faria.Como ele a surpreenderia? Qual seria a reação dela? Elaaceitaria? Apenas o Autor Todo-Poderoso sabia o queaconteceria e Ele sempre guardava o segredo a sete chaves.O auditório inquietou-se quando os vizinhos, aoretornarem para casa, curiosamente observavam o rapaz ali...na chuva... do lado de fora da grande casa azul.De repente, a cena mudou. Uma graciosa moça. em umasala iluminada por luz de velas, entrava em foco. Ela estavarodeada pela sua família, o que dava a impressão de ser ummomento muito simbólico. Depois de lhe terem dirigidopalavras doces, a mocinha foi convidada a sentar-se no sofá,com os olhos fechados. Fora-lhe dito que o presente, que eleslhe desejavam dar há tanto tempo, estava do lado de fora e queeles iriam buscá-loA família se afastou, deixando sua jóia preciosa. Os olhosda mocinha estavam fechados e apertados em expectativa. Logoque a família saiu pela porta dos fundos, ouviu-se uma lindamúsica. Era uma música que ela apreciava - que lhe trazialágrimas aos olhos.11 / 159
  12. 12. Novamente a cena da noite chuvosa com o rapazsegurando o buquê de rosas apareceu na tela, dessa vez,entretanto, a porta estava aberta. A família da mocinha passousilenciosamente pela porta e compartilhou um breve momentode sorrisos calorosos com o jovem de cabelos encaracolados.Então, silenciosamente, o jovem entrou.A porta se fechou atrás dele. Um corredor escuro,iluminado apenas pela luz dos seus sonhos, o recebeu. Aquelamelodia enchia os seus ouvidos e tocava o seu coração,enquanto ele se dirigia para a sala. nas pontas dos pés. Eleestava a alguns segundos do momento que havia esperado portoda a sua vida.A mocinha, com a face rosada, apareceu na tela. Dessavez o foco estava nas lágrimas que escorriam pelo seu rostodelicado e suave. Aquela música trazia lembranças de umjovem à sua mente. Pensar que seu príncipe de armadurabrilhante estava a milhares de milhas distante era comoalfinetadas em seu coração.- Um dia ele virá. ela assegurava a si mesma, eleprometeu que voltaria.Sem que ela percebesse, o jovem entrou na sala. Ele aobservava em toda a sua beleza, enquanto lágrimascontinuavam a escorrer pela sua face.- Leslie. ele sussurrou, tentando conter-se.A preciosa princesa levantou a cabeça espantada. Atravésda cortina de lágrimas, ela viu a imagem do seu príncipe. Comose fosse um sonho, ela o fitava vindo ao seu encontro eajoelhando-se aos seus pés. Com lágrimas nos olhos, elegentilmente confessou a sua adoração e o seu amor por ela. Elea presenteou com as rosas e com uma caixinha branca. E asurpreendeu com um pedido de casamento.- Minha Leslie. sua voz rouca sussurrava, você quer secasar comigo?12 / 159
  13. 13. Enquanto dizia essas palavras, ele olhava fixamente nosolhos dela. A música de fundo crescia com intensidade egrande comoção.Os olhos dela brilhavam, suas bochechas enrubesciamcom entusiasmo. Ela não conseguia falar. De repente, a músicachegou ao seu clímax, e ela disse "Sim".Os céus explodiram de emoção. Alguns anjos secumprimentavam, enquanto outros passavam a caixa de lençode papel.- Ele conseguiu, um ser angelical gritava.Um coral de vozes cantava o "Aleluia" na versão hip-hop.Enquanto as cortinas se fechavam, todos se dirigiam aotrono para parabenizar o Diretor. Miguel apressou-setriunfantemente para o lado do Rei, enquanto a congregação decríticos de cinema rodeava o trono. O Rei inclinou-Se esussurrou ao ouvido de seu querido arcanjo:- Com a experiência que eu tenho em escrever textos,pense em alguns outros casais e me dê mais oportunidadescomo essa.Miguel sorriu e virou-se para falar à multidão:- Eu sei que vocês devem estar se perguntando porquehoje em dia é tão raro assistir a cenas como essas pelo telão.Depois de uma pausa, elevou mais a sua voz: -A razão émuito simples, não temos mais histórias românticas de boaqualidade que sejam puras o suficiente para serem produzidase exibidas aqui!Os céus responderam àquelas palavras com risos. EMiguel continuou:- Mas parece que as coisas lá embaixo estão mudando.O ajuntamento celestial olhava para Miguel cominterrogações nos olhos. Seria verdade? Será que existiriamhistórias de amor que fossem puras entre as pessoas láembaixo?13 / 159
  14. 14. - Sim, meus amigos, disse Miguel, é verdade! Nossoglorioso Criador está escrevendo o enredo para milhares depessoas que tenham as mais puras histórias de amor. Ele estáapenas esperando que os jovens casais aceitem os papéis depersonagens principais!Os anjos se entreolhavam com uma expectativa jubilosa.- Tudo o que precisamos é levar uma mensagem muitoimportante para os filhos que estão lá embaixo na terra. Naverdade, essa mensagem é tão importante que os dois jovensque acabaram de aparecer no filme estão escrevendo um livro.Se os jovens lá da terra entenderem essa mensagem, elespermitirão que o Diretor Mestre escreva suas histórias deamor. Então, meus amigos, teremos a grande possibilidade degastar nossos gloriosos anos assistindo a produções como essaque acabamos de ver hoje!- Qual é a mensagem? perguntou a multidão celestial.- É simples, respondeu Miguel. Tudo o que eles precisamsaber é que o Criador do Universo... ADORA ROMANCES!Uma agitação de asas surgiu da incontável multidãoentusiasmada. Miguel finalizou com um desfecho inspirativo:- Vamos a nossa missão! Levemos essa mensagem aosfilhos da terra. O mundo nunca mais será o mesmo assim queeles entenderem a essência do Romance à Maneira de Deus.♥ ♥ ♥E, querido leitor, nunca se soube como este livro foi cairem suas mãos. Pode ter sido simplesmente o trabalho de algumbravo mensageiro do Céu entregando-o diretamente do próprioPai a você. Por quê? Porque talvez Ele deseja que você saibaque... Ele está escrevendo um romance só para você nesteexato momento!14 / 159
  15. 15. CAPÍTULO 1: AQUELA PALAVRA!- Eric –Eu me lembro do dia fatal em que minha mãe proferiuaquela palavra pela primeira vez. Aquilo chegou aos meusouvidos como um carrapicho na meia e cheirou mal como umatorrada queimando na cozinha. Eu nunca mais seria o mesmo.Como pude ser exposto de tal forma àquela palavra?Eu estava bem na minha quando, de repente, percebi queo nariz de minha mãe se aproximava do meu rosto como se elafosse um cientista maluco analisando pelo microscópio umaameba amassada. Eu, sentindo-me um tanto desconfortável,tentava desviar-me. mas o nariz persistia - aproximando-secada vez mais perto... e mais perto... e mais perto. Até quefinalmente:- Ah!Minha mãe vencera! Ela descobrira a verdade escondida...um pontinho amarelado! Mas a pior parte estava por vir. Foi apalavra que ela disse que provocou mal-estar e embaraço.- Eric, parece que você está na...E foi bem aí que ela falou aquela palavra!Pouco tempo depois, fui novamente exposto àquelaterrível e abominável palavra. Outra vez ela saiu dos lábiosinocentes e confiantes de minha própria mãe. Dessa vez,aconteceu na cozinha. Eu não sabia do perigo iminente,enquanto fuçava, matava a sede e a fome em um de meuscômodos preferidos da casa. Era lá onde eu encontrava algumrefrigério. Era naquele exato lugar onde eu encontrava paz,alegria e satisfação. Mas também foi lá onde eu me vi face aface com aquela palavra!- Mãe, me dá um copo de leite?15 / 159
  16. 16. Enquanto dizia aquilo, minha voz falhou como umataquara rachada. Foi como se um enorme ovo tivesse sidoquebrado bem em minha cara. Minha mãe riu e disse:- Que bonitinho! Eric. você está passando pela... E outravez. tão claro como o dia, tão mal cheiroso quanto um gambá-aquela palavra.É muito triste ter de dizer isto: eu, Eric, não sou o únicoque foi amaldiçoado por essa terrível palavra. Essa palavra temuma reputação! Na realidade, é algo centenário! Sabemos queela fez com que os criminosos mais durões ficassem corados devergonha. Muitas mães já experimentaram grande desgosto, epais se esconderam devido ao seu simples pronunciamento. Eela não afetou apenas a plebe. A história nos revela que eladerrotou até mesmo o cavaleiro mais corajoso e a princesamais digna. Na verdade, essa palavra maluca é conhecida porter fraquejado os joelhos do zagueiro mais durão e por teramolecido como gelatina o coração do mais bravo oficial damarinha.Aquele dia fatal na cozinha não seria a última vez que euteria uma colisão frontal com aquela palavra. Não passoumuito tempo para que as espinhas começassem a brotar emmeu rosto como os cactos do nosso jardim e uns odoresestranhos começassem a exalar de minhas cuecas anunciandoem "claro e alto som" que Eric estava embarcando em umperíodo de sua vida chamado... AQUELA PALAVRA!Logo depois, todo o caos culminou com um enormemassacre da dignidade de minha infância, quando meu pai mechamou para termos "A conversa". "A conversa" baseou-senaquela palavra. Tudo o que era mais desagradável, tudo o queera estranho, tudo o que era gorduroso era culpa daquelapalavra!Uma noite meu pai me convidou para acompanhá-lo emuma volta pela cidade. Não havia nenhuma razão emparticular, apenas um passeio inocente pela cidade. Foi umaconspiração! Eu devia ter pressentido no ar, mas estava muitodistraído para perceber. Entramos em nosso carro amarelo cor16 / 159
  17. 17. de banana (uma linda lembrança dos meus tempos de criança)e nos dirigimos para a rua para um... estacionamento! Meu paisabia o ambiente perfeito para fazer com que seu filho sesentisse confortável. Com a justificativa de conversar sobreestratégias de futebol (meu pai era o meu técnico, e nósteríamos um jogo na manhã seguinte), ele começou a falar:- Então. hum. Eric... ah. acho que você poderia me ajudara planejar a posição do time para o jogo de amanhã contra osBlazers. o que acha? Ele perguntou com um constrangimentoque encheu todo o nosso carro amarelo cor de banana.Concordei, e papai prosseguiu - procurando por umafolha de papel que tirava de sua maleta. Eu podia sentir queuma granada estava para explodir.- Bom. porque não colocamos o Luck aqui. à direita, etalvez o Johnny no meio do campo, à esquerda e...uh... Eleparou.De repente, o silêncio pairou no carro como o vento geladode inverno atravessa a camiseta. Passados alguns segundos,com a coragem de um novilho que sabe que está indo para omatadouro, ele continuou:- Éééééé que. bem... ele murmurou.- Hã! hã!... pigarreou e continuou, falando nisso. Eric.tem uma coisa que quero falar com você.A granada havia sido lançada, e eu era o alvo.Nunca me esquecerei daquela noite no estacionamento.Passei, praticamente, toda a noite fitando o chão do carroamarelo cor de banana, com as bochechas enrubescidas e comos ouvidos transbordando com aquela palavra. Naquelamonotonia, a única coisa que eu disse durante toda a noite foi"u-hum". Era como se fossem dois terríveis pesadelos em umsó: beijar o meu irmão na boca e ir para a escola sem roupa.Mas se para mim era difícil, imagine para o meu pai. pois elefoi a pessoa que. de fato. falou aquela palavra!17 / 159
  18. 18. Se eu pudesse, nunca mais pensaria naquela palavra, oua ouviria, ou a pronunciaria novamente. Mas acontece que umcrime imperdoável ocorreu em nossa sociedade, e o culpadoprecisa ser claramente identificado. É isso mesmo - aquelapalavra é a suspeita principal. Essa não é uma acusaçãotrivial. Esse foi um crime capital merecedor de uma puniçãoque "coloque todos os pingos nos is" até que haja ocumprimento total da lei.Existe alguma coisa em nossa sociedade que temtorturado as mentes dos jovens, atormentando-os cominsegurança e ameaçando-os com constrangimento. Esteindivíduo, digno de condenação, é conhecido por desorientargerações inteiras de jovens da verdadeira beleza de se tornarum adulto, jogando-os em um dilema causado pelas palavrasengraçadas e por falsas interpretações. Eu experimentei, porconta própria, lidar dignamente com esse indivíduo e fazerjustiça sem delongas. Neste momento, quero apresentar-lhesos maiores suspeitos, um dos quais é aquela palavra:1) alcachofras2) hora de dormir3) lição de casa4) fígado com cebolas5) e... é... pu... pubahh...puberdade!Agora, é óbvio para todos que cada uma dessas coisas éuma tremenda ameaça para os jovens, mas existe uma quesobrepuja as demais. Uma palavra que faz com que as outrassejam "fichinha". E! Você está absolutamente certo! É aquelapalavra1. É aquela palavra que faz nascer espinhas na sua cara.mas que não lhe explica como se livrar delas. É aquela palavraque o transforma de um menininho bonitinho em um quatroolhos desengonçado e otário com cabelo seboso, sem, aomenos, ter a polidez de enviar um cartão de "melhore logo".18 / 159
  19. 19. Aquela palavra é a única responsável por nos confundir acabeça com todas essas palavras engraçadas.Eu me lembro de olhar para o fundo da classe e ver CindyMcFarlane (este não é o seu nome verdadeiro). "O que é aquilo?"Minha mente questionou em agitação. Uma outra parte de mimrespondeu sarcasticamente: "Aquilo é uma garota, esperto!" Eusabia que Cindy era uma garota, mas tinha certeza de quealguma coisa havia mudado. Até então, eu estava condicionadoa reagir comum "credo!" Mas. subitamente, o "credo!" nãocoincidia com os sentimentos em meu interior. Talvez um"uaaauuu ". mas nunca um "credo!"Eu estava mudando. Meu rosto estava ficando cabeludocomo uma casca de pêssego. Minha voz estava falhando.Coisas estranhas estavam acontecendo comigo, e eu me sentiadeslocado dos outros. Sentia-me como um pingo de sorvetederretendo na calçada. Meu pai "havia me ajudado" acompreender as mudanças físicas durante "A conversa", mashavia algumas outras coisinhas acontecendo também. Eramcoisas internas. Desejos dentro de mim que eu nunca haviasentido antes.A palavra maluca, puberdade. ecoava por todos os lados eparecia gritar para mim: Ei. você. seu otário. João Ninguém empuberdade. apenas se olhe no espelho! Você acha que alguémpoderia amá-lo do jeito que você é?Até então, eu nunca havia questionado se os outros meachavam atraente ou não. ou se eu era uma pessoa quepudesse despertar o amor de uma garota. Mas. subitamente,eu só conseguia pensar naquilo: Puberdade! Puberdade!Puberdade! Você está na puberdade! Aquela palavra inundava aminha mente. Imagens de Cindy McFarlane despontavam emminha mente, enquanto eu sussurrava: "Desiste, seudesengonçado de boca metálica!"Dentro de mim estavam acontecendo coisas que "Aconversa" daquela noite no estacionamento não me haviapreparado. De repente, eu sentia o desejo de ser atraente.19 / 159
  20. 20. Durante os últimos doze anos. eu não me importava se o meucabelo estava arrepiado, se a minha camiseta estavaamarrotada ou se havia molho de pizza no meu queixo... Agora,surgindo repentinamente do nada. eu sentia que precisava seratraente.Talvez a Cindy até olhe para mim hoje! Eu advertia a mimmesmo ao acordar uma hora mais cedo do que o normal parame aprontar para ir à escola.Comecei a ficar horas e horas escolhendo o traje certo,passando esfoliante na cara para ver se me livrava daquelasespinhas obscenas e, é claro, cuidando do item número 1 dohorário de minha agenda matutina: o penteado. Desenvolvi umestilo de penteado que era embelezado e ornamentado àperfeição. Eu precisava estar cem por cento. Se um fiozinho decabelo estivesse fora do lugar, isso era suficiente para que eulargasse o café da manhã para colocá-lo no lugar.Comecei a estudar revistas que tivessem homens do tipo"machão". Lembro-me de quando folheava uma revista e medeparei com o Arnold Schwarzenegger sem camisa. Penseicomigo mesmo: Uau! Então é assim que devo parecer?Imediatamente fui para o banheiro e tirei a camiseta.Olhei para o espelho com um sorriso a La Clint Eastwood,curvei os braços e os flexionei como o Schwarzenegger narevista. "Puf!" Uma pelotinha de músculo apareceu em meubraço e "Puft!" Sumiu. Foi naquele momento que enxergueipela primeira vez "O magrela".Meu desejo de ser atraente levou-me, uma manhã, antesde ir para a escola, ao estojo de maquiagem de minha mãe.Minhas espinhas estavam se multiplicando em meu rosto comouma ninhada de coelhos, e eu não conseguia descobrir o quefazer. Encontrei, entre os vários produtos, uma coisa chamada"base" e, em frente do espelho, tapei, cuidadosamente, cada umdos pontinhos de espinha.Maquiagem: esta era uma outra coisa não abordada pelomeu pai naquele bate-papo que tivemos no carro amarelo corde banana. Eu não tinha a mínima idéia de que existiam20 / 159
  21. 21. diferentes tipos de tonalidades de maquiagem e de que énecessário certificar-se de que o tom combine com a cor dapele. Quero dizer, como é que eu deveria saber tudo isso?Bom. aprendi rapidamente aquela lição logo que entrei novestiário masculino naquela tarde. Um cara superlegal, quepassou por mim e percebeu que eu não havia combinado o tomda base com a minha cor morena, teve a bondade de,graciosamente, anunciar bem alto para todo o vestiário ouvir:- Você tá usando maquiagem!Imediatamente gaguejei um "não", mas ele insistia, nocaso de alguém não ter escutado:- O Eric tá usando maquiagem!Tenho de admitir e dizer que, embora eu desejasse muitoser atraente, eu estava pronto para nunca mais usarmaquiagem, mesmo que corresse o risco de deixar que minhasespinhas arruinassem minha vida.Outra nítida mudança que estava acontecendo dentro demim era um súbito desejo de compartilhar minha vida comCindy McFarlane. Era a coisa mais estranha, mas eu desejavaconhecê-la. E eu queria que ela me conhecesse também! Aqueledesejo continuou a crescer... e crescer... e crescer.No início, eu apenas desejava conhecer a sua corpreferida do arco-íris, mas, com o passar das semanas e dosmeses e com o aprofundamento daquele desejo, almejei nadamenos do que saber qual seria a sensação de ter os lábios deCindy contra os meus.Lembro-me claramente de ter assistido a filmes quandomais novo (este foi o meu primeiro grande erro) e ver odesenrolar de uma história de amor. Rapaz conhece garota.Rapaz convida garota para sair. Rapaz se aproxima. Rapazmove os lábios. E rapaz dá um beijo certeiro nos lábiosvermelhos da garota. Tudo tão fácil, tão tranqüilo, tãoharmonioso (e tão melado). Sentei-me para observar aquele21 / 159
  22. 22. prodígio e estudei detalhadamente como eles posicionavam oslábios, como movimentavam as cabeças e, até mesmo, ondecolocavam as mãos.Aquele negócio era uma arte, e eu era absolutamente umzero à esquerda naquele assunto. Eu estava intrigado comaqueles dois pombinhos que haviam aprendido a beijar tãobem. Eu estava convencido de que devia existir uma escolasecreta de beijo que todo o mundo conhecia, menos eu. Então,se eles não estavam dispostos a me convidar para fazer parte,decidi que eu mesmo iria iniciar o meu aprendizado.Estarrecido, deitei-me em minha cama e me aconchegueidebaixo do meu cobertor. Mas não conseguia dormir. Minhamente continuava ligada a Cindy McFarlane! Imaginei seuslábios e tentei beijá-los, mas aquilo não era real. Então, virei delado, agarrei outro travesseiro e o trouxe para perto de mim.Movi meus lábios e "chwmack", meu travesseiro recebeu o beijoque intencionei dar na adorável face de Cindy.E, é verdade, confesso que eu era um beijador detravesseiro! Aquele desejo interno estava crescendo, e eu nãotinha uma "cobaia" humana. Conseqüentemente, meutravesseiro tornou-se a minha única opção.Aquela palavra - aquela inútil palavra maluca - havia metransformado em um quatro olhos, boca metálica, cabeloseboso, cara maquiada, adorador de Cindy. beijador detravesseiro e magrela imitador de Schwarzenegger.Foi aí que percebi que, se um dia eu viesse a escrever umlivro sobre romance, seria melhor que eu começasse a fazeralguma coisa rapidamente.22 / 159
  23. 23. CAPÍTULO 2: NA PUBERDADE E SEM SAÍDA- Eric –Talvez muitos dos que estão lendo este livro tenham seidentificado com alguma coisa do capítulo anterior - seja com"aquela palavra", ou com "A conversa", ou com CindyMcFarlane na cabeça, ou mesmo com o fato de que os únicosbeijos que você já deu tenham sido na sua mãe, na sua avó eno seu travesseiro. Bom, pelo menos agora você sabe que existemais alguém neste mundo que já passou pelos mesmosproblemas! Se algum dia você precisar de um ombro amigo,não hesite em me ligar.Ohhhh! Estou na puberdade! Nããooo! Isso não soa comoum filme de ficção científica em que um horrível monstrogigante engole um pobre soldado espacial? Para alguns de nós,esse sentimento pode soar bem familiar. Quando chegamos aosonze, doze ou treze anos. de repente, este monstrengo de caraespinhuda. chamado Puberdade. surge de debaixo de nossascamas, no meio da noite, e nos agarra. Uma vez que nos pega,não há escapatória!Não sei se você já sentiu isso ao experimentar os efeitos"adoráveis" daquela palavra. Eu, com certeza, já senti. Chegueia sentir, até mesmo, vergonha daquilo que estava acontecendocom o meu próprio corpo. Eu me sentia mal pelo que estavaacontecendo no meu exterior, mas eram as transformaçõesdentro de mim que faziam com que eu me sentisse miserável econfuso. Eu desejava compartilhar minha vida com CindyMcFarlane. Desejava uma companhia em minha vida. Queriaamar alguém e ser correspondido. E aquele estranho desejonão desapareceu com o tempo. Pelo contrário, era um desejoque crescia.Com o passar dos anos. continuou crescendo... ecrescendo... e crescendo. Quando completei dezesseis anos.23 / 159
  24. 24. pensei seriamente que explodiria e que haveria um monte depedacinhos de Eric Ludy espalhados por todas as paredes.Eu tinha aquele desejo e queria que fosse realizado! Mashavia um enorme empecilho. Havia uma barreira gigante entremim e meu apaixonado caso de amor com Cindy McFarlane -DEUS! Ali estava Ele. bem no meio do caminho! Eu costumavavê-Lo como o "Sem Graça". Poderia ter feito o que fosse, mas o"Sem Graça" estava sempre ali para berrar um "É proibido!"Você já pensou em Deus como um velho de cara fechada ecabelos grisalhos que fica no céu e cujas frases prediletas são:"Ah! Peguei você no pulo! Mais um movimento e você seráexterminado com um raio de luz!"?Por alguma razão, quando somos jovens, temos umatendência de associar Deus com qualquer coisa que sejaextremamente séria e com todas as coisas que sejamentediantes e previsíveis. Não há divertimento no Reino de Deus,Eric Ludy! Minha consciência me repreendia toda vez que euparticipava da classe de Escola Dominical.Comparo isso com o "princípio da nutrição". Se eupudesse mencionar todos os tipos de alimentos deliciosos,como bolo de chocolate, sorvete, sucrilhos açucarados, o quevocê logo me diria sobre os seus valores nutricionais? Sim. vocêacertou! Por serem saborosos, podemos automaticamentepresumir que não fazem bem para o nosso corpo. E se eutivesse mencionado alimentos mais leves e sem sabor comobrócolis. couve-flor e broto de feijão? O que você diria sobreseus valores nutricionais0É. você acertou novamente! Pelo fatode serem sem graça e sem gosto, podemos concluirseguramente que devem ser bons para a nossa saúde.O "princípio da nutrição" indica que aquilo que é saborosoe agradável é prejudicial e o que é leve e sem graça é benéfico.Durante os anos de puberdade, somos despertados pelodesejo de apreciar o sexo oposto. MAS. simplesmente, sentimosDeus falando ao nosso ouvido:- Você já leu o livro de Levítico hoje?24 / 159
  25. 25. Deus e a nossa sexualidade são como óleo e água - não semisturam. Por quê? Porque Deus é enfadonho e qualquer coisaassociada à área de nossa sexualidade é estimulante.Podemos imaginar Deus criando o ser humano. Podemosvê-Lo formando a cabeça, moldando os braços e pernas, pode-mos até mesmo imaginá-Lo cavando o umbigo. Mas nunca,NUNCA conseguimos imaginá-Lo todo orgulhoso por ter sido ocriador daquelas (hum...) partes que,. você sabe (cof, cof). ficamno meio do corpo. E como se imaginássemos isto: ao criarAdão, Deus se esqueceu das falhas e disse que "tudo era bom".Mas, ao perceber o erro, Ele simplesmente grudou uma folhade figueira "nas partes" para cobrir o defeito.Que pensamento mais distorcido! Precisamos entenderque a puberdade é. sem duvida nenhuma, obra de Deus! Ele éo criador da puberdade. Talvez eu deva dizer que Ele é ocriador deste período de nossas vidas. Não consigo imaginarDeus usando aquela palavra para descrever qualquer coisa queseja! Entretanto, todas estas coisas estranhas que estãoacontecendo em nosso corpo durante este período sãoresultado de Sua inteligência e engenhosidade. A coisa maischocante é a novidade sobre aquele desejo interno crescente,pronto para entrar em erupção, de compartilhar nossas vidascom alguém do sexo oposto. Foi Deus quem colocou isso emnós! É proposital, e eu não estou brincando!Deus não vê os nossos "anos de puberdade" como umperíodo de constrangimento devido a nossa boca metálica. Suavisão é completamente diferente! Na realidade, se Deus tivesseum nome para esse período, certamente seria algo bonito enobre. Vocês percebem. Deus quer que compreendamos tudoisso durante esse período de nossas vidas. Ele está nosmoldando em homens e nos esculpindo. Moças, este e umperíodo de suas vidas em que vocês estão sendo transformadasem princesas e em rosas perfumadas.Isso não soa romântico? Assim como um fazendeiroplanta na primavera para colher no outono. Deus plantasementes da masculinidade e feminilidade em nós25 / 159
  26. 26. (respectivamente) durante esse período para que, com o passardos anos, possamos dar frutos de uma fase adulta madura.♥ ♥ ♥Se alguns de vocês estão se perguntando quando é quecomeçaremos a falar sobre romance, então, a hora chegou!Toda aquela conversa sobre aquela palavra aconteceu paracompreendermos que o que tem acontecido dentro de nós,inclusive aquele desejo crescente por uma companhia quecomeça a agitar, a cutucar e a bater com o passar dos anos, éuma obra milagrosa de Deus. Mas muitos de nós nuncapercebemos que foi Deus quem colocou em nosso interior odesejo de amar e ser amado. Como resultado, não O buscamospara descobrir o que Ele deseja que façamos.Acredite ou não, Deus tem uma maneira de lidar com essedesejo crescente. É uma maneira que talvez você nunca tenhaimaginado antes - uma maneira que, ao contrário do "princípioda nutrição", está repleta de uma beleza surpreendente, alegriaindescritível e incomparável romance. O inimigo temtrabalhado incansavelmente para nos desviar dessa maneira,porque ele sabe que o destino que Deus tem para as nossasvidas será desvendado para nós.Você verá que essa maneira que eu e Lesliecompartilhamos com você é surpreendentemente simples eprofundamente desafiante. Você descobrirá porque o inimigotem tentado nos confundir tanto para nos desviarmos doRomance à Maneira de Deus. A versão de Deus para o romancefaz com que a versão do mundo pareça uma vela de jantarjogada no latão de lixo. O Romance à Maneira de Deus nosdesafia e nos traz muito mais satisfação!A maioria das pessoas pensa que a maneira de Deusencontrar um companheiro para nós seja a maneira do mundomais uma lista inteira de "é proibido..." Mas a maneira de Deusé completamente diferente e excepcional em sua beleza e nãopode ser comparada com a maneira do mundo.26 / 159
  27. 27. Isso será muito mais do que uma jornada para descobriruma maneira melhor de abordar o romance. Esperamos queseja um encontro com a pessoa de Deus! Sendo Deus oinventor do romance, não podemos ignorá-Lo em nossa busca.Ele sabe melhor do que qualquer um de nós a razão pela qualEle mesmo colocou esse ímã intrínseco dentro de nós que nosatrai ao sexo oposto.Antes que você continue a leitura, eu o desafio a seperguntar: Estou disposto a ser transformado por Deus? Sabe,se você estiver disposto. Deus está pronto e desejoso paraatuar. Permita que Ele corrija o seu conceito sobre apuberdade. Permita que Ele lhe mostre a Sua verdadeiranatureza. E. acima de tudo, permita que Ele tenha o controleda sua vida e que o modele a Sua imagem.A primeira e mais importante pergunta que devemos fazeré: Qual a diferença entre a maneira do mundo e a maneira deDeus?27 / 159
  28. 28. CAPÍTULO 3: APRENDENDO A MANEIRA DO MUNDO: AMANEIRA MAIS DIFÍCIL- Leslie -Nunca vou me esquecer da primeira vez que o vi. Eleolhou para mim da frente da classe, e os seus olhos azul-escu-ros ganharam a minha atenção. Seus belos traços e seuscabelos dourados eram irresistíveis. Ele era alto(aproximadamente 1,57m), esportista, popular... tudo o que eupoderia sonhar. Sim, a partir daquele dia eu sabia que haviaencontrado o homem dos meus sonhos!É claro que, quando você é uma garota de treze anos eestá na oitava série, bem na aula de computação da SenhoraJohnson, você enxerga o mundo com olhos que pensam sabertudo, principalmente sobre amor e romance. Quero dizer, ocara era maravilhoso e popular! O que mais era preciso?Por quase treze longos anos - está bem, talvez uns trêsanos, eu estivera esperando pela maravilhosa e extraordináriaexperiência chamada "namoro". Eu estava mordendo a isca,prontinha para entrar em cena. Naquele dia inesquecível,quando o vi pela primeira vez, eu sabia que não poderiaesperar mais. Simplesmente, eu precisava ter um namorado equeria que fosse ele.Por várias semanas fiquei sonhando com Johnny (estenão é o seu nome verdadeiro). Subitamente, a computaçãotornou-se a minha matéria favorita Duvido que eu tenhaaprendido mais do que ligar o computador, mas gastava temposuficiente estudando os olhos, os lábios e a personalidade deJohnny. Perguntava-me se algum dia ele viria conversarcomigo. Eu já havia percebido que ele olhava em minha direçãoalgumas vezes, sempre lançando um de seus sorrisosarrebatadores, mas nunca nos havíamos aproximado osuficiente para termos um diálogo.28 / 159
  29. 29. Meu dia de sorte chegou quando a Sra Johnson nos colo-cou juntos para fazermos aula de laboratório. Johnny mostrou-se tão satisfeito com aquilo quanto eu, e não demorou muitopara começarmos a tagarelar e rir como se fôssemos amigos delonga data. Ele possuía uma personalidade que combinava coma sua aparência. Eu ansiava por estar cada vez mais próximadele a cada dia.- O que é que está rolando entre você e o Johnny? Era apergunta que minhas amigas me faziam nos corredores.Eu dava uma risadinha e contava tudo o que ele me dizia.Falava sobre as cinco vezes que ele sorria para mim em apenasuma hora! E perguntava-lhes com um sorriso confiante.- Tudo isso deve significar alguma coisa, vocês nãoacham? E elas me asseguravam:- Até o fim da semana ele vai te convidar pra sair, comcerteza! Eu estava ganhando rapidamente atenção epopularidadecom aquela amizade com Johnny. E eu curtia muito tudoaquilo.Finalmente, o dia chegou! Por intermédio de um de seusamigos "escudeiros", ele me convidou para sair. Fiqueieletrizada! Eu nem sabia o que dizer.Preciso dar uma explicação àqueles que ainda nãochegaram a viver o melodrama da oitava série: "sair" nãosignifica que o cara a está pedindo em namoro (a maioria denós não podia namorar oficialmente), mas que ele deseja quevocê seja a "sua garota". Isso significa dar as mãos no corredorda escola, falar horas e horas pelo telefone e fazer questão deque todos os seus amigos sempre se refiram a vocês comosendo um casal. Aos treze anos, "sair" a promove da condiçãode uma "menininha" à de "adulta-madura-em-sério-relacionamento".Nós nos considerávamos um tanto "modernas". Todas nósvivíamos em nossa própria novelinha de oitava série, o nossomundo era construído ao redor de cada "relacionamento".29 / 159
  30. 30. Então, quando Johnny me convidou para sair. eu haviafinalmente, aterrissado nesse mundo e estava adorando cadaminuto dessa nova vida!No princípio, sair com o "homem dos meus sonhos" eraalgo sensacional. Talvez eu tenha sido bem avoada na oitavasérie, mas eu tinha sólidos padrões de moral. E Johnny, alémde lindo e popular, também tinha sólidos padrões de namoro.Algumas de minhas colegas já estavam se envolvendo comcaras e trocando de namorado como quem troca de roupa. É,eu sei que estamos falando de garotas de treze anos, mas é atriste verdade! Elas estavam começando a experimentar drogase álcool, e muitas delas tinham notas muito baixas no boletim.Eu fora educada em um lar cristão e sabia distinguir o certo doerrado, por isso tentava evitar amizades com tais tipos depessoas.As amigas com quem eu andava tinham uma tendênciapara mentir, enganar, fofocar e falar palavrões, mas não erammás e isso aliviava a minha consciência. E, embora Johnnyfosse popular e bonito, ele não me pressionava a transar comele. Eu tinha certeza de que havia encontrado o melhor dosdois mundos.Eu e Johnny nos mantivemos como "um casal" durante orestante do ano escolar. Começamos a passar cada vez maistempo juntos. Toda vez que falávamos pelo telefone,gastávamos, pelo menos, uma ou duas horas. Ele satisfaziaminhas necessidades de sentir-me apreciada e amada. É claroque eu tinha certeza de que meus pais me amavam, mas o meurelacionamento com Johnny era totalmente diferente. Narealidade, isso significava que uma pessoa popular e atraentedo sexo oposto estava escolhendo ter um relacionamentocomigo! Eu compartilhava meus pensamentos, sonhos eemoções com ele, e ele me escutava e me entendia. Seus elogiose sua apreciação permitiam que eu passasse por um períodoque, caso contrário, seria de muita solidão e insegurança.- Eu te amo.30 / 159
  31. 31. Ele me dizia apaixonadamente todos os dias. Tenho deadmitir que, no começo, achava muito estranho aceitar o"amor" de um cara de apenas quatorze anos que haviaalcançado altura suficiente para andar na montanha russa doSix Flags *há apenas um ano. Mas eu simplesmente percebique aquelas palavras era o que todos os namorados diziam umpara o outro, então, depois de alguns meses, acabei meacostumando e comecei a acreditar nelas.Por estarmos ligados emocionalmente um ao outro,começamos a sentir a necessidade de expressar o nosso "amor"por meio de outras formas além das palavras. Eu havia feitoum voto de abstinência sexual até o casamento e não tinhanenhuma intenção de quebrá-lo, mas sinto ter de reconhecerque eu e Johnny começamos a desenvolver coisas na áreafísica que nunca pensei que pudesse acontecer.Cada vez que eu o escutava dizer "eu te amo" e cada vezque compartilhava um pedaço do meu coração com ele, aminha decisão quanto à área física fraquejava. Eu estava muitodependente do afeto de Johnny. Nunca "fomos até o fim", masfomos muito mais além do que o recomendado. E cada vez quenos tocávamos, um pedaço maior de mim era dado a ele.Ao olhar para trás, me arrepio só de me lembrar daqueletempo. Como pude dar algo tão sagrado para um garoto dequatorze anos que apenas desejava satisfazer as suasnecessidades e desejos? Que desperdício! Talvez nos tenhamosconsiderado "adultos-maduros-em-um-relacionamento-sério",mas na realidade não tínhamos a mínima idéia de que o queestávamos fazendo nos afetaria pelo resto de nossas vidas.Nosso relacionamento durou mais ou menos dez meses.Todas as minhas amigas admiravam o nosso "compromisso" emaravilhavam-se com o longo período em que estávamosjuntos. Ter Johnny em minha vida me trazia muita segurança,e nunca considerei terminar o relacionamento com ele. Osimples fato de ter um namorado fazia com que eu me sentisse*Six Flags é um parque nos USA muito conhecido pela grande variedade equantidade de montanhas russas. (N. da T.)31 / 159
  32. 32. valorizada. Mas, ao passar do ginásio para o colegial, comecei anotar que aquele era o momento da minha vida para entrarcom tudo no "mundo do namoro". Havia muitos outros rapazesao meu redor, e eu comecei a me perguntar como seriacomeçar a namorar outra pessoa. Finalmente, Johnny e eupercebemos que era hora de cada um de nós prosseguir no seupróprio caminho.Não imaginei que seria tão difícil terminar com Johnny.Afinal de contas, nunca o levei muito a sério - quero dizer,nunca planejei me casar com ele ou coisa parecida. Agora queeu estava no colegial, havia, pelo menos, centenas de outrosrapazes com quem poderia sair e que eram tão atraentes elegais como Johnny. Mas não foi tão simples assim. Na noiteem que terminamos oficialmente pelo telefone, uma onda decomoção inundou minhas emoções. Talvez pudéssemos terconsiderado aquilo como um divórcio! Entretanto, eu nãoesperava que o término causasse tanta desordem interior.- É o fim da minha vida. Soluçava histericamente aojogar-me sobre a cama.Chorei até que todas as lágrimas acabassem. Fiqueiarrasada emocionalmente e não comi nem dormi direitodurante dias. Estava confusa e ferida e não conseguiacompreender a razão daquela experiência estar sendo tãotraumática.Ao olhar para trás, enxergo o que não conseguia enxergarantes. Durante meses me senti emocionalmente seguranaquele relacionamento com "meu-namorado-ideal-da-oitava-série". Embora eu não tenha me entregado a ele completamentena área física, na área emocional entreguei-me totalmente semter percebido. Depositei nele a minha segurança e o meuconforto, e, durante dez meses, ele abrandou o meu latentedesejo interno de ser amada e apreciada por alguém do sexooposto. Como é que eu esperava terminar algo daquele tiposem que alguém se machucasse? Como mencioneianteriormente, naquela época eu era bem imatura.♥ ♥ ♥32 / 159
  33. 33. Depois que o meu relacionamento com Johnny terminou,fiquei tão desesperada por uma "atenção masculina" quecomecei a ter um relacionamento após o outro. Cada vez queeu terminava o namoro, acabava com o coração partido. Mascontinuei namorando e continuei quebrando e esmagando asminhas emoções. Meu coração tornou-se sem valor - pois eusimplesmente o entregava, deixava-o em pedacinhos, quecatava, e começava tudo de novo. Não havia outra alternativa(pois não namorar estava totalmente fora de questão).Esperei tanto tempo e finalmente estava fazendo parte domundo do namoro. Aquilo seria superdivertido e muitoromântico. Continuei pensando que algum dia eu realmenteiria curtir aquilo. Mas, por alguma razão, esse dia nuncachegou. Onde estava a diversão? Onde estava o romance? Oque eu tinha feito de errado? Aos quinze anos, sentia como setivesse casado e divorciado umas três ou quatro vezes. Eracomo se o meu coração fosse nada mais do que carne dehambúrguer.Foi nessa situação de desesperança que Deus começou afalar ao meu coração. Um dia estava lendo minha Bíblia - algoque comecei a fazer cada vez menos desde que havia começadoa namorar. Um versículo de Provérbios 31 chamou minhaatenção. Você conhece o capítulo que descreve a "mulhervirtuosa"?Preciso deixar bem claro que não era do meu costume lerversículos sobre casamento. Casamento era algo que estavabem distante da minha realidade, e eu não iria preocupar-mecom aquilo por um bom tempo. Mas aquele versículo estavafalando sobre uma esposa sábia. Ele diz que: "Ela lhe faz bem,e não mal, todos os dias da sua vida."Espere um pouco! Todos os dias da sua vida? Quer dizerque ela pensa no seu marido antes mesmo de conhecê-lo?Como ela poderia "fazer o bem a ele" todos os dias da sua vidamesmo sem saber onde ele está ou o que está fazendo?Eu pensei no meu futuro marido. Imaginei que eleestivesse por aí... em algum lugar. Será que eu estava fazendo33 / 159
  34. 34. bem a ele? Sempre pensei que estivesse fazendo o melhor quepodia ao evitar o sexo antes do casamento. Quero dizer, issoera muito mais do que todos os outros estavam fazendo. Mascomecei a pensar que eu possuía algo mais do que apenas otesouro físico para guardar para ele... Um dia eu iria dar aomeu marido o tesouro do meu coração e das minhas emoções.Eu. certamente, não estava realizando um bom trabalho paraguardar esse tesouro.Minhas emoções estavam sendo machucadas e moídaspelos relacionamentos nos quais eu me envolvia. Quando euera mais nova. costumava pensar que. quando chegasse otempo de me casar. eu me esqueceria de todas as experiênciasde namoro que tivesse tido no colegial e na faculdade.Qualquer um que já tenha se envolvido em um relacionamentosabe que isso é impossível. Não dá para esquecer. Cada pessoa,a quem você entrega suas emoções, fica gravada em seucoração e na sua memória.Frágil ou Resistente?Imagine se um dia eu aparecesse na sua frente e lheoferecesse um diamante valioso. (Eu sei que talvez as garotasfiquem um pouco mais entusiasmadas do que os rapazesquando o assunto é esse. mas. rapazes, apenas pensem que. seo assunto sobre anéis de diamante não lhes interessa muito,sempre haverá uma possibilidade de vendê-los e usar odinheiro para comprar um carro!) A única coisa é que você nãopoderá usar o diamante de forma nenhuma durante cincoanos. Você precisa guardá-lo cuidadosamente durante esseperíodo.Agora você tem um probleminha. Você possui um tesourovaliosíssimo e precisa de um lugar seguro para guardá-lodurante os próximos cinco anos. Então, você me pede algumassugestões.34 / 159
  35. 35. Bem, tenho duas opções para você. A primeira é um copodescartável. Ele possui muitas vantagens, incluindo o fato deque não custa nada - uma ótima sugestão de economia para osestudantes - e é muito fácil de ser cuidado, quero dizer, vocênem precisa lavá-lo ou poli-lo. Depois de usar é só jogar fora!Será que consegui convencê-lo? O copo descartável seriaum excelente recipiente, não é? O quê? Você deseja olhar parao lado negativo da coisa? Bem, se você deseja guardar algo devalioso nele. esse copo realmente possui algumas pequenasinconveniências. Se pegassem o copo (o cachorrinho do vizinho,por exemplo), seria muito difícil dizer "quem" o teria pegado.Os cachorros possuem uma estranha atração por essestipos de copos. Eles são conhecidos por mordê-los e danificá-los. Então, se, por ventura, o seu diamante estiver dentro deum desses copos quando o cãozinho decidir fazer a festa,bem... dê tchauzinho ao seu diamante. Logo, o seu tesouroestará no estômago do cãozinho, e eu duvido que a sociedadehumana permitiria que você realizasse uma operação no cãopara retirar o seu tesouro. Você teria de fazer o que umasenhora de Denver fez quando o seu cachorro comeu o seu anelde diamante: dar a ele xarope de ipecacuanha para forçá-lo avomitar umas sete vezes. Daí, colocar luvas de borracha eenfrentar todas aquelas coisas asquerosas para recuperar odiamante. O quê? Perdeu o apetite? Ó, perdão. Acho que talvezesse copo não seja a melhor opção para o seu diamante, não é?Os copos descartáveis são úteis apenas em piqueniquesou churrascos, porque são facilmente amassados e jogados nolixo depois de usados. Talvez você tenha razão, esse tipo dematerial não é um dos melhores para guardar um tesourovalioso, pois não foi projetado para durar. Portanto, um copodescartável não é o lugar ideal para você guardar o seudiamante.Está bem, aqui está a segunda sugestão. Tenho um coporesistente, de prata, que a mãe do Eric me deu recentemente. Éuma herança de família muito especial, porque os pais de Ericmandaram gravar o nome dele no copo. Era o copinho de Ericquando bebê. Eu nunca vi um cachorro tentando morder um35 / 159
  36. 36. copo desse tipo nem alguém tentando jogá-lo no lixo. Então,sim. esse seria um lugar bem mais seguro para o seudiamante.Essa opção possui desvantagens? Algumas. Primeiro:custa dinheiro. Quero dizer, você não acha que vousimplesmente lhe dar uma herança de família, acha?Especialmente um copinho em que está gravado o nome doEric! Ele é muito valioso, por isso é bem provável que vocêtenha de trabalhar durante as férias para comprá-lo de nós.Segundo: um copo de prata necessita de cuidados e dáum pouco mais de trabalho. Você tem de limpá-lo e poli-lo. Nãoé tão fácil de cuidar como acontece com o copo descartável.Mas, ao fim dos cinco anos, você poderá ter a certeza de que oseu diamante estará intacto. Nenhum cachorro em seu perfeitojuízo tentará mastigar um copo de prata (mesmo um cachorroque não esteja em seu perfeito juízo!). E eu duvido que alguémo jogue no lixo. Seu diamante estará seguro nesse copo. e vocêterá a certeza de que em cinco anos colherá os benefícios de tertomado tal decisão..Quantos de vocês, ao serem dadas essas duas opções,seriam malucos o suficiente para deixar o valioso diamantenum copinho descartável? Espero que nenhum de vocês!Agora pense da seguinte forma: suas emoções são umtesouro, um presente de Deus. Elas são muito mais valiosas doque qualquer diamante. Algum dia você as entregará ao seufuturo cônjuge. Você está cuidando direito delas? Ou. nestemomento, elas estão dentro de um copo descartável sendomastigadas, pisoteadas e jogadas fora?♥ ♥ ♥Eu me lembro do meu primeiro dia de aula da quintasérie. Eu e meus amigos entramos na sala de aula rindo efazendo barulho. Quando o nosso professor entrou, tínhamosapenas uma coisa em nossas mentes: ele iria tolerar a nossabagunça? Ele seria um bom professor? De que formaconseguiríamos levar aquele ano escolar?36 / 159
  37. 37. - Na minha aula vocês podem fazer qualquer coisa!Aquelas foram as primeiras palavras que saíram de sua boca.Entreolhamo-nos agitadamente sem poder acreditar nanossa sorte. Isso é demais! Pensávamos. Vamos detonar!Poderemos desenhar caretas no quadro-negro. esmagar giz decera no carpete, rabiscar nossas folhas e a lição de casa...- Vocês poderão fazer qualquer coisa na minha aula. eledisse novamente, contanto que estejam prontos para enfrentaras conseqüências de suas atitudes.Opa! Conseqüências? Aquela era uma palavra pesada!Todos nós mudamos as nossas atitudes bem depressa.Sentávamos direito, olhávamos para o professor, segurávamosas risadinhas e a conversa e sempre devolvíamos nossas folhascom a lição de casa sem rabiscos. Porquê? Simples.Conseqüências! Percebemos, pela declaração do nossoprofessor, que seríamos punidos ou recompensadosdependendo de nossas decisões tomadas dentro da sala deaula todos os dias. É claro que isso aconteceu um tempo atrás,quando os diretores ainda podiam usar palmatórias demadeira! Um simples pensamento relâmpago de ser punidocom uma entrevista com "A senhora Palmatória" era osuficiente para mudar nossas atitudes.Conseqüências eram uma coisa que não entrava emminha cabeça durante o tempo em que estive envolvida comJohnny. Eu não percebia que cada decisão tomada afetariameu futuro casamento tanto de forma positiva como negativa.É claro que eu sabia que sexo antes do casamento, dealguma forma, afetaria meu futuro relacionamento. Mas,apesar disso, eu não enxergava como alguns relacionamentoscasuais de namoro pudessem possivelmente me prejudicar. Euolhava para os anos de colégio e faculdade como uma grandefesta - divirta-se, deixe as coisas sérias para depois. Por algunsanos eu iria namorar para me divertir, então, um dia. bem lána frente, eu encontraria o cara "certo para mim". Nós nosapaixonaríamos, casaríamos e viveríamos felizes para sempre.37 / 159
  38. 38. Parece bem simples, não é? Infelizmente, eu não tinhaidéia de como as coisas realmente são - isso até Deus começara me desafiar a pensar sobre meu futuro marido.Finalmente, percebi que o meu coração era um tesouroque eu deveria guardar e proteger com cuidado para o meufuturo marido. E esse tesouro tornava-se cada vez mais sujo efrio quando eu me relacionava com um rapaz atrás do outro.Subitamente, comecei a desejar lutar pelo meu futurocasamento, investir no meu futuro casamento, embelezar efortalecer o meu futuro casamento. E, pela primeira vez emminha vida, descobri como viver da maneira certa antes mesmode conhecer o homem com quem eu viveria pelo resto de minhavida.Relacionamentos temporários de namoro - dar e receberemoções e afetos com o objetivo de viver com segurança e deter prazer temporário - não estavam me ajudando construir umrelacionamento visando um futuro casamento. Estavam apenasdemolindo tudo. Meu diamante estava se tornando cada vezmenos atraente! Percebi que, ainda que eu desejasse tantonamorar e viver um incrível romance de adolescente, eudesejava muito mais investir no relacionamento que durariapara sempre... meu futuro casamento.- Está bem, Deus, farei o que for necessário. Apenas memostra como investir no meu futuro casamento e como amar omeu futuro marido. Estou cansada de ficar entregando o meucoração para um rapaz atrás do outro. Mostra-me o que Tudesejas que eu faça, Senhor. Estou pronta.Burra, burra, burra, burrinha...Uma música tenebrosa enebulosa tocou em minha mente logo que fiz aquela oração. "Oque é que eu fiz? O que Deus vai exigir de mim agora? Ó não, ese Ele tomar essa área da minha vida? Ele vai acabar comigo!!!"O medo tomou conta de mim assim que tomei conheci-mento do que tinha acabado de dizer a Deus. pois, tão logodisse aquelas palavras, percebi o que Ele estava me pedindo...Desistir do mundo do namoro! Ahhhhh! NÃO! Como eu poderiafazer aquilo? Aquilo era ridículo! Era loucura!38 / 159
  39. 39. - Olha, Deus, acho que o Senhor não está entendendomuito bem o problema pelo qual estou passando. Então, deixe-me explicar. Tenho dezesseis anos. Eu sei que no céu talvezisso não signifique muita coisa, mas, aqui na terra, dezesseisanos é o momento para viver! A vida gira em torno de festas ede dança e do... NAMORO! Se eu renunciar isso, serei umaninguém! Então, Deus, eu realmente não posso fazer muitacoisa, mas obrigada pelo interesse! Eu sei que foi de coração.Por mais que eu desejasse tomar de volta a minha oração"Senhor estou pronta", eu não podia. Sabia o que Deus estavame pedindo e, por mais que detestasse admitir aquilo, eu sabiaque Ele estava certo. Se eu realmente desejava obedecer a Suavontade e investir no relacionamento do meu futurocasamento, eu não poderia mais fazer parte do mundo donamoro.Então, naquele dia catastrófico de fevereiro, aos dezesseisanos, eu, oficialmente, renunciei o namoro. Meu compromissoera dedicar toda a minha vida para servir a Deus e confiar que,a Seu tempo e a Sua maneira, Ele iria trazer a minha vida omeu futuro marido. Até lá, eu nem iria procurá-lo. Eu confiariaem Deus, esperaria pacientemente e me guardaria - física eemocionalmente para aquele homem com quem um dia eu iriame casar.Aquela era uma decisão ousada e corajosa, mas eu nãome sentia tão ousada e corajosa ao tomá-la! Pensamentoshorríveis sobre o que eu me tornaria encheram minha mente.Eu me imaginava uma triste adolescente sentada em umacadeira de balanço olhando para fora da janela todas as noites.Sem telefonemas. Sem amigos. Sem vida. Apenas balançando,balançando, balançando. Eu simplesmente sabia que haviadesperdiçado minha vida.Algumas de minhas amigas, ao ouvirem minha decisão,me olhavam com desgosto e falavam:- Leslie. como você espera se casar um dia se você nãoestiver namorando? Como você espera que o seu Príncipe39 / 159
  40. 40. Encantado bata a sua porta se ele nem ao menos sabe quevocê existe? Você está sendo uma boba mesmo.Legal! Obrigada pelo encorajamento. Era exatamente issoque eu precisava, garotas!O que eu ainda não percebia eram os planos maravilhososque Deus estava preparando para mim... bem ali no meu nariz!Tudo o que Ele precisava era que eu desse o primeiro passo deobediência e dissesse "Senhor, estou pronta". Uma lindahistória de amor estava para ser escrita. E isto podesurpreendê-lo, mas ela começou no mesmo dia em que eu mecomprometi a parar de namorar!Como? Simples! O meu amor pelo meu futuro maridotinha de começar primeiro com o meu amor por Jesus Cristo.Não há casamento que dure. a menos que seja construído sobo amor de Jesus. Então, quando decidi abandonar meusrelacionamentos de namoro e concentrar-me em Jesus, dei omeu primeiro passo para a edificação de um relacionamento deamor verdadeiro com meu futuro marido.Jesus disse: "É impossível servir a Deus e ao dinheiro." Omesmo acontece com os relacionamentos de namoro. Você nãopode servir a Deus e ao namoro.Os relacionamentos de namoro haviam se tornado ocentro de minha vida. por mais que eu dissesse:- Deus é número 1 em minha vida.Entretanto, será que era com Deus que eu gastava horasao telefone todos os dias? Era Deus quem consumia cadapensamento meu? Era com Deus que eu gastava incontáveisnoites sonhando acordada? Era sobre Deus que eu e minhasamigas conversávamos constantemente?Os pôsteres que eu grudava na parede do meu quartoeram de Deus? Não! Eram de RAPAZES! Rapazes eram umadistração constante para mim. Eu gastava todo o meu tempo eenergia tentando conquistá-los, procurá-los, impressioná-los.Eu tinha pouco tempo de sobra para Deus.40 / 159
  41. 41. Bom, depois da minha oração "Senhor, estou pronta", ascoisas mudaram. Jesus Cristo tornou-se real para mim! Eucomecei a perceber que, gradualmente, eu O havia afastado deminha vida para que eu pudesse fazer as minhas coisas. Agora,eu queria conhecê-Lo novamente.Em vez de gastar o meu tempo livre concentrando-me nosrapazes, comecei a concentrar-me Nele. Iniciei um diário. Ecada dia eu escrevia a Deus falando sobre meus temores,sonhos e desejos. Comecei a passar horas estudando a Bíblia,procurando maneiras de aplicá-la a minha vida. Eu realmentecomecei a me apaixonar por Jesus! Ele começou a ser tãopróximo, tão real.Alguns meses depois de assumir meu compromisso de"não namorar", percebi que Ele estava satisfazendo todas asminhas necessidades. Eu não precisava de um namorado paraestar feliz! Eu não precisava estar no mundo do namoro paraestar feliz! Finalmente, eu me sentia satisfeita com o meurelacionamento com Jesus Cristo.Esse foi o primeiro passo para amar o meu futuro marido.Casamentos fortes DEVEM ser construídos no princípio deamor por Jesus Cristo - encontrar satisfação somente Nele.Com o passar das semanas, percebi que Deus tinha algoespecial a caminho, embora aquele tempo não tenha sido fácil.41 / 159
  42. 42. = = = = = = = = =Foge, outrossim, das paixões da mocidade.Segue a justiça, a fé, o amor e a paz comtodos com os que, de coração puro, invocam oSenhor.2 Timóteo 2:22♥ ♥ ♥Senhor, reconheço como tenho vivido de forma egoístanessa área da minha vida. Tenho aceitado o sistema do mundoque me diz para fazer as coisas a minha maneira.Tenho entregado o meu coração e as emoções, e não te-nho me guardado para aquela pessoa especial que Tu tensescolhido para mim. Peço o Teu perdão. A partir de hoje, decidoviver para honrar e amar o meu futuro marido, para me guardarpura, tanto fisicamente como emocionalmente para aquele comquem viverei. Decido afastar-me de relacionamentostemporários e confiar que Tu trarás essa pessoa para mim noTeu perfeito tempo. Até lá, ajuda-me a tê-Lo em primeiro lugarda minha vida.= = = = = = = = =42 / 159
  43. 43. Senhor, estou prontaLeslie LudyEu já falara muitas vezes atrás,Mas, Senhor, desejo que desta vez ...Eu saiba com o meu coração, creia com a minha alma,Estou pronta para dar tudo o que sou.Coloco a minha vida nas Tuas mãosE declaro: "Faze conforme o Teu querer"Não importa para onde Tu me levarás, Senhor,Se tenho a Ti, nada me faltará.Senhor, estou prontaPara fazer o que desejas que eu façaSenhor, estou prontaPara render-Te tudo que sou,Tudo o que sereiSenhor, estou pronta para que em minha vidaA Tua vontade seja feita.43 / 159
  44. 44. CAPÍTULO 4: CASA DE CARTÕES OU CASTELO?- Eric -Aos treze anos eu era um garoto de cara empipocada e,todas as vezes que eu me sentia entediado, eu gostava de ficarem um lugar especial, meu closet *, onde eu deixava a minhaimaginação fluir livremente. Ali eu me enfurnava e abria umespaço no chão para despejar o tesouro do meu baú. Agora,meninas, o tesouro de um rapaz é geralmente bem diferente dode uma garota!Eu tirava a tampa de papelão da minha desbotada caixade sapatos e retirava as minhas preciosidades. Então,cuidadosamente, eu tirava a borrachinha que envolvia a pilhade preciosidades e uma a uma eu me intoxicava com a suabeleza indescritível. Está bem, está bem - talvez a minhacoleção de cartões de beisebol estivesse um pouco encardida.Talvez os cartões estivessem rabiscados. Talvez alguns delesaté mesmo tivessem marcas da estima e do amor de meuirmãozinho (uma vez, durante a noite, ele pensou que a minhacaixa fosse uma lata de lixo e vomitou em cima da minhacoleção). Mas aqueles cartões eram o meu tesouro.Passava horas deitado no chão do meu closet,observando-os. Eu decorava a altura, o peso, a data denascimento, enfim, todos os dados sobre os jogadores. Eu meimaginava em seus lugares correndo ao redor das bases depoisde um grand slam **. Um dia eu também poderia estar numdaqueles cartões, mesmo que eu ganhasse uns quilinhos amais (eu pesava mais ou menos 40 quilos).Acredite ou não, mesmo me distraindo com as centenasde cartões, às vezes eu me entediava. Para evitar o indesejável*Closet: uma dependência específica para guardar roupas. (N. da T.)**Grande slam: no jogo de beisebol é o golpe que permite ao batedor completar ocircuito das bases com três homens na base. (N. da T.)44 / 159
  45. 45. sentimento de tédio durante as férias, fui levado a criar umPlano B -levantando um edifício.Com as mãos de um cirurgião, eu colocava habilmentedois cartões em pé, com as extremidades encostadas, e,cuidadosamente, colocava outro cartão em cima. De formavagarosa, porém, segura, eu ia construindo uma magníficacasa de cartões. Mas não levou muito tempo para que eudescobrisse que bastava apenas um movimento errado e. ploft,minha casa de cartões ia ao chão. O menor erro, o deslize maisinsignificante, a brisa mais suave e já era!Muitas vezes, essa brisa mais suave era graciosamenteproporcionada pelo meu irmão, Mark, que aparecia de supetão,sem dar sinal de que estava chegando. Sempre naquelemomento em que o cartão estava sendo delicadamentecolocado no lugar mais importante de minha maravilhosasuperestrutura, meu irmão abria a porta com um safanão.Minha casa de cartões ficava apenas na lembrança, enormalmente minha mãe tinha de lavar a minha boca comsabão depois que toda a minha cólera era expressada compalavrões.Aquelas situações eram irritantes, mas Deus plantavasementes da verdade em minha mente e em meu coração cadavez que eu fracassava na construção da minha casa de cartões.A minha frustração levou-me à porta de entrada da Casade Cartões Ilimitada, uma empresa de serviço ao consumidorcriada pela minha rica imaginação. Pronto para colocar asminhas reclamações, ergui a mão para abrir a porta. Derepente, meus olhos fixaram uma nota pendurada na caixa decorrespondência que continha este princípio elementar dascasas de cartões:Ei, otário! O que você esperava?Elas são construídas para divertir e não para durar!45 / 159
  46. 46. Lágrimas sentimentais escorreram dos meus olhos,enquanto eu me afastava para refletir naquela mensagemcruel. Eu nunca mais iria aceitar o pensamento: "Certamente,um dia, meus filhos vão apreciar esta casa de cartões. " Eu tinhade aceitar o fato de que eles nunca a veriam.Bem, eu tinha outro passatempo predileto que ofereciadesafios e lições semelhantes. Fui criado como um Ludy, paraamar a areia da praia. O lema dos Ludy é este: Onde existemar, devemos edificar!Onde nasci, a praia era sinônimo de "castelo de areia".Em nossas reuniões de família, meu pai era famoso pela suahabilidade artística em trabalhar com areia molhada. E meorgulho de dizer que essa habilidade foi passada para - estábem. está bem. para o meu irmão. Mas a questão é.... ela foipassada!Nós gastávamos toda a tarde de sábado cavando fossas,levantando os muros do castelo e esculpindo com criatividadeas torres do castelo, quando subitamente... a maré subia! Emapenas alguns minutos, tudo o que tínhamos para mostrar deum dia inteiro de trabalho era a foto borrada tiradaacidentalmente pelo meu primo Joey com sua câmera Polaroid.Todo o dia de trabalho era destruído. Não havia sobrado nadapara mostrar às mulheres que haviam saído para fazercompras.Com o aumento progressivo de minhas frustrações no de-correr do tempo, fui forçado a visitar a porta do Castelo deAreia Internacional, outra empresa muito útil para prestarserviço ao consumidor. Encostado à ombreira da porta, vi umanota semelhante àquela que li anteriormente.Ei, otário! Eu já não o vi antes?Leia os meus lábios:Se é construído à tarde,certamente será destruído.46 / 159
  47. 47. O que efeito para durarnão deve ser rapidamente edificado!Meu cérebro em puberdade estava enfrentando sériasdificuldades de compreender esse conceito simples, masfinalmente eu estava começando a entender. "Quer dizer que,mesmo que eu passe toda uma tarde construindo uma obra dearte, nunca poderei mostrá-la para a minha esposa um dia? "Minha mente raciocinava.Devagar, eu começava a perceber que as casas de cartõese os castelos tinham uma grande coisa em comum: nenhumera construído para durar! Com a mudança mais insignificantedo meio ambiente, como vento ou marés, as casasdesmoronavam muito mais rápido do que o tempo que selevava para edificá-las. Elas não duram porque não foramconstruídas sobre uma estrutura sólida. Jesus nos dá umaparábola no livro de Mateus, no capítulo sete. Ele nos mostradois homens - um tolo e um sábio.Acho que o tolo é muito parecido comigo quando meencontro em meus momentos de fraqueza. Ele procura umamaneira mais fácil de terminar o seu trabalho. Ele é ocamarada mais sovina, que está sempre com pressa e quenunca escuta quando sua mãe diz:- Paciência é uma virtude!Ele constrói a casa, mas a constrói em cima da areia.Jesus diz, e eu faço a minha paráfrase:" Que tolo!"Vejam, esse tolo pode até ter a sua casa, mas ele não aconstruiu pensando no futuro. Em outras palavras, ele nãopensou que o vento e a chuva, eventualmente, pudessem vir.Ele nunca refletiu no terrível fato de que as estações mudam eas marés sobem. E quando isso acontece, não é necessário umbiofísico para desvendar o que está acontecendo. Tudo o que otolo tinha para mostrar de todo o seu trabalho eram montes de47 / 159
  48. 48. madeira e de entulho e uma horrível dor de cabeça (apenasimagine uma casa caindo em cima de você!).Agora, antes que você tenha lágrimas nos olhos, deixe-melembrá-lo de que havia um outro construtor. Quem? Oconstrutor sábio! O fato não é que ele tenha feito algo deextraordinário, ele, simplesmente, construiu a sua casa damaneira correta. Ele pensou: Se eu vou construir uma casaque dure, acho que, provavelmente, eu deveria começar aconstrução levantando o alicerce. Aplaudamos, então, aengenhosidade inspirativa e a visão extraordinária dessehomem.O homem sábio simplesmente percebeu que, paraenfrentar os futuros desafios, ele precisava fortalecer as basesde sua casa de forma sólida. O que esse homem escolheu fazernão é diferente do que faríamos se estivéssemos nospreparando para construir uma casa. Vejam que o alicerce é achave para a estabilidade e o segredo para a longevidade deuma casa. Quanto mais extenso e profundo o alicerce, maisalto você poderá construir. E quanto mais sólido, mais difícilserá derrubar a casa.♥ ♥ ♥Você já pensou que os relacionamentos com o sexo opostosão construídos da mesma forma que uma casa? Assim comouma casa sem alicerce, um relacionamento sem preocupaçãocom o futuro ruirá com o primeiro sinal de nuvens de chuva.Ironicamente, assim como o construtor tolo e o construtorsábio, existem dois tipos de pessoas na área derelacionamento: o ignorante e o esperto.O ignorante - sem, é claro, perceber que é um ignorante-começa a construir o seu relacionamento rapidamente. Ele sóconsegue pensar naquilo que irá obter com menos tempo detrabalho. Ele não considera o fato de que, quando astempestades do relacionamento aparecerem, ele não terá comomanter a sua casa de amor intacta.Aí, você me pergunta:48 / 159
  49. 49. - Mas quem seria ignorante o suficiente para construirum relacionamento dessa forma? Bom, eu mesmo já construíalguns relacionamentos desse tipo quando era mais novo emais ignorante. Eu construía relacionamentos que nãopoderiam ter durado muito, mesmo que eu quisesse.Certamente, eu não estava me preparando para um casamentoque durasse para sempre.Deus queria me ensinar como ser um construtor maisinteligente. E Ele não desejava apenas que eu construísse umacasa para mim - Ele queria me ensinar como construir umcastelo de sonhos! Um relacionamento que não fosse apenassatisfatório, mas sensacional!Agora, eu sabia como construir casas de cartões, mas nãotinha idéia nenhuma sobre aquilo que Deus estava querendome ensinar quando Ele começou a me mostrar a planta de umcastelo. Primeiro, eu precisava recordar um pouco de História eaprender um pouco mais sobre os castelos.Castelo era outro termo usado para forte oucontraforte. Os castelos eram enormesestruturas construídas na antigüidade epodiam acomodar toda uma cidade quando umexército invadia a terra. Eles eram imponentes,como o nariz de um romano, e eram facilmentenotados por serem bem diferentes dosinúmeros casebres que enchiam a região - nãosó na estrutura e tamanho, mas também nabeleza e na graça.A nobreza morava nos castelos, isto é, sevocê fosse um príncipe ou uma princesa, o seudestino seria ter um castelo como lar. Mas háuma coisa importante a ser notada: Os casteloslevavam anos para serem construídos! Vejambem, eles eram construídos para durarmilhares de anos.49 / 159
  50. 50. Não era necessário apenas um bomplanejamento, mas muita disposição por partedo construtor. Era necessário também que oconstrutor se comprometesse com a obra. masele sabia que o resultado superaria todos ossacrifícios temporários.Deus deseja que possamos construir nossorelacionamento de futuro casamento como se estivéssemosconstruindo castelos. Por quê? Porque tanto os casamentoscomo os castelos são projetados para durar.Se você viajar pela Europa nos dias de hoje, verá castelosconstruídos há centenas de anos (talvez até milhares de anos)embelezando a paisagem. É assim que Deus deseja que o nossocasamento seja - um testemunho para as futuras gerações deque um relacionamento, quando é construído de forma correta,pode desafiar as tempestades da vida. Mas, assim como o sábioconstrutor, precisamos estabelecer a estrutura apropriada.♥ ♥ ♥Quantos de vocês, quando visitam uma casa bonita,elogiam o dono da casa pelo lindo alicerce? É ridículo, certo?Nós nunca observamos o alicerce de uma casa, mas é a coisamais importante. Você poderá ter os candelabros mais lindosdo mundo, mas, se não tiver um alicerce sólido, sua casadespencará.O assentamento do alicerce não é a parte divertida deuma construção; trabalhar com concreto nunca é. A coracinzentada não é atraente aos olhos e. certamente, não é nadaromântica. Mas, se a estrutura da casa não estiverpropriamente assentada, não há razão para nos preocuparmoscom a decoração.Então, prepare-se para o trabalho! Nós forneceremos aspás, vamos cavar profundamente os nossos corações e nospreparar para o trabalho pesado do romance.50 / 159
  51. 51. Até o final deste livro estaremos falando sobre comoconstruir um castelo de sonhos. Ao descobrir o primeiro e maisimportante passo, lembre-se de que a pedra fundamental deum relacionamento para toda a vida não está diretamenterelacionada com o seu futuro companheiro, mas com tudo oque estiver ligado ao seu relacionamento com Jesus Cristo.51 / 159
  52. 52. = = = = = = = = ="Todo aquele, pois, que ouve estas minhaspalavras e as pratica, será comparado a umhomem prudente que edificou a sua casa sobrea rocha."Mateus 7:24♥ ♥ ♥Senhor, ajuda-me a assentar um forte alicerce para o meufuturo relacionamento com meu companheiro.Desejo um casamento que prevaleça ao teste do tempo.Dá-me a força e a coragem para construir o alicerce a Suamaneira.= = = = = = = = =52 / 159
  53. 53. O Seu Castelo de SonhosNo ponto em que estamos, talvez você esteja decidido acomeçar a construir um castelo, em vez de uma casa decartões. Se isso for verdade, parabéns! O processo é longo edifícil, mas você nunca se arrependerá do árduo trabalhoquando receber as recompensas.PASSO 1 na lista de trabalho: cimentar. Traduzindo pararelacionamentos, significa:entregar a Deus e aprender a confiar Nele.53 / 159
  54. 54. CAPÍTULO 5: PÃO NO TERREIRO?- Leslie -Quando eu tinha seis anos, um de meus passatemposfavoritos era escutar discos de historinhas no meu pequenotoca-discos de plástico vermelho e branco. Enquanto euescutava a historinha, eu podia olhar o livrinho com figura. E,toda vez que chegava a hora de virar a página do livro, o toca-disco avisava com um alto e fino "Dinnng!".Uma de minhas historinhas favoritas era a da PequenaGalinha Ruiva. E uma história maravilhosa, que eu gostaria decontar a vocês agora. Não é emocionante? Bem, vamos lá.A Pequena Galinha Ruiva estava um dia no terreiro edecidiu assar uma fôrma de pães. (Por favor, não me perguntea razão pela qual uma galinha no terreiro deseja fazer pão.Essa não é a questão principal aqui.) Então, ela foi até o cavaloe perguntou:- Você me ajudaria a colher trigo? O cavalo disse:- Não, não posso ajudá-la a colher trigo. Estou muitoocupado! (E, por favor, não me pergunte com que, nestemundo, um cavalo poderia ocupar-se no terreiro, porque nãotenho a menor idéia, e acho que isso é problema do cavalo enão nosso.)Então, a Pequena Galinha Ruiva foi até o porco e repetiua pergunta:- Não, estou muito ocupado para ajudá-la a colher trigo,respondeu o porco. (Está bem, esses animais do terreirotinham uma vida social! O que posso fazer?)Então, a Pequena Galinha Ruiva procurou todos osanimais do terreiro para lhes perguntar se poderiam ajudá-la acolher trigo. Para poupá-lo da agonia de passar por todos osanimais do terreiro, vou simplesmente dizer que TODOS54 / 159
  55. 55. disseram a mesma coisa. Todos estavam muito ocupados paraajudar a colher trigo. Então, a Pequena Galinha Ruiva teve decolher o trigo sozinha. "Dinnng!" (Hora de virar a página dolivro.) Depois, a Pequena Galinha Ruiva precisou moer o trigo.Ela procurou todos os animais, e, é claro, todos estavam muitoocupados para ajudá-la. (O terreiro era realmente um local demuito trabalho, como vocês já devem ter percebido.) Então, elamoeu o trigo sozinha.Aí, chegou a hora de misturar a massa. Mesma coisa.Todos muito ocupados."Dinnng!" (Hora de virar a página outra vez.)(No caso de você ainda não ter notado, estou resumindobem a história e deixando de lado muitos detalhes importantes.Se você realmente desejar um efeito completo, é melhorcomprar um desses toca-discos de plástico!)Então, a mesma coisa aconteceu quando ela precisouassar os pães. Todos estavam muito ocupados para ajudar.Pobre Pequena Galinha Ruiva. Não é para ficar com pena dela?Aposto que você está pensando consigo mesmo: Eu ajudaria aPequena Galinha Ruiva! E claro que sim! Eu também ajudaria!Bem, de qualquer forma, chegou a hora de a PequenaGalinha Ruiva tirar os pães do forno. Aquele cheiro delicioso depães quentinhos encheu o terreiro (substituindoagradavelmente alguns dos outros odores que pairavam no ar).A Pequena Galinha Ruiva perguntou quem a ajudaria a comeros pães.- Eu ajudo! disseram todos os animais do terreiro a umasó voz. Eles se apressaram desesperados para devorar os pães.Mas a Pequena Galinha Ruiva era uma garota esperta e dissepara todos os animais:- NÃO! Vocês estavam todos muito ocupados para meajudar a colher e moer o trigo, para misturar a massa e paraassar os pães, então agora, vocês não merecem comê-los! Voucomê-los sozinha! E assim ela comeu tudo sozinha.55 / 159
  56. 56. ♥ ♥ ♥Grande historinha, não é? Eu também achava. Agora, eusei que você deve estar sentado aí refletindo: O que é que aLeslie quer com tudo isso? Ei, relaxe! Há uma razão, apenascontinue lendo...Cada jovem com quem já conversamos sobre a área derelacionamentos com o sexo oposto possui o mesmo desejo -ter um relacionamento que seja bonito e duradouro. Ninguém(pelo menos ninguém em seu perfeito juízo) deseja crescer,casar e se divorciar. Esse não é, normalmente, o objetivonúmero 1 na lista de metas para a vida! Provavelmente, vocênão é diferente.Você deseja uma vida amorosa maravilhosa eum relacionamento que consiga vencer o teste do tempo. Masaqui está uma pergunta chave... Você está disposto a fazer oque for necessário para que isso aconteça? Mesmo que issosignifique (cof, cof) renunciar essa área e entregá-la a JesusCristo? Ai! Isso dói.Confiamos mais Nele ou em nós mesmos? Por algumtempo, tive a certeza absoluta de que não precisava da ajudade Deus nessa área da minha vida. Eu sabia o que desejava emum homem e achava que Ele não sabia. Mas toda aquelaminha confiança não me levou a lugar nenhum na área derelacionamentos. Toda vez que eu decidia as coisas por contaprópria, eu acabava com meu coração partido. Finalmente,cheguei à conclusão de que, sendo Deus o meu criador, Elesabia cada sonho e desejo do meu coração. Ele sabia o queestava guardado para mim no futuro. Então, depois de algunsdias de luta, choro e dúvidas, eu, finalmente, conseguirenunciar essa parte da minha vida e entregá-la a Deus. Sódepois disso é que Ele pôde começar a pintar uma lindahistória de amor em minha vida... à Sua Maneira.- Quero ter uma história de amor como a sua e a do Eric!É a frase que sempre escutamos de garotas sonhadoras. Elasficam com estrelinhas nos olhos quando lêem em nosso livro aspassagens que contam a maneira doce e romântica como Ericme pediu em casamento e a beleza do nosso primeiro beijo no56 / 159
  57. 57. dia do nosso casamento. Elas olham para o futuro e desejamexperimentar em suas vidas esse mesmo tipo de beleza eromance. Mas, da mesma forma, elas não percebem que tudoisso começa com uma cirurgia do coração. Se Jesus Cristo nãofor o Senhor dessa área de nossas vidas, Ele não poderá ser ocentro de nossa vida amorosa nem nos ajudar a construir umrelacionamento que dure para sempre. Não devemos esperarque Ele nos abençoe sem que O tenhamos feito Senhor denossas vidas.♥ ♥ ♥Qual dos animais do terreiro é o mais parecido com vocêhoje? Você é como a Pequena Galinha Ruiva, que tinha oobjetivo de fazer pães fresquinhos e que estava disposta aenfrentar todo trabalho duro, as lutas e o sacrifício para obtê-los? Ou você é como. o cavalo, o porco, o cabrito e a vaca, queesperavam tirar proveito das bênçãos do pão, mas que estavamtotalmente indispostos para fazer o que fosse necessário paraque o pão ficasse pronto? Se você se considera hoje um "muu-muu" ou um "oinc-oinc", é hora de algumas mudanças!Eric e eu não acordamos um dia e simplesmentedecidimos que queríamos ter um relacionamento puro. Tudocomeçou com o nosso relacionamento com Deus. Começou coma renúncia de nossas vidas para entregá-las a Jesus Cristo.Você não pode contratar um engenheiro para construir umacasa se não tiver uma propriedade. Ele não terá como começara trabalhar! Da mesma forma, Deus precisa ter a propriedadeda sua alma e do seu coração antes que Ele possa começar aconstruir uma verdadeira e pura história de amor.De que modo você começa a construir um castelo desonhos? Ao renunciar tudo. Não, não é a parte divertida. Não éa parte emocionante. Com certeza, NÃO é a parte romântica.Mas, sem esse alicerce. Deus não tem como trabalhar. Arenúncia é um ato radical de confiança em Deus. Não é algoque a gente consiga fazer de qualquer forma.A lenda nos conta que uma vez um grande conquistadornavegou até uma ilha com seus homens para conquistar57 / 159
  58. 58. nativos selvagens. Quando chegaram à ilha, perceberam queestavam perdendo a batalha. O inimigo era muito mais forte doque eles imaginavam. Os homens perceberam que talveztivessem de recuar para o navio e fugir para salvar suaspróprias vidas. Mas o líder da expedição tinha outros planos.Ele ordenou aos seus homens que o navio fosse incendiado. Elesabia que, se os seus homens não tivessem mais escapatória,eles lutariam o suficiente para vencer o inimigo.Sem escapatória. Sem olhar para trás. E assim que deveser a renúncia. Não dá para ter um pé na canoa da renúncia eo outro na canoa do seu próprio caminho. E tudo ou nada! Averdadeira renúncia não dá chances para recuar. Nela,paramos de lutar, de brigar, de tramar, de planejar, de nospreocupar... e nos preocupar.Renunciar é simplesmente dizer: Senhor, sou todo Teu.Dou essa parte de minha vida a Ti. Tu podes fazer o quequiseres. Vou esperar pelo Teu tempo. Vou esperar pelo Teumelhor. Quero que Tu sejas o autor da minha história de amor.A partir deste dia, essa área é Tua - não mais minha.Renunciar não é algo que você faz uma vez e pronto. Éum compromisso diário! Você pode começar com uma decisãode esperar pelo melhor de Deus nessa área, mas você terá deviver essa decisão cada dia da sua vida.Um ato de renúncia é quando você se disciplina a nãonamorar, enquanto todas as suas amigas estão namorando.Um ato de renúncia é quando você decide não paquerar. Umato de renúncia é quando você se recusa a ter pensamentoserrados sobre outras pessoas. Não, não é fácil. Mas um dia,cada momento de sacrifício se transformará em um pedaço domaravilhoso presente que Deus lhe dará por todos os seus atosde renúncia. No final, tudo isso valerá a pena!♥ ♥ ♥O verdadeiro sentimento de uma pessoa que renuncia asua vida para entregá-la a Deus foi muito bem captado porLaura, uma estudante universitária de vinte anos, na canção58 / 159
  59. 59. que ela escreveu. Talvez você esteja pronto para fazer dessacanção uma oração.59 / 159
  60. 60. Eu renuncio a minha vontadeLaura HartTodos os dias sou desafiada com a escolha de fazer ascoisasA Tua maneira ou a minha;Mas quando faço ao meu modo, sempre descubroQue os Teus caminhos são melhores, que a Tua visão émais forte,E Tu simplesmente desejas o que é melhor para mim.Então, eu renuncio a minha vontadeRenuncio a minha vontade, SenhorRenuncio a minha vontade; entrego a Ti a minha vida.Algumas vezes a minha vontade insiste em ter o controleLuto para fazer as coisas a minha maneira, mas sempreacabopercebendoQue os Teus caminhos são melhores, a Tua visão paramim émuito mais ampla,E Tu simplesmente desejas o que é melhor para mim.Então, eu renuncio a minha vontadeRenuncio a minha vontade, Senhor60 / 159
  61. 61. Renuncio a minha vontade; entrego a Ti a minha vida.Quando as coisas ficam mais difíceis, a minha alma seenfraqueceMeu coração se desanima e não consigo prosseguirsozinha...Então, eu renuncio a minha vontadeRenuncio a minha vontade, SenhorRenuncio a minha vontade; entrego a Ti a minha vida.61 / 159
  62. 62. CAPÍTULO 6: A FOSSA DO SUPER BOWL- Eric –Looody! Looody! Eles gritavam, enquanto eu entrava norefeitório, naquela trágica noite de janeiro. Parecia que todo ocampus universitário sabia da minha humilhação.- Looody! Looody!O sarcasmo continuava, enquanto meu rosto ficavavermelho como a capa do Superman.Eu havia depositado toda a minha fé no Denver Broncos *.Apostei o meu pescoço neles, e eles me deixaram na mão.Parecia que todos sabiam que eu era o torcedor mais fanáticodo Broncos, e todos queriam que eu reconhecesse o meu erroem ter colocado toda a minha fé no time. Eles não perderamapenas, eles foram mastigados e cuspidos. E eu, seu torcedormais fiel, estava sendo tentado a dizer que nunca havia moradoem Denver, Colorado, enquanto a multidão gritada:- Looody! Looody!Eu não era simplesmente um fã do Broncos, eu era umbroncomaníaco! Eu sonhava em laranja e azul e, fielmente, aofinal do quarto tempo de cada jogo, eu já havia perdido toda aminha voz. Pôsteres dos meus heróis cobriam as paredes domeu quarto, e até mesmo a colcha da minha cama nãopermitia que eu esquecesse aquela minha devoção. Mas aquelaterrível derrota havia jogado em mim um balde de águacongelante. Fiquei deprimido. Era difícil enxergar umsignificado real para a vida. Afinal de contas, o Broncos perdiao seu quarto Super Bowl **! Será que existia uma luz no fim dotúnel?*Denver Broncos: time profissional de futebol americano de Denver, Colorado. (N. daT.)**Super Bowl: liga anual de futebol americano profissional. (N. da T.)62 / 159
  63. 63. Foi bem aí que Deus conseguiu quebrar a barreira de somdos meus ouvidos. Ele sabia que eu era um garotinhomagoado, desapontado com meus heróis, frustrado com meutime. Era como se Ele tivesse sentado ao meu lado e,carinhosamente, colocado o Seu braço sobre o meu ombro.- Então, o seu time perdeu hoje, não é? Ele falousuavemente como se compreendesse o meu sofrimento.- É... murmurei, enquanto olhava para o chão.- Você realmente colocou toda a sua fé neles, não foi? Elese compadecia.- É, coloquei. Sussurrei, enquanto me segurava para nãorasgar todos os pôsteres.- Bem. Eric, Ele falou docemente ao meu coração, vocêsabia que, mesmo continuando a depositar sua fé no DenverBroncos, você sempre se decepcionará?Olhei para Ele com as minhas emoções despedaçadas,imaginando curiosamente o que Ele estava para me dizer.- Mas Eric! Ele continuou. Se você depositar a sua fé emmim, eu nunca o decepcionarei - e sempre vencerei!Há períodos em nossa caminhada com Deus nos quaisEle nos leva a uma encruzilhada. É nesse lugar ondepercebemos que temos dedicado nossas afeições e fidelidade apessoas erradas e que nos temos esquecido, até mesmo, doverdadeiro sentido da vida. Nessas horas preciosas, é como seDeus se tornasse claro em nossos corações. Reconhecemos queas nossas vidas verdadeiramente pertencem a Ele. E, nessashoras, temos a oportunidade de fazer escolhas!- Deus, repliquei, enquanto sentia meu coração sendoapertado por Ele, por que parece que o Senhor está sempre mepedindo para eu dizer "não" a todas essas coisas em minhavida as quais todas as outras pessoas podem fazer semproblema algum?Simplesmente, sabia que Ele queria mais de mim e eucompreendi rapidamente que Ele desejava ter-me por completo.63 / 159
  64. 64. Dessa vez, Ele estava batendo em uma porta do meu coraçãoque dava em uma sala chamada "Orgulho Ludy". Era naquelasala onde eu havia aprendido a me vestir para impressionar, afalar para seduzir e a andar como um "machão". Todas asminhas máscaras haviam sido criadas naquela sala. A máscara"Tá tudo sob controle", a máscara "A sensação das gatas", amáscara "O corajoso irmão mais velho", e, até mesmo, amáscara "O cara legal" vinha daquele lugar.- Mas, Deus. eu protestava, enquanto me via como umfuturo morador do "Bobosville", se eu disser "não" a todasessas coisas, o que vai ser de mim? Quero dizer, eu já desistido Denver Broncos por Sua causa. Qual será o meu futuroalém de um otário sem uma vida?Parecia que eu estava sempre brigando com Deus,quando Ele me levava àquelas encruzilhadas. Ele começou comisso em 1990. com a minha disposição de me identificar com oSeu nome. Depois, Ele começou a dar umas cutucadas na áreade esportes, e de lá para cá Ele começou a mexer com o meu"Orgulho Ludy". O seu objetivo era (e continua sendo) moldar-me a Sua própria semelhança. Era como se Ele estivesseestendendo a Sua mão para mim, pedindo-me que euentregasse a minha vida aos Seus cuidados. Pela Sua graça, eupoderia dar a Ele aquelas áreas da minha vida e logo descobriruma nova liberdade e uma nova beleza na vida. Mas, de vez emquando. Deus ultrapassa os limites e pede alguma coisa quenão é da Sua conta.Quando Deus começou a bater na porta do meu coraçãoque levava à sala denominada "Relacionamentos com o SexoOposto", reagi em defesa:-Nunca! NUNCA!!!Por algum tempo sentia que Deus estava ultrapassandoos limites. Quero dizer. Ele estava me pedindo coisas que eununca O vira pedindo a ninguém mais. Por alguma razão,quando Deus bateu naquela porta sagrada do meu coração,descobri que eu não estava a fim de discutir.64 / 159
  65. 65. - Deus. esta é a minha área! Reagi passionalmente.Relacionamento é algo muito importante para que eusimplesmente passe para as Suas mãos!Se eu entregasse a Deus aquela área, sabia que uma dasduas coisas aconteceria. Ou eu seria condenado a viversozinho, ou eu seria sentenciado a viver para sempre com "AMONSTRA"! Eu ia à igreja e conhecia o tipo de gente que Deusachava atraente. Havia sempre umas pessoas esquisitassentadas nos bancos.Durante todo o tempo eu resisti a Deus. Eu não estavaconseguindo ver uma coisa: Deus não queria me "pegar", Elequeria me abençoar! Se, de alguma forma, eu tivesseconseguido ver o Seu coração de Pai amoroso, saberia quedepositar completamente o meu coração em Suas mãos seria acoisa mais sensata a fazer.♥ ♥ ♥Todos nós nos apegamos a várias coisas em nossa vida,determinados a não abrir mão delas. Como pequenos"posseiros", abraçamos nossos brinquedinhos decididos a nãopermitir que o amoroso Pai os tire de nossas mãos para que Elepossa nos presentear com coisas maiores e mais belas - e bemmais duradouras. Precisamos aprender a desejar essesmomentos e a crer que Aquele que tira é também Aquele querenunciou a todas as coisas por nós. Não é para o Seu própriobenefício, mas para o nosso!Será que estou disposto a renunciar alguma coisa a queestou apegado? Essa é a oração que muitos temem fazer.Temos medo de perder o controle da direção de nossas vidas.Mas. se realmente conhecêssemos o Seu caráter, desejaríamosfazer essa oração.Enquanto estava na faculdade. Deus me levou arenunciar tudo em minha vida, desde o Denver Broncos aCindy McFarlane.Deus levou outras pessoas a renunciarem os Beatles etorta de abóbora. Cada um de nós luta. secretamente, para ter65 / 159

×