1 anaízagaspar apres ana ufpa_5_3_2013_forma3

281 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
281
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
66
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1 anaízagaspar apres ana ufpa_5_3_2013_forma3

  1. 1. O Papel das TICs na Sociedade da Informação Anaiza Caminha GasparCoordenadora de Tecnologia Aplicada a Novos Produtos
  2. 2.  Cenário Desejável  Todos estão conectados  Informação de acesso livre  Todos são autores – internet como direito universal.
  3. 3. ►Cenário Atual Conexão ainda é um luxo: dos 7 bilhões de habitantes da Terra, apenas 30% têm acesso à internet. 2011: 9 bilhões de dispositivos conectados (6 bilhões de dispositivos são móveis) Internet das coisas (máquinas /máquinas) , futuro das TICs: cérebro/cérebro Realidade Aumentada – superposição virtual ao real 2012: No Brasil, alcançamos a marca de 5 milhões de tablets; havia 200 mil tablets em 2011 Feitos na China a custo baixíssimo; custam de 60 a 80 dólares c/ rádio FM, TV digital, Bluetooth. Usuários entrando no mundo da Internet direto via dispositivos móveis.
  4. 4. ► Cenário AtualÁs políticas públicas cabem prover: Infraestrura de acesso Conteúdos sobre serviços do governo Estimulo à indústria de conteudos Capacitaçao para inclusão social;Avanços e recuos na implementação de politicas Programa da Banda Larga (PNBL/MC), maior instrumento da universalização do acesso no Brasil; Repactuação dos telecentros.BR, maior programa de financiamento de Telecentros de acesso público. Luta dos movimentos sociais pela diversidade dos meios e democratização na difusão e uso da informação.
  5. 5. Posição do Brasil no acesso à Internet Média mundial é de 33% e o Brasil situa-se acima da média mundial: 63º lugar entre os 154 países mapeados pela FGV Ranking mundial (acesso no domícilio): Suécia (97%), Islândia (94%), Dinamarca (92%), Holanda (91%) e Singapura (89%) Mapa da Exclusão Digital (FGV) publicado em 2003 passou a ser chamado de Mapa da Inclusão Digital em 2012 No período entre os dois estudos (9 anos), evolui de 8% de pessoas em domicílios com internet para 33% (Censo 2010) Fonte de dados: FGV. Mapa da Inclusão Digital, 2012.
  6. 6. Locais de Acesso à Internet %Casa 57%Lan house 35%Trabalho 31%Casa de amigos 20%Escola 18%Locais públicos gratuitos 5,5%
  7. 7. 158 Programas do Governo (Federal, Estadual eMunicipal) e TS, em um total de 28.800.Governo Federal:MC – GESAC – 10.792 PİD (antenas e kits) maior presença nosmunicipios;MEC – Proinfo 4.686 - escolas públicas;Terceiro Setor:BB - Telecentros Comunitários Banco do Brasil – 2.200 -Plataforma do ConhecimentoATN – Telecentros de Informação e Negócios (TIN )2.137 – SindicatosOi Futuro – Conecta 1.418 e Tô no Mundo 434, atuando emparceria com outros programas ou de forma isolada.
  8. 8. Governo estadual:Informática para a Comunidade da Secretaria, Pernambuco(908)Cidadania Digital , Bahia (885)Acessa São Paulo (703)Projeto Inclusão Digital , Minas Gerais (483)Programa de Inclusão Digital Beija Flor, Santa Catarina (157),Navega Pará (185), ParáParanavega, Paraná (179).Governo municipal:Informática Educativa da Secretaria Municipal de Educação deSão Paulo (1.255 PID),BH Digital da Prefeitura de Belo Horizonte (206) TelecentrosSão Paulo da Prefeitura de São Paulo (125)
  9. 9. DIVERSİDADE NO PAPEL DOS CENTROSPÚBLICOS DE ACESSO GRATUITOMinC - Pontos de Cultura(78 PID) – Programa MaisCultura (1344 PID)MCT - Casa Brasil(90 PID) – CVT(140 PID) - CorredorDigital Rural / IBICT(10 PID)MME - Telecentros Minerais (56 PID)SERPRO – Programa SERPRO de Inclusão Digital (214PID)MDA – Territórios Digitais – atende 20 mil familias em 135telecentros rurais - convivência e aprendizado, (Tabosa,Ce – mel, DF – melhoria da produção);Acessa SP (703 PID)– vertente para o campo – estudantese idosos;
  10. 10. Cecafé – Criança do Café nas Escolas(44 PID) - Salasdigitais e campos de futebol – redução da evasão escolar;Pirambu Digital (Fortaleza – Ce) jovens em situação derisco;ONG Formação - Projeto Jovem Cidadão (10 PID) - (Ma –Baixada),PMCG - Luz do Saber – Parque Ecologico Anhanduí (MS)- informatica e alfabetização - aulas customizadas c/informações regionais ( P. Freire) .
  11. 11. Deslocamento da Base de Acesso à InternetAss. Radio Comunitária Campestre (AL) – ponto de cultura,telecentro, grafica, produtora de áudio e vídeo - profissãoreporter, cinegrafista, locutor, roteirista, sonoplastia. Facebook –alerta de enchentes e metereologia.Quase 90% dos jovens de favelas pacificadas usam internet emcasa, caso do Rio de JaneiroDa lanhouse para a casa, via notebook, tablet ou celularMais de 5 milhões de tablets em circulação em 2012►Fonte: Pesquisa do Observatório de Favelas, Rio de Janeiro. Divulgada em 26 de fevereiro de 2013.
  12. 12. A mudança da base tecnológica de acessoOs dispositivos móveis - fator de aceleração do acesso,não previsto no primeiro PNBL, occorre com a explosão dabanda larga móvel – que cresceu 71% em relação a 2011.(Revista Arede 06/02/2013)O avanço de 24% na cobertura da banda larga 3G permitiua ativação de 635 novos municípios em 2012, numa médiade 2 municípios por dia. Ao todo, as redes de terceirageração estão instaladas em 3.285 municípios, onde mora88% da população. Opinião: O PNBL 2.0 e a crise fiscal - Miriam Aquino
  13. 13. “Hoje, mais de 87% dos jovens usam a internet em casa, no Complexo do Alemão. Na Cidade de Deus, 87,3%. Na Rocinha, a maior favela do Rio, são 89,5%. Em Manguinhos, 89,5%. E passa dos 90% no Complexo da Penha.”“Antigamente, a lan house funcionava até às 2, 3 horas da manhã. De sábado para domingo, nem fechava. E agora, meia noite, no máximo é o horário”. Wendel Mello, dono de uma lan house.► Fonte: Pesquisa do Obsrvatório de Favelas, Rio de Janeiro. Divulgada em 26 de fevereiro de 2013.
  14. 14. A tecnologia sozinha não resolve todos osproblemasRonaldo Lemos – FGV - projetos múltiplos, com impactos paraos próximos dez anos “e ajudar a planejar as políticas públicasmais adequadas para aproveitar esses potenciais”.Para a educação a tecnologia é integrante de um sistema maiscomplexo, professores, qualidade do material didático, programapedagógico bem pensado.Qual o conteúdo que vai ocupar esses tablets? Como aspessoas vão buscar esses conteúdos, quais os materiais, asmúsicas, os filmes?
  15. 15. Difusão de Conteúdos Técnicos e CientificosIBICT – Programa de acesso livre a informação;Integração entre as universidades brasileiras e comunidadecientífica;Ferramentas para elaboração de repositórios técnicoscientificos;Prospecção de novas tecnologias e inclusão informacionalcomprometida com processos educacionais e de ampliação deformas de acesso aos conteúdos técnico-científicos.
  16. 16. Difusão de Conteúdos Técnicos e CientificosProjetos pilotos para difusão de conteúdos técnicos cientificosem dispositivos móveis - Realidade Aumentada (RA) - UFPA –Belém – Landi; UFSCar – Brasilia Niemayer;Oferta a setores populacionais, especialmente jovens, deferramentas para elaboração e apreensão de conteúdos emnovos formatos;Construção das bases operativas visando ao aumento da ofertade conteúdos adequados aos dispositivos móveis e àpopularização dos conteúdos técnico-científicos;
  17. 17. Difusão de Conteúdos Técnicos e CientificosRelações mais transparentes entre poder público e cidadãospela ampliação do acesso a dados governamentais;Deslocamento urbano facilitado pela existência de sistemas deinformação interoperáveis, contribuindo para melhoria daqualidade de vida da população;Fomento a inovação e desenvolvimento de aplicativos esistemas integrados de informações urbanas, facilitado peloacesso livre a informação de diferentes provedores de dadosgovernamentais;
  18. 18. Difusão de Conteúdos Técnicos e CientificosAumento de oportunidades para incremento do turismosustentável e divulgação de informações úteis para preservaçãoambiental;Apropriação e re-significação urbana mediante acesso aconteúdos técnico-científicos disseminados em redes deinformação;Incremento ao turismo local pelo enriquecimento da informaçãoem tecnologias de realidade aumentada;Melhoria nos processos de ensino-aprendizagem pelo uso detecnologia de informação ( realidade aumentada) e incorporaçãodo urbano como cenário prático-educativo.
  19. 19.  Principais Motivos da Exclusão Digital  Falta de Interesse (33%)  Em Florianópolis, líder da banda larga, vigora a falta de interesse (62% de respostas da minoria excluída).  Incapacidade de Usar a Internet (31%)  Rio Branco é a capital do motivo falta de estrutura (42%).  EmJoão Pessoa as pessoas não acessam mais por falta de conhecimento (47%). Educação e Informação  19,5 milhões ganham menos de R$71,00  2,5 milhões (cerca de 700 mil famílias) permanecem de fora do Cadastro do Bolsa Família, vivendo abaixo da linha da miséria.
  20. 20. EQUIPE Emir Suaiden Diretor do IBICT emir@ibict.br Cecília Leite Coordenadora Geral de Pesquisa e Desenvolvimento de Novos Produtos cecilia@ibict.br Anaiza Caminha Gaspar Coordenadora de Tecnologia Aplicada a Novos Produtos anaiza@ibict.brJane Gadelha - Analista de informação (janeg@ibict.br)Karina Pena – Jornalista (karinapena@ibict.br)Lauro Bessa Lamenza - Bibliotecário (lauro@ibict.br)Maria de Fátima Tavares – Analista Pleno (fatimatavares@ibict.br)Odilon Gonçalves Martins – Técnico em C&T (odilon@ibict.br)

×