Trafico de animais e estratégias de combate (2)

859 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
859
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trafico de animais e estratégias de combate (2)

  1. 1. Estratégias de Ação e Estrutura de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres Fernando Tiné Pablo Fontes Recife, 2011.
  2. 2. O tráfico de animais• Definição: “Retirada de espécimes da natureza para que possam ser vendidos no mercado interno brasileiro ou para o exterior.” (IBAMA, 2011)• Características: • Rede de organização criminosa; • Inúmeras rotas de escoamento; • Influências e relações político-econômicas; • Corrupção em diferentes níveis de órgãos governamentais; • Ligação com diferentes atividades ilícitas; • Estrutura hierárquica semelhantes a outras organizações ilegais. (Hernandez, 2008)
  3. 3. O Brasil• Área: 8.547.403,5 km;• Maior riqueza de fauna do planeta: • 3 mil espécie de vertebrados terrestres; • Novas descrições através de recentes estudos; Apesar da enorme riqueza, normalmente estas espécies apresentam números populacionais relativamente pequenos associadas a expressivos endemismos. (RENCTAS, 2011) • Atual quadro de degradação ambiental.
  4. 4. Histórico do tráfico• Tribos indígenas Alimentação Mamíferos, aves, répteis, peixes, anfíbios e insetos; Fonte: diariodaamazonia.com.br Fonte : ttp://jairantinguiboto.wordpress.com/conheca- a-aldeia-tingui-boto/uma-cultura-milenar/
  5. 5. Histórico do tráfico • “Xerimbabos” : animais de estimação; • Araras; • Papagaios; • Periquitos; • Mutuns; • Bem-te-vi; • Primatas; • Jiboias. http://www.guiagratisbrasil.com/costumes-alimentacao-e-crencas-dos-indios/
  6. 6. Histórico do tráfico • Exploração indígena: • Criteriosa e sustentável. • Exploração européia: • Século XVI: Chegada dos portugueses ao Brasil; • 27 de abril de 1500: • Araras e papagaios enviados ao rei de Portugal; • Amostras de plantas e minerais; • “Terra dos Papagaios”.
  7. 7. Histórico do tráfico • Ano de 1511: • 22 periquitos tuins e 15 papagaios; • Ano de 1530, Cristóvão Pires: •70 aves de penas;• Comercialização nas ruas européias;• Símbolo de riqueza, poder e nobreza; Fonte: http://www.liveauctioneers.com/item/1086458
  8. 8. O tráfico
  9. 9. O tráfico Fonte:http://agenciapodium.wordpress.com/2010/07/0 6/oriximinapreso-traficante-de-drogas-e-animais- silvestres/http://www2.uol.com.br/sciam/noticias/nova _ferramenta_rastreia_o_comercio_ilegal_de_animais _silvestres.html
  10. 10. O tráfico• Retirada de 38 milhões de espécimes da natureza;• Inúmeras perdas na captura, transporte e comercialização; • Produtos: 4 mortes para um; • Animais vivos: 10 mortes para um;• Estrutura social: • Fornecedores; •Normalmente composta por pessoas • Intermediários; • Pessoas que criam comoentre zonas Pessoas que transitam animais de carentes que vêem na venda de animais rurais e centros urbanos; estimação; •uma forma de renda complementar. • Consumidores; • Pequenos e médios traficantes; Criadouros; •Traficantes nacionais e internacionais; • Colecionadores, entre outros.
  11. 11. O tráfico• Dificuldade no combate ao tráfico: • Falta de sistematização; • Falta de planejamento adequado; • Baixos recursos destinados as operações; • Falta de centros de triagens;
  12. 12. Fonte: Google maps Volta
  13. 13. Fonte: Google maps Volta
  14. 14. Brigada Ambiental
  15. 15. Brigada Ambiental
  16. 16. Brigada Ambiental
  17. 17. Brigada Ambiental
  18. 18. Brigada Ambiental
  19. 19. Brigada Ambiental
  20. 20. Brigada Ambiental
  21. 21. Brigada Ambiental
  22. 22. Brigada Ambiental
  23. 23. Brigada Ambiental
  24. 24. Estratégias 1. Trabalho Investigativo:• Levantamentos e filmagensem feiras livre por agentespaisanos;• Observação e mapeamentode possíveis depósitos deanimais silvestres;• Contato com informantes(própria população)
  25. 25. Estratégias 2. Abordagem à Feiras:• Estudo das possibilidades da operação: - Agentes à paisana; - Rotas de fuga; - Apoio de parceiros (CETAS/IBAMA, Polícia Civil/DEPOMA, CTTU, DIRCOM etc.
  26. 26. Estratégias 2. Abordagem à Feiras:• Transporte dos animaisao CETAS / IBAMA.
  27. 27. Estratégias 3. Monitoramento:• Atendimento de denuncias, feitas diretamente ou encaminhado pelo IBAMA.• Monitoramento: - Sensibilização à doação; - Aplicação da LCA.
  28. 28. Estratégias 3. Monitoramento:• Petshop’s: venda de armadilhas e animais sem autorização.• Associação de criadores. (Ex. Associação de passarinheiros)• Vendas por encomendas.
  29. 29. Estratégias 4. Educação Ambiental
  30. 30. Brigada Ambiental• O número de espécimes apreendidos por ano é diretamenteproporcional a intensidade de fiscalização e das apreensõesrealizadas;• Infelizmente um outro fator que dificulta o combate é a falta decentros de triagem municipal, para onde possam ser encaminhadosos animais evitando a sobrecarga do CETAS/IBAMA.Obrigado a todos.

×