Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens
IX Jogo do livro
ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte,...
Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens
IX Jogo do livro
ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte,...
Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens
IX Jogo do livro
ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte,...
Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens
IX Jogo do livro
ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte,...
Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens
IX Jogo do livro
ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte,...
Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens
IX Jogo do livro
ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte,...
Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens
IX Jogo do livro
ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte,...
Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens
IX Jogo do livro
ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte,...
Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens
IX Jogo do livro
ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte,...
Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens
IX Jogo do livro
ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte,...
Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens
IX Jogo do livro
ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte,...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

JANE AUSTEN NA INTERNET – UM RELATO DE EXPERIÊNCIA COM O USO DE FÓRUM E DO BLOG PARA DISCUSSÃO LITERÁRIA

878 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
878
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

JANE AUSTEN NA INTERNET – UM RELATO DE EXPERIÊNCIA COM O USO DE FÓRUM E DO BLOG PARA DISCUSSÃO LITERÁRIA

  1. 1. Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens IX Jogo do livro ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte, UFMG, 2011. JANE AUSTEN NA INTERNET – UM RELATO DE EXPERIÊNCIA COM O USO DE FÓRUM E DO BLOG PARA DISCUSSÃO LITERÁRIA AFONSO, Lília dos Anjos – UFPB - Pós Granduanda em Ciências da Linguagem, liliadosanjos@gmail.com ZARDINI, Adriana Sales – UFMG – Mestre em Educação Tecnológica aszardini@gmail.com As possibilidades que a internet oferece para a literatura são muitas, tais como: livros digitais gratuitos, sites e blogs especializados, listas de discussão, fóruns on-line e até mesmo sites de relacionamento são usados com a finalidade de discutir literatura. Porém, o campo que vem ganhando maior destaque é o uso de blogs para divulgação de livros, promoções e, principalmente resenhas e discussões literárias, que passa a ser virtual e tem conquistado um número cada vez maior de adeptos.O objetivo deste trabalho é apresentar um relato de experiência de um grupo de leitura, pertencente à JASBRA, além de expor alguns comentários de blogueiras que se dedicam à literatura. Faremos um levantamento a respeito das opiniões dos usuários, as razões que levam as pessoas a discutirem literatura na internet e faremos uma exposição dos motivos que levam as pessoas a desistirem de discussões no meio do caminho, enquanto outras pessoas participam assiduamente. Palavras chaves: Jane Austen, Fórum de discussão literária, Internet Introdução Nos últimos anos podemos perceber um avanço significativo do uso da tecnologia, principalmente a comunicação mediada por computadores (CMC), celulares e outros dispositivos eletrônicos. Esse boom tecnológico e constante inovação das tecnologias digitais e mídias diferentes de informação e comunicação, tem propiciado um número cada vez maior de processamento de informação e comunicação. Todos nós somos influenciados por essas mudanças, sendo que: A principal tendência neste domínio é a digitalização, que atinge todas as técnicas de comunicação e de processamento de informações. Ao progredir, a digitalização conecta
  2. 2. Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens IX Jogo do livro ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte, UFMG, 2011. no centro de um mesmo tecido eletrônico o cinema, a radiotelevisão, o jornalismo, a edição, a música, as telecomunicações e a informática. (LÉVY, 1993. P. 102) Cada vez mais um número maior de usuários passou a publicar seus pensamentos, artigos e opiniões em blogs e as redes sociais cresceram espantosamente nos últimos anos. Segundo a Wikipédia, as redes sociais ou sites de relacionamento são estruturas sociais compostas por pessoas ou organizações, conectadas por um ou vários tipos de relações e que partilham valores e objetivos em comum. Já as mídias sociais são definidas como o uso do meio eletrônico para interação entre pessoas através de sistemas digitais que combinam textos, imagens, sons e vídeo, para criar uma interação social de compartilhamento de experiências (Dubner, 2010). Estas ferramentas incluem blogs, fóruns, podcasts, microblogs, redes, comunidades, wikis,entre outras. Segundo o relatório da Nielsen Online, “80% dos internautas brasileiros visitou redes de relacionamento e blogs ao longo de 2008” (Pavarin, 2009). Ainda segundo o autor, os brasileiros gastam cerca de 23% do tempo online em orkut, blogs e sites semelhantes. Com o crescimento de novas redes e mídias sociais, estes espaços estão sendo utilizados para: marketing, educação, cultura e comércio eletrônico. Dos Encontros Presenciais aos Encontros Virtuais Os círculos literários sempre existiram, se voltarmos no tempo, até o século XIX, os livros eram lidos, na maioria das vezes, por um membro da família/comunidade - já que poucas pessoas sabiam ler - e posteriormente discutidos. A ideia de círculo literário já existia, porém, não era formalizada. Segundo Almeida (2008, p. 38), “os primeiros pontos de encontros literários surgiram na França no início do século XVI”. A burguesia e os intelectuais da época se reuniam em cafés, restaurantes e em salões literários, sendo que um dos mais conhecidos era o „bureau d‟esprit‟ de Louise Labé (Almeida, 2008). No Brasil, a partir do século XIX é que surgem os salões literários. Ainda de acordo com a autora (2008, p. 39), “até este momento, os principais pontos de encontro dos literatos brasileiros eram os cafés, e algumas confeitarias e livrarias”. Broca (apud Almeida, 2008) destaca que no período áureo dos cafés literários, os principais representantes eram o Café do Rio, o Java, o Café Paris, quanto às confeitarias, as mais prestigiadas eram a Confeitaria Colombo e a Confeitaria Pascoal. A transição dos encontros presenciais para os encontros virtuais se dá a partir da última década do século XX, já que: “os encontros tête-à-tête, a exemplo dos salões franceses do século XVI ou do Brasil do século XIX, já não são mais sinônimo de ambiente literário; e, ainda, que as discussões antes mantidas de forma contundente por escritores e apreciadores de uma boa leitura se transportam hoje para as comunidades virtuais, para as salas de bate-papo ou para os sítios de discussão”. (Almeida, 2008, p. 77) No campo da literatura é possível perceber como os avanços tecnológicos favoreceram e continuam favorecendo esta área. Há alguns anos, só era possível encontrar alguns textos/livros online (literatura digitalizada) e perfis de escritores. Porém, com a
  3. 3. Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens IX Jogo do livro ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte, UFMG, 2011. popularidade das mídias sociais, hoje é possível encontrar uma infinidade de recursos como: livros digitais gratuitos, sites e blogs especializados em literatura, listas de discussão, fóruns de discussão e até os sites de relacionamentos são usados com a finalidade de se discutir literatura. A literatura literária é beneficiada pelo desenvolvimento da tecnologia e também pela utilização e discussão por parte dos usuários da internet segundo os autores Lin (1997), Potter (1999) e McGrath (2009). Além disso, os círculos de discussão literária online apresentam inúmeras vantagens como a questão de espaço e tempo, além de beneficiar pessoas que não podem se locomover ou participar de discussões em escolas ou círculos literários, como relata Cavanaugh (2006). Os Blogs de Discussão Literária O termo blog foi concebido por Jorn Barger em 1997, que o definiu como uma página da Web onde os usuários relatam todas as páginas interessantes que encontra. Hoje em dia, a blogosfera mostra um crescimento em ritmo acelerado deste recurso. O blog pode ser caracterizado como um registro publicado na internet onde se relata sobre qualquer assunto e é organizado cronologicamente, muito semelhante a um diário. Além disso, os leitores têm a opção de adicionar comentários aos posts. Em relação à forma de interação, o blog oferece mais possibilidades de interação do que um site tradicional, uma vez que cada postagem pode ser discutida pelos leitores. Segundo Barbosa e Silva (2003) os blogs possuem duas variantes estruturais: 1) blog individual: onde somente o criador pode publicar conteúdos; 2) blog coletivo: onde mais de uma pessoa pode publicar. Quanto aos gêneros, a autora categoriza em dois: 1) blogs temáticos: “produzido individualmete ou em grupos, este tipo de weblog é concebido com base em um tema específico ou numa área de interesse em comum”; e, 2) blogs livres: “são publicações que não procuram se deter a um único tema” e “podem incluir criação literária, comentários sobre o que se passa na cabeça do autor, críticas, fofocas, atualização de notícias, diários, entre outros” (Barbosa e Silva, 2003). Existem sites e blogs exclusivamente para esta finalidade, como o caso do Skoob, O Livreiro, Goodreads, entre outros. Porém, o campo que vem ganhando maior destaque é o uso de blogs para divulgação de livros, promoções e, principalmente resenhas e discussões literárias. Há espaço e pessoas interessadas em todo tipo de gênero literário. Podemos citar como exemplo os blogs de Valéria Fernandes (Shoujo Café1) , especializado em mangás; o blog de Rosangela Neres (Descortinada palavra2), que discute uma literatura bastante diversificada; o site de um grupo de leitoras e escritoras de fanfics (Orgulho e Preconceito Fanfics3); e o site de Karla Arruda (Coffie and Movies4), especializado em literatura chicklit. Esses sites e blogs possuem milhares de seguidores e é possível perceber a enorme 1 http://shoujo-cafe.blogspot.com/ http://rosangelaneres.com/ 3 ttp://www.janeaustenfanfics.com.br 4 http://www.coffieandmovies.com.br/ 2
  4. 4. Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens IX Jogo do livro ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte, UFMG, 2011. quantidade de pessoas que acompanham as resenhas, lêem os livros e posteriormente participam de clubes de leitura virtuais ou presenciais. Os Fóruns de Discussão Literária De acordo com o dicionário Houaiss (2004), o fórum é uma reunião, congresso, ou conferência para debate de um tema. Na Antiguidade Clássica, as cidades como Roma e Grécia enalteceram a ideia de fóruns. Machado (2010) destaca que “entre os gregos, que antecederam e com certeza influenciaram os romanos, a compreensão dos fóruns está associada à ideia de espaço de debates públicos, políticos, filosóficos, culturais e artísticos”. Considerada uma das ferramentas atuais mais importantes e utilizadas, o fórum é um meio de interação em cursos e discussões virtuais. Segundo Marcuschi (2005), o fórum de discussão é considerado também um dos gêneros discursos emergentes, pois sugiram com o desenvolvimento da internet e das tecnologias da comunicação. Quando se refere à discussão literária, Cavanaugh (2006) afirma que geralmente os fóruns são chamados de: grupos de discussão literária, círculo de literatura, clube do livro, estudos literários e grupos de discussão literária. Independente de nomenclaturas, umas das características desses ambientes de discussão online é a função de: “constituir-se espaço para a discussão de um tema...”, “...além de oferecer condições para a construção de um ambiente colaborativo, em que o conhecimento é construído coletivamente por diferentes interlocutores e compartilhado para a construção ou a reconfiguração de conceitos”. (Silva, 2009b). Os fóruns de discussão online possuem como característica principal uma „conversa‟ em que os participantes não estão conectados em tempo real, facilitando o diálogo através de uma discussão assíncrona. A principal finalidade é o debate mediado entre grupos, em um espaço virtual onde os mediadores ou administradores disponibilizam perguntas sobre assuntos variados ou prédeterminados, gerando a discussão e o questionamento que „alimenta‟ o diálogo permanente. Quanto à modalidade, os fóruns podem ser divididos entre: 1) públicos ou privados (neste caso, é necessário receber um convite ou solicitar a aprovação no fórum); 2) mediados ou não-mediados (onde a criação e publicação de mensagens é livre); e 3) temáticos ou livres (nos fóruns temáticos, faz-se a escolha por um assunto específico, enquanto nos fóruns livres, discute-se de tudo um pouco). A internet está repleta de ambientes que propiciam a discussão literária como sugeridos por Wolsey (2004), Porter (1999), Almeida (2008), McGrath (2009), Nunes e Moura (2009). Porém, em muitos casos, percebe-se também que existe a necessidade e o interesse em se discutir literatura mesmo fora dos ambientes ditos como educativos, como as redes sociais (Orkut, Facebook, etc.) e os fóruns de discussão criados fora do ambiente
  5. 5. Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens IX Jogo do livro ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte, UFMG, 2011. escolar como, por exemplo: o Chá Cultural5, o Fórum da JASBRA6 e o El salón de té de Jane Austen7, entre outros. Objetivos O objetivo deste trabalho é apresentar um relatos de experiências de blogueiras que se dedicam a publicar sobre literatura e também fazer um relato de experiência do uso de um fórum de discussão pertencente à Jane Austen Sociedade do Brasil. Em nosso relato, apresentaremos as opiniões das blogueiras e apresentaremos um do perfil do fórum e dos usuários, a frequência de acesso dos usuários, entre outros aspectos quantitativos. Em seguida, faremos um levantamento a respeito das opiniões dos usuários, as razões que levam as pessoas a discutirem literatura na internet e tentar entender por quais motivos algumas desistem no meio das discussões enquanto outras participam assiduamente. Metodologia Este trabalho tem como foco a realização de uma pesquisa qualitativa à respeito das formas de leitura que atualmente são perceptíveis na comunidade on-line, o levantamento realizado através das questões propostas serviu para revelar aspectos de leitura em diversas mídias sociais, inclusive em fóruns e blogs. Foram levadas em consideração a opinião e a experiência de pessoas que estão envolvidas diariamente com grupos de leitura, logo, que observam a evolução das formas de leitura que tem sido praticadas atualmente, de modo que estas opiniões constituirão a base da análise desta pesquisa. Como instrumento de pesquisa, foi utilizado um questionário com a participação de pessoas que possuem blogs e tem um público considerável. Estas questões foram realizadas de forma subjetiva, permitindo a livre resposta dos participantes. Foram 16 questões que pertimiram a reflexão dos participantes acerca da temática abordada em seus respectivos espaços discussões, o perfil do leitor de blogs e fóruns, como este tipo de discussão é promovida, percepção sobre leitura na atualidade, a questão dominante do livro digital x livro impresso. Por outro lado, também aplicamos um questionário aos usuários do fórum JASBRA para avaliarmos as opiniões dos participantes a respeito da discussão literária online. Análise dos dados 5 http://chacultural.18.forumer.com/ http://jasbra.forumbrasil.net 7 http://janeausten.mforos.com/ 6
  6. 6. Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens IX Jogo do livro ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte, UFMG, 2011. Ao serem entrevistas, as blogueiras salientaram o quão eclético pode ser o público participante de discussões literárias na internet, por vezes é um público acadêmico, interessado em questões mais aprofundadas e até mesmo técnicas, relacionadas à literatura, como mostra o perfil do blog (des)cortinada palavra, da professora universitária Rosângela Neres. Também existe um público com perfil mais romântico, de características mais voltadas aos público jovem, que relacionam livros a eventuais adaptações cinematográficas, como o blog Coffies and Movies, da estudante Karla Arruda. Outro perfil de destaque é aquele que gosta de de discussões variadas, onde a conexão com a literatura acaba sendo uma consequência, abordagem principal do Shoujo Café da professora de história Valéria Fernandes. Pela época de criação de cada blog, notamos que esta evolução na integração entre leitura e internet vem de algum tempo, em média 6 anos, mas, tem ganhado força nos últimos tempos a partir da parceria realizada entre as editoras e blogs, fóruns, listas de discussão, etc, que tem encontrado nesse tipo de espaço, uma forma de divulgação como nunca obteve antes. As editoras saíram do espaço das livrarias e se instalaram virtualmente a partir do contato direto com o seu cliente mais importante: o leitor. Sorteios realizados por diversas mídias sociais, colocam diversas publicações, de temas variados e atingindo públicos diversos, em pauta, o que faz com que a leitura ganhe espaço na vida das pessoas de uma maneira diferente, através do contato virtual. Vale ressaltar, que o público brasileiro, segundo os entrevistados, não costuma colocar a leitura como uma prioridade em suas vidas. Então, o que justificaria esta crescente, seria prioritariamente um novo público, nem jovem e nem velho, mas um público interessado em ler independentemente do assunto e de restrições etárias. Conforme afirma Valéria Fernandes, o que tem feito o público ler mais, de fato, não é a facilidade de obter as publicações, mas a condição financeira em adquirir as obras. Logo, não foi o valor do livro que diminuiu, mas o fator financeiro que mudou e que permitiu que leitores que não tinham acesso, pudessem então aparecer, mesmo que boa parte dessa representação se configure através do meio on-line. Segundo as blogueiras, são diversas as motivações que fazem com que uma pessoa se interesse em discutir literatura e temáticas afins através das mídias digitais como fóruns, blogs, etc. O perfil dos entrevistados indicou que todos, de certa forma, já tinham uma produção enquanto leitores de outras publicações, o que consequentemente levou-os a abrir seu próprio espaço de divulgação e discussão, priorizando a leitura e a literatura. A motivação está ligada basicamente no fato de que os donos destes espaços são também leitores ávidos, mas, cujo o conhecimento tem significado a partir do seu compartilhamento com outras pessoas, o que induz a abertura de espaços que permitam esta interação. Valéria Fernandes destaca que “os adultos ainda lêem muito pouco na média, nosso país ainda é cheio de analfabetos funcionais”. Apesar de os livros ainda serem caros, os jovens brasileiros estáo tendo acesso a literatura em outros formatos, como as mídias digitais, por exemplo. Entretanto, “o cinema tem tido um papel muito importante para que jovens comecem a gostar de livros”, como afirma Valéria. Karla Arruda destaca que a maioria dos leitores de seu blog não lêem os livros publicados ali, muitas pessoas estão apenas navegando pela internet quando se deparam com o blog ou determinado assunto que
  7. 7. Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens IX Jogo do livro ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte, UFMG, 2011. estava pesquisando e sem querer acabou clicando no site e gostou e então começou a gostar de livros. De acordo com Rosangela Neres, geralmente alguns leitores apresentam assiduidade tanto de observação do espaço quanto de respostas aos temas que são propostos. Porém, a maioria acessa, e, até gosta da leitura ali exposta, mas nem sempre deixam comentários que permitam formar uma opinião coletiva daquilo que está agradando ou do que precisa ser melhorado, dado que, os blogs, fóruns e demais meios de divulgação, necessitam de reformulações constantes, já que no espaço on-line as novidades ganham contornos mais velozes, e é um espaço efêmero, onde a velocidade da informação é constante, e, sendo assim, é necessário acompanhar o ritmo dos acontecimentos relacionados às discussões realizadas. Em relação aos leitores do passado e os leitores da atualidade, Rosangela acredita que as pessoas se interessavam mais pelos livros porque as novidades tecnológicas eram menores, e a literatura era mais cobrada nas escolas. Ainda segunda a blogueira, “os leitores de hoje são mais distraídos com a tecnologia que nem sempre oferece leituras completas ou desafiadoras”. Por outro lado, Valéria percebe que os jovens lêem muito mais, pelo menos aqueles com os quais ela convive. O literatura infato-junenil é favorecida, principalmente, pelo marketing na televisão e internet e Valéria acredita que o número crescente de leitores jovens se dá “porque há uma fatia maior de livros voltados para o seu interesse – vide Harry Potter, Meg Cabot”. Em relação ao fórum de discussão da JASBRA, as discussões começam a partir dos livros, em seguida são feitas comparações entre o livro e as adaptações para o cinema e a TV. Entretanto, há espaço para apresentações dos membros, brincadeiras, sorteios, avisos e discussão de outros autores e seus livros. A associação ao fórum é gratuita e os usuários podem postar suas mensagens de acordo com a disponibilidade de cada um. A interação entre os participantes, até então completos desconhecidos, se dá através do respeito mútuo e da reciprocidade, reafirmando o conceito de interação de Belloni (2001). De acordo com os dados, ficou evidente que os participantes pertencem ao sexo feminino (95% = 36 mulheres), sendo que apenas dois homens participaram da pesquisa. O grupo é composto por pessoas jovens, pois a faixa etária predominante é a entre 21 e 30 anos (47%), sendo que há também um número elevado de pessoas com idades entre 21 a 25 anos (23,5%) e 36 a 40 anos (23,5%). Considerando a participação no Fórum de Discussão JASBRA, 55% dos pesquisados participam do fórum. Quanto à frequência de participação, podemos observar uma variação muito grande, sendo que 1/3 dos participantes preferem visitar o fórum apenas quando recebem avisos de que há novas mensagens nos tópicos que participam. Os motivos que levaram as pessoas a participarem do fórum, estão centrados, basicamente, na “possibilidade de discutir sobre temas e assuntos que lhes (me) interessam, aprofundar discussões sobre os livros de Jane Austen e conhecer pessoas que tenham interesses semelhantes aos meus...” (P15). Cerca de 76% dos participantes disseram não sentir dificuldades ao utilizarem o fórum. Porém, 24% (5 pessoas) disseram ter alguma dificuldade de participação, pois:
  8. 8. Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens IX Jogo do livro ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte, UFMG, 2011. • sentiam dificuldades técnicas, pois não sabiam navegar ou ler/responder os tópicos e mensagens; • sentiam dificuldades de ler/responder os tópicos já que existem muitas mensagens; • não se sentiam entrosados com o grupo; • não acessam a internet todos os dias. Uma outra seção aberta no Fórum de Discussão JASBRA trata de tópicos não ligados diretamente a obra da escritora Jane Austen, por isso, a Seção Off-topic foi elaborada para o entretenimento daqueles que assim desejarem debater a respeito de outros temas quer sejam eles literários ou cine-televisivos. Esta seção atrai muitos dos participantes, já que envolve a discussão sobre trabalhos de outros autores que tem proximidade em relação ao texto de Jane Austen. Sendo assim, muitos dos livros abordados nesta seção também possuem adaptações que geram discussões a respeito das nuances literárias destes demais autores. Para 76% dos participantes, o debate em torno do tópico das adaptações de séries e filmes a respeito dos livros são os assuntos mais interessantes. Já 52% percebem que outro atrativo está no tópico denominado biblioteca, onde estão concentradas as discussões em torno de outros autores. Ainda a respeito da participação em tópicos diferentes da temática principal, 76% dos participantes consideram a discussão de outros temas como sendo de ajuda, ou seja, não atrapalha a condução do fórum. Já com relação a opinião dos mesmos sobre os temas de livros de abordagens modernas, 50% acreditam que estes livros não são nem fáceis e nem difíceis, e também são indiferentes quanto de ajudarem ou não na compreensão da temática central abordada. Outro indicativo constatado é que, ao entrarem no fórum, metade dos participantes tinham inicialmente apenas o foco na discussão sobre os livros de Austen, passando a ter também interesse por outras discussões a partir de então. Os participantes demonstraram uma preferência pelo estilo clássico (48%), talvez sendo um indicativo de influência nas discussões, já que a temática principal consiste na discussão de uma autora considerada clássica. Porém, muitos participantes demonstram uma abertura em relação a preferências, visto que 33% indicaram gostar ambos os estilos (clássico e moderno).Por fim, nesta seção, os jogos e brincadeiras existentes são indiferentes para os participantes, já que para 68% deles não ajuda e nem atrapalha as discussões existentes. Como considerações finais a respeito do fórum em geral, os participantes teceram vários comentários a respeito de suas funcionalidades, como: boa organização, seriedade nos temas tratados e bom gosto nas abordagens realizadas. Como afirma P1: “O fórum, como ferramenta de discussão, traz mais seriedade ao espaço da Internet. Mas (...) devemos dar mais formalidade às discussões e cuidar para que este não seja banalizado”. Este tipo de comentário nos faz refletir a respeito das possíveis visões distintas que os participantes tem do fórum: um lugar para aprendizagem ou um lugar para passatempo e diversão. Não aprofundaremos nossa discussão sobre a aprendizagem formal e informal, mas enfatizamos que mesmo não se tratando de um ambiente formal de aprendizagem (um curso, por exemplo), o fórum representa para alguns um ambiente de aprendizagem colaborativa e compartilhamento de saberes.
  9. 9. Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens IX Jogo do livro ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte, UFMG, 2011. O aspectos negativos apontados pelos entrevistados estão mais centrados nas próprias dificuldades dos participantes do que por problemas encontrados no fórum, além da falta de tempo para participar (P28). Também se sentem intimidados pelo fato de que algumas abordagens se tornam mais difíceis de prosseguir, dado o nível da discussão, como podemos observar na resposta de P32 “... às vezes perco a ordem e leio msgs mais antigas como se fossem recentes e perco do fio da meada...”. Sugerem ainda que exista maior interação com a participação mais constante dos participantes e que os avisos sobre a colocação e retirada de tópicos seja melhor evidenciada. Considerações Finais De um modo geral, a utilização dos blogs sobre literatura tem aspectos positivos como: uma maior divulgação das obras, um aumento crescente de leitores dos lugares mais diversificados, ampliação das discussões, entre outros. De acordo com a pesquisa realizada entre as blogueiras, foi possível observar que mesmo se tratando de uma ferramenta democrática, a internet ainda é um espaço privilegiado quando se trata de literatura e discussão de livros. Os principais motivos para o aumento dos números de leitores se deve ao fato de que o poder de compra cresceu e assim as pessoas podem comprar mais livros, além da propaganda massiva em meios de comunicação e mídias digitais. Como afirmaram algumas blogueiras, as pessoas acompanham os blogs sobre literatura, mas não se envolvem o suficiente para gerar discussões mais aprofundadas ou simplesmente não deixam mensagens nas publicações. Muitas pessoas afirmam não ter tempo de deixar comentários ou participar efetivamente das discussões, no entanto, muitos demonstram interesse em participar de discussões presenciais. Esse tipo de afirmação é ambíngua, pois se o leitor não tem tempo para acessar as discussões online, onde não há exigência de tempo e lugar, como seria possível dentro de uma agenda lotada de compromissos reservar um horário para encontros literários? A impressão que se tem é que há muita coisa importante publicada sobre literatura, mas aqueles que realmente se envolvem em discussões aprofundadas são relativamente poucos. Em relação ao fórum de discussão da JASBRA, foi possível observar que este espaço tem gerado boas discussões e interesse dos participantes. O maior motivo de não partipação no fórum é a falta de tempo. Entretanto, devemos procurar entender se o real motivo é falta de tempo mesmo, visto que a grande maioria dos usuários acessam a internet todos os dias e realizam as mais diversificadas tarefas online. É preciso também levar em consideração que a infrequência de muitos participantes está no fato de que eles não se sentem preparados para discutirem e não se sentem engajados no processo, conforme afirma Wolsey (2004). A interação também é fundamental para o desenvolvimento das discussões. Enquanto muitos participantes leem e respondem as mensagens dos outros, alguns participantes se limitam apenas a ler o que os outros escrevem. Esta atitude, apesar de compreensível, desmonta o conceito de interação de Belloni (2001), visto que para haver interação em um fórum online, é necessário dois ou mais sujeitos, sendo uma ação de
  10. 10. Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens IX Jogo do livro ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte, UFMG, 2011. reciprocidade entre ambos. Além das características citadas anteriormente, acrescentandos também a característica da afetividade entre os participantes, pois muitos utilizam o fórum como uma forma de estarem juntos (virtuamente) e acreditam que estão fortalecendo os laços de amizades nascidas no meio digital. O desafio dos ambientes informais de aprendizagem, como o fórum da JASBRA, é incentivar a autonomia e a criatividade dos participantes, e a literatura e a tecnologia são excelentes ferramentas para alcançar este objetivo (Botelho, 2008). É importante destacar também que os participantes devem reavaliar seus conceitos a respeito de aprendizagem, já que nos últimos anos, as novas tecnologias têm contribuido muito para que as pessoas sejam autores de sua própria aprendizagem. Referências ALMEIDA, P. P. Fontes de Informação Literária na Internet: Uma Avaliação. 2008. 91 f. Dissertação (Mestrado em Literatura), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008. 91f. Disponível em: <http://www.tede.ufsc.br/teses/PLIT0303-D.pdf>. Acesso em: 18 de setembro de 2011. BARBOSA E SILVA, Jan Alyne. Weblogs: Múltiplas utilizações e um conceito. XXVI Congresso Anual em Ciências da Comunicação, Núcleo da Informação e da Comunicação, Belo horizonte/MG, 02 a 06 de setembro de 2003. Disponível em: HTTP://penta3.ufrgs.br/PEAD/Semana01/2003_NP08_silva.pdf. Acessado: 18 de setembro de 2011. BELLONI, M. L. Educação a Distância. Campinas: Autores Associados, 2001. BOTELHO, M. Teaching Literature through New Technologies. Dissertação (Mestrado em Ensino de Inglês), Universidade Nova de Lisboa. Lisboa, 2008. Disponível em: <http://www.fcsh.unl.pt/docentes/cceia/mestrado-em-ensino-doingles/trabalhos-deprojecto-viva-voce-examinations/marlene-botelho.pdf>. Acesso em: 18 de setembro de 2011. CAVANAUGH, T. W. Using technology enhancement in the literature circle as an accommodation for learners with special needs. SITE Orlando, 2006. Disponível em: <http://www.unf.edu/~tcavanau/presentations/SITE/pres_teclitcir/technology_enhancement _literature_circle_accommodation.pdf>. Acesso em: 18 de setembro de 2011. DUBNER, A. Mídia Social. 2010. Disponível em: <http://www.midiasocial.com.br/home/default.asp>. Acesso em: 18 de setembro de 2011. HOUAISS A. Dicionário da Língua Portuguesa. 2ª edição revista e ampliada. Rio de Janeiro: Editora Moderna, 2004.
  11. 11. Anais do III Fórum Ibero-americano de Letramentos e Aprendizagens IX Jogo do livro ISBN: 978-8508007-045-3 Belo Horizonte, UFMG, 2011. MACHADO. J. L . A. Conhecendo os recursos de aprendizagem on-line: Fóruns de Discussão. Portal Planeta Educação, 2010. Disponível em: <http://www.planetaeducacao.com.br/novo/imagens/artigos/diario/Conhecendoos-recursosde-aprendizagem-on-line.pdf>. Acesso em: Acesso em: 18 de setembro de 2011. MARCUSCHI, L. A. G. Gêneros Textuais Emergentes no Contexto da Tecnologia Digital. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C (Orgs.) Hipertexto e Gêneros Digitais. Rio de Janeiro: Papirus, 2005, p. 13 – 67. MCGRATH, L. Rare Books in the Classroom! Interactive Programs and Digital Collections of Historical Children‟s Books. In: BOOTH, D.; PETERSON, S; JUPITER, C. Books, media, & the Internet: children's literature for today's classroom. Winnipeg: Portage & Main Press, 2009. p. 163 – 173. NUNES, C. P. & MOURA, C. A. C. Literatura Digitalizada: O Novo Processo de Leitura, a Partir da Obra The Scarlet Leter em sua Versão Digital. Anais do III Encontro Nacional sobre Hipertexto, Belo Horizonte: CEFET-MG, 2009. Disponível em: <http://www.ufpe.br/nehte/hipertexto2009/anais/g-l/Literatura-digitalizadao-novoprocesso-de-leitura-a-partir-da-obra-The-Scarlet-Letter-em-sua-versaodigital.pdf>. Acesso em: 18 de setembro de 2011. PAVARIN, Guilherme. Brasil, o país que reina nas redes sociais. INFO Exame, 06 de abril de 2009. Disponível em: <http://info.abril.com.br/noticias/internet/brasil-opaisque-reina-nas-redes-sociais-06042009-41.shl>. Acesso em: 18 de setembro de 2011. PORTER, S. Introduction: Technology in Teaching Literature and Culture – Some Reflections. Teaching European Literature and Culture with Communication and Information Technologies, 1999. Disponível em: <http://users.ox.ac.uk/~ctitext2/publish/occas/eurolit/porter.html>. Acesso em: 18 de setembro de 2011. SILVA, S. G. Fórum Educacional Digital: dialogismo e construção do conhecimento. Dissertação ( Mestrado em Língua Portuguesa) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009b. WOLSEY, T. D. Literature discussion in cyberspace: Young adolescents using threaded discussion groups to talk about books. Reading Online, 7(4), 2004. Disponível em: <http://www.readingonline.org/articles/art_index.asp?HREF=wolsey/index.html>. Acesso em: 18 de setembro de 2011.

×