Slide aniversário de recife

2.916 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.916
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.713
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slide aniversário de recife

  1. 1. — Alô, cotovia! — Aurora da minha vidaAonde voaste, que os anos não trazem maisPor onde andaste,Que saudades me deixaste? Que os anos não trazem mais! — Os anos não, nem os dias,— Andei onde deu o vento. Que isso cabe às cotovias.Onde foi meu pensamento Meu bico é bem pequeninoEm sítios, que nunca viste, Para o bem que é deste mundo:De um país que não existe . . . Se enche com uma gota de água.Voltei, te trouxe a alegria. Mas sei torcer o destino, Sei no espaço de um segundo— Muito contas, cotovia! Limpar o pesar mais fundo.E que outras terras distantes Voei ao Recife, e dos longesVisitaste? Dize ao triste. Das distâncias, aonde alcança Só a asa da cotovia,— Líbia ardente, Cítia fria, — Do mais remoto e peremptoEuropa, França, Bahia . . . Dos teus dias de criança— E esqueceste Pernambuco, Te trouxe a extinta esperança,Distraída? Trouxe a perdida alegria.— Voei ao Recife, no CaisPousei na Rua da Aurora.
  2. 2. Evocação do Recife – Manuel Bandeira Recife Não a Veneza americana Não a Mauritsstad dos armadores das Índias Ocidentais Não o Recife dos Mascates Nem mesmo o Recife que aprendi a amar depois — Recife das revoluções libertárias Mas o Recife sem história nem literatura Recife sem mais nada Recife da minha infância A rua da União onde eu brincava de chicote-queimado e partia as vidraças da casa de dona Aninha Viegas Totônio Rodrigues era muito velho e botava o pincenê na ponta do nariz Depois do jantar as famílias tomavam a calçada com cadeiras mexericos namoros risadas A gente brincava no meio da rua Os meninos gritavam: Coelho sai! Não sai! A distância as vozes macias das meninas politonavam: Roseira dá-me uma rosa Craveiro dá-me um botão
  3. 3.  (Dessas rosas muita rosa Terá morrido em botão...) De repente nos longos da noite um sino Uma pessoa grande dizia: Fogo em Santo Antônio! Outra contrariava: São José! Totônio Rodrigues achava sempre que era são José. Os homens punham o chapéu saíam fumando E eu tinha raiva de ser menino porque não podia ir ver o fogo. Rua da União... Como eram lindos os montes das ruas da minha infância Rua do Sol (Tenho medo que hoje se chame de dr. Fulano de Tal) Atrás de casa ficava a Rua da Saudade... ...onde se ia fumar escondido Do lado de lá era o cais da Rua da Aurora... ...onde se ia pescar escondido
  4. 4.  Capiberibe — Capiberibe Lá longe o sertãozinho de Caxangá Banheiros de palha Um dia eu vi uma moça nuinha no banho Fiquei parado o coração batendo Ela se riu Foi o meu primeiro alumbramento Cheia! As cheias! Barro boi morto árvores destroços redemoinho sumiu E nos pegões da ponte do trem de ferro os caboclos destemidos em jangadas de bananeiras Novenas Cavalhadas E eu me deitei no colo da menina e ela começou a passar a mão nos meus cabelos Capiberibe — Capiberibe Rua da União onde todas as tardes passava a preta das bananas Com o xale vistoso de pano da Costa
  5. 5.  E o vendedor de roletes de cana O de amendoim que se chamava midubim e não era torrado era cozido Me lembro de todos os pregões: Ovos frescos e baratos Dez ovos por uma pataca Foi há muito tempo... A vida não me chegava pelos jornais nem pelos livros Vinha da boca do povo na língua errada do povo Língua certa do povo Porque ele é que fala gostoso o português do Brasil Ao passo que nós O que fazemos É macaquear A sintaxe lusíada A vida com uma porção de coisas que eu não entendia bem Terras que não sabia onde ficavam Recife...
  6. 6.  Rua da União... A casa de meu avô... Nunca pensei que ela acabasse! Tudo lá parecia impregnado de eternidade Recife... Meu avô morto. Recife morto, Recife bom, Recife brasileiro como a casa de meu avô.
  7. 7.  Recife – Manuel Bandeira Há que tempo não te vejo! Não foi por querer, não pude. Nesse ponto a vida me foi madrasta, Recife. Mas não houve dia em que não te sentisse dentro de mim: Nos ossos, nos olhos, nos ouvidos , no sangue, na carne, Recife. Não como és hoje, Mas como eras na minha infância, Quando as crianças brincavam no meio da rua (Não havia ainda automóveis) E os adultos conversavam de cadeira nas calçadas (Continuavas província, Recife.) Eras um Recife sem arranha-céus, sem comunistas, Sem Arrais, e com arroz, Muito arroz, De água e sal, Recife.
  8. 8.  Um Recife ainda do tempo em que o meu avô materno Alforriava espontaneamente A moça preta Tomásia, sua escrava, Que depois foi a nossa cozinheira Até morrer, Recife. Ainda existirá a velha casa senhorial do Monteiro? Meu sonho era acabar morando e morrendo Na velha casa do Monteiro. Já que não pode ser, Quero, na hora da morte, estar lúcido Para te mandar a ti o meu último pensamento, Recife.
  9. 9.  Ah Recife, Recife, Nem os ossos nem o busto Que me adianta um busto depois de eu morto? Depois de morto não me interesserá senão, se possível, Um cantinho no céu, "Se o não sonharam", como disse o meu querido João de Deus, Recife.
  10. 10. RECIFE E SUA POESIA - Mercedes Pordeus  O Recife é uma cidade feliz Na poesia não se contradiz Pois vive diariamente com maestria Não importando se de noite ou de dia O Recife vive, ama e respira poesia. Tantos poetas aqui suas vidas passaram Tantos poetas aqui fizeram suas histórias Em cada canto e recanto se eternizaram Cantaram em versos toda nossa história Assim, é uma cidade cantada em glórias. História, lutas, batalhas e seu romantismo, Estão revelados com a poesia e altruísmo. O Recife é berço de revoluções libertárias Na ânsia de formar conquistas igualitárias O pernambucano deixa seu conformismo.
  11. 11.  Cidades, Estados, países, sem problemas? Aponte-me alguém um que não os possua Mas, ter um povo que saiba viver a tradição. Valorize o legado lhe deixado como prêmio Isso é de poucas, o privilégio na educação. Esta se retrata de forma popular Muito espontânea em cada esquina Ah! Sabedoria popular que nos faz sonhar Sonhos que se dispersam e se diluem Escoando nas águas doces dos seus rios. O Recife clama por poesia e ela sente a emoção Quando vivida nos corações externa a comoção Emoções na simplicidade e na forma de falar Do povo recifense, do povo pernambucano Que faz questão de mostrar que é humano. As cidades interioranas também carregam na alma Com muita intensidade os versos que as acalmam Ali reina a poesia popular, romântica e cordelina Expressão de um povo que mesmo sofrido Consegue a emoção de viver com adrenalina.
  12. 12.  Manuel Bandeira, Gilberto Freyre, Mauro Mota Ascenso Ferreira, Solano Trindade, dentre tantos deixaram seus legados quer de uma forma popular, Social... E dignos são de receberem nosso tributo Na cultura e educação deixaram grande contributo. A nossa literatura nada deixa a desejar E nem precisa de as outras se comparar Ela é singular, simples, rica e exemplar. Se aos nossos poetas passamos a dignificar. Vivendo no solo pernambucano a nos orgulhar. As manifestações poéticas e literárias São formas de agradecimentos diários Para aqueles que nos engrandeceram No nosso interior, dentro do país e exterior. Assim temos o poeta consagrado e amador.

×