Pesquisa sobre torno

358 visualizações

Publicada em

Usinagem - fluido de corte

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
358
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pesquisa sobre torno

  1. 1. Ministério do Meio Ambiente Promoção: GESTÃO DE FLUIDOS DE USINAGEM ENG. MARIA JULIETA ESPINDOLA BIERMANN
  2. 2. Ministério do Meio Ambiente Promoção: FLUIDOS DE USINAGEM APLICAÇÕES RISCOS OCUPACIONAIS RISCOS AMBIENTAIS PmaisL APLICADA GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS OBJETIVO
  3. 3. Ministério do Meio Ambiente Promoção: CONCEITO Fluido de Usinagem ou Fluido de Corte é um material composto, na maioria das vezes, líquido, que deve ser capaz de: refrigerar, lubrificar, proteger contra a oxidação e limpar a região da usinagem.
  4. 4. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Fluidos de Usinagem
  5. 5. Ministério do Meio Ambiente Promoção: APLICAÇÕES do Fluido de Usinagem O uso do Fluido de Usinagem, geralmente á justificado por um dos dois fatores; • 1. Geração excessiva e:ou redução ineficiente de calor pelo sistema ferramenta cavaco peça • 2. Ocorrência de esforço elevado ( atrito)
  6. 6. Ministério do Meio Ambiente Promoção: APLICAÇÕES do Fluido de Corte
  7. 7. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Efeitos da temperatura no processo de usinagem • Desgaste acelerado da ferramenta • Dano térmico à estrutura da peça usinada • Distorção devido à dilatação térmica
  8. 8. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Fluido de Usinagem como REFRIGERANTE Para que o fluido de usinagem reduza o calor de forma eficiente, ele deve possuir; • Baixa Viscosidade • “Molhabilidade” • Alto calor específico e baixa condutividade térmica
  9. 9. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Fluido de usinagem como Lubrificante • Atua reduzindo o atrito entre ferramenta cavaco peça •Redução de esforços •Redução de atrito. Características de um bom lubrificante; Resistir a altas pressões e temperaturas Possuir boas propriedades antifricção e antisoldantes Possuir viscosidade adequada – baixa o suficiente para que o fluido chegue a zona a ser lubrificada e alta o bastante para permitir boa aderência
  10. 10. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Como refrigerante ele atua: • Sobre a ferramenta e evita que ela atinja temperaturas muito altas e perca suas características de corte. • Sobre a peça, evitando deformações causadas pelo calor. • Sobre o cavaco , reduzindo a força necessária para que seja cortado.
  11. 11. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Como lubrificante • O fluido de corte facilita o deslizamento dos cavacos sobre a ferramenta e diminui o atrito entre a peça e a ferramenta. • Reduz o coeficiente de atrito na região de contato ferramenta-cavaco melhorando o rendimento da máquina.
  12. 12. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Como protetor contra oxidação • Protege a peça, a ferramenta e o cavaco, contribuindo para o bom acabamento e aspecto final do trabalho.
  13. 13. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Ação de limpeza • A ação de limpeza ocorre como conseqüência da aplicação do fluido de corte em forma de jato, cuja pressão afasta as aparas deixando limpa a zona de corte e facilitando o controle visual da qualidade do trabalho
  14. 14. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Classificação dos fluidos de usinagem • A composição exata dos fluidos e seus aditivos nem sempre são claramente informados nas - FISPQ e variam, basicamente, em função da finalidade da aplicação e do material a ser usinado. Apesar de existirem várias nomenclaturas para definir a classificação dos fluidos líquidos, quimicamente eles são divididos em dois grandes grupos:
  15. 15. Ministério do Meio Ambiente Promoção: I) Fluidos integrais, isentos de água: São os óleos integrais isentos de água cuja base pode ser: • a) mineral (óleos de petróleo de base parafínica ou naftênica); • b) sintética (ésteres, diésteres); • c) vegetal (canola) ou ainda • d) mistos misturados para dar maior compatibilidade aos aditivos. Vantagens; • Não são corrosivos • Longa duração se mantido limpos
  16. 16. Ministério do Meio Ambiente Promoção: II) Fluidos à base de água: emulsões e soluções • São compostos aquosos; a)Emulsões de óleo em água • Basicamente compostos de água e óleo. A quantidade de óleo varia com o tipo de fluido necessário Características; • Alto poder refrigerante • Alto poder umectante Comparando com a água • Menor ação corrosiva • Melhor ação lubrificante Esses fluidos são geralmente utilizados em operações de alta velocidade, devido à grande capacidade refrigerante que possuem.
  17. 17. Ministério do Meio Ambiente Promoção: II) Fluidos à base de água: emulsões e soluções b) Soluções químicas verdadeiras - Soluções Características; • não absorver os óleos contaminantes que vazam das máquinas (são insolúveis) • possuir excepcional resistência biológica
  18. 18. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Aditivos dos fluidos de usinagem e suas funções • Os aditivos melhoram as propriedades inerentes aos fluidos ou lhes atribuem novas características. Em geral, se enquadram em duas classes: 1. aqueles que afetam uma propriedade física ex. viscosidade 2. aqueles cujo efeito é puramente químico ex. anticorrosivos, antioxidantes
  19. 19. Ministério do Meio Ambiente Promoção: FUNÇÃO DOS ADITIVOS ADITIVOS FUNÇÃO Antioxidantes Proteger os fluidos de usinagem frente à ação agressiva da atmosfera Emulsionantes Estabilizar a emulsão Inibidores da corrosão Proteger a peça e a ferramenta Biocidas Impedir o desenvolvimento de microorganismos no fluido Aditivos de extrema pressão Formar uma capa intermediária entre duas superfícies metálicas, melhorando a lubrificação e evitando o desgaste
  20. 20. Ministério do Meio Ambiente Promoção: FUNÇÃO DOS ADITIVOS Umectantes ou estabilizantes Estabilizar o concentrado Antiespumantes Evitar a formação de espuma Complexantes Eliminar e previnir a formação de incrustações Outros Detergentes, dispersantes ADITIVOS FUNÇÃO
  21. 21. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Fluido de usinagem esgotado • Devido às características inerentes ao processo de usinagem, as propriedades dos fluidos vão diminuindo (fenômeno conhecido como stress mecânico), ao mesmo tempo em que aparece uma série de contaminantes que reduzem ainda mais suas propriedades e rendimento. Contaminantes comuns • óleos externos procedentes de fugas dos circuitos hidráulicos e de engraxe, lubrificantes, partículas sólidas metálicas, microorganismos, restos de panos de limpeza, poeiras etc.
  22. 22. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Fluidos Integrais Esgotados • ao serem submetidos a altas temperaturas nas operações de usinagem, sofrem reações de oxidação e polimerização, formando uma mistura complexa de compostos orgânicos e outros elementos contaminantes resultantes do desgaste dos metais. Contaminantes comuns; água, restos de aditivos como fenóis, compostos de zinco, cloro e fósforo, ácidos orgânicos ou inorgânicos; bem como qualquer outro composto que por qualquer motivo fique misturado com estes óleos.
  23. 23. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Emulsões e soluções esgotadas Além da fadiga térmica e das reações químicas, a perda da qualidade é agravada pela presença de microorganismos que metabolizam os componentes do fluido, modificando sua estrutura química. A presença de sólidos faz com que aumente ainda mais a proliferação destes microorganismos e, por conseqüência, a degradação do fluido. Microrganismos freqüentemente encontrados nas emulsões: bactérias, algas e fungos. Podem ser combatidos com bactericidas e fungicidas, em quantidades restritas pois os mesmos têm limitada solubilidade na água.
  24. 24. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Riscos ocupacional e ao meio ambiente
  25. 25. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Formação de névoas ferramenta fluido calor peça particulados
  26. 26. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Riscos Ocupacionais • A elevada velocidade de giro atingida pelas máquinas e/ou ferramentas e a pressão de fornecimento de fluido, provocam a formação de névoas ou aerossóis, que se dispersam no ambiente. Tem-se então o risco da inalação dessas partículas, com o efeito nocivo para a saúde do trabalhador.
  27. 27. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Riscos Ocupacionais • Inalação - Irritações das vias respiratórias (pneumonia, fibrose pulmonar e asma). • Exposição a essa atmosfera podem apresentar tosse e catarro, irritação no nariz e na garganta e dificuldade respiratória. • Contato pode causar o ressecamento ou irritações da pele (alergias), erupções cutâneas, Ex; o contato rotineiro do abdômen de um trabalhador com a máquina impregnada pelo fluido pode causar uma dermatite, se o tecido da roupa não for impermeável ao fluido.
  28. 28. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Riscos Ocupacionais • Os microorganismos contaminam as emulsões. Dosagens fracas ou adições muito freqüentes de biocidas, formam micróbios resistentes, e a quantidade de biocida precisa ser aumentada por não apresentar mais os mesmos resultados. Entretanto, os biocidas não agem somente sobre os microorganismos nas emulsões. A população natural de bactérias nas mãos dos operadores também é afetada negativamente, deixado de formar a barreira protetora natural da pele. As conseqüências são eczemas e o aparecimento de fungos.
  29. 29. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Medidas preventivas à saúde ocupacional M ED ID AS D O T R AB AL H AD O R M ED ID AS D O E M PR EG AD O R nunca lavar partes do corpo com fluidos de usinagem inform ar aos funcionários sobre as condições ideais de higiene e segurança no trabalho usar crem es protetores apropriados nas m ãos e antebraços, antes de cada turno de trabalho fornecer E P Is (equipam entos de proteção individual) conform e instruções fornecidas pelo fabricante do fluido evitar contatos desnecessários com os produtos não perm itir que seus funcionários operem m áquinas com instalações precárias de m anutenção, evitando dissem inação de contam inantes
  30. 30. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Medidas preventivas à saúde ocupacional procurar imediatamente os primeiros socorros quando acontecerem cortes ou arranhões ou qualquer forma de distúrbio na pele Manter atendimento de emergências lavar as mãos antes e depois de ir ao banheiro, fazer refeições e ao final da jornada de trabalho informar aos funcionários sobre as condições ideais de higiene e segurança no trabalho. separar as roupas de trabalho dos utensílios e vestuário de uso fora do trabalho fornecer instalações de lavagem adequadas (higiene pessoal) M E D ID A S D O T R A B A L H A D O R M E D ID A S D O E M P R E G A D O R
  31. 31. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Medidas preventivas à saúde ocupacional n ã o u tiliz a r p a n o s o u e s to p a s c o n ta m in a d a s c o m flu id o p a r a a lim p e z a d a s m ã o s p o is o s m e s m o s p o d e m c o n te r c a v a c o s q u e p o d e m le s io n a r a s m ã o s p r o v id e n c ia r p la ta fo r m a is o la n te e fix a p a r a o tr a b a lh a d o r fr e n te à m á q u in a ; e v ita r fo r m a s d e c o n ta m in a ç ã o d o s r e s e r v a tó r io s d o s flu id o s p r o v id e n c ia r u m p la n o d e m a n u te n ç ã o p r e v e n tiv a p a r a c a d a m á q u in a n u n c a u s a r o s c o m p a r tim e n to s c o m flu id o c o m o lo c a l d e d e s c a r te d e q u a lq u e r c o r p o e s tr a n h o , ta l c o m o to c o d e c ig a r r o , c a s c a d e fr u ta s m a n te r o a m b ie n te fís ic o d a e m p r e s a s e m p r e lim p o n ã o r e tir a r c a v a c o s d a s m á q u in a s c o m a s m ã o s a in d a q u e e s te ja m p r o te g id a s c o m lu v a s . P a r a fa z ê - lo s e e m p r e g a r fe r r a m e n ta s c o m c a b o p r o te g e r to d a s a s m á q u in a s , p a r a e v ita r d e s p e r d íc io s d e flu id o e p r o b le m a s a o s o p e r a d o r e s M E D ID A S D O T R A B A L H A D O R M E D ID A S D O E M P R E G A D O R
  32. 32. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Efeitos nocivos do fluido de usinagem ao meio ambiente
  33. 33. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Riscos Ambientais • O óleo integral não é biodegradável. As emulsões e fluidos sintéticos possuem uma gama diversificada de produtos químicos em sua composição de difícil tratamento e que, se lançados nos recursos hídricos ou no solo, podem provocar danos ao ecossistema e à população.
  34. 34. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Riscos Ambientais • Outro problema é o comprometimento do ar em decorrência dos aerossóis e dos vapores gerados pelo contato com superfícies quentes das peças e ferramentas empregadas. O dano potencial, nesse sentido, varia em função das propriedades físico-químicas do fluido de usinagem (pressão e aquecimento, por exemplo), da velocidade de rotação das peças trabalhadas e do aquecimento das superfícies.
  35. 35. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Riscos Ambientais • Os fluidos de usinagem esgotados se forem despejados na rede pública ou diretamente em um corpo hídrico, retiram da água o oxigênio dissolvido necessário à manutenção da vida aquática e podem causar mortandade à vida aquática. Além disso, possuem elevada toxicidade, devido às substâncias químicas presentes em sua composição e a outras substâncias e compostos que se formam durante o uso.
  36. 36. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Riscos Ambientais • Os fluidos oleosos possuem ainda o agravante de dificultar o intercâmbio de oxigênio com a atmosfera
  37. 37. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Tipos de poluentes originados nas operações de usinagem de metais líq u id o s v a z a m e n to s re s p in g o s d e rra m a m e n to s a c id e n ta is d e flu id o s tra n s p o rte in a d e q u a d o d e p e ç a s e c a v a c o s im p re g n a d o s d e flu id o á g u a s d e la v a g e m (d e p is o s , d e m á q u in a s e d e fe rra m e n ta s ) c o n ta m in a d a s c o m ó le o s , g ra x a s e flu id o s , c o m e le v a d a c o n c e n tra ç ã o d e s ó lid o s flu id o s e s g o ta d o s d e s e n g ra x a n te s c o n ta m in a d o s T I P O D E P O L U E N T E O R I G E M
  38. 38. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Tipos de poluentes originados nas operações de usinagem de metais aéreos névoas de fluidos gotas microscópicas ou aerossóis e partículas voláteis (pela utilização de compostos alifáticos e naftênicos) gerados devido à elevada velocidade de giro e temperaturas atingidas pelas máquinas-ferramenta T IP O D E P O L U E N T E O R IG E M
  39. 39. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Tipos de poluentes originados nas operações de usinagem de metais sólidos cavacos impregnados de fluido lodos de filtros filtros contaminados estopas contaminadas solventes contaminados papelão e plástico contaminados, etc T IP O D E P O L U E N T E O R IG E M
  40. 40. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Causas e origens dos problemas ambientais associados ao uso de fluidos de usinagem
  41. 41. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Causas e origens dos problemas ambientais associados ao uso de fluidos de usinagem
  42. 42. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Causas e origens dos problemas ambientais associados ao uso de fluidos de usinagem
  43. 43. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Gerenciamento do Fluido de Usinagem Esgotado TRANSPORTE DO FLUIDO DE USINAGEM ESGOTADO • Os fluidos de uso industrial podem ser perigosos durante o transporte, pelo risco de acidente com prejuízo ao meio ambiente. Para reduzir os efeitos de acidentes ambientais existe legislação que determina a capacitação da transportadora e do transportador para realizar este transporte com segurança .
  44. 44. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Transporte • Esta atividade no Brasil está regulamentada pela portaria MT 204/97, sendo que a RESOLUÇÃO ANTT N.º 420, de 12 de fevereiro de 2004 que aprova as Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos. • A responsabilidade pela classificação do produto perigoso para o transporte, deve ser feita pelo seu fabricante ou expedidor, orientado pelo fabricante, tomando como base as características físico-químicas do produto.
  45. 45. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Empresas coletoras • O transporte de fluidos esgotados é uma atividade com potencial de risco e somente poderá ser realizada por empresa devidamente licenciada para este fim. A busca por determinado coletor ou veículo, no Rio Grande do Sul, poderá ser realizada através do site http://www.fepam.rs.gov.br/ onde consta a relação de empresas coletoras, bem como os veículos autorizados, no estado.
  46. 46. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Fluido de usinagem integral Os fluidos de usinagem integrais, quando mantidos livres de contaminantes, podem ser usados indefinidamente. Porém, o acúmulo de contaminação provoca a deterioração dos aditivos e das propriedades dos fluidos integrais, contribuindo para abreviar a vida útil. Em geral, nas reciclagens dos fluidos integrais retiram-se os contaminantes e substitui-se algum aditivo que foi degradado e o fluido recuperado pode então voltar a ser utilizado. Quando não for viável a reciclagem ou a reutilização, o fluido deve ser enviado para rerrefino.
  47. 47. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Emulsões e soluções Os fluidos sintéticos (soluções) esgotados não são tratáveis por métodos convencionais pois não são biodegradáveis. No entanto, estes fluidos se esgotam principalmente devido à contaminação por óleos, transformando a solução original em emulsão, cuja fase oleosa pode ser separada e reciclada.
  48. 48. Ministério do Meio Ambiente Promoção: REMOÇÃO DOS FLUIDOS DE USINAGEM DOS CAVACOS
  49. 49. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Disposição final • Mesmo após a implantação de todas as medidas preventivas, restará, ainda, uma parte do fluido esgotado que deverá ser eliminada mediante procedimentos que reduzam qualquer impacto negativo sobre o meio ambiente. Cabe ao gerador garantir o correto armazenamento deste fluido residual, armazenando em tambores ou pequenos depósitos, convenientemente etiquetados, até o momento de sua retirada, de maneira que não ocorra a mistura com restos de óleos usados ou outros tipos de produtos.
  50. 50. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Valorização e destinação dos resíduos de usinagem de metais
  51. 51. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Valorização e destinação dos resíduos de usinagem de metais
  52. 52. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Valorização e destinação dos resíduos de usinagem de metais
  53. 53. Ministério do Meio Ambiente Promoção: GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS FLUIDOS ESGOTADOS CAVACOS CONTAMINADOS
  54. 54. Ministério do Meio Ambiente Promoção: PmaisL • Produção mais Limpa (PmaisL), pode ser definida como a aplicação contínua de uma estratégia ambiental preventiva e é aplicável aos processos de usinagem, conciliando a atividade econômica com a preservação ambiental. Os caminhos que direcionam o processo de usinagem à PmaisL são basicamente dois: • aumento da vida dos fluidos de usinagem • introdução de novas tecnologias (que não utilizam ou utilizam pouco fluido).
  55. 55. Ministério do Meio Ambiente Promoção: PmaisL • O aumento da vida útil dos fluidos é a medida mais eficaz para reduzir a geração de resíduos. • Para isso, existem medidas que podem ser adotadas
  56. 56. Ministério do Meio Ambiente Promoção: PROCESSO PRODUTIVOPROCESSO PRODUTIVO-- FLUXOGRAMA QUALITATIVOFLUXOGRAMA QUALITATIVO Matérias-Primas Água Produtos Auxiliares Energia Efluentes Substâncias Resíduos Sólidos Emissões Calor Residual Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Produtos ENTRADAS SAÍDAS Processo Produtivo METODOLOGIA
  57. 57. Ministério do Meio Ambiente Promoção: PmaisL – Parâmetros de controle Controle analítico do Fluido de usinagem PARÂMETROS DE CONTROLE • Óleos contaminantes procedentes de fugas de sistemas hidráulicos e de lubrificação de peças e máquinas. • Partículas sólidas metálicas oriundas do processo (carepas, limalhas, cavacos) • Resíduos contaminados (panos, plásticos) • Controle da qualidade dos fluidos em geral • Contaminação por microorganismos (bactérias e os fungos) • Arrastes de fluidos de usinagem através dos cavacos • Derrames acidentais
  58. 58. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Parâmetros de controle no fluido de usinagem P AR ÂM ETR O M E D ID AS Im plantação de plano de m anutenção do sistem a m anutenção preventiva e em prego de juntas ótim as que reduzam fugas em prego do m esm o óleo base para a form ulação de fluidos de usinagem , sistem as hidráulicos e engraxe ontam inantes entes de fugas de s hidráulicos e de ção de peças e m áquinas instalação de decantadores ou centrífugas para a separação dos óleos contam inantes Óleos contaminantes de fugas de sistemas hidráulicos
  59. 59. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Parâmetros de controle no fluido de usinagem P A R Â M E T R O M E D ID A S Instalação de sistema de filtração eficiente - filtros de não-tecido de polipropileno (no-woven), de papel, peneiras Decantação Centrífugas Partículas sólidas metálicas oriundas do processo carepas, limalhas, cavacos) Separadores magnéticos Resíduos contaminados (panos, plásticos) Capacitação dos funcionários
  60. 60. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Parâmetros de controle no fluido de usinagem pH deve manter-se alcalino (conforme orientação do fornecedor) óleos estranhos: é necessário detectá-los para evitar um aumento na velocidade de degradação do fluido teste de corrosão: permite valorizar o poder corrosivo do fluido cloretos: este ensaio controla a corrosão e instabilidade da emulsão e da qualidade dos em geral sólidos em suspensão: controla o nível de sólidos para proteger a ferramenta e não interferir no acabamento da peça Controle da qualidade PARÂM ETRO M EDIDAS
  61. 61. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Parâmetros de controle no fluido de usinagem D u re za - u m c e rto g ra u d e d u re za e v ita a fo rm a çã o d e e s p u m a s . U m a á g u a c o m u m a d u re za m u ito a lta p o d e d e se s ta b iliza r a e m u ls ã o S a is d is s o lv id o s - s u lfa to s e c lo re to s n ã o d e v e m u ltra p a ss a r 1 0 0 m g /L e o s n itra to s n ã o d e v e m s u p e ra r 5 0 m g /L S ó lid o s - d e v e m s e r m e n o re s q u e 5 0 0 m g /L M ic ro o rg a n is m o s - p a ra e v ita r a p ro life ra ç ã o d e fu n g o s e b a c té ria s, n ã o d e v e m e xc e d e r a 1 0 /m L â m e tro s d e c o n tro le d o s flu id o s a q u o s o s Á g u a d e re p o s iç ã o - á g u a d e io n iza d a p a ra e v ita r a c o n tín u a a c u m u la ç ã o d e ío n s d e cá lc io , c lo re to s, n itra to s e m e ta is p e s a d o s , q u e in c id e m n e g a tiv a m e n te n a e s ta b ilid a d e d o s flu id o s . Q u a n d o is to n ã o fo r p o ss ív e l, re c o m e n d a -s e a u tiliza ç ã o d e á g u a c o m b a ixo g ra u d e d u re za PARÂM ETRO M EDIDAS
  62. 62. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Parâmetros de controle no fluido de usinagem limpeza geral e a utilização de biocidas Sistema eficiente de filtragem Aeração do fluido utilizado contaminação por microorganismos (bactérias e os fungos) Controle da temperatura externa Otimizar as dimensões da peça a ser usinada para que a quantidade de material a ser retirada seja mínima arrastes de fluidos de usinagem Implantar sistema de drenagem de fluido aderido nos cavacos PARÂM ETRO M EDIDAS
  63. 63. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Parâmetros de controle no fluido de usinagem Plano Informativo para operadores de máquinas de usinagem Formação de pessoal Conscientização através de palestras e cursosDerrames Derramamentos e respingos produzidos no processo de mecanizado podem ser eliminados mediante instalação de uma tela protetora PARÂM ETRO M EDIDAS
  64. 64. Ministério do Meio Ambiente Promoção: PmaisL Recirculação do Fluido • A recirculação adequada prolonga a vida útil dos fluidos de usinagem. • No caso dos fluidos integrais, facilita a sua reutilização e, para os fluidos à base de água, reduz as necessidades de descarte e disposição. A recirculação deve ser adequada aos tipos de fluido e às necessidades das operações de usinagem.
  65. 65. Ministério do Meio Ambiente Promoção: PmaisL • Elementos sólidos podem contaminar o fluido de usinagem, havendo a necessidade de selecionar filtros e sistemas de separação que reduzam a quantidade de substâncias indesejáveis
  66. 66. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Recirculação do fluido • O controle da qualidade da água e a correta limpeza das máquinas são importantes na vida útil do fluido de usinagem. No concentrado, não há a presença de microorganismos, a contaminação dos fluidos se dá por agentes externos. As bactérias se aninham na emulsão, trazidas especialmente pela água de preparação. A utilização de água isenta de contaminantes e a correta diluição dos concentrados em água contribui para o melhor desempenho dos fluidos de usinagem.
  67. 67. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Recirculação do Fluido • O controle do desgaste dos constituintes pelo arraste do cavaco pode ser realizado pelo monitoramento da concentração. A prevenção do crescimento de microrganismos nas soluções ou emulsões é realizada através do controle do pH do fluido. • A permanência do pH entre 8,5 e 9,0 dificulta o desenvolvimento das bactérias prejudiciais ao fluido de usinagem.
  68. 68. Ministério do Meio Ambiente Promoção: principais problemas que podem ocorrer durante o controle das condições ideais do fluido de usinagem no sistema de recirculação -contato dos fluidos de usinagem com óleos lubrificantes de componentes das máquinas-ferramentas; - sedimentação de limalha e demais impurezas no fundo do sistema; -acúmulo de borras de óleo nas paredes do sistema; - bomba com mal funcionamento; - falta de aeração; - processo ineficiente de limpeza do sistema; -reposição de fluidos de usinagem em sistemas contaminados por bactérias.
  69. 69. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Introdução de novas tecnologias • A introdução de novas tecnologias em operações de usinagem de metais em substituição às tecnologias clássicas pode contribuir para a redução do impacto ambiental causado pelos fluidos esgotados
  70. 70. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Introdução de novas tecnologias • Três fatores devem ser analisados inicialmente para tomada de decisão quanto a aplicação de novas tecnologiass em operações de usinagem: • Tipo de material a ser usinado • Tipo de ferramenta de corte utilizada • Tipo de operação a ser executada
  71. 71. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Método de mínima quantidade de fluido MQF MQF - O método da Mínima Quantidade de Fluido é um estágio que está entre a usinagem com refrigeração e a absolutamente sem refrigeração. Significa que somente uma pequena gota de óleo é lançada na área de corte para produzir um pequeno filme de lubrificante protetivo.
  72. 72. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Usinagem a Seco A usinagem a seco se apresenta como a melhor alternativa para resolver os problemas causados pelos fluidos de corte, porém a usinagem a seco não consiste em simplesmente interromper a alimentação de fluido de corte de um determinado processo, mas sim exige uma adaptação compatível de todos os fatores influentes neste processo
  73. 73. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Método de usinagem a seco Pistola Automática de Ar Produz um jato constante de ar para a ferramenta de corte que afasta os cavacos durante a usinagem a seco. A pistola de ar pode ser programada para funcionar durante a rotação do fuso ou no final de um ciclo.
  74. 74. Ministério do Meio Ambiente Promoção: Substituição do Processo • Para os casos em que um determinado processo não permita o emprego das alternativas anteriores, uma solução extrema é substituir o processo em questão por um ou mais processos alternativos que consigam os mesmos resultados que o processo original. • Esta solução exige por parte do usuário a disposição para avaliar os processos utilizados e aceitar o risco de tentar novas formas de produção.
  75. 75. Ministério do Meio Ambiente Promoção: OPORTUNIDADES DE MELHORIAS

×