GEAC

1¡Il'NIlHINY1'| knil
. ru| xI›II_u'. ›.iI uuzxu,  u»

Prof.  Dr.  Mauricio A.  P.  Peixoto
wvvw. oaprendizemsaude. w...
l

PROJETOS DE PESQUISA
NA ÁREA DA SAÚDE

. zr-íí

 Eixos_

      
  

     
         
     
    

Descritivos Analíticos ...
CPD, 

ÍCFAC

Casos (n<5)

l' N S "WT" f* "A

Descrição de eventos

 

Novo

Insólito

 

Preenche lacuna

IMv-. xnoaprend...
Casos (n > 5)

Tendências

Descrição conjunto de
eventos

Demonstrar que O evento se repete

LEGITIMAÇÃO
Reforçar o Relato...
R$133,35.? 

DEFINIÇÃO: 

Correlação entre uma medida de
exposição e outra de dano; 
ambas já existentes,  e obtidas de
to...
:É Medida de exposição

IS

POPUÍLñAÇÃO Ja,  exmentes COEFICIENTE
GERAL DE
CORRELAÇÃO
: ~ Medídajde dano / 

w»vamoaprendi...
ESTUDO DE CORRELAÇÃO
   vANTAoEN  

  m” A” i1

1. Rapidez. 

2. Baixo custo. 

3. Uso de informação já existente. 
4. Pri...
0.13.6.?  l °

Ligação entre indivíduos não é possivel. 
Sensível aos vícios. 

Falta de correlação não implica em falta
d...
i3   ix!  li 

Medida de um grupo de indivíduos
diferentes em diferentes momentos
do periodo de investigaçãoi Cada
indivíd...
Universo
E; - Randomização

Amostra

_ _ _ Mensuração
Estratiflcaçao a

aq» 
O O O ~ ~ ~ 0

w»v-. xnoaprendizemsaude. wcor...
'i Rapidez. 

2 Baixo custo. 

 Seleção precisa das variáveis. 

4;.  Obtenção de padrões evolutívos. 

w»vnxnoaprendízems...
ESTU DO TRANSVERSAL
a UMITAÇÕIE    

    

1. Grandes amostras. 

2. Não é possível estudar. 
*s Evolução ( um indivíduo o...
,a
  VA 7

DEFINIÇÃO: 

 Medida seriada de um individuo ou
grupo de individuos,  em
determinados intervalos de tempo. 
Cad...
Universo
«í Randomização

Amostra Inicio
› l

l
Ó l

i i

i
0 Pesquisa
s

Mensuração

Fim

w»xr-. xuoaprendizemsaudem-coi-...
ESTUDO LONGITUDINAL
  LIMITAçõE  

  , ea m” A” ll

   

1. Perdas durante a pesquisa. 
2. Sensibilidade ao vicio. 

3. Le...
1. Amostras pequenas. 

2. Evolução de um processo. 

3. Velocidade de incremento
de medidas. 

www. oaprendizemsaudewordp...
O GEAC tem suas bases estabelecidas em 1998 a partir da aglutinação de pesquisas tendo o processo de
aprendizagem na saúde...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Estudos observacionais descritivos

575 visualizações

Publicada em

Definições, tipos,estruturas vantagens e limitações dos estudos observacionais descritivos.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
575
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estudos observacionais descritivos

  1. 1. GEAC 1¡Il'NIlHINY1'| knil . ru| xI›II_u'. ›.iI uuzxu, u» Prof. Dr. Mauricio A. P. Peixoto wvvw. oaprendizemsaude. wordpress. com Ivww. oaprendizemsaudeavordpress. com Prof. Dr. Mauricio A. P. Peixoto
  2. 2. l PROJETOS DE PESQUISA NA ÁREA DA SAÚDE . zr-íí Eixos_ Descritivos Analíticos Clinico , Revisão . Rejato o Corte transversal I - Simples ' Meta-análise séñe e casos -Caso Controle - Duplo Cego - Coorte c' Correlação e Transversal c Longitudinal Observacionais Observacionais l Experimento Síntese a l
  3. 3. CPD, ÍCFAC Casos (n<5) l' N S "WT" f* "A Descrição de eventos Novo Insólito Preenche lacuna IMv-. xnoaprendizemsaude. wordpresscom Prof. DI'. Mauricio A. P. Peixoto
  4. 4. Casos (n > 5) Tendências Descrição conjunto de eventos Demonstrar que O evento se repete LEGITIMAÇÃO Reforçar o Relato de Casos w»v-. xnoaprendizemsaucle. wcordpresscom Prof. DI'. ;Mauricio A. P. Peixoto
  5. 5. R$133,35.? DEFINIÇÃO: Correlação entre uma medida de exposição e outra de dano; ambas já existentes, e obtidas de toda a população. lr'"a'.0apFEHÓIZETTWSBUdEJVOTÓPTESS. COITI Prof. Dr. Mauricio A. P. Peixoto
  6. 6. :É Medida de exposição IS POPUÍLñAÇÃO Ja, exmentes COEFICIENTE GERAL DE CORRELAÇÃO : ~ Medídajde dano / w»vamoaprendizemsauda-. x-ordpress. com Prof. Dr. Maurício A. P. Peixoto
  7. 7. ESTUDO DE CORRELAÇÃO vANTAoEN m” A” i1 1. Rapidez. 2. Baixo custo. 3. Uso de informação já existente. 4. Primeira etapa de uma investigação. wwwnaprendizemsaudemordpress. com Prof. Dr. Maurício A. P. Peixoto
  8. 8. 0.13.6.? l ° Ligação entre indivíduos não é possivel. Sensível aos vícios. Falta de correlação não implica em falta de associação. Relação Dose/ Efeito pode estar mascarada (Medidas são médias; não niveis individuais). »vwuxuoaprendízemsaude. wordpressxom Prof. Dr. Mauricio A. P. Peixoto
  9. 9. i3 ix! li Medida de um grupo de indivíduos diferentes em diferentes momentos do periodo de investigaçãoi Cada indivíduo é medido uma única vezs »*'»vu'. oaprendizemsaudeavordpress. com Prof. Dr. :Maurício A P Peixoto
  10. 10. Universo E; - Randomização Amostra _ _ _ Mensuração Estratiflcaçao a aq» O O O ~ ~ ~ 0 w»v-. xnoaprendizemsaude. wcorclpresscom Prof. Dr. ;Mauricio A. P. Peixoto
  11. 11. 'i Rapidez. 2 Baixo custo. Seleção precisa das variáveis. 4;. Obtenção de padrões evolutívos. w»vnxnoaprendízemsaudewordpressxom Prof. Dr. Mauricio A. P. Peixoto
  12. 12. ESTU DO TRANSVERSAL a UMITAÇÕIE 1. Grandes amostras. 2. Não é possível estudar. *s Evolução ( um indivíduo ou grupo). * Velocidade do processo. * Relação de causa e efeito www. oaprendizemsaudemordpressxom Prof. Dr. Maurício A. P. Peixoto
  13. 13. ,a VA 7 DEFINIÇÃO: Medida seriada de um individuo ou grupo de individuos, em determinados intervalos de tempo. Cada individuo é medido mais de uma vez. nmvuxuoaprendízemsaudewordpress. com Prof. Dr. Mauricio A. P. Peixoto
  14. 14. Universo «í Randomização Amostra Inicio › l l Ó l i i i 0 Pesquisa s Mensuração Fim w»xr-. xuoaprendizemsaudem-coi-dpress. com Prof. Dr. Maurício A. P. Peixoto
  15. 15. ESTUDO LONGITUDINAL LIMITAçõE , ea m” A” ll 1. Perdas durante a pesquisa. 2. Sensibilidade ao vicio. 3. Lenüdão. 4. Alto custo. www. oaprendizemsaudemordpress. com Prof. Dr. Maurício A. P. Peixoto
  16. 16. 1. Amostras pequenas. 2. Evolução de um processo. 3. Velocidade de incremento de medidas. www. oaprendizemsaudewordpressxom Prof. Dr. Mauricio A. P. Peixoto
  17. 17. O GEAC tem suas bases estabelecidas em 1998 a partir da aglutinação de pesquisas tendo o processo de aprendizagem na saúde como tema central. Em maio de 2002, o Grupo é fonnalmente certificado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro como um Grupo de Pesquisa do Diretório de Grupos de Pesquisa do Brasil do CN Pq . Desde então o GEAC, que surge de parceria acadêmica entre o Laboratório de Currículo e Ensino do Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde (NUTES/ UF RJ) e o Departamento de Enfermagem Fundamental da Escola de Enfermagem Anna Nery (EEAN/ UFRJ), amplia suas atividades para um caráter cada vez mais multidisciplinar. Atualmente, as pesquisas do Grupo, genericamente, visam investigar o processo de aprendizagem no ser humano. Os recortes de interesse incluem: metacognição, estilos de aprendizagem, motivação, hábitos e fontes de estudo, formas de raciocínio, interação social e estratégias de aprendizagem. Os estudos têm se dado em contextos tanto presenciais como naqueles inseridos no ciberespaço. Além disto, procura difundir o conhecimento pert¡nente, testando algumas de suas aplicações. Seu referencial teórico fundamenta-se principalmente nos autores cognitivistas. Dentre estes em particular, aqueles oriundos do movimento metacognitivo e da psicologia diferencial. Prof. Dr. Mauricio A. P. Peixoto httpuioaprendizemsaudewordpressu; om¡

×