AULÃO ENEM 2014 Nélson Bittencourt Col. Santíssima Trindade

451 visualizações

Publicada em

Aulão de véspera para os alunos do 3 ano do Colégio Santíssima Trindade, maceió/AL. Ministração do prof. Nélson Bittencourt, no auditório da Faculdade Pitágoras, em 05.11.2014, às 10h.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
451
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

AULÃO ENEM 2014 Nélson Bittencourt Col. Santíssima Trindade

  1. 1. ENEM 2014 Aulão de Véspera Prof. Nélson Bittencourt jusnelson13@hotmail.com
  2. 2. Mal Secreto Se a cólera que espuma, a dor que mora N’alma, e destrói cada ilusão que nasce, Tudo o que punge, tudo o que devora O coração, no rosto se estampasse; Se se pudesse o espírito que chora Ver através da máscara da face, Quanta gente, talvez, que inveja agora Nos causa, então piedade nos causasse!
  3. 3. Quanta gente que ri, talvez, consigo Guarda um atroz, recôndito inimigo, Como invisível chaga cancerosa! Quanta gente que ri, talvez existe, Cuja a ventura única consiste Em parecer aos outros venturosa!
  4. 4. (A) O verso 2 não se liga ao verso anterior pelo processo sintático de coordenação entre orações subordinadas. (B) As palavras “inocente” (v.3) e “inundação” (v.21) são formadas pelo processo de derivação prefixal, possuindo um afixo de negação.
  5. 5. (B) Todos os versos iniciados pela palavra “Água”, no singular ou no plural, apresentam idêntica construção sintática: imediatamente após essa palavra, segue-se uma oração subordinada adjetiva que restringe o sentido do termo antecedente. (C) Os versos do poema constituem uma unidade sintática completa, iniciada por letra maiúscula; é aconselhável, por isso, ao final de cada verso, colocar um ponto.
  6. 6. (E) O emprego (três vezes) de reticências nos dois últimos versos do poema, em lugar do ponto de exclamação, serve para deixar no leitor o sentimento de preocupação para com a grave crise de água que a humanidade vive no presente; para despertar a consciência da necessidade de ter mais cuidados com o planeta, e, principalmente, para alertar os organismos internacionais no sentido de preservação das riquezas do solo.

×