SlideShare uma empresa Scribd logo

BittenCursos - Sintaxe de Regência

Material para concursos públicos. Professor Nélson Bittencourt, Maceió, Alagoas.

1 de 47
Baixar para ler offline
Sintaxe de Regência 
Resolução de Provas 
PROF. NÉLSON BITTENCOURT
Sintaxe de Regência é a 
parte da sintaxe que estuda a 
interdependência de termos. 
Assim, são eles: 
 termo regente (RT) 
 termo regido(RD).
Existem duas formas de 
regência: a verbal e a nominal. A 
primeira ocorre quando a relação 
de interdependência se dá com 
verbos; a segunda, com nomes – 
substantivos, adjetivos e 
advérbios.
BittenCursos - Sintaxe de Regência
1. Verbos Intransitivos 
Diz-se intransitivos, do latim 
intransitivus, haja vista possuírem sentido 
completo. Não requerem complemento 
verbal (objeto). 
EXISTIR 
OCORRER 
ACONTECER 
FALTAR 
BASTAR
Por outro lado, em um 
texto escrito, ele provavelmente 
encontraria outra frase, que 
igualmente precisa ser reconhecida. 
As duas coexistem, cada qual no seu 
contexto.

Recomendados

Exercícios sobre pronomes relativos
Exercícios sobre pronomes relativosExercícios sobre pronomes relativos
Exercícios sobre pronomes relativosma.no.el.ne.ves
 
Adeildojunior portugues-questoes-cespe-002
Adeildojunior portugues-questoes-cespe-002Adeildojunior portugues-questoes-cespe-002
Adeildojunior portugues-questoes-cespe-002Fabiana Tomassoni
 
Prova para analista de sistemas da urbel
Prova para analista de sistemas da urbelProva para analista de sistemas da urbel
Prova para analista de sistemas da urbelma.no.el.ne.ves
 
Transitividade verbal e período simples na idecan
Transitividade verbal e período simples na idecanTransitividade verbal e período simples na idecan
Transitividade verbal e período simples na idecanma.no.el.ne.ves
 
Exercícios sobre funções do se
Exercícios sobre funções do seExercícios sobre funções do se
Exercícios sobre funções do sema.no.el.ne.ves
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94luisprista
 
3º ano cap 1 hexa respostas
3º ano cap 1 hexa respostas3º ano cap 1 hexa respostas
3º ano cap 1 hexa respostasFátima Lima
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 83-84
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 83-84Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 83-84
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 83-84luisprista
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conceitos nucleares da linguística textual
Conceitos nucleares da linguística textualConceitos nucleares da linguística textual
Conceitos nucleares da linguística textualDaiana Correia
 
Exercícios sobre pronomes relativos
Exercícios sobre pronomes relativosExercícios sobre pronomes relativos
Exercícios sobre pronomes relativosma.no.el.ne.ves
 
Exercícios sobre concordância verbal
Exercícios sobre concordância verbalExercícios sobre concordância verbal
Exercícios sobre concordância verbalma.no.el.ne.ves
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101luisprista
 
Ficha de trabalho fp 4
Ficha de trabalho  fp 4Ficha de trabalho  fp 4
Ficha de trabalho fp 4neila74
 
Exercícios sobre concordância verbal e nominal, 05
Exercícios sobre concordância verbal e nominal, 05Exercícios sobre concordância verbal e nominal, 05
Exercícios sobre concordância verbal e nominal, 05ma.no.el.ne.ves
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 56-57
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 56-57Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 56-57
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 56-57luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 51-52
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 51-52Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 51-52
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 51-52luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 41-42
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 41-42Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 41-42
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 41-42luisprista
 
Mecanismos de coesão
Mecanismos de coesãoMecanismos de coesão
Mecanismos de coesãoMarluce Brum
 
Exercícios sobre pontuação
Exercícios sobre pontuaçãoExercícios sobre pontuação
Exercícios sobre pontuaçãoma.no.el.ne.ves
 
Exercícios sobre funções sintáticas dos pronomes relativos
Exercícios sobre funções sintáticas dos pronomes relativosExercícios sobre funções sintáticas dos pronomes relativos
Exercícios sobre funções sintáticas dos pronomes relativosma.no.el.ne.ves
 
Aspectos da compreensão textual na aocp, 02
Aspectos da compreensão textual na aocp, 02Aspectos da compreensão textual na aocp, 02
Aspectos da compreensão textual na aocp, 02ma.no.el.ne.ves
 
Prova para relações públicas do tjmg
Prova para relações públicas do tjmgProva para relações públicas do tjmg
Prova para relações públicas do tjmgma.no.el.ne.ves
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 115
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 115Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 115
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 115luisprista
 
Concordância nominal na idecan
Concordância nominal na idecanConcordância nominal na idecan
Concordância nominal na idecanma.no.el.ne.ves
 

Mais procurados (20)

Conceitos nucleares da linguística textual
Conceitos nucleares da linguística textualConceitos nucleares da linguística textual
Conceitos nucleares da linguística textual
 
Exercícios sobre pronomes relativos
Exercícios sobre pronomes relativosExercícios sobre pronomes relativos
Exercícios sobre pronomes relativos
 
Exercícios sobre concordância verbal
Exercícios sobre concordância verbalExercícios sobre concordância verbal
Exercícios sobre concordância verbal
 
Pronomes na idecan
Pronomes na idecanPronomes na idecan
Pronomes na idecan
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
 
Ficha de trabalho fp 4
Ficha de trabalho  fp 4Ficha de trabalho  fp 4
Ficha de trabalho fp 4
 
Exercícios sobre concordância verbal e nominal, 05
Exercícios sobre concordância verbal e nominal, 05Exercícios sobre concordância verbal e nominal, 05
Exercícios sobre concordância verbal e nominal, 05
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 56-57
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 56-57Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 56-57
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 56-57
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 51-52
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 51-52Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 51-52
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 51-52
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 41-42
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 41-42Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 41-42
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 41-42
 
Vozes verbais na idecan
Vozes verbais na idecanVozes verbais na idecan
Vozes verbais na idecan
 
Mecanismos de coesão
Mecanismos de coesãoMecanismos de coesão
Mecanismos de coesão
 
Exercícios sobre pontuação
Exercícios sobre pontuaçãoExercícios sobre pontuação
Exercícios sobre pontuação
 
Exercícios sobre funções sintáticas dos pronomes relativos
Exercícios sobre funções sintáticas dos pronomes relativosExercícios sobre funções sintáticas dos pronomes relativos
Exercícios sobre funções sintáticas dos pronomes relativos
 
Aspectos da compreensão textual na aocp, 02
Aspectos da compreensão textual na aocp, 02Aspectos da compreensão textual na aocp, 02
Aspectos da compreensão textual na aocp, 02
 
Prova para relações públicas do tjmg
Prova para relações públicas do tjmgProva para relações públicas do tjmg
Prova para relações públicas do tjmg
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 115
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 115Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 115
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 115
 
Concordância nominal na idecan
Concordância nominal na idecanConcordância nominal na idecan
Concordância nominal na idecan
 
Abin08 001 1
Abin08 001 1Abin08 001 1
Abin08 001 1
 

Semelhante a BittenCursos - Sintaxe de Regência

Prova analista
Prova analista Prova analista
Prova analista danieladod
 
Fernandopestana portugues-questoescespe-modulo01-001
Fernandopestana portugues-questoescespe-modulo01-001Fernandopestana portugues-questoescespe-modulo01-001
Fernandopestana portugues-questoescespe-modulo01-001Gabriela Barbosa
 
Aula Inaugural - Curso de Português para Concursos
Aula Inaugural - Curso de Português para ConcursosAula Inaugural - Curso de Português para Concursos
Aula Inaugural - Curso de Português para ConcursosDiógenes de Oliveira
 
Livro 4 - Interpretação de textos
Livro 4 - Interpretação de textosLivro 4 - Interpretação de textos
Livro 4 - Interpretação de textosGislaine De S. Alves
 
Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest.
 Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest. Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest.
Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest.vssandrade
 

Semelhante a BittenCursos - Sintaxe de Regência (8)

Prova analista
Prova analista Prova analista
Prova analista
 
Fernandopestana portugues-questoescespe-modulo01-001
Fernandopestana portugues-questoescespe-modulo01-001Fernandopestana portugues-questoescespe-modulo01-001
Fernandopestana portugues-questoescespe-modulo01-001
 
Aula Inaugural - Curso de Português para Concursos
Aula Inaugural - Curso de Português para ConcursosAula Inaugural - Curso de Português para Concursos
Aula Inaugural - Curso de Português para Concursos
 
Livro 4 - Interpretação de textos
Livro 4 - Interpretação de textosLivro 4 - Interpretação de textos
Livro 4 - Interpretação de textos
 
7 - CTA_-_AULA_1.pdf
7 - CTA_-_AULA_1.pdf7 - CTA_-_AULA_1.pdf
7 - CTA_-_AULA_1.pdf
 
Justificativas
Justificativas Justificativas
Justificativas
 
02 Morfologia 2
02   Morfologia 202   Morfologia 2
02 Morfologia 2
 
Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest.
 Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest. Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest.
Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest.
 

Mais de Nélson Bittencourt

Bittencursos oraçoes subordinadas adjetivas
Bittencursos oraçoes subordinadas adjetivasBittencursos oraçoes subordinadas adjetivas
Bittencursos oraçoes subordinadas adjetivasNélson Bittencourt
 
Gramática Bíblica PRONOMES PESSOAIS
Gramática Bíblica   PRONOMES PESSOAISGramática Bíblica   PRONOMES PESSOAIS
Gramática Bíblica PRONOMES PESSOAISNélson Bittencourt
 
BittenCursos ORTOGRAFIA os porquês
BittenCursos  ORTOGRAFIA os porquês  BittenCursos  ORTOGRAFIA os porquês
BittenCursos ORTOGRAFIA os porquês Nélson Bittencourt
 
BittenCursos Sintaxe - Compl. Nominal x Adjunto Adnominal
BittenCursos   Sintaxe - Compl. Nominal x Adjunto AdnominalBittenCursos   Sintaxe - Compl. Nominal x Adjunto Adnominal
BittenCursos Sintaxe - Compl. Nominal x Adjunto AdnominalNélson Bittencourt
 
BittenCursos Sintaxe - Agente da Passiva
BittenCursos   Sintaxe - Agente da PassivaBittenCursos   Sintaxe - Agente da Passiva
BittenCursos Sintaxe - Agente da PassivaNélson Bittencourt
 
BittenCursos Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto Adnominal
BittenCursos  Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto AdnominalBittenCursos  Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto Adnominal
BittenCursos Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto AdnominalNélson Bittencourt
 
BittenCursos Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto Adnominal
BittenCursos   Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto AdnominalBittenCursos   Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto Adnominal
BittenCursos Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto AdnominalNélson Bittencourt
 
BittenCursos Sintaxe - adjuntos adnominal e adverbial
BittenCursos   Sintaxe - adjuntos adnominal e adverbialBittenCursos   Sintaxe - adjuntos adnominal e adverbial
BittenCursos Sintaxe - adjuntos adnominal e adverbialNélson Bittencourt
 
BittenCursos Sintaxe - aposto e vocativo
BittenCursos  Sintaxe - aposto e vocativoBittenCursos  Sintaxe - aposto e vocativo
BittenCursos Sintaxe - aposto e vocativoNélson Bittencourt
 
BittenCursos - Sintaxe - Predicativos
BittenCursos -  Sintaxe - PredicativosBittenCursos -  Sintaxe - Predicativos
BittenCursos - Sintaxe - PredicativosNélson Bittencourt
 
BittenCursos Sintaxe - complementos verbais (objetos direto e indireto)
BittenCursos  Sintaxe - complementos verbais (objetos direto e indireto)BittenCursos  Sintaxe - complementos verbais (objetos direto e indireto)
BittenCursos Sintaxe - complementos verbais (objetos direto e indireto)Nélson Bittencourt
 
BittenCursos - Sintaxe - Predicação Verbal
BittenCursos  - Sintaxe - Predicação VerbalBittenCursos  - Sintaxe - Predicação Verbal
BittenCursos - Sintaxe - Predicação VerbalNélson Bittencourt
 
Maceió Cursos sujeito e predicado+vozes do verbo
Maceió Cursos   sujeito e predicado+vozes do verboMaceió Cursos   sujeito e predicado+vozes do verbo
Maceió Cursos sujeito e predicado+vozes do verboNélson Bittencourt
 
Bittencursos Pronomes Relativos 2014
Bittencursos Pronomes Relativos 2014Bittencursos Pronomes Relativos 2014
Bittencursos Pronomes Relativos 2014Nélson Bittencourt
 
Bittencursos Orações Adjetivas
Bittencursos Orações AdjetivasBittencursos Orações Adjetivas
Bittencursos Orações AdjetivasNélson Bittencourt
 
Português Básico - Funções de SE e QUE Bittencursos
Português Básico - Funções de SE e QUE BittencursosPortuguês Básico - Funções de SE e QUE Bittencursos
Português Básico - Funções de SE e QUE BittencursosNélson Bittencourt
 
Português Básico - funções de "que" e "se"
Português Básico - funções de "que" e "se"Português Básico - funções de "que" e "se"
Português Básico - funções de "que" e "se"Nélson Bittencourt
 
Português Básico - conjunções, vozes verbais, sujeito/predicado
Português Básico - conjunções, vozes verbais, sujeito/predicadoPortuguês Básico - conjunções, vozes verbais, sujeito/predicado
Português Básico - conjunções, vozes verbais, sujeito/predicadoNélson Bittencourt
 
Português Básico - Concordância
Português Básico - ConcordânciaPortuguês Básico - Concordância
Português Básico - ConcordânciaNélson Bittencourt
 

Mais de Nélson Bittencourt (20)

Bittencursos oraçoes subordinadas adjetivas
Bittencursos oraçoes subordinadas adjetivasBittencursos oraçoes subordinadas adjetivas
Bittencursos oraçoes subordinadas adjetivas
 
Gramática Bíblica PRONOMES PESSOAIS
Gramática Bíblica   PRONOMES PESSOAISGramática Bíblica   PRONOMES PESSOAIS
Gramática Bíblica PRONOMES PESSOAIS
 
BittenCursos ORTOGRAFIA os porquês
BittenCursos  ORTOGRAFIA os porquês  BittenCursos  ORTOGRAFIA os porquês
BittenCursos ORTOGRAFIA os porquês
 
BittenCursos Sintaxe - Compl. Nominal x Adjunto Adnominal
BittenCursos   Sintaxe - Compl. Nominal x Adjunto AdnominalBittenCursos   Sintaxe - Compl. Nominal x Adjunto Adnominal
BittenCursos Sintaxe - Compl. Nominal x Adjunto Adnominal
 
BittenCursos Sintaxe - Agente da Passiva
BittenCursos   Sintaxe - Agente da PassivaBittenCursos   Sintaxe - Agente da Passiva
BittenCursos Sintaxe - Agente da Passiva
 
BittenCursos Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto Adnominal
BittenCursos  Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto AdnominalBittenCursos  Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto Adnominal
BittenCursos Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto Adnominal
 
BittenCursos Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto Adnominal
BittenCursos   Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto AdnominalBittenCursos   Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto Adnominal
BittenCursos Sintaxe - Complemento Nominal versus Adjunto Adnominal
 
BittenCursos Sintaxe - adjuntos adnominal e adverbial
BittenCursos   Sintaxe - adjuntos adnominal e adverbialBittenCursos   Sintaxe - adjuntos adnominal e adverbial
BittenCursos Sintaxe - adjuntos adnominal e adverbial
 
BittenCursos Sintaxe - aposto e vocativo
BittenCursos  Sintaxe - aposto e vocativoBittenCursos  Sintaxe - aposto e vocativo
BittenCursos Sintaxe - aposto e vocativo
 
BittenCursos - Sintaxe - Predicativos
BittenCursos -  Sintaxe - PredicativosBittenCursos -  Sintaxe - Predicativos
BittenCursos - Sintaxe - Predicativos
 
BittenCursos Sintaxe - complementos verbais (objetos direto e indireto)
BittenCursos  Sintaxe - complementos verbais (objetos direto e indireto)BittenCursos  Sintaxe - complementos verbais (objetos direto e indireto)
BittenCursos Sintaxe - complementos verbais (objetos direto e indireto)
 
BittenCursos - Sintaxe - Predicação Verbal
BittenCursos  - Sintaxe - Predicação VerbalBittenCursos  - Sintaxe - Predicação Verbal
BittenCursos - Sintaxe - Predicação Verbal
 
Maceió Cursos sujeito e predicado+vozes do verbo
Maceió Cursos   sujeito e predicado+vozes do verboMaceió Cursos   sujeito e predicado+vozes do verbo
Maceió Cursos sujeito e predicado+vozes do verbo
 
Bittencursos Pronomes Relativos 2014
Bittencursos Pronomes Relativos 2014Bittencursos Pronomes Relativos 2014
Bittencursos Pronomes Relativos 2014
 
Bittencursos Orações Adjetivas
Bittencursos Orações AdjetivasBittencursos Orações Adjetivas
Bittencursos Orações Adjetivas
 
Português Básico - Funções de SE e QUE Bittencursos
Português Básico - Funções de SE e QUE BittencursosPortuguês Básico - Funções de SE e QUE Bittencursos
Português Básico - Funções de SE e QUE Bittencursos
 
Português Básico - Pronome
Português Básico - PronomePortuguês Básico - Pronome
Português Básico - Pronome
 
Português Básico - funções de "que" e "se"
Português Básico - funções de "que" e "se"Português Básico - funções de "que" e "se"
Português Básico - funções de "que" e "se"
 
Português Básico - conjunções, vozes verbais, sujeito/predicado
Português Básico - conjunções, vozes verbais, sujeito/predicadoPortuguês Básico - conjunções, vozes verbais, sujeito/predicado
Português Básico - conjunções, vozes verbais, sujeito/predicado
 
Português Básico - Concordância
Português Básico - ConcordânciaPortuguês Básico - Concordância
Português Básico - Concordância
 

Último

O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoPaula Meyer Piagentini
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...excellenceeducaciona
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 

Último (20)

O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 

BittenCursos - Sintaxe de Regência

  • 1. Sintaxe de Regência Resolução de Provas PROF. NÉLSON BITTENCOURT
  • 2. Sintaxe de Regência é a parte da sintaxe que estuda a interdependência de termos. Assim, são eles:  termo regente (RT)  termo regido(RD).
  • 3. Existem duas formas de regência: a verbal e a nominal. A primeira ocorre quando a relação de interdependência se dá com verbos; a segunda, com nomes – substantivos, adjetivos e advérbios.
  • 5. 1. Verbos Intransitivos Diz-se intransitivos, do latim intransitivus, haja vista possuírem sentido completo. Não requerem complemento verbal (objeto). EXISTIR OCORRER ACONTECER FALTAR BASTAR
  • 6. Por outro lado, em um texto escrito, ele provavelmente encontraria outra frase, que igualmente precisa ser reconhecida. As duas coexistem, cada qual no seu contexto.
  • 7. Condenar uma construção ou uma palavra ocorrente como incorreta é mais ou menos como decretar que é “errado” que aconteçam terremotos.
  • 10. 2. Verbos Transitivos Diretos Diz-se transitivos haja vista não possuírem sentido completo. Em virtude disso, requerem complemento verbal (objeto direto), SEM auxílio de PREPOSIÇÃO.
  • 11. ASSINAR UMA CARTA. CONSEGUIR EMPREGOS. VISAR OS ALVOS. VISAR OS PASSAPORTES. ABDICAR O CARGO.
  • 12. ASSISTIR OS DOENTES. CONQUISTAR OS OBJETIVOS. LEMBRAR AS SENHAS. ESQUECER OS CÓDIGOS. IMPLICAR EXIGÊNCIAS
  • 13. 3. Verbos Transitivos Indiretos Diz-se transitivos indiretos haja vista que não possuem sentido completo. Em virtude disso, requerem complemento verbal (objeto indireto), COM auxílio de PREPOSIÇÃO.
  • 14. ASSISTIR AOS CULTOS VISAR AOS CARGOS. ABDICAR DO CARGO.
  • 15. LEMBRAR-SE DAS SENHAS. ESQUECER-SE DOS CÓDIGOS. IMPLICAR-SE EM CONFLITOS. DEPENDER DE TODOS
  • 16. 4. Verbos Transitivos Diretos- Indiretos Diz-se transitivos diretos-indiretos pelo fato de que não possuem sentido completo e exigirem dois complementos verbais (objetos direto e indireto).
  • 17. ENTREGAR ALGO A ALGUÉM DAR ALGO AALGUÉM. CONFUNDIR X COM Y. PREFERIR X A Y.
  • 18. INFORMAR ALGUÉM DE ALGO. AVISAR AALGUÉM ALGUMA COISA ESCLARECER ALGO AALGUÉM. CIENTIFICAR AALGUÉM ALGUMA COISA.
  • 19. PAGAR ALGO A ALGUÉM. OD OI PERDOAR AALGUÉM ALGUMA COISA OI OD ESCLARECER ALGO A ALGUÉM. OD OI CIENTIFICAR A ALGUÉM ALGUMA COISA. OI OD ENTREGAR ALGO A ALGUÉM. OD OI
  • 21. Com referência ao texto acima, julgue os seguintes itens. 71 O emprego de vírgula logo após “Adorno” (l.24) é facultativo e justificado, no texto, pela intenção da autora de enfatizar a menção desse filósofo.
  • 22. 72 A oração iniciada por “Quando” (l.5) tem valor condicional e poderia ser reescrita como Caso discutido no nível teórico, sem que se alterassem a correção e o sentido original do texto.
  • 23. 73 Segundo a autora, a definição do belo surge como consequência do medo que se tem do que não é familiar, ou seja, do que fica à margem de padrões sociais e incide na categoria de desconhecido.
  • 24. 74 A construção de conceitos ligados à beleza, ao bem e à verdade está alicerçada em noções associadas a princípios racionais já existentes na Antiguidade.
  • 25. 75 Na linha 9, o emprego do sinal indicativo de crase em “a sociedade” e “a verdade” manteria as relações sintáticas e semânticas e a correção gramatical do texto.
  • 26. 76 No último parágrafo, constrói-se uma relação da violência tanto com a feiura quanto com a beleza; enquanto o feio está ligado à violência do mundo não racional, o belo é violento por tentar subjugar esse mundo.
  • 27. Com base no texto acima, julgue os itens que se seguem. 77 O texto adquiriria um tom mais formal caso o trecho entre parênteses, no final do primeiro parágrafo, fosse substituído por Tradução minha ou Tradução do autor.
  • 28. 78 No trecho “um teólogo inglês do século XIV” (l.16), que serve como aposto apresentador de informações acerca de William de Ockham, o artigo indefinido poderia ser omitido sem que se prejudicasse a correção gramatical do texto.
  • 29. 79 Sem que se prejudicasse o sentido original do texto, o trecho “dadas duas ou mais explicações” (l.12-13) poderia ser corretamente reescrito como em havendo duas ou mais explicações e como diante de duas ou mais explicações.
  • 30. 80 No trecho “monoteísmo judaico-cristão nas ciências” (l.20-21), o adjetivo é grafado na sua forma mais conhecida, embora também estejam corretas as formas judaicocristão e judaico cristão.
  • 31. 81 Segundo o texto, na ciência, beleza, verdade e simplicidade são indissociáveis.
  • 32. 82 Na linha 5, o sinal de dois-pontos poderia ser substituído por pois, precedido de vírgula, sem que houvesse prejuízo à coerência do texto.
  • 33. 83 Mantendo-se a correção gramatical e as relações semânticas originalmente construídas pelo autor, o trecho “não se excluem, mas integram-se e completam-se” (l.1-2) pode ser assim reescrito: não se excluem, contudo, integram-se e completam-se.
  • 34. 84 Feitas as necessárias adaptações de grafia e pontuação, o advérbio “Evidentemente” (l.8) poderia ser deslocado para o final do período em que se encontra, sem que houvesse prejuízo para a correção gramatical e o sentido original do texto.
  • 35. 85 Mantendo-se a correção gramatical e as relações semânticas do texto, seu último período poderia ser assim reescrito: Haja vista que a obra literária pode ser, a um só tempo, bela e verdadeira, a dicotomia beleza/verdade não procede.
  • 36. Acerca das ideias e estruturas do texto acima, julgue os próximos itens. 86 Ao empregar pronome e formas verbais na terceira pessoa do plural — em “nosso propósito” (l.25), “não descuidamos da forma” (l.26) e “Procuramos (...) preservar” (l.26) —, o autor adota o chamado plural de modéstia, com o que deseja fugir à responsabilidade de ter elaborado o novo Código Civil.
  • 37. 87 No trecho “não se visa (...) a informar (...) a fornecer” (l.15-16), o elemento “a”, em ambas as ocorrências, poderia ser omitido sem que isso trouxesse prejuízo à correção gramatical do texto.
  • 38. 88 Com o fim de tornar o texto mais acessível ao leitor moderno, a estrutura “ver-se-á” (l.25) poderia ser corretamente substituída por será analisado.
  • 39. 89 O termo “deles” (l.20) faz referência ao elemento “protagonistas prováveis da conduta regulada” (l.19-20), que, por sua vez, retoma a ideia veiculada por “meros espectadores” (l.18).
  • 40. 90 A inclusão de vírgula logo depois de “inamovíveis” (l.12) preservaria a correção gramatical e a coerência do texto, assim como seu sentido original
  • 41. 91 O trecho “modelo insuperável da vernaculidade” (l.28), que exerce a função de aposto, apresentando uma característica do Código Civil de 1916, introduz uma justificativa para a opção, explicitada pelo autor, de “preservar a beleza formal do Código de 1916” (l.27- 28).
  • 42. 92 O “problema da linguagem” (l.1 e 12) a que o autor se refere consiste na necessidade de se redigir um texto normativo isento de erros gramaticais, de forma a manter o nível de “beleza formal” (l.21-22) do Código de 1916.
  • 43. Acerca do texto acima, julgue os itens que se seguem. 93 A repetição de “contudo” nas linhas 12 e 21 poderia ser evitada mediante a substituição desse termo por entretanto ou todavia em uma de suas ocorrências ou pela sua omissão em ambas as ocorrências; nesse último caso, embora o texto continuasse correto, haveria perda da ênfase dada pelo autor às oposições por ele criadas. ANULADA
  • 44. 94 A ausência do artigo as imediatamente antes de “cinco qualidades essenciais da linguagem legislativa” (l.9-10) permite inferir a possibilidade de a linguagem legislativa ser caracterizada por outras qualidades essenciais não mencionadas.
  • 45. 95 Sem que houvesse alteração do sentido do texto nem prejuízo para sua correção gramatical, o trecho “Em geral (...) a saber” (l.8-9) poderia ser assim reescrito: É de concordância geral entre eles ser desejável reunir cinco características essenciais da linguagem legislativa, quais sejam.
  • 46. 96 O texto pode ser classificado como didático por ser marcado pela repetição de vocabulário e ausência de elementos subjetivos.