LabJovem #3 - Sexo, Marcas e Juventude

411 visualizações

Publicada em

Resumo: As marcas exercem um papel fundamental na vida dos jovens consumidores, tanto educando como também incentivando um estilo de vida bastante característico. Porém, mais do que um tabu, diversão ou uma questão cultural, “sexo na juventude” pode trazer sérias implicações na saúde. Desta vez o LabJovem #3 traz a tona um tema bastante complexo, peculiar e interessante para ser discutido no entendimento de qual o papel das marcas na precocidade sexual, os impactos da publicidade erotizada pela ótica do consumo e os reflexos reais no comportamento da juventude.
Facilitador: Ederson Manoel, Sócio e Diretor de Planejamento
Convidados: Alex Minduin, sociólogo e professor história; Tathy Yazigi, ativista, fotógrafa, atriz e performer; Val Nogueira, professora universitária na área de saúde.

Publicada em: Marketing
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
411
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

LabJovem #3 - Sexo, Marcas e Juventude

  1. 1. #3 JOVEM www.AGENCIABLITZ.com.br 11 de Abril de 2014 GRAFITE•Naggaz SEXO, MARCAS E JUVENTUDE
  2. 2. www.AGENCIABLITZ.com.br Agência Blitz Comunicação Jovem & Marketing Universitário Rua Prof. Rubião Meira, 59 - Metrô Sumaré CEP 05409-020 São Paulo - SP Telefone (11) 4106-2433 contato@agenciablitz.com.br agenciablitz.com.br Abril/2014 Todos os direitos reservados. Fica expressamente proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo editorial sem prévia autorização. TEXTO Talita Lima MTB: 73870/SP DIAGRAMAÇÃO Hannah Prado FOTOGRAFIA Priscila Buzinaro #TENDÊNCIA #PERSPECTIVA #COMPORTAMENTO #HÁBITOS
  3. 3. Em sua terceira edição, o LabJovem - laboratório de estudo e discussão sobre tendências, comportamento e consumo da juventude -, conseguiu reunir um público jovem interessado no debate, profissionais que atuam em áreas diferentes e, pela primeira vez, a partici- pação formal de uma marca envolvida diretamente com o tema em questão. Reunidos em uma sala da Escola São Paulo na noite do dia 11 de abril, um gerente de marketing, um sociólogo, uma professora universitária e enfermei- ra, e uma atriz, fotógrafa e performer. O objetivo de todos era o mesmo: iniciar uma discussão partindo do tema “a influ- ência das marcas na iniciação sexual precoce dos jovens”. Perspectivas diferentes na construção de um diálogo coerente sobre sexo na juventude, suas causas e efeitos. Presenças decisivas na consolidação do projeto idealizado pela Agência Blitz de São Paulo. Uma conversa com o DIFER NTEELabJovem chega à terceira edição construindo diálogos abertos em prol da juventude
  4. 4. Marcelo Rocha, gerente de marketing da marca de preservativos Preserv, explicou os motivos pelos quais aceitou o convite da agência para o debate. “Estou apresentando a empresa pra vocês de uma outra maneira. Com um produto como o nosso, não se tem contato com ninguém da empresa, só se tem contato com o produto na farmácia. Então eu acho isso muito importante, ainda mais com o jovem, que é o nosso foco”. A nossa intenção é ter o cidadão como nosso con- sumidor desde a juventude Rocha, que disse sempre ter apoiado com grande entusiasmo esse tipo de aproximação entre marca e consumidor, reforça a ideia de que o LabJovem favo- rece, além do “networking”, a presença da marca no cotidiano das pessoas. “A nossa intenção é ter o cidadão como nosso consumidor desde a juventude. Claro que não somos uma empresa de caridade, nosso objetivo é vender, mas participar deste evento também é uma maneira de vender”, afirmou. - Marcelo Rocha Gerente de Marketing/Preserv No Brasil, cerca de 600 milhões de preservativos são usados anualmente, mas entre 1 e 1,2 bilhão seriam necessários para prevenir a aids e outras doenças sexualmente trans- missíveis de forma satisfatória, segundo o Ministério da Saúde. (Fonte: BBC Brasil) O médico Dráuzio Varella vê ainda baixa adesão ao uso da camisinha como um problema crônico no Brasil, que piora com a influência da Igreja Católica, principalmente no interior do país. (Fonte: BBC Brasil)
  5. 5. - Alex Minduín Sociólogo e Professor de História Vocês estão re-educando a nossa sociedade que desaprendeu a dialogar Na perspectiva do sociólogo e profes- sor de História Alex Minduín, a socieda- de carece de ambientes onde é possível haver um diálogo entre diferentes. “Aqui você dialoga com pessoas que você nunca viu. Acho que esse é o ponto- -chave desse projeto da Agência Blitz”, disse. Minduín enxerga o LabJovem com uma função social de grande relevância nos dias atuais. “Vocês estão re-educando a nossa sociedade que desaprendeu a dialogar. Vivemos um momento de carência absurda, da imposição pela imposição, isso fortalecido pela grande mídia. Temos as redes sociais, mas elas não conseguem superar a força que a grande mídia ainda tem direcionado à nossa sociedade. Então nesse sentido a Agência Blitz está de parabéns”. Quatro em cada dez jovens brasileiros acham que não precisam usar camisinha em um relacionamento estável. Além disso, três em cada dez ficariam desconfiados da fidelidade do parceiro caso ele propusesse sexo seguro. A informação é da pesquisa “Juven- tude, Comportamento e DST/Aids” realizada pela Caixa Seguros com o acompanhamento do Ministério da Saúde e da Organiza- ção Pan-Americana da Saúde (Opas). O estudo ouviu 1.208 jovens com idades entre 18 e 29 anos em 15 estados. As mulheres correspondem a 55% da amostra e os homens, a 45%. (Fonte: Agência Brasil, 2012)
  6. 6. Tathy Yazigi, fotógrafa e atriz que reali- za performances que colocam em ques- tão a naturalidade do corpo nu, também destacou a relevância social do LabJo- vem. “Acho que é de suma importância que eventos como esse aconteçam, até pra dissipar temas que são de interesse público. Achei muito interessante ter gente de áreas diferentes falando sobre o mesmo tema”, afirmou. “Acho produtivo você estar em um ambiente de discussão, porque isso possibilita o raciocínio, a reflexão, e isso é maravilhoso para a construção de qual- quer indivíduo”, disse a enfermeira e professora universitária da área da saúde Valnice Nogueira. Quatro em cada dez jovens brasileiros acham que não precisam usar camisinha em um relacionamento estável. Além disso, três em cada dez ficariam desconfiados da fidelidade do parceiro caso ele propusesse sexo seguro. A informação é da pesquisa “Juventude, Comportamento e DST/Aids” realizada pela Caixa Seguros com o acompanha- mento do Ministério da Saúde e da Organização Pan-Ameri- cana da Saúde (Opas). O estudo ouviu 1.208 jovens com idades entre 18 e 29 anos em 15 estados. As mulheres correspondem a 55% da amostra e os homens, a 45%. (Fonte: Agência Brasil, 2012) Achei muito interessante ter gente de diferentes áreas falando sobre o mesmo tema - Tathy Yazigi Fotógrafa e Atriz
  7. 7. “Inclusive eu saio daqui com um monte de informação legal, que vale a pena levar pra minha vida, pra minha área acadêmica e para os meus pacien- tes. Achei uma ótima iniciativa”, comple- tou. Para Alex Minduín, o LabJovem tem uma proposta ideal para ser desenvolvi- da muito além do âmbito da Agência Blitz. “Tenho a plena certeza de que a agência irá colher uma série de frutos. É um grande embrião de um grande proje- to, não só para o estado de São Paulo mas para o país”, ressaltou o sociólogo. Ao todo, 91% dos jovens brasileiros já tiveram relação sexual; 40% não consideram o uso de camisinha um método eficaz na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) ou gravidez; 36% não usaram preservativo na última vez que tiveram relações sexuais. (Fonte: Agência Brasil, 2012) - Valnice Nogueira Enfermeira e Professora Universitária Acho produtivo estar em um ambiente de dis- cussão. Isso é maravilhoso para a constru- ção de qualquer indivíduo Um terço dos jovens brasileiros nunca ou quase nunca usa camisinha em suas relações sexuais, segundo o 2º Levanta- mento Nacional de Álcool e Drogas divulgado pela Univer- sidade Federal de São Paulo. 12% das meninas entre 14 e 20 já sofreram um aborto. 29% dos meninos e 38% das meninas disseram não utilizar camisinha nunca ou quase nunca em suas relações sexuais, uma média de 34,1%. (Fonte: Universidade Federal de São Paulo/ Exame.com, 2014)
  8. 8. #3 JOVEM 11 de Abril de 2014
  9. 9. www.AGENCIABLITZ.com.br #3 JOVEM SEXO, MARCAS E JUVENTUDE

×