SlideShare uma empresa Scribd logo
TREINAMENTO PARA TRABALHO EM ALTURA
OBJETIVO
Capacitar o trabalhador para o
trabalho em altura, prevenindo
acidentes decorrentes de queda em
altura, assim garantir a integridade
física do trabalhador.
Regulamentação
 NR 35 - Trabalho em altura,
 NR 06 – Equipamento de proteção individual,
 NR 18-Condições e meio ambiente de
trabalho na indústria da construção.
DEFINIÇÃO DE TRABALHO EM ALTURA
NR 35.1.2 Considera-se trabalho em
altura toda atividade executada acima
de 2,00 m (dois metros) do nível inferior,
onde haja risco de queda.
EXAMES MÉDICOS
Exame clinico,
Espirometria,
Raio x tórax,
Acuidade visual,
Audiometria,
Eletrocardiograma (ECG),
Eletroencefalograma (EEG),
Glicemia,
IMC- Índice de massa corporal,
PATOLOGIAS QUE PODERÃO ORIGINAR MAL
SÚBITO E QUEDA DE ALTURA
Epilepsia,
 Vertigem e tontura,
 Distúrbios do equilíbrio e deficiência da
estabilidade postural,
 Alterações cardiovasculares,
 Acrofobia (medo de lugares alto, podendo
levar a um ataque de pânico),
 Alterações otoneurológicas (auditiva,
tontura, equilíbrio e etc...),
 Diabetes (Estágio inicial: Excesso de sono
e cansaço). Quando não tratada (Ataque
cardíaco, derrame cerebral, insuficiência
renal, problemas na visão).
TREINAMENTO
35.3.2 Considera-se trabalhador
capacitado para trabalho em altura aquele
que foi submetido e aprovado em
treinamento;
TEÓRICO
PRATICO
O EMPREGADOR DEVE REALIZAR TREINAMENTO
PERIÓDICO BIENAL E SEMPRE QUE OCORRER
QUAISQUER DAS SEGUINTES SITUAÇÕES
Mudança nos procedimentos, condições
ou operações de trabalho;
 Evento que indique a necessidade de
novo treinamento;
 Retorno de afastamento ao trabalho
por período superior a noventa dias;
Mudança de empresa.
RESPONSABILIDADE DO EMPREGADOR
 Garantir aos trabalhadores informações
atualizadas sobre os riscos e as medidas de
controle;
 Garantir que qualquer trabalho em altura
só se inicie depois de adotadas as medidas
de proteção definidas nesta Norma;
 Assegurar a suspensão dos trabalhos em
altura quando verificar situação ou
condição de risco não prevista, cuja
eliminação ou neutralização imediata não
seja possível.
RESPONSABILIDADE DO EMPREGADO
Cumprir as disposições legais e
regulamentares sobre trabalho em altura,
inclusive os procedimentos expedidos pelo
empregador;
 Interromper suas atividades exercendo o
direito de recusa, sempre que constatarem
evidências de riscos graves e iminentes
para sua segurança e saúde ou a de outras
pessoas, comunicando imediatamente o
fato a seu superior hierárquico, que
diligenciará as medidas cabíveis;
Zelar pela sua segurança e saúde e a de
outras pessoas que possam ser afetadas
por suas ações ou omissões no trabalho.
CAUSAS DE QUEDA EM ALTURA
ATO INSEGURO
É a maneira como as pessoas se expõem,
consciente ou inconscientemente, a riscos
de acidentes. São esses os atos
responsáveis por muitos dos acidentes de
trabalho e que estão presentes na maioria
dos casos em que há alguém ferido.
CONDIÇÕES INSEGURAS
são aquelas que compreendem a
segurança do trabalhador. São as falhas,
os defeitos, irregularidades técnicas e
carência de dispositivos de segurança que
põe em risco a integridade física e/ou a
saúde das pessoas e a própria segurança
das instalações e equipamentos.
ATO INSEGURO
ATO INSEGURO
ATO INSEGURO
CONDIÇÕES INSEGURA
CONDIÇÕES INSEGURA
CONDIÇÕES INSEGURA
CONSQUENCIA DE ACIDENTE COM
QUEDA DE ALTURA
CONDIÇÕES IMPEDITIVAS
Situações que impedem a realização ou
continuidade do serviço que possam colocar em
risco a saúde ou a integridade física do
trabalhador.
 Trabalhador não autorizado,
 Trabalhador não qualificado,(treinado),
 Trabalhador sem condições físicas e mentais (aso),
 Ausência de pontos de ancoragem,
 Ausências de EPIs adequados,
 Falta de isolamento no entorno do local de trabalho,
 Condições meteorológicas adversas.
RISCOS POTENCIAIS INERENTES AO TRABALHO
EM ALTURA
Além dos riscos de queda em altura aos
serviços, existem outros riscos, específicos de
cada ambiente ou processo de trabalho que,
direta ou indiretamente, podem expor a
integridade física e a saúde dos trabalhadores
no desenvolvimento de atividades em altura.
 Eletricidade,
 Queda de materiais,
 Ruído,
 Poeiras.
Acidentes típicos em trabalhos em altura
Perda de equilíbrio do trabalhador à beira
do espaço, sem proteção. Escorregão,
passo em falso e falta de proteção.
Contato acidental com condutor ou massa
sob tensão elétrica. Trabalhador não apto ao
trabalho em altura (problemas de saúde).
Falha de uma instalação ou de um
dispositivo de proteção. (quebra de suporte
ou ruptura de cabo guia). Método
impróprio de trabalho.
CONHECER OS LOCAIS DE TRABALHO COM RISCO DE
QUEDA EM ALTURA
Andaime simplesmente fixo/móvel,
Andaime cavalete,
Andaime fachadeiro,
Escadas manual,
Fosso do elevador,
Lajes,
Abertura de piso,
Telhado.
ANALISE DE RISCO
35.4.5.1 A Análise de Risco deve, além dos riscos
inerentes ao trabalho em altura, considerar:
a) o local em que os serviços serão executados e seu
entorno;
b) o isolamento e a sinalização no entorno da área de
trabalho;
c) o estabelecimento dos sistemas e pontos de
ancoragem;
d) as condições meteorológicas adversas;
e) a seleção, inspeção, forma de utilização e limitação
de uso dos sistemas de proteção coletiva e
individual, atendendo às normas técnicas vigentes, às
orientações dos fabricantes e aos princípios da
redução do impacto e dos fatores de queda;
ANALISE DE RISCO
f) o risco de queda de materiais e ferramentas;
g) os trabalhos simultâneos que apresentem riscos
específicos;
h) o atendimento aos requisitos de segurança e saúde
contidos nas demais normas regulamentadoras;
i) os riscos adicionais;
j) as condições impeditivas;
k) as situações de emergência e o planejamento do
resgate e primeiros socorros, de forma a reduzir o
tempo da suspensão inerte do trabalhador;
l) a necessidade de sistema de comunicação;
m) a forma de supervisão
ANDAIME TUBULAR
ANDAIME TUBULAR
ANDAIME TUBULAR
18.15.10 Os montantes dos andaimes devem ser
apoiados em sapatas sobre base sólida e
nivelada capazes de resistir aos esforços
solicitantes e às cargas transmitidas.
18.15.12 É proibido o trabalho em andaimes na
periferia da edificação sem que haja proteção
tecnicamente adequada, fixada a estrutura da
mesma.
18.15.8 É proibida, sobre o piso de trabalho de
andaimes, a utilização de escadas e outros
meios para se atingirem lugares mais altos.
18.15.13 É proibido o deslocamento das
estruturas dos andaimes com trabalhadores sobre
os mesmos.
18.15.14 Os andaimes cujos pisos de
trabalho estejam situados a mais de um
metro de altura devem possuir escadas ou
rampas.
18.15.16 Os andaimes de madeira
somente podem ser utilizados em obras
de até três pavimentos ou altura
equivalente e devem ser projetados por
profissional legalmente habilitado.
18.15.15 O ponto de instalação de qualquer aparelho
de içar materiais deve ser escolhido, de modo a não
comprometer a estabilidade e segurança do andaime.
18.15.17 O andaime
deve ser fixado à
estrutura da
construção, edificação
ou instalação, por meio
de amarração
e destronamento, de
modo a resistir aos
esforços a que estará
sujeito.
18.15.18 As torres de andaimes não podem
exceder, em altura, quatro vezes a menor
dimensão da base de apoio,
4X
ANDAIME CAVALETE
18.15.11 É proibido
trabalho em
andaimes apoiados
sobre cavaletes que
possuam altura
superior a 2,00m
(dois metros) e
largura inferior a
0,90m (noventa
centímetros).
Andaimes simplesmente apoiados sobre cavaletes não
devem ser montados próximos a escadarias e beirais.
ESCADA DE MÃO
18.12.5.2 A escada de mão deve ter seu
uso restrito para acessos provisórios e
serviços de pequeno porte.
18.12.5.3 As escadas de mão poderão ter
até 7,00m (sete metros) de extensão e o
espaçamento entre os degraus deve ser
uniforme, variando entre 0,25m (vinte e
cinco centímetros) a 0,30m (trinta
centímetros).
18.12.5.4 É proibido o uso de escada
de mão com montante único.
 Nas proximidades de portas ou áreas
de circulação;
 Onde houver risco de queda de objetos
ou materiais;
Nas proximidades de aberturas e vãos.
18.12.5.5 É PROIBIDO COLOCAR ESCADA DE
MÃO:
18.12.5.6 A ESCADA DE MÃO DEVE:
 Ultrapassar em
1,00m (um metro) o
piso superior;
 Ser fixada nos pisos
inferior e superior ou
ser dotada de
dispositivo que
impeça o seu
escorregamento;
 Ser dotada de
degraus
antiderrapantes;
 Ser apoiada em piso
resistente.
ESCADA EXTENSIVA
ESCADA EXTENSIVA
 Deve ter dispositivo limitador de curso, colocado no
quarto vão a contar da catraca;
 A escada deve possuir roldanas, guias e
ancoragem adequadas, duas trancas automáticas
e corda para manobra de extensão;
 Quando a escada estiver estendida, a corda
deve ser bem esticada e amarrada nos degraus
de base, para não ficar no chão e garantir que a
seção superior não caia, em caso de abertura das
catracas;
 Quando em posição, a seção inferior deve sempre
estar superposta à superior;
 Deve ser dada atenção especial quanto ao estado
de conservação dos dispositivos de travamento e
fixação do segundo lance, catraca, roldanas,
guias e corda para manobra de extensão.
Escada extensível – Método de amarração
Laçada de topo executada do solo
Escada extensível – Método de amarração
Laçada de topo executada do solo
INSTALAÇÃO DA CORDA DE VIDA NA ESCADA
INSTALAÇÃO DA CORDA DE VIDA NA ESCADA
INSTALAÇÃO DA CORDA DE VIDA NA ESCADA
FOSSO ELEVADOR
18.13.3 Os vãos de
acesso às caixas dos
elevadores devem ter
fechamento provisório
de, no mínimo, 1,20m
(um metro e vinte
centímetros) de
altura, constituído de
material resistente e
seguramente fixado à
estrutura, até a
colocação definitiva
das portas.
PROTEÇÃO CONTRA QUEDA NA LAJE
18.13.4 É obrigatória,
na periferia da
edificação, a instalação
de proteção contra
queda de trabalhadores
e projeção de materiais
a partir do início dos
serviços necessários à
concretagem da
primeira laje.
ABERTURA DE PISO
TELHADO
18.18.1.1 É obrigatória a instalação de cabo guia ou cabo de
segurança para fixação de mecanismo de ligação por talabarte
acoplado ao cinto de segurança tipo pára-quedista.
18.18.4 É proibida a realização de trabalho ou atividades em
telhados ou coberturas em caso de ocorrência de chuvas, ventos
fortes ou superfícies escorregadias.
PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES COM QUEDA DE TELHADO
 Rompimento de telhas por baixa resistência,
 Tábuas mal posicionadas, danificadas,
deformadas e/ou escorregadias,
 Mal súbito do funcionário,
 Calçados inadequados e/ou impregnados de
óleo ou graxa,
 Inadequado içamento de telhas e transporte
sobre o telhado,
 Escadas de acesso ao telhado sem a devida
proteção,
 Escorregamentos em telhados úmidos,
molhados ou com acentuada inclinação,
 Precariedade nos acessos aos telhados.
QUAIS OS MEIOS DE ACESSO
Escada
Linha de vida
Cinto paraquedista
Trava quedas
EPC
EPI
CINTO PARAQUEDISTA - MODELO PQ
 Cinto paraquedista
com 1 (um) ponto de
ancoragem.
 Confeccionado em
fitas de poliéster.
 Possui 1 argola em "D",
para conexão dorsal,
na altura dos ombros
para ancoragem e
proteção contra
queda.
 Contém 2 fivelas de
engate rápido para
ajuste das pernas e
uma para conexão e
ajuste de cintura.
INSPEÇÃO
Fibras soltas
Furos
Derretimento
Ferrugem cortes
Pontos rompido
ARMAZENAMENTO
Armazenar em local limpo e seco,
protegido de choques mecânicos,
intempéries, substâncias químicas.
RISCOS APÓS QUEDA
Suspensão inerte
Um trabalhador pode cair ao perder a
consciência ou perdê-la ao cair, em ambos
os casos, estando ele equipado com um
sistema de proteção contra quedas, ficará
suspenso pelo cinturão até o momento do
socorro.
Risco de suspensão inerte
Estudos científicos recentes provam que a
suspensão inerte, mesmo que por
períodos curtos de tempo, pode
desencadear transtornos fisiológicos
graves em função da compressão das
artérias e, consequentemente, problemas
da circulação sanguínea.
TRAUMA DE SUSPENSÃO
Na ocorrência de trauma de suspensão o
trabalhador poderá ter os seguintes sintomas:
 Palidez
 Tonturas
 Formigamento
 Náuseas
 Visão turva
 Suor frio
 Câimbras
 Fraquezas
 Inchaço nos membros inferiores
 Inconsciência
 Morte
TALABARTE
É OBRIGATÓRIO O USO DE ABSORVEDOR DE ENERGIA
NAS SEGUINTES SITUAÇÕES
 fator de queda for maior que 1;
comprimento do talabarte for maior
que 0,9m.
FATOR DE QUEDA 0 IDEAL
FATOR DE QUEDA 0
FATOR DE QUEDA 1 ALERTA
FATOR DE QUEDA 1
FATOR DE QUEDA 2 PERIGO
FATOR DE QUEDA 2
WORK-SAFE
I.C. Leal
ZONA LIVRE DE QUEDA
TRAVA QUEDAS
CORDA NR 18
APLICAÇÃO
Uso específico em cadeiras
suspensas e cabo-guia de
segurança para fixação de trava-
quedas.
DESEMPENHO
Atende a NR18
Carga de Ruptura:
Cabo completo : 20 kn =
2,038(kgf)
Diâmetro nomina l(mínimo) :
12,0mm
1ª capa Trançado externo em multifilamento de
poliamida.
2ª capa alerta visual em filamento de polipropileno
ou poliamida na cor amarela.
3ª capa Alma central torcida em multifilamento de
poliamida.
Fita de identificação Constando: NR 18.16.5 - ISO
1140 1990 e nome do fabricante com CNPJ.
A VIDA ÚTIL DAS CORDAS
 Tempo de uso,
Frequência do uso,
Manutenção,
Equipamentos utilizados, intensidade da
carga, abrasão física,
Contato com produtos químicos,
exposição as intempéries.
INSPEÇÃO
Antes de cada uso, a corda deve ser
inteiramente inspecionada;
verificar se não possui corte nem fios
partidos, sem desgastes por abrasão e
sem suspeita de contaminação por
produto químico;
 A corda não deve apresentar caroço,
inconsistência à dobra, emagrecimento
da alma (parte interna) e folga entre
capa e alma.
CUIDADOS
Mantê-la limpa e afastada de produtos
químicos;
Cantos cortantes ;
 Jamais pisá-la com sapatos sujos;
Não arraste a corda pelo chão;
Partículas de areia, terra e pó penetram
nas fibras e causam grande desgaste
dos fios.
MANUTENÇÃO E ARMAZENAMENTO
Lavar com sabão neutro, nunca use
detergente.
Deixar secar ao ar livre, longe da luz
solar.
Armazenar em local seco, à sombra,
sem contato com piso de cimento,
fontes de calor, sol, produtos químicos,
abrasivos ou cortantes.
Descansar a corda em sacos.
PONTO DE ANCORAGEM
Os pontos de ancoragem são considerados como o
coração de um sistema de segurança, não podendo ser
considerado menos importante que um EPI.
NÓ DE ANCORAGEM
Volta do fiel
No pescador simples e duplo
NÓ DE ANCORAGEM
Oito simples
Oito duplo
Oito guiado
Oito com alça dupla
CABO DE AÇO PARA LINHA DE VIDA
BACK-UP
O termo “back-up” diz respeito a uma
segunda
segurança.
Para realização do “back-up” como segundo
ponto
de ancoragem, algumas regras devem ser
observadas:
 Os pontos devem estar preferencialmente
alinhados;
 O ponto secundário de ancoragem (“back-
up”) não deve receber carga e somente
será utilizado em caso de falência do ponto
principal;
 Não deverá haver folga entre os dois
pontos de ancoragem, para evitar o
aumento da força de choque em caso de
rompimento do ponto principal.
CONDIÇÕES IMPEDITIVAS DE USO DOS
SISTEMAS DE RETENÇÃO DE QUEDA
 Todos os cinturões, talabartes e travaquedas
aprovados pelo MTE foram ensaiados com
massa de 100 quilos, sendo incorreto usá-los
para valores maiores que o ensaiado e
aprovado.
 Vida útil dos cinturões: 4 anos.
 Cinturões e outros materiais sintéticos que
aparentam estar perfeitos, porém tenham
retido uma queda, ou tenham vida útil
vencida, devem ser inutilizados e descartados.
FIM
OBRIGADO
TREINAMENTO TRABALHO EM ALTURA.pptx
TREINAMENTO TRABALHO EM ALTURA.pptx
TREINAMENTO TRABALHO EM ALTURA.pptx
TREINAMENTO TRABALHO EM ALTURA.pptx
TREINAMENTO TRABALHO EM ALTURA.pptx

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a TREINAMENTO TRABALHO EM ALTURA.pptx

Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
Juliana Weg
 
curso trabalho em altura.pptx
curso trabalho em altura.pptxcurso trabalho em altura.pptx
curso trabalho em altura.pptx
Shinuki
 
Ordem de serviço
Ordem de serviçoOrdem de serviço
Ordem de serviço
Winny Carneiro
 
Treinamento nr35
Treinamento nr35Treinamento nr35
Treinamento nr35
ericamartins23
 
Treinamento nr35
Treinamento nr35Treinamento nr35
Treinamento nr35
ericamartins23
 
Segurança do Trabalho nwn
Segurança do Trabalho nwnSegurança do Trabalho nwn
Segurança do Trabalho nwn
Nestor Neto
 
Trabalho em-altura-nr-35
Trabalho em-altura-nr-35Trabalho em-altura-nr-35
Trabalho em-altura-nr-35
NicodemosFuly
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura   nr 35Trabalho em altura   nr 35
Trabalho em altura nr 35
Josiel Leite
 
trabalho-em-altura-nr-35.ppt
trabalho-em-altura-nr-35.ppttrabalho-em-altura-nr-35.ppt
trabalho-em-altura-nr-35.ppt
PallomaCampeloPreven
 
Apresentação elcoeste
Apresentação elcoesteApresentação elcoeste
Apresentação elcoeste
Miguel_S
 
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 -.docx
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 -.docxAPR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 -.docx
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 -.docx
ARTHURDeoliveiraNeto
 
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (1).docx
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (1).docxAPR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (1).docx
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (1).docx
ARTHURDeoliveiraNeto
 
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (2).docx
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (2).docxAPR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (2).docx
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (2).docx
ARTHURDeoliveiraNeto
 
Trabalho em Altura Consc.
Trabalho em Altura   Consc.Trabalho em Altura   Consc.
Trabalho em Altura Consc.
Devania Silva
 
NR 35- TRABALHO EM ALTURA
NR 35- TRABALHO EM ALTURANR 35- TRABALHO EM ALTURA
NR 35- TRABALHO EM ALTURA
Geovanine Miranda
 
Autoriza trab
Autoriza trabAutoriza trab
Autoriza trab
Autoriza trabAutoriza trab
Autoriza trab
Autoriza trabAutoriza trab
Autoriza trab
Autoriza trabAutoriza trab
Autoriza trab
Luiz Fabiano Brenzink
 
Ts 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeira
Ts 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeiraTs 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeira
Ts 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeira
Biela_123456
 

Semelhante a TREINAMENTO TRABALHO EM ALTURA.pptx (20)

Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
curso trabalho em altura.pptx
curso trabalho em altura.pptxcurso trabalho em altura.pptx
curso trabalho em altura.pptx
 
Ordem de serviço
Ordem de serviçoOrdem de serviço
Ordem de serviço
 
Treinamento nr35
Treinamento nr35Treinamento nr35
Treinamento nr35
 
Treinamento nr35
Treinamento nr35Treinamento nr35
Treinamento nr35
 
Segurança do Trabalho nwn
Segurança do Trabalho nwnSegurança do Trabalho nwn
Segurança do Trabalho nwn
 
Trabalho em-altura-nr-35
Trabalho em-altura-nr-35Trabalho em-altura-nr-35
Trabalho em-altura-nr-35
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura   nr 35Trabalho em altura   nr 35
Trabalho em altura nr 35
 
trabalho-em-altura-nr-35.ppt
trabalho-em-altura-nr-35.ppttrabalho-em-altura-nr-35.ppt
trabalho-em-altura-nr-35.ppt
 
Apresentação elcoeste
Apresentação elcoesteApresentação elcoeste
Apresentação elcoeste
 
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 -.docx
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 -.docxAPR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 -.docx
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 -.docx
 
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (1).docx
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (1).docxAPR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (1).docx
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (1).docx
 
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (2).docx
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (2).docxAPR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (2).docx
APR - Montagem e desmontagem de andaimes - 03558 - E 1 - (2).docx
 
Trabalho em Altura Consc.
Trabalho em Altura   Consc.Trabalho em Altura   Consc.
Trabalho em Altura Consc.
 
NR 35- TRABALHO EM ALTURA
NR 35- TRABALHO EM ALTURANR 35- TRABALHO EM ALTURA
NR 35- TRABALHO EM ALTURA
 
Autoriza trab
Autoriza trabAutoriza trab
Autoriza trab
 
Autoriza trab
Autoriza trabAutoriza trab
Autoriza trab
 
Autoriza trab
Autoriza trabAutoriza trab
Autoriza trab
 
Autoriza trab
Autoriza trabAutoriza trab
Autoriza trab
 
Ts 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeira
Ts 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeiraTs 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeira
Ts 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeira
 

Mais de Nistron

00-nr11rev02-18-230321140655-f29da901 (1) (1).pdf
00-nr11rev02-18-230321140655-f29da901 (1) (1).pdf00-nr11rev02-18-230321140655-f29da901 (1) (1).pdf
00-nr11rev02-18-230321140655-f29da901 (1) (1).pdf
Nistron
 
curso básico nr10, introdução a atividade
curso básico nr10, introdução a atividadecurso básico nr10, introdução a atividade
curso básico nr10, introdução a atividade
Nistron
 
APR - civil.docx
APR - civil.docxAPR - civil.docx
APR - civil.docx
Nistron
 
Primeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdf
Primeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdfPrimeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdf
Primeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdf
Nistron
 
cipa2023-230810192459-01d1d858.pdf
cipa2023-230810192459-01d1d858.pdfcipa2023-230810192459-01d1d858.pdf
cipa2023-230810192459-01d1d858.pdf
Nistron
 
nr-35-atualizada-2022-4-1-3.pdf
nr-35-atualizada-2022-4-1-3.pdfnr-35-atualizada-2022-4-1-3.pdf
nr-35-atualizada-2022-4-1-3.pdf
Nistron
 
Primeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdf
Primeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdfPrimeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdf
Primeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdf
Nistron
 

Mais de Nistron (7)

00-nr11rev02-18-230321140655-f29da901 (1) (1).pdf
00-nr11rev02-18-230321140655-f29da901 (1) (1).pdf00-nr11rev02-18-230321140655-f29da901 (1) (1).pdf
00-nr11rev02-18-230321140655-f29da901 (1) (1).pdf
 
curso básico nr10, introdução a atividade
curso básico nr10, introdução a atividadecurso básico nr10, introdução a atividade
curso básico nr10, introdução a atividade
 
APR - civil.docx
APR - civil.docxAPR - civil.docx
APR - civil.docx
 
Primeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdf
Primeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdfPrimeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdf
Primeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdf
 
cipa2023-230810192459-01d1d858.pdf
cipa2023-230810192459-01d1d858.pdfcipa2023-230810192459-01d1d858.pdf
cipa2023-230810192459-01d1d858.pdf
 
nr-35-atualizada-2022-4-1-3.pdf
nr-35-atualizada-2022-4-1-3.pdfnr-35-atualizada-2022-4-1-3.pdf
nr-35-atualizada-2022-4-1-3.pdf
 
Primeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdf
Primeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdfPrimeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdf
Primeiros Socorros às Lesões por Queimaduras.pdf
 

Último

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 

Último (20)

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 

TREINAMENTO TRABALHO EM ALTURA.pptx

  • 2. OBJETIVO Capacitar o trabalhador para o trabalho em altura, prevenindo acidentes decorrentes de queda em altura, assim garantir a integridade física do trabalhador.
  • 3. Regulamentação  NR 35 - Trabalho em altura,  NR 06 – Equipamento de proteção individual,  NR 18-Condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção.
  • 4. DEFINIÇÃO DE TRABALHO EM ALTURA NR 35.1.2 Considera-se trabalho em altura toda atividade executada acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda.
  • 5. EXAMES MÉDICOS Exame clinico, Espirometria, Raio x tórax, Acuidade visual, Audiometria, Eletrocardiograma (ECG), Eletroencefalograma (EEG), Glicemia, IMC- Índice de massa corporal,
  • 6. PATOLOGIAS QUE PODERÃO ORIGINAR MAL SÚBITO E QUEDA DE ALTURA Epilepsia,  Vertigem e tontura,  Distúrbios do equilíbrio e deficiência da estabilidade postural,  Alterações cardiovasculares,  Acrofobia (medo de lugares alto, podendo levar a um ataque de pânico),  Alterações otoneurológicas (auditiva, tontura, equilíbrio e etc...),  Diabetes (Estágio inicial: Excesso de sono e cansaço). Quando não tratada (Ataque cardíaco, derrame cerebral, insuficiência renal, problemas na visão).
  • 7. TREINAMENTO 35.3.2 Considera-se trabalhador capacitado para trabalho em altura aquele que foi submetido e aprovado em treinamento;
  • 9. O EMPREGADOR DEVE REALIZAR TREINAMENTO PERIÓDICO BIENAL E SEMPRE QUE OCORRER QUAISQUER DAS SEGUINTES SITUAÇÕES Mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho;  Evento que indique a necessidade de novo treinamento;  Retorno de afastamento ao trabalho por período superior a noventa dias; Mudança de empresa.
  • 10. RESPONSABILIDADE DO EMPREGADOR  Garantir aos trabalhadores informações atualizadas sobre os riscos e as medidas de controle;  Garantir que qualquer trabalho em altura só se inicie depois de adotadas as medidas de proteção definidas nesta Norma;  Assegurar a suspensão dos trabalhos em altura quando verificar situação ou condição de risco não prevista, cuja eliminação ou neutralização imediata não seja possível.
  • 11. RESPONSABILIDADE DO EMPREGADO Cumprir as disposições legais e regulamentares sobre trabalho em altura, inclusive os procedimentos expedidos pelo empregador;  Interromper suas atividades exercendo o direito de recusa, sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes para sua segurança e saúde ou a de outras pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis; Zelar pela sua segurança e saúde e a de outras pessoas que possam ser afetadas por suas ações ou omissões no trabalho.
  • 12. CAUSAS DE QUEDA EM ALTURA ATO INSEGURO É a maneira como as pessoas se expõem, consciente ou inconscientemente, a riscos de acidentes. São esses os atos responsáveis por muitos dos acidentes de trabalho e que estão presentes na maioria dos casos em que há alguém ferido.
  • 13. CONDIÇÕES INSEGURAS são aquelas que compreendem a segurança do trabalhador. São as falhas, os defeitos, irregularidades técnicas e carência de dispositivos de segurança que põe em risco a integridade física e/ou a saúde das pessoas e a própria segurança das instalações e equipamentos.
  • 20. CONSQUENCIA DE ACIDENTE COM QUEDA DE ALTURA
  • 21. CONDIÇÕES IMPEDITIVAS Situações que impedem a realização ou continuidade do serviço que possam colocar em risco a saúde ou a integridade física do trabalhador.  Trabalhador não autorizado,  Trabalhador não qualificado,(treinado),  Trabalhador sem condições físicas e mentais (aso),  Ausência de pontos de ancoragem,  Ausências de EPIs adequados,  Falta de isolamento no entorno do local de trabalho,  Condições meteorológicas adversas.
  • 22. RISCOS POTENCIAIS INERENTES AO TRABALHO EM ALTURA Além dos riscos de queda em altura aos serviços, existem outros riscos, específicos de cada ambiente ou processo de trabalho que, direta ou indiretamente, podem expor a integridade física e a saúde dos trabalhadores no desenvolvimento de atividades em altura.  Eletricidade,  Queda de materiais,  Ruído,  Poeiras.
  • 23. Acidentes típicos em trabalhos em altura Perda de equilíbrio do trabalhador à beira do espaço, sem proteção. Escorregão, passo em falso e falta de proteção.
  • 24. Contato acidental com condutor ou massa sob tensão elétrica. Trabalhador não apto ao trabalho em altura (problemas de saúde).
  • 25. Falha de uma instalação ou de um dispositivo de proteção. (quebra de suporte ou ruptura de cabo guia). Método impróprio de trabalho.
  • 26. CONHECER OS LOCAIS DE TRABALHO COM RISCO DE QUEDA EM ALTURA Andaime simplesmente fixo/móvel, Andaime cavalete, Andaime fachadeiro, Escadas manual, Fosso do elevador, Lajes, Abertura de piso, Telhado.
  • 27. ANALISE DE RISCO 35.4.5.1 A Análise de Risco deve, além dos riscos inerentes ao trabalho em altura, considerar: a) o local em que os serviços serão executados e seu entorno; b) o isolamento e a sinalização no entorno da área de trabalho; c) o estabelecimento dos sistemas e pontos de ancoragem; d) as condições meteorológicas adversas; e) a seleção, inspeção, forma de utilização e limitação de uso dos sistemas de proteção coletiva e individual, atendendo às normas técnicas vigentes, às orientações dos fabricantes e aos princípios da redução do impacto e dos fatores de queda;
  • 28. ANALISE DE RISCO f) o risco de queda de materiais e ferramentas; g) os trabalhos simultâneos que apresentem riscos específicos; h) o atendimento aos requisitos de segurança e saúde contidos nas demais normas regulamentadoras; i) os riscos adicionais; j) as condições impeditivas; k) as situações de emergência e o planejamento do resgate e primeiros socorros, de forma a reduzir o tempo da suspensão inerte do trabalhador; l) a necessidade de sistema de comunicação; m) a forma de supervisão
  • 32. 18.15.10 Os montantes dos andaimes devem ser apoiados em sapatas sobre base sólida e nivelada capazes de resistir aos esforços solicitantes e às cargas transmitidas. 18.15.12 É proibido o trabalho em andaimes na periferia da edificação sem que haja proteção tecnicamente adequada, fixada a estrutura da mesma. 18.15.8 É proibida, sobre o piso de trabalho de andaimes, a utilização de escadas e outros meios para se atingirem lugares mais altos.
  • 33. 18.15.13 É proibido o deslocamento das estruturas dos andaimes com trabalhadores sobre os mesmos.
  • 34. 18.15.14 Os andaimes cujos pisos de trabalho estejam situados a mais de um metro de altura devem possuir escadas ou rampas. 18.15.16 Os andaimes de madeira somente podem ser utilizados em obras de até três pavimentos ou altura equivalente e devem ser projetados por profissional legalmente habilitado.
  • 35. 18.15.15 O ponto de instalação de qualquer aparelho de içar materiais deve ser escolhido, de modo a não comprometer a estabilidade e segurança do andaime.
  • 36. 18.15.17 O andaime deve ser fixado à estrutura da construção, edificação ou instalação, por meio de amarração e destronamento, de modo a resistir aos esforços a que estará sujeito.
  • 37. 18.15.18 As torres de andaimes não podem exceder, em altura, quatro vezes a menor dimensão da base de apoio, 4X
  • 38. ANDAIME CAVALETE 18.15.11 É proibido trabalho em andaimes apoiados sobre cavaletes que possuam altura superior a 2,00m (dois metros) e largura inferior a 0,90m (noventa centímetros).
  • 39. Andaimes simplesmente apoiados sobre cavaletes não devem ser montados próximos a escadarias e beirais.
  • 40.
  • 41. ESCADA DE MÃO 18.12.5.2 A escada de mão deve ter seu uso restrito para acessos provisórios e serviços de pequeno porte. 18.12.5.3 As escadas de mão poderão ter até 7,00m (sete metros) de extensão e o espaçamento entre os degraus deve ser uniforme, variando entre 0,25m (vinte e cinco centímetros) a 0,30m (trinta centímetros).
  • 42. 18.12.5.4 É proibido o uso de escada de mão com montante único.
  • 43.  Nas proximidades de portas ou áreas de circulação;  Onde houver risco de queda de objetos ou materiais; Nas proximidades de aberturas e vãos. 18.12.5.5 É PROIBIDO COLOCAR ESCADA DE MÃO:
  • 44. 18.12.5.6 A ESCADA DE MÃO DEVE:  Ultrapassar em 1,00m (um metro) o piso superior;  Ser fixada nos pisos inferior e superior ou ser dotada de dispositivo que impeça o seu escorregamento;  Ser dotada de degraus antiderrapantes;  Ser apoiada em piso resistente.
  • 45.
  • 47. ESCADA EXTENSIVA  Deve ter dispositivo limitador de curso, colocado no quarto vão a contar da catraca;  A escada deve possuir roldanas, guias e ancoragem adequadas, duas trancas automáticas e corda para manobra de extensão;  Quando a escada estiver estendida, a corda deve ser bem esticada e amarrada nos degraus de base, para não ficar no chão e garantir que a seção superior não caia, em caso de abertura das catracas;  Quando em posição, a seção inferior deve sempre estar superposta à superior;  Deve ser dada atenção especial quanto ao estado de conservação dos dispositivos de travamento e fixação do segundo lance, catraca, roldanas, guias e corda para manobra de extensão.
  • 48. Escada extensível – Método de amarração Laçada de topo executada do solo
  • 49. Escada extensível – Método de amarração Laçada de topo executada do solo
  • 50. INSTALAÇÃO DA CORDA DE VIDA NA ESCADA
  • 51. INSTALAÇÃO DA CORDA DE VIDA NA ESCADA
  • 52. INSTALAÇÃO DA CORDA DE VIDA NA ESCADA
  • 53.
  • 54. FOSSO ELEVADOR 18.13.3 Os vãos de acesso às caixas dos elevadores devem ter fechamento provisório de, no mínimo, 1,20m (um metro e vinte centímetros) de altura, constituído de material resistente e seguramente fixado à estrutura, até a colocação definitiva das portas.
  • 55. PROTEÇÃO CONTRA QUEDA NA LAJE 18.13.4 É obrigatória, na periferia da edificação, a instalação de proteção contra queda de trabalhadores e projeção de materiais a partir do início dos serviços necessários à concretagem da primeira laje.
  • 57. TELHADO 18.18.1.1 É obrigatória a instalação de cabo guia ou cabo de segurança para fixação de mecanismo de ligação por talabarte acoplado ao cinto de segurança tipo pára-quedista. 18.18.4 É proibida a realização de trabalho ou atividades em telhados ou coberturas em caso de ocorrência de chuvas, ventos fortes ou superfícies escorregadias.
  • 58. PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES COM QUEDA DE TELHADO  Rompimento de telhas por baixa resistência,  Tábuas mal posicionadas, danificadas, deformadas e/ou escorregadias,  Mal súbito do funcionário,  Calçados inadequados e/ou impregnados de óleo ou graxa,  Inadequado içamento de telhas e transporte sobre o telhado,  Escadas de acesso ao telhado sem a devida proteção,  Escorregamentos em telhados úmidos, molhados ou com acentuada inclinação,  Precariedade nos acessos aos telhados.
  • 59. QUAIS OS MEIOS DE ACESSO Escada Linha de vida Cinto paraquedista Trava quedas
  • 60. EPC
  • 61. EPI
  • 62. CINTO PARAQUEDISTA - MODELO PQ  Cinto paraquedista com 1 (um) ponto de ancoragem.  Confeccionado em fitas de poliéster.  Possui 1 argola em "D", para conexão dorsal, na altura dos ombros para ancoragem e proteção contra queda.  Contém 2 fivelas de engate rápido para ajuste das pernas e uma para conexão e ajuste de cintura.
  • 65. ARMAZENAMENTO Armazenar em local limpo e seco, protegido de choques mecânicos, intempéries, substâncias químicas.
  • 66. RISCOS APÓS QUEDA Suspensão inerte Um trabalhador pode cair ao perder a consciência ou perdê-la ao cair, em ambos os casos, estando ele equipado com um sistema de proteção contra quedas, ficará suspenso pelo cinturão até o momento do socorro. Risco de suspensão inerte Estudos científicos recentes provam que a suspensão inerte, mesmo que por períodos curtos de tempo, pode desencadear transtornos fisiológicos graves em função da compressão das artérias e, consequentemente, problemas da circulação sanguínea.
  • 67. TRAUMA DE SUSPENSÃO Na ocorrência de trauma de suspensão o trabalhador poderá ter os seguintes sintomas:  Palidez  Tonturas  Formigamento  Náuseas  Visão turva  Suor frio  Câimbras  Fraquezas  Inchaço nos membros inferiores  Inconsciência  Morte
  • 69. É OBRIGATÓRIO O USO DE ABSORVEDOR DE ENERGIA NAS SEGUINTES SITUAÇÕES  fator de queda for maior que 1; comprimento do talabarte for maior que 0,9m.
  • 70. FATOR DE QUEDA 0 IDEAL
  • 72. FATOR DE QUEDA 1 ALERTA
  • 74. FATOR DE QUEDA 2 PERIGO
  • 75. FATOR DE QUEDA 2 WORK-SAFE I.C. Leal
  • 76. ZONA LIVRE DE QUEDA
  • 78. CORDA NR 18 APLICAÇÃO Uso específico em cadeiras suspensas e cabo-guia de segurança para fixação de trava- quedas. DESEMPENHO Atende a NR18 Carga de Ruptura: Cabo completo : 20 kn = 2,038(kgf) Diâmetro nomina l(mínimo) : 12,0mm
  • 79. 1ª capa Trançado externo em multifilamento de poliamida. 2ª capa alerta visual em filamento de polipropileno ou poliamida na cor amarela. 3ª capa Alma central torcida em multifilamento de poliamida. Fita de identificação Constando: NR 18.16.5 - ISO 1140 1990 e nome do fabricante com CNPJ.
  • 80. A VIDA ÚTIL DAS CORDAS  Tempo de uso, Frequência do uso, Manutenção, Equipamentos utilizados, intensidade da carga, abrasão física, Contato com produtos químicos, exposição as intempéries.
  • 81. INSPEÇÃO Antes de cada uso, a corda deve ser inteiramente inspecionada; verificar se não possui corte nem fios partidos, sem desgastes por abrasão e sem suspeita de contaminação por produto químico;  A corda não deve apresentar caroço, inconsistência à dobra, emagrecimento da alma (parte interna) e folga entre capa e alma.
  • 82. CUIDADOS Mantê-la limpa e afastada de produtos químicos; Cantos cortantes ;  Jamais pisá-la com sapatos sujos; Não arraste a corda pelo chão; Partículas de areia, terra e pó penetram nas fibras e causam grande desgaste dos fios.
  • 83. MANUTENÇÃO E ARMAZENAMENTO Lavar com sabão neutro, nunca use detergente. Deixar secar ao ar livre, longe da luz solar. Armazenar em local seco, à sombra, sem contato com piso de cimento, fontes de calor, sol, produtos químicos, abrasivos ou cortantes. Descansar a corda em sacos.
  • 84. PONTO DE ANCORAGEM Os pontos de ancoragem são considerados como o coração de um sistema de segurança, não podendo ser considerado menos importante que um EPI.
  • 85. NÓ DE ANCORAGEM Volta do fiel No pescador simples e duplo
  • 86. NÓ DE ANCORAGEM Oito simples Oito duplo Oito guiado Oito com alça dupla
  • 87. CABO DE AÇO PARA LINHA DE VIDA
  • 88. BACK-UP O termo “back-up” diz respeito a uma segunda segurança. Para realização do “back-up” como segundo ponto de ancoragem, algumas regras devem ser observadas:  Os pontos devem estar preferencialmente alinhados;  O ponto secundário de ancoragem (“back- up”) não deve receber carga e somente será utilizado em caso de falência do ponto principal;  Não deverá haver folga entre os dois pontos de ancoragem, para evitar o aumento da força de choque em caso de rompimento do ponto principal.
  • 89. CONDIÇÕES IMPEDITIVAS DE USO DOS SISTEMAS DE RETENÇÃO DE QUEDA  Todos os cinturões, talabartes e travaquedas aprovados pelo MTE foram ensaiados com massa de 100 quilos, sendo incorreto usá-los para valores maiores que o ensaiado e aprovado.  Vida útil dos cinturões: 4 anos.  Cinturões e outros materiais sintéticos que aparentam estar perfeitos, porém tenham retido uma queda, ou tenham vida útil vencida, devem ser inutilizados e descartados.