SlideShare uma empresa Scribd logo
SISTEMA NERVOSO CENTRAL
SISTEMA NERVOSO CENTRAL
-
- Embriologia
Embriologia
-
- Meninges e Líquido
Meninges e Líquido Cerebro
Cerebro-
-Espinhal
Espinhal.
.
-
- Configuração
Configuração Externa e Interna
Externa e Interna
-
- Vias
Vias
-
- Vascularização
Vascularização
Eduardo Munhequete, MD, PhD
Sistema Nervoso
Sistema Nervoso

 Controla e coordena o
Controla e coordena o
funcionamento de todos
funcionamento de todos
os outros sistemas.
os outros sistemas.
O sistema
embrionário
começa com a
fecundação do
óvulo →
Embrião.
Tecidos
embrionários:
 Ectoderme –
SNC e Epiderme
Mesoderme – Sistemas musculoesqueletico, Gênito urinário,
Circulatório.
Endoderme – Tubo Digestivo e glândulas anexas, sistema
respiratório e células germinativa
1- Invaginação da linha
mediana da placa neural
2- Formação do sulco
neural limitado pelas
pregas neurais
3 – Sulco neural se
aprofunda e as
pregas neurais se elevam
4 – Fusão das pregas
convertendo o sulco em
tubo neural
#Sistema Nervoso Central - Dr. Eduardo.pdf
#Sistema Nervoso Central - Dr. Eduardo.pdf
#Sistema Nervoso Central - Dr. Eduardo.pdf
#Sistema Nervoso Central - Dr. Eduardo.pdf
#Sistema Nervoso Central - Dr. Eduardo.pdf
FUNÇÃO DO LCR
 Proteção, nutrição e
homeostasia
Amortecimento das
vibrações e choques
Funções
Proteção biológica
(leucócitos e Ac)
Troca de substâncias entre
o sangue e o SNC - BHE
 (nutrição, secreção e
excreção)
 Regulação da pressão
intra-craniana
 Regulação do equilíbrio
hídrico, eletrolítico e ácido-
base
MEDULA ESPINAL
MEDULA ESPINAL

 Punção Lombar
Punção Lombar
ASPIRAÇÃO DO
LIQUIDO CEREBRO
- ESPINAL DO
ESPAÇO SUB –
ARACNOIDE AO
NIVEL INFERIOR DO
L – 2
CÉREBRO
CÉREBRO -
- FACES
FACES
Supero-lateral (Externa) Medial (Interna)
Inferior
CÉREBRO
CÉREBRO –
– Face Externa
Face Externa
Sulcos
-Central (de Rolando)
-Lateral (de Silvius)
- Parieto - Occipital
Lobos
-Frontal
- Parietal
- Occipital
- Temporal e (Insula)
CÉREBRO
CÉREBRO –
– Lobo Frontal
Lobo Frontal
Sulcos
- Pré - Central
- Frontal Superior
- Frontal Inferior
Giros
- Pré - Central
- Frontal Superior
- Frontal Médio
- Frontal Inferior
Pensamento, inteligência, Memória, Comportamento, Função Motora
CÉREBRO
CÉREBRO –
– Lobo Parietal
Lobo Parietal
Sulcos
- Pós - Central
- Intraparietal
Giros
- Pós - Central
- Lóbulo Parietal
Superior
- Lóbulo Parietal
Inferior
- Supra Marginal
- Angular
Função Sensitiva
CÉREBRO
CÉREBRO –
– Lobo Temporal
Lobo Temporal
Sulcos
- Temporal Superior
- Temporal Inferior
Giros
- Temporal Superior
- Temporal Médio
- Temporal Inferior
Audição & Olfacto
CÉREBRO
CÉREBRO –
– Occipital
Occipital
Sulcos
- Occipitais
Giros
- Occipitais
Visão
CÉREBRO
CÉREBRO –
– Face
Face Medial
Medial
Sulcos
- do Corpo Caloso
- Cíngulo
Giros
- Cingular
- Frontal Superior
LOBO FRONTAL
Pensamento, Inteligência, Memória, Comportamento, Função
Motora
CÉREBRO
CÉREBRO –
– Face
Face Medial
Medial
Sulcos
- Central
- Parieto - Occipital
Giros
- Lóbulo Paracentral
- Pré- Cuneo
LOBO PARIETAL
Sensibilidade proprioceptiva
CÉREBRO
CÉREBRO –
– Face
Face Medial
Medial
Sulcos
- Parieto – Occipital
- Calcaríno
Giros
- Lingular
- Cuneo
LOBO OCCIPITAL
Visão
CÉREBRO
CÉREBRO –
– Face Inferior
Face Inferior
Sulcos
- Olfactório
- Orbitários
Giros
- Recto
- Orbitários
LOBO FRONTAL
CÉREBRO
CÉREBRO –
– Face Inferior
Face Inferior
Sulcos
- Hipocampo
- Colateral
- Temporo-Occipital
- Rino
Giros
- Uncus
- Para Hipocampo
- Temporo- Occipital Medial.
- Temporo- Occipital Lateral
LOBO TEMPORO-OCCIPITAL
MESENCÉFALO
MESENCÉFALO –
– Configuração Externa
Configuração Externa
Anterior
- Pedúnculos Cerebrais
- Emergência do 3ºPar
Posterior
- 2 Colículos Superiores
- 2 Colículos Inferiores
- Nervo Troclear
PONTE
PONTE –
– Configuração Externa
Configuração Externa
Anterior
- Sulco Basilar
- Feixes Transversais
- Nervo Trigémeo
- Pedúnculo Cerebelar Médio
- Sulco Ponto – Medular (6º, 7º, 7ºa, 8º
pares cranianos)
Posterior – ½ sup Soalho 4º Ventrículo
- Sulco Médio Dorsal
- Eminência Medial
- Sulco Limitante
- Locus Ceruleus
- Colículo Facial
- Fossa Superior
Nervos
Nervos Craneanos
Craneanos
MEDULA OBLONGADA
MEDULA OBLONGADA–
– Configuração Externa
Configuração Externa
Anterior
- Fissura Mediana
Anterior
- Piramides
- Decusasão das Pirâmides
- Sulco Pré-Olivar
- Nervo Hipoglosso
Lateral
- Olivas
- Sulco Retro-Olivar
- Nervos Glosso-faríngeo,
Vago e Acessório.
MEDULA OBLONGADA
MEDULA OBLONGADA–
– Configuração Externa
Configuração Externa
Posterior – ½ inferior do Soalho 4º
Ventrículo
- Estrias medulates
- àrea Vestibular
- Trigono do Vago
- Trígono do Hipoglosso
- Tubérculo de Gracilis
- Tubérculo Cuneiforme
- Pedúnculo Cerebelar Inferior
CEREBELO
CEREBELO –
– Configuração Externa
Configuração Externa
Face Superior
- Lóbulo Central
- Lóbulo Quadrancular
- Lobulo Semilunar Superior
- Fissura Horizontal
Face Superior
-Lóbulo Semilunar Inferior
- Lóbulo Biventer (digástrico)
- Tonsila (Lobulo Tonsilar)
- Floculo (Lóbulo Flocular)
CERE BRO
CERE BRO–
– Configuração Interna
Configuração Interna
Substância Branca
- Corpo Caloso
- Comissura Anterior
- Fornix
- Comissura Posterior
- Cápsula Interna
- Cápsula Externa
Substância Cinzenta
CERE BRO
CERE BRO–
– Substância Branca
Substância Branca
Corpo Caloso
- Rostro
- Joelho
-Tronco
- Esplenio
Relações
- Face Inferior - Ventriculos
Laterais.
- Septo Pelúcido
- Fórnix
CERE BRO
CERE BRO–
– Substância
Substância
Branca
Branca
Fornix
- Coluna
- Corpo
- Comissura
-Crura
Conecções
- Corpo
Mamilar
- Hipocampo
CERE BRO
CERE BRO–
– Substância Branca
Substância Branca -
-
Cápsula Interna
Cápsula Interna
Braço Anterior
- Tracto Fronto-Pontino
Joelho
- Tracto Córtico-Nuclear
Braço Posterior
- Tracto Piramidal
- Tracto Talamo cortical
- Tracto Occipito Pontino
- Tracto Temporo Pontino
- Tracto Acústico
- Tracto Óptico
CERE BRO
CERE BRO–
– Substância Cinzenta
Substância Cinzenta
Núcleos de Base
- Núcleo Caudado
-Núcleo Lentiforme
(Globo Palidus e
Putamen)
- Claustro
-Corpo Amigdalino
DIENCÉFALO
DIENCÉFALO
Tálamo
Hipotálamo
MESENCEFALO
MESENCEFALO –
– Configuração Interna
Configuração Interna
 Pedúnculos Cerebrais
 Substancia Negra
 Núcleo Vermelho
 Substância Cinzenta
Central (3º e 4º Par).
 Arqueduto Cerebral ou
Canal de Silvius.
PONTE
PONTE –
– Configuração Interna
Configuração Interna
 Núcleos do 5º, 6º, 7º e 8º
pares cranianos
MEDULA OBLONGADA
MEDULA OBLONGADA –
– Configuração
Configuração
Interna
Interna
 Núcleos Trigémeo
(Espinhal).
 Núcleo do Nervo
Hipoglosso.
 Núcleo Ambíguo
 Núcleo Salivário
Inferior
 Núcleo Vestibular
 Núcleo Dorsal do Vago
 Núcleo Solitário
(sabor).
VIAS ASCENDENTES
VIAS ASCENDENTES
(SENSITIVAS OU AFERENTES)
(SENSITIVAS OU AFERENTES)
 1º NEURÓNIO →
Células dos Gânglios Espinais
( GÂNGLIO POSTERIOR DA
MEDULA ESPINAL)
 ORIGEM :
 De receptor periférico
 TERMINAÇÃO:
 Corno posterior da
substância cinzenta da
Medula Espinhal
VIAS ASCENDENTES
VIAS ASCENDENTES
(SENSITIVAS OU AFERENTES)
(SENSITIVAS OU AFERENTES)
 2º NEURÓNIO -
Células da Medula Espinal
 origem :
 Células no corno
posterior da substância
cinzenta da medula
espinhal
 terminação :
 Tálamo
VIAS ASCENDENTES
VIAS ASCENDENTES
(SENSITIVAS OU AFERENTES)
(SENSITIVAS OU AFERENTES)
 3º NEURÓNIO -
Células no Tálamo
Origem :
– Tálamo
Terminação :
– Cortex cerebral , área
sensitiva giro pós-central
 Os tractos sensitivos atingem
o córtex cerebral, passando
pela cápsula interna e
fazendo parte do fascículo
Tálamo - Cortical.
SENSIBILIDADE
SENSIBILIDADE PROPRIOCEPTIVA
PROPRIOCEPTIVA
ORIGEM:
1º neurónio (Gânglio Espinal ) e termina no núcleo
Gracilis
2º neurónio parte do núcleo Gracilis e termina no
Tálamo.
3º neurónio parte do Tálamo ao córtex sensitivo ( Giro
Pós-central )
SITUAÇÃO: parte interna da coluna posterior da
substância branca da medula espinal por dentro do
fascículo cuneiforme.
FUNÇÃO: conduz impulsos de pressão e tacto
discriminativo e cinestésico (sensibilidade
profunda) membros inferiores e das partes
inferiores do tronco (abaixo do 4º segmento
torácico).
FASCÍCULO GRACILIS (GOLL)
SENSIBILIDADE
SENSIBILIDADE PROPRIOCEPTIVA
PROPRIOCEPTIVA
ORIGEM :
Gânglio Espinal (1º neurónio) , que termina no
núcleo Cuneiforme
2º neurónio parte do núcleo Cuneiforme e termina
no Tálamo.
3º neurónio parte do Tálamo ao córtex sensitivo
(Giro Pós-central)
SITUAÇÃO: parte externa da coluna posterior
da substância branca da medula espinal por fora
do fascículo Gracilis.
FUNÇÃO: conduz impulsos de pressão e tacto
descriminativo e cinestésia ( sensibilidade
profunda) dos membros superiores e das partes
superiores do tronco (acima do 4º segmento
torácico).
FASCICULO CUNEIFORME (BURDACH)
SENSIBILIDADE
SENSIBILIDADE PROPRIOCEPTIVA
PROPRIOCEPTIVA
TRACTOS ESPINO CEREBELAR POSTERIOR E ANTERIOR
ORIGEM :
1º NEURÔNIO Gânglio Espinal.
2º NEURÔNIO Célula do corno
posterior da medula espinhal
TERMINAÇÃO : córtex do cerebelo.
SITUAÇÃO : parte posterior da
cordão lateral da substância
branca da medula espinhal
Entrada no cerebelo :
PENDÚCULO CEREBELAR
INFERIOR.
FUNÇÃO :: conduz impulsos dos
receptores dos músculos e
tendões ao cerebelo.
SENSIBILIDADE
SENSIBILIDADE EXTROCEPTIVA
EXTROCEPTIVA
Tem origem nos receptores cutâneos # em: Táctil, Térmica e Dolorosa
ORIGEM :
Gânglios Espinais (1º neurónio) , que termina
no corno posterior da Medula Espinhal
2º neurónio - corno posterior da subst cinzenta
da medula espinal e termina no Tálamo
3º neurónio que começa no Tálamo e termina
no córtex sensitivo (Giro Pós-central).
TERMINAÇÃO : córtex sensitivo (Giro Pós-
Central).
SITUAÇÃO : parte lateral da cordão anterior
da subt branca da medula espinal.
FUNÇÃO : conduz impulsos de sensibilidade
Táctil grosseira e de Pressão.
TRACTO ESPINO TALÂMICO ANTERIOR
SENSIBILIDADE
SENSIBILIDADE EXTROCEPTIVA
EXTROCEPTIVA
ORIGEM :
Gânglios Espinais (1º neurónio) , que terminam no
corno posterior da Medula Espinhal
2º neurónio começa no corno posterior da subst
cinzenta da medula espinal e termina no Tálamo
3º neurónio que começa no Tálamo e termina no
córtex sensitivo (Giro Pós-central).
TERMINAÇÃO : Córtex sensitivo (Giro Pós- central).
SITUAÇÃO : parte lateral da cordão lateral da
substância branca da medula espinal.
FUNÇÃO: sensibilidades Térmica e Dolorosa.
TRACTO ESPINO TALÂMICO LATERAL
SENSIBILIDADE
SENSIBILIDADE INTEROCEPTIVA
INTEROCEPTIVA
Tem origem nas víceras.
Tem ligações com o sistema simpático e o parasimpático.
A maior parte das vísceras é inervada por fibras que passam
através dos nervos simpáticos viscerais para a medula pelo
tracto espinotalâmico lateral. Umas , (cólon, recto e bexiga),
por nervos parassimpáticos sacrais e algumas, através de
vários nervos craneanos (glossofarígeo e vago transmitindo
a sensação da faringe, traqueia e parte superior do esófago.
O nervo frénico transmite a sensação do diafragma e da
maior parte do esófago.
LEMNISCO
LEMNISCO MEDIAL
MEDIAL
O conjunto de fibras ascendentes que:
1. Iniciam nos núcleos Gracilis e Cuniforme
2. Fibras dos tractos Espino - Talamicos
3. Fibras ascendentes dos núcleos sensitivos de
alguns nervos cranianos.
Termina : no Tálamo
VIA COCLEAR
VIA COCLEAR
Orgão de Corti – Nervo Auditivo (Porção Coclear) – Núcleos
Cocleares (soalho 4ºVentrículo) – Lemnisco Lateral – Colículos
Inferior – Corpo Geniculado Medial – Radiação Acústica
Central – Giro Temporal Superior
RADIAÇÃO ACÚSTICA
RADIAÇÃO ACÚSTICA
Início: Corpo Geniculado Medial
Terminação: Giro Temporal Superior
LEMNISCO
LEMNISCO LATERAL
LATERAL
Formado por fibras ascendentes do 8º par craniano
(nervo vestibulococlear , particularmente a porção coclear ). Desde
do núcleo coclear ate Coliculo Inferior
VIA VESTIBULAR
VIA VESTIBULAR
Orgão de Scarpa – Nervo Auditivo (Porção Vestibular) –
Núcleos vestibulares da Medula Oblongada (Soalho
4ºVentrículo) – Pedúnculo Cerebelar Inferior – Núcleo Globoso
e Fastidio do Cerebelo
.
RADIAÇÃO ÓPTICA
RADIAÇÃO ÓPTICA
Início: Corpo Geniculado Lateral (Centros Subcorticais de
visão)
Terminação: Córtex Cerebral – Sulco Calcarino
FASCÍCULO TÁLAMO
FASCÍCULO TÁLAMO -
- CORTICAL
CORTICAL
VIAS DESCENDENTES ( MOTORAS )
VIAS DESCENDENTES ( MOTORAS )
VIA PIRAMIDAL
Via Córtico Espinhal Lateral
Via Córtico Espinal Anterior
Via Cortico Nuclear
VIA EXTRA PIRAMIDAL
Via Vestíbulo - Espinal
Via Rubro - Espinal
Via Olivo - Espinal
Via Reticulo - Espinal
Via Tecto - Espinal
VIA PIRAMIDAL
VIA PIRAMIDAL
ORIGEM :
Giro Pré - Central (Córtex Motor Primitivo) nas Grandes
células Piramidais de Betz na Quinta camada do
córtex motor.
TERMINAÇÃO :
No Corno Anterior da Medula Espinal (1º NEURONIO )
Na placa neuro – muscular no Músculo ( 2º neurónio -
nervos espinhais)
FUNÇÃO:
A via piramidal é responsável pelo movimentos
voluntários.
Anatomia Aplicada :
Em caso de lesões do neurónio superior
haverá paralisia espástica (rígida)
Em caso de lesões do neurónio inferior haverá
paralisia flácida ( mole )
VIA PIRAMIDAL
VIA PIRAMIDAL
TRAJECTO:
 Forma a Coroa Radiada nos hemisférios
 Atravessa os 2/3 anteriores do braço posterior da
cápsula interna.
 Parte central dos pedúnculos cerebrais no
mesencéfalo
 Desce pela eminência piramidal na parte
anterior do ponte situando ao lado do sulco
basilar
 Ao nível da Medula Oblongada a maior parte
dos feixes (cerca de 80-85%) cruza para o lado
oposto formando a decusação das pirâmides.
 Restos 15-20 % continua no mesmo lado.
VIA PIRAMIDAL
VIA PIRAMIDAL
TRAJECTO:
Ao longo do seu trajecto
distinguem-se três grupos de
fibras:
 As fibras córtico - nucleares
 As fibras córtico -
reticulares
 As fibras córtico - espinais
VIAS OU SISTEMA EXTRA PIRAMIDAIS
VIAS OU SISTEMA EXTRA PIRAMIDAIS
O termo “sistema motor extra piramidal” é largamente empregue nos meios
clínicos para denotar todas as porções do cérebro e tronco cerebral
envolvidos no controle motor, mas que não fazem parte do sistema
piramidal directo.
Nesse sistema estão inclusos as vias que passam pelos :
 núcleos vermelhos.
 substância reticular
 tecto do Mesencéfalo
 núcleos vestibulares
 núcleo Olivar
 Núcleo de base
 Tálamo
VASCULARIZAÇÃO
VASCULARIZAÇÃO ENCEFÁLICA
ENCEFÁLICA
 O sistema nervoso é formado de estruturas nobres e
altamente especializadas, que exigem para o seu
metabolismo um suprimento permanente e elevado de
glicose e oxigênio.
 A paragem da circulação cerebral por mais de sete
segundos leva o indivíduo a perda da consciência.
Após cerca de cinco minutos começam aparecer lesões
que são irreversíveis, pois, como se sabe, as células
nervosas não se regeneram.
O fluxo sanguíneo cerebral é muito elevado, sendo
superado apenas pelo do rim e do coração.
Vascularização
Vascularização Arterial do Encéfalo
Arterial do Encéfalo
 Polígono de Willis:
 Sistema vértebro-basilar (artérias vertebrais)
 Sistema carotídeo (artérias carótidas internas)
Vascularização
Vascularização Arterial do Encéfalo
Arterial do Encéfalo
As artérias Vertebrais → artéria basilar → artérias
cerebrais posteriores → irrigam a parte posterior da face
inferior de cada um dos hemisférios cerebrais.
As artérias carótidas internas →
artérias cerebrais médias e
artérias cerebrais anteriores.
As artérias cerebrais anteriores
→ artéria comunicante anterior.
As artérias cerebrais posteriores
se comunicam com as arteriais
carótidas internas através →
artérias comunicantes
posteriores.
Vascularização
Vascularização Arterial do Encéfalo
Arterial do Encéfalo
Artéria Carótida Interna
Pescoço → Canal carotídeo do osso temporal → Perfura a
dura-máter e a aracnóide → início do sulco lateral dividi-
se → as artérias cerebrais média e anterior.
A artéria carótida interna,
quando bloqueada pode levar a
morte cerebral irreversível.
Clinicamente, as artérias
carótidas internas e seus ramos
são freqüentemente referidos
como a circulação anterior do
encéfalo.
Vascularização
Vascularização Arterial do Encéfalo
Arterial do Encéfalo
Artéria Vertebral e Basilar (Sistema Vértebro-basilar)
Artérias subclávias → forames transversos das 1ªseis vértebras
cervicais → BuracoMagno → perfuram a membrana atlanto-
occipital, a dura-máter e a aracnóide → face ventral do bulbo →
fundem-se formando a artéria basilar.
As artérias vertebrais → artérias espinhais e cerebelares inferiores
posteriores.
A artéria basilar → artérias cerebrais posteriores direita e esquerda.
A artéria basilar dá origem → Cerebelar superior, cerebelar inferior
anterior e artéria do labirinto.
Clinicamente → circulação posterior do encéfalo
#Sistema Nervoso Central - Dr. Eduardo.pdf
Vascularização Venosa do Encéfalo
Sistema Venoso Superficial – Drenam o córtex e a substância
branca subjacente. Formado por veias cerebrais superficiais
(superiores e inferiores) que desembocam nos seios da dura-
máter → Longitudinal Superior e Inferior, Seio Recto, Seio
Occipital → Confluencia dos seios → Seio Transverso.
Sistema Venoso Profundo – Drenam o sangue de regiões situadas
mais profundamente no cérebro, tais como: corpo estriado,
cápsula interna, diencéfalo e grande parte do centro branco
medular do cérebro → Veia cerebral magna ou veia de Galeno →
Seio Recto.
Seio Transverso e sangue da porção anterior da cabeça, face e
pescoço → Veias jugulares internas → juntam-se com as veias
subclávias → Veias braquiocefálicas → Veia cava superior.
Região posterior do pescoço e da cabeça → veias jugulares
externas → veias subclávias.
#Sistema Nervoso Central - Dr. Eduardo.pdf
#Sistema Nervoso Central - Dr. Eduardo.pdf
#Sistema Nervoso Central - Dr. Eduardo.pdf
Bom Trabalho
Bom Trabalho

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a #Sistema Nervoso Central - Dr. Eduardo.pdf

Aula Medula Espinhal
Aula Medula EspinhalAula Medula Espinhal
Aula Medula Espinhal
Michelle Alves
 
Medula espinal.pdf
Medula espinal.pdfMedula espinal.pdf
Medula espinal.pdf
VagnerRodrigues68
 
Morfofisiologia comparada do sistema nervoso 2
Morfofisiologia comparada do sistema nervoso 2Morfofisiologia comparada do sistema nervoso 2
Morfofisiologia comparada do sistema nervoso 2
Caio Maximino
 
Princípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomiaPrincípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomia
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
2-SNC (pont-mesen-cereblo)_a54ca98190fd3dcf437a26a5e062d0b7.pdf
2-SNC (pont-mesen-cereblo)_a54ca98190fd3dcf437a26a5e062d0b7.pdf2-SNC (pont-mesen-cereblo)_a54ca98190fd3dcf437a26a5e062d0b7.pdf
2-SNC (pont-mesen-cereblo)_a54ca98190fd3dcf437a26a5e062d0b7.pdf
Carolina544114
 
Snc monitoria 2013
Snc monitoria 2013Snc monitoria 2013
Snc monitoria 2013
isadoracordenonsi
 
Anatomia do sistema nervoso i
Anatomia do sistema nervoso iAnatomia do sistema nervoso i
Anatomia do sistema nervoso i
Kárita Botelho
 
Constituicao sn
Constituicao snConstituicao sn
Constituicao sn
Alfredo Cossa
 
1e2-SNC(MEsp e BRaq )_5e2be52996fe8119c31695d64a9e77d9.pdf
1e2-SNC(MEsp e BRaq )_5e2be52996fe8119c31695d64a9e77d9.pdf1e2-SNC(MEsp e BRaq )_5e2be52996fe8119c31695d64a9e77d9.pdf
1e2-SNC(MEsp e BRaq )_5e2be52996fe8119c31695d64a9e77d9.pdf
Carolina544114
 
anatomia.ii.pdf
anatomia.ii.pdfanatomia.ii.pdf
anatomia.ii.pdf
EricaLima176269
 
Aula_nervoso.pptx
Aula_nervoso.pptxAula_nervoso.pptx
Aula_nervoso.pptx
enfermeiraelainnechr
 
SISTEMA NERVOSO: EVOLUÇÃO E ORGANIZAÇÃO
SISTEMA NERVOSO: EVOLUÇÃO E ORGANIZAÇÃOSISTEMA NERVOSO: EVOLUÇÃO E ORGANIZAÇÃO
SISTEMA NERVOSO: EVOLUÇÃO E ORGANIZAÇÃO
NEUROCIÊNCIAS DESCOMPLICADA
 
Organização Anatomica do Telencéfalo_ Usp
Organização Anatomica do Telencéfalo_ UspOrganização Anatomica do Telencéfalo_ Usp
Organização Anatomica do Telencéfalo_ Usp
MaryMrtt
 
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e NeurofisiologiaIntrodução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Alisson Vasconcelos Dos Anjos
 
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARESMEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
Janderson Physios
 
Tronco cerebral
Tronco cerebralTronco cerebral
Tronco cerebral
Natha Fisioterapia
 
01 SN Constituição do sistema Nervoso Tc 0809
01 SN Constituição do sistema Nervoso Tc 080901 SN Constituição do sistema Nervoso Tc 0809
01 SN Constituição do sistema Nervoso Tc 0809
Teresa Monteiro
 
Neuroanatomia
NeuroanatomiaNeuroanatomia
Tronco EncefáLico MóDulo 6
Tronco EncefáLico  MóDulo 6Tronco EncefáLico  MóDulo 6
Tronco EncefáLico MóDulo 6
Antonio Luis Sanfim
 
Snc monitoria 2013,
Snc monitoria 2013,Snc monitoria 2013,
Snc monitoria 2013,
isadoracordenonsi
 

Semelhante a #Sistema Nervoso Central - Dr. Eduardo.pdf (20)

Aula Medula Espinhal
Aula Medula EspinhalAula Medula Espinhal
Aula Medula Espinhal
 
Medula espinal.pdf
Medula espinal.pdfMedula espinal.pdf
Medula espinal.pdf
 
Morfofisiologia comparada do sistema nervoso 2
Morfofisiologia comparada do sistema nervoso 2Morfofisiologia comparada do sistema nervoso 2
Morfofisiologia comparada do sistema nervoso 2
 
Princípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomiaPrincípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomia
 
2-SNC (pont-mesen-cereblo)_a54ca98190fd3dcf437a26a5e062d0b7.pdf
2-SNC (pont-mesen-cereblo)_a54ca98190fd3dcf437a26a5e062d0b7.pdf2-SNC (pont-mesen-cereblo)_a54ca98190fd3dcf437a26a5e062d0b7.pdf
2-SNC (pont-mesen-cereblo)_a54ca98190fd3dcf437a26a5e062d0b7.pdf
 
Snc monitoria 2013
Snc monitoria 2013Snc monitoria 2013
Snc monitoria 2013
 
Anatomia do sistema nervoso i
Anatomia do sistema nervoso iAnatomia do sistema nervoso i
Anatomia do sistema nervoso i
 
Constituicao sn
Constituicao snConstituicao sn
Constituicao sn
 
1e2-SNC(MEsp e BRaq )_5e2be52996fe8119c31695d64a9e77d9.pdf
1e2-SNC(MEsp e BRaq )_5e2be52996fe8119c31695d64a9e77d9.pdf1e2-SNC(MEsp e BRaq )_5e2be52996fe8119c31695d64a9e77d9.pdf
1e2-SNC(MEsp e BRaq )_5e2be52996fe8119c31695d64a9e77d9.pdf
 
anatomia.ii.pdf
anatomia.ii.pdfanatomia.ii.pdf
anatomia.ii.pdf
 
Aula_nervoso.pptx
Aula_nervoso.pptxAula_nervoso.pptx
Aula_nervoso.pptx
 
SISTEMA NERVOSO: EVOLUÇÃO E ORGANIZAÇÃO
SISTEMA NERVOSO: EVOLUÇÃO E ORGANIZAÇÃOSISTEMA NERVOSO: EVOLUÇÃO E ORGANIZAÇÃO
SISTEMA NERVOSO: EVOLUÇÃO E ORGANIZAÇÃO
 
Organização Anatomica do Telencéfalo_ Usp
Organização Anatomica do Telencéfalo_ UspOrganização Anatomica do Telencéfalo_ Usp
Organização Anatomica do Telencéfalo_ Usp
 
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e NeurofisiologiaIntrodução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
 
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARESMEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
 
Tronco cerebral
Tronco cerebralTronco cerebral
Tronco cerebral
 
01 SN Constituição do sistema Nervoso Tc 0809
01 SN Constituição do sistema Nervoso Tc 080901 SN Constituição do sistema Nervoso Tc 0809
01 SN Constituição do sistema Nervoso Tc 0809
 
Neuroanatomia
NeuroanatomiaNeuroanatomia
Neuroanatomia
 
Tronco EncefáLico MóDulo 6
Tronco EncefáLico  MóDulo 6Tronco EncefáLico  MóDulo 6
Tronco EncefáLico MóDulo 6
 
Snc monitoria 2013,
Snc monitoria 2013,Snc monitoria 2013,
Snc monitoria 2013,
 

#Sistema Nervoso Central - Dr. Eduardo.pdf

  • 1. SISTEMA NERVOSO CENTRAL SISTEMA NERVOSO CENTRAL - - Embriologia Embriologia - - Meninges e Líquido Meninges e Líquido Cerebro Cerebro- -Espinhal Espinhal. . - - Configuração Configuração Externa e Interna Externa e Interna - - Vias Vias - - Vascularização Vascularização Eduardo Munhequete, MD, PhD
  • 2. Sistema Nervoso Sistema Nervoso   Controla e coordena o Controla e coordena o funcionamento de todos funcionamento de todos os outros sistemas. os outros sistemas.
  • 3. O sistema embrionário começa com a fecundação do óvulo → Embrião. Tecidos embrionários:  Ectoderme – SNC e Epiderme Mesoderme – Sistemas musculoesqueletico, Gênito urinário, Circulatório. Endoderme – Tubo Digestivo e glândulas anexas, sistema respiratório e células germinativa
  • 4. 1- Invaginação da linha mediana da placa neural 2- Formação do sulco neural limitado pelas pregas neurais 3 – Sulco neural se aprofunda e as pregas neurais se elevam 4 – Fusão das pregas convertendo o sulco em tubo neural
  • 10. FUNÇÃO DO LCR  Proteção, nutrição e homeostasia Amortecimento das vibrações e choques Funções Proteção biológica (leucócitos e Ac) Troca de substâncias entre o sangue e o SNC - BHE  (nutrição, secreção e excreção)  Regulação da pressão intra-craniana  Regulação do equilíbrio hídrico, eletrolítico e ácido- base
  • 11. MEDULA ESPINAL MEDULA ESPINAL   Punção Lombar Punção Lombar ASPIRAÇÃO DO LIQUIDO CEREBRO - ESPINAL DO ESPAÇO SUB – ARACNOIDE AO NIVEL INFERIOR DO L – 2
  • 12. CÉREBRO CÉREBRO - - FACES FACES Supero-lateral (Externa) Medial (Interna) Inferior
  • 13. CÉREBRO CÉREBRO – – Face Externa Face Externa Sulcos -Central (de Rolando) -Lateral (de Silvius) - Parieto - Occipital Lobos -Frontal - Parietal - Occipital - Temporal e (Insula)
  • 14. CÉREBRO CÉREBRO – – Lobo Frontal Lobo Frontal Sulcos - Pré - Central - Frontal Superior - Frontal Inferior Giros - Pré - Central - Frontal Superior - Frontal Médio - Frontal Inferior Pensamento, inteligência, Memória, Comportamento, Função Motora
  • 15. CÉREBRO CÉREBRO – – Lobo Parietal Lobo Parietal Sulcos - Pós - Central - Intraparietal Giros - Pós - Central - Lóbulo Parietal Superior - Lóbulo Parietal Inferior - Supra Marginal - Angular Função Sensitiva
  • 16. CÉREBRO CÉREBRO – – Lobo Temporal Lobo Temporal Sulcos - Temporal Superior - Temporal Inferior Giros - Temporal Superior - Temporal Médio - Temporal Inferior Audição & Olfacto
  • 17. CÉREBRO CÉREBRO – – Occipital Occipital Sulcos - Occipitais Giros - Occipitais Visão
  • 18. CÉREBRO CÉREBRO – – Face Face Medial Medial Sulcos - do Corpo Caloso - Cíngulo Giros - Cingular - Frontal Superior LOBO FRONTAL Pensamento, Inteligência, Memória, Comportamento, Função Motora
  • 19. CÉREBRO CÉREBRO – – Face Face Medial Medial Sulcos - Central - Parieto - Occipital Giros - Lóbulo Paracentral - Pré- Cuneo LOBO PARIETAL Sensibilidade proprioceptiva
  • 20. CÉREBRO CÉREBRO – – Face Face Medial Medial Sulcos - Parieto – Occipital - Calcaríno Giros - Lingular - Cuneo LOBO OCCIPITAL Visão
  • 21. CÉREBRO CÉREBRO – – Face Inferior Face Inferior Sulcos - Olfactório - Orbitários Giros - Recto - Orbitários LOBO FRONTAL
  • 22. CÉREBRO CÉREBRO – – Face Inferior Face Inferior Sulcos - Hipocampo - Colateral - Temporo-Occipital - Rino Giros - Uncus - Para Hipocampo - Temporo- Occipital Medial. - Temporo- Occipital Lateral LOBO TEMPORO-OCCIPITAL
  • 23. MESENCÉFALO MESENCÉFALO – – Configuração Externa Configuração Externa Anterior - Pedúnculos Cerebrais - Emergência do 3ºPar Posterior - 2 Colículos Superiores - 2 Colículos Inferiores - Nervo Troclear
  • 24. PONTE PONTE – – Configuração Externa Configuração Externa Anterior - Sulco Basilar - Feixes Transversais - Nervo Trigémeo - Pedúnculo Cerebelar Médio - Sulco Ponto – Medular (6º, 7º, 7ºa, 8º pares cranianos) Posterior – ½ sup Soalho 4º Ventrículo - Sulco Médio Dorsal - Eminência Medial - Sulco Limitante - Locus Ceruleus - Colículo Facial - Fossa Superior
  • 26. MEDULA OBLONGADA MEDULA OBLONGADA– – Configuração Externa Configuração Externa Anterior - Fissura Mediana Anterior - Piramides - Decusasão das Pirâmides - Sulco Pré-Olivar - Nervo Hipoglosso Lateral - Olivas - Sulco Retro-Olivar - Nervos Glosso-faríngeo, Vago e Acessório.
  • 27. MEDULA OBLONGADA MEDULA OBLONGADA– – Configuração Externa Configuração Externa Posterior – ½ inferior do Soalho 4º Ventrículo - Estrias medulates - àrea Vestibular - Trigono do Vago - Trígono do Hipoglosso - Tubérculo de Gracilis - Tubérculo Cuneiforme - Pedúnculo Cerebelar Inferior
  • 28. CEREBELO CEREBELO – – Configuração Externa Configuração Externa Face Superior - Lóbulo Central - Lóbulo Quadrancular - Lobulo Semilunar Superior - Fissura Horizontal Face Superior -Lóbulo Semilunar Inferior - Lóbulo Biventer (digástrico) - Tonsila (Lobulo Tonsilar) - Floculo (Lóbulo Flocular)
  • 29. CERE BRO CERE BRO– – Configuração Interna Configuração Interna Substância Branca - Corpo Caloso - Comissura Anterior - Fornix - Comissura Posterior - Cápsula Interna - Cápsula Externa Substância Cinzenta
  • 30. CERE BRO CERE BRO– – Substância Branca Substância Branca Corpo Caloso - Rostro - Joelho -Tronco - Esplenio Relações - Face Inferior - Ventriculos Laterais. - Septo Pelúcido - Fórnix
  • 31. CERE BRO CERE BRO– – Substância Substância Branca Branca Fornix - Coluna - Corpo - Comissura -Crura Conecções - Corpo Mamilar - Hipocampo
  • 32. CERE BRO CERE BRO– – Substância Branca Substância Branca - - Cápsula Interna Cápsula Interna Braço Anterior - Tracto Fronto-Pontino Joelho - Tracto Córtico-Nuclear Braço Posterior - Tracto Piramidal - Tracto Talamo cortical - Tracto Occipito Pontino - Tracto Temporo Pontino - Tracto Acústico - Tracto Óptico
  • 33. CERE BRO CERE BRO– – Substância Cinzenta Substância Cinzenta Núcleos de Base - Núcleo Caudado -Núcleo Lentiforme (Globo Palidus e Putamen) - Claustro -Corpo Amigdalino
  • 35. MESENCEFALO MESENCEFALO – – Configuração Interna Configuração Interna  Pedúnculos Cerebrais  Substancia Negra  Núcleo Vermelho  Substância Cinzenta Central (3º e 4º Par).  Arqueduto Cerebral ou Canal de Silvius.
  • 36. PONTE PONTE – – Configuração Interna Configuração Interna  Núcleos do 5º, 6º, 7º e 8º pares cranianos
  • 37. MEDULA OBLONGADA MEDULA OBLONGADA – – Configuração Configuração Interna Interna  Núcleos Trigémeo (Espinhal).  Núcleo do Nervo Hipoglosso.  Núcleo Ambíguo  Núcleo Salivário Inferior  Núcleo Vestibular  Núcleo Dorsal do Vago  Núcleo Solitário (sabor).
  • 38. VIAS ASCENDENTES VIAS ASCENDENTES (SENSITIVAS OU AFERENTES) (SENSITIVAS OU AFERENTES)  1º NEURÓNIO → Células dos Gânglios Espinais ( GÂNGLIO POSTERIOR DA MEDULA ESPINAL)  ORIGEM :  De receptor periférico  TERMINAÇÃO:  Corno posterior da substância cinzenta da Medula Espinhal
  • 39. VIAS ASCENDENTES VIAS ASCENDENTES (SENSITIVAS OU AFERENTES) (SENSITIVAS OU AFERENTES)  2º NEURÓNIO - Células da Medula Espinal  origem :  Células no corno posterior da substância cinzenta da medula espinhal  terminação :  Tálamo
  • 40. VIAS ASCENDENTES VIAS ASCENDENTES (SENSITIVAS OU AFERENTES) (SENSITIVAS OU AFERENTES)  3º NEURÓNIO - Células no Tálamo Origem : – Tálamo Terminação : – Cortex cerebral , área sensitiva giro pós-central  Os tractos sensitivos atingem o córtex cerebral, passando pela cápsula interna e fazendo parte do fascículo Tálamo - Cortical.
  • 41. SENSIBILIDADE SENSIBILIDADE PROPRIOCEPTIVA PROPRIOCEPTIVA ORIGEM: 1º neurónio (Gânglio Espinal ) e termina no núcleo Gracilis 2º neurónio parte do núcleo Gracilis e termina no Tálamo. 3º neurónio parte do Tálamo ao córtex sensitivo ( Giro Pós-central ) SITUAÇÃO: parte interna da coluna posterior da substância branca da medula espinal por dentro do fascículo cuneiforme. FUNÇÃO: conduz impulsos de pressão e tacto discriminativo e cinestésico (sensibilidade profunda) membros inferiores e das partes inferiores do tronco (abaixo do 4º segmento torácico). FASCÍCULO GRACILIS (GOLL)
  • 42. SENSIBILIDADE SENSIBILIDADE PROPRIOCEPTIVA PROPRIOCEPTIVA ORIGEM : Gânglio Espinal (1º neurónio) , que termina no núcleo Cuneiforme 2º neurónio parte do núcleo Cuneiforme e termina no Tálamo. 3º neurónio parte do Tálamo ao córtex sensitivo (Giro Pós-central) SITUAÇÃO: parte externa da coluna posterior da substância branca da medula espinal por fora do fascículo Gracilis. FUNÇÃO: conduz impulsos de pressão e tacto descriminativo e cinestésia ( sensibilidade profunda) dos membros superiores e das partes superiores do tronco (acima do 4º segmento torácico). FASCICULO CUNEIFORME (BURDACH)
  • 43. SENSIBILIDADE SENSIBILIDADE PROPRIOCEPTIVA PROPRIOCEPTIVA TRACTOS ESPINO CEREBELAR POSTERIOR E ANTERIOR ORIGEM : 1º NEURÔNIO Gânglio Espinal. 2º NEURÔNIO Célula do corno posterior da medula espinhal TERMINAÇÃO : córtex do cerebelo. SITUAÇÃO : parte posterior da cordão lateral da substância branca da medula espinhal Entrada no cerebelo : PENDÚCULO CEREBELAR INFERIOR. FUNÇÃO :: conduz impulsos dos receptores dos músculos e tendões ao cerebelo.
  • 44. SENSIBILIDADE SENSIBILIDADE EXTROCEPTIVA EXTROCEPTIVA Tem origem nos receptores cutâneos # em: Táctil, Térmica e Dolorosa ORIGEM : Gânglios Espinais (1º neurónio) , que termina no corno posterior da Medula Espinhal 2º neurónio - corno posterior da subst cinzenta da medula espinal e termina no Tálamo 3º neurónio que começa no Tálamo e termina no córtex sensitivo (Giro Pós-central). TERMINAÇÃO : córtex sensitivo (Giro Pós- Central). SITUAÇÃO : parte lateral da cordão anterior da subt branca da medula espinal. FUNÇÃO : conduz impulsos de sensibilidade Táctil grosseira e de Pressão. TRACTO ESPINO TALÂMICO ANTERIOR
  • 45. SENSIBILIDADE SENSIBILIDADE EXTROCEPTIVA EXTROCEPTIVA ORIGEM : Gânglios Espinais (1º neurónio) , que terminam no corno posterior da Medula Espinhal 2º neurónio começa no corno posterior da subst cinzenta da medula espinal e termina no Tálamo 3º neurónio que começa no Tálamo e termina no córtex sensitivo (Giro Pós-central). TERMINAÇÃO : Córtex sensitivo (Giro Pós- central). SITUAÇÃO : parte lateral da cordão lateral da substância branca da medula espinal. FUNÇÃO: sensibilidades Térmica e Dolorosa. TRACTO ESPINO TALÂMICO LATERAL
  • 46. SENSIBILIDADE SENSIBILIDADE INTEROCEPTIVA INTEROCEPTIVA Tem origem nas víceras. Tem ligações com o sistema simpático e o parasimpático. A maior parte das vísceras é inervada por fibras que passam através dos nervos simpáticos viscerais para a medula pelo tracto espinotalâmico lateral. Umas , (cólon, recto e bexiga), por nervos parassimpáticos sacrais e algumas, através de vários nervos craneanos (glossofarígeo e vago transmitindo a sensação da faringe, traqueia e parte superior do esófago. O nervo frénico transmite a sensação do diafragma e da maior parte do esófago.
  • 47. LEMNISCO LEMNISCO MEDIAL MEDIAL O conjunto de fibras ascendentes que: 1. Iniciam nos núcleos Gracilis e Cuniforme 2. Fibras dos tractos Espino - Talamicos 3. Fibras ascendentes dos núcleos sensitivos de alguns nervos cranianos. Termina : no Tálamo
  • 48. VIA COCLEAR VIA COCLEAR Orgão de Corti – Nervo Auditivo (Porção Coclear) – Núcleos Cocleares (soalho 4ºVentrículo) – Lemnisco Lateral – Colículos Inferior – Corpo Geniculado Medial – Radiação Acústica Central – Giro Temporal Superior
  • 49. RADIAÇÃO ACÚSTICA RADIAÇÃO ACÚSTICA Início: Corpo Geniculado Medial Terminação: Giro Temporal Superior
  • 50. LEMNISCO LEMNISCO LATERAL LATERAL Formado por fibras ascendentes do 8º par craniano (nervo vestibulococlear , particularmente a porção coclear ). Desde do núcleo coclear ate Coliculo Inferior
  • 51. VIA VESTIBULAR VIA VESTIBULAR Orgão de Scarpa – Nervo Auditivo (Porção Vestibular) – Núcleos vestibulares da Medula Oblongada (Soalho 4ºVentrículo) – Pedúnculo Cerebelar Inferior – Núcleo Globoso e Fastidio do Cerebelo .
  • 52. RADIAÇÃO ÓPTICA RADIAÇÃO ÓPTICA Início: Corpo Geniculado Lateral (Centros Subcorticais de visão) Terminação: Córtex Cerebral – Sulco Calcarino
  • 53. FASCÍCULO TÁLAMO FASCÍCULO TÁLAMO - - CORTICAL CORTICAL
  • 54. VIAS DESCENDENTES ( MOTORAS ) VIAS DESCENDENTES ( MOTORAS ) VIA PIRAMIDAL Via Córtico Espinhal Lateral Via Córtico Espinal Anterior Via Cortico Nuclear VIA EXTRA PIRAMIDAL Via Vestíbulo - Espinal Via Rubro - Espinal Via Olivo - Espinal Via Reticulo - Espinal Via Tecto - Espinal
  • 55. VIA PIRAMIDAL VIA PIRAMIDAL ORIGEM : Giro Pré - Central (Córtex Motor Primitivo) nas Grandes células Piramidais de Betz na Quinta camada do córtex motor. TERMINAÇÃO : No Corno Anterior da Medula Espinal (1º NEURONIO ) Na placa neuro – muscular no Músculo ( 2º neurónio - nervos espinhais) FUNÇÃO: A via piramidal é responsável pelo movimentos voluntários. Anatomia Aplicada : Em caso de lesões do neurónio superior haverá paralisia espástica (rígida) Em caso de lesões do neurónio inferior haverá paralisia flácida ( mole )
  • 56. VIA PIRAMIDAL VIA PIRAMIDAL TRAJECTO:  Forma a Coroa Radiada nos hemisférios  Atravessa os 2/3 anteriores do braço posterior da cápsula interna.  Parte central dos pedúnculos cerebrais no mesencéfalo  Desce pela eminência piramidal na parte anterior do ponte situando ao lado do sulco basilar  Ao nível da Medula Oblongada a maior parte dos feixes (cerca de 80-85%) cruza para o lado oposto formando a decusação das pirâmides.  Restos 15-20 % continua no mesmo lado.
  • 57. VIA PIRAMIDAL VIA PIRAMIDAL TRAJECTO: Ao longo do seu trajecto distinguem-se três grupos de fibras:  As fibras córtico - nucleares  As fibras córtico - reticulares  As fibras córtico - espinais
  • 58. VIAS OU SISTEMA EXTRA PIRAMIDAIS VIAS OU SISTEMA EXTRA PIRAMIDAIS O termo “sistema motor extra piramidal” é largamente empregue nos meios clínicos para denotar todas as porções do cérebro e tronco cerebral envolvidos no controle motor, mas que não fazem parte do sistema piramidal directo. Nesse sistema estão inclusos as vias que passam pelos :  núcleos vermelhos.  substância reticular  tecto do Mesencéfalo  núcleos vestibulares  núcleo Olivar  Núcleo de base  Tálamo
  • 59. VASCULARIZAÇÃO VASCULARIZAÇÃO ENCEFÁLICA ENCEFÁLICA  O sistema nervoso é formado de estruturas nobres e altamente especializadas, que exigem para o seu metabolismo um suprimento permanente e elevado de glicose e oxigênio.  A paragem da circulação cerebral por mais de sete segundos leva o indivíduo a perda da consciência. Após cerca de cinco minutos começam aparecer lesões que são irreversíveis, pois, como se sabe, as células nervosas não se regeneram. O fluxo sanguíneo cerebral é muito elevado, sendo superado apenas pelo do rim e do coração.
  • 60. Vascularização Vascularização Arterial do Encéfalo Arterial do Encéfalo  Polígono de Willis:  Sistema vértebro-basilar (artérias vertebrais)  Sistema carotídeo (artérias carótidas internas)
  • 61. Vascularização Vascularização Arterial do Encéfalo Arterial do Encéfalo As artérias Vertebrais → artéria basilar → artérias cerebrais posteriores → irrigam a parte posterior da face inferior de cada um dos hemisférios cerebrais. As artérias carótidas internas → artérias cerebrais médias e artérias cerebrais anteriores. As artérias cerebrais anteriores → artéria comunicante anterior. As artérias cerebrais posteriores se comunicam com as arteriais carótidas internas através → artérias comunicantes posteriores.
  • 62. Vascularização Vascularização Arterial do Encéfalo Arterial do Encéfalo Artéria Carótida Interna Pescoço → Canal carotídeo do osso temporal → Perfura a dura-máter e a aracnóide → início do sulco lateral dividi- se → as artérias cerebrais média e anterior. A artéria carótida interna, quando bloqueada pode levar a morte cerebral irreversível. Clinicamente, as artérias carótidas internas e seus ramos são freqüentemente referidos como a circulação anterior do encéfalo.
  • 63. Vascularização Vascularização Arterial do Encéfalo Arterial do Encéfalo
  • 64. Artéria Vertebral e Basilar (Sistema Vértebro-basilar) Artérias subclávias → forames transversos das 1ªseis vértebras cervicais → BuracoMagno → perfuram a membrana atlanto- occipital, a dura-máter e a aracnóide → face ventral do bulbo → fundem-se formando a artéria basilar. As artérias vertebrais → artérias espinhais e cerebelares inferiores posteriores. A artéria basilar → artérias cerebrais posteriores direita e esquerda. A artéria basilar dá origem → Cerebelar superior, cerebelar inferior anterior e artéria do labirinto. Clinicamente → circulação posterior do encéfalo
  • 66. Vascularização Venosa do Encéfalo Sistema Venoso Superficial – Drenam o córtex e a substância branca subjacente. Formado por veias cerebrais superficiais (superiores e inferiores) que desembocam nos seios da dura- máter → Longitudinal Superior e Inferior, Seio Recto, Seio Occipital → Confluencia dos seios → Seio Transverso. Sistema Venoso Profundo – Drenam o sangue de regiões situadas mais profundamente no cérebro, tais como: corpo estriado, cápsula interna, diencéfalo e grande parte do centro branco medular do cérebro → Veia cerebral magna ou veia de Galeno → Seio Recto. Seio Transverso e sangue da porção anterior da cabeça, face e pescoço → Veias jugulares internas → juntam-se com as veias subclávias → Veias braquiocefálicas → Veia cava superior. Região posterior do pescoço e da cabeça → veias jugulares externas → veias subclávias.