SlideShare uma empresa Scribd logo
Poluição do Ar




Imagem coletada de: http://www.colegioweb.com.br/ciencias-infantil/a-poluicao-
do-ar



O Ar




Outros gases inclui 0,03% de gás carbônico e pequenas proporções de argônio
(árgon), poluentes e vapor d'água.

Ar é o nome da mistura de gases presentes na atmosfera da Terra. O
ar seco é composto(em massa) por 78% de nitrogênio, 21% de
oxigênio, 0,97% de gases nobres e 0,03% de gás carbônico (dióxido
de carbono). O ar pode ainda conter de 0 a 7% de vapor de enxofre.
A composição do ar altera-se com a latitude.
O ar expirado (no processo da respiração dos animais) contém uma
maior percentagem de dióxido de carbono, tipicamente 4,5%.

O ar atmosférico não é apenas uma mistura de gases, apresenta
também partículas sólidas de sujeira.



Composição do ar seco
Nome                    Fórmula Proporção
Nitrogênio              N2        78,08 %
Oxigênio                O2        20,95 %
Argônio                 Ar        0,934 %
Dióxido de Carbono      CO2       382 ppm
Neônio                  Ne        18,18 ppm
Hélio                   He        5,24 ppm
Monóxido de nitrogênio NO         5 ppm
Criptônio               Kr        1,14 ppm
Metano                  CH4       1,7 ppm
Hidrogênio              H2        0,5 ppm
Protóxido de nitrogênio N2O       0,5 ppm
Xenônio                 Xe        0,087 ppm
Dióxido de Nitrogênio   NO2       0,02 ppm
Ozônio                  O3        0 à 0,01 ppm
Radônio                 Rn        6,0×10-14 ppm



Poluição Atmosférica
Pode provocar uma degradação dos ecossistemas devido ao
lançamento      de    inúmeras    substâncias    (radioativas,   ácidas,
recalcitrantes, etc.) e não respeita fronteiras, por isso pode se tratar
de um problema local e transfronteiriço. Este tipo de poluição pode
dar origem ao efeito estufa, às alterações climatéricas, à diminuição
da qualidade do ar, a problemas de saúde nos seres vivos como
diversas doenças respiratórias, diversos tipos de cancros, entre
outros.
Poluição             v·d·e
 Poluição atmosférica
 Chuva ácida • Índice de qualidade
 do ar • Modelização de dispersão
 atmosférica • CFC • Escurecimento
 global    •      Destilação     global•
 Aquecimento global • Qualidade do
 ar interior • Buraco de ozônio •
 PM10 • Smog
 Poluição da água
 Eutrofização • Hipóxia (Ambiente) •
 Poluição     marinha      •   Detritos
 marinhos • Acidificação Oceânica •
 Maré negra • Poluição por barcos •
 Escorrência superficial • Poluição
 térmica • Águas residuais • Água
 inquinada • Qualidade da água •
 Águas estagnadas •
 Contaminação do solo
 Biorremediação      •    Herbicida    •
 Pesticida
 Contaminação radioactiva
 Radioatividade ambiental • Produtos
 da fissão • Cinza nuclear • Plutónio
 no ambiente • Envenenamento
 radioativo • Rádio no ambiente •
 Urânio no ambiente
 Outros tipos de Poluição
 Espécie     invasora     •    Poluição
 luminosa • Poluição sonora •
 Radiação       electromagnética       •
 Poluição visual



Efeitos sobre a Saúde Humana
Sobre a saúde humana a poluição atmosférica afecta o sistema
respiratório podendo agravar ou mesmo provocar diversas doenças
crônicas tais como a asma, bronquite crónica, infecções nos pulmões,
enfisema pulmonar, doenças do coração e cancro do pulmão.

Os poluentes atmosféricos podem afectar o sistema respiratório. Via
direta e via indireta. Os efeitos diretos resultam da destruição de
tecidos das folhas das plantas provocados pela deposição seca de
SO², pelas chuvas ácidas ou pelo ozônio, refletindo-se na redução da
área fotossintética. Os efeitos indiretos são provocados pela
acidificação dos solos com a conseqüente redução de nutrientes e
libertação de substâncias prejudiciais às plantas, resultando numa
menor produtividade e numa maior susceptibilidade a pragas e
doenças.
Os efeitos negativos dos poluentes nos materiais resultam da
abrasão,   reações   químicas    diretas  ou  indiretas,  corrosão
eletroquímica ou devido à necessidade de aumentar a frequência das
ações de limpeza. As rochas calcáreas são as mais afetadas,
nomeadamente pela acidificação das águas da chuva.

Os odores são responsáveis por efeitos psicológicos importantes
estando associados, sobretudo, aos locais de deposição e tratamento
de resíduos sólidos e a algumas indústrias de que são exemplo as
fábricas de pasta de papel.




Técnico   mede     a   emissão     de    poluentes    (imagem    coletada   de:
http://www.sptrans.com.br/clipping_anteriores/2005/julho2005/clipping190705/pa
gina1.htm).


Causas
A nível nacional destacam-se, pelas suas emissões, as Unidades
Industriais e de Produção de Energia como a geração de energia
elétrica, as refinarias, fábricas de pasta de papel, siderúrgicas,
cimenteiras e indústria química e de adubos. A utilização de
combustíveis para a produção de energia é responsável pela maior
parte das emissões de SOx e CO2 contribuindo, ainda, de forma
significativa para as emissões de CO e NOx. O uso de solventes em
colas, tintas, produtos de proteção de superfícies, aerosóis, limpeza
de metais e lavanderias é responsável pela emissão de quantidades
apreciáveis de Compostos Orgânicos Voláteis.
Existem outras fontes poluidoras que, em certas condições, se pode
revelar importantes, tais como:
   • A queima de resíduos urbanos, industriais, agrícolas e
       florestais, feita muitas vezes, em situações incontroladas. A
       queima de resíduos de explosivos, resinas, tintas, plásticos,
       pneus é responsável pela emissão de compostos perigosos;
•  Os fogos florestais são, nos últimos anos, responsáveis por
      emissões significativas de CO2;
   • O uso de fertilizantes e o excesso de concentração
      agropecuária, são os principais contribuintes para as emissões
      de metano, amoníaco e N2O;
   • As indústrias de minerais não metálicos, a siderurgia, as
      pedreiras e áreas em construção, são fontes importantes de
      emissões de partículas.
Fontes Móveis.
As fontes móveis, sobretudo os transportes rodoviários, são uma
fonte importante de poluentes, essencialmente devido às emissões
dos gases de escape, mas também como resultado da evaporação de
combustíveis. São os principais emissores de NOx e CO, importantes
emissores de CO2 e de COV, além de serem responsáveis pela
emissão de poluentes específicos como o chumbo.




                                                                                  1
- Chaminés de Siderurgias são importantes fontes de emissão de partículas no ar
(imagem coletada de: http://joomla.crie.fc.ul.pt/index.php?
option=com_content&task=view&id=80&Itemid=159).
Fogos florestais são outras importantes fontes de emissão de partículas poluentes
no ar (imagem coletada de: viladoconde3.blogs.sapo.pt/arquivo/2005_06.html).


Consequências
O aumento da temperatura global e conseqüentes incêndios,
derretimento  da  calota    polar  e     conseqüentes enchentes,
alagamentos, mudança de clima e desertificação.

Acidificação

Poluentes como o NOx é o principal responsável pelo problema da
acidificação. Em contato com a água transformam-se em ácidos
nitroso e nítrico, os quais dissolvidos na chuva e na neve atingem o
solo sob a forma de nitritos (NO2-) e nitratos (NO3-) e ions de
Hidrogênio. (H+) - deposição úmida. No entanto o SO2 e os NOx
podem ser depositados diretamente no solo ou nas folhas das plantas
como gases ou associados a poeiras - deposição seca. A acidez é
dada pela concentração de (H+) liberados pelos ácidos e é
normalmente indicada pelos valores de pH.

Efeito Estufa

A temperatura da troposfera é pouco afetada pela radiação solar
direta, a que é relativamente transparente, aquecendo sobretudo
como resultado da absorção das radiações de grande comprimento de
onda emitidas pela superfície terrestre. A absorção da radiação
terrestre é efetuada por diversos compostos de que se salienta o CO2
mas também o CH4, Ozônio, N2O e os CFC. Estes funcionam assim
como os vidros de uma estufa, deixando passar a radiação solar que
aquece o solo e retendo a radiação terrestre. É por esta razão que o
acréscimo na concentração destes poluentes poderá ter como reflexo
o aumento da temperatura do ar. O aumento da temperatura do
globo terá como consequências prováveis o aumento das áreas
desérticas bem como o degelo das calotas polares com a conseqüente
subida do nível das águas dos oceanos.

Redução da Camada de Ozônio

A presença do ozônio na estratosfera (entre 20 e 40 km de altitude)
funciona como uma barreira para a radiação ultravioleta, tornando-se
assim essencial para a manutenção da vida na superfície terrestre.
Desde os anos 70 que se tem medido a redução da concentração de
ozônio em locais específicos da atmosfera (quot;buracos do ozônioquot; nas
regiões Antártica e Ártica) e de uma forma geral em todo o planeta.
É reconhecido que as emissões à escala internacional de certas
substâncias, entre as quais se contam os hidrocarbonetos
clorofluorados (CFC's) e os Halons.

Medidas de Combate a poluição do Ar
Medidas Preventivas

  •   Medir e conhecer a concentração dos poluentes no ar;
  •   Definir as fontes poluentes;
  •   Definir a qualidade do ar;
  •   Analisar os valores limite;
  •   Observar a evolução da qualidade do ar;
  •   Planear ações que promovam uma melhor qualidade do ar, tais
      como: reordenar atividades sócio-econômicas, localizar fontes
      poluentes, alterar o percurso rodoviário e reduzir as emissões
      de poluentes atmosféricos.
Para reduzir a concentração dos poluentes atmosféricos são
necessárias tanto medidas preventivas como corretivas, assumindo a
informação um papel fundamental na mobilização dos cidadãos. Entre
os principais meios de intervenção disponíveis contam-se:
   • Estabelecimento de limites de qualidade do ar ambiente;
   • Definição de normas de emissão;
   • Licenciamento das fontes poluidoras;
   • Incentivo à utilização de novas tecnologias;
   • Utilização de equipamento de redução de emissões (por
      exemplo os catalizadores nos automóveis e a utilização de
      equipamento de despoluição de enfluentes gasosos nas
      indústrias);
   • Controle dos locais de deposição de resíduos sólidos, impedindo
      os fogos espontâneos e a queima de resíduos perigosos;
   • Utilização de redes de monitorização da qualidade do ar;
   • Incentivo à permanência de florestas naturais;
•   Estabelecimento de Planos de Emergência para situações de
      poluição atmosférica graves;
   • Criação de serviços de informação e de auxílio às populações
      sujeitas ou afetadas pela
poluição atmosférica;
   • Plantar árvores
Os valores limite de concentração de poluentes atmosféricos definem
níveis de concentração de poluentes no ar ambiente necessários (com
uma determinada margem de precaução) para proteger a saúde
pública. Atualmente, em Portugal, existem limites para SO2,
Partículas em Suspensão, NO2, CO, Chumbo e Ozônio.

Normas de emissão e licenciamento

Destinam-se a ser aplicadas pelas fontes pontuais, sobretudo
industriais, bem como pelas fontes móveis, sobretudo os veículos
automóveis. Em Portugal existem limites de emissão de aplicação
geral e específicos para diversos tipos de indústrias e para diversos
poluentes.
As normas de emissão estão intimamente relacionadas com o
licenciamento das atividades produtivas. O processo de licenciamento
deverá ter em consideração a realização do Estudo de Impacto
Ambiental, sendo aconselhável a utilização das melhores técnicas
disponíveis para minimizar as emissões para a atmosfera.
No Brasil o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos
Naturais Renováveis (IBAMA) é o órgão responsável pela
normatização do limite de emissão que são específicos para cada
setor. Alguns limites já foram determinados como no caso da emissão
de gases por ciclomotores, motociclos e veículos similares novos
estabelecido pela resolução CONAMA N 297 de 26 de fevereiro de
2002.

Incentivo à Utilização de Novas Tecnologias

Uso de tecnologias limpas P+L envolvendo tanto as fontes pontuais
como as fontes móveis através de:
  • Redução dos consumos de energia através da sua utilização
     mais racional ou de utilização de outras fontes de energia
     alternativas responsáveis por menores emissões de CO2 e de
     outros poluentes;
  • Utilização de combustíveis que reduzam as quantidades de
     poluentes emitidos (dessulfuração de derivados de petróleo ou
     utilização de gasolina sem chumbo, por exemplo);
  • Substituição de compostos nocivos, tais como os CFC e alguns
     solventes, por outros inóquos ou de menores inconvenientes;
  • Utilização de tecnologias geradoras de menores quantidades
     poluentes.
•   Diminuta utilização de produtos com Clorofluorcarbonetos ou
      em abreviado CFCs, prejudiciais à camada de ozônio.
As alterações atmosféricas causadas pelas emissões de dióxido de
carbono (CO2) são irreversíveis, de acordo com um estudo publicado
na revista quot;Proceedings of the National Academy of Sciencesquot;.
A investigadora Susan Solomon diz que a eliminação desse gás
poluente da atmosfera de forma imediata não ajudaria a remediar a
actual situação.
O planeta demorará pelo menos mil anos a recuperar as
temperaturas normais, pois estas se irão manter durante muito
tempo nos mares, assegurou a cientista, que acrescentou ainda que
são falsas as ideias de que a mudança climática apresenta riscos
menores e que as mudanças poderiam ser revertidas em poucas
décadas.
quot;As mudanças climáticas são irreversíveis, pois as emissões de
dióxido de carbono já estão a acontecerquot;, explicou Solomon, do
Laboratório de Pesquisas da Terra na Administração Nacional
Oceânica e Atmosférica (NOAA, sigla anglo-saxónica).
As alterações centram-se principalmente no aumento das
temperaturas, mas também nas reestruturações das chuvas na zona
do Mediterrâneo, no sul da África e na região sudoeste da América do
Norte.
A investigadora afirma ainda que é preciso tomar medidas imediatas
para impedir que os danos sejam ainda piores.
As alterações atmosféricas causadas pelas emissões de dióxido de
carbono (CO2) são irreversíveis, de acordo com um estudo publicado
na revista quot;Proceedings of the National Academy of Sciencesquot;.
A investigadora Susan Solomon diz que a eliminação desse gás
poluente da atmosfera de forma imediata não ajudaria a remediar a
actual situação.
O planeta demorará pelo menos mil anos a recuperar as
temperaturas normais, pois estas se irão manter durante muito
tempo nos mares, assegurou a cientista, que acrescentou ainda que
são falsas as ideias de que a mudança climática apresenta riscos
menores e que as mudanças poderiam ser revertidas em poucas
décadas.
quot;As mudanças climáticas são irreversíveis, pois as emissões de
dióxido de carbono já estão a acontecerquot;, explicou Solomon, do
Laboratório de Pesquisas da Terra na Administração Nacional
Oceânica e Atmosférica (NOAA, sigla anglo-saxónica).
As alterações centram-se principalmente no aumento das
temperaturas, mas também nas reestruturações das chuvas na zona
do Mediterrâneo, no sul da África e na região sudoeste da América do
Norte.
A investigadora afirma ainda que é preciso tomar medidas imediatas
para impedir que os danos sejam ainda piores.
Bibliografia:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ar

http://pt.wikipedia.org/wiki/Polui
%C3%A7%C3%A3o_atmosf%C3%A9rica

Http://indoafundo.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poluiçao do ar
Poluiçao do arPoluiçao do ar
Poluiçao do ar
escolaodeteribaroli
 
Poluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
Poluição do Ar em Portugal - Alguns DadosPoluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
Poluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
clique
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
Kassia Santos
 
Poluição Atmosferica Quimica
Poluição Atmosferica QuimicaPoluição Atmosferica Quimica
Poluição Atmosferica Quimica
nenhum
 
Poluicao atmosferica
Poluicao atmosfericaPoluicao atmosferica
Poluicao atmosferica
Altair Hoepers
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
mainamgar
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
RafaelSampaio
 
Aula quimica atmosferica
Aula quimica atmosfericaAula quimica atmosferica
Aula quimica atmosferica
Leandro Da Paz Aristides
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
Pessoal
 
Palestra: Poluição Atmosférica - UFC - Abril - 2016
Palestra: Poluição Atmosférica - UFC - Abril - 2016Palestra: Poluição Atmosférica - UFC - Abril - 2016
Palestra: Poluição Atmosférica - UFC - Abril - 2016
Luis Henrique Nunes Quezado
 
Poluição Atmosférica
Poluição AtmosféricaPoluição Atmosférica
Poluição Atmosférica
Samuel Oliveira
 
Principais poluentes do ar
Principais poluentes do arPrincipais poluentes do ar
Principais poluentes do ar
Luan Furtado
 
Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3
Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3
Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3
Hamilton Hermes de Oliveira
 
Gases poluentes
Gases poluentesGases poluentes
Gases poluentes
Bio Sem Limites
 
Química ambiental - poluição ambiental
 Química ambiental - poluição ambiental Química ambiental - poluição ambiental
Química ambiental - poluição ambiental
Hamilton Hermes de Oliveira
 
Poluição Atmosférica(conceitos e esquemas)
Poluição Atmosférica(conceitos e esquemas)Poluição Atmosférica(conceitos e esquemas)
Poluição Atmosférica(conceitos e esquemas)
dresousa
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
Bruno William
 
Poluicao do ar e chuvas acidas
Poluicao do ar e chuvas acidasPoluicao do ar e chuvas acidas
Poluicao do ar e chuvas acidas
ap3bmachado
 
Poluição atmosférica 9e
Poluição atmosférica 9ePoluição atmosférica 9e
Poluição atmosférica 9e
Mayjö .
 
Poluição do ar atmosférico
Poluição do ar atmosféricoPoluição do ar atmosférico
Poluição do ar atmosférico
Ninho Cristo
 

Mais procurados (20)

Poluiçao do ar
Poluiçao do arPoluiçao do ar
Poluiçao do ar
 
Poluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
Poluição do Ar em Portugal - Alguns DadosPoluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
Poluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Poluição Atmosferica Quimica
Poluição Atmosferica QuimicaPoluição Atmosferica Quimica
Poluição Atmosferica Quimica
 
Poluicao atmosferica
Poluicao atmosfericaPoluicao atmosferica
Poluicao atmosferica
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Aula quimica atmosferica
Aula quimica atmosfericaAula quimica atmosferica
Aula quimica atmosferica
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
 
Palestra: Poluição Atmosférica - UFC - Abril - 2016
Palestra: Poluição Atmosférica - UFC - Abril - 2016Palestra: Poluição Atmosférica - UFC - Abril - 2016
Palestra: Poluição Atmosférica - UFC - Abril - 2016
 
Poluição Atmosférica
Poluição AtmosféricaPoluição Atmosférica
Poluição Atmosférica
 
Principais poluentes do ar
Principais poluentes do arPrincipais poluentes do ar
Principais poluentes do ar
 
Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3
Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3
Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3
 
Gases poluentes
Gases poluentesGases poluentes
Gases poluentes
 
Química ambiental - poluição ambiental
 Química ambiental - poluição ambiental Química ambiental - poluição ambiental
Química ambiental - poluição ambiental
 
Poluição Atmosférica(conceitos e esquemas)
Poluição Atmosférica(conceitos e esquemas)Poluição Atmosférica(conceitos e esquemas)
Poluição Atmosférica(conceitos e esquemas)
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
 
Poluicao do ar e chuvas acidas
Poluicao do ar e chuvas acidasPoluicao do ar e chuvas acidas
Poluicao do ar e chuvas acidas
 
Poluição atmosférica 9e
Poluição atmosférica 9ePoluição atmosférica 9e
Poluição atmosférica 9e
 
Poluição do ar atmosférico
Poluição do ar atmosféricoPoluição do ar atmosférico
Poluição do ar atmosférico
 

Destaque

38881922 apostila-de-ventilacao-higiene-iii[1]
38881922 apostila-de-ventilacao-higiene-iii[1]38881922 apostila-de-ventilacao-higiene-iii[1]
38881922 apostila-de-ventilacao-higiene-iii[1]
Marcos Da Eli
 
Respostas oap 2ª etapa
Respostas oap 2ª etapaRespostas oap 2ª etapa
Respostas oap 2ª etapa
Adriana Gotschalg
 
Poluição do Ar - Seminário de Biologia
Poluição do Ar - Seminário de BiologiaPoluição do Ar - Seminário de Biologia
Poluição do Ar - Seminário de Biologia
gabrieljusto
 
Poluição atmosférica trabalho
Poluição atmosférica trabalhoPoluição atmosférica trabalho
Poluição atmosférica trabalho
Mayjö .
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
heartandstar
 
A Poluição
A PoluiçãoA Poluição
A Poluição
Ana Carlão
 
Trabalho sobre a poluição
Trabalho sobre a poluiçãoTrabalho sobre a poluição
Trabalho sobre a poluição
Be Carrazeda
 

Destaque (7)

38881922 apostila-de-ventilacao-higiene-iii[1]
38881922 apostila-de-ventilacao-higiene-iii[1]38881922 apostila-de-ventilacao-higiene-iii[1]
38881922 apostila-de-ventilacao-higiene-iii[1]
 
Respostas oap 2ª etapa
Respostas oap 2ª etapaRespostas oap 2ª etapa
Respostas oap 2ª etapa
 
Poluição do Ar - Seminário de Biologia
Poluição do Ar - Seminário de BiologiaPoluição do Ar - Seminário de Biologia
Poluição do Ar - Seminário de Biologia
 
Poluição atmosférica trabalho
Poluição atmosférica trabalhoPoluição atmosférica trabalho
Poluição atmosférica trabalho
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
 
A Poluição
A PoluiçãoA Poluição
A Poluição
 
Trabalho sobre a poluição
Trabalho sobre a poluiçãoTrabalho sobre a poluição
Trabalho sobre a poluição
 

Semelhante a PoluiçãO Do Ar

Pesquisas
PesquisasPesquisas
Pesquisas
Suzana Santos
 
Slides Sobre O Meio Ambiente Monica Lais 3 B 2009
Slides Sobre O Meio Ambiente Monica Lais 3 B 2009Slides Sobre O Meio Ambiente Monica Lais 3 B 2009
Slides Sobre O Meio Ambiente Monica Lais 3 B 2009
EE deputado Gregório Bezerra
 
Meio Ambiente - 3 B 2009
 Meio Ambiente - 3 B 2009 Meio Ambiente - 3 B 2009
Meio Ambiente - 3 B 2009
EE deputado Gregório Bezerra
 
Poluição e desertificao final
Poluição e desertificao finalPoluição e desertificao final
Poluição e desertificao final
bfp1997
 
SERGIYNHO
SERGIYNHOSERGIYNHO
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
Gonçalo Oliveira
 
Poluição Atmosferica
Poluição AtmosfericaPoluição Atmosferica
Poluição Atmosferica
Gonçalo Oliveira
 
Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambiental
Paulo Vaz
 
Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambiental
Paulo Vaz
 
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
Leonor Vaz Pereira
 
Trabalho Pedro
Trabalho PedroTrabalho Pedro
Trabalho Pedro
vidasegura
 
Química ambiental volume 1 - a atmosfera
Química ambiental   volume 1 - a atmosferaQuímica ambiental   volume 1 - a atmosfera
Química ambiental volume 1 - a atmosfera
robertolima
 
Quimica Atmosfera
Quimica AtmosferaQuimica Atmosfera
Quimica Atmosfera
Raquel Gastao Daniel
 
Desequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientaisDesequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientais
Roberto Bondarik
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
meninas9d
 
Processos Produtivos I UD II
Processos Produtivos I   UD IIProcessos Produtivos I   UD II
Processos Produtivos I UD II
Paulo Santos
 
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕESFUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
PerilaMRebouas
 
a importancia do ar para os seres vivos.pptx
a importancia do ar para os seres vivos.pptxa importancia do ar para os seres vivos.pptx
a importancia do ar para os seres vivos.pptx
MariaCandidaSantos1
 
Alterações na atmosfera
Alterações na atmosferaAlterações na atmosfera
Alterações na atmosfera
Mayjö .
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
Danielle1610
 

Semelhante a PoluiçãO Do Ar (20)

Pesquisas
PesquisasPesquisas
Pesquisas
 
Slides Sobre O Meio Ambiente Monica Lais 3 B 2009
Slides Sobre O Meio Ambiente Monica Lais 3 B 2009Slides Sobre O Meio Ambiente Monica Lais 3 B 2009
Slides Sobre O Meio Ambiente Monica Lais 3 B 2009
 
Meio Ambiente - 3 B 2009
 Meio Ambiente - 3 B 2009 Meio Ambiente - 3 B 2009
Meio Ambiente - 3 B 2009
 
Poluição e desertificao final
Poluição e desertificao finalPoluição e desertificao final
Poluição e desertificao final
 
SERGIYNHO
SERGIYNHOSERGIYNHO
SERGIYNHO
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
 
Poluição Atmosferica
Poluição AtmosfericaPoluição Atmosferica
Poluição Atmosferica
 
Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambiental
 
Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambiental
 
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
 
Trabalho Pedro
Trabalho PedroTrabalho Pedro
Trabalho Pedro
 
Química ambiental volume 1 - a atmosfera
Química ambiental   volume 1 - a atmosferaQuímica ambiental   volume 1 - a atmosfera
Química ambiental volume 1 - a atmosfera
 
Quimica Atmosfera
Quimica AtmosferaQuimica Atmosfera
Quimica Atmosfera
 
Desequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientaisDesequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientais
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Processos Produtivos I UD II
Processos Produtivos I   UD IIProcessos Produtivos I   UD II
Processos Produtivos I UD II
 
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕESFUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
 
a importancia do ar para os seres vivos.pptx
a importancia do ar para os seres vivos.pptxa importancia do ar para os seres vivos.pptx
a importancia do ar para os seres vivos.pptx
 
Alterações na atmosfera
Alterações na atmosferaAlterações na atmosfera
Alterações na atmosfera
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
 

Mais de ecsette

Minas Gerais
Minas GeraisMinas Gerais
Minas Gerais
ecsette
 
Espírito Santo
Espírito  SantoEspírito  Santo
Espírito Santo
ecsette
 
Mapa Mundi PolíTico
Mapa Mundi PolíTicoMapa Mundi PolíTico
Mapa Mundi PolíTico
ecsette
 
Sistema De Governo
Sistema De GovernoSistema De Governo
Sistema De Governo
ecsette
 
Google Doodles 2009
Google Doodles 2009Google Doodles 2009
Google Doodles 2009
ecsette
 
Google Doodles Locais
Google Doodles LocaisGoogle Doodles Locais
Google Doodles Locais
ecsette
 
Google Doodles IndependêNcia
Google Doodles IndependêNciaGoogle Doodles IndependêNcia
Google Doodles IndependêNcia
ecsette
 
ManhuaçU
ManhuaçUManhuaçU
ManhuaçU
ecsette
 
RegiõEs Do Brasil Norte
RegiõEs Do Brasil   NorteRegiõEs Do Brasil   Norte
RegiõEs Do Brasil Norte
ecsette
 
Google Doodles 2008
Google Doodles 2008Google Doodles 2008
Google Doodles 2008
ecsette
 
Google Doodles 2007
Google Doodles 2007Google Doodles 2007
Google Doodles 2007
ecsette
 
Google Doodles 2006
Google Doodles 2006Google Doodles 2006
Google Doodles 2006
ecsette
 
Google Doodles 2005
Google Doodles 2005Google Doodles 2005
Google Doodles 2005
ecsette
 
Google Doodles 2004
Google Doodles 2004Google Doodles 2004
Google Doodles 2004
ecsette
 
Google Doodles 2003
Google Doodles 2003Google Doodles 2003
Google Doodles 2003
ecsette
 
Google Doodles 2002
Google Doodles 2002Google Doodles 2002
Google Doodles 2002
ecsette
 
Google Doodles 2001
Google Doodles 2001Google Doodles 2001
Google Doodles 2001
ecsette
 
Google Doodles 2000
Google Doodles 2000Google Doodles 2000
Google Doodles 2000
ecsette
 
Google Doodles 1999
Google Doodles 1999Google Doodles 1999
Google Doodles 1999
ecsette
 
Google Doodles 1998
Google Doodles 1998Google Doodles 1998
Google Doodles 1998
ecsette
 

Mais de ecsette (20)

Minas Gerais
Minas GeraisMinas Gerais
Minas Gerais
 
Espírito Santo
Espírito  SantoEspírito  Santo
Espírito Santo
 
Mapa Mundi PolíTico
Mapa Mundi PolíTicoMapa Mundi PolíTico
Mapa Mundi PolíTico
 
Sistema De Governo
Sistema De GovernoSistema De Governo
Sistema De Governo
 
Google Doodles 2009
Google Doodles 2009Google Doodles 2009
Google Doodles 2009
 
Google Doodles Locais
Google Doodles LocaisGoogle Doodles Locais
Google Doodles Locais
 
Google Doodles IndependêNcia
Google Doodles IndependêNciaGoogle Doodles IndependêNcia
Google Doodles IndependêNcia
 
ManhuaçU
ManhuaçUManhuaçU
ManhuaçU
 
RegiõEs Do Brasil Norte
RegiõEs Do Brasil   NorteRegiõEs Do Brasil   Norte
RegiõEs Do Brasil Norte
 
Google Doodles 2008
Google Doodles 2008Google Doodles 2008
Google Doodles 2008
 
Google Doodles 2007
Google Doodles 2007Google Doodles 2007
Google Doodles 2007
 
Google Doodles 2006
Google Doodles 2006Google Doodles 2006
Google Doodles 2006
 
Google Doodles 2005
Google Doodles 2005Google Doodles 2005
Google Doodles 2005
 
Google Doodles 2004
Google Doodles 2004Google Doodles 2004
Google Doodles 2004
 
Google Doodles 2003
Google Doodles 2003Google Doodles 2003
Google Doodles 2003
 
Google Doodles 2002
Google Doodles 2002Google Doodles 2002
Google Doodles 2002
 
Google Doodles 2001
Google Doodles 2001Google Doodles 2001
Google Doodles 2001
 
Google Doodles 2000
Google Doodles 2000Google Doodles 2000
Google Doodles 2000
 
Google Doodles 1999
Google Doodles 1999Google Doodles 1999
Google Doodles 1999
 
Google Doodles 1998
Google Doodles 1998Google Doodles 1998
Google Doodles 1998
 

PoluiçãO Do Ar

  • 1. Poluição do Ar Imagem coletada de: http://www.colegioweb.com.br/ciencias-infantil/a-poluicao- do-ar O Ar Outros gases inclui 0,03% de gás carbônico e pequenas proporções de argônio (árgon), poluentes e vapor d'água. Ar é o nome da mistura de gases presentes na atmosfera da Terra. O ar seco é composto(em massa) por 78% de nitrogênio, 21% de oxigênio, 0,97% de gases nobres e 0,03% de gás carbônico (dióxido de carbono). O ar pode ainda conter de 0 a 7% de vapor de enxofre. A composição do ar altera-se com a latitude.
  • 2. O ar expirado (no processo da respiração dos animais) contém uma maior percentagem de dióxido de carbono, tipicamente 4,5%. O ar atmosférico não é apenas uma mistura de gases, apresenta também partículas sólidas de sujeira. Composição do ar seco Nome Fórmula Proporção Nitrogênio N2 78,08 % Oxigênio O2 20,95 % Argônio Ar 0,934 % Dióxido de Carbono CO2 382 ppm Neônio Ne 18,18 ppm Hélio He 5,24 ppm Monóxido de nitrogênio NO 5 ppm Criptônio Kr 1,14 ppm Metano CH4 1,7 ppm Hidrogênio H2 0,5 ppm Protóxido de nitrogênio N2O 0,5 ppm Xenônio Xe 0,087 ppm Dióxido de Nitrogênio NO2 0,02 ppm Ozônio O3 0 à 0,01 ppm Radônio Rn 6,0×10-14 ppm Poluição Atmosférica Pode provocar uma degradação dos ecossistemas devido ao lançamento de inúmeras substâncias (radioativas, ácidas, recalcitrantes, etc.) e não respeita fronteiras, por isso pode se tratar de um problema local e transfronteiriço. Este tipo de poluição pode dar origem ao efeito estufa, às alterações climatéricas, à diminuição da qualidade do ar, a problemas de saúde nos seres vivos como diversas doenças respiratórias, diversos tipos de cancros, entre outros.
  • 3. Poluição v·d·e Poluição atmosférica Chuva ácida • Índice de qualidade do ar • Modelização de dispersão atmosférica • CFC • Escurecimento global • Destilação global• Aquecimento global • Qualidade do ar interior • Buraco de ozônio • PM10 • Smog Poluição da água Eutrofização • Hipóxia (Ambiente) • Poluição marinha • Detritos marinhos • Acidificação Oceânica • Maré negra • Poluição por barcos • Escorrência superficial • Poluição térmica • Águas residuais • Água inquinada • Qualidade da água • Águas estagnadas • Contaminação do solo Biorremediação • Herbicida • Pesticida Contaminação radioactiva Radioatividade ambiental • Produtos da fissão • Cinza nuclear • Plutónio no ambiente • Envenenamento radioativo • Rádio no ambiente • Urânio no ambiente Outros tipos de Poluição Espécie invasora • Poluição luminosa • Poluição sonora • Radiação electromagnética • Poluição visual Efeitos sobre a Saúde Humana Sobre a saúde humana a poluição atmosférica afecta o sistema respiratório podendo agravar ou mesmo provocar diversas doenças crônicas tais como a asma, bronquite crónica, infecções nos pulmões, enfisema pulmonar, doenças do coração e cancro do pulmão. Os poluentes atmosféricos podem afectar o sistema respiratório. Via direta e via indireta. Os efeitos diretos resultam da destruição de tecidos das folhas das plantas provocados pela deposição seca de SO², pelas chuvas ácidas ou pelo ozônio, refletindo-se na redução da área fotossintética. Os efeitos indiretos são provocados pela acidificação dos solos com a conseqüente redução de nutrientes e libertação de substâncias prejudiciais às plantas, resultando numa menor produtividade e numa maior susceptibilidade a pragas e doenças.
  • 4. Os efeitos negativos dos poluentes nos materiais resultam da abrasão, reações químicas diretas ou indiretas, corrosão eletroquímica ou devido à necessidade de aumentar a frequência das ações de limpeza. As rochas calcáreas são as mais afetadas, nomeadamente pela acidificação das águas da chuva. Os odores são responsáveis por efeitos psicológicos importantes estando associados, sobretudo, aos locais de deposição e tratamento de resíduos sólidos e a algumas indústrias de que são exemplo as fábricas de pasta de papel. Técnico mede a emissão de poluentes (imagem coletada de: http://www.sptrans.com.br/clipping_anteriores/2005/julho2005/clipping190705/pa gina1.htm). Causas A nível nacional destacam-se, pelas suas emissões, as Unidades Industriais e de Produção de Energia como a geração de energia elétrica, as refinarias, fábricas de pasta de papel, siderúrgicas, cimenteiras e indústria química e de adubos. A utilização de combustíveis para a produção de energia é responsável pela maior parte das emissões de SOx e CO2 contribuindo, ainda, de forma significativa para as emissões de CO e NOx. O uso de solventes em colas, tintas, produtos de proteção de superfícies, aerosóis, limpeza de metais e lavanderias é responsável pela emissão de quantidades apreciáveis de Compostos Orgânicos Voláteis. Existem outras fontes poluidoras que, em certas condições, se pode revelar importantes, tais como: • A queima de resíduos urbanos, industriais, agrícolas e florestais, feita muitas vezes, em situações incontroladas. A queima de resíduos de explosivos, resinas, tintas, plásticos, pneus é responsável pela emissão de compostos perigosos;
  • 5. • Os fogos florestais são, nos últimos anos, responsáveis por emissões significativas de CO2; • O uso de fertilizantes e o excesso de concentração agropecuária, são os principais contribuintes para as emissões de metano, amoníaco e N2O; • As indústrias de minerais não metálicos, a siderurgia, as pedreiras e áreas em construção, são fontes importantes de emissões de partículas. Fontes Móveis. As fontes móveis, sobretudo os transportes rodoviários, são uma fonte importante de poluentes, essencialmente devido às emissões dos gases de escape, mas também como resultado da evaporação de combustíveis. São os principais emissores de NOx e CO, importantes emissores de CO2 e de COV, além de serem responsáveis pela emissão de poluentes específicos como o chumbo. 1 - Chaminés de Siderurgias são importantes fontes de emissão de partículas no ar (imagem coletada de: http://joomla.crie.fc.ul.pt/index.php? option=com_content&task=view&id=80&Itemid=159).
  • 6. Fogos florestais são outras importantes fontes de emissão de partículas poluentes no ar (imagem coletada de: viladoconde3.blogs.sapo.pt/arquivo/2005_06.html). Consequências O aumento da temperatura global e conseqüentes incêndios, derretimento da calota polar e conseqüentes enchentes, alagamentos, mudança de clima e desertificação. Acidificação Poluentes como o NOx é o principal responsável pelo problema da acidificação. Em contato com a água transformam-se em ácidos nitroso e nítrico, os quais dissolvidos na chuva e na neve atingem o solo sob a forma de nitritos (NO2-) e nitratos (NO3-) e ions de Hidrogênio. (H+) - deposição úmida. No entanto o SO2 e os NOx podem ser depositados diretamente no solo ou nas folhas das plantas como gases ou associados a poeiras - deposição seca. A acidez é dada pela concentração de (H+) liberados pelos ácidos e é normalmente indicada pelos valores de pH. Efeito Estufa A temperatura da troposfera é pouco afetada pela radiação solar direta, a que é relativamente transparente, aquecendo sobretudo como resultado da absorção das radiações de grande comprimento de onda emitidas pela superfície terrestre. A absorção da radiação terrestre é efetuada por diversos compostos de que se salienta o CO2 mas também o CH4, Ozônio, N2O e os CFC. Estes funcionam assim como os vidros de uma estufa, deixando passar a radiação solar que aquece o solo e retendo a radiação terrestre. É por esta razão que o acréscimo na concentração destes poluentes poderá ter como reflexo
  • 7. o aumento da temperatura do ar. O aumento da temperatura do globo terá como consequências prováveis o aumento das áreas desérticas bem como o degelo das calotas polares com a conseqüente subida do nível das águas dos oceanos. Redução da Camada de Ozônio A presença do ozônio na estratosfera (entre 20 e 40 km de altitude) funciona como uma barreira para a radiação ultravioleta, tornando-se assim essencial para a manutenção da vida na superfície terrestre. Desde os anos 70 que se tem medido a redução da concentração de ozônio em locais específicos da atmosfera (quot;buracos do ozônioquot; nas regiões Antártica e Ártica) e de uma forma geral em todo o planeta. É reconhecido que as emissões à escala internacional de certas substâncias, entre as quais se contam os hidrocarbonetos clorofluorados (CFC's) e os Halons. Medidas de Combate a poluição do Ar Medidas Preventivas • Medir e conhecer a concentração dos poluentes no ar; • Definir as fontes poluentes; • Definir a qualidade do ar; • Analisar os valores limite; • Observar a evolução da qualidade do ar; • Planear ações que promovam uma melhor qualidade do ar, tais como: reordenar atividades sócio-econômicas, localizar fontes poluentes, alterar o percurso rodoviário e reduzir as emissões de poluentes atmosféricos. Para reduzir a concentração dos poluentes atmosféricos são necessárias tanto medidas preventivas como corretivas, assumindo a informação um papel fundamental na mobilização dos cidadãos. Entre os principais meios de intervenção disponíveis contam-se: • Estabelecimento de limites de qualidade do ar ambiente; • Definição de normas de emissão; • Licenciamento das fontes poluidoras; • Incentivo à utilização de novas tecnologias; • Utilização de equipamento de redução de emissões (por exemplo os catalizadores nos automóveis e a utilização de equipamento de despoluição de enfluentes gasosos nas indústrias); • Controle dos locais de deposição de resíduos sólidos, impedindo os fogos espontâneos e a queima de resíduos perigosos; • Utilização de redes de monitorização da qualidade do ar; • Incentivo à permanência de florestas naturais;
  • 8. Estabelecimento de Planos de Emergência para situações de poluição atmosférica graves; • Criação de serviços de informação e de auxílio às populações sujeitas ou afetadas pela poluição atmosférica; • Plantar árvores Os valores limite de concentração de poluentes atmosféricos definem níveis de concentração de poluentes no ar ambiente necessários (com uma determinada margem de precaução) para proteger a saúde pública. Atualmente, em Portugal, existem limites para SO2, Partículas em Suspensão, NO2, CO, Chumbo e Ozônio. Normas de emissão e licenciamento Destinam-se a ser aplicadas pelas fontes pontuais, sobretudo industriais, bem como pelas fontes móveis, sobretudo os veículos automóveis. Em Portugal existem limites de emissão de aplicação geral e específicos para diversos tipos de indústrias e para diversos poluentes. As normas de emissão estão intimamente relacionadas com o licenciamento das atividades produtivas. O processo de licenciamento deverá ter em consideração a realização do Estudo de Impacto Ambiental, sendo aconselhável a utilização das melhores técnicas disponíveis para minimizar as emissões para a atmosfera. No Brasil o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) é o órgão responsável pela normatização do limite de emissão que são específicos para cada setor. Alguns limites já foram determinados como no caso da emissão de gases por ciclomotores, motociclos e veículos similares novos estabelecido pela resolução CONAMA N 297 de 26 de fevereiro de 2002. Incentivo à Utilização de Novas Tecnologias Uso de tecnologias limpas P+L envolvendo tanto as fontes pontuais como as fontes móveis através de: • Redução dos consumos de energia através da sua utilização mais racional ou de utilização de outras fontes de energia alternativas responsáveis por menores emissões de CO2 e de outros poluentes; • Utilização de combustíveis que reduzam as quantidades de poluentes emitidos (dessulfuração de derivados de petróleo ou utilização de gasolina sem chumbo, por exemplo); • Substituição de compostos nocivos, tais como os CFC e alguns solventes, por outros inóquos ou de menores inconvenientes; • Utilização de tecnologias geradoras de menores quantidades poluentes.
  • 9. Diminuta utilização de produtos com Clorofluorcarbonetos ou em abreviado CFCs, prejudiciais à camada de ozônio. As alterações atmosféricas causadas pelas emissões de dióxido de carbono (CO2) são irreversíveis, de acordo com um estudo publicado na revista quot;Proceedings of the National Academy of Sciencesquot;. A investigadora Susan Solomon diz que a eliminação desse gás poluente da atmosfera de forma imediata não ajudaria a remediar a actual situação. O planeta demorará pelo menos mil anos a recuperar as temperaturas normais, pois estas se irão manter durante muito tempo nos mares, assegurou a cientista, que acrescentou ainda que são falsas as ideias de que a mudança climática apresenta riscos menores e que as mudanças poderiam ser revertidas em poucas décadas. quot;As mudanças climáticas são irreversíveis, pois as emissões de dióxido de carbono já estão a acontecerquot;, explicou Solomon, do Laboratório de Pesquisas da Terra na Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, sigla anglo-saxónica). As alterações centram-se principalmente no aumento das temperaturas, mas também nas reestruturações das chuvas na zona do Mediterrâneo, no sul da África e na região sudoeste da América do Norte. A investigadora afirma ainda que é preciso tomar medidas imediatas para impedir que os danos sejam ainda piores. As alterações atmosféricas causadas pelas emissões de dióxido de carbono (CO2) são irreversíveis, de acordo com um estudo publicado na revista quot;Proceedings of the National Academy of Sciencesquot;. A investigadora Susan Solomon diz que a eliminação desse gás poluente da atmosfera de forma imediata não ajudaria a remediar a actual situação. O planeta demorará pelo menos mil anos a recuperar as temperaturas normais, pois estas se irão manter durante muito tempo nos mares, assegurou a cientista, que acrescentou ainda que são falsas as ideias de que a mudança climática apresenta riscos menores e que as mudanças poderiam ser revertidas em poucas décadas. quot;As mudanças climáticas são irreversíveis, pois as emissões de dióxido de carbono já estão a acontecerquot;, explicou Solomon, do Laboratório de Pesquisas da Terra na Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, sigla anglo-saxónica). As alterações centram-se principalmente no aumento das temperaturas, mas também nas reestruturações das chuvas na zona do Mediterrâneo, no sul da África e na região sudoeste da América do Norte. A investigadora afirma ainda que é preciso tomar medidas imediatas para impedir que os danos sejam ainda piores.