SlideShare uma empresa Scribd logo
PHP




      1
Introdução (1)
O PHP é uma linguagem de programação
de scripts para serem interpretados no
lado dos servidores.
Numa fase inicial(1995), o PHP surgiu com o significado
= Personal Home Pages, com um conjunto de
ferramentas de tipo CGI. Mas diversos factores
contribuíram para que o PHP conhecesse uma grande
difusão entre os programadores de Web Sites e,
actualmente, a sigla PHP tem o seguinte significado:
PHP Hypertext PreProcessor.

                                                          2
                                                          2
Introdução(2)
O PHP é uma linguagem interpretada, tal como o
Javascript. Mas, enquanto que o código Javascript é
interpretado no próprio browser que recebe a página
HTML, o código PHP é interpretado no servidor que
envia a página.
Assim, quando abrimos um documento HTML com um
script em Javascript, podemos pedir para ver o código
desse script no browser; mas quando recebemos uma
página web que tem um script PHP na sua origem,
apenas podemos ver no nosso browser o código HTML.


                                                        3
                                                        3
Factores de ajuda ao grande êxito do
  PHP:
-É uma tecnologia distribuída gratuitamente;

- Tem excelente capacidade de articulação com:

- Os servidores Web mais divulgados, designadamente:
o Apache (gratuito) e o IIS (Internet Information Server)
comercializado pela Microsoft.

- Os Sistemas de Gestão de Bases de Dados de
distribuição gratuita ( a começar pelo MySql) e também
outros de natureza comercial.

                                                            4
                                                            4
Representação esquemática da      arquitectura   e   do
funcionamento da tecnologia PHP




                                                          5
                                                          5
Como criar e executar scripts em
  PHP?
Para testarmos um script em PHP precisamos de ter
acesso a um servidor Web, ainda que este esteja só
instalado localmente no nosso computador. Assim, para
podermos visualizar num browser as páginas
programadas em PHP teremos de fazer o upload dos
ficheiros para um servidor que interprete esta
linguagem.
No nosso caso, vamos utilizar o software WampServer,
que junta todas as ferramentas necessárias para simular
um servidor localmente. É de distribuição gratuita –
freeware.
http://www.wampserver.com/en/download.php
                                                          6
                                                          6
                                                          6
PHP
(PHP HyperText PreProcessor)




                               7
Scripts PHP conjugados com código HTML




                                         8
►   Existem várias formas de conjugar scripts PHP com
    código HTML. Podem-se escrever documentos HTML em
    que o código PHP surge intercalado com o código HTML.
    As tags que indicam os scripts de PHP podem ter 4
    formas diferentes:

1 – Estilo XML: <?php... ?>;

2 – Estilo Abreviado: <? ...?>;

3 – Estilo ASP: <% ... %>;

4 – Estilo Script: <script language =‘php’ ... </script>

    A forma mais usual é o estilo XML(Extensible Markup
    Language).
                                                           9
Exemplo1 de script em PHP




Nota: a instrução “echo” permite
apresentar vários tipos de informação no
monitor.
                                           10
Exemplo2 de script em PHP




Nota: Em PHP podemos usar aspas
simples ou duplas e plicas para incluir
strings e outros elementos.
                                          11
Elementos Básicos da Linguagem PHP




                                     12
O PHP tal como o Javascript é uma linguagem C like, ou
seja, tem semelhanças com a linguagem C, a nível de
operadores, palavras chave, estruturas de controlo, etc.
No entanto, também existem algumas diferenças
importantes:

- Em PHP há a diferença entre maiúsculas e minúsculas
o PHP é Case Sensitive;
- Os nomes das variáveis começam sempre com o
caracter $;
- Os nomes das funções podem ser escritos com
maiúsculas ou minúsculas;
- Uma instrução termina com ; excepção é a instrução
que acaba junto a uma tag de fim de código ?> (aqui é
opcional o ;)

                                                           13
Continuação das diferenças na linguagem PHP:

- Um bloco de instruções é incluído dentro de chavetas;

- Os comentários inserem-se entre os sinais /* */ ou,
numa linha após um sinal // ou, #

Finalmente em PHP: os operadores, as estruturas de
controlo são os mesmos usados em C/C++, embora
estas últimas tenham sintaxes alternativas.
As funções criadas pelo programador têm uma estrutura
semelhante à usada no C/C++. Os nomes das funções
podem ser escritas com maiúsculas ou minúsculas.



                                                          14
Operadores Aritméticos




Operador                   Significado
   +        Adição
   -        Subtracção
   *        Produto
   /        Divisão
   %        Resto da divisão inteira




                                         15
Operadores Aritméticos de Atribuição

  Operador                     Significado
     +=      Adição seguida de atribuição
     -=      Subtracção seguida de atribuição
     *=      Produto seguido de atribuição
     /=      Divisão seguido de atribuição
    %=       Resto da divisão inteira seguido de atribuição



X+=Y => X=X+Y;

X-=Y => X=X-Y;

X*=Y => X=X*Y;

X/=Y => X=X/Y; X%=Y => X=X%Y
                                                              16
Operadores de Incremento e Decremento




          Operador      Significado
            ++       Incremento
             --      Decremento


X=++A => X=A+1 ; A=A+1

X=A++ => X=A ; A =A+1

X=-- A => X=A-1 ; A=A-1

X=A--; => X=A ; A=A-1
                                             17
Operadores Relacionais ou Comparativos

Operador                  Significado
  ==       Igual a
   !=      Diferente de
   <       Menor que
   >       Maior que
  >=       Maior ou igual que
  <=       Menor ou igual que
  ===      Igualdade Restrita
  !==      Desigualdade Restrita




                                         18
Exemplos de Utilização de vários Operadores em PHP

=== Igual restrito – retorna valor true se os dois operandos
forem iguais e do mesmo tipo.

!== Diferente restrito – retorna valor true se os dois
operandos forem de valor e/ou tipo diferente.
Exemplos:
               12<5 – false
               ‘12’<‘5’ – false
               ‘12’<5 – false ( o ‘12’ é convertido em 12)
               ‘5’ == 5 – true ( o ‘5’ é convertido em 5)
               ‘5’ ===5 – false
               ‘5’!== 5 - true


                                                         19
Operadores Lógicos




            Operador              Significado
                !         Not – negação
               &&         And - conjunção
               ||         Or - disjunção


(3==3) && (3<=3) => True

(3==3) || ( 3 !=3) => True

!( 3==5) => True

                                                20
Operador de Junção de strings




   Operador               Significado
           .      Junção de strings


   Operador de Indicação de Tipo


Operador                       Significado
 Gettype       Avalia o tipo de dados que uma variável
               assumiu num dado momento




                                                         21
Utilização de Variáveis em PHP

•Em PHP, não existe declaração prévia de variáveis.

•Em PHP, uma variável passa a existir quando o seu nome é
escrito pela primeira vez. Normalmente, isso acontece
numa instrução de atribuição, em que uma variável recebe
um determinado valor , por exemplo: $X =10

•O tipo de dados de uma variável é determinado pelo último
valor que lhe foi atribuído.




                                                       22
Tipos de Dados em PHP

•Em PHP, apesar de não existirem palavras próprias para
definir os tipos de dados a que as variáveis pertencem,
existem, implicitamente, os principais tipos de dados
primitivos:

•Booleanos ou lógicos;
•Números inteiros;
•Números reais ou do tipo floating point;
•Strings ou cadeias de caracteres.


Para além destes referidos existem outros como: array,
object, resource (recurso) e o tipo especial Null.
                                                    23
Exemplo de script em PHP em que se usam vários
tipos de dados




Nota: Em PHP podemos definir constantes
com a função define(constante,valor). Por
exemplo: define(TAXA, 0.19).
                                                 24
Variáveis Globais e Locais em PHP

•Em PHP, por defeito as variáveis são locais, pelo que
não são acessíveis em todo o código.




                                                    25
Variáveis Globais e Locais em PHP

Por vezes, poderá ser necessário declarar variáveis
que necessitem de existir durante todo o código
(Variáveis Globais) ou apenas em certos momentos
do código (Variáveis Locais).




                                                 26
Exemplo1:
Uma variável definida dentro de uma função só existe dentro dessa função.

<?php
$a=3;
function ver() {
  $b=$a+2;
  echo $b;}
ver();
echo"<br>";
echo $a;
echo"<br>";
echo $b;
?>




                                                                            27
Exemplo 2:
Uma variável definida fora de uma função só existe fora dela.


<?php
$a=3;
function ver() {
  global $a;

  $b=$a+2;
  echo $b;}
ver();
echo"<br>";
echo $a;
echo"<br>";
echo $b;
?>



                                                                28
Estruturas de Controlo de Execução




                                     29
Estruturas de controlo

As estruturas de controlo usadas em PHP são muito
semelhantes às usadas em C/C++ ou Javascript.
No entanto, em PHP existem, para algumas destas
estruturas, sintaxes alternativas semelhantes às que
se usam em Visual Basic ou VBScript.




                                                  30
Estrutura de decisão “IF – else”

if (condição)
<bloco de instruções>;
[elseif (condição)
<bloco de instruções>; ]
[ else < bloco de instruções>;]


Esta estrutura é usada quando pretendemos executar acções distintas
dependendo das condições impostas.




                                                                 31
Exemplo “IF – else”

<?php
$x=5;
if ($x == 0)
        {echo "Número" .$x;}
elseif ($x==1)
        {echo "Número" .$x;}
else
        {echo "Número errado!!!" ;}
?>

Ficheiro: est_cont_if.php




                                                32
Exercício
Resolver o exercício anterior, mas para um valor de X qualquer dado pelo
utilizador.

        Resolução:

        Est_cont_if2.php

        Form_pedir_dados.php




                                                                           33
Sintaxe alternativa do “IF - Else”



if (condição)
<bloco de instruções>;
[elseif (condição):
<bloco de instruções>; ]
[ else:
< bloco de instruções>;]
endif;

Consiste em colocar 2 pontos após a condição if; após a condição
elseif (se existirem) e após a clausula else ( se esta existir). Indica-se
o fim da estrutura com a palavra endif.



                                                                      34
Estrutura de selecção “ Switch - Case”

switch (expressão/selector){
case valor1: <bloco de instruções_1>; break;
case valor2: <bloco de instruções_2>; break
…
[default: < bloco de instruções_n>;] }




                                                     35
Sintaxe alternativa do “Switch – Case”

switch (expressão/selector){
case valor1: <bloco de instruções_1>; break;
case valor2: <bloco de instruções_2>; break
…
[default: < bloco de instruções_n>;]
endswitch;


   Consiste em colocar 2 pontos após a expressão com base na qual
   é tomada a decisão. O final da estrutura acaba com a palavra
   endswitch e ponto e vírgula. Inclui-se também uma instrução
   “break” no final de cada case e bloco de instruções.




                                                               36
Estruturas de Controlo de Repetição
             (CICLOS)




                                      37
Ciclo WHILE

while (condição)
{<bloco de instruções>;}


Esta estrutura é usada quando pretendemos
executar acções distintas dependendo das condições
impostas.




                                                 38
Sintaxe alternativa “while”

while (condição):
{<bloco de instruções>;}
Endwhile;


   Consiste em colocar 2 pontos após a condição de avaliação
   do ciclo. O final da estrutura acaba com a palavra endwhile
   seguida de ponto e vírgula.
Ciclo DO - WHILE

do
{<bloco de instruções>}
while (condição);


Neste caso, o bloco de instruções do ciclo executa
sempre pelo menos uma vez, pois a condição de
controlo é colocada no final do ciclo.




                                                 40
Ciclo For

for (inicialização; condição;incremento)
{<bloco de instruções>;}
Ciclo Foreach

Este ciclo existente em PHP só pode ser usado com a
estrutura de dados ARRAY.




                                                  42
Funções




          43
As funções em PHP são parecidas Às funções
apresentadas no Javascript. São definidas pela
palavra Function podendo, receber ou não
parâmetros, bem como retornar ou não valores.

Sintaxe:

Function nome_da_função ($paramtero1, parametro2,…)
{
<Bloco de instruções>;
Return [$valor ou expressão];
}



                                                      44
Algumas vantagens das funções:

-Permitem que o código fique mais perceptível e
menos confuso.

- Deixa de haver necessidade de repetir determinado
código ao longo do programa;




                                                 45
Exemplo1:

Function alerta ( )
{
Echo “Dados incorrectos!”;
}


Exemplo2:

Function soma ($valor1, $valor2 )
{
$soma_val = $valor1 + $valor2;
Return $soma_val;
}
                                    46
Classes e Objectos
A linguagem PHP é do tipo POO (orientada a
objectos). Quer dizer que nesta linguagem existem
um conjunto de objectos que trocam mensagens
entre si. Imagine um objecto com nome “carro”.
Podemos definir este objecto como sendo um
conjunto de 4 rodas, volante, assentos, portas,
motor, etc. Quando pegamos no carro para o usar
não temos de pensar em todos os seus
componentes. Na programação o processo é o
mesmo...
Temos objectos constituídos por vários atributos
mas que se definem por uma só palavra. Para
criarmos um objecto, criamos primeiro uma classe.



                                               48
Classe – é um conjunto de funções e variáveis que
posteriormente     são   serão    concretizadas ou
instanciadas através de um objecto.
No exemplo seguinte será criada uma classe de
nome “humano”:
<?php
Class humano {
   Function cabeca () {
      echo “Olá eu sou a parte da cabeça!”;}
   Function tronco(){
      echo “Olá eu sou a parte do tronco”!;}
   Function membros () {
      echo “ Olá eu sou a parte dos membros!”;}
}
Continua no diapositivo seguinte…
                                                49
$X = new humano;          // declaração do objecto que representa a
classe humano e tem de ter o mesmo nome;
$X -> cabeca();
$X -> tronco();
$X -> membros();
?>

NOTA:
O acesso à classe faz-se através de um objecto
criado com o operador new seguido do nome da
classe respectiva.
Para acedermos ao conteúdo da classe(funções)
usamos o objecto criado, juntamente com o
operador -> e o nome da função.


                                                                 50
Strings, aspas e caracteres especiais em PHP




                                               51
Em PHP podemos escrever strings dentro de aspas
duplas ou simples.
-Instruções válidas:
echo “http//www.oi.com/”; echo “<br/>”;
echo ‘http//www.oi.com/’; echo ‘<br/>’;

-Instruções inválidas:

1 - echo ‘Developer´s Guide’;
2 - echo “CProgramas”;

Corrigindo:
1 - $t1 = “Developer´s Guide”; echo”Titulo: $t1 <br/>”; ou
echo ´Titulo: ‘.$t1.’<br/>’;
2 - echo “CProgramas”;


                                                        52
-Outros casos:

1 – Para escrevermos dentro de aspas:
echo “” Manual de PHP”;


2 – Para escrevermos o sinal $:
echo “ Valor em euros: $25.00”;




                                        53
Arrays




         54
Um array é uma estrutura de dados que recebe um
nome e pode conter um determinado número de
elementos todos do mesmo tipo de dados.
O acesso aos dados do array faz-se indicando o
nome do array e um índice (posição do elemento no
array). No PHP os índices começam em zero. Em
PHP, um array pode ser uma estrutura mais
complexa.
Sintaxe:

                $var = (valor1,valor2,…);

Exemplos:
$a =array(10,11,12); //Cria um array com 3 elementos
$nomes = array (‘Ana’,’Rui’,’Eva’);
                                                       55
Escrita dos valores de um array:

Echo $a[0]; // escreve 10
Echo $a[1];// escreve 11
Echo $a[2];// escreve 12

Ou

For($i=0;$i<3;$i++)
   echo $a[$i]. ’ <br/>’;




                                   56
Existe outro modo de criar um array em PHP.
Sintaxe:

                      $X [ ] = valor;
Exemplo:
$a[ ] = 3.14;
.Se ainda não existe o array $a, é criado um novo array
com 1 elemento.
.Se já existia o array $a, então é criado um novo elemento
e acrescentado ao array existente com o valor 3.14.

Um array assim criado começa só por ter 1 elemento. A
estes arrays podem ser acrescentados elementos em
qualquer altura. É aqui que surge a noção do ciclo
“Foreach”.
                                                        57
Ciclo Foreach

     Este ciclo pode ser usado de 2 modos diferentes:

            1 – foreach ($a as $valor) {instruções}
Exemplo:

    foreach ($a as $valor)
       echo $valor. ' <br/>';




                                                        58
Arrays associativos

Exemplo:


$N = array (‘Ana’ => 10; ‘Rui’ => 11; ‘Eva’ => 12);

O array $N tem a seguinte estrutura:
O 1ºelemento é identificado pela chave ’Ana’ e tem o valor 10;
O 2ºelemento é identificado pela chave ‘Rui’ e tem o valor 11….

Nota:
O array $_POST é um array associativo.



                                                           59
Funções em PHP




                 60
Funções em PHP

Sintaxe:

Function nome_função([parâmetros])
{
<instruções>
[return [valor ou expressão];]
}
Nota: em PHP não se indicam os tipos d edados dos
parâmetros, só os seus nomes.




                                               61

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PHP - Introdução
PHP - IntroduçãoPHP - Introdução
PHP - Introdução
Fabio Moura Pereira
 
Oficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScript
Oficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScriptOficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScript
Oficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScript
Raphael Donaire Albino
 
Minicurso PHP básico
Minicurso PHP básicoMinicurso PHP básico
Minicurso PHP básico
Cezar Souza
 
Mini Curso de PHP
Mini Curso de PHPMini Curso de PHP
Aula 02 - Introdução ao PHP
Aula 02 - Introdução ao PHPAula 02 - Introdução ao PHP
Aula 02 - Introdução ao PHP
Daniel Brandão
 
PHP - Strings
PHP - StringsPHP - Strings
PHP - Strings
Fabio Moura Pereira
 
PHP para aplicações Web de grande porte
PHP para aplicações Web  de grande portePHP para aplicações Web  de grande porte
PHP para aplicações Web de grande porte
Felipe Ribeiro
 
M5 php rc
M5 php rcM5 php rc
M5 php rc
Jose Silva
 
M5-Desenvolvimento-Paginas-Web
M5-Desenvolvimento-Paginas-WebM5-Desenvolvimento-Paginas-Web
M5-Desenvolvimento-Paginas-Web
diogoa21
 
Programação Web com PHP 7.x
Programação Web com PHP 7.xProgramação Web com PHP 7.x
Programação Web com PHP 7.x
Norton Guimarães
 
Curso de php do básico ao avançado
Curso de php do básico ao avançadoCurso de php do básico ao avançado
Curso de php do básico ao avançado
Thiago Carlos
 
Curso de PHP Básico ao Avançado
Curso de PHP Básico ao AvançadoCurso de PHP Básico ao Avançado
Curso de PHP Básico ao Avançado
Luiz Junior
 
Manual-de-php
Manual-de-phpManual-de-php
Manual-de-php
diogoa21
 
Desenvolvimento web: PHP orientado a objetos
Desenvolvimento web: PHP orientado a objetosDesenvolvimento web: PHP orientado a objetos
Desenvolvimento web: PHP orientado a objetos
Lucas Vegi
 
Php
PhpPhp
Segurança em Aplicações Web com PHP
Segurança em Aplicações Web com PHPSegurança em Aplicações Web com PHP
Segurança em Aplicações Web com PHP
Gedvan Dias
 
Introduçãso a linguagem c
Introduçãso a linguagem cIntroduçãso a linguagem c
Introduçãso a linguagem c
sergiocrespo
 
Apresentação Linguagem C
Apresentação Linguagem CApresentação Linguagem C
Apresentação Linguagem C
Ricardo Liyushiro Chikasawa
 
Aula03 PHP - Estruturas Condicionais
Aula03 PHP - Estruturas CondicionaisAula03 PHP - Estruturas Condicionais
Aula03 PHP - Estruturas Condicionais
Daniel Brandão
 
TDC2014 SP - C/C++ - Modularização de Código C
TDC2014 SP - C/C++ - Modularização de Código CTDC2014 SP - C/C++ - Modularização de Código C
TDC2014 SP - C/C++ - Modularização de Código C
Felipe de Andrade Neves Lavratti
 

Mais procurados (20)

PHP - Introdução
PHP - IntroduçãoPHP - Introdução
PHP - Introdução
 
Oficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScript
Oficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScriptOficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScript
Oficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScript
 
Minicurso PHP básico
Minicurso PHP básicoMinicurso PHP básico
Minicurso PHP básico
 
Mini Curso de PHP
Mini Curso de PHPMini Curso de PHP
Mini Curso de PHP
 
Aula 02 - Introdução ao PHP
Aula 02 - Introdução ao PHPAula 02 - Introdução ao PHP
Aula 02 - Introdução ao PHP
 
PHP - Strings
PHP - StringsPHP - Strings
PHP - Strings
 
PHP para aplicações Web de grande porte
PHP para aplicações Web  de grande portePHP para aplicações Web  de grande porte
PHP para aplicações Web de grande porte
 
M5 php rc
M5 php rcM5 php rc
M5 php rc
 
M5-Desenvolvimento-Paginas-Web
M5-Desenvolvimento-Paginas-WebM5-Desenvolvimento-Paginas-Web
M5-Desenvolvimento-Paginas-Web
 
Programação Web com PHP 7.x
Programação Web com PHP 7.xProgramação Web com PHP 7.x
Programação Web com PHP 7.x
 
Curso de php do básico ao avançado
Curso de php do básico ao avançadoCurso de php do básico ao avançado
Curso de php do básico ao avançado
 
Curso de PHP Básico ao Avançado
Curso de PHP Básico ao AvançadoCurso de PHP Básico ao Avançado
Curso de PHP Básico ao Avançado
 
Manual-de-php
Manual-de-phpManual-de-php
Manual-de-php
 
Desenvolvimento web: PHP orientado a objetos
Desenvolvimento web: PHP orientado a objetosDesenvolvimento web: PHP orientado a objetos
Desenvolvimento web: PHP orientado a objetos
 
Php
PhpPhp
Php
 
Segurança em Aplicações Web com PHP
Segurança em Aplicações Web com PHPSegurança em Aplicações Web com PHP
Segurança em Aplicações Web com PHP
 
Introduçãso a linguagem c
Introduçãso a linguagem cIntroduçãso a linguagem c
Introduçãso a linguagem c
 
Apresentação Linguagem C
Apresentação Linguagem CApresentação Linguagem C
Apresentação Linguagem C
 
Aula03 PHP - Estruturas Condicionais
Aula03 PHP - Estruturas CondicionaisAula03 PHP - Estruturas Condicionais
Aula03 PHP - Estruturas Condicionais
 
TDC2014 SP - C/C++ - Modularização de Código C
TDC2014 SP - C/C++ - Modularização de Código CTDC2014 SP - C/C++ - Modularização de Código C
TDC2014 SP - C/C++ - Modularização de Código C
 

Semelhante a Php m18

Guia php
Guia phpGuia php
PHP(I-Bim).ppt
PHP(I-Bim).pptPHP(I-Bim).ppt
PHP(I-Bim).ppt
MrcioSantos806520
 
PW01 - Introdução a programação em PHPv7
PW01 - Introdução a programação em PHPv7PW01 - Introdução a programação em PHPv7
PW01 - Introdução a programação em PHPv7
Silvano Oliveira
 
Aula 01 introdução ao php
Aula 01   introdução ao phpAula 01   introdução ao php
Aula 01 introdução ao php
Adriano Castro
 
Módulo de php
Módulo de phpMódulo de php
Pho Aula 02
Pho Aula 02Pho Aula 02
Pho Aula 02
GameFlixBR
 
LVI-Aula05
LVI-Aula05LVI-Aula05
LVI-Aula05
professor_josiel
 
LVI_Aula05
LVI_Aula05LVI_Aula05
LVI_Aula05
Josiel Lima
 
Aula3
Aula3Aula3
Aula3
softeam
 
Introdução ao desenvolvimento com PHP
Introdução ao desenvolvimento com PHPIntrodução ao desenvolvimento com PHP
Introdução ao desenvolvimento com PHP
Leonardo Soares
 
Aula10 -PHP
Aula10 -PHPAula10 -PHP
TP2 - TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET II_aula1.pptx
TP2 - TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET II_aula1.pptxTP2 - TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET II_aula1.pptx
TP2 - TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET II_aula1.pptx
Momento da Informática
 
Introdução ao PHP - Criação de sites II
Introdução ao PHP - Criação de sites IIIntrodução ao PHP - Criação de sites II
Introdução ao PHP - Criação de sites II
info_cimol
 
Curso completo php
Curso completo phpCurso completo php
Curso completo php
breninho94
 
Serversidephp pptx2-120418140114-phpapp01
Serversidephp pptx2-120418140114-phpapp01Serversidephp pptx2-120418140114-phpapp01
Serversidephp pptx2-120418140114-phpapp01
joaocarlobarros
 
Slides do cuso_php
Slides do cuso_phpSlides do cuso_php
Slides do cuso_php
Jesse Oliveira
 
Aprendendo PHP.pdf
Aprendendo PHP.pdfAprendendo PHP.pdf
Aprendendo PHP.pdf
ssuserad6350
 
4. Introdução ao PHP.pdf
4. Introdução ao PHP.pdf4. Introdução ao PHP.pdf
4. Introdução ao PHP.pdf
RubenManhia
 
PHP 5.3 - Introdução
PHP 5.3 - IntroduçãoPHP 5.3 - Introdução
PHP 5.3 - Introdução
George Mendonça
 
Desenvolvimento de Software I - USBWEBSERVER - PHP
Desenvolvimento de Software I - USBWEBSERVER - PHPDesenvolvimento de Software I - USBWEBSERVER - PHP
Desenvolvimento de Software I - USBWEBSERVER - PHP
Andréia Santos
 

Semelhante a Php m18 (20)

Guia php
Guia phpGuia php
Guia php
 
PHP(I-Bim).ppt
PHP(I-Bim).pptPHP(I-Bim).ppt
PHP(I-Bim).ppt
 
PW01 - Introdução a programação em PHPv7
PW01 - Introdução a programação em PHPv7PW01 - Introdução a programação em PHPv7
PW01 - Introdução a programação em PHPv7
 
Aula 01 introdução ao php
Aula 01   introdução ao phpAula 01   introdução ao php
Aula 01 introdução ao php
 
Módulo de php
Módulo de phpMódulo de php
Módulo de php
 
Pho Aula 02
Pho Aula 02Pho Aula 02
Pho Aula 02
 
LVI-Aula05
LVI-Aula05LVI-Aula05
LVI-Aula05
 
LVI_Aula05
LVI_Aula05LVI_Aula05
LVI_Aula05
 
Aula3
Aula3Aula3
Aula3
 
Introdução ao desenvolvimento com PHP
Introdução ao desenvolvimento com PHPIntrodução ao desenvolvimento com PHP
Introdução ao desenvolvimento com PHP
 
Aula10 -PHP
Aula10 -PHPAula10 -PHP
Aula10 -PHP
 
TP2 - TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET II_aula1.pptx
TP2 - TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET II_aula1.pptxTP2 - TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET II_aula1.pptx
TP2 - TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET II_aula1.pptx
 
Introdução ao PHP - Criação de sites II
Introdução ao PHP - Criação de sites IIIntrodução ao PHP - Criação de sites II
Introdução ao PHP - Criação de sites II
 
Curso completo php
Curso completo phpCurso completo php
Curso completo php
 
Serversidephp pptx2-120418140114-phpapp01
Serversidephp pptx2-120418140114-phpapp01Serversidephp pptx2-120418140114-phpapp01
Serversidephp pptx2-120418140114-phpapp01
 
Slides do cuso_php
Slides do cuso_phpSlides do cuso_php
Slides do cuso_php
 
Aprendendo PHP.pdf
Aprendendo PHP.pdfAprendendo PHP.pdf
Aprendendo PHP.pdf
 
4. Introdução ao PHP.pdf
4. Introdução ao PHP.pdf4. Introdução ao PHP.pdf
4. Introdução ao PHP.pdf
 
PHP 5.3 - Introdução
PHP 5.3 - IntroduçãoPHP 5.3 - Introdução
PHP 5.3 - Introdução
 
Desenvolvimento de Software I - USBWEBSERVER - PHP
Desenvolvimento de Software I - USBWEBSERVER - PHPDesenvolvimento de Software I - USBWEBSERVER - PHP
Desenvolvimento de Software I - USBWEBSERVER - PHP
 

Último

Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 

Php m18

  • 1. PHP 1
  • 2. Introdução (1) O PHP é uma linguagem de programação de scripts para serem interpretados no lado dos servidores. Numa fase inicial(1995), o PHP surgiu com o significado = Personal Home Pages, com um conjunto de ferramentas de tipo CGI. Mas diversos factores contribuíram para que o PHP conhecesse uma grande difusão entre os programadores de Web Sites e, actualmente, a sigla PHP tem o seguinte significado: PHP Hypertext PreProcessor. 2 2
  • 3. Introdução(2) O PHP é uma linguagem interpretada, tal como o Javascript. Mas, enquanto que o código Javascript é interpretado no próprio browser que recebe a página HTML, o código PHP é interpretado no servidor que envia a página. Assim, quando abrimos um documento HTML com um script em Javascript, podemos pedir para ver o código desse script no browser; mas quando recebemos uma página web que tem um script PHP na sua origem, apenas podemos ver no nosso browser o código HTML. 3 3
  • 4. Factores de ajuda ao grande êxito do PHP: -É uma tecnologia distribuída gratuitamente; - Tem excelente capacidade de articulação com: - Os servidores Web mais divulgados, designadamente: o Apache (gratuito) e o IIS (Internet Information Server) comercializado pela Microsoft. - Os Sistemas de Gestão de Bases de Dados de distribuição gratuita ( a começar pelo MySql) e também outros de natureza comercial. 4 4
  • 5. Representação esquemática da arquitectura e do funcionamento da tecnologia PHP 5 5
  • 6. Como criar e executar scripts em PHP? Para testarmos um script em PHP precisamos de ter acesso a um servidor Web, ainda que este esteja só instalado localmente no nosso computador. Assim, para podermos visualizar num browser as páginas programadas em PHP teremos de fazer o upload dos ficheiros para um servidor que interprete esta linguagem. No nosso caso, vamos utilizar o software WampServer, que junta todas as ferramentas necessárias para simular um servidor localmente. É de distribuição gratuita – freeware. http://www.wampserver.com/en/download.php 6 6 6
  • 8. Scripts PHP conjugados com código HTML 8
  • 9. Existem várias formas de conjugar scripts PHP com código HTML. Podem-se escrever documentos HTML em que o código PHP surge intercalado com o código HTML. As tags que indicam os scripts de PHP podem ter 4 formas diferentes: 1 – Estilo XML: <?php... ?>; 2 – Estilo Abreviado: <? ...?>; 3 – Estilo ASP: <% ... %>; 4 – Estilo Script: <script language =‘php’ ... </script> A forma mais usual é o estilo XML(Extensible Markup Language). 9
  • 10. Exemplo1 de script em PHP Nota: a instrução “echo” permite apresentar vários tipos de informação no monitor. 10
  • 11. Exemplo2 de script em PHP Nota: Em PHP podemos usar aspas simples ou duplas e plicas para incluir strings e outros elementos. 11
  • 12. Elementos Básicos da Linguagem PHP 12
  • 13. O PHP tal como o Javascript é uma linguagem C like, ou seja, tem semelhanças com a linguagem C, a nível de operadores, palavras chave, estruturas de controlo, etc. No entanto, também existem algumas diferenças importantes: - Em PHP há a diferença entre maiúsculas e minúsculas o PHP é Case Sensitive; - Os nomes das variáveis começam sempre com o caracter $; - Os nomes das funções podem ser escritos com maiúsculas ou minúsculas; - Uma instrução termina com ; excepção é a instrução que acaba junto a uma tag de fim de código ?> (aqui é opcional o ;) 13
  • 14. Continuação das diferenças na linguagem PHP: - Um bloco de instruções é incluído dentro de chavetas; - Os comentários inserem-se entre os sinais /* */ ou, numa linha após um sinal // ou, # Finalmente em PHP: os operadores, as estruturas de controlo são os mesmos usados em C/C++, embora estas últimas tenham sintaxes alternativas. As funções criadas pelo programador têm uma estrutura semelhante à usada no C/C++. Os nomes das funções podem ser escritas com maiúsculas ou minúsculas. 14
  • 15. Operadores Aritméticos Operador Significado + Adição - Subtracção * Produto / Divisão % Resto da divisão inteira 15
  • 16. Operadores Aritméticos de Atribuição Operador Significado += Adição seguida de atribuição -= Subtracção seguida de atribuição *= Produto seguido de atribuição /= Divisão seguido de atribuição %= Resto da divisão inteira seguido de atribuição X+=Y => X=X+Y; X-=Y => X=X-Y; X*=Y => X=X*Y; X/=Y => X=X/Y; X%=Y => X=X%Y 16
  • 17. Operadores de Incremento e Decremento Operador Significado ++ Incremento -- Decremento X=++A => X=A+1 ; A=A+1 X=A++ => X=A ; A =A+1 X=-- A => X=A-1 ; A=A-1 X=A--; => X=A ; A=A-1 17
  • 18. Operadores Relacionais ou Comparativos Operador Significado == Igual a != Diferente de < Menor que > Maior que >= Maior ou igual que <= Menor ou igual que === Igualdade Restrita !== Desigualdade Restrita 18
  • 19. Exemplos de Utilização de vários Operadores em PHP === Igual restrito – retorna valor true se os dois operandos forem iguais e do mesmo tipo. !== Diferente restrito – retorna valor true se os dois operandos forem de valor e/ou tipo diferente. Exemplos: 12<5 – false ‘12’<‘5’ – false ‘12’<5 – false ( o ‘12’ é convertido em 12) ‘5’ == 5 – true ( o ‘5’ é convertido em 5) ‘5’ ===5 – false ‘5’!== 5 - true 19
  • 20. Operadores Lógicos Operador Significado ! Not – negação && And - conjunção || Or - disjunção (3==3) && (3<=3) => True (3==3) || ( 3 !=3) => True !( 3==5) => True 20
  • 21. Operador de Junção de strings Operador Significado . Junção de strings Operador de Indicação de Tipo Operador Significado Gettype Avalia o tipo de dados que uma variável assumiu num dado momento 21
  • 22. Utilização de Variáveis em PHP •Em PHP, não existe declaração prévia de variáveis. •Em PHP, uma variável passa a existir quando o seu nome é escrito pela primeira vez. Normalmente, isso acontece numa instrução de atribuição, em que uma variável recebe um determinado valor , por exemplo: $X =10 •O tipo de dados de uma variável é determinado pelo último valor que lhe foi atribuído. 22
  • 23. Tipos de Dados em PHP •Em PHP, apesar de não existirem palavras próprias para definir os tipos de dados a que as variáveis pertencem, existem, implicitamente, os principais tipos de dados primitivos: •Booleanos ou lógicos; •Números inteiros; •Números reais ou do tipo floating point; •Strings ou cadeias de caracteres. Para além destes referidos existem outros como: array, object, resource (recurso) e o tipo especial Null. 23
  • 24. Exemplo de script em PHP em que se usam vários tipos de dados Nota: Em PHP podemos definir constantes com a função define(constante,valor). Por exemplo: define(TAXA, 0.19). 24
  • 25. Variáveis Globais e Locais em PHP •Em PHP, por defeito as variáveis são locais, pelo que não são acessíveis em todo o código. 25
  • 26. Variáveis Globais e Locais em PHP Por vezes, poderá ser necessário declarar variáveis que necessitem de existir durante todo o código (Variáveis Globais) ou apenas em certos momentos do código (Variáveis Locais). 26
  • 27. Exemplo1: Uma variável definida dentro de uma função só existe dentro dessa função. <?php $a=3; function ver() { $b=$a+2; echo $b;} ver(); echo"<br>"; echo $a; echo"<br>"; echo $b; ?> 27
  • 28. Exemplo 2: Uma variável definida fora de uma função só existe fora dela. <?php $a=3; function ver() { global $a; $b=$a+2; echo $b;} ver(); echo"<br>"; echo $a; echo"<br>"; echo $b; ?> 28
  • 29. Estruturas de Controlo de Execução 29
  • 30. Estruturas de controlo As estruturas de controlo usadas em PHP são muito semelhantes às usadas em C/C++ ou Javascript. No entanto, em PHP existem, para algumas destas estruturas, sintaxes alternativas semelhantes às que se usam em Visual Basic ou VBScript. 30
  • 31. Estrutura de decisão “IF – else” if (condição) <bloco de instruções>; [elseif (condição) <bloco de instruções>; ] [ else < bloco de instruções>;] Esta estrutura é usada quando pretendemos executar acções distintas dependendo das condições impostas. 31
  • 32. Exemplo “IF – else” <?php $x=5; if ($x == 0) {echo "Número" .$x;} elseif ($x==1) {echo "Número" .$x;} else {echo "Número errado!!!" ;} ?> Ficheiro: est_cont_if.php 32
  • 33. Exercício Resolver o exercício anterior, mas para um valor de X qualquer dado pelo utilizador. Resolução: Est_cont_if2.php Form_pedir_dados.php 33
  • 34. Sintaxe alternativa do “IF - Else” if (condição) <bloco de instruções>; [elseif (condição): <bloco de instruções>; ] [ else: < bloco de instruções>;] endif; Consiste em colocar 2 pontos após a condição if; após a condição elseif (se existirem) e após a clausula else ( se esta existir). Indica-se o fim da estrutura com a palavra endif. 34
  • 35. Estrutura de selecção “ Switch - Case” switch (expressão/selector){ case valor1: <bloco de instruções_1>; break; case valor2: <bloco de instruções_2>; break … [default: < bloco de instruções_n>;] } 35
  • 36. Sintaxe alternativa do “Switch – Case” switch (expressão/selector){ case valor1: <bloco de instruções_1>; break; case valor2: <bloco de instruções_2>; break … [default: < bloco de instruções_n>;] endswitch; Consiste em colocar 2 pontos após a expressão com base na qual é tomada a decisão. O final da estrutura acaba com a palavra endswitch e ponto e vírgula. Inclui-se também uma instrução “break” no final de cada case e bloco de instruções. 36
  • 37. Estruturas de Controlo de Repetição (CICLOS) 37
  • 38. Ciclo WHILE while (condição) {<bloco de instruções>;} Esta estrutura é usada quando pretendemos executar acções distintas dependendo das condições impostas. 38
  • 39. Sintaxe alternativa “while” while (condição): {<bloco de instruções>;} Endwhile; Consiste em colocar 2 pontos após a condição de avaliação do ciclo. O final da estrutura acaba com a palavra endwhile seguida de ponto e vírgula.
  • 40. Ciclo DO - WHILE do {<bloco de instruções>} while (condição); Neste caso, o bloco de instruções do ciclo executa sempre pelo menos uma vez, pois a condição de controlo é colocada no final do ciclo. 40
  • 41. Ciclo For for (inicialização; condição;incremento) {<bloco de instruções>;}
  • 42. Ciclo Foreach Este ciclo existente em PHP só pode ser usado com a estrutura de dados ARRAY. 42
  • 43. Funções 43
  • 44. As funções em PHP são parecidas Às funções apresentadas no Javascript. São definidas pela palavra Function podendo, receber ou não parâmetros, bem como retornar ou não valores. Sintaxe: Function nome_da_função ($paramtero1, parametro2,…) { <Bloco de instruções>; Return [$valor ou expressão]; } 44
  • 45. Algumas vantagens das funções: -Permitem que o código fique mais perceptível e menos confuso. - Deixa de haver necessidade de repetir determinado código ao longo do programa; 45
  • 46. Exemplo1: Function alerta ( ) { Echo “Dados incorrectos!”; } Exemplo2: Function soma ($valor1, $valor2 ) { $soma_val = $valor1 + $valor2; Return $soma_val; } 46
  • 48. A linguagem PHP é do tipo POO (orientada a objectos). Quer dizer que nesta linguagem existem um conjunto de objectos que trocam mensagens entre si. Imagine um objecto com nome “carro”. Podemos definir este objecto como sendo um conjunto de 4 rodas, volante, assentos, portas, motor, etc. Quando pegamos no carro para o usar não temos de pensar em todos os seus componentes. Na programação o processo é o mesmo... Temos objectos constituídos por vários atributos mas que se definem por uma só palavra. Para criarmos um objecto, criamos primeiro uma classe. 48
  • 49. Classe – é um conjunto de funções e variáveis que posteriormente são serão concretizadas ou instanciadas através de um objecto. No exemplo seguinte será criada uma classe de nome “humano”: <?php Class humano { Function cabeca () { echo “Olá eu sou a parte da cabeça!”;} Function tronco(){ echo “Olá eu sou a parte do tronco”!;} Function membros () { echo “ Olá eu sou a parte dos membros!”;} } Continua no diapositivo seguinte… 49
  • 50. $X = new humano; // declaração do objecto que representa a classe humano e tem de ter o mesmo nome; $X -> cabeca(); $X -> tronco(); $X -> membros(); ?> NOTA: O acesso à classe faz-se através de um objecto criado com o operador new seguido do nome da classe respectiva. Para acedermos ao conteúdo da classe(funções) usamos o objecto criado, juntamente com o operador -> e o nome da função. 50
  • 51. Strings, aspas e caracteres especiais em PHP 51
  • 52. Em PHP podemos escrever strings dentro de aspas duplas ou simples. -Instruções válidas: echo “http//www.oi.com/”; echo “<br/>”; echo ‘http//www.oi.com/’; echo ‘<br/>’; -Instruções inválidas: 1 - echo ‘Developer´s Guide’; 2 - echo “CProgramas”; Corrigindo: 1 - $t1 = “Developer´s Guide”; echo”Titulo: $t1 <br/>”; ou echo ´Titulo: ‘.$t1.’<br/>’; 2 - echo “CProgramas”; 52
  • 53. -Outros casos: 1 – Para escrevermos dentro de aspas: echo “” Manual de PHP”; 2 – Para escrevermos o sinal $: echo “ Valor em euros: $25.00”; 53
  • 54. Arrays 54
  • 55. Um array é uma estrutura de dados que recebe um nome e pode conter um determinado número de elementos todos do mesmo tipo de dados. O acesso aos dados do array faz-se indicando o nome do array e um índice (posição do elemento no array). No PHP os índices começam em zero. Em PHP, um array pode ser uma estrutura mais complexa. Sintaxe: $var = (valor1,valor2,…); Exemplos: $a =array(10,11,12); //Cria um array com 3 elementos $nomes = array (‘Ana’,’Rui’,’Eva’); 55
  • 56. Escrita dos valores de um array: Echo $a[0]; // escreve 10 Echo $a[1];// escreve 11 Echo $a[2];// escreve 12 Ou For($i=0;$i<3;$i++) echo $a[$i]. ’ <br/>’; 56
  • 57. Existe outro modo de criar um array em PHP. Sintaxe: $X [ ] = valor; Exemplo: $a[ ] = 3.14; .Se ainda não existe o array $a, é criado um novo array com 1 elemento. .Se já existia o array $a, então é criado um novo elemento e acrescentado ao array existente com o valor 3.14. Um array assim criado começa só por ter 1 elemento. A estes arrays podem ser acrescentados elementos em qualquer altura. É aqui que surge a noção do ciclo “Foreach”. 57
  • 58. Ciclo Foreach Este ciclo pode ser usado de 2 modos diferentes: 1 – foreach ($a as $valor) {instruções} Exemplo: foreach ($a as $valor) echo $valor. ' <br/>'; 58
  • 59. Arrays associativos Exemplo: $N = array (‘Ana’ => 10; ‘Rui’ => 11; ‘Eva’ => 12); O array $N tem a seguinte estrutura: O 1ºelemento é identificado pela chave ’Ana’ e tem o valor 10; O 2ºelemento é identificado pela chave ‘Rui’ e tem o valor 11…. Nota: O array $_POST é um array associativo. 59
  • 61. Funções em PHP Sintaxe: Function nome_função([parâmetros]) { <instruções> [return [valor ou expressão];] } Nota: em PHP não se indicam os tipos d edados dos parâmetros, só os seus nomes. 61