SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
O Fim da Corrida A reforma do praticante desportivo
Uno cree que el fútbol no se termina nunca. Pero se termina, y cuando no se les puede dar más goles a los hijos, uno no sabe qué hacer.  Diego Maradona, 7/12/99, Fiesta de Clarín
Os praticantes desportivos vêem-se confrontados, no seu dia-a-dia, por um conjunto de situações de difícil interpretação e difícil gestão, além de acontecimentos espontâneos, associados a novos interesses. Muitas vezes, nestes casos a solução adoptada reflecte-se no abandono ou na antecipação do final de carreira.  O auge no desporto tem um período curto em relação à vida real do ser humano. Como é do conhecimento geral, a carreira desportiva de qualquer atleta é relativamente curta (Brito 1994), e desenvolve-se durante um período em que as sociedades investem na formação dos seus cidadãos para serem indivíduos produtivos. A reforma do praticante desportivo
A reforma do praticante desportivo Constata-se que o envolvimento na prática desportiva tende a ser mais prolongado. De acordo com alguns investigadores (Scanlan et col., 1993a,1993b, Lavallee, Wylemnan, 2000),várias razões são encontradas para explicar o envolvimento prolongado na prática desportiva.
A reforma do praticante desportivo •  Prazer na prática Estudos sobre os factores psicológicos da prática desportiva comprovam a importância decisiva da motivação intrínseca no envolvimento continuado e empenhado no desporto. Pelo contrário, a prevalência de factores extrínsecos, materiais (dinheiro) ou sociais (prestígio), são responsáveis por percentagens significativas de abandono.
A reforma do praticante desportivo •  Investimentos pessoais na prática desportiva O processo de treino/competição representa muito para o atleta que nele investe muito tempo e energia retirados a outras actividades, eventualmente com retorno de prazer mais breve. Há também um significativo investimento de recursos materiais e financeiros, muitas vezes associado ao longo caminho do rendimento desportivo.
A reforma do praticante desportivo •  Oportunidades proporcionadas pela participação no sistema desportivo Há investimentos na prática, porém também surgem benefícios que prendem os desportistas à sua condição de atleta, tais como a diferenciação social, maior ou menor exposição pública, recompensas materiais, viagens, acesso a outros estratos sociais, entre outros.
A reforma do praticante desportivo •  Expectativas sociais relativas ao desportista A dimensão pública do desporto leva a que o atleta corra o risco de perder o controle de algumas dimensões do seu comportamento. Muitas vezes surgem pressões do envolvimento desportivo que dificultam a decisão de mudar o rumo da própria vida. De igual forma, a percepção do atleta sobre o que os outros esperam dele pode ser um factor motivacional decisivo para manter o empenho.
A reforma do praticante desportivo ,[object Object],[object Object]
A reforma do praticante desportivo Stambulova, (1995):  A principal razão da satisfação numa carreira desportiva é a coordenação entre o nível de objectivos do atleta e o seu nível de alcance. Se o nível alcançado é igual ou superior ao nível de objectivos traçados, então existem razões para saírem satisfeitos. crises (Stambulova,1993; 1994;1995). Modelo Teórico Simbólico da Carreira Desportiva
A reforma do praticante desportivo Modelo Teórico Simbólico da Carreira Desportiva   Este modelo baseia-se na análise do percurso da carreira desportiva no qual é expresso pela predição de patamares de desenvolvimento. A lógica temporal da carreira desportiva é representada por períodos de actividades plurianuais: a preparação, o início, a culminação e o fim. As fases de transição entre cada um dos períodos da carreira desportiva podem gerar crises. (Stambulova, 1993)
A reforma do praticante desportivo ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A reforma do praticante desportivo Transição de Carreira Desportiva:   Evento ou não evento, que resulta numa troca nas suposições sobre si mesmo e sobre o mundo e assim exige uma mudança correspondente nos relacionamentos e comportamentos (Scholssberg, Wylemnan et al, 1999). O atleta durante a sua carreira desportiva, e depois dela, deverá passar por vários estágios, cada um deles com exigências específicas que requerem ajustamentos nas esferas da vida ocupacional, financeira, social e psicológica.
A reforma do praticante desportivo As transições podem ser:  Positivas , quando existem pré-condições para o ajustamento, permitindo um rápido desenlace; Negativas , quando há muito esforço para se adaptar às novas exigências ou falta de habilidade de ajustamento, criando sintomas e configurando uma situação de declínio ou estagnação no desporto (Brandão et al, 2000).
A reforma do praticante desportivo A Recta Final Um tipo especial de transição, com a capacidade de ilustrar os padrões complexos de mudança e estabilidade, é o abandono ou retirada do desporto. Uma carreira em desporto, como já foi referido, é muito mais curta do que muitas outras carreiras ou ocupações. Isto levanta mais problemas.
A reforma do praticante desportivo A Recta Final ,[object Object],[object Object],[object Object]
A reforma do praticante desportivo A Recta Final ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A reforma do praticante desportivo Adaptação à Reforma Desportiva "Alguns antigos praticantes têm dificuldades durante o processo de transição da sua carreira desportiva para uma outra forma de vida. Essa transição geralmente acontece numa idade ainda relativamente jovem e alguns deles não estão preparados para se confrontarem com este processo. No entanto, também é importante saber que, para outros, sair do desporto de alto nível é uma forma de alívio - um escape"  (Miller, 1999)
A reforma do praticante desportivo Adaptação à Reforma Desportiva Para Coakley (1983), o abandono desportivo não causa necessariamente uma reacção de stress em todos os atletas. A qualidade de adaptação ao abandono dependerá dos passos prévios do processo de abandono, existindo uma variedade de factores psicológicos, sociais e ambientais que determinarão a natureza da resposta. Estudos de Mihovilovic (1968) reportaram incidentes de abuso de álcool e drogas, participação em actividades criminais e ansiedade significativa, depressão aguda e outros problemas emocionais a seguir ao abandono.
A reforma do praticante desportivo Adaptação à Reforma Desportiva Harris & Harris (1984) também referem que atletas que tenham problemas com as suas carreiras desportivas, tendo que as interromper sem antecipadamente planear soluções, tendem para o abuso de álcool, de drogas, sofrem depressões, são hostis, e apresentam outros factores comportamentais indesejáveis. Provavelmente, a causa de tais condutas poderá estar no investimento significativo de grande parte das suas vidas às suas modalidades (Schmid & Schilling, 1997).
A reforma do praticante desportivo Adaptação à Reforma Desportiva A razão pela qual alguns ex-atletas obtêm êxito e outros falham na tentativa de reintegração numa nova vida, ainda não foi profundamente estudada. Wyleman (1999) afirma que, de entre as pesquisas realizadas com o objectivo de avaliar os aspectos problemáticos a serem enfrentados pelos atletas durante os períodos de transição de carreira desportiva, o principal objectivo está no desenvolvimento de uma abordagem psicológica específica. Esta será de grande valia na ajuda da solução de problemas enfrentados por ex-atletas que necessitam de uma readaptação à sua nova vida.
A reforma do praticante desportivo Adaptação à Reforma Desportiva Para o autor, as pesquisas devem focar 4 tópicos: 1 - Ampliar a visão dos psicólogos do desporto sobre a transição de carreira, principalmente nas transições pós-atléticas, as quais podem afectar o ex-atleta na sua nova situação psicossocial; 2 – Realizar pesquisas cross-culturais, bem como dentro de uma mesma população de atletas;
A reforma do praticante desportivo Adaptação à Reforma Desportiva 3 - Desenvolver uma metodologia específica para assuntos de transição de carreira no desporto. Avaliar os determinantes e as consequências dos períodos de transição pode permitir um processo de análise que levará os pesquisadores a encontrar diferenças intra e inter-individuais, assim como determinantes psicológicos e sociais; 4 - Utilizar uma abordagem multi-metodológica para um maior entendimento sobre o processo de retirada desportiva, proporcionando uma base empírica para a estrutura de novos programas de transição de carreira.
A reforma do praticante desportivo Medidas para uma Boa Adaptação do Ex-atleta ,[object Object],[object Object]
A reforma do praticante desportivo Medidas para uma Boa Adaptação do Ex-atleta ,[object Object],[object Object]
A reforma do praticante desportivo Estudos efectuados nesta área: Para Stambulova (1997), os resultados do seu estudo efectuado com atletas russos, evidenciaram que a maioria optou por colocar um final à sua carreira desportiva na "altura certa", tendo sido um processo gradual e voluntário. Medidas para uma Boa Adaptação do Ex-atleta
A reforma do praticante desportivo Medidas para uma Boa Adaptação do Ex-atleta ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A reforma do praticante desportivo Medidas para uma Boa Adaptação do Ex-atleta ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A reforma do praticante desportivo Em suma: “ Reuniões de aconselhamento estruturadas de forma a consciencializar o atleta para a realidade futura que o aguarda; identificação e interpretação do nível de apoio e suporte social externo e interno que o atleta dispõe para suportar o seu abandono desportivo; mostrar aos atletas que têm certas características, experiências e perspectivas, que podem ser apreciadas por potenciais empregadores e amigos; ensinar aos atletas que a sua nova actividade também requer o uso das suas capacidades mentais.” (Miller,1999). Medidas para uma Boa Adaptação do Ex-atleta

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O Fim Da Corrida

Oliveira hospital abril2014-dalp
Oliveira hospital abril2014-dalpOliveira hospital abril2014-dalp
Oliveira hospital abril2014-dalpLuis Sénica
 
Apresentação sport bro's (plano de projecto)
Apresentação sport bro's (plano de projecto)Apresentação sport bro's (plano de projecto)
Apresentação sport bro's (plano de projecto)Vasco Tereno
 
Especialização precoce
Especialização precoceEspecialização precoce
Especialização precoceCBatista5
 
11111111111111111111asd
11111111111111111111asd11111111111111111111asd
11111111111111111111asdAlbano
 
Periodização seminário
Periodização seminárioPeriodização seminário
Periodização seminárioMiguel Leal
 
Uma discusso da participao e competio de adolescentes
Uma discusso da participao e competio de adolescentesUma discusso da participao e competio de adolescentes
Uma discusso da participao e competio de adolescentesMayara Silveira
 
Análise dos Quadros Competitivos dos escalões de Sub-7, Sub-8, Sub-9 e Sub-10...
Análise dos Quadros Competitivos dos escalões de Sub-7, Sub-8, Sub-9 e Sub-10...Análise dos Quadros Competitivos dos escalões de Sub-7, Sub-8, Sub-9 e Sub-10...
Análise dos Quadros Competitivos dos escalões de Sub-7, Sub-8, Sub-9 e Sub-10...Rui Horta
 
Análise dos Quadros Competitivos dos Escalões de Sub-7, 8, 9 e 10 em Portugal...
Análise dos Quadros Competitivos dos Escalões de Sub-7, 8, 9 e 10 em Portugal...Análise dos Quadros Competitivos dos Escalões de Sub-7, 8, 9 e 10 em Portugal...
Análise dos Quadros Competitivos dos Escalões de Sub-7, 8, 9 e 10 em Portugal...Filipe Campos
 

Semelhante a O Fim Da Corrida (9)

Oliveira hospital abril2014-dalp
Oliveira hospital abril2014-dalpOliveira hospital abril2014-dalp
Oliveira hospital abril2014-dalp
 
Apresentação sport bro's (plano de projecto)
Apresentação sport bro's (plano de projecto)Apresentação sport bro's (plano de projecto)
Apresentação sport bro's (plano de projecto)
 
Especialização precoce
Especialização precoceEspecialização precoce
Especialização precoce
 
11111111111111111111asd
11111111111111111111asd11111111111111111111asd
11111111111111111111asd
 
Periodização seminário
Periodização seminárioPeriodização seminário
Periodização seminário
 
Uma discusso da participao e competio de adolescentes
Uma discusso da participao e competio de adolescentesUma discusso da participao e competio de adolescentes
Uma discusso da participao e competio de adolescentes
 
Guia de orientação da ginástica laboral.pdf
Guia de orientação da ginástica laboral.pdfGuia de orientação da ginástica laboral.pdf
Guia de orientação da ginástica laboral.pdf
 
Análise dos Quadros Competitivos dos escalões de Sub-7, Sub-8, Sub-9 e Sub-10...
Análise dos Quadros Competitivos dos escalões de Sub-7, Sub-8, Sub-9 e Sub-10...Análise dos Quadros Competitivos dos escalões de Sub-7, Sub-8, Sub-9 e Sub-10...
Análise dos Quadros Competitivos dos escalões de Sub-7, Sub-8, Sub-9 e Sub-10...
 
Análise dos Quadros Competitivos dos Escalões de Sub-7, 8, 9 e 10 em Portugal...
Análise dos Quadros Competitivos dos Escalões de Sub-7, 8, 9 e 10 em Portugal...Análise dos Quadros Competitivos dos Escalões de Sub-7, 8, 9 e 10 em Portugal...
Análise dos Quadros Competitivos dos Escalões de Sub-7, 8, 9 e 10 em Portugal...
 

Último

01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 

Último (11)

01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 

O Fim Da Corrida

  • 1. O Fim da Corrida A reforma do praticante desportivo
  • 2. Uno cree que el fútbol no se termina nunca. Pero se termina, y cuando no se les puede dar más goles a los hijos, uno no sabe qué hacer. Diego Maradona, 7/12/99, Fiesta de Clarín
  • 3. Os praticantes desportivos vêem-se confrontados, no seu dia-a-dia, por um conjunto de situações de difícil interpretação e difícil gestão, além de acontecimentos espontâneos, associados a novos interesses. Muitas vezes, nestes casos a solução adoptada reflecte-se no abandono ou na antecipação do final de carreira. O auge no desporto tem um período curto em relação à vida real do ser humano. Como é do conhecimento geral, a carreira desportiva de qualquer atleta é relativamente curta (Brito 1994), e desenvolve-se durante um período em que as sociedades investem na formação dos seus cidadãos para serem indivíduos produtivos. A reforma do praticante desportivo
  • 4. A reforma do praticante desportivo Constata-se que o envolvimento na prática desportiva tende a ser mais prolongado. De acordo com alguns investigadores (Scanlan et col., 1993a,1993b, Lavallee, Wylemnan, 2000),várias razões são encontradas para explicar o envolvimento prolongado na prática desportiva.
  • 5. A reforma do praticante desportivo • Prazer na prática Estudos sobre os factores psicológicos da prática desportiva comprovam a importância decisiva da motivação intrínseca no envolvimento continuado e empenhado no desporto. Pelo contrário, a prevalência de factores extrínsecos, materiais (dinheiro) ou sociais (prestígio), são responsáveis por percentagens significativas de abandono.
  • 6. A reforma do praticante desportivo • Investimentos pessoais na prática desportiva O processo de treino/competição representa muito para o atleta que nele investe muito tempo e energia retirados a outras actividades, eventualmente com retorno de prazer mais breve. Há também um significativo investimento de recursos materiais e financeiros, muitas vezes associado ao longo caminho do rendimento desportivo.
  • 7. A reforma do praticante desportivo • Oportunidades proporcionadas pela participação no sistema desportivo Há investimentos na prática, porém também surgem benefícios que prendem os desportistas à sua condição de atleta, tais como a diferenciação social, maior ou menor exposição pública, recompensas materiais, viagens, acesso a outros estratos sociais, entre outros.
  • 8. A reforma do praticante desportivo • Expectativas sociais relativas ao desportista A dimensão pública do desporto leva a que o atleta corra o risco de perder o controle de algumas dimensões do seu comportamento. Muitas vezes surgem pressões do envolvimento desportivo que dificultam a decisão de mudar o rumo da própria vida. De igual forma, a percepção do atleta sobre o que os outros esperam dele pode ser um factor motivacional decisivo para manter o empenho.
  • 9.
  • 10. A reforma do praticante desportivo Stambulova, (1995): A principal razão da satisfação numa carreira desportiva é a coordenação entre o nível de objectivos do atleta e o seu nível de alcance. Se o nível alcançado é igual ou superior ao nível de objectivos traçados, então existem razões para saírem satisfeitos. crises (Stambulova,1993; 1994;1995). Modelo Teórico Simbólico da Carreira Desportiva
  • 11. A reforma do praticante desportivo Modelo Teórico Simbólico da Carreira Desportiva Este modelo baseia-se na análise do percurso da carreira desportiva no qual é expresso pela predição de patamares de desenvolvimento. A lógica temporal da carreira desportiva é representada por períodos de actividades plurianuais: a preparação, o início, a culminação e o fim. As fases de transição entre cada um dos períodos da carreira desportiva podem gerar crises. (Stambulova, 1993)
  • 12.
  • 13. A reforma do praticante desportivo Transição de Carreira Desportiva: Evento ou não evento, que resulta numa troca nas suposições sobre si mesmo e sobre o mundo e assim exige uma mudança correspondente nos relacionamentos e comportamentos (Scholssberg, Wylemnan et al, 1999). O atleta durante a sua carreira desportiva, e depois dela, deverá passar por vários estágios, cada um deles com exigências específicas que requerem ajustamentos nas esferas da vida ocupacional, financeira, social e psicológica.
  • 14. A reforma do praticante desportivo As transições podem ser: Positivas , quando existem pré-condições para o ajustamento, permitindo um rápido desenlace; Negativas , quando há muito esforço para se adaptar às novas exigências ou falta de habilidade de ajustamento, criando sintomas e configurando uma situação de declínio ou estagnação no desporto (Brandão et al, 2000).
  • 15. A reforma do praticante desportivo A Recta Final Um tipo especial de transição, com a capacidade de ilustrar os padrões complexos de mudança e estabilidade, é o abandono ou retirada do desporto. Uma carreira em desporto, como já foi referido, é muito mais curta do que muitas outras carreiras ou ocupações. Isto levanta mais problemas.
  • 16.
  • 17.
  • 18. A reforma do praticante desportivo Adaptação à Reforma Desportiva "Alguns antigos praticantes têm dificuldades durante o processo de transição da sua carreira desportiva para uma outra forma de vida. Essa transição geralmente acontece numa idade ainda relativamente jovem e alguns deles não estão preparados para se confrontarem com este processo. No entanto, também é importante saber que, para outros, sair do desporto de alto nível é uma forma de alívio - um escape" (Miller, 1999)
  • 19. A reforma do praticante desportivo Adaptação à Reforma Desportiva Para Coakley (1983), o abandono desportivo não causa necessariamente uma reacção de stress em todos os atletas. A qualidade de adaptação ao abandono dependerá dos passos prévios do processo de abandono, existindo uma variedade de factores psicológicos, sociais e ambientais que determinarão a natureza da resposta. Estudos de Mihovilovic (1968) reportaram incidentes de abuso de álcool e drogas, participação em actividades criminais e ansiedade significativa, depressão aguda e outros problemas emocionais a seguir ao abandono.
  • 20. A reforma do praticante desportivo Adaptação à Reforma Desportiva Harris & Harris (1984) também referem que atletas que tenham problemas com as suas carreiras desportivas, tendo que as interromper sem antecipadamente planear soluções, tendem para o abuso de álcool, de drogas, sofrem depressões, são hostis, e apresentam outros factores comportamentais indesejáveis. Provavelmente, a causa de tais condutas poderá estar no investimento significativo de grande parte das suas vidas às suas modalidades (Schmid & Schilling, 1997).
  • 21. A reforma do praticante desportivo Adaptação à Reforma Desportiva A razão pela qual alguns ex-atletas obtêm êxito e outros falham na tentativa de reintegração numa nova vida, ainda não foi profundamente estudada. Wyleman (1999) afirma que, de entre as pesquisas realizadas com o objectivo de avaliar os aspectos problemáticos a serem enfrentados pelos atletas durante os períodos de transição de carreira desportiva, o principal objectivo está no desenvolvimento de uma abordagem psicológica específica. Esta será de grande valia na ajuda da solução de problemas enfrentados por ex-atletas que necessitam de uma readaptação à sua nova vida.
  • 22. A reforma do praticante desportivo Adaptação à Reforma Desportiva Para o autor, as pesquisas devem focar 4 tópicos: 1 - Ampliar a visão dos psicólogos do desporto sobre a transição de carreira, principalmente nas transições pós-atléticas, as quais podem afectar o ex-atleta na sua nova situação psicossocial; 2 – Realizar pesquisas cross-culturais, bem como dentro de uma mesma população de atletas;
  • 23. A reforma do praticante desportivo Adaptação à Reforma Desportiva 3 - Desenvolver uma metodologia específica para assuntos de transição de carreira no desporto. Avaliar os determinantes e as consequências dos períodos de transição pode permitir um processo de análise que levará os pesquisadores a encontrar diferenças intra e inter-individuais, assim como determinantes psicológicos e sociais; 4 - Utilizar uma abordagem multi-metodológica para um maior entendimento sobre o processo de retirada desportiva, proporcionando uma base empírica para a estrutura de novos programas de transição de carreira.
  • 24.
  • 25.
  • 26. A reforma do praticante desportivo Estudos efectuados nesta área: Para Stambulova (1997), os resultados do seu estudo efectuado com atletas russos, evidenciaram que a maioria optou por colocar um final à sua carreira desportiva na "altura certa", tendo sido um processo gradual e voluntário. Medidas para uma Boa Adaptação do Ex-atleta
  • 27.
  • 28.
  • 29. A reforma do praticante desportivo Em suma: “ Reuniões de aconselhamento estruturadas de forma a consciencializar o atleta para a realidade futura que o aguarda; identificação e interpretação do nível de apoio e suporte social externo e interno que o atleta dispõe para suportar o seu abandono desportivo; mostrar aos atletas que têm certas características, experiências e perspectivas, que podem ser apreciadas por potenciais empregadores e amigos; ensinar aos atletas que a sua nova actividade também requer o uso das suas capacidades mentais.” (Miller,1999). Medidas para uma Boa Adaptação do Ex-atleta