SlideShare uma empresa Scribd logo
Pequeno manual da prática de
    afiação de lâminas.

      Marcos Soares Ramos Cabete
Introdução.
• Afiar uma lâmina         • resultado que se quer e
  pode ser um ato            se estamos afiando
  simples que muitas         uma faca de dois reais
  pessoas fazem na           ou uma obra de arte de
  beirada da pia ou uma      algumas centenas ou
  arte complexa que          milhares de dólares.
  requer anos de estudos   • Este manual é básico e
  e pratica. Depende         introdutório ao
  basicamente do             assunto.
Materiais abrasivos para afiação.
• Existe uma infinidade
  de materiais abrasivos
  desde aqueles
  impregnados de
  diamantes sintéticos
  até pedras naturais e
  artificiais. As pedras
  artificiais combinadas
  são as de melhor
  custo/benefício para o
  iniciante.
Pedra sintética combinada.
             • A pedra combinada
               apresenta faces com
               diferentes
               agressividades. Uma
               mais grossa para
               desbaste e outra mais
               fina para afinar o
               gume afinando-o até
               limites aceitáveis.
Temperando a pedra de afiar.
• A pedra de afiar é
  porosa e absorve os
  líquidos refrigerantes.
  Para fechar os poros
  usaremos vaselina
  sólida e uma vasilha
  para derreter em
  banho-maria. Fôrmas
  de assar pães são
  ótimas para a tarefa.
Derretendo em banho-maria.
             • Não aqueça
               diretamente sob risco
               de graves acidentes.
               Coloque a vasilha com
               a pedra e a vaselina
               em uma outra com
               água. Algumas gotas
               de vinagre na água
               impedirão que a
               assadeira manche.
Temperando ...
• Aguarde a vaselina se
  liqüefazer totalmente e
  observe que a pedra
  soltará bolhas de ar
  que estão dando lugar
  à vaselina que penetra
  nos poros e os
  preenche.
Enquanto saírem bolhas continue
                • Enquanto saírem
                  bolhas significa que
                  está ocorrendo
                  penetração da
                  vaselina. A têmpera
                  termina quando parar
                  de sair ar da pedra de
                  afiar. Vire-a uma vez
                  durante o processo.
Retire a pedra escorra e deixe
     esfriar. Está pronta!
Onde irá fazer suas afiações?
• A afiação precisa ser feita em posição
  confortável pois é repetitiva e pode causar-
  lhe uma “LER” ( lesão por esforço
  repetitivo ). No método apresentado você
  precisará trabalhar de pé com a pedra em
  uma altura confortável e fixada ou pelo
  menos em uma caixa com fundo anti-
  derrapante.
Suportes ou caixas.
• Os suportes de alumínio fundido podem ser
  presos em cantos de pias ou mesas. Podem
  ser encontrados em lojas que vendem
  produtos para açougues e restaurantes.
• Pode também fazer uma caixa mais baixa
  que a pedra cortando uma destas “tábuas de
  carne” brancas e colando as peças com cola
  quente. Cole algo anti derrapante no fundo.
Pedra temperada e posicionada.
• A afiação começará
  pelo lado mais grosso
  da pedra portanto
  sempre que terminar
  uma afiação lave a
  pedra ( só água ) e já
  deixe-a nesta posição.
• Não aperte em excesso
  os parafusos.
Líquido refrigerante.
           • Evite óleos e outras
             melecas difíceis de
             limpar.
           • O mestre Flavio
             Duprat usa uma
             mistura de glicerina,
             água e álcool. É ótima
             no uso e na limpeza.
Líquidos são necessários ?
• Os líquidos refrigerantes são necessários
  pois removem as partículas metálicas que se
  soltam na afiação e principalmente esfriam
  o finíssimo metal do gume evitando que
  perca sua dureza original.
• Na falta de outra coisa use água pura
  mesmo mas não use óleos minerais que
  deixarão cheiro e gosto desagradável.
Posicionamento corporal
• A posição do corpo
  deve fixar o ângulo de
  afiação da lâmina.
• O movimento de vai e
  vem do corpo e não
  das mãos é que fará a
  afiação.
• Esta prática favorece
  manter o ângulo.
Afiando do outro lado.
           • A mudança do pé de
             apoio e da posição
             corporal favorece a
             afiação do outro lado
             da lâmina.
           • Ao se ninar um bebe é
             o nosso corpo que vai-
             e-vem. Lembre-se
             disto ao afiar.
Afiando no lado grosso da pedra.
• O movimento deve ser
  sempre à partir do pé
  da lâmina para a ponta
  percorrendo toda a
  extensão da pedra.
• Movimentos
  uniformes e
  cadenciados mantendo
  o ângulo de afiação.
Está na hora de virar a lâmina?
                • Passe os dedos do lado
                  contrário ao que está
                  afiando até perceber
                  que “levantou” uma
                  fina rebarba ao longo
                  de todo o fio. Esta é a
                  hora de virar a lâmina.
                • Movimente os dedos à
                  favor do fio.
Não trabalhe à seco.
• Secou coloque mais
  líquido.
• Com o tempo e prática
  aprenderá a usar o
  movimento de voltar a
  lâmina para trazer de
  volta um pouco do
  líquido espalhando-o
  sobre a pedra.
Agora do outro lado!
          • Lembre-se, comece
            sempre no pé da
            lâmina este hábito
            evita que a faca e a
            pedra selem ( formem
            depressões arqueadas )
          • Procure manter o
            mesmo ângulo que
            usou do outro lado.
Formou a rebarbinha do outro
              lado?
• Certifique-se que a
  rebarba existe ao
  longo de todo o fio e
  não apenas em partes
  dele.
• Vire novamente (
  ainda no lado grosso )
  e recomeçe só que
  com menor pressão.
Quando virar a pedra para o lado
             fino?
• Vá alternando a afiação na face grossa
  sempre checando a formação da rebarba.
• A cada ciclo diminua a pressão sobre a
  lâmina. A rebarbinha ficará também mais
  delicada.
• Vá até o ponto de trabalhar só com o peso
  da lâmina e não sentir mais a formação da
  rebarba. Este é o momento de virar a pedra.
Vire a pedra de afiar e fixe-a.
• Aproveite a virada da
  pedra para limpar o
  lado que usou ( passar
  sob a torneira ).
• Lubrifique o lado fino
  com o líquido
  refrigerante que usa e
  recomece a afiação
  nos mesmos ângulos.
Jogue com o corpo e joelhos !
Formou rebarbinha vire a lâmina.
• Mesmo do lado fino
  da pedra ocorre a
  formação da rebarba,
  agora bem mais baixa
  e fina.
• Não deixe faltar
  liquido pois agora o
  gume está mais fino e
  sensível ao calor!
Vá diminuindo a pressão vertical
Quando parar ?
• A afiação tem que ter um objetivo, uma
  meta.
• Você quer a faca para se depilar ou para
  cortar uma picanha?
• Se o objetivo é cortar picanha e não a
  depilação por que levar a afiação até o
  ponto de “cortar pêlos”? Para acabar mais
  rapidamente com sua faca e comprar outra?
Assentando o fio.
• Prefira as chairas mais
  lisas, a chaira não tem
  o objetivo de afiar e
  sim de assentar e dar
  polimento ao fio.
• Lembre-se que a
  chaira TEM QUE SER
  MAIS DURA QUE O
  AÇO DA LÂMINA.
Mantenha o mesmo ângulo usado
          na afiação.
               • Não se preocupe em
                 fazer movimentos
                 rápidos como os
                 açougueiros que são
                 profissionais.
               • Sinta o contato da
                 lâmina com a chaira e
                 perceba que vai
                 ficando mas suave.
Assentamento no couro.
• Em casos extremos
  como navalhas e
  afiações finíssimas
  pode necessitar
  assentar o fio em uma
  tira de couro.
• Neste caso os
  movimentos são à
  favor do fio.
Como testar o fio ?
          • O correto é testar no
            material que irá cortar.
          • Normalmente usa-se
            uma folha de papel. A
            lâmina deve cortar
            com facilidade e
            deslizar suavemente
            sem o efeito “serra”.
          • Experimente !
E as lâminas grandes ?
• Divida-as em setores,
  se necessário
  marcando com fita
  crepe e afie cada setor
  de uma vez como se
  fossem lâminas
  independentes.
DO PÉ PARA A PONTA
      SEMPRE!
Dicas:
•   Ângulos usuais ( entre lâmina e pedra )
•   15 a 17 graus - bisturís e navalhas.
•   17 a 20 graus - trabalho com carnes/peixes.
•   20 a 23 graus - canivetes, facas de caça.
•   23 a 25 graus - facas para serviços pesados.
•   25 a 30 graus - facões, cutelos, machados.
Mais dicas:
• Existem lâminas, em especial de inox
  ordinário que só se consegue alguma
  afiação com ângulos mais abertos.
• Existem lâminas, em especial algumas semi
  artesanais que são feitas com aços
  exageradamente duros e só conseguirá afiar
  com pedras diamantadas ou com lixadeiras.
• Use tábuas de carne de madeiras macias.
Finalizando, por enquanto ...
• A afiação de lâminas é algo parecido com o
  sexo.
• É gostoso de se ver mas dá muito mais
  prazer se você mesmo fizer!
• A prática melhora o desempenho!
• Não exite em experimentar novas posições!
• Mas faça com segurança!
Já evoluímos um pouquinho ...
• cabete@brascopper.com.br
   • mcabete@ig.com.br
   • Ribeirão Preto - SP

Mais conteúdo relacionado

Mais de Paulo Mello

R.o relatório de ocorrência operacional
R.o   relatório de ocorrência operacionalR.o   relatório de ocorrência operacional
R.o relatório de ocorrência operacional
Paulo Mello
 
Manual do guerreiro urbano
Manual do guerreiro  urbanoManual do guerreiro  urbano
Manual do guerreiro urbano
Paulo Mello
 
Bastão retrátil
Bastão retrátilBastão retrátil
Bastão retrátil
Paulo Mello
 
Manual de Vigilante - Curso de Formação
Manual de Vigilante - Curso de FormaçãoManual de Vigilante - Curso de Formação
Manual de Vigilante - Curso de Formação
Paulo Mello
 
Manual de Padrões de Seguranca 5 s
Manual de Padrões de Seguranca 5 sManual de Padrões de Seguranca 5 s
Manual de Padrões de Seguranca 5 s
Paulo Mello
 
Cartilha do 1º DP Polícia Civil Dicas de Segurança
Cartilha do 1º DP Polícia Civil Dicas de SegurançaCartilha do 1º DP Polícia Civil Dicas de Segurança
Cartilha do 1º DP Polícia Civil Dicas de Segurança
Paulo Mello
 
Cartilha de Escolta Armada
Cartilha de Escolta ArmadaCartilha de Escolta Armada
Cartilha de Escolta Armada
Paulo Mello
 
Cartilha da Polícia Federal
Cartilha da Polícia FederalCartilha da Polícia Federal
Cartilha da Polícia Federal
Paulo Mello
 
Cartilha Casa Segura inmetro
Cartilha Casa Segura inmetroCartilha Casa Segura inmetro
Cartilha Casa Segura inmetro
Paulo Mello
 
Manual do Guerreiro Urbano
Manual do Guerreiro UrbanoManual do Guerreiro Urbano
Manual do Guerreiro Urbano
Paulo Mello
 
Manual de Sobrevivência.
Manual de Sobrevivência.Manual de Sobrevivência.
Manual de Sobrevivência.
Paulo Mello
 
Manual de Sobrevivência no Mar
Manual de Sobrevivência no MarManual de Sobrevivência no Mar
Manual de Sobrevivência no Mar
Paulo Mello
 
Manual de Sobrevivência na Terra
Manual de Sobrevivência na TerraManual de Sobrevivência na Terra
Manual de Sobrevivência na Terra
Paulo Mello
 
Manual de Sobrevivência na Selva
Manual de Sobrevivência na SelvaManual de Sobrevivência na Selva
Manual de Sobrevivência na Selva
Paulo Mello
 
Manual de Facatanto
Manual de FacatantoManual de Facatanto
Manual de Facatanto
Paulo Mello
 
Manual de Arma Branca de Combate Sotai Fighter
Manual de Arma Branca de Combate   Sotai FighterManual de Arma Branca de Combate   Sotai Fighter
Manual de Arma Branca de Combate Sotai Fighter
Paulo Mello
 
Kombato
KombatoKombato
Kombato
Paulo Mello
 
Kit de Sobrevivência
Kit de SobrevivênciaKit de Sobrevivência
Kit de Sobrevivência
Paulo Mello
 
Kit de Sobrevivência do Guerreiro
Kit de Sobrevivência do GuerreiroKit de Sobrevivência do Guerreiro
Kit de Sobrevivência do Guerreiro
Paulo Mello
 
Filosofia do Combate
Filosofia do CombateFilosofia do Combate
Filosofia do Combate
Paulo Mello
 

Mais de Paulo Mello (20)

R.o relatório de ocorrência operacional
R.o   relatório de ocorrência operacionalR.o   relatório de ocorrência operacional
R.o relatório de ocorrência operacional
 
Manual do guerreiro urbano
Manual do guerreiro  urbanoManual do guerreiro  urbano
Manual do guerreiro urbano
 
Bastão retrátil
Bastão retrátilBastão retrátil
Bastão retrátil
 
Manual de Vigilante - Curso de Formação
Manual de Vigilante - Curso de FormaçãoManual de Vigilante - Curso de Formação
Manual de Vigilante - Curso de Formação
 
Manual de Padrões de Seguranca 5 s
Manual de Padrões de Seguranca 5 sManual de Padrões de Seguranca 5 s
Manual de Padrões de Seguranca 5 s
 
Cartilha do 1º DP Polícia Civil Dicas de Segurança
Cartilha do 1º DP Polícia Civil Dicas de SegurançaCartilha do 1º DP Polícia Civil Dicas de Segurança
Cartilha do 1º DP Polícia Civil Dicas de Segurança
 
Cartilha de Escolta Armada
Cartilha de Escolta ArmadaCartilha de Escolta Armada
Cartilha de Escolta Armada
 
Cartilha da Polícia Federal
Cartilha da Polícia FederalCartilha da Polícia Federal
Cartilha da Polícia Federal
 
Cartilha Casa Segura inmetro
Cartilha Casa Segura inmetroCartilha Casa Segura inmetro
Cartilha Casa Segura inmetro
 
Manual do Guerreiro Urbano
Manual do Guerreiro UrbanoManual do Guerreiro Urbano
Manual do Guerreiro Urbano
 
Manual de Sobrevivência.
Manual de Sobrevivência.Manual de Sobrevivência.
Manual de Sobrevivência.
 
Manual de Sobrevivência no Mar
Manual de Sobrevivência no MarManual de Sobrevivência no Mar
Manual de Sobrevivência no Mar
 
Manual de Sobrevivência na Terra
Manual de Sobrevivência na TerraManual de Sobrevivência na Terra
Manual de Sobrevivência na Terra
 
Manual de Sobrevivência na Selva
Manual de Sobrevivência na SelvaManual de Sobrevivência na Selva
Manual de Sobrevivência na Selva
 
Manual de Facatanto
Manual de FacatantoManual de Facatanto
Manual de Facatanto
 
Manual de Arma Branca de Combate Sotai Fighter
Manual de Arma Branca de Combate   Sotai FighterManual de Arma Branca de Combate   Sotai Fighter
Manual de Arma Branca de Combate Sotai Fighter
 
Kombato
KombatoKombato
Kombato
 
Kit de Sobrevivência
Kit de SobrevivênciaKit de Sobrevivência
Kit de Sobrevivência
 
Kit de Sobrevivência do Guerreiro
Kit de Sobrevivência do GuerreiroKit de Sobrevivência do Guerreiro
Kit de Sobrevivência do Guerreiro
 
Filosofia do Combate
Filosofia do CombateFilosofia do Combate
Filosofia do Combate
 

Manual Prático de Afiação de Lâminas

  • 1. Pequeno manual da prática de afiação de lâminas. Marcos Soares Ramos Cabete
  • 2. Introdução. • Afiar uma lâmina • resultado que se quer e pode ser um ato se estamos afiando simples que muitas uma faca de dois reais pessoas fazem na ou uma obra de arte de beirada da pia ou uma algumas centenas ou arte complexa que milhares de dólares. requer anos de estudos • Este manual é básico e e pratica. Depende introdutório ao basicamente do assunto.
  • 3. Materiais abrasivos para afiação. • Existe uma infinidade de materiais abrasivos desde aqueles impregnados de diamantes sintéticos até pedras naturais e artificiais. As pedras artificiais combinadas são as de melhor custo/benefício para o iniciante.
  • 4. Pedra sintética combinada. • A pedra combinada apresenta faces com diferentes agressividades. Uma mais grossa para desbaste e outra mais fina para afinar o gume afinando-o até limites aceitáveis.
  • 5. Temperando a pedra de afiar. • A pedra de afiar é porosa e absorve os líquidos refrigerantes. Para fechar os poros usaremos vaselina sólida e uma vasilha para derreter em banho-maria. Fôrmas de assar pães são ótimas para a tarefa.
  • 6. Derretendo em banho-maria. • Não aqueça diretamente sob risco de graves acidentes. Coloque a vasilha com a pedra e a vaselina em uma outra com água. Algumas gotas de vinagre na água impedirão que a assadeira manche.
  • 7. Temperando ... • Aguarde a vaselina se liqüefazer totalmente e observe que a pedra soltará bolhas de ar que estão dando lugar à vaselina que penetra nos poros e os preenche.
  • 8. Enquanto saírem bolhas continue • Enquanto saírem bolhas significa que está ocorrendo penetração da vaselina. A têmpera termina quando parar de sair ar da pedra de afiar. Vire-a uma vez durante o processo.
  • 9. Retire a pedra escorra e deixe esfriar. Está pronta!
  • 10. Onde irá fazer suas afiações? • A afiação precisa ser feita em posição confortável pois é repetitiva e pode causar- lhe uma “LER” ( lesão por esforço repetitivo ). No método apresentado você precisará trabalhar de pé com a pedra em uma altura confortável e fixada ou pelo menos em uma caixa com fundo anti- derrapante.
  • 11. Suportes ou caixas. • Os suportes de alumínio fundido podem ser presos em cantos de pias ou mesas. Podem ser encontrados em lojas que vendem produtos para açougues e restaurantes. • Pode também fazer uma caixa mais baixa que a pedra cortando uma destas “tábuas de carne” brancas e colando as peças com cola quente. Cole algo anti derrapante no fundo.
  • 12. Pedra temperada e posicionada. • A afiação começará pelo lado mais grosso da pedra portanto sempre que terminar uma afiação lave a pedra ( só água ) e já deixe-a nesta posição. • Não aperte em excesso os parafusos.
  • 13. Líquido refrigerante. • Evite óleos e outras melecas difíceis de limpar. • O mestre Flavio Duprat usa uma mistura de glicerina, água e álcool. É ótima no uso e na limpeza.
  • 14. Líquidos são necessários ? • Os líquidos refrigerantes são necessários pois removem as partículas metálicas que se soltam na afiação e principalmente esfriam o finíssimo metal do gume evitando que perca sua dureza original. • Na falta de outra coisa use água pura mesmo mas não use óleos minerais que deixarão cheiro e gosto desagradável.
  • 15. Posicionamento corporal • A posição do corpo deve fixar o ângulo de afiação da lâmina. • O movimento de vai e vem do corpo e não das mãos é que fará a afiação. • Esta prática favorece manter o ângulo.
  • 16. Afiando do outro lado. • A mudança do pé de apoio e da posição corporal favorece a afiação do outro lado da lâmina. • Ao se ninar um bebe é o nosso corpo que vai- e-vem. Lembre-se disto ao afiar.
  • 17. Afiando no lado grosso da pedra. • O movimento deve ser sempre à partir do pé da lâmina para a ponta percorrendo toda a extensão da pedra. • Movimentos uniformes e cadenciados mantendo o ângulo de afiação.
  • 18. Está na hora de virar a lâmina? • Passe os dedos do lado contrário ao que está afiando até perceber que “levantou” uma fina rebarba ao longo de todo o fio. Esta é a hora de virar a lâmina. • Movimente os dedos à favor do fio.
  • 19. Não trabalhe à seco. • Secou coloque mais líquido. • Com o tempo e prática aprenderá a usar o movimento de voltar a lâmina para trazer de volta um pouco do líquido espalhando-o sobre a pedra.
  • 20. Agora do outro lado! • Lembre-se, comece sempre no pé da lâmina este hábito evita que a faca e a pedra selem ( formem depressões arqueadas ) • Procure manter o mesmo ângulo que usou do outro lado.
  • 21. Formou a rebarbinha do outro lado? • Certifique-se que a rebarba existe ao longo de todo o fio e não apenas em partes dele. • Vire novamente ( ainda no lado grosso ) e recomeçe só que com menor pressão.
  • 22. Quando virar a pedra para o lado fino? • Vá alternando a afiação na face grossa sempre checando a formação da rebarba. • A cada ciclo diminua a pressão sobre a lâmina. A rebarbinha ficará também mais delicada. • Vá até o ponto de trabalhar só com o peso da lâmina e não sentir mais a formação da rebarba. Este é o momento de virar a pedra.
  • 23. Vire a pedra de afiar e fixe-a. • Aproveite a virada da pedra para limpar o lado que usou ( passar sob a torneira ). • Lubrifique o lado fino com o líquido refrigerante que usa e recomece a afiação nos mesmos ângulos.
  • 24. Jogue com o corpo e joelhos !
  • 25. Formou rebarbinha vire a lâmina. • Mesmo do lado fino da pedra ocorre a formação da rebarba, agora bem mais baixa e fina. • Não deixe faltar liquido pois agora o gume está mais fino e sensível ao calor!
  • 26. Vá diminuindo a pressão vertical
  • 27. Quando parar ? • A afiação tem que ter um objetivo, uma meta. • Você quer a faca para se depilar ou para cortar uma picanha? • Se o objetivo é cortar picanha e não a depilação por que levar a afiação até o ponto de “cortar pêlos”? Para acabar mais rapidamente com sua faca e comprar outra?
  • 28. Assentando o fio. • Prefira as chairas mais lisas, a chaira não tem o objetivo de afiar e sim de assentar e dar polimento ao fio. • Lembre-se que a chaira TEM QUE SER MAIS DURA QUE O AÇO DA LÂMINA.
  • 29. Mantenha o mesmo ângulo usado na afiação. • Não se preocupe em fazer movimentos rápidos como os açougueiros que são profissionais. • Sinta o contato da lâmina com a chaira e perceba que vai ficando mas suave.
  • 30. Assentamento no couro. • Em casos extremos como navalhas e afiações finíssimas pode necessitar assentar o fio em uma tira de couro. • Neste caso os movimentos são à favor do fio.
  • 31. Como testar o fio ? • O correto é testar no material que irá cortar. • Normalmente usa-se uma folha de papel. A lâmina deve cortar com facilidade e deslizar suavemente sem o efeito “serra”. • Experimente !
  • 32. E as lâminas grandes ? • Divida-as em setores, se necessário marcando com fita crepe e afie cada setor de uma vez como se fossem lâminas independentes.
  • 33. DO PÉ PARA A PONTA SEMPRE!
  • 34. Dicas: • Ângulos usuais ( entre lâmina e pedra ) • 15 a 17 graus - bisturís e navalhas. • 17 a 20 graus - trabalho com carnes/peixes. • 20 a 23 graus - canivetes, facas de caça. • 23 a 25 graus - facas para serviços pesados. • 25 a 30 graus - facões, cutelos, machados.
  • 35. Mais dicas: • Existem lâminas, em especial de inox ordinário que só se consegue alguma afiação com ângulos mais abertos. • Existem lâminas, em especial algumas semi artesanais que são feitas com aços exageradamente duros e só conseguirá afiar com pedras diamantadas ou com lixadeiras. • Use tábuas de carne de madeiras macias.
  • 36. Finalizando, por enquanto ... • A afiação de lâminas é algo parecido com o sexo. • É gostoso de se ver mas dá muito mais prazer se você mesmo fizer! • A prática melhora o desempenho! • Não exite em experimentar novas posições! • Mas faça com segurança!
  • 37. Já evoluímos um pouquinho ...
  • 38. • cabete@brascopper.com.br • mcabete@ig.com.br • Ribeirão Preto - SP