SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Livreto ieq-20161103
3
4
Expediente
Presidente da Igreja do Evangelho Quadrangular
Rev. Mario de Oliveira
Secretaria Geral de Comunicação
Rev. Carlos Cezar
Secretaria Geral de Administração e Finanças
Rev. Celso Nascimento
Projeto Gráfico
Fernando Silveira
Coordenação Editorial
Denise Ávila
Textos
Pastora Ignez T. R. Scotti
Revisão
Gisele Soares
5
Paz seja contigo!
Desde os primórdios da Igreja primitiva, pessoas têm ouvido a men-
sagem do evangelho de Cristo em todo mundo, mas quando Aimee Semple
McPherson entendeu a grande revelação que Deus estava lhe dando através
da visão de Ezequiel (Ez. 1), nasceu a Igreja do Evangelho Quadrangular, uma
Igreja que reflete o amor de Deus a todos que a ela chegam.
No Brasil, comemoramos este ano o 65º Aniversário da IEQ, trazida
para cá por Harold Edwin Willians, um missionário movido pelo amor às almas
e que não desistiu de seu sonho de levar a Palavra do Senhor a outra nação,
mesmo frente às inúmeras dificuldades que enfrentou. Seu coração ardia por
pregar o evangelho fora de seu país e Deus o encaminhou até nós, dando-nos
a oportunidade e o privilégio de conhecer Jesus e entender os planos de Deus
para a humanidade.
O Evangelho Quadrangular é uma mensagem completa que mostra
todas as faces desses planos divinos, trazendo a cada um dos fiéis a plena
compreensão do amor e da vontade do Senhor para eles. Cristo não veio
apenas para pregar e operar milagres enquanto esteve na terra. Sua obra vai
muito além disto, pois Ele veio para salvar, curar, nos enviar o Consolador e nos
garantir que voltará para nos buscar e nos levar para o nosso lar ao lado do
Pai nos céus.
Neste livreto, você vai encontrar com detalhes cada uma das doutri-
nas cardinais de nossa Igreja e também receberá um esboço detalhado como
sugestão de base para sua pregação. Nossa sugestão é que você ministre a
cada domingo do mês de novembro uma das doutrinas da IEQ, mostrando
aos membros de sua Igreja local o quão maravilhoso é a base do ministério
Quadrangular, uma visão que nasceu do coração de Deus para o
coração do homem.
“Prega a palavra, insista, quer seja oportuno, quer não,
corrige, repreende, exorta com toda longanimidade e doutrina”
e “cumpre teu ministério.” (II Timóteo 4.2 e 5d).
Rev. Mario de Oliveira
Presidente Nacional da Igreja do Evangelho Quadrangular
6
Quadrangular - A Luz que Resplandece
Nem sempre atentamos para a importância da história de nossa
Igreja e nos esquecemos de contar o quanto ela foi preciosa e repleta de mo-
mentos incríveis com o direcionamento de Deus sobre os homens e mulheres
desbravadores e corajosos que não mediram esforços para que o Evangelho
fosse anunciado.
A Igreja do Evangelho Quadrangular não nasceu de uma divisão
ou em meio a discórdias, mas diretamente do coração do Senhor. A nossa
mensagem foi revelada e não imposta ou inventada por homens e, por isto, a
consideramos completa e perfeita. Ela atende a todas as necessidades do ser
humano, sejam elas físicas, espirituais ou de esperança para a vida e o futuro.
Aimee Semple McPherson foi uma mulher de fibra que, antes de iniciar
seu ministério, passou por inúmeras experiências boas e ruins que a direcionaram
a ser quem foi e a fazer todas as grandes obras que realizou. Ela venceu todas as
barreiras, creu que o Senhor estava ao seu lado para fortalecê-la e cumpriu, sem
medo, seu ministério.
Harold Edwin Willians também, a exemplo de nossa fundadora, venceu
todos os obstáculos e tentativas de barrar seu propósito de pregar a Palavra de Deus
à outras nações. Ele foi para a Bolívia como missionário da IEQ americana, mas Deus
o direcionou ao Brasil, onde, junto com o missionário Jesus Hermírio Vasquez Ramos,
fundou a “Igreja Evangélica do Brasil” em São João da Boa Vista no ano de 1950. Este
foi o nome dado por ele naquele primeiro momento, mas em 1958, a Igreja passou
a ter o nome que lhe era devido: Igreja do Evangelho Quadrangular.
Sabemos que muitos outros grandes nomes surgiram para trabalhar
na obra e arregaçaram suas mangas para que nossa amada Igreja chegasse até
onde chegou. Hoje, somos milhares de pastores, obreiros e líderes que seguem
seus ministérios e dedicam suas vidas por amor ao Reino de Deus. Mesmo nos
lugares mais distantes e, até, escondidos do Brasil, a mensagem Quadrangular
é pregada e uma multidão de pessoas é ganha para Jesus a cada novo ano.
Parabéns a cada um desses grandes mensageiros do Senhor e a
cada membro dessa Igreja que segue forte e convicta de que o Evangelho de
Cristo deve continuar a ser anunciado por todos os cantos dessa nação, res-
plandecendo a Luz que é Jesus.
Parabéns à Igreja do Evangelho Quadrangular!
7
SALVAÇÃO
8
Salvação: O maior empreendimento de Deus
Texto base: “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida;
ninguém vem ao Pai, senão por mim”. (João 14.6).
A primeira fase do evangelho de Cristo dentro das doutrinas da Igreja
do Evangelho Quadrangular mostra Jesus como o Salvador. Como aquele que veio
para redimir do pecado a cada um que creia em sua mensagem e em seu sacrifício.
Com o pecado de Adão no Jardim do Éden, toda a humanidade foi
condenada e Satanás passou a dominar sobre ela. Todos, sem exceção, estavam à
mercê de seus ardis e não havia saída. O fim era certo: a separação de Deus, pois,
com o pecado, todos estavam “destituídos da glória de Deus”. (Romanos 3.23).
Para haver a salvação, era necessário que alguém pagasse o preço por
todos os homens e este preço era a morte. Sem sacrifício e derramamento de san-
gue, não haveria redenção. Para remir a humanidade, o Senhor teve de sofrer.
Jesus morreu em nosso lugar e isto não tem precedentes e nem
pode ser comparado a nada que homem algum fez.
Jesus disse de si mesmo: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; nin-
guém vem ao Pai, senão por mim” (João 14.6). Ele mesmo afirmou que ninguém
tem condições de “chegar ao Pai” a não ser por Ele, o único caminho que leva ao
céu. É a verdade de Sua Palavra que transforma o pecador e traz a vida ao que crê,
pois, através dEle, somos vivificados (Efésios 2.1-5). Pela graça, então, somos salvos.
“Em verdade, em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas”
(João 10.7). Ele é “a porta” do aprisco das ovelhas e a salvação oferecida por
Jesus aos homens, que representa o maior projeto de Deus em toda a história
da criação. Satanás não abriria mão dos homens por preço algum, mas o Se-
nhor ofereceu o próprio Filho para que, por meio de Sua morte, a humanidade
fosse “comprada” e RESGATADA de forma definitiva e perfeita.
Para que a Obra de Deus seja completa na vida do homem existe
uma condição: é preciso crer e aceitar Jesus como Salvador. A Bíblia ensina
com clareza que “todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem
feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome” (João 1.12). Sem fé, não
é possível receber o perdão, portanto é preciso crer e receber Jesus em seu
coração, confessando sua fé diante de Deus e dos homens.
9
Simbologia
1. Rosto
Na visão de Ezequiel, o Salvador é tipificado no rosto de Homem,
porque Ele precisava vir como homem para poder cumprir o plano de Deus.
Um homem pecou e somente outro homem, sem mancha ou pecado, poderia
remir os demais, pagando o preço em lugar de todos. Mas, não havia sobre
a terra um justo sequer (Rm 3.10) que pudesse cumprir os requisitos exigidos
pelo Pai, pois “todos pecaram” (Rm 3.23). Por isto, Deus enviou Jesus para ser
o sacrifício perfeito, o “cordeiro imaculado”, pois, Ele, em nenhum momento de
sua vida, pecou.
2. Evangelho
O Evangelho de Lucas fala do Filho do Homem, cujo ministério
era voltado para a salvação. Ele é o único que apresenta a infância de Je-
sus para “acentuar” sua natureza humana; apresenta sua genealogia desde
Adão; mostra Jesus crescendo de forma natural; e registra a visita de Jesus a
Jerusalém para mostrar o conhecimento de Cristo a respeito de Sua missão
desde a infância. Portanto, Jesus veio à terra, sem dúvida alguma, como
homem. Ele nasceu e viveu como homem para, como homem, morrer em
nosso lugar.
3. Símbolo
A cruz é, na doutrina Quadrangular como em todas as doutrinas
cristãs, o símbolo da salvação da humanidade, pois, foi usada como altar para
o sacrifício de Cristo em nosso favor. Porém, não podemos esquecer que ela,
hoje, está vazia, pois Jesus ressuscitou e está à direita do Pai, intercedendo por
cada um de nós até que chegue o dia de nossa redenção final.
4. A cor simbólica na Bandeira
Na bandeira Quadrangular, o vermelho encontra-se em primeiro
lugar. Está na primeira faixa (de baixo para cima), pois, simboliza a principal
fase do ministério de Cristo, a Salvação, a qual é o alicerce de todos os
cristãos.
10
11
BATISMO COM O
ESPÍRITO SANTO
12
A Promessa do Pai
Texto base: “E, cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos
reunidos no mesmo lugar; e de repente veio do céu um som, como
de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que
estavam assentados. E foram vistas por eles línguas repartidas,
como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. E todos
foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas,
conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.” (Atos 2.1-4).
A segunda doutrina cardinal da Igreja do Evangelho Quadrangular é
o Batismo com o Espírito Santo.
Jesus, antes de subir aos céus, disse aos discípulos: “E eis que sobre
vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que
do alto sejais revestidos de poder” (Lc 24.49).
Era necessário que Jesus fosse “glorificado” antes de cumprir Seu
ministério de Batizador com o Espírito Santo. Na terra, Ele veio para ser o
Salvador. Seu objetivo era o de providenciar a restauração da comunhão
entre o homem e Deus perdida no Éden. Mas, ao voltar para Sua glória, não
podia deixar seus discípulos sozinhos, pois, não tinham poder em si mesmos
para vencer as ciladas e investidas de Satanás. Além disso, a pregação do
Evangelho do Reino precisava chegar a outros lugares, precisava alcançar a
“toda criatura” (Mc 16.15).
A promessa feita por Jesus sobre o batismo com o Espírito Santo cum-
priu-se dias depois de Sua Ascensão (Atos 2.1-4), enquanto seus discípulos estavam
reunidos à espera desse batismo, como Cristo ordenara. Naquele dia de Pentecostes,
Ele cumpriu a previsão de João Batista e não mais parou, pois, o derramamento do
Espírito Santo continuou e continua até hoje sobre todos os que creem.
A importância do Batismo com o Espírito Santo
Este é o derramamento do Espírito de Deus “sobre toda a carne”,
predito pelo profeta Joel e que pode ser lido em seu livro (Joel 2.28-29).
Qual a importância para os cristãos buscarem essa experiência?
13
1. Atos 1.4-5: “E, estando com eles, determinou-lhes que não se
ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que
(disse ele) de mim ouvistes. Porque, na verdade, João batizou com água,
mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes
dias”. Para começar, você pode perceber que o próprio Jesus fez ques-
tão de instruir aos discípulos sobre a importância desse batismo quando
ordenou que esperassem em Jerusalém até que fossem “revestidos de
poder”. (Lc 24.49).
2. Marcos 16.17: “E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu
nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes;
e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as
mãos sobre os enfermos, e os curarão”. O Espírito Santo é quem capacita o
cristão para realizar sinais e operar milagres. Sem ele, o homem não tem poder
para curar, expulsar demônios ou até mesmo para pregar o evangelho com
ousadia e sabedoria.
3. João 14.12: “Na verdade, na verdade vos digo que aquele que
crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que
estas, porque eu vou para meu Pai”. Esta promessa feita por Jesus aos seus
discípulos só pode se cumprir na vida daquele que é batizado com o Espí-
rito Santo, pois é ele quem dá poder para que o fiel faça as mesmas obras
que Jesus fez.
4. João 16.8: “E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e
da justiça e do juízo”. Não é a eloquência do pregador ou seu conhecimento
e capacidade que levam as pessoas a crerem na Palavra de Deus, mas sim o
Espírito Santo. Você pode ser um excelente orador, ter uma sabedoria acima
da média, ser carismático e possuir inúmeras qualidades, mas tudo isto é nada
sem a ação de Deus em sua vida. Como a própria Bíblia ensina, não somos
capazes, “por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa
capacidade vem de Deus, o qual nos fez também capazes de ser ministros de
um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o
espírito vivifica.” (II Cor. 3.6).
14
No livro de Hebreus (13.8), encontramos que “Jesus Cristo é o mesmo,
ontem, e hoje, e eternamente”. Este texto, que é o lema da Igreja do Evangelho
Quadrangular, mostra que Jesus não mudou e nem mudará. E é Ele quem nos
traz esse revestimento de poder, pois, ao subir aos céus, cumpriu sua promessa
de nos enviar o Consolador para que pudéssemos continuar Sua obra.
O Velho Testamento está repleto de referências sobre isso. Muitos pro-
fetas falaram pelo Espírito Santo, profetizaram, operaram maravilhas e milagres.
O que importa aqui é entender que Deus sempre quis estar próximo
do homem, cuidando dele, alertando-o contra perigos iminentes, falando à ele
como nos dias do Éden e mostrando que Ele ainda o ama.
Hoje, podemos ter essa experiência maravilhosa em nossas vidas e
sentir a presença do Senhor, não apenas superficialmente, mas intimamente,
pois, Ele habita em nós através de Seu Santo Espírito.
Simbologia
1. Rosto
Na visão de Ezequiel, Jesus é tipificado no Rosto de Leão. Este ani-
mal é símbolo de poder e força e, na Bíblia, encontramos a menção de muitos
homens que o subjugaram e foram exaltados por este feito (Jz 14.5-6; II Sm
17.34-36; II Sm 23.20). Jesus é chamado de Leão da Tribo de Judá porque a Ele
foi “dado todo o poder no céu e na Terra” (Mt 28.18).
2. Evangelho
O Evangelho de João apresenta Jesus Cristo como o Filho de Deus
(João 1.34; 3.18; 5.25; 9.35; 20.31; etc.). Esse evangelho foi direcionado a todos
os crentes, independente de raça, língua, tribo ou espaço temporal, pois, al-
cançou também nossos dias. Ele mostra a natureza divina de Cristo, enquanto
os demais enfocam a origem e natureza humana de Jesus.
3. Símbolo
A Pomba simboliza o Batismo com o Espírito Santo e, para os Qua-
drangulares, a relação entre ambos não está firmada nas características dessa
ave que se assemelha ao fruto do Espírito (brandura, doçura, amabilidade,
15
inocência, suavidade, paz, pureza e paciência), mas no fato dela ter sido cita-
da diretamente nos evangelhos como a forma tomada pelo Espírito Santo ao
descer sobre Jesus logo após seu batismo nas águas com João Batista (Mt 3.16;
Mc 1.10; Lc 3.22; Jo 1.32).
4. A cor simbólica na Bandeira
A segunda faixa da Bandeira Quadrangular é a amarela, ou ouro,
a qual simboliza o fogo do Espírito Santo. Esta cor encontra-se em segundo
lugar, assim como a doutrina cardinal, porque o Batismo com o Espírito Santo
deve ser buscado com fervor por todos os que recebem a salvação. É através
do poder espiritual desse batismo que o crente é edificado e fortalecido em
todas as áreas de sua vida.
16
17
A CURA DIVINA
18
O Grande médico
Texto base: “Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermi-
dades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por
aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das
nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o
castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras
fomos sarados”. (Isaías 53.4 e 5).
A terceira doutrina cardinal da Igreja do Evangelho Quadrangular mostra
Jesus como o Médico Divino, como Aquele que cura, como o Médico dos médicos.
Por causa do pecado de Adão, as doenças e a morte foram trazidas
para a humanidade, mas na descrição da Ceia do Senhor pelos apóstolos e
em I Coríntios 11.24-34, podemos perceber que a morte de Jesus não trouxe,
exclusivamente, a salvação aos homens. Nela, existem dois elementos distintos
que trazem dois simbolismos igualmente distintos.
1. O pão – que simboliza o corpo de Cristo, moído, ferido, “partido”
por nós para nos trazer a cura das dores e enfermidades;
2. O sangue – que simboliza a nova aliança de Deus com os homens,
ou seja, a redenção para os nossos pecados e a salvação de nossas almas.
Jesus, portanto, não veio somente para salvar, mas para restaurar
a saúde de todo aquele que Nele crer. “Pelas suas pisaduras, fomos sarados”.
A cura divina é, portanto, parte do sacrifício de Jesus. Para o perdão, o san-
gue bastava (se o propósito da cruz fosse somente a salvação). Deus, porém,
não queria apenas salvar a humanidade, mas que ela também tivesse vida em
“abundância” (João 10.10) e isto inclui saúde, cura e libertação.
É preciso saber, no entanto, que para alcançarmos a cura,
existem algumas condições a serem cumpridas.
1. Pertencer a Ele – o homem precisa ser “filho” de Deus (João 1.12).
Para ter direito às promessas, é necessário haver um compromisso verdadeiro com
o Senhor, reconhecer o sacrifício de Jesus e receber a Cristo. Não que outros não
possam ser curados, mas a pessoa deve crer no poder de Deus para alcançar o
milagre e isto está aliado à fé em Jesus. Quem não crer não pode obtê-lo.
19
2. Pedir – O pedir é uma demonstração de fé e confiança em Deus e
nas Suas promessas. A Palavra diz: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis;
batei, e abrir-se-vos-á” (Mt 7.7).
3. Crer – Nada é possível sem que haja fé. “Ora, sem fé é impossível
agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia
que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam”. (Hb 11.6).
4. Receber – Às vezes, achamos que isso é imediato, que oramos e
“pum”, o milagre acontece. É difícil ao homem ter de esperar pela benção que é
dada SEMPRE no momento certo. Deus não é mentiroso e, quando o que pre-
cisamos demora a acontecer, não significa que Ele não nos ouve ou nos aban-
donou. Para receber, também é preciso ter fé que o Senhor vai fazer o que pe-
dimos, desde que não seja contrário à Sua vontade e princípios. A palavra chave
aqui é “descansar”, ou seja, aguardar confiadamente pela resposta de Deus, sem
desespero, sem murmuração, mas em paz. Isto é verdadeiramente CONFIAR.
É importante entender que a cura divina chega até nós por intermédio
de Jesus e do Espírito Santo que capacita os fiéis a impor as mãos sobre os enfer-
mos para curá-los (Mc 16.18). O que não podemos esquecer, no entanto, é que os
milagres não são feitos pelos homens, mas vêm de Deus. Sem a ação do Senhor,
nada poderíamos fazer, pois, é dEle que vem o poder e não de nós mesmos.
Simbologia
1. Rosto
O terceiro rosto da visão de Ezequiel era o Rosto de Boi, o qual sim-
bolizava Jesus Cristo como o Médico Divino ou Aquele que Cura. O boi é um
símbolo de suportador de cargas. Ele é muito usado para executar trabalhos
pesados. As cargas podem ser até além do que ele é capaz de carregar e, se
cair no meio do caminho, levanta e continua, chegando ao ponto de morrer
pela exaustão. Jesus também não recuou em sua jornada ao Calvário. Ele levou
sobre Si o peso dos pecados de toda humanidade, até a morte. “Verdadeira-
mente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou
sobre si”. (Isaías 53.4a).
20
2. Evangelho
O Evangelho de Marcos apresenta Jesus como Servo de Deus, “por-
que o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e
dar a sua vida em resgate de muitos”. (Mc 10.45). Jesus mostra, claramente, sua
submissão ao declarar-se como “servo” nesse versículo. Ninguém foi ou será
tão obediente à vontade de Deus como Ele foi.
3. Símbolo
Pensando em termos simbólicos, por que foi colocado o cálice como
símbolo da cura, já que continha o sangue da nova aliança, e não o pão que é
a figura do corpo de Cristo moído na cruz para que fôssemos sarados?
Porque não é o cálice da Ceia do Senhor que traz o simbolismo da
cura, mas sim, o cálice do Getsêmani (Mc 14.36). Ao pedir que este fosse afas-
tado, Jesus mostra o terror diante do que O esperava e podemos entender que,
nesse cálice que Ele teria de beber, estavam nossas dores, sofrimentos e doenças.
4. A cor simbólica na Bandeira
A terceira faixa da bandeira Quadrangular é a azul, a qual simboliza
a cura divina. O azul está no céu de onde vem a cura e todas as bênçãos de
Deus sobre nós. Ela representa o amor divino que traz esperança e nos faz
lembrar da grandeza, generosidade e misericórdia do Senhor.
21
SEGUNDA VINDA DO REI
22
A volta do Messias
Texto base: “Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória;
porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se apron-
tou. E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecen-
te; porque o linho fino são as justiças dos santos.” (Ap 19.7-8).
A Igreja em todo mundo aguarda ansiosa por esse dia glorioso das
Bodas do Cordeiro. Em todos os lugares do globo, fiéis compreendem a im-
portância desse encontro da noiva com seu amado noivo, Jesus.
De acordo com a mensagem Quadrangular, esse dia marcará o iní-
cio do quarto aspecto do ministério de Cristo, como o Rei que há de vir. Mas,
quando isso ocorrerá? Como poderemos ter certeza de estarmos preparados
para esse dia? Quem participará das Bodas? Quem ficará de fora?
Muitas são as perguntas que povoam a mente dos cristãos e nem
todas podem ser respondidas com exatidão. A única certeza que podemos ter
é a de que Ele virá para cumprir sua promessa de resgatar Sua noiva e levá-la
para sempre aos céus. Em Apocalipse 22.12-14, Cristo diz: “E, eis que cedo ve-
nho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra.
Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro. Bem-
-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham
direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas.”
A promessa de Sua volta envolve três aspectos importantes:
1. Jesus virá para nos receber para Si mesmo – Seu desejo é o de que
estejamos para sempre com Ele nos céus;
2. Ele virá para nos recompensar – Apocalipse 22.12 diz: “e o meu ga-
lardão está comigo”, porém, a continuação do versículo mostra que há uma
condição para seu recebimento, pois, Ele dará “a cada um segundo a sua obra”;
3. Ele virá para nos dar um novo corpo – Jesus “transformará o nosso
corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso”. (Fp 3.20-21).
O arrebatamento, como a volta de Jesus, acontecerá em duas etapas.
A primeira está no versículo 16 do capítulo 4 de I Tessalonicenses, onde “os que
morreram em Cristo ressuscitarão primeiro”. A segunda é a que diz respeito aos
que serão arrebatados até o encontro com Ele nos ares (I Tessalonicenses 4.17).
23
É preciso, portanto, vigiar e vigiar sempre, sem vacilar, porque:
1. Não sabemos o dia (Mt 24.36-42);
2. Será num piscar de olhos (Mt 24.27);
3. O mundo sofrerá as consequências (II Pe 3.10-12).
A Segunda Vinda de Jesus abrange duas fases diferentes.
1. Ele virá para buscar Sua Igreja – a primeira fase da volta de Jesus
será exclusivamente para os salvos. Ele virá de forma invisível ao restante dos
homens e somente os chamados pelas trombetas o verão, pois, subirão ao Seu
encontro nos ares (I Ts 4.17).
2. Ele virá com Sua Igreja – Nesta fase, “todo o olho o verá, até os
mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre
ele”. (Ap 1.7). Cristo virá publicamente após os sete anos da Grande Tribulação.
Jesus virá a qualquer momento e sem aviso, pois somente Deus sabe
a hora certa de Sua volta. De acordo com as escrituras, Ele virá como um la-
drão (I Ts 5.2; Ap 16.15), que entra inesperadamente e leva consigo o que quer.
É preciso estar preparado para este dia e lembrar-nos sempre da parábola das
noivas (Mt 25.1-13), dada por Jesus como um alerta a todo cristão.
Devemos atentar para nossos passos, pensamentos e ações para não ser-
mos pegos desprevenidos e percamos a chance de subir com Cristo. O pecado, a
imoralidade e os maus caminhos certamente nos impedem de estarmos de acordo
com a vontade de Deus e, pela desobediência, muitos ficarão quando Ele vier.
“Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do
homem há de vir”. (Mt 25.13)
Simbologia
1. Rosto
O quarto rosto visto por Ezequiel foi o Rosto de Águia, o qual represen-
ta Jesus Cristo como o Rei que há de vir. É interessante meditar sobre essa compa-
ração entre a águia e Cristo em Sua Segunda Vinda. Ela é considerada, em todo
mundo, como sendo um símbolo de nobreza devido a algumas de suas caracte-
rísticas, como a altivez, força e vigor. A águia é, portanto, símbolo de autoridade e
de poder, sendo emblema de várias nações, incluindo Judá.
24
2. Evangelho
Mateus apresenta Jesus Cristo como o futuro Rei. Ao ser questiona-
do por Pilatos sobre Ele ser o “Rei dos Judeus”, Jesus respondeu: “Tu o dizes”
(Mt 27.11). Nesta resposta, Ele estava falando sobre Seu reinado eterno e não
um reinado terreno. O Evangelho de Mateus foi escrito para os Hebreus, pois,
eles há muito esperavam pela vinda do Messias. Em João 4.25, a mulher sa-
maritana confirma isso ao dizer: “Eu sei que o Messias (que se chama o Cristo)
vem; quando ele vier, nos anunciará tudo”, ao que Jesus respondeu: “Eu o sou,
eu que falo contigo”. (v. 26).
3. Símbolo
A coroa é o símbolo da Segunda Vinda, onde Cristo voltará como
o Grande Rei. Ela indica realeza, sabedoria e dignidade, indica também que
aquele que a recebe é digno de honra. A coroa (de espinhos) que Jesus re-
cebeu, no entanto, não foi lhe dada por Seus méritos ou por honra, mas por
escárnio e afronta. A coroa da cruz não pertencia ao Senhor, mas deveria ter
sido posta sobre a cabeça de todos os homens.
4. A cor simbólica na Bandeira
A quarta doutrina cardinal da Igreja do Evangelho Quadrangular
está simbolizada em sua Bandeira pela cor púrpura (ou roxa), a qual tipifica
Jesus como o Rei que há de vir.
Essa cor vem sendo associada sempre com a realeza, pois, as roupas
e tecidos nesse tom eram caríssimos. A tintura era extraída de um molusco
muito raro, tornando as roupas acessíveis somente às famílias ricas e nobres.
25
Palavra Final
A mensagem Quadrangular não é apenas mais uma que surgiu da
cabeça de um pregador, mas abrange todos os aspectos do ministério de Jesus
aqui na terra. Ela nos mostra o quanto Deus se importava, se importa e sempre
se importará com a humanidade. Nenhuma outra mensagem é tão abrangen-
te e tão plena quanto essa.
Nela, podemos entender o versículo do livro de João (3.16): “Porque
Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que
todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”.
Podemos ver o amor de Deus em cada uma dessas palavras e per-
ceber que Jesus tinha um propósito eterno para o homem ao vir a terra. Ele
queria, sim, nos resgatar, mas Sua obra foi muito além disso, pois nos deu
poder para vencer, cura e saúde para vivermos em abundância e a garantia da
vida eterna ao Seu lado e ao lado do Pai.
Vamos, portanto, proclamar por todos os cantos que Jesus Cristo
SALVA, CURA, BATIZA E QUE EM BREVE ELE VOLTARÁ!
Livreto ieq-20161103
Livreto ieq-20161103
28

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 3 - Êxodo
Aula 3 - ÊxodoAula 3 - Êxodo
Aula 3 - Êxodo
ibrdoamor
 
Temas atuais que tem afastado os jovens da igreja
Temas atuais que tem afastado os jovens da igrejaTemas atuais que tem afastado os jovens da igreja
Temas atuais que tem afastado os jovens da igreja
Dilean Melo
 
Panorama do NT - A Plenitude dos Tempos
Panorama do NT - A Plenitude dos TemposPanorama do NT - A Plenitude dos Tempos
Panorama do NT - A Plenitude dos Tempos
Respirando Deus
 
ESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOS
ESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOSESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOS
ESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOS
EVANGELISTA SOARES
 
Panorama do NT - Romanos
Panorama do NT - RomanosPanorama do NT - Romanos
Panorama do NT - Romanos
Respirando Deus
 
Treinamento para diáconos
Treinamento para diáconosTreinamento para diáconos
Treinamento para diáconos
Carlos Cirleno Neves
 
Batalhas7 batalha espiritual
Batalhas7   batalha espiritualBatalhas7   batalha espiritual
Batalhas7 batalha espiritual
Eliezer Almeida
 
Panorama do AT - Números
Panorama do AT - NúmerosPanorama do AT - Números
Panorama do AT - Números
Respirando Deus
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Timoteo
TimoteoTimoteo
Panorama do NT - Gálatas
Panorama do NT - GálatasPanorama do NT - Gálatas
Panorama do NT - Gálatas
Respirando Deus
 
A missão evangelizadora da igreja
A missão evangelizadora da igrejaA missão evangelizadora da igreja
A missão evangelizadora da igreja
dimas campos
 
CETADEB - Lição 2 - O Ministério no Antigo e no Novo Testamento
CETADEB - Lição 2 - O Ministério no Antigo e no Novo TestamentoCETADEB - Lição 2 - O Ministério no Antigo e no Novo Testamento
CETADEB - Lição 2 - O Ministério no Antigo e no Novo Testamento
Ednilson do Valle
 
Curso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconosCurso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconos
Cleiton Azevedo
 
Resumos teologia do antigo testamento
Resumos teologia do antigo testamentoResumos teologia do antigo testamento
Resumos teologia do antigo testamento
Carlos Filho
 
Curso de missões emad introduçao a missoes
Curso de missões emad introduçao a missoesCurso de missões emad introduçao a missoes
Curso de missões emad introduçao a missoes
GILMAR CARDOSO
 
Missão Transcultural
Missão TransculturalMissão Transcultural
Missão Transcultural
Lucas Santos
 
Administrando conflitos conjugais
Administrando conflitos conjugaisAdministrando conflitos conjugais
Administrando conflitos conjugais
Pr Ismael Carvalho
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Lição 11 - No dia de Pentecostes
Lição 11 - No dia de PentecostesLição 11 - No dia de Pentecostes
Lição 11 - No dia de Pentecostes
Éder Tomé
 

Mais procurados (20)

Aula 3 - Êxodo
Aula 3 - ÊxodoAula 3 - Êxodo
Aula 3 - Êxodo
 
Temas atuais que tem afastado os jovens da igreja
Temas atuais que tem afastado os jovens da igrejaTemas atuais que tem afastado os jovens da igreja
Temas atuais que tem afastado os jovens da igreja
 
Panorama do NT - A Plenitude dos Tempos
Panorama do NT - A Plenitude dos TemposPanorama do NT - A Plenitude dos Tempos
Panorama do NT - A Plenitude dos Tempos
 
ESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOS
ESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOSESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOS
ESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOS
 
Panorama do NT - Romanos
Panorama do NT - RomanosPanorama do NT - Romanos
Panorama do NT - Romanos
 
Treinamento para diáconos
Treinamento para diáconosTreinamento para diáconos
Treinamento para diáconos
 
Batalhas7 batalha espiritual
Batalhas7   batalha espiritualBatalhas7   batalha espiritual
Batalhas7 batalha espiritual
 
Panorama do AT - Números
Panorama do AT - NúmerosPanorama do AT - Números
Panorama do AT - Números
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
 
Timoteo
TimoteoTimoteo
Timoteo
 
Panorama do NT - Gálatas
Panorama do NT - GálatasPanorama do NT - Gálatas
Panorama do NT - Gálatas
 
A missão evangelizadora da igreja
A missão evangelizadora da igrejaA missão evangelizadora da igreja
A missão evangelizadora da igreja
 
CETADEB - Lição 2 - O Ministério no Antigo e no Novo Testamento
CETADEB - Lição 2 - O Ministério no Antigo e no Novo TestamentoCETADEB - Lição 2 - O Ministério no Antigo e no Novo Testamento
CETADEB - Lição 2 - O Ministério no Antigo e no Novo Testamento
 
Curso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconosCurso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconos
 
Resumos teologia do antigo testamento
Resumos teologia do antigo testamentoResumos teologia do antigo testamento
Resumos teologia do antigo testamento
 
Curso de missões emad introduçao a missoes
Curso de missões emad introduçao a missoesCurso de missões emad introduçao a missoes
Curso de missões emad introduçao a missoes
 
Missão Transcultural
Missão TransculturalMissão Transcultural
Missão Transcultural
 
Administrando conflitos conjugais
Administrando conflitos conjugaisAdministrando conflitos conjugais
Administrando conflitos conjugais
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
 
Lição 11 - No dia de Pentecostes
Lição 11 - No dia de PentecostesLição 11 - No dia de Pentecostes
Lição 11 - No dia de Pentecostes
 

Semelhante a Livreto ieq-20161103

Cat02
Cat02Cat02
Cat04
Cat04Cat04
Quatro substantivos femininos
Quatro substantivos femininosQuatro substantivos femininos
Quatro substantivos femininos
Pastor Robson Colaço
 
HISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉ
HISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉHISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉ
HISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉ
joaquim2010_2011
 
Basicão em pdf
Basicão em pdfBasicão em pdf
Lição 6 a igreja e a obra missionária
Lição 6 a igreja e a obra missionáriaLição 6 a igreja e a obra missionária
Lição 6 a igreja e a obra missionária
Adriana Cunha
 
Voz da paróquia - maio 2014
Voz da paróquia - maio 2014Voz da paróquia - maio 2014
Voz da paróquia - maio 2014
jesmioma
 
TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016
TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016 TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016
TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016
Elias Farias
 
Decreto Ad Gentes
Decreto Ad GentesDecreto Ad Gentes
Decreto Ad Gentes
José Vieira Dos Santos
 
Novena de São João Eudes pt
Novena de São João Eudes ptNovena de São João Eudes pt
Novena de São João Eudes pt
Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Novena de sâo Joâo Eudes
Novena de sâo Joâo EudesNovena de sâo Joâo Eudes
Novena de sâo Joâo Eudes
Unidad de Espiritualidad Eudista
 
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, DoutrinaA Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
ministeriotemplovivo
 
Curso de Evangelismo e Missões Grátis. Gpdf
Curso de Evangelismo e Missões Grátis. GpdfCurso de Evangelismo e Missões Grátis. Gpdf
Curso de Evangelismo e Missões Grátis. Gpdf
Pastor Robson Colaço
 
53ocredo-parteporparte-140821053153-phpapp02.pdf
53ocredo-parteporparte-140821053153-phpapp02.pdf53ocredo-parteporparte-140821053153-phpapp02.pdf
53ocredo-parteporparte-140821053153-phpapp02.pdf
alineCristina454052
 
Catequese "O Credo" parte por parte
Catequese "O Credo" parte por parteCatequese "O Credo" parte por parte
Catequese "O Credo" parte por parte
Jose Luis Beneli
 
Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus 27 03 2005 - dom...
Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus   27 03 2005 - dom...Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus   27 03 2005 - dom...
Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus 27 03 2005 - dom...
Paulo Dias Nogueira
 
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORALição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
Andrew Guimarães
 
A pregação do "óbvio": morte e ressurreição de Cristo
A pregação do "óbvio": morte e ressurreição de CristoA pregação do "óbvio": morte e ressurreição de Cristo
A pregação do "óbvio": morte e ressurreição de Cristo
Estação 4
 
A pregação do óbvio morte e ressurreição de cristo
A pregação do óbvio   morte e ressurreição de cristoA pregação do óbvio   morte e ressurreição de cristo
A pregação do óbvio morte e ressurreição de cristo
Daniela Sipert
 
Aula 6 Discipulado Cristão PDF.pdf-Seminário
Aula 6 Discipulado Cristão PDF.pdf-SeminárioAula 6 Discipulado Cristão PDF.pdf-Seminário
Aula 6 Discipulado Cristão PDF.pdf-Seminário
sebastiaoluzemboluz
 

Semelhante a Livreto ieq-20161103 (20)

Cat02
Cat02Cat02
Cat02
 
Cat04
Cat04Cat04
Cat04
 
Quatro substantivos femininos
Quatro substantivos femininosQuatro substantivos femininos
Quatro substantivos femininos
 
HISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉ
HISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉHISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉ
HISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉ
 
Basicão em pdf
Basicão em pdfBasicão em pdf
Basicão em pdf
 
Lição 6 a igreja e a obra missionária
Lição 6 a igreja e a obra missionáriaLição 6 a igreja e a obra missionária
Lição 6 a igreja e a obra missionária
 
Voz da paróquia - maio 2014
Voz da paróquia - maio 2014Voz da paróquia - maio 2014
Voz da paróquia - maio 2014
 
TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016
TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016 TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016
TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016
 
Decreto Ad Gentes
Decreto Ad GentesDecreto Ad Gentes
Decreto Ad Gentes
 
Novena de São João Eudes pt
Novena de São João Eudes ptNovena de São João Eudes pt
Novena de São João Eudes pt
 
Novena de sâo Joâo Eudes
Novena de sâo Joâo EudesNovena de sâo Joâo Eudes
Novena de sâo Joâo Eudes
 
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, DoutrinaA Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
 
Curso de Evangelismo e Missões Grátis. Gpdf
Curso de Evangelismo e Missões Grátis. GpdfCurso de Evangelismo e Missões Grátis. Gpdf
Curso de Evangelismo e Missões Grátis. Gpdf
 
53ocredo-parteporparte-140821053153-phpapp02.pdf
53ocredo-parteporparte-140821053153-phpapp02.pdf53ocredo-parteporparte-140821053153-phpapp02.pdf
53ocredo-parteporparte-140821053153-phpapp02.pdf
 
Catequese "O Credo" parte por parte
Catequese "O Credo" parte por parteCatequese "O Credo" parte por parte
Catequese "O Credo" parte por parte
 
Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus 27 03 2005 - dom...
Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus   27 03 2005 - dom...Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus   27 03 2005 - dom...
Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus 27 03 2005 - dom...
 
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORALição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
 
A pregação do "óbvio": morte e ressurreição de Cristo
A pregação do "óbvio": morte e ressurreição de CristoA pregação do "óbvio": morte e ressurreição de Cristo
A pregação do "óbvio": morte e ressurreição de Cristo
 
A pregação do óbvio morte e ressurreição de cristo
A pregação do óbvio   morte e ressurreição de cristoA pregação do óbvio   morte e ressurreição de cristo
A pregação do óbvio morte e ressurreição de cristo
 
Aula 6 Discipulado Cristão PDF.pdf-Seminário
Aula 6 Discipulado Cristão PDF.pdf-SeminárioAula 6 Discipulado Cristão PDF.pdf-Seminário
Aula 6 Discipulado Cristão PDF.pdf-Seminário
 

Último

13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
PIB Penha
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
LEILANEGOUVEIA1
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
Sammis Reachers
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
GuilhermeCerqueira17
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 

Último (14)

13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 

Livreto ieq-20161103

  • 1. 1
  • 3. 3
  • 4. 4 Expediente Presidente da Igreja do Evangelho Quadrangular Rev. Mario de Oliveira Secretaria Geral de Comunicação Rev. Carlos Cezar Secretaria Geral de Administração e Finanças Rev. Celso Nascimento Projeto Gráfico Fernando Silveira Coordenação Editorial Denise Ávila Textos Pastora Ignez T. R. Scotti Revisão Gisele Soares
  • 5. 5 Paz seja contigo! Desde os primórdios da Igreja primitiva, pessoas têm ouvido a men- sagem do evangelho de Cristo em todo mundo, mas quando Aimee Semple McPherson entendeu a grande revelação que Deus estava lhe dando através da visão de Ezequiel (Ez. 1), nasceu a Igreja do Evangelho Quadrangular, uma Igreja que reflete o amor de Deus a todos que a ela chegam. No Brasil, comemoramos este ano o 65º Aniversário da IEQ, trazida para cá por Harold Edwin Willians, um missionário movido pelo amor às almas e que não desistiu de seu sonho de levar a Palavra do Senhor a outra nação, mesmo frente às inúmeras dificuldades que enfrentou. Seu coração ardia por pregar o evangelho fora de seu país e Deus o encaminhou até nós, dando-nos a oportunidade e o privilégio de conhecer Jesus e entender os planos de Deus para a humanidade. O Evangelho Quadrangular é uma mensagem completa que mostra todas as faces desses planos divinos, trazendo a cada um dos fiéis a plena compreensão do amor e da vontade do Senhor para eles. Cristo não veio apenas para pregar e operar milagres enquanto esteve na terra. Sua obra vai muito além disto, pois Ele veio para salvar, curar, nos enviar o Consolador e nos garantir que voltará para nos buscar e nos levar para o nosso lar ao lado do Pai nos céus. Neste livreto, você vai encontrar com detalhes cada uma das doutri- nas cardinais de nossa Igreja e também receberá um esboço detalhado como sugestão de base para sua pregação. Nossa sugestão é que você ministre a cada domingo do mês de novembro uma das doutrinas da IEQ, mostrando aos membros de sua Igreja local o quão maravilhoso é a base do ministério Quadrangular, uma visão que nasceu do coração de Deus para o coração do homem. “Prega a palavra, insista, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda longanimidade e doutrina” e “cumpre teu ministério.” (II Timóteo 4.2 e 5d). Rev. Mario de Oliveira Presidente Nacional da Igreja do Evangelho Quadrangular
  • 6. 6 Quadrangular - A Luz que Resplandece Nem sempre atentamos para a importância da história de nossa Igreja e nos esquecemos de contar o quanto ela foi preciosa e repleta de mo- mentos incríveis com o direcionamento de Deus sobre os homens e mulheres desbravadores e corajosos que não mediram esforços para que o Evangelho fosse anunciado. A Igreja do Evangelho Quadrangular não nasceu de uma divisão ou em meio a discórdias, mas diretamente do coração do Senhor. A nossa mensagem foi revelada e não imposta ou inventada por homens e, por isto, a consideramos completa e perfeita. Ela atende a todas as necessidades do ser humano, sejam elas físicas, espirituais ou de esperança para a vida e o futuro. Aimee Semple McPherson foi uma mulher de fibra que, antes de iniciar seu ministério, passou por inúmeras experiências boas e ruins que a direcionaram a ser quem foi e a fazer todas as grandes obras que realizou. Ela venceu todas as barreiras, creu que o Senhor estava ao seu lado para fortalecê-la e cumpriu, sem medo, seu ministério. Harold Edwin Willians também, a exemplo de nossa fundadora, venceu todos os obstáculos e tentativas de barrar seu propósito de pregar a Palavra de Deus à outras nações. Ele foi para a Bolívia como missionário da IEQ americana, mas Deus o direcionou ao Brasil, onde, junto com o missionário Jesus Hermírio Vasquez Ramos, fundou a “Igreja Evangélica do Brasil” em São João da Boa Vista no ano de 1950. Este foi o nome dado por ele naquele primeiro momento, mas em 1958, a Igreja passou a ter o nome que lhe era devido: Igreja do Evangelho Quadrangular. Sabemos que muitos outros grandes nomes surgiram para trabalhar na obra e arregaçaram suas mangas para que nossa amada Igreja chegasse até onde chegou. Hoje, somos milhares de pastores, obreiros e líderes que seguem seus ministérios e dedicam suas vidas por amor ao Reino de Deus. Mesmo nos lugares mais distantes e, até, escondidos do Brasil, a mensagem Quadrangular é pregada e uma multidão de pessoas é ganha para Jesus a cada novo ano. Parabéns a cada um desses grandes mensageiros do Senhor e a cada membro dessa Igreja que segue forte e convicta de que o Evangelho de Cristo deve continuar a ser anunciado por todos os cantos dessa nação, res- plandecendo a Luz que é Jesus. Parabéns à Igreja do Evangelho Quadrangular!
  • 8. 8 Salvação: O maior empreendimento de Deus Texto base: “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”. (João 14.6). A primeira fase do evangelho de Cristo dentro das doutrinas da Igreja do Evangelho Quadrangular mostra Jesus como o Salvador. Como aquele que veio para redimir do pecado a cada um que creia em sua mensagem e em seu sacrifício. Com o pecado de Adão no Jardim do Éden, toda a humanidade foi condenada e Satanás passou a dominar sobre ela. Todos, sem exceção, estavam à mercê de seus ardis e não havia saída. O fim era certo: a separação de Deus, pois, com o pecado, todos estavam “destituídos da glória de Deus”. (Romanos 3.23). Para haver a salvação, era necessário que alguém pagasse o preço por todos os homens e este preço era a morte. Sem sacrifício e derramamento de san- gue, não haveria redenção. Para remir a humanidade, o Senhor teve de sofrer. Jesus morreu em nosso lugar e isto não tem precedentes e nem pode ser comparado a nada que homem algum fez. Jesus disse de si mesmo: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; nin- guém vem ao Pai, senão por mim” (João 14.6). Ele mesmo afirmou que ninguém tem condições de “chegar ao Pai” a não ser por Ele, o único caminho que leva ao céu. É a verdade de Sua Palavra que transforma o pecador e traz a vida ao que crê, pois, através dEle, somos vivificados (Efésios 2.1-5). Pela graça, então, somos salvos. “Em verdade, em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas” (João 10.7). Ele é “a porta” do aprisco das ovelhas e a salvação oferecida por Jesus aos homens, que representa o maior projeto de Deus em toda a história da criação. Satanás não abriria mão dos homens por preço algum, mas o Se- nhor ofereceu o próprio Filho para que, por meio de Sua morte, a humanidade fosse “comprada” e RESGATADA de forma definitiva e perfeita. Para que a Obra de Deus seja completa na vida do homem existe uma condição: é preciso crer e aceitar Jesus como Salvador. A Bíblia ensina com clareza que “todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome” (João 1.12). Sem fé, não é possível receber o perdão, portanto é preciso crer e receber Jesus em seu coração, confessando sua fé diante de Deus e dos homens.
  • 9. 9 Simbologia 1. Rosto Na visão de Ezequiel, o Salvador é tipificado no rosto de Homem, porque Ele precisava vir como homem para poder cumprir o plano de Deus. Um homem pecou e somente outro homem, sem mancha ou pecado, poderia remir os demais, pagando o preço em lugar de todos. Mas, não havia sobre a terra um justo sequer (Rm 3.10) que pudesse cumprir os requisitos exigidos pelo Pai, pois “todos pecaram” (Rm 3.23). Por isto, Deus enviou Jesus para ser o sacrifício perfeito, o “cordeiro imaculado”, pois, Ele, em nenhum momento de sua vida, pecou. 2. Evangelho O Evangelho de Lucas fala do Filho do Homem, cujo ministério era voltado para a salvação. Ele é o único que apresenta a infância de Je- sus para “acentuar” sua natureza humana; apresenta sua genealogia desde Adão; mostra Jesus crescendo de forma natural; e registra a visita de Jesus a Jerusalém para mostrar o conhecimento de Cristo a respeito de Sua missão desde a infância. Portanto, Jesus veio à terra, sem dúvida alguma, como homem. Ele nasceu e viveu como homem para, como homem, morrer em nosso lugar. 3. Símbolo A cruz é, na doutrina Quadrangular como em todas as doutrinas cristãs, o símbolo da salvação da humanidade, pois, foi usada como altar para o sacrifício de Cristo em nosso favor. Porém, não podemos esquecer que ela, hoje, está vazia, pois Jesus ressuscitou e está à direita do Pai, intercedendo por cada um de nós até que chegue o dia de nossa redenção final. 4. A cor simbólica na Bandeira Na bandeira Quadrangular, o vermelho encontra-se em primeiro lugar. Está na primeira faixa (de baixo para cima), pois, simboliza a principal fase do ministério de Cristo, a Salvação, a qual é o alicerce de todos os cristãos.
  • 10. 10
  • 12. 12 A Promessa do Pai Texto base: “E, cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; e de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.” (Atos 2.1-4). A segunda doutrina cardinal da Igreja do Evangelho Quadrangular é o Batismo com o Espírito Santo. Jesus, antes de subir aos céus, disse aos discípulos: “E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder” (Lc 24.49). Era necessário que Jesus fosse “glorificado” antes de cumprir Seu ministério de Batizador com o Espírito Santo. Na terra, Ele veio para ser o Salvador. Seu objetivo era o de providenciar a restauração da comunhão entre o homem e Deus perdida no Éden. Mas, ao voltar para Sua glória, não podia deixar seus discípulos sozinhos, pois, não tinham poder em si mesmos para vencer as ciladas e investidas de Satanás. Além disso, a pregação do Evangelho do Reino precisava chegar a outros lugares, precisava alcançar a “toda criatura” (Mc 16.15). A promessa feita por Jesus sobre o batismo com o Espírito Santo cum- priu-se dias depois de Sua Ascensão (Atos 2.1-4), enquanto seus discípulos estavam reunidos à espera desse batismo, como Cristo ordenara. Naquele dia de Pentecostes, Ele cumpriu a previsão de João Batista e não mais parou, pois, o derramamento do Espírito Santo continuou e continua até hoje sobre todos os que creem. A importância do Batismo com o Espírito Santo Este é o derramamento do Espírito de Deus “sobre toda a carne”, predito pelo profeta Joel e que pode ser lido em seu livro (Joel 2.28-29). Qual a importância para os cristãos buscarem essa experiência?
  • 13. 13 1. Atos 1.4-5: “E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que (disse ele) de mim ouvistes. Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias”. Para começar, você pode perceber que o próprio Jesus fez ques- tão de instruir aos discípulos sobre a importância desse batismo quando ordenou que esperassem em Jerusalém até que fossem “revestidos de poder”. (Lc 24.49). 2. Marcos 16.17: “E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão”. O Espírito Santo é quem capacita o cristão para realizar sinais e operar milagres. Sem ele, o homem não tem poder para curar, expulsar demônios ou até mesmo para pregar o evangelho com ousadia e sabedoria. 3. João 14.12: “Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai”. Esta promessa feita por Jesus aos seus discípulos só pode se cumprir na vida daquele que é batizado com o Espí- rito Santo, pois é ele quem dá poder para que o fiel faça as mesmas obras que Jesus fez. 4. João 16.8: “E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo”. Não é a eloquência do pregador ou seu conhecimento e capacidade que levam as pessoas a crerem na Palavra de Deus, mas sim o Espírito Santo. Você pode ser um excelente orador, ter uma sabedoria acima da média, ser carismático e possuir inúmeras qualidades, mas tudo isto é nada sem a ação de Deus em sua vida. Como a própria Bíblia ensina, não somos capazes, “por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus, o qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica.” (II Cor. 3.6).
  • 14. 14 No livro de Hebreus (13.8), encontramos que “Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente”. Este texto, que é o lema da Igreja do Evangelho Quadrangular, mostra que Jesus não mudou e nem mudará. E é Ele quem nos traz esse revestimento de poder, pois, ao subir aos céus, cumpriu sua promessa de nos enviar o Consolador para que pudéssemos continuar Sua obra. O Velho Testamento está repleto de referências sobre isso. Muitos pro- fetas falaram pelo Espírito Santo, profetizaram, operaram maravilhas e milagres. O que importa aqui é entender que Deus sempre quis estar próximo do homem, cuidando dele, alertando-o contra perigos iminentes, falando à ele como nos dias do Éden e mostrando que Ele ainda o ama. Hoje, podemos ter essa experiência maravilhosa em nossas vidas e sentir a presença do Senhor, não apenas superficialmente, mas intimamente, pois, Ele habita em nós através de Seu Santo Espírito. Simbologia 1. Rosto Na visão de Ezequiel, Jesus é tipificado no Rosto de Leão. Este ani- mal é símbolo de poder e força e, na Bíblia, encontramos a menção de muitos homens que o subjugaram e foram exaltados por este feito (Jz 14.5-6; II Sm 17.34-36; II Sm 23.20). Jesus é chamado de Leão da Tribo de Judá porque a Ele foi “dado todo o poder no céu e na Terra” (Mt 28.18). 2. Evangelho O Evangelho de João apresenta Jesus Cristo como o Filho de Deus (João 1.34; 3.18; 5.25; 9.35; 20.31; etc.). Esse evangelho foi direcionado a todos os crentes, independente de raça, língua, tribo ou espaço temporal, pois, al- cançou também nossos dias. Ele mostra a natureza divina de Cristo, enquanto os demais enfocam a origem e natureza humana de Jesus. 3. Símbolo A Pomba simboliza o Batismo com o Espírito Santo e, para os Qua- drangulares, a relação entre ambos não está firmada nas características dessa ave que se assemelha ao fruto do Espírito (brandura, doçura, amabilidade,
  • 15. 15 inocência, suavidade, paz, pureza e paciência), mas no fato dela ter sido cita- da diretamente nos evangelhos como a forma tomada pelo Espírito Santo ao descer sobre Jesus logo após seu batismo nas águas com João Batista (Mt 3.16; Mc 1.10; Lc 3.22; Jo 1.32). 4. A cor simbólica na Bandeira A segunda faixa da Bandeira Quadrangular é a amarela, ou ouro, a qual simboliza o fogo do Espírito Santo. Esta cor encontra-se em segundo lugar, assim como a doutrina cardinal, porque o Batismo com o Espírito Santo deve ser buscado com fervor por todos os que recebem a salvação. É através do poder espiritual desse batismo que o crente é edificado e fortalecido em todas as áreas de sua vida.
  • 16. 16
  • 18. 18 O Grande médico Texto base: “Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermi- dades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”. (Isaías 53.4 e 5). A terceira doutrina cardinal da Igreja do Evangelho Quadrangular mostra Jesus como o Médico Divino, como Aquele que cura, como o Médico dos médicos. Por causa do pecado de Adão, as doenças e a morte foram trazidas para a humanidade, mas na descrição da Ceia do Senhor pelos apóstolos e em I Coríntios 11.24-34, podemos perceber que a morte de Jesus não trouxe, exclusivamente, a salvação aos homens. Nela, existem dois elementos distintos que trazem dois simbolismos igualmente distintos. 1. O pão – que simboliza o corpo de Cristo, moído, ferido, “partido” por nós para nos trazer a cura das dores e enfermidades; 2. O sangue – que simboliza a nova aliança de Deus com os homens, ou seja, a redenção para os nossos pecados e a salvação de nossas almas. Jesus, portanto, não veio somente para salvar, mas para restaurar a saúde de todo aquele que Nele crer. “Pelas suas pisaduras, fomos sarados”. A cura divina é, portanto, parte do sacrifício de Jesus. Para o perdão, o san- gue bastava (se o propósito da cruz fosse somente a salvação). Deus, porém, não queria apenas salvar a humanidade, mas que ela também tivesse vida em “abundância” (João 10.10) e isto inclui saúde, cura e libertação. É preciso saber, no entanto, que para alcançarmos a cura, existem algumas condições a serem cumpridas. 1. Pertencer a Ele – o homem precisa ser “filho” de Deus (João 1.12). Para ter direito às promessas, é necessário haver um compromisso verdadeiro com o Senhor, reconhecer o sacrifício de Jesus e receber a Cristo. Não que outros não possam ser curados, mas a pessoa deve crer no poder de Deus para alcançar o milagre e isto está aliado à fé em Jesus. Quem não crer não pode obtê-lo.
  • 19. 19 2. Pedir – O pedir é uma demonstração de fé e confiança em Deus e nas Suas promessas. A Palavra diz: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á” (Mt 7.7). 3. Crer – Nada é possível sem que haja fé. “Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam”. (Hb 11.6). 4. Receber – Às vezes, achamos que isso é imediato, que oramos e “pum”, o milagre acontece. É difícil ao homem ter de esperar pela benção que é dada SEMPRE no momento certo. Deus não é mentiroso e, quando o que pre- cisamos demora a acontecer, não significa que Ele não nos ouve ou nos aban- donou. Para receber, também é preciso ter fé que o Senhor vai fazer o que pe- dimos, desde que não seja contrário à Sua vontade e princípios. A palavra chave aqui é “descansar”, ou seja, aguardar confiadamente pela resposta de Deus, sem desespero, sem murmuração, mas em paz. Isto é verdadeiramente CONFIAR. É importante entender que a cura divina chega até nós por intermédio de Jesus e do Espírito Santo que capacita os fiéis a impor as mãos sobre os enfer- mos para curá-los (Mc 16.18). O que não podemos esquecer, no entanto, é que os milagres não são feitos pelos homens, mas vêm de Deus. Sem a ação do Senhor, nada poderíamos fazer, pois, é dEle que vem o poder e não de nós mesmos. Simbologia 1. Rosto O terceiro rosto da visão de Ezequiel era o Rosto de Boi, o qual sim- bolizava Jesus Cristo como o Médico Divino ou Aquele que Cura. O boi é um símbolo de suportador de cargas. Ele é muito usado para executar trabalhos pesados. As cargas podem ser até além do que ele é capaz de carregar e, se cair no meio do caminho, levanta e continua, chegando ao ponto de morrer pela exaustão. Jesus também não recuou em sua jornada ao Calvário. Ele levou sobre Si o peso dos pecados de toda humanidade, até a morte. “Verdadeira- mente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si”. (Isaías 53.4a).
  • 20. 20 2. Evangelho O Evangelho de Marcos apresenta Jesus como Servo de Deus, “por- que o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos”. (Mc 10.45). Jesus mostra, claramente, sua submissão ao declarar-se como “servo” nesse versículo. Ninguém foi ou será tão obediente à vontade de Deus como Ele foi. 3. Símbolo Pensando em termos simbólicos, por que foi colocado o cálice como símbolo da cura, já que continha o sangue da nova aliança, e não o pão que é a figura do corpo de Cristo moído na cruz para que fôssemos sarados? Porque não é o cálice da Ceia do Senhor que traz o simbolismo da cura, mas sim, o cálice do Getsêmani (Mc 14.36). Ao pedir que este fosse afas- tado, Jesus mostra o terror diante do que O esperava e podemos entender que, nesse cálice que Ele teria de beber, estavam nossas dores, sofrimentos e doenças. 4. A cor simbólica na Bandeira A terceira faixa da bandeira Quadrangular é a azul, a qual simboliza a cura divina. O azul está no céu de onde vem a cura e todas as bênçãos de Deus sobre nós. Ela representa o amor divino que traz esperança e nos faz lembrar da grandeza, generosidade e misericórdia do Senhor.
  • 22. 22 A volta do Messias Texto base: “Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se apron- tou. E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecen- te; porque o linho fino são as justiças dos santos.” (Ap 19.7-8). A Igreja em todo mundo aguarda ansiosa por esse dia glorioso das Bodas do Cordeiro. Em todos os lugares do globo, fiéis compreendem a im- portância desse encontro da noiva com seu amado noivo, Jesus. De acordo com a mensagem Quadrangular, esse dia marcará o iní- cio do quarto aspecto do ministério de Cristo, como o Rei que há de vir. Mas, quando isso ocorrerá? Como poderemos ter certeza de estarmos preparados para esse dia? Quem participará das Bodas? Quem ficará de fora? Muitas são as perguntas que povoam a mente dos cristãos e nem todas podem ser respondidas com exatidão. A única certeza que podemos ter é a de que Ele virá para cumprir sua promessa de resgatar Sua noiva e levá-la para sempre aos céus. Em Apocalipse 22.12-14, Cristo diz: “E, eis que cedo ve- nho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra. Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro. Bem- -aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas.” A promessa de Sua volta envolve três aspectos importantes: 1. Jesus virá para nos receber para Si mesmo – Seu desejo é o de que estejamos para sempre com Ele nos céus; 2. Ele virá para nos recompensar – Apocalipse 22.12 diz: “e o meu ga- lardão está comigo”, porém, a continuação do versículo mostra que há uma condição para seu recebimento, pois, Ele dará “a cada um segundo a sua obra”; 3. Ele virá para nos dar um novo corpo – Jesus “transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso”. (Fp 3.20-21). O arrebatamento, como a volta de Jesus, acontecerá em duas etapas. A primeira está no versículo 16 do capítulo 4 de I Tessalonicenses, onde “os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro”. A segunda é a que diz respeito aos que serão arrebatados até o encontro com Ele nos ares (I Tessalonicenses 4.17).
  • 23. 23 É preciso, portanto, vigiar e vigiar sempre, sem vacilar, porque: 1. Não sabemos o dia (Mt 24.36-42); 2. Será num piscar de olhos (Mt 24.27); 3. O mundo sofrerá as consequências (II Pe 3.10-12). A Segunda Vinda de Jesus abrange duas fases diferentes. 1. Ele virá para buscar Sua Igreja – a primeira fase da volta de Jesus será exclusivamente para os salvos. Ele virá de forma invisível ao restante dos homens e somente os chamados pelas trombetas o verão, pois, subirão ao Seu encontro nos ares (I Ts 4.17). 2. Ele virá com Sua Igreja – Nesta fase, “todo o olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele”. (Ap 1.7). Cristo virá publicamente após os sete anos da Grande Tribulação. Jesus virá a qualquer momento e sem aviso, pois somente Deus sabe a hora certa de Sua volta. De acordo com as escrituras, Ele virá como um la- drão (I Ts 5.2; Ap 16.15), que entra inesperadamente e leva consigo o que quer. É preciso estar preparado para este dia e lembrar-nos sempre da parábola das noivas (Mt 25.1-13), dada por Jesus como um alerta a todo cristão. Devemos atentar para nossos passos, pensamentos e ações para não ser- mos pegos desprevenidos e percamos a chance de subir com Cristo. O pecado, a imoralidade e os maus caminhos certamente nos impedem de estarmos de acordo com a vontade de Deus e, pela desobediência, muitos ficarão quando Ele vier. “Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir”. (Mt 25.13) Simbologia 1. Rosto O quarto rosto visto por Ezequiel foi o Rosto de Águia, o qual represen- ta Jesus Cristo como o Rei que há de vir. É interessante meditar sobre essa compa- ração entre a águia e Cristo em Sua Segunda Vinda. Ela é considerada, em todo mundo, como sendo um símbolo de nobreza devido a algumas de suas caracte- rísticas, como a altivez, força e vigor. A águia é, portanto, símbolo de autoridade e de poder, sendo emblema de várias nações, incluindo Judá.
  • 24. 24 2. Evangelho Mateus apresenta Jesus Cristo como o futuro Rei. Ao ser questiona- do por Pilatos sobre Ele ser o “Rei dos Judeus”, Jesus respondeu: “Tu o dizes” (Mt 27.11). Nesta resposta, Ele estava falando sobre Seu reinado eterno e não um reinado terreno. O Evangelho de Mateus foi escrito para os Hebreus, pois, eles há muito esperavam pela vinda do Messias. Em João 4.25, a mulher sa- maritana confirma isso ao dizer: “Eu sei que o Messias (que se chama o Cristo) vem; quando ele vier, nos anunciará tudo”, ao que Jesus respondeu: “Eu o sou, eu que falo contigo”. (v. 26). 3. Símbolo A coroa é o símbolo da Segunda Vinda, onde Cristo voltará como o Grande Rei. Ela indica realeza, sabedoria e dignidade, indica também que aquele que a recebe é digno de honra. A coroa (de espinhos) que Jesus re- cebeu, no entanto, não foi lhe dada por Seus méritos ou por honra, mas por escárnio e afronta. A coroa da cruz não pertencia ao Senhor, mas deveria ter sido posta sobre a cabeça de todos os homens. 4. A cor simbólica na Bandeira A quarta doutrina cardinal da Igreja do Evangelho Quadrangular está simbolizada em sua Bandeira pela cor púrpura (ou roxa), a qual tipifica Jesus como o Rei que há de vir. Essa cor vem sendo associada sempre com a realeza, pois, as roupas e tecidos nesse tom eram caríssimos. A tintura era extraída de um molusco muito raro, tornando as roupas acessíveis somente às famílias ricas e nobres.
  • 25. 25 Palavra Final A mensagem Quadrangular não é apenas mais uma que surgiu da cabeça de um pregador, mas abrange todos os aspectos do ministério de Jesus aqui na terra. Ela nos mostra o quanto Deus se importava, se importa e sempre se importará com a humanidade. Nenhuma outra mensagem é tão abrangen- te e tão plena quanto essa. Nela, podemos entender o versículo do livro de João (3.16): “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. Podemos ver o amor de Deus em cada uma dessas palavras e per- ceber que Jesus tinha um propósito eterno para o homem ao vir a terra. Ele queria, sim, nos resgatar, mas Sua obra foi muito além disso, pois nos deu poder para vencer, cura e saúde para vivermos em abundância e a garantia da vida eterna ao Seu lado e ao lado do Pai. Vamos, portanto, proclamar por todos os cantos que Jesus Cristo SALVA, CURA, BATIZA E QUE EM BREVE ELE VOLTARÁ!
  • 28. 28