Sistemas prediais de aguas pluviais

10.316 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.316
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
388
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistemas prediais de aguas pluviais

  1. 1. Sistemas Prediais de Sistemas prediais de águas pluviais Águas Pluviais NBR 10844Doralice Ap. Favaro Soares 1/33
  2. 2. Normatização• Os condutores de águas pluviais não podem ser usados para receber efluentes de esgotos sanitários ou como tubo de ventilação da instalação predial de esgotos sanitários.• Os condutores de esgotos sanitários não podem ser usados pra transportar águas pluviais; Sistemas prediais de águas pluviais• As superfícies horizontais de lajes devem ter uma declividade mínima de 0,5% que garanta o escoamento das águas pluviais até os pontos de drenagem previstos;• O diâmetro interno mínimo dos condutores verticais de seção circular é de 75 mm• Os condutores horizontais devem ser projetados com declividade mínima de 0,5%.Doralice Ap. Favaro Soares 2/33
  3. 3. Dimensionamento• Vazão de projeto: Onde: Q = vazão (L/min) C. A.I Q= C = 1 = coeficiente de escoamento superficial 60 Sistemas prediais de águas pluviais A = área de contribuição (m2) I = intensidade pluviométrica (mm/h)• Área de contribuição: – Cobertura – Incremento devido a inclinação – Incremento devido às paredes que interceptam a água da chuvaDoralice Ap. Favaro Soares 3/33
  4. 4. Ralos Sistemas prediais de águas pluviaisRalo hemisférico (a) calha de concreto Ralo seco (b) calha de chapa galvanizada Doralice Ap. Favaro Soares 4/33
  5. 5. Ação dos ventos• Devido a ação dos ventos, considerar um ângulo de inclinação da chuva em Sistemas prediais de águas pluviais relação à horizontal de: Θ = arctg 2 Onde: θ é o ângulo de inclinação da chuva com a influência do vento Influência do vento na a = b + c c a =b+ inclinação da chuva: tgΘ 2Doralice Ap. Favaro Soares 5/33
  6. 6. Área de contribuição Para o cálculo das superfícies de captação são computadas, além das áreas horizontais, as superfícies de paredes ou muros próximos, que podem contribuir para a vazão no caso de chuva inclinada (ventos). Sistemas prediais de águas pluviaissuperfície plana horizontal superfície inclinada A = a ⋅b  h Observar que é A = a + ⋅b para cada “água”  2 do telhado.Doralice Ap. Favaro Soares 6/33
  7. 7. Área de contribuição superfície vertical única duas superfícies planas verticais opostas Sistemas prediais de águas pluviais a ⋅b a ⋅b A= A= 2 2Doralice Ap. Favaro Soares 7/33
  8. 8. Área de contribuição duas superfícies planas verticais opostas c ⋅d − a ⋅b a ⋅b < c ⋅d → A = 2 a ⋅b − c ⋅d a ⋅b > c ⋅d → A = Sistemas prediais de águas pluviais 2 duas superfícies planas verticais adjacentes e perpendiculares A12 + A22 A= 2Doralice Ap. Favaro Soares 8/33
  9. 9. Área de contribuiçãotrês superfícies planas verticais adjacentes e perpendiculares, sendo asduas opostas adjacentes a ⋅b A= 2 Sistemas prediais de águas pluviaisquatro superfícies planas verticais sendo uma de maior altura a ⋅b A= 2Doralice Ap. Favaro Soares 9/33
  10. 10. Intensidade pluviométrica (I) É baseada em dados pluviométricos locais; Deve ser determinada em função: - da duração da precipitação (t = 5 min) Sistemas prediais de águas pluviais - do período de retorno(T) Período de Retorno (T) T = 1 ano para áreas pavimentadas (tolerância de empoçamento) T = 5 anos para coberturas e terraços T = 25 anos para coberturas ou terraços onde não são permitidos empoçamentos.Doralice Ap. Favaro Soares 10/33
  11. 11. Intensidade pluviométrica (I) Determinação da Intensidade Pluviométrica (I) - Para Maringá, a intensidade média é dada por: Sistemas prediais de águas pluviais 0 , 213 2085.T I= (t + 10)1, 09 Onde: I = intensidade pluviométrica, mm/h T = período de recorrência, anos t = duração da chuva, min (t=5min)Doralice Ap. Favaro Soares 11/33
  12. 12. Calhas Sistemas prediais de águas pluviaisDoralice Ap. Favaro Soares 12/33
  13. 13. Calhas As calhas são condutos livres Onde: Equação de Chezy: v = C. Rh.i v = velocidade do escoamento, m/s; Sistemas prediais de águas pluviais 1 16 Rh = raio hidráulico, m; Equação de Manning: C = Rh i = declividade do fundo n da calha, m/m; Equação da continuidade: Q = v.S S = área da seção transversal da calha, m2; C = coeficiente de Chezy; 1 23 Então: Q = Rh .S . i n = coeficiente de n Manning; Q = vazão, m3/seg.Doralice Ap. Favaro Soares 13/33
  14. 14. Coeficiente de Manning (n) Sistemas prediais de águas pluviais Material n Plástico, fibrocimento, aço, metais não ferrosos 0,011 Ferro fundido, concreto alisado, alvenaria revestida 0,012 Cerâmica, concreto não-alisado 0,013 Alvenaria de tijolos não-revestida 0,015Doralice Ap. Favaro Soares 14/33
  15. 15. Características geométricas das calhas Calhas retangulares S = a ⋅b p = 2⋅a + b S Rh = p Sistemas prediais de águas pluviais Calhas circulares  2⋅ y  α = 2 ⋅ arccos1 −   D  D2 S= (α − sen (α )) 8 α ⋅D p= 2 S R= pDoralice Ap. Favaro Soares 15/33
  16. 16. Coeficientes multiplicativos da vazão de projeto Curva a menos de Curva entre 2 Tipo de curva 2 m da saída da e 4 m da saída Sistemas prediais de águas pluviais calha da calha Canto reto 1,2 1,1 Canto arredondado 1,1 1,05Doralice Ap. Favaro Soares 16/33
  17. 17. Dimensionamento dos condutores verticais Ábacos (CSTC/1975 – Bélgica) Dados: Q = vazão de projeto (L/min) Sistemas prediais de águas pluviais H = altura da lamina d´água na calha (mm) L = comprimento do condutor vertical (m) Incógnita: D = diâmetro do condutor vertical (mm)Doralice Ap. Favaro Soares 17/33
  18. 18. Dimensionamento dos condutores verticais Exemplo 1: Q = 1000 L/min; L = 6,0 m Sistemas prediais de águas pluviais H = 70 mm D=90 -> DN 100 Exemplo 2: Q = 1000 L/min; L = 6,0 m H = 80 mm D=71 -> DN 75Doralice Ap. Favaro Soares 18/33
  19. 19. Dimensionamento dos condutores horizontais Declividade uniforme mínima i = 0,5% Sistemas prediais de águas pluviais 2 Altura da lâmina d´água: H = D 3Doralice Ap. Favaro Soares 19/33
  20. 20. Capacidade dos condutores horizontais de seção circular (vazões, L/min) Sistemas prediais de águas pluviaisDiâmetro interno (D) n = 0,011 (mm) 0,5% 1% 2% 4% 100 204 287 405 575 150 602 847 1.190 1.690 200 1.300 1.820 2.570 3.650 250 2.350 3.310 4.660 6.620 300 3.820 5.380 7.590 10.800Doralice Ap. Favaro Soares 20/33

×